You are on page 1of 10

ANÁLISE DE SUSCETIBILIDADE EROSIVA NO MUNICÍPIO DE BARCARENA –

PA

Felipe Antonio Melo da Costa Filho¹; Afonso Segtowich Sarmanho Beltrão²;


Gundisalvo Piratoba Morales³; Hebe Morganne Campos Ribeiro4; Manuel Alejandro
Piratoba Vera5

¹ Graduando, em Engenharia Ambiental – Uepa –CCNT (famcf02@hotmail.com)


² Graduando, em Engenharia Ambiental – Uepa –CCNT
3
Professor Doutor da Universidade do Estado do Pará – UEPA
4
Professor Doutor da Universidade do Estado do Pará – UEPA
5
Graduando, em Engenharia Ambiental – IESAM

Recebido em: 08/09/2015 – Aprovado em: 14/11/2015 – Publicado em: 01/12/2015


DOI: http://dx.doi.org/10.18677/Enciclopedia_Biosfera_2015_075

RESUMO
Erosão é a forma mais agressiva de degradação da paisagem, sendo acelerada de
pelas atividades antrópicas. Assim, este trabalho teve como objetivo analisar a
suscetibilidade à erosão no município de Barcarena, no estado do Pará, através da
elaboração de carta de suscetibilidade erosiva, com o intuito de promover uma
melhor gestão dos recursos naturais. Para obtenção do mapa de suscetibilidade
erosiva, foi realizada a análise multicritério, além desta, foi aplicado também o
método de álgebra de mapas. O município de Barcarena possui uma área de
aproximadamente 1.305,57 km², desta área 42,12% (549,88 km²) enquadraram-se
como área de suscetibilidade erosiva Média, 28,06% (366,43 km²) com área de
suscetibilidade Muito Alta, 25,88% (337,92 km²) com susceptibilidade Alta, 3,43%
(44,73km²) como área de susceptibilidade Baixa e apenas 0,51% (6,61 km²) com
suscetibilidade erosiva Muito Baixa. Através dos resultados obtidos com a pesquisa
foi possível observar que o município de Barcarena apresenta uma fragilidade
ambiental considerável, onde a maior parte de sua área é passiva a processos
erosivos de Média intensidade a Muito Alta, logo é importante que os gestores e a
população, tenham consciência do cenário ambiental em que o seu município
enquadra-se atualmente. Deste modo, estudos com objetivos e metodologias
semelhantes aos usados nesta pesquisa podem ser aplicados em áreas similares da
região amazônica, para gerar subsídios que redundem no gerenciamento ambiental
de áreas que estão cada vez mais expostas as atividades antrópicas.
PALAVRAS-CHAVE: Barcarena-Pa, erosão, suscetibilidade.

ANALYSE OF SUSCEPTIBILITY TO EROSION IN BARCARENA – PA

ABSTRACT
Erosion is probably the most severe form of landscape degradation around the globe,
and human activities have accelerated these processes. Thus, this study aimed to
analyze the susceptibility to erosion in Barcarena, state of Pará, by drafting letter of
ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.107 2015
erosive susceptibility, in order to promote better management of natural resources.
To obtain the erosive susceptibility map, the multi-criterial analysis was performed in
addition to this, it was also applied algebra method maps. The Barcarena has an
area corresponding to approximately 1305.57 square kilometers, of all area, 42.12%
(549.88 km²) framed up the study area as erosive susceptibility Average, 28.06%
(366.43 km²) with susceptibility Very High, 25.88% (337.92 km²) to High, 3.43%
(44,73km²) to Low and just 0.51% (6.61 km²) with erosive susceptibility Very
Low.Through the results of the survey it was observed that the municipality of
Barcarena presents a considerable environmental fragility, where most of its area is
the passive erosion between Medium intensity and Very High, so it is important that
managers and the public, are aware of the environmental scenario in which your
municipality falls today. Therefore, studies with goals and methodologies similar to
this research should be applied, shaped and funded, considering their importance for
environmental management areas that are increasingly exposed human activities
development.
KEYWORDS: Barcarena-Pa, Erosion, Susceptibility.

