You are on page 1of 12

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

MARANHÃO

RODOVIA MA 349, KM 02, BAIRRO GLEBA BURITI DO PARAÍSO, CAXIAS-MA.

RELATÓRIO N° 1

IDENTIFICAÇÃO DE CÁTIONS DOS GRUPOS 1 E 2 ATRAVÉS DO TESTE DA
CHAMA

CAXIAS-MA
2018

Ciência e Tecnologia do Maranhão. Eduardo Borba Alves Érica Letícia Moreira Silva Jhone Ferreira de Castro Graduandos em Química CAXIAS-MA 2018 . Campus Caxias. CAXIAS-MA. KM 02.INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO RODOVIA MA 349. BAIRRO GLEBA BURITI DO PARAÍSO. como requisito parcial para obtenção de nota na disciplina Química Orgânica Experimental. CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA IDENTIFICAÇÃO DE CÁTIONS DOS GRUPOS 1 E 2 ATRAVÉS DO TESTE DA CHAMA Relatório técnico-científico apresentado ao curso de Licenciatura em Química do Instituto Federal de Educação.

a cor da mesma surgir pelas transições eletrônicas que ocorrem nos íons presentes do metal. Cloreto de Amônio (NH4Cl). . obtidas analiticamente apresentam-se de acordo com as literaturas. a partir da coloração emitida com o teste da chama. Observou-se que as colorações do Ba2+. Nitrato de Cálcio (Ca(NO3)2). O objetivo deste experimento é o reconhecimento de íons do grupo 1 e 2 da tabela. elementos e grupos 1 e 2. assim o composto irá modificar a cor da chama para uma tonalidade característica de cada elemento. utilizado na análise química é um método importante na identificação. de cátions metálicos principalmente. que auxiliou na retirada de amostras dos sais para aquecimento no bico de Bunsen. Nitrato de Bário (Ba(NO3)2) e Estrôncio (Sr(NO3)2) e uma alça de platina umedecida com ácido clorídrico. desta forma utilizou-se os sais: Cloreto de Sódio (NaCl). Cloreto de Potássio (KCl). 3 RESUMO O Teste da Chama. Quando um composto é submetido ao aquecimento na presença de chama. Na+ e os demais íons. Palavras-chave: chama.

................................................................................................ 8 5 CONCLUSÃO ............................................................................................................................................................ 7 3............................................... 6 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL ........................................ 11 ................................................................................. 7 3............................................ 9 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA ............................................................................................................................1 Materiais e reagente .. RESULTADOS E DISCUSSÃO .......................................................................................................... 10 ANEXO ...................2 Objetivos específicos ...............................1 Objetivo Geral ..................................................................................................... 6 2........................................ 5 2 OBJETIVOS ..................................................................................................................................................................................................................... 7 4................................................................................... 4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ...2 Procedimentos Metodológicos ............................................................................................................................... 6 2........................................

1994). sendo geralmente encontrados como cátions de carga dupla em alguns compostos (ATKINS. 2003). assim alguns dos níveis de energia mais baixos ficam livres. no caso dos metais alcalinos do grupo 1. formam sempre cátions com carga +2. ambos os grupos constituem os elementos do bloco s. que é uma das características químicas. contribuem para a produção de propriedade individual no espectro daquele elemento (RUSSEL. fenômeno esse denominado fotoelétron ( LEE. sendo possibilitado assim a determinação analítica dos elementos (LEE. Quando um átomo absorve energia. e esse elétron pode cair de um nível mais alto. os elétrons quando sofrer as transições de níveis entre um par específico de níveis de energia em um átomo. estando em um estado excitado. por isso. a energia é liberada na forma de fóton de radiação eletromagnética. dessa forma os elementos são distribuídos de acordo com as propriedades químicas de cada um (RUSSEL. No átomo em seu estado excitado. 5 1 INTRODUÇÃO A tabela periódica é constituída por uma série de elementos na qual é organizada por famílias (grupos) e períodos. esses grupos têm uma baixa energia de ionização. quando os elementos são irradiados com luz. eles são muito reativos e não são encontrados livres na natureza. Segundo Bohr. 2003). os compostos que apresentam elementos do grupo II ao passarem pelo processo de emissão de luz. para um nível de energia mais baixo. ocorrem várias mudanças de níveis de energia. a energia luminosa absorvida pode suficientemente elevada para fazer com que o átomo perca um elétron. essas colorações características correspondem a diferentes aspectos de emissão. a energia é emitida da forma de luz visível.1994). assim. 2012). ocasionando o aparecimento de cores característicos na chama. O mesmo acontece com os metais alcalinos terrosos que tem a sua segunda energia de ionização baixa. assim aqueles que contém dois elétrons no nível mais externo são denominados metais alcalinos terrosos que compõem o grupo II. O teste da chama é um exemplo de como os elétrons podem ser facilmente excitados para um nível de energia superior. alguns de seus elétrons ganham energia e são elevados a um nível de energia maior. Os elementos que contém um elétron no nível mais externo são denominados metais alcalinos que constituem o grupo I. .

1 Objetivo Geral  Identificar a cor dos íons dos grupos 1 e 2 da Tabela Periódica através do teste da chama 2. 6 2 OBJETIVOS 2.2 Objetivos específicos  Compreender como ocorre o processo de identificação dos elementos através do teste da chama  Conhecer a coloração de cada cátion metálico nos compostos analisados .

