You are on page 1of 110

CCO SERGIPE–BR | EDIÇÃO 1835 | ANO 35 | 11/6/2018

A NOVA ERA DA NOTÍCIA

SERGIPE FOI O CENTRO DO BRASIL

FOTOS VIEIRA NETO

DIFERENTES CAMINHOS
QUE O BRASIL PODE TOMAR
Do frenesi midiático de Jair Bolsonaro ao tom
professoral de Geraldo Alckmin: um mergulho nas
visitas dos dois presidenciáveis a Sergipe
ACESSE P. 14

PROPAGANDA QUE ATRAPALHA


VIEIRA NETO

Busdoor é risco de aumento


dos assaltos a ônibus
ACESSE P. 52

Clique para anunciar grátis nos Classificados CINFORM


IMPORTANTE
Para ler e navegar melhor no seu jornal
CINFORM digital, instale a versão gratuita
do Adobe Acrobat Reader, acessando
o Play Store ou Apple Store do
seu celular, tablet ou computador.

CLIQUE CLIQUE
E ACESSE E ACESSE

CLIQUE E ACESSE

Receba o seu jornalCINFORM digital


GRÁTIS toda semana através do
WhatsApp, às segundas-feiras.

CLIQUE AQUI
E CADASTRE-SE

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 2


A NOVA ERA DA NOTÍCIA

SERGIPE–BR | EDIÇÃO 1835 | ANO 35 | 11/6/2018

t
ÍNDICE CADERNO 1 CLIQUE E ACESSE

OPINIÃO
EDITORIAL – Alckmin X Bolsonaro 7
CHARGE | 9
CINFORMANDO | Anderson Christian –
Marcélio tem razão 10

POLÍTICA
Mirando no centro 14
Direita volver! 26

GERAL
PMA pede empréstimo de R$ 9 mi
a CMA e não especifica destino 38
Vereadores criticam
andamento da ‘CPI do Lixo’ 44

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 3


‘Busdoor’ facilita roubos 52
Psiquiatras e psicólogos:
saúde mental em debate 58
PRÓ-SOLUÇÃO – Cobrança indevida:
uma dor de cabeça que parece não ter fim 63

Allisson Bonfim Diretor Comercial


allisson@cinform.com.br – Fone: (79) 2105-4555

comercial@publimidia.com.br – (79) 3217–2855

Representante comercial – Clique e fale agora

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 4


E ACESSE
t
CLIQUE
ÍNDICE
GERAL

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 5


| OPINIÃO

EDITORIAL
1/2

ALCKMIN X
BOLSONARO
No Brasil a simplificação é a tônica. Então a
disputa é sempre Fla X Flu, mesmo quando se
trata de coisa séria. Eleições, por exemplo. E a
semana que passou – prosseguindo em parte
desta segunda, 11 – foi pródiga para os sergipanos
em termos de possibilidade de debates, uma
vez que o presidenciável Jair Messias Bolsonaro
(PSL) por aqui esteve na última quinta, 7. E o
presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) chegou
no domingo, 10, e embarca de volta hoje, 11.

O CINFORM acompanhou de perto a presença


dos dois e chega a única conclusão possível. Nem
detratores e nem apaixonados podem ser levados
ao pé da letra quando se trata de analisar Alckmin
ou Bolsonaro. Porque dizer que o deputado
federal, fenômeno nas redes sociais e capaz de

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 7


| OPINIÃO | EDITORIAL
2/2

arrastar multidões, é apenas um “disseminador


do ódio’, como querem seus adversários, ou que
ele é o “salvador da pátria”, como sonham os seus
seguidores, são posturas por demais superficiais.

Assim como é muito superficial avaliação de


que Alckmin é sem carisma, “picolé de chuchu”,
como alardeiam seus detratores, ou que se
trata do “inventor da roda” em gestão, por ter
administrado São Paulo por quatro mandatos,
como gabam seus eleitores. Os problemas do
Brasil são bem abaixo do que essa linha visível
a olho nu. E profundidade é algo mais do que
necessário em um momento tão delicado como o
que vivemos no país. Tanto para Bolsonaro, como
para Alckmin, como para todos os demais pré-
candidatos que surgirem, a pergunta tem que ser:
como vamos sair das crises, econômica, moral,
política, de segurança, em que nos encontramos?
E, além das respostas dadas, um estudo também
profundo sobre quem é cada um. Dá trabalho?
Claro que dá. Mas, caro leitor, cara leitora, só
assim a gente sai do Fla X Flu e passamos a
pensar – e construir – um país viável.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 8


| OPINIÃO

CHARGE | Percles

ENQUANTO ISSO, NO STF...

...DEIXEM
QUE EU
SOLTO!

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 9


| OPINIÃO
1/4

Anderson Christian
CINFORMANDO

MARCÉLIO
TEM RAZÃO
As declarações de Marcélio Bonfim no
enterro de José Carlos Teixeira ainda nem se
esfriaram e pontos de confirmação de que
o velho militante tem razão se avolumam.
Jackson Barreto teve traição revelada por
Marcélio e confirmada pela família do saudoso
Zé Carlos. Mas não se trata de caso isolado.

Senão, vejamos: Jackson opera fortemente


para isolar o presidente do PT em Sergipe,
Rogério Carvalho. Ele pode até negar, mas
os fatos dizem que isso ocorre de forma

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 10


| OPINIÃO | CINFORMANDO
2/4

vertiginosa. Primeiro JB alardeou uma suposta


inelegibilidade de Rogério. Depois, sugeriu que
o nome de Eliane Aquino como vice seria uma
boa e contemplaria o PT na chapa majoritária.
Agora aparece um “zumzumzum” de que
Laércio Oliveira (PP) poderia fazer dupla com
Jackson na chapa governista ao Senado. Para
fechar, JB se posiciona como se ele fosse “o
cara” de Lula em Sergipe, numa clara afronta
ao papel que o presidente do PT sergipano tem
legítimo direito de desempenhar.

Claro que tudo é do jogo político. Mas,


agindo assim, Jackson Barreto só faz
confirmar mais e mais a tese de Marcélio: de
que ele, JB, não se apoquenta com questões
alheias quando o que está em jogo é a sua
sobrevivência política. Restará ao PT não dar
uma de “João sem Braço”, pois se assim o fizer,
colocará um emedebista, filiado ao partido
que os “companheiros” amam odiar por ser
“golpista”, no lugar de um representante de
fato e de direito do petismo e, principalmente,
do lulismo em Sergipe.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 11


| OPINIÃO | CINFORMANDO
3/4

Amigos
Felicidade era a palavra para Eduardo Amorim
(PSDB) na visita de seu companheiro de
partido, Geraldo Alckmin, à Sergipe.

Sempre ele
E não é que a coluna acertou mais uma vez:
a presença de Albano Franco na visita de
Alckmin deu aquela certeza de presença de
público.

Interna corporis I
Falando em presença de público, quem
estranhou pouca gente no lançamento da pré
de Valadares Filho (PSB) ao governo exagerou.

Interna corporis II
A questão é que o lançamento se tratava de
uma ação interna do partido. Com isso, gente
de outras agremiações quase não marcou
presença.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 12


| OPINIÃO | CINFORMANDO
4/4

Martelo na mão
Não se trata de “charminho”, não. Fábio Henrique
(PDT) ainda não se definiu de vez porque sabe do
seu peso e o de sua agremiação.

Tô com ele!
O vereador aracajuano Cabo Amintas (PTB)
esteve de corpo presente na recepção a Bolsonaro
em Aracaju. E vota nele, independente de partido.

JeJ
Voltou com força a ideia que João Tarantela
(PSL) tem para alavancar sua pré a governador. É
a dupla “J e J”. João, o Tarantela, colado no Jair, o
Bolsonaro.

Corre, corre
Serão intensificadas as ações do governador
Belivaldo Chagas (PSD) pelo interior do
estado. Comando de sua pré a reeleição é
quem definiu o roteiro.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 13


POLÍTICA
1/12
VIEIRA NETO

Chegada à Itabaiana: nessa multidão, nada de protesto

MIRANDO
NO CENTRO
l Palanques fortes e conhecimento de
causa: os pontos que Geraldo Alckmin
considera decisivos para alavancar
sua pré a Presidente

ANDERSON CHRISTIAN | redacao@cinform.com.br

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 14


| POLÍTICA
2/12
ANDERSON CHRISTIAN

Aeroporto Santa Maria: recepção de políticos e lideranças

Aeroporto Santa Maria, em Aracaju, por volta


das 20h do domingo, 10. Uma movimentação
de pessoas no desembarque acusava: Geraldo
Alckmin (PSDB), ex-governador de São Paulo
por quatro vezes e pré-candidato a presidente
pela segunda vez – a primeira foi em 2006,
quando o peessedebista foi derrotado pelo
petista Lula – estava para desembarcar em
Sergipe. Nada demais, em termos de calor, de
multidão. Mas uma coisa chamava a atenção:
diversos prefeitos, políticos, empresários,
todos capitaneados pelo senador Eduardo
Amorim, também tucano e também pré-
candidato, só que a governador.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 15


| POLÍTICA
3/12

Fotos, selfies e até uma “tiração de onda”,


com um jovem que se apresenta a Alckmin,
gravando vídeo para rede social, para depois
finalizar: “vim lhe abraçar e dizer que é
Bolsonaro 2018”. Nada tira o foco do pré-
candidato. O sorriso segue impávido. Assim
como a comitiva segue para o ônibus que a
levaria para Itabaiana, para a Feira do Caminhão.
“O senhor poderia falar com a reportagem do
CINFORM por cinco minutos?”, disse o repórter
após se apresentar. “Claro, Anderson”.

E assim que o transporte chegou a BR 235,


o repórter voltou à carga. “Pois não, Anderson”.
Essa solicitude de Alckmin passa por alguns
detalhes que deu para observar antes mesmo
de interpela-lo. Papel e caneta na mão, o pré-
candidato consultava duas pessoas sentadas no
outro lado do corredor, ao lado de sua poltrona:
o ex-governador Albano Franco e o próprio
Eduardo Amorim. Perguntas sobre economia,
infraestrutura e até nomes de lideranças locais.
Tudo anotado de forma rápida, em palavras
chave, de forma bem discreta.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 16


| POLÍTICA
4/12

“APRENDIZADO”
Mas é assim no país inteiro? “Olha, uma pré-
campanha é um momento pedagógico, para
você percorrer o Brasil e ver quantos “Brasis”
nós temos. A América espanhola se dividiu
em “n” países”. A América portuguesa se
manteve unida num país continental”, diz em
tom professoral, claro. “Percorrer o país, ouvir,
conversar e ver os problemas”, diz Alckmin
como se fosse um mantra.

