You are on page 1of 16

JUSTIÇA

CURSO

NA SALA DE AULA

JUSTIÇA E CIDADANIA

CONHECENDO O
FUNCIONAMENTO
DO JUDICIÁRIO
GUSTAVO RAPOSO P. FEITOSA

1
FASCÍCULO
Copyright © 2018 by Fundação Demócrito Rocha

FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA (FDR)


Presidência: João Dummar Neto
Direção Geral: Marcos Tardin

UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE (UANE)


Gerência pedagógica: Viviane Pereira
Coordenação geral: Ana Paula Costa Salmin

CURSO JUSTIÇA NA SALA DE AULA


Concepção e coordenação geral: Cliff Villar
Coordenação pedagógica: Ana Cristina Pacheco de Araújo Barros
Gerência de marketing e projetos: Ricardo Pinheiro
Coordenação adjunta: Rebeca Sabóia
Direção de marketing: Cliff Villar
Analista de marketing: Sarah Dummar
Estratégia e relacionamento: Adryana Joca e Alexandre Medina
Direção administrativa: Cecília Eurides
Gerência de produção: Gilvana Marques
Produção: Ana Luisa Duavy
Coordenação de conteúdo: Gustavo Brígido
Edição de design e projeto gráfico: Amaurício Cortez
Editoração eletrônica: Marisa Marques de Melo
Ilustrações: Rafael Limaverde
Revisão de texto: Jonas Viana
Catalogação na fonte: Edvander Pires

Este fascículo é parte integrante do “Curso Justiça na Sala de Aula –


Ferramentas Pedagógicas para Difusão e Promoção de Temas e Conteúdos
Sobre o Papel da Justiça no Ambiente Escolar, composto por 12 fascículos
oferecido pela Universidade Aberta do Nordeste (UANE), em decorrência do
contrato celebrado entre Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJ/CE) e a
Fundação Demócrito Rocha (FDR), sob o nº 40/2017.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação


Fundação Demócrito Rocha
Ficha catalográfica elaborada por:
Francisco Edvander Pires Santos (CRB-3/1212)

C984

Curso Justiça na Sala de Aula: ferramentas pedagógicas para difusão e promoção de temas e
conteúdos sobre o papel da justiça no ambiente escolar / Gerência pedagógica: Viviane Pereira;
coordenação de conteúdo: Gustavo Brígido; ilustrações: Rafael Limaverde. – Fortaleza: Fundação
Demócrito Rocha/Universidade Aberta do Nordeste, 2018.
192 p. : il. color.

Dividido em 12 fascículos.
ISBN 978-85-7529-868-8
ISBN 978-85-7529-872-5

Concepção, coordenação geral e direção de marketing: Cliff Villar.


Coordenação pedagógica: Ana Cristina Pacheco de Araújo Barros.
Gerência de marketing e projetos: Ricardo Pinheiro.
Coordenação adjunta: Rebeca Sabóia.

1. Direito. 2. Poder Judiciário. 3. Organização judiciária. 4. Tribunais. 5. Ministérios públicos.


6. Defensorias públicas. I. Pereira, Viviane. II. Brígido, Gustavo. III. Limaverde, Rafael. IV. Fundação
Demócrito Rocha. V. Universidade Aberta do Nordeste. VI. Título.

Todos os direitos desta edição reservados a:


CDD 340

Fundação Demócrito Rocha


Av. Aguanambi, 282/A - Joaquim Távora
Cep 60.055-402 - Fortaleza-Ceará
Tel.: (85) 3255.6037 - 3255.6148 - Fax (85) 3255.6271
fundacaodemocritorocha.com.br
fundacao@fdr.com.br
SUMÁRIO
1- Introdução............................................................................................................................................... 4
2- Supremo Tribunal Federal ............................................................................................................ 6
3- Superior Tribunal de Justiça ........................................................................................................ 8
4- Tribunais de Justiça .......................................................................................................................... 9
5- Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais ............................................................... 10
6- Tribunais Superior do Trabalho, Tribunal Superior do Trabalho, Tribunais
Regionais do Trabalho e Vara do Trabalho ............................................................................. 10
7- Tribunais Militares............................................................................................................................. 11
8- Justiça Estadual de Primeiro Grau, Juizados Especiais e Turmas Recursais ...12
9- Ministério Público e Defensoria Pública...............................................................................13
10- Procuradorias Estaduais e Municipais e Advocacia da União ................................14
Síntese do Fascículo ........................................................................................................................... 15
Referências .............................................................................................................................................. 15
Perfil do Autor ........................................................................................................................................ 15

OBJETIVO DO FASCÍCULO
Apresentar a estrutura de funcionamento do Sistema de Justiça, de modo a
auxiliar na compreensão sobre as funções e a importância do Judiciário. Este
fascículo preparará o estudo para os demais textos.
QUADRO RESUMIDO DA ESTRUTURA
JUDICIÁRIA NACIONAL

1
STF

INTRODUÇÃO
Se perguntassem quantos tribu-
nais o Brasil possui, qual seria sua
STJ TST TSE STM
resposta? Numa realidade de gran-
de exposição pública das decisões
judiciais e da crescente importân-
cia política daquilo que se julga nas
cortes, parece muito claro que o Ju- TRF TJ TRT TRE
diciário possui uma grande dimen-
são. Mas você acreditaria que o Bra-
sil possui 91 tribunais. Não estamos
falando de tipos de justiça ou de VARAS VARAS VARAS DO JUÍZES CONSELHO
número de juízes. Mas de Tribunais FEDERAIS ESTADUAIS TRABALHO ELEITORAIS DE JUSTIÇA
com magistrados com poder de
decidir recursos, de reformar sen-
tenças de juízes de primeiro grau e
de impactar diretamente na vida de E para entender a estrutura judiciária nacional precisamos saber como se
milhões de pessoas. dá a organização política do Estado brasileiro. O Brasil organiza-se na forma
Sem dúvida, não se pode asso- de uma República Federativa, o que significa contar com uma distribuição
ciar a força atual do Judiciário ao nú- descentralizada de poder. Ao invés de atribuir todo o poder para um único
mero de tribunais e juízes. Mas para conjunto de instituições nacionais centralizadas, optamos por assegurar aos
compreender melhor como ela fun- entes federados (estados e municípios) uma parcela maior deste poder. As-
ciona, os limites das suas decisões e sim, os estados como Ceará, Piauí, São Paulo ou Rio Grande do Sul possuem
o percurso dos processos judiciais uma divisão poderes parecida com a divisão da União Federal, com capaci-
precisamos estudar um pouco sobre dade de legislar, administrar e julgar. Enquanto em Brasília temos uma praça
o grande quadro organizacional do dos três poderes que representa de maneira significativa esta organização
Judiciário brasileiro. Entender toda (Executivo, Legislativo e Judiciário), nos estados membros também mante-
essa rede de atribuições e competên- mos esta estrutura espelhada
cias não consiste em tarefa fácil. Por A forma federativa adotada pelo Brasil implica em assegurar a existência das
esta razão, o presente fascículo inicial Assembleias Legislativas estaduais, dos Tribunas de Justiça e do Poder Execu-
destina-se a auxiliar o leitor a se situ- tivo (exercido por um governador). Logo, cada estado brasileiro contará obriga-
ar neste mar de informações legais e toriamente com um Tribunal de Justiça (TJ), como órgão de cúpula do Poder
institucionais que cercam as análises Judiciário dos estados. Como existem 27 estados, encontram-se em atuação 27
e notícias sobre a Justiça no Brasil. tribunais estaduais (falaremos mais adiante sobre suas funções e organização).

