You are on page 1of 72

ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 1

1 Escalas

Escala é a razão ou relação de semelhança estabelecida entre a o desenho e o


objeto que ele representa, ou seja, entre a distância gráfica e a distância real.
Pode ser utilizada tanto para a representação de objetos muito grandes
(escala de redução) quanto de objetos muito pequenos (escala de ampliação).
Quando o desenho for representado do mesmo tamanho do objeto, a escala chama-
se Natural.
As escalas podem ser numéricas ou gráficas. As numéricas são representadas
por algarismos e as gráficas são representadas por meio de linhas divididas e
subdivididas em partes iguais.

1.1 Escalas Numéricas

É o número que informa quantas vezes o desenho é menor (ou maior) que o
objeto que ele representa.
d=1
D Q

Onde: d – distância gráfica


D – distância real
1/Q - escala
Exemplo: Um arquiteto deseja representar a localização de uma residência em
um terreno, cuja forma é retangular e mede 15 X 20 m. No papel cada 1m será
representado por 1 cm, portanto o terreno será representado por um retângulo de
15x20 cm. Se cada metro é representado no papel por 1 centímetro e, se cada
centímetro é a centésima parte do metro, temos então 1 cm por 100cm, ou ainda
escala 1:100. Portanto, o desenho do terreno é representado com uma redução de
100 vezes.
Escala de Redução: quando as medidas do desenho são menores que as
medidas reais do objeto (1/n ou 1:n). Por comodidade, foram padronizadas algumas
escalas de redução, como por exemplo: 1:100, 1:125, 1:20, 1:50, 1:75.
Escala de Ampliação: quando as medidas do desenho são maiores que as
medidas reais do objeto (n/1 ou n:1).

Prof. Anelise Hoffmann 1


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 1

1.2 Escalas Gráficas

As escalas gráficas são a representação gráfica das escalas numéricas. A


representação da escala no modo gráfico é mais comumente utilizada em cartografia.

Fonte: http://mapas.terra.com.br/Callejero/mapa_callejero.asp

O uso da escala gráfica permite, através de métodos fotográficos ou


copiadoras, quando necessária uma redução ou ampliação do objeto representado,
saber a escala em que o objeto está representado.
A Escala Gráfica nos permite realizar as transformações de dimensões gráficas
em dimensões reais sem efetuarmos cálculos. Para sua construção, entretanto,
torna-se necessário o emprego da escala numérica.
Em alguns casos utiliza-se também um segmento à esquerda da origem (zero)
denominada de Talão ou escala de fracionamento, este é dividido em sub-múltiplos
da unidade escolhida, graduada da direita para a esquerda (geralmente é utilizada
uma subdivisão decimal).

Fonte: http://trimbase.locaweb.com.br/doc/Escala.doc

Prof. Anelise Hoffmann 2


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 1

Exercícios:
a) Uma embalagem que numa escala 1:10 mede 0,05 m de largura, que
dimensão terá na realidade?
b) Um painel luminoso mede 10 m de largura e está representado no papel por
0,25 m, em que escala foi representado?
c) A distância gráfica entre as cidades A e B em um mapa é 8 cm, e a distância
real é de 84 Km. Qual é a escala utilizada?
d) Deseja-se representar um outdoor com as dimensões de 8,8 m X 2,9 m, na
escala 1:50. Quais as dimensões gráficas?
e) Um totem foi representado em um desenho com 168 mm de altura, na escala
1:20. Qual a dimensão real deste totem? E se fosse representado na escala de
1:50 quanto mediria?
f) Um arquiteto deseja utilizar uma folha tamanho A4 (21 x 29.7 cm) para
representar a planta baixa de uma edificação cujas dimensões são 11 x 18 m,
qual a escala mínima que ele deve utilizar?

Prof. Anelise Hoffmann 3


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

2 Traçado de retas paralelas, perpendiculares e oblíquas

A utilização correta dos esquadros em desenho geométrico é de fundamental


importância para a obtenção da precisão necessária na solução dos problemas.
Estes são utilizados para o traçado de linhas horizontais, verticais, e também
serve como apoio. O traçado de retas paralelas ou perpendiculares a uma
determinada direção pode ser realizado movendo-se um esquadro apoiado sobre o
outro, que permanece fixo.

Podem ser utilizados também para o traçado de linhas em ângulos


determinados (30º, 45º, 60º e outros).

90º
30º 45º

60º

Um recurso para o traçado de linhas com ângulos diferentes é a combinação


dos esquadros apoiados como nos exemplos.

15º 75º

Exercícios:
a) Traçar retas paralelas utilizando o jogo de esquadros.
b) Traçar retas perpendiculares às traçadas no item a.
c) Traçar retas paralelas formando um ângulo de 15º com as retas do item a.

Prof. Anelise Hoffmann 4


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

2.1 Aplicações do traçado de paralelas

Uma das aplicações do traçado de paralelas é na divisão de um segmento


qualquer em partes iguais ou proporcionais (Teorema de Thales). A aplicação deste
teorema pode ser exemplificada pela divisão de cercas e determinação da altura dos
degraus de uma escada.

Exemplo: Dividir um segmento de reta AB em 5 partes iguais.


A B
- traçar por uma das extremidades do segmento I II III VI V
uma reta inclinada, marcar nesta reta auxiliar
uma unidade qualquer e o número de partes que 1
se quer dividir o segmento AB (ex. 5 partes) 2
3
- unir o último ponto da reta auxiliar ao extremo
4
5
do segmento (B) e traçar retas paralelas a esta
dividindo o segmento AB.

Exemplo: Dividir o segmento de reta AB em partes proporcionais a 2, 5, 1 e 3.


A B
- traçar por uma das extremidades do
segmento uma reta inclinada, marcar
2
nesta reta auxiliar uma unidade
qualquer e o número de partes que se
5
quer dividir o segmento AB 1
(2+5+1+3=11)
3

- unir o último ponto da reta auxiliar ao


extremo do segmento (B) e traçar retas
paralelas a esta dividindo o segmento
AB nas divisões correspondentes.

Exercícios:
a) Dividir o segmento AB de 7 cm em 9 partes iguais.
b) Dividir o segmento CD de 12 cm em partes proporcionais a 4, 6, 1 e 3.

Prof. Anelise Hoffmann 5


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

3 Lugares Geométricos Básicos

Lugar Geométrico (LG) é um conjunto de pontos do plano que possuem uma


propriedade em comum.

3.1 Circunferência

É o conjunto de pontos que


eqüidistam de um ponto do plano,
R
(distância é igual ao raio).
O

3.2 Mediatriz

É o conjunto de pontos que


eqüidistam de dois pontos do plano.
Possui a propriedade de ser
perpendicular ao segmento AB e passar
A PM B
pelo Ponto Médio do segmento AB.

3.3 Bissetriz

É o conjunto de pontos que


eqüidistam de duas retas do plano,
dividindo o ângulo formado por elas em bissetriz
r
2 partes iguais. r
A B

Prof. Anelise Hoffmann 6


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

3.4 Retas paralelas

É o conjunto de pontos eqüidistam


de uma reta do plano.
D D

3.5 Arco capaz

É o conjunto de pontos que vêem


um dado segmento segundo um
determinado ângulo k.

A semi-circunferência é o lugar
90º
geométrico dos pontos que vêem o
90º
segmento AB (diâmetro) segundo um
ângulo reto (90º).
A B

Prof. Anelise Hoffmann 7


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

Exercícios:
a) Determinar os pontos que distam
simultaneamente 50 mm de A e 30 B
mm de B.

b) Dividir o segmento AB em 8
partes iguais.

