You are on page 1of 126

0

ESTADO DE MATO GROSSO


POLÍCIA MILITAR
CENTRO DE CAPACITAÇÃO DESENVOLVIMENTO E PESQUISA
ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE

MANUAL DE
CERIMONIAL E PROTOCOLO

MP – 06 -07 - PM

2007
1

PAULO FERREIRA SERBIJA FILHO - TEN CEL PM

MANUAL DE
CERIMONIAL E PROTOCOLO

MP – 06 -07 - PM

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO


ACADEMIA DE POLICIA MILITAR COSTA VERDE
2

PORTARIA

Portaria Nº xxx/xxx/xx, de xx / xx/xxxx

O Coronel PM Comandante Geral da Polícia Militar do Estado Mato Grosso, no uso de suas
atribuições legais;

Resolve:

Art. 1º - Aprovar o Manual Básico de Cerimonial e Protocolo de autoria do Ten


Cel PM Paulo Ferreira Serbija Filho, autoriza a publicação e determina sua adoção no âmbito
da PMMT.
Art. 2º- O presente Manual passa a ter classificação MP – 06 – 07 - PM
Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 4º- Revoguem-se as disposições em contrário.
Publique-se, cumpra-se.

Quartel, em Cuiabá-MT, xx de xxxx de 2007

Antonio Benedito Campos Filho – Cel PM


Comandante Geral da Polícia Militar
3

PREFÁCIO

Este trabalho é fruto de pesquisas e de mérito, por que é um Manual que na sua maior
parte, incursiona em assuntos práticos, vivenciado no dia-a-dia da profissão policial, mais que
ninguém, este Oficial, tivera a iniciativa de escrever.
Os policiais mais velhos e experientes, que tiveram o aprendizado haurido da tradição
e dos conflitos do cotidiano, transmitem os princípios do conhecimento empírico aos mais
novos. Porém, não havia nada escrito, um guia para o início da aprendizagem, para pesquisa,
e onde procurar os assuntos de natureza dos nossos manuais.
Temos por objetivo, padronizar o nivelamento do conhecimento da tropa nas áreas de
Policiamento Ostensivo; Ordem Unida; Armamento, Munição e Explosivos; Bastão Policial;
Redação Oficial; Cerimonial e Protocolo; e a reedição do Manual de Educação Física Policial-
Militar.
Procurou-se nestes manuais, observar a realidade da tropa, a realidade criminal de
nosso Estado, bem como o “Modus Operandi” de nossa Instituição, razões pelas quais os
instrutores da Academia de Policia Militar Costa Verde, imbuídos de conhecimento,
experiência pessoal e profissional que labutam na manutenção da Ordem Pública. A riqueza
de conteúdo é de utilidade incontestável ao policial militar.
Minhas congratulações ao Ten Cel PM Sampaio, Ten Cel PM Wilquerson, Ten Cel PM
Celso; Ten Cel PM Chaves; Ten Cel PM Otomar; Ten Cel PM Serbija; Maj PM Setubal; Maj
PM Cezar Gomes; Maj PM Alberto; Ten PM Wangles; Ten PM Luiz Prado; Ten PM Lavor,
pela ousadia de escrever, continuem nessa trajetória.

Cuiabá, 02 de agosto de 2007

Antonio Benedito Campos Filho – Cel PM


Comandante Geral da Polícia Militar
4

AGRADECIMENTOS

Este Manual foi confeccionado pela Academia de Polícia Militar Costa Verde e
submetido à apreciação critica e avaliação do Conselho de Coronéis que teve a oportunidade
de oferecer sugestões e subsídios, da realidade de nossa Polícia Militar de Mato Grosso.
Sua realização só foi possível graças ao empenho dos Oficiais instrutores que
lecionam, escrevem, estudam, pesquisam e acompanham a evolução do conteúdo de suas
disciplinas na Academia de Polícia Militar Costa Verde:
- Ten Cel PM Sampaio; Ten Cel Wilquerson; Ten Cel PM Celso; Ten Cel PM Chaves;
Ten Cel PM Otomar; Ten Cel PM Serbija; Maj PM Alberto; Maj PM Setubal; Maj PM Cezar
Gomes , Ten PM Wangles, Ten Luiz Prado; Ten Lavor.
- Ao Ten Cel PM Catarino, Comandante da Academia de Polícia Militar Costa Verde
por fomentar o conhecimento dentro dos preceitos científicos e de fornecer aos Policiais
Militares os meios necessários para o saber.
- À Prof MSC Lucia Regina de Souza por conduzir estes Manuais dentro de uma
leitura científica e de normatização técnica.
- Aos soldados Padovezi; Natalino e Aparecida pela digitação e compreensão da
realização e da importância trabalho para a Polícia Militar.

Cuiabá, 22 de agosto de 2007

Victor Hugo de Metello de Siqueira- Cel PM


Diretor do Centro de capacitação, Desenvolvimento e Pesquisa
5

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ......................................................................................................... . 7

1 CERIMONIAL ........................................................................................................ . 9
1.1 CONVITES ............................................................................................................. 9
1.2 PRECEDÊNCIA ................................................................................................... 12
1.2.1 Representantes ................................................................................................... 13
1.2.2 Ordem de Precedência ....................................................................................... 13
1.3 COMPOSIÇÃO DE MESA, PALANQUE E LOCAL DE HONRA ................. 24
1.3.1 Mesa ímpar ........................................................................................................... 24
1.3.2 Mesa par ............................................................................................................... 24
1.3.3 Pronunciamentos ................................................................................................. 25
1.3.4 Tratamentos ......................................................................................................... 25
1.4 TRAJES ................................................................................................................. 27
1.4.1 Uniforme da PMMT ........................................................................................... 28
1.4.2 Trajes sociais ....................................................................................................... 29
1.5 CERIMONIALISTA E MESTRE DE CERIMÔNIA ........................................ 30
1.5.1 Cerimonialista .................................................................................................... . 30
1.5.2 Mestre de Cerimônia .......................................................................................... 31
1.5.3 Rol de Providências ou Check-list ..................................................................... 31
1.6 OS SÍMBOLOS NACIONAIS E ESTADUAIS – USO E CULTO ................... 32
1.6.1 As Bandeiras ........................................................................................................ 33
1.6.1.1 Nacional ............................................................................................................ 33
1.6.1.2 Estadual ............................................................................................................. 38
1.6.2 Os Hinos ................................................................................................................ 39
1.6.2.1 O Hino Nacional ............................................................................................... 40
1.6.2.2 O Hino do Estado ............................................................................................. 41
1.6.3 As Armas .............................................................................................................. 42
1.6.3.1 As Armas Nacionais .......................................................................................... 42
1.6.3.2 As Armas Estaduais .......................................................................................... 43
1.6.4 O Selo ................................................................................................................... 43
1.6.4.1 O Selo Nacional ................................................................................................. 43

2 FORMATURAS PERIÓDICAS DA UPM .............................................................. 43

3 FORMATURAS DE PASSAGEM DE COMANDO DE UPM E CR .................. 49

4 FORMATURAS DE DATAS FESTIVAS NA PMMT – 21 ABR, 05 SET E 62


ANIVERSÁRIO DE UPM ..........................................................................................

5 FORMATURA DE CONCLUSÃO DE CURSO – CFSD, CFC, CFS E CAS ..... 73

6 FORMATURA DE ENTREGA DO ESPADIM TIRADENTES .......................... 90


6

7 FORMATURA DE CONCLUSÃO DO CFO ........................................................ 95

8 SOLENIDADE DE AULA INAUGURAL DE CURSOS ....................................... 104

9 VISITA DE AUTORIDADES NA UPM .................................................................. 110

10 GUARDA DE HONRA ........................................................................................... 115

11 RECEPÇÃO E DESPEDIDA DE OFICIAL ........................................................ 119


11.1 RECEPÇÃO DE OFICIAL ................................................................................. 119
11.2 DESPEDIDA DE OFICIAL ................................................................... ............. 121

REFERÊNCIAS ............................................................................................................ 124


7

INTRODUÇÃO

Em nosso cotidiano, seja na vida pessoal ou no meio profissional, nos


deparamos com diversas regras de conduta que devemos observar e cumprir. Exemplos não
faltam: num casamento, em visita a um amigo, numa reunião da empresa, participando de um
seminário.

Nestes momentos, para não passarmos vergonha ou mesmo deixar de tratar de


forma adequada alguém, importante conhecermos um pouquinho do que chamamos de
cerimonial.

Esta postura não é de hoje. No Egito do tempo dos Faraós, cerimônias eram
adotadas para o banho matinal do soberano em águas sagradas e nas honras póstumas a
membros da família real. O ápice do cerimonial deu-se na Idade Média, ganhando luxo e
ostentação, principalmente nas cortes da Itália, Espanha e França.

Podemos citar ainda o cerimonial da Santa Sé, inspirado nas remotas normas
da corte de Bizâncio, que mesmo sofrendo reformas na década de 60, do século passado,
ainda permanece bastante formal.

No meio militar não é muito diferente. O próprio uniforme já impõe certa


formalidade ao cotidiano profissional. Acrescentam-se as solenidades de formatura militar em
que encontramos a rigidez protocolar, o respeito às tradições e a pontualidade como
características mais marcantes.

Na Polícia Militar do Estado de Mato Grosso - PMMT, até então, as


solenidades militares de modo geral, eram planejadas e conduzidas baseadas na tradição, não
havendo uma normatização mais clara dos passos a serem adotados nessas solenidades.

A proposta desse Manual é servir como fonte de consulta para aqueles que têm
a missão de organizar solenidades na PMMT, padronizando os procedimentos de
planejamento e condução de todos os atos que compõem uma solenidade.
8

Apresentamos um capítulo dedicado ao cerimonial como um todo, com


assuntos diversos: convites, precedência, composição de mesa, trajes, símbolos nacionais e
estaduais.

O momento seguinte foi dedicado às formaturas militares, com a seqüência e


roteiros destas nas UPM, de passagem de comando, em datas festivas e em conclusões de
cursos. Deixamos ainda a seqüência e roteiro de uma Aula Magna de início de curso.

Em último momento a atenção foi voltada para o cerimonial mais militar, onde
buscamos padronizar as ações em visitas de autoridades, Guarda de Honra, recepção e
despedida de Oficiais.

Não temos a intenção de esgotar o assunto, mas sim servir de referência para
que as solenidades na PMMT ocorram com o sucesso próprio de uma instituição secular.
9

1 CERIMONIAL

Todo evento oficial deve ser atendido com ações que o regulem. O conjunto
dessas ações que observam as regras e normas específicas de protocolo e etiqueta, definindo
uma seqüência, para que a cerimônia ocorra de forma correta, chamamos de cerimonial.

Como citamos, o cerimonial encontra suporte no protocolo, que trata as regras


de conduta dos participantes de cerimônias, definindo seu posicionamento, precedência,
formas de tratamento, local de bandeiras e símbolos, em linhas gerais. Já quando falamos de
etiqueta, estamos tratando das regras da boa educação, cortesia, hospitalidade e do
relacionamento entre as pessoas que participam de determinado evento.

Essas normas ou regras orientam e disciplinam o comportamento e a postura


das autoridades, personalidades ou participantes em geral dos eventos ou acontecimentos, de
ordem oficial ou não.

Desta forma em toda solenidade oficial existem regras formais que devem ser
observadas para que o evento ocorra sem constrangimentos.

Quanto ao cerimonial militar, algumas características sobressaem, como: o


protocolo rígido, o respeito às tradições e a pontualidade. Entendemos como protocolo rígido
a fiel observância das regras para a condução das solenidades, permitindo pouca flexibilidade
e variações. O respeito às tradições faz parte da cultura militar e deve ser sempre considerada
no planejamento e condução das solenidades, adaptando-as, se for o caso, com as regras
protocolares. A pontualidade traduz o respeito ao planejamento e as autoridades e convidados
das solenidades.

Passaremos a algumas recomendações pertinentes na organização e condução


de solenidades.

1.1 CONVITES
10

O primeiro passo para a organização de qualquer evento é a definição de sua


seqüência e, não menos importante a definição da lista de convidados. Depois desta definição,
é importante a realização do convite que sendo impresso deve atender o seguinte:

 Constar o Brasão da PMMT;


 A função por extenso da autoridade promotora do evento;
 A expressão tem a honra, para eventos formais e tem o prazer para
eventos informais;
 O tratamento correspondente ou nome do convidado;
 A definição do evento;
 O local, data e horário;
 Abaixo deve constar o uniforme e traje civil do evento;
 Pode constar ainda o endereço do local do evento.

Apresentamos modelos de convite padrão a ser seguido na PMMT.

O Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso


tem a honra de convidar Vossa Excelência, para participar da Formatura Militar
de Passagem de Comando do Comando Regional VIII, do Sr. Cel PM José
Pereira da Silva para o Sr. Cel PM João Guimarães Rosa, na data de 10 de maio
de 2004, quinta-feira, às 0800h, no pátio do Quartel do Comando Geral da
PMMT.
11

Uniforme: 3º A (grafite com boina)

O Comandante do 18º Batalhão de Polícia Militar tem a honra de


convidar Vossa Excelência, para participar da Formatura Militar em
comemoração ao 25º aniversário do Batalhão, na data de 18 de junho de 2004,
terça-feira, às 1700h.

Local: Av. Beira Rio, n.º 354, Coxipó, Cuiabá – MT.

Traje:
PMMT - 3º A (grafite com boina)
FFAA – Correspondente
Civis - Passeio

O convite às autoridades deve ser entregue com pelo menos de sete a quinze
dias de antecedência.

No caso de solenidades em que não haja tempo disponível para confecção e


distribuição dos convites, recomendamos que o convite seja feito por telefone, sendo
informado o motivo do evento, o local, a data, o horário e traje. O convite por telefone deve
ser ao máximo evitado, sendo importante, desta forma, o planejamento prévio para evitarmos
este tipo de contratempo.
12

Em eventos informais, pode ser dispensado o convite escrito e, neste caso, o


convite por telefone pode ser usado observando-se as informações pertinentes ao convidado
acima citadas.

Uma vez convidadas as autoridades é oportuno no dia anterior ao evento


confirmar suas presenças, caso isto já não tenha sido feito pelo próprio. Com isso teremos
melhor oportunidade de já ir organizando os detalhes de precedência, lugares a serem
ocupados, ordem de entrada, pronunciamentos, etc...

Importante ainda ser definido as ações prévias ao evento. Necessário deixar


avisado um Oficial para receber a autoridade e conduzi-la a local estabelecido, como o
Gabinete do Comando, uma sala de espera, ou outro ambiente previamente preparado, onde
deverá estar presente o Comandante que recepcionará a autoridade informando do evento e
seu desenrolar (estas informações podem ser feitas por um outro Oficial preparado para tal).

No caso de autoridades militares ou daquelas que tem direito a honras militares


(observar o prescrito no Art. 100, do Decreto n.º 2.243, de 03 Jun 97), a recepção é
diferenciada e deve seguir o estabelecido em normas específicas, que trataremos mais a frente
neste Manual.

É importante a observação destas recomendações. Uma solenidade onde a


autoridade participante não é bem recebida e não toma conhecimento do que irá ocorrer, bem
como extrapola em sua duração, pode vir a ser exemplo de insucesso.

1.2 PRECEDÊNCIA

É o conceito ou ordem pela qual se estabelece a estrutura máxima do Estado,


na medida, em que determina a ordem hierárquica de disposição das autoridades do Estado,
de um Organismo ou de um Grupo Social.

A ordem geral de precedência no cerimonial público regula-se pelo Decreto nº


70.274, de 09 de março de 1972.
13

O Governador do Estado presidirá as solenidades a que comparecer, salvo as


do Poderes Legislativo e Judiciário, universitárias, religiosas e as de caráter exclusivamente
militar, nas quais será observado o respectivo cerimonial.

No Estado, o Governador, o Vice-Governador, o Presidente da Assembléia


Legislativa e o Presidente do Tribunal de Justiça terão, nessa ordem, precedência sobre as
autoridades federais.

Tal determinação não se aplica aos Presidentes do Congresso Nacional, da


Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal, aos Ministros de Estado que passarão
logo após o Governador.

1.2.1 Representantes

Quando se tratar do representante do Presidente da República ou do


Governador do Estado, em solenidades federais ou estaduais, respectivamente, ele ocupará o
lugar de honra, ou seja, ficará a direita da autoridade que a preside.

Do mesmo modo os representantes dos Poderes Legislativos e Judiciários,


quando membros dos referidos poderes, terão a colocação que compete aos respectivos
Presidentes.

