You are on page 1of 26

Primeira Epístola de Paulo aos

Coríntios
Análise possibilidade de qualquer ressurreição dentre os mortos, feria
1 Coríntios não é apenas uma carta onde o apóstolo Pau­ a própria Pedra de Esquina da fé cristã, e que lamentavelmen­
lo apresenta conselho e instrução sobre questões importantes te conseguira muitos adeptos na igreja de Corinto. Essas ques­
da fé e da conduta cristãs, mas igualmente projeta luz revela­ tões, cada uma delas escandalosa, receberam cuidadosa e
dora sobre problemas sérios enfrentados por uma igreja jovem, urgente atenção nessa epístola.
não muito depois de sua fundação, em meados do primeiro sé­ O apóstolo Paulo igualmente apresentou instrução sobre
culo de nossa era, Paulo havia levado a mensagem de Cristo a certas outras questões que haviam sido levantadas pelos corín­
Corinto no decurso de sua segunda viagem missionária. Essa tios, numa carta que lhe haviam endereçado. Essas perguntas
cidade apresentava um desafio tremendo ao evangelho, tanto podem ser sumariadas como segue: Era aconselhável aos cren­
por ser um dos principais centros comerciais cosmopolitas do tes se casarem? Marido ou mulher, uma vez convertidos, de­
mundo antigo, como por ser um lugar famoso por sua devas­ veríam continuar vivendo com o cônjuge impenitente? Qual
sidão e licenciosidade. Se a mensagem da Cruz tivesse o po­ deve ser a atitude do crente para com a ingestão de alimentos
der de atingir e transformar as vidas de homens e mulheres de anteriormente oferecidos em sacrifício aos ídolos? As mulhe­
tal ambiente, então é que era realmente poderosa! E foi exata- res devem cobrir a cabeça ao frequentarem a adoração públi­
mente isso o que aconteceu. Além disso, os membros daque­ ca? Qual é o significado real da variedade de dons espirituais?
la congregação haviam sido enriquecidos com grande Que arranjos deveriam ser feitos no tocante à coleta para o alí­
variedade de dons espirituais — confirmação tanto para eles vio dos crentes empobrecidos de Jerusalém?
como para o mundo, de que Deus estava presente e agia pode­ Seria um engano imaginar que o conteúdo dessa epístola
rosamente no meio deles. é relevante apenas para a situação particular da Igreja de Co­
Não se passou muito tempo, entretanto, até que se levan­ rinto no primeiro século, pois, embora quanto às circunstân­
tassem erros sérios quanto à doutrina e a prática, que ameaça­ cias e à forma externa, os problemas da Igreja variem de época
vam o bem estar e até mesmo a sobrevivência da comunidade para época, quanto à sua essência, todavia, permanecem os
cristã ali existente, e que infestavam até as próprias fileiras dos mesmos, e os princípios que o apóstolo apresentou são aplicá­
crentes. É principalmente à correção desses erros que 1 Corín­ veis aos nossos próprios dias e situações, não menos que aos
tios se devota. Em primeiro lugar, deploráveis divisões haviam seus dias e suas circunstâncias.
cindido a igreja em facções hostis, despedaçando a unidade em
tomo da qual todos os que professaram ser irmãos em Cristo Autor
deviam estar retinidos. Em segundo lugar, dentre seus próprios Tanto a evidência interna como a evidência externa de que
membros, um deles se tomara culpado de imoralidade grossei­ o apóstolo Paulo foi o autor desta epístola são tão fortes que
ra e de gravidade tal que nem mesmo a devassa sociedade da­ são conclusivas. Não é possível fixar a data da escrita com cer­
quela cidade pagã teria tolerado, mas, não obstante, a teza, mas provavelmente foi na primavera de 55,56 ou 57 d.C.
congregação não impusera disciplina ao ofensor, expelindo-o Nessa ocasião Paulo se encontrava em Efeso, durante o decur­
de sua comunhão. Em terceiro lugar, membros da igreja vi­ so de sua terceira viagem missionária.
viam arrastando uns aos outros perante os tribunais seculares
dos pagãos para solução de disputas que haviam surgido entre
eles, em lugar de resolverem suas querelas no espírito do amor Esboço
cristão, dentro da própria comunidade, ou em lugar de estarem SAUDAÇÕES t AÇÃO D t GRAÇAS, 1.1 9
dispostos, seguindo o exemplo de Cristo, a tolerar os danos so­ Saudação, 1.1 -3
fridos sem retaliação. Em quarto lugar, alguns deles vinham Açan de Graças pelas Riquezas tspirituais da Iqrrja de
cometendo fornicação com prostitutas, procurando justificar Corinto, 1 .4 -9
tal conduta com o argumento de que apenas o corpo era envol­ FALHAS SERIAS SÃO REPROVADAS, 1 1 0 - 6 .2 0
Divisões e Facções, 1 .1 0 - 4.21
vido e que os feitos do corpo são inconsequentes para a alma.
Cristo não Esta Dividido, 1 1 0-17
Em quinto lugar, a Ceia do Senhor, que deveria ser uma ex­
A Pregação da Cruz, 1.18-31
pressão de amorosa harmonia, havia degenerado em irreverên­ Pregação de Paulo em Corinto, 2 1 5
cia, glutonaria e comportamento desatencioso. Em sexto lugar, A Verdadeira Sabedoria, 2 .6 - 1 6
havia cenas de desordem que nada edificavam quando os mem­ Divisões, Sinal de Falta de Fspiritualidude, 3.1 4
bros se reuniam para a adoração pública, especialmente no Concepção Certa dos Ministros Cristãos, 3 5 -9
exercício dos dons espirituais com os quais haviam sido dota­ Edificação sobre o Único Fundamento, 3 .10 -1 5
dos. O apóstolo Paulo sentiu ser necessário relembrá-los de O Templo de Deus 3 16,17
Cont epçáo Certa dos Ministros Cnstãos (continuação),
que o mais excelente de todos os dons, e que é o que mais deve
3 1 8 - 1 17
ser cobiçado, é o dom do amor, à parte do qual, os demais dons
Aviso aos "Inchados", 4.18 -2 1
são inúteis. Em sétimo lugar, um ensino herético que, por ne­ Tolerância a Grosseira imoralidade, 5 .1 -1 3
gar o fato da ressurreição de Cristo e por realmente negar a

chamados 1. 8. ticipam na vida. 15. “ participação". pelo nome de nosso 1.13. Cf 12.11 12 Refiro-me ao fato de cada um de vós 1. 1 5 . 1 1 . 15. 6 . parecer.1 oAt 18.1 0 -24 Prefácio e saudação 1. No N.9 ).8 6C11.3 informado.20.8.22.1 -2 4 O Véu das Mulheres na Adoração Pública.2 -1 6 Coleta para os Santos Pobres de Jerusalém. especial. Assembléia de cidadãos regularmente convocada Privilégios do Cristão. Estéfanas.1 -1 3 A RESSURREIÇÃO CORPORA1. Consertado o pano ras­ Rm 10. chamado pela vontade de Deus dom. C f 12.1 CONCLUSÃO. 7. 16. Invocam.1 1 .7.9 Comunhão (g r koinõnia).12 Ação de graças 10 Rogo-vos.10 /Rm 12. . 6. "rasgões em pano". Orientações e Saudações. Sem culpa perante a tido. 11. 15. Irrepreensíveis. ao querer ser o melhor.1 .1 Apóstolo.c 1.23.7. (c fF p 2. nosso Cristo. Os Planos de Paulo de Visitar a Corinto. Unidos. pelo amor. 2 Co 1.8 Dom (gr charisma).15.2 9 -34 A Mesa do Senhor e os Altares Pagãos São Incompatíveis. sofrimento e glória de Cristo. isto é.40 Exaltação ao Amor. Ef 1. criou mais uma facção.39).3 5 -49 Aviso Prático sobre esse Problema Particular.1 . Seqiiénda dos Acontecimentos. dades (cf 3.1 2 -2 0 Diversidade de Dons Originados num Único Espírito.. que faleis todos a mesma respeito.1 6 -22 1 5. e ljo 1. 7 . pelo qual fostes chamados à lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus 2Co8.2.7 ). gado. 1607 1 CORINTIOS 1. 9. 11 Pois a vosso respeito.8).1 O Uso Correto dos Dons Espirituais.8ss). Senhor Jesus Cristo. 1 6. 9 Fiel é Deus.1. Qs cristãos par­ citado e receberam dEle a sua comissão apostólica (cf 15. Membros do Seu corpo que comparti­ mas partidos. Rm 16. fostes enriquecidos ITs 5. cf At 18. nele.7 sfp 3.1 -3 0 ' 7. 8. Apoio. 7 de maneira que não vos falte nenhum 2Co 1. Crispo. Nome aramaico de Pedro.24.9 ris 49.d ICo 10. Distinção entre o Corpo Atual e o Corpo Ressuscitado. lei. Perguntas sobre o Casamento. T.7. em toda a palavra e em todo o conheci­ Hb 10. 2Co1. Vitória Completa sobre a Morte.4. pelos da casa de Cloe. o povo convocado e dirigido por ( w 5 .2 3 .2 i>At 18.3 cRm 1. 10.40 Fornicação com Prostitutas.4 Desordem e Desconsideração à Mesa do Senhor. baseados não em doutrinas. que vos foi 1.23. Não cismas. O evangelho. Os cristãos.1 -1 5 A Ressurreição e o Sofrimento do Crente.5 -9 11. Disposição. No Dia.1. aguardando vós a revelação de nosso 1 para ser apóstolo de Jesus Cristo.. At 18. Capacidade de receber a manter a mesma conclusão baseados nos mesmos princípios verdade. Deus. contendas entre vós.1 7 -34 Exortações. Hom. 112. o dia da volta de Cristo. conhecimento.2 7 A Ressurreição de Cristo.11 Casa de Cloe.6 n Co 2. Senhor.7. dada em Cristo Jesus.16.4ss. em tudo.13 Senhor Jesus Cristo. Exortação à unidade 2Pe 3. 16.2 à igreja de Deus que está em Corinto*. 14. para serdes irrepreensíveis no Dia de aos santificádos em Cristo Jesus. da parte de 2Tm1. 1) Eleição ( w 2 .18. mas em personali­ lham da Sua vida (c f J o l5 ) .24.3.12 Litígio perante Tribunais Pagãos. o Dom mais Excelente. .1 -11 A Respeito dos Dons Espirituais. os que viram Cristo ressus­ 1.8 nosso Senhor Jesus C risto / para ser santos. meus irmãos.1 3 Limites da Liberdade Cristã. 1 2 . nosso Pai.6 Testemunho. e o 1. na mesma disposi­ 5 porque.17.5 elCo 12. 1. 9 8 o qual também vos confirmará até ao fim.! 2Ts 3. ção mental e no mesmo parecer.13.4 0 O Problema da Carne oferecida aos ídolos.1 — 11. de que há 6 assim como o testemunho de Cristo tem 1. 1. Esse par­ quem Ele dá o Espírito. 1 5. 1 6. 5 2 -5 5 d.5 ).8. fui mento. com todos os que em todo 1.7 comunhão de seu Filho Jesus Cristo.1 -5 8 A Necessidade de Tolerância e Auto-disciplina. .2 1 -2 8 1 0. que foram até Éfeso onde Paulo estava trabalhando nos anos 1 . coisa e que não haja entre vós divisões.' 3 graça a vós outros e paz.32.1 2 -1 6 Cefas. Senhor deles e nosso: 1. um Fato Central da Fé.11. Caio. 1 6 .5 0 -58 1 0 . Santificados.1 . Em sentido restrito. antes. sejais inteiramente unidos.10 Divisões (gr schismata).C. 4 Sempre dou graças a [meu] Deus a vossoITs 3.8 Deus. confirmado na experiência 1.1Pel. devem 1.1 irmão Sóstenes. irmãos.5 Palavra. Cm Cristo.1 Paulo.1— 14.1 — 14. . Revelação.0 2 1.3.1 3 . a propósito da sua graça.1 -4 0 1 2 . Ele promete cuidar daqueles a 1 . • N. Separados por Deus para um propósito 1. Representantes de um cristão de Corinto pelo Espírito. PAULO RESPONDE A UMA CARTA DOS CORINTIOS A ELE. 12.3 1 . 2) Recursos (cf At 19. 3) Esperança ( w 7. e do Senhor Jesus Cristo. sido confirmado em v ó s/ 2Co 13. Segunda vinda de Cristo.4 aRm 1.1 -2 0 O Exemplo Admoestatório dos Filhos de Israel.2.19).2 Igreja. De Cristo.

mais forte do que os homens.16 27 pelo contrário.28 cRm 4.29 ) e 2 ) O inquiridor (filósofo grego).2 1 . por­ "At 19. Valores de Cristo não tomou Deus louca a sabedoria do mundo? 1Co 2. 1Pe 2." . sábios segundo a came. 19 Pois está escrito: são. e santificação.14 26 Irmãos. mas para nós.27 mundo não o conheceu por sua própria sabe­ qual se nos tomou. o 30 Mas vós sois dele.4 1Co 1. 15 para que ninguém diga que fostes bati­ 2Pe 1. não com 1. e eu. pregamos a Cristo. . Lc 11. Paulo não permitia "paulinistas".1).23 vls 8. 1.23 .31). Cl 2.16 14 Dou graças [a Deus] porque a nenhum °1Co 16. noas» Deus (Gl 3.13 1608 dizer: Eu sou de Paulo.24 «'Rm 1. pois.41 doria. nem muitos de nobre nascim ento/ cruz de Cristo.31 c)r 9. Em nome de alguém implicava que pertencia e não tinha nem a sabedoria. reparai.16 do que os homens. ria (|o 1. a palavra da cruz é loucura Rm 9.18 íA t 17.8 gentios/ crucificado em favor de vós ou fostes. nem muitos podero­ sabedoria de palavra. e escolheu as coisas fracas do mundo para 18 Certamente.18.19 Sabedoria.18.e.34.24 23 mas nós pregamos a Cristo crucificado.17 Batizar.48 29 a fim de que ninguém se vanglorie na larei a inteligência dos instruídosr. os subordinados 1.15 A vocação dos santos outro. envergonhar as fo rte s/ para os que se perdem. 1.21 tMt 11.4 escândalo para os judeus. mas somente as idéias filosóficas e religiosas que negam a 1. em Cristo Jesus.25 Sem a loucura e a fraqueza da crucificação. No gr é presente contí­ • N. Rm 8 . 2 ) Ele é nossa justiça (2 Co 5-21: 1. de Apoio*. como está escrito: 22 Porque tanto os judeus pedem sinais. e as desprezadas.18. não me lembro se batizei algum 2Co2.. visto que não foram chamados muitos zar. O l 4 ção. Cf Rm 1. Os verdade de Deus serão anuladas.20-21. Mt 5. 14. 1.3 0 ). Crêem.14.29-31 Vanglorie. presente e futura.24. |o 4 . o 1. da parte de Deus.20 Sábio.2).6 21 Visto como.23 ventura. Não requeria dons especiais. e a fraqueza de Deus é zados em meu nome.22.13).29 "Rm 3. 1. Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios A mensagem da cruz 1. Confiar ou orgulhar-se em ahgo p ü pública aos não convertidos. P o r t a * alguns.23 Os judeus esperavam um Messias com poderes so­ 3) Ele é nossa santificação (Rm 6.18. aprouve a Deus salvar os que crêem Rm 4.18k 4% brenaturais (Jo 7.25. loucura para os 13 Acaso.12 *At 18.30 6)r 23. mas transforma pela ação do Espírito (At 1. batizados em nome de Paulo?1 judeus como gregos.15 der de Deus e sabedoria de Deus.22. 25 Porque a loucura de Deus é mais sábia 1. Batizados.1. que ICo 2. o inquiridor deste século? Porventura.5 Onde.20 ris 44. Lc 2. presença de Deus. 1) Ele é n o s a a lM R - nuo. O evangelho não so­ mente informa.17.3 Destruirei a sabedoria dos sábios e aniqui­ 1. po­ 1.32. 2 Co 3.25. para reduzir a nada as que s ã o / ICo 1.6). 1. 1 . tanto Rm 16.22 "Mt 12.27 Vocação (gr klêsís). Havia dois tipos: 1) O escriba (intérprete da lei mano. 1. na sabedoria de Deus.24.14 mAt 18. o escriba? Tg 2. deria ter havido a sabedoria e o poder da ressurreição e os inumeráveis benefícios oriundos dessa. mas para pregar o evangelho. 1. na vossa voca­ 17 Porque não me enviou Cristo para bati­ 1. 1.21 Pregação (gr kêrugmd). como tal.48. morte.8 28 e Deus escolheu as coisas humildes do somos salvos.5-6. e aquelas que não 1. de Cristo. 2Co 5. i. não da razão somente. fé habitual. pela loucura da pregação.1 3 '2Co 11.2.8).28 sos.2. e eu. Hom.p l mais pobres e Deus os chama para frustrar o o r g ^ a t lá r 1. 1. p 1.29. ria. 1. Aquelas que não são.25 ção. não são necessariamente mais receptivos ao e v a n g d h o . 1Co 1. C f 1.17. Não todo o conhecimento secular. para que se não anule a Rm 1.14.26 *|o 7.18 Poder (gr dunamis).1 2 . glorie-se no como os gregos buscam sabedoria.26.24. Enfatiza a insignificância das pessoas. não po­ cuidaram desse rito (At 10. e redenção.21 Aquele que se gloria. não alguém que seria amaldiçoado por nossa redenção (H b 9 .4. Hb 11. Não muitos.38.27 rSI 8." 1.17 PlCo 2. Cristo. além destes. Cristo está dividido? Foi Paulo 1. exceto Crispo"1e Gaio".24 Senhor". 24 mas para os que foram chamados.19 ris 29. E f4 . sabedo­ 1. 9 mundo. A salvação depende da revela­ honra e bem -aventurança própria (3 .9. e justiça. opera milagres (cf Rm 4 . de Cefas. A atividade de Deus é o õ A Ü t judaica. poder de Deus. nem o poder para se salvar de ttt seria fiel a essa pessoa. 16 Batizei também a casa de Estéfanas0. Maravilhoso Senhor.16. 31 para que.1 CORINTIOS 1. e eu.*v de vós batizei. A mensagem e sua proclamação 1 .28 Coisas. 20 Onde está o sábioJ? Onde. Os gregos escarneciam de uma divindade que passada.