E o próprio se apressa em explanar um


problema que considera grave. “Estou indo,
daqui a dez dias, a Mato Grosso. E vou de lá
até o porto de Itaituba, no Pará. De Cuiabá
até Santarém. Não farei todo o trecho de
carro porque teria que levar oito dias, mas vou
fazer o trecho que é o gargalo, quando chega
no porto, pega o rio Amazonas, Tapajós e vai
para o Norte. Essa questão de infraestrutura
é relevante porque é um problemão, é um
gargalo”, diz, aí já apontando para a estrada
que percorríamos, a BR 235. “Rodovias não
duplicadas, como essa, obras muito lentas,

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 17


| POLÍTICA
5/12
VIEIRA NETO

Família: Geraldo visitou Sergipe acompanhado de Lu Alckmin

como a 101. De outro lado, se você fizer um


grande programa de infraestrutura e logística
você gera muito emprego. E rapidamente. E
emprego é a prioridade absoluta”.

Sendo sua segunda pré-campanha à


presidência, quais seriam as diferenças entre
os dois momentos, 2006 e 2018? “Desemprego
é maior hoje. A queda no PIB foi muito grande,
três anos de recessão. Se pegar do pós-guerra
(II Guerra Mundial) pra cá, já teve recessão.
Mas caía num ano e subia no outro. Essa

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 18


| POLÍTICA
6/12

recessão que passamos agora é a maior nos


últimos 80 anos. Há um empobrecimento da
população, perda de renda, crise de confiança”,
desfia Geraldo Alckmin.

“NÃO TEM VOTO”


Mas quem nasceu primeiro, o ovo ou a
galinha? Ou seja: a crise de confiança surge da
crise econômica, ou seria o contrário, provoca
o repórter. “São duas crises: uma política, por
conta da falta de legitimidade, não só do poder
Executivo, mas também do Legislativo e do
Judiciário. No caso do Executivo federal ela
é agravada pelo fato do presidente (Michel)
Temer não ter voto. E esse é um problema a
mais. E temos a crise econômica, porque não
se tem crescimento se não tiver investimento.
Para ter investimento, é preciso ter confiança”.

Dessa forma, Alckmin avalia que as


crises estão entrelaçadas. “E o que é que
eu defendo? O próximo presidente vai ter
55, 60 milhões de votos no segundo turno.
Isso dá uma legitimidade muito grande. É

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 19


| POLÍTICA
7/12

preciso aproveitar isso para fazer as coisas


mais urgentes, para retomar rápido o
crescimento”, diz o pré-candidato.

E ele elenca quais seriam essas reformar,


digamos, emergenciais. “Reforma política,
para retomar a segurança institucional, e
reforma econômica. Nessa eu destacaria a
simplificação tributária. Nosso modelo é muito
complexo. São cinco impostos: IPI, ICMS,
ISS, Pis e Cofins. No mundo inteiro é o IVA
(Imposto Sobre Valor Agregado). Simplificando
a questão tributária, o Nordeste, por exemplo,
ganha porque o imposto passará a caminhar
mais para o destino”.

CHEIO E VAZIO
Geraldo Alckmin, apesar dos pesares, não
demonstra pessimismo. “Tem o copo meio
cheio e o meio vazio. No meio cheio, o Brasil
melhorou. Não de 2000 e pouco pra cá, mas
desde o século passado. Era um país pobre e
hoje é um país de renda média. E o copo meio
vazio é que estamos nessa armadilha da renda

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 20


| POLÍTICA
8/12
ZÉ DO SERTÃO

Entrevista foi feita ali mesmo, dentro do ônibus, na viagem Aju/Ita

média, não conseguimos avançar porque é


um país caro. Automóvel aqui é duas vezes e
meia o que custa nos Estados Unidos, minuto
de celular custa sete vezes mais do que nos
Estados Unidos. Juros do banco, para fazer um
empréstimo e empreender, é quatro vezes o
que custa no mundo. É um país caro, que perde
competitividade”, calcula Alckmin.

Mas dá para resolver a questão do


empréstimo bancário à base da “canetada”

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 21


| POLÍTICA
9/12

oficial? “Não. O que se tem que fazer é ter


mais disputa. Nós temos 5, 6 bancos e nos
Estados Unidos tem 5 mil bancos. Economia
de mercado funciona com competição. Me
perguntam se vou privatizar o Banco do Brasil.
Digo não, não vou. O problema não é banco
de mais, é banco de menos. É preciso ter mais
players para disputarem e baixar o spread. E
ter cooperativas de crédito, e ter uma agenda
de competitividade, baixar o custo do dinheiro.
É investir em educação básica, fundamental,
médio, técnico. Se você subir 50 pontos no
Pisa, que é o índice que mede esses níveis da
educação, você ganha um ponto percentual a
mais no PIB, pois ganha produtividade”.

Para Alckmin, a Petrobrás é outra empresa


que merece ser analisada por esse prisma.
“Não se privatiza a Petrobrás porque ela é
campeã em pesquisa, prospecção e produção
de petróleo. O problema é que está mantido
o monopólio do refino. E aí surge o problema
para a população, a manutenção do monopólio
do refino”, ataca Geraldo Alckmin.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 22


| POLÍTICA
10/12

ALÔ SERGIPE
E antes mesmo que o repórter o
questionasse, como a viagem entre Aracaju e
Itabaiana estava chegando ao final, foi Alckmin
que fez questão de se posicionar. “Sergipe.
Infraestrutura: duplicação completa das BRs
101 e 235, pois isso gera emprego rápido para
a população. Segurança: São Paulo tinha 35
homicídios por 100 mil habitantes, hoje tem
8,02. Pra isso vou criar a Guarda Nacional. Hoje
tem a Força Nacional, quando tira um policial
de um estado e coloca no outro. Veste um
santo e descobre outro. E o policial que chega
num estado, ainda não o conhece. Por isso vou
criar a Guarda Nacional permanente. E toda
a prioridade é a questão das fronteiras, por
onde passa droga e armamento”, avisa Geraldo,
ciente de que os números da violência em
Sergipe são alarmantes.

E o pré-candidato segue com suas


referências locais, falando da ajuda que seu
governo em São Paulo deu à Sergipe. “Em
Propriá, quando da baixa do São Francisco,

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 23


| POLÍTICA
11/12
VIEIRA NETO

Alckmin aposta na formação de palanques fortes pelo país

mandamos maquinários que usamos na crise


hídrica de 2014. E eles ainda estão aí, servindo
a população. E teremos o Canal de Xingó,
que beneficiará Porto da Folha e toda aquela
região. E a última questão é saúde. O perfil
mudou, a população envelheceu. A primeira
causa de morte é coração. A segunda, câncer.
E a terceira são causas externas. No Brasil,
10% dos municípios têm o câncer como
principal causa. Temos que montar uma rede
de atendimento gratuito, de qualidade, para
resolver essa questão”.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 24


| POLÍTICA
12/12

Mas voltando para a política: se considera


no segundo turno? “Temos que ter
humildade, acima de tudo. Mas vejo grandes
possibilidades. Primeiro porque teremos
grandes palanques em todo o Brasil, com
candidatos muito competitivos. Não é só
candidatura a presidência”, avalia.

E com o ônibus já dentro de Itabaiana,


a última pergunta: Bolsonaro é ou não o
adversário a ser batido? “Política não se
obriga, política se conquista e em sempre
digo: tem o problema do desemprego. Você
não vai resolver o desemprego à bala, vai
trazer investimentos. Falta creche, escola,
você não vai resolver à bala, vai construir. Falta
saúde, não dá para resolver à bala, tem que
abrir mais leitos. É a boa política, que é o que
melhora a economia, que melhora a emprego
e renda, que melhora a sociedade”, finaliza
Geraldo Alckmin, coincidentemente ou não, já
adentrando uma cidade que, historicamente,
vende como sua melhor imagem a disposição
de sua população para o trabalho.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 25


1/12

Pose do fuzil: Bolsonaro leva plateia ao delírio com generalidades

DIREITA VOLVER!
l Com discurso repaginado, apelo à
autoridade e forte intervenção nas redes
sociais, Bolsonaro arrasta seguidores

HENRIQUE MAYNART | redacao@cinform.com.br


Fotos VIEIRA NETO

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 26


| POLÍTICA
2/12

A reportagem do CINFORM desembarca no


Aeroporto Internacional Santa Maria, Zona Sul
de Aracaju, às 14h29 e corre em direção ao
portão de desembarque. Não, não é cena de
final de comédia romântica de Hollywood.

Jair Messias Bolsonaro, primeiro colocado


na pesquisa do DataPoder 360 em todos os
cenários, estava prestes a chegar na capital
sergipana. Cerca de 500 pessoas coalhavam o
recinto à espera do “mito”, cujo desembarque
estava previsto para as 14h40. Muitos rostos
jovens, a grande maioria homens, policiais e
setores da segurança à paisana. “Uh uh uh
uh uh uh uh”, “ a nossa bandeira jamais será
vermelha”, “eu vim de graçaaaaa”,“ohhh o
capitão chegouuuu, o capitão chegouuu”,
“mito, mito, mito!” frases urradas a cada falso
alarme do letreiro de desesmbarques.

ELEITORES SEGUIDORES
Devidamente enfiado no centro da
muvuca, pergunta lançada: “o que é que
trouxe vocês aqui?” As respostas vieram

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 27


| POLÍTICA
3/12

em cadeia e uma roda de 10 a 15 pessoas se


formou em torno da reportagem. “Eu sou a
favor do armamento”, “a gente é contra o PT”,
“e a ideologia de gênero”, “é pra acabar com
essa corrupção toda”, “pra tocar o terror na
bandidagem”. Um grupo de ex-estudantes
do Colégio Santos Dumont, de 19 a 21 anos,
posam pra foto. “A gente tá cansado dessa
roubalheira toda e precisa de um cara que
resolva as coisas.” “A esquerdalha que chama
o Bolsonaro de homofóbico nem liga pro
Jean Wyllys posar de Che Guevara, quando
Cuba perseguia homossexuais”.

Edy Wesley, 27 anos, morador do 18 do Forte,


não perde tempo em criticar o comportamento
da mídia tradicional. “Eles querem esconder o
Bolsonaro porque sabem que ele não tem rabo
preso. Até porque a Globo fica incentivando
o homossexualismo nas novelas e na
Malhação, quando bota os gays e as lésbicas
pra se beijar”, afirma. Ao final da conversa,
a preocupação: “meu chefe vai me ver no
CINFORM e vai sacar que eu não estou doente,

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 28


| POLÍTICA
4/12

que faltei ao trabalho pra ver o Bolsonaro”.


