You are on page 1of 29

Legislação Penal Extravagante para PCDF

  Teoria e exercícios comentados


Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
AULA 00: Apresentação; Cronograma; Lei n°
10.741/2003 e alterações (Estatuto do Idoso).

SUMÁRIO PÁGINA
1. Apresentação 1
2. Cronograma 3
3. Lei n° 10.741/2003 e alterações (Estatuto do Idoso) 5
4. Resumo do Concurseiro 17
5. Questões comentadas 21
6. Questões sem comentários 27

1. APRESENTAÇÃO
Olá, amigo concurseiro! O edital para o concurso da Polícia
Civil do Distrito Federal finalmente saiu! De repente o tempo até a prova
parece curto demais, não é mesmo?
Meu nome é Paulo Guimarães, e estarei junto com você na
sua jornada rumo à aprovação. Vamos estudar em detalhes o conteúdo
da Legislação Penal Extravagante, de acordo com o edital publicado em
2/8/2013. Teremos questões comentadas e trataremos desses temas de
forma exaustiva.
A banca organizadora do nosso concurso será o Centro de
Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília. Darei
ênfase no Cespe/UnB quando procurar questões de concursos anteriores
para resolver, mas por não ter tantas questões assim disponíveis, poderei
também utilizar questões de outras bancas, e em alguns momentos talvez
seja necessário que eu crie minhas próprias questões.
Antes de colocarmos a “mão na massa”, permitam-me uma
pequena apresentação. Nasci em Recife e sou graduado em Direito pela
Universidade Federal de Pernambuco. Minha vida de concurseiro começou
ainda antes da vida acadêmica, quando concorri e fui aprovado para uma
vaga no Colégio Militar do Recife, aos 10 anos de idade.
Em 2003, aos 17 anos, fui aprovado no concurso do Banco do
Brasil, e cruzei os dedos para não ser convocado antes de fazer

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  1  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
aniversário. Tomei posse em 2004 e trabalhei como escriturário, caixa
executivo e assistente em diversas áreas do BB, incluindo atendimento a
governo e comércio exterior. Fui também aprovado no concurso da Caixa
Econômica Federal em 2004, mas não cheguei a tomar posse.
Mais tarde, deixei o Banco do Brasil para tomar posse no
cargo de técnico do Banco Central, e lá trabalhei no Departamento de
Liquidações Extrajudiciais e na Secretaria da Diretoria e do Conselho
Monetário Nacional.
Em 2012, tive o privilégio de ser aprovado no concurso para o
cargo de Analista de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União,
em 2° lugar na área de Prevenção da Corrupção e Ouvidoria. Atualmente,
desempenho minhas funções na Ouvidoria-Geral da União, que é um dos
órgãos componentes da CGU.
Minha experiência prévia como professor em cursos
preparatórios engloba as áreas de Direito Constitucional, Direito Penal e
legislação específica.
Quanto ao nosso concurso, você já deve conhecer um pouco
da Polícia Civil do Distrito Federal e sua política de gestão de pessoas. A
remuneração do seu cargo é muito interessante, e certamente você
trabalhará com pessoas apaixonadas pela profissão e pela atividade
policial.
Sua opção por se preparar com o Estratégia Concursos é, sem
dúvida, a melhor escolha em termos de qualidade do material
apresentado e de comprometimento dos professores.
Seu único verdadeiro inimigo na preparação para o concurso
será a banca organizadora, e neste caso estamos falando do temido
Cespe/UnB. Isso é um desafio, pois a banca costuma fazer provas difíceis,
e as questões serão no estilo certo ou errado, com cada erro anulando um
acerto.
De qualquer forma, se pecarmos, será pelo excesso. Pretendo
exaurir a análise teórica dos temas e resolver diversas questões sobre o
assunto da sua prova.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  2  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Acredito que nossa matéria seja uma daquelas que
constituirão o verdadeiro diferencial dos aprovados. Muitos candidatos
deixam o estudo de legislação específica para a última hora, mas isso não
vai acontecer com você! J
Garanto que todos os meus esforços serão concentrados na
tarefa de obter a SUA aprovação. Esse comprometimento, tanto da minha
parte quanto da sua, resultará, sem dúvida, numa preparação
consistente, que vai permitir que você esteja pronto no dia da prova, e
tenha motivos para comemorar quando o resultado for publicado.
Muitas vezes, tomar posse em cargos como esses parece um
sonho distante, mas, acredite em mim, se você se esforçar ao máximo,
será apenas uma questão de tempo. E digo mais, quando você for
aprovado, ficará surpreso em como foi mais rápido do que você
imaginava.

2. CRONOGRAMA

Nosso cronograma nos permitirá cobrir todo o conteúdo de


Legislação Penal Extravagante, enfatizando sempre os aspectos mais
importantes e pontuando as possibilidades de cobrança por parte da
banca.

Aula 00 Apresentação; Cronograma; Lei nº 10.741/2003 e alterações


(Estatuto do Idoso).

Aula 01 Lei nº 8.069/1990 e alterações (Estatuto da Criança e do


7/8/2013 Adolescente).

Aula 02 Lei nº 9.099/1995 e alterações (Juizados Especiais Cíveis e


14/8/2013 Criminais); Lei nº 10.259/2001 e alterações (Juizados
Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal).

Aula 03 Lei nº 8.429/1992 e alterações (enriquecimento ilícito no


21/8/2013 exercício de mandato, cargo, emprego ou função na
administração pública direta, indireta ou fundacional); Lei nº

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  3  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
9.296/1996 (Escuta telefônica).