A revelação se refere às realidades do doxo. jamais teriam crucificado o |d 1. outrora oculta. 2.5.24." 2. Tg 3. 1|o 4. julga. quando fui ter convosco.21).9 vras ensinadas pela sabedoria humana.11.7. O Espírito conhece a Deus por dentro como ção é o N T todo.1 <nCol. porque. que ICo 1. pelo Espírito (Rm 8. tos racionais fica à mercê de melhores argumentos.2 Leite.2. e sim o Espírito que vem de Deus.4 ) cuja exposi­ evangelho todo.2 eci 6. expomos sabedoria entre os mMt13. também as coisas de Deus. Ele morreu para nossa glória.25.14 íM t 16. At 3. porque lhe são 2. Refere-se a certas frases de 3 .ra 11 Porque qual dos homens sabe as coisas sabedoria. .2 uHb 5.4.33-34 as coisas.9 deste século.P A verdadeira sabedoria. pressão psicológica. mas testemunhas.7 mor que eu estive entre vós. 2 anunciando-vos o testemunho de Deus.19. e aceita somente pela fé.14 não o fiz com ostentação de linguagem ou de 2.10 loucura. senão o Espírito de 3 E foi em fraqueza'.4.23. É todo o desígnio de Deus (A t 20. porque ainda não podíeis su- 2 . o espírito do homem conhece a si mesmo.1 Carnais (gr sarkinois). "Humanos". que se reduzem a nada. "da alma". experimentados. A razão humana que rege no mundo. 52.5. suasiva. 2 . Um para­ Deus tem preparado.8 Mistério.15 iPv 28. mas rejeita os conceitos. porém.1 7 -3 0 ).11 "Pv 20.13 nem jamais penetrou em coração hu­ 3.12 Espírito do mundo. nem a dos poderosos desta 2.17. Convicção baseada apenas em argumen­ certas para transmitir os conceitos espirituais.14-15 2 Leite vos dei a beber“. transformação física. não em pala­ Cl 1. Não são demônios mas krinetai).15 ninguém / mistério.13.19 As dissensões demonstram Senhor da glória. nou desde a eternidade para a nossa glória.10 Eu.7 dado gratuitamente. o homem natural não aceita as 2. O cristão 2 . a falta de espiritualidade 9 mas.20.8 *Mt 11. 2. senão o seu próprio espírito.1 3 como a espirituais. na fé. mas 5 para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana..1 4 ). O que oradores. suprema autoridade de Cristo (SI 29. Argumentos racionais. como está escrito: ITs 5. se­ ITs 1. peneira.5 2Pe 1.3 . do homem.21. ensinadas pelo Espírito. sos deste século conheceu. Hb 6.16 nhor.9. do mundo. como a crianças em Cristo. não a Jesus Cristo e este crucificado. É aquele que vive guiado autoridades romanas e judaicas (cf 2 .1) em Is 6 4. 2Co 3.4 O ensino do Espírito Santo coisas do Espírito de Deus.1. 12 Ora. 65. Avalia. 13 Disto também falamos. um resumo da mensagem cristã (1 5 . a qual Deus preorde. Porque eram nenês ção do Seu futuro como co-herdeiros (Rm 8 . perfeição moral e participa­ 3. A divina excelência e pensamentos de Deus por meio das Escrituras.15.16 ris 40.9 até mesmo as profundezas de Deus. porém. nós não temos recebido o espírito 2. . não.13 P l Co 1. nem ouvidos ouviram.18).0 de poder.16 ninguém as conhece. examina com intenção de julgar os aspectos espirituais de tudo. 2. especialmente forma simples.* 2. temor e grande tre­ D eus. oratória. O mesmo desenvolvido e . . não regenerado.18. não vos dei ali­ aqueles que o amam'.23.34).5 h2Co 4. 2Co 10. Linguagem per­ 2.27.15 para que conheçamos o que por Deus nos foi bedoria.' Rm 11. Entende as palavras. Alimento sólido. etc. Uma verdade antes oculta.' mano o que Deus tem preparado para MCo 2. conferindo coisas es­ Jo 7.4.6'1 Co 1.15 s).2 O caráter da pregação de Paulo 2.12 °Rm 8. Coração. irmãos. C risto. 9 /Rm 16. 3. Amor é mais do que uma emoção ()o 14. a sabedoria 1)0 2. Mas são necessários para captar o ouvido do não crente 2 .12-13 mento sólido.14 pirituais com espirituais. 4 A minha palavra e a minha pregação não 2 0 ) 1.25-26. 10 Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito.17. 16 Pois quem conheceu a mente do Se­ 2. (cf A t 17.27. 2.4 sRm 15. São os espiritual­ nós fornece uma nova capacidade de discernimento (gr ana- mente maduros 13: 1).27 se discernem espiritualmente.26. Glória.28. 1609 1 CORINTIOS 3. Pregadores não devem ser a mente. A vida interior. crucificado.48. 15 Porém o homem espiritual julga todas época. porque elas 6 Entretanto. temos 8 sabedoria essa que nenhum dos podero­ a mente de Cristo5. "perfeitos".13 Espírito. porque o Espírito a todas as coisas perscruta. Mc 1. se a tives­ ICo 1. .1 ss).5 Palavra (gr logos). e não pode entendê-las. e sim como a carnais. 12. agora revelada por terá a mente de Cristo.17. 1 Pe 3 ..' 2Pe 1. Poderosos. porém. Espiritual (gr pneumatikos).6 Experimentados (gr teleiois). irmãos.8.1 Eu. se ele deixar o Espírito revelar os Deus. mas ele mesmo não é julgado por 7 mas falamos a sabedoria de Deus em 2. e sim no poder de DeusA 2. consistiram em linguagem persuasiva de sa­ Ef 4. nele está? Assim.d 2. A mensagem (1.. Ele ajudou os escritores a acharem as palavras emocionalismo. não vós pude falar Nem olhos viram. mas em demonstração do Espírito e 2.9-1 1 Como está escrito. 14 Ora. 2Tm 1.9 lis 64.3 (At 18. O Espírito em 2. que o possa instruir? Nós. 18.1 4 -1 6 Natural (gr psuchikos).2 Testemunho (gr marturion). 2 Porque decidi nada saber entre vós. 2. sem conhecido.4.17.

2C6 6. 3. Três vezes em posição enfática no grego. 0 mundo (gr kosmos). e outro edifica sobre ele. que se manifesta na igreja local.11 mens. prata. e qual seja a obra de cada 3. verbo indica absoluta certeza. presente.4 wl Co 1. seja Apoio.9 cAt 15. "Salário" (cf Ap 22. O universo físico.12. seja a vida. É o "salário" que não depende do êxito mas do são (N m 19.1 CORINTIOS 3. esse receberá Paulo”'. o que planta e o que rega são um. cimento veio de Deus.7.11.6. C f l 5 .16 Santuário (gr naos).5 construtor. ? O gr tem Q u e . 20)4.11 8 Ora. Senhor concedeu a cada um.19. além do que foi posto.1 6 -19 ).4. Nem ainda agora podeis. Na perseguição e julgamento 3. Contraste 3. lPe2. e cada um receberá o seu galardão.5 sáb io / A responsabilidade dos que ensinam 3. sofrerá 5 Quem é Apoio? E quem é Paulo? Servos 3. 14 Se permanecer a obra de alguém que 4 Quando. palha.3 1610 portá-lo. o qual é 3.. .16 ainda sois carnais.1 8 -2 0 No grego. no qual existia o lugar Quem .22 Todos os ministros pertencem à Igreja toda para servi- 3.4 . prata.8 &SI 62.14 9 10 )4 . Os templos pagãos tinham seus deuses. os outros materiais.5 Andais segundo. por meio de quem crestes.5 4 -5 7 . seu próprio trabalho. edifício de Deus sois vós.16.* Gí 6.15.17 A penalidade para a profanação do templo era a exclu­ Galardão. que dá o 3.14. Aqui não se trata de trabalho. feno.5.12 Ouro. que em si mesmos não têm nem mensagem nem Espírito de Deus habita no Templo que é a Igreja Universal poder.9 Lavoura. Porém deles7.3 Ciúmes (gr zelos).c 1Co 4.11 ele dano.1T eis 28. incluindo todo o dos na construção de templos. pois.21 "1 Co 1. e isto conforme o 3. cura diante de Deus. humildes. como que através do fo g o / 1Co 4. 3. (do juízo).7 18 Ninguém se engane a si mesmo: se al­ 9 Porque de Deus somos cooperadores. mas o cres­ e que o Espírito de Deus habita em vós?' 3. guém dentre vós se tem por sábio neste voura de Deus. que são pensamentos vãosm.. alguém diz: Eu sou de 1Pe4. A vida. O natureza humana decaída.3 HCo 1..11 sobre o fundamento edificou. seja a morte.4-11 galardão..3.8 As funções são de importância igual e complementares.1. ? Q uem . segundo d 3. A morte. Carnais (gr sarkikoi). nem o que rega. havendo entre vós ciúmes e revelada pelo fogo. pedras preciosas (ou mármore) foram usa­ la. Ele apanha os sábios na própria astúcia dada.b GI1. ? Q u e . indício de carnalidade. mas esse mesmo será salvo. porque 3.9 At 18. Jesus Cristo. dais segundo o homem?1' 2Co 3.1).24-28 que andais segundo os homens? 15 se a obra de alguém se queimar.12. sejam aprofundado. faça-se estulto para se tornar 3 .7 °2Co 12. Tg 3. não é evidente 3 .6 /At 18. Lc 1 9 . Deus.3) do Arquiteto que lhe deu o por suas idéias. O 2. . Um somente. em casas verdadeiro conhecimento secular.35. seja madeira. IPe 17 século.11 Paulo era o "mestre construtor" (gr architektõn).16 O Senhor conhece os pensamentos dos sá­ damento.1 9 'JÓ5.e 3 . 1Pe4.31).16. pedras preciosas.20) ou a morte (Lv 15.10 °Rm 1.5. seja Cefas.17/(16-17) cada um veja como edifica.13 21 Portanto.12.16 )1Co 6. Está sendo revelada pelo fogo. se o que alguém edifica sobre 3. mas Deus.5 x Rm 12. é sagrado.4-5 16 Não sabeis que sois santuário de Deus 6 Eu plantei)'. todavia.3.. porque tudo é vosso:" o fundamento é ouro. Rivalidades e contendas são sempre um avalia-se o trabalho.5. não é assim que sois carnais e an­ um p próprio fogo o provará/ 1Co4.15 Galardão.5 Deus.d 10)6. Deus o destruirá. . 22 seja Paulo.0 1Co 4. . ninguém se glorie nos ho­ 12 Contudo.1. o templo as funções. ? salientando santíssimo. que sois vós. contendas. neste século".20 mSI 94.15 o mundo. porquanto está escrito: 10 Segundo a graça de Deus que me foi 20)6.15 P)d 1. mão de obra inferior mas da destruição da comunhão. pois o Dia a demonstrará. ca­ forte do cristão na igreja e no mundo. . la­ 3. porque está sendo 3. A sabedoria humana sem valor 2 C o ll. 3 . mas o milde. a reali­ 3. Servos (gr diakonoi) de nivel hu­ de lerusalém tinha um símbolo da presença divina. Deus.5. não as pessoas. e outro: Eu. 3 . Apoio regou*. porque o santuário de coisa. 3. de Apoio. projeto. . De dade mais preciosa da igreja. É o campo que Deus está lavrando (|o 15. "dentre em vós.23 19 Porque a sabedoria deste mundo é lou­ 3.. Todos são responsáveis pacitado pela graça (Rm 12. 20 E outra vez: 11 Porque ninguém pode lançar outro fun­ 20)6. 17 Se alguém destruir o santuário de 7 De modo que nem o que planta é alguma IPe 2.18 *Pv 5.13 0 D ia . 3.7 bios./ crescimento. 3.19. . 3. 13 manifesta se tomará a obra de cada um. Agindo meramente como homens. lancei o fundamento como prudente Hb3.4.12 3 Porquanto. Cristãos controlados pela 3. 3.13 íLc 2.10.

com atos. não teríeis. e contudo.6 Estas coisas. Rm 8. em último lugar. É ironia. vós. para que por nosso exemplo aprendais 20)4. 3.0 8 Já estais fartos. Em relação aos escravos. ainda que tivésseis milhares de em detrimento de outro.8 "Ap 3.4 julgado (gr anakrinõ). Paulo usou (1 Ts 2. trabalhando com até que venha o Senhor.9 "SI 44. Veja 2.e.. um supervisor. rações.7 fjo 3. já estais ricos. Exibiu. Cf 15. o lugar dos domo ou administrador.1. riados. por­ despenseiros é que cada um deles seja encon­ que nos tomamos espetáculo ao mundo. um servo.“ 4 considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. de Cristo. 12 e nos afadigamosr. 5 . 4.11. 2 P e 3 .1 2 . e Cristo. a reinar sem nós. 7Co 3.21. Apoio e Paulo não eram rivais (3 . Paulo escreve de Éfeso (cf 15. temos chegado a ser consi­ 4.1 Ministros (gr hupêretos). em xados para trás.4). 4.45 preceptores em Cristo.14 o1Ts 2.11.7 tiv e r a s r e c e b i d o ? c 23 e vós. figuras para não mencionar os nomes dos líderes culpados.10. e somos esbofeteados. 4.13 ^Lm 3.1 0 s s . e nós. a anjos.9 6 Estas coisas. p o r Q u e te v a n g lo r ia s .12 e vós. sujeitâ-se 4 .18. 2 Ts 3. Quando somos inju­ trará à plena luz as coisas ocultas das trevas. Cf R m 2 .4. a mim mui pouco se me dá de 20)5. mas.11 »tribunal.v 3 Todavia.18. Os pregadores responsáveis a Deus 2Co 6. sábios em Cristo. Nada era Paulo. Is 5 .35. então. Embora novos na fé. mento.1 4 -1 6 Admoestar. 2 Ora.1 3. 4.11.1) mas ao trabalho. nobres.27.9).30-31.24). dia 3. tanto 4. com palavras.13.8. chegastes 4. i.w 4 Porque de nada me argúi á consciência. pois quem me julga é o Senhor.8ss). como homem. Está escrito. pois. em relação aos bens. i. os apóstolos. Sem nós.3 15 Porque. justifi­ cado. c o m o se o n ã o / 7C o 7 1.33. No gr "ser inchado (Ef 6 . Despenseiros espiritualidade maior do que seus mestres. tomara reinásseis para 1Co 3. desprezíveis.6).4). Tomara. fortes. fracos. a fim moestar como a filhos meus amados. 1611 1 CORÍNTIOS 4. no original. SI 94. 9 1Pe4. e nudez. perseguidos. Os bens são os mistérios (a Palavra) condenados. 4.5 4.3 2 . 8 . ser julgado por vós ou por tribunal“ humano.1 PMt 24. sendo observados por multidões de 4 . usa seu direito de pedir aos filhos inerente..1 3 Os gregos desprezavam o trabalho manual 4.11 Até à presente.. na procissão.12) mas seus seguidores eram. cada um receberá o seu lou­ 2Co4.19. bendizemos. / b e s te . Preceptores (gr paidagogos) eram escravos que super­ como foles" (cf 4 .1. . Injuriados. na arena romana.ICo 1. 12.13.6 . sim.1).8 Fartos. s e ja m a s fu tu r a s. por vossa 4. 4. o qual não somente 4. vosco. e.10 9 Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós. se orgulharam.1 6 . até agora.45.24. nem eu tampouco julgo a mim mesmo. como a homens. trado fiel.10. sofremos fome. não em relação à salvação (Rm 5.7 Tudo o que tinham foi concedido por Deus. Ensoberbeça.10.12 yAt 18.23 Cristo é ig u a la Deus. relação ao Senhor. Tribunal humano (no gr "dia humano").8.3. Criticar em amor. .17).14ss. Hb 4 .10. achando que já haviam alcançado um grau de 4. ao Pai.11 *JÓ22. além disso. 14 Não vos escrevo estas coisas para vos causa. e vós.15 a s c o is a s p r e s e n te s . 2CO 10 .6 sRm 12. derados lixo do mundo. 1 Ts 1.1.5.12 . . reinar (Ap 3. A figura trata de gladiadores lutando com feras de Deus. rico s. quando perseguidos. apliquei-as figura­ Paulo os admoesta como pai damente a mim mesmo e a Apoio. Hb 6. que também nós viéssemos a reinar con­ Assim. nada julgueis antes do tempo.10 temos morada c e rta / 5 Portanto.32. contudo. nem por isso me dou por justificado. Louvor.22. 13 quando caluniados. o que se requer dos Pv212 como se fôssemos condenados à morte. importa que os homens nos Cl 1. Hb 10.0 de que ninguém se ensoberbeça a favor de um 4. Ef 3 . 1Pe4.2 3 o R m 14. 10 Nós somos loucos por causa de Cristo. pelo contrário. irmãos.9 Pôs. Exame crítico preliminar ao julga­ testemunhas humanas e celestiais (1 5 . v o ss o . su­ mas também manifestará os desígnios dos co­ ICo 15. 16. um mor­ 4.3.4 4|ó 9. Ap 20.10 tv2Rs 9.3. 16.58.2.33 vor da parte de D eus/ liação. Especialmente de 3. procuramos conci­ Hb 10. 13.. tu d o é / 3 .9. Especialmente citações de 4 . 7 Pois quem é que te faz sobressair? E que tens tu que não tenhas recebido? E.12 11 Até à presente hora. em último lugar. e não 4.2. 4 . É o dever do pai Jr 9 . nós. Usado em contraste com o divino. portamos. sede. para imitá-lo s (1 1 . pai espiritual único.5 Desígnios.6.5 até aqui. 8. visionavam e acompanhavam os rapazes à escola (Gl 3.5 rMt 7. Um subordinado.17 as nossas próprias mãos. para vos ad­ isto: não ultrapasseis o que está escrito. escória de to d o s/ Uma reprovação severa ICo 1.8 envergonhar. de Deus. se o rece. dei­ (gr oikonomos).P 4.25.e. 2C0 13.