Escolhas Edy Wesley, escolhas.

“Eu quero Bolsonaro presidente do Brasil


porque ele vai acabar com a corrupção, acabar
com a farra dos Cargos Comissionados, os
terceirizados e fazer concurso público...”. A
médica do trabalho Ledna Santana, de 60 anos,
não tem tempo de terminar sua fala: o “capitão”
chegou. Correria, empurra-empurra, enxurrada
de urros e celulares a postos para acompanhar
Jair Bolsonaro carregado nos ombros em direção
ao trio elétrico montado na porta do aeroporto.

SERGIPE É MAIOR QUE A BAHIA


Devidamente posicionado em cima do trio
sob o céu aberto das 15h, o pré-candidato
pilheria com a pretensa rivalidade entre
Sergipe e Bahia tal como o fez em Minas
Gerais – quando falou que abriria uma
saída para o mar – mas erra a piada no
final. “Dizem que eu quero anexar Sergipe
à Bahia, mas é o contrário: eu vou anexar
Sergipe à Bahia”. Errar é humano, sobretudo

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 29


| POLÍTICA
5/12

Muitos jovens na chegada de Bolsonaro a Aracaju

na gozação. “Quero dizer que Sergipe é


maior que Israel, e Israel é maior que o
Brasil. Estive lá recentemente e precisamos
aprender mais com aquele povo.” Seguia
Bolsonaro, acompanhado do pré-candidato a
governador João Tarantela, a pré-candidata
a vice, Brenda Gonçalves, o vice-presidente
nacional do PSL, o paraibano Julian Lemos, e
o presidente do PSL em Aracaju, Valdir Viana,
além de representantes do movimento Direita
Sergipana e Comitê Sergipe com Bolsonaro.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 30


| POLÍTICA
6/12

CAMISAS
“É melhor JAIR se acostumando!”,
“Bolsomito”, “O soldado que vai à guerra e
tem medo de morrer é um covarde”, imagens
do Enéas, do Bolsonaro fazendo pose de
metralhadora, dentre uma série de artigos
que dialogam com uma estética militarizada,
“uniformizada”, fazem parte do acervo do
cearense Pedro Paracas. Pedro acompanha
as viagens do Bolsonaro desde maio de 2017,
se diz independente do comitê de campanha.
“A previsão hoje é vender mil camisas, foram
umas duzentas aqui no Aeroporto e o resto lá
no Iate Clube”, afirma.

A coletiva de imprensa tem início às 16h25


no auditório do Hotel Delmar Mércure. “Só
pergunta light, hein, pessoal, que eu sou
diabético”, descontrai o pré-candidato ao início
da coletiva que durou exatos 27 minutos e 49
segundos de gravador. À mesa João Tarantela,
Julian Lemos e Valdir Viana. Perguntado sobre
projetos para o Nordeste, Bolsonaro fala
em desburocratização, desregulamentação

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 31


| POLÍTICA
7/12

Cerca de mil camisas foram vendidas nas atividades

e diminuição de impostos. “O trabalhador


precisa escolher entre todos os direitos e
desemprego, ou alguns direitos e emprego. É
que nem um casamento, tem que negociar.
Daí é o arroz com feijão pra cada região”. Cita
Israel como referência mais uma vez e fala

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 32


| POLÍTICA

8/12

Multidão recepciona pré-candidato

em três pontos que enxerga como gargalos:


funcionalismo público, previdência e juros.

Fala sobre a possibilidade de privatização


da Petrobrás sobre o regime Golden Share,
mas afirma que a empresa não “está no seu
radar”. “A Petrobrás é estratégica, mas não é
nossa não, como defendem os sindicalistas
da FUP.” No evento do Iate Clube, foi mais
preciso: “Precisamos fazer parceria com
outros países para explorar nossas riquezas.
Integrar não é entregar”.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 33


| POLÍTICA
9/12

Plenária lotou Iate Clube de Aracaju

Conhecido pelas declarações em relação


aos movimentos feministas e LGBT´s, o
pré-candidato responde perguntas sobre
casamento civil igualitário com a Constituição
debaixo do braço. “A Constituição estabelece
que a unidade familiar é homem e mulher.
Se quiserem apresentar uma PEC, mudar
a Constituição e conseguirem aprovar eu
vou respeitar, mas por enquanto eu sigo a
Constituição”. Defende redução da maioridade
penal para a idade de até 14 anos, “no que
depender de mim”.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 34


| POLÍTICA
10/12

“NÃO PODEM ME ACUSAR DO QUE SÃO”


O discurso de Jair Messias Bolsonaro,
que não à toa passou a utilizar o nome do
meio, está centrado em dois aspectos gerais:
combate à corrupção e enfrentamento à
violência com armamento, militarização e um
discurso belicista. “Podem me chamar de tudo,
de assassino, de violento, de conservador. Só
não podem me chamar de corrupto.”

As cadeiras do auditório do Iate Clube de


Aracaju estavam completamente ocupadas às
19h30 da quinta-feira. Na atividade, os 12 pré-
candidatos a deputado federal e 26 a estadual
do PSL se encontravam na frente. A mesa
é composta às 19h48 e às 19h52 é tocado
o Hino Nacional completo. Atrasado para a
solenidade, João Tarantela chega a tempo na
mesa para a segunda parte do hino.

Logo em seguida é pedido um minuto de


silêncio em homenagem ao Capitão Oliveira,
do Batalhão de Policiamento da Caatinga,
e da Sargento Eliana Costa, assassinados

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 35


| POLÍTICA
11/11

Discurso mira muitos temas sem necessariamente apronfundá-los

recentemente. “Ei, dá pra você falar de novo


isso aí? É que eu sou sobrinho do Capitão
Oliveira e queria gravar direito”. Pedido
atendido, o cerimonial repete o comunicado.

COMBATE À CORRUPÇÃO
Após as falas regimentais da mesa,
com destaque para a recepção do pré-
candidato João Tarantela “Uh, é Tarantela”,
Bolsonaro é anunciado e fala de pé. Há uma
preocupação da organização em esvaziar os
corredores, os pedidos para recolher copos

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 36


| POLÍTICA
12/12

de água e suco que eram servidos ao fundo


do auditório se repetiam.

O público responde disciplinadamente às


ordens do microfone, os organizadores do
evento portam uma camisa amarela com
alusão à seleção brasileira de futebol. Bolsonaro
segue o seu script denunciando a “indústria de
demarcação de terras indígenas e quilombolas”,
o “marxismo cultural” e todo e qualquer
assunto sempre descamba para corrupção e
recrudescimento dos aparelhos de repressão.
Sob uma retórica militarizada, o pré-candidato
conclama a todos para a tarefa das eleições
contra “a esquerda e os corruptos”, e missão
dada é missão cumprida. Não defende o fim
do Bolsa-Família, mas levanta a necessidade
de outros mecanismos de retirar o povo dos
programas sociais. Mas, seja porque ele mesmo
alertou – “estou aqui como deputado, não como
candidato a presidente” – ou seja por falta de
profundidade no discurso, Bolsonaro defilou
um rosário de generalidades. E os presentes,
diligentemente, aplaudiram exatamente isso.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 37


GERAL
Centro Administrativo 1/6
Prefeito Aloísio Campos
VIEIRA NETO

PMA PEDE
EMPRÉSTIMO
DE R$ 9 MI A CMA
E NÃO ESPECIFICA
DESTINO
l Não há discriminação de quantos e
quais são os materiais/serviços solicitados

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 38


| GERAL 2/6
REPRODUÇÃO PL

No projeto não vem especificando


quais equipamentos e serviços são esses

Um Projeto de Lei (PL) da Prefeitura


Municipal de Aracaju (PMA) enviado para a
Câmara Municipal de Aracaju (CMA), pede
empréstimo para contratar operação de
crédito junto ao Banco do Brasil, no valor de
R$ 9.689.200,00 (nove milhões, seiscentos
e oitenta e nove mil e duzentos reais) para
Financiamento de Modernização da Gestão
e Mobilidade Urbana através de aquisição
de máquinas e equipamentos novos,
instalação da fibra óptica, software, além
de outros bens e serviços para algumas
secretariais e empresas. Porém, no PL, não
há a especificação de quantas e quais são
as máquinas, os equipamentos e serviços.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 39


| GERAL 3/6

A Prefeitura fez recentemente um empréstimo


de R$ 100 milhões e não especificou nada no PL

DEFICIÊNCIA NA GESTÃO
A Prefeitura alega que a Empresa Municipal
de Serviços Urbanos (Emsurb) levantou
a necessidade de comprar máquinas e
equipamentos; e que as Secretarias Municipal
do Planejamento, Orçamento e Gestão
(SEPLOG), através da sua Diretoria de
Tecnologia da Informação, em conjunto com os
Departamentos de Tecnologia da Informação
da Secretaria Municipal da Educação (SEMED),
da Secretaria Municipal da Defesa Social
e da Cidadania (SEMDEC), e da Secretaria
Municipal da Indústria, Comércio e Turismo
(SEMICT), levantaram a necessidade de
contratar serviços de tecnologia.

A PMA alega também que a Secretaria

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 40


| GERAL
4/6

Municipal da Fazenda (SEMFAZ) passa por


alguns problemas em relação a sua infraestrutura
física, tecnológica e de comunicação, e pretende
minimizar os riscos à Administração Pública e
melhorar o potencial de arrecadação municipal.

O Projeto de Lei solicita a compra de


materiais para a Procuradoria-Geral do
Município (PGM), pois a Prefeitura alega
que possui um parque de equipamentos
deficientes, que vem gerando transtornos
para a utilização de algumas ferramentas
necessárias ao bom funcionamento do órgão.

Por fim, o PL solicita a reestruturação do


Parque Tecnológico da Empresa Municipal de
Obras e Urbanização (EMURB), que, segundo a
PMA, vem passando por uma defasagem muito
grande, visto que há muitos equipamentos
obsoletos e outros com problemas.

OPOSIÇÃO
O vereador Lucas Aribé (PSB) acredita que
o Projeto de Lei, mesmo não apresentando

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 41


| GERAL
5/6

detalhes, irá ser aprovado, pois o prefeito tem


maioria na Câmara. O vereador afirma que os
parlamentares da oposição que votam contra
aos projetos são mal vistos por não terem acesso
a todas as informações. Aribé lembra de um caso
semelhante que aconteceu no ano passado, em
que a PMA solicitou um empréstimo de R$ 100
milhões para obras e não especificou quais eram,
o projeto foi aprovado pela maioria.

