You are on page 1of 69

Segurança elétrica do paciente

Segurança elétrica de pacientes em ambientes de procedimentos cirúrgicos e de sustentação a


vida, em acordo com as exigências normativas vigentes (NBR 13.537/2008) e aspectos práticos
de aplicação do esquema IT Médico.

ABDEH - PR
23/06/2015
Eng. Sérgio Cartellari
scastellari@rdibender.com.br
Segurança elétrica em EAS
SEGURANCA ELETRICA!!!!?????
Segurança elétrica em EAS
Segurança elétrica do paciente

QUANTO MAIS COMPLEXOS OS SISTEMAS

MAIORES AS POSSIBILIDADES DE QUE

MESMO PEQUENAS FALHAS ELÉTRICAS

CAUSEM GRAVES CONSEQUÊNCIAS!


Segurança elétrica do paciente
Incidentes e eventos adversos no século XXI

Pacientes
_ risco de choque elétrico e queimaduras
 Redução ou ausência de reações naturais a perigos
 Funções do corpo podem estar temporariamente ou continuamente
mantidas ou substituidas por equipamentos eletromédicos
 Inserção de catéteres e similares no corpo pode reduzir a resistência elétrica da pele
_ risco de microchoque
 O músculo do coração é altamente sensível a correntes elétricas (correntes > 10 A)
_ risco de morte
 Cirurgias não podem ser interrompidas ou repetidas
Segurança elétrica do paciente
Incidentes e eventos adversos no século XXI

_ Profissionais de saúde
 risco de choque elétrico, queimaduras (NR 10!)
 responsabilidade quanto ao uso inadequado de equipamentos eletromédicos

_ Equipamentos eletromédicos
 risco de mau funcionamento por interferências eletromagnéticas e elétricas
 risco de sobrecarga com o uso simultâneo de inúmeros equipamentos sem projeto
elétrico adequado

_ Instalações
 risco de incêndio e explosões
 risco de interrupção de diagnósticos e procedimentos
 risco de perda de dados
Segurança elétrica do paciente
e garantia de manutenção de procedimentos

 Com um projeto fundamentado em


normas e regulamentos técnicos vigentes

 Se este simples fundamento é deixado de lado,


o projeto torna-se perigoso e incapaz de garantir
premissas básicas como:

_ proteção a pessoas
_ proteção aos equipamentos e instalações
_ continuidade no fornecimento de energia
Segurança elétrica do paciente
Desde 1995...

PORTARIA Nº 2.662/MS/SVS, de 22 de dezembro de 1995 D.O.U. 26/12/95

...
Art. 1. º - Os novos projetos de engenharia de instalações elétricas, de reforma ou de ampliação de estabelecimentos
assistenciais de saúde, deverão adotar, a partir de 90 (noventa) dias da data de publicação desta Portaria, as prescrições da
norma técnica brasileira NBR 13.534: Instalações Elétricas para Estabelecimentos Assistenciais de Saúde - requisitos para
Segurança.
Art. 2. º - A inobservância às prescrições da NBR 13.534, constitui infração à legislação sanitária federal, conforme dispõe o
inciso II do artigo 10 da Lei n. º 6.437, de 20 de agosto de 1977.
Art. 3. º - As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, em seu âmbito administrativo, deverão implementar no prazo
referido no artigo 1. º, os procedimentos necessários para aprovação, acompanhamento e fiscalização dos projetos de
instalações elétricas de estabelecimentos assistenciais de saúde, em conformidade com as disposições desta Portaria.
Art. 4. º - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
ADIB D. JATENE
Segurança elétrica do paciente
Desde 2002...
Segurança elétrica do paciente
Desde 2013...