- utilizar o traçado de mediatrizes

A B

c) Traçar uma reta perpendicular a


um segmento AB que passe por um
ponto C fora do segmento. C

A B

Prof. Anelise Hoffmann 8


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

d) Traçar uma reta perpendicular ao


segmento AB passando por um
ponto C deste mesmo segmento.

A C B

e) Traçar uma reta perpendicular ao


segmento AB passando pela
extremidade B.

A B

f) Por um ponto P traçar uma reta


paralela a AB.

A B

Prof. Anelise Hoffmann 9


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 2

g) Desenhar o lugar geométrico dos


pontos que distam 20 mm da reta r.

h) Determinar a distância entre as


retas paralelas r e s.

- traçar uma reta perpendicular às


duas retas paralelas.

i) Determinar a bissetriz do ângulo


formado entre as retas r e s.

Prof. Anelise Hoffmann 10


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 3

4 Circunferência

Elementos da Circunferência:
- raio
- corda E
- diâmetro G

- centro (O)
- arco (DE) F

- flecha (FG) O
D
- semi-circunferência
- secante (s)
- reta tangente (t)
- reta normal (n) s
t n

Exercícios:

a) Traçar uma circunferência que passa pelos pontos A, B e C.

- achar as mediatrizes de AB e BC.


- O encontro das mediatrizes será
o ponto O (centro da C
circunferência)

Prof. Anelise Hoffmann 11


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 3

b) Determinar o centro da circunferência.

c) Determinar o centro do arco do arco MN e seu ponto médio.

d) Determinar a distância do ponto P ao arco MN.

Prof. Anelise Hoffmann 12


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 3

4.1 Tangência
Traçar uma tangente em um ponto dado da
circunferência. t

- unir o centro da circunferência (O) ao ponto T (reta normal)


- traçar uma perpendicular à reta normal por T T
O

Traçar circunferências
tangentes à outra
circunferência. T O’
- unir o centro da circunferência T
ao ponto de tangência com uma O’
reta O O
- marcar sobre ela o raio da
circunferência tangente a
primeira e traçar.

Retas tangentes à curva passando por


ponto fora dela.
- ligar O e P, determinar o Ponto médio (M). T
- traçar uma circunferência auxiliar (com P
centro em M e raio OM, determinar os
pontos de tangência T e T´ sobre a M
circunferência. O

T’

Prof. Anelise Hoffmann 13


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 3

Unir duas circunferências por tangentes exteriores.


- traçar dentro da circunferência maior uma circunferência com raio (r – r’).
- encontrar o ponto médio (P) entre os centros das 2 circunferências.
- traçar com centro em P e raio PO uma circunferência, encontrando os pontos 1 e 2 na circunferência
de raio (r – r’).
- ligar os pontos 1 e 2 ao ponto O. Encontrar T e T´ sobre a circunferência de raio r através do
prolongamento do raio, traçar paralelas a estas 2 retas, determinando 3 e 4 na circunferência menor.

1 3

P r'
O’
O
r-r’ 4

T’

Unir duas circunferências por tangentes interiores.


- traçar, com centro coincidente ao da circunferência maior uma circunferência com raio (r + r’).
- encontrar o ponto médio (P) entre os centros das 2 circunferências.
- traçar com centro em P e raio PO uma circunferência, encontrando os pontos 1 e 2 na circunferência
de raio (r + r’).
- ligar os pontos 1 e 2 ao ponto O, traçar paralelas a estas 2 retas a partir de T e T’ determinados pelo
prolongamento do raio na circunferência maior (r), transferir com o compasso a medida de O1 e O2
para T e T’ determinando os pontos 3 e 4 na circunferência menor.

T
r+r’
3
r'
P O’
O
4

T’

Prof. Anelise Hoffmann 14


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 3

Exercícios:
a) Determinar a reta tangente à circunferência em T.

b) Determinar o ponto de tangência entre a reta t e a circunferência O.

c) Determinar as retas tangentes à circunferência que passam pelo ponto P.

Prof. Anelise Hoffmann 15


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 3

d) Traçar uma circunferência de raio 30 mm, tangente a circunferência em T.

e) Encontrar as tangentes exteriores às circunferências de r = 3,5 cm e r’ = 1 cm. Sabendo que


seus centros distam 7 cm.
f) Encontrar as tangentes interiores às circunferências de r = 3 cm e r’ = 1,5 cm. Sabendo que
seus centros distam 9 cm.

Prof. Anelise Hoffmann 16


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

4.2 Retificação da Circunferência

A retificação de uma circunferência consiste em determinar o segmento de


reta cujo comprimento seja o da circunferência em questão. Isto pode ser
determinado a partir da relação constante entre a circunferência e seu diâmetro, pois
sabe-se que o comprimento da circunferência é aproximadamente o triplo mais um
sétimo do seu diâmetro (cujo valor aproximado é constante e igual a 3,1416).

Onde: C – comprimento da circunferência


r – raio da circunferência
D – diâmetro da circunferência

Processo de Arquimedes:

1D 1D 1D 1/7 D

1
2
3
4
5
6
7

Processo de Terquem:
C

O ½(2? r)
A B

E D F G H

Exercícios:
a) Retificar a circunferência de raio 25 mm através do processo de Arquimedes e
de Terquem, e após, comparar os resultados.
Prof. Anelise Hoffmann 17
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

4.3 Divisão da Circunferência

Divisão por 2 e múltiplos de 2:

1
- traçar dois diâmetros 12 e 34,
perpendiculares entre si. 5 7
- determinar a mediatriz de 14 e 13
encontrando 5 e 6, e 7 e 8. 3 4

8 6

Divisão por 3 e múltiplos de 3:

A
- traçar o diâmetro AB.
- com centro em B , traçar arco
3 4
com o mesmo raio da
circunferência, determinando os
pontos 1 e 2.
- para dividir a circunferência em 6
1 2
partes, repetir o mesmo processo
em A, com abertura igual ao raio,
B
determinando os pontos 3 e 4 .

Divisão em n partes iguais:


A
Método de Bion-Rinaldine
1
- traçar o diâmetro AB. Com centro 2
em A e B e raio = diâmetro, traçar 3
arcos, determinando O e O´. O O’
4
5
- dividir o diâmetro AB em n partes
6
(ex. 7 partes).
7
B
- ligar O e O´aos pontos pares (2,
4, 6,...) ou ímpares (1, 3, 5,...).

Prof. Anelise Hoffmann 18


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

Exercícios:
a) Dividir uma circunferência de raio = 30 mm em 6 e em 12 partes iguais.
b) Dividir uma circunferência de raio = 25 mm em 8 e em 16 partes iguais.
c) Dividir uma circunferência de raio = 30 mm em 9 partes iguais.
d) Dividir uma circunferência de raio = 35 mm em 13 partes iguais.

5 Ângulos

5.1 Construção de ângulos

Os ângulos são formados por duas semi-retas que tem a mesma origem. A
grandeza de um ângulo é representada pela abertura dos lados.
A origem dos ângulos corresponde à divisão da circunferência em 360 partes
iguais, sendo cada parte (1/360) chamada de grau, portanto a circunferência tem
360 graus.

lado
abertura bissetriz

vértice V
lado

O ângulo entre duas retas pode ser representado através de um raio e uma
corda (notação: ab (raio,corda)).

5.2 Classificação

Os ângulos podem ser classificados, conforme a abertura dos lados, como:


RETO – lados perpendiculares, mede 90º;
AGUDO – menor que o ângulo reto, mede menos de 90º;
RASO – mede 180º;
OBTUSO – maior que o reto e menor que o obtuso, mede entre 90º e 180º.