1.2.2 Ordem de Precedência

A ordem de procedência nas Cerimônias oficiais nos ESTADOS DA UNIÃO


com a presença de autoridades federais será a seguinte:

Presidente da República

Vice-Presidente da República
Governador do Estado em que se processa a cerimônia
Cardeais
Embaixadores estrangeiros
14

Presidente do Congresso Nacional


Presidente da Câmara dos Deputados
Presidente do Supremo Tribunal Federal

Ministros de Estado
Chefe do Gabinete Militar da Presidência da República
Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República
Chefe do Serviço Nacional de Informações
Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas
Consultor-Geral da República
Vice-Governador do Estado em que se processa a cerimônia
Presidente da Assembléia Legislativa do Estado em que se processa a
cerimônia
Presidente do Tribunal de Justiça do Estado em que se processa a cerimônia
Enviados extraordinários e Ministros Plenipotenciários estrangeiros
Presidente do Tribunal Superior Eleitoral
Ministros do Supremo Tribunal Federal
Procurador-Geral da República
Governadores dos outros Estados e do Distrito Federal
Senadores
Deputados Federais
Almirantes
Marechais
Marechais-do-Ar
Chefe do Estado-Maior da Armada
Chefe do Estado-Maior do Exército
Secretário-Geral de Política Exterior
Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica

Almirantes-de-Esquadra
Generais-de-Exército
Embaixadores Extraordinários e Plenipotenciários (Ministros de 1ª classe )
15

Tenentes-Brigadeiros
Presidente do Tribunal Federal de Recursos
Presidente do Superior Tribunal Militar
Presidente do Tribunal Superior do Trabalho
Ministro do Tribunal Superior Eleitoral
Prefeito da Capital estadual em que se processa a cerimônia
 Encarregados de Negócios estrangeiros

Ministros do Superior Tribunal de Justiça


 Ministros do Superior Tribunal Militar
 Ministros do Tribunal Superior do Trabalho
 Vice-Almirantes
 Generais-de-Divisão
 Embaixadores (Ministros de 1ª classe)
 Majores-Brigadeiros
 Chefes de Igreja sediados no Brasil
 Arcebispos católicos ou equivalentes de outras religiões
 Presidente do Tribunal de Contas da União
 Presidente do Tribunal Marítimo
 Diretores-Gerais das Secretarias do Senado Federal e da Câmara dos
Deputados
 Substitutos eventuais dos Ministros
 Secretários-Gerais dos Ministérios
 Reitores das Universidades Federais
 Diretor-Geral do departamento de Polícia Federal
 Presidente do Banco Central
 Presidente do Banco do Brasil
 Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico
 Presidente do Banco Nacional de Habitação
 Ministros do Tribunal de Contas da União
 Juizes do Tribunal Superior do Trabalho
16

 Subprocuradores-Gerais da República
 Procuradores-Gerais da Justiça Militar
 Procuradores-Gerais da Justiça do Trabalho
 Procuradores-Gerais do Tribunal de Contas da União
 Vice-Governadores de outros Estados
 Secretário da Receita Federal
 Personalidades inscritas no Livro do Mérito
 Prefeito da cidade em que se processa a cerimônia
 Presidente da Câmara Municipal da cidade em que se processa a
cerimônia
 Juiz de Direito da Comarca em que se processa a cerimônia
 Prefeitos das cidades de mais de 1 milhão de habitantes
 Presidente da Caixa Econômica Federal
 Ministros-Conselheiros estrangeiros
 Cônsules-Gerais estrangeiros
 Adidos Militares estrangeiros (Oficiais-Generais)

Contra-Almirantes
 Generais-de-Brigada
 Embaixadores Comissionados ou Ministros de 2ª classe
 Brigadeiros
 Diretor-Geral do Departamento Administrativo do Pessoal Civil
 Chefe do Gabinete da Vice-Presidência da República
 Subchefes dos Gabinetes Militar e Civil da Presidência da República
 Assessor-Chefe da Assessoria Especial da Presidência da República
 Assessor-Chefe da Assessoria Especial de Relações Públicas da
Presidência da República
 Assistente-Secretário do Chefe do Gabinete Militar da Presidência da
República
 Secretários Particulares do Presidente da República
 Chefe do Cerimonial da Presidência da República
 Secretário de Imprensa da Presidência da República
17

 Diretor-Geral da Agência Nacional


 Presidente da Central de Medicamentos
 Chefe do Gabinete do Secretário-Geral do Conselho de Segurança
Nacional
 Chefe do Gabinete do Serviço Nacional de Informações
 Chefe do Gabinete do Estado-Maior das Forças Armadas
 Chefe da Agência Central do Serviço Nacional de Informações
 Presidente do TRE
 Procurador da República no Estado
 Procurador-Geral do Estado
 Presidente do TRT
 Presidente do Tribunal de Contas do Estado
 Presidente do Tribunal de Alçada do Estado
 Presidente do Conselho Nacional de Pesquisas
 Presidente do Conselho Federal de Educação
 Presidente do Conselho Federal de Cultura
 Chanceler da Ordem Nacional do Mérito
 Presidente da Academia Brasileira de Letras
 Presidente da Academia Brasileira de Ciências
 Presidente da Associação Brasileira de Imprensa
 Diretores do Gabinete Civil da Presidência da República
 Diretores-Gerais de Departamento dos Ministérios
 Superintendente de Órgãos Federais
 Presidente dos Institutos e Fundações Nacionais
 Presidentes dos Conselhos e Comissões Federais
 Presidentes das Entidades Autárquicas, Sociedades de Economia Mista e
Empresas públicas de âmbito nacional
 Chefes dos Gabinetes dos Ministros de Estado
 Reitores das Universidades Estaduais e Particulares
 Membros do Conselho Nacional de Pesquisas
 Membros do Conselho Federal de Educação
 Membros do Conselho Federal de Cultura
18

 Secretários do Governo do Estado em que se processa a cerimônia


 Bispos católicos ou equivalentes de outras religiões
 Conselheiros estrangeiros
 Adidos e Adjuntos Militares estrangeiros (Capitães-de-Mar-e-Guerra e
Coronéis)

8- Presidente das Confederações Patronais e de Trabalhadores de âmbito


nacional

 Consultores Jurídicos dos Ministérios


 Membros da Academia Brasileira de Letras
 Membros da Academia Brasileira de Ciências
 Diretores do Banco Central
 Diretores do Banco do Brasil
 Diretores do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico
 Diretores do Banco Nacional de Habitação
 Capitães-de-Mar-e-Guerra
 Coronéis-do-Exército
 Conselheiros
 Coronéis-da-Aeronáutica
 Deputados do Estado em que se processa a cerimônia
 Chefe da Casa Militar do Governo do Estado em que se processa a
cerimônia
 Chefe da Casa Civil do Governo do Estado em que se processa a
cerimônia
 Comandante da Polícia Militar do Estado em que se processa a cerimônia
 Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado em que se processa a
cerimônia.
 Adjuntos dos Gabinetes Militar e Civil da Presidência da República
 Prefeitos das cidades de mais de 500 mil habitantes
 Delegados dos Ministérios no Estado em que se processa a cerimônia
 Primeiros Secretários estrangeiros
 Cônsules estrangeiros
19

 Consultor-Geral do Estado em que se processa a cerimônia


 Juizes do Tribunal Marítimo
 Juizes do TRE do Estado em que se processa a cerimônia
 Juizes do TRT do Estado em que se processa a cerimônia
 Presidentes das Câmaras Municipais da Capital e das cidades de mais de 1
milhão de habitantes
 Adidos e Adjuntos Militares estrangeiros (Capitães-de-Fragata e
Tenentes-Coronéis)

9- Juiz Federal
 Juizes do Tribunal de Contas do Estado em que se processa a cerimônia
 Juizes do Tribunal de Alçada do Estado em que se processa a cerimônia
 Presidentes dos institutos e Fundações Regionais e Estaduais
 Presidentes das Entidades Autárquicas, Sociedades de Economia Mista e
Empresas públicas de âmbito regional ou estadual
 Diretores das Faculdades Federais
 Monsenhores católicos ou equivalentes de outras religiões
 Capitães-de-Fragata
 Tenentes-Coronéis do Exército
 Primeiros Secretários
 Tenentes-Coronéis da Aeronáutica
 Ajudantes-de-Ordens do Presidente da República (Majores)
 Adjuntos do Gabinete Militar da Presidência da República (Majores)
 Chefes dos Serviços do Gabinete Militar da Presidência da República
(Majores)
 Adjuntos dos Serviços do Gabinete Militar da Presidência da República
(Majores)
 Presidente das Federações Patronais de Trabalhadores de âmbito regional
e estadual
 Presidente das Câmaras Municipais das Capitais dos Estados e das
cidades de mais de 500 mil habitantes
 Juizes de Direito
20

 Procuradores Regionais do Trabalho


 Diretores de Repartições Federais
 Auditores da Justiça Militar
 Auditores do Tribunal de Contas
 Promotores Públicos
 Procuradores Adjuntos da República
 Diretores das Faculdades Estaduais e Particulares
 Segundos Secretários estrangeiros
 Vice-Cônsules estrangeiros
 Adidos e Adjuntos Militares estrangeiros (Capitães-de-Corveta e Majores)

10- Oficiais de Gabinete do Gabinete Civil da Presidência da República


 Chefes de Departamento das Universidades Federais
 Diretores de Divisão dos Ministérios
 Prefeitos das cidades de mais de 100 mil habitantes
 Capitães-de-Corveta
 Majores do Exército
 Segundos Secretários
 Majores da Aeronáutica
 Ajudantes-de-Ordens do Presidente da República (Capitães)
 Adjuntos dos Serviços do Gabinete Militar da Presidência da República
(Capitães)
 Diretores de Departamentos das Secretarias do Estado em que se processa
a cerimônia
 Presidentes dos Conselhos Estaduais
 Chefes de Departamento das Universidades Estaduais e Particulares
 Presidentes das Câmaras Municipais das cidades de mais de 100 mil
habitantes
 Terceiros Secretários estrangeiros
 Adidos e Adjuntos Militares estrangeiros (Capitães-Tenentes e Capitães)

11- Professores de Universidades


21

 Demais Prefeitos Municipais


 Cônegos católicos ou equivalentes de outras regiões
 Capitães-Tenentes
 Capitães do Exército
 Terceiros Secretários
 Capitães da Aeronáutica
 Presidentes das demais Câmaras Municipais
 Diretores de Repartições do Estado em que se processa a cerimônia
 Diretores de Escolas de Ensino Secundário
 Vereadores Municipais

A ordem da precedência nas cerimônias oficiais de caráter estadual será a


seguinte:

 Governador do Estado.
 Ministros de Estado
 Vice-Governador do Estado
 Presidente da Assembléia Legislativa
 Presidente do Tribunal de Justiça
 Antigos Governadores
 Governadores de outros Estados
 Senadores
 Deputados Federais
 Prefeito da Capital Estadual
 Embaixador do MRE no Estado
 Arcebispo Católico ou equivalente em outras religiões
 Reitor da Universidade Federal
 Prefeito da cidade em que se processa a cerimônia
 Presidente da Câmara Municipal da cidade em que se processa a cerimônia
 Juiz de Direito da Comarca em que processa a cerimônia
 Promotor de Justiça (mais antigo) da Comarca em que se processa a
cerimônia
22

 Vice Prefeito da cidade em que se processa a cerimônia


 Comandante da 13ª Brigada de Infantaria Motorizada
 Presidente do Tribunal Regional Eleitoral
 Procurador da República no Estado
 Procurador Geral de Justiça
 Procurador Geral do Estado
 Presidente do Tribunal Regional do Trabalho
 Presidente do Tribunal de Contas do Estado
 Superintendentes de Órgãos Federais
 Presidentes dos Institutos e Fundações Nacionais
 Presidentes dos Conselhos e Comissões Federais
 Presidentes das Entidades Autárquicas, Sociedades de Economia Mista e
Empresas Públicas de âmbito nacional
 Secretários de Estado
 Reitores das Universidades Estaduais e Particulares
 Bispos católicos ou equivalentes de outras religiões
 Presidentes das Confederações Patronais e de Trabalhadores de âmbito
nacional
 Capitães-de-Mar-e-Guerra
 Coronéis das Forças Armadas
 Deputados Estaduais
 Comandante Geral da Polícia Militar
 Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar
 Delegado Chefe da Polícia Civil
 Secretários de Estado Adjuntos
 Comandante Geral Adjunto da PMMT
 Desembargadores do Tribunal de Justiça
 Procuradores de Justiça
 Coronéis da PM
 Coronéis do CBM
 Delegados dos Ministérios no Estado
 Superintendente da Polícia Federal
 Cônsules Estrangeiros
 Juizes do Tribunal Regional Eleitoral
23

 Juizes do Tribunal Regional do Trabalho


 Juizes Federais
 Conselheiros do Tribunal de Contas
 Presidente dos Institutos e Fundações Regionais e Estaduais
 Presidentes das Entidades Autárquicas, Sociedades de Economia Mista e
Empresas Públicas de âmbito nacional, regional ou estadual
 Executivos de Gabinete do Governador e Vice-Governador
 Capitães de Fragata
 Tenentes Coronéis das Forças Armadas, PM e CBM
 Delegados Regionais da Polícia Civil
 Presidentes das Federações Patronais e de Trabalhadores de âmbito
regional ou estadual
 Juízes de Direito
 Diretores de Repartições Federais
 Promotores de Justiça
 Vice-Cônsules Estrangeiros
 Cônsules Honorários
 Diretores das Faculdades Estaduais e Particulares
 Prefeitos das Cidades com mais de cem mil habitantes
 Chefes de Departamento da Universidade Federal
 Capitães de Corveta
 Majores das Forças Armadas, PM e CBM
 Delegados de Polícia Civil
 Diretores e Assessores dos Gabinetes do Governador, Vice-Governador,
Procuradoria Geral e Secretarias de Estado
 Chefes de Departamento das Universidades Estaduais e Particulares
 Presidentes das Câmaras Municipais das Cidades com mais de cem mil
habitantes
 Professores de Universidades
 Gerentes de Órgãos das Secretarias de Estado
 Demais Prefeitos Municipais
 Capitães das Forças Armadas, PM e CBM
 Presidentes das demais Câmaras Municipais
 Diretores de Colégios de Ensino Médio e Fundamental
24

 Vereadores Municipais

1.3 COMPOSIÇÃO DE MESA, PALANQUE E LOCAL DE HONRA

As autoridades relacionadas para a composição deverão ser nominadas


conforme a ordem geral de precedência, ou seja, da maior para a menor.

Para compor-se a Mesa de Honra de uma solenidade, toma-se por base o


número de lugares a disposição na mesa.

1.3.1 Mesa ímpar (número de componentes ímpar)

Assistência

7 5 3 1 2 4 6

1 – Presidente do ato
2 – Segunda maior autoridade
3 - Anfitrião (quando não for o presidente)
4 – Terceira autoridade na precedência
5 – Quarta autoridade
6 – Quinta autoridade
7 – Sexta autoridade

1.3.2 Mesa par (número de componentes par)


25

Assistência

4 2 1 3

Divida a mesa ao centro (linha imaginária) e marque, à direita, o lugar de quem


predirá a cerimônia.

1 – Presidente do ato
2 – Anfitrião (quando não for o presidente)
3 – Segunda maior autoridade, na precedência
4 – Terceira autoridade
1.3.3 Pronunciamentos

As autoridades relacionadas para o pronunciamento deverão ser chamadas na


ordem inversa de precedência, ou seja, do menor para o maior.

O Governador do Estado será sempre o último a fazer uso da palavra, exceto


quando o Presidente da República ou seu Vice estiverem presentes.

1.3.4 Tratamentos

Em solenidades oficiais tanto no contato com as diversas autoridades


participantes como em pronunciamentos é importante ter conhecimento dos tratamentos
adequados ao se referir a qualquer autoridade.
26

AUTORIDADE TRATAMENTO VOCATIVO


Vossa Excelência Senhor Presidente da
Presidente da República República
(V.Exª.)
Vossa Excelência Senhor Vice-
Vice-presidente da República presidente
(V.Exª.)
Vossa Excelência Senhor Ministro
Ministros de Estado
(V.Exª.)
Presidente do Congresso Vossa Excelência Senhor Presidente do
Nacional Congresso Nacional
(V.Exª.)
Presidentes e Membros de Vossa Excelência Senhor...
Tribunais de Justiça, do (V.Exª.)
Trabalho, de Contas, Eleitoral
Vossa Excelência Senhor
Desembargadores Desembargador
(V.Exª.)
Vossa Excelência Senhor Procurador
Procuradores
(V.Exª.)
Vossa Excelência Senhor Promotor
Promotores
(V.Exª.)
Vossa Excelência Meritíssimo Juiz de...
Juízes em Geral
(V.Exª.)
Presidente da Câmara dos Vossa Excelência Senhor Presidente
Deputados (V.Exª.)
Deputados Federais / Vossa Excelência Senhor Deputado
Estaduais (V.Exª.)
AUTORIDADE TRATAMENTO VOCATIVO
Vossa Excelência Senhor Senador
Senadores
(V.Exª.)
Vossa Excelência Senhor Governador
Governadores
(V.Exª.)
Presidente da Assembléia Vossa Excelência Senhor Presidente
Legislativa (V.Exª.)
Vossa Excelência Senhor Secretário
Secretários de Estado
(V.Exª.)
Oficiais Generais Vossa Excelência Senhor General
27

(V.Exª.)
Comandante Geral da Polícia Vossa Excelência Senhor Comandante
Militar / Corpo de Bombeiros (V.Exª.)
Militares
Vossa Excelência Senhor Prefeito
Prefeitos
(V.Exª.)
Presidentes de Câmaras Vossa Excelência Senhor Presidente
Municipais (V.Exª.)
Altos Dignatários do Serviço Vossa Excelência Senhor...
Público Federal e Estadual (V.Exª.)
Vossa Magnífico Reitor
Reitor de Universidades Magnificiência
(V.Maga.)
Diretor de Autarquias, Diretor Vossa Senhoria Senhor...
de Departamentos de (V.Sª.)
Secretarias, Diretor de
Faculdades, demais Patentes
Militares, Vereadores,
Funcionários Graduados,
Particulares
Vossa santidade Santíssimo Padre
Papa
(V.S.)
Vossa Eminência Eminentíssimo Senhor
Cardeais
(V.Emª.)
Vossa Excelência Excelentíssimo
Bispos e Arcebispos Reverendíssimo Reverendíssimo
(V.Exª.Revma.)
Monsenhores, Cônegos, Vossa Reverendíssimo
Padres, Sacerdotes e demais Reverendíssima Senhor
autoridades eclesiásticas (V.Revma.)

1.4 TRAJES

Nas ocasiões formais, costuma-se estabelecer o tipo de roupa a ser usado, ou


para os militares o uniforme correspondente à ocasião, como vimos no item que trata dos
28

convites. Mas em outras oportunidades, procure estar atento às exigências e esteja sempre
vestida ou vestida de modo correto, sem exageros.

A seguir faremos menção aos uniformes em uso na PMMT e sua descrição e


dos tipos de trajes em uso no meio social.

