You are on page 1of 10

Questões de Geotectônica

01) Com base nos dados fornecidos, esquematize um perfil transversal ao mapa simplificado
abaixo e comente se ele representa zona(s) de subducção(ões), de colisão(ões), ambas ou
nenhuma delas. (3,0 ptos)

t1 e t3 mais raso do que t2 e t4, indicando subducção para leste, e t5 e t7 mais profundo do que t6 e
t8, indicando subducção para oeste.

02) Elabore um esquema de placas convergentes (utilize duas litosferas oceânicas),


explicando os diversos componentes tectônicos. (1,5 ptos).
03) Que tipo de peridotito é encontrado nos ofiolitos originários de cadeias meso-oceânicas
de espalhamento rápido? Em relação àquele de cadeia de expansão lenta, sua expessura é maior
ou menor? Por quê? (1,5 ptos)
O peridotito encontrado nos ofiolitos relacionados a cadeias de expansão rápida é o
Harzburgito (tipo Omã). Sua espessura é maior do que os ofiolitos relacionados a cadeia de expansão
lenta (tipo Trinity) devido a camada de gabro que apresenta acamamento mais pronunciado e é mais
espessa e contínua nos peridoditos do tipo Omã.

04) Como o espalhamento do fundo oceânico é usado como evidência da tectônica de placas?
(1 pto)
A partir do paleomagnetismo da terra foi possível comprovar a teoria da expansão do assoalho
oceânico, de forma que o fundo oceânico era originado ao nível das cordilheiras meso-oceânicas,
como resultado da ascensão de material vindo do manto, e esse material preservava o registro do polo
magnético da terra, que ia invertendo ao longo dos anos, sendo possível ainda estimar a velocidade
com que o assoalho se moveu.

05) Para os cinturões de xistos azuis é correto afirmar: (1 pto)


(a) Ocorrem em margem do tipo passiva;
(b) Ocorrem na zona interna de bacias de retro-arco distensionais;
(c) Ocorrem em zonas internas de bacias de retro-arco contracionais;
(d) Ocorrem entre a trincheira e o arco magmático; (formada na melange da trincheira)
(e) Todas as afirmativas estão erradas.

06) Relacione as características abaixo a cada uma das descontinuidades.


(a) Aumento de Vs
(b) Decréscimo de Vs
(c) Não transmissão de S
(d) Aumento de Vp
(e) Decréscimo de Vp
(f) Não transmissão de P
(g) Marca a Passagem Núcleo externo-Núcleo interno
(h) Marca a passagem Crosta-Manto
(i) Marca a passagem Manto-Núcleo
I Descontinuidade de Mohorovicic - (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g) (h) (i)
II Descontinuidade de Gutemberg (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g) (h) (i)
III Descontinuidade de Lehmann (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g) (h) (i)

07) Algumas das teorias de origem da crosta primitiva são: Acresção ‘inhomogênea’ da
Terra; Fusão nucleada ao longo de regiões não homogêneas; Fusão por calor do núcleo;
Fusão regional generalizada; Convecção por tectônica de placas; Fusão por impacto de
meteoritos. De forma sucinta, comente sobre aquela grifada.
Acresção não-homogênea da Terra sugere que os últimos componentes a se condensarem a
partir da nebulosa solar, produziram uma fina camada na superfície da Terra, rica em álcalis e
outros elementos voláteis. No entanto, como U, Th e ETR que deveriam estar no núcleo
encontram-se na crosta, sendo necessária transferência magmática.
Fusão nucleada ao longo de regiões não homogêneas propõe que regiões com grandes
concentrações de H2O, minerais de baixo ponto de fusão ou elementos radioativos seriam mais
propícios a fundir e emergir por meio de descontinuidades estruturais.
Fusão por calor do núcleo diz que o calor seria oriundo de material de Fe-Ni com baixo ponto
de fusão, que formaria bolhas gravitacionalmente instáveis e permitiriam a fusão do manto
acima.
Fusão regional generalizada assume uma distribuição homogênea de fontes radioativas que
formariam uma fina camada em torno da Terra. Alternativamente um manto líquido se
cristalizaria fracionadamente a partir do núcleo, enriquecendo a crosta em álcalis e associados.
Eventos posteriores como o bombardeamento de meteoritos a destruiria em grande parte.
Convecção por tectônica de placas admite a existência de placas tectônicas que formariam
limites divergentes devido o rompimento do envoltório fino do manto externo com a subida de
uma zona de fusão da astenosfera. Ao mesmo tempo se formariam os seguimentos crustais
siálicos e oceânicos.
Fusão por impacto de meteoritos afirma que a liberação de grandes quantidades de energia
provocaria o faturamento e formação de núcleos magmáticos toleíticos e ultrmáficos que
originariam núcleos crustais mais ácidos por cristalização fracionada. A rápida formação do
núcleo depois ou durante a acresção liberaria grande quantidade de energia gravitacional para o
manto, iniciando a fusão e formando núcleos de crosta ou de capa homogênea.