Entre as inúmeras medidas da resolução:


• Todo EAS deverá formar um núcleo de segurança do paciente (NSP): instância do serviço de saúde criada para
promover e apoiar a implementação de ações voltadas à segurança do paciente;
• Compete ao NSP:
- compartilhar e divulgar à direção e aos profissionais do serviço de saúde os resultados da análise e avaliação
dos dados sobre incidentes e eventos adversos decorrentes da prestação do serviço de saúde;
- notificar ao Sistema Nacional de Vigilância Sanitária os eventos adversos decorrentes da prestação do
serviço de saúde;

Definições:
• Evento adverso: incidente que resulta em dano à saúde;
• Incidente: evento ou circunstância que poderia ter resultado, ou resultou, em dano desnecessário à saúde;
• Tecnologias em saúde: conjunto de equipamentos, medicamentos, insumos e procedimentos utilizados na
atenção à saúde, bem como os processos de trabalho, a infraestrutura e a organização do serviço de saúde.
Segurança elétrica do paciente
Desde 2008...
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – objetivos

Garantir a segurança contra riscos elétricos de pacientes e profissionais


de saúde em estabelecimentos assistenciais de saúde
É considerado paciente É considerado local médico
_ qualquer pessoa ou animal local para realização de procedimentos:
_ submetida a exame ou tratamento: _ diagnóstico
_ Médico _ terapêutico (inclusive estéticos)
_ Odontológico _ cirúrgico
_ Estético _ monitoração
_ e de assistência à saúde de pacientes

Nota:
Esta norma aplica-se também à clinicas veterinárias.
Segurança elétrica do paciente
ABNT NBR 13534 classificação dos locais médicos em “grupos”
quanto à exigência de segurança elétrica e manutenção de procedimentos

Local médico Local médico Local médico


Grupo 0 Grupo 1 Grupo 2

Uso de parte aplicada Não Sim, em partes: Sim, em procedimentos:


de equipamento externas do corpo intracardíacos
eletromédico internas do corpo cirúrgicos
(exceto as do Grupo2) de sustentação de vida
Descontinuidade da Não Não Sim
alimentação pode
resultar em morte
Exemplos
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Aplicação dos critérios de grupo e classe aos locais médicos

Local Grupo Classe


0 1 2 0,5 15 >15
Ambulatório
Enfermagem
Sala de Reidratação (oral e intravenosa) X X
Internação de curta duração
Posto de enfermagem e serviços X X
Demais salas X X
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Atendimento Imediato 0 1 2 0,5 15 >15
Atendimento de urgência e emergência
Urgência (baixo e médio risco)
Sala de inalação, reidratação X X
Sala para exame indiferenciado, otorrinola- -
X X
ringologia, ortopedia, odontológico individual
Demais salas X X
Urgência (alta complexidade) e emergência
Sala de Procedimentos invasivos X Xb
Sala de emergência (politraumatismo,parada
X Xb
cardíaca)
Sala de isolamento X X
Sala coletiva de observação X X
b Focos cirúrgicos e fontes de luz para endoscopia utilizados nestes locais devem ter sua
alimentação restabelecida em até 0,5s
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Aplicação dos critérios de grupo e classe aos locais médicos
Atendimento Imediato 0 1 2 0,5 15 >15
Atendimento de urgência e emergência
Urgência (alta complexidade) e emergência
Sala para manutenção de paciente com morte
X X
celebral

Internação
Internação geral
Posto de enfermagem X X
Sala de Serviço X X
Sala de exames e curativos X X
Área de recreação X X
Demais salas X X
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Internação 0 1 2 0,5 15 >15
Internação geral
Internação geral de recém-nascidos
X X
(neonatologia)
Internação intensiva – UTI
Áreas para prescrições médicas X X
Sala de Serviço X X
Salas de apoio X X
Posto de enfermagem X Xa X
Áreas e quartos de pacientes X Xb X
Internação para tratamento de queimados – UTQ X X
a Caso haja equipamentos do tipo central de monitoração no posto de enfermagem, é
necessário que a classificação seja do mesmo tipo que as demais salas onde se encontram os
pacientes, pois caso contrário é possível a ocorrência de perturbações nos circuitos de
alimentação
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Apoio ao diagnóstico e terapia 0 1 2 0,5 15 >15
Patologia clínica
Laboratório e sala de laudos X
Imagenologia (tomografia, ultra-sonografia, ressonância magnética, endoscopia) e
métodos gráficos
Todas as salas de exames X X
Hemodinâmica X Xb X
Salas de recuperação pós-anestésica X X
Posto de enfermagem X X
Anatomia patológica
Câmara frigorífica para guarda de cadáveres X
Medicina nuclear
Sala de exames X X
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Apoio ao diagnóstico e terapia 0 1 2 0,5 15 >15
Centro cirúrgico
Sala de indução anestésica X Xb X
Sala cirúrgica (não importando o porte) X Xb X
Sala de recuperação pós-anestésica X Xc Xb X
Demais salas X Xa X
Centro obstétrico cirúrgico
Sala de pré-parto, parto normal e AMIU X X
Sala de indução anestésica (senão aplicado gás
X X
anestésico)
Sala de parto cirúrgico X Xb X
Sala de recuperação pós-anestésica e assistência
X Xc X
ao RN
c Considera-se grupo 2 caso o local possua equipamentos de sustentação de vida.
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Apoio ao diagnóstico e terapia 0 1 2 0,5 15 >15
Centro obstétrico cirúrgico
Demais salas X Xa X
Centro de parto normal
Sala de parto e assistência ao RN X
Hemoterapia
Sala de processamento de sangue e guarda de
X
hemocomponentes
Sala de coleta de sangue X X
Sala de recuperação de doadores X X
Sala de transfusão e posto de enfermagem X X
Radioterapia
Sala de exames X X
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Apoio ao diagnóstico e terapia 0 1 2 0,5 15 >15
Quimioterapia

