You are on page 1of 31

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE
PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NO PROCESSO EDUCATIVO:
um desenho da prática docente em Teixeira de Freitas, Bahia

INSTITUTO FEDERAL DO ESPIRITO SANTO – IFES
Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática
Mestrado Profissional em Educação em Ciências e Matemática

CLOVIS LISBOA DOS SANTOS JUNIOR
prof.clovislisboa@gmail.com

Banca Examinadora:
Dr. Edmar Reis Thiengo
Drª. Sandra Aparecida Fraga da Silva
Drª. Lígia Arantes Sad
Drª. Circe Mary Silva da Silva Dynnikov

Vitória-ES
2014

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NO PROCESSO EDUCATIVO:
um desenho da prática docente em Teixeira de Freitas, Bahia

Clovis Lisboa dos Santos Jr.

Orientador: Dr. Edmar Reis Thiengo
Coorientadora: Drª. Sandra Aparecida F. da Silva

desejo e todos os processos subjetivos envolvidos na criatividade do pesquisador como sujeito” (REY. p.8) . fantasia. INSTITUTO FEDERAL DO ESPIRITO SANTO – IFES Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática Mestrado Profissional em Educação em Ciências e Matemática “Onde há pensamento devem existir especulação. 2005.

I . . A História da Matemática como uma Tendência da Educação Matemática.DA HISTÓRIA VIVIDA A INSPIRAÇÃO DO DESENHO Fatores Internos: A História da Matemática como área de pesquisa pessoal.

BA.Fatores Externos: • Importância da História da Matemática para o ensino e aprendizagem. • As contribuições da História da Matemática para o Município de Teixeira de Freitas. .

O PROBLEMA DA PESQUISA: delimitando o desenho Quais são as potencialidades encontradas pelo professor de matemática do Ensino Médio para a utilização da História da Matemática como procedimento metodológico para o ensino? .

Bahia. A FINALIDADE DO DESENHO: objetivo da pesquisa Discutir possíveis práticas docentes quanto a utilização da História da Matemática no processo de ensino nas escolas públicas da rede estadual do município de Teixeira de Freitas. no Ensino Médio. .

caracterizar o acervo de fontes bibliográficas disponibilizados pelas unidades de ensino sobre História da Matemática. . OBJETIVOS ESPECÍFICOS i. identificar documentos nacionais e estaduais que amparam o uso da História da Matemática no ensino de matemática. ii.

D iii. A ii. OBJETIVOS ESPECÍFICOS i. analisar as relações evidenciadas na prática docente sobre a utilização da História da Matemática no ensino de matemática por professores da rede estadual de ensino em Teixeira de Freitas. fazer um levantamento sobre aspectos da formação e da prática docente. . iv. no que diz respeito ao conhecimento acerca da História da Matemática. Bahia.

Sujeitos da pesquisa: 12 professores da rede estadual de ensino. Bahia – 5 escolas estaduais: CEPROG. CENÁRIO E SUJEITOS CAPITADOS NO DESENHO Teixeira de Freitas. . CPM e o CEMA. CEDERB. CEHB.

Le Goff. . Foucault. II – GRANDES DESENHISTAS E SUAS OBRAS: a História da Matemática no ensino de matemática Aportes teóricos em relação ao procedimento metodológico embasados em: Flick.

Miorim. Iran A. Mendes . Maria Â.Aportes teóricos sobre a História da Matemática embasados em: Antonio Miguel .

De acordo com Miguel (1993) a História da Matemática como ferramenta didática auxilia na Educação Matemática. . humaniza. contextualiza. agindo como instrumento que desmistifica. motiva e ajuda a formalizar os conceitos.

..] diz respeito à utilização das informações históricas presentes nos livros de história da matemática ou similares e. visando assim tomá-los como ponto de partida das atividades pedagógicas a serem desenvolvidas em sala de aula (MENDES. .] é necessário que sua atividade seja revestida também pela pesquisa.[.. a partir de tais informações. [. elaborar atividades de ensino visando com isso fomentar a construção de noções matemáticas pelo aluno (MENDES. 230). p. 2001. 2001.. p. Isso significa ser necessário ao professor levantar na história da matemática. 229). problemas que necessitem de respostas.