08) A divisão interna da Terra é feita de duas formas, baseada em critérios distintos. Faça
um esboço mostrando estas duas classificações e equivalências entre elas e comente sobre
cada uma delas.

As camadas internas da Terra são reconhecidas com base em suas composições químicas
e propriedades físicas. Composicionalmente distingue-se: crosta, manto e núcleo. Já com
relação às propriedades físicas, pode-se separar em: litosfera, astenosfera, mesosfera e
endosfera.
Quanto à composição química:
A crosta é dividida em continental e oceânica. A crosta continental é relativamente mais
leve (2,7 g/cm^3) e de espessura entre 30 e 70 Km, possui composição granítica, na qual Na,
K, Si, O e Al são elementos comuns. Já a crosta oceânica é densa (3,0 g/cm^3) e de espessura
média de 8 Km, sua composição é basáltica com silicatos de Fe-Mg, com Si, Al e O como
elementos comuns. O manto perfaz 82% do volume da Terra e 68% de sua massa, sua densidade
aumenta (de 3,2 a 5) com o aumento da profundidade; é composto de rochas com silicato de
ferro e magnésio. O núcleo é a massa central da terra, constitui somente 16% do seu volume,
mas é responsável por 32% da massa. Sua composição é principalmente ferro.
Quanto às propriedades físicas:
A litosfera é composta de material sólido e rígido, com cerca de 100 Km de espessura.
Astenosfera compreende uma zona no manto superior onde a temperatura e a pressão estão
balanceadas de forma que parte do material está fundido ou muito próximo da fusão, tornando
as rochas maleáveis/plásticas, permitindo fluidez. Essas duas camadas são marcadas por uma
zona de baixa velocidade (ZBV) e elevada atenuação das oscilações. Por fim, a endosfera é
dividida em núcleo externo (sólido) e núcleo interno (liquido).
Quanto às descontinuidades:
Elas são identificadas por meio de sísmica, portanto, pelas suas propriedades físicas, no
entanto, vale salientar que a composição química influencia fortemente as propriedades da
rocha. Em síntese, a Descontinuidade de Mohorovicic (Moho) separa a crosta do manto; a
Descontinuidade de Guttemberg separa manto e núcleo; a Descontinuidade de Lehmann, por
fim, separa núcleo externo de núcleo interno.

09) A distribuição da temperatura na crosta terrestre depende de fatores tais como o


fluxo de calor (q), a condutividade termal (k) e a radioatividade em profundidade. O fluxo
de calor é calculado a partir do gradiente geotérmico (dt/dx) e da condutividade termal
(k), de forma que q= -k (dt/dx). Comente sobre a variação de q nos diversos segmentos
crustais. Que outros parâmetros podem afetar os valores de q? Compare o
comportamento da temperatura com a profundidade em ambientes do tipo ‘basin-and-
range’, orógenos meso-cenozóico e escudos.