1.4.1 Uniformes na PMMT

Apresentaremos neste tópico a descrição dos tipos de uniformes da PMMT e


recomendações quanto ao seu uso em solenidades. Quanto ao detalhes específicos de suas
peças e variações, recomendamos observar o Manual de Uniformes.

1º Uniforme: Túnica branca, camisa manga longa branca, gravata vertical


preta, quepe cinza, calça preta e sapatos pretos.

Uniforme mais formal da PMMT, devendo ser utilizado em solenidades de


grande formalidade em recinto fechado à noite. Utilizado ainda em solenidades sociais como
bailes e jantares de gala. Pode ser correspondido com o traje passeio completo.

2º Uniforme: Túnica azul petróleo, camisa manga longa azul clara, gravata
vertical preta, quepe azul petróleo, calça preta e sapatos pretos.

Uniforme para utilização em solenidades festivas da PMMT, como Tiradentes


e aniversário da PMMT. É recomendado em solenidades de transmissão de cargo do
Comandante Geral PMMT, em local aberto ou recinto fechado. Deve ter uso ainda em
solenidades de dia em recinto fechados ou mesmo à noite em eventos de Aulas Magnas,
Palestras, Formaturas de cursos. Encontra correspondente no traje passeio.

c) 3º Uniforme: camisa azul clara de mangas curtas, camisa de malha na cor


branca por baixo, quepe azul petróleo ou boina preta, calça preta e sapatos pretos.

Este tipo de uniforme apresenta variações com o uso do quepe ou boina, mas
de modo geral trata-se do uniforme de passeio da PMMT, o utilizado no cotidiano pelo
policial militar não estando de serviço. Usado em reuniões, aulas de cursos policiais-militares,
29

visitas a outras instituições e demais circunstâncias que não exijam maiores formalidades.
Pode ser correspondido com o traje esporte-fino.

d) 4º Uniforme: camisa e calça azul petróleo, camisa de malha branca por


baixo, gorro preto, coturnos pretos.

Uniforme de uso operacional na PMMT. Sofre variações nas UPM de


policiamento especializado, podendo apresentar gorro branco no policiamento de trânsito,
camuflado no policiamento ambiental, cor preta ou cinza no policiamento de ações especiais,
entre outras. Usado ainda em serviços internos nas UPM e em formaturas militares.

e) 5º Uniforme: camisa de malha branca, short preto, meias brancas e tênis


preto.

Uniforme utilizado na prática de atividades físicas e desportivas.

1.4.2 Trajes sociais

Passeio Completo – Recomendado em cerimônias e atos oficiais, jantares e


festas mais formais. Geralmente é obrigatório depois das 18 horas.

ELE: terno de cor escura (preto, azul marinho, grafite) em padrão único, com
gravata discreta.
ELA: vestido longo ou duas peças com saia longa. Decotes e transparências
discretas e saltos altos.

Passeio – Recomendado para uso diurno ou em eventos noturnos de menos


formalidade.

ELE: terno completo com grava discreta.


ELA: vestido ou duas peças de crepe, tailleurs de seda em cores sóbrias.

c) Esporte-Fino – Recomendado em apresentações, exposições, reuniões.


30

ELE: calça com blazer com ou sem gravata, ou ainda calça e camisa de manga
comprida.
ELA: conjuntos saia ou calça com blazer, vestidos menos formais.

d) Esporte – Usado em eventos informais, como churrascos, batizados,


almoços.

ELE: camisa de manga curta ou comprida, calça de brim. Em reuniões muito


informais, pode-se usar jeans e mocassim sem meia.
ELA: saia e blusa, vestidos leves, bermuda ou calça comprida.

1.5 CERIMONIALISTA E MESTRE DE CERIMÔNIA

Uma vez a solenidade proposta há necessidade de se planejar sua execução. As


fases desse planejamento como a definição do local, data, horário, lista de convidados,
convites são medidas que devem contar de um rol de providências a serem atendidas
gradualmente. No dia e hora do evento, duas personagens têm importante papel no sucesso da
solenidade: o Cerimonialista e o Mestre de Cerimônia.

É praxe confundirmos as atribuições destas duas personagens. Ou colocamos o


Mestre de Cerimônia responsável por toda a solenidade, o que não é indicado, ou o
Cerimonialista somente aparece no momento da solenidade, desprezando-se todo o trabalho
prévio em sua montagem.

Para que se evitem tais confusões que podem vir a prejudicar o planejamento e
execução da solenidade, passamos a explanar as atribuições de cada um.

1.5.1 Cerimonialista

Cerimonialista é a pessoa encarregada da condução da solenidade, ou seja, é o


responsável pelo cumprimento das normas protocolares.
31

Importante esta pessoa ter conhecimento das normas de cerimonial,


precedência, ter bom trânsito junto às autoridades. Outra questão é ser contatada com
antecedência e participar das fases do planejamento da solenidade, para que tenha consciência
exata da dimensão e detalhes desta.

Mestre de Cerimônia

Mestre de Cerimônias é a pessoa encarregada de fazer a locução da solenidade,


não devendo ser confundido com o Cerimonialista.

A participação do Mestre de Cerimônia é imprescindível numa solenidade que


se queira dar um tom oficial (clássico) ao evento.

O Mestre de Cerimônia deverá ter boa voz, boa dicção e boa leitura.

Faz-se necessário familiarizar-se com o que irá acontecer no evento, redigindo


com os coordenadores o “script” ou roteiro e a relação das autoridades, pela ordem de
precedência.

Do seu bom desempenho, dependerá o sucesso do evento. Ter conhecimento


do cerimonial público e iniciativa são requisitos do Mestre de Cerimônia.

É necessário cuidar da aparência: roupas bem alinhadas, asseio corporal,


cabelos bem cuidados, postura correta. Ser discreto na apresentação, pois alguns eventos
sempre exigem sobriedade e muita segurança. Limitar-se no ato de apresentar a seqüência do
evento e não procurar “fazer o show”. O Mestre de Cerimônias não é um “show-man”, mas
um mediador, controlador da cerimônia.

Rol de providência ou check-list

A relação de providências necessárias para a organização e execução de


determinado evento damos o nome de Check-List, que exerce papel fundamental no controle
de todas as etapas a serem cumpridas.
32

Apresentamos um exemplo de Check-List:

 Evento: Aula Inaugural do 38º CFSd.


 Local: Centro de Eventos do Pantanal.
 Data: 21 de março de 2004. Horário: 09:00 horas.
 Mesa de Honra: Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública,
Comandante Geral da PMMT, Palestrante.

Check-List
N.º Providência Andamento
01 Preparar a programação e cronograma OK
02 Dimensionar o espaço físico OK
03 Preparar lista de convidados OK
04 Expedir convites Aguardar entrega gráfica
05 Revisar som
06 Decoração Pedido feito
07 Vistoriar o auditório
08 Confirmar autoridades
09 Contatos com a imprensa OK
10 Curriculum vitae do palestrante
11 Roteiro para o Mestre de Cerimônia
12 Reunião com equipe de recepção Para 19 Mar 04
13 Reservar lugares das autoridades

1.6 OS SÍMBOLOS NACIONAIS E ESTADUAIS - USO E CULTO

Os símbolos nacionais, as mais caras representações da Pátria, expressam o


espírito cívico da Nação Brasileira, são regulamentados por diplomas legais que estabelecem
normas a respeito.
a) Símbolos Nacionais:

 Bandeira Nacional
 Hino Nacional
 Armas Nacionais
 Selo Nacional

b) Símbolos do Estado de Mato Grosso:


33

 Bandeira Estadual
 Hino Estadual
 Armas do Estado
Os Símbolos Nacionais dignificam e oficializam documentos, diplomas legais,
repartições públicas e solenidades cívicas, da República, dos Estados, do Distrito Federal e
dos Municípios.

Entre os Símbolos Nacionais não há precedência e muito menos hierarquia.


Cada Símbolo a seu modo expressa o espírito cívico da Nação Brasileira;

Entre os Símbolos, a Bandeira Nacional, por ser o mais visualizado é também


o mais conhecido e de mais fácil identificação, nem por isso é o Símbolo mais importante.

1.6.1 As Bandeiras:

1.6.1.1 Nacional

Criada pelo Decreto n.º 4, de 19 de novembro de 1889, no Governo Provisório


da República do Brasil.

A Bandeira Nacional pode ser usada em todas as manifestações do sentido


patriótico dos brasileiros em caráter oficial ou particular.

A Bandeira Nacional poderá ser apresentada:

Hasteada em mastro ou adriças, nos edifícios públicos ou particulares, templos,


campos de esportes, escritórios, salas de aula, auditórios, embarcações, ruas e praças, em
qualquer lugar em que lhe seja assegurado o devido respeito;
Distendida e sem mastro, conduzida por aeronaves ou balões, aplicada sobre
paredes, ou presa a um cabo horizontal ligando edifícios, árvores, postes ou mastros;
Reproduzida sobre paredes, tetos, vidraças, veículos ou aeronaves;
Compondo com outras bandeiras, panóplias, escudos ou peças semelhantes;
34

Conduzida em formaturas, desfiles ou mesmo individualmente;


Distendida sobre ataúdes até a ocasião do sepultamento.

São consideradas manifestações de desrespeito e proibidas por Lei:

Apresentá-la em mau estado de conservação;


 Mudar-lhe a forma, as cores, as proporções, o dístico ou acrescentar-lhe
outras inscrições;
Usá-la como roupagem, reposteiro, pano de boca, guarnição de mesa,
revestimento de tribuna, ou como cobertura de placas, retratos, painéis ou monumentos a
inaugurar;
Reproduzi-la em rótulos ou invólucros de produtos expostos a venda.

A Bandeira Nacional estará permanentemente no topo de um mastro especial


plantado na Praça dos Três Poderes de Brasília, no Distrito Federal, como símbolo perene da
Pátria e sob a guarda do povo brasileiro.

A substituição desta bandeira será feita com solenidades especiais no primeiro


domingo de cada mês, devendo o novo exemplar atingir o topo do mastro antes que o
exemplar substituído comece a ser arriado.

Hasteia-se a Bandeira Nacional:

No Palácio da Presidência da República;


Nos edifícios sedes dos Ministérios;
Nas casas do Congresso Nacional;
No Supremo Tribunal Federal, nos Tribunais Superiores e nos Tribunais
Federais de Recursos;
Nos edifícios sede dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário dos Estados
e Distrito Federal;
Nas Prefeituras e Câmaras Municipais;
Nas repartições federais, estaduais e municipais situadas na faixa de fronteira;
35

 Nas Missões Diplomáticas, Delegação junto a Organismos Internacionais e


Repartições Consulares de Carreira, respeitados os usos locais dos países em que tiverem
sede;
Nas Unidades da Marinha Mercante, de acordo com as leis e regulamentos da
navegação, polícia naval e praxes internacionais e na aviação comercial.

Hasteia-se obrigatoriamente a Bandeira Nacional:

Nos dias de festa ou de luto nacional, em todas as repartições públicas, nos


estabelecimentos de ensino e sindicatos;
Nas escolas públicas ou particulares é obrigatório o hasteamento da Bandeira
Nacional durante o ano letivo, pelo menos uma vez por semana;
No dia 19 de novembro, Dia da Bandeira, o hasteamento é realizado às 12
horas, com solenidades especiais.

A Bandeira Nacional pode ser hasteada e arriada a qualquer hora do dia ou da


noite, mas normalmente faz-se o hasteamento às 8 horas e deve ser arriada às 18 horas ou ao
pôr do sol (o que ocorrer primeiro).

Durante a noite a Bandeira deve estar devidamente iluminada.

Quando várias bandeiras são hasteadas ou arriadas simultaneamente, a


Bandeira Nacional é a primeira a atingir o topo do mastro e a última a dele descer.

Quando em luto oficial:

A Bandeira Nacional deverá ser hasteada até o topo e arriada a meio-mastro,


permanecendo a meio-mastro ou meia-adriça, enquanto durar o luto decretado;
Quando conduzida em marcha, indica-se o luto por um laço de crepe na cor
preta atado junto à lança.

Hasteia-se a Bandeira Nacional em luto a meio-mastro nas seguintes situações:

Em todo o país quando o Presidente da República decretar luto oficial;


36

Nos edifícios sede dos poderes legislativos federais, estaduais ou municipais,


quando determinado pelos respectivos presidentes, por motivo de falecimento de um dos seus
membros;
 No Supremo Tribunal Federal, nos Tribunais Superiores, nos Tribunais
Federais de Recursos e nos Tribunais de Justiça Estaduais, quando determinado pelos
respectivos presidentes, por motivo de falecimento de um dos seus ministros ou
desembargadores;
Nos edifícios sede dos Governos dos Estados, Distrito Federal e Municípios,
por motivo do falecimento do Governador ou Prefeito, quando determinado luto oficial pela
autoridade que o substituir;
Nas sedes das Missões Diplomáticas, segundo as normas e uso do país em que
estão situadas;
Quando for decretado luto nacional, todas as bandeiras são hasteadas a meio-
mastro;
Quando for decretado luto estadual, todas as bandeiras no Estado são hasteadas
a meio-mastro;
Quando for decretado luto municipal, todas as bandeiras no Município são
hasteadas a meio-mastro;
Quando for declarado luto numa empresa ou instituição, todas as bandeiras na
empresa ou instituição são hasteadas a meio-mastro.

A Bandeira Nacional, em todas as apresentações no território nacional, ocupa


lugar de honra, observando-se a seguinte posição:

Central ou a mais próxima do centro e à direita deste, quando com outras


bandeiras, pavilhões ou estandartes, em linha de mastros, panóplias, escudos ou peças
semelhantes;
Destacada à frente de outras bandeiras quando conduzida em formaturas ou
desfiles;
À direita das tribunas, púlpitos, mesas de reunião ou de trabalho.

Quando utilizada com outras bandeiras de Estados, Municípios, outros países


ou empresas, segue-se:
37

 Bandeira Nacional e do Estado: Nacional à direita e estado à esquerda.


 Nacional, Estado e Município: Nacional no centro, Estado à direita e
Município à esquerda.
 Nacional, Estado e Instituição: Nacional no centro, Estado à direita e
Instituição à esquerda.
 Nacional, Estado, Município e Instituição: Nacional no centro-direita,
Estado à esquerda da Nacional, dividindo as duas o centro, Município à direita e Instituição à
esquerda, ao lado da bandeira do Estado.
 Várias bandeiras de Estados seguem a ordem de fundação dos Estados,
exceto o Estado anfitrião que fica a direita da bandeira Nacional, caso o número de bandeiras
seja ímpar. Se for par ela divide o centro com a Bandeira Nacional, ficando à sua esquerda.
 Quando composta com bandeiras de outros países, segue a ordem
alfabética dos países visitantes, pelo idioma do país anfitrião. Exceto se for em organismos
internacionais, que segue o idioma oficial.
 Quando composta com a bandeira do Estado anfitrião e de outros países,
sobe a bandeira do país visitante de primeira letra alfabética (exemplo Áustria), que fica à
direita da do Brasil, em segundo lugar sobe a do Estado anfitrião, à esquerda, se for número
ímpar de bandeiras. Os outros países seguem a ordem alfabética.

Considera-se direita de um dispositivo de bandeiras à direita de uma pessoa


colocada junto a ele e voltada para a rua, para a platéia ou, de modo geral, para o público que
observa o dispositivo.

A Bandeira Nacional quando não estiver em uso deve ser guardada em local
digno.

As Bandeiras em mau estado de conservação devem ser entregues a qualquer


unidade das Forças Armadas ou da Polícia Militar do Estado nos municípios, para que sejam
incineradas no Dia da Bandeira, seguindo o cerimonial específico.

Nas repartições públicas e organizações militares, quando a bandeira é


hasteada em mastro colocado no solo, sua largura não deve ser maior que 1/5 (um quinto)
nem menor que 1/7 (um sétimo) de altura do respectivo mastro.
38

Quando distendida e sem mastro, coloca-se a Bandeira de modo que o lado


maior fique na horizontal e a estrela isolada em cima, não podendo ser ocultada, mesmo
parcialmente, por pessoas sentadas em suas imediações.

Quando distendida sobre ataúdes, não podem ser distendidos outras bandeiras
ou estandartes, para estas deve ser montado outro dispositivo.

É livre a escolha de autoridades, personalidades ou pessoas para hastearem as


bandeiras.

A legislação não obriga que o mastro da Bandeira Nacional seja mais alto que
o das demais bandeiras, não deve ser mais baixo.

À Bandeira Nacional nunca se abate em continência.

Nas cerimônias de hasteamento da Bandeira Nacional o símbolo cultuado é a


Bandeira Nacional, e não o Hino Nacional, razão pela qual todos se voltam para a Bandeira
Nacional.

1.6.1.2 Estadual

A Bandeira do Estado de Mato Grosso foi criada pelo Decreto n.º 2, de 31 de


janeiro de 1890, sendo uma das mais antigas, uma vez que sua criação ocorreu 73 dias depois
da Bandeira do Brasil (que data de 19 de novembro de 1889).
O uso e o culto à Bandeira Estadual devem ser conciliados, sempre que se
impuser, à Bandeira Nacional.
Assim também a Bandeira do Estado, em todas as apresentações no território
estadual, ocupa lugar de honra, compreendido como:

À esquerda da Bandeira Nacional, quando unicamente com ela;


À esquerda da Bandeira Nacional, quando apresentada com a bandeira de
outros países e o número de bandeiras do dispositivo for ímpar;
 À direita da Bandeira Nacional, quando apresentada com bandeiras de
outros países e o número de bandeiras do dispositivo for par;
39

À direita da Bandeira Nacional, quando apresentada com outras bandeiras,


pavilhões ou estandartes, e o número for ímpar;
 À esquerda da Bandeira Nacional, quando apresentada com outras
bandeiras, pavilhões ou estandartes, e o número for par.

A Bandeira Estadual será hasteada simultaneamente com a Bandeira Nacional,


sendo permitido seu uso à noite, desde que convenientemente iluminada.