Aula 04 Lei nº 7.210/1984 e alterações (Lei de execução penal).


28/8/2013

Aula 05 Lei nº 8.137/1990 e alterações (Crimes contra a Ordem


4/9/2013 Tributária, Econômica e outras relações de consumo); Título
II da Lei nº 8.078/1990 e alterações (Crimes contra as
Relações de Consumo).

Aula 06 Lei nº 4.737/1965 e alterações (Código Eleitoral).


11/9/2013

Aula 07 Lei nº 7.492/1986 (Crimes contra o Sistema Financeiro


18/9/2013 Nacional); Lei nº 5.553/1968 (Dispõe sobre a apresentação e
uso de documentos de identificação pessoal).

Aula 08 Declaração Universal dos Direitos Humanos, Proclamada pela


25/9/2013 Resolução nº 217A (III) da Assembleia Geral das Nações
Unidas, de 10 de dezembro de 1948.

Encerrada a apresentação, vamos à matéria. Lembro a você


que esta aula demonstrativa serve para mostrar como o curso funcionará,
mas isso não quer dizer que a matéria explorada nas páginas a seguir não
seja importante ou não faça parte do programa.
Analise o material com carinho, faça seus esquemas de
memorização e prepare-se para a revisão final. Se você seguir esta
fórmula, o curso será o suficiente para que você atinja um excelente
resultado. Espero que você e goste e opte por se preparar conosco.

Agora vamos o que interessa. Mãos à obra!

3. LEI Nº 10.741/2003 E ALTERAÇÕES (ESTATUTO DO IDOSO)

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  4  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Estudaremos a partir de agora os dispositivos da Lei nº
10.741/2003, conhecida como Estatuto do Idoso. Daremos ênfase às
disposições atinentes ao Direito Penal e ao Processo Penal.

Art. 1o É instituído o Estatuto do Idoso, destinado a regular os


direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60
(sessenta) anos.
Há dificuldade para estabelecer parâmetros que definam o
início da “Terceira Idade”, tendo em vista os diversos fatores que atuam
no processo de envelhecimento e variam de caso a caso. Entretanto, para
efeitos jurídicos, é necessário definir um limite de idade que caracterize
esse segmento da população.
Nos países desenvolvidos a tendência é utilizar a idade de 65
anos, enquanto que nos países emergentes, como o Brasil, a idade
geralmente utilizada é de 60 anos, uma vez que a expectativa de vida
nestes países é menor. Desta forma, o Estatuto do Idoso adotou a idade
igual ou superior a 60 anos, para regular os direitos das pessoas que se
encontram nesta faixa etária, que são portadoras de necessidades
específicas e, por esta razão, merecem maior atenção da sociedade.

O Estatuto do Idoso regula os direitos das pessoas com idade


igual ou superior a 60 (sessenta) anos.

Art. 2o O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à


pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei,
assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  5  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
e facilidades, para preservação de sua saúde física e mental e seu
aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de
liberdade e dignidade.
Nesse dispositivo são reafirmadas as garantias conferidas a
todos os cidadãos pelo art. 5º da Constituição, bem como as garantias e
direitos previstos pelos arts. 6º e 7º, que tratam dos Direitos Sociais
(saúde, segurança, etc.), bem como dos Direitos Trabalhistas e
Previdenciários (aposentadoria, proibição de diferença de salários por
motivo de idade, etc.).

Art. 6o Todo cidadão tem o dever de comunicar à autoridade


competente qualquer forma de violação a esta Lei que tenha
testemunhado ou de que tenha conhecimento.
Tal dever parece óbvio, mas já apareceu em provas
anteriores. Lembre-se de que o dever de delatar atos que violem os
direitos do idoso se estende a qualquer cidadão.

O Título II do Estatuto trata dos Direitos Fundamentais,


dedicando capítulos específicos ao Direito à Vida, à Liberdade, ao
Respeito, à Dignidade, aos Alimentos, à Saúde, à Educação, Cultura,
Esporte e Lazer, à Profissionalização e ao Trabalho, à Previdência Social, à
Assistência Social, à Habitação e ao Transporte.
O Título III trata das medidas de proteção. Vejamos que
medidas são essas e em quais situações podem ser aplicadas.

Art. 43. As medidas de proteção ao idoso são aplicáveis sempre


que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados:
I – por ação ou omissão da sociedade ou do Estado;
II – por falta, omissão ou abuso da família, curador ou entidade de
atendimento;
III – em razão de sua condição pessoal.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  6  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
O Estatuto do Idoso criou medidas de proteção, que podem
ser aplicadas isolada ou cumulativamente diante ameaça ou lesão aos
direitos legalmente assegurados à população idosa;
Deve-se ressaltar, contudo, que essas medidas de proteção
não se confundem com as penas aplicáveis para os crimes contra os
idosos, que serão analisados por nós mais adiante.