Prof. Anelise Hoffmann 19


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

5.3 Transporte de Ângulos

O processo de transporte de ângulos é o mesmo que para construir um ângulo


igual a um outro ângulo dado. Para tanto, basta utilizar uma abertura qualquer do
compasso, traçando um arco sobre o ângulo dado, em seguida, sobre a reta a que se
quer transportar o ângulo, desenha-se o mesmo arco, após este processo, basta
medir a corda do ângulo dado e transportá-la para o arco desenhado. Encontrado o
ponto, basta ligar ao vértice do ângulo.

5.4 Operações com ângulos

Os ângulos são quantidades que podem ser somadas, subtraídas, multiplicadas


ou divididas graficamente.

ADIÇÃO: basta construir os ângulos, da mesma forma como visto


anteriormente, porém lado a lado, fazendo com que o vértice e um de seus lados
coincida com um dos lados do ângulo anterior.

SUBTRAÇÃO: basta construir os ângulos, da mesma forma como visto


anteriormente, porém de forma a que fiquem um dentro do outro, fazendo com que
o vértice e um de seus lados coincida com um dos lados do ângulo anterior.

MULTIPLICAÇÃO: os ângulos podem ser multiplicados por um número


graficamente, sabendo que a multiplicação é a uma soma de parcelas iguais,
portanto, basta construir os ângulos, lado a lado, repetidamente.

DIVISÃO: a divisão gráfica de um ângulo não é sempre possível, embora a


divisão aritmética seja. É possível dividir graficamente o ângulo em 2 partes, 4, 8...
de forma precisa, através da determinação de sua bissetriz, porém não é possível
dividi-lo em 3 partes (com exceção do ângulo de 90º).

Prof. Anelise Hoffmann 20


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

Exercícios:
a) Desenhar o ângulo ab (40mm, 50mm) com vértice em A.

A a

b) Desenhar o ângulo cd (30mm, 50mm), com vértice em B.

c) Construir um ângulo de 75º com compasso.

d) Transportar os ângulos gh e df.

g
d
h
f

Prof. Anelise Hoffmann 21


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

e) Com vértice em G resolver a operação: bc + cd – de - ef. Sendo: bc (30mm, 55mm); cd


(30mm, 30mm); de (30mm, 15mm); ef (30mm 40mm).

f) Dividir um ângulo reto em 3 partes iguais.

g) Traçar a bissetriz de um ângulo qualquer (dividir o ângulo em 2 partes iguais).

A b

Prof. Anelise Hoffmann 22


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 4

h) Dividir o ângulo rs em 8 partes iguais.

r
s

i) Determinar a bissetriz do ângulo formado entre as retas r e s (vértice inacessível).

j) Traçar 8 circunferências de raio 0,5 cm igualmente espaçadas entre si e entre as


circunferências existentes.

Prof. Anelise Hoffmann 23


" #$ %

& "' (
)
A
A
B

C B

D
D O O

* + & ,
* - .% /
* , /% % 0 - %1 % +
* %#% 0 2 % & % 3 %#%
* / % %# $ % 0. %
. & 4 ()
* / % %# $ % 0. % % %# $ % % 3%

& "' (
) * +
& ,
A
*
- .% /
2ª * % % 5%
,. %
E
5 . %
mediatriz 6
C
* 6 / % % 0
- %1 %

D +
O
B

* %#% 0 2 % & % 3 %#%


* / 7%# $ % 0. % % %# $ % % 3%

!
8 #% 9: . 8
-8 #% ,0 : .4 8
8 #% ;< = ; :! . > 8 ? < :! . ' 8

%8 #% 0 = , : . ! 8 ? ,0 : . 8 >
0 %1

@ $ % % % & $ 3 AB %

* % C &
% # 3 - % & %
%1
* % C & % %1
% %1 D

"
* D % E
% % " /
* # % % 5% .
/. & C % %
%1

* F3 % & & ) G
* F3 % %1 G
*H D A % E .
% % 1 G
*H D " % 1 G
*H D A % E .
% % 1 G
*H D " % 1 G
* / % % A
:08 % %

* H D % E . % :08. % " %
%1 G
*H D % E . % :08. % % %1
G
*0 :08 - 0" 0 D
* F3 + 0":/". "8 G
* F3 % % G
* H D % A E
. % 1 G
* H D E .
% 1 % G
* 6 . .
# . " /
0 = ? "G
*0 /". - 0 D D
$ %
: % % 8G
*H D % E . % . % "% %1 G
*I /". % % %1 + G
*0 . - " . D %

* 3 , 0 . D "
% 5
%
A %% G ,
* - :8 % %
- %
0K
K 0K
% . %% %
´
- %
% % ". " 0J. 0

% % 5
G
* % % 5 % % * 0K
K
. % % %1

>
! " # $ %

* F3 + 0":/"G "8 0 :/ G 8G
* F3 % G
*6 . #
& //" = % G
* 0 - //". /" D
G
* 6 . #
' // = % G
*0 - // . / D
; =L D
$% G
* I ; /". % " %
%1 + :/"G "8G

*I ; /. % % %1 + :/ G 8G
*0 ; - ;" ; D %

"$
( # )* " # $ %

* F3 + 0":/"G "8 0 :/ G 8G
* F3 % G
* 6 . .
%. & .
% / : ,8
% D * "G
* 0 - ,. /" D
G
* 6 . .
%. .
% / :0 8
% D * G
*0 - 0 . / D ; =L D
$ % . %
% G
*I ; /". % "% %1 + :/"G "8G

*I ; /. % % %1 + :/ G 8G
*0 ; - ;" ; D %

'
! "$
( # )* " # $ %
* F3 + 0":/". "8 0 :/ . 8G
* F3 % G
* < . . , 0.
% 0 = ? "G
*0 /". - , D G
*6 . .6 9.
% 69= %" = * G
*0 /. - 69 D
D
$ % ;= %
% G
*I ; /". % % %1
"G

*I ; /. % % %1 G
*0 ;. - ;" ;. D %

8 H D % %1 . H. # % %

-8 % .& H

4
8 0 %

%8 0 % % % ="

8 0 % % + % " .

8 0 % % % , 0 #

A B

C D
8 0 % % % 9 L #

8 0 % # % % "

8 0 % % A # % % =

"
3
8 0 % % # % % =!

M
8 0 % % A # % % =!
;
!
C +
! !
!" " C

# $ ! ! % &
!
' ! 8
( D
) ! ( ! !
)* ( * ! % * !
)% ( % ! ! ! *
) % + ( ! ! ' ' ! !
!, -!% + ! !, .
)! ( ' ! * *

& ! ! $ ! ! !
( % - ! ."' ! / -
0 ! ." / -
1 ! ." +/ -
! ." / -
2 ! ." 3 -
4 ! ." / -
5 ! ."! / -
6
! ." ! / -
66 ! ."! ! / -
67 ! ." ! / -
61 ! ."
/ -
7 ! .

! ! (
8&9:;<& ' ! ! E ;
! !
!! =
8
D

8>98 :& ' ! ! ! E


;
! ! ! 8
=

D
;
;?@ ;A & ' ! *
! ! ! ! !
! B

D 8
& ! ! B (
; FGAH@; & ) ! =

; FGC9 FA
&) % =

; FA ) ! % =

?;IG) ; FA ) ' ! ' / % !


-+( . '% ! ! -+( % .
G ; FA )' ! !
% !

;9@ ;8 FJ & ) ' ' 8


7 ! *

D
G9?8 G@& ) ' , !
! ! K - B
! ! ! ! .