Será a Bandeira do Estado, obrigatoriamente, hasteada todos os dias, ao lado


esquerdo da Bandeira Nacional:

Nas sedes dos poderes executivo, legislativo e judiciário;


Na residência do Governador do Estado;
Nas Secretarias de Estado;
No Tribunal Regional Eleitoral;
Nas Prefeituras Municipais;
 Nos Quartéis da Polícia Militar;
 Nos Quartéis do Corpo de Bombeiros Militar.

Nos dias de festividade nacional ou estadual, será feito o hasteamento da


Bandeira Estadual, com solenidade se possível, em todas as repartições estaduais e
municipais, nos estabelecimentos de ensino particular sob fiscalização e assistência estadual.

As prescrições estabelecidas em lei para o uso comum da Bandeira Nacional


serão, tanto quanto possível aplicada ao uso da Bandeira do Estado.

1.6.2 Os Hinos

1.6.2.1 O Hino Nacional

O Hino Nacional é composto da música de Francisco Manoel da Silva e do


poema de Joaquim Osório Duque Estrada. Em sua execução deve ser observado o seguinte:
40

 Ao ser executado numa solenidade, o público deve estar de pé, em silêncio,


mantendo uma postura formal em sinal de respeito;
 É vedada qualquer outra forma de saudação ao Hino Nacional que não seja:
atitude de respeito, de pé, e em silêncio, sendo os civis, com a cabeça descoberta e os
militares em continência, segundo os regulamentos das respectivas corporações. O militar
quando em trajes civis, coloca a mão direita espalmada, sobre o lado esquerdo do peito;
 A execução do Hino Nacional só terá início depois que o Presidente da
República houver ocupado o lugar que lhe estiver reservado, salvo nas cerimônias sujeitas a
regulamentos especiais. Essa regra serve para qualquer autoridade que estiver presidindo o
evento;
Nas continências ao Presidente da República, para fins exclusivos do
Cerimonial Militar, serão executados apenas a introdução e os acordes finais, conforme a
regulamentação específica, todos se voltam para o Presidente da República, e os militares
fazem a continência;
Será executado em continência à Bandeira Nacional e ao Presidente da
República, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal, quando incorporados, e
nos demais casos expressamente determinados pelos regulamentos de continência ou
cerimônias de cortesia internacional;
Será executado na ocasião do hasteamento da Bandeira Nacional, todos se
voltam para a Bandeira Nacional, os civis em atitude de respeito e os militares fazem a
continência;
A execução será instrumental ou vocal de acordo com o cerimonial previsto em
cada caso;
Geralmente, utiliza-se o Hino Nacional cantado quando a cerimônia é ao ar
livre, ou em grandes espaços, para poder “soltar a voz”. O hino será instrumentado em
solenidades fechadas;
 Será facultativa a execução do Hino Nacional na abertura de sessões cívicas,
nas cerimônias religiosas a que se associe sentido patriótico, no início ou no encerramento das
transmissões diárias das emissoras de rádio e televisão, bem como para exprimir regozijo
público em ocasiões festivas;
 Nas cerimônias em que se tenha de executar um Hino Nacional estrangeiro
este deve, por cortesia, preceder o Hino Nacional Brasileiro.
41

 Em solenidades, em que não houver hasteamento da Bandeira Nacional, ou a


Bandeira Nacional já estiver hasteada, o público volta-se para o ponto central do evento (Ex.:
Palanque, ponto de concentração das autoridades...). Quando o ponto central for indefinido
volta-se na direção da banda de música;
Durante a execução do Hino Nacional é permitido projetar imagens em telões,
que expressam o espírito cívico da Nação Brasileira.

Nas cerimônias em que é executado o Hino Nacional (não havendo, portanto


hasteamento da Bandeira Nacional e/ou a Bandeira Nacional já devidamente colocada no
dispositivo), o símbolo nacional a ser cultuado é o Hino Nacional. Ninguém se volta para a
Bandeira Nacional, o destaque é dado ao Hino Nacional.

1.6.2.2 O Hino do Estado

O Hino do Estado de Mato Grosso, embora de conhecimento de todos só foi


oficializado em 05 de setembro de 1983, por iniciativa do então Governador Júlio José de
Campos é composto da letra de Dom Francisco de Aquino Corrêa e música do maestro Emílio
Heine.

A execução do Hino do Estado se fará:

 Em continência a Bandeira Estadual e ao Governador, aos Poderes


Legislativo e Judiciário quando incorporados, e nos demais casos expressamente
determinados pelos regulamentos de continência ou Cerimonial Oficial;
Quando do hasteamento da Bandeira, nos estabelecimentos de ensino público,
pelo menos uma vez por semana, em seguida ao hasteamento da Bandeira Nacional,
respeitada a legislação federal sobre o uso dos Símbolos Nacionais.
A execução do Hino Estadual, nas festas nacionais ou cerimônias de caráter
nacional, será precedida, sempre da execução do Hino Nacional. Em outras ocasiões deve ser
observado o seguinte:

O Hino Estadual será cantado, simultaneamente com a execução instrumental,


sempre que possível;
42

É facultativa a execução do Hino do Estado nas cerimônias cívicas e religiosas,


a que se associe sentido patriótico ou regozijo público;
O uso e o culto ao Hino do Estado devem conciliar-se ao Hino Nacional,
sempre que isso se impuser.

1.6.3 As Armas

1.6.3.1 As Armas Nacionais

É obrigatório o uso das Armas Nacionais:

No Palácio da Presidência da República e na residência do Presidente da


República. A Bandeira com as Armas Nacionais, quando hasteada nos Palácios do Planalto e
da Alvorada, indica que o Presidente da República se encontra nos próprios federais;
Nos edifícios sede dos Ministérios;
Nas casas do Congresso Nacional;
No Supremo Tribunal Federal, nos Tribunais Superiores e nos Tribunais
Federais de Recursos;
Nos edifícios sede dos poderes executivo, legislativo e judiciário dos Estados e
Distrito Federal;
Nas Prefeituras e Câmaras Municipais;
Na frontaria dos edifícios das repartições públicas federais;
 Nos quartéis das forças federais de terra, mar e ar e das Polícias Militares,
nos seus armamentos e bem assim, nas fortalezas e nos navios de guerra;
 Na frontaria ou no salão principal das escolas públicas;
Nos papéis de expediente, nos convites, e nas publicações oficiais de nível
federal.

1.6.3.2 As Armas Estaduais

O Brasão de Armas do Estado de Mato Grosso foi instituído através da


Mensagem Presidencial enviada pelo então Presidente do Estado de Mato Grosso Dom
Francisco de Aquino Corrêa a Assembléia Legislativa, em 06 de agosto de 1918. No Brasão
de Armas há uma frase em latim: “Virtude Plusquam Auro”, que corresponde a seguinte
43

tradução: “Pela virtude mais do que pelo ouro”, que corresponde ao momento histórico e
econômico do Estado de Mato Grosso, com a exploração do ouro em suas terras.

É obrigatório o uso das Armas do Estado:

 No Palácio do Governo;
 Na residência do Governador;
 Na Assembléia Legislativa;
 No Tribunal de Justiça;
 Nos Quartéis da Polícia Militar;
 Na frontaria dos edifícios públicos do Estado;
 Nos papéis de expediente das repartições pública do Estado e nas
publicações oficiais.

1.6.4 O Selo

1.6.4.1 O Selo Nacional

O Selo Nacional foi instituído para autenticar os atos de Governo e bem assim,
os diplomas e certificados expedidos pelos estabelecimentos de ensino oficiais ou
reconhecidos.

2 FORMATURAS PERIÓDICAS DA UPM

Toda UPM deve organizar periodicamente uma formatura militar interna, pelo
menos uma vez ao mês. Nesta formatura são passadas mensagens do Comando, homenageado
algum policial militar que prestou bons serviços naquele período, ou receber um convidado do
Comando para assistir esta formatura.
44

Importante definir uma seqüência dos eventos para que a formatura ocorra com
duração adequada, não desgastando a tropa formada e proporcionando que os participantes
tomem conhecimento do que está sendo tratado.

Apresentamos a seguinte seqüência para estas formaturas:

Tropa já formada em seu dispositivo tendo a frente o comandante:

Apresentação da Tropa.

O comandante da tropa posiciona-se à frente do palanque ou local onde a


autoridade presidirá a formatura. Após a apresentação da tropa ele retorna ao seu lugar.

Canto do hino da PMMT, canção da UPM ou outra canção militar.

Leitura da ordem do dia, palavras do Comandante ou uma instrução sobre


determinado tema.

Esta ação não deve extrapolar os dez minutos, em caso de leitura ou palavras e
não mais que vinte na fala da instrução. Caso os vinte minutos reservados a fala da instrução
não sejam suficientes, esta instrução deve ser realizada em sala de aula ou outro local
adequado.

Espaço reservado para homenagens.

Caso queira o Comandante pode, após suas palavras ou suas observações, abrir
espaço para uma atividade de homenagear o policial militar destaque do período, entregar
uma homenagem ou brinde a um visitante, ou outra ação pertinente ao objeto da formatura.
Esta ação não deve ser junto com a formatura em que tenha instrução e não deve ultrapassar
os dez minutos.
45

Desfile da tropa em continência ao Comandante.

Destacamos a seguir exemplos de roteiros de formaturas na UPM, em dois


momentos: uma formatura sem homenagens e outra com este objetivo.

ROTEIRO DA FORMATURA SEMANAL DO 18º BPM

Local: pátio do 18º BPM Horário: 07:30 horas

(tropa disposta no pátio de formatura)

SENHORAS E SENHORES BOM DIA!

FORMATURA SEMANAL DO 18º BATALHÃO DE POLÍCIA


MILITAR.

APROXIMA-SE DO LOCAL DE FORMATURA O SENHOR TENENTE


CORONEL PM CARLOS MENEZES GODÓI – COMANDANTE DO 18º BATALHÃO
DE POLÍCIA MILITAR.

(aguardar seu posicionamento no palanque)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES.

(será dado o toque de Sentido! e Ombro Arma!)


(será dado o toque de Comandante do 18º BPM, seguido do exórdio
correspondente)
(após o Comandante da tropa fará sua apresentação)

Major PM Aurélio – Sub-comandante do Batalhão, apresento a tropa pronta.


46

(o Comandante da tropa comanda Descansar Arma! e Descansar! e retorna ao


seu lugar na tropa)
(aguardar deslocamento do Comandante da tropa)

CANTO DA CANÇÃO DO 18º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR DE


AUTORIA DO 2º TENENTE ADÉLIO MADUREIRA.

(aguardar o canto da canção)


O SENHOR COMANDANTE DO BATALHÃO FARÁ USO DA
PALAVRA.

(aguardar fala do Comandante)

Este momento pode ser ocupado pela leitura de uma Ordem do Dia, ou outro
texto pertinente e aprovado pelo Comandante, nunca por mais de dez minutos.

(após a fala)

ENCERRANDO ESTA FORMATURA A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA A SEU COMANDANTE.

(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA ESTA FORMATURA, A TODOS UM BOM DIA!


47

ROTEIRO DA FORMATURA MENSAL DO 21º BPM

Local: pátio do 21º BPM Horário: 08:00 horas

(tropa disposta no pátio de formatura)

SENHORAS E SENHORES BOM DIA!

FORMATURA MENSAL DO 21º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR


EM HOMENAGEM AO POLICIAL MILITAR DESTAQUE DO MÊS.

APROXIMA-SE DO LOCAL DE FORMATURA O SENHOR TENENTE


CORONEL PM MANOEL TRAJANO DA COSTA – COMANDANTE DO 21º
BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.

(aguardar seu posicionamento no palanque)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES.

(será dado o toque de Sentido! e Ombro Arma!)


(será dado o toque de Comandante do 21º BPM, seguido do exórdio
correspondente)
(após o Comandante da tropa fará sua apresentação)

Major PM Andrade Silva – Subcomandante do Batalhão, apresento a tropa


pronta.

(o Comandante da tropa comanda Descansar Arma! e Descansar! e retorna ao


seu lugar na tropa)
(aguardar deslocamento do Comandante da tropa)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAR O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.
48

(aguardar o canto do hino)

O SENHOR COMANDANTE DO BATALHÃO FARÁ USO DA


PALAVRA.

(aguardar fala do Comandante ressaltando a homenagem a ser feita)

Este momento pode ser ocupado pela leitura de uma Ordem do Dia, ou outro
texto pertinente e aprovado pelo Comandante, nunca por mais de dez minutos.

(após a fala)

HOMENAGEM AO POLICIAL MILITAR DESTAQUE DO MÊS.

CONVIDAMOS O SOLDADO PM TÚLIO VIVAS CARDOSO A SAIR


DE FORMA E OCUPAR LUGAR DE DESTAQUE EM FRENTE AO PALANQUE.

(aguardar posicionamento)

Esta homenagem pode ser feita a um civil colaborador da UPM ou um outro


policial militar.

O SD PM VIVAS AO LONGO DESTE MÊS, DESEMPENHOU COM


COMPETÊNCIA E RESPONSABILIDADE SUAS ATRIBUIÇÕES, AÇÕES ESTA
MARCADA POR SUA DETERMINANTE PARTICIPAÇÃO NA PRISÃO DOS
INFRATORES QUE REALIZARAM UM ASSALTO AO MERCADO GUANABARA.

LEITURA DE ELOGIO CONCEDIDO PELO COMANDANTE DO


BATALHÃO.

(realizar a leitura)

(após a leitura)
49

CONVIDAMOS O SENHOR COMANDANTE DO BATALHÃO A


ENTREGAR UM PRÊMIO AO SD PM VIVAS, DESTAQUE DO MÊS.

(aguardar entrega e retorno do Comandante ao palanque)

CONVIDAMOS O SD VIVAS PARA SE POSICIONAR NO PALANQUE


OFICIAL JUNTO AO COMANDANTE DO BATALHÃO, PARA ASSISTIR AO
DESFILE DA TROPA.

(aguardar posicionamento)

ENCERRANDO ESTA FORMATURA A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA A SEU COMANDANTE.

(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA ESTA FORMATURA, A TODOS UM BOM DIA!

3 FORMATURAS DE PASSAGEM DE COMANDO DE UPM E COMANDOS


REGIONAIS.

O cargo de Comandante sintetiza todo o preparo profissional e pessoal de cada


Oficial integrante da PMMT, devendo ser uma meta a atingir. Neste sentido sendo o cargo de
Comandante de valor nobre, a solenidade militar correspondente, também deve ser revestida
de adequada formalidade.

A solenidade de transmissão do cargo de Comandante será de responsabilidade


do Comandante que será substituído. Estando ciente da decisão do escalão superior deve este
providenciar a competente Nota de Serviço, regulando todas as ações da solenidade.
50

Este evento deverá conter a cerimônia de transmissão de cargo em local


adequado com a participação da tropa ou em local coberto em caso de mau tempo, passagem
de Comando de órgão administrativo ou se a UPM estiver com seu efetivo reduzido. A
solenidade tem seqüência com os chamados atos complementares.

Algumas providências preliminares são necessárias:

Definir a data, o horário e o local adequado para a solenidade;


Definir a relação de convidados. Devem ser convidadas as pessoas do
relacionamento do Comandante substituído e as indicadas por seu
substituto;
Impressão e distribuição dos convites em prazo adequado;
Confirmação da presença de autoridades;
Providenciar os atos oficiais de exoneração e nomeação do cargo de
Comandante, curriculum vitae do Comandante substituto;
O Comandante Substituído deve elaborar suas palavras de despedida;
O Comandante imediato deve, se assim entender, providenciar elogio ao
Comandante substituído;
Realizar treinamento da solenidade;
Preparar, se for o caso, a solenidade para recinto coberto;
Definir a tropa participante;
Organizar com seu cerimonial a recepção às autoridades e a fiel execução
da solenidade;
Definir os atos complementares.

Medidas preliminares devem ser definidas e adotadas para ficar clara a


seqüência da solenidade:

a) Tropa formada em seu dispositivo, com a Bandeira Nacional e sua Guarda


posicionas e o Comandante à frente.
51

b) Apresentação da Tropa.

O comandante da tropa posicionado à frente do palanque ou local onde a


autoridade presidirá a formatura fará a apresentação. Após a apresentação da tropa ele retorna
ao seu lugar.

Canto do hino da PMMT.

Leitura do Ato de Exoneração.


Consta da Leitura do ato oficial de exoneração, do discurso ou leitura da
mensagem de despedida do Comandante substituído e leitura de referência elogiosa concedida
ao Comandante substituído.

Na leitura do ato de exoneração deve ser evitado as citações de artigos,


parágrafos e demais prescrições legais do enquadramento do ato.

As palavras de despedidas devem estar em consonância com a solenidade em


curso, evitando-se rebuscamentos excessivos, discurso longos e cansativos, e referências às
realizações administrativas.

O elogio, de preferência, deverá ser lido por um Oficial do Comando


imediatamente superior ao Comandante substituído.

Nomeação do Comandante Substituto.

Tem início com a leitura do ato oficial de nomeação e segue com a leitura do
curriculum vitae do Comandante substituto.

A leitura do ato de nomeação deve seguir as mesmas observações quanto ao


ato de exoneração.
52

O curriculum vitae deve conter: posto, nome completo, UPM onde servia, data
e local de nascimento, filiação, estado civil, data em que ingressou na PMMT e data de sua
última promoção; segue-se com a descrição dos cursos militares que possui com a data de
conclusão; cursos civis (graduação ou pós graduação) e datas de conclusão; medalhas e
condecorações recebidas; funções mais expressivas desempenhadas; demais informações
relevantes.

Transmissão do cargo.

O Comandante Substituto e o Comandante substituído acompanharão a


autoridade que conduzirá o evento de transmissão de cargo e ocuparão lugar no dispositivo.

