You are on page 1of 8

PORTUGUÊS 7.

O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1

ESCOLA________________________________________________ D ATA ___/ ___/ 20__

NOME________________________________________________ N. O____ TURMA_____

GRUPO I
Lê o texto.
Texto A
Eles estão em pulgas por ter uma casa
Marta Cerqueira
A lei que criminaliza os maus-tratos e abandono de animais tem ajudado a
diminuir o número de cães e gatos que dão entrada em abrigos. Aproveitando a
onda positiva, a Bayer criou a campanha “Em pulgas para te conhecer”, que
incentiva a adoção.
5 São números que não deixam ninguém orgulhoso. Em 2014, quase 32 mil animais
chegaram aos canis e gatis municipais, de acordo com dados da Direção-Geral de
Alimentação e Veterinária, número que é 41% mais alto do que em 2010 e 135% mais alto
do que em 2008.
A boa notícia é que este ano parece ter sido de consciencialização: o número de
10 animais a dar entrada em abrigos municipais diminuiu logo nos primeiros meses do ano e
espera-se que, com a entrada em vigor da lei que passou a criminalizar os maus-tratos e
abandono dos animais, os números de 2015 sejam mais reduzidos.
Entre outubro, quando entrou em vigor esta lei, e o final de junho deste ano
registaram-se 2239 queixas na GNR enquadradas no diploma, embora apenas 50 tenham
15 tido seguimento com processo criminal. Há muitos animais abandonados que não estão
identificados com chip, o que torna difícil, se não impossível, identificar e localizar os
donos.
Apesar de os dados estarem longe de mostrar um cenário perfeito, a tendência é
de melhoria. Mesmo assim, quem lida com este fenómeno sabe que a mudança de
20
comportamentos nem sempre é imediata e, por isso, foi lançada uma campanha que
procura ajudar a acelerar o processo. “Em pulgas para te conhecer” quer contrariar a
tendência de abandono e incentivar a adoção de um animal.
A iniciativa é da Bayer HealthCare, concretizada em conjunto com sete
associações de animais espalhadas por todo o país. Juntas, pretendem dar uma nova
25
família ao maior número de animais possível, fomentando, no entanto, uma adoção
responsável.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 1


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1
Por cada animal adotado numa destas sete associações, a Bayer HealthCare
concede ao adotante um kit de boas-vindas para o animal, constituído por um saco “Eu <3
o meu cão/gato”, um calendário com íman, uma gamela, uma toalha, um boletim de
vacinas, uma bolsa e um rolo de sacos higiénicos.
30 Esta campanha já está em vigor e decorre até 31 de dezembro.
In Jornal i (online), 25/09/2015 (excerto)

1. Seleciona, em cada item, a alínea que completa cada frase de forma adequada,
de acordo com o sentido do texto.
1.1. Segundo os dados oficiais, o número de animais abandonados
a) aumentou em 2014.
b) aumentou em 2010.
c) diminuiu em 2008.
d) tem vindo a aumentar.

1.2. Presume-se que a atual tendência de diminuição do número de animais


abandonados se deve
a) a denúncias efetuadas na Guarda Nacional Republicana.
b) a campanhas de sensibilização contra o abandono de animais.
c) à entrada em vigor da lei que criminaliza os maus-tratos e abandono de
animais.
d) à consciencialização das pessoas que adotam os animais.

1.3. Na linha 21, “processo” refere-se à


a) adoção de animais de abrigos municipais.
b) prevenção de abandono de animais.
c) campanha “Em pulgas para te conhecer”.
d) mudança de comportamento dos adotantes de animais.

1.4. “Em pulgas para te conhecer” (linha 21) é


a) o nome de uma associação de animais.
b) o slogan de uma campanha contra o abandono de animais.
c) o lema dos defensores dos direitos dos animais.
d) um incentivo para a desparasitação dos animais.

2. Explicita o significado da expressão “Em pulgas para te conhecer” (linha 21), tendo em
conta o contexto em que surge.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 2


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1
Texto B
Lê o texto de opinião. Se necessário, consulta o vocabulário.

