You are on page 1of 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL

Disciplina: Antropologia da Saúde e da Doença (ANT0050).


Professor: Carlos Guilherme do Valle.
Período: 2016.2.
Créditos: 04. Horas-aula: 60.
2ª feira, 14:50 – 18:30 hs.

Ementa: Os debates teóricos sobre saúde e doença; o problema da racionalidade e da


crença; os sistemas médicos ocidentais e não-ocidentais; o papel do doente e a
construção cultural do paciente; os especialistas terapêuticos e seus espaços de
cura/tratamento; a dimensão comunitária e associativa das terapias e das curas; corpo,
doença e simbolismo; ritual, eficácia e cura; experiência e interpretação da doença e do
sofrimento; itinerários terapêuticos; gênero, sexualidade e saúde; práticas e tecnologias
terapêuticas; biossocialidades, identidades e mobilização bio-político-social;
saúde/doença e genética; saúde e políticas públicas.

Objetivos: O curso irá proporcionar ao aluno uma introdução às contribuições teóricas


mais significativas sobre saúde e doença a partir da Antropologia, sem a intenção de ser
exaustivo das diferentes discussões e abordagens existentes. Autores e textos
considerados “clássicos” serão discutidos junto de pesquisas antropológicas mais
recentes e/ou contemporâneas. Serão também discutidas as propostas metodológicas e
etnográficas que orientam as pesquisas dos autores estudados.

Avaliação:
1) Discussão de textos e seminários individuais ao longo das sessões.
2) Seminários serão previstos e agendados para apresentação individual. Para sua
realização, o aluno deverá apresentar os pontos do texto em sua integralidade,
atentando para os principais argumentos teórico-metodológicos do autor. Os
textos para seminário serão distribuídos nas primeiras aulas.
3) Como trabalho final de curso, o docente encaminhará um conjunto de questões
para os alunos. Serão duas questões: uma obrigatória e outra opcional a partir do
conjunto de questões oferecidas. Cada questão deverá ter aproximadamente 8 a
10 páginas (espaço 1,5; Fonte New Times Roman, 12), sem contar a
bibliografia.

Dinâmicas das aulas. O docente apresenta cada uma das sessões e poderá introduzir
textos complementares; todos alunos terão de ler um ou dois textos obrigatórios e será
responsável pela apresentação de um terceiro [poderão usar data show e mídias
digitais].

Programa:
1a Aula – Apresentação do docente e dos alunos, do programa. Aula expositiva.

2ª Aula – Mesa redonda “Saúde, risco e doenças crônicas: abordagens antropológicas”.


Auditório B, CCHLA, 16 às 19 horas.
3ª Aula - Antropologia, saúde e doença: um “clássico”.
EVANS PRITCHARD, E.E. Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande. Rio de
Janeiro: Zahar. 2005 [1937]. (Capítulos 5, 6, 7, 11, 12), pp. 90-135; 186-224.

4a Aula - Antropologia, corpo e morte: “clássicos” II:


MAUSS, Marcel. “Efeito físico no indivíduo da ideia de morte sugerida pela
coletividade” e “As técnicas corporais”. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac &
Naif. 2003, pp. 345-365; 399-422. [pdf].
MAUSS, Marcel. “A expressão obrigatória dos sentimentos (rituais orais funerários
australianos). Ensaios de Sociologia. São Paulo: Editora Perspectiva, 1981. pp. 325-
335.
CANNON, Walter B. ‘Voodoo’death. American Anthropologist, vol. 44, n. 2. 1942, pp.
169-181 [pdf].

5ª Aula - Corpo e saúde/doença: perspectivas em simbolismo e classificação.


LÉVI STRAUSS, Claude. “O feiticeiro e sua magia” e “A eficácia simbólica”.
Antropologia Estrutural. São Paulo: Cosac & Naif. 2008, pp. 181-221. [pdf].
LÉVI STRAUSS, Claude. “Introdução à obra de Marcel Mauss”. In: Mauss, Marcel.
Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naif. 2003, pp. 11-45[pdf].
DOUGLAS, Mary. “Profanação secular”. In: Pureza e Perigo. São Paulo: Perspectiva.
1976, pp. 43-56.

