You are on page 1of 47

Introdução à

adolescência:

uma breve
reflexão
Profa. Dra. Cynthia Melo
cf.melo@yahoo.com.br
Universidade Estadual do Ceará

1

2

Algumas perguntas
 “O que é ser criança?”

 “O que vem a ser a adolescência?”.

3

 Perguntasque parecem muito fáceis de
seres respondidas, mas que traz em si
uma série de reflexões profundas e de
amplitude grande.

4

Para aqueles mais
desavisados, ou mais rápidos
nas suas respostas...

. 5 A visão sobre a infância . . é o melhor momento da vida”. gostar de comer bolo de chocolates..Ser criança “é viver um mundo de sonhos e fantasias.

6 .

7 Agora é hora do Oooowwwwwwww .

ou seja. a infância é considerada o "melhor tempo da vida". existe a compreensão de que ser criança resume-se em ser feliz. . ter condições de vida propícias ao seu desenvolvimento. despreocupado. alegre. 8 A visão sobre a infância  De um modo geral.

a compreensão da adolescência é permeada pela ideia de “ABORRESCÊNCIA. 9 A visão sobre a adolescência  Ao mesmo tempo. . rebeldia e atrevimento”.

10 .

. naturalmente. o indivíduo torna-se alguém muito chato. 11 A visão de adolescência  Já a adolescência se configura como um momento em que. difícil de se lidar e que está sempre criando confusão e vivendo crises.

.. 12 Mas será que é sempre assim..

. 13 Não! .com as crianças? .

14 Não! .com os adolescentes? ..

15 Qual seria a explicação?  Uma reflexão para próxima aula. .

Leila Maria Ferreira.J & KOLLER. Infância e adolescência na sociedade contemporânea: alguns apontamentos. n. M. M.H. Mar. Adolescência normal. A.M. • FROTA. Revista psi UERJ. 2005 . Diferentes concepções da infância e adolescência: a importância da historicidade para sua construção. Campinas. • SALLES. 16 Referências • CONTINI.C. 2007. v.M. 1. M. 1 (13). 22. Estud. • ABERASTURY. 2002. & KNOBEL. psicol. (1980). A.. (Campinas). RJ: CFP.S. Porto Alegre: Artes Médicas. Adolescência e psicologia: concepções práticas e reflexões críticas.L.

17 .

br Universidade Estadual do Ceará 18 .com.melo@yahoo. Cynthia Melo cf. Dra.Adolescência: uma perspectiva crítica Profa.

19 Entendendo a adolescência  Conceito mais utilizado:  Adolescência é a fase que marca a transição entre a infância e a idade adulta. .

20 Entendendo a adolescência É comumente associada à puberdade. referindo-se ao conjunto de transformações fisiológicas ligadas à maturação sexual. . que traduzem a passagem progressiva da infância à adolescência. palavra derivada do latim pubertas-atis.

21 Entendendo a adolescência ATENÇÃO!  Esta perspectiva prioriza o aspecto fisiológico. quando consideramos que ele não é suficiente para se pensar o que seja a adolescência. .

mental e social .e representa para o indivíduo um processo de distanciamento de formas de comportamento e privilégios típicos da infância e de aquisição de características e competências que o capacitem a assumir os deveres e papéis sociais do adulto. 22 Entendendo a adolescência  Essa fase caracteriza-se por alterações em diversos níveis .físico. .

 A OMS – organização Mundial de Saúde define adolescente como o indivíduo que se encontra entre os 10 e 20 anos de idade.  A ONU – Organização das nações Unidas define juventude como a fase entre 15 e 24 anos de idade .  Alguns teóricos (Steinberg) afirmam que a adolescência se estende aproximadamente dos 11 aos 21 anos de vida. .sendo que ela deixa aberta a possibilidade de diferentes nações definirem o termo de outra maneira. 23 Entendendo a adolescência  Não se pode definir com exatidão o início e fim da adolescência (ela varia de pessoa para pessoa).

aonde o menor nessa faixa de idade se cometer um crime pode receber medidas sócio educativas dele. o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece ainda uma faixa etária para menores de idade .dos 12 anos completos aos 18 anos incompletos. . inclusive de restrição da liberdade através de apreensão. 24 Entendendo a adolescência  No Brasil.

. 25 Entendendo a adolescência A idade da adolescência varia culturalmente de nação para nação. no Brasil a adolescência culturalmente começa ao se completar 13 anos e termina ao se completar 18 anos.

26 Entendendo a adolescência  Os limites fisiológicos e jurídicos são insuficientes para compreender esse período. .

27 Esse é um processo de mudanças físicas. . sociais e psicológicas.

28 Resgatando a última aula .

29 Na aula passada vimos que. • Nascidas e criadas nos cinturões de miséria. • As que são exploradas sexualmente ... • As que sofrem agressões físicas.  Nem todas as crianças vivem no país da infância.