Dádivas
Ana Bacalhau
Todos os anos, no Natal, são oferecidos animais. Muitos deles, comprados a lojas
que têm em vista o lucro, mais do que o bem-estar dos animais que criam. Enquanto isso,
nos canis e associações de animais, existem milhares que esperam uma casa quente e
um aconchego no colo de alguém.
5
A maior parte já foi abandonada pelo mesmo colo que lhe jurou amor eterno, mas
que se descartou de si à primeira dificuldade. As desculpas, conhecemo-las todas. Ou
porque se vai de férias e não se tem com quem deixar, ou porque nasceu um bebé, ou
porque o animal está doente e velho e não se tem disponibilidade ou recursos para o
acompanhar e tratar, ou porque foi um presente de Natal que cresceu mais do que o
esperado e que agora vai para o lixo, juntamente com os outros presentes de Natal que já
10
não servem.
O problema está em teimar considerar-se um animal como uma coisa, um objeto
que tem «dono», ao invés de um ser senciente1 que está integrado numa família e que faz
parte dela como qualquer outro membro humano. Se já olharam nos olhos de um outro
mamífero, terão percebido o que agora a ciência começa a descobrir: os animais criam
15
ligações emocionais, têm memória, fundamental na construção dessas mesmas ligações,
e sofrem quando magoados física e psicologicamente.
Se assim não fosse, como explicaríamos os casos de animais que arriscam a vida
para salvar os seus companheiros humanos ou outros companheiros animais? O instinto
não explicaria porque um macaco na Índia passa 20 minutos a tentar reanimar um outro
20
macaco que, tendo atravessado a linha de comboio, tombou eletrocutado e inconsciente,
tendo sido salvo pelo seu herói primata, que, incansável, o sacode, morde, deita-lhe água,
até que finalmente acorda, são e salvo, perante o olhar de centenas de pessoas que
assistiam, enquanto esperavam o comboio. Ou o cão vadio que vê o seu companheiro de
rua morto, atropelado e o tenta trazer para a segurança da berma, arriscando a própria
25
vida.
Teríamos tanto para aprender com estes atos de fraternidade2, não estivéssemos
tão convencidos de que esses atributos são exclusivamente humanos. Às vezes parece
que foram os humanos que se esqueceram de como amar o próximo sem disso pretender
retirar qualquer benefício que não seja o bem-estar do outro. E por outro, refiro-me a
30
qualquer outro ser.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 3


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1

Se descobrimos forma de conhecer os lugares mais recônditos do planeta, com


certeza conseguiremos, se quisermos, achar uma forma de ir de férias sem abandonar o
cão. Haverá certamente amigos, família e hotéis para animais que possam dar uma ajuda.
Se conseguimos achar a cura para tantas doenças e perceber de que forma nos
35
podemos proteger contra tantas outras, com certeza conseguiremos conviver com um
gato mesmo estando grávidas. Basta para isso que a grávida não entre em contacto direto
com as fezes do animal. Há luvas descartáveis e maridos e amigos e desinfetantes que se
podem encarregar disso na perfeição. E se o vosso médico vos disser para abandonarem
o vosso gato, abandonem o médico de imediato. Se não se tiver recursos para tratar um
40
animal doente, procure-se as associações de animais, que poderão ajudar a encontrar ve-
terinários que aceitem planos de pagamento conforme as possibilidades de cada um e
outras soluções que possam servir a cada caso.
Se não se tiver «vida» para acompanhar um animal idoso ou doente, então não há
mesmo nada a fazer. Ou talvez haja. Procurar um cardiologista que o/a ajude a encontrar
45
um coração.
Em qualquer caso, antes de se adotar um animal, deve-se pensar longamente se
se estaria disposto a enfrentar todas as dificuldades que possamos encontrar. E se não,
antes de abandonar um animal, abandonar a ideia de ter um.
Um animal não é uma prenda. É uma dádiva que só alguns saberão reconhecer.
50
In Notícias Magazine, 28/12/2014
Vocabulário
1
senciente: sensível; que tem sensações
2
fraternidade: amor ao próximo; afeto ou carinho entre irmãos

3. Ordena as frases de A. a F., de acordo com a sequência lógica dos acontecimentos


no texto. Começa pela letra E.
A. Recomendação relativamente à intenção de adotar um animal.
B. Enumeração das causas de abandono de animais.
C. Apresentação de medidas alternativas ao abandono de animais.
D. Constatação de que os animais são seres com sentimentos.
E. Alusão à compra de animais para oferecer no Natal.
F. Apresentação de casos reais que comprovam a emotividade dos animais.

4. Explicita a crítica implícita no primeiro parágrafo em relação às lojas de animais.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 4


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1
5. “As desculpas, conhecemo-las todas.” (linha 6)
5.1. Identifica o motivo das “desculpas” supracitadas.
5.2. Expõe as “desculpas” apresentadas no texto.

6. Demonstra, com um exemplo do texto, que os animais são seres sencientes.

7. “E se o vosso médico vos disser para abandonarem o vosso gato, abandonem o


médico de imediato.” (linhas 39-40)
7.1. Indica a razão pela qual o médico poderia sugerir o “abandono do gato”.
7.2. Aponta as medidas alternativas sugeridas no texto, para prevenir o abandono
de animais em situações idênticas.

8. Esclarece o conselho dado, no penúltimo parágrafo do texto, a quem pretende adotar


um animal.

GRUPO II

1. Os animais são abandonados por quem decerto lhes jurou amor eterno.
1.1. Indica a classe e a subclasse das palavras sublinhadas na frase anterior.

2. Reescreve as frases seguintes, substituindo cada expressão sublinhada pelo


pronome pessoal adequado. Faz apenas as alterações necessárias.
a) Um macaco passou 20 minutos a tentar reanimar um outro macaco.
b) As pessoas abandonam os seus animais de estimação em abrigos municipais.
c) Se não tiver predisposição, não adote um animal.