Tropa formada

*
Bandeira Nacional e sua Guarda

* *
Cmt Substituto Cmt Substituído

Autoridade que preside a transmissão de cargo

Palanque Oficial

Com a tropa em Ombro Armas! O Comandante substituído falará o seguinte:


“ENTREGO O COMANDO DO (NOME DA UPM) AO SENHOR (POSTO E NOME DO
COMANDANTE SUBSTITUTO”.
53

O Comandante Substituto diz:” ASSUMO O COMANDO DO (NOME DA


UPM).

Voltam-se um para o outro e abatem espadas. A Banda executará o exórdio.

Em seguida os Comandantes substituído e substituto voltar-se-ão para a Bandeira e


embainharão as espadas, junto com a autoridade que conduz a transmissão do cargo.

Retorno da Bandeira Nacional e sua Guarda ao seu local na tropa.

Apresentação dos Comandantes substituto e substituído.

Com a tropa em Sentido! O Comandante substituído assim se apresentará:


“(POSTO E NOME DE GUERRA), APRESENTO-ME A VOSSA SENHORIA, POR
HAVER ENTREGUE O COMANDO DO (NOME DA UPM)”.
Em seguida o Comandante substituto se apresenta da seguinte forma:
“(POSTO E NOME DE GUERRA), APRESENTO-ME A VOSSA SENHORIA, POR
HAVER ASSUMIDO O COMANDO DO (NOME DA UPM)”.

Após a apresentação a autoridade que presidiu o ato de transmissão de cargo,


retornará ao palanque.

Revista da tropa.

Os Comandantes substituto e substituído se postarão a testa da tropa formada e


aguardarão os toques de Sentido! e Ombro Arma! Dando início a revista com o Comandante
substituto de espada perfilada e o Comandante substituído com espada embainhada e à direita
deste.

Após a revista o Comandante Substituto se postará em lugar de destaque para


receber a continência da tropa em desfile.

Desfile da tropa em continência ao Comandante.


54

Seguem-se os atos complementares.

Ficam definidos como atos complementares:

 Inauguração do retrato do ex-comandante.

Trata-se do primeiro ato conduzido pelo Comandante substituto.

O retrato será colocado na galeria de fotos de Comandantes da UPM, sendo a


foto do Comandante tirada com o 2º Uniforme da PMMT, de frente e com todas as
condecorações daquele Comandante.

A foto será coberta com um tecido na cor azul petróleo e seu descerramento
será feito pela autoridade imediatamente superior na cadeia de comando, que poderá, a seu
juízo, conceder esta deferência à esposa ou outro familiar do homenageado.

 Homenagens ao Comandante Substituído.

Homenagem pode ser feita para a pessoa do Comandante substituído. Estas


homenagens podem tratar da entrega de uma lembrança ao Comandante e a oferta de um
buquê de flores a sua esposa. Marcando as boas-vindas ao Comandante substituto, poderá ser
oferecido ainda um buquê de flores a sua esposa.

 Coquetel.

Em se optando pelo serviço de coquetel, os convidados deverão ser


encaminhados ao local estabelecido. Esta atividade proporcionará a apresentação do
Comandante substituto aos convidados presentes, o integrando ao convívio da sociedade
local.

 Despedida do Comandante Substituído.


55

Na saída do Comandante Substituído do quartel, o Comandante substituto o


acompanhará e os Oficiais da UPM formarão uma fileira, do mais moderno para o mais
antigo, para os cumprimentos e despedidas.

No caso da solenidade ocorrer em recinto fechado, não se alteram as medidas


preliminares e sua seqüência, fazendo-se as adaptações necessárias ao tipo de recinto.
Observação maior deve ser feita quanto a Bandeira Nacional, que será conduzida sem a sua
guarda e apenas participará do evento de transmissão do cargo.

O dispositivo para a solenidade que ocorra em recinto fechado segue o


seguinte:

Autoridades

Convidados Convidados
*
Autoridade que conduz o evento

* *
Comandante substituído Comandante substituto

*
Bandeira Nacional sem sua Guarda
(a Bandeira Nacional estará presente somente
durante o evento de transmissão do cargo)

Representação de Oficiais
e Praças da UPM

Daremos exemplo, a seguir, de um roteiro da formatura militar de transmissão


de cargo de Comandante.
ROTEIRO DA FORMATURA DE PASSAGEM DO COMANDO DO 28º BPM

Local: Pátio do 28º BPM Horário: 08:00 horas


56

SENHORAS E SENHORES BOM DIA!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A REALIZAR A


PASSAGEM DE COMANDO DO 28º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O SENHOR CORONEL PM


BRUNO CHAGAS DE MACEDO – COMANDANTE REGIONAL VIII,
ACOMPANHADO DO TENENTE CORONEL PM JOSÉ PEREIRA DA COSTA E DO
TENENTE CORONEL PM JOÃO COELHO NETO, RESPECTIVAMENTE,
COMANDANTES SUBSTITUÍDO E SUBSTITUTO DO 28º BATALHÃO DE
POLÍCIA MILITAR.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO COMANDANTE


REGIONAL VIII.

(será dado o toque de Sentido! e Ombro Arma!)


(será dado o toque de Comandante Regional VIII, seguido do exórdio
correspondente)
(após o Comandante da tropa fará sua apresentação)

Major PM Moreira – Subcomandante do Batalhão, apresento a tropa pronta.


(o Comandante da tropa comanda Descansar Arma! e Descansar! e retorna ao
seu lugar na tropa)
(aguardar deslocamento do Comandante da tropa)
Nas solenidades em recinto fechado, na chegada da autoridade que presidirá
a solenidade, o Oficial mais antigo presente, comandará Atenção! Sentido! e apresentará o
grupamento presente.
57

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

EXONERAÇÃO DO COMANDANTE SUBSTITUÍDO:

(leitura da Portaria de exoneração)

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO RESOLVEU, EM PORTARIA N.º 231, DE 21 DE MARÇO DE 2004,
EXONERAR DO CARGO DE COMANDANTE DO 28º BATALHÃO DE POLÍCIA
MILITAR O TENENTE CORONEL PM JOSÉ PEREIRA DA COSTA.

(após a leitura)

O TENENTE CORONEL PEREIRA APRESENTARÁ SUAS


DESPEDIDAS.

(aguardar palavras)
(pode ainda estas palavras serem lidas pelo Mestre de Cerimônia)

REFERÊNCIA ELOGIOSA CONSIGNADA PELO COMANDANTE


REGIONAL VIII AO TENENTE CORONEL PM JOSÉ PEREIRA DA
COSTA.

(realizar leitura)

NOMEAÇÃO DO COMANDANTE SUBSTITUTO:

(leitura da Portaria de nomeação)


58

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO RESOLVEU, EM PORTARIA N.º 233, DE 21 DE MARÇO DE 2004,
NOMEAR PARA O CARGO DE COMANDANTE DO 28º BATALHÃO DE POLÍCIA
MILITAR O TENENTE CORONEL PM JOÃO COELHO NETO.

(após a leitura)

LEITURA DO CURRICULUM VITAE DO TENENTE CORONEL PM


JOÃO COELHO NETO.

(realizar leitura)

CURRICULUM VITAE

AO SER NOMEADO PARA O CARGO DE COMANDANTE DO 28º


BATALHÃO DE POÍCA MILITAR, O TENENTE CORONEL PM JOÃO COELHO
NETO ESTAVA SERVINDO NO GABINETE DO COMANDANTE GERAL DA
POLÍCIA MILITAR.

FOI PROMOVIDO AO POSTO ATUAL EM 05 DE SETEMBRO DE


2001.
NASCIDO A 21 DE AGOSTO DE 1963, NA CIDADE DE DOURADOS –
MATO GROSSO DO SUL, É FILHO DE JOÃO COELHO FILHO E DE MARIA
APARECIDA MENEZES, É CASADO E PAI DE DOIS FILHOS.
INGRESSOU NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO
GROSSO EM 17 DE FEVEREIRO DE 1979, SENDO DESIGNADO PARA
FREQUENTAR O CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS NA ACADEMIA DO
BARRO BRANCO NA POLÍCIA MILITAR DE SÃO PAULO.
FOI DECLARADO ASPIRANTE A OFICIAL PM EM 10 DE
DEZEMBRO DE 1981, SENDO DESIGNADO PARA SERVIR NO 1º BATALHÃO DE
POLÍCIA MILITAR, DESEMPENHANDO POR QUATRO ANOS, AS FUNÇÕES DE
OFICIAL SUBALTERNO.
POSSUI OS SEGUINTES CURSOS:
59

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS NA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS EM 1990.
CURSO DE METODOLOGIA DO ENSINO NA POLÍCIA MILITAR DO
DISTRITO FEDERAL EM 1998
CURSO SUPERIOR DE POLÍCIA NA POLÍCIA MILITAR DE SANTA
CATARINA EM 2002.

DESEMPENHOU AS SEGUINTES FUNÇÕES:


INSTRUTOR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS NA
ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA VERDE.
FOI SUBCOMANDANTE DO BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR
DE GUARDAS.
CHEFIOU A 3ª SEÇÃO DO ESTADO MAIOR GERAL DA PMMT.
COMANDOU O 7º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR NO
MUNICÍPIO DE ROSÁRIO OESTE.

FOI CONDECORADO COM A MEDALHA DE PRATA, MEDALHA


EDSON QUEIROZ E MEDALHA HOMENS DO MATO.

(após a leitura)

No caso de solenidade em recinto fechado, neste momento a Bandeira


Nacional daria entrada no dispositivo.

O COMANDANTE REGIONAL VIII, ACOMPANHADO DOS


COMANDANTES SUBSTITUÍDO E SUBSTITUTO, OCUPARÁ O LOCAL ONDE
CONDUZIRÁ O EVENTO DE TRANSMISSÃO DO CARGO.

(aguardar ocuparem seus lugares, conforme dispositivo abaixo)

Tropa formada
60

*
Bandeira Nacional e sua Guarda

* *
Cmt Substituto Cmt Substituído

Cmt do CR - VIII

Palanque Oficial

TRANSMISSÃO DO CARGO DE COMANDANTE DO 28º BATALHÃO


DE POLÍCIA MILITAR:

(tropa em Ombro arma!)

Comandante Substituído: ENTREGO O COMANDO DO 28º BATALHÃO DE


POLÍCIA MILITAR AO SENHOR TENENTE CORONEL PM JOÃO
COELHO NETO.
Comandante Substituto: ASSUMO O COMANDO DO 28º BATALHÃO DE
POLÍCIA MILITAR.

(voltam-se um para o outro e abatem espadas. A Banda executará o exórdio)


(em seguida os Comandantes substituído e substituto voltar-se-ão para a
Bandeira e todos embainharão as espadas)

A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LOCAL EM


FORMA.
(aguardar retorno da Bandeira)

No caso de solenidade em recinto fechado, neste momento a Bandeira


Nacional também deixaria o recinto.
61

OS COMANDANTES SUBSTITUÍDO E SUBSTITUTO APRESENTAR-


SE-ÃO AO COMANDANTE REGIONAL VIII.

(tropa em Sentido!)

Comandante Substituído: TENENTE CORONEL PEREIRA, APRESENTO-ME A


VOSSA SENHORIA, POR HAVER ENTREGUE O COMANDO DO 28º
BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.
Comandante Substituto: TENENTE CORONEL COELHO NETO, APRESENTO-
ME A VOSSA SENHORIA, POR HAVER ASSUMIDO O COMANDO DO 28º
BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.

O COMANDANTE REGIONAL VIII RETORNARÁ AO PALANQUE E


OS COMANDANTES SUBSTITUTO E SUBSTITUÍDO DESLOCAR-SE-ÃO PARA A
REVISTA À TROPA.

(Comandante da tropa aguardar deslocamento e posicionamento)

(será dado os comandos de sentido! Ombro arma! e Olhar a direita! A Banda


tocará uma canção militar)
(após os movimentos da tropa, o Comandante Substituído desloca-se de espada
embainhada e à direita do Comandante Substituto que estará com a espada perfilada)

(após a passagem em revista à tropa o Comandante Substituído retorna ao


palanque e o Comandante Substituto ocupa local para receber a continência da tropa)

ENCERRANDO A SOLENIDADE, A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA AO NOVO COMANDANTE DO 28º BATALHÃO DE POLÍCIA
MILITAR.
(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA A SOLENIDADE.


62

O COMANDANTE REGIONAL VIII AGRADECE A PRESENÇA DAS


AUTORIDADES E CONVIDADOS QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UM BOM DIA A TODOS!

4 FORMATURA DE DATAS FESTIVAS NA PMMT – 21 ABR, 05 SET,


ANIVERSÁRIO DE UPM.

Algumas datas especiais para a PMMT devem ter uma comemoração


diferenciada, sendo elas: 21 de Abril – Dia de Tiradentes, 05 de setembro – Aniversário da
PMMT e as datas de Aniversário das UPM.

Em particular as solenidades de 21 de abril e 05 de setembro, contemplam


eventos de promoção de policiais militares, podendo ainda constar de entrega de homenagens
e condecorações. Já as pertinentes a aniversários das UPM, os eventos de promoção de
policias militares não aparecem.

Nestas solenidades teremos a seguinte seqüência:

Tropa já formada em seu dispositivo tendo a frente o comandante:

Apresentação da Tropa.

O comandante da tropa posiciona-se à frente do palanque ou local onde a


autoridade presidirá a formatura. Após a apresentação da tropa ele retorna ao seu lugar.
63

Canto de canção ou hino.

O canto do hino da PMMT, para as datas de 21 Abr e 05 Set e canto da canção


da UPM, nas solenidades em comemoração aos seus aniversários.

Leitura da ordem do dia, contendo referência a data em comemoração.

A ordem do dia consta às palavras do Comandante Geral em 21 Abr e 05 Set,


dando destaque aos fatos históricos de cada data, os trazendo para uma reflexão sobre a
importância destas na atividade policial militar. No caso do aniversário da UPM, a ordem do
dia remete a um breve relato histórico da UPM e o seu presente, com as atividades policiais
militares.

Promoção de policias militares.

Nas datas de 21 Abr e 05 Set, teríamos o evento de promoção de policiais


militares. Este evento não consta da seqüência de solenidades de aniversários de UPM.

Após o anúncio os policiais militares a serem promovidos ocupariam seus


lugares, em forma, seriam convidados as madrinhas e padrinhos para aposição de insígnias e
divisas nos promovidos, oportunidade em que seria lida a relação com os nomes dos
promovidos. Em seguida as madrinhas e padrinhos seriam convidados a retornarem aos seus
lugares. Os policiais militares recém promovidos também deixariam o dispositivo,
permanecendo apenas, caso haja, os promovidos ao primeiro posto do oficialato.

Compromisso do primeiro posto.

Havendo Oficiais promovidos ao primeiro posto do oficialato, estes prestarão


seu compromisso perante o Pavilhão Nacional.

O compromisso será o seguinte: "Perante a Bandeira do Brasil e pela minha


honra, prometo cumprir os deveres de Oficial da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso e
dedicar-me inteiramente ao seu serviço".
64

Entrega de Comendas.

Geralmente em datas festivas ocorre a entrega de Comendas (sejam medalhas,


barretas, títulos ou mesmos diplomas) a autoridades e personalidades que tiveram destaque ou
foram relevantes em parcerias com a instituição policial.

Recomendação deve ser dada quanto à quantidade de pessoas a receberem


estas Comendas, pois um número elevado além de prolongar desnecessariamente a
solenidade, banalizaria a Comenda que não deve correr este risco. No geral recomendamos
entrega de Comenda até o número de dez autoridades ou personalidades. Lembramos que
estas solenidades são anuais e podemos definir prioridades e parâmetros para escolha dos
agraciados.

Desfile da tropa em continência a mais alta autoridade presente.

Destacamos a seguir exemplos de roteiros de solenidades de 21 Abr, 05 Set e


Aniversário de UPM.

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DE 21 DE ABRIL - TIRADENTES

Local: QCG Data: 21 Abr 04 Horário: 1930h

SENHORAS E SENHORES, BOA NOITE!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A HOMENAGEAR O


ALFERES TIRADENTES - PATRONO DAS POLÍCIAS DO BRASIL E A
PROMOÇÃO DE OFICIAIS E PRAÇAS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE
MATO GROSSO.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)


65

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA EXCELENTÍSSIMO SENHOR


CORONEL PM JOÃO DE BARROS SILVA – COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA
MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO, ACOMPANHADO DO
EXCELENTÍSSIMO SENHOR MARCELO DE ALBUQUERQUE – SECRETÁRIO
DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO

(aguardar honras e apresentação da tropa)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)

PROMOÇÃO DE OFICIAIS E PRAÇAS.

OS POLICIAIS MILITARES PROMOVIDOS OCUPARÃO LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A COLOCAREM AS INSÍGNIAS E DIVISAS EM SEUS AFILHADOS.
66

(realizar leitura da relação dos policiais militares promovidos)

(aguardar colocação insígnias e divisas)

(Banda executa pout-pourri)

(cerimonial orienta a saída de todos os PM promovidos)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA
DARMOS PROSSEGUIMENTO A ESTA SOLENIDADE.

(aguardar saída de todos)

JURAMENTO AO PRIMEIRO POSTO DO OFICIALATO.

A BANDEIRA NACIONAL OCUPARÁ SEU LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)
OS OFICIAIS PROMOVIDOS AO PRIMEIRO POSTO PRESTARÃO
JURAMENTO PERANTE O PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar juramento)

A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LUGAR NA TROPA.

(aguardar deslocamento)

OS OFICIAIS RETORNARÃO A ASSISTÊNCIA.

(aguardar deslocamento)
67

ENCERRANDO A SOLENIDADE, A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA AO SENHOR COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UMA BOA NOITE A TODOS!