6ª Aula - Victor Turner: ritualização e especialistas terapêuticos:


TURNER, Victor. “Muchona a Vespa: intérprete da religião” e “Um curandeiro
Ndembu e sua prática”. Em: Floresta de Símbolos: aspectos do ritual Ndembu. Niterói:
EdUff. 2005, pp. 179-202; 449-488.

7a Aula – Estigma, Doença crônica e curso de vida:


GOFFMAN, E. Estigma, Rio de Janeiro, Zahar, 1975. [prefácio, capítulos 1 e 2].
BURY, Michael. “Chronic illness as biographical disruption”. Sociology of Health and
Illness, vol. 4, n.2, 1982. [pdf]
WILLIAMS, Gareth. “The genesis of chronic illness: narrative re-construction”.
Sociology of Health and Illness, vol. 6, n.2, 1984. [pdf]

8ª Aula – A antropologia e os estudos culturais dos sistemas médicos:


EISENBERG, Louis. “Disease and Illness: distinctions between professional and
popular ideas of sickness”. Culture, Medicine & Psychiatry. 1, 1977.
KLEINMAN, Arthur. “Concepts and a model for the comparison of medical systems as
cultural systems”. Em: Currer, C & Stacey, M (eds). Concepts of Health, Illness and
Disease. Londres: Berg, 1986.

9ª Aula – Significação, narrativas e experiências da doença:


GOOD, Byron; DELVECCHIO GOOD, Mary Jo. “The meanings of symptoms: a
cultural hermeneutic model for clinical practice”. Em: Eisenberg, L; Kleinman, A.
(eds.). The Relevance of Social Science for Medicine. Michigan: D. Reidel Pub. Co,
1981.
GOOD, Byron J. Medicine, Rationality, and Experience. Cambridge: Cambridge
University Press. 1994. [capítulos 5 e 6].
ALVES, Paulo C. e Rabelo, Miriam C.M. “Significação e metáforas na experiência da
enfermidade”. Em: Alves, Paulo et al. Experiência da doença e narrativa. Rio de
Janeiro: Editora Fiocruz. 1999. [pdf]

10a Aula – Itinerário terapêutico e experiência da doença.


BOLTANSKI, Luc. “A relação doente-médico”. In: As classes sociais e o corpo. Rio de
Janeiro: Graal, 1984.
ALVES, Paulo C. ; SOUZA, Iara. M. A. “Escolha e avaliação de tratamento para
problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico”. Em: Alves, Paulo et
al. Experiência da doença e narrativa. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 1999. [pdf].
CABRAL, Ana L. L.V; MARTINEZ-HEMAEZ, Angel; ANDRADE, Eli;
CHERCHIGLIA, Mariangela L. "Itinerários terapêuticos: o estado da arte da produção
científica no Brasil". Ciência e Saúde Coletiva, 16 (11), 4433-4442, 2011 [pdf].

11a Aula – A Antropologia Médica Crítica: corpo, saúde e doença.


LOCK, Margaret. “Cultivating the body: Anthropology and Epistemologies of Bodily
Practice and Knowledge”. Annual Review of Anthropology, 22, pp. 133-155,
1993. [pdf].
DEIN, Simon. “Explanatory models and oversystematization in medical anthropology”.
Em: Roland Littlewood. (ed.). On knowing and not knowing in the Anthropology
of Medicine. Walnut Creek, CA: Left Coast Press, 2007.
DUARTE, Luiz F. Dias. “Indivíduo e pessoa na experiência da saúde e da doença”.
Ciência e Saúde Coletiva. 8 (1): 173-183. 2003. [pdf]

12ª Aula – Foucault, o biopoder e a biopolítica:


FOUCAULT, Michel. “O direito de morte e poder sobre a vida”. In: História da
Sexualidade. Rio de Janeiro: Graal. 1977. [pdf].
FOUCAULT, Michel. “O nascimento do hospital”; “A governamentalidade”. In:
Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. [pdf].