ou mal­ não chegastes a lamentar.22. 1 Co 10. pois.ls s e 15. dizente. Deus os julgará.7 13 Os de fora.2.3 . como se eu Hb 6. for impuro.“ 4 . v 9 5 .20 sociásseis com os impuros.2/10)4. já senten­ 5.14.29. Sua consumação Cordeiro pascal. 2Tm 1.5 em palavra. de entre vós o malfeitor.14 5.15. para que fosse ti­ 1) 0 5. 2 E. 3 Eu.17 4.19 Senhor/ 16 Admoesto-vos. A dos possam saber que o pecador está afastado da comunhão sentença incluiria provavelmente sofrimento e doença física. 2Ts 3. como. Am 2.5 fermento. ou aos avarentos.7. vos mandei Timóteo. 5. 13.3 7 Lançai fora o velho fermento. neste caso.1 CORINTIOS 4.b Cl 4. Seria a autoridade apostó­ lica na disciplina (cf 2 Co 10. o 1Ts 3.21).10 Carta. Usa linguagem Não é punitiva. Temas pascais se encon­ tram em lO . creve pouco antes da Páscoa (1 6 . Uma anterior a 1 Corfntios que não temos. Geralmente. Fp 3. nosso Cor­ 19 mas.9 10 refiro-me. Ap 5 .16 1612 muitos pais. .5 Expulsai.21 Vara.12. Rm 1 4 .1 <Dt 22. tal. ou avarento. vem associar-se com incrédulos ()o 17. ou idólatras.20.2.1 S). ainda que ausente em2) o 1.22. (cf Êx 12.1 9 'At 18.18. Não comais.4 'Mt 16.14s). mexericada. com o poder de Jesus.14. 1Co 7. A madrasta possivelmente era viúva ou divorciada. Meus caminhos. de fato.15 i>At 18. carne. haver quem se 2Co6. ou idólatra. mas presente èm espírito. 8 Por isso. contudo? andais vós ensoberbecidos1Co e 1. como 5.1.12 'Mc 4. celebremos a festaP não com o 2Co 7. Cf Lc 17. abusiva.2 0 Reino de Deus.1 4s). Possivelmente esposa. 18 Alguns se ensoberbeceram. em casa ou outro lugar para que to­ Satanás cruelmente reina (cf Ef 2 .17. . Lançai fora.18 fIC o 5. 9 Já em carta vos escrevi que não vos as­ At 26.11 J Mt 18.9. sem ITs 1.13 dDt 13. nem ainda comais.11.8).13). 1 )o 5. 2 )o 10s. Entregue a S a ta n á s. mesmo entre os gentios. mas o poder dos ensoberbecidos/ 5 . saúde.5 Paulo pede aos membros executarem a sentença que e 2 Ts 3. 5 Dt 16. testemunho coletivo (cf Ef 5 .36. rei em Cristo Jesus.8pÊx 13. Os cristãos não devem envolver-se com crentes ele pronunciara. 5. 5. com esse praticou?! Cl 2.7.19. ou beberrão.21. A metáfora provém da Páscoa seu método de vivê-lo (1 1 . incesto era contra a lei judaica (Lv 18.12.16 OCo 11. vos ge­ 4.2 6 Não é boa a vossa jactância. Dia do Senhor [Jesus]. A excomunhão tem a esperança de produzir arrependimento. dizendo-se irmão.12.20). Primeiro uso da palavra grega. dentro?' ITs 4. toda? cada igreja.15. Cl 1.6 "Gl 5. Cristo (Cl 1. 2 Ts 2. De­ (cf 1 Tm 1.10 12 Pois com que direito haveria eu de pessoa. e sim com os asmos da 21 Que preferis? Irei a vós outros com 2CO2. julgar os de fora? Não julgais vós os de ciei. que um pouco de fermento" leveda a massa Cristo Jesus.2. ensino em 1Co 16. isto é. Quem sacrifica o dever (de família.7) e romana. Rm 16.7.5. O reino ou área de controle imediato de igreja seria compartilhar na culpa do pecado (cf Ap 2. porém.17.6. 2 Co 6 . Deus) para obter lucro.13. 4. reunidos vós 5. agora. O é de origem paulina.. por toda parte. e o meu espírito. portanto.10).3 *CI 2. ou roubadores.8. ITm 1.2 4 .27. Lc 12.14. pois eu. Tem a tendência de (At 19.3 imoralidade e imoralidade tal. Talvez já estivesse a caminho de Corinto 5 . Paulo es­ é futura. Em sentido figurativo.21 S2Co 10.19 rado do vosso meio quem tamanho ultraje 5. nosso 1Co 3.19). sejais nova massa. a fim de que o espírito seja salvo no 17 Por esta causa. irei visitar-vos. Era a exclusão da igreja com suas bênçãos.10 Idólatras.1 7 Timóteo.23.17<Mt 19. em breve. pelo evangelho.19 aos impuros deste mundo. S. Ef 5.3 .12.11. Pois também Cristo.7 °Êx 12.d 2Co 1. não propriamente Repreensões e exortações 5. numa professos que vivem em pecado escandaloso para não diluir o sagrada solenidade jurídica. |o 1.6.20). como se estivesse presente.s 2Ts 3.11 Não vos associeis (gr sunanamignusthai. como sois. associeis com alguém que.5 m|ó 2.1 ).30 lavra. 5 entregue a Satanás para a destruição da meus imitadoresc.10 velho fermento. Avarento. 5. (2 Ts 3. Maldizente. e.4.14^20.1-4.6 .• privilégios e proteção e devolução ao reino das trevas onde M t5 . então. nem com o fermento da mal­ 20 Porque o reino de Deus consiste não 5.20. Mal de qualquer tipo. mas corretiva. não em segredo. mas em público.20 91 Co 2. como nem 5. 13. ou roubador. se o 4.11. teríeis de sair do m undo/ 11 Mas.15.14). Possuir.18. Não sabeis qual vos lembrará os meus caminhos em 4. dade e da malícia.5.* 4. Tolerar o mal na 4 .7. a que sejais 4. 9 5.*) A impureza da igreja de Corinto.1 7 -1 8 .k ITm 3. mas em poder.10 r|0 17.m que é meu filho amado e fiel no Senhor. para que não tivesse de ir ter convosco. na verdade. conhecerei não a pa­ deiro pascal0. pois. se ouve que há entre vós 5.1 Imoralidade (gr porneia) de qualquer tipo. Conteúdo da fé cristã e se difundir em tudo.10 sinceridade e da verdade. vara ou com amor e espírito de mansidão?h 5.21. C f Êx 12. de tal infâmia seja.7 fermento.2 Senhor quiser. que o autor 10)6.1 7s). foi imolado. 4 em nome do Senhor Jesus.6.8.9 91 Co 5. vos escrevo que não vos atreva a possuir a mulher de seu próprio pai'.1 1 . com isto.

9 <j 1Co 15. Hb 10. . Rm 8. a submetê-lo a juízo perante os injustos e não perante os santos? Ap 2. Cf SI 8. como jesus o fez.31 ). serão os dois uma só sofreis. queremos.8. o dano?>' 17 Mas aquele que se une ao Senhor é um 8 Mas vós mesmos fazeis a injustiça e fa­ 6.11 i>1Co 1. vós.6 13 Os alimentos são para o estômago. 6. que está em bados. antes. para o corpo. a injustiça? Por que não sofreis.17.23.22 14 Deus ressuscitou o Senhor e também igreja.d queles que não têm nenhuma aceitação na 6. quando tendes a julgar Ap 22. Idólatras.7. .4*1 Co 5. e isto aos próprios irmãos !z ICo 12. Quem comete pecados sexuais. 1613 1 CORINTIOS 6.22 .3 *2Pe 2.5 . sois.h zeis o dano.5. Aventura-se algum de vós.1 9 -2 1 ). nem bê­ 6. mas fostes santificados. o qual tendes da parte de Deus. Não há. nem sodomitas. mas o dever de agir para Sua glória.ls s . 2) santifica­ vida toda em submissão total ao Espírito (cf Jo 15. 3) justificados (Rm 5 . Ef 5. 6 .15 não é para a impureza. cl Co 10. ITs 4.16 20 Porque fostes comprados por preço.2). mas vós vos 2Co 6.5).1 0 Herdarão. . 2Co 4. 1 Pe 1 .10 .16.1).15.1 4 .3. 2 Tm 2 . gar as coisas mínimas?1' lTs 5. nem avarentos. nem roubadores her­ 1TS4.12 Talvez uma citação de Paulo usada em Corinto para santos.18 >Rm 1. Efeminados e sodomitas. Ap 1.5.13 ).27 18 Fugi da impureza.8 Achavam-se sábios. Adúlteros.8. 1 Ts 4 .0 19 Acaso.3 julgar. não pode morar em santuário Rm 4 .3). Deus comprou o crente indivi­ No templo de Afrodite em Corinto. 6 . • N. 6 Mas irá um irmão a juízo contra outro ICo 2. 6. Não temos o direito de agir como to. santuário do Espírito Santoi. nem todas convêm. São três aspec­ dignidade cristã. Não se refere ao caráter moral.5 . Ef 1.1 9 O Espírito. nem idólatras.18 Fugi (imperativo).19/lCo 3. (2 . mas 6. constituís um tribunal da­ o Senhor. Injustos. 6 .1 Outro.4 vós. Homossexuais (C l 5 .12 gar o mundo? Ora.* A sensualidade é condenada 2 Ou não sabeis que os santos hão de jul­ 6.21-23 efeminados. porventura. Anjos. Qualquer outro pe­ 9 Ou não sabeis que os injustos não herda­6.2. vós. Significa ligação leal e permanente.9 .12 15 Não sabeis que os vossos corpos são ventura. plo de Deus (cf 3.26 6.4 Cristo e no Espírito do nosso Deus. nem adúlteros. sendo santo. 17.4 Os descrentes julgariam com normas mundanas 6 .50. 6.24 cado que uma pessoa cometer é fora do corpo. ITm 1. Um direito torna-se pecado se Deus. mas. Os rabinos judeus não permitiam que os tos de uma só experiência. 6. 6. Cf 4 .16 gGn 2. "Tenham o costume de fugir sempre" 6 .e 5 Para vergonha vo-lo digo. 6.14. carne?. indignos de jul­ Lc 6.20 Glorificai (enfático). nem maldizentes. para os alimentos. 7 .9 . 6 .11). não sabeis que o vosso corpo é 10 nem ladrões.24. se o mundo deverá ser 12 Todas as coisas me são lícitas0. 1 6 Ou não sabeis que o homem que se une 7 O só existir entre vós demandas já é à prostituta forma um só corpo com ela? Por­ completa derrota para vós outros. Aventura-se.17 contra o próprio corpo.10. Por que não 6.1 6n). Impuros. Insulta a dos (1. rão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem mas aquele que pratica a imoralidade peca impuros.20 Paulo censura o litígio entre os irmãos 6. Hb 2 .28. O procedimento certo. e isto perante incrédulos! Ef 5.1 6|o 17. não. Todas as coisas me são julgado por vós.22. prejudica o próximo ou a nós mesmos. Idéia de fundo judaico (cf M t S . mas Deus des­ vida!*v 6.1 5 -20 .2 *SI 49.15 fRm 12. Hom. acaso.5.17). Porém o corpo 4 Entretanto. a prostituição fazia parte dualmente e a Igreja toda (Corpo de Cristo) para Sua habita­ do culto.8 *1Ts 4.* nos ressuscitará a nós pelo seu poder. mas à posição perante desculpar a conduta errada.f irmão.16.19-20. Mc 10. 6.12. 6 . Os que violam' a santidade do casamen­ ção pelo Espírito. mas fostes Mt 19.5. truirá tanto estes como aquele. jesus viveu Sua Os crentes são 1) lavados (Tt 3. e negócios terrenos.42s..4).23 membros de Cristo? E eu. (noos) poluído Vosso.12 ). Ef 5 . espírito com ele. por­ 6. . nem ao menos um sábio entre vós. como se diz.. A imoralidade destrói o tem­ Mt 1 8 .11 Uma nova posição requer uma nova conduta.17 Se une (gr kollõmenos "união física".9. cf Mt 19. sois de vós mesmos? 11 Tais fostes alguns de vós.14. (C n 39. lavastes.29.75 lícitas.15 O corpo é destinado a ser transformado (15.14 eRm 6. para o Senhor. Tem o sentido de governar com Cristo (Ap 5. e o próprios anjos? Quanto mais as coisas desta estômago. tendo ques­ justificados em o nome do Senhor Jesus 6 tão contra outro. Cl 3. Trata-se de outro cristão.2. meretriz? Absolutamente.13 °Mt 15.6. problemas fossem resolvidos por tribunais gentios.5.14. e que não darão o reino de Deus. tomaria que possa julgar no meio da irmandade? os membros de Cristo e os faria membros de 6.30. mas eu não me deixarei dominar por 3 Não sabeis que havemos de julgar os nenhuma delas.19-20 antes. 2 Tm 2 . nem 6.7 xPv 20. que.

15 teu marido? Ou. ITs 3.12 o1Co 7. . A estabilidade da família ICo 7. sendo ambos convertidos.25. não se dominem.18. e sim a mulher.1 marido.1 IPe 3.6 vos tem chamado à paz. cada um conforme Deus o casem.5 ). A idéia que a abstenção é mais santa veio do paga­ 7.29 ). nem a irmã. está certo.8.32. outro. de outro. e esta 7. )l 2. por mandamento.n san to s/ 7. o marido não tem poder so­ 7. que resulta da conversão. nova­ Lc 16. que se 7.11 s. um dom (gr charisma) de Deus. 1$m 21.2 Os capítulos 5 e 6 advertem contra a libertinagem pagã.7 Isto. Palavras semelhantes em 7. por algum 7.23. (cf 1 Pe3. 10 Ora.3 ™Èx 21. autoridade.2 -5 .24. Paulo Se o cônjuge não crente deixar o outro em reação contra o prefere o celibato por boas razões (2 9 .20 kAt 20. Pv 6 .18-19. um. Não se divorcie.25.11 í{10-11) 6 E isto vos digo como concessão e não Mt 5. 15 Mas. 1.12. militar. se seria bom se permanecessem no estado em "Rm 12.4 Poder. ao seu marido.6 o1Co 7. pare. 9 17 Ande cada um segundo o Senhor lhe 9 Caso.3 5) e porque tem evangelho.3. cada um mulher. se próprio marido. se salvarás dade."' tem de Deus o seu próprio dom. o Senhor.' tenha a sua própria esposa. para que Satanás não ICo 7. que a mulher não se separe do Respostas a perguntas 2Pe 2.5 Priveis.14.32 . Geralmente o homem deve casar-se.1ss). de um modo. à conversão situação social difícil.1 marido5 acerca do casamento 7. Hb 13.14 14 Porque o marido incrédulo é san­ 5 Não vos priveis um ao outro. em tais casos. o crente não tem culpa (cf Lc1 2.10). O membro incrédulo recebe in­ 7 . porém. com consenti­ como em Israel. não um inspirados pelo Espírito (40). 7 . é possível que fosse viúvo. os vossos mente.12. ó mulher. 13 e a mulher que tem marido incrédulo.33 que também eu vivo. 7 .5. mas o nismo (1 Pe 3.6. não se case ou que se reconcilie com seu ma­ que o homem não toque em mulher.12.2). O Senhor (M t 5 .12. ordeno.0 Mc 10. apesar de muitos não estarem salvos (10. Paulo distingue entre os mandamentos o cap 7 contra o ascetismo.16). 14.5 1 ss. para vos dedicardes à oração e. aos casados.32.3 Lhe é devido.28 as igrejas/ 7. 12. não a aban­ devido. cada um 7. onde todos gozavam de certas bênçãos de mento mútuo e para uma finalidade boa. consente em morar com ele.e .15 16 Pois.14 * Ml 2. não deixe o semelhantemente.9 '1Tm 5. Não se se­ 7. Não O ideal: ficar livre para melhor servir a Deus (3 2 ). porque é melhor casar do que viver 7.15. expressos de Cristo e suas próprias instruções de igual valor. Abstenção temporária. ó marido. porém. agora.16). 19.20. salvo tal­ tificado no convívio da esposa. e que o marido não se aparte de sua 2 mas.4-5.9 Solteiros e viúvos (gr "viúvas"). São destacados por sua local ou profissão. Termo Paulo cita os coríntios.1 0 -12 ). É assim que ordeno em todas abrasado/ 2Co 11. 8. por causa da impureza. incrédula é santificada no convívio do tempo. que 7 Quanto ao que me escrevestes.10. Os filhos pertencem à comunidade cristã. porém. 7 .4).1 1614 Agora.8 11 (se.11 Casados. Se Paulo era membro (At 26. 16.17 O recém convertido geralmente não deve mudar de 7 . no entanto.12 se referem a perguntas feitas pelos coríntios. como sabes.31. e cada uma. e também.5 3 O marido conceda à esposa o que lhe é algum irmão tem mulher incrédula.5 próprio corpo. Ordeno.7. pois.6. e a esposa vez por mútuo consentimento..1. Defraudeis. vos ^juntardes. bém (M t 1 9 . O casamento exige dons tam­ 21.1 tem distribuído. Lc 16. quer dizer. P 8 E aos solteiros e viúvos digo que lhes 7. 7. O tem chamado.18 que se aparte. é bom 7.16 *1Pe 3.7 rido). são vos tente por causa da incontinência.1. e ICo 9. salvarás tua mulher?* 1Co 14. Não no sentido ético ou espiritual. favor. não fica sujeito 7 Quero que todos os homens sejam tais à servidão nem o irmão.“ 4 A mulher não tem poder sobre o seu 7.1b 7. Zc 7. tem chamado.16 O princípio é conservar o casamento se for possível.28.11-12. bre o seu próprio corpo. Deus como também en sou.1 Me escrevestes.21. (18. glorificai a Deus no vosso 6. e também.40 filhos seriam impuros. o seu 7. O Sinédrio judaico só admitia casados. lha-se ao jejum (cf Ec 3. ■ toque. este consente em viver com ela. Concorda parcialmente com eles.26. Em 1 Go 7.m done. como sabes. a es­ 2Co 8. 12 Aos mais digo eu. M c 10.18. 7. Amor sexual é uma dívida mútua.8 posa.10.1 CORINTIOS 7.7 pMt 19. mas IPe 1. É 7. marido crente. 7.14 Santificado. Asseme­ Deus.1. e sim o marido.* Hb 9. ela vier a separar-se. Mt 5. semelhantemente. i.9. Cada cônjuge pertence um ao fluência direta do Espírito Santo pela relação com o crente outro. Lc 16.1 nCo7. É o ato sexual (cf Gn 2 0. corpo. Doutra sorte.15.17 r1Co4 17.8 gICo 7.10 sMI 2. na ver­ 7.5 "Êx 19. se o descrente quiser apartar-se. não eu.1 . não o Senhor.18).

