You are on page 1of 37

Curso de Sistemas de Informação

2
0
1
7

Gerência de Projetos -
1

Prof.ª Caroline Queiroz Santos


Gerenciamento de Custos
O grande desafio do gerente de projetos é essencialmente assegurar aos
patrocinadores que o projeto será rentável, ou seja, concluído dentro do
orçamento aprovado, através da aplicação dos processos de gerenciamento de
custos em projetos.
Gerenciar bem os custos é uma das atribuições do gestor de qualquer
organização, independente do seu segmento de atuação.
Este gerenciamento inclui planejar, estimar, monitorar e controlar os custos por
meio de metodologias e técnicas que precisam ser claramente definidas para
todos que participam do projeto.

2
Gerenciamento de Custos
O poder de influência sobre os custos é maior no início, quando ainda não são
totalmente conhecidos ou estão sendo negociados.
O custo de um projeto é definido pelo planejamento de todas as atividades
futuras, sequenciadas logicamente, e que consomem recursos de diversos tipos
ao longo do tempo.
São geralmente expressos em unidade monetária padrão.

3
Armadilhas que podem dificultar um
bom gerenciamento de custos
◦ Má interpretação da declaração do escopo;
◦ Escopo com omissões ou mal definido;
◦ Cronograma pobremente definido e muito otimista;
◦ EAP pouco detalhada;
◦ Previsão de recursos com perfil inadequado para as tarefas;
◦ Falha na quantificação de riscos;
◦ Falha no entendimento e na contabilização dos diversos tipos de custos;
◦ Escolha errada das diferentes técnicas de estimativa de custos;
◦ Entre outros.

4
Gerenciamento de Custos
O gerenciamento dos custos do projeto inclui os processos envolvidos em planejamento, estimativas,
orçamentos, financiamentos, gerenciamento e controle dos custos, de modo que o projeto possa ser
terminado dentro do orçamento aprovado. Os processos de gerência do custo do projeto incluem:
7.1 Planejar o gerenciamento dos custos é o processo de estabelecer as políticas, os procedimentos e a
documentação para o planejamento, gestão, despesas e controle dos custos do projeto.

7.2 Estimar os custos é o processo de desenvolvimento de uma estimativa de custos dos recursos monetários
necessários para terminar as atividades do projeto.

7.3 Determinar o orçamento é o processo de agregação dos custos estimados de atividades individuais ou
pacotes de trabalho para estabelecer uma linha de base dos custos autorizada.

7.4 Controlar os custos é o processo de monitoramento do andamento do projeto para atualização no seu
orçamento e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base de custos.

5
Pontos importantes no
Gerenciamento de Custos
◦ O foco principal é no custo dos recursos necessários para finalizar as
atividades do projeto.

◦ A estimativa deve ser baseada na EAP/ WBS.

◦ A estimativa deve ser realizada por quem irá realizar o trabalho.

◦ Informações históricas são extremamente importantes.

6
Pontos importantes no
Gerenciamento de Custos
◦ Um custo base deve ser estimado e aprovado, só podendo sofrer alterações
sob autorização
◦ Ações corretivas devem ser tomadas para garantir o custo durante a execução

O gerente de projetos sempre deve analisar e discutir as reais


necessidades do projeto (custo, tempo etc.) independente que essas
sejam impostas pela alta gerência!!!

7
Conceitos gerais de custo
◦ Custo: é o gasto necessário, ou melhor, a soma de recursos (mão-de-obra,
material, equipamentos, etc.) usados para produzir bens e serviços. Só existe
no processo de produção de bem ou serviço.

◦ Custos diretos: custos que são diretamente relacionados com as atividades do


projeto.
◦ Ex.: salários, materiais usados no projeto, viagens, horas de trabalho etc.
◦ Custos indiretos: custos que não são apenas atribuíveis a um projeto
específico, mas que estão distribuídos em muitos deles. Relacionados às
atividades necessárias ao funcionamento da empresa como um todo.
◦ Ex.: aluguel, conta de água, conta de luz, serviços de apoio administrativo, propagandas, impostos etc.

8
Conceitos gerais de custo
◦ Custos fixos: não variam segundo o rendimento ou o volume produzido. Ex.:
aluguel do escritório, que não varia com a quantidade de atividades do
projeto.
◦ Custos variáveis: é uniforme por unidade produzida. Varia na razão direta do
volume produzido. Ex.: custo de material que varia de forma proporcional em
função da dimensão do trabalho.
◦ Custo total: obtido pela somatória dos custos diretos, indiretos, fixos e
variáveis do projeto.

9
Distribuição de custos no tempo
◦ No início (exemplo: aquisição de
equipamentos).

◦ Distribuído ou rateado (exemplo: salários,


consultoria).

◦ No término (exemplo: pagamento de um


contrato).