13a Aula – Genômica, biossocialidade e biotecnologias


RABINOW, Paul. “Artificialidade e iluminismo: da sociobiologia à biossociabilidade”.
In: Antropologia da Razão: ensaios de Paul Rabinow. Rio de Janeiro: Relume Dumará,
1999. [pdf].
RABINOW, Paul; ROSE, Nikolas. O conceito de biopoder hoje. Política & Trabalho –
Revista de Ciências Sociais, Ano XXVI, n. 24, abril de 2006. [pdf]
SANTOS, Ricardo V.; MAIO, Marcos C. “Qual ‘retrato do Brasil’? Raça, biologia,
identidades e política na era da genômica”. Mana, v. 10, n. 1, p. 61-95, 2004. [pdf].

14a Aula - Cidadania biológica & biolegitimidade.


ROSE, Nikolas. “Introdução”; “Cidadãos biológicos”. Em: ___ . A política da própria
vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.
PETRYNA, Adriana. “Life Politics after Chernobyl”. Em: Life Exposed, biological
citizens after Chernobyl. Princeton: Princeton University Press, 2002.
FASSIN, Didier. The biopolitics of otherness”. Anthropology Today, 001. [pdf].
FASSIN, Didier. “O sentido da saúde: antropologia das políticas da vida”. Em:
SAILLANT, Francine; GENEST, Serge (orgs.). Antropologia médica: ancoragens
locais, desafios globais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2012.

15a Aula – Cidadania terapêutica, justiça e ativismo em saúde/doença:


EPSTEIN, Steven. “Patient groups and Health movements”. In: Edward Hackett et alli.
(eds.), New Handbook of Science and Technology Studies. Cambridge, MA: MIT Press.
pp. 499-539. 2007. [pdf].
NGUYEN, “Life itself: triage and therapeutic citizenship”. In: ___ . The Republic of
Therapy. Triage and sovereignity in West Africa’s time of AIDS. Durham: Duke
University Press, 2010.
BIEHL, João G.; PETRYNA, Adriana. “Bodies of right and therapeutic markets”.
Social Research. vol. 78, n.2. pp. 359-386. [pdf]

16a Aula - Antropologia da biomedicina e das tecnologias biomédicas:


LOCK, Margaret; NGUYEN, Vinh-Kim. “Introduction”; “Biomedical technologies in
practice”. In: ___ . An Anthropology of biomedicine. Chichester: Wiley-Blackwell,
2010. [pdf]
BASTOS, Cristiana. “Cravado na pele, o hospital”. In: ALMEIDA, Miguel V. de.
(org.). Corpo Presente: 13 reflexões antropológicas sobre o corpo. Oeiras: Celta, 1996.
[pdf].
BIEHL, João G. “Antropologia do devir: psicofármacos, abandono social, desejo”.
Revista de Antropologia, vol. 51 (2), 2008. [pdf]

