You are on page 1of 7

RELATOS DE SALA DE AULA

Alessandro Silva de Oliveira e Márlon Herbert Flora Barbosa Soares

Este artigo apresenta uma atividade lúdica para ser desenvolvida em sala de aula e consiste na elaboração de um júri
simulado. A sala é dividida em três grupos distintos. O primeiro grupo defende uma engarrafadora de água, o segundo grupo,
uma fábrica de baterias e o terceiro se porta como júri. Os alunos personificam as funções de advogados de defesa e
acusação e de testemunhas diversas. O professor personifica o juiz da atividade e decide quem, afinal, contaminou a cidade
fictícia de Nucleópolis. O trabalho também discute a função do lúdico como ferramenta de desenvolvimento cognitivo.


atividades lúdicas, conceitos químicos, júri simulado, simulação

Recebido em 06/07/04; aceito em 17/02/05

A
18 aprendizagem é uma capa- curiosidade do interesse, consideran- cas propostas.
cidade natural, inerente à vi- do curiosidade como um aspecto da Relacionando-se aprendizagem,
da dos homens e de outras acomodação e o interesse como um interesse e os aspectos lúdicos, po-
espécies animais. Isto pode ser aspecto da assimilação. Já Bruner de-se dizer que o ludismo permanece
observado, analisando-se o desen- (1969) acredita que o interesse ex- com o ser humano até mesmo na fase
volvimento intelectual que experimen- presso através da curiosidade é um adulta, mudando-se, logicamente, os
ta o homem, desde o nascimento. elemento gerador da aprendizagem, tipos de brinquedo e os tipos de brin-
Piaget (1975) exalta que até a idade desde que se permita ao sujeito uma cadeira. Para Chateau (1984), a
de 5 anos esse pro- análise profunda do aprendizagem que decorre do ato de
cesso ocorre de for- Para Piaget, interesse e conceito. brincar é evidente, sendo muito claro
ma mais intensa e, curiosidade fazem parte O interesse é al- para o autor que o jogo não exercita
ainda, há um cons- dos mecanismos de go, sobretudo, pes- apenas os músculos, mas a inteligên-
tante aprendizado a aprendizagem, através das soal e imaterial, po- cia.
que estamos sujeitos estruturas de assimilação e dendo um mesmo Os debates acerca da utilização
durante o decorrer da de acomodação, ou seja, o assunto ou objeto do jogo em educação e de seus signi-
vida. Nesse intervalo interesse precede a gerar diferentes inte- ficados levam a se discutir duas fun-
pode-se constatar assimilação resses, o que indica ções do jogo considerado educativo
uma mudança de possibilidades práti- (Kishimoto, 1994):
comportamento e de interação com cas ilimitadas de motivação de uma a) função lúdica – ou seja, o jogo
o mundo, que vai da total depen- pessoa. propicia a diversão, o prazer e até o
dência a uma relativa autonomia de O uso do lúdico para ensinar diver- desprazer, quando escolhido volun-
pensamento, havendo um rápido sos conceitos em sala de aula – tais tariamente;
aparecimento da linguagem e de como charadas, quebra-cabeças, b) função educativa – ou seja, o
outras representações simbólicas. problemas diversos, jogos e simula- jogo ensina qualquer coisa que com-
Para Piaget (1972), interesse e cu- dores, entre outros – pode ser uma plete o indivíduo em seu saber, seus
riosidade fazem parte dos mecanis- maneira de despertar esse interesse conhecimentos e sua apreensão de
mos de aprendizagem, através das intrínseco ao ser humano e, por con- mundo.
estruturas de assimilação e de aco- seqüência, motivá-lo para que bus- Se há predomínio da função lúdi-
modação, ou seja, o interesse pre- que soluções e alternativas que resol- ca, não há ensino, somente jogo. Se
cede a assimilação. O autor diferencia vam e expliquem as atividades lúdi- há predomínio da função educativa,
não há jogo, somente material didá-
A seção “Relatos de sala de aula” socializa experiências e construções vivenciadas nas aulas de Química ou a elas tico. O desafio é equilibrar as duas
relacionadas. Neste número a seção apresenta três artigos. funções descritas anteriormente, para