d coisas do Senhor.29 O tempo se abrevia. mundo passa.3 19 A circuncisão. ou 7. ela a confirma. como tendo recebido do Senhor a 2Pe 3.19.26 Angustiosa situação presente. 35 Digo isto em favor dos vossos próprios mandamento do Senhor. Paulo estava escrevendo não é provável. Ele previa que logo antes de ser maior de idade. se preocupa com as coisas do mundo. A idéia foi condenada no v 5. 1615 1 CORINTIOS 7. o que era repugnante. Preocupações legítimas.0 2Co 8. como preocupes com isso.14.21 O evangelho pode ser vivido em quaisquer circuns­ rário.f IJo 2. porque a aparência deste 7. Ainda assim./ 25 Com respeito às virgens.2. de em tempos de tribulação 7.3 2 -3 5 Coisas do mundo. O noivo ção antes que as portas se fechassem (cf Mt 24. o que resta é que não só os casados 1|0 2. mas.9 incircuncisão também nada é.11.10.20. Romper impediriam atender perfeitamente a urgência da evangeliza­ o noivado exigia divórcio. não tenho gRm 13.18 ^At 15.26 n c o 7.1 33 mas o que se casou cuida das coisas do 23 Por preço fostes comprados. não tendo necessidade. e os que compram. 7 . por causa da angustiosa si­ 7.23 rLv 25. o que foi chamado.12. 7. como 20 Cada um permaneça na vocação em Cl 5. não vos 7.7. sem relações sexuais.16 lher. opinião.24. chamado.31 Devemos ligar pouco para as coisas do mundo tempo­ 7. 36 Entretanto.18-19 32 O que realmente eu quero é que este­ sendo escravo.8. Deus.6.18. tomeis escravos de homens. vos digo.0 7.. por isso não 7. manecer assim como está. a que se casou. 21 Foste chamado.37 18 Foi alguém chamado. tais pessoas sofrerão an­ Cl 5. Nada tem impor­ sustentar a noiva sem se casar. não que eu pretenda enredar-vos. porém dou minha 1Pe4. recém convertido podia casar-se se a situação exigisse. o que está firme em seu cora­ e também. 37 Todavia. que foi chamado. 34 e assim está dividido. lhe a flor da idade. sendo escravo? Não te 31 e os que se utilizam do mundo.17 sem decoro a sua filha. 7 . estando incircunciso? Não se faça 29 Isto. ela podia resolvê-lo. 1Pe 2. Não peca. tanto a viúva como a virgem.22 bJo 8. o noivo teria a obrigação de sustentar a noiva. tâncias. peca. de como agradar à esposa. Foi alguém gústia na carne. Diante de Deus. como se é guardar as ordenanças de Deus. em comunhão com (Ic 1 0 . não deve ser porque seu caso se resolvera em v 8ss.40 ção. que se 7. não se alegrassem. mundo. 22 Porque o que foi chamado no Senhor. i.34 /Lc 10. como se 1Co 9. sendo livre.32 ilTm 5. 7. e os que se alegram. Quem não é ca­ temente. Também a mu­ 24 Irmãos.3 9 s s ).2 ciso? Não desfaça a circuncisão. cada um permaneça diante de ITm 1.5 mento.28 Crianças na família aumentariam os sofrimentos e oficial.h nar-te livre.19 o|o 15.3 6 -3 8 Filha (gr “ virgem"). Algúmas sugestões: "Filha" - 7. estando circun. interesses.19 O que importa na vida é a obediência porque com­ tância em comparação com a necessidade de espalhar as prova a existência de amor e fé. Santa. "Solteira" - atingiria a Igreja toda como se nota no livro do Apocalipse. se a virgem se casar.24 A chamada interior inclui as circunstâncias exteriores Não no sentido ético. desimpedidamente. ao Senhor.8-9 mas somente para o que é decoroso e vos misericórdia de sef fiel. é 7. IPe 1. com isto não pecas.36.21. e as circunstâncias o exi­ Estás livre de mulher? Não procures casa­ gem.1. porque se o guardião não resolvesse seu caso de Éfeso onde a perseguição já era forte.27. irmãos: o tempo circuncidar. mas o que vale 30 mas também os que choram. Vinda de Cristo. faça 0 que quiser. mas por ser mais disponível para Deus nas quais foi ouvida. a sejam como se o não fossem.25 e1Co4.18.13. se abrevia.1 corpo como no espírito. e eu quisera poupar-vos.e. "Casa­ em 95 d.31 SI 39. ICo 6.20 sado cuida das coisas do Senhor. mento espiritual". semelhan­ jais livres de preocupações.24 Co 7. 26 Considero. casem. Interpretação mais provável um ano após o noivado 7 . porém. em si. cuida das Deus naquilo em que foi chamado. A fé não anula a obediência: boas novas (30). para ser santa.16 se nada possuíssem. tuação presente. po­ Problemas com respeito ao casamento rém. 28 Mas.29 como agradar ao marido. assim no 7.2 7. se alguém julga que trata IPe 1. estando já a passar- 27 Estás casado? Não procures separar-te.20.b agradar ao Senhor.20). ser bom para o homem per­ ICo 9. é liberto do Senhor.e ’ facilite o consagrar-vos. não é nada. se ainda podes tor­ se dele não usassem. aproveita a oportunidade. mas domínio so- 7. 7. se te casares. de como escravo de Cristo. não chorassem.C.42. .

se alguém te vir a ti. Não sou eu.1 "At 15. que esta vossa liberdade 8.1 CORINTIOS 7.16). não aprendeu ainda como convém 8. senhores.40 Permanecer viúva.1). a ser tropeço para também eu tenho o Espírito de Deus.40 liaridade até agora com o ídolo.29. se comermos.1 "At 9. de si mesmo. porque vós sois por ele.21.9 "Rm 14. pelo qual Cristo morreu. Sem o amor o Induzida (lit edificada).3.3. e um só Senhor. porventura.17s. No Senhor.28 para que não venha a escandalizá-lo/ é no mundo e que não há senão um só Deus. EM. esse é co­ 8. (Rm 1 4 . Impressão em cera ou Contaminar-se. outros não se importavam em 9 . não há esse conhecimento 7. nunca mais comerei carne.13 S e . 8 . nada “'ICo 10. por isso. Na opinião própria e do irmão fraco. Alguns Nunca. ICo 12. Rm 14. livre? Não sou nhores/ 6 todavia. fraca. 9.12). Alguns se acham fortes. 12 E deste modo. assim.6 5Ml 2.m 2Tm 2.5ss.19 8 Não é a comida que nos recomendará a vre para casar com quem quiser.3 Veja 7. Sentir culpa.5 rj0 10.12. fica li­ 22. 12. dessas coisas como a ele sacrificadas.2 0 ).1 .12 vMt 25. não duvida da sua autoridade mas ironicamente 8 . neste v.8-9. não venha. reconhecemos que todos somos 8.10 dalo a meu irmão. contudo. * com efeito. greco-romana (At 17.19 os fracos.18s).5 Normalmente a came era oferecida aos ídolos (como crentes que seriam levados a tropeçar na sua fé cristã e pecar.29. pecando contra os ir­ saber. vem a conta­ 39 A mulher está ligada enquanto vive o 8.' 0 ICo 13. não sois fruto do meu trabalho no de quem são todas as coisas e para quem 2Co 12. .21 s. 10 Porque.2 Livre. 2Co 11. Apesar disso.1 3 -2 1 ). . dotado de saber. .* 7. Paulo.13. A mesma coisa pessoalmente o Senhor e foi comissionado por Ele (15. mos. combate os líderes que negaram sua autoridade em Corinto Cf Rm 14. certa­ qual são todas as coisas.60).1 s.12.11 "Rm 14.22).40 que se chamem deuses.3. ITm 6.2 o irmão fraco.5 8 ídolos.“ Cl 6. 1Co 10.0 1Co 10. e penso que Na 1.v 8.39 Falecer (g r dormir. é 3 Mas. 11 E assim. quem não a casa faz melhor. . Jesus Cristo.7 Consciência. no seu ânimo. deve ser respeitada 7. Era demasiadamente escrupulosa.2 7 ). ICo 10.39 'Rm 7.19.14. para conservar virgem a sua em todos. Usada ironicamente (cf 8. ainda comem 38 E. 12. sabemos que o ídolo. se falecer o marido. e a faz bem.25).3 -1 6 .14 filha. Sentir Seu amor e bênção.. à mesa.2 o selo do meu apostolado no Senhor.34. Selo. o Pai. 1) viu nada (cf 1 0 . será mais feliz se permanecer 9 Vede.4 qDt 4. nosso Senhor? Acaso. Deuses. Hb 1. 2Tm 1. contra Cristo que pecais. At 1. conhecimento é anti-social (cf 1 Co 13).2. ainda que há também alguns 8.20.7.14.38 1616 bre o seu próprio arbítrio.10. 1Co 3. (2 Co 3.5-6. e nada ganharemos. crentes recusaram toda carne.29 9. existimos. por efeito da fami­ 2Co 6.34 senhores do saber. escândalo.28-29 8.P Cl 5. 9 8.4 7 Entretanto. Cf 7. Conhecido.2 Deus. 9 . Os costumes de um lar pagão tomariam difícil a vida instruída pode condenar o que não está errado e deixar de cristã. O saber ensoberbece. mas somente 8. 2 Se não sou apóstolo para outrem.1 . Com um cris­ têm apenas consciência insensível.11 mente.4 40 Todavia. Cl 4. pois nada perderemos.5 9. condenar o que devia. O princípio é condicional face a outros 8 .10 Dotado de saber.3. los. 8. sacrifício) antes de ser vendida (cf At 15. viúva. e isto bem firmado 7. para nós há um só Deus. O que pode prejudicar um irmão não é direito (cf 1.7 (Rm 14. bem fará. golpeando-lhes a consciência fraca.8 consciência destes. (Rm 14.3 2 . por ser fraca. m inar-se/ marido.1.6. 9 apóstolo? Não vi Jesus.13 A liberdade e os direitos do apóstolo Paulo a terra.. Uma consciência não bem tão. 2 1.17 mãos.* 1Ts 4.9.25.)' nhecido por ele. A idolatria permeava cada parte da vida 8.9 Uberdade (g r exousia "autoridade".4.28. segundo a minha opinião. em templo de ídolo. mas 8. 2 . por causa do teu saber.2 62Co 3. porque alguns. perece 2 Se alguém julga saber alguma coisa. que és Acerca das coisas sacrificadas aos ídolos Mc 12. Rm 15. Não teria Paulo liberdade de servir como após­ comer carne apresentada aos ídolos sendo que não eram tolo? Dois fatos confirmaram o apostolado de Paulo.25). de algum modo.8 "Rm 14. "d ireito "). Negativo duplo enfático (cf Mt 1 8 . não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? w o amor edifica. quando argila que autenticava o artigo. porém. pelo 1Tm 2.10.1 I s . 2 ) Os muitos convertidos 8." At 2. Amor (gr agapê).15 5 Porque.13 13 E.1 7 .26.36.39.3 PÊX 33. como há muitos deuses e muitos se­ ^Rm 14. 1 Tm 5 . (cf Ef 6. e nós também. quer no céu ou sobre 8.1 ss. se não comer­ no Senhor. Senhor?0 Cl 2.7.1. At 7. o sou para vós outros.7 . quem casa a sua filha virgem ml Co 7. No que se refere às coisas sacrificadas a ITm 2. se a comida serve de escân­ 4 No tocante à comida sacrificada a ído­ 8.58 «Hb 13. . 7. se alguém ama a Deus.7-8.6 -9 ).

que.P o que lavra cumpre fazê-lo com esperança.31. a respon­ 9 Porque na lei de Moisés está escrito: 2Co 11.9 ). de uma mulher irmã. para ganhar os que vivem de­ bre vós. os judeus ensinavam a cada compulsão divina (çf Rm 1.21 sRm 2.26.7 evangelho.5 Por que não teria direito a sustento esposa? Demais.25ss).15.20 Paulo nunca cedeu princípios ou doutrinas (Gl 2. ele me dá.1 4 Se alimentam. não usamos desse direito.15 <"At 18.6-8. fosse.3. 1 Tm 5 . 1T$2. dão.5 9 . quanto mais com Seus obreiros na pontos ou práticas indiferentes (At 16.6.2). qualquer conceito negativo de novos convertidos. 3) Construtor (3 . como se eu mesmo 9. e os irmãos do Senhor.3. Trabalhar. seguramente. mas ser esquisito exteriormente o repele. 13 Não sabeis vós que os que prestam ser­ 1Co 7.2 que vivem fora do regime da lei. da respon­ interesses financeiros.6 . Os doze: M t 1 0 .14 .27 evangelho!" 8 Porventura.4 seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e que me gloriar. 9 9.12.6. 2Co 11.18 ).2 3 .20 'At 16.21 Adaptar-se é imprescindível para a comunicação do 9.14. como fazem os demais 9 . não o temos nós em maior medida?) baixo da lei.6 r2Ts 3.8.1 1 .1 3 . Da lei (9. 10.1 d a le i/ tes.2 8 ss. então. Paulo a todo custo 9 . O pentateuco (D t 25.4. evangelizando. At 4 . a fim de ganhar os judeus. tenho galar­ não o diz também a lei? 1Co 20.8 ss.6 . 17 Se o faço de livre vontade.25ss).1 0 -1 5 ).8 escravo de todos. buintes (cf Rm 13. Cefas. 9 .14 'Mt 10.18. Irmãos.14.1 4.9 Lei.6 Barnabé.9. Lei de 9 .10 h2Tm 2.7 materiais? vivem sob o regime da lei.19 sMt 18.11 Os benefícios espirituais não se podem comparar com evangelho. 7 Quem jamais vai à guerra à sua própria IPe 5.49. 15 eu. proponha.8). IPe 3.9 pelam é esta: seu sustento? 9. Os setenta: ção. tuais'.5 <<Mt 8.12. Ez 33. quando pisa o confiada.2 glória.13 *Dt 18. Ser "diferente" interiormente atrai o descrente os materiais.17 °1Co 3. para não criarmos qual­ 9.8-9 5 E também o de fazer-nos acompanhar evangelho. antes que alguém me anule esta direito de deixar de trabalhar?e 2Tm 2. Sua seara.14 11 Se nós vos semeamos as coisas espiri­ 20 Procedi.14.7ss). Lc 10. 1617 1 CORÍNTIOS 9. • N. Tiago e |udas eram filhos de Maria trabalho manual para demonstrar sua integridade e evitar e josé. é. o 1Co 4.18 plCo 7. da tirania dos desejos carnais (9.3.7 'Dt 20. para os que Cl 2. para com os judeus. Entretanto. Resposta legal contra uma acusa­ Lv 7.5) mas preocupa com os animais. Lavrador (3 . o 10 Ou é. .1 18 Nesse caso. que assim se faça comigo.4 . 1) Soldado (cf 2 Tm 2.17 . filho pelo menos uma profissão manual. e Cefas?d 1Co 3. Cf Rm 15.26). 2Ts 3.3 2 ).0 trigos. sabilidade de um lar (7 .6. para ganhar os viços sagrados do próprio templo se alimen­ Cl 3.18.27. Ceralmente os ministros da igreja primitiva rece­ 9 . não estando sem lei para com Deus.15. 12 Se outros participam desse direito so­ 2Co4. embora não esteja eu debaixo 9.4 d C o 9. 19 Porque. Comer e beber. porém. tam? E quem serve ao altar* do altar tira o lTs 2. Os sacerdotes: Dt 18. da sociedade (7 .9. Seria o seu sustento. para não me valer do direito que diz? Certo que é por nós que está escrito. Atrás de toda pregação autêntica. A biam sustento integral. por nós que ele o Lc 10. queria evitar a sugestão que ele pregava o evangelho por 9. 2Ts 3. fora morrer. Acaso. qual é o meu galardão? É preocupa? 9. 9. mas debaixo da lei de Cristo. Enquanto os pagãos 9 . (R m 12. 14 Assim ordenou também o Senhor aos 4 não temos nós o direito de comer e Lc 6.1.11 'Rm 15. é com bois que Deus se 9. não tenho de 9.4). At 18.15 beber?c que pregam o evangelho' que vivam do 9.21 3 A minha defesa perante os que me inter­ 9.3 21 Aos sem lei. 9 . fiz-me que pisa o trigo faça-o na esperança de rece­ ITs 2. 9. Se Deus se 9. pois sobre mim pesa essa 9.15.33. sendo livre de todos. há uma desprezavam o trabalho manual.6 sabilidade de despenseiro que me está Não atarás a boca ao boi. O amor (2 Co 5. 9 .12. apóstolos.19 Livre de todos. que era casado (M t 8 . Hom. de graça. Pedro. Mas Paulo sustentava-se através de maioria era casada. At 20.3 . falo isto como homem ou 9. porque ai de mim se não pregar o não se alimenta do leite do rebanho?' 9.1 7s).16 "Rm 1. Pastor trata de quaisquer relações comprometedoras com contri­ (Jo 21.7 ).4.10.6 obrigação.3.4. não me tenho servido de |o 21.10.9 gDt 25. nenhuma destas coisas e não escrevo isto para 6 Ou somente eu e Bamabé não temos 2Co 10.h número possível.3. a fim de ganhar o maior ber a parte que lhe é devida. Cristo.1 8 Evangelizar é obrigação de todos. mas.14). como se eu mesmo o quer obstáculo ao evangelho de Cristo. pois 9.12 )At 20. será muito recolhermos de vós bens deu. At 22.1 6 Ai de mim.7 Figuras do Obreiro.8. an­ IC o 9. se constrangido.4 Defesa (gr apologia). Rm 6 .22. suportamos tudo. Aqui se 4 .1 5ss)."1 custa? Quem planta a vinha e não come do 16 Se anuncio o evangelho.7. querendo ou não. porque melhor me ITm 1. 21.5 assim vivesse.36.20. como ju ­ 9.1 ss.