O ESBOÇO DO DESENHO: procedimentos metodológicos da pesquisa Pesquisa qualitativa: Análise documental. Entrevista Semiestruturada. III . .

Documentos do desenho Orientações Curriculares para o Ensino Médio Nacional e Orientações Curriculares Estaduais para o Ensino Médio da Bahia .

Documentos do desenho .

Documentos do desenho .

. • Atividades de investigação histórica. • Exemplos do desenvolvimento do raciocínio matemático por meio de fatos históricos que reportem o fazer matemático de culturas antigas.Categorias de Análise: • Textos informativos com dados históricos.

. Porque o aluno pergunta tanto faz no fundamental como no 2º grau.. Tales de Mileto.. (PROFESSOR PITÁGORAS. Pitágoras e vários outros pensantes da matemática. Documentos do desenho Relevância da História da Matemática para a formação docente Importantíssimo. São várias as perguntas: quem foi? Como surgiu? O porquê disso? Os criadores. 2014).

Leituras realizadas pelo docente em relação à História da Matemática Alguns livros e paradidáticos como aquele que fala de potências e raízes. Têm alguns livros de matemática. aquele livro “Aula por Aula” (livro didático). . 2014). sempre tem no inicio do conteúdo um pouco sobre a História relacionada ao conteúdo (PROFESSORA LAURA BASSI.

Então. Eu conto a história da roda. eu conto historinhas. eu tinha mais histórias para contar.Prática docente em relação à utilização da História da Matemática no ensino Geralmente quando eu insiro o conteúdo. a gente ouve a história mais não sabe se é verdade (PROFESSORA HIPÁCIA. como que surgiu o comprimento. Como surgiram as necessidades de medição. eu faço uso da História. Mas. o metro. Quando eu dava aula para a 6ª serie. posso contar histórias que ouço. . geralmente na geometria. na hora de abordar progressão aritmética mesmo. 2014).

ARTE FINAL: O DESENHO GANHA MOVIMENTO .IV .

.

. • Existem precariedades nas práticas de leituras do docente em relação à História da Matemática. • Possibilidade da utilização da História da Matemática por meio de vídeos didáticos de curta duração já publicados.V – TOQUE FINAL NO DESENHO • A História da Matemática se faz presente nas unidades escolares.

Dordrecht/Boston/London: Kluwer Academic Publishers. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados/USP. MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS. História da Matemática e Educação. MAANEN. História e Educação Matemática. (Eds. 5. et al. Mentes brilhantes. p. CELLARD. Escola Secundária de Vizela. Secretaria da Educação. Disponibilizado em http:// mentesbrilhants. J. v. Brasília: 2008. BARBIN. e GOUVÊA. São Paulo: Blucher.) History in mathematics education: the ICMI study. Campinas. 2008. In: FAUVEL. 2011. Estudos Avançados. André. MOUSEION. 2ª Ed. 2010. Artmed. Psicologia e Psicopatologia sob a Perspectiva Evolucionista. 2009. 36. n.7-17. Secretaria de Educação Fundamental. História e memória–uma relação na confluência entre tempo e espaço. SP: Papirus. Campinas. Rio de Janeiro: Contraponto. William P. Vozes. 1ª ed. MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS. 1996. In: Cadernos CEDES 40. Paulo. n. . D’AMBROSIO. 2005. 2000. p. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos.blogspot. CIÊNCIAS DA NATUREZA. J. et al. Evelyne. In: POUPART. A análise documental. Tradução Elza Gomide. Orientações curriculares estaduais para o Ensino Médio. Helena Castro. Ministério da Educação.html. Gaston. BRASIL. SP: Papirus. _________ .com. Fernando Q. Evolução do Cérebro Sistema Nervoso. Orientações curriculares para o Ensino Médio. 3. 1998. José D’Assunção. Acessado em 03/09/2013. Educação Matemática: da teoria à prática. Secretaria de Educação Básica. Roger. v 5. Blogue de psicologia da turma 12B. CHARTIER. Brasília: MEC/SEF. The historical dimension: from teacher to learner. Petrópolis. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Referências ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA. 1991. 1996.br/2011/06/ilusao-de- muller-lyer-figura-eguinte. Ubiratan. O mundo como representação. DALGALARRONDO. J. Salvador: A Secretaria. 11. A Matemática Através dos Tempos: um guia fácil e prático para professores e entusiastas. 1996. BARROS. BACHELARD. BERLINGHOFF.