Em segmentos crustais do tipo escudos, plataformas, cinturões paleozóicos e bacias


oceânicas o valor de "q" é baixo e regular da ordem de 1-2 HFU, já em segmentos tipo cinturões
pos-paleozóicos, arcos insulares, ilhas vulcânicas e riftes, o valor de "q" é mais alto e variável,
de 1,5-2,5 HFU. Além dos fatores levados em consideração na fórmula para obter o valor de
"q", outros fatores devem ser considerados, tais quais a idade e intensidade dos ultimos eventos
magmaticos, a distribuição de elementos radioativos na crosta e a quantidade de calor no manto.
O valor da temperatura aumenta gradativamente com o aumento da profundidade, esse
aumento, no entanto, é variável para cada ambiente tectônico. Comparando basin and range,
orogênese meso-oceânica e escudo, temos que o aumento da temperatura com a profundidade
é muito maior que no ultimo, ou seja, o gradiente é mais elevado.

10) Entre as várias possibilidades ‘teóricas’ de limites de placas, cite os seis tipos
principais e pelo menos um exemplo onde isto ocorre.

O limite entre placas, por vezes, ocorre na forma de junções tríplices, resultado da
combinação de cadeia (R), trincheira (T) e falha transformante (F) que gera os seguintes
resultados (ditos principais):
RRR – zona rifte dos Galápagos.
TTT – Japão.
TTF – Chile.
FFR – Carlsberg Ridge. FFT
– falha de Santo André RTF
– Golfo da Califórnia.
11) Várias forças influenciam na movimentação de uma placa tectônica. Cite pelo menos
quatro destas forças.

Dentre as forças que influenciam a movimentação de um placa podemos listar:


 slab-pull - afundamento da placa por ter maior densidade que a astenosfera;
 ridge-push - soma de forças na cadeia ou próximo a ela;
 basal-drag - arrasto causado pelo movimento da litosfera sobre a astenosfera;
 fricção ao longo de falhas transformantes e entre porções da litosfera subductante.

12) Um mapeamento de uma área mostrou assembléia rochosa cujos dados


geológicos (padrão de deformação, metamorfismo, dados geoquímicos, etc.) sugerem
ser oriunda de determinado ambiente geotectônico. O agrupamento destes dados
sugere um posicionamento como mostrado no mapa simplificado mostrado abaixo.
Faça um perfil A-B e escreva, com poucas palavras, sobre o ambiente proposto
(Colisão, subducção (Polaridade?), cadeia meso-oceânica, limites transformantes?,
etc.)

O esquema representa um ambiente de subducção com polaridade para NE (camada


subductada mergulha nesse sentido). No sentido dessa polaridade pode-se descrever que:
Na trincheira, onde a camada é subductada, pode por vezes, ocorrer uma espécie de
"raspagem" entre as camadas formando um acúmulo de rocha quebrada, denominado melange,
que se organiza de modo que as porções mais antigas se distanciem da fossa. Logo em seguida
ocorre um alto topográfico, chamado fore-arc ridge, formado pelo espessamento local da crosta
devido dobramentos. Depois desse arco ocorre o que se chama bacia de ante- arco (refere-se ao
arco magmático), uma região depressiva. Adiante ocorre a feição, talvez mais importante,
denominada arco magmático, que se origina pela ascensão de magma, oriundo da fusão da placa
subductante, que se alinha paralelamente à trincheira a uma distância de 100 a 400 Km da
mesma. Por fim, atrás desse arco encontra-se a bacia de retro- arco, que se forma quando a taxa
de subducção é maior que o movimento da outra placa, tornando a região sujeita à um regime
tensional provocando afinamento crustal e a consequente geração da bacia.

13) Quais as principais evidências que sustentaram a teoria da tectônica de placas?


Discorra sobre elas.

Após vários questionamentos no âmbito geológico e consequentes soluções baseadas na


tectônica de placas, ainda que com incongruências, dois pontos essenciais existiram para a
formulação da teoria. Primeiro a existência de uma zona de baixa velocidade (ZBV) das ondas
sísmicas, classificada como uma zona fraca de propriedades viscosas, semelhantes a fluidos.
Segundo, a consideração de que a litosfera é suficientemente forte para formar porções
coerentes que podem deslizar lateralmente sobre a astenosfera subjacente. Aderindo a esses
dois pontos, criava-se um caso no qual a resistência da fricção seria mínima.
14) Faça um desenho esquemático mostrando a localização de:

a) Arcos de ilhas
b) Trincheira
c) Fore-arc ridge
d) Fore-arc basin
e) Back arc basin

15) Como se explica à ocorrência de hipocentro de terremotos a profundidades da ordem


de 700km?

