You are on page 1of 8

PRIMEIRA PARTE: CAPÍTULO 1

O DESCOBRIDOR DAS COISAS

Dois irmãos vinham caminhando pela rua, Totoca e Zezinho.

Totoca vinha ensinando Zezinho sobre a vida, Zezinho estava bem contente ,pois, Totoca
estava lhe dando a mão e ensinando as coisas, Totoca estava ensinando Zezinho fora de casa,
pois, Zezinho era um atentado.

Quando Zezinho ia para a rua ele começava a cantar,ele achava que cantar era a coisa mais
bela do mundo. Então Zezinho lembrou de uma canção de quando ele era mais jovem, que sua
mãe cantava para ele, como Zezinho não conseguia cantar para fora ele cantava para dentro.
Era uma música relacionada com marinheiros, esta música trazia tristeza para Zezinho que ela
não compreendia.

Totoca levou Zezinho para conhecer a casa, para onde eles iriam se mudar, nesta casa eles
teriam que pagar o aluguel.

O pai de Zezinho está desempregado a mais de seis meses.

Zezinho aprendeu a ler com seu tio Edmundo, mais suas irmãs e seus pais não sabiam, até
que um dia Zezinho pediu a sua irmã Jandira, para pegar ele no colo e leva-lo para seu quarto,
assim ele poderia ler para ela, mais ela não acreditou que ele não sabia ler, então ele deu um
papel para ele ler, Zezinho conseguiu ler, até que atraiu um grande multidão querendo ver ele
ler.

Totoco riu de Zezinho, pois teria que começar a ir a escola em fevereiro, como Zezinho
aprendeu a ler ele ganhou seu cavalo de pal que tanto queria.

PRIMEIRA PARTE:CAPÍTULO 2

UM CERTO PÉ DE LARANJA LIMA


Na casa de Zezinho, cada irmão mais velho tem que criar um mais moço. Jandira tomara
conta de Glória e de outra irmã que, foi dada para ser gente no norte. Lalá tomara conta de
Zezinho, por um pouco tempo.

O namorado de Lalá era um almofadinha, igualzinho o da música: de calça larga e paletó


curtinho, quando Zezinho, Lalá e o namorado almofadinha de Lalá iam ao footing,o namorado
de Lalá comprava bala para Zezinho não contar nada em casa. Zezinho teve dois irmãos que
morreram bem pequenos e Zezinho só ouviu falar deles.

O quintal da nova casa de Zezinho, se dividia em três brinquedos, Primeiro o jardim


zoológico. O segundo a Europa que fica bem perto da cerca da casa de seu Julinho. O terceiro e
último, era aonde Zezinho brincava de pão de açúcar. Zezinho adora cantar, Glória pediu para
ele a Casinha Pequenina.

A mamãe de Zezinho levou todos para conhecer a nova casa, quando chegaram lá, Glória
correu e abraçou um pé de mangueira. Antônio fez a mesma coisa com um pé de tamarindo.
Não havia sobrado nada para Zezinho, então ele foi procurar, acabou achando um pequeno pé
de Laranja Lima.

PRIMEIRA PARTE:CAPÍTULO 3

OS DEDOS MAGROS DA POBREZA

Quando Zezinho lançou o problema a seu tio Edmundo, ele o encarou com seriedade.
Zezinho tinha medo se caso ele se mudasse de casa, Luciano não iria com eles, Luciano é o
morcego de Zezinho, então Zezinho achava que não iria adiantar se ele desce o número da
casa e o nome da rua, pois Luciano não sabia ler.

Zezinho imaginou que Luciano poderia perguntar aos passarinhos, aos louva-a-deus ou
ás borboletas como ele poderia fazer para chegar a sua nova casa.

Zezé ouviu um boato que amanhã as oito na porta do Cassino Bangu, o dono da fábrica
de brinquedo comprou um caminhão com brinquedos para distribuir a comunidade.
O menino começou a encher o saco de Glória para o levar até o caminhão de
brinquedos. Mas Glória não o levaria, pois Glória tinha um mundão de coisa a fazer. Zezé
pensou se ele morresse, nunca iria ganhar um presente no natal, então ele montou um plano,
em todo lugar que Glória foce ele iria fazer que ela desce de cara com ele.

Zezinho pegou seu irmão Luiz e o arrumou. Luiz parecia o menino Jesus, então Zezinho e
Luiz foram sozinhos ao caminhão de brinquedos, só que quando eles chegaram lá não havia
ninguém na rua,a porta do Cassino estava fechada ,eles acabaram chegando tarde de mais
todos os brinquedos haviam acabados. ele começou a chorar, a ceia de natal na casa de
Zezinho não foi nada ótima ,então Zezé ficou bem triste pois não ganhou nada no natal.