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005
que possa haver aprendizado de for- contra em vários dicionários como bibliográficas que auxiliaram os alu-
ma lúdica. sinônimo de brincar. Em outro contex- nos a tentarem solucionar o problema
Além disso, a definição de jogo no to, pode-se utilizar simulação, que se (ver referências bibliográficas especí-
Brasil ainda é pobre. É difícil definir o caracteriza como uma atividade ficas, fornecidas aos alunos pelos
jogo. Cada vez que se pronuncia a lúdica se for divertida e prazerosa, ou professores).
palavra, várias pessoas podem enten- simplesmente jogo, se houver regras
dê-la de maneiras diferentes e varia- previamente estabelecidas. Método e forma de organização
das. O jogo pode ser político, quando Em síntese, jogo seria, portanto, A turma de alunos foi dividida em
se imagina a astúcia qualquer atividade dois grupos. O primeiro ficou respon-
de parlamentares. Neste artigo, descreve-se lúdica que tenha re- sável pela defesa da fábrica de bate-
Jogos de faz-de- uma atividade lúdica gras, com ou sem rias e o segundo grupo pela da engar-
conta em que há for- aplicada em sala de aula competição, e que, rafadora de água. O professor
te presença do ima- para alunos de Ensino dependendo do responsável pela turma é o professor
ginário; atividades Médio, na qual se procura objetivo, leve ao ato de Química, coordenador das ativida-
que primam pela trabalhar conceitos de brincar, que é a des, inclusive daquelas que neces-
competição, como químicos contextualizados própria brincadeira. sitam da ajuda dos outros profes-
jogos de tabuleiros e através de um júri simulado, Apesar do jogo ser, sores, tais como os de Geografia e
entre equipes, assim discutindo-se problemas então, uma atividade História. O professor de Química me-
como manipulação ambientais ocorridos em lúdica, é importante dia o processo de construção de
de pedras, objetos uma cidade fictícia salientar que no pró- argumentos pelos grupos, durante
ou areia como pas- prio mecanismo do todo o processo, fazendo inclusive
satempo também constituem formas jogo pode surgir o lúdico, o que nos ligações entre conhecimentos que
de jogo. leva a inferir que o jogo e a atividade necessitam da ajuda de professores
Huinziga (1980), um dos principais lúdica são na verdade indissociáveis. de outras áreas.
filósofos e estudiosos dos jogos, diz Este trabalho apresenta uma ativi- Durante o decorrer do trabalho, ou
que: dade lúdica que, consideradas as re- seja, na preparação das atividades
19
gras existentes e determinadas pelo antes do dia marcado para o julga-
(...) o jogo é uma atividade ou
professor e pelo grupo, caracteriza- mento, o professor fornece aos gru-
ocupação voluntária, exercida
se também como um jogo. pos situações básicas de acusação
dentro de certos e determi-
e defesa, nas quais os conceitos quí-
nados limites de tempo e de O contexto do trabalho micos estão inseridos. A partir dessas
espaço, segundo regras livre-
Neste artigo, descreve-se uma situações, os grupos de alunos pre-
mente consentidas, mas abso-
atividade lúdica aplicada em sala de param a acusação e a defesa de suas
lutamente obrigatórias, dotado
aula para alunos de Ensino Médio, idéias, para que sejam apresentadas
de um fim em si mesmo, acom-
com a participação de professores de e discutidas no dia do júri simulado
panhado de um sentimento de
Química, Geografia, História e Portu- (ver Quadro 2 e referências bibliográ-
tensão e de alegria e de uma
guês, na qual se procura trabalhar ficas utilizadas pelos alunos).
consciência de ser diferente da
conceitos químicos contextualizados O professor se aproveita dessas
vida cotidiana.
através de um júri simulado em sala reuniões com os grupos para discutir
Discussões sobre o real significa- de aula, discutindo-se problemas am- os conceitos químicos envolvidos. Por
do do vocábulo jogo têm consumido bientais ocorridos em uma cidade exemplo, o conceito de solubilidade
vários pesquisadores, como relatado fictícia que comporta é válido tanto para
por Kishimoto (1996). Em trabalho duas indústrias, uma A atividade lúdica pode ser aspectos relaciona-
recente, Soares (2004) detecta a fábrica de baterias e definida como uma ação dos com a engarrafa-
confusão de definições em torno des- uma engarrafadora divertida, seja qual for o dora de água, como
se vocábulo e propõe diferenças en- de água mineral contexto lingüístico, para a fábrica de
tre jogo, atividade lúdica, simulação (vide Quadro 1). desconsiderando o objeto baterias no que se
e brincadeira. Para o autor, a atividade O problema a ser envolto na ação. Se há refere aos rejeitos
lúdica pode ser definida como uma discutido no júri pe- regras, essa atividade lançados no meio
ação divertida, seja qual for o contexto los alunos consiste lúdica pode ser ambiente. Outros
lingüístico, desconsiderando o objeto em descobrir qual considerada jogo conceitos, tais como
envolto na ação. Se há regras, essa das duas indústrias indicadores ácido-
atividade lúdica pode ser considerada citadas é a respon- base, propriedades
jogo. sável pela contaminação apresentada organolépticas, equilíbrio químico e
A brincadeira pode ser definida pela população da cidade. Em rela- soluções, também são discutidos nos
como o ato ou efeito de brincar, oriun- ção aos problemas de contaminação grupos com o mesmo intuito, para
do de um jogo ou de uma atividade e funcionamento das empresas des- que os alunos entendam o conceito
lúdica. A brincadeira também se en- critas, foram fornecidas referências de forma contextualizada, nas

