You are on page 1of 28

Engenharia de Materiais

Processos de Soldagem

Soldagem ao
Arco Submerso

Érika Raiol Pinheiro – 20123020011
Maria Sílvia Camarão de Sousa – 2011302030
Suellem Cristiny da Silva Brito - 2011302033

Introdução
 Soldagem é o processo de união entre duas partes metálicas,
usando uma fonte de calor com ou sem aplicação de calor, onde a
solda é o resultado desse processo.

 O conhecimento dos fenômenos envolvidos na transferência metálica é
de fundamental importância para o melhor controle do processo de
soldagem.
obtenção de cordões de solda sem defeitos;
 diminuir a quantidade de respingos;
 prever a penetração do passe;
 avaliar a quantidade de calor transferido para o metal-base;
 controlar a distorção de estrutura soldada, etc.

não sendo pois visível. com a diferença que o arco permanece totalmente submerso em uma camada de fluxo. .  A solda se desenvolve sem faíscas. características dos demais processos de soldagem com arco aberto. luminosidades e respingos.Fundamentos do Processo  Na soldagem ao Arco Submerso um arco elétrico é estabelecido entre o arame-eletrodo e o material a ser soldado.

sendo o arame-eletrodo continuamente alimentado no cabeçote ou pistola de soldagem. na forma de grânulos. concentrando o calor. protegendo de contaminações o metal de solda. conferindo a esse tipo de processo rapidez e economia. na parte sólida. age como fundente. quando comparado aos demais processos de soldagem.  Atua ainda como isolante térmico.  O processo permite alto grau de automatização. líquido. .Fundamentos do Processo  O fluxo.

principalmente navios. . durante a II Guerra Mundial.  Seu uso foi intensificado no período de 1939 – 1945. sendo utilizado na fabricação de tubos e navios. com automatização do processo. permitindo a construção rápida de equipamentos pesados.Histórico  Teve início em 1935.

onde a zona de soldagem fica sempre envolta e protegida pelo fluxo escoriante. sobrepondo-se ainda por uma camada pelo fluxo não fundido. e o arco elétrico se desenvolve nesta posição. .Características do Processo  Durante a soldagem.  O eletrodo permanece um pouco acima do metal de base. Com o deslocamento do eletrodo ao longo da junta. o calor produzido pelo arco elétrico funde uma parte do fluxo juntamente com a ponta do eletrodo. o fluxo fundido sobrenada e se separa do metal de solda líquida na forma de escória.

protegendo também o metal de solda recém-solidificado. remove-se o fluxo não fundido.  Com o resfriamento posterior. .Características do Processo  O metal de solda solidifica-se. enquanto a escória permanece fundida. que é muito reativo com o oxigênio e nitrogênio da atmosfera. e a escória rapidamente se destaca do metal de solda.

à medida que vai sendo fundido ou depositado. caindo por gravidade imediatamente à frente do eletrodo ou de forma concêntrica em relação a ele. . O fluxo é alimentado independentemente.Características do Processo  O processo de arco elétrico pode ser semi ou totalmente automático. e em ambos os casos o eletrodo é alimentado mecanicamente a partir de um rolo para a pistola ou cabeçote de soldagem.

Características do Processo Esquema do Processo de Soldagem ao Arco Submerso .

 Os fluxos têm a função de proteger a poça de solda contra a ação da atmosfera.Características do Processo Fluxos  Os fluxos para soldagem com arco submerso são projetados para suportar as elevadas correntes de soldagem usadas no processo. limpando o metal de solda e ainda podem modificar a composição química do metal de solda. . atuando como desoxidantes.

como óxidos de manganês.  Os Fluxos Aglomerados são constituídos de compostos minerais finamente moídos. . zircônio ou cálcio e desoxidantes como ferro-silício. ferro-manganês ou ligas similares. alumínio. os fluxos podem ser: Aglomerados ou Fundidos.Características do Processo Fluxos  De acordo com método de fabricação. titânio. silício.

Os controles são feitos em um painel.Equipamentos do Processo 1. Componentes básicos do equipamento de soldagem ao arco submerso automático . Arco Submerso Automático: O operador guia o cabeçote sobre a peça a ser soldada. normalmente acoplados ao cabeçote.

Equipamentos do Processo 2. . acoplados a um mesmo cabeçote e utilizando uma única fonte de energia. Arco Submerso Geminado (Twin-Arc): São dois eletrodos nus soldando simultaneamente. Arco Submerso Semiautomático: O soldador empunha a tocha que conduz o eletrodo e. há um pequeno recipiente que conduz o fluxo. acoplado à tocha. 3.

cada um acoplado em cabeçotes diferente. ligados a uma fonte de energia separada. Arco Submerso Tandem com 2 ou 3 eletrodos: Há dois ou três eletrodos soldando simultaneamente. Normalmente. o 2º ou 3º eletrodos são acoplados a fontes de corrente alternada. .Equipamentos do Processo 4. formando arcos elétricos distintos.

o processo fornece penetração diluição extremamente baixas. principalmente de aços inoxidáveis sobre aço-carbono.Equipamentos do Processo 5.  Ideal para a aplicação de revestimentos. permitindo a confecção de cordões de solda com até 100 mm de largura. . Arco Submerso para Soldagem com Fita: utiliza um cabeçote. que conduz uma fita como eletrodo. e elevada deposição.  Devido à largura da fita (30 a 100 mm).

Equipamentos do Processo .