PRIMEIRA PARTE:CAPÍTULO 4

O PASSARINHO,A ESCOLA E A FLOR

Zezinho está de casa nova, vida nova e uma simples esperança.

Quando Lalá vinha, Zezinho entre seu Aristides e o ajudante, no alto de uma carroça,
alegre com um belo dia quente.

Quando Lalá saiu pela rua descalça e entrou na Rio-São Paulo, foi uma maravilha.
Zezinho olhou para o lada e se deparou com o carro do Português Manuel Valadares. As patas
dos cavalos fazendo toque-toque na estrada. Zezé observou que a carroça não era muito nova.

Zezé esperto, pois quando se mudou fez uma cerimônia porque queria impressionar
os vizinhos.

De repente Zezé avistou uma mulher, com a bolsa pendurada nas mãos, Zezinho correu e se
escondeu no portão e experimentou o puxador de cobra.

Quando Zezé puxou a corda, a mulher começou a deslizar na rua, só que Zezé não
esperava isto, a mulher começou a gritar, acabou jogando a bolça para o alto. Zezé saiu
correndo e entrou na cozinha e se escondeu no cesto de roupas. Tio Edmundo disse que Zezé
esta crescendo um pouco e o pensamento também cresce, então Zezé pensou em um
passarinho, foi feito por Deus para ajudar as crianças a descobrirem as coisas.

Glória chamou Zezinho muito cedo, levou Zezé no tanque pegou um pano com sabão
e foi limpando a sujeira. Foi na gaveta e remexeu. E remexeu mais, procurando algo para Zezé
vestir. Então Glória e Zezé foram embora, para uma descoberta maravilhosa que Zezé ia fazer.

Chegaram perto da escola para Zezé se matricular, Glória conversou com a directora
e Zezé ia para a escola no dia seguinte.

No dia seguinte Zezinho saiu correndo com uma flor para dar a sua professora, pois
ela nunca recebeu uma flor antes, Zezé imaginou que ela nunca recebeu uma flor porque ela
era muito feia.

ÚLTIMO CAPÍTULO DA PRIMEIRA PARTE:CAPÍTULO 5

NUMA CADEIA EU HEI DE VER-TE MORRER

A primeira coisa é muito útil que Zezinho aprende na escola, eram os dia das
semanas. E o dono dos dias da semanas, Zezé sabia que ele vinha sempre na terça-feira.
Depois Zezé descobriu também que ele, numa terça-feira, ia para as ruas do outro lado da
estação e na, outra, vinha para o lado da casa de Zezé.

Então foi por isso que em uma terça-feira Zezinho gazeteou a aula. Mas ele não
queria que Totoca soubesse, se não teria que pagar bolas de gude para ele não falar nada em
casa. Zezé foi dar uma volta pela sacrista e seu Zacarias estava tirando as velas velhas das
castiçais e colocando as novas, juntava um bando de toquinhos em cima da mesa.
Zezinho saiu voando. Como era bem cedo, dava tempo dele fazer aquilo, derre
pente ele correu para defronte do cassino e, que não vinha ninguém, Zezé atravessou a rua e
passou o mais depressa possível os toquinhos de cera na calçada.

No dia seguinte Zezé deu um belo bom dia para,seu Rozemberg, mas ele deu um
bom dia seco, e nada de dar doce. Só dava doce para Zezé estava com Lalá. Então Zezé escutou
pancadas do relógio, que sempre batia as nove horas, Ele nunca falhava. Zezé foi seguindo os
passos de seu Rozemberg, ele entrou na rua do progresso, parou na esquina ,depositou a
sacola no chão e foi embora.

Zezé adorava a música Claudionor quando chegava na parte Numa cadeia eu hei
de ver-te morrer, ele se arrepia todo.

SEGUNDA PARTE:PRIMEIRO CAPÍTULO

O MORCEGO

Zezé tinha que sair correndo, se não ele perderia a escola, mas primeiro Zezé estava
sentado na mesa tomando sua caneca de café com um pão seco, e mastigando sem pressa
alguma.

Glória já estava ficando nervosa, pois ela queria que Zezé foce para a escola, pois não
havia hora melhor para fazer os ha fazeres da casa.