8G 8F9?8 G@& ) !
L K - B ! !
! .

0
26 @%

@% ! K ! M '
$ ! ! @ *N , ' + @! %
( * " ! "% " "
! B N
− ! -D"D8 8 .
− * -"D 8.
− % - O BO P 64 Q.

8 # ' ! (

; FGAH@; & G?R?8;A;? ;?8 A;9&


! 7 ! ! !

8 # ! % ' % (

8F@C9 FA& &D@F?C9 FA& ;@C9 FA&


% ! % B %
- ' 5 . - ' 5 . -
P5 .

1
/* ! % (

(
M ! K
%
; / N! ! 8
! N ! ! ! % &B !
I
! ! ! %
! N

(
M ! K % B N

; / N! !
B N ! ! ! % G
&B / ! ! ! !
%

(
M ! ! !
&
% - ' ! *
! ! .
&B ! ! ! !
%
(
M ! *! ! ! % ;
I
) # ! ! - ' D
* ! ! ! .
!
&B / ! ! ! !
%

&
&D?( & " B
D G
! %
8
! B
. 8 % ' ' ! ! ; B
- ! ! N .

A B
A C
C B

B. 8 % !) 7 ! % ; -
! B N .

D
8

. 8 % 3 !) B %
A B

2
!. K %

. ! %

. 8 % 3 B ! ' B P0 P
. % D8" !) 7% ! ! ? ! 8 P
5Q
" P Q ! I9P - N !! ! % % .
. 8 % D8 !) 7 ! ! ! !
? ! D P2 "D8 P 0"
1 I! -D. P 1 ; B B !
%

4
! "#

"# $ % " % "#


" % & '( ) "
" " * + ) " " *
, ) " " " *

, " , "
,- ) .
*
," ,- ) .
*
" ,"

, " , "
,-
)
" " " ,-
/ * )
" " "
," " / *
" ," '"
0*

,1 + ) " " "/ *

, " - ," " ' , " &- "


," " " , " "
,- "2 / '

,1 +
3" )
% "# % ' " *
*5 % " " / " % " 6 " 4&
7
/* 5 % " " / " % " "
*5 - / " % / 87 8
"* 5 - " " 68 !7 " 58
*5 - / " % " " 9 - " "
/ " .
*5 / " % " " 4
*5 / " % " 5 " 9 " 6 " 7

*5 / " % " 6 " & " 5 "4


- " :8 47.
* + 3 0;< ", / )
0;8 &< 8 7
* 87
2
* + 3 => ", / ) =8 7 &> 8 !
* - "2 ?/ " .
@* + 65 ", / ) =8 &> 8 *
" ) >8 &= 8 7 *
(, A " =& " / ) *
B
, " " >B
, A " " =B
, "" " / > "
* + - ", / )18 &CD8 !7 *
8 7
*5 / " " ' 58 &6 8 47
" " 68
*5 + 3 / " % / 6 " &
7 "
' "
*5 + / " % / " 77 & "
" " !7 & - 8 . 68 47.
*5 +
3" / " " " ( 68 9 &658 4 & 87
58 7&
7

4
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 8

7.3 Polígonos de Cordas

Polígonos de cordas são polígonos inscritos em uma circunferência, um


polígono diz-se inscrito numa circunferência quando todos os seus vértices estão
sobre a circunferência. Neste caso a circunferência diz-se circunscrita ao polígono
e o seu centro tem o nome de circuncentro.
Os polígonos inscritos podem ser irregulares ou regulares1.

- nos polígonos inscritos todos os ângulos terão de ser inscritos;


- o centro da circunferência circunscrita a um polígono inscrito terá de
eqüidistar de seus vértices, encontrando-se, por isso, na interseção das mediatrizes
de seus lados.

Construção:
- dividir a circunferência no mesmo número de partes que o número de lados
do polígono;
- ligar os pontos encontrados consecutivamente;
- no caso de divisão da circunferência em arcos iguais, como a arcos iguais
correspondem cordas iguais, determina-se, então, o polígono regular inscrito a
circunferência.

7.4 Polígonos de Tangentes

Um polígono diz-se circunscrito a uma circunferência quando todos os seus


lados são tangentes à circunferência. Neste caso a circunferência diz-se inscrita
no polígono e o seu centro chama-se incentro.

1
Fonte: http://www.pro.ufjf.br/desgeo/poligonos/teoria/poligonos_regulares.htm#Polígonos%20Regulares (pesquisa em 6/04/2006)

Prof. Anelise Hoffmann 41


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 8

Os polígonos circunscritos podem ser irregulares ou regulares2.

- nos polígonos circunscritos todos os ângulos terão de ser circunscritos;


- o centro da circunferência inscrita a um polígono circunscrito terá de
eqüidistar de todos os seus lados e por esta razão terá de ser o ponto comum de
todas as bissetrizes de seus ângulos.

Construção:
- dividir a circunferência no mesmo número de partes que o número de lados
do polígono;
- traçar os raios que passam pelos pontos de divisão (reta normal);
- traçar retas perpendiculares ao raio nos pontos de divisão da circunferência
(reta tangente), prolongando-as até que se encontrem nos pontos que serão os
vértices do polígono circunscrito;
- no caso de divisão da circunferência em arcos iguais, determina-se, então, o
polígono regular circunscrito a circunferência.

7.5 Polígonos Estrelados

Um polígono estrelado é formado por uma linha poligonal contínua e se obtém


quando, partindo de um ponto da divisão de uma circunferência em n partes, volta-
se ao mesmo ponto de partida após as uniões p a p, isto é, pulando p arcos.
Um polígono estrelado é classificado como entrecruzado, podendo ser
equiângulo ou equilátero se seus vértices forem definidos a partir da divisão da
circunferência em partes iguais.

2
Fonte: http://www.pro.ufjf.br/desgeo/poligonos/teoria/poligonos_regulares.htm#Polígonos%20Regulares (pesquisa em 6/04/2006)

Prof. Anelise Hoffmann 42


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 8

O cálculo do número de polígonos estrelados diferentes que podem ser


definidos a partir da divisão da circunferência em um número (n) qualquer de partes,
pode ser realizado da seguinte forma:
- Seja n o número de partes iguais em que foi dividida a circunferência;
- Divide-se n por 2.
- Considera-se p todos os números inteiros menores que n/2, sendo p o
número arcos a serem tomados na circunferência para a construção do polígono
estrelado;
Por exemplo3: para n = 9: n/2 = 4,5 então p = 2, 3 e 4

p=1 p=2 p=3 p=4


Indica que os pontos Indica que os pontos Indica que os pontos Indica que os pontos
da divisão são ligados da divisão são ligados da divisão são ligados da divisão são ligados
consecutivamente tomando-se 2 arcos. tomando-se 3 arcos. tomando-se 4 arcos.
(obtém-se um polígono
regular inscrito)

- OBS: Se o quociente de n/2 for inteiro, consideram-se os números inteiros


menores que ele. Ex: n = 10 n/2 = 5 então p = 2, 3 e 4.

Se a circunferência for dividida em partes iguais, o polígono estrelado formado


será regular, caso a divisão for aleatória o polígono estrelado formado será dito
irregular.
Polígono estrelado descontínuo: quando é constituído de dois ou mais
polígonos. Neste caso, o perímetro do polígono não pode ser totalmente percorrido
com um lápis, por exemplo, sem se levantá-lo do papel. Se partirmos de um ponto
qualquer, não poderemos voltar a este mesmo ponto depois de ter percorrido

3
http://www.pro.ufjf.br/desgeo/poligonos/teoria/poligonos_regulares.htm (pesquisa em 23/03/2006)

Prof. Anelise Hoffmann 43


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 8

totalmente o perímetro poligonal (é sempre composto de polígonos independentes


estrelados).
Polígono estrelado contínuo: se, ao contrário, saindo de um ponto qualquer
conseguimos voltar a este mesmo ponto, completando o perímetro poligonal,
podemos escrever que o polígono é contínuo.

