You are on page 1of 10

DISCIPLINA: Educação Patrimonial e Museologia/Curadoria/Ação

Educativa
TUTOR (A): LEANDRO HENRIQUE SIENA
ATIVIDADE (PORTIFÓLIO) – 10ª Semana / 3º Ciclo
TEMA: “Orgulho Arretado, seu menino!”

Obras de Renata Laguardia


I Amostra de Artes em Varjota/Ce
Local: Ponto de Cultura
Nos dias 05 e 06 de maio 2018
Entrada gratuita
Eu, curador!

O papel da curadoria é estabelecer uma conexão entre os artistas e suas


obras artísticas, fazendo com que dialoguem com o público. Desempenhando o papel de
idealizador da exposição, sendo fundamental no gerenciamento e execução do
projeto. Para isso, determinando um conceito ou tema, a partir do qual, elaborando o
processo para obtenção de um plano de ação, a curadoria deve preservar e cuidar de
obras, do local e do público, ou seja, atuando e assumindo todas as atividades desde
a seleção dos trabalhos artísticos apresentados até o fechamento da exposição.
Devendo o curador proporcionar um diálogo entre as obras escolhidas,
compondo o espaço físico exposição ou amostra, problematizando alguns conceitos
presentes nos trabalhos expostos, responsabilizando o curador pela supervisão,
montagem, manutenção das obras e a elaboração dos textos de apresentação e
divulgação. Proporcionando uma maior visibilidade e proximidade entre as obras e o
público, podendo dizer então, que o curador deverá realizar uma concepção artística
responsável, requerendo alguns passos importantes com: envolvimento, pesquisa,
colaboração e diálogos com os artistas quanto com o público, adquirindo
conhecimentos culturais, artísticos e técnicos.
Viabilizando os projetos na sua infraestrutura e também quanto a captação
de verbas, desempenhando um papel importante na gestão e produção cultural
contemporânea, proporcionando a diversidade cultural, inserindo os bens culturais
como elementos fundamentais de uma distribuição mais equitativa da qualidade de
vida, através da arte e da cultura.
Surgindo assim um personagem novo na história da arte, esse novo
profissional que surge com o crescimento do mercado da arte no século 20, passando
a ser o elo entre artistas e instituições, ganhando o protagonismo e apontando o que
é ou não relevante dependendo do que foi acordado anteriormente dentro do conceito
estético pré-aprovado.
A responsabilidade de ser o fiel da balança é algo que ronda a figura do
curador, mas é a sua capacidade de distanciamento e leitura das obras e aproximando
o público e a arte, sendo talvez esse o lado mais importante de sua atuação. Fazendo
o distanciamento e gerando possibilidades de leitura para as obras, possibilitando a
composição de uma sentença estética cultural, cuidando para que haja sempre
respeito ao contexto artístico original. O curador tem a função de unir os artistas, é
uma figura central que juntando outras figuras, em torno de uma questão de puro
interesse no trabalho artístico preservando a cultura e construindo a identidade
coletiva de onde atua.
Entendendo a prática curatorial como um trabalho de mediação, é cada vez
mais urgente, assim como o curador reconhecendo o seu público para que alinhando
sua proposta conceitualmente às suas escolhas, evidenciando a sua narrativa, dando
impulso a uma comunicação essencialmente mais ativa, sobretudo, motivando algum
tipo de transformação social pungente no âmbito da problemática proposta pela
amostra ou exposição.
Fazendo com que o curador busque ainda mais conhecimento dos
elementos de gestão e produção executiva, alinhando os anseios institucionais ao seu
projeto e podendo dar conta da burocracia dentro ou fora do museu. Devendo saber
atuar como mediador entre os setores privado, educativo e o público. Havendo assim
a comunicação entre a arte apresentada e a comunidade em que ela estará inserida.
Podendo assim gerar mudanças sociais efetivas na sociedade e em sua
identidade cultural, absorvendo novas experiências a população que pode evoluir
diante das problemáticas abordadas em algumas obras, sendo assim uma mudança
real no panorama da comunidade.
Mostrando o cotidiano íntimo das famílias e fortalecendo a identidade
comum, é por entre estas aberturas que as obras de Renata Laguardia nos levam e
orientam a um conceito pátrio minimalista. Apropriando do momento que as imagens
capturam, momentos reais e imaculados, protegidos por álbuns de família, a artista
acaba por dar vida ao seu fazer artístico, por meio de um processo de edição que
acontece na transposição pictórica, da foto à pintura. Ressaltando o palpável com
seus apagamentos e esboços, mostrando o cotidiano destas imagens.
Utilizando a verdade crua de fotografias comuns que habitam álbuns de
família, a pintora nos simboliza algo que converge para experiências pessoais
conjunturas mais amplas. Tomando de empréstimo a memória alheia e as projetando
em meio às nossas próprias lembranças. Com este belo contexto, a I Amostra de Artes
em Varjota convida a adentrar o Ponto de Cultura de Varjota como se andássemos
por entre as páginas de um álbum de fotografias de nossa própria família, encontrando
afinidades e diferenças em um passeio por múltiplas memorias comuns. Vendo a obra
como um catalizador que dá início a centelha que é a mudança social pessoal, pois
Arte será tudo aquilo que o espectador se apropriou, levando consigo ao sair da
exposição.