4 FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA | UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE


Norte e Sergipe submetem-se ao
Tribunal Regional Federal da
5ª Região (TRF5), enquanto
Bahia, Piauí e Maranhão
vinculam-se ao Tribu-
nal Regional Federal
da 1ª Região (TRF1).
Quando o assunto
envolve o processo eleitoral,
também temos tribunais espe-
cializados para a matéria. Existem
Todavia, a organização judiciária no Brasil 27 Tribunais Regionais Elei-
nacional não se explica unicamen- torais (TRE), ou seja, uma para cada
te pelo princípio federativo. Existem estado. Um nível acima destes tribu-
também divisões relacionadas às es- nais encontra-se o Tribunal Superior
pecificidades de matérias e pessoas. Eleitoral (TSE) estabelecido em Bra-
A mais conhecida destas divisões é a sília e com poder para julgar, entre
Justiça do Trabalho. Com atribuições outras questões, os recursos oriun-
muito específicas relacionas às rela- dos dos TREs.
ções de emprego (trataremos melhor As matérias envolvendo os crimes
deste assunto adiante) possui 24 tribu- militares, por sua vez, seguem para também chamado de primeiro grau
nais e centenas de varas do trabalho a Justiça Militar. Quando a questão de jurisdição. Com frequência se fala
espalhadas por todo o país. O número se relaciona, de maneira sintética, às de decisões de um “juiz de primeiro
não reproduz exatamente a quanti- Forças Armadas (Marinha, Exército grau”. Ao se usar esta expressão, indi-
dade de estados, pois a criação destas e Aeronáutica), competem ao braço ca-se que a decisão não foi proferida
cortes relaciona-se mais diretamente federal da justiça militar. Quando se diretamente por tribunal, mas por
à dinâmica econômica regional e ao tratam de militares dos estados (poli- um magistrado nos primeiros níveis
volume de ações. Estados como Acre cias militares e bombeiros militares), da carreira. Eles compõem a imensa
e Rondônia ou Roraima e Amazonas há órgãos específicos ou varas da jus- maioria dos magistrados brasileiros e
possuem um tribunal para cobrir o tiça estadual com competência so- somavam aproximadamente 18 mil
território de dois estados, enquanto bre tais temas. Por razões históricas, membros até o começo de 2017.
São Paulo apresenta dois tribunais existem apenas três tribunais de Jus- Os órgãos judiciários de primeiro
que cobre separadamente a capital e tiça Militar dos estados (Rio de Janei- grau recebem, em geral, o nome de
o interior. ro, São Paulo e Minas Gerais). “vara”, por esta razão ouvimos falar
Outra divisão interessante decor- No topo do sistema judicial bra- das “varas de família”, “varas do traba-
re da criação uma justiça especiali- sileiro estão os tribunais superiores lho” ou “varas federais”. Sempre que
zada, para as ações contra ao União e o Supremo Tribunal Federal (STF). essa palavra vier associada ao traba-
Federal, suas fundações, empresas e São eles: Superior Tribunal de Justiça lho de um juiz, sabemos que se trata
autarquias, entre outras competên- (STJ); Superior Tribunal Militar (STM) de um magistrado atuando no pri-
cias. Trata-se da Justiça Federal, or- e Superior Tribunal Eleitoral (TSE). meiro grau de jurisdição. Quando al-
ganizada na forma de cinco regiões Essa grande rede de tribunais atua guém tem um direito violado, como
judiciais, cada uma com um Tribu- e se organiza na forma de níveis co- regra geral, terá seu pedido julgado
nal Regional Federal. Não se segue nhecidos como instâncias. Os juízes por um juiz atuando numa vara com
exatamente o modelo político das que lidam diariamente com os pro- atribuições específicas sobre aquele
regiões brasileiras, como se pode ob- blemas das pessoas, realizam audi- tipo de caso.
servar. Estados como Alagoas, Ceará, ências e julgam a grande maioria das As decisões proferidas no chama-
Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do causas atuam na primeira instância, do “segundo grau de jurisdição” ou

CURSO JUSTIÇA NA SALA DE AULA 5


na segunda instância decorrem do
VOCÊ SABIA? trabalho direto dos tribunais, como o
Tribunal de Justiça do Estado do Ce-
A palavra “vara” muito ará ou Tribunal Regional Federal. Os
utilizada na justiça parece membros destes tribunais de segun-
estranha para quem não está da instância são chamados de “de-
acostumado com o mundo sembargadores” e se encontram em
do direito, mas seu uso tem níveis mais avançados da carreira. A
uma origem bem antiga maior parte do seu trabalho é julgar tribunal se deu após a
e curiosa. Os magistrados recursos apresentados por pessoas promulgação da Consti-
romanos da antiguidade que não aceitaram ou consideraram tuição Federal de 1891. Em
utilizavam uma espécie incorretas as sentenças proferidas 28 de fevereiro de 1891 a cor-
de feixe de varas quando em primeiro grau. te foi instalada. Na sua forma-
circulavam pelas ruas e em ção original contava com quinze