Exercícios:
a) Construir um pentágono regular inscrito em uma circunferência de r=25mm.
b) Construir um eneágono (9 lados) regular inscrito em uma circunferência de r=35mm .
c) Construir um heptágono (7 lados) regular circunscrito a uma circunferência de r= 30mm.
d) Construir um hexágono regular circunscrito em uma circunferência de r= 25mm.
e) Construir um polígono estrelado regular inscrito em uma circunferência de r=35mm sendo
n=8 e p=3.
f) Construir um polígono estrelado regular inscrito em uma circunferência de r=35mm sendo
n=11 e p=4.

Prof. Anelise Hoffmann 44


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

8 Curvas cônicas

São curvas determinadas a partir de interseções de um plano e de um cone de


base circular1.

Parábola Elipse Hipérbole

- quando o plano intercepta o cone perpendicularmente ao seu eixo a


interseção será uma circunferência;
- quando o plano intercepta o cone paralelo à geratriz a interseção será uma
parábola;
- quando o plano intercepta o cone paralelo ao eixo do mesmo a interseção
será uma hipérbole;
- quando o plano intercepta o cone formando um ângulo qualquer com a
geratriz ou com o eixo do cone a interseção será uma elipse.

8.1 Elipse

É uma curva plana, fechada e simétrica. Seu eixo é a linha em relação a qual
os vários pontos da curva são simétricos dois a dois.
A elipse apresenta dois eixos ortogonais, um que passa pelos focos e é
chamado de eixo maior e outro que é perpendicular e passa pelo centro
denominado eixo menor.

1
TEIXEIRA, F.G, SILVA, R. P. Geometria Descritiva – Estudo de Superfícies. Porto Alegre, 2001.

Prof. Anelise Hoffmann 45


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

Raios vetores são os segmentos que ligam um ponto qualquer da curva aos
focos. A soma de dois raios vetores de determinado ponto da curva é constante, e
sempre igual ao eixo maior da elipse.

PF + PF´ = AA´

P – ponto qualquer da elipse


F – pontos fixos do plano (focos) Eixo maior
PF e PF´ - raios vetores (AA´)
Círculos
AA´ - eixo maior
principais
FF´ - distância focal
AA´> FF´
FF´ pertence a mesma reta que AA´, e
possuem pontos médios coincidentes.

Eixo menor
Círculos
(BB´)
diretores

Círculos diretores são traçados tendo como centro os focos da elipse e raio
igual ao eixo maior.
Círculos principais são traçados com raio igual aos semi-eixos maior e menor
da elipse e podem também ser utilizados para o traçado da mesma2.
Traçado da Elipse através dos círculos principais:
- traçar uma diagonal, passando pelo centro da elipse;
- no ponto onde a diagonal corta o círculo principal
menor, traçar uma reta paralela ao eixo maior;
- no ponto onde a diagonal corta o círculo principal
maior, traçar uma reta paralela ao eixo menor;
- onde as retas (paralelas aos eixos) se interceptarem
tem-se os pontos da elipse.
OBS.: a cada diagonal traçada podem-se determinar,
por simetria, quatro pontos da elipse.

2
Fonte:http://www.terra.es/personal/rogero/trazado/curv_con.htm

Prof. Anelise Hoffmann 46


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

Tangente por um ponto da elipse:


A bissetriz do ângulo formado pelos raios vetores é a reta normal à curva. A
reta tangente à curva em determinado ponto é a reta perpendicular à reta normal no
mesmo ponto.
n P

A
F F’ A´

Tangentes por um ponto fora da elipse:


Para determinar as retas tangentes à elipse por um ponto P externo:
- com raio = PF´ e centro em P, traçar um arco;
- com raio = AA´ e centro em F, traçar outro arco;
- determinando os pontos 1 e 2;
- determinar a mediatriz de F´1 (reta tangente - t)
- determinar a mediatriz de F´2 (reta tangente – t´)
- unir 1F e 2F , determinar T e T´ (pontos de tangência)

2

F F’
A A´


T

t P

Prof. Anelise Hoffmann 47


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

Exercícios:
a) Desenhar a elipse cujos semi-diâmetros são OA = 5 cm e OB = 3,5 cm.
b) Desenhar a elipse cujos semi-diâmetros são AO = 4 cm e OB = 2,5 cm, utilizando os círculos
principais.
c) Desenhar a elipse definida pelo diâmetro AA’= 9 cm e pelo ponto P, sabendo que dista 4 cm
de A e 7 cm de A’.
d) Traçar uma reta tangente à elipse em T, e em P.

e) Traçar uma reta tangente à elipse em um ponto T situado a 15 mm do diâmetro maior, e em


um ponto Q situado a 10 mm do diâmetro menor.

Prof. Anelise Hoffmann 48


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

8.2 Parábola

É uma curva plana, aberta infinita e de um só ramo. Cada um dos pontos da


parábola eqüidista de um ponto fixo do plano (foco) e de uma reta fixa, situada no
mesmo plano, denominada diretriz (d).
Eixo da parábola é a linha que contém o vértice e o foco da parábola.
A diretriz é uma reta perpendicular ao eixo e passa por O. O segmento OF é
chamado Parâmetro da Curva onde V situa-se no ponto médio deste segmento.
Os raios vetores da parábola são os segmentos que ligam cada ponto da
mesma ao foco e a diretriz (formando ângulo reto com a mesma).

PF = Pd P

P – ponto qualquer da parábola


t
F – ponto fixo do plano (foco)
PF e Pd - raios vetores

O V F

Tangente por um ponto da parábola:


A bissetriz do ângulo formado pelos raios vetores em determinado ponto da
parábola é a reta tangente a curva naquele ponto.

Prof. Anelise Hoffmann 49


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

Tangentes por um ponto fora da parábola:


- com raio = PF e centro em P, traçar um arco;
- determinando os pontos 1 e 2 onde o arco corta a diretriz;
- determinar a mediatriz de F1 (reta tangente - t)
- determinar a mediatriz de F2 (reta tangente – t´)
- unir 1 e 2 à diretriz (através de reta paralela ao eixo), determinar T e T´ (pontos de
tangência)

2

V eixo
F

1 T

Exercícios:
a) Desenhar a parábola em que a distância do foco à diretriz mede 25 mm.
b) Desenhar a parábola de eixo e vértice V que passa por P.

V e

Prof. Anelise Hoffmann 50


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 10

c) Determinar graficamente o vértice e o eixo da parábola.

d) Representar a parábola definida pelas tangentes t e t’ e os respectivos pontos de tangência T


e T’.

T
e) Determinar as retas tangentes à parábola em T e em P.

V F
P

Prof. Anelise Hoffmann 51


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 11

8.3 Hipérbole

É uma curva plana, aberta de ramos infinitos. A lei de geração da


hipérbole é determinada pela diferença entre as distâncias de um ponto
qualquer da hipérbole a dois pontos fixos situados no mesmo plano (focos da
hipérbole), que é constante e igual a distância AA’.
Eixo da hipérbole é a linha que contém os focos. Os raios vetores da
hipérbole são os segmentos que ligam cada ponto da mesma aos focos.

t
PF – PF´ = AA´

P – ponto qualquer da
hipérbole
F e F’ – pontos fixos do plano
(focos)
F A A´ F´
PF e PF´ - raios vetores
FF´ - distância focal
AA´< FF´
FF´ pertence a mesma reta
que AA´, e possuem pontos
médios coincidentes.