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005
Quadro 1: Contexto e descrição da cidade fictícia
Nucleópolis é uma cidade de Assim fez a fábrica de baterias que mas. Dizem que dona Natalina até
porte médio, localizada no interior de se instalou no local. A população ficou enlouqueceu. Havia dúvidas e eram
Quimicanópolis. Cresceu um pouco receosa, mas logo aceitou a idéia. muitas.
nos últimos anos devido às indús- Afinal a fábrica parecia ser muito Um dia alguém disse que o pro-
trias que lá se instalaram. Porém, a responsável em relação aos cuidados blema estava na água mineral
população continua sempre a mes- com a natureza e as pessoas. Foi bebida por essas pessoas. A revolta
ma, conservando os ares de cidade grande o entusiasmo quando soube- foi geral. A população posicionou-
do interior. Fazem questão de man- ram que uma indústria de engarrafa- se contra a indústria. Processos e
ter uma vida saudável e, por isso, mento de água mineral também se mais processos voaram contra ela
consomem os ovos, leite, carne, instalaria ali. A população agora teria e a indústria acusava a fábrica de
grãos, frutos e verduras produzidos água da mais alta qualidade, que baterias. As acusações eram muitas.
na própria região. também funcionaria como repositora As duas fábricas se situam no
No entanto, a tranqüilidade nem de sais perdidos, como afirmava o campo e estão relativamente próxi-
sempre esteve presente. Houve médico Sr. Corimar. mas. A região é montanhosa. A fá-
época em que a cidade sofreu com Todos estavam satisfeitos. A fábri- brica de baterias automotivas locali-
grandes devastações e poluição do ca de baterias fornecia empregos za-se na região mais alta, enquanto
meio ambiente. Complexos de fá- para a população e a indústria de que a indústria de água mineral na
bricas instalaram-se nas proximi- água mineral fornecia água da mais mais baixa. Elas possuem sistemas
dades da cidade e promoveram alta qualidade, por preços módicos. de tratamento de resíduos e a fábri-
grandes desastres até irem embora. O custo dessa última era reduzido de- ca de baterias não lança seus resí-
Com a população ficou apenas vido a um acordo feito com o muni- duos diretamente nas fontes de
muito trabalho de descontaminação cípio. água mineral, mas sim, logo abaixo
e a exigência do cumprimento de A tranqüilidade, porém, durou delas. As unidades constituintes da
20 regras fixadas por órgãos de contro- pouco. Uma parte da população co- indústria de água mineral estão em
le ambiental. As pessoas não que- meçou a manifestar sintomas indese- um mesmo lugar. Já a fábrica de ba-
riam mais sofrer e por isso exigiram jáveis: anemia crônica, problemas terias apresenta uma subunidade lo-
que as indústrias vindouras se insta- nos ossos, fluorese e desarranjos no calizada a 3 km da matriz, na qual é
lassem fora da cidade e obedeces- sistema nervoso central. As crianças armazenado o óxido de chumbo que
sem às regras. e os idosos eram as principais víti- se transporta para a fábrica.

discussões e nas visitas realizadas forma de abordagem dos conceitos O próximo passo é a apresenta-
em fábricas similares na região de necessários à argumentação para o ção das provas de acusação e defesa
Trindade - GO, fazendo com que dia do júri, o professor fornece subsí- construídas anteriormente nas reu-
possam, assim, aplicar tais conceitos dios, considerando as orientações niões de grupo nas quais os concei-
nos debates promovidos durante o para o andamento do júri (ver Quadro tos químicos foram trabalhados. Essa
júri simulado. 2). parte é apresentada por profissionais
Todas as atividades descritas, No dia marcado para o júri simu- designados por cada grupo, para a
anteriores ao júri simulado, são reali- lado, é o professor de Química que explicação e discussão das provas.
zadas ao longo de um bimestre letivo, personifica a função de juiz. Um outro Esses profissionais são personifica-
na própria sala de aula, havendo grupo de alunos e os outros profes- dos pelos próprios alunos. Na expe-
também reuniões nas quais o profes- sores podem personificar a função de riência realizada, cada grupo apre-
sor acompanha cada grupo indivi- jurados ou participar da platéia. sentou quatro profissionais, sendo
dualmente, seja na pesquisa biblio- Como juiz, o professor organiza a eles químicos, médicos, dentistas e
gráfica, seja na visita a fábricas. fala dos alunos durante o júri, alter- engenheiros. Um detalhe importante
Nas reuniões, são distribuídos nando a participação de cada grupo, a salientar é que os alunos se vestiram
alguns materiais bibliográficos, sendo bem como a alternância e fala das a caráter.
realizadas leituras conjuntas e poste- testemunhas e dos alunos escolhidos Depois das provas apresentadas,
rior debate de idéias. O professor como advogados. cada grupo apresentou mais de três
também incentiva que os alunos pro- testemunhas; no entanto, o professor/
curem novas referências para as pró- Funcionamento do júri juiz restringiu o número a três. Dentre
ximas reuniões. As dúvidas que O professor/juiz apresenta o caso as testemunhas havia crianças, fun-
aparecem são solucionadas pelos e passa a fala aos alunos/advogados cionários da fábrica e cidadãos da
próprios alunos, através da mediação escolhidos pelo grupo de cada fábri- cidade. Os alunos advogados faziam
do professor. ca, para que façam suas conside- perguntas na tentativa de desmentir
Em relação aos conhecimentos e rações iniciais. as testemunhas ou fazer valer a ido-