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DE 05 DE SET – ANIVERSÁRIO DA PMMT

Local: QCG Data: 05 Set 03 Horário: 1930h

SENHORAS E SENHORES, BOA NOITE!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A COMEMORAR OS 167


ANOS DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O EXCELENTÍSSIMO


SENHOR CORONEL PM JOÃO DE BARROS SILVA – COMANDANTE DA
POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO, ACOMPANHADO DO
EXCELENTÍSSIMO SENHOR MARCELO DE ALBUQUERQUE – SECRETÁRIO
DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA.
68

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar honras e apresentação da tropa)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)
PROMOÇÃO DE OFICIAIS E PRAÇAS.

OS POLICIAIS MILITARES PROMOVIDOS OCUPARÃO LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A COLOCAREM AS INSÍGNIAS E DIVISAS EM SEUS AFILHADOS.

(realizar leitura da relação dos policiais militares promovidos)

(aguardar colocação insígnias e divisas)

(Banda executa pout-pourri)

(cerimonial orienta a saída de todos os PM promovidos)


69

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA
DARMOS PROSSEGUIMENTO A ESTA SOLENIDADE.

(aguardar saída de todos)

JURAMENTO AO PRIMEIRO POSTO DO OFICIALATO.

A BANDEIRA NACIONAL OCUPARÁ SEU LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

OS OFICIAIS PROMOVIDOS AO PRIMEIRO POSTO PRESTARÃO


JURAMENTO PERANTE O PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar juramento)

A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LUGAR NA TROPA.

(aguardar deslocamento)

OS OFICIAIS RETORNARÃO A ASSISTÊNCIA.

(aguardar deslocamento)

ENTREGA DA COMENDA HOMENS DO MATO.


(fazer leitura de pequeno texto sobre a criação e concessão desta Comenda)

CONVIDAMOS A OCUPAR LUGAR DE DESTAQUE PARA RECEBER


A COMENDA HOMENS DO MATO AS SEGUINTES AUTORIDADES E
PERSONALIDADES:

(ler relação das autoridades e personalidades)


70

PARA FAZER ENTREGA DE TÃO NOBRE COMENDA


CONVIDAMOS O SENHOR COMANDANTE DA POLÍCA MILITAR DO ESTADO
DE MATO GROSSO.

(Cerimonial orienta a entrega)

(Após a entrega o Cerimonial convida as autoridades e personalidades a


retornarem ao Palanque oficial)

(aguardar deslocamentos)

ENCERRANDO A SOLENIDADE, A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA AO SENHOR COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UMA BOA NOITE A TODOS!

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DE ANIVERSÁRIO DO 19º BPM

Local: QCG Data: 18 Mar 03 Horário: 0830h

SENHORAS E SENHORES, BOM DIA!


71

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A COMEMORAR OS 58


ANOS DO 19º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O SENHOR TENENTE


CORONEL PM JÚLIO DE SÁ FREITAS – COMANDANTE DO 19º BATALHÃO DE
POLÍCIA MILITAR, ACOMPANHADO DE PERSONALIDADES DA COMUNIDADE
LOCAL.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


COMANDANTE DO 19º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.

(aguardar honras e apresentação da tropa)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM A CANÇÃO DO 19º


BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR, DE AUTORIA DO CAPITÃO PM NORBERTO
BROCHADO MENEZES.

(aguardar canto da canção)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)

ENTREGA DE DIPLOMAS.

(fazer leitura de pequeno texto sobre a criação e concessão deste Diploma)


72

CONVIDAMOS (nome) A OCUPAR LUGAR DE DESTAQUE PARA


RECEBER O DIPLOMA DE COLABORADOR DO 19º BATALHÃO DE POLÍCIA
MILITAR, AS SEGUINTES PERSONALIDADES:

(ler relação das personalidades)

PARA FAZER ENTREGA DESTE DIPLOMA CONVIDAMOS O


SENHOR COMANDANTE DO 19º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR.

(Cerimonial orienta a entrega)

(Após a entrega o Cerimonial convida as personalidades a retornarem ao


Palanque oficial)

(aguardar deslocamentos)

ENCERRANDO A SOLENIDADE, A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA AO SENHOR COMANDANTE DO 19º BATALHÃO DE POLÍCIA
MILITAR.

(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE DO 19º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR


AGRADECE A PRESENÇA DOS CONVIDADOS QUE ABRILHANTARAM ESTA
CERIMÔNIA.

UM BOM DIA A TODOS!

5 FORMATURA DE CONCLUSÃO DE CURSO – CFSD, CFC, CFS, CAS.


73

A conclusão de um curso é um momento ímpar para a instituição, os


formandos e seus familiares. Estas solenidades devem obter atenção especial devido ao
número de convidados presentes.

Em solenidades de conclusão destes cursos, teremos a seguinte seqüência:

Tropa já formada em seu dispositivo tendo a frente o comandante:

Banda Símbolo EM Gda Bandeira Pelotões ou Companhias ...


Corneteiro

Cmt da Tropa

Autoridades e convidados

Apresentação da Tropa.

O comandante da tropa posiciona-se à frente do palanque ou local onde a


autoridade presidirá a formatura. Após a apresentação da tropa ele retorna ao seu lugar.

Entrada dos formandos.

Os formandos darão entrada no dispositivo, sob comando, ocupando o local


central em frente ao palanque oficial, sendo apresentados à autoridade que preside a
solenidade.

Alguns cursos podem conter um número grande de formandos, neste caso


algumas adaptações são necessárias, como os formandos compondo a própria tropa.
Leitura de texto sobre o curso que se conclui.

Texto sintético que deverá conter a data de seu início, quantidade de alunos,
objetivos, filosofia do ensino, carga horária.
74

Canto do hino da PMMT.

Leitura da ordem do dia.

A ordem do dia consta às palavras do Comandante do órgão de formação,


contendo uma mensagem aos formandos.

Homenagens.

Pode ser feita homenagens ao Padrinho, Madrinha, Patrono e Paraninfo da


turma de formandos.

Estas homenagens devem ser breves e constar de entrega de lembranças a estas


personalidades, sem falas ou leituras.

Leitura da Ata de conclusão do curso.

Na leitura da Ata deve ser suprimida a citação dos dispositivos legais e de


publicações oficiais. Com relação aos aprovados, citar a classificação e o nome, suprimindo a
nota final de curso. Caso haja bom número de formandos, fazer a leitura dos primeiros
colocados e, em seguida, acrescentar a expressão “segue relação”.

Entrega de Prêmios aos primeiros colocados.

Uma vez lida a Ata de conclusão do curso, o primeiro, segundo e terceiro


colocados ocupam lugar de destaque para receber uma premiação por seus desempenhos no
curso.

Entrega de distintivos de conclusão de curso.

Seriam convidados as madrinhas e padrinhos para aposição de distintivos nos


formandos. Em seguida as madrinhas e padrinhos retornariam aos seus lugares.
75

Juramento dos formandos.

A Bandeira Nacional se deslocaria em lugar de destaque, para, em seguida ser


prestado o juramento.

Prestarão juramento os concludentes de curso que tiveram incorporação de


pessoas do meio civil, sendo imperativo este juramento. Alguns cursos possuem a freqüência
apenas de policiais militares, ficando o juramento dispensado, pois já o prestaram por ocasião
de sua incorporação na PMMT, sendo dispensado ainda o desfile em continência ao Pavilhão
Nacional.

O juramento prestado será o seguinte: “Ao ingressar na Polícia Militar do


Estado de Mato Grosso, prometo regular a minha conduta pelos preceitos da moral, cumprir
rigorosamente as ordens das autoridades que estiver subordinado e dedicar-me inteiramente
ao serviço policial militar, à manutenção da ordem pública e a segurança da comunidade,
mesmo com o risco da própria vida".

Desfile dos formandos em continência ao Pavilhão Nacional.


Os formandos prestarão continência individual ao Pavilhão Nacional,
retornando a tropa para o desfile em continência a mais alta autoridade.

A Bandeira Nacional deve retornar ao seu lugar.


Desfile da tropa em continência a mais alta autoridade presente.
Último fora de forma.
Após o desfile, os formandos retornam a frente do palanque, a comando, para o
último fora de forma.

Apresentamos exemplos de roteiros de solenidades de conclusão de curso.

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DO CFSd

Local: QCG Data: 28 Mai 04 Horário: 1930h


76

SENHORAS E SENHORES, BOA NOITE!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A FORMATURA MILITAR


DO 32º CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS PM – TURMA PANTANAL.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O EXCELENTÍSSIMO


SENHOR GUSTAVO DE ALMEIDA – GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO
GROSSO, ACOMPANHADO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORONEL PM
MIGUEL PASSOS DE SÁ – COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO
DE MATO GROSSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JÚLIO LUSTOSA –
SECRETÁRIO DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar honras e apresentação da tropa)

OS FORMANDOS DA TURMA PANTANAL DARÃO ENTRADA NO


DISPOSITIVO.

(aguardar entrada)

O CAP PM JUVENAL FERREIRA – COMANDANTE DO CORPO DE


ALUNOS APRESENTARÁ OS FORMANDOS DO 32º CURSO DE FORMAÇÃO DE
SOLDADOS PM AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar apresentação da tropa)

(realizar leitura de texto sobre o curso)


77

O 32º CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS PM TEVE INÍCIO EM


10 DE OUTUBRO DE 2003, COM O OBJETIVO PRINCIPAL DE CAPACITAR OS
FUTUROS SOLDADOS PM AO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA DO
CIDADÃO.

AO LONGO DE OITO MESES OS ALUNOS SOLDADOS PM


TIVERAM CONTATO COM UM TIPO DE CONHECIMENTO PROFISSIONAL QUE
PRIVILEGIA O RESPEITO AO ESTADO DE DIREITO E PRINCIPALMENTE A
INTEGRIDADE FÍSICA DO SER HUMANO, TUDO EM CONSONÂNCIA COM A
SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA.

O 32º CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS PM, CONTOU COM


UMA CARGA HORÁRIA TOTAL DE 1.010 HORAS-AULA.

(após a leitura)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)

HOMENAGENS.

CONVIDAMOS A OCUPAR LUGAR DE DESTAQUE O SENHOR


JAILTON DE SOUZA – SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E
PARANINFO DA TURMA; A SENHORA MARÍLIA FERRAZ – REITORA DA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO E MADRINHA DA TURMA E O
78

SENHOR CEL PM LÚCIO MARTINS – COMANDANTE DO COMANDO


REGIONAL VII E PATRONO DA TURMA.

(aguardar deslocamentos)

PARA FAZER ENTREGA DE HOMENAGENS, CONVIDAMOS O


SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, O SENHOR
COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO
E DA SENHORA NATÁLIA PASSOS – ESPOSA DO COMANDANTE GERAL DA
POLÍCIA MILITAR.

(aguardar entrega de homenagens)

(Cerimonial orienta a entrega e conduz o retorno das autoridades ao palanque


oficial)

LEITURA DA ATA DE CONCLUSÃO DO 32º CURSO DE FORMAÇÃO


DE SOLDADOS PM.

(realizar leitura)

AOS VINTE E SETE DIAS DO MÊS DE MAIO DO ANO DE DOIS MIL


E QUATRO, NA SALA DA SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO, DO CENTRO DE
FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DE MATO GROSSO, REUNIU-SE A COMISSÃO COMPOSTA PELO
MAJOR PM JURANDIR BOA VENTURA – PRESIDENTE, CAP PM GUILHERME
DA SILVA E O 1º TENENTE PM HENRIQUE ALVES – MEMBROS, A FIM DE
AVALIAR O DESMPENHO DOS ALUNOS DO 32º CURSO DE FORMAÇÃO DE
SOLDADOS PM, E SUA APROVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO FINAL. DANDO
INÍCIO AOS TRABALHOS VERIFICOU-SE QUE O CURSO TEVE INÍCIO EM 10
DE OUTUBRO DE 2003, COM 90 ALUNOS MATRICULADOS, APROVADOS NO
CONCURSO PÚBLICO DE EDITAL N.º 032, DE 22 DE MAIO DE 2003. FORAM
APROVADOS NO 32º CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS PM, EM ORDEM
DE CLASSIFICAÇÃO OS SEGUINTES ALUNOS SOLDADOS PM: CLÁUDIO
79

BARRETO JÚNIOR - 1º LUGAR; LUDIMILA ALVES – 2º LUGAR; PÉRICLES


GUSMÃO – 3º LUGAR.

SEGUE RELAÇÃO...

E COMO NADA MAIS HOUVE A TRATAR, DEU O SENHOR


PRESIDENTE POR ENCERRADA A PRESENTE REUNIÃO COM A LAVRATURA
DESTA ATA, QUE DEPOIS DE LIDA E ACHADA CONFORME, VAI ASSINADA POR
TODOS OS PRESENTES.

(após a leitura)

PREMIAÇÃO AOS PRIMEIROS COLOCADOS.

CONVIDAMOS A OCUPAREM LUGAR DE DESTAQUE OS


FORMANDOS: CLÁUDIO BARRETO JÚNIOR - 1º LUGAR; LUDIMILA ALVES – 2º
LUGAR; PÉRICLES GUSMÃO – 3º LUGAR.

(aguardar deslocamento)

PARA FAZER A ENTREGA DA PREMIAÇÃO CONVIDAMOS O


SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, O SENHOR
SECRETÁRIO DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA E O SENHOR
COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(Cerimonial orienta a entrega de prêmios e o retorno das autoridades ao


palanque)

OS AGRACIADOS RETORNARÃO AOS SEUS LUGARES EM


FORMA.

(aguardar deslocamento)
80

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A COLOCAREM OS DISTINTIVOS DE CONCLUSÃO DE CURSO EM
SEUS AFILHADOS.

(aguardar colocação de distintivos)

(Banda executa pout-pourri)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA
DARMOS PROSSEGUIMENTO A ESTA SOLENIDADE.

(cerimonial orienta a saída de todos)

JURAMENTO DOS FORMANDOS.

A BANDEIRA NACIONAL OCUPARÁ SEU LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

OS FORMANDOS DA TURMA PANTANAL PRESTARÃO


JURAMENTO PERANTE O PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar juramento)

OS FORMANDOS DESFILARÃO EM CONTINÊNCIA AO PAVILHÃO


NACIONAL.

(aguardar desfile em continência)


A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LUGAR NA TROPA.

(aguardar deslocamento)
81

A TROPA DESFILARÁ EM CONTINÊNCIA AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar desfile)

(após o desfile)

OS SOLDADOS PM RETORNAM AO DISPOSITIVO PARA O ÚLTIMO


FORA DE FORMA.

(aguardar deslocamento)

O CAP PM JUVENAL FERREIRA – COMANDANTE DO CORPO DE


ALUNOS SOLICITARÁ PERMISSÃO AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO
DE MATO GROSSO PARA DAR O ÚLTIMO FORA DE FORMA DA TURMA
PANTANAL.

(aguardar solicitação e comando de Fora de Forma!)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UMA BOA NOITE A TODOS!

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DO CFS

Local: QCG Data: 28 Jun 03 Horário: 1930h


82

SENHORAS E SENHORES, BOA NOITE!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A FORMATURA MILITAR


DO 14º CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS PM – TURMA CIDADE VERDE.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O EXCELENTÍSSIMO


SENHOR GUSTAVO DE ALMEIDA – GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO
GROSSO, ACOMPANHADO DA EXCELENTÍSSIMA SENHORA MANUELA
ALMEIDA – 1ª DAMA DO ESTADO, DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORONEL
PM MIGUEL PASSOS DE SÁ – COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DE MATO GROSSO E DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JÚLIO
LUSTOSA – SECRETÁRIO DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar honras e apresentação da tropa)

OS FORMANDOS DA TURMA CIDADE VERDE DARÃO ENTRADA


NO DISPOSITIVO.

(aguardar entrada)

O CAP PM DELSO BARBOSA – COMANDANTE DO CORPO DE


ALUNOS APRESENTARÁ OS FORMANDOS DO 14º CURSO DE FORMAÇÃO DE
SARGENTOS PM AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar apresentação da tropa)

(realizar leitura de texto sobre o curso)


83

O 14º CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS PM TEVE INÍCIO


EM 12 DE JULHO DE 2003, COM O OBJETIVO PRINCIPAL DE CAPACITAR OS
FUTUROS SARGENTOS PM AO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA
DO CIDADÃO, SENDO UM FORTE ELO ENTRE O COMANDO E A TROPA.

AO LONGO DE DOZE MESES OS ALUNOS SARGENTOS PM


TIVERAM CONTATO COM UM TIPO DE CONHECIMENTO PROFISSIONAL QUE
PRIVILEGIA O RESPEITO AO ESTADO DE DIREITO E PRINCIPALMENTE A
INTEGRIDADE FÍSICA DO SER HUMANO, TUDO EM CONSONÂNCIA COM A
SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA.

O 14º CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS CONTOU COM


UMA CARGA HORÁRIA TOTAL DE 1.510 HORAS-AULA.

(após a leitura)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)
HOMENAGENS.

CONVIDAMOS A OCUPAREM LUGAR DE DESTAQUE SENHORA


MANUELA ALMEIDA – 1ª DAMA DO ESTADO E MADRINHA DA TURMA; O
SENHOR JÚLIO LUSTOSA – SECRETÁRIO DE ESTADO DE JUSTIÇA E
SEGURANÇA PÚBLICA E PARANINFO DA TURMA; E O SENHOR CORONEL PM
MIGUEL PASSOS DE SÁ – COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO
DE MATO GROSSO E PATRONO DA TURMA.
84

(aguardar deslocamentos)

PARA FAZER ENTREGA DE HOMENAGENS, CONVIDAMOS O


SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, O SENHOR
COMANDANTE GERAL ADJUNTO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE
MATO GROSSO E DA SENHORA NATÁLIA PASSOS – ESPOSA DO
COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR.

(aguardar entrega de homenagens)

(Cerimonial orienta a entrega e conduz o retorno das autoridades ao palanque


oficial)

LEITURA DA ATA DE CONCLUSÃO DO 14º CURSO DE FORMAÇÃO


DE SARGENTOS PM.