Tangente por um ponto da hipérbole:


A bissetriz do ângulo formado pelos raios vetores de um determinado
ponto da hipérbole é a reta tangente a curva naquele ponto (como na
representação acima).

Prof. Anelise Hoffmann 52


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 11

Tangentes por um ponto fora da hipérbole:

- com raio = PF´ e centro em P, traçar


um arco;
- com raio = AA´ e centro em F, traçar
t
outro arco;
- determinando os pontos 1 e 2; P
- determinar a mediatriz de F´1 (reta t´
tangente - t) 1
- determinar a mediatriz de F´2 (reta A´ eixo
A
tangente – t´) F T F´
- unir 1F e 2F , determinar T e T´
2
(pontos de tangência)

Exercícios:
a) Desenhar a hipérbole de distância focal = 4 cm e AA’= 2,5 cm.
b) Desenhar a hipérbole cuja distância focal é 3 cm e a distância AA’ é 2
cm. Determinar também a reta tangente à hipérbole em um ponto
situado a 2,5 cm do eixo.

Prof. Anelise Hoffmann 53


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 11

9 Curvas Espirais

9.1 Espirais Verdadeiras

É a curva que descreve o deslocamento de um ponto em torno de outro


(pólo) afastando-se dele, e obedecendo a uma determinada lei, que regule e
estabeleça uma relação de velocidade entre o movimento circular (em torno do
pólo) e retilíneo (se afastando do pólo). As espirais podem se desenvolver no
sentido horário (destrógira) ou no sentido anti-horário (levógira).
São espirais verdadeiras: Espiral de Arquimedes1, logarítmica e
hiperbólica.

Espiral de Arquimedes
- dividir o passo em um determinado número de partes
(mínimo 8) e traçar as circunferências concêntricas
correspondentes
- dividir a circunferência no mesmo número de partes.
- determinar os pontos por onde passa a espiral e traçar a
mão livre.

1
fonte: http://www.colegiocatanduvas.com.br/desgeo/espirais/

Prof. Anelise Hoffmann 54


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 11

Espiral logarítmica

Esta espiral aparece em


abundância na natureza, é uma forma
que rege o crescimento de muitos
organismos vivos como: as conchas de
caracóis vistas frontalmente formam
espirais logarítmicas2, teias de aranha, os
insetos se aproximam da luz segundo
uma espiral logarítmica, pois se
acostumam a voar com ângulo constante
em relação à fonte luminosa, os braços
dos ciclones tropicais, também formam
espirais logarítmicas, no reino vegetal
também existem exemplos como os
girassóis3, as margaridas, as pinhas, etc.

A diferença da espiral logarítmica


e da espiral de Arquimedes é que as
distâncias entre seus braços (passo) se
incrementam em progressão geométrica,
enquanto que na espiral de Arquimedes o
passo é constante.

Espiral logarítmica construída a partir


de retângulos obtidos pela proporção áurea4.

2
http://www.formacion.pntic.mec.es/web_espiral/matematicas/logaritmica/espiral%20logaritmica.htm
3
http://bonsfluidos.abril.com.br/extra/a/beleza5.shtml
4
http://es.wikipedia.org/wiki/Espiral_logar%C3%ADtmica

Prof. Anelise Hoffmann 55


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 11

Espiral hiperbólica

Esta espiral se caracteriza por ser inversa a


de Arquimedes, e tende a aproximar-se do pólo,
sem nunca alcançá-lo5.

9.2 Espirais Falsas

São aquelas se aproximam das espirais verdadeiras. Tem como


elementos:
- amplitude – ângulo descrito pelo ponto em cada centro, calculado
dividindo-se 360º pelo número de centros da espiral;
- centros - uma espiral falsa pode ter 2 ou mais centros; (bicêntricas,
tricêntricas ou policêntricas);
- passo - é calculado multiplicando o lado do polígono de núcleo pelo
número de centros.

Construção da espiral bicêtrica:


Dados os centros A e B construir uma falsa espiral bicêntrica.
- sobre uma reta localizar o núcleo da espiral (A e B)
- com abertura AB e centro em A , traçar arco e encontrar 1 sobre a reta
- com abertura B1 e centro em B, traçar arco 1-2
- com abertura A2 e centro em A, traçar arco 2-3

A B

Sentido Horário Sentido Anti-horário

5
http://centros5.pntic.mec.es/sierrami/dematesna/demates23/opciones/investigacion/espirales/espirales.htm

Prof. Anelise Hoffmann 56


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 11

Construção da espiral tricêntrica:


Sabendo-se que a amplitude da espiral é 120º, que o passo é 1,5 cm, determina-se os
centros (A , B e C – vértices de um triângulo eqüilátero de lado = 0,5 cm). 3
- prolongar os lados do triângulo ABC
- com abertura AC e centro em A , traçar arco C1 B

- com abertura B1 e centro em B, traçar arco 1-2 C


1
A

B
- com abertura C2 e centro em C, traçar arco 2-3 A 4
- com abertura A3 e centro em A, traçar arco 3-4
2

Construção da espiral de quatro centros irregular:


- Traçar um retângulo 1234 de modo que seus lados
sejam o dobro dos outros;
- Prolonga-se os lados deste retângulo;
- Centrar em 1, raio 13, traçar o arco 3A;
- Centrar em 2, raio 2A, traçar o arco AB;
- Centrar em 3, raio 3B, traçar o arco BC;
- Centrar em 4, raio 4C, traçar o arco CD;
- Centrar em 1, raio 1D, traçar o arco DE;
- Centrar em 2, raio 2E, traçar o arco EF e assim por
diante.

Exercícios
a) Construir uma espiral de amplitude 120º e passo 3cm, no sentido horário.
b) Construir uma espiral de amplitude 180º e passo 1 cm, no sentido anti-horário.
c) Construir uma espiral levógira (AH) com 4 centros (quadrado de L = 0.5 cm).
d) Construir uma espiral destrógira (H) com 6 centros (hexágono de L = 0.5 cm).
e) Construir uma espiral de Arquimedes de passo = 5 cm, no sentido horário

Prof. Anelise Hoffmann 57


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 12

10 Curvas cíclicas

São as curvas geradas a partir da trajetória de pontos relacionados à


circunferência. Estas curvas, também chamadas de curvas mecânicas, se
caracterizam por um processo de oscilação periódica entre distâncias iguais, e
repetem-se indefinidamente1.

10.1 Ciclóide

É uma curva plana, descrita por um


ponto do raio, ou prolongamento do raio de
uma circunferência, que rola sem escorregar,
sobre uma reta (diretriz).
Traçado da ciclóide:
- retificar a circunferência dada, e marcar seu comprimento sobre uma reta suporte;
(processo de Arquimedes ou de Terquem)
- divide-se a circunferência em um número n de partes iguais (ex. 8 partes);
- divide-se o segmento de reta (obtido da retificação da circunferência) no mesmo
número n de partes (ex. 8 partes);
- traçar retas paralelas à reta suporte, passando pelos pontos de divisão da
circunferência; traçar pelos pontos da divisão da reta suporte retas perpendiculares à mesma;
- onde estas retas cortarem a paralela que passa pelo centro da circunferência ficam
definidos os pontos a, b, c, d, e, f, e g;
- com a abertura do compasso igual ao raio da circunferência, centrar em cada um dos
pontos definidos anteriormente, determinando os pontos A, B, C, D, E, F, G, H e I da curva
cíclica.
5 E
4 6 D F

C G
3 a 7 b c d e f g

B H
2 8
I
1=A
reta suporte

1
Fonte : http://www.educacionplastica.net/CurCic2.htm

Prof. Anelise Hoffmann 58


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 12

A curva ciclóide também pode ser:


- Encurtada: quando o ponto que gera a curva está dentro da
circunferência, e unido à ela no movimento.
- Alongada: quando o ponto que gera a curva se encontra fora da
circunferência, e unido à ela no movimento.