Uma vez que a energia que causa um terremoto resulta da ruptura frágil ou semifrágil da
crosta terrestre, a profundidade do hipocentro está limitada à zona mais superficial, onde a
crosta é frágil (por oposição ao manto que tem características dúcteis). No entanto, valores de
profundidade muito superiores são registrados. Os hepicentros mais profundos distribuem-se
na zona de Benioff, que é a porção da crosta oceânica subductada com comportamento
rígido/frágil preservado.

16) O que você entende por zona de Benioff? Faça um desenho ilustrando sua definição.

A zona de Benioff é onde ocorrem focos de terremotos profundos devido a subducção de


placas. Pode-se dizer que acompanha toda a área onde a placa subductada atinge antes de fundir,
momento no qual a fricção da placa provoca liberação de energia.

17) Cite os três principais tipos de limites de margens de placas e dê exemplo de cada uma
delas.

As placas se movem como unidades individuais e podem interagir umas com as outras ao
longo de suas margens. Essas interações podem ser de margens convergentes, margens
divergentes e margem de falhas transformantes, tendo como exemplo a cadeia andina, cadeia
meso-oceânica e falha de San Andreas, respectivamente.

18) No limite de placas tectônicas sempre há criação ou consumo de litosfera. Esta


afirmação é falsa ou verdadeira? Justifique sua resposta.
As margens de placa, convergente, divergente e transformante, são, por vezes,
denominadas destrutiva, construtiva e conservativa, respectivamente. Essa segunda
denominação se dá devido nas margens convergentes ocorrer subducção da placa (consumo),
enquanto na margem divergente as placas se afastam permitindo a criação de nova crosta
oceânica. Os limites transformantes, por sua vez, deslizam horizontalmente, não permitindo
criação nem consumo de placa. Por esse motivo, é incorreto afirmar que sempre ocorre criação
ou consumo de litosfera.
19) Descreva de forma sucinta, os greenstone belts (modo de ocorrência, estratigrafia,
metamorfismo, deformação e mineralizações).

Os greenstone belts são associações vulcanossedimentares que ocorrem como faixas


alongadas ou irregulares em meio a terreno granito-ganaissico em regiões cratonicas, formados
numa diversidade de ambientes, como riftes continentais evoluídos, bacias marginais, arcos de
ilha, bacias de back-arc, ambientes oceânicos do tipo hot spots, dentre outros, sempre
relacionados a vulcanismo submarino.
São constituídos basicamente por uma sucessão de rochas vulcânicas complementada por
rochas sedimentares. Cada greenstone belt tem uma estratigrafia particular, mas muitos podem
ser divididos em três seqüências maiores. A seqüência inferior é denominada por derrames de
rochas vulcânicas máficas (toleitos pobres em K) e ultramáficas (komatiitos). Na seqüência
intermediária dominam ciclos de basaltos toleíticos, andesitos e dacitos geralmente com
afinidades cálcio-alcalinas. Na seqüência superior é dominantemente metassedimentar,
podendo ser derivadas de sedimentos maturos (quartzitos, pelitos, carbonatos, BIFs) e/ou
imaturos (grauvacas, conglomerados).
Até o final dos anos 70 era assumida apenas idade arqueana e tectônica vertical para os
greenstone. A identificação de komatiitos e greenstone belts datados de orogenos
Paleoproterozóico e Fanerozóico em conjunto com outros critérios, sustentam a ideia
atualmente mais aceita de que esses complexos vulcânicos não requer uma tectônica muito
diferente da tectônica de placas atuais.
Os depósitos minerais de valor econômico são principalmente constituídos por lentes de
sulfetos maciços, (pirita, calcopirita, esfalerita e galena), geralmente associados com ouro e
prata, que ocorrem preferencialmente relacionados com os termos intermediários a ácidos do
pacote vulcânico. Na base dessas lentes e relacionados com os condutos vulcânicos, ocorrem
também veios entrelaçados (stockworks) com pirita e calcopirita. Sulfetos de cobre e zinco
podem também ocorrer associados aos termos básicos do vulcanismo.
Os greenstone belts possuem um elevado número de depósitos, sendo vulcânicos,
intrusivos e sedimentares, além de possuirem formações de ferro e sulfetos vulcanogênicos de
cobre e zinco, resultado de elevada atividade vulcânica, exalações e sistemas aquosos
convectivos, no entanto, depósitos de chumbo são ausentes devido seu baixo teor na crosta
arqueana.