Salas de aplicação X
Diálise
Sala para diálise/hemodiálise X X
Sala de recuperação de pacientes X X
Posto de enfermagem X X
Banco de leite
Sala de processamento X
Sala de estocagem X
Sala de distribuição X
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Apoio ao diagnóstico e terapia 0 1 2 0,5 15 >15
Oxigenoterapia hiperbárica

Salas de terapia X X
Sala de máquinas X X
Apoio técnico
Nutrição e dietética
Dispensa de alimentos climatizada X
Farmácia
Área de imunobiológicos X
Apoio logístico
Centrais de gases e vácuo X
Central de ar-condicionado X
Sala para grupo gerador X
ABNT NBR 13.534:2008 – Anexo BB
Apoio logístico 0 1 2 0,5 15 >15
Subestação elétrica X
Casa de bombas X
Gerador e No-Break

Classe 0
Sem interrupção

Classe 0,15
Interrupção muito Necessidade de No-break
breve
Classe 0,5
Interrupção breve

Classe 15 Necessidade de
Interrupção média
gerador com partida automática
Classe > 15
Interrupção longa Necessidade de gerador
Gerador e No-Break

G C.P.
Classe 15

No-Break
Classe 0,5
Segurança elétrica em EAS
Esquemas de aterramento

ESQUEMA TN-S
T – Conexão direta de um ponto da alimentação
à terra
N – As massas são ligadas a esse ponto
diretamente
S – O condutor de proteção (PE) e o condutor
neutro (N) são distintos

ATERRAMENTO MASSAS
DA ALIMENTAÇÃO

ESQUEMA TN-C T – Conexão direta de um ponto da alimentação


à terra
N – As massas são ligadas a esse ponto
diretamente
C – As funções do condutor de proteção (PE) e do
condutor neutro (N) são combinadas em um
único condutor
ATERRAMENTO
DA ALIMENTAÇÃO MASSAS
Segurança elétrica em EAS
Esquemas de aterramento

ESQUEMA TN-C
Não Admitido

A jusante (depois)
do quadro de distribuição principal

ATERRAMENTO
DA ALIMENTAÇÃO MASSAS
Segurança elétrica em EAS
Esquemas de aterramento

T – Conexão direta de um ponto da alimentação à


ESQUEMA TT terra
T – As massas são diretamente aterradas através
de eletrodo(s) de proteção distintos do eletrodo
de aterramento da alimentação

MASSAS
ATERRAMENTO
DA ALIMENTAÇÃO

I – Todos os condutores vivos são isolados da terra


ESQUEMA IT
ou um ponto da alimentação é aterrado através
de uma impedância
T – As massas são aterradas
- coletivamente em eletrodo independente
- coletivamente no mesmo eletrodo da
alimentação
ATERRAMENTO - separadamente em eletrodos próprios e
MASSAS
DA ALIMENTAÇÃO independentemente do eletrodo da
alimentação
Segurança elétrica do paciente
exigências da ABNT NBR 13534 em locais médicos do Grupo 2

Esquemas de aterramento no ambiente do paciente

Esquema IT médico * para circuitos que alimentam


- equipamentos eletromédicos
- sistemas de sustentação de vida e aplicações cirúrgicas
- demais equipamentos elétricos, exceto os abaixo
Esquema TN para circuitos que alimentam
- mesas cirúrgicas
- equipamentos de raio X
- equipamentos com potência nominal ≥ 5kVA
- Circuitos de equipamentos não críticos
(não associados à sustentação de vida)