INTRODUÇÃO
Dentre as principais alterações no uso do solo, a erosão é, provavelmente, a
forma mais grave de degradação da paisagem ao redor do globo, e as atividades
antrópicas têm acelerado esses processos. A degradação ambiental causada pelos
processos erosivos tem se tornado mais evidente e torna-se necessário, cada vez
mais, não apenas reverter esse processo, mas também prever danos futuros com
base no planejamento e gestão desses recursos (XAVIER et al. 2010).
Segundo BONNA (2011), a erosão é um processo natural que envolve a
remoção de partículas, transporte e deposição lenta ou acelerada dos materiais,
sejam eles constituídos por materiais rochosos, solos ou depósitos superficiais
inconsolidados. Estudos de MAGRI (2013) mostram a ocorrência de graves
processos erosivos no Brasil, destacando as regiões do Noroeste do Paraná, interior
de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Sul do Mato Grosso, como as mais
afetadas. Efeitos negativos dos processos erosivos acarretam na improdutividade
das terras, o assoreamento de cursos d’água, gerando elevadas perdas econômicas
à sociedade. MAGRI (2013) ainda menciona grandes processos erosivos em regiões
ocupadas recentemente nos Estados de Rondônia, Mato Grosso, Pará e enfatiza
itens como a degradação do solo e da paisagem causada principalmente pela
erosão nas cabeceiras dos rios Xingu e Araguaia.
MINELLA et al. (2007), mostraram o uso inadequado do solo como um dos
fatores antrópicos preponderantes que aumentam a suscetibilidade erosiva regional.
O uso inadequado do solo, diferentes à sua aptidão, tem contribuído gradativamente
para a sua degradação nos processos erosivos presentes em áreas com maior
declividade, associadas com solos de texturas mais arenosas e ausência de práticas
de conservação adequadas (COSTA et al. 2010).
Em geral a erosão é uma das principais causas da degradação dos solos, que
podem ser agravados pelas suas características físicas impróprias à ocupação
antrópica, em especial as características geológicos, geomorfológicos, pedológicos e
topográficos, que podem tornar mais agressivos processos erosivos (SIMÕES &
OLIVEIRA, 2014).
Uma maneira de avaliar a tendência à processos erosivos em um
determinado ambiente é através das cartas de suscetibilidade erosiva. A
ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.108 2015
susceptibilidade erosiva pode ser avaliada com base nos fatores naturais e
antrópicos da área, como a topografia, a ausência de vegetação nativa, a pedologia,
hidrografia, clima, entre outros, por exemplo LOLLO & SENA (2012), elaboraram
cartas de susceptibilidade erosiva com base no tipo do solo, tipo de substrato ou
rocha, geomorfologia, declividade e o uso e ocupação do solo. As cartas de
suscetibilidade são geradas utilizando um software de Sistemas de Informação
Geográfica SIG, onde os mapas analíticos e temáticos dos atributos naturais e
antrópicos da área estudada são sobrepostos e combinados através de operações
matemáticas com base em critérios de álgebra de mapas.
Este trabalho objetivou analisar a suscetibilidade erosiva dos solos do
município de Barcarena, no estado do Pará, através da elaboração de cartas de
suscetibilidade erosiva. Estas cartas foram geradas a partir do tratamento de mapas
temáticos dos atributos, vegetação, pedologia, declividade e uso e ocupação dos
solos por meio do seu processamento utilizando software de SIG geográficas,
visando gerar subsídios que permitam a utilização desta ferramenta em ambientes
similares da região amazônica e que redundarão numa melhor gestão deste recurso.

MATERIAL E MÉTODOS
O município de Barcarena situa-se a nordeste do estado do Pará entre os
paralelos 1º 30´S a 1º 40´S e entre os meridianos 48º 30´ W a 48º 50´ W (figura 1). A
geologia local faz parte da bacia sedimentar da foz do rio Amazonas; os terrenos
são representativos do grupo Pará, caracterizado por depósitos de areia, siltes,
argilas e concreções lateríticas (PEREIRA et al., 2010).

FIGURA 1: Localização de Barcarena – PA


Fonte: Autores, 2015.