“É importante a gente sempre manter


um entendimento que quando um projeto
de lei chega à Câmara ele tem que vir com a
devida transparência, de que forma vai ser
utilizado o dinheiro, em que situação, como
será essa modernização. Alguns vereadores
têm informações privilegiadas, eles sabem
de que forma será usado, outros não. Por
isso, os que votam contra são mal vistos. A
gente quer votar a favor, desde que ele tenha
todas as informações e que fique claro para
a sociedade de que forma será utilizado. Tem
que vir alguém da Prefeitura explicar sobre o
projeto. Esse caso é muito semelhante ao do

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 42


| GERAL
6/6

ano passado, em que a Prefeitura solicitou cem


milhões de reais e nem sequer apresentou as
obras para a gente”, esclarece.

DEFESA
O vereador, líder do governo na Câmara,
professor Antônio Bittencourt (PCdoB), informa
que o valor de R$ 9 milhões é resultado de
uma linha de crédito com recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e
Social (BNDES), repassados para o Banco
do Brasil, exclusivos para modernização
do aparato tecnológico e burocrático da
Prefeitura, dirigidos a algumas secretarias do
município. Ele assume que o Projeto de Lei
não está detalhado, mas informa que possui
esses dados e estão à disposição dos demais
vereadores. “Um dos itens que não estão
especificados no projeto é a máquina fresadora
de asfalto, responsável pelo recapeamento do
Mercado de Aracaju até o Bairro Atalaia. Não
há detalhamento no projeto, mas esses dados
estão à disposição dos vereadores. Faremos a
defesa dele”, declara.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 43


| GERAL
1/8
DIVULGAÇÂO

Delegados foram ouvidos na Câmara de Aracaju

VEREADORES
CRITICAM
ANDAMENTO DA
‘CPI DO LIXO’
l Delegados que integravam a Deotap
explicam como CPI foi arquivada

Membros da CPI do Lixo se reuniram no


Plenário da Câmara Municipal de Aracaju
(CMA) para receber os delegados Danielle

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 44


| GERAL
2/8

Garcia e Gabriel Ribeiro, que integravam a


Departamento de Investigação contra a Ordem
Tributária (Deotap). Na ocasião, após os relatos
dos delegados os vereadores se pronunciaram
sobre a investigação feita sobre a limpeza
urbana na cidade de Aracaju nos anos de
2010 a 2016. A temperatura subiu quando o
presidente da comissão limitou o período de
investigação e proibiu vereadores de fazer
questionamentos aos delegados.

O presidente da Comissão de Inquérito


Parlamentar (CPI), Vinicius Porto (DEM),
explicou o objeto da investigação. “Estamos
aqui para investigar os contratos firmados
entre a Prefeitura de Aracaju e as empresas
Cavo e Torre realizados neste período”.

Um dos autores do requerimento que


pedia a instalação da CPI do Lixo, Elber
Batalha (PSB), deixou claro o interesse
em que a CPI investigasse os contratos
até o ano de 2017. “Acredito que nós
deveríamos investigar os contratos até o

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 45


| GERAL
3/8
DIVULGAÇÂO

ano de 2017 e não até


o ano de 2016 como
foi delimitado aqui.
Também deixo claro
aqui que os delegados
possam explanar as
informações com
tranquilidade para que
possamos analisar”.
Elber Batalha faz parte da
CPI mas critica andamento
DELEGADOS
A delegada
Danielle Garcia foi a primeira a falar sobre os
contratos emergenciais feitos pela Cavo e a
Torre, esclarecendo o processo investigativo
acerca dos inquéritos policiais instaurados.
“Investigamos o contrato emergencial feito
pela Emsurb em que a Cavo foi a vencedora,
mas durante o decorrer dos eixos do inquérito
policial não foi possível suscitar uma denúncia,
onde resolvemos pedir o arquivamento, o qual
foi acatado pelo Ministério Público”.

Danielle também falou sobre a investigação

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 46


| GERAL
4/8

da Torre. “No segundo momento recebemos


uma denúncia da Cavo em relação à Torre,
alegando que esta superfaturava os contratos.
A partir daí iniciamos uma nova investigação”.

O delegado Gabriel Nogueira falou sobre os


indícios de superfaturamento nos contratos
firmados com a empresa Torre. “É preciso que
entendamos que a coleta de lixo se dá de dois
modos. A primeira que é do lixo domiciliar,
que possui um valor maior, e a de entulhos
que possui um valor menor, até por exigir mão
de obra e aparatos técnicos mais baratos. O
que houve nos contratos foi uma diminuição
no valor do dinheiro destinado a coleta de
entulhos e um exagero no da coleta domiciliar
e o que acabava acontecendo é que o entulho
era coletado como se fosse lixo domiciliar,
gerando um indício de superfaturamento”.

POLÊMICA
A vereadora Emília Corrêa (Patriota),
disse que a CPI do Lixo é teatro para
esconder a verdade. “Foi deprimente,

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 47


| GERAL
5/8
DIVULGAÇÂO

frustrante, triste. O
que fizeram dessa
sessão foi um teatro
para não mostrar o que
deveria ser mostrado.
Foi tudo combinado,
com entendimentos
equivocados e muito
bem direcionados”,
repudiou. “CPI virou teatro para esconder
a verdade”, alfineta Emília

O primeiro ponto,
segundo Emília, foi limitar os depoimentos
aos anos de 2010 e 2016, quando, segundo
a própria delegada Danielle Garcia, as
investigações da “Operação Babel”, em
2017, entraram em sua última fase e revelou
situações mais graves após acesso da
polícia a ligações telefônicas e medidas
cautelares. Depois foi a mordaça imposta
aos vereadores. “Todos que fazem o Poder
Legislativo de um país sabem que é obvio o
direito de voz do vereador. A Constituição
Federal, a Lei Orgânica do Município de

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 48


| GERAL
6/8

Aracaju e o Regimento Interno desta casa


garantem isso”, disse.

Emília Corrêa disse que a resposta de


Vinícius Porto sobre a proibição de se fazer
questionamentos, foi revoltante. “Ele disse
que não iria seguir o regimente desta Casa por
entender que é arcaico. Partindo desse pífio
argumento só me resta perguntar então: quais
são as regras que nós vamos seguir? Ele pode
até dizer que são arcaicas, mas as normas
estão em vigor. É lei”, enfatizou.

CONTRADIÇÕES
Elber Batalha também criticou a postura
do presidente da CPI do Lixo em retirar por
conta própria o foco das investigações da
CPI relacionados ao ano de 2017. “Quando
nós discutíamos essa CPI, alguns vereadores
que hoje são situação, eram da oposição.
Naquela oportunidade, construímos juntos
o requerimento da CPI e o vereador Vinicius
Porto me auxiliou muito nessa discussão. Se
eu cito investigar o contrato vigente em março

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 49


| GERAL
7/8
DIVULGAÇÂO

de 2017, está ou não


claro que é para incluir
o contrato deste ano
nessa CPI?”, indagou.

O parlamentar, que
é o único membro da
oposição que compõe a
CPI do Lixo, disse ainda
que o vereador Vinícius Veto de Vinícius Porto
gera polêmica
Porto, depois de assinar
a CPI, pediu a retirada
de seu nome do requerimento. “Lembro-
me que ele, à época, falou para que eu
protocolasse logo antes que alguém retirasse
a assinatura, que foram 9 no total. Ele foi o
primeiro a pedir retirada de seu nome da CPI,
justificando que seu pai havia sido presidente
da Emsurb durante esse período. No entanto,
numa imensa contradição, hoje ele preside
essa mesma CPI”.

O Elber Batalha, juntamente com a


bancada de oposição, teve que fazer uma

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 50


| GERAL
8/8

peregrinação jurídica durante 1 ano para


conseguir uma liminar para a instalação
da CPI do Lixo na CMA. “Tudo isso por
conta da retirada do nome do vereador
Vinicius, porque a Câmara justificou a
falta de assinaturas para embargar a
CPI. Tivemos que recorrer judicialmente
durante 1 ano para que essa CPI ocorresse.
E pasmem; ainda existe no STF um
recurso extraordinário proposto pela CMA
justificando a retirada da assinatura do
vereador Vinicius para não ter a CPI que já
está em curso”, lembrou.

Elber explicou também que logo na primeira


reunião da CPI, sob a presidência de Vinicius
Porto, que não queria a instalação da mesma,
ele decidiu que as reuniões não seriam
transmitidas ao vivo para a população, como
todas as sessões na Câmara. “Foi necessário
que a vereadora Emília Correia conseguisse
uma liminar para que a CPI do Lixo viesse para
o plenário, e com toda a divulgação possível e
necessária para a transparência da CPI”.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 51


| GERAL
1/5
VIEIRA NETO

Propagandas atrapalham a visibilidade de dentro dos ônibus

‘BUSDOOR’
FACILITA ROUBOS
l Se houvesse visibilidade dentro dos
ônibus, casos poderiam ser reduzidos

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 52


| GERAL
2/5

Trabalhar a comunicação visual em muitos


meios é importante. Mas muitos empresários
exageram e acabam não tendo a noção de
que há locais impróprios para a colocação de
propagandas, a exemplo do fundo dos ônibus.
O chamado ‘busdoor’ atrapalha a visibilidade de
quem está de fora, principalmente da polícia. A
população que depende de transporte público
é a grande atingida, pois ficam à mercê dos
assaltos que poderiam ser evitados caso os
anúncios estivessem em outro local do veículo.

O jornalista Rozendo Aragão acredita que o


‘busdoor’ atrapalha a visão de quem está de
fora. Ele sugere a colocação de propagandas
na lataria do veículo. “Sem o ‘busdoor’ daria
uma visão melhor, mas a insegurança não
se combate apenas desta forma, é preciso
muito mais. Policiamento ostensivo que seja
de prevenção ao invés de apenas repressão.
Segurança também é investir em saúde,
educação, emprego, renda, etc. Ao invés
de colocar no fundo do ônibus poderia ser
colocado na lataria do veículo”, sugere.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 53


| GERAL
3/5

O bancário Daniel Oliveira sugere a


implantação de um sistema mais simples e
eficiente, composto de leds de emergência
na frente e no fundo do bus. “O motorista
ou cobrador poderia acionar e ele só seria
desligado com a chave que só alguém da
empresa teria. Dessa forma, ao notar o
assalto eles ativam o led (quem está de
fora saberia e poderia acionar a polícia) e
não teria como desativar “do nada”. Dá para
implantar isso com um custo baixíssimo,
mas a Secretaria de Segurança Pública não
aceitou a sugestão porque isso seria assumir
que a cidade está muito perigosa e eles não
tem controle”, declara.