Art. 45. Verificada qualquer das hipóteses previstas no art. 43, o


Ministério Público ou o Poder Judiciário, a requerimento daquele,
poderá determinar, dentre outras, as seguintes medidas:
I – encaminhamento à família ou curador, mediante termo de
responsabilidade;
II – orientação, apoio e acompanhamento temporários;
III – requisição para tratamento de sua saúde, em regime
ambulatorial, hospitalar ou domiciliar;
IV – inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio,
orientação e tratamento a usuários dependentes de drogas lícitas ou
ilícitas, ao próprio idoso ou à pessoa de sua convivência que lhe cause
perturbação;
V – abrigo em entidade;
VI – abrigo temporário.
É atribuição do Ministério Público zelar pelo respeito aos
direitos do idoso. Nesse sentido, deve ser investigado qualquer indício de
violação dessas garantias.
Sempre que sofrer abusos e sentir que seus direitos não estão
sendo respeitados, o idoso deve levar o problema às autoridades
competentes, mesmo que o desrespeito seja praticado por familiares.
O encaminhamento à família ou curador de que trata o inciso I
é determinado pelo Ministério Público. O termo de responsabilidade é
importante para estabelecer compromissos básicos, firmados para o bem-
estar do idoso. Nesse documento são especificados o tipo de tratamento
que o idoso deve receber, a exemplo da necessidade de aquisição de

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  7  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
medicamentos, acompanhamento médico, etc. Também constará no
referido termo o tratamento que deve ser dado ao idoso por sua família,
incluindo passeios, um ambiente agradável e respeitoso, adaptações na
estrutura da casa para que o idoso possa locomover-se com mais
facilidade e continue exercendo suas atividades diárias.
Haverá necessidade de curador quando o idoso tiver que ser
interditado. Geralmente o curador é nomeado entre os membros da
família. As normas da curatela constam nos arts. 1.767 a 1.783 do Código
Civil de 2002.

MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS PELO ESTATUTO DO IDOSO

– Encaminhamento à família ou curador, mediante termo de


responsabilidade;
– Orientação, apoio e acompanhamento temporários;
– Requisição para tratamento de sua saúde, em regime ambulatorial,
hospitalar ou domiciliar;
– Inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação
e tratamento a usuários dependentes de drogas lícitas ou ilícitas, ao
próprio idoso ou à pessoa de sua convivência que lhe cause perturbação;
– Abrigo em entidade;
– Abrigo temporário.

Vamos, a partir de agora, nos ater ao estudo do Título V do


Estatuto do Idoso, que trata do acesso à justiça.

Art. 74. Compete ao Ministério Público:

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  8  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
I – instaurar o inquérito civil e a ação civil pública para a
proteção dos direitos e interesses difusos ou coletivos, individuais
indisponíveis e individuais homogêneos do idoso;
II – promover e acompanhar as ações de alimentos, de
interdição total ou parcial, de designação de curador especial, em
circunstâncias que justifiquem a medida e oficiar em todos os feitos em
que se discutam os direitos de idosos em condições de risco;
III – atuar como substituto processual do idoso em situação de
risco, conforme o disposto no art. 43 desta Lei;
IV – promover a revogação de instrumento procuratório do
idoso, nas hipóteses previstas no art. 43 desta Lei, quando necessário ou
o interesse público justificar;
V – instaurar procedimento administrativo e, para instruí-lo:
a) expedir notificações, colher depoimentos ou esclarecimentos e, em
caso de não comparecimento injustificado da pessoa notificada, requisitar
condução coercitiva, inclusive pela Polícia Civil ou Militar;
b) requisitar informações, exames, perícias e documentos de
autoridades municipais, estaduais e federais, da administração direta e
indireta, bem como promover inspeções e diligências investigatórias;
c) requisitar informações e documentos particulares de instituições
privadas;
VI – instaurar sindicâncias, requisitar diligências
investigatórias e a instauração de inquérito policial, para a
apuração de ilícitos ou infrações às normas de proteção ao idoso;
VII – zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais
assegurados ao idoso, promovendo as medidas judiciais e extrajudiciais
cabíveis;
VIII – inspecionar as entidades públicas e particulares de
atendimento e os programas de que trata esta Lei, adotando de pronto as
medidas administrativas ou judiciais necessárias à remoção de
irregularidades porventura verificadas;

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  9  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
IX – requisitar força policial, bem como a colaboração dos
serviços de saúde, educacionais e de assistência social, públicos,
para o desempenho de suas atribuições;
X – referendar transações envolvendo interesses e direitos dos
idosos previstos nesta Lei.
São muitas e importantes as atribuições conferidas ao
Ministério Público pelo Estatuto do Idoso.
Quero chamar sua atenção para três delas especificamente:
a) Atuar como substituto processual do idoso em situação
de risco à Este é um dos poucos casos em que a
substituição é autorizada no nosso ordenamento jurídico. O
MP pode, portanto, atuar em benefício do idoso em
situação de risco independentemente de autorização ou
procuração.
b) Instaurar procedimento administrativo à Além do
manejo das ações judiciais, o MP pode também instaurar
procedimento administrativo para investigar o cometimento
das infrações previstas no Estatuto (arts. 56 a 58).
c) Inspecionar as entidades públicas e particulares de
atendimento e os programas de que trata o Estatuto do
Idoso à Além de inspecionar, o MP pode adotar medidas
administrativas ou judiciais que sejam necessárias para
sanar as irregularidades apontadas. Para cumprir esse
dever, o Estatuto confere ao representante do MP a
prerrogativa de livre acesso a toda entidade de
atendimento ao idoso.

Art. 90. Os agentes públicos em geral, os juízes e tribunais, no


exercício de suas funções, quando tiverem conhecimento de fatos que
possam configurar crime de ação pública contra idoso ou ensejar a

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  10  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
propositura de ação para sua defesa, devem encaminhar as peças
pertinentes ao Ministério Público, para as providências cabíveis.
Essa obrigação é imposta a todos os agentes públicos,
incluindo os próprios magistrados. Sempre que houver notícia de fato que
seja tipificado como crime de ação pública, os documentos
comprobatórios devem ser encaminhados ao Ministério Público, para
que este possa decidir acerca da oportunidade de apresentação da
denúncia perante do Poder Judiciário. Na realidade, todos os crimes
previstos no Estatuto do Idoso são de ação penal pública, como veremos
a seguir.