D’AMORE. Iran Abreu. Diva Marília.2003 Dissertações (Mestrado em Engenharia de Produção) . El guión didáctico para materiales multimedia. 2. 197-223. Vídeo e educação. São Paulo: Cortez. Televisão e educação. Rio Claro: SBHMat. GINZBURG. Foucault e a análise do discurso em educação. Iran Abreu.ufsc. 2001. KAMII. sinais – morfologia e história. Tendências em educação matemática. Ana Cláudia Collaço de. Florianópolis . FLEMMING. Revista de Estudios Literários: Madri. Porto Alegre: Artes Médicas. FISCHER. SP: Papirus. FARAGO. ______. 2007.Universidade Federal de Santa Catarina: disponível: http://teses. Espéculo. 1999. . emblemas. Constance & JONES-LIVINGSTON. A criança e o número. Moacir. p. MENDES. . Elena Galán. 1996. Porto Alegre: Artes Médicas. 2013. Ed. in Seminário Nacional de História da Matemática (8 a 11: Natal). Jorge Luiz. pp. Instrucional designer Elisa Flemming Luz. 3ª Ed.07.eps. Elisa Flemming. 228-234. Cadernos de pesquisa.br/defesa/pdf/16712. Joan. Rosa Maria Bueno. Vídeos didáticos de história da matemática: produção e uso na educação básica. FERRÉS. Construtivismo e História no Ensino da Matemática: uma aliança possível. Fossa. 2. FARJADO. Coleção história da matemática para professores. Sally.2. 1998. 2005. Benedito Fialho. 114. 2001. Mitos. (Coleção Formação de Professores) Campinas. Ed. 1989.2010. MENDES.. Elementos de didática da matemática. MACHADO. 2006. GADOTTI. São Paulo: Companhia das Letras. Bruno. Do ensino da História da Matemática à sua contextualização para uma aprendizagem significativa. 2006. Sérgio. v. MELLO. São Paulo: Editora Livraria da Física. LORENZATO. Ed. São Paulo: Editora Livraria da Física.pdf: acesso em 23.Palhoça: UnisulVirtual. Carlo. 1995. Anais do IV Seminário Nacional de História da Matemática / Editor John A. . LUZ. São Paulo: Autores associados. Escola cidadã. O laboratório de ensino de matemática na formação de professores.