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005
Quadro 2: Orientações para o andamento do júri
Apresentação geral e motivos para mineral, devem entregar uns aos to acerca das situações apresen-
as indústrias se apresentarem outros as acusações que farão no dia tadas.
naquelas circunstâncias do júri, para que, de posse das acu- No final o júri terá analisado a ca-
sações, possam se defender adequa- pacidade de cada grupo de apre-
Essa parte será realizada pelos
damente. sentar e desenvolver a inter-relação
advogados de cada empresa. Aqui,
com aspectos reais. Somente uma
ambos os representantes deverão Número de testemunhas pessoa apresenta as acusações e
tratar basicamente dos seguintes Cada grupo poderá apresentar defesas ao júri.
aspectos: dois alunos como advogados ou pro-
• apresentação da fábrica e de motores. Sugestões de situações que podem
seus produtos (instalação, caracte- Cada grupo tem o direito de levar ser exploradas durante o processo
rísticas gerais dos produtos e utili- ao dia do júri três testemunhas de • Modificações no sabor e chei-
dades); acusação e três de defesa. ro da água, o que implica em pro-
• apresentação das preocupa- priedades organolépticas.
ções ambientais das empresas (se Orientações para o dia do • Composição da água mineral,
for o caso); julgamento (acusação e defesa) trabalhando-se conceitos relacio-
• apresentação dos processos O trabalho de averiguação do con- nados a soluções.
de produção; teúdo ministrado durante o ano será • Tratamento de resíduos, que
• estabelecimento da relação dividido em duas etapas: a primeira leva a tópicos como pH, neutrali-
dos conceitos químicos com as consiste em uma apresentação geral zação e teorias ácido-base.
situações de acusação e defesa; das situações propostas e a segunda • Fabricação de baterias e pro-
• esclarecimento do motivo das em acusações e defesa das partes cessos eletroquímicos.
empresas estarem ali instaladas. envolvidas. • Reações químicas, tais como
A acusação e a defesa devem ser polimerização, óxido-redução, rea-
Acusação e defesa realizadas pelas 21
fundamentadas em aspectos quími- ções de ácido-base, entre outras.
indústrias cos pesquisados e trabalhados du- • Equilíbrio químico e cinética de
Ambos os envolvidos, tanto a in- rante o ano. reações nos processos industriais.
dústria de baterias como a de água Existirá um júri que dará o veredic- • Solubilidade dos compostos.