2
meio à população. O bastão juízes indicados pelo Presidente da
simbolizava o poder daquela República e avaliados pelo Senado.
autoridade e também Durante a Era Vargas, em 1931
poderia servir de arma. teve o número de membros reduzi-
Com o passar dos séculos, do para 11 juízes, composição que se
essa “vara” continuou sendo
utilizada no direito português,
SUPREMO TRIBUNAL manteve até 1965, quando o Regime
Militar ampliou para 16 o número de
contudo como insígnia da FEDERAL magistrados. Esta mudança ocorreu
autoridade. Hoje os juízes não por meio do Ato Institucional no. 2 e
portam mais bastões, mas visava ampliar o controle dos milita-
O Supremo Tribunal Federal é
atuam em divisões judiciais res sobre o Judiciário, a fim de evitar
a corte mais importante do Brasil.
conhecidas como “varas”. que o tribunal interviesse e criasse
Sua função principal consiste em
E aqueles cidadãos que se obstáculos aos atos arbitrários da
assegurar o respeito à Constituição
recusam a comparecer a uma repressão política. Em 1969, o Ato
Federal brasileira. A criação do STF
convocação da justiça podem Institucional no. 6
decorreu diretamente do fim da
ser conduzidos mediante restaurou o nú-
monarquia e da adoção do mode-
ordem da autoridade judicial mero de onze
lo Republicado, sob forte influência
ou “debaixo de vara”. ministros,
do constitucionalismo norte-ame-
ricano. Tratava-se de uma inovação
importante no cenário de criação
de uma federação, organização es-
tatal que precisa de uma institui-
ção responsável pelo arbitramento
dos conflitos entre os diversos esta-
dos federados. Ao mesmo tempo,
este modelo de corte contemplava
a possibilidade do cidadão recorrer
ao Judiciário para evitar algumas
formas de abuso de poder governa-
mental em face dos direitos funda-
mentais previstos na constituição.
A previsão formal do STF ocor-
reu por meio do Decreto no. 510 de
1890, mas a verdadeira criação do

6 FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA | UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE


naquele momento indicar para o avaliar se uma lei ou um ato norma-
Senado um substituto. Há muitas tivo em sentido amplo viola a Cons-
críticas em torno deste modelo de tituição Federal. São as chamadas
escolha e avaliação, contudo sua ações diretas de inconstitucionalida-
organização decorre do sistema de de e ação declaratória de constitucio-
Separação de Poderes. Como se nalidade. Se uma Assembleia Legisla-
pode perceber, os mais importan- tiva do Estado, por exemplo, aprovar
tes membros do Poder Judiciário uma lei que entra em choque com
nacional são escolhidos e avaliados o texto constitucional, caberá ao STF
num processo que envolve o Poder assegurar que isso não ocorra.
Executivo e o Poder Legislativo. Outra atribuição de crescente im-
portância no cenário político brasi-
mudança que veio em conjun- leiro consiste na competência para
to com a saída forçada de vários julgar os crimes comuns cometidos
CONSTITUIÇÃO
membros considerados contrários pelo Presidente da República, Vice-
FEDERAL DE 1988
ao regime militar. -Presidente, membros do Congresso
Com a nova ordem democrática e Nacional, Ministros de Estado, den-
a Constituição Federal de 1988, o STF tre diversas autoridades nos postos
Art. 101. O Supremo Tribunal
passou a contar com sua atual forma mais altos da República. Entregou-
Federal compõe-se de onze Mi-
de organização e competências. Na -se, assim, nas mãos dos ministros do
nistros, escolhidos dentre cida-
transição para a democracia foram Supremo Tribunal Federal a respon-
dãos com mais de trinta e cinco
mantidos os mesmos magistrados sabilidade para definir, em muitos
e menos de sessenta e cinco
anteriormente escolhidos durante o momentos, os destinos do país, com
anos de idade, de notável saber
regime militar. Os membros do STF grande potencial para intervir, por
jurídico e reputação ilibada.
são chamados de ministros e ocu- meio de suas decisões, nos processos
pam seus cargos até completar 75 Parágrafo único. Os Ministros políticos nacionais.
anos, quando alcançam o tempo da do Supremo Tribunal Federal A lista de competência é muito
aposentadoria compulsória. serão nomeados pelo Presi- grande como se pode ver no artigo
A escolha dos ministros é feita dente da República, depois de 102 da Constituição. Porém, esse
pelo Presidente da República entre aprovada a escolha pela maio- enorme feixe de atribuições acaba
os brasileiros “com mais de trinta e ria absoluta do Senado Federal. por sobrecarregar o Tribunal e gerar
cinco e menos de sessenta e cinco um volume monumental de ações e
anos de idade, de notável saber ju- recursos nas mãos dos 11 ministros.
rídico e reputação ilibada.” (art. 101, O STF possui uma longa lista
Constituição Federal de 1988). Pode de atribuições. A mais importante,
parecer estranho, mas não se exige certamente, consiste em proteger
Art. 102. Compete ao Supremo
especificamente a graduação em a Constituição. Como decorrência
Tribunal Federal, precipuamen-
Direito para ser ministro do STF. O desta função, o Supremo acaba por
te, a guarda da Constituição,
constituinte estabelece como um receber dezenas de milhares de re-
cabendo-lhe:
dos requisitos o chamado “notável cursos todo ano em que as pessoas
I - processar e julgar, originaria-
saber jurídico” e não o bacharela- alegam que seus direitos constitu-
mente:
do em Direito. Os nomes indicados cionais foram violados. Estes recursos
a) a ação direta de inconstitu-
pelo Presidente seguem para o Se- originam-se de processos que trami-
cionalidade de lei ou ato nor-
nado Federal, onde se sujeitam a taram em todo o país e tratam de
mativo federal ou estadual e a
uma longa sessão de perguntas e a questões pequenas envolvendo jui-
ação declaratória de constitu-
uma votação que exige a chamada zados especiais até grandes causas
cionalidade de lei ou ato nor-
“maioria absoluta”. Com a aposenta- com impacto de bilhões de reais.
mativo federal;
doria de um ministro, cabe ao Pre- Com este mesmo objetivo, diri-
sidente no exercício do mandato gem-se ao STF ações cujo objetivo é
CONTINUA >>