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.109 2015
Incialmente foi realizada uma revisão bibliográfica, com o objetivo de
identificar os aspectos ambientais para análise da suscetibilidade erosiva do
município de Barcarena. Segundo SIMÕES & OLIVEIRA (2014), os ambientes com
características físicas impróprias à ocupação resultantes da combinação de fatores
geológicos, geomorfológicos, pedológicos e topográficos, dentre outros, favorecem a
ocorrência de processos erosivos e movimentos de massa. Destas características,
foram considerados os atributos de vegetação, pedologia (solos), topografia e o uso
e ocupação do solo. As informações dos atributos utilizados foram consultadas e
obtidas nos formatos shapefile e geotiff nos portais do Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE), disponível em: mapas.ibge.gov.br / interativos /
arquivos / downloads, e no portal da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
(CPRM), disponível em: geobank.cprm.gov.br.
Com as informações obtidas, foi criado um banco de dados com arquivos no
formato shapefile e imagens no formato geotiff para posterior aplicação destes no
software Quantum Gis (QGis) versão 1.8.0, onde foram utilizadas as ferramentas do
Spatial Analysis e Analysis Tools do software.
Para a geração do mapa de declividade foi realizado o geoprocessamento
utilizando imagem de relevo do município em estudo. As imagens estão
disponibilizadas no portal da CPRM (geobank.cprm.gov.br), no mosaico de imagem
SRTM (Shuttle Radar Topography Mission), folha SA-22, no formato raster (geotiff) e
com o georreferenciamento efetuado no sistema de coordenadas geográficas
DATUM WGS84. Os mapas temáticos dos demais fatores foram gerados com base
nos dados em formato shapefile obtidos no portal do IBGE
(mapas.ibge.gov.br/interativos/arquivos/downloads).
Para a geração do mapa de pedologia, foi coletado no portal do IBGE os
arquivos shp, shx e dbf com informações pedológicas do território brasileiro, com o
auxílio do QGis, foi realizado o clip com base no limite do município em estudo e a
identificação e rotulação das classes com os tipos de solo. No mapa de vegetação e
uso do solo foram realizados os mesmos procedimentos.
Para obtenção do mapa de suscetibilidade erosiva, foi realizada a análise
multicritério, que segundo MOURA (2007), é o mapeamento de variáveis por plano
de informação e na definição do grau de pertinência de cada plano de informação e
de cada um de seus componentes de legenda para a construção do resultado final.
A matemática empregada é a simples Média Ponderada, mas há pesquisadores que
já utilizam a lógica Fuzzy para atribuir os pesos e notas. Esta análise permitiu a
investigação combinada de variáveis, onde foram atribuídas notas para cada atributo
ambiental empregado na análise de suscetibilidade erosiva, além desta, foi aplicado
também a ferramenta de álgebra de mapas (Map Algebra), esta ferramenta permite
a combinação dos produtos considerando o peso de cada variável (uso da terra,
pedologia, declividade e vegetação). Essas metodologias foram executadas no
software de informação geográfica QGis, versão 1.8.0.
De acordo com BENAVIDES SILVA & MACHADO (2014); BONNA (2011),
foram definidos os pesos de cada aspecto considerado na análise e notas para seus
respectivos atributos, considerando suas influências nos processo erosivas, a tabela
1 demonstra como foram distribuídos os pesos e as notas para a geração do mapa
síntese. Os pesos variaram de 0-1 e as notas de 0-10.

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.110 2015
TABELA 1: Notas e Pesos para análise multicritério.
Vegetação Declividade (peso-
Solo (peso – 0,20) Uso da terra (peso – 0,30)
(peso – 0,15) 0,35)
Massa d’água - 1 Entre 50 e 25% agropecuária Massa d’água – 782 – 2
– 10 1
Gleissolo alta Entre 25 e 10% agropecuária Vegetação 782 até 8107 – 5
atividade – 6 –9 secundária – 5
Gleissolo baixa Menos de 10% agropecuária Pioneiras – 3 8107 até 33435 – 9
atividade – 5 –8
Latossolo amarelo – Usos diversos – 7
4
Lavouras + Outras
Coberturas – 5
Urbanização – 4
Lavouras + Matas e/ou
Florestas – 2
Lavouras permanentes – 6
Fonte: Adaptado de BENAVIDES SILVA & MACHADO (2014); BONNA (2011).