(realizar leitura)

AOS VINTE E SETE DIAS DO MÊS DE JUNHO DO ANO DE DOIS


MIL E QUATRO, NA SALA DA SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO, DO CENTRO DE
FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DE MATO GROSSO, REUNIU-SE A COMISSÃO COMPOSTA PELO
MAJOR PM JURANDIR BOA VENTURA – PRESIDENTE, CAP PM DELSON
BARBOSA E O 1º TENENTE PM PAULO RODRIGUES – MEMBROS, A FIM DE
AVALIAR O DESMPENHO DOS ALUNOS DO 14º CURSO DE FORMAÇÃO DE
SARGENTOS PM, E SUA APROVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO FINAL. DANDO
INÍCIO AOS TRABALHOS VERIFICOU-SE QUE O CURSO TEVE INÍCIO EM 12
DE JULHO DE 2003, COM 50 ALUNOS MATRICULADOS, APROVADOS NO
CONCURSO PÚBLICO DE EDITAL N.º 025, DE 18 DE MARÇO DE 2003. FORAM
APROVADOS NO 14º CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS PM, EM ORDEM
DE CLASSIFICAÇÃO OS SEGUINTES ALUNOS SARGENTOS PM: JOSÉ LUIZ
BRUM - 1º LUGAR; AUGUSTO MENEZES – 2º LUGAR; FÁTIMA OLIVEIRA – 3º
LUGAR.
85

SEGUE RELAÇÃO...

E COMO NADA MAIS HOUVE A TRATAR, DEU O SENHOR


PRESIDENTE POR ENCERRADA A PRESENTE REUNIÃO COM A LAVRATURA
DESTA ATA, QUE DEPOIS DE LIDA E ACHADA CONFORME, VAI ASSINADA POR
TODOS OS PRESENTES.

(após a leitura)

PREMIAÇÃO AOS PRIMEIROS COLOCADOS.

CONVIDAMOS A OCUPAREM LUGAR DE DESTAQUE OS


FORMANDOS: JOSÉ LUIZ BRUM - 1º LUGAR; AUGUSTO MENEZES – 2º LUGAR;
FÁTIMA OLIVEIRA – 3º LUGAR.

(aguardar deslocamento)

PARA FAZER A ENTREGA DA PREMIAÇÃO CONVIDAMOS O


SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, O SENHOR
SECRETÁRIO DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA E O SENHOR
COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(Cerimonial orienta a entrega de prêmios e o retorno das autoridades ao


palanque)
OS AGRACIADOS RETORNARÃO AOS SEUS LUGARES EM
FORMA.

(aguardar deslocamento)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A COLOCAREM OS DISTINTIVOS DE CONCLUSÃO DE CURSO EM
SEUS AFILHADOS.
86

(aguardar colocação de distintivos)

(Banda executa pout-pourri)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA
DARMOS PROSSEGUIMENTO A ESTA SOLENIDADE.

(cerimonial orienta a saída de todos)

JURAMENTO DOS FORMANDOS.

Caso os formando já forem integrantes da PMMT (oriundos de seleção


interna), estes já prestaram seus juramentos por ocasião de suas incorporações, sendo este
ato dispensado, bem como a continência individual perante o Pavilhão Nacional.

A BANDEIRA NACIONAL OCUPARÁ SEU LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

OS FORMANDOS DA TURMA CIDADE VERDE PRESTARÃO


JURAMENTO PERANTE O PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar juramento)
OS FORMANDOS DESFILARÃO EM CONTINÊNCIA AO PAVILHÃO
NACIONAL.
(aguardar desfile em continência)

A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LUGAR NA TROPA.


(aguardar deslocamento)

A TROPA DESFILARÁ EM CONTINÊNCIA AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.
87

(aguardar desfile)

(após o desfile)

OS SARGENTOS PM RETORNAM AO DISPOSITIVO PARA O


ÚLTIMO FORA DE FORMA.

(aguardar deslocamento)

O CAP PM DELSO BARBOSA – COMANDANTE DO CORPO DE


ALUNOS SOLICITARÁ PERMISSÃO AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO
DE MATO GROSSO PARA DAR O ÚLTIMO FORA DE FORMA DA TURMA
CIDADE VERDE.

(aguardar solicitação e comando de Fora de Forma!)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UMA BOA NOITE A TODOS!


6. FORMATURA DE ENTREGA DO ESPADIM TIRADENTES

Todo ano com seleção para novos alunos do Curso de Formação de Oficiais
PM – CFO, após um período mínimo de adaptação e instruções iniciais, estes alunos recebem
o Espadim Tiradentes, símbolo do início do aprendizado na carreira do futuro Oficial da
PMMT.
88

O recebimento deve ser feito em solenidade militar, na Academia de Polícia


Militar Costa Verde - APMCV e será revestida das formalidades necessárias, contando com a
seguinte seqüência:

Tropa já formada em seu dispositivo tendo a frente o comandante:

Banda Símbolo EM Gda Bandeira Pelotões ou Companhias ...


Corneteiro

Cmt da Tropa

Autoridades e convidados

Apresentação da Tropa.

O comandante da tropa posiciona-se à frente do palanque ou local onde a


autoridade presidirá a formatura. Após a apresentação da tropa ele retorna ao seu lugar.

Entrada dos Alunos Oficiais PM do 1º ano.

Os Alunos Oficiais darão entrada no dispositivo, sob comando, ocupando local


central em frente ao palanque oficial, sendo apresentados à autoridade que preside a
solenidade.

A tropa formada deverá ser composta pelos demais integrantes do CFO e


efetivo da APMCV.

Canto do hino da PMMT.

Leitura da ordem do dia.

A ordem do dia consta às palavras do Comandante do órgão de formação,


contendo uma mensagem aos Alunos Oficiais PM.

Leitura da Ata de conclusão do concurso de seleção para o CFO.


89

Na leitura da Ata deve ser suprimida a citação dos dispositivos legais e de


publicações oficiais. Com relação aos aprovados, citar a classificação e o nome, suprimindo a
nota final de curso. Caso haja bom número de formandos, fazer a leitura dos primeiros
colocados e, em seguida, acrescentar a expressão “segue relação”.

Leitura de Histórico do Espadim Tiradentes.

Será lido texto com referência histórica da criação do Espadim e sua adoção
pelos Alunos Oficiais de cursos de formação.

Entrega do Espadim aos primeiros colocados.

Uma vez lida a Ata de conclusão do curso, o primeiro, segundo e terceiro


colocados ocupam lugar de destaque para receber o Espadim.

Entrega do Espadim aos demais Alunos Oficiais.

Seriam convidados as madrinhas e padrinhos para entrega do Espadim aos


Alunos Oficiais. Em seguida as madrinhas e padrinhos retornariam aos seus lugares.

Juramento dos Alunos Oficiais.

A Bandeira Nacional se deslocaria em lugar de destaque, para, em seguida ser


prestado o juramento.

O juramento prestado será o seguinte: “Recebo o Espadim Tiradentes, símbolo


da honra policial militar. Prometo portá-lo com dignidade e cumprir com os deveres de Aluno
Oficial da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso”.

Desfile dos Alunos Oficiais em continência ao Pavilhão Nacional.

Os Alunos Oficiais prestarão continência individual ao Pavilhão Nacional,


retornando a tropa para o desfile em continência a mais alta autoridade.
90

A Bandeira Nacional deve retornar ao seu lugar.

Desfile da tropa em continência a mais alta autoridade presente.

Citamos, a seguir, exemplo de roteiro desta formatura.

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DE ENTREGA DO ESPADIM


TIRADENTES

Local: APMCV Data: 19 Mar 04 Horário: 1930h

SENHORAS E SENHORES, BOA NOITE!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A FORMATURA MILITAR


DE ENTREGA DO ESPADIM TIRADENTES AOS ALUNOS OFICIAIS DO 1º ANO
DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O EXCELENTÍSSIMO


SENHOR GUSTAVO DE ALMEIDA – GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO
GROSSO, ACOMPANHADO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORONEL PM
MIGUEL PASSOS DE SÁ – COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO
DE MATO GROSSO, DO SENHOR CORONEL PM FÚLVIO TEIXEIRA DE
FREITAS – COMANDANTE DA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA
VERDE.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)


91

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar honras e apresentação da tropa)

OS ALUNOS OFICIAIS DO 1º ANO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE


OFICIAIS PM OCUPARÃO LUGAR NO DISPOSITIVO.

(aguardar entrada)

O 1º TENENTE PM MARCOS JUNGER FIGUEIRA –


COORDENADOR DO 1º ANO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM
APRESENTARÁ OS ALUNOS OFICIAIS AO SENHOR GOVERNADOR DO
ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar apresentação da tropa)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)

LEITURA DA ATA DE CONCLUSÃO DO CONCURSO DE SELEÇÃO


PARA O CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM.

(realizar leitura)
92

AOS DEZ DIAS DO MÊS DE MARÇO DO ANO DE DOIS MIL E


QUATRO, NA SALA DA DIVISÃO DE ENSINO, DA ACADEMIA DE POLÍCIA
MILITAR COSTA VERDE, REUNIU-SE A COMISSÃO COMPOSTA PELO MAJOR
PM MIGUEL DE PAULA LIMAVERDE – PRESIDENTE, CAP PM JOAQUIM DOS
ANJOS E O 1º TENENTE PM RENATO LOPES DE AGUIAR – MEMBROS, A FIM
DE AVALIAR O CONCURSO REALIZADO PARA ADMISSÃO NO CURSO DE
FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM - CFO, E SUA APROVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO
FINAL. DANDO INÍCIO AOS TRABALHOS VERIFICOU-SE QUE O CONCURSO,
RELAIZADO ATRAVÉS DE CONVÊNIO COM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE
MATO GROSSO, TEVE INÍCIO EM 12 DE NOVEMBRO DE 2003, CONFORME
EDITAL N.º 045, DE 05 DE JULHO DE 2003, COM 890 CANDIDATOS INSCRITOS,
CONCORRENDO A 40 VAGAS. OS CANDIDATOS FORAM SUBMETIDOS AOS
EXAMES DE APTIDÃO FÍSICA, PSICOLÓGICO, INTELECTUAL E MÉDICO.
FORAM CLASSIFICADOS PARA FREQUENTAR O 1º ANO DO CURSO DE
FORMAÇÃO DE OFICIAIS OS SEGUINTES ALUNOS OFICIAIS PM:
ALESSANDRO GUIMARÃES NETO - 1º LUGAR; MARCELO VIDAL COSTA – 2º
LUGAR; ANNA MARIA FRANCO – 3º LUGAR.

SEGUE RELAÇÃO...

E COMO NADA MAIS HOUVE A TRATAR, DEU O SENHOR


PRESIDENTE POR ENCERRADA A PRESENTE REUNIÃO COM A LAVRATURA
DESTA ATA, QUE DEPOIS DE LIDA E ACHADA CONFORME, VAI ASSINADA POR
TODOS OS PRESENTES.

(após a leitura)

HISTÓRICO DO ESPADIM TIRADENTES.

(realizar leitura de texto com histórico do Espadim Tiradentes)

PREMIAÇÃO AOS PRIMEIROS COLOCADOS.


93

CONVIDAMOS A OCUPAREM LUGAR DE DESTAQUE OS


FORMANDOS: ALESSANDRO GUIMARÃES NETO - 1º LUGAR; MARCELO
VIDAL COSTA – 2º LUGAR; ANNA MARIA FRANCO – 3º LUGAR.

(aguardar deslocamento)

PARA FAZER A ENTREGA DO ESPADIM AOS PRIMEIROS


COLOCADOS, CONVIDAMOS O SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE
MATO GROSSO, O SENHOR COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO
DE MATO GROSSO E O SENHOR COMANDANTE DA ACADEMIA DE POLÍCIA
MILITAR COSTA VERDE.

(Cerimonial orienta a entrega de prêmios e o retorno das autoridades ao


palanque)

OS AGRACIADOS RETORNARÃO AOS SEUS LUGARES EM


FORMA.

(aguardar deslocamento)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A FAZEREM ENTREGA DO ESPADIM TIRADENTES A SEUS
AFILHADOS.

(aguardar entrega)

(Banda executa pout-pourri)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA
DARMOS PROSSEGUIMENTO A ESTA SOLENIDADE.

(cerimonial orienta a saída de todos)


94

JURAMENTO DOS ALUNOS OFICIAIS PM.

A BANDEIRA NACIONAL OCUPARÁ SEU LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

OS ALUNOS OFICIAIS PM DO 1º ANO DO CURSO DE FORMAÇÃO


DE OFICIAIS PRESTARÃO JURAMENTO PERANTE O PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar juramento)

OS ALUNOS OFICIAIS PM DESFILARÃO EM CONTINÊNCIA AO


PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar desfile em continência)

A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LUGAR NA TROPA.

(aguardar deslocamento)

ENCERRANDO A SOLENIDADE, A TROPA DESFILARÁ EM


CONTINÊNCIA AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar desfile)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UMA BOA NOITE A TODOS!


95

7 FORMATURA DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS.

O Curso de Formação de Oficiais PM – CFO possui características próprias


por ser um curso de nível superior da PMMT. Após três anos de freqüência as aulas o Aluno
Oficial habilita-se a sua declaração a Aspirante à Oficial PM, dando início ao seu estágio
probatório.

A solenidade militar de formatura do CFO, com a declaração de Aspirante à


oficial, possui a seguinte seqüência:

a) Tropa já formada em seu dispositivo tendo a frente o comandante:

b) Apresentação da Tropa.

O comandante da tropa posiciona-se à frente do palanque ou local onde a


autoridade presidirá a formatura. Após a apresentação da tropa ele retorna ao seu lugar.

c) Entrada dos formandos.

Os formandos darão entrada no dispositivo, sob comando, ocupando o local


central em frente ao palanque oficial, sendo apresentados à autoridade que preside a
solenidade.
96

A tropa formada deverá ser composta pelos demais integrantes do CFO e


efetivo da APMCV.
d) Leitura de texto sobre o curso que se conclui.

Texto sintético que deverá conter a data de seu início, quantidade de alunos,
objetivos, filosofia do ensino, carga horária.

Canto do hino da PMMT.

Leitura da ordem do dia.

A ordem do dia consta às palavras do Comandante do órgão de formação,


contendo uma mensagem aos formandos.

Homenagens.

Podem ser feita homenagens ao Padrinho, Madrinha, Patrono e Paraninfo da


turma de formandos.

Estas homenagens devem ser breves e constar de entrega de lembranças a estas


personalidades, sem falas ou leituras.

Leitura da Ata de conclusão do curso.

Na leitura da Ata deve ser suprimida a citação dos dispositivos legais e de


publicações oficiais. Com relação aos aprovados, citar a classificação e o nome, suprimindo a
nota final de curso. Caso haja bom número de formandos, fazer a leitura dos primeiros
colocados e, em seguida, acrescentar a expressão “segue relação”.

Entrega de Prêmios aos primeiros colocados.

Uma vez lida a Ata de conclusão do curso, o primeiro, segundo e terceiro


colocados ocupam lugar de destaque para receber uma premiação por seus desempenhos no
curso.
97

Entrega de Espadas.

Seriam convidados as madrinhas e padrinhos para entrega de Espadas aos


formandos. Em seguida as madrinhas e padrinhos retornariam aos seus lugares.

Juramento dos formandos.

A Bandeira Nacional se deslocaria em lugar de destaque, para, em seguida ser


prestado o juramento.

O juramento a ser prestado será o seguinte: "Ao ser declarado Aspirante-a-


Oficial da Polícia Militar, assumo o compromisso de cumprir rigorosamente as ordens das
autoridades que estiver subordinado e dedicar-me inteiramente ao serviço policial militar, à
manutenção da ordem pública e à segurança da comunidade, mesmo com o risco da própria
vida".

Desfile dos formandos em continência ao Pavilhão Nacional.

Os formandos prestarão continência individual ao Pavilhão Nacional, seguindo


destino e aguardando em local fora das vistas.

A Bandeira Nacional deve retornar ao seu lugar.

Desfile da tropa em continência a mais alta autoridade presente.

Último fora de forma.

Após o desfile, os formandos retornam a frente do palanque, a comando, para o


último fora de forma.

Segue exemplo de roteiro da solenidade militar de conclusão do CFO.


98

ROTEIRO DA FORMATURA MILITAR DO CFO

Local: APMCV Data: 15 Dez 03 Horário: 1930h

SENHORAS E SENHORES, BOA NOITE!

A PRESENTE SOLENIDADE DESTINA-SE A FORMATURA MILITAR


DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM – TURMA DOM FRANCISCO DE
AQUINO CORRÊA.

(aguardar chegada da mais alta autoridade)

CHEGA AO LOCAL DA FORMATURA O EXCELENTÍSSIMO


SENHOR GUSTAVO DE ALMEIDA – GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO
GROSSO, ACOMPANHADO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORONEL PM
MIGUEL PASSOS DE SÁ – COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO
DE MATO GROSSO, DO SENHOR CORONEL PM FÚLVIO TEIXEIRA DE
FREITAS – COMANDANTE DA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR COSTA
VERDE.

(aguardar autoridades ocuparem o palanque oficial)

SERÃO PRESTADAS HONRAS MILITARES AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar honras e apresentação da tropa)

OS FORMANDOS DA TURMA DOM FRANCISCO DE AQUINO


CORRÊA DARÃO ENTRADA NO DISPOSITIVO.

(aguardar entrada)
99

O 1º TENENTE PM ARIMATÉIA BOM DESPACHO –


COORDENADOR DO 3º ANO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM
APRESENTARÁ OS FORMANDOS AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE
MATO GROSSO.

(aguardar apresentação da tropa)

(realizar leitura de texto sobre o curso)

O CUROS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM É O CURSO DE NÍVEL


SUPERIOR DA POLÍCA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO,
DEVIDAMENTE RECONHECIDO PELO CONSELHO ESTADUAL DE
EDUCAÇÃO, FUNCIONANDO EM REGIME DE INTERNATO AO LONGO DE
TRÊS ANOS.