Bibliografia complementar1
ALVES, Paulo C. e RABELO, Miriam C. (orgs). “O status atual das ciências sociais em
saúde no Brasil: tendências”. Em: Antropologia da Saúde: traçando identidade e
explorando fronteiras. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; Relume Dumará. 1998
ANDERSON, Robert e BURY, Michael. “Introduction”. Em: ___ (eds.) Living with
Chronic Illness: the experience of patients and their families. London: Unwin Hyman.
198x.
CANESQUI, Ana M. 1994. “Notas sobre a produção acadêmica de antropologia e saúde
na década de 80”. Em: Alves, P.C. e Minayo, M.C. de S. (orgs.). Saúde e Doença: um
olhar antropológico. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.
DUARTE, Luís Fernando Dias.”Investigação antropológica sobre doença, sofrimento e
perturbação: uma introdução”. Em: Luiz F. D. Duarte e Ondina Fachel Leal (orgs).
Doença, Sofrimento, Perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: Editora
FIOCRUZ. 1998.
DAS, Veena. “Language and the body: transactions in the construction of pain”. In:
Arthur Kleinman et alli (eds.). Social Suffering. Berkeley: University of California
Press, 1997.
DOUGLAS, Mary. “The two bodies”. In: Natural symbols: explorations in cosmology.
Londres: Routledge. 1996 [1970].
FERREIRA. Jaqueline; ESPÍRITO SANTO, Wanda. “Os percursos da cura: abordagem
antropológica sobre os itinerários terapêuticos dos moradores do complexo de favelas
de Manguinhos, Rio de Janeiro”. Physis. Revista de Saúde Coletiva, 22 (1), pp. 179-
198, 2012.
FRENCH, Linday. “The political economy of injury and compassion: amputees on the
Thai-Cambodia border”. Em: Csordas, T. (org). Embodiment and Experience. The
existencial ground of culture and self. Cambridge: Cambridge University Press.
FULLWILEY, Duana. (2004) From Discriminate Biopower to Everyday Biopolitics:

1
Apenas para quem quiser pesquisar e estudar mais.
Views on Sickle cell Testing in Dakar. Medical Anthropology 23(2):157-194.
GARRO, Linda. “Chronic illness and the construction of narratives”. Em: Mary-Jo Del
Vecchio Good; Paul Brodwin; Byron J.Good; Arthur Kleinman (eds.). Pain as human
experience: an anthropological perspective. Berkeley: University of California Press,
1992.
GLUCKMAN, Max (org.). “Introduction”. The allocation of responsability.
GOOD, Byron J. “The heart of what´s the matter: the semantics of illness in Iran”.
Culture, Medicine, and Psychiatry. 1: 25-58. 1977.
GOOD, Mary-Jo Del Vecchio et al. (eds.). Pain as Human Experience: an
anthropological perspective. Berkeley: University of Califórnia Press. 1992. (caps. 1, 2
e 5).
HERTZ, R. “A preeminência da mão direita: um estudo sobre a polaridade religiosa”.
Religião e Sociedade 6(2): 99-128, 1980.
HERZLICH, Claudine e PIERRET, Janine. Illness and Self in Society. Baltimore: The
Johns Hopkins University Press. 1987.
KLEINMAN, Arthur. Patients and Healers in the Context of Culture. Berkeley:
University of California Press. 1980. [prefácio e cap. 2]. pp. ix-xvi; 24-70.
LADERMAN, Carol e ROSEMAN, Marina. (eds.). The Performance of Healing.
Londres: Routledge.
LANGDON, Esther J.; FOLLER, Maj-Lis. “Anthropology of Health in Brazil: a border
view”. Medical Anthropology, 31 (1), 2012.
LAST, Murray. “Non-Western Concepts of Disease”. Em: Bynum, W.F; Porter, Roy.
(eds.). Companion Encyclopedia of the History of Medicine, vol. 1. Londres: Routledge,
1993.
LOYOLA, Maria Andréa. Médicos e curandeiros, conflito social e saúde. São Paulo:
Difel. 1984. [Caps. 1 e 4]
ROSE, Nikolas. “The politics of life itself”. Theory, Culture and Society, 18 (6), 2001.
NETTLETON, Sarah. “The Experience of Chronic Illness and Disability”. Em:
Sociology of Health and Illness. Oxford: Polity Press. 1995.
SARTI, Cyntia. “Saúde e Sofrimento”. Em: Luiz Fernando Duarte (coord.). Horizontes
das Ciências Sociais no Brasil. Antropologia. São Paulo: ANPOCS, 2010.
TURNER, Victor. “The morphology of rituals of affliction”. Em: The drums of
affliction: a study of religious processes among the Ndembu of Zambia. Clarendon
Press: Oxford, 1968**.