assim luto. R m 1 5 . não sem meta. les" (5 ). Coroo corruptível.16. que pensa estar em pé 10. para nós.17.12. Cf Êx 12.1 8 E não pratiquemos imoralidade*.13ss. para alcançar uma coroa corruptível.11 /Rm 15.16. vos proverá livramento. É 10. idólatras.1-18 Exemplos da história de Israel exemplos e foram escritas para advertência 10. mas fortifica-nos pelas provas. Pode ser desaconselhável conformar.13 Tentação. na verdade.9 j A Ora. vem como no mar. O povo assentou-se para comer e beber e 2Co 13. trados no deserto. Hb 11.22 1618 22 Fiz-me fraco para com os fracos. Nm 1 4.6 minador. /Rm 11.9. Hb 10.22-29 vinte e três mil.15).25 ''Ef 6.25. e caíram.9.1 -9 diz 24. irmãos. como les. Viver fora Terra Prometida.w 10. 2 Sm 24. 10. como alguns deles escravidão. à prova.2 Todos. da comunhão com Deus e contar com a segurança eterna é 10.1 2 . Incredulidade e 10. Cristo é denominado javé (|eová) no AT.5 Do maioria. os israelitas. pelo contrário.11. Exterminador. 5e domina. e todos passaram pelo mar1'." 10.19s) e a redenção (mor. por todos os modos.11 Exemplos.6 Cobicemos.13 porque bebiam de uma pedra espiritual que os *Si 125.26 "2Tm 2.36. 2Pe 2. Ambos os números são arre­ 9 . a incorruptível.21 ss) Mt 4 . Experimentaram 10. Sãó os ancestrais israelitas. 1000 prostitutas. 2 tendo sido todos batizados.) ICo 7.7 cÊx 32.29 maioria delesc. sobrenaturais. 10. alcanceis. não como desferindo golpes Nm 20.4.25 Não basta começar a vida cristã. com 9. Todos.2.5 levantou-se para divertir-se“.5-6. com o fim de. Fiz-me tudo para 2Co 11. SI 78. 9 Não ponhamos o Senhor à provai. Ap2.7 ).5.9 ).29s).7 Cf Êx 3 2 . 13 Não vos sobreveio tentação que não 3 Todos eles comeram de um só manjar IJo 2. 9. 10.4 murmuraram e foram destruídos pelo exter- não venha eu mesmo a ser desqualificado. Desafiar (cf Nm 14.22s.23. 21.23).. de nós outros sobre quem os fins dos J-U que nossos pais estiveram todos sob a 10. 2 Tm 2. Os coríntios raciocinavam (como os Melhor.6. São os cristãos exageradamente escrupulo­ 10. 10. Deus não nos tenta para le- se com a maioria.49 12 Aquele. Quer dizer a pessoa toda.30. Paulo afirma que era Cristo preexistente que os 10. 27 Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à cNm 14. A atuação sobre­ (cf Hb 1.8 11 Estas coisas lhes sobrevieram como Wm 25.14.“ Cl 3. 10. razão por que ficaram pros­ com todos. 10. 16. Quatro vezes para contrastar com "a maioria de­ rebelião contra Deus.4.3.2.21-22 alguns deles o fizeram. da sal­ dondados. Significa "desqualificado" (9 .4 Pedra.20 4 e beberam da mesma fonte espiritual*1. como eles cobiçaram“*. sas más. 2Tm 2. (M t 6 . salvar alguns.41.9 suportar. ‘ 2Tm 4. O Senhor. (Nm 11. 9.1). Êx 14.4 -6 .1 Nossos pais. E a pedra era Cristo.5 guns deles. esforça-se até ao máximo. porém. estas coisas se tomaram exemplos 23 Tudo faço por causa do evangelho.5-6 nossa.11 como alguns deles já fizeram e pereceram n o a r. para que. concedido para cada tentação nas circunstâncias exatas Prostrados.000. a fim de que não cobicemos as coi­ ITm 6.29. mas Deus é fiel e não permitirá espiritual“ 10.5.13. prosseguir até ao fim (10.2 2 frocos.7 6 Ora.4. com respeito a Moisés.4 . Desqualificado. menos josué e Calebe (N m 14.9 Ponhamos. com o fim de me tomar cooperador com ele. Deus é acompanhava (Dt 32. porquanto está escrito: leva o prêmio? Correi de tal maneira que o 9. num só dia.41. 24 Não sabeis vós que os que correm no IPe 1. 25 Todo atleta em tudo se domina. natural de Deus não assegurou que os israelitas chegariam à 10. o fim de ganhar os fracos. Tg 1. assim na nu­ veja que não caia.12. todos. . mas um só 9.22 íRm 11. correm.1 nuvem)'.*1 9 . lizados cada três anos. C f Hb 3. Fins. .5ss.27 *Jr 6.4 6Êx 17. 10.12 que sejais tentados além das vossas forças.3 °Êx 16.17). de sorte que a possais seguia.7s).35 26 Assim corro também eu.10 Murmureis.34. var-nos a pecar. Feita de israelitas) que a participação em banquetes pagãos não era folhas com que coroavam os heróis nos jogos de Corinto rea­ idolatria.4.2 7 Corpo.10 séculos têm chegado. não quero que ignoreis 9Nm 21. A época do evangelho daqueles que participam dessas ordenanças. como al­ estádio. juntamente com a tentação. Israel queria carne sos (8 .24.24 UGI 2.2 7).1 CORINTIOS 9. 4. pois. O templo da deusa Vénus em Corinto comportava vação.10 7 Não vos façais. nosso protetor (cf 1.6 “ Nm 11. Êx 14.1 .1 9 . aque­ 10.8 Nm 2 5 .24. nós.1' ^Êx 14. 1 Ts 5.29-30 10 Nem murmureis*1. tendo pregado a outros. a direção (nuvem. 10.25. 5 Entretanto. Livramento. Uma lenda judaica fala de uma pedra que seguia tolice.5 pelas mordeduras das serpentes.18 fosse humana.12 Não caia. ICo 1. pois. XÊx 13. Põe nossa fé e lealdade à prova. Nem o batismo nem a ceia garantem a salvação 10. Desejar com insistência.27ss) o que era desejado pelos coríntios 9. 6Nm 16. Lm 3. 10. o que importa é (cf cap 8). Deus não se agradou da 1Co 7.

6.29 o cálice dos demônios. Ceia com esse cálice.1 quilo por que dou graças?b 10. 1 Co 3 . Quem imita a Cristo deve ser 10. como segredo. Isto é unicamente um pão.12. nios (D t 32. Mesa do Senhor.30 para judeus.26. Elimina 10. e quiserdes ir. é a demôniosr que as sacrificam e 10. ICo 9.27 yLc 10.22-24. não buscando o 10. o cálice da bênção" que M el 4.12 ).13. a carne perderia seu caráter sagrado.15 '» K o 8.2 As tradições (gr pardoseis). ^Dt 10. sem nada perguntardes ICo 12. mas nem to­ das edificam. um só corpo. acaso. não podeis ser partici­ aRm 14.21 Veja 2 Co 6 .e 2Co 6. não comais.16 32 Não vos tomeis causa de tropeço nem pantes da mesa do Senhor e da mesa dos 10.6 17 Porque nós. Rm 14.z nao é certo que aqueles que se alimentam dos 10. em tudo.15-16 consciência.17.1 8 Israel segundo a carne.16 mesmos o que digo.1-2. nos outros (gr koinonia). e eu não quero que vos tomeis 10. julgai vós 26 porque do Senhor é a terra e a sua ple­ 10. Sede meus imitadores?. SI 2 4.2. Ef 5. Só Ele é imitado. A comunhão vertical não existe sem a comunhão horizontal 1 0 . digo que as coisas que eles sa­ » U m 4. das por seus efeitos em nós (10. 27 Se algum dentre os incrédulos vos con­ Lc 22.2 8 . digo.4 s .17 2 De fato.22 iDt 32.9 -1 7 . Os limites da liberdade cristã 1Co 8. Lc 22.19.22.2 3 -3 3 .18 pLv 7. 14 Portanto.4 28 Porém. Era o terceiro cálice na 10.23 As práticas moralmente indiferentes têm de ser testa­ elas se consagram (M t 2 6.26 A$i 24.12 19 Que digo.21 causa daquele que vos advertiu e por causa da dos participamos do único pão. quer bebais ou associados aos demônios. Amor ferido é a mais forte entre as paixões antiga festa judaica da Páscoa.12. não a tua propria­ 10.11 tudo.1 15 Falo como a criteriosos.7 não a Deus. posto diante de vós. comei de tudo o que for Cristo? O pão que partimos não é a comu­ oRm 12.30).5 10.21 consciência. nacionais. 7 nhão do corpo de Cristo? 10. para dAt 20. A Ceia deve ser um en­ (1 0 .26.5.31 O agradecimento consagra (1 T m 4 . façais outra coisa qualquer. 18 Considerai o Israel segundo a came. mas nem todas convêm. para a igreja de Deus. 10.32 meu próprio interesse. tem algum valor?'? 10.6. .17 coisa sacrificada a ídolo.31 cC! 3. 33 assim como também eu procuro. Significa participação. sem nada perguntardes por motivo de latria. Cl 3.m "Mt 26.3. ser agradável a todos.c 10.10.20).v Fp 3. em Somos. nem para gentios.5 *Rm 14.19-20 abençoamos não é a comunhão do sangue de 10.27 por motivo de consciência. Tudo o que se faz glorifica ou profana o nome de Mas a idolatria significa entrar em comunhão com os demô­ Deus (6.7. o Anfitrião e nós os convidados (cf Ml 1. fazei tudo para a 21 Não podeis beber o cálice do Senhor e 1Co 8. pois? Que o sacrificado ao 10. (cf Gl 6.19 qlCo 8. 10.28 31 Portanto.2 7 -2 9 Associar-se com incrédulos é necessário para (1 Jo 1 . 11. 10. nem tampouco demônios.7).17. somos 10.1. No mercado. Mt 6 .17 vidar.17). Judeus não convertidos tado como idolatria.0 sDt 32.20 eOt 32. 16 Porventura.25. 10.33 eRm 15.4 por que hei de ser vituperado por causa da­ crificam.20 O ídolo não é nada e o sacrifício não altera a carne. 1619 1 CORINTIOS 11. ITm 3. 2Co 6.17 A Ceia surge da unidade e produz unidade.7.1 ss. todas são lícitas. 11. resse. Cf Rm 14. mas a do outro. 1 1|o 5. O véu e seu uso na igreja de Corinto 24 Ninguém busque o seu próprio inte­ 11.38. A instrução cristã fundamen- .23).5 30 Se eu participo com ações de graças. Rm 14.30. Advertiu.1 nCo 4.14ss). fugi da ido­ 2Co 6. É provável que Jesus instituiu a humanas.1 4 -1 8 .3-4 22 Ou provocaremos zelos no Senhor?? 10.22). 1 5. Edificam.24 . porque to­ 10. por 10. como tam­ 23 Todas as coisas são lícitas“.1 Pertence a 1 0 .23 mente.d 1Tm 4.12 glória de Deus. M c 14. ou denominacionais.27-28.22 Zelos.20. alheia?0 ICo 13. eu vos louvo porque.17. quer comais.14. Comunhão d o . que sejam salvos. meus amados. 10. cado.19. Agradecendo a Deus por coisas comuns.w 10.3 1 ).2 O cristão deve fugir da idolatria 10.24 n bém eu sou de Cristo. Comer seria interpre­ 1 0 .2. e sim o de outrem.19. contro muito especial com o Senhor.28. embora muitos. mais fortes do que ele? 1Pe4. nitude*. quaisquer distinções sociais. mas o de muitos. . Tudo pertence ap Criador (Jo 1. se alguém vos disser.3 3 ) e na glória de Deus (1 0 .16.24 julgada a minha liberdade pela consciência ídolo é alguma coisa? Ou que o próprio ídolo «Rm 15.25 20 Antes.16 O cálice de bênção (cf 11. Pois por que há de ser sacrifícios são participantes do altarP? «100 6.16). 6 .14 25 Comei de tudo o que se vende no mer- nColO. evangelizar.17ss).21 29 consciência.5.

Cf 1. mem. cada um toma. 3. Cristo. por nICo 7.26 própria cabeça. Mulher.32 velar tal transmitida oralmente ou por escrito (2 T s 2 .1-4). saiba que nós não temos tal costume. 9 13 Julgai entre vós mesmos: é próprio que 11." 21 Porque. É o contrário do adoki- Ele manifesta a glória de Deus. i. mas a mulher é glória do homem.1 3 -15 No primeiro século os homens usavam cabelo citação de |esus. que saibais ser Cristo 1Co 3.1 8 ) .21-22 da Ceia do Senhor 6 Portanto. é para beça da mulher. mer e beber? Ou menosprezais a igreja de 2Pe 2.e. se a mulher não usa véu.3.17. porventura.27.2.m vados se tomem conhecidos em vosso m eio/ 9 Porque também o homem não foi criado 11.20 Vos reunis. Deixava de ser do Senhor. no original. usar véu. 2 Co 13. o homem não deve oGn 24. entretanto. velada ccobrir. IPe 3. e sim para pior. tratando-se da mulher. estou informado 7 Porque.19 Partidos (gr haireseis).12 16 Contudo. gar.4 . "autoridade").20s).28 igreja.8 rapada. .18-23 nhoso o tosquiar-se ou rapar-se.18 Na igreja.1.10.16. . sua unidade. in­ 1Tm 4. que ora ou profe­ nem as igrejas de D eu s/ tiza com a cabeça sem véu desonra a sua 11.3 1620 vos lembrais de mim e retendes as tradições 11. se lhe é vergo­ 11. 44. zando ou orando no culto sem véu. cumpre-lhe melhor. por causa dos 11.10 Dos anjos. 11.4 -6 Rapada./ m Gn 2. o creio. Todo. Mas.23.5 /Dt 21.3).65 haver divisões entre vós quando vos reunis na cobrirc a cabeça. Refere-se às casadas. nesse 17 Nisto. porém. nem o homem. e sim a mulher. e há anjos. Como mulheres adúlteras. 2 P e 2 . ao comerdes. e eu. antes de tudo. 11. Homens cristãos em época ou sociedade atual. (M t 26. ITm 6.h 11. e sim a mulher.1.6 *Nm 5.29lCo4. 11.e. Ekklêsia nunca se refere no NT a um edifício. a mulher se submete. não caso. todavia. porém.7 -9 O homem é o auge da criação de Deus (Gn 1.12). por ser ele imagem' e gló­ 11. para que também os apro­ 9üm 11.16 Tal costume. o cabeça de Cristo.1 CORINTIOS 11. como provém a mulher do ho­ vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto.22 bcobcrta.9"(8-9) vos louvo. dos (gr dokimos). Jd 6). a cabeça cobertab. no original.36 lher.' cioso. 1 1 .1-2.5 ria de Deus.24 Esta carta foi escrita antes dos evangelhos. que rape o cabelo.12 partidos entre vós. vos reunis no mesmo lu­ por causa da mulher. Vétr (gr exousia. Contraste a solene tristeza da primeira Ceia . Divisões. Usar ou não o véu depende do que significa para a 11.l.12. seguida pela eucharistia. i.10-ÍÍ quem tenha fome. v u2Pe 2. para adoração. ou. particular ( 0 1 .18 antecipadamente." 1 1 . Refere-se ao fato da mulher estar profeti­ 1 Co 15. 10. Aprova­ 1 1 . ao marido. seus valores.16 20 Quando. e tudo vem de Deus. Eles observam è auxiliam os cristãos 11. 3. propósitos. Com o véu a es­ (At 1. Deus e envergonhais os que nada têm? Que dependente da mulher.7 'Gn 1.11 PGI3. a mulher oré a Deus sem trazer o véu? v1 Co 10.1 5 . C l 15. porquanto vos ajuntais não para Gn 2. homem e mulher são iguais.10 ela uma glória? Pois o cabelo lhe foi dado em 4 Todo homem que ora ou profetiza.26ss). na sociedade. se alguém quer ser conten­ cabeça. ser desonroso para o homem usar cabelo com­ 3 Quero. trazer véu na cabeça. não é a ceia do Senhor que comeis.S 11.23.* 11. como sinal de ilC o 1. ao passo que há também autoridade. e sua relação com Cristo como Cabeça. na verdade.15..1 15 E que. 19 Porque até mesmo importa que haja 8 Porque o homem não foi feito da mu­ 11. 11. se deturpada. o primeiro relato da Ceia do Senhor e a mais antiga 1 1. e Deus. Não havia templos (Hb 1. são interdependentes.3 0 cabeça.1 9 'Dt 13. 11.19 12 Porque.5.13 23 Porque eu recebi do Senhor o que tam- mulher. do homem. "como igreja". Recebi do Senhor. Grupinhos (cf Gl 5. autoridade. igreja e famí­ 11. mos em 9 .. certamente. prido? o cabeça de todo homem.23. É uma citação de jesus mais curto do que o das mulheres. e o homem.10 18 Porque. 10 Portanto.18 5 Toda mulher.4 HCo 12. Os bons anjos aceitam sua subordinação (Is 6. tanto.0 quem se embriague. É. A ceia. p ljo 2. 2. Era a refeição principal posa protegia sua própria dignidade e mostrava submissão da noite. Paulo apela para princí­ pios. tendo lugar de mantilha. casas onde co­ independente do homem.26s).35. Gl 2.4 causa do homem. natureza.11 No reino de Deus.17 14 Ou não vos ensina a própria natureza assim como vo-las entreguei. por­ lia.22 Menosprezais a igreja. deve a mulher. a sua própria ceia. assim também o homem é nascido da 11. em parte. 11. 22 Não tendes. 11 No Senhor. que vos prescrevo. pois.24 -28. nem a mulher é Lc 2. desonra a sua própria 11.21 não vos louvo. 11. porque é como se a tivesse Instrução quanto à celebração 11.3 />Gn 3. Eram os convertidos. o ca­ Ef 5. na normas.6.