20) Defina: a) Províncias Anorogênicas. b) Red-beds.

Províncias anorogênicas são um tipo de província crustal e pode ser classificada em ígnea
e sedimentar.
As províncias anorogênicas ígneas englobam rochas posicionadas em ambientes crustais
sem significativa deformação orogênica. São zonas de intrusão e campos vulcânicos, que
englobam derrames basálticos de platôes, intrusões máficas estratiformes, intrusões alcalinas e
kimberliticas, granitos anorogênicos e enxames de diques de diabásio nos crátons. As
sedimentares variam de pequenas bacias a grandes bacias de plataforma, podendo gradar a
província orogênica.
Red beds são arenitos, arcóseos, folhelhos e conglomerados que contem hematita como
agente pigmentante visível. Os principais requesitos para sua formação são os ambientes
oxidantes ou com suprimentos adequados de óxido férrico. Locais de baixas latitudes são mais
adequados, pois o clima é quente, mantendo os feldspatos relativamente mais estáveis e
favorecendo a desidratação de limonita para formação de hematita.

21) O que são ofiolitos? Quantos e quais são os principais tipos (Dê exemplo de cada um,
mostre uma coluna estratigráfica e comente sobre eles).

Ofiolitos são sequências interpretadas como fragmentos da crosta oceânica e da porção


mais superior do manto, posicionadas nos continentes como resultado de esforços tectônicos.
Estratigraficamente são compostos por quatro camadas. A base é composta por rocha
peridotítica, harzburgitíca ou lherzolítica, com diques máficos e dunitos. Sequencialmente,
ocorrem rochas dominantemente gabróicas (acamadadas, foliada e isotrópicas) com
intercalações de plagiogranito, serpentinito e cumulados ultramáficos. O limite destas duas
camadas é um limite fundamental da litosfera oceânica e define a Moho petrológica. A segunda
camada compreende derrames de basaltos toleíticos com estrutura em almofada, na posição
superior, e enxames de diques de diabásio verticais na porção inferior. Por fim, há
uma cobertura de sedimentos inconsolidados (chert, argila vermelha e calcário) ricos em
microorganismos planctônicos.
Os ofiolitos com base harzburgitíca e lherzolítica diferem entre si. O primeiro é
relacionado a cadeias de expansão rápida e tem como principal representante o ofiolito de Omã.
Os ofiolitos lherzolíticos relacionam-se a cadeias de expansão lenta e seu principal
representante é o ofiolito de Trinity.

22) Vimos que os riftes continentais podem ser classificados em categorias distintas.
Comente sobre elas.

Riftes ativos são produzidos em resposta à subida de plumas do manto, que causa,
inicialmente, domeamento e, subsequente fraturamento da litosfera. Tipicamente, ocorre de
manera tríplice que pode evoluir até a formação de uma bacia oceânica ou dois, dois três ramos,
podem se conectar formando uma margem passiva, enquanto o outr é abortado (rifte abortado).
Riftes passivos são produzidos por fraturamento da litosfera, em resposta a esforços
resultantes do movimento das placas tectônicas. Neste caso, extensão significativa é necessária
antes que a fusão por descompressão da astenosfera seja possível. O rifteamento da litosfera
pode se dar por cisalhamento puro ou por cisalhamento simples.

23) Podemos dizer que as montanhas são altas porque a orogênese encurta e espessa a
crosta e a isostasia provoca o soerguimento da crosta espessada. Cite pelo menos três,
entre os vários processos discutidos em classe, responsáveis pela afirmação acima.
Dentre os processos vistos em sala responsáveis por tornar essa afirmativa verdadeira
podemos citar os três seguintes:
- a crosta pode ter volume adicionado por meio de intrusões;
- mesmo quando o magma não invade a crosta ele pode acumular-se em sua base
(underplating);
- dobramento em rochas acamadadas não só são encurtadas, como seu empilhamento as
torna mais espessas.