CICLÓIDE

CICLÓIDE
ENCURTADA

CICLÓIDE
ALONGADA

10.2 Epiciclóide

É uma curva plana, descrita por um ponto do raio, ou


prolongamento do raio de uma circunferência, que rola sem
escorregar, sobre o lado externo de uma outra
circunferência (diretriz).
A curva epiciclóide também pode ser alongada ou
encurtada.

EPICICLÓIDE EPICICLÓIDE EPICICLÓIDE


ENCURTADA ALONGADA

Prof. Anelise Hoffmann 59


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 12

10.3 Hipociclóide

É uma curva plana, descrita por um ponto do raio,


ou prolongamento do raio de uma circunferência, que rola
sem escorregar, sobre o lado interno de uma outra
circunferência (diretriz).
A curva hipociclóide também pode ser alongada ou
encurtada.

HIPOCICLÓIDE HIPOCICLÓIDE HIPOCICLÓIDE


ENCURTADA ALONGADA

Exercícios:
a) Desenhar a ciclóide gerada a partir de um círculo de raio = 20mm.

Prof. Anelise Hoffmann 60


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 13

11 Transformações Geométricas

São funções que associam a cada ponto do plano um outro ponto


também do plano através de determinada regra ou lei. Existem transformações
geométricas por isometria (translação, reflexão e rotação) e por homotetia.

11.1 Isometrias

São transformações geométricas que preservam as distâncias, o


paralelismo e os ângulos, portanto, a imagem de uma figura F, por uma
isometria, é uma figura F´ congruente a F, isto é, têm exatamente a mesma
forma e o mesmo tamanho.

Translação
A translação é determinada por um vetor (definido através de um
tamanho, sentido e direção), onde transforma toda reta em uma paralela, e
assim, a imagem de uma figura F, por translação, é uma figura F´ congruente a
F, conforme a figura a seguir.


v

D A´

A B´
C

Reflexão
A reflexão em torno da reta r (também chamada de simetria) é a
transformação que faz corresponder a cada ponto do plano, um ponto também
do plano, simétrico de A em relação à reta r. A figura a seguir mostra a simetria
da figura F em relação a reta r , a imagem da figura F por reflexão é uma figura
F´ congruente a F.

Prof. Anelise Hoffmann 61


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 13

Reta r = eixo de simetria


D

A C D´


B


Rotação
A transformação geométrica por rotação se dá a partir de um centro O e
segundo um determinado ângulo α (medido no sentido anti-horário, ou
trigonométrico). A imagem de uma figura F, determinada por rotação, é uma
figura F´ , também congruente a F.

D

A
α
C

O
B

Prof. Anelise Hoffmann 62


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 13

11.2 Homotetia

Esta transformação geométrica não altera a forma das figuras, e sim seu
tamanho, gera, portanto figuras geometricamente semelhantes, e pode ser
utilizada para encontrar uma ampliação ou redução da figura, através de
relações entre escalas. As figuras homotéticas são figuras geradas a partir de
um centro de homotetia, de onde partem os raios homotéticos em direção aos
vértices da figura, onde a nova figura é obtida traçando-se lados homotéticos
paralelos.
A figura a seguir ilustra a homotetia inversa e a direta de uma figura
representada em determinada escala. Para representá-la em uma escala menor
ou maior, é necessário descobrir a relação entre as escalas ou razão de
homotetia (x/y), que determinará a redução ou a ampliação da figura, quando
esta relação é positiva a homotetia é dita direta, e, quando é negativa, a
homotetia é dita inversa. Raios
Homotéticos
Escala nova = x = razão da homotetia
Escala do desenho y

Homotetia Inversa
Centro de (1:500)
Homotetia

Figura Homotetia Direta


(1:300) (1:500)

O centro de homotetia pode estar em qualquer lugar do plano. Pode-se


utilizar um dos vértices da figura ou seu ponto central.

Prof. Anelise Hoffmann 63


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 13

Exercícios:
a) Determinar a imagem da figura representada abaixo, por translação, com relação ao
vetor u.

b) Determinar a imagem da figura abaixo por simetria (ou reflexão) em relação à reta s.

Prof. Anelise Hoffmann 64


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 13

c) Determinar a imagem da figura através de rotação em torno do ponto O, sob uma


amplitude de 45º e de 210º .

d) Sabendo que um triângulo equilátero de lado 3 cm está representado na escala 1:750,


representá-lo na escala 1:1500 e 1:250, utilizando homotetia.
e) Um quadrado representado na escala 1:500 possui lado = 4 cm, representá-lo nas
escalas de 1:200 e 1:400, utilizando homotetia.
f) Desenhar um triângulo eqüilátero cujos vértices coincidam com os de um hexágono
regular inscrito em uma circunferência de r = 15 mm. Reproduzir o conjunto, utilizando
homotetia ampliando seu tamanho em 2,5 vezes (utilizar o centro de homotetia
coincidindo com o centro da circunferência).

Prof. Anelise Hoffmann 65


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

12 Criação da Forma – Geração e Proporção Áurea

Os critérios de proporção são estabelecidos de acordo com as sensações,


percepções e noção de harmonia e coerência, e estas nascem da proporção, do
equilíbrio e da semelhança. Em composições geométricas as razões numéricas e
as razões geométricas são utilizadas para se adquirir harmonia e ritmo.
Proporção é um princípio do desenho que envolve uma relação agradável
das partes entre si e de cada parte com o todo. Mais do que um fator estético,
a proporção deve ser entendida como um fator estrutural na disposição das
partes, fator da maior importância para a ordenação interior da forma e seu
sentido expressivo1.
Por exemplo, uma folha dividida ao meio através de uma linha,
apresenta espaços de completo equilíbrio que certamente não despertam
interesse. A relação dos espaços divididos é mais agradável e interessante
quando a divisão é feita matematicamente em áreas progressivamente maiores
ou menores, ou ainda, através da percepção da harmonia ou do contraste. Da
mesma forma, espaços divididos desigualmente em áreas grandes, médias e
pequenas criam proporções dinamicamente mais aceitáveis do que áreas
exatamente iguais2.
A proporcionalidade é um estado em que as correspondências que
existem entre as diversas partes de um conjunto são significativas porque são
necessárias, portanto nada pode ser acrescentado, retirado ou alterado sem
prejudicar o conjunto, esta coerência se conclui como sendo harmoniosa1.
Nos tempos de Pitágoras, foram estudadas dez proporções notáveis,
dentre elas a HARMÔNICA, a DIVINA ou ÁUREA e a MEDIA GEOMÉTRICA,
sendo estas encontradas nas figuras geométricas, nas notas musicais, na
geometria dos seres vivos (flores, organismos marinhos, e até nos seres
humanos), nas obras arquitetônicas, etc3.