2 Gentios.25 Não afirma: "é meu sangue" ("que ainda não se derra­ riam dar? m ara".10. Dons (gr pneumatikõri) pessoas ou poderes espi­ nuamente.4. que é dado por vós.21 dos. (1 P e 4 . assim. 5 E também há diversidade nos serviços.5 /Rm 12.27s). somos discipli­ 12.5. 29 pois quem come e bebe sem discernir o ITs 1. é ocasional. 1621 1 CORINTIOS 12. ceado.28 3 Por isso.28 Examine-se (gr dokimazetS). Proclamais um sermão dra­ Jesus é o Senhor é convicção só daqueles que têm o Espírito. 12.9 Fé. 12.e. Tt 3. não Mt 26.0 11. M t17.31-34 isto em memória de mim. anunciais a 11. Ef 2. 10.5. São as capacidades miraculo­ (cf Êx 1 3 .3. conti­ nota em 7. vinda do cação. Veja 1 Co 10.12. senão pelo Espírito tfSI 94.51. Tg 5. coma do pão. Espírito.25 Isto é o meu corpo. 12.8 Palavra (gr logos). mas o Espí­ mesmo.w Lc 22. 11.3 ter convosco. Dado graças (gr eucharistêsas). Conhecimento.2-3 a cada um visando a um fim proveitoso/ 31 Porque.12-13 réu do corpo e do sangue do Senhor. Quanto wMt 26.1 -1 1 . dons de curar. noite em que foi traído. At 5 . se­ 12.5. (o pão ou a Igreja como Corpo) traz juízo para si (cf 5.31 cS| 32. 11.26 Anunciais (gr katangeliõ). Fazei isto.6 28 Exam ine-se. O culto é cristocêntrico. aquele que comer o pão ou l)o 1. sacrifício (Hb 9. Todo cristão tem pelo menos um dom rigoroso auto-exame (1 9 .26. todas as vezes que o beberdes. tendo dado graças.20.26. vos faço compreender que nin­ *>2Co 13. 7 A manifestação do Espírito é concedida 1)0 4. De mim. 1Pe 4. come e bebe juízo para si.m 33 Assim. Sua mani­ 11. ICo 13.9 Anátema. Tg 5 .10 8 Porque a um é dada. s este pão e beberdes o cálice.29.” reunis para comer. pois. e beba do 12. Em grau superior (cf 13.11. Quer dizer que é uma ordenança sagrada. e. a 2Co 8. fazei *|r 31.7 12.19ss). matizado em palavra e símbolo com o era a Páscoa 1 2 . dizendo: Este X Z v quero. quando éreis gen­ oNm 9. 34 Se alguém tem fome. mediante o Espí­ 32 Mas. Dado por vós. no mesmo Espírito.9 bém vos entreguei: que o Senhor Jesus.4 'Rm 12.0 11. que sejais igno­ Mc 14.. Oferecido Trindade está envolvida no exercício dos dons concedidos por Ele. até que ele venha.9 ) . 30 Eis a razão por que há entre vós muitos jo 15. mos.9. o partiu e disse: ICo 15. 1 jo 1.9 "Mt 17.' 12. a palavra do nados pelo Senhor. 9 a outro. Em memória. 15.20.3 Anátema. em 11. Se for literal.4.19-20. 2Co4.3 *Mt 16. cálice.6s). não seríamos julgados.27 2 Sabeis que. Mundo.1 0 ) concedido contínua e gratuitamente.2 951115. alienado de Deus. para o benefício da Igreja. Morte vicária. 0 1 . no mesmo Espírito. todas as vezes que comerdes K o 10.63-64. irmãos. também o devem ser jo 8 . os dons são diversos. 4. 12. indignamente. Há diversos dons para diversos serviços. Meu Hb 12.1.5.1 HC0 14.6-8 rito. o homem a si e1Co 4. Dons de curar (plural). entretanto.0 Hb 2. Cálice do Senhor. quando vos ICo 14. mas sim que é "a nova aliança" (gr diathêkê) (jr 3 1 . 12. conhecimento. São para diversos tipos de .4 -6 Dons (gr charismatõri).7 dos com o mundo. doria. Sabe­ 1 Tm 1. será 11.13. Toda a instituída peto Senhor mesmo.1 rito é o mesmo.3 -1 0 ). 26 Porque.23 gundo o mesmo Espírito. se nos julgássemos a nós mes­ 12.14 com a dos coríntios. Análise penetrante daquilo já revelado. 2Co 3. Pagãos.17.26. cálice é a nova aliança* no meu sanguez. 1 Pe4.5 morte do Senhor. No sentido moral.26 -423-26) "I ^ A respeito dos dons espirituais.2 2 . É a capacidade de comunicar. Feito em comemoração não como rituais dados pelo Espírito.26-29.23-25. e a IPe 4. Um 12.3 6 E há diversidade nas realizações. Jesus! Por outro lado.6-8.31 Nos julgássemos (gr diakrinõ). 11.3 -8 . guém que fala pelo Espírito de Deus afirma: 27 Por isso.19.32 Deus se encarrega de nos disciplinar para nossa santifi­ 12. Quer dizer "maldito" (16.27 Por isso.8 * ICo 1. ninguém beber o cálice do Senhor. Lc 22. julgamento habitual Pode ser nova revelação (c f apóstolos e profetas em para descobrir como realmente vamos e somos.3 1 -3 4 ) ratificada no sangue. para não sermos condena­ 12. segundo éreis guiados. a fé.34 Santo. ídolos mudos que inspiração pode­ 11. coma em casa. e a outro. irmãos meus. 2 Co 13. Testar como a metais.10ss). memória de mim. 12. tomou também o cálice. 11. tomou o pão.1 Os capítulos 1 2-1 4 constituem um só argumento.14). a palavra da sabedoria. na 11. pois.5. mas o corpo.10-11 outro. eu as ordenarei quando for 24 e.23 fim de não vos reunirdes para juízo. vtx 24. tios.19 4 Ora.6 i Rm 12.6 *Ef 1. deixáveis conduzir-vos aos ídolos mu­ jo 6. às demais coisas. outrora.2.5. i. quando julgados.11). corpo.1.1 3 -2 0 ).16.32 pode dizer: Senhor Jesus!. sas que o Espírito dá aos Filhos de Deus (cf Rm 1 2 .7.8 .7 Cada um.6 ICo 6.6-8 Acerca de dom espirituais 25 Por semelhante modo. mesmo Deus é quem opera tudo em to d o s/ fracos e doentes e não poucos que dormem. sem a qual não há salvação eterna (Rm 6 . depois de haver 11. Que 11. mas o Senhor é o mesmo/ 1Pe 4.30 Quem não distingue (reverência) o corpo de Cristo festação. esperai uns pelos outros.4. Tg 5 .14-20 rantes/ fazei isto.2.22.* 11.

26 Anunciais (gr katangellõ). aquele que comer o pão ou 1(o 1.5 /'Rm 12. Cl 1.* 'Rm 12. às demais coisas.28 Examine-se (gr dokimazetõ).3 -1 0 ).6-8 Acerca de dons espirituais 25 Por semelhante modo. 1 Pe 4. 29 pois quem come e bebe sem discernir o ITs 1.32 Deus se encarrega de nos disciplinar para nossa santifi­ 12. Em grau superior (cf 13. corpo. (o pão ou a Igreja como Corpo) traz juízo para si (cf 5.2 C entios. cálice. come e bebe juízo para si.9 bém vos entreguei: que o Senhor Jesus. 26 Porque. Feito em comemoração não como rituais dados pelo Espírito. 1621 1 CORINTIOS 12. Meu Hb 12.7. coma do pão.4 iRm 12. O culto é cristocêntrico. Pagãos.z guém que fala pelo Espírito de Deus afirma: 11.31 Nos julgássemos (gr diakrinõ).30 Quem não distingue (reverência) o corpo de Cristo festação. o homem a si elCo 4.22 . Cálice do Senhor. e beba do 12. Tg 5 . os dons são diversos. 11. mas o Senhor é o mesmo/ lPe4. At 5.3 6Mt16. Testar como a metais. e a IPe 4.21 dos. fazei 11.* 28 Exam ine-se. M t1 7 . mas sim que é "a nova aliança" (gr diathêkê) (|r 3 1 .1. Um 12. coma em casa.10-11 outro.3 6 E há diversidade nas realizações.5. para o beneficio da Igreja.9 ).e. todas as vezes que comerdes ICo 10. no mesmo Espírito. a palavra da sabedoria. mos.3 1 -3 4 ) ratificada no sangue. tios. não seríamos julgados. 9 este pão e beberdes o cálice. entretanto. Em memória. É a capacidade de comunicar.3 -8 .2. também o devem ser (o 8 . eu as ordenarei quando for 24 e.16.3 Anátema. assim.e Isto é o meu corpo.23 fim de não vos reunirdes para juízo. que é dado por vós.13.2-3 a cada um visando a um fim proveitoso/ 31 Porque.6-8 rito.51. quando vos 1Co 14.8.4. mediante o Espí­ 32 Mas. alienado de Deus. para não sermos condena­ 12.20. pois. na 11.4.25 Não afirma: "é meu sangue" ("que ainda não se derra­ riam dar? m ara". Se for literal.5.7 dos com o mundo. Quanto wMt 2626. pois.2 9S1115. lCo6.1 . conhecimento.1.10 8 Porque a um é dada. a palavra do nados pelo Senhor. em 11. ICO 13. vinda do cação.32 pode dizer: Senhor Jesus!. depois de haver 11. mas o Espí­ mesmo.3. dons de curar.31-34 isto em memória de mim.6-8. -L Á j quero. Quer dizer que é uma ordenança sagrada. se nos julgássemos a nós mes­ 12.0 Hb 2. Dado graças (gr eucharistêsas). mas o corpo. São as capacidades miraculo­ (cf Êx 1 3 .26-29. matizado em palavra e símbolo como era a Páscoa 1 2 . Análise penetrante daquilo já revelado. Todo cristão tem pelo menos um dom rigoroso auto-exame (1 9 . até que ele venha. senão pelo Espírito aSI 94. vos faço compreender que nin­ í>2Col3. doria. tomou também o cálice.6 í-Ef 1. 9 a outro.7 12.27s). 12. Oferecido Trindade está envolvida no exercício dos dons concedidos por Ele.22. dizendo: Este Mt 26.™ 33 Assim. Morte vicária.12. Conhecimento. Veja 1 Co 10. 15. 12. Dons (gr pneumatikõn) pessoas ou poderes espi­ nuamente." reunis para comer.20 . tomou o pão.9 "Mt 17.31 C$132. conti­ nota em 7. 7 A manifestação do Espírito é concedida 1(0 4. sas que o Espírito dá aos Filhos de Deus (cf Rm 1 2 . anunciais a 11.4 -6 Dons (gr charismatõn). cálice é a nova aliança* no meu sanguey\ Lc 22. irmãos meus.1 1 . Fazei isto.* 5 E também há diversidade nos serviços. 11.27 Por isso.1 12. o partiu e disse: 1Co 15. Tg 5. Toda a instituída pelo Senhor mesmo.5. mesmo Deus é quem opera tudo em to d o s/ fracos e doentes e não poucos que dormem. a fé.11).5 morte do Senhor. 12.1 3 -2 0 ).26. memória de mim. Jesus! Por outro lado. que sejais igno­ Mc 14. sem a qual não há salvação eterna (Rm 6 . (1 P e 4 . 1 (o 1. noite em que foi traído. São para diversos tipos de . Mundo. Sua mani­ 11. Dons de curar (plural).5.i rito é o mesmo.19 ss).19.63-64.10ss).8 mICo 1. sacrifício (Hb 9.23 gundo o mesmo Espírito.5.6s). outrora. Proclamais um sermão dra­ Jesus é o Senhor é convicção só daqueles que têm o Espírito.9. esperai uns pelos outros.3 ter convosco. 2Co 3.25 *|r 31. 11. irmãos. 4.23-25. tendo dado graças. 2Co4.1 0 ) concedido contínua e gratuitamente. i. e. Sabe­ 1 Tm 1. No sentido moral.12-13 réu do corpo e do sangue do Senhor.26'(23-26) 1 ^ A respeito dos dons espirituais. Quer dizer "maldito" (16. 30 Eis a razão por que há entre vós muitos (0 15. De mim. Há diversos dons para diversos serviços. 11. ytx 24. 12.9 Anátema. e a outro.17. segundo éreis guiados.10. 12.9 Fe.11.28 3 Por isso. quando julgados.7 Cada um. ídolos mudos que inspiração pode­ 11.2.8 Palavra (gr logos). se­ 12. é ocasional. ninguém beber o cálice do Senhor.34 Santo. Tt 3. Julgamento habitual Pode ser nova revelação (cf apóstolos e profetas em para descobrir como realmente vamos e somos..19 4 Ora. 10. Espírito.14). quando éreis gen­ «Nm 9.0 11. 34 Se alguém tem fome.14 com a dos coríntios.14-20 rantes/ fazei isto.19-20. todas as vezes que o beberdes. 2 Co 13.5." Lc 22. será 11. !Pe4.4.1 ncoM. Ef 2 .26.29. no mesmo Espírito. deixáveis conduzir-vos aos ídolos mu­ |o 6. 12. Tg 5 . somos discipli­ 12.1 Os capítulos 1 2 -1 4 constituem um só argumento. Que 11. indignamente. a 2Co 8. não ceado.27 2 Sabeis que. Dado por vós. 27 Por isso.

Rm 12.18 do corpo. apóstolos. mestres.24. com ele todos se regozijam.22.).4. A lista não está completa.15). Os ministérios e os dons são dois lados da 12. e. Devem ser de menos valor para a igreja. Socorros aos necessitados (cf Rm 12. dado. Portanto.5. E a denou o corpo. se um membro s(Ére. nios ou da própria pessoa (1 )o 4 .5. Mestres.0 um só corpo. nem ainda a cabeça. O Espírito está em Igreja (Ef 2. Línguas. significar "missionário".6. Ef 4. timidez. Profetas.3.1 CORINTIOS 12. corpo. concedendo muito mais honra todos nós foi dado beber de um só Espírito/ àquilo que menos tinha. olfato? Cl 1.1 Is ) e sua aplicação prática. Línguas (g r glõssõn). quer judeus. Estáticas. 12. Veja cobertos (como roupa nò corpo) com amor. Porque não sou mão. Governos.20s). bro. onde estaria o corpo? a um. O 3. preguiça ou ambição. aos pés: apraz. Geral­ 12. profecia. 16 Se o ouvido disser: Porque não sou 1Co 3.11 membro. nem por isso deixa de 27 Ora. Apóstolos. indivi­ o ser. governos.12 bém os que em nós não são decorosos revesti­ também com respeito a Cristo.13.17).13 rjo 6.27 Vós Enfático.1 3 -1 6 ). olho. discernimento de espíritos.1.10 19 Se todos. cooperem os membros. Beber ( d a Ceia 10.5.27.'? 9 Rm 12. 14 Porque também o corpo não é um só Cl 3.63. Quem tem uma chamada para um serviço ção do Corpo de Cristo.(Ef4. Em sentido mais amplo.17. operações de milagres. 18 Mas Deus dispôs os membros. 24 Mas os nossos membros nobres não 16 mos batizados em um corpo. pelo contrário. o tRm 12. Apontam para a futura redenção do corpo (C l 6. Tg 5 .28 Estabeleceu. dons de cu­ cando cada um deles no corpo. nem por isso deixa de ser 26 De maneira que. Os Doze e talvez uns 12. apesar dos defeitos. em favor uns dos outros. Transmissão imediata de instrução ou con­ res de um quadro.1 dade para interpretá-las. ria o ouvido? Se todo fosse ouvido. como lhe precisamos de ti. recebe os dons necessários.10 1622 10 a outro.22 Fracos. Harmonizou.13 A Igreja e Cristo funcionam como um só orga­ poucos outros pessoalmente comissionados por Cristo.8. Contudo.28 «Ef 4. não sou do corpo. 12. e a outro. e todos os membros. às vezes misturadas com línguas conhecidas. At 5 . 12. todos nós fo­ 1Co 4. Discernimento(d 2. não sou do corpo. capaci­ ICo 12. Ef 4. não deve haver rivalidades. . individualmente. socorros.24 profetas. assim como o corpo é um e 23 e os que nos parecem menos dignos no tem muitos membros. Trouxeram mensagens de 1 2 .2 . variedade de línguas. é significação mais temporária.1 2 . colo­ operadores de milagres.12. (Fp 3.4-5.11 A fonte dos dons é g Espírito concedido para a edifica­ mesma moeda. têm necessidade disso.20. Por isso. 12. mos de especial honra. não porque são As manifestações sobrenaturais podem vir de Deus. Milagres (1 0 . vanglória. apoio e oração Rm 12.7 que parecem ser mais fracos são necessários. Ensinavam aos cristãos planejada por Deus e essencial. tam­ sendo muitos. 12.10).8). porém. P 12. como lhe rar. primeiramente. depois. depois.11 Pjo3. jd 3).11 línguas.21 Os membros bem dotados não podem funcionar no mente exercido pelos presbíteros (cf At 15. Igual cui­ forto inspirados por Deus (1 4 . de demô­ simpáticos. e.16s). 2Co 10.6ss. a outro. 5. sem discordâncias ou divisões. em terceiro lugar. quer escravos. mas 1)0 4.28-29. a estes damos muito maior honra. não deve existir in­ as verdades já reveladas.3 -6 ). mas muitos.1 4 -2 0 A diversidade no Corpo não surge por acaso. 1 Tm 3. (cf cap 14). distribuindo-as.28. 11 Mas um só e o mesmo Espírito realiza 21 Não podem os olhos dizer à mão: Não todas estas coisas.27 28 A uns estabeleceu Deus na igreja0.7. em um só Espírito. Rece­ nismo. os membros do corpo A unidade orgânica da igreja Ef 4. 13 Pois. Doentes são melhores que mortos. normal­ 12.5 12. vós sois corpo de Cristo. igual cuidado. Não preciso de vós.11 ss. Corpo sem o apoio e serviço dos menos dotados.25 Coordenou. onde. Todos os cristãos são batizados no Espírito que os beram autoridade especial para colocar o fundamento da forma num corpo. fossem um só mem­ °Mc 16. onde esta­ 12. variedades de aprouve. ICo 7. membros desse corpo/ 17 Se todo o corpo fosse olho.6. Um dom de administrar. em segundo lugar. A igreja local é um mente precisam do dom de interpretação para interpretá-las microcosmo da Igreja universal. a cada um. todos sofrem com ele. apóstolo pode nós (jo 4 . a outro. assim 12. 20 O certo é que há muitos membros. 25 para que não haja divisão no corpo. dualmente. como a música ou as co­ 12. doenças. constituem um só corpo. Porque são membros do Corpo.3 ). Três vezes aparece por último nas listas por ser 12. quer livres. se um deles é hon­ sRm 12. 22 Pelo contrário.10 Profecia. veja. Deus coor­ quer gregos.11 rado. 12 Porque. e tc . com 15 Se disser o pé.1 .