A jornalista Andréa Oliveira é contra as


propagandas no fundo dos ônibus. Para ela,
além de prejudicar a visão do que acontece na
parte interna do ônibus, ainda garantem uma
renda a mais para as empresas. “Deveriam
diminuir o valor da passagem, porque pagamos
por um serviço caro, sem qualidade e os donos
das empresas ainda ganham com propaganda

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 54


| GERAL
4/5
VIEIRA NETO

Polícia reconhece que as propagandas atrapalham a visibilidade

no transporte. Deveria ser proibido o uso de


qualquer propaganda, a não ser aquelas sobre
violência dentro do transporte público, assédio
dentro do ônibus, etc”, relata.

SETRANSP
De acordo com o Sindicato das Empresas de
Transporte de Passageiros Aracaju (Setransp),
mais de 70% dos ônibus do transporte coletivo
em Aracaju já têm de fábrica essa parte onde fica
a publicidade, fechada com fibra, como medida
de segurança em casos de acidentes. A Setransp

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 55


| GERAL
5/5

declara que mesmo que não esteja com a


publicidade, está com a fibra de fabricação.

POLÍCIA MILITAR
De acordo com o comandante de
policiamento da capital, Vivaldy Cabral, há um
trabalho operacional com relação a assalto em
ônibus. Ele informa que não existe nenhum
estudo técnico que demonstre que o ‘busdoor’
interfere na questão dos assaltos. Mas assume
que quando há algum evento de assalto nos
ônibus é inegável que o ‘busdoor’ impede a
visibilidade de quem está de fora.

“Não tem estudo técnico sobre a influência


do ‘busdoor’ para o aumento nos assaltos.
Dentro dos ônibus existem equipamentos de
gravação de mídia, de segurança, que permite
essa visibilidade, de qualquer modo inibe a
ação dos assaltantes. Mas não é só isso que
contribui para o combate dos assaltos, as
abordagens da polícia nos ônibus, a presença
da Guarda Municipal dentro dos terminais de
ônibus, uma série de fatores”, relata.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 56


ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 57
| GERAL
1/5

PSIQUIATRAS
E PSICÓLOGOS
SAÚDE MENTAL
EM DEBATE
l Assunto muitas vezes ignorado
gera dúvidas na população

JULIANA PAIXÃO | redacao@cinform.com.br

Saúde Mental é um tema que é quase “tabu”


para a sociedade e que gera muitas dúvidas,
por isso o CINFORM resolveu esclarecer com
profissionais que cuidam da saúde da mente.

Inclusive num momento oportuno já que


essa semana duas celebridades se suicidam a
discursão nas redes sociais sobre depressão
e problemas de saúde mental ressurgem.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 58


| GERAL
2/5
ARQUIVO PESSOAL

Kate Spade, estilista da


marca que leva o seu
nome foi encontrada em
seu apartamento morta,
no dia 8, e o chef de
cozinha e apresentador
Anthony Bourdain no
dia 9. Duas pessoas
aparentemente bem-
sucedidas, mas que Erica Meireles, residente de
psiquiatria do Instituto de
sofriam de depressão. Psiquiatria Bairral

PSICÓLOGO X PSIQUIATRA
Uma dúvida que muitos têm é a da diferença
entre um psiquiatra e o psicólogo. O primeiro
é um médico especialista em psiquiatria
que trata de transtornos psiquiátricos, já o
segundo é um terapeuta que ajuda a entender
e lidar melhor com a vida e situações do dia a
dia. A residente de psiquiatria do Instituto de
Psiquiatria Bairral, Erica Meireles, explica que
a soma do tratamento médico e psicólogo é
bom para a recuperação. “O papel do psicólogo
aborda não só pessoas com patologias

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 59


| GERAL
3/5
ARQUIVO PESSOAL

psiquiátricas, como
depressão, ansiedade,
TOC, mas também
pessoas que buscam
autoconhecimento,
autopercepção e
melhores maneiras de
enfrentar situações da
rotina que geram algum
grau de desconforto. Já Cíntia Guimarães, psicóloga
o papel do psiquiatra, é
o de um médico, buscamos tratar as doenças
mentais por meio de medicações”, explica.

A psicóloga, Cíntia Guimarães, explica que


em encontros semanais com o paciente o
psicólogo busca a causa do problema. “Não
atuamos com o foco em fazer diagnósticos
médicos, o nosso foco é saber o que fez para
causa aquele adoecimento mental no paciente.
Caso, durante os atendimentos, percebermos
que o paciente precisa fazer uso de medicações
encaminhamos ao psiquiatra para avaliar o
quadro e medicar”, comenta.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 60


| GERAL
4/5

Cíntia ainda destaca que nem todos precisam


do acompanhamento dos dois profissionais.
“Nem todo paciente que faz acompanhamento
com psicólogo precisa de medicação. Muitas
vezes, só o acompanhamento psicoterápico já
tem uma melhora muito significativa no quadro
apresentado”, destaca.

TERAPIA
Uma das aliadas da saúde mental é
a terapia que pode ser feita por todos e
ajudando no equilíbrio mental. A residente de
psiquiatria explica que qualquer um que tenha
interesse em fazer tratamento deve procurar
um psicólogo e não só para quem tem
problema de saúde que deve fazer. “Deve-se
procurar um psicólogo pessoas que buscam
um melhor autoconhecimento bem como
quem busca lidar de maneira mais funcional/
adaptativa com situações estressoras; além
disso, àquelas pessoas que possuem algum
transtorno mental e que tenham conflitos que
acabam sendo gatilho ou fatores agravantes
de sua doença psiquiátrica”.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 61


| GERAL
5/5

Cíntia Guimarães conta que até crianças


podem fazer terapia e buscar o bem-estar
emocional. “A terapia vem para dar suporte
e facilitar a compreensão dos conteúdos
internos que causam algum tipo de sofrimento
ao indivíduo. Assim, poderá levá-lo a uma
organização pessoal quanto a valores, projetos
de vida, a aprender a conviver e a lidar com
perdas, frustações, inseguranças, incertezas,
entre outras coisas. Com o decorrer das
sessões terapêuticas passará a descobrir
novos meios de gratificação na sua relação
com o meio social em que vive”, explica.

IMPORTANTE
Para ler e navegar melhor no seu jornal
CINFORM digital, instale a versão
gratuita do Adobe Acrobat Reader,
acessando o Play Store ou Apple Store
do seu celular, tablet ou computador.

A NOVA
ERA DA NOTÍCIA

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 62


| GERAL

1/4
THINKSTOCK

COBRANÇA INDEVIDA
UMA DOR DE
CABEÇA QUASE
SEM FIM
l Advogado explica que alguns
casos cabem dano moral

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 63


| GERAL
2/4
ARQUIVO PESSOAL

Receber uma cobrança


indevida é uma das
maiores dores de cabeça
que o consumidor pode
enfrentar. Cobrança por
serviços não solicitados,
como seguros e antivírus,
taxa de corretagem
na compra de um
imóvel, um débito não Advogado Ednaldo Bezerra
autorizado ou até mesmo
uma cobrança de uma dívida já paga. São várias
as formas de cobrança indevida e o consumidor
precisa ficar atento.

O advogado Ednaldo Bezerra explica que, ao


receber uma cobrança indevida, o consumidor
deve entrar em contato com a empresa para
tentar a devolução pela via administrativa.
“É recomendado ao menos uma tentativa
administrativa para resolver o problema, se
possível até mesmo gravar a ligação”, explica.

Ainda segundo o advogado, o consumidor

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 64


| GERAL
3/4

que recebe uma cobrança indevida tem que


receber da empresa o dobro do valor cobrado
indevidamente, mas o dano moral só é aceito
pela justiça em alguns casos. “Nesse tipo de
ação, para conseguir dano moral tem que buscar
a devolução pela via administrativa e demonstrar
que teve algum grande transtorno, por exemplo
quando os atendentes são arrogantes ou,
principalmente, quando há a negativação
indevida do nome do consumidor”, comenta.

O marido de Érica Lima enfrentou uma


grande dor de cabeça devido a uma cobrança
indevida. Ele tentou fazer um cartão em uma
determinada loja, mas para a surpresa do casal
o pedido foi negado e somente alguns dias
depois eles descobriram o motivo: seu nome
havia sido negativado.

“Quando consultamos o SPC/Serasa, o


nome dele estava negativado por causa de
um banco, mas nós tínhamos certeza que não
devíamos nada lá. Nós procuramos o banco,
eles não resolveram. Procuramos as lojas em

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 65


| GERAL
4/4

que os cartões têm vínculo com ele e não tinha


nenhuma dívida também. Nós só conseguimos
descobrir o motivo da negativação quando nós
procuramos um advogado e na audiência foi
dito que era por uma dívida em uma rede de
supermercados, sendo que a dívida já estava
quitada”, comenta Érica.

Dois meses após o processo judicial,


o nome do marido de Érica foi retirado
do SPC/Serasa, porém a rede de
supermercados continua ligando para o casal
fazendo cobranças indevidas.

“Nós nos sentimos lesados, porque nós


fazemos o possível para pagar todas as nossas
contas e acontece uma coisa dessas. Agora, o
nome dele não está mais negativado, mas, daqui
a pouco vai completar dois meses, e até hoje
recebemos ligações dizendo que continuava
devendo no supermercado”, desabafa.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 66


EDIÇÃO 1835

Transporte intermunicipal padece


de regulamentação sobre locais e
pontos de embarque e desembarque

PARADAS
VIEIRA NETO

ARRISCADAS
|

ÍNDICE
CLIQUE E ACESSE
INTERIOR | Novela que não acaba 69

POLÍTICA
TJ/SE mantém anulação
de eleição da Câmara 73

GERAL
Cada parada: um risco 77
Bate e volta: falta segurança
e responsabilidade 81
600 mil mudas para o Rio Sergipe 88
Tratamento de resíduos sólidos em Sergipe 93

Allisson Bonfim Diretor Comercial


allisson@cinform.com.br – Fone: (79) 2105-4555

comercial@publimidia.com.br – (79) 3217–2855

Representante comercial – Clique e fale agora

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 68


| | OPINIÃO
1/4

Anderson Christian
INTERIOR

NOVELA QUE
NÃO ACABA
E a eleição antecipada para a presidência
da Câmara de Vereadores de Itabaiana parece
que não terá fim, num típico dramalhão, no
melhor estilo Malhação, da Globo. Ou seja:
quando parece que a novela vai ter fim,
aparece uma nova fase. A atual, em relação
à Câmara, é que o Trinbunal de Justiça de
Sergipe, TJ/SE, manteve decisão de primeira
instância que cancela a eleição vencida pela
vereadora Ivoni Andrade (MDB) por ser a mais
velha dentre os concorrentes, uma vez que, no
voto a voto, a disputa terminou empatada.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 69


| | OPINIÃO | INTERIOR
2/4

Mas o problema é bem maior do que aquilo


que se pode ver na superfície. Toda essa
confusão nasceu de uma distensão entre
o grupo, até então, governista. O prefeito
Valmir de Francisquinho (PR) tinha maioria
folgada na Câmara, fruto de uma esmagadora
maioria que o levou a se reeleger em 2016.
Só que dois dos vereadores eleitos pelo seu
agrupamento preferiram se alinhar à deputada
Maria Mendonça (PSDB). E, aliados dela, para
incredulidade dos itabaianenses, optaram por
votar na candidata de Luciano Bispo (MDB), o
que, ao fim, gerou a atual polêmica.