Efeitos das Variáveis do Processo As variáveis que influenciam no processo do arco submerso são:  Corrente elétrica  Tensão do arco  Diâmetro do eletrodo  Tipo de corrente  Velocidade de soldagem  Distância tubo de contato/peça .

4 600-1600 8. a profundidade de penetração da poça de solda no metal de base e a quantidade de metal de base fundido. Mantendo-se todas as outras condições constantes.4 120-700 3.2 220-1100 4.Efeitos das Variáveis do Processo 1.8 400-1300 6.0 1000-2400 .0 340-1200 4. Corrente elétrica Esta variável determina a taxa de deposição. uma elevação da corrente aumenta a penetração e a taxa de deposição Diâmetro do eletrodo Faixa de corrente (A) (mm) 2.

 Aumento do consumo de fluxo. . e. aumentam o teor de liga do depósito e a sensibilidade à trinca. Mantendo todas as outras condições constantes. em soldas de múltiplos passes. o aumento da tensão conduz a:  Cordão mais plano e mais largo. Tensão do arco Influência a forma da seção transversal do cordão e a aparência externa da solda.  Aumento da resistência à porosidade causada pela oxidação ou presença de óleos não removidos.Efeitos das Variáveis do Processo 2.  Aumento do teor da liga proveniente do fluxo  Tensões muito altas produzem cordão em forma de chapéu. sujeito a trincas tornando a remoção de escória difícil.

 Aumento do diâmetro do eletrodo aumenta a largura do cordão e diminui a densidade da corrente. aumenta-se a capacidade de suportar corrente. podendo-se usar maiores intensidades e obter-se taxas de deposição mais elevadas.Efeitos das Variáveis do Processo 3. Diâmetro do eletrodo O equipamento para soldagem com arco submerso pode aceitar uma faixa limitada de diâmetros do eletrodo. . Os eletrodos normalmente empregados em solda automática têm diâmetro entre 2.4 mm. a penetração e a taxa de deposição.4 a 6.  Com um eletrodo mais grosso.

 Aplicações de como soldas de revestimento. . evitando-se trincas e porosidade. É usada:  Na soldagem de filetes onde a chapa é limpa e livre de contaminações. Tipo de corrente  A corrente contínua de polaridade reversa:  Oferece melhor resistência à porosidade e melhor formato do cordão de solda.  Onde é preciso baixa penetração para reduzir a diluição em aços de difícil soldabilidade.  A corrente contínua de polaridade direta:  Oferece uma taxa de deposição cerca de 30% superior à obtida com polaridade reversa.Efeitos das Variáveis do Processo 4. mas produz menor penetração.

Efeitos das Variáveis do Processo  Corrente alternada:  Penetração e taxa de deposição intermediária entre polaridade reversa e direta. e  para velocidade de soldagem muito baixa.  Recomendado para duas aplicações específicas:  eletrodos auxiliares na soldagem e em algumas aplicações onde ocorre sopro magnético ou apagamento do arco com CC. .

a distância é mantida entre 20 a 35 mm. .  É uma variável interdependente da intensidade da corrente.  Velocidade excessivamente baixa produz cordões em forma de chapéu. Distância Tubo de Contato/Peça  O aumento da distância aumenta a taxa de deposição.  Normalmente.Efeitos das Variáveis do Processo 5.  Velocidade excessivamente elevada diminui a ação de “molhar” ou caldear. sujeito a trinca. e ao apagamento do arco. Velocidade de soldagem  Controla o tamanho do cordão e a penetração. aumentando a tendência a mordeduras. respingos e inclusões de escória. bem como uma poça de solda muito grande em torno do arco elétrico. resultando em um cordão rugoso. 6. propiciando o surgimento de porosidades e trincas.

que evita também que a peça seja furada . Soldas de topo em chapa fina: Normalmente Usa-se cobre-junta. de aço ou de cobre. 1.Tipos de Junta Junta de topo: chapas de com espessura de 5 até 25 mm.

sendo as mais comuns em V. 3. pode-se obter soldas com 100% de penetração sem furar a chapa. . Solda de topo em chapa grossa: chapas > 10mm. Solda Chanfro Estreito (Narrow Gap): chapas > 19mm.Tipos de Junta 2. Aplicando um passe de cada lado do chanfro. Emprega-se qualquer tipo de configuração de juntas normalmente usado. em X. em U.

. 5. Soldas em Ângulo: são normalmente mais sensíveis a trinca a quente. devido a elevada restrição imposta pelo cordão.Tipos de Junta 4. Soldas de Revestimento: é aplicada principalmente na manutenção de componentes de equipamentos sujeitos a desgaste.

Gastando cerca de um terço do tempo necessário para fazer o mesmo trabalho com eletrodos revestidos. E não há perdas de material por projeções ou respingos.Conclusão A soldagem para arco submerso é um processo econômico e rápido em soldagem de produção. além de excelente uniformidade e acabamento dos cordões de solda. . apresentando boa tenacidade e boa resistência ao impacto.

UNES . Tipos de Soldagem. DUARTE. . Ed. Edgard Blucher. [2] Processos de Soldagem ao Arco Submerso. 2007. Acesso em: 22/05/2016 [3] FENILI. Brasil. MELLO.esab.cfm>.Bibliografia [1] WAINER.com. 2004.br/br/pt/processos_soldagem_arco_submerso. Soldagem Processos e Metalurgia. PINTO. Cleber Pereira. Fábio Décourt Homem de. Disponível em: <http://www. Luiz Fernando. Emilio. Brandi Sérgio.