You are on page 1of 2

AD1 – Quais são os tipos de poder existentes para Aristóteles e como são definidos.

/
Quais são as formas de governo para Aristóteles e o que as caracteriza. / Quais poderes
constituem a tipologia moderna das formas de poder, segundo Norberto Bobbio, e como
podem ser definidos. / Qual a relação entre Estado e poder político.

Aristóteles contribuiu muito para o desenvolvimento do pensamento moral e ético


que temos hoje e uma de suas contribuições está relacionada a descrição das formas de
poder existentes. De acordo com o filósofo, existem três tipos de poder: o paterno, o
despótico e o político. Antes de descrever no que consistem esses tipos de poder é
importante destacar o critério usado para essa classificação.
Segundo Aristóteles, o poder é definido de acordo com sua finalidade, ou seja, de
acordo com o interesse que o leva a ser exercido. Dessa forma, o poder paterno pode ser
caracterizado como aquele que é exercido pelo pai em benefício do filho. Portanto, neste
caso, a finalidade do exercício desse poder é o próprio objeto.
Já no caso do poder do tipo despótico, poder é exercido em favor ou interesse
apenas do sujeito. Por isso podemos dizer que também se trata de uma forma absoluta e
arbitrária. Um exemplo disso seria a relação senhor-escravo, em que o último não tinha
qualquer direito de negação do poder exercido sobre ele.
Por fim, porém bastante complexo, Aristóteles definiu o poder político. Neste caso
ambos, o sujeito e o objeto deveriam ser beneficiados. O motivo de tal complexidade se
dá porque nem sempre os interesses dos governantes e governados são os mesmos.
Considerando tal realidade, o filósofo propôs uma outra tipologia, agora baseada
nas formas de governo que, apesar de também se basear na finalidade, considera o número
de governantes.
Nesta tipologia temos: o governo de um só, o governo de poucos e o governo de
muitos. Para estas três formas podemos dizer que há o bom e o mau governo, o que os
define continua sendo o interesse. Uma só pessoa pode, por exemplo, exercer um bom
governo, desde que o faça garantindo o seu interesse e o de seus governados.
Contudo, o poder não é definido apenas de acordo com sua finalidade. A
classificação moderna, elaborada por Norberto Bobbio trouxe um novo olhar sobre as
formas de exercício do poder. Para ele o poder pode ser classificado em três tipos:
econômico, ideológico e político. Porém é importante destacar que o simples fato de uma
pessoa ter posses, ser inteligente ou bastante forte não implica, necessariamente, no fato
de ela exercer algum tipo de poder ou influência sobre os outros.
De acordo com a tipologia moderna, o poder econômico se daria na posse de
algum bem extremamente necessário numa situação de escassez, o que possibilitaria que
seu detentor influenciasse as demais pessoas a trabalharem para ele ou terem determinado
tipo de comportamento.
Já o poder ideológico não implica em qualquer tipo de posse, mas apenas
possibilidade que determinado indivíduo ou empresas de todos os tipos têm de influenciar
os demais com suas ideias. Esse tipo de poder pode ser exercido por modelos,
sindicalistas, candidatos à algum cargo político, emissoras de tv e qualquer empresa que
deseja vender seu produto, influenciando os clientes a comprarem o seu e abandonarem
o concorrente.
O poder político, diferente do que muitos pensam, está relacionado ao conjunto:
autoridade/legalidade para exercer a força física juntamente com a posse de instrumentos
que a potencializem. Dessa forma, o único capaz de exercer esse poder é o Estado, pois o
faz conforme a “autorização” prévia de seus governados. Portanto o Estado pode exigir
que os cidadãos paguem seus impostos, cumpram as leis ou participem de guerras, sob a
pena de sofrerem as sanções previstas em lei em caso de desobediência.