Sabe-se que eleições no interior são mais


aguerridas. Especialmente em Itabaiana. Mas
a suposta inércia de Maria sobre a eleição da
Câmara motivou, e com razão, o rompimento
político entre ela e Valmir. Enquanto isso,
segue a Câmara em uma situação jurídica
indefinida quanto ao seu comando no
próximo biênio. Ou seja: a posição – ou não
posicionamento – de Maria só serviu para
alongar os capítulos dessa malfadada novela.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 70


| | OPINIÃO | INTERIOR
3/4

Presentes
Bom número de prefeitos do interior para receber
Alckmin em Sergipe. Destaque para Gilson
Andrade (PTC), Estância, e Otávio Sobral (PSDB),
Itaporanga.

Na deles
E o público da Feira do Caminhão não deu muita
bola para a presença de tantos políticos. O que,
em tempos de tantos apupos, pode ter sido uma
boa...

Lá...
Antes de ir para a Feira do Caminhão, Geraldo
Alckmin visitou a deputada Maria Mendonça,
única parlamentar do seu PSDB na Alese.

...e cá
Depois, recebeu abraço do prefeito Valmir de
Francisquinho (PR), na Praça de Eventos de
Itabaiana, aí já no meio da festa.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 71


| | OPINIÃO | INTERIOR
4/4

De boas I
O vereador Misael Dantas (PSC), de Estância,
vai mesmo de pré a estadual neste ano. Não vê
problemas sobre isso na cidade.

De boas II
Para ele, Carlos Magno (PSB), se sair, apoia
Valadares. Adriana Leite (PRB) vai de Belivaldo. E
ele, Misael, vai de Eduardo Amorim.

Chato isso
Jackson Barreto (MDB), para apoiar seu pré a
estadual, pesou a mão. Airton Martins, da Barra,
está fulo da vida, pois isso pode prejudicar a pré
a estadual de seu irmão, Adailton.

Pau da barraca
Zezinho Guimarães (MDB) não diz. Mas
seu descontentamento eleitoral com sua
situação em Itabaianinha alcança até as
hostes governistas.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 72


|

POLÍTICA
1/4
ARQUIVO CINFORM ARTHUR LEITE

Câmara de Itabaiana teve eleição


polêmica anulada também pelo TJ/

TJ/SE MANTÉM
ANULAÇÃO DE
ELEIÇÃO DA
CÂMARA
l Presidente do legislativo itabaianense
diz que marcará nova eleição assim que
vencer prazo recursal

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 73


| | POLÍTICA
2/4

Há pouco menos de um ano, mais


precisamente em 26 de outubro de 2017,
uma eleição antecipada para a presidência da
Câmara de Vereadores de Itabaiana causou
furor no mundo político da cidade. É que, com
o empate nos votos, a vereador Ivoni Andrade
(MDB) foi declarada vitoriosa por ser mais
velha do que o atual presidente da Casa, então
candidato à reeleição, Zé Teles (PR).

Mas não foi apenas o resultado que


causou mudanças na política itabaianense.
Como o atual prefeito, Valmir de
Francisquinho (PR), detinha maioria, foi a
defecção de dois vereadores situacionistas,
ligado à deputada Maria Mendonça
(PSDB) que foram decisivos, votando em
Ivoni, candidata ligada ao presidente da
Assembleia Legislativa, deputado Luciano
Bispo (MDB). Mas só que a eleição era
secreta. E toda a exposição acabou
motivando o vereador Vaguinho (PR) a
entrar com mandado de segurança pedindo
o cancelamento da votação. E isso foi

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 74


| | POLÍTICA
3/4

conseguido em primeira instância e, agora,


confirmado pelo Tribunal de Justiça de
Sergipe, TJ/SE).

“Vejo a decisão com muita tranquilidade,


pois fiz a eleição com a consciência tranquila.
A votação foi secreta, numa sessão aberta
ao público. E eu não entrei com o mandado
de segurança pois fiz tudo corretamente.
Acontece que o plenário da Câmara não tem
um local para fechar e colocar o vereador
votante dentro. Mas a urna estava lacrada,
contamos os votos e, com o empate, fiz minha
parte e declarei Ivoni a presidente por ela ser
mais velha. Tudo correu normalmente”, explica
o presidente Zé Teles, cujo atual mandato
segue até o final de 2018.

SE CUMPRE
Porém, Zé Teles não pretende contestar
a decisão. “O que a Justiça entendeu foi
diferente. Então não se questiona a Justiça,
se cumpre a decisão judicial. E, antes da
eleição, foi a oposição que procurou o

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 75


| | POLÍTICA
4/4

Ministério Público como forma de alerta


sobre o processo. Então, de certa forma,
eles é que queriam que a eleição nem
acontecesse. Agora vou cumprir o que a
Justiça determina”, frisa Zé Teles.

E isso significa marcar uma nova eleição.


“Assim que o prazo recursal vencer, seguirei
tudo o que manda nosso regimento e
convocarei nova eleição. E farei tudo da
forma como já fiz, corretamente e com minha
consciência tranquila”, finaliza o presidente.

IMPORTANTE
Para ler e navegar melhor no seu jornal
CINFORM digital, instale a versão
gratuita do Adobe Acrobat Reader,
acessando o Play Store ou Apple Store
do seu celular, tablet ou computador.

A NOVA
ERA DA NOTÍCIA

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 76


|

GERAL
1/4
VIEIRANETO

Algumas linhas de ônibus tem mais


de cinco paradas entre as cidades

CADA PARADA,
UM RISCO
l Motoristas de ônibus intermunicipais
reclamam do perigo nas rodovias
sergipanas

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 77


| | GERAL
2/4

Viajar entre um município e o outro em


Sergipe se tornou algo perigoso. Os ônibus
intermunicipais que percorrem o estado
precisam parar em pontos de ônibus aleatórios
para passageiros entrarem durante a viagem.

Marcos Antônio, motorista a quatro anos


conta que o número de paradas a caminho
de Laranjeiras é semelhante à de um coletivo
normal. “Daqui para lá tem mais ou menos
umas seis ou oito paradas”, conta.

Para o motorista após as 17 horas o perigo


aumenta devido à falta de estrutura dos
pontos. “Os pontos não têm cobertura, é ponto
aleatório, não tem placa nem nada para dizer
que é ponto. Então a gente para de qualquer
maneira, o passageiro pede e precisamos
fazer”, conta.

O motorista, Lucas Cardoso, conta que


apesar da sua rota ser um pouco tranquila é
preciso ter cuidado nas paradas para entrada
de passageiros. “A gente previne né, em

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 78


| | GERAL
3/4
ARQUIVOPESSOAL

determinada parada
se a gente der para
parar ok, a gente vê o
passageiro que está
lá, se tiver uma atitude
suspeita e a gente não
conhecer o passageiro
que está todo dia ali, a
gente não para”
Adriano Cabral, técnico
em transporte público
“A rota é o momento,
pode ser em São Cristovão, Itaporanga, Divina
Pastora. Ninguém sabe quem é que está
transportando, pode ser uma pessoa bem
vestida, mal vestida”, destaca.

SEGURANÇA
O técnico em transporte público e ex-
conselheiro de transporte do estado Adriano
Cabral comenta que a situação do transporte
intermunicipal é crítica.

“Está faltando políticas de gestão na área de


transporte e investimento. Na rodovia estadual

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 79


| | GERAL
4/4
VIEIRA NETO

O medo é diário para quem utiliza os transportes

você não tem um abrigo iluminado, um abrigo


contra sol e chovam os passageiros ficam ao
réu, não tem acento, não tem plataforma para
deficiente físico. O estado não tem engenharia
para o transporte público”, destaca.

Adriano comenta que é preciso ouvir os


motoristas e garantir a segurança. “Salutar
as reclamações, porque a criminalidade não
avança só para o passageiro como também
para o cobrador e o motorista que estão com a
renda do veículo”, disse.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 80


| | GERAL
1/7
DIVULGAÇÃO

Órgãos explicam que fiscalizam e


regularizam responsáveis pelo bate e volta

BATE E VOLTA
FALTA SEGURANÇA E
RESPONSABILIDADE
l É necessário ficar atento
na escolha desse serviço

THAYNÁ FERREIRA | redacao@cinform.com.br

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 81


| | GERAL
2/7

Em períodos festivos, a exemplo do São


João e São Pedro, diversos eventos são
realizados não só na capital, como no interior
do estado. Muitos preferem por segurança
e comodidade, procurar os famosos ‘bate
e voltas’ ou ‘BV’, veículos fretados para
transportar pessoas até festas, em muitos
casos fora da capital. Mas, o cuidado
deve ser redobrado na escolha por esses
serviços. Alguns não são regularizados
pela Secretaria do Estado da Infraestrutura
e do Desenvolvimento Urbano (Seinfra),
apresentam irregularidades nos veículos,
ausência de cintos de segurança, motoristas
incapacitados, não cobram documentações
dos passageiros, que na maioria é menor de
idade e oferecem bebidas alcoólicas.