neidade de sua fábrica. dizagem, filmagens das reuniões dos ao que ele chama de “apelo do mais
Ao fim do julgamento, cada aluno/ grupos, bem como da atividade lúdi- velho”. Isto implica na necessidade
advogado fazia sua explanação final, ca que simulava um júri e de conver- que a criança/adolescente tem de se
encerrando a atividade. O professor/ sas informais entre os participantes. fazer valer através do desempenho de
juiz reuniu-se com o júri e comunicou funções anteriormente destinadas
à turma que não houve ganhadores Resultados e discussão apenas aos adultos. Com o desen-
nem perdedores, revelando o real mo- Frente à diversidade de possibili- volvimento da atividade lúdica, ocor-
tivo da contaminação que, neste caso dades para a discussão dos resulta- reu uma aproximação entre os apren-
específico, se deu pela contaminação dos obtidos com a atividade, esco- dizes e o mais velho, representado
da cadeia alimentar. lheu-se aspectos mais gerais, tais pela figura do professor, que possibi-
como: relação aluno-professor; inte- litou a oportunidade de, em certos
Avaliação resse e ensino-aprendizagem; lingua- momentos, ocupar essa posição tão
Em relação à avaliação e aos re- gem e personificação; aspecto almejada pela sociedade dos “pe-
sultados da atividade, Bogdan e disciplinar. Por outro lado, também foi quenos”.
Biklen (1994) consideram que a informado aos alunos como de fato Essa aproximação entre aluno e
análise dos dados obtidos em uma havia ocorrido a contaminação dos professor se deu em vários momen-
pesquisa consiste em um processo habitantes da cidade. tos, desde as reuniões entre o profes-
de busca e organização sistemática A programação da atividade do sor e os grupos determinados, que
das informações obtidas. Como ins- júri tinha a previsão de duas horas; facilitaram os processos de criação,
trumentos utilizados para a obtenção no entanto, foi utilizada toda uma ma- até as discussões acerca das postu-
dos dados relacionados ao processo nhã de sábado, sem interrupção, gas- ras adotadas no dia do júri simulado.
do júri simulado, usaram-se entrevis- tando-se em torno de cinco horas. Verifica-se que, no método de
tas com os alunos e professores en- ensino considerado tradicional, há um
volvidos, notas de campo, aplicações
Relação aluno-professor distanciamento entre aluno e profes-
de questionários relacionados à veri- Em se tratando de jogos aplicados sor, causado pela idéia de que o pri-
ficação do processo de ensino-apren- ao ensino, Chateau (1984) nos remete meiro é um transmissor e o segundo

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005
um receptáculo do conhecimento. Na dos aprendizes. Rogers (1972) afirma grupo ficasse prejudicado frente ao
atividade aqui discutida, acaba-se por a respeito desse aspecto que, pas- júri simulado. Tal fato os levou a
quebrar essa barreira, pois tanto o sado tanto tempo na escola, esse in- explorar detalhes de conceitos com
professor como o teresse é amorte- o professor quando das reuniões de
aluno fazem parte do A realização da atividade cido, cabendo ao grupos.
mesmo processo de lúdica com todas as suas professor a tarefa de Um exemplo do que foi dito está
descoberta e criação possibilidades de interação motivá-lo novamente. na própria iniciativa dos alunos de visi-
de atitudes e ações levou a uma constante Observando-se tarem uma fábrica de baterias e uma
que levem à melhor busca e criação de algumas falas de estação de tratamento de água por
compreensão dos alternativas a serem professores que par- conta própria, inclusive filmando todo
conceitos químicos, debatidas nos grupos e ticiparam da ativi- o processo. Cabe adicionar ainda que
discutidos nos gru- no júri dade, pode-se inferir foram os alunos que negociaram a
pos e no dia especí- como foi o processo visita com os responsáveis pelas em-
fico do júri simulado. do despertar do interesse e seu presas.