CURSO JUSTIÇA NA SALA DE AULA 7


b) nas infrações penais comuns,
o Presidente da República, o Vi-
ce-Presidente, os membros do
Congresso Nacional, seus pró-
3
SUPERIOR TRIBUNAL
prios Ministros e o Procurador-
-Geral da República;
[...]
DE JUSTIÇA
b) o crime político;
III - julgar, mediante recurso ex- O Superior Tribunal de Justiça cui-
traordinário, as causas decidi- da da uniformização da aplicação
das em única ou última instân- das leis federais no território brasilei-
cia, quando a decisão recorrida: ro. O núcleo da sua atribuição con-
a) contrariar dispositivo desta siste em evitar que uma mesma lei centrava as questões constitucionais
Constituição; produzida no Congresso Nacional no STF, atribuía ao STJ a competên-
b) declarar a inconstitucionali- receba aplicações completamente cia para as matérias relacionadas à
dade de tratado ou lei federal; diferentes (ou não seja aplicada) nos legislação federal e criava tribunais
c) julgar válida lei ou ato de go- diversos estados da federação. Sua regionais federais (TRFs).
verno local contestado em face origem guarda, assim, estreita liga-
desta Constituição. ção com a criação da forma federa-
d) julgar válida lei local contes- tiva de estado e com a existência de COMPOSIÇÃO DO STJ –
tada em face de lei federal. uma Justiça Federal. CONSTITUIÇÃO FEDERAL
Durante a Monarquia, o Brasil pos-
DE 1988
suía uma única Justiça nacional, com
juízes integrando uma mesma carrei-
ra e tendo como tribunal de cúpula o Art. 104. O Superior Tribunal
Supremo Tribunal de Justiça (substi- de Justiça compõe-se de, no
tuído pelo STF em 1891). Com a Re- mínimo, trinta e três Ministros.

VOCÊ SABIA? pública, criou-se uma Justiça Fede-


ral distinta da Justiça Estadual. Esta
Parágrafo único. Os Ministros do
Superior Tribunal de Justiça se-
A palavra competência Justiça Federal deveria julgar causas rão nomeados pelo Presidente
utilizada no campo do envolvendo a administração pública da República, dentre brasileiros
com mais de trinta e cinco e me-
Direito pode confundir federal, a Fazenda Nacional ou os lití-
nos de sessenta e cinco anos, de
muitas vezes um leitor não gios que confrontassem mais de um
notável saber jurídico e reputa-
especializado. Não se trata estado. Com o Estado Novo (1937), a ção ilibada, depois de aprovada
de afirmar que alguém é Justiça Federal foi extinta e as cau- a escolha pela maioria absoluta
hábil ou inábil para realizar sas de sua competência transferidas do Senado Federal, sendo:
certas tarefas. A competência para as varas da Justiça Estadual. So- I - um terço dentre juízes dos Tri-
diz respeito à distribuição mente durante o Regime Militar a bunais Regionais Federais e um
de poderes e atribuições Justiça Federal foi recriada. Todavia, terço dentre desembargadores
feitas pela legislação e pela já em 1946, a nova Constituição pre- dos Tribunais de Justiça, indica-
constituição entre os diversos viu a criação de um Tribunal Federal dos em lista tríplice elaborada
segmentos da Justiça. Um de Recursos (TFR). pelo próprio Tribunal;
juiz que atua numa “vara de O TFR continuou em funciona- II - um terço, em partes iguais,
dentre advogados e membros
família” tem competência mento até a instauração da nova or-
do Ministério Público Federal,
para julgar divórcios e dem constitucional de 1988, sendo
Estadual, do Distrito Federal e
arbitrar pensões alimentícias, sucedido pelo Superior Tribunal de Territórios, alternadamente, indi-
contudo é “incompetente” Justiça (STJ). O modelo pensado ao cados na forma do art. 94.
para julgar crimes. longo dos debates constituintes con-

8 FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA | UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE


mente às necessidades da Coroa em
administrar, vigiar e disciplinar regi-
ões de maior importância econômi-
ca e política.
O deslocamento do eixo de po-
der e riqueza no Brasil levou à cria-
ção do Tribunal da Relação do Rio
de Janeiro em 1751. Na esteira da
transferência da Corte para o Brasil,
surgiu um novo Tribunal da Relação
no Maranhão em 1813 e outro em
Recife em 1821. Com a Independên-
cia e a Constituição de 1824, abriu-se
a possibilidade de criação de novos
Contudo, também é possível buscar
tribunais em outras regiões do país,
nos tribunais de justiça proteção por

4
dentre eles, o Tribunal da Relação de
meio de habeas corpus ou, ainda, de
Porto Alegre, instalado em 1874, e o
ações como o mandado de seguran-
Tribunal da Relação da Província do
ça, a depender do tipo de direito ata-
Ceará, estabelecido no mesmo ano.
cado ou ainda de quem é responsá-
Apesar de representarem o ponto
vel pela ilegalidade.
de partida para a criação das cortes
TRIBUNAIS DE estaduais, esses tribunais vincula-
No modelo constitucional bra-
sileiro, cabe à Justiça Estadual a
vam-se ainda ao modelo de organi-
JUSTIÇA zação da justiça do Império. Somen-
maior parte das competências
(maioria das questões patrimoniais,
te com a República e a criação da
familiares, grande parte dos crimes
O Tribunal de Justiça (TJ) constitui Justiça Estadual tornou-se necessá-
etc.). Todas as competências dos
o órgão máximo do Poder Judiciá- rio criar um tribunal para cada um
demais ramos da Justiça precisam
rio estadual. Cada um dos estados dos estados membros. Desde então
estar detalhadamente previstas na
possui organização judiciária própria houve grande variação de nomes,
Constituição e funcionam como ex-
como expressão típica da autono- tamanhos e competências, sempre
ceção, como veremos a seguir. Tudo
mia inerente aos entes federados. em compasso com as alterações po-
que não contar com expressa previ-
Não obstante a adoção do modelo líticas e constitucionais do país. Em
são constitucional segue para julga-
federativo ter ocorrido somente com 1934, a Constituição nomeou as cor-
mento no Judiciário Estadual.
a República, verifica-se que vários tri- tes estaduais de Corte de Apelação;