Art. 94. Aos crimes previstos nesta Lei, cuja pena máxima privativa
de liberdade não ultrapasse 4 (quatro) anos, aplica-se o procedimento
previsto na Lei no 9.099, de 26 de setembro de 1995, e,
subsidiariamente, no que couber, as disposições do Código Penal e do
Código de Processo Penal.
Este dispositivo merece melhores explicações. A Lei nº
9.099/1995 trata do procedimento adotado pelos Juizados Especiais
Criminais. Ocorre que esta lei define expressamente seu âmbito de
aplicação, que se estende apenas às contravenções penais e aos crimes
cuja pena máxima é de até 2 anos de privação de liberdade.
Acontece que o Estatuto do Idoso estendeu a aplicação do
procedimento previsto na Lei nº 9.099/1995 aos crimes cuja pena
máxima não ultrapasse 4 anos. E aí? O que devemos aplicar agora?
A questão foi solucionada por meio da Ação Direta de
Inconstitucionalidade nº 3.096-5, na qual foi dada interpretação conforme
a Constituição ao dispositivo. Essa interpretação foi no sentido de que
apenas o procedimento sumaríssimo deve ser aplicado aos crimes cuja
pena é de até 4 anos, e não os institutos despenalizadores previstos na
Lei nº 9.099/1995 (transação penal, suspensão condicional do processo,
etc.).

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  11  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
A interpretação dada pelo STF, portanto, contemplou apenas o
procedimento adotado no julgamento, tornando-o mais célere, em
benefício do idoso. Deixou de fazer sentido, portanto, e por isso foi
julgada inconstitucional a menção à aplicação subsidiária do Código Penal.

ADIN 3.096-5 STF


AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ARTIGOS 39 E 94 DA LEI
10.741/2003 (ESTATUTO DO IDOSO). RESTRIÇÃO À GRATUIDADE DO
TRANSPORTE COLETIVO. SERVIÇOS DE TRANSPORTE SELETIVOS E
ESPECIAIS. APLICABILIDADE DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NA LEI
9.099/1995 AOS CRIMES COMETIDOS CONTRA IDOSOS.
1. No julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.768/DF, o
Supremo Tribunal Federal julgou constitucional o art. 39 da Lei nº
10.741/2003. Não conhecimento da ação direta de inconstitucionalidade
nessa parte.
2. Art. 94 da Lei n. 10.741/2003: interpretação conforme à Constituição
do Brasil, com redução de texto, para suprimir a expressão “do Código
Penal e”. Aplicação apenas do procedimento sumaríssimo previsto na Lei
nº 9.099/95: benefício do idoso com a celeridade processual.
Impossibilidade de aplicação de quaisquer medidas
despenalizadoras e de interpretação benéfica ao autor do crime.
3. Ação direta de inconstitucionalidade julgada parcialmente procedente
para dar interpretação conforme à Constituição do Brasil, com redução de
texto, ao art. 94 da Lei nº 10.741/2003.

A Lei nº 9.099/1995 deve ser aplicada aos crimes previstos no


Estatuto do Idoso, quando a pena máxima não ultrapassar 4 anos.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  12  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Entretanto, essa aplicação deve ocorrer apenas no que diz respeito ao
procedimento sumaríssimo, e não às medidas despenalizadoras.

Art. 95. Os crimes definidos nesta Lei são de ação penal pública
incondicionada, não se lhes aplicando os arts. 181 e 182 do Código
Penal.
Todos os crimes previstos pelo Estatuto do Idoso são de ação
penal pública incondicionada. Isso significa que não é necessária
qualquer provocação ou representação por parte da vítima para que o
Ministério Público ofereça a denúncia ao Poder Judiciário.
Quando se tratar de crime que tenha por vítima o idoso, não
terá aplicação a escusa absolutória prevista pelo art. 181 do Código
Penal, nem a fixação da ação penal condicionada à representação, esta
prevista pelo art. 182.

CP, Art. 181 - É isento de pena quem comete qualquer dos crimes
previstos neste título, em prejuízo:
I - do cônjuge, na constância da sociedade conjugal;
II - de ascendente ou descendente, seja o parentesco legítimo ou
ilegítimo, seja civil ou natural.
CP, Art. 182 - Somente se procede mediante representação, se o
crime previsto neste título é cometido em prejuízo:
I - do cônjuge desquitado ou judicialmente separado;
II - de irmão, legítimo ou ilegítimo;
III - de tio ou sobrinho, com quem o agente coabita.

O Estatuto do Idoso tipifica 14 crimes diferentes, resumidos


no quadro esquemático abaixo. Em negrito estão os tipos penais que já
foram cobrados em provas anteriores, ok?