As falas de alguns alunos descri- conseqüente aumento em sala de Durante as reuniões, alguns con-
tas a seguir sintetizam, satisfatoria- aula: ceitos eram explorados nos mínimos
mente, esse item: detalhes para que não houvesse dú-
– Eu observei que se a aula
vida de como abordá-los no dia da
– O professor perto é muito fosse dada de forma tradi-
apresentação. Alguns pais relataram
melhor. Ele é até mais legal. cional... iria... é... iria haver um
constantes conversas com os filhos
certo interesse. Só que passa-
– Eu perdi um pouco o medo sobre suas profissões e de como eles
do dali, acabou. Com a brinca-
do professor. Ele explica bem poderiam utilizá-las durante o proces-
deira, eles continuam pensan-
melhor quando tá (sic) junto de so, seja como testemunha ou como
do no assunto...
nós (sic). fonte de mais dados complemen-
tares.
É interessante destacar que o pró- – Até a gente, continua pen-
22 Como a questão do ensino-apren-
prio relacionamento extraclasse du- sando... desde que eu falei na
dizagem está, de alguma forma, liga-
rante as reuniões e no dia do júri me- maquete (aponta a própria ca-
da ao interesse, é fácil entender que
lhorou satisfatoriamente, na opinião beça) ela continua aqui. Com
houve significativa melhora nesse
dos professores que trabalharam no eles (os alunos) deve aconte-
aspecto, tanto no que concerne aos
processo. Os professores argumen- cer o mesmo... deve ficar na
resultados obtidos no dia do júri
taram também que o uso de regras cabeça deles...
como durante todo o processo ante-
durante o jogo proposto possibilitou
rior ao mesmo, em relação ao
uma melhora significativa na questão – ...mesmo que eles não es-
domínio dos conteúdos, quanto no
da colocação dos limites em sala de tejam gostando, fica na cabeça
que se refere a algumas avaliações
aula, o que implica na melhora da dis- deles. Se eles dizem: ‘que saco
realizadas posteriormente em relação
ciplina. este trabalho!!’ Até assim ele
ao tema.
continua (bate na cabeça). Se
Interesse e ensino-aprendizagem fosse uma aula tradicional, 5 Linguagem e personificação
O interesse não pode ser gerado, minutos de descanso eles já Durante o desenvolvimento da ati-
pois já existe intrinsecamente; no esqueceriam o que eu falei... vidade, verifica-se a reelaboração e
entanto, pode e deve ser despertado. esse trabalho mexe muito com domínio da linguagem química em
A realização da atividade lúdica com todo mundo, por isso acho que várias circunstâncias, no que se
todas as suas possibilidades de tem muita utilidade... refere principalmente ao dia do júri
interação levou a uma constante bus-
As falas resu- simulado. Como os
ca e criação de alternativas a serem
mem bem a questão A atividade acaba com o alunos querem fazer
debatidas nos grupos e no júri. Ou
do interesse; no distanciamento entre aluno uma boa apresen-
seja, assim que o aluno tem contato
entanto, cabe ainda e professor, pois ambos tação e defesa de
com a proposta do júri, envolve-se
salientar as atitudes fazem parte do mesmo suas idéias, essa ree-
completamente com a atividade, bus-
dos alunos no que processo de descoberta e laboração passa a
cando em todas as etapas do pro-
se refere a uma criação de atitudes e ações ser necessária para
cesso novas idéias e conceitos, fato
maior dedicação que levem à melhor um bom desem-
que não ocorre em aulas expositivas
nas pesquisas bi- compreensão dos penho na atividade.
nas quais são apresentados aos
bliográficas e na ela- conceitos químicos Qualquer idéia ou
alunos os conceitos e, futuramente,
boração dos concei- conceito mal elabo-
lhes é cobrado um saber pronto e
tos para o dia do júri, pois ficou claro rado ou apresentado de forma errada
acabado que deve ser assimilado
para eles que um entendimento equi- perante o juiz (professor) pode levar
sem a prévia averiguação do inter-
vocado poderia fazer com que o o grupo a ficar em desvantagem em
esse ou não pelo assunto por parte