10
Planejar o gerenciamento dos custos
É o processo de estabelecer as políticas, os procedimentos e a documentação
necessários para o planejamento, gerenciamento, despesas, e controle dos
custos do projeto. O principal benefício deste processo é o fornecimento de
orientação e instruções sobre como os custos do projeto serão gerenciados ao
longo de todo o projeto.

11
Estimar os custos
É o processo de desenvolvimento de uma estimativa dos recursos monetários
necessários para executar as atividades do projeto. O principal benefício deste
processo é a definição dos custos exigidos para concluir os trabalhos do projeto.

12
Estimar os custos
A estimativa de custos da atividade do cronograma envolve o desenvolvimento
de uma aproximação dos custos dos recursos necessários para terminar cada
atividade do cronograma.
Na aproximação dos custos, o avaliador considera as possíveis causas de
variação das estimativas de custos, inclusive os riscos.

13
Estimar os custos
O principal fator de custo nos projetos de software é proveniente do
esforço gasto com mão-de-obra.
No entanto, não se pode esquecer dos demais fatores que compõem
o custo final de um projeto, como:
◦ Hardware, software, infraestrutura.
◦ Viagens, estadias, consultorias.
◦ Treinamentos e outros investimentos.

14
Métodos para estimativa de custos
◦ Julgamento por especialistas (opinião especializada): baseada na experiência
de especialistas.
◦ Análoga ou por analogia: usa os custos reais de um projeto similar já
executado como base para a nova estimativa.
◦ Paramétrica: usa características do projeto em um modelo matemático/
estatístico para as estimativas.
◦ Decomposição (Bottom-up – de “baixo para cima”): estima itens de trabalho
individuais e soma para obter a estimativa total.
◦ Outros...

15
Estimativa análoga
A estimativa análoga de custos usa os valores como escopo, custo, orçamento e
duração ou medidas de escala como tamanho, peso e complexidade de um
projeto anterior semelhante como base para estimar o mesmo parâmetro ou
medida para o projeto atual.

◦ Emprega-se, como referência, o custo real de um projeto similar, anteriormente


executado.

◦ É utilizada quando há restritas informações sobre o projeto como o que ocorre em


suas fases iniciais.

16
Estimativa análoga
Exemplo:
Vamos supor que o software A é um pouco mais complexo e maior que o
software B (R$ 30.000), porém mais simples e menor que o software C
(R$80.000).
𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝐵+𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝐶
𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝐴 =
2
Ou seja:
30.000+80.000
𝐶𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝐴 = = 55.000
2

17
Estimativa paramétrica
A estimativa paramétrica utiliza uma relação estatística entre dados históricos
relevantes e outras variáveis (por exemplo, metros quadrados em construção)
para calcular uma estimativa de custos para o trabalho do projeto.

◦ Envolve o emprego de características do produto em um modelo matemático para a


previsão do custo do projeto.

◦ Os resultados são mais confiáveis quando informações históricas são confiáveis.

18
Estimativa paramétrica
Exemplo:
Software A

◦ Vamos supor que a estimativa do número de classes do software A seja 500.

◦ O custo por classe é R$ 100,00 (estimado)

◦ Total = 500 x R$ 100,00 = R$ 50.000,00

19
Estimativa "Bottom-Up"
A estimativa "bottom-up" é um método para estimar um componente do
trabalho. O custo de pacotes de trabalho individuais ou atividades é estimado
com o maior nível de detalhes especificados. O custo detalhado é então
resumido ou repassado para níveis mais altos para ser utilizado em
subsequentes relatórios e rastreamento.

◦ Envolve a estimativa dos custos de atividades individuais ou de pacotes de trabalho


integrantes da EAP

◦ Há um relação de compromisso entre o grau de detalhamento da EAP e o custo e


precisão das estimativas.

20
Estimativa "Bottom-Up"

Quantidade (horas) Tipo/ Função Valor por hora R$


200 Engenheiro Sênior 100,00 20.000,00
400 Engenheiro Pleno 70,00 28.000,00
120 Engenheiro Júnior 60,00 7.200,00
120 Testador 40,00 4.800,00
Subtotal 60.000,00

21
Considerações
◦ Ao terminar de fazer as alocações de recursos para cada uma das tarefas, você
terá TODOS os recursos necessários ao projeto.

◦ Procure utilizar recursos com perfil versátil para reduzir o headcount (número
de recursos humanos no projeto).

◦ Um bom software de gerenciamento de projetos ajuda muito.

◦ Valorize histórico de projetos anteriores e padrões de mercado.

22
Desafios da Estimativa de Custos
◦ Estimativas técnicas incorretas quanto a tempo e custo;
◦ Falta de experiência dos profissionais;
◦ Mudanças no projeto durante sua implementação:
◦ Superação de problemas técnicos;
◦ Acomodação a mudanças feitas pelo cliente nas especificações do projeto;
◦ Administração do desejo irreprimível da equipe de fazer melhoramentos;
◦ Fatores ambientais;
◦ Fatores psicológicos;
◦ Pressão política.