(*) esquema de aterramento IT com requisitos específicos


para aplicações médica
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Seccionamento automático da alimentação, locais 1 e 2

O seccionamento automático (desconexão na 1ª. falta à massa ou à terra)


através do uso de dispositivo DR é proibido nos seguintes circuitos:

_ de alimentação de equipamentos eletromédicos


_ de sistemas de sustentação da vida
_ de sistemas de aplicações cirúrgicas
_ de equipamentos eletromédicos dispostos no ambiente do
paciente, com exceção dos anteriormente mencionados

Como garantir a disponibilidade e confiabilidade


da energia elétrica, bem como a segurança de
pacientes e profissionais da saúde em locais do
grupo 2?

_ Com a instalação de esquemas IT médico !


Segurança elétrica do paciente
componentes do esquema IT médico conf. ABNT NBR 13534

Transformador DSI – Dispositivo supervisor de isolamento


de
Separação Anunciador
de
Alarme e Teste

POSTO DE ENFERMAGEM
Segurança elétrica em EAS
Proteção das linhas elétricas em locais do grupo 2

Além do disposto na ABNT NBR 5410 a ABNT NBR 13534 acrescenta:

Proteção Sobrecarga Curto Circuito

em todos os circuitos
Exigida Exigida
terminais
nos circuitos a jusante e a
montante do transformador
do esquema IT médico por Proibida Admitida
dispositivos fusíveis

Supervisão Exigida
no circuito do
transformador
do esquema IT
médico
Segurança elétrica em EAS
Circuitos de tomadas de corrente e extensões

Além do disposto na ABNT NBR 5410 a ABNT NBR 13534 acrescenta


Em locais do Grupo 1:

Os circuitos de tomada (esquema TN) devem ter proteção adicional:


por dispositivos DR tipo A ou B com sensibilidade de atuação de no máximo 30 mA

para o esquema IT médico em locais do grupo 2:

em cada posto de tratamento do paciente (ex. cabeceiras de leitos):


 Alimentação por no mínimo dois circuitos distintos ou
 Tomadas de corrente protegidas individualmente

Locais do grupo 2 também alimentados por outros esquemas (TN-S ou TT):

 Tomadas do esquema IT médico devem ter marcação clara e permanente


(ex. distinção por cor e placa “Apenas equipamentos eletromédicos”)
 A não-intercambialidade deve ser garantida para que seja impossível conectar
equipamento à tomada do equipamento IT médico capaz de provocar desligamento de
sua alimentação
 É recomendado que os circuitos de tomadas de corrente sejam todos de uma mesma
tensão
IT-Médico – Todos os disjuntores serão bipolares!!!
ABNT NBR 13.534:2008 –
6.3.101 Proteção das linhas elétricas e locais do grupo 2
“Cada circuito terminal deve ser protegido contra correntes de sobrecarga e de curto-
circuito, por dispositivos que seccione simultaneamente todos os condutores da
alimentação.”

6.5.3.102 Recomenda-se que os circuitos de tomadas de corrente sejam todos


de uma mesma tensão, para garantir que todo equipamento, sobretudo nas
emergências, possa ser usado o mais rapidamente possível, livre de embaraços

Nota A ação complementar inerente a esta disposição é que o estabelecimento de


saúde padronize a tensão dos equipamentos que adquirir.

Caso as tomadas de corrente não sejam todas de uma mesma tensão, elas devem ser
não intercambiáveis.

Recomenda-se a adoção de um terra por circuito.