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005
relação à argumentação do grupo essa característica implica em uma naturalmente para a atividade.
contrário. espécie de afirmação do eu pelo su- O jogo ou atividade lúdica tem co-
Esse processo de nova elabora- jeito, como um meio de reafirmação mo conseqüência natural a motiva-
ção da linguagem a ser utilizada é da personalidade, através da ção. É de se esperar que o mesmo
acompanhado de perto pelo profes- incorporação de características, aconteça quando esses jogos e ativi-
sor, durante as reu- falas, atitudes e con- dades lúdicas são aplicados ao ensi-
niões com cada um O jogo ou atividade lúdica ceitos veiculados no, considerando-se o equilíbrio exis-
dos grupos, nos pe- tem como conseqüência cotidianamente, pre- tente entre a função lúdica e a função
ríodos anteriores ao natural a motivação. É de sentes em pessoas didática. Foi possível notar que às
júri. Na experiência se esperar que o mesmo reais, as quais serão vezes a sala de aula estava com
realizada, muitos aconteça quando esses copiadas pelo muito barulho; no entanto, todo esse
alunos expressavam jogos e atividades lúdicas aprendiz. barulho era voltado para a atividade.
suas dúvidas em re- são aplicados ao ensino No dia do júri e
lação a como apre- vestidos a caráter, os
Quem contaminou a cidade?
sentar o conteúdo no dia do júri. alunos/advogados apresentaram a No final desta atividade, o profes-
Pode-se citar algumas perguntas que defesa e a acusação com rituais de sor responsável deliberou junto com
surgiram que foram trabalhadas pelo formalidades característicos da pro- os alunos do júri qual dos grupos se
professor em grupo: fissão, incluindo até mesmo voz saiu melhor na defesa de suas fábri-
empostada. Alunos/médicos deram cas. Como o objetivo era o aprendi-
– A gente coloca ou não co- zado, optou-se por decretar uma
depoimentos que descreviam certas
loca equações químicas? espécie de empate, mesmo porque
doenças causadas por contamina-
ção com metais pesados usando a contaminação não se dava direta-
– Se errar o símbolo de al-
linguagem médica. Alunos/químicos mente por nenhuma das fábricas.
gum átomo perde ponto na
apresentaram conceitos como ácido- O professor começou a apresen-
apresentação?
base e propriedades organolépticas, tar aos alunos dados mostravando
entre outros, além de apresentarem que a contaminação corria via a ca- 23
– Se a gente apresentar algu-
laudos de contaminação de empre- deia alimentar. É interessante desta-
ma reação química, tem
sas verdadeiras que corroboravam car que os grupos aventaram essa
necessidade de balancear?
suas idéias. hipótese durante o processo; no en-
Segundo Chateau (1984), essa tanto, se concentraram em tentar
– Nós temos que só citar o
característica traz o aprendizado pela acusar o oponente. O professor se
conceito ou ele tem que ser
necessidade de fazer representar a aproveitou dessa situação e falou so-
apresentado para todo mun-
contento uma outra atividade que não bre a vantagem da cooperação em
do?
a sua de origem. relação à competição, pois, se em
Estas perguntas deram início a algum momento houvesse coopera-
interessantes debates entre os gru- Aspecto disciplinar ção entre os grupos, podia-se chegar
pos e o professor sobre a necessi- Os resultados desta atividade em à conclusão de que não havia culpa-
dade de expressar o pensamento relação ao aspecto disciplinar em dos ou que ambas as fábricas eram
através da linguagem escrita e toda sala de aula confirmam os obtidos culpadas.
a particularidade dessa linguagem por Soares et al. (2003). Em ambas
em relação à Química e até mesmo as atividades, nota-se um grande Considerações finais
em relação ao objetivo de cada grupo envolvimento dos A atividade se
no dia do júri no que se refere ao con- alunos com o traba- Dúvidas sobre como mostrou de extrema
vencimento do juiz sobre qual das fá- lho ou jogo a ser de- apresentar o conteúdo no importância conside-
bricas realmente estava contaminan- senvolvido. O lu- dia do júri causaram rando-se aspectos
do a cidade. Além disso, pôde-se dismo passa a ser interessantes debates entre ligados à coopera-
discutir a própria importância do uso um diferencial em alunos e professor sobre a ção. Os alunos nota-
da linguagem e do conhecimento em sala de aula na me- necessidade de expressar ram que os resulta-
termos de sua utilização sociopo- dida em que há um o pensamento através da dos eram melhores
lítica. aumento conside- linguagem escrita e até quanto mais coope-
Durante a atividade, os alunos rável na aproxima- mesmo em relação ao rassem uns com os
assumiram papéis que iam desde ção entre professor objetivo de cada grupo no outros.
advogados de defesa e acusação até e aluno, pois o pri- dia do júri Nesta e em ou-
médicos, técnicos e repórteres. Em meiro passa a intera- tras oportunidades
atividades lúdicas como esta, tal fe- gir com toda a turma, durante os jo- em que essa atividade foi aplicada,
nômeno é conhecido como personi- gos ou atividades, fazendo com que os alunos sempre se lembraram das
ficação. Segundo Chateau (1984), o aluno note essa diferença e se volte circunstâncias nas quais puderam