Totoca e Zezé estavam colocando as coisas na sacolinha. Só os livros, os cadernos e os


lápis. Lanche nenhum. Então Zezé começou a acordar seu lado arteiro, Zezé gostava mesmo,
que Totoca se adiantasse pra Zezé reinar a vontade.O fascínio de Zezé era a estrada Rio-São
Paulo. Morcego. Só para ver o morcego.
Derre pente Zezé vê o carro do Português, Zezé se pendurou no pneu do carro, quando
o Português deu a partida, Zezé deu um grito bem alto para todos os alunos da Escola Pública
vissem.

O Português viu Zezé ,pegou ele pela a orelha, colocou Zezé em sua coxa, e lhe deu uma
palmada Zezé ficou zonzo parecia que o seu estomago subiu para o seu celebro Zezé levou a
palmada por causa do seu lado arteiro e também por causa do morcego.

SEGUNDA PARTE: SEGUNDO CAPÍTULO

A CONQUISTA

Nos primeiros dias Zezé saía um pouquinho mais cedo para não ter o perigo de
encontrar o português parado com o seu carro e comprando cigarros.Além do mais, Zezé tinha
o cuidado e vinha beirando a rua do lado contrário quase encoberto pela sombra das cercas de
crótons que era a unica na frente de cada casa.

Muitas vezes Zezé via o carrão do português parado na esquina, então ele tinha que
diminuir o passo. Foi quando o português desapareceu por alguns dias. Que alívio para Zezé foi
uma grande conquista na certa o português tinha viajado ou tirado umas férias, Zezé voltou a
ir para a escola sossegado e já meio incerto se valia matar o português mais tarde.

O morcego de Zezé ficava dando voltas em cima da cabeça dele como se fosse um
aeroplano do Campo Dos Afonsos.Mas fazia dias que o morcego de Zezé não aparecia.Por
certo o morcego deve ter arranjado outros campos dos afonsos em outros lugares.

SEGUNDA PARTE: TERCEIRO CAPÍTULO


CONVERSAS PARA LÁ E PARA CÁ

Zezé descobriu tudinho, ele descobriu que o português mora na Rua Barão De
Capanema. Bem no finzinho. Ele guarda o carrão do lado da casa, tem duas gaiolas, uma com
um canário e na outra com um azulão. Zezé foi lá bem cedinho, como alguém que não queria
nada com nada levando sua caixa de engraxador Zezé viu a casa e achou ela muito grande para
uma pessoa só.O português estava nos fundos.

Zezé bateu palmas. O português veio com o rosto cheio de sabão e Zezé perguntou se o
português queria engraxar os sapatos, o português pediu para Zezé esperar um pouquinho e
pediu para Zezinho entra na casa.

Zezinho ficou abismado com a casa do português tudo era limpinho. O português deu
um pão com café para Zezé e pediu para ele molhar o pão no café e mastigar de boca fechada,
Zezé e o português começaram a conversar, quando Zezé está perto do português, ele se sente
um sol de felicidade dentro do seu coração.

SEGUNDA PARTE:QUARTO CAPÍTULO

DUAS SURRAS MEMORÁVEIS

Zezé estava ao lado de Totoca aprendendo a fazer um balão. Zezinho observava


atentamente em todos os detalhes, então Zezé chegou a seguinte conclusão.Depois de tudo,
Zezé deveria prender o balão pelo bico de cima com um pregador de roupa, no varal.

Zezé perguntou para Totoca.

- Totoca, se eu fizer um balão sozinho você bota a boca para mim?


Totoca muito aproveitador da situação já estava de olho nas coisas de Zezé,
principalmente nas bolas de gudes e na coleção de figurinhas do Zezé, mais Totoca fez sem
pedir nada mais da próxima vez Zezé vai ter que pagar algo.

Zezé estava cheio de fome e entrou voando na venda do Miséria e Fome. Ninguém se
lembrava mais daquelas cenas.

Derrepente Zezinho começou a apanhar de Totoca e sendo xingado.

A salvação de Zezé foi Glória q estava no quintal da vizinha conversando com D. Rosane
,e veio voando, atrida pelos berros, quando Glória chegou e viu Zezé coberto de sangue
imediatamente ela mandou Totoca parar e colocou Zezé pata dentro e o limpou. Esta foi a
primeira surra da memória de Zezé.

A outra surra foi de seu pai,desta vez Zezé apanhou pois xingou o pai dele de assassino,
mas desta vez foi pior Zezé apanhou de cinto, esta foi a segunda maior surra que Zezé levou
em toda a sua vida.

Related Interests