CRIMES CONTRA OS IDOSOS

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  13  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Art. 96. Discriminar pessoa idosa, Art. 97. Deixar de prestar
impedindo ou dificultando seu acesso a assistência ao idoso, quando possível
operações bancárias, aos meios de fazê-lo sem risco pessoal, em situação
transporte, ao direito de contratar ou por de iminente perigo, ou recusar,
qualquer outro meio ou instrumento retardar ou dificultar sua assistência à
necessário ao exercício da cidadania, por saúde, sem justa causa, ou não pedir,
motivo de idade: nesses casos, o socorro de autoridade
Pena – reclusão de 6 (seis) meses a pública:
1 (um) ano e multa. Pena – detenção de 6 (seis)
o
§ 1 Na mesma pena incorre quem meses a 1 (um) ano e multa.
desdenhar, humilhar, menosprezar ou Parágrafo único. A pena é
discriminar pessoa idosa, por qualquer aumentada de metade, se da omissão
motivo. resulta lesão corporal de natureza
o
§ 2 A pena será aumentada de 1/3 grave, e triplicada, se resulta a morte.
(um terço) se a vítima se encontrar sob os
cuidados ou responsabilidade do agente.
Art. 98. Abandonar o idoso em Art. 99. Expor a perigo a integridade
hospitais, casas de saúde, entidades e a saúde, física ou psíquica, do idoso,
de longa permanência, ou congêneres, submetendo-o a condições desumanas ou
ou não prover suas necessidades degradantes ou privando-o de alimentos e
básicas, quando obrigado por lei ou cuidados indispensáveis, quando obrigado
mandado: a fazê-lo, ou sujeitando-o a trabalho
Pena – detenção de 6 (seis) excessivo ou inadequado:
meses a 3 (três) anos e multa. Pena – detenção de 2 (dois) meses a
1 (um) ano e multa.
§ 1o Se do fato resulta lesão corporal
de natureza grave:
Pena – reclusão de 1 (um) a 4
(quatro) anos.
§ 2o Se resulta a morte:
Pena – reclusão de 4 (quatro) a 12
(doze) anos.
Art. 100. Constitui crime punível Art. 101. Deixar de cumprir, retardar
com reclusão de 6 (seis) meses a 1 (um) ou frustrar, sem justo motivo, a execução
ano e multa: de ordem judicial expedida nas ações em
I – obstar o acesso de alguém a que for parte ou interveniente o idoso:
qualquer cargo público por motivo de Pena – detenção de 6 (seis) meses a
idade; 1 (um) ano e multa.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  14  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
II – negar a alguém, por motivo
de idade, emprego ou trabalho;
III – recusar, retardar ou dificultar
atendimento ou deixar de prestar
assistência à saúde, sem justa causa, a
pessoa idosa;
IV – deixar de cumprir, retardar ou
frustrar, sem justo motivo, a execução de
ordem judicial expedida na ação civil a que
alude esta Lei;
V – recusar, retardar ou omitir dados
técnicos indispensáveis à propositura da
ação civil objeto desta Lei, quando
requisitados pelo Ministério Público.
Art. 102. Apropriar-se de ou desviar Art. 103. Negar o acolhimento ou a
bens, proventos, pensão ou qualquer outro permanência do idoso, como abrigado, por
rendimento do idoso, dando-lhes aplicação recusa deste em outorgar procuração à
diversa da de sua finalidade: entidade de atendimento:
Pena – reclusão de 1 (um) a 4 Pena – detenção de 6 (seis) meses a
(quatro) anos e multa. 1 (um) ano e multa.
Art. 104. Reter o cartão Art. 105. Exibir ou veicular, por
magnético de conta bancária relativa qualquer meio de comunicação,
a benefícios, proventos ou pensão do informações ou imagens depreciativas ou
idoso, bem como qualquer outro injuriosas à pessoa do idoso:
documento com objetivo de assegurar Pena – detenção de 1 (um) a 3
recebimento ou ressarcimento de (três) anos e multa.
dívida:
Pena – detenção de 6 (seis)
meses a 2 (dois) anos e multa.
Art. 106. Induzir pessoa idosa sem Art. 107. Coagir, de qualquer
discernimento de seus atos a outorgar modo, o idoso a doar, contratar, testar
procuração para fins de administração de ou outorgar procuração:
bens ou deles dispor livremente: Pena – reclusão de 2 (dois) a 5
Pena – reclusão de 2 (dois) a 4 (cinco) anos.
(quatro) anos.
Art. 108. Lavrar ato notarial que Art. 109. Impedir ou embaraçar ato
envolva pessoa idosa sem do representante do Ministério Público ou

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  15  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
discernimento de seus atos, sem a de qualquer outro agente fiscalizador:
devida representação legal: Pena – reclusão de 6 (seis) meses a
Pena – reclusão de 2 (dois) a 4 1 (um) ano e multa.
(quatro) anos.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  16  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
4. RESUMO DO CONCURSEIRO

O Estatuto do Idoso regula os direitos das pessoas com idade


igual ou superior a 60 (sessenta) anos.
 
MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS PELO ESTATUTO DO IDOSO

– Encaminhamento à família ou curador, mediante termo de


responsabilidade;
– Orientação, apoio e acompanhamento temporários;
– Requisição para tratamento de sua saúde, em regime ambulatorial,
hospitalar ou domiciliar;
– Inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação
e tratamento a usuários dependentes de drogas lícitas ou ilícitas, ao
próprio idoso ou à pessoa de sua convivência que lhe cause perturbação;
– Abrigo em entidade;
– Abrigo temporário.
 
A Lei nº 9.099/1995 deve ser aplicada aos crimes previstos no
Estatuto do Idoso, quando a pena máxima não ultrapassar 4 anos.
Entretanto, essa aplicação deve ocorrer apenas no que diz respeito ao
procedimento sumaríssimo, e não às medidas despenalizadoras.
 