24) Defina Províncias Crustais (tipos, limites, etc.).


Províncias crustais são segmentos contínuos ou semi-contínuos que registram o mesmo
intervalo de idades radiométricas e exibem uma evolução tectônica similar. Elas podem ser
classificadas como orogênicas, abrangendo núcleos arqueanos e cinturões móveis, e
anorogênicas, rochas ígneas e sedimentares.
Os núcleos arqueanos são caracterizados pela presença de rochas com idades de 2,5 a 3,9
Ga, e aparentemente possuíram uma extensão bem maior da que é representada atualmente.
Esses núcleos compreendem principalmente duas associações litológicas principais, que são os
greenstones belts e as metamórficas de alto grau. Os cinturões móveis podem corresponder ao
pré-cambriano (lineares a curvilíneos; cortam ou circundam parcialmente os núcleos arqueanos;
compostos de gnaisses, migmatitos, supracrustais e intrusões ígneas) ou ao fanerozóico
(possuem dimensões maiores e níveis de erosão mais raso, com duas associações litológicas
distintas).
As províncias anorogênicas ígneas englobam rochas posicionadas em ambientes crustais
sem significativa deformação orogênica. São zonas de intrusão e campos vulcânicos, que
englobam derrames basálticos de platôes, intrusões máficas estratiformes, intrusões alcalinas e
kimberliticas, granitos anorogênicos e enxames de diques de diabásio nos crátons. As
sedimentares variam de pequenas bacias a grandes bacias de plataforma, podendo gradar a
província orogênica.
As províncias têm seus limites marcados por falhas ou zonas de cisalhamento com faixas
miloníticas, discordâncias erosionais, mudanças bruscas no grau metamórfico e feições
geofísicas.

25) Comente sobre os dois principais modelos de Convecção do Manto.


A convecção do manto é o processo fundamental responsável pela movimentação das
placas. Há duas correntes de pensamento sobre a natureza da convecção e onde ela ocorre. Uma
delas defende que as células convectivas carregam as placas, enquanto a outra diz que as placas
em si são partes ativas no processo convectivo.
A primeira corrente diz que as células convectivas no manto geram as cadeias, trincheiras
e seus efeitos e que a distância entre as placas é causa do tamanho e forma da célula. A segunda
corrente, no entanto, defende que a própria litosfera é a camada fria da célula de convecção.

26) A divisão interna da terra é feita de duas formas, baseada em critérios distintos. Faça
um esbolo mostrado estas duas classificações, a equivalência entre elas e indique
(colocando profundidade em que ocorrem) os diversos segmentos. (1,5 ptos)

27) Defina profíncias crustais (tipos, limites, etc.). (1 pto)

28) Entre as várias teorias de origem da crosta primitiva, escolha uma e, de forma sucinta,
comente sobre ela. (0,5 ptos)

29) O que são ofiolitos? Quantos e quais são os principais tipos (Dê exemplo de cada um,
mostre uma coluna estratigráfica e comente sobre eles). (2,0 ptos)

30) Ilustre, através de desenhos, o Ciclo de Wilson, nomeando os diversos ambientes


geotectônicos. Escreva um texto explicativo (conciso) das diversas etapas de seu desenho.
(2,0 ptos)
31) Quais as principais evidências que sustentam a teoria da tectônica de placas? Discorra
sobre elas. (2,0 ptos)

32) Faça dois desenhos esquemáticos, um relativo a subducção envolvendo duas placas
litosféricas oceânicas e um outro envolvendo uma litosfera oceânica e outra continental.
Em ambos nomeie a localização dos itens abaixo, se existentes. (2,0 ptos)

a) Arcos de ilha
b) Trincheira
c) Fore-arc ridge
d) Fore-arc basin
e) Back-arc basin compressional
f) Back-arc basin distensional
g) Melanges
h) Prismas acrescionários
i) Arco magmático
j) Falhas transformantes
k) Zona de benioff
l) Eugeossinclinal
m) Miogeossinclinal
n) Cinturão de alta pressão/baixa temperatura