IT-Médico – Piso Condutivo
RDC 50:2002
7.2.3.2 – Piso condutivo
Fica estabelecido:
a) A utilização de piso condutivo somente quando houver o uso de misturas
anestésicas inflamáveis com oxigênio ou óxido nitroso, bem como quando houver
agentes de desinfecção,incluindo-se aqui a Zona de Risco
Segurança elétrica do paciente
componentes do esquema IT médico conf. ABNT NBR 13534
Transformador de Separação

Principais características construtivas do transformador de separação


conf. IEC 61558-2-15:2013
• Concebido para uso exclusivo em locais médicos - exija este selo .......................>
• Monofásico
• Potência nominal de saída min. 0.5 kVA máx. 10 Kva
• Tensão nominal Un do secundário ≤ 250 V c.a
• A corrente de fuga à terra do enrolamento do secundário e a corrente de fuga do
invólucro, devem ser medidas com o transformador sem carga e alimentado sob tensão
e frequência nominais. O valor não deve exceder ≤ 0.5 mA.
• Deve ser munido de supervisão de sobrecarga e elevação de temperatura
Instalação
• No interior ou o mais próximo possível do local médico
• Por razões de espaço muitas vezes são instalados em pisos técnicos

Atenção! Não atendem a norma vigente:


Transformadores toroidais
– o transformador do IT Médico deve possuir
distâncias mínimas entre o primário e o secundário.
Auto transformadores inseridos após
um transformador de separação para transformar
127V para 220V ou 220V para 127V não atendem a
norma vigente.
Segurança elétrica do paciente
componentes do esquema IT médico conf. ABNT NBR 13534
DSI – Dispositivo Supervisor de Isolamento

Principais características construtivas do DSI – dispositivo supervisor de isolamento


conf. Anexo A da IEC 61557-8:2008 - Medical Insulation Monitoring Devices
• Concebidos para uso exclusivo em locais médicos
• Impedância interna c.a ≥ 100 kΩ
• Tensão de medição ≤ 25 V c.c.
• Corrente injetada ≤ 1 mA valor de crista, mesmo em condição de falta
• O DSI deve supervisionar permanentemente a resistência de isolamento a instalação
indicando sua queda antes ou no máximo quando esta atingir 50 KΩ.
Exigido um dispositivo de teste para verificar este requisito.
• Sinalização em caso de sua desconexão ou ruptura do condutor de proteção PE.
• O DSI pode incorporar as funções de supervisão da sobrecarga e elevação de
temperatura do transformador de separação, exigidas pela ABNT NBR 13534 desde
que cumpridas as exigências do Anexo B da IEC 61557-8:2008.
Segurança elétrica do paciente
componentes do esquema IT médico conf. ABNT NBR 13534
Anunciador de alarme e teste

Cada esquema IT Médico deve ser provido de um sistema de sinalização sonora e visual
para supervisão permanente pela equipe médica
LEDs iluminados indicam:
Resistência de isolamento atingiu o valor mínimo
ajustado. Esta sinalização deve ser acompanhada
por um alarme audível que pode ser silenciado e
Operação normal apagar automaticamente tão logo a falha seja
eliminada.

Sobrecarga no transformador

Elevação de temperatura
no transformador

Teste do funcionamento e conexão do IT Médico


Silenciador do alarme sonoro
Segurança elétrica do paciente
Com IT Médico
Segurança elétrica do paciente
em locais médicos do Grupo 2

Em uma instalação sem IT médico


 Paciente está em uma cama elétrica aterrada
 Paciente é conectado a um monitor de ECG não isolado através
do condutor do mesmo
 O condutor de proteção PE no cabo de força está rompido
 Paciente movimenta-se para chamar a enfermeira e apoia o
braço na estrutura metálica da cama
 Uma perigosa corrente de fuga poderá fluir através do paciente
para a terra provocando um choque elétrico!

Em uma instalação com IT médico


 O transformador de separação isola o
circuito secundário do circuito primário.

 Uma pessoa não recebe choque elétrico


ao tocar um condutor energizado.

 Não há caminho direto de retorno para


uma corrente fluindo através de uma
pessoa que está tocando o condutor.
Segurança elétrica do paciente
em locais médicos do Grupo 2

Em uma instalação sem IT médico Em uma instalação com IT médico


Paciente sofre três paradas cardíacas
... após desligamento do circuito, ocasionado por
falta de isolamento no respirador.

• Não se admite o seccionamento automático da alimentação


na ocorrência de uma primeira falta de isolamento;

• Para isto, o DSI deve indicar qualquer redução significativa no


nível de isolamento da instalação, para que a causa desta
redução seja encontrada antes da ocorrência da segunda
falta, evitando- se, assim, o desligamento da alimentação.
.
Segurança elétrica do paciente
ABNT NBR 13534 – IT MÉDICO
IT MÉDICO
Dúvidas frequentes

1.) Um EAS com geradores e no-breaks precisa de IT Médico?