CRIMES CONTRA OS IDOSOS
Art. 96. Discriminar pessoa idosa, Art. 97. Deixar de prestar
impedindo ou dificultando seu acesso a assistência ao idoso, quando possível
operações bancárias, aos meios de fazê-lo sem risco pessoal, em situação
transporte, ao direito de contratar ou por de iminente perigo, ou recusar,
qualquer outro meio ou instrumento retardar ou dificultar sua assistência à
necessário ao exercício da cidadania, por saúde, sem justa causa, ou não pedir,
motivo de idade: nesses casos, o socorro de autoridade
Pena – reclusão de 6 (seis) meses a pública:
1 (um) ano e multa. Pena – detenção de 6 (seis)
o
§ 1 Na mesma pena incorre quem meses a 1 (um) ano e multa.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  17  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
desdenhar, humilhar, menosprezar ou Parágrafo único. A pena é
discriminar pessoa idosa, por qualquer aumentada de metade, se da omissão
motivo. resulta lesão corporal de natureza
§ 2o A pena será aumentada de 1/3 grave, e triplicada, se resulta a morte.
(um terço) se a vítima se encontrar sob os
cuidados ou responsabilidade do agente.
Art. 98. Abandonar o idoso em Art. 99. Expor a perigo a integridade
hospitais, casas de saúde, entidades e a saúde, física ou psíquica, do idoso,
de longa permanência, ou congêneres, submetendo-o a condições desumanas ou
ou não prover suas necessidades degradantes ou privando-o de alimentos e
básicas, quando obrigado por lei ou cuidados indispensáveis, quando obrigado
mandado: a fazê-lo, ou sujeitando-o a trabalho
Pena – detenção de 6 (seis) excessivo ou inadequado:
meses a 3 (três) anos e multa. Pena – detenção de 2 (dois) meses a
1 (um) ano e multa.
§ 1o Se do fato resulta lesão corporal
de natureza grave:
Pena – reclusão de 1 (um) a 4
(quatro) anos.
§ 2o Se resulta a morte:
Pena – reclusão de 4 (quatro) a 12
(doze) anos.
Art. 100. Constitui crime punível Art. 101. Deixar de cumprir, retardar
com reclusão de 6 (seis) meses a 1 (um) ou frustrar, sem justo motivo, a execução
ano e multa: de ordem judicial expedida nas ações em
I – obstar o acesso de alguém a que for parte ou interveniente o idoso:
qualquer cargo público por motivo de Pena – detenção de 6 (seis) meses a
idade; 1 (um) ano e multa.
II – negar a alguém, por motivo
de idade, emprego ou trabalho;
III – recusar, retardar ou dificultar
atendimento ou deixar de prestar
assistência à saúde, sem justa causa, a
pessoa idosa;
IV – deixar de cumprir, retardar ou
frustrar, sem justo motivo, a execução de
ordem judicial expedida na ação civil a que
alude esta Lei;

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  18  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
V – recusar, retardar ou omitir dados
técnicos indispensáveis à propositura da
ação civil objeto desta Lei, quando
requisitados pelo Ministério Público.
Art. 102. Apropriar-se de ou desviar Art. 103. Negar o acolhimento ou a
bens, proventos, pensão ou qualquer outro permanência do idoso, como abrigado, por
rendimento do idoso, dando-lhes aplicação recusa deste em outorgar procuração à
diversa da de sua finalidade: entidade de atendimento:
Pena – reclusão de 1 (um) a 4 Pena – detenção de 6 (seis) meses a
(quatro) anos e multa. 1 (um) ano e multa.
Art. 104. Reter o cartão Art. 105. Exibir ou veicular, por
magnético de conta bancária relativa qualquer meio de comunicação,
a benefícios, proventos ou pensão do informações ou imagens depreciativas ou
idoso, bem como qualquer outro injuriosas à pessoa do idoso:
documento com objetivo de assegurar Pena – detenção de 1 (um) a 3
recebimento ou ressarcimento de (três) anos e multa.
dívida:
Pena – detenção de 6 (seis)
meses a 2 (dois) anos e multa.
Art. 106. Induzir pessoa idosa sem Art. 107. Coagir, de qualquer
discernimento de seus atos a outorgar modo, o idoso a doar, contratar, testar
procuração para fins de administração de ou outorgar procuração:
bens ou deles dispor livremente: Pena – reclusão de 2 (dois) a 5
Pena – reclusão de 2 (dois) a 4 (cinco) anos.
(quatro) anos.
Art. 108. Lavrar ato notarial que Art. 109. Impedir ou embaraçar ato
envolva pessoa idosa sem do representante do Ministério Público ou
discernimento de seus atos, sem a de qualquer outro agente fiscalizador:
devida representação legal: Pena – reclusão de 6 (seis) meses a
Pena – reclusão de 2 (dois) a 4 1 (um) ano e multa.
(quatro) anos.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  19  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Caro amigo, encerro aqui nossa exposição teórica nesta aula
demonstrativa. Espero que você tenha gostado e que opte por se
preparar com o Estratégia. A seguir estão questões a respeito dos
assuntos que estudamos hoje. Ao final, incluí a lista das questões sem os
comentários e o gabarito. Se ficar alguma dúvida, utilize o nosso fórum.
Estou sempre disponível também no email.

Grande abraço!

Paulo Guimarães
pauloguimaraes@estrategiaconcursos.com.br
www.facebook.com/pauloguimaraesfilho

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  20  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
5. QUESTÕES COMENTADAS

1. TJDFT – Analista Judiciário – 2013 – Cespe. O Estatuto do Idoso


impõe a todo cidadão que tenha testemunhado violações aos preceitos
estabelecidos nesse estatuto ou que delas tenha tomado conhecimento o
dever da delatio criminis perante a autoridade competente.

COMENTÁRIOS: Essa é uma obrigação muito importante, imposta a


qualquer cidadão, prevista no art. 6º do Estatuto do Idoso.

Art. 6o Todo cidadão tem o dever de comunicar à autoridade


competente qualquer forma de violação a esta Lei que tenha
testemunhado ou de que tenha conhecimento.