5
bunais estaduais apresentam datas em 1937, a Constituição adotou a de-
de surgimento anteriores ao fim da signação: Tribunal de Apelação; e so-
Monarquia. Isso se deve aos desdo- mente em 1946, assumiu-se a atual
bramentos da história que deu ori- nomenclatura: Tribunal de Justiça.
gem ao sistema judicial brasileiro e Os tribunais de Justiça correspon-
encontra raízes mais longínquas na dem ao segundo grau de jurisdição
estrutura colonial portuguesa. ou segunda instância do Judiciário TRIBUNAIS
Em 1609, Portugal estabeleceu estadual. As decisões proferidas pe-
em Salvador o Tribunal da Relação los juízes de primeiro grau (nas va- REGIONAIS FEDERAIS
ras de família, varas criminais, varas
com competência para julgar recur-
sos e apelações, além de múltiplas da fazenda pública, entre outras) E JUÍZES FEDERAIS
funções não tipicamente judiciais. podem ser rediscutidas por meio
Dentro dos domínios portugueses, de recursos dirigidos ao Tribunal de A Justiça Federal como nós co-
foram criados outros tribunais seme- Justiça. Os principais recursos utiliza- nhecemos hoje ganhou sua forma
lhantes que se relacionavam direta- dos chamam-se apelação e agravo. final na Constituição de 1988. Após

CURSO JUSTIÇA NA SALA DE AULA 9


ser extinta durante o Estado Novo Os recursos contra as decisões pro-
(1937), foi gradualmente reconstruí- feridas por juízes federais de primei-
da depois da redemocratização de ro grau seguem para o TRF. O Ceará
1946, com o estabelecimento do submete-se à jurisdição do Tribunal
TFR. Todavia, somente no Regime Regional Federal da 5ª Região, situ-
Militar ressurgiu a Justiça Federal ado em Recife. Esses tribunais têm
de primeiro grau. Seu reestabele- competência para analisar recursos, Getúlio Vargas, e se inseria
cimento derivou, em grande medi- mas também analisam ações em pri- muito diretamente no
da, de um esforço para aprimorar a meiro grau, como nos casos de crime ambiente conturbado
gestão das questões relacionadas à cometido por juiz federal, de manda- de reformas sociais e po-
arrecadação de tributos federais e do de segurança contra atos de juízes líticas que deveriam prepa-
auxiliar a União no tratamento dos federais, dentre outras competências. rar o país para um cenário de
litígios em que figurava como parte. A maioria das pessoas somente maior desenvolvimento econô-
O Judiciário Federal organiza-se conhece a Justiça Federal quando mico, crescimento das cidades e
na forma de Tribunais Regionais Fe- precisa ingressar com ações contra expansão do trabalho livre industrial
derais, com jurisdição sobre vários o Instituto Nacional do Seguro Social nos centros urbanos.
estados. Os juízes de primeira ins- (INSS), contra a Caixa Econômica Fe- Na sua concepção inicial, a Justi-
tância ou de primeiro grau que atu- deral (CEF) ou contra alguma outra ça do Trabalho vinculava-se ao Poder
am nestas varas têm como principal instituição federal. Nesses casos, as Executivo, ou seja, não fazia parte da
competência o julgamento de cau- ações serão ajuizadas na justiça fede- estrutura do Poder Judiciário bra-
sas em que a União Federal, autar- ral de primeiro grau, tendo em vista sileiro. A primeira instância era for-
quias federais ou empresas públicas que são, em linhas gerais, entidades mada pelas Juntas de Conciliação e
federais forem interessadas. A essa vinculadas ou pertencentes à União. Julgamento, a segunda instância pe-
competência se juntam questões los Conselhos Regionais do Trabalho

6
envolvendo indígenas, tráfico inter- e a terceira instância pelo Conselho
nacional, estrangeiros, ilegalidades Nacional do Trabalho. O modelo pre-
cometidas por autoridades federais, via uma composição paritária, com
entre outras. a presença de representantes dos
trabalhadores e dos empregado-
res, bem como de juízes togados ou
TRIBUNAL SUPERIOR alheios aos interesses das partes.
ORGANIZAÇÃO DOS TRFs DO TRABALHO, Somente com o fim do Esta-
do Novo e com o advento da nova

Tribunal Regional Federal da 1ª


TRIBUNAIS REGIONAIS Constituição em 1946, a Justiça do
Trabalho passou a integrar os qua-
Região: AC, AM, AP, BA, DF, GO, DO TRABALHO E VARA dros do Poder Judiciário. Os Conse-
MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR lhos regionais foram transformados
Tribunal Regional Federal da 2ª
DO TRABALHO em Tribunais Regionais do Trabalho
Região: ES, RJ e o Conselho Nacional converteu-se
A primeira metade do século XX em Tribunal Superior do Trabalho.
Tribunal Regional Federal da 3ª foi marcada por grandes conflitos ar- No primeiro grau, as causas eram
Região: MS, SP mados internacionais e pela rápida julgadas nas Juntas de Conciliação
transformação no mundo do traba- e Julgamento composta por um re-
Tribunal Regional Federal da 4ª lho. O Brasil não passou ao largo des- presentante dos trabalhadores, um
Região: PR, RS, SC sas agitações e mudanças, na medi- representante patronal e por um juiz
Tribunal Regional Federal da 5ª da em que avançavam os processos togado. Em 1999, por meio da Emen-
Região: AL, CE, PB, PE, RN, SE de urbanização e industrialização. A da Constitucional nº 24, extinguiu-se
criação da Justiça do Trabalho ocor- a figura do juiz classista, que repre-
reu em 1941, durante o governo de sentava patrões ou empregados, e

10 FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA | UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE


que o direito do trabalho receba apli- por meio dos Conselhos de Justiça
cações completamente divergentes (compostos por militares e um juiz)
em diferentes cidades ou estados. ou por meio de um juiz civil isola-
damente, dependendo da natureza