23
Estimar os custos: saídas
Estimativas de custo das atividades: são avaliações quantitativas dos prováveis
custos dos recursos requeridos para implementação das atividades do projeto.
◦ Expressas em unidades monetárias.

Base das estimativas: documentação de suporte que fornece um entendimento


claro e completo a respeito de como a estimativa de custos foi derivada.

Atualizações nos documentos do projeto: os documentos do projeto que podem


ser atualizados incluem, mas não se limitam, ao registro dos riscos.

24
Determinar o orçamento
É o processo de agregação dos custos estimados de atividades individuais ou
pacotes de trabalho para estabelecer uma linha de base dos custos autorizada.
O principal benefício deste processo é a determinação da linha de base dos
custos para o monitoramento e controle do desempenho do projeto.

25
Determinar o orçamento
◦ Provê a linha de base de custos para o projeto.
◦ Será utilizado para avaliar e monitorar o desempenho do gerenciamento
relativo aos custos do projeto.
◦ O desembolso real dos recursos dependerá da administração financeira da
organização (negociação de prazos, etc.)

26
Fluxo de Caixa

27
Orçamento

28
Curva S
◦ Representa a linha de base do custo do projeto.

◦ Mostra o desempenho do custo do projeto ao longo do tempo.

◦ Sob forma de representação gráfica, mostra o fluxo dos valores acumulados


dos custos desde a fase inicial até o final do projeto.

◦ A curva S pode mostrar também os valores do trabalho acumulado no projeto.

29
Gerenciamento de Custos
Pode ser:
Custo
Horas trabalhadas
Etc.

30
Curva S
◦ É formada pelo somatório dos custos
acumulados de um projeto em cada unidade
de tempo em que o projeto foi dividido.
◦ Programação em PDI: Curva S relativa aos custos
do cronograma adotando as datas mais cedo de
início das atividades.
◦ Programação em UDI: Curva S relativa aos
custos do cronograma adotando as datas mais
tarde de início das atividades.
◦ A importância de montar a curva em PDI e
UDI é permitir conhecer os limites
orçamentários.

31
Gerenciamento de Custos
Além da Curva S, outras métricas que podem ser utilizadas no
projeto são:

◦ Conceito de Valor Agregado (Earned Value)


◦ Variação do cronograma
◦ Variação de custos

32
Valor Agregado (Earned Value)
Objetivos:

◦ Planejar através da declaração de escopo e da EAP todo o trabalho a ser realizado,


antes de começar a realizá-lo.

◦ Medir o desempenho baseado em critérios técnicos consistentes, previamente


estabelecidos.

◦ Analisar o consumo dos recursos à luz do trabalho efetivamente realizado(não


apenas o trabalho previsto no cronograma).

33
Valor Agregado (Earned Value)
◦ Uma vez aprovado o plano, estabelece-se o que se define como “linha de base” para
o Projeto.
◦ Os valores de orçamento serão atribuídos às tarefas ao longo do Projeto, conforme o
cronograma aprovado.
Méritos do Sistema - Valor Agregado
◦ Induz ao planejamento a prática de apropriar os valores efetivos às tarefas.
◦ Permite acompanhar os desvios “reais” do processo.
◦ Permite o acompanhamento da evolução do projeto com base em um parâmetro
objetivo ($).
◦ Deve-se eliminar requisitos não quantificáveis.

34
Controlar os custos
É o processo de monitoramento do andamento do projeto para atualização no
seu orçamento e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base de custos.
O principal benefício deste processo é fornecer os meios de se reconhecer a
variação do planejado a fim de tomar medidas corretivas e preventivas,
minimizando assim o risco.

35
Controlar os custos
Garantir que houve um acordo em relação às mudanças solicitadas.
Monitorar as mudanças reais quando e conforme ocorrem.
Garantir que os possíveis estouros nos custos não ultrapassam o financiamento
autorizado periodicamente e no total para o projeto.
Monitorar o desempenho de custos para detectar e compreender as variações
em relação à linha de base dos custos.
Evitar que mudanças incorretas, inadequadas ou não aprovadas sejam incluídas
nos custos relatados ou na utilização de recursos.
Informar as partes interessadas adequadas sobre as mudanças aprovadas.

36
Referências
Project Management Institute. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos
em Gerenciamento de Projetos (PMBOK) 5ª ed. Newtown Square: PMI,
2013.
Notas de Aula – PUC Minas. Profªs: Ana Catarina Lima Silva & Rosilane
Ribeiro da Mota.
Notas de Aula. Fundamentos de Gerenciamento de Projetos. TI Exames,
2010.
Apostila de Gestão de Custos – IETEC. Profª. Rosânia Fernandes. 2008.
VARGAS, Ricardo Viana. Manual Prático do Plano de Projeto. 3ª Edição.
Rio de Janeiro: Brasport, 2007.

37