Levou-se a mesma contendo o sal à chama azul do bico de Bunsen e observou-se a coloração produzida. até não emitir coloração. f) posteriormente.  7 espátulas. . identificou-se cada tubo com o símbolo do cátion a ser analisado. 7 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3. anotando-se as observações ocorridas. b) colocou-se uma pequena quantidade do sal referente a cada cátion nos tubos. aquecendo-a ao rubro da chama.  Cloreto de Sódio. mergulhando-a na solução de ácido clorídrico concentrado. Cloreto de Sódio.  Botijão de gás. Bário e Estrôncio. repetidas vezes.1 Materiais e reagente  Alça de platina.  7 tubos de ensaio. g) Realizou-se os itens “e” e “f” utilizando os sais: Nitrato de Estrôncio. realizando a limpeza da mesma. umedeceu-se alça de platina devidamente limpa. na solução de ácido clorídrico e depois mergulhou-se a alça no sal de um dos tubos. Potássio e Amônio. Nitrato de Cálcio e Nitrato de Bário. iniciando-se com o Cloreto de Potássio.2 Procedimentos Metodológicos a) inicialmente. nesta respectiva ordem. d) Acendeu-se o Bico de Bunsen e controlou-se a chama de modo que a mesma produzisse uma chama azul. e) Em seguida foi preparado a alça de platina. c) Em seguida.  Nitrato de Cálcio.  Bico de Bunsen. 3. pôr-se em uma placa de Petri uma pequena quantidade da solução de ácido clorídrico concentrado.  Ácido Clorídrico Concentrado  1 placa de Petri.

RESULTADOS E DISCUSSÃO Na análise por ensaio de chama. observada foi de um alaranjado com variação para amarelo. verificou-se as colorações conforme demonstra o quadro abaixo: Quadro 1: Ensaio das amostras Presença do Íon Coloração observada K + Lilás Sr 2+ Vermelho-carmim Na + Amarelo Ca 2+ Vermelho-alaranjado Ba 2+ Verde-claro NH 4 + Alaranjado Fonte: Próprios autores Segundo dados do autor Lee (2003). E segundo os dados de Gracetto et al (2006) os elementos do grupo 2 apresentam coloração paras os íons. 8 4. Com base na literatura os resultados obtidos analiticamente são semelhantes. as cores dos elementos do grupo 1 no teste da chama são: o íon K apresenta coloração violeta e Na amarela. . Com base nos resultados obtidos e a literatura as cores encontradas batem com a coloração características de cada elemento verificado analiticamente. para o Ca+2 de um coar alaranjada e o Sr+2 2+ de um vermelho-tijolo. A cor surgir pelas transições + + eletrônicas dos compostos ocorrida na chama. A coloração do cátion amônio. Ba de um verde-amarelada.

ao ser colocado em contato com a chama. Por causa da diferença de energias entres os átomos e seu níveis de energia. Possibilitando melhor compreensão. . caracterizando uma diferença de emissão de luz no espectro de luz visível. acerca da estrutura eletrônica dos átomos e possíveis formas de sua identificação. que permite a identificação analítica. 9 5 CONCLUSÃO Com este experimento concluiu-se que cada reagente emite uma coloração característica que difere dos demais.

Vol. D. Lee. FILHO. 2003. . 5ª ed. ed. 1994. L. P. Porto Alegre: Bookman. GRACETTO. O. Princípios da Química: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente.A. Makron Books. N. S. São Paulo. J.. Editora Edgard Blücher Ltda. J. 2012. São Paulo. C. chamas e teste de chama para cátions. 1. 3. HIOKA. 2ª edição. 10 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA ATKINS. RUSSEL. Combustão. JONES. Química Nova Na Escola N° 23. Química inorgânica não tão concisa. B.. Química Geral. Maio 2006.

IV) A frequência da luz emitida pela combustão do sódio. dissolveu NaCl em água. numa aula de laboratório de química no Sigma. os elétrons externos dos átomos de metais são promovidos a estados excitados e. liberam a energia excedente na forma de luz. Ao queimar. 11 ANEXO 1. Considerando a velocidade da luz (c) como sendo 3 x 10 m.s e o comprimento de onda do sódio (λ) como sendo 6 x 10 m analise os itens 8 -1 -7 em: I) Com a energia liberada na combustão.-20 Com relação ao texto e assunto correlato. III) Enquanto. a onda emitida transporta energia e matéria. assinale a alternativa correta: a) apenas I. a energia pode provir de um feixe de luz ou de uma descarga elétrica.0 x 10 s 14 -1 V) Considerando a constante de Planck como sendo 6. no caso de espectrômetros. II) Quando uma substância é submetida ao teste de chama. Presença do Íon Coloração observada Bibliografia K + Lilás Violeta Sr 2+ Vermelho-carmim Vermelho-Tijolo Na + Amarelo Amarelo Ca 2+ Vermelho-alaranjado Alaranjada . a energia é fornecida pela chama. em seguida. mergulhou um pedaço de madeira nesta solução. no teste de chama. ao retornarem ao seu estado eletrônico inicial.65 x 10 J. b) apenas I e II são corretas. Resposta correta. c) apenas II e IV são corretas d) apenas III e V são corretas e) apenas I e III são corretas.62 x 10 J. Utilizando uma tabela coloque a coloração obtida para cada sal e acrescente uma coluna para relacionar com os dados da literatura. Retirou e deixou secar. Pedrinho. alternativa “E” 2. apareceu uma chama amarela.s então a energia -34 correspondente a esta chama é de 1. IV e V são corretas. provocado pelo Pedrinho é de 6.

Além do teste de chama como é possível identificar os íons presentes nas substâncias? Em análises qualitativas. . é possível separar e identificar íons através de reações ácido- base de precipitação. de oxirredução e de formação de complexos. 12 Ba2+ Verde-claro Verde-amarelada NH 4 + Alaranjado -------- 3.