Sim, todo local médico do grupo 2 deve ser equipado com um sistema IT Médico.
Geradores e no-breaks são equipamentos para garantir continuidade elétrica
através de alimentação de segurança em caso de falta da alimentação normal.
Um sistema IT Médico é exigido para que uma falta de isolamento não provoque
a desconexão automática da alimentação por um dispositivo de proteção.

2.) Dispositivos DR de no máximo 30 mA substituem a exigência do uso de IT Médico?


Não. Em locais do grupo 2 a proteção por seccionamento automático da alimentação
não é admitida para os circuitos que alimentam equipamentos eletromédicos,
sistemas de sustentação de vida e aplicações cirúrgicas e demais equipamentos
elétricos no ambiente do paciente.
Estes circuitos devem ser supervisionados por um DSI em um sistema IT Médico.
IT MÉDICO
Dúvidas frequentes

3.) Sistemas IT Médico podem ser equipados com trafos industriais?


Não. Os transformadores de separação do IT Médico devem ser específicos para
uso em locais médicos e concebidos em conformidade com a IEC 61558-2-15:2011
ou sua última edição.

4.) Como devem proceder os profissionais de saúde em caso de alarme no sistema de


sinalização do IT Médico?
O profissional de saúde deve silenciar o alarme sonoro do anunciador e acionar a
equipe técnica responsável para a eliminação da falta o mais rápido possível. Em caso
de procedimento cirúrgico, ou de risco, este deve prosseguir normalmente, a equipe
técnica só agirá ao final do procedimento.
Segurança elétrica do paciente
IT MÉDICO – prática de estudo de caso
Segurança elétrica do paciente
IT MÉDICO – prática de estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso

Anunciadores de alarme
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso

Transformadores de separação alocar no piso técnico ou sala de Transformadores e no-


breaks. Atentar ao tamanho e peso do mesmo.
Segurança elétrica em EAS
ABNT NBR 13534 – Sistema IT Médico – Pratica estudo de caso
Segurança elétrica do paciente
Projeto para local médico do grupo 2 com IT Médico
ABNT NBR 13.534:2008

Instalações Elétricas de Baixa Tensão –


Requisitos específicos para instalação em
estabelecimentos assistenciais de saúde

5.Manutenção :
ABNT NBR 13.534:2008 - Verificação Periódica
Descrição Periodicidade
Ensaio de funcionamento dos dispositivos de comutação 12 meses
Ensaio de funcionamento dos DSI 12 meses
Inspeção visual e verificação dos dispositivos de proteção 12 meses
Medição e verificação da eqüipotencialização suplementar 36meses
Ensaio de funcionamento das No breaks (15min) mensal
Ensaio de funcionamento dos geradores ( Cº regime contínuo) mensal
Ensaio de funcionamento dos geradores (durabilidade) 12 meses
Medição da corrente de fuga dos transformadores IT-médico 36 meses
Verificação da atuação dos dispositivos DR com IDn 12 meses
Segurança elétrica em EAS
Para assegurar...

Maior segurança operacional Segurança elétrica para os pacientes


• A cirurgia não é interrompida • As correntes de fuga à terra
devido a um curto-circuito podem ser mantidas dentro de
monopolar limites relativamente baixos.
• A supervisão contínua evita • O alarme remoto MK2430
sobrecargas e excesso de informa o usuário do sistema IT,
temperatura. em tempo hábil, sobre as
• Em uma primeira falha não há condições operacionais e de
uma queda intempestiva de falha.
energia
Segurança elétrica em EAS
Para assegurar...

Transparência em todas as
indicações
Redução dos custos
• O display de texto fornece
informação contínua sobre a • A indicação do local da falha dá
situação do momento. suporte ao trabalho do técnico
permitindo planejar a
• A equipe da sala de cirurgia é manutenção e otimizar a
assistida em suas decisões e sua alocação de pessoal.
atenção não é desviada por
detalhes técnicos.
Muito obrigado

Sergio Castellari
scastellari@rdibender.com.br
RDI Representações e Distribuição Industrial
Rua Vicente Rodrigues da Silva 857
06230-098 – Osasco – SP, Brasil
Telefone: 11 3602-6260
www.rdibender.com.br