7
do caso. Os recursos contra as suas
as Juntas foram decisões seguem para o Tribunal de
convertidas em Justiça Militar nos estados em que
Varas do Trabalho, eles existem (Rio de Janeiro, São
comandadas por um Paulo e Minas Gerais) ou para os Tri-
Juiz do Trabalho. bunais de Justiça Estaduais.
As Varas do Trabalho TRIBUNAIS MILITARES
possuem como principal
competência o julgamento dos Um dos ramos menos conheci-
conflitos envolvendo relações de dos do Judiciário é a Justiça Militar.
trabalho, como disputas sobre paga- Esta justiça especializada dedica-se,
mento de hora extra, férias, décimo principalmente, ao julgamento dos
terceiro salário, entre outras verbas crimes militares previstos no Código
(para conhecer as competências da Penal Militar. As características pe-
Justiça do Trabalho, recomenda-se culiares das organizações militares,
a leitura do artigo 114 e seguintes da como o Exército e a Marinha, sempre
Constituição Federal de 1988). Trata- exigiram um tratamento diferencia-
-se de uma justiça bem próxima do do, especialmente quando se está
cotidiano das pessoas, especialmen- diante de questões que podem re-
te dos mais pobres. percutir futuramente na hierarquia e
Os recursos relacionados às deci- disciplina das corporações.
sões de primeiro grau da Justiça do O Brasil possui uma Justiça Militar
Trabalho seguem para os Tribunais da União, com competência para tra-
Regionais do Trabalho (TRT). O Brasil tar, em linhas gerais, dos casos envol-
conta com 24 tribunais regionais do vendo militares da Marinha, Exército
trabalho. A maioria dos estados pos- e Aeronáutica, e uma Justiça Militar
sui um TRT com competência sobre Estadual dedicada aos casos envol-

8
todo o seu território, todavia alguns vendo policiais e bombeiros milita-
estados menores ou com menos mo- res. A chamada “Justiça Castrense” de
vimentação processual são abrangi- primeiro grau é exercida no âmbito
dos em conjunto por um único TRT, da União por meio dos Conselhos de
como Acre e Rondônia (TRT14), Pará Justiça compostos por quatro oficiais
(militares) e um juiz (de direito) audi-
e Amapá (TRT8). O caso de São Pau-
lo segue em sentido oposto. No mes- tor. Estes conselhos são distribuídos JUSTIÇA ESTADUAL
mo estado, existem dois tribunais, dentro do território brasileiro em di-
visões chamadas de Auditorias. E as
DE PRIMEIRO GRAU,
um na cidade de Campinas (TRT15),
com competência para o interior, e Auditorias, por sua vez, agrupam-se JUIZADOS ESPECIAIS
outro na cidade de São Paulo (TRT2), em Circunscrições Judiciárias Milita-
com competência para a capital. res (CJM). As decisões proferidas em E TURMAS RECURSAIS
Em Brasília, por sua vez, situa-se o primeira instância podem ser reava-
Tribunal Superior do Trabalho (TST) liadas por meio de recursos remetidos Quando vivenciamos problemas
cuja atribuição mais importante con- ao Superior Tribunal Militar (STM). cotidianos que exigem a busca pela
siste em manter a uniformidade da No âmbito estadual, a Justiça Justiça, precisamos, na maioria das
aplicação da legislação trabalhista Militar apresenta forma assemelha- vezes, de uma decisão ou da media-
no território brasileiro. Evita-se, assim, da, com a atuação e o julgamento ção feita no âmbito do primeiro grau

CURSO JUSTIÇA NA SALA DE AULA 11


trata apenas de um conjunto deter-
minado de matérias ou pessoas. As
chamadas Varas da Fazenda Públi-
ca, por exemplo, lidam, entre outros
temas, com ações movidas contra
o estado do Ceará. Se alguém pre-
tende litigar contra a administração
pública estadual, precisa se utilizar
de uma dessas varas especializadas. menor valor, cuja solução
de jurisdição. Juizados especiais (an- E como saber a quem procurar? não demandaria instrumen-
tigos juizados de pequenas causas), A resposta sobre onde e a quem re- tos jurídicos e probatórios mais
varas de família ou varas cíveis são correr depende de conhecimentos complexos, e em infrações pe-
divisões judiciais que tratam de pro- técnicos especializados. Somente os nais de menor potencial ofensivo.
blemas como relações de consumo, advogados saberão corretamente in- A possibilidade de ir diretamente ao
pensões e divórcios ou indenizações dicar aos interessados qual caminho juizado para apresentar de pronto a
e reparações. Para entender melhor seguir. Conhecer essa subdivisão aju- sua demanda se mostra um instru-
como esta organização funciona, da, contudo, a entender como os lití- mento bastante interessante para a
precisamos em primeiro lugar apren- gios são encaminhados e resolvidos maioria das pessoas que não pode
der um pouco sobre a nomenclatura. dentro da estrutura judiciária. pagar um advogado ou, pelo valor,
A primeira coisa que precisa- Todavia, existe um espaço na justi- não teria vantagens no litígio.
mos aprender é o significado do ça dedicado e aberto ao público em
termo“comarca”. A comarca corres- geral: os juizados especiais. A Lei nº
ponde aos limites territoriais sobre 9.099/95 criou os Juizados Especiais
os quais incidem o poder de deci-
LEI 9.099/95
Cíveis e Criminais (JECC), como um
são dos juízes de primeiro grau. A aprimoramento dos antigos juizados
Art. 61.  Consideram-se infra-
área de um pequeno município, especiais de pequenas causas, cria-
ções penais de menor potencial
normalmente, corresponde ao limi- dos em 1984. Com um modelo guia-
ofensivo, para os efeitos desta
te da comarca, seja a cidade gran- do por princípios como oralidade,
Lei, as contravenções penais e
de ou pequena. Fortaleza inteira simplicidade e informalidade, per-
os crimes a que a lei comine
corresponde a uma única comarca mitiu o acesso à justiça sem o auxílio
pena máxima não superior a 2
e a cidade de Guaramiranga, muito de advogados (em causas de até 20
(dois) anos, cumulada ou não
menor, também. Por razões de ra- salários-mínimos).
com multa.
cionalização administrativa relacio- Criou-se, assim, um espaço para
nada ao movimento processual e à o tratamento de todo um conjunto
disponibilidade de recursos finan- de litígios que possivelmente jamais
ceiros, também é possível encontrar chegariam ao Judiciário. Brigas de Por suas características, o legis-
mais de uma cidade agrupada na vizinhos, problemas com produtos, lador optou por manter os juizados
forma de uma só comarca. reclamações contra prestadoras de num sistema relativamente distin-
A dimensão da cidade e a quan- serviços diversos, colisões de veícu- to das varas tradicionais da Justiça.
tidade de processos pode fazer com los, dentre outros casos, passaram a Os recursos dentro dos juizados são
que a comarca tenha apenas um chegar aos milhões nestes juizados. muito limitados e são julgados por
juiz, com competência para julgar Aos poucos, eles se tornaram muito uma Turma Recursal composta por
quase todo tipo de matéria. Por sua populares e, em alguma medida, so- magistrados de primeiro grau. Essas
vez, em comarcas maiores, ocorre freram com seu próprio sucesso. turmas funcionam como um equiva-
a divisão do trabalho em múltiplas De todo modo, verifica-se a exis- lente dos Tribunais de Justiça, contu-
varas. Em comarcas grandes, como tência de uma ampla rede de Juiza- do não possuem desembargadores
Fortaleza, há várias dezenas de va- dos Especiais em todo o país, atuan- em seus quadros e se organizam de
ras especializadas em que o juiz do especialmente em questões de maneira mais simples.