GABARITO: C

2. PC-SC – Delegado de Polícia – 2008 – Acafe. “Crácio” encontrou o


ancião “Mévio”, 80 anos de idade e inválido, ferido em conseqüência de
um desabamento, sem condições de socorrer-se por suas próprias forças.
Dolosamente, deixou de prestar-lhe assistência, embora fosse possível
fazê-lo sem risco pessoal, na expectativa de que outrem o socorresse. Da
omissão resultou a morte de “Mévio”. “Crácio” responderá por:

a) modalidade especial de omissão de socorro prevista no Estatuto do


Idoso (Lei n. 10.741/03), qualificada pelo resultado morte (preterdolo).
b) crime de omissão de socorro, qualificado pelo resultado morte
(preterdolo), previsto no Código Penal.
c) crime de abandono de incapaz, qualificado pelo resultado morte
(preterdolo), previsto no Código Penal.
d) crime de homicídio culposo, com aumento de pena, pois a vítima era
maior de 60 (sessenta) anos.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  21  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
COMENTÁRIOS: A redação do enunciado pode assustar um pouco, mas
o crime cometido pelo agente é tipificado pelo art. 97 do Estatuto do
Idoso.

Art. 97. Deixar de prestar assistência ao idoso, quando possível


fazê-lo sem risco pessoal, em situação de iminente perigo, ou recusar,
retardar ou dificultar sua assistência à saúde, sem justa causa, ou não
pedir, nesses casos, o socorro de autoridade pública:
Pena – detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano e multa.
Parágrafo único. A pena é aumentada de metade, se da omissão
resulta lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte.

GABARITO: A

3. TJ-RJ – Titular de Serviços de Notas e de Registros – 2012 –


Cetro. É correto afirmar que o ato de lavrar ato notarial que envolva
pessoa idosa sem discernimento de seus atos, sem a devida
representação legal,

a) é um fato atípico.
b) é descrito como contravenção penal, mas não como crime.
c) configura crime tipificado no Estatuto do Idoso.
d) implica exclusivamente a anulabilidade do ato praticado.
e) implica apenas consequências administrativas a quem lavrou o ato
notarial.

COMENTÁRIOS: Este crime é previsto no art. 108 do Estatuto do Idoso.

Art. 108. Lavrar ato notarial que envolva pessoa idosa sem
discernimento de seus atos, sem a devida representação legal:

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  22  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Pena – reclusão de 2 (dois) a 4 (quatro) anos.

GABARITO: C

4. DPE-BA – Defensor Público – 2010 – Cespe. Aos crimes previstos


no Estatuto do Idoso são vedadas a aplicação das medidas
despenalizadoras da composição civil dos danos e da transação, bem
como a incidência das imunidades penais absolutas ou escusas
absolutórias.

COMENTÁRIOS: Para responder essa questão é necessário lembrar do


teor do art. 94 do Estatuto do Idoso, bem como da ADIN nº 3.096-5, por
meio da foi dada interpretação conforme a Constituição ao dispositivo.
Essa interpretação foi no sentido de que apenas o procedimento
sumaríssimo previsto pela Lei nº 9.099/1995 deve ser aplicado aos crimes
cuja pena é de até 4 anos, e não os institutos despenalizadores
(transação penal, suspensão condicional do processo, etc.).

GABARITO: C

5. DPE-PI – Defensor Público – 2009 – Cespe (adaptada). O agente


que retém cartão magnético de conta bancária relativa a benefícios,
proventos ou pensão do idoso, bem como qualquer outro documento com
objetivo de assegurar recebimento ou ressarcimento de dívida, deve
responder pelo delito de exercício arbitrário das próprias razões, com
causa geral de aumento de pena.

COMENTÁRIOS: A retenção de cartão magnético do idoso nessa situação


constitui crime autônomo, tipificado pelo art. 104 do Estatuto do Idoso.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  23  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
Art. 104. Reter o cartão magnético de conta bancária relativa a
benefícios, proventos ou pensão do idoso, bem como qualquer outro
documento com objetivo de assegurar recebimento ou ressarcimento de
dívida:
Pena – detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos e multa.

GABARITO: E

6. DPE-PI – Defensor Público – 2009 – Cespe (adaptada). Aquele


que induzir pessoa idosa sem discernimento de seus atos a outorgar
procuração para fins de administração de bens deve responder pelo delito
de estelionato, com causa especial de aumento de pena.

COMENTÁRIOS: Essa conduta constitui crime autônomo, previsto pelo


art. 106 do Estatuto do Idoso.

Art. 106. Induzir pessoa idosa sem discernimento de seus atos a


outorgar procuração para fins de administração de bens ou deles dispor
livremente:
Pena – reclusão de 2 (dois) a 4 (quatro) anos.

GABARITO: E

7. PC-AP – Delegado de Polícia – 2010 – FGV. Relativamente ao


Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003), analise as afirmativas a seguir:

I. O Estatuto do Idoso é destinado a regular os direitos assegurados às


pessoas com idade igual ou superior a 65 (sessenta e cinco) anos.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  24  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
II. Os crimes definidos no Estatuto do Idoso são de ação penal pública
incondicionada, não se lhes aplicando os arts. 181 e 182 do Código Penal.

III. Aos crimes previstos no Estatuto do Idoso, cuja pena máxima


privativa de liberdade não ultrapasse 2 (dois) anos, aplica-se o
procedimento previsto na Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, e,
subsidiariamente, no que couber, as disposições do Código Penal e do
Código de Processo Penal.