3. Identifica as funções sintáticas desempenhadas pelas expressões sublinhadas em


cada uma das frases a seguir apresentadas.
a) “Todos os anos, no Natal, são oferecidos animais.” (linha 1)
b) “[...] pelo mesmo colo que lhe jurou amor eterno [...].” (linha 5)
c) “Um animal não é uma prenda.” (linha 50)

4. Muitos animais são abandonados pelos donos na época de férias.


4.1. Transcreve o complemento agente da passiva da frase.
4.2. Reescreve a frase anterior na ativa. Faz apenas as alterações necessárias.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 5


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1
GRUPO III

“Às vezes parece que foram os humanos que se esqueceram de como amar o próximo
sem disso pretender retirar qualquer benefício que não seja o bem-estar do outro.”
(linhas 28-30)

Escreve um texto de opinião, que pudesse ser publicado num jornal escolar, em
que apresentes razões que defendam ou contrariem a afirmação acima transcrita.

O teu texto, com um mínimo de 140 e um máximo de 220 palavras, deve incluir
uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 6


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1

COTAÇÃO DO TESTE
GRUPO I GRUPO II GRUPO III
1. ……. 12 pontos 1.1. ...... 3 pontos  Tema, tipologia e extensão do texto
2. …..... 4 pontos 2. ...….. 6 pontos  Coerência e pertinência da informação
3. …..... 3 pontos 3. ...….. 6 pontos  Estrutura e coesão
4. ...….. 4 pontos 4.1. ….. 2 pontos  Morfologia e sintaxe
5.1. ….. 4 pontos 4.2. ….. 3 pontos  Ortografia
5.2. ….. 6 pontos ___________  Repertório vocabular
6. …….. 4 pontos 20 pontos
_____________
7.1. ….. 4 pontos
30 pontos
7.2. ….. 5 pontos
8. …….. 4 pontos
_________
50 pontos
TOTAL: 100 pontos

CENÁRIOS DE RESPOSTA DO TESTE

ITENS DE RESPOSTA
Grupo I – Leitura e Escrita COTAÇÕES
1.1. a)
1.2. c)
1.3. d) 3x4=12
1.4. b)
……………………………………………………………………………………....................
……….……
2. A expressão significa que os animais estão ansiosos por conhecer um novo dono.
2+2=4
……………………………………………………………………………………....................
……….……
3. E, B, D, F, C, A.
3
……………………………………………………………………………………....................
……….……
4. As lojas de animais têm apenas em vista lucrar com a venda de animais, não se
preocupando verdadeiramente com o seu conforto.
2+2=4
……………………………………………………………………………………....................
……….…..
5.1. O motivo das “desculpas” é o abandono de animais.
2+2=4
……………………………………………………………………………………....................
……….……
5.2. A ausência durante o período de férias, o nascimento de um bebé, a doença ou
velhice do animal, o facto de este ter crescido demasiado são as “desculpas”
4+2=6
apresentadas no texto para abandonar os animais.
……………………………………………………………………………………....................
……….……
6. Há animais que arriscam a própria vida para salvar a de outros animais, como o
caso do cão que tentou arrastar para a berma outro cão que tinha sido atropelado
2+2=4
e se encontrava no meio da rua.
……………………………………………………………………………………....................
.....................
7.1. O facto de uma mulher estar grávida e não ser aconselhável conviver com
gatos.
2+2=4
……………………………………………………………………………………....................
.....................
7.2. No texto, sugere-se que a grávida use luvas descartáveis para lidar com o
animal, peça ajuda ao marido ou a amigos e que use desinfetantes para
3+2=5
prevenir possíveis contaminações.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 7


PORTUGUÊS 7.O ANO – TESTE DE
AVALIAÇÃO Nº 1

8. No último parágrafo, aconselha-se as pessoas a pensarem muito bem antes de 2+2=4


adotarem um animal, se realmente é isso que pretendem ou se o podem ter à
sua responsabilidade, para evitar que o mesmo seja mais tarde abandonado.

Grupo II – Gramática

1.1. “decerto” – advérbio; “lhes” – pronome pessoal; “eterno” – adjetivo qualificativo 1x1=3
…………………………………………………………………………………….................... …..…….……
2.
a) Um macaco passou 20 minutos a tentar reanimá-lo.
b) As pessoas abandonam-nos em abrigos municipais. 2x3=6
c) Se não tiver predisposição, não o adote.
…………………………………………………………………………………….................... …….....….….
3.
a) sujeito
b) complemento indireto 2x3=6
c) predicativo do sujeito
…………………………………………………………………………………….................... …….….….....
4.1. “pelos donos” 2
…………………………………………………………………………………….................... ….…….….…
4.2. Os donos abandonam muitos animais na época de férias. 3

Grupo III – Escrita

Na redação do texto, o aluno deverá:


– escrever um texto argumentativo;
– cumprir as instruções fornecidas relativamente à tipologia textual e à extensão
do texto; 30
– produzir um discurso coerente do ponto de vista da informação fornecida, da
progressão textual;
– usar adequadamente parágrafos, marcadores do discurso, pontuação;
– utilizar vocabulário adequado, pertinente e variado;
– escrever com correção ortográfica e morfossintática.

©Edições ASA | 2015 − Alice Amaro 8