12 FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA | UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE


que não conseguiriam arcar com os dos cidadãos e dos valores básicos
custos do processo sem grave prejuí- do regime democrático. Ao longo
zo para seu próprio sustento, ou ainda da história brasileira, sua função se
grupos mais vulneráveis como idosos, encontrava associada ao papel de
pessoas com deficiência, entre outros. acusador nos processos criminais ou
As questões que envolvem a com- de um guardião da lei no curso das
petência da Justiça Estadual devem demandas judiciais (função chama-
ser encaminhadas por meio da De- da de “custos legis”, na linguagem
fensoria Pública do Estado, enquan- jurídica). Essa posição relativamente

9
to os problemas e litígios sujeitos à modesta se manteve, mas foi acres-
competência da Justiça Federal con- cida de enormes responsabilidades.
tam com a assistência da Defensoria A nova posição do MP dentro do
Pública da União. Sistema de Justiça pode ser clara-
mente percebida na sua constante
presença em ações e investigações
MINISTÉRIO PÚBLICO E envolvendo o mau uso de recursos
CONSTITUIÇÃO FEDERAL públicos ou na defesa de direitos
DEFENSORIA PÚBLICA DE 1988 coletivos de grande impacto para a
população.
Art. 5º. [...] LXXIV - o Estado No âmbito estadual, a carreira dos
O Sistema de Justiça brasileiro con- prestará assistência jurídica in- Membros do Ministério Público se
ta com um grande grupo de institui- tegral e gratuita aos que com- inicia com a função de Promotor de
ções e agentes públicos que atuam, provarem insuficiência de re- Justiça, com atuação em comarcas
direta ou indiretamente, na garantia cursos; pequenas, normalmente no interior
dos direitos dos cidadãos e na preser- do país. Após vários anos de traba-
vação do interesse público. Uma das Art. 134. A Defensoria Pública lho, depois de circular por diversas
mais importantes instituições dedica- é instituição permanente, es-
comarcas, setores do MP e varas es-
sencial à função jurisdicional
das à defesa dos direitos dos cidadãos pecializadas, é possível chegar à po-
do Estado, incumbindo-lhe,
é a Defensoria Pública. O seu atual de- como expressão e instrumento sição de Procurador de Justiça. Este
senho nasceu com a Constituição Fe- do regime democrático, funda- cargo equivale em termos profissio-
deral de 1988, passando a contar com mentalmente, a orientação ju- nais à posição de Desembargador
estrutura e corpo próprio permanente rídica, a promoção dos direitos dentro do Judiciário Estadual.
dedicado à defesa dos necessitados. humanos e a defesa, em todos Já na esfera da União, a carreira
Num passado não muito distante, os graus, judicial e extrajudicial, dos membros do MP se iniciar como
quem precisasse ingressar na justiça dos direitos individuais e coleti- Procurador da República, normal-
para defesa dos seus direitos e não ti- vos, de forma integral e gratui- mente com atuação nas varas fede-
vesse recursos financeiros dificilmente ta, aos necessitados, na forma rais (primeiro grau de jurisdição). Com
encontraria assistência jurídica gratui- do inciso LXXIV do art. 5º desta o avanço na carreira, podem se tornar
ta. Por força da previsão constitucio- Constituição Federal.
Procurador Regional da República e
nal, considera-se um dever do Estado Subprocurador-Geral da República.
oferecer assistência gratuita a todos O MP também é composto pelo
aqueles que precisem de amparo Outra instituição que ganhou Ministério Público do Trabalho, com
jurídico e comprovem que não dis- grande dimensão com a Constitui- procuradores que atuam no âmbito
põem de recursos para tal. Não se tra- ção de 1988 foi o Ministério Público da Justiça do Trabalho, e pelo Minis-
ta somente de uma assistência para (MP). O constituinte decidiu atribuir tério Público de Contas, com mem-
os muito pobres, pois o conceito mais ao MP a reponsabilidade pela garan- bros que atuam nos diversos tribu-
amplo de necessitado inclui pessoas tia, em sentido amplo, dos interesses nais de contas do país (TCU, TCE etc.).

CURSO JUSTIÇA NA SALA DE AULA 13


CONSTITUIÇÃO FEDERAL
DE 1988

Art. 127. O Ministério Público é


instituição permanente, essen-
cial à função jurisdicional do Es-
CONSELHO NACIONAL
tado, incumbindo-lhe a defesa DE JUSTIÇA
da ordem jurídica, do regime
democrático e dos interesses so- A Ementa Constitucional nº 45
ciais e individuais indisponíveis. de 2004, que tratava da Reforma
do Judiciário, trouxe como uma
das suas principais mudanças a
criação do Conselho Nacional de

10
Justiça (CNJ). Coube a este Conse-
lho a tarefa de criar, implementar
e acompanhar políticas públicas
para o Sistema de Justiça brasilei-
VOCÊ SABIA?
ro, além de realizar o controle ad- O Tribunal de Contas da
União e os tribunais de
PROCURADORIAS ministrativo e disciplinar dos atos
da Justiça em todo o país. Desde contas dos estados, apesar