1
OSTROWER, F., Universos da arte. Rio de Janeiro, Ed. Campus, 1983.
2
TAIHSUANAN, Desenho e organização bi e tridimensional da forma. Ed. UCG, Goiânia, 1997.
3
www.colegiocatanduvas.com.br/desgeo/curiosidades/index.htm
Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 66
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

12.1 PROPORÇÃO ÁUREA

Na Grécia Antiga acreditava-se que o mundo e o cosmos era formado


apenas por 4 elementos: ar, água, terra e fogo. Os Pitagóricos, como eram
chamados os membros de uma sociedade secreta que se dedicava ao estudo de
matemática e filosofia, conheciam a existência de 4 sólidos perfeitos (tetraedro,
hexaedro, octaedro e icosaedro) e os associavam a cada um dos elementos da
natureza4.
Quando os Pitagóricos descobriram o quinto e último sólido geométrico
perfeito (o dodecaedro) deviam associá-lo a algum outro elemento do universo,
e, seguindo suas crenças, associaram-no aos Deuses4.
Entre os 5 sólidos geométricos conhecidos o
dodecaedro (constituído de pentágonos regulares) e o
icosaedro (constituído de triângulos eqüiláteros) são
aqueles que apresentam mais relações com o número
Phi.
A escolha do dodecaedro para representar a
ligação com os Deuses parece ter se dado por razões filosóficas e por uma
razão matemática, por ser constituído de pentágonos que se relacionam
fortemente com o número Phi.
A proporção áurea foi eleita pelos gregos como critério estético de
perfeição e harmonia. Ela representa, segundo os estudiosos, a mais agradável
proporção entre dois segmentos ou medidas. Esta proporção é equivalente a
1:1,618..., e por convenção é identificada por Phi.
Ela aparece nas belas imagens da fachada do Partenon, onde nota-se
como a arte e matemática se unem, assim como pode ser encontrada também
no pentagrama, símbolo da seita fundada por Pitágoras no séc. V a.C.5

4
http://www.expoente.com.br/professores/kalinke/projeto/aurea.htm
5
http://www.tvcultura.com.br/artematematica/prog06.html
Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 67
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

12.2 NÚMERO DE OURO - Phi

Também chamado de razão áurea, seção áurea e segmento áureo. Esta


proporção é obtida pela relação entre a soma de duas grandezas (x e y), e uma
delas (a maior, que no caso é x) é igual a relação entre esta (x) e a outra (y)6.
E isto acontece somente quando a = 1,618..., que é o número de ouro Phi.
x y

A C B

(x + y) / x = x / y
Então:
x/x + y/x = x/y
fazendo x/y = a, temos:
1 + 1/a = a (multiplicando por a), temos:
a + 1 = a2
a2 - a - 1 = 0
esta equação apresenta 2 raízes reais: a1 = 0,618...
a2 = 1,618...= Phi

Representação geométrica de Phi:

C C
D
a/2
a a
A B A B A B
- dado o segmento AB de medida a, determinar seu segmento áureo:
- traçar por B um segmento perpendicular a AB de medida a/2, definindo
o ponto C;
- ligando AC, tem-se um triângulo retângulo;
- com a ponta seca do compasso em C e abertura BC, encontra-se D
sobre o segmento AC;
- o segmento AD encontrado é áureo de AB ( AB = AD* 1,618...)

6
http://www.mat.uel.br/geometrica
Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 68
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

Aplicações do número Phi:


O número Phi aparece constantemente na Natureza como, por exemplo,
na forma de crescimento das plantas e dos demais seres vivos, nos chifres de
cordeiros selvagens, nas presas de elefantes, na distribuição das sementes em
plantas, nos caracóis, nas coníferas, nas escamas de peixes, nas proporções do
corpo humano, etc.

Um corpo perfeitamente harmonioso traz relações áureas, Um pentágono estrelado


na cabeça a linha dos olhos marca uma divisão áurea no sobreposto a uma azaléia,
comprimento total da face, também a linha da boca é uma mostra que a mesma
proporção áurea da distância entre a base do nariz e a possui as proporções
extremidade do queixo. No tronco, o umbigo marca um áureas.
ponto áureo no comprimento do corpo7.

A figura ao lado ilustra as


proporções do corpo
humano8.

7
Fonte: Revista Superinteressante, ano 11, número 10, 1997.
Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 69
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

Muitos artistas que viveram depois de Phidias usaram


a proporção Áurea em seus trabalhos. Da Vinci a
chamava: Divina Proporção e a usou em muitos de seus
trabalhos. Na Mona Lisa observa-se a proporção Áurea
em várias situações como, por exemplo, ao construir um
retângulo em torno de seu rosto, veremos que este
possui a proporção do retângulo Áureo. Podemos
também subdividir este retângulo usando a linha dos
olhos para traçar uma reta horizontal e ter de novo a
proporção Áurea. Podemos continuar a explorar tal proporção em várias outras
partes do corpo. Artistas têm usado a razão de ouro (medida de Ouro) em
trabalhos de pintura e arte8.

12.3 RETÂNGULO ÁUREO – RETANGULO DE OURO

O retângulo áureo é considerado a forma geométrica mais agradável à


vista onde a razão entre o lado maior e o lado menor é o número Phi. Nos
tempos atuais tem sido discutida sua a validez de sua relação com a beleza,
porém a incidência do retângulo áureo nas artes é maior do que se podia
esperar como resultado de uma simples coincidência9.

O Partenon de Atenas se encaixa quase que perfeitamente no retângulo áureo. Embora


seja dotado de várias proporções geometricamente equilibradas, provavelmente seus
construtores (no séc. V a.C.) tinham somente o conhecimento intuitivo da proporção
áurea. O retângulo áureo não aparece somente na fachada, a distribuição interna das
peças também obedece a proporção9.

8
http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/alegria/fibonacci/seqfib2.htm
9
www.colegiocatanduvas.com.br/desgeo/curiosidades/index.htm
Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 70
ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

Esta é uma residência no subúrbio de


Paris, idealizada por Le Corbusier, que
ilustra o uso consciente do retângulo
áureo, que aparece não somente no
desenho geral, mas também
verticalmente na área à esquerda das
escadas9.

Construção Geométrica do Retângulo Áureo:


C F
B C B C B C B

A a D A M D A M D A M D E

- a construção do retângulo áureo inicia pelo quadrado de lado a;


- encontra-se o ponto M (ponto médio de AD);
- o ponto M é o centro de um círculo cujo raio é a diagonal MC;
- estende-se a linha de base AD até interceptar o arco, (ponto E);
- AE é então a base do retângulo.

O retângulo áureo tem uma propriedade em


particular: se retirarmos o quadrado que o originou, resta
o retângulo CDEF (na figura acima) que também possui as
proporções áureas. E assim sucessivamente, como mostra
a figura ao lado9.
A espiral logarítmica também pode ser
representada a partir de um retângulo áureo.

Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 71


ARQ 03060 – Desenho Geométrico para Designers Aula 14

Pentagrama:
É considerado o símbolo da
saúde e era a insígnia que identificava
os Pitagóricos. É um pentágono
regular onde cada um dos cinco
segmentos divide os outros em média
e extrema razão. O ponto de interseção de duas
diagonais divide cada uma delas na proporção áurea. No
triângulo vermelho, a base está em relação dourada com
os lados, e no triângulo azul os lados estão em relação
dourada com a medida da base.
O triângulo áureo é encontrado no pentagrama
místico, onde á possível desenhar uma espiral
logarítmica10.
Seja nas construções, nas observações da natureza ou na procura pelo
belo, o número Phi está sempre presente, ainda hoje é utilizado no
desenvolvimento de novos produtos, que comumente seguem a Razão Áurea
para que sejam visualmente atrativos.

10
www.mat.uel.br/geometrica
Prof. Anelise Hoffmann e Tânia Koltermann Silva 72