Assinale:
a) se somente a afirmativa I estiver correta.
b) se somente a afirmativa II estiver correta.
c) se somente a afirmativa III estiver correta.
d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

COMENTÁRIOS:
A assertiva I está incorreta porque o Estatuto do Idoso regula os direitos
das pessoas com mais de 60 anos.
A assertiva III está errada porque a previsão de aplicação do
procedimento sumaríssimo da Lei nº 9.099/1995 trazida pelo Estatuto do
Idoso é aplicável aos crimes cuja pena máxima é de 4 anos de privação
de liberdade. Além disso, lembre-se de que a expressão “do Código
Penal” foi considerada inconstitucional pelo STF.

GABARITO: B

8. DPE-AL – Defensor Público – 2009 – Cespe. Constitui crime de


menor potencial ofensivo abandonar injustificadamente pessoa idosa em
hospital ou casa de saúde.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  25  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
COMENTÁRIOS: A pena prevista para o crime mencionado é de detenção
de 6 meses a 3 anos, e multa. Os crimes de menor potencial ofensivo são
aqueles cuja pena máxima é de até 2 anos de privação de liberdade.
Lembre-se de que a Lei nº 9.099/1995 não se aplica integralmente a
esses crimes, mas somente no que diz respeito ao procedimento
sumaríssimo.

GABARITO: E  

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  26  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
  Teoria e exercícios comentados
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
6. QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS

1. TJDFT – Analista Judiciário – 2013 – Cespe. O Estatuto do Idoso


impõe a todo cidadão que tenha testemunhado violações aos preceitos
estabelecidos nesse estatuto ou que delas tenha tomado conhecimento o
dever da delatio criminis perante a autoridade competente.

2. PC-SC – Delegado de Polícia – 2008 – Acafe. “Crácio” encontrou o


ancião “Mévio”, 80 anos de idade e inválido, ferido em conseqüência de
um desabamento, sem condições de socorrer-se por suas próprias forças.
Dolosamente, deixou de prestar-lhe assistência, embora fosse possível
fazê-lo sem risco pessoal, na expectativa de que outrem o socorresse. Da
omissão resultou a morte de “Mévio”. “Crácio” responderá por:

a) modalidade especial de omissão de socorro prevista no Estatuto do


Idoso (Lei n. 10.741/03), qualificada pelo resultado morte (preterdolo).
b) crime de omissão de socorro, qualificado pelo resultado morte
(preterdolo), previsto no Código Penal.
c) crime de abandono de incapaz, qualificado pelo resultado morte
(preterdolo), previsto no Código Penal.
d) crime de homicídio culposo, com aumento de pena, pois a vítima era
maior de 60 (sessenta) anos.

3. TJ-RJ – Titular de Serviços de Notas e de Registros – 2012 –


Cetro. É correto afirmar que o ato de lavrar ato notarial que envolva
pessoa idosa sem discernimento de seus atos, sem a devida
representação legal,

a) é um fato atípico.
b) é descrito como contravenção penal, mas não como crime.
c) configura crime tipificado no Estatuto do Idoso.
d) implica exclusivamente a anulabilidade do ato praticado.

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  27  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
e) implica apenas consequências administrativas a quem lavrou o ato
notarial.

4. DPE-BA – Defensor Público – 2010 – Cespe. Aos crimes previstos


no Estatuto do Idoso são vedadas a aplicação das medidas
despenalizadoras da composição civil dos danos e da transação, bem
como a incidência das imunidades penais absolutas ou escusas
absolutórias.

5. DPE-PI – Defensor Público – 2009 – Cespe (adaptada). O agente


que retém cartão magnético de conta bancária relativa a benefícios,
proventos ou pensão do idoso, bem como qualquer outro documento com
objetivo de assegurar recebimento ou ressarcimento de dívida, deve
responder pelo delito de exercício arbitrário das próprias razões, com
causa geral de aumento de pena.

6. DPE-PI – Defensor Público – 2009 – Cespe (adaptada). Aquele


que induzir pessoa idosa sem discernimento de seus atos a outorgar
procuração para fins de administração de bens deve responder pelo delito
de estelionato, com causa especial de aumento de pena.

7. PC-AP – Delegado de Polícia – 2010 – FGV. Relativamente ao


Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003), analise as afirmativas a seguir:

I. O Estatuto do Idoso é destinado a regular os direitos assegurados às


pessoas com idade igual ou superior a 65 (sessenta e cinco) anos.

II. Os crimes definidos no Estatuto do Idoso são de ação penal pública


incondicionada, não se lhes aplicando os arts. 181 e 182 do Código Penal.

III. Aos crimes previstos no Estatuto do Idoso, cuja pena máxima


privativa de liberdade não ultrapasse 2 (dois) anos, aplica-se o

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  28  de  29  


Legislação Penal Extravagante para PCDF
Teoria e exercícios comentados  
Prof. Paulo Guimarães – Aula 00
procedimento previsto na Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, e,
subsidiariamente, no que couber, as disposições do Código Penal e do
Código de Processo Penal.

Assinale:
a) se somente a afirmativa I estiver correta.
b) se somente a afirmativa II estiver correta.
c) se somente a afirmativa III estiver correta.
d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

8. DPE-AL – Defensor Público – 2009 – Cespe. Constitui crime de


menor potencial ofensivo abandonar injustificadamente pessoa idosa em
hospital ou casa de saúde.

GABARITO
1. C
2. A
3. C
4. C
5. E
6. E
7. B
8. E

Prof.  Paulo  Guimarães                                        www.estrategiaconcursos.com.br                      Página  29  de  29