30 Para estas crianças. . quando olham as vitrinas das lojas de brinquedos. que podem apenas imaginar. o país que sonham. quando veem TV ou quando olham passar. é uma oportunidade para visitar. por momentos que seja. a infância é um lugar mítico. nos carros dos pais. tio? – não é só dinheiro que querem. garotos da classe media. Quando pedem num tom súplice – tem um trocadinho aí.

• Os que são bons filhos. • Que não vivenciam sérias crises. • Bons alunos. . 31  Nem todos os adolescentes são aborrecestes.

32 A infância e a adolescência são construções sociais. .

.  Há um processo de apropriação da realidade pelo indivíduo de tal forma que o homem ao viver em sociedade apropria–se do social e o mundo exterior se torna interno.  Influencia e é influenciado. Vygotsky. (Leontiev. 1993). 1978. 33 HOMEM SER SOCIAL: CONSTROI E É CONSTRUIDO.

34 A história de vida. . não é um processo interior independente da sociedade. pois o social constitui o subjetivo. embora seja singular.

35 Ninguém é uma ilha. .

36 Adolescência: um conceito social O problema da adolescência é um mito. inventado no começo do século 20. . que vingou sobretudo depois da Segunda Guerra Mundial por se tornar NATURALIZADO.

Mas. estudam. trabalham. eles precisam lutar com a adolescência. eles se procuram e eventualmente se acham. que é uma criatura um pouco monstruosa. p. 9) . Como se diz hoje. Batalham com seus corpos. que se esticam e se transformam. brigam. adolescentes e pais. Calligaris (2000. Lidam com as dificuldades de crescer no quadro complicado da família moderna. sustentada pela imaginação de todos. além disso. 37 Nossos adolescentes amam.

Uma visão naturalista: um estado e não uma condição social . 38 A “construção” da adolescência: antes da modernidade  Rosseau – a invenção da adolescência Período típico do desenvolvimento marcado pela turbulência onde o jovem não é nem criança. nem adulto.

. 39 A “construção” da adolescência moderna  Ariès Somente após a implantação do sentimento de infância. tornou-se possível a emergência da adolescência como uma fase com características peculiares e únicas. no século XIX. distintas dos outros momentos desenvolvimentais.

No entanto. sempre existiram. Schmidt (1996) O que hoje denominamos infância e adolescência. constituíram-se historicamente dentro das sociedades. para se fazerem concretas. 40 A “construção” da adolescência moderna  Santos (1996) e Levi. . enquanto idades cronológicas.

levando a um elastecimento do período de preparação dos jovens para o ingresso no mercado de trabalho. 41 A “construção” da adolescência moderna  A condição básica que favoreceu a “inauguração” da adolescência ocidental do século XX foi.  Além disso. aumenta também o tempo de tutela das crianças pelos pais. uma vez que elas são mantidas mais tempo nas escolas. a realidade contemporânea e tecnicista exige cada vez maiores aperfeiçoamentos profissionais. a possibilidade de prescindir da ajuda financeira dos jovens que agora podem se dedicar mais tempo à formação profissional. . principalmente. Paralelamente.

 É possível vermos que a virada para o século XX traz consigo a invenção de uma adolescência representada como uma fase de “tempestades e tormentas” e germe de transformações. .  Esse fenômeno facilitou que se plasmasse tal caracterização como a característica própria dos jovens. a adolescência contemporânea foi criada a partir de um contexto de crises e contestação social. 42 A “construção” da adolescência moderna  Enquanto construção da modernidade.

de 1968.  Por toda a década de 70.  Movimento juvenil. . 43 A “construção” da adolescência moderna O movimento hippie. da década de 60. o movimento de ampliação da contracultura juvenil continuou se expandindo.

44 A “construção” da adolescência moderna .

.  Erikson (1976): criou o conceito de moratória (confusão de papéis e dificuldade em estabelecer identidade).  Aberastury e Knobel (1981): Síndrome normal da adolescência. 45 A “construção” da adolescência moderna  Um mito reforçado por grandes teóricos:  Freud e Piaget: desprezam o contexto social e cultural. tendendo a identificar bases universais para suas proposições.

social e político. adolescência é um processo de mudança física. . 46 Sim. mental e social Mas precisa ser compreendido no contexto histórico.

& KNOBEL. Revista psi UERJ.H. 1 (13). Mar.M. A. v. • SALLES. 2007. psicol. A. Porto Alegre: Artes Médicas. M. 2002. Adolescência normal. (Campinas). n. Campinas.M. 1. • FROTA.L.S. Estud. M. 22. 47 Referências • CONTINI. Adolescência e psicologia: concepções práticas e reflexões críticas. (1980).J & KOLLER. Infância e adolescência na sociedade contemporânea: alguns apontamentos.C. RJ: CFP.. M. Diferentes concepções da infância e adolescência: a importância da historicidade para sua construção. Leila Maria Ferreira. • ABERASTURY. 2005 .