You are on page 1of 1

O poder do magnetismo

Os costumes de uma pessoa funcionam como pequenas centrais elétricas que geram sua energia própria. Seja através

de uma hidrelétrica ou de um catavento, a eletricidade convencional é reunida por uma série de movimentos mecânicos

repetidos, cuja energia é retida e transformada. Do mesmo modo, uma certa energia magnética é acumulada com a

repetição das nossas pequenas atitudes costumeiras na vida diária, sejam elas físicas, emocionais ou mentais. A

energia gerada por nossos hábitos talvez pareça pequena, mas isso não é verdade. Trinta minutos de estudo e

contemplação diários podem fazer muita diferença depois de alguns meses. Quarenta minutos de leitura meditativa por

dia são suficientes para mudar uma vida, se levarem ao fortalecimento de uma vontade espiritual associada a

discernimento e bom senso.

Os hábitos fortalecem os desejos, definem o caráter e estabelecem a visão que se tem da vida. A ruptura das rotinas

inúteis funciona como uma barragem que interrompe o curso de um rio de águas barrentas – e produz uma energia

elétrica valiosa.

Ao ficar imóvel durante algum tempo examinando verdades universais, um fluxo antes irreprimível de hábitos físicos e

emocionais dispersivos passa a ser represado, produzindo magnetismo superior.

quando estudamos teosofia original ou filosofia clássica, não permitimos que nenhum pensamento de ordem pessoal

ou dispersiva domine nossa consciência. Fazemos com que os pensamentos se concentrem uma e outra vez em um

tema sagrado e abstrato livremente escolhido por nós. Aos poucos, esta postura se amplia para as 24 horas do dia, e a

energia mecânica dos hábitos de pensamento é transformada em uma força eletromagnética purificada. Esta elevação

constante da consciência gera Vontade espiritual e reduz gradualmente a força dos antigos hábitos de pensamento e

emoção. O velho fluxo de energias gastas inconscientemente é cada vez mais transmutado, e deste modo passamos a

ter mais força disponível para cada iniciativa nossa. Ganhamos uma presença mais forte e mais magnética diante dos

eventos e situações da vida. Desativamos o envolvimento pessoal em situações de curto prazo, e geramos

magnetismo espiritual, em torno dos temas e das realidades do eu superior.

O cérebro humano é uma estação central de conexões eletromagnéticas. Seu potencial é ilimitado. A energia que

passa por ele ganha força e clareza à medida que adquirimos experiência e alguma sabedoria.

O silêncio mental, a renúncia às diferentes formas de cobiça e medo, os pensamentos corretos e uma polarização da

nossa consciência em torno de fatos positivos e de realidades abrangentes são, todas, decisões e escolhas

voluntárias.

Essas possibilidades estão ao nosso alcance. Elas servem para libertar-nos do sofrimento psicológico. Espírito crítico é

fundamental, mas não devemos ser arrastados por ele. É oportuno colocar mais ênfase na construção do que é correto

do que na destruição do que é errado. A crítica franca é importante, porque limpa o terreno sobre o qual se pretende

construir. Mas devemos ser mais duros com nós mesmos do que com os outros, já que a principal construção é,

sempre, a autoconstrução. Toda crítica que não tenha em vista a construção do que é correto constitui uma perda e um

vazamento de energia magnética. A lei da conservação da energia é a mesma lei da conservação de magnetismo.