Coleção história da matemática para professores. O método fenomenológico na pesquisa.br/scholar? cluster=2015126650412832143&hl=pt-BR&assdt=0. 2013. Iran Abreu. Ano II.5. Educação e Pesquisa. Tiago E.MENDES. (Orgs. MIGUEL. Dionísio. MOREIRA.br/document/?code=vtls000069861. . NÓVOA. _______ . Edilson R. MIGUEL. nº 6. BROLEZZL Antônio Carlos. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. n. Educação Matemática: reflexões e ações. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 1999. 1. SILVA. São Paulo: Editora Livraria da Física.1. 27-38. Revista ArtCultura.). História da matemática na educação matemática: espelho ou pintura? Disponível em http://scholar. In: BURAK.. Faculdade de Comunicação /UFBA. Cristina Dalva Van Berghem. KLUBER. p.Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Raimundo Nonato Pereira. O IBGE e Teixeira de Freitas: Discurso.google. Tese (Doutorado em Educação matemática) – Universidade Estadual de Campinas – 1993. V. Lucilia de Almeida. 2003. Antonio. História na Educação Matemática: propostas e desafios. PACHECO. 2002. António. V Seminário Nacional de História da Matemática. Nadya Maria Deps.2012. UNESP: Rio Claro.05. História da Matemática em abordagens pedagógicas. Anais. MOTTA. 2009. Cristina Dalva Van Berghem. Curitiba: CRV. 2010. Edilson R. V ENECULT . Circe Mary Silva da. Acessado em 10/10/2013.com. Miorim./jun. São Paulo jan. Perspectivas teóricas no interior do campo de investigação “História na Educação Matemática”. Práxis: Revista eletrônica de História e Educação. Três Estudos sobre História e Educação Matemática. 2003. 2008. v. 2ª ed. Disponível: http://libdigi. 25 n. 1ª ed. MIGUEL. 2011. Antonio. Maria Ângela. Publicações sobre História da Matemática com indicações bibliográficas e videográficas comentadas. acesso em 09. A influência do positivismo na história da educação matemática no Brasil.unicamp. PACHECO. Uberlândia. MOREIRA. Universidade de Sào Paulo. Daniel Augusto. São Paulo: Pioneira Thomson. NEVES. Memória e história: potencialidades da história oral. 2. 27-43. Salvador – BA.5&sciodt=0. MOTTA. 2011. História e memória: algumas observações.

in CURY. C. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais. 1996. SCHUBRING. F. Secretaria de Educação Básica. S. Acessado em 13/10/2013. Rumos da história. Acesso em 24/03/2014. Formação de Professores de Matemática: uma visão multifacetada. S. Circe Mary da Silva.Programa Gestão da Aprendizagem Escolar – Gestar II. 2000. Terezinha Azerêdo. Disponível em http://portal. A centralidade das tarefas escolares nas práticas escolares construtivistas. 6 ROQUE. 2005. Matemática (versão do professor). Exercícios de indiciarismo. v. 2008.gov. GUINDANI. Anais.pt/sem/2. br/index.. a história como remédio. 31. . Paris: n° 248. 1 CD-ROM. Curitiba: Ibpex. RODRIGUES. 1-15. Tatiana. 129-165. São Paulo: Cortez. 2001. de. J. Luciane Mulazani dos. Entre mémoire et histoire. A história como problema. Projet. (Org. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. 23. 4ª Ed. Porto Alegre : EDIPUCRS. Paul.spce. Metodologia do ensino de Matemática e Física: Tópicos de história da física e da matemática. 2009. pp. v. Disponível em: http://www. Helena Noronha (org. Revista Cálculo. RICOEUR...).pdf. jul. SANTOS. Programa de Pós- graduação em História Social das Relações Políticas. RIOS. Ética e competência.). Marcia B. Caxambu. mec. 2009.1. 2006. A História da Matemática e os cursos de formação de professores.php? option=com content&view=article&id= 12380& Itemid=642. Pesquisar sobre a história do ensino de matemática: metodologia. abordagem e perspectivas. F. D. 1995. 1.org. N. Editora Segmento: 08/2013. Gert. Caxambu: ANPEd. Brasília: Ministério da Educação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd. 2000. S. SILVA. R. J. p. SILVA. ALMEIDA. SILVA. 93 p. Ed. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo. n.

n.4. Pro-Posições. L. p. 1995. 1993.STAKE. Pesquisa Qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Febrero. Porto Alegre: Penso. Aprendizagem operatória de números inteiros: obstáculos e dificuldades. M. 17-28. 2004. URBANEJA. B. Robert E. THOMPSON. Campinas. Pedro Miguel González. Suma. 5ª ed. La historia de las matemáticas como recurso didáctico e instrumento para enriquecer culturalmente su enseñanza. . TEIXEIRA. Ideologia e cultura moderna. v.60-72. 2011. p.10. R. Petrópolis: Vozes. JOHN.