Com base no banco de dados gerado com as consultas nos portais, foram
gerados mapas para cada variável dentro do limite municipal de Barcarena. Os
produtos demonstram a distribuição espacial de cada variável e suas diferentes
composições conforme figura 2.
No processo de geração do mapa síntese, foram considerados os pesos e
notas descritos na tabela 1. As áreas suscetíveis à erosão do município de
Barcarena foram divididas em cinco níveis de intensidade erosiva segundo XAVIER
et.al (2010), muito baixa, para áreas com níveis entre pouco a não suscetíveis a
erosão, baixa, para áreas com níveis pouco suscetíveis, média, para áreas com
níveis moderados de erosão, alta, para áreas muito suscetíveis e muito alta, para
níveis de extrema suscetibilidade.

RESULTADOS E DISCUSSÕES
Com a aplicação da metodologia proposta, foram obtidos alguns produtos
referentes a cada variável considerada na pesquisa (figura 2), estes foram obtidos
com base no banco de dados gerado através de pesquisas nos portais dos institutos
de desenvolvimento já citados.
O mapa interativo de declividade mostrou predominância de relevo
suavemente ondulado (3-8%), que segundo BENAVIDES SILVA & MACHADO
(2014), consiste em uma superfície de topografia pouco movimentada, constituída
por um conjunto de colinas e/ou outeiros, apresentando declives acentuados, que
leva ao movimento de massa, escoamento laminar, sulcos e ravinas.
A pedologia do município em estudo mostrou os tipos de solo da área de
Barcarena, Gleissolos Hápilicos de Argila com alta e baixa atividades, Latossolo
Amarelo Distrófico, foram as classes identificadas. Segundo FILHO et al., (2014), o
relevo predominantemente plano nas classes dos Gleissolos, sugerem baixos riscos
de perdas de solos por erosão. No caso dos Latossolos, a permeabilidade
acentuada desses solos é resultado da baixa relação textural, que associadas à
estrutura bem desenvolvida (tipicamente entre blocos e granular) e teores
consideráveis de matéria orgânica, contribuem para a maior resistência à erosão
hídrica desses solos.
ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.111 2015
O mapa de vegetação demostrou presença de vegetação secundária,
vegetação pioneira com influência fluvio-Marinha. SALOMÃO (2012) destacou a
importância da cobertura vegetal como “defesa natural de um terreno contra a
erosão”, sugerindo que a simples presença de cobertura vegetal já ameniza os
processos erosivos.
O mapa de uso e ocupação do solo apresentou classes como, lavouras com
matas e/ou florestas, lavouras com outros tipos de cobertura, lavouras permanentes,
com usos diversos, área com menos de 10% com uso agropecuário, área com mais
de 10% e menor que 25% com uso agropecuário, área com mais de 25% e menor
que 50% com uso agropecuário e área urbanizada. As áreas destinadas a
agropecuária podem acelerar bastante os processos erosivos, SILVA (2011)
destacou que a passagem do gado em locais preferenciais promove a compactação
do solo e criando locais preferenciais para a passagem da água, gerando formas
mais avançadas de erosão, como ravinas e pequenas voçorocas, com base no
mapa de uso e ocupação do solo na figura 2, as áreas destinadas ao uso
agropecuário representam mais de 50% da área total do município.

FIGURA 2: Mapas com as variáveis


Fonte: Autores, 2015.
ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.112 2015
De acordo com a figura 2 foi possível identificar a distribuição dos atributos na
área de estudo. Os mapas de pedologia, vegetação, uso da terra e declividade
foram combinados na análise multicritério e posteriormente foi aplicado o método de
álgebra de mapa com base nos pesos e notas da tabela 1. Como resultado do
método algébrico foi gerado o mapa síntese de suscetibilidade erosiva do município
de Barcarena (figura 3).
.

FIGURA 3: Mapa Síntese de suscetibilidade erosiva


Fonte: Autores, 2015.