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005
compreender melhor o conceito quí- Cabe a discussão se o que fica é acabam por ser indissociáveis.
mico, bem como suas aplicações, o o conceito ou a atividade. Observa-
que foi verificado em avaliações e se que a atividade é caminho para Alessandro Silva de Oliveira, licenciado em Química,
é mestrando em Química no Instituto de Química
também em comentários em séries que o aluno volte ao conceito; porém, da Universidade Federal de Goiás (IQ-UFG). Márlon
posteriores. Aqui deve-se ressaltar o pode-se ainda observar que em vá- Herbert Flora Barbosa Soares (marlon@quimica.ufg.
aspecto lúdico, pois uma atividade di- rios casos, a partir do conceito, houve br), licenciado em Química pela Universidade Fede-
ral de Uberlândia, mestre em Química e doutor em
vertida sempre marca a ocasião, retorno às atividades. Conclui-se que, Ciências (Química) pela Universidade Federal de São
sendo que isso é peculiar à edu- na verdade, conceito e atividade, Carlos, é docente no IQ-UFG.
cação através do lúdico. quando trabalhados conjuntamente,

Referências bibliográficas doutorado), 2004. CARDOSO, A.A. e FRANCO, A. Algu-


mas reações do enxofre de importância
BOGDAN, R. e BIKLEN, S. Investi- Para saber mais ambiental. Química Nova na Escola, n.
gação qualitativa em Educação – Uma
KISHIMOTO, T.M. O brincar e suas teo- 15, p. 39-41, 2002.
introdução à teoria e aos métodos. Trad.
rias. São Paulo: Editora Pioneira Thom- FIORUCCI, A.R.; SOARES, M.H.F.B.
M.J. Álvares e S.B. dos Santos. Porto
son Learning, 2002. e CAVALHEIRO, E.T.G. O conceito de
(Portugal): Porto Editora, 1997.
solução tampão. Química Nova na Es-
BRUNER, J. Uma nova teoria de
aprendizagem. 2a ed. Trad. N.L. Ribeiro.
Referências fornecidas pelos cola, n. 13, p. 18-21, 2001.
Rio de Janeiro: Bloch Editores, 1969. professores aos alunos durante a Área de Geografia
CHATEAU, J. O jogo e a criança. Trad. problematização do júri ESTEVAM, L. O tempo da transforma-
G. de Almeida. São Paulo: Summus
ção: Estrutura e dinâmica da formação
Editora, 1984. Área de Química econômica de Goiás. Goiânia: Edição
HUINZIGA, J. Homo ludens: O jogo
MATEUS, A.L. Química na cabeça. do Autor, 1998.
como elemento de cultura. Trad. J.P.
Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001. CASSETI, V. Ambiente e apropriação
24 Monteiro. São Paulo: Editora Perspec-
MORTIMER, E.F. e MACHADO, A.H. do relevo. São Paulo: Editora Contexto,
tiva, 1980.
Química para o Ensino Médio. São Paulo: 1991.
KISHIMOTO, T.M. O jogo e a educa-
ção infantil. Em: Jogo, brinquedo, brin- Editora Scipione, 2002.
MOL, G. e SANTOS, W.L.P. (Orgs.). Quí-
Área de História
cadeira e Educação. 4ª ed. Kishimoto,
T.M. (Org.). São Paulo: Cortez Editora, mica e sociedade: Ciência, os materiais PALACIN, L. e MORAES, M.A.S. His-
1996. e o lixo. São Paulo: Editora Nova Gera- tória de Goiás. Goiânia: Editora da UFG,
KISHIMOTO, T.M. O jogo e a ção, 2003. 1989.
Educação Infantil. São Paulo: Pioneira, FONSECA, M.R. Completamente Quí-
mica: Físico-Química. São Paulo: Editora Na Internet
1994.
PIAGET, J. A formação do símbolo na FTD, 2001. Água mineral, legislação e roteiro para
criança: Imitação, jogo, sonho, imagem PERUZZO, F.M. e CANTO, E.L. Química obtenção de concessão. Em: www. unia
e representação. Trad. M.M.S. Pereira. na abordagem do cotidiano. São Paulo: gua.org.br (acessado em 18/10/2003).
Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. Editora Moderna, 1998. Classificação de águas minerais e
PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. RUSSEL, J.B. Química Geral. Trad. M. suas características. Em: www.meio
Trad. D.A. Lindoso e R.M.R. da Silva. Rio Guekezian et al. São Paulo: McGraw-Hill ambiente.pro.br/agua (acessado em
de Janeiro: Cia. Ed. Forense, 1972. Editora, 1981. 23/10/2003).
ROGERS, C. Liberdade para apren- IBANEZ, J.G. Saneamento ambiental DINIZ, F.B. Acumuladores Moura:
der. Trad. J.L. Vasconcelos. Belo Hori- por métodos eletroquímicos – Tratamento desenvolvimento tecnológico e meio
zonte: Interlivros Editora, 1972. de soluções aquosas. Química Nova na ambiente. Em: www.desenvolvimento.
SOARES, M.H.F.B.; OKUMURA, F. e Escola, n. 15, p. 45-48, 2002. gov.br/arquivo/sti/publicacoes (aces-
CAVALHEIRO, E.T.G. Um jogo didático NOBORU, H.; MAIONCHI, F.; RUBIO, sado em 5/8/2003).
para ensinar o conceito de equilíbrio D.A.R.; GOTO, P.A. e FERREIRA, O.P. Baterias, metais pesados e meio
químico. Química Nova na Escola, n. 18, Experimentos sobre pilhas e a composi- ambiente. Em: www. jornaldomeioambi
p. 13-17, 2003. ção dos solos. Química Nova na Escola, ente.com.br/campanhas/baterias
SOARES, M.H.F.B. O lúdico em Quí- n. 8, p. 36-38, 1998. usadas.asp (acessado em 23/10/2003).
mica: Jogos e atividades aplicados ao FERREIRA, V.F. Aprendendo sobre o Limite de metais em baterias. Em:
ensino de Química. São Carlos: Univer- conceito de ácido e base. Química Nova www.ambientebrasil.com.br (acessado
sidade Federal de São Carlos (tese de na Escola, n. 4, p. 35-36, 1996. em 23/10/2003).

Abstract: Chemical Jury: A Ludic Activity for Discussing Chemical Concepts – This paper presents a ludic activity to be carried out in the classroom and consists in the setting of a simulated jury.
The class is divided into three distinct groups. The first group defends a water bottler, the second group, a battery plant and the third acts as the jury. The students personify the functions of the
defense lawyer, prosecuting attorney and several witnesses. The teacher personifies the judge of the activity and decides who, in the end, contaminated the fictional city of Nucleopolis. The work also
discusses the ludic function as a tool for cognitive development.
Keywords: ludic activities, chemical concepts, simulated jury, simulation

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Júri químico e a discussão de conceitos químicos N° 21, MAIO 2005