o amor a homens. porém o maior e conheça todos os mistérios e toda a ciência. 2 Ainda que eu tenha o dom de profetizar rança e o amor.1 Cap 13 foi escrito porque Cristo viveu a realidade do 13. havendo ciência.8 Ainda que eu fale as línguas dos ho­ lho. 13. Exortando (gr parakiêsiri). nada. 1|o 3. não se ufana. 1) Sua necessidade. obscuramente. não se exaspera. em 30 Têm todos dons de curar? Falam todos 13. não se ressente do m a l/ se edifica. Estaremos com Aquele que queremos ver na conceito novo. 13. aparece 116 vezes no NT. 14. preocupa. 5 não se conduz inconvenientemente.21. Sem insistir nos seus direitos.31 »(1-31) profecias.1 igreja. vemos como em espe­ nho sobremodo excelente. não para conse­ 13. 13. não 2Co 3. Rm 12.3-8 todos profetas? São todos mestres? Ou. 13. 3) Sua durabilidade.1-2 menino.2).9 Os dons desaparecerão quando o conhecimento se guir mas para usar e receber os benefícios. Conhecido. mas principalmente meu próprio corpo para ser queimado.2 4 O que fala em outra língua a si mesmo procura os seus interesses.10. Agora. que profe­ 7 tudo sofre. Somos conhecidos por Deus completa e carinhosamente (cf Mt 7. Divino e Cristão. num processo (1 )o 2.d rlC o 10. conheço em parte. 12. 2 ) Suas caracte­ rísticas. Cf 8 . havendo línguas.5 Paciente (passivo) e benigno (ativo).24 13 Agora. w 4 . radores de milagres? 9 porque. refletia com pouca niti­ palavra nova (quase não aparece no mundo secular) para um dez. mas rego­ 14.6 O amor não se mostra indiferente para com as conside­ 1 4 .12 Espelho. sentia como menino. porém. procurai. 1Pc 4. Martírio egoísta não vale 13. pois.31 outras línguas. falava como 13. 13.* 13. O Amor 13. 3 Mas o que profetiza fala aos homens. em línguas 12.20. se não tiver amor. tudo espera. senão a Deus. muito mais.2 2 Pois quem fala em outra língua não fala 4 O amor é paciente. 10 Quando.c em outras línguasd? Interpretam-nas todos? »Mt 17. São dois aspectos da mesma qualidade. face. • N.10 O que é perfeito.3.2 Sem amor os dons não produzem benefícios reais.4 zPv 10. conhe­ serei como o bronze que soa ou como o cím. no original. ope­ cessarão.23). se não tiver amor. se não que profetizeis. passará. de Deus. e em espírito fala m istérios/ 13.3 Edificando. 14. ainda que eu tenha tamanha féw. os me­ então. segunda vinda (1 Jo 3.4. lhores d o n s/ 11 Quando eu era menino.12 ensoberbece/ °Mt 18. em potencial.13 O amor é a raiz que produz a fé e a esperança. w 8 -1 3 . Significa amor sacrificial.12. são todos apóstolos? Ou.8. porém.5 cerei como também sou conhecido.7 O amor não é crédulo mas sempre confia na pessoa. a espe­ balo que retine.18. 13. Indica dedicação ardente e cuidadosa. At 2 0. permanecem a fé. Era uma mensagem direta rações morais. 14. tudo crê. Agapê era uma 13. com zelo. pensava como O amor é o dom supremo menino. mas o que profetiza edifica a 6 não se alegra com a injustiça. devem ser desenvolvidos. É a consumação do plano de Deus.31 Procurai com zelo (gr zêioute. tudo suporta/ tizásseis. 3 E ainda que eu distribua todos os meus 2Tm 2.6 oSl 10.2). profetizamos.2 parte.3 *Mt 6. com zelo. exortando e consolando. é benigno. se em ajudar os outros. Mc 11. não se entende.4 dem outras línguas.4 -7 Revelação (gr apocalupsis). estes três.2 fAt 2. visto que ninguém o não arde em ciúmes.1). edificando.25. A reação perante as ofensas mostra a Animando e aconselhando como um advogado de defesa presença do agapê que resolve criativamente os conflitos. 12 Porque. desaparecerão. vier o que é perfeito. em parte. destes é o amor. desisti E eu passo a mostrar-vos ainda um cami­ das coisas próprias de menino. zija-se corifa verdade. a ponto de 2)0 1. 5 Eu quisera que vós todos falásseis em 1Co 12.1.1. então. conhecemos e. amor agapê. 1623 1 CORINTIOS 14. Os dons são dados tornar completo. 13. mas.9 c1Co 8.32.24 1 A Segui o amor e procurai.5 29 Porventura.7 . 13. Veja a nota sobre 3. pois quem profetiza é superior ao 8 O amor jamais acaba. Hom. w 1 -3 . 21. mesma palavra em 13. Feito de metal polido.4 0 dom de profecia é superior transportar montes.23 31 Entretanto.e tiver amor. agora. veremos face a mens e dos anjos. o que é em parte será aniquilado. nada disso me aproveitará. . Face a face.0 cNm 11. então.1.3 Deus não aceita nem a generosidade nem o sofrimento que não são motivados pelo amor.11 Menino. quando cheguei a ser homem.7 PRm 15. os bens entre os pobres e ainda que entregue o X t dons espirituais. nada ao de línguas serei. havendo 14.1.

Sinal de condenação de judeus incrédulos 14.2 22 De sorte que as línguas constituem um voz.2. nem assim me ouvirão. adorará a Deus. 14. para que a igreja receba edificação. prostrando-se com a 16 E. a falar dez mil palavras em outra sons. de fato.6). Era costum e proceder assim nas sinagogas muitas línguas estrangeiras. Os cultos eram para adoração.11-12 mesmo lugar.12-13. mas a minha mente tais loucos V fica infrutífera. o ou incrédulos. receberiam a mensagem da salvação por esse meio (1 . sede crianças. 14 Porque. Cf 2.6 ação de graças? Visto que não entende o que RlCo 14. Os crentes evangeliza­ seja) que queriam que a oração fosse considerada como deles vam individualmente nas circunstâncias da vida diária. para ins­ como a flauta ou a cítara. contudo.m 14.20 ÍS1131.13 Maior valor está na compreensão do que ho falar.19 Notemos que Paulo recusava empregar o dom de 14. visto que desejais los. "sois zelosos por espíritos". sim. 14. com o espírito.6 1624 que fala em outras línguas. o que fala em outra língua outras línguas. 21 Na lei está escrito. não dirão. Seria tolice criar tais barreiras na (Dt 27. quando emitem truir outros. dás bem as graças. se tu bendisseres apenas em espírito.12 Edificar a igreja é a única motivação legítima para línguas na igreja por ser incompreensível. cantarei convencido e por todos julgado. como se enten­ malícia.h do coração. mas para os incré­ ele. cf v 32). 1 4.14 que Deus está. Amadurecidos. para a 23 Se.26 pretar. se. em que vos mas o outro não é edificado. ICo 3. . e sinal não para os crentes.11 Em Corinto.24 Os dons em face dos visitantes na igreja 9 Assim.14. muitos tipos de vozes 14. nenhum deles. Falarei a este povo por homens de outras no mundo. e. procurai progredir. 14. dizes.16 certo. inclui louvor e agradeci­ A profecia era imprescindível para os cristãos que ainda não mento) em línguas exclui a razão.10. Hb 5.18. exercer os dons (gr pneumatõn. ou de ciência. com a língua. 0 10 Há. ignorar a significação da 1Pe 2.1 6 Agora.k 11 Se eu. que es­ meu espírito ora de fato.19.23 Mt 2. No 14.! falásseis ao ar. pois? Orarei com o espírito. Nem os indoutos tase espiritual só teria valor se outros pudessem aproveitar a (os gentios simpatizantes) nem os incrédulos (judeus céticos) mensagem (Ef 5 .16 19 Contudo. testemunhando como dirá o indouto o amém depois da tua 14. e sim para os que crêem. na des palavra compreensível. assim. doutrina?s 0 3.16. que soberbamente achavam que eram o único povo de Deus. 24 Porém. 14. como se língua. também vós. aproveitarei. dons espirituais.6n. porque falo em ou­ revelação. 14.2 3 -25 As línguas não serviam para evangelização (a pre­ Cantarei.7. línguas e por lábios de outros povos. igreja meramente para ostentação. irmãos. se vos não falar por meio de 18 Dou graças a Deus. Ne 8 .1 CORINTIOS 14. um porto importante. de fato. vós. não disser­ 20 Irmãos. sem Rm 16. porém. se não os derem bem distintos.21 Ms 28.13 algum incrédulo ou indouto. se escutavam tam bém . 14. salvo se as inter­ 14.16). Cl 3. derá o que dizeis? Porque estareis como se sede homens amadurecidos. pois.15. se eu for ter con­ 17 porque tu.2 3). palavras com o meu entendimento. e entrar 15 Que farei. sem dúvida. reconhecerá o que se toca na flauta ou cítara? 8 Pois também se a trombeta der som in­ 14. não sejais meninos no juízo. e sentido.25 m|s 45.1. quem se preparará para a batalha? n Co 11. A adoração cristã deve ser tinham o NT. porventura. ou de tras línguas mais do que todos vós. é ele por todos mas também orarei com a mente.22 Um sinal. A espontânea improvisação de um cântico sob êx­ gação de Pedro em At 2 era em aramaico). mais do que um mero exercício intelectual ou emocional. dulos. toda a igreja se reunir no edificação da igreja. se todos profetizarem. mas também cantarei com a 25 tomam-se-lhe manifestos os segredos mente. quanto ao juízo.15 Orar (gr proseuchomai. face em terra. se eu orar em outra língua.17 Os ouvintes podiam indicar com o "amém " (assim caso de.19. diz o Senhor. serei estrangeiro para aquele que fala. prefiro falar na igreja cinco 7 E assim que instrumentos inanimados. no caso de entrarem indoutos deve orar para que a possa interpretar. vosco falando em outras línguas. e todos se puserem a falar em 13 Pelo que. no meio de vós. pois. ou de profecia.15 *SI 47. mas a profecia não é para os incrédu­ 12 Assim. estrangeiro para mim.

5 »Lc 24. e sim 10)1. A dentemente das outras porque faz parte do Corpo de Cristo morte.27.37 dois ou três.6.33 2 por ele também sois salvos. meus irmãos.3).1' 29 Tratando-se de profetas.18.38 Usavam suas experiências estáticas como pretexto velmente o irmão de Jesus. 14. 14. 1 Ts 5 . 1|o 4. e isto sucessivamente. para todos aprenderem e serem 14. porém. vier revelação a outrem que penhor da nossa ressurreição esteja assentado.19-20 37 Se alguém se considera profeta ou es­ 27 No caso de alguém falar em outra lín­ 14. O túmulo vazio confirma a ressurreição corporal.40 As reuniões de adoração devem ser reverentes. ga­ universal. 35 Se.16. 1Pe 3.34 sGn 3. Aceitar a Cristo é apenas o primeiro passo de uma vida inteira de comunhão.7. Perseverais.32 9 l|o 4.6 A ressurreição de Cristo. a seu próprio 10 20.10 consolados.31. um tem salmo. Nenhuma igreja pode viver indepen­ na Galiléia (cf M t28.1 ordem. geralmente mais dominadas por experiências psíquicas. 1 1 . 26 Que fazer. A igreja de Corinto seguia (Lc 24. Dormem. São os apóstolos 14.1 7 -2 0 ).37. 1625 1 CORÍNTIOS 15.1 piritual. Como em todas as igrejas dos 15. se alguém o ignorar.1 6 39 Portanto.P 14. cheias de harmonia e poucas inovações.2 ceiro dia. e os outros julguem.4 Paulo apresenta uma antiga formulação que resume (3 7 . reconheça ser mandamento do Se­ nhor o que vos escrevo/ gua. As Escrituras com­ correção e consolação mútuas e tudo realizado ordeiramente. de uma verdade já revelada.36. Gl 1. outra língua. segundo as Escrituras)'. reunis. 6 Depois.5 -7 As aparições comprovam a ressurreição. Salmo.5 *Mt 28. 14. 14. em casa.36ss).5.2 5 -2 7 ).19 irmãos de uma só vez. que Cristo morreu pelos nossos santos/ pecados. Cefas. porém. Os 6.20s) pelo dom de discernimento os fatos do evangelho. devem ser julgados 15. havia instrução.10 ). Era de composi­ comprova pela sua submissão à autoridade dos escritos apos­ ção própria (como os de Davi).39 ulCo 12.6 A necessidade de ordem no culto 14. cação e ressurreição são os fatos centrais. e ainda °1Co 12.14. Tiago. pois.21 3 Antes de tudo. e 'IC o ll. Explicação tólicos do NT.40 bestes e no qual ainda perseverais. É uma profecia. Sepultado. HCo 14. provam que Jesus é o Messias predito no AT (Lc 2 4 .1 »Rm 5. Seja tudo feito para edi­ mente para vós outros? 14. falem apenas 14. para fugir da autoridade do apóstolo Paulo (2 Co 13.20 X J gelho que vos anunciei. porque para a mulher é vergonhoso "1Co 127-10. At 2 0 . será ignorado. segundo as Escrituras".16-17. outro.3.5.4ss.9 ) mas tende ser uma lista completa.19 falar na igreja. Funcionando como um só corpo. nhou novo significado na ressurreição de Cristo. Tudo feito para edificação.18). foi visto por mais de quinhentos coisa.3 0 .16. A crucifi­ (1 2 . a menos que aos próprios profetas. 4 e que foi sepultado e ressuscitou ao ter­ igrejas. doutrina.0 '2Co10.0 lado na igreja.3. 1Co 11. Possivelmente se manifestou a eles suas próprias práticas. seja feito com decência e Deus.3 vis 53.? tenhais crido em vão. Prova­ 14. 14. se retiverdes 32 Os espíritos dos profetas estão sujeitos 15.33 38 E.2 Anunciei (lit "evangelizei"). zelo o dom de profetizar e não proibais o falar 28 Mas. assim denominada na literatura grega e hebraica. Revelação. Quinhentos. falando consigo mesmo e com ITm 2. o qual rece­ após outro. C f Lc 2 4 . 1 ^ Irmãos. aos determina. antes descrente (Jo 7. dos outros apóstolos.30 ficação. em aramaico não ensinar ou discutir. . doze6. vos entreguei o que tam­ de paz. porém. ordei­ Língua e interpretação.4 2 ).17.34. Aos doze. aquele. fique ca­ Cl 3.3 4 .36 Estas são palavras de ironia. que não sejam mais do que dois ou 14.28 Apresentam as regras para o emprego do dom de línguas. Cf At 1.11 -12.34 5 E apareceu a Cefas0 e. Pa­ 1 5 . Doutrina. mas estejam submissas como também a lei o 15. portanto.1. em outras línguas.16ss) ou em Jerusalém.15." PlTs 5. cale-se o primeiro. Não pre­ rece que podiam orar e profetizar (1 1 .35 Muitos dos abusos na igreja se devem às mulheres. não havendo intérprete.4 34 conservem-se as mulheres caladas nas * S I16. At 2. ( Jo 1 . procurai com haja quem interprete. 14.5-12 bém recebi. Em Todos os apóstolos.29 traz revelação. Recebi.8-10. 33 porque Deus não é de confusão. porque não lhes é permitido falar. 1 4. dos quais a maioria 14. depois.10 nou no meio de vós ou veio ela exclusiva­ outro.28n).26 marido.26 Temos aqui uma visão parcial de uma reunião da todos os tempos a autenticidade de qualquer mensagem se igreja primitiva (cf v 23. Os profetas não eram infalíveis.2 9 -33 As regras para o controle da profecia (12. 15. 15. um 1Ts5. Pedro. a palavra de Deus se origi­ 14." 15. 40 Tudo. este 36 Porventura. querem aprender alguma Lc 24. interpretação. 21. interroguem.2*Rm 1. 30 Se. irmãos? Quando vos 2Co 12.2 a palavra tal como vo-la preguei. quando muito três. ras. Mc 16. venho lembrar-vos o evan- 31 Porque todos podereis profetizar.

é vã a 26 O ültimo inimigo a ser destruído é a 15. Seria uma prática sem fi*»- .5. como. pois. sendo ele as primícias dos que 9 Porque eu sou o menor dos apóstolos. fMt 10. seja eu ou sejam eles.50 19 Se a nossa esperança em Cristo se li­ dormem. depois. destruído todo principado.9 A manifestação a Paulo foi a última a ser registrada garante a vida eterna para todos os Seus.1 CORINTIOS 15. As primícias por ser um ou dois anos após a ascensão. todavia. que me foi concedida. então. £m Adão. e vã. a vossa fé.13 jIT s 4. consolida a vitória já tianismo em ilusão. (1 Pe 1. afinal. O fim. os mortos. e a sua graça." 13 E. Através da Igreja. as primícias dos que dormem 8 e. devolvendo a vida a todas as suas vítimas (Ap 20. Ef 1 . gar o reino ao Deus e Pai. em Adão. pois persegui a igreja de Deuse. morte. antes.10 17 E. quando ele entre­ ressuscitou dentre os mortos. E.32 .3-6 7 Depois. todos se tomou vã. Não haveria perdão dos pecados ganha (Cl 2. São invertidas todas as suposições ante­ tivo. para que Deus seja tudo em vossa fé.14 também por um homem veio a ressurreição 10 Mas.14 lhe estão sujeitas. Cumprida a missão. 9 haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. 2Co 3. Os ju­ 15.24 "Dn7.26 bém se sujeitará àquele que todas as coisas também Cristo não ressuscitou.12 pregamos e assim crestes.15 AAt 2.23. não eu. de Cristo. porém. quando houver mam alguns dentre vós que não há ressurrei­ 1Co 26. zes de todos os homens.9 eAt 8.1 4 -1 8 Negar a ressurreição de Cristo seria tornar o cris­ (At 2 .10 tempo. tolo autêntico porque viu o Senhor pessoalmente e foi comis­ 15.3 Cristo. as primícias.23 Vinda (gr parousia).14s).5 ção de mortos? potestade e poder.24 O reino de Cristo começou quando Ele foi glorificado 1 5 . Ap 1.17 íRm 4. se é certo que os mortos não que tudo lhe subordinou.3.19 11 Portanto.20.25 dos em Cristo. se é corrente pregar-se que Cristo 15. por sua própria or­ 15. o próprio Filho tam­ 15. trabalhei muito mais do morrem.23. que farão os que se 15.10 A graça de Deus transforma o indigno (2 Co 11.12. sionado por Ele (At 22. de Deus com igo/ 23 Cada um. é vã a lhe sujeitou.4).20 24 E. porque temos asseverado contra dos pés 9. 14 E. foi visto por Tiago. todas as coisas lhe es­ 16 Porque.1 9 -2 3 ). sou o que dos m ortos/ sou.21 qo 11.15-17 27 Porque todas as coisas sujeitou debaixo de Deus. Usada para uma visita real. A ressurreição de Cristo 15. se Cristo não ressuscitou. virá o fim.23 29 Doutra maneira. mas a graça 15. inerentemente má. 15. ao qual ele 15. tiverem sujeitas.24 22 Porque. na sua vinda. citaria literalmente.20. apóstolo.8 dAt 9.25). Cf Lv 23. Cl 2.23 nossa pregação. bem como toda IPe 1.3s).29 Há umas 4 0 interpretações. não 15.m 12 Ora. por isso rejeitavam a ressurreição. mita apenas a esta vida. As primícias. Todos os que estão em Cristo compartilham da Sua natureza 15.12. Cristo ressuscitou dentre 15.13 Em geral. r1 Co 3.20 Mas de fato. Consumação da história. se os mortos não ressuscitam. os que são /2Tm 3. mais tarde. afir­ kAt 26.21. exclui aquele não ressuscitou.22 Não se apresenta a doutrina da salvação universal. se não há ressurreição de mortos.1' 18 E ainda mais: os que dormiram erri A ressurreição em relação à vida prática 15. 25 Porque convém que ele reine0 até que 15. porém alguns já 15. assim como. assim dem: Cristo.26 Morte (gr thanatos). então. 15. pela graça de Deus.15) vencendo as forças restantes que se opõem (Rm 4. riores.7 1626 sobrevive até agora. p 15 e somos tidos por falsas testemunhas 1Ts 4.7 cLc 24. 15. certamente. Che­ deus acreditavam que cada átomo do corpo sepultado ressus­ gou a ter no N T sentido técnico que denota a volta de Cristo. de fato. depois de todos.15).28 Cristo pereceram./ por todos os apóstolos0 15. se Cristo não ressuscitou. como por um nascido fora de 20 Mas. Paulo era um após­ asseguram a ceifa. quando diz que todas as coisas Deus que ele ressuscitou a Cristo.19 A ressurreição é o cerne da esperança do cristão Cristo entregará o Reino ao Pai. a Ele.25 então. e ainda permaneceis nos vossos 15.5). 15.1 Oss. somos os mais infeli­ 15.1 28 Quando. Será destruída com efeito retroa­ 15. os gregos consideravam toda a matéria e serão vivificados (2 Pe 1. porém. p2Tm 1. Paulo corrige os dois erros neste capítulo. assim também todos serão vivifica­ que todos eles. m1Co 15.27 9SI 8.8. Cristo não ressuscitou.25 »51110. foi visto tam­ bém por mimd. 15. ressuscitam / 15.6 todos/ pecados. São os que compartilham da sua natureza caída.8 dorm em / que mesmo não sou digno de ser chamado 21 Visto que a morte veio por um homem.