EXPERIÊNCIAS NO BV
O estudante Giovane Mangueira utiliza o
transporte sempre que vai a uma festa em
outro município. Ele acredita que a grande
maioria é mesmo jovem abaixo dos 18 anos
e em muitos casos estão desacompanhados

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 82


| | GERAL
3/7

dos responsáveis. ARQUIVO PESSOAL

“Deveriam solicitar
a documentação
por questão de
segurança, o
telefone de outras
pessoas, dos
pais, ter algo para
identificar. Vejo
que nenhuma
empresa faz isso”,
declara. O estudante Giovane
Mangueira é adepto ao
A estudante serviço do bate e volta
Juliane Barbosa
teve sua primeira experiência em um bate e
volta e afirma que passou por situações que
nunca esperava passar dentro do transporte,
como a falta de organização com o horário.
“Cada parada demova meia hora. O ônibus
péssimo, chegou até a quebrar. Em alguns
bancos, o cinto de segurança não funcionava.
Na volta para casa, o descumprimento com o
horário novamente”, relata.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 83


| | GERAL
4/7
ARQUIVO PESSOAL

ÓRGÃO
FISCALIZADOR
Quem regulariza e
permite o serviço de
bate e volta no estado
é a Seinfra. De acordo
com a secretaria, bate
e volta se enquadra no
sistema de fretamento
ou locação, as empresas A estudante Juliane Barbosa
teve uma péssima experiência
são cadastradas no no bate e volta
estado e são vistoriados
pela gerência de transportes. A Seinfra informa
que nessa vistoria são exigidos o ano de
fabricação do veículo conforme preconiza o
código nacional para este tipo de transporte
e que são fiscalizados os documentos
necessários exigidos por lei, assim como o
seguro obrigatório de responsabilidade civil
de terceiros, além de ser vistoriado a parte de
segurança do veículo. Quanto a fiscalização na
rodovia, a secretaria informa que fica por conta
do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV) e
Polícia Rodoviária Federal (PRF). Por fim, a

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 84


| | GERAL
5/7

Seinfra esclarece que executa fiscalização com


a equipe de fiscais e que caso haja alguma
denúncia é disponibilizado o contato do disque
denúncia: 79-3198 533.

MENOR DE IDADE
A reportagem do CINFORM entrou em
contato com a PRF a fim de esclarecer
a respeito da fiscalização de menores
nesses veículos e foi informado que não há
ocorrências registradas. De acordo com
a polícia, menor não pode viajar sem o
acompanhamento dos pais ou responsáveis,
estes acompanhados de documentações.
Quanto ao consumo de bebidas alcoólicas
nos bate e voltas, a PRF informa que não
há problema quanto a isso, caso o menor
esteja acompanhado do responsável. Porém,
oferecer bebidas para os jovens abaixo de
18 anos é crime, previsto pelo Estatuto da
Criança e do Adolescente, essa situação
deve ser denunciada. Por fim, a PRF finaliza
informando que realiza trabalhos de
conscientização nas estradas.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 85


| | GERAL
6/7
1/9
FISCALIZAÇÃO APENAS EM EVENTOS
O Juizado de Menores da 16º Vara informa
que não está dentro da sua jurisdição, fiscalizar
transportes e sim eventos. Os promotores
de eventos que desejam a participação de
crianças ou adolescentes precisam solicitar
um alvará com o juiz da 16º Vara para que
o evento ocorra. O Juizado esclarece que
agentes de proteção vão a campo, para shows
e festas, e se encontrarem um menor pedem
a documentação e verificam se estão ou não
acompanhados de responsáveis. Caso seja
constatado, o promotor do evento é multado
e pode pagar o valor de três a 20 salários
mínimos por crianças.

EMPRESA REGULARIZADA
Marília Pinheiro é responsável por uma
empresa regularizada que faz bate e volta
dentro de Aracaju, na grande Aracaju,
Intermunicipal e Interestadual. Ela explica
que para contratar o serviço é necessário
fechar o pacote, realizar o pagamento
antecipado e enviar toda a documentação:

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 86


| | GERAL
7/7

nome completo, RG, CPF, telefone, número


de emergência, e-mail. Logo após, é enviado
um contrato. Na sua empresa também há
um guia credenciado acompanhando os
passageiros e é disponibilizado pulseirinhas
no momento do embarque. Marília informa
que não disponibiliza bebidas alcóolicas
aos clientes e que em relação aos menores
de idade, devem estar acompanhados dos
responsáveis, os quais devem solicitar um
termo de autorização, ir no cartório autenticar
ou até mesmo no Juizado.

Clique e acesse: www.classifacil.net


Encontre as
melhores ofertas
perto de você

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 87


| | GERAL 1/5
DIVULGAÇÃO

Olivier dá início, ao lado de Lívia Tinôco,


ao replantio das margens do Açude da Marcela

600 MIL MUDAS


PARA O RIO
SERGIPE
l Ação da Semarh é a maior já
feita em relação a recuperação das
matas ciliares do rio sergipano

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 88


| | GERAL
2/5

Com o plantio simbólico de 50 mudas no


Açude da Marcela, em Itabaiana, na última
quinta, 7, a secretaria do Meio Ambiente e
dos Recursos Hídricos, Semarh, deu início
ao maior programa de reflorestamento da
história de Sergipe. Ao todo serão 600 mil
mudas para reflorestamento de matas ciliares
que contornam os perímetros irrigados da
Bacia Hidrográfica do Rio Sergipe. Só no
açude serão 17 mil mudas.

O secretário Olivier Chagas, acompanhado por


diversas autoridades, a exemplo da procuradora
da República, Lívia Tinôco, e por alunos de
escolas estaduais, moradores, agricultores e
empresários da região, explicou que a ação
de reflorestamento dessas matas ciliares está
sendo possível graças ao Programa Águas de
Sergipe, e contempla, além do Açude da Marcela,
outros quatros sistemas de irrigação: Poção da
Ribeira, Jacarecica I e II e Poxim.

O investimento total, segundo Olivier Chagas,


é de R$ 14,8 milhões, via operação de crédito

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 89


| | GERAL
3/5
FOTOA LUCAS NORONHA E ADELVAN NASCIMENTO/SEMARH

com o Banco Mundial,


e serão plantadas 600
mil mudas no entorno
desses mananciais.
“Esse ato é de uma
importância histórica.
Nós estamos hoje
trazendo para a região
mais de 600 mil mudas
de Mata Atlântica. As
nossas matas e águas “Programa Águas de Sergipe
busca revitalizar e combater
estão acabando. Se a esses efeitos”, diz Lívia
gente continuar com
esse processo de degradação, teremos uma crise
hídrica em breve. Precisamos de água para tudo.
Estamos fazendo uma ação hoje para proteger
o futuro. Isso tem uma simbologia muito grande
e é importante que os alunos aqui presentes,
com seus professores, se conscientizem. Esse
exemplo precisa ser seguido pelas futuras
gerações”, destacou Olivier Chagas.

PRESENÇAS
O secretário, que também é itabaianense,

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 90


| | GERAL
4/5

disse que a Bacia do Rio Sergipe está bastante


degradada e, por meio do Programa Águas de
Sergipe, a Semarh executa cerca de 80 ações

“ SUJEITO À APROVAÇÃO DO MINISTERIO DA CULTURA”


ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 91
| | GERAL
5/5

voltadas para protegê-la. A procuradora Lívia


Tinôco fez questão de participar da solenidade,
a qual classificou de “essencial”. “A bacia do
rio Sergipe vem sofrendo um processo de
degradação e o Programa Águas de Sergipe
busca revitalizar e combater esses efeitos”,
disse Lívia. Já o prefeito itabaianense Valmir
de Francisquinho parabenizou a ação. “Vejo
de fundamental importância fazer esse tipo
de ação. Tive a oportunidade de viver a minha
infância, ali vizinho, porque meu pai tinha um
terreno e nós tomávamos banho lá. Hoje, por
conta dos esgotos, que eu sei que está havendo
tratamento, está sendo feito o reflorestamento
de suas margens. Quero parabenizar o governo
do Estado e a Semarh. Isso é importante para
a qualidade de vida não apenas daqueles que
vivem em Itabaiana, mas daqueles que visitam
nossa cidade. É um dever nosso, enquanto seres
humanos, recuperar os nossos mananciais. É uma
atitude não somente da Secretaria de Estado do
Meio Ambiente, mas também da procuradora
da República, Lívia Tinôco, que está aqui
acompanhando esse trabalho”, finaliza Valmir.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 92


| | GERAL
1/4
DIVULGAÇÃO

Boa participação popular indica que cidadãos


estão empenhados em proteger meio ambiente

TRATAMENTO
DE RESÍDUOS
SÓLIDOS EM
SERGIPE
l CONBASF dá primeiros passos
para que problema ambiental seja
equalizado no estado

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 93


| | GERAL
2/4

Mais do que um problema ambiental,


a questão dos resíduos sólidos, do lixo, é
também uma questão administrativa para as
prefeituras sergipanas. E durante o I Seminário
Sobre o Meio Ambiente Sustentável, realizado
pela Prefeitura de Neópolis, o Consórcio de
Saneamento Básico do Baixo São Francisco
Sergipano (CONBASF) apresentou aos
participantes as futuras instalações da
Unidade de Tratamento de Resíduos Sólidos,
que funcionará através da Cooperativa
Compartilhada, envolvendo catadores dos
municípios de Neópolis, Ilha das Flores,
Pacatuba, Japoatã e Santana do São Francisco.

Com a parceria entre CONBASF e


prefeituras, cerca de 40 catadores terão um
espaço seguro e mecanizado para não só
separar, mas processar o material reciclável
e agregar valor aos mesmos, vendendo
o produto final para diversos tipos de
industrias e beneficiamento final.

“Queremos fazer com que a cooperativa

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 94


| | GERAL
3/4
DIVULGAÇÃO

Galpão doado por prefeitura de Neópolis


servirá para tratamento de resíduos sólidos

atinja as indústrias que necessitam do


material reciclado e assim, aumentar o
lucro dessas pessoas, além de proporcionar
uma melhoria social significativa na forma
de trabalho com o lixo, cujo processo
passará de manual para 100% mecanizado.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 95


| | GERAL
4/4

Queremos aproveitar se não tudo, mas


quase tudo do que for produzido de lixo
nessa região”, frisou Mário Albuquerque,
superintendente do CONBASF.

DOAÇÃO
Os galpões foram doados pela gestão
de Neópolis ao Consórcio, que buscará
recursos para as obras de reforma,
readequação e aquisição de equipamentos,
de forma a adequar os locais aos trabalhos
que serão realizados pelos catadores,
possibilitando, assim, uma efetiva
reciclagem, contribuindo para a preservação
do meio ambiente, mas gerando emprego e
renda para as comunidades.