Francisco Cândido Albuquerque Mendes


Curador
Obras de Renata Laguardia

Eu tenho dentro de mim todos os sonhos do


mundo - 2015 – 40x30cm – Acrílica sobre tela

Neste quadro a artista destaca a inocência


que existe nas brincadeiras corriqueiras das
meninas mostradas nesta pintura, a maneira
que os apagamentos na pintura destacam o
simples esplendor das cores e formas.

Tinha trejeito de lonomia, 2015 Acrílica sobre


tela 160x140cm

Nesta pintura a abordagem mais é


simplista e a artista recorre aos
apagamentos para impactar o espectador,
ao mostrar está família tradicional nos
moldes patriarcais.

O aniversário, 2015 Óleo sobre tela 170x150cm

Um típico aniversário de uma escola do interior


brasileiro, repare o uso das cores frias nesta
imagem nos leva a uma atmosfera simples e
alegre. A autora consegue realmente resgatar as
memórias do próprio espectador com esta obra.
Tudo foi mais fácil, mais claro e mais bonito –
2015 – 30x20cm – Acrílica sobre tela

Aquele típico feriado, momento registrado


em foto, a técnica de borrões e
apagamentos aqui se mostra de maneira
mais intensa e nos transporta pra atmosfera
vivida naquele momento.

Sem título - 2013 - Óleo sobre tela - 120x90cm

O passeio de domingo desta família


nos rende uma maravilhosa pintura,
com tons quentes se contrapondo ao
abstrato oceano e formando uma
imagem que captura o espectador.

Sem título – 2015 – 30x20cm – Acrílica sobre tela

A técnica abstrata no uso das cores neta imagem nos


mostra a leveza da técnica pictórica da artista e sua
versatilidade no uso contratante das cores.
Homenagem a Rineke 2, 2013 Óleo sobre tela
120x90cm

A abordagem desta pintura é levemente


diferente e se comparada com as outras,
porém os rostos nos deleitam com traços
concisos e bem delineados.

Sem título, 2016 Guache sobre tela 40x30cm

A maneira que a artista aborda está


pintura em particular, nos mostra toda
a técnica pictórica em seu modo mais
primitivista e isso nos rende uma obra
intensa que captura o olhar do
espectador.
Contextualizando a problemática da obra, a identidade pessoal do
espectador e como isso forma a cara do coletivo em que o indivíduo está inserido. A
quantidade massiva de informação que a internet nos oferece, vem extirpando nossa
identidade como povo independente e soberano. Partindo deste conceito a informação
por si só será esquecida, está informação tem de ser uma simples base para a
formação do conhecimento, pois conhecimento não se esquece. Colocando a
disposição a informação de acordo com a realidade local, firmando assim uma
conexão entre o evento e a comunidade. Ofertando além da amostra de pinturas,
palestras motivacionais e oficinas de artesanato e pintura, que visam o fortalecimento
da identidade coletivo/pessoal e auto estima dos participantes.
Tendo o publico alvo os alunos da rede pública municipal da cidade, faixa
etária LIVRE, realizando excursões coletivas os alunos visitaram a exposição e
participaram de palestra com o tema “Orgulho arretado seu menino!” que tem o tema
principal a valorização da cultura local. Podendo a exposição também receber a
comunidade no espaço de convivência comunitário, fortalecendo os vínculos
socioafetivos da comunidade.
Referências

CASA FIAT. Disponível em: <http://www.casafiat.com.br>. Acesso em: 28 de abril de


2018 às 09:35

CRC – Caderno de Referência de Conteúdo de Museologia/Curadoria/Ação Educativa


(2013)

Obras de Renata Laguardia – Disponível em:


https://www.flickr.com/photos/renatalaguardia/17907558885/in/photostream/ -
Acesso em: 29 de abril de 2018 às 15:50