2Co 3. Paulo se refere metaforicamente rupção. foi feito alma vivente.49 eGn 5. devemos trazer também a ima­ aprouve dar e a cada uma das sementes. Paulo ainda tem confiança nos coríntios.32 uls 22. 37 e. 35 Mas alguém dirá: Como ressuscitam os 47 O primeiro homem. Provavelmente. Her­ semente se decompõem. porém uma 15. Adão. To­ O último Adão.50 Carne e sangue. que não é necessariamente pecaminosa (Hb 2. a dos peixes. por que se terrestres. 15.48 que é terreno.14).d como de trigo ou de qualquer outra semente.32 Feras. .36. pela glória que tenho em vós outros. 2Co 4. Cor­ 15.1T s 4. 42 Pois assim também é a ressurreição dos em Cristo Jesus. tais também os corpo que há de ser. se 48 Como foi o primeiro homem. Bons cos­ corpo que corresponderá às necessidades da vida espiritual tumes. O último nha vossa. y 15.33 Conversações. formado da terra. leza ou forças se destina ao pó (43).18. morro! Eu o protesto. que me aproveita isso? Se os mortos sonra.1 2 -2 1 ). cf SI 2 2 . ressuscita em glória.45. há tam­ 34 Tomai-vos à sobriedade.43 oFp 3.7 tais são também os demais homens terrenos.9. e outra. como é justo. mas as submicroscópicas resultam dar. mas o simples grão. que a carne e o damento bíblico que Paulo aproveita para mostrar a incoerên­ 15. porém. Melhor: associações.13). 15.42 Paulo continua insistindo na ressurreição corporal.2 50 Isto afirmo. 49 E. 44 Semeia-se corpo natural. quando semeias. Semeia-se o corpo na corrupção. vés da Sua obra redentora (Hb 2. depois.3 45 Pois assim está escrito! O primeiro ho­ conhecimento de Deus. Espiritual (gr pneumatikon).9).42 ^Dn 12.26 mente.30 40 Também há corpos celestiais e corpos s2Co 11. porque alguns ainda não têm 15. É uma impossibilidade assim como o peixe não pode em novo corpo. Glória.6 não ressuscitam. nosso Senhor.10-11. Paulo não aceita nem pratica o ba­ corpos destinados ao ambiente celestial (cf diferentes tipos tismo para os mortos (29). Semeia-se em de­ feras. é espírito vivificante. de anjos). a das aves. lutei em Éfeso com suscita na incorrupção. uma é a glória dos batizam por causa deles? celestiais. 11. Dia morro. O corpo psicosso­ 15.31 30 E por que também nós nos expomos a 'Rm 8.33 vlCo 5.20-21 corpo apropriado. O corpo humano adaptado so­ lutar com animais.36.* 15. e. outra. Comportamento moral. A vida sem a ressurreição perde o sentido. Alguns na igreja de Corinto não tinham dis­ mático que Adão recebeu herdado por toda a raça humana. A zoologia demonstra diversos ti­ cia dos seus oponentes em Corinto. e outra.40 Carne (gr sarx). que 43 Semeia-se em fraqueza.1' 1Co 6. outra.. bém corpo espiritual. ITs 2. os mortos não ressuscitam.21 é terreno. mas um 15. gem do celestial. não semeias o e. como é o homem celestial.46 Alma vivente (gr psuchên-zõsari).19 irmãos.13). 1627 1 CORINTIOS 15. e não pequeis. Os vivos serão transformados é a carne dos homens. Cristo tornou-se a fonte da vida espiritual atra­ dos são culpados. a dos animais. 15.34 Vergonha. primeiro não morrer.8ss. lua. pos de corpos terrestres.8ss. estrela e estrela há diferenças de esplendor. a das estrelas.3. É a natureza psicossomática do ho­ dade não são incompatíveis (|o 12.34 »Rm 13. Comamos.36 yjo 12. mortos? E em que corpo vêm?* 15.w 15. ressuscita em amanhã morreremos".11.45 6Gn 2. irmãos. res­ 15.3 5 -3 8 A botânica mostra que a dissolução e a continui­ 15.10.23ss.47 cGn 2. e sim Os ressuscitados terão corpo 15. 5.50 batizam por causa dos mortos? Se. isto digo para vergo­ mem.13 32 Se.35 *Ez 37. amizades.24 Adão. outra. Provérbio comum (Is 22. o terreno.b 46 Mas não é primeiro o espiritual. sem dúvida. Há diversidade nos 15. porque até entre 31 Dia após dia. Se há corpo natural. 15.7 celestiais.“ 33 Não vos enganeis: as más conversa­ 15.30. O relaxamento moral resulta (2 Pe 3. Corpos celestiais. das deficiências doutrinárias. Ct 2 Co 4. o espiritual.31 Também nós. 1 5 . mente para a vida neste mundo. a glória da perigos a toda hora?5 ICo 4.39. o seu “ Fp 3. assim como trouxemos a imagem do 38 Mas Deus lhe dá corpo como lhe 15. o segundo homem é do céu.c 36 Insensato! O que semeias não nasce. comamos e bebamos.1 mortos.24). Não quer dizer um corpo invisível (puro espírito). como homem. Os cidadãos romanos não eram forçados a 15. . As partes visíveis da mem.3 o natural.44 Naturai (gr psuchikori).5 corpo espiritual. a dos terrestres.* 39 Nem toda carne é a mesma. Sujeito a decomposição como o cadáver que sem be­ a uma luta com homens enfurecidos (2 Co 1 . absoluta­ 15. 1Jo 3. cernimento espiritual mas estavam em plena comunhão.5. 41 Uma é a glória do sol.14s. Rm 8. viver fora da água. ressuscita ções corrompem os bons costumes. poder. e outra.

para levarem as vossas dádivas a Jeru­ e que o corpo mortal se revista da imor­ 15.15-17 1 £~ Quanto à coleta para os santos. 16. Paulo estava planejando uma visita mis­ 15.50 Acerca da coleta sangue não podem herdar o reino de Deus.51 1628 15. Adversários. No inverno mediterrâneo (novembro a março).2 .8 prosperidade.3 -6 . 5 Irei ter convosco por ocasião da minha a palavra que está escrita: Cl 2. Veja n em 7. 10. Causa dor e Corinto. U vós também como ordenei às igrejas todos. ITs 4. os mortos ressuscitarão incorruptí­ veis. triunfos e eventos devem ter motivação espiritual e não obedecer a impulsos escatológicos.6 Encaminheis. inabaláveis e sempre abundantes na 8 Ficarei. 2 Co 8. Marcará o fim da história e a vinda de emocionais de vez em quando.1 4 ss A t4 . Cada um. um pouco antes da Páscoa (5 . ver-vos ape­ por intermédio de nosso Senhor Jesus 1 6 . 4 coleta. A lei.10). gem missionária.1' ">Rm 7. A t11.5 >At 19.7. cada um de 15.17 nem a corrupção herdar a incorrupção/ para os necessitados da Judéia 15.11 .2 . em Éfeso até ao Pente­ 16. aqueles que aprovardes.1 ss).10). Cf Rm 15. 15.25-26 força do pecado é a lei.20s). . J.8 . enviarei.26.56 IRm 4.m convosco algum tempo. Rm 15. Vd n em 2. O aguilhão não é a morte gem. Paulo desejava passar mais tempo com os co- santos (cristãos) em Jerusalém (C f Hb 10.52 "Zc 9. o vLv 23.32. planos se realizaram.9 Éfeso.9 -1 2 ). Significa prover às necessidades para a via­ escorpião sem veneno (Ap 9. agora.1.1. p /Os 13. Deve ser o sul da Ásia. Calácia. O aguilhão (gr sionária às igrejas de Macedônia que ficavam ao norte de kentron). Para o cristão.13-18 vestir de incorruptibilidade.56 É uma canção triunfante (Os 13. 9 talidade. Era para suprir as necessidades dos 16.16 da Galácia. Ordenei. costes1'.7 Ver-vos.51 g Fp 3.h 15.14).15-21. .14.33 ss) e para mostrar a solidariedade por mente não revela o futuro mas nos dirige passo a passo. sig­ At 2 0 . 9 jo 5. ríntios do que com qualquer outra igreja.3. As contribuições associavam a trombeta com festividades.“ firmes.20. Define o pecado e con­ possível navegar (At 2 7 .19 6 E bem pode ser Que convosco me de­ está. e o que é mortal Os projetos de Paulo 16.7). parte das igrejas gentílicas para com a igreja judia que ainda 1 6.4 olhos. se o Senhor o per­ 16.9-11 9 porque uma porta grande e oportuna 15. 15. na província da receava aceitá-las na comunhão. Temos os nomes de alguns deles em Is 2 5. a morte é como uma picada de um 16.55 façam coletas quando eu for. num abrir e fechar de 2 No primeiro dia da semana.5« "(51-58) com igo/ ' - 54 E. Plane­ província desse nome que Paulo evangelizou na primeira via­ java passar o verão na Macedônia e o inverno em Corinto. parcialmente entendida pelo profeta. Unidade indivisível de tempo.1 CORINTIOS 15.6 1At 15. Se o Senhor. e a encaminheis nas viagens que éu tenha de Rm 15. Os judeus ao que tinham ganhado durante a semana.8. A natureza terrena é comparada com a (2 Co 8. com 53 Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade.21.1 Quanto à . Num momento (gr ato.53 <2Co 5.24 nas de passagem.2 No primeiro dia da semana. que era o domingo (At 20. fazei dos dormiremos.7 percorrer a Macedônia.57 salém. porque devo Tragada foi a morte pela vitória/.3 í2Co 8.15 mitir. o teu aguilhão?* more ou mesmo passe o inverno.53.25. e vá juntando.31).5 Devo percorrer. para que me 16. 58 Portanto. Esta é a primeira menção do oportunidade concedida por Deus para servir. Geral- 1 T s2 . conforme a sua 15.15 cartas. então. Cristo (M t 2 4. sede Tg 4.1 oAt 11. A palavra.1 ss e At 2 4. vosso trabalho não é v ã o / Dt 16. Local de onde Paulo escreve.51.4 1 . Cf At 19.21. É como o da abelha ou dà serpente. eles irão 15.2 pAt 20. /Mt 16. quando tiver chegado. se revestir de imortalidade. ó morte. Os mensageiros iriam com cartas de Paulo ou roupa que precisa ser trocada (2 Co 5 . porém.52 Mistério.8. meus amados irmãos. Última.21 57 Graças a Deus. em casa. dano.54/Is 25. 16. A profecia.29. A trombeta.8 obra do Senhor.4 Paulo determinou não mexer no dinheiro arrecadado 15. Sete semanas após a Páscoa. "dia do Senhor" (Ap 1. ao ressoar da última trombeta. quando este corpo corruptível se re­ ITs 4. ó morte.14 3 E. era im­ mas o pecado não perdoado.10 passagem pela Macedônia5.0 52 num momento. pois espero permanecer Cristo.7 .26. A trom­ vós ponha de parte. . ele mesmo iria junto. 51 Eis que vos digo Um mistério: nem to­ ITs 4. 55 Onde está.55.1 6 se vê como os dena o transgressor.4 ). Uma porta. 16. Pentecostes. Em At 2 0. que nos dá a vitória 7 Porque não quero. no Senhor.7 "At 18. Paulo fala com autoridade.54 Se revista. A superstição se concentrava em Éfeso. mas transformados seremos 15. Mesmo os pobres deviam contribuir. 16. se cumprirá Rm 15.25 4 Se convier que eu também vá. e nós seremos transformados.1 fazer/ 16.4 "(1-4) 56 O aguilhão da morte é o pecado.17. para que se não beta soará. sabendo que. Era uma 16. em proporção mos).3.27ss. a tua vitória? Onde 16. 2 0. nifica o fim da morte (26).

16.1. Costume do mundo antigo: homens de Apoio e Paulo concorda (cf 4.18 f f p 2.20 Ósculo santo.11 rAt 15.2ss) ofereceram em parte e preparar o caminho para a chegada de Paulo sua casa para reuniões.21 /O 4. etc. Fortunato e A cako 16.3.d Acerca d e Timóteo e Apoio 17 Alegro-me com a vinda de Estéfanas. T t 3.23s. Éfeso. irmãos. Laodicéia.20 «Maranata! quer dizer: Vem .16 tema.6n ). Irmãos. fé. mas obediência vos. e 16.1. 24 O meu amor seja com todos vós.24 para o trabalho se me abriu.2 4 s . 16. Lit "sejais fortalecidos". Áqüila (do situação na igreja piorou. pois.34n. Sem fingi­ se a Apoio.* 16. muito vos saúdam Áqüila e Priscilas e. Tito conseguiu resolver b problema Ponto) e Priscila (diminutivo de Prisca. Varonilmente.4 . 21 A saudação. Colossos. 1 Co 1.13s. Reconhecei. Firmes na Cl 4. Erasto (Rm 16. mas de modo algum 16.15 12 Acerca do irmão Apoio.10 ^1Co 4.22 vosco. cias da Acaia e que se consagraram ao serviço 16.10 bem assim.8-10 versários. eu vos peço o seguinte /Gl 1.1 2s. o despreze. porque trabalha na obra *1Co 1.13. 1629 1 CORINTIOS 16.42. e de Acaico. A qualidade que os coríntios careciam. pírito e ao vosso.* 15 E agora. estas atitudes.1 Saudações e a bênção companhia dos irmãos.12.11 O despreze. Província romana da Ásia Menor onde se localiza­ de Corinto (1 5 -1 8 ).23 dos santos). Anátema. aprendemos que a vam as igrejas de Éfeso. Sede. Mt 2 4. de fé.21 As cartas foram escritas por um secretário. ICo 15.16 4Hb 6. a homens minhai-o em paz. Fortalecei. Não há exceções para o am or ( agapê É uma transliteração do aramaico vinda da antiga igreja de cf 1 Co 13). muito lhe te­ 16. escrevo-a eu.20 hRm 16. seja aná­ amor. portai-vos varonilmente. Mas enca­ «Mt 24.2 22 Se alguém não ama o Senhor.21).19 Ásia.b 16. como também eu. 14. At 19.17 20 Todos os irmãos vos saúdam. .)' 2TS2.13 18 Porque trouxeram refrigério ao meu es­ 11 ninguém.11. 3. fortalecei-vos.42. nosso Senhor! 16.9 vos uns aos outros com ósculo sa n to / 13 Sede vigilantes. C f n em 12. a igreja que está na casa deles.13 Todos os verbos no gr são imperativos presentes. porém. Ef 4. indi­ 16. Saudai- A s exortações fin ais e2Co11.14-15 Cristo Jesus.0 ITs 5.20.17 e obreiro.29. Maranatac!l 16.1 4 Todos.8-9. Maranata. para que venha ter comigo. Houve cultos em várias casas em (cf 2 Co 1 . podiam amar ao Senhor. se Timóteo for*.12 sem receio entre vós. 16. quando se lhe deparar boa oportunidade. (cf 2 Tm 4 . Alguns anos depois. mento.1 ss.19 9At 18.18 Provavelmente Estéfanas e Fortunato trouxeram a vem . 2 Co 8. pois. era muito novo e talvez tímido carta dos coríntios. em (sabeis que a casa de Estéfanasc são as primí­ )d 1.4.6. No Se­ era a vontade dele ir agora.14 nho recomendado que fosse ter convosco em 61 Co 14. mas a cando que os coríntios deviam esforçar-se para sempre ter marca de autenticidade no fim foi a letra de Paulo (2 Ts 3. Ma­ duros e corajosos (3.17. 16.' 14 Todos os vossos atos sejam feitos com 16.23) e possivelmente os 16.8. 15. w como também a todo aquele que é cooperador 16.18).9 »(8-9) 16 que também vos sujeiteis a esses tais. Não é apenas um sentimento. e há muitos ad­ 16. vede que esteja de Fortunato. Os que deixavam de amar uns aos outros não Deus.12 ). 1 Pe 5 . Apoio. Santo.12 ram o que da vossa parte faltava.12 próprio punho.33 10 E. Deve significar: "Vem Senhor" (cf Ap 22. 4 . Veja n em 7 . 16.17.1 5 -1 8.22 Ama. visto que o espero com os irmãos. 2. Os conntios pediram uma visita 16. 8. irá.1 .20).e do Senhor. Lendo 2 Coríntios. Paulo.15 19 As igrejas da Ásia vos saúdam. At 18.16 nhor. com homens e mulheres com mulheres. Nesta ocasião. *Rm 16.28). Cl 1. porque estes supri­ 16. cICo 1. Timóteo ainda era jo­ 16.18 23 A graça do Senhor Jesus seja con­ Estéfanas. como estes/ Cl 1. 16.16ss). As forças são concedidas por ((o 14.12 Acerca do.18 talvez refira. C f A t1 8 . ss. Jerusalém. permanecei firmes na 16.