“Há uma possibilidade de parceria financeira


com o Comitê da Bacia Hidrográfica do
Rio São Francisco, e já estamos tratando
disso. Amanhã mesmo estaremos com um
engenheiro para levantar as demandas
iniciais para elaboração do projeto”, finaliza o
superintendente Mário Albuquerque.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 96


|

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 97


Emprego
EDIÇÃO 1835

QUEM QUER
CONCURSO,
VAI DE CURSO

Aulas preparatórias são cada vez mais


concorridas. Mas será que os cursos realmente
ajudam a quem quer passar em um concurso?
Emprego

ÍNDICE
CLIQUE E ACESSE

Curso para concurso: Ajuda? 100


Milla Cerqueira - DIREITO E STARTUP –
O impacto da nova economia 104
NOTAS 107
Classificados CINFORM 109

Allisson Bonfim Diretor Comercial


allisson@cinform.com.br – Fone: (79) 2105-4555

comercial@publimidia.com.br – (79) 3217–2855

Representante comercial – Clique e fale agora

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 99


Emprego
2/5
DIVULGAÇÃO

As salas dos cursos preparatórios ficam lotadas

CURSO PARA
CONCURSO: AJUDA?
Inúmeros fatores fazem com que mais e
mais pessoas tentem uma aprovação nos
vários concursos públicos realizados no Brasil.
O desemprego e a deseja da estabilidade
fazem com que a concorrência aumente
cada vez maior. E pensando nisso, muitos
candidatos começam a se preparar até mesmo
da abertura dos editais. Tudo para aumentar as
chances de aprovação na prova teórica.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 100


Emprego
3/5

Alguns optam

ARQUIVO PESSOAL
por estudar
em casa, mas
muitos ainda
preferem os cursos
preparatórios.
A estudante
Bianca Moreira
conta que prefere
esse tipo de
acompanhamento
pois a estimula Bianca Moreira prefere
estudar em cursinhos
a estudar e a ter
mais disciplina. “Eu não sou muito boa com
disciplina. Se eu for estudar sozinha, por mim
mesma, vou ter preguiça. Vou ficar adiando e
acabar não estudando”, comenta.

Outra vantagem dos cursos preparatórios


é a orientação na hora da escolha dos
assuntos a serem estudados. Aroldo de
Oliveira, coordenador de um desses cursos
preparatórios, explica que, com a orientação
dada nesses cursos, o tempo de estudo do

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 101


Emprego
4/5

aluno acaba sendo otimizado. “O conteúdo é


trabalhado em sala de aula por professores
com larga experiência em concursos. E isso
proporciona ao estudante uma economia de
tempo, uma vez que ele não estudará assuntos
que geralmente não serão cobrados pela
banca”, explica.

Mas não basta estudar apenas durante


as aulas do cursinho. Ainda segundo Aroldo,
além de estudar durante as aulas, os
candidatos que querem de fato passar em
um concurso público, precisam dedicar uma
parte do seu tempo para o estudo em casa.
“Cada vez mais o concurso público exige mais
do candidato pois a concorrência aumenta
a cada ano. Além do curso preparatório, o

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 102


Emprego
5/5

estudante terá que dedicar um tempo para o


seu estudo em casa”, alerta.

MUDANÇA DE PERFIL
Nos últimos anos, a alta taxa de
desemprego fez com a procura pelos
concursos públicos aumentasse e o perfil
desses candidatos mudasse. Segundo Aroldo
de Oliveira, a faixa etária das pessoas que
procuram os cursos para concursos mudou
muito nos últimos 10 anos.

“A cada ano, o perfil do estudante vai


diminuindo a sua idade. Há 10 anos atrás eram
estudantes acima dos 30 anos. Já hoje, nós
temos estudantes a partir dos 17 anos”, comenta.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 103


Emprego
1/3

MILLA CERQUEIRA
DIREITO & STARTUP

O IMPACTO DA
NOVA ECONOMIA
Um ponto de virada na história da
humanidade é o agora, momento onde é
possível enxergar uma confluência de muitas
tecnologias inovadoras e disruptivas que, em
conjunto, trarão um tsunami de mudança.
Tecnologias disruptivas como IA, robótica, IoT
e blockchain têm o potencial de transformar
estruturas econômicas, modelos de negócios,
empresas e empregos. Conhece os termos
acima? Em caso de resposta negativa, é
importante buscar mais conteúdo.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 104


Emprego DIREITO & STARTUP
2/3

As organizações precisam considerar a


preparação para essas tecnologias disruptivas
e mudanças massivas de maneiras diferentes
das abordagens anteriores para lidar com
tecnologias emergentes.

Estamos nos aproximando da era da


transformação pós-digital e avançando em
direção ao surgimento da quarta plataforma,
onde pode não ser suficiente criar centros de
inovação tecnológica dentro da organização.

Até poucos anos atrás, dirigir um veículo


costumava ser considerado uma tarefa
impossível de automatizar.

Em seu livro The Inevitable, Kevin Kelly fala


sobre tendências tecnológicas emergentes que
estão criando uma nova mudança econômica
no comportamento dos consumidores de
precisar adquirir um produto (um carro neste
caso), para solicitar que um serviço satisfaça
a mesma necessidade econômica (Uber ou
Lyft). Isto porque, a longo prazo, será mais

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 105


Emprego DIREITO & STARTUP
3/3

barato e mais conveniente ir com um serviço


do que possuir um carro.

Este novo modelo econômico, denominado


Transportation As A Service (TAAS),
interromperá modelos, indústrias e
empresas existentes. Por exemplo, com os
veículos autônomos dominando o mercado
de automóveis, precisaremos de muito
menos petróleo. O pensamento estratégico
e as metodologias de aprendizagem
são essenciais para lidar com essas
transformações econômicas.

William Gibson disse certa vez: “O futuro já


está aqui - não é distribuído de forma muito
uniforme.”. Compreender como essas tecnologias
desorganizam os modelos econômicos aplicando
o aprendizado estratégico pode se tornar
uma habilidade essencial para indivíduos e
organizações sobreviverem.

lMilla Cerqueira Fonseca é advogada,


palestrante e consultora.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 106


Emprego
PÃO DE AÇÚCAR TEM 176 VAGAS
1/2
PMPA

A prefeitura de Pão de Açúcar/AL, cidade


natal do prefeito aracajuano Edvaldo Nogueira
(PCdoB), tem concurso público destinado ao
preenchimento de 176 vagas em cargos de
todos os níveis de escolaridade. Os salários
ficam entre R$ 954,00 e R$ 3.000,00, para
jornadas que vão de 20h a 40h semanais.
Inscrições no site www.admtec.org.br até 5 de
julho, mediante as taxas de R$ 80, R$ 100 e R$
120. Haverá a realização de Prova Objetiva na
data prevista de 29 de julho, os inscritos aos
cargos de Procurador e Professores serão
classificados por prova de títulos.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 107


Emprego
CAMAÇARI ENCERRA HOJE INSCRIÇÕES
PMC

2/2

A prefeitura de Camaçari/BA encerra as


inscrições do processo seletivo que busca
o preenchimento de 62 oportunidades
destinadas a profissionais de nível superior.
Desta forma, os interessados podem se
inscrever até esta segunda, 11, exclusivamente
via internet, pelo endereço eletrônico
www.camacari.ba.gov.br. Avalidação das
candidaturas será entre 12 a 15 de jnho no
Auditório da SEDUR, Rua Francisco Drumond,
s/nº, Centro, Camaçari, das 9h às 12h e das
13h às 16h. Jornadas de trabalho de 20 a
40 semanais em regime administrativo
ou Plantão, com remunerações entre R$
3.412,66 e R$ 9.558,34.

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 108


Emprego
CLASSIFICADOS
ao cliente. Desejável experiência na área
PRECISA-SE de padeiro. Ensino fundamental comple-
to. Conhecimentos em confeitaria e pani-
ficação. Necessário curso de Panificação.
VENDEDOR E MOTOBOY Ambos os sexos. Enviar currículo e colocar
Vendedor com experiência na carteira o cargo pretendido no assunto para: cur-
e habilitação A e B, e Moto Boy com riculos@postoboaviagem.com
habilitação A e B. Tratar com Lúcia ou
Elza na empresa Bat Auto, na Rua 7 de CONTADOR
Setembro, Nº 1154, ao lado do Ceasa, Lançar e conciliar os dados contábeis
das 8:00 às 18:00h. Trazer currículo e garantindo a confiabilidade dos mes-
Carteira de Trabalho. Ambos os sexos. mos. Acompanhar as decisões da em-
presa mantendo controle sobre os pro-
AUXILIAR TÉCNICO cessos. Manter os dados financeiros
R$ 1.900, Procura-se auxiliar técnico em e controle dos mesmos. Agilizar doc-
rede de computadores, ambos os sexos, umentação para atender solicitações
para trabalhar com instalação de inter- dos órgãos públicos. Ambos os sexos.
net, em provedor de internet. Necessária OBS: Contato inicial somente pelo
experiência com rede e habilitação Cat WhatsApp Tel (79) 98816-4564.
A. Interessados enviar currículo para:
rharacaju2015@gmail.com AUXILIAR TÉCNICO
R$ 1.900, Procura-se auxiliar técnico em
MUDANÇAS E LOGÍSTICA rede de computadores, ambos os sexos,
Fazemos mudança residencial / comer- para trabalhar com instalação de inter-
cial em caminhão baú, equipe experi- net em provedor de internet. Necessário
ente e com montador de móveis. Para ter experiência com rede e habilitação
qualquer lugar de Sergipe ou Brasil. Cat A. Interessados enviar currículo para:
Dispomos de Guarda Móveis. Contato rharacaju2015@gmail.com
Tel.: (79) 999669068 / 991541111.

PADEIRO E CONFEITEIRO
Atuará em toda a área de confeitaria e
Clique aqui
e veja muito mais
panificação da loja. Responsável pela lim- classificados de Emprego
peza, organização do setor e atendimento

ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 109


Adriano Bonfim Superintendente | adriano@cinform.com.br

EDITOR GERAL
Anderson Christian (79) 99818-5366
Jornalistas
Fredson Navarro Henrique Maynart, Julia Freitas,
Juliana Paixão, Madalena Sá, Thayná Ferreira
Editoração Eletrônica
Altemar Oliveira oliveiraltemar@gmail.com
Fotos e Vídeos
Vieira Neto e Davi Costa
Marketing
Alberto Costa alcosa@cinform.com.br
Tecnologia da Informação
Lívio Carvalho - Consultor
Administrativo
Wagner Suica wagner@cinform.com.br

Contatos comerciais
Áurea Cristina (79) 99833-2123
Cláudio Sousa (79) 99971-9179

Allisson Bonfim Diretor Comercial | allisson@cinform.com.br

comercial@publimidia.com.br – (79) 3217–2855


Representante comercial – Clique e fale agora

OUVIDORIA VOLTAR
1ª PÁGINA
ouvidoria@cinform.com.br
Rua Porto da Folha, 1.116
Bairro Getúlio Vargas
FUNDADO EM 2 DE DEZEMBRO DE 1982
CEP 49055-540 - Aracaju/Sergipe
PUBLICADO EM DIGITAL DESDE 17 DE JULHO DE 2017 Fone: (79) 2105-4555
ANO 35 - ED. 1835 - 11/6/2018 - 110