Com base na figura 3, foi possível identificar as áreas do município de


Barcarena que estão passíveis a processos erosivos. O município possui uma área
correspondente a aproximadamente 1.305,57 km², desta área 42,12% (549,88 km²)
enquadraram-se, como área suscetibilidade erosiva Média, 28,06% (366,43 km²)
com de suscetibilidade Muito Alta, 25,88% (337,92 km²) como de Alta, 3,43% (44,73
km²) como de Baixa e apenas 0,51% (6,61 km²) como de suscetibilidade erosiva
Muito Baixa.
A figura 3 indica que a suscetibilidade erosiva Muito Alta está localizada na
região centro sul do município onde predominam solos do tipo Latossolo Amarelo
Distrófico, com predomínio de Vegetação Secundária, com forte influência atividade
Agropecuária. A susceptibilidade degradativa dos solos do município está fortemente
influenciada pelas atividades antrópicas, com uso e ocupação do solo dominado

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.113 2015
pela atividade agropecuária, considerado como um dos principais fatores da
degradação do solo por SIMÕES & OLIVEIRA (2014).
A presença de Vegetação Secundária nas áreas identificadas com
susceptibilidade Muito Alta, pode não ter contribuído com a amenização da
suscetibilidade devido o peso atribuído a este fator (10%), certamente a influência
antrópica (uso do solo) com peso de 30% foi a principal causa da degradação dos
solos, principalmente devido a supressão da vegetação, reforçando a constatação
de ALMEIDA et al., (2008) que verificou que a maior susceptibilidade à erosão do
solos ocorre em áreas que não apresentam mais sua vegetação nativa.
As áreas de Média suscetibilidade erosiva, com expressivo 42,2% da área do
município, provavelmente foram influenciadas pela topografia do município, fator
considerado na pesquisa como mais atuante com peso de 35% e pelo fator
pedologia (20%). A topografia dominante é suavemente – ondulado, destacando um
relevo pouco acidentado e pouco suscetível à movimentação de massas. Os solos
são da classe Latossolo, onde a mineralogia característica de ambientes oxidantes
deste tipo de solos favorece boa estruturação, sendo um dos motivos da sua baixa
erodibilidade, identificado por SILVA et al. (2009) e dos Gleissolos, que apresentam
suscetibilidade à erosão laminar muito forte (NETO & ALEIXO, 2014).

CONCLUSÃO
Os estudos que buscam a qualificação ou quantificação da fragilidade
ambiental de uma determinada área são de extrema relevância para o planejamento
e gestão territorial da mesma. Nesse caso, a análise de suscetibilidade erosiva pode
ser considerada uma ferramenta apropriada para realização de um diagnóstico
ambiental, pois através desta pode-se obter informações sobre o ambiente em
questão, identificando as melhores metodologias de remediação ou recuperação.
Neste estudo, a análise multicritério mostrou-se eficiente, pois através desta
foi possível realizar a combinação de todas as variáveis empregadas no estudo. O
método de álgebra de mapas, também mostrou-se uma metodologia útil, já que
através do emprego desta ferramenta foi possível a geração do mapa síntese de
suscetibilidade erosiva.
Através dos resultados obtidos com a pesquisa foi possível observar que o
município de Barcarena apresenta uma fragilidade ambiental considerável, onde a
maior parte de sua área está passiva a processos erosivos de Média intensidade,
logo é importante que os gestores e a população, tenham consciência do cenário
ambiental em que o município de Barcarena se enquadra.
Deste modo, estudos com objetivos e metodologias semelhantes com o desta
pesquisa devem ser aplicados, modelados e financiados, pois são de extrema
importância para o gerenciamento ambiental de áreas que estão cada vez mais
expostas as atividades antrópicas.
REFERÊNCIAS
ALMEIDA, W. S; SOUSA, N. M; CARVALHO, J. C. Produção de mapas de zonas
homólogas de relevo e de uso do solo, a partir de dados de modelos numéricos de
terreno e de imagem Quick Bird, como passos intermediários em um diagnóstico da
susceptibilidade à erosão, no entorno da usina hidrelétrica Corumbá IV (GO). Anais
XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Natal, Brasil, p. 5563-5570,
2009.

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.114 2015
BENAVIDES SILVA, V. C; MACHADO, P. S. SIG na Análise Ambiental:
Susceptibilidade Erosiva da Bacia Hidrográfica do Córrego Mutuca, Nova Lima –
Minas Gerais. Revista de Geografia (UFPE) V. 31, n.2, 2014.
BONNA, J. L. Mapeamento Pedológico e de Suscetibilidade Erosiva no Alto
Córrego Prata (Ouro Preto-MG). Instituto de Geociências, Universidade Federal de
Minas Gerais, 2011.

CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Dados & Produtos - Mapa


de Declividade em Percentual do Relevo Brasileiro, disponível em:
geobank.cprm.gov.br, 2010.

COSTA, R. A; JÚNIOR, C. C. S; NISHIYAMA, L. Susceptibilidade aos Processos


Erosivos do Meio Físico em Morrinhos – GO. GEONORDESTE, Ano XXI, n.2, 2010.

FILHO, B. C; BERING, S. B; CALDERANO, S. B; GUERRA, A. J. T. Suscetibilidade


dos Solos à Erosão na Microbacia do Córrego Fonseca, Região Serrana do Estado
do Rio de Janeiro. Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e
Sensoriamento Remoto, Aracaju, Brasil, 2014.

IBGE - Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística. Geociências – Produtos,


disponível em: mapas.ibge.gov.br/interativos/arquivos/downloads, 2010.

MAGRI, R. A. F. Análise da Suscetibilidade à erosão da região do Médio Rio


Grande (MG). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo,
2013.

MOURA, A. C. M. Reflexões Metodológicas como Subsídio para Estudos Ambientais


Baseados em Análise de Multicritérios. Anais do XIII Simpósio Brasileiro de
Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, p.2899-2906, 2007.

MINELLA, J. P. G.; MERTEN, G. H.; REICHERT, J. M.; SANTOS, D. R. Identificação


e implicações para a conservação do solo das fontes de sedimentos em bacias
hidrográficas. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.31, p.1637-1646, 2007.

NETO, J. C. A. S; ALEIXO, N. C. R. Apropriação da Natureza e Processos Erosivos


na Região do Médio Solimões – AM. Revista GeoUECE, v. 3, nº 4, p. 151-176,
jan./jun. 2014.

PEREIRA, S. F. P; SANTOS, L. R; SILVA E SILVA, C; MIRANDA, R. G; GOMES, T.


L. D. Uso da Análise Multivariada na Avaliação dos níveis de Cádmio, Crômio, Ferro,
Zinco, Cobre, Chumbo e Alumínio e suas intercorrelaçõesno compartimento Hídrico
da Região de Barcarena-Pa. Safety, Health and Environment World Congress.
São Paulo, BRAZIL, 2010.

LOLLO, J. A; SENA, J. N. Estabelecimento de Suscetibilidade a erosão – diferentes


técnicas para diferentes etapas de tomada de decisão. VII Congreso de Meio
Ambiente /AUGM, UNLP, La Plata Argentina, 2012.

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.115 2015
SALOMÃO, F. X. T. Controle e Prevenção dos Processos Erosivos. In: GUERRA,
Antônio José Teixeira; SILVA, Antônio Soares da; BOTELHO, Rosangela Garrido
Machado (Org.). Erosão e Conservação de Solos – Conceitos, Temas e
Aplicações. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, p. 229-267, 2012.

SILVA, A. M.; SILVA, M. L. N.; CURI, N.; AVANZI, J. C.; FERREIRA, M. M.


Erosividade da chuva e erodibilidade de Cambissolo e Latossolo na região de
Lavras, sul de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.33, p.1811-
1820, 2009.

SILVA, A. S. Mineração e Áreas de Preservação Permanentes (Apps) em Santo


Antônio de Pádua – RJ. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, ano 23 n. 2,
173-185, 2011.

SIMÕES, P. M. L; OLIVEIRA, C. V. Avaliação da Susceptibilidade à Erosão e aos


Movimentos de Massa no município de Ibirité. Geonomos, Revista do Centro de
Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa, Instituto de Geociências,
Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

SOUSA, H. C; SANTOS, W. A. A. Atuação, Monitoramento e Análise de Processos


Erosivos no âmbito de Parques Eólicos: Estudo de caso nas Regiões Litorânea e
Agreste do Nordeste Brasileiro. Brazil Windpower, Conference and Exhibition,
Rio de Janeiro, Brasil, 2014.

XAVIER, V. F; CUNHA, K. L; SILVEIRA, A; SALOMÃO, F. X. E. Análise da


Suscetibilidade à Erosão Laminar na Bacia do Rio Manso, Chapada dos Guimarães,
MT, Utilizando Sistemas De Informações Geográficas. Revista Brasileira de
Geomorfologia, v.11, n.2, p.51-60, 2010.

ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p.116 2015