ESTADUAIS E sua criação, o CNJ vem realizando do nome, não fazem parte
do Poder Judiciário. Outra
iniciativas destinadas a compre-
MUNICIPAIS E ender melhor o funcionamento confusão acontece com
o Ministério do Trabalho.
da máquina judiciária e elaboran-
ADVOCACIA DA UNIÃO do planos destinados a solucionar Muitas pessoas falam
problemas. que “vão ao Ministério
A representação judicial da Esse conjunto de políticas trou- do Trabalho”, quando,
União, dos estados, dos municípios xe para o Judiciário iniciativas na realidade, se referem
e de toda uma cadeia de entidades como a expansão do uso de novas à Justiça do Trabalho.
relacionadas a estes é realizada, na tecnologias novas tecnologias, os Também não integra o
maioria dos casos, por procuradores processos judiciais eletrônicos (sem Judiciário a chamada
que atuam na chamada “advocacia papel), o fortalecimento da me- “polícia judiciária” que é a
pública”. Apesar de muitas dessas diação e da conciliação, o fim do Polícia Civil.
funções serem ocupadas por “pro- nepotismo (prática de empregar
curadores”, os advogados não fazem familiares), entre outras inovações.
parte do Ministério Público. Quan- Outro lado importante da atuação
do alguém ingressa com uma ação do CNJ relaciona-se à punição de
contra o estado do Ceará ou contra juízes que cometem desvios. Se os
o município de Fortaleza, no lado magistrados falham e se os tribu-
oposto, haverá um procurador do nais não forem eficazes na punição,
estado ou um procurador do mu- caberá ao CNJ a punição discipli-
nicípio realizando a defesa judicial nar. A competência do CNJ na cor-
destes entes. Na esfera federal, a reção de equívocos e ilegalidades
defesa judicial da administração di- estende-se inclusive para os atos
reita e indireta é realizada por car- administrativos dos tribunais, o que
reiras como a da Advocacia Geral da gera um efeito potencialmente
União, Procuradoria da Fazenda Na- transformador. Sobre o CNJ falare-
cional e Procuradoria Federal. mos adiante em outro fascículo.

14 FUNDAÇÃO DEMÓCRITO ROCHA | UNIVERSIDADE ABERTA DO NORDESTE


PERFIL DO AUTOR
Gustavo Raposo
Pereira Feitosa
Graduado em Direito pela UFC, mestrado em So-
ciologia e doutorado em Ciências Sociais pela UFC.
Atualmente é professor Titular do Programa de Pós-
-Graduação em Direito Constitucional - Mestrado e
Doutorado - e do Centro de Ciências Jurídicas da Uni-
SÍNTESE DO FASCÍCULO for. É professor adjunto de Direito Processual Civil na
UFC. Coordena o Mestrado Profissional em Direito e
O Brasil possui 91 tribunais. A organização federa- Gestão de Conflitos da Unifor. Atuou como “Professeur
tiva implica na existência de um Poder Judiciário es- Invité na Université du Havre” (França). Foi Coordena-
tadual em cada um dos estados da federação, com dor de Pesquisa do Centro de Ciências Jurídicas da
competência geral. O Tribunal de Justiça é a mais alta Unifor. É editor do periódico Pensar - Revista de Ciên-
instância da Justiça estadual. No âmbito das ações cias Jurídica, qualificado como B1 no sistema Qualis-
contra a União, suas autarquias e fundações, em al- -Capes. Lidera o grupo de Pesquisa “JET - Justiça em
guns crimes específicos e em outros casos previstos na Transformação”. Atua desde 2004 como mediador
Constituição, existe a Justiça Federal. O Tribunal Regio- profissional e como instrutor e formador de novos me-
nal Federal atua na segunda instância da Justiça Fe- diadores. Tem experiência na área de Direito, com ên-
deral. A relações de emprego seguem para a Justiça fase em Reforma e Transformação do Sistema de Jus-
do Trabalho, composta de varas do trabalho, Tribunal tiça, Gestão de Conflitos, Magistratura e Democracia,
Regional do Trabalho e Tribunal Superior do Trabalho. Direitos Humanos, Política e Segurança Internacional,
Os crimes militares são julgados na Justiça Militar, que Ciência Política, Políticas Públicas e Sociologia Jurídi-
tem como tribunal máximo o Superior Tribunal Militar. ca, atuando principalmente nos seguintes temas: di-
A uniformização da aplicação da lei federal é feita pelo reitos humanos, “democratização, reforma do Judici-
Superior Tribunal de Justiça e a garantia da aplicação ário e do processo”, magistratura, segurança nacional
da Constituição Federal é realizada, em última instân- e internacional, governo eletrônico e novas metodolo-
cia, pelo Supremo Tribunal Federal. gias para Direito e para a Justiça.

REFERÊNCIAS BRASIL. Tribunal Regional do Trabalho – 2ª Região –


TRT2. Disponível em: < http://www.trtsp.jus.br/>. Acesso em:
15 de abril de 2018.
BRASIL. Conselho Nacional de Justiça – CNJ. Disponí- BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho – TST. Disponível
vel em: <http://www.cnj.jus.br>. Acesso em: 15 de abril de em: <http://www.tst.jus.br/>. Acesso em: 15 de abril de 2018.
2018. BRASIL. LEI Nº 9.099, de 26 de setembro de 1995. Dispõe
BRASIL. Constituição da República Federativa do Bra- sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais. Disponível
sil de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9099.htm>.
ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 15 de Acesso em: 15 de abril de 2018.
abril de 2018. CEARÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Ceará – TJCE.
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça – STJ. Disponível Disponível em: <http://www.tjce.jus.br/>. Acesso em: 15 de
em: <http://www.stj.jus.br/portal/site/STJ>. Acesso em: 15 abril de 2018.
de abril de 2018. KOERNER, Andrei. Judiciário e cidadania na construção
BRASIL. Superior Tribunal Militar – STM. Disponível da República Brasileira. São Paulo: Hucitec; Departamento
em: <https://www.stm.jus.br/>. Acesso em: 15 de abril de de Ciência Política, USP, 1998.
2018. SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e Sociedade no Brasil
BRASIL. Supremo Tribunal Federal – STF. Disponível Colonial – A Suprema Corte da Bahia e seus Juízes: 1609-
em: <http://portal.stf.jus.br/>. Acesso em: 15 de abril de 2018. 1751. São Paulo: Perspectiva, 1979.
Realização

Apoio Promoção