OS ALUNOS OFICIAIS AO LONGO DESTE TEMPO TÊM CONTATO


COM DISCICPLINAS DAS ÁREAS DE HUMANAS, TÉCNICO-PROFISSIONAIS,
DO DIREITO, DE SAÚDE FÍSICA E MILITARES, COM UM TOTAL DE 4.480
HORAS-AULA.

(após a leitura)

CONVIDAMOS OS PRESENTES A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA


MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DE AUTORIA DO CORONEL PM
ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.

(aguardar canto do hino)

LEITURA DA ORDEM DO DIA.

(realizar leitura)

HOMENAGENS.
100

CONVIDAMOS A OCUPAREM LUGAR DE DESTAQUE SENHORA


JULIA ALBUQUERQUE SOARES – PROCURADORA GERAL DO ESTADO E
MADRINHA DA TURMA; O SENHOR MAURO FERREIRA – SECRETÁRIO
ADJUNTO DE SEGURANÇA PÚBLICA E PARANINFO DA TURMA; E O SENHOR
CORONEL PM KLEBER PESSOA GOMES – DIRETOR DO CENTRO DE
CAPACITAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E PESQUISA DA POLÍCIA MILITAR E
PATRONO DA TURMA.

(aguardar deslocamentos)

PARA FAZER ENTREGA DE HOMENAGENS, CONVIDAMOS O


SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, O SENHOR
COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO
E DA SENHORA NATÁLIA PASSOS – ESPOSA DO COMANDANTE GERAL DA
POLÍCIA MILITAR.

(aguardar entrega de homenagens)

(Cerimonial orienta a entrega e conduz o retorno das autoridades ao palanque


oficial)

LEITURA DA ATA DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE


OFICIAIS PM.

(realizar leitura)

AOS DEZ DIAS DO MÊS DE DEZEMBRO DO ANO DE DOIS MIL E


TRÊS, NA SALA DA DIVISÃO DE ENSINO, DA ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR
COSTA VERDE, REUNIU-SE A COMISSÃO COMPOSTA PELO MAJOR PM
MIGUEL DE PAULA LIMAVERDE – PRESIDENTE, CAP PM JOAQUIM DOS
ANJOS E O 1º TENENTE PM RENATO LOPES DE AGUIAR – MEMBROS,, A FIM
DE AVALIAR O DESMPENHO DOS ALUNOS DO 11º CURSO DE FORMAÇÃO DE
OFICIAIS PM, E SUA APROVAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO FINAL. DANDO INÍCIO
101

AOS TRABALHOS, VERIFICOU-SE QUE O CURSO TEVE INÍCIO EM 12 DE


FEVEREIRO DE 2001, COM 40 ALUNOS MATRICULADOS, APROVADOS NO
CONCURSO PÚBLICO DE EDITAL N.º 019, DE 26 DE JUNHO DE 2000. FORAM
APROVADOS NO 11º CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM, EM ORDEM DE
CLASSIFICAÇÃO OS SEGUINTES ALUNOS OFICIAIS PM: ANDERSON ZEFIRO -
1º LUGAR; MARCO ANTÔNIO DE NOBREGA – 2º LUGAR; MARTA BALTAZAR
CUNHA – 3º LUGAR.

SEGUE RELAÇÃO...

E COMO NADA MAIS HOUVE A TRATAR, DEU O SENHOR


PRESIDENTE POR ENCERRADA A PRESENTE REUNIÃO COM A LAVRATURA
DESTA ATA, QUE DEPOIS DE LIDA E ACHADA CONFORME, VAI ASSINADA POR
TODOS OS PRESENTES.

(após a leitura)

ENTREGA DE ESPADAS AOS PRIMEIROS COLOCADOS.

CONVIDAMOS A OCUPAREM LUGAR DE DESTAQUE OS


FORMANDOS: ANDERSON ZEFIRO - 1º LUGAR; MARCO ANTÔNIO DE
NOBREGA – 2º LUGAR; MARTA BALTAZAR CUNHA – 3º LUGAR

(aguardar deslocamento)

PARA FAZER A ENTREGA DE ESPADAS CONVIDAMOS O SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, O SENHOR SECRETÁRIO DE
ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA E O SENHOR COMANDANTE
DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(Cerimonial orienta a entrega de prêmios e o retorno das autoridades ao


palanque)
102

OS AGRACIADOS RETORNARÃO AOS SEUS LUGARES EM


FORMA.

(aguardar deslocamento)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A FAZEREM ENTREGA DE ESPADAS A SEUS AFILHADOS.

(aguardar entrega)

(Banda executa pout-pourri)

CONVIDAMOS AS SENHORAS MADRINHAS E OS SENHORES


PADRINHOS A RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA
DARMOS PROSSEGUIMENTO A ESTA SOLENIDADE.

(cerimonial orienta a saída de todos)

JURAMENTO DOS FORMANDOS.

A BANDEIRA NACIONAL OCUPARÁ SEU LUGAR NO


DISPOSITIVO.

(aguardar deslocamento)

OS FORMANDOS DA TURMA DOM FRANCISCO DE AQUINO


CORRÊA PRESTARÃO JURAMENTO PERANTE O PAVILHÃO NACIONAL.

(aguardar juramento)

OS FORMANDOS DESFILARÃO EM CONTINÊNCIA AO PAVILHÃO


NACIONAL.
(aguardar desfile em continência)
(formando seguem e aguardam em local fora das vista)
103

A BANDEIRA NACIONAL RETORNARÁ AO SEU LUGAR NA TROPA.

(aguardar deslocamento)

A TROPA DESFILARÁ EM CONTINÊNCIA AO SENHOR


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO.

(aguardar desfile)

(após o desfile)

OS ASPIRANTES À OFICIAL RETORNAM AO DISPOSITIVO PARA O


ÚLTIMO FORA DE FORMA.

(aguardar deslocamento)

O 1º TENENTE PM ARIMATÉIA BOM DESPACHO –


COORDENADOR DO 3º ANO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS PM
SOLICITARÁ PERMISSÃO AO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO
GROSSO PARA DAR O ÚLTIMO FORA DE FORMA DA TURMA DOM
FRANCISCO DE AQUINO CORRÊA.

(aguardar solicitação e comando de Fora de Forma!)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UMA BOA NOITE A TODOS!

8 SOLENIDADE DE AULA INAUGURAL DE CURSOS


104

Todo início de curso na PMMT é marcado por uma solenidade de Aula Magna
ou Aula Inaugural, que tem por objetivo maior dar conhecimento a todos os integrantes da
instituição e a sociedade civil da política de qualificação da PMMT.

Estas solenidades ocorrem em local adequado, geralmente auditórios, com


palestra de autoridade ou intelectual da área de estudo do curso a ser iniciado.

Algumas medidas preliminares são necessárias:

Definir a data, o horário e o local adequado para a solenidade;


Definir a relação de convidados;
Impressão e distribuição dos convites em prazo adequado;
Confirmação da presença de autoridades;
Definir o tema da palestra e o palestrante;
Providenciar curriculum vitae do palestrante;
Definir os participantes;
Organizar com seu cerimonial a recepção às autoridades e a fiel execução
da solenidade;

Para que essas medidas sejam esgotadas de forma organizada, sugerimos a


confecção de um check list ou rol de providências, que pode ser observado no item 1.5 deste
Manual.

Uma vez adotadas as medidas preliminares, definiremos uma seqüência para a


aula inaugural:

Abertura da solenidade.

O Mestre de Cerimônia cumprimenta os presentes informando sobre a


solenidade.
Composição da Mesa de Honra.
105

Observar as autoridades presentes e organizá-las em ordem de precedência, de


acordo com os lugares disponíveis na mesa. Lembrar que o palestrante tem lugar de honra à
direita do presidente da mesa.

Execução do Hino Nacional Brasileiro.

Leitura de texto sobre o curso a ser iniciado.

Texto sintético que deverá conter a data de seu início, quantidade de alunos,
objetivos, filosofia do ensino, carga horária.

Leitura do curriculum vitae do palestrante.

Deve conter nome completo, se militar seu posto ou graduação, naturalidade,


filiação, estado civil; a formação superior e pós-graduação; sua experiência profissional e
atual atividade; suas publicações.

Decomposição da Mesa de Honra para a palestra.

Os demais integrantes da Mesa de Honra retornarão aos seus lugares na platéia


para assistirem à palestra, permanecendo apenas o palestrante e eventual auxiliar para
manuseio de recursos didáticos.

Palestra.

O Mestre de Cerimônia passa a palavra para o palestrante citando o tema que


será desenvolvido.

Retorno dos integrantes da mesa de Honra.

Entrega de Lembrança.
Poderá ser entregue um brinde ou lembrança ao palestrante em agradecimento
a sua palestra.
106

Palavra do Presidente da Mesa de Honra.

O presidente poderá tecer breves comentários sobre o curso que tem início.

Canto do Hino da PMMT.

Encerramento.

Apresentaremos a seguir um exemplo de roteiro para uma solenidade de aula


inaugural.
ROTEIRO DE SOLENIDADE DE AULA INAUGURAL DO 29º CFSd

Local: Auditório do QCG Data: 30 Jun 04 Horário: 0900h

Auditório ocupado e autoridades já presentes.

SENHORAS E SENHORES BOM DIA!

SOLENIDADE DE AULA MAGNA DO 29º CURSO DE FORMAÇÃO


DE SOLDADOS PM, COM A PALESTRA “O PODER PEDAGÓGICO DA
ATIVIDADE POLICIAL”.

DANDO INÍCIO A ESTA SOLENIDADE FAREMOS A COMPOSIÇÃO


DE NOSSA MESA DE HONRA, O QUE CONVIDAMOS A OCUPAR LUGAR:

O EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORONEL PM DANIEL MENDES


CASTRO – COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE
MATO GROSSO, QUE PRESIDIRÁ A MESA DE HONRA.

(aguardar deslocamento)

O SENHOR DOUTOR MARCELO MADUREIRA – PROFESSOR DA


UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO E PALESTRANTE DESTA AULA
MAGNA.
107

(aguardar deslocamento)

O SENHOR CORONEL PM FABIO HENRIQUE SOARES -


COMANDANTE GERAL ADJUNTO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE
MATO GROSSO.

(aguardar deslocamento)

O SENHOR CEL PM LÚCIO VILAVERDE – DIRETOR DO CENTRO


DE CAPACITAÇÃO DESENVOLVIMENTO E PESQUISA DA POLÍCIA MILITAR.

(aguardar deslocamento)

E O SENHOR TENENTE CORONEL PM MÁRCIO DE ALCÂNTARA –


COMANDANTE DO CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE
PRAÇAS DA POLÍCIA MILITAR.

(aguardar deslocamento)

SENHOR PRESIDENTE NOSSA MESA ESTÁ COMPOSTA.

CONVIDAMOS A TODOS OS PRESENTES, PARA QUE DE PÉ


OUÇAMOS A EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL BRASILEIRO.

(aguardar execução)

(leitura de texto sobre o curso)

O 29º CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS PM TERÁ DURAÇÃO


DE SEIS MESES, COM UMA CARGA HORÁRIA TOTAL DE 1.010 HORAS-AULA.
108

FORAM APROVADOS NO CONCURSO PÚBLICO PARA SUA


FREQUÊNCIA 80 CANDIDATOS, QUE SE CLASSIFICARAM AO FINAL DE
EXAMES FÍSICO, PSICOLÓGICO, INTELECTUAL E MÉDICO.

ESTE CURSO DARÁ PRIORIDADE AS DISCIPLINAS HUMANAS E


PROFISSIONAIS, VOLTANDO O FUTURO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO
DA SEGURANÇA DO CIDADÃO.

(após a leitura)

LEITURA DO CURRICUM VITAE DO PALESTRANTE.


O PROFESSOR DOUTOR MARCELO MADUREIRA É NATURAL DE
SÃO GABRIEL – RS, FILHO DE JOÃO ANTÔNIO MADUREIRA E DE ELIZABETE
SÁ MADUREIRA, É CASADO E PAI DE DOIS FILHOS.

FORMOU-SE EM ANTROPOLOGIA PELA PONTIFÍCIA


UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PORTO ALEGRE; É MESTRE EM EDUCAÇÃO
PELA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E DOUTOR EM EDUCAÇÃO PELA
UNIVERSIDADE DA CALÁBRIA NA ITÁLIA.

FOI PROFESSOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA; CONSULTOR


EM QUALIFICAÇÃO DE PROFESSORES DE NÍVEL SUPERIOR DO MINISTÉRIO
DA EDUCAÇÃO; É PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DA
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO E DA ACADEMIA DE POLÍCIA
MILITAR COSTA VERDE.

POSSUI EDITADOS OS LIVROS: “A PEDAGOGIA E FORMAÇÃO DO


CIDADÃO” E “MUDANÇA DE COMPORTAMENTO, O PAPEL FUNDAMENTAL
DA EDUCAÇÃO”.

(após a leitura)
109

CONVIDAMOS OS SENHORES MEMBROS DA MESA DE HONRA A


RETORNAREM AOS SEUS LUGARES NA ASSISTÊNCIA PARA DARMOS INÍCIO
A PALESTRA.

(cerimonial orienta o retorno e mantém o palestrante)

PASSAMOS A PALAVRA AO DOUTOR MARCELO MADUREIRA


PARA A PALESTRA “O PODER PEDAGÓGICO DA ATIVIDADE POLICIAL”.

(aguardar palestra. Cerimonial monitora a solenidade)

CONVIDAMOS OS INTEGRANTES DA MESA DE HONRA A


RETORNAREM AOS SEUS LUGARES.

(aguardar deslocamento)

PARA OS AGRADECIMENTOS AO SENHOR PALESTRANTE,


CONVIDAMOS O SENHOR DIRETOR DO CENTRO DE CAPACITAÇÃO,
DESENVOLVIMENTO E PESQUISA DA POLÍCIA MILITAR.

(aguardar fala)

(cerimonial coordena a entrega de brinde ou lembrança)

(após entrega)

O SENHOR PRESIDENTE DA MESA DE HONRA FARÁ SUAS


CONSIDERAÇÕES SOBRE O EVENTO.

(aguardar fala)

ENCERRANDO ESTA SOLENIDADE CONVIDAMOS OS PRESENTES


A CANTAREM O HINO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO
DE AUTORIA DO CORONEL PM ANTÔNIO AYRES NOGUEIRA NETO.
110

(aguardar canto)

ESTÁ ENCERRADA ESTA SOLENIDADE.

O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE


MATO GROSSO AGRADECE A PRESENÇA DAS AUTORIDADES E CONVIDADOS
QUE ABRILHANTARAM ESTA CERIMÔNIA.

UM BOM DIA A TODOS!

9 VISITA DE AUTORIDADE NA UPM

As UPM rotineiramente recebem em seus aquartelamentos a visitas de


autoridades militares e civis. Receber bem e de forma organizada ajuda a criar uma boa
imagem da instituição e da própria UPM, além disto, é dever do policial militar receber uma
autoridade com toda a deferência que seu cargo ou função impõe.

Algumas medidas preliminares são pertinentes e antecedem a recepção na


UPM:

Limpeza e organização do aquartelamento;


Preparo de pequena exposição sobre a UPM;
Definição de uma rotina para a visita;
Orientação a todos os integrantes da UPM sobre a visita;
Instruir Oficiais para receberem a autoridade;
Treinamento da Guarda do Quartel;
Treinamento da apresentação dos Oficiais;
Confirmação do horário de chegada da autoridade;
Confirmação dos integrantes da comitiva da autoridade visitante;
Informação ao Comandante imediato da visita.

A visita obedecerá a seguinte seqüência:


111

a) Recepção à autoridade.

A recepção será feita na Guarda do Quartel. No caso de autoridades que não


tenham direito a Honras Militares, o Comandante ou um Oficial designado para tal, dará as
boas vindas à autoridade e comitiva e a conduzirá a local destinado a apresentação dos
Oficiais.

Quando se tratar de autoridade que tenha direito a Honras Militares (ver Art.
100, do Decreto n.º 2.243, de 03 Jun 97), a recepção será da seguinte forma:

 No caso da primeira visita da autoridade a UPM será feita recepção


por uma Guarda de Honra, ou quando determinado pelo escalão superior. A recepção pela
Guarda de Honra, trataremos a seguir neste Manual.
 Em outras situações as Honras serão prestadas pela Guarda do
Quartel:

(a) A Guarda formará em linha, dando a direita para a autoridade, com o Comandante,
corneteiro e sentinelas. A autoridade visitante se postará a dez passos da Guarda
formada, aguardando as Honras e o Comandante da UPM se posicionará, no lado de
dentro da UPM, a dez passos da Guarda, tendo o Oficial de Dia a um passo de seu lado
esquerdo a três passos a retaguarda.

(b) Uma vez posicionada, na chegada da autoridade, o Comandante da Guarda


comandará a voz Sentido! Ombro Arma! Será dado o toque de corneta indicativo do posto e
112

função da autoridade. Em se tratando de Oficial General ou Autoridade de mesma


precedência, será comandado de voz Apresentar Arma! e Olhar a Direita! Havendo Banda de
Música seria tocado o exórdio correspondente da autoridade, caso contrário, o corneteiro
executa a marcha batida.
(c) A autoridade militar responde a continência da Guarda e passa silenciosamente por
ela. Em se tratando de autoridade civil esta, após o exórdio desloca-se para o interior da UPM.
(d) Após a passagem da autoridade é comandado a voz, para a Guarda, Olhar em
Frente! Descansar Arma! e Descansar! (apenas os dois últimos no caso de Oficial Superior)

(e) Passando pela Guarda a autoridade é recebida pelo Comandante da UPM que se
apresentará a esta autoridade.
(f) Em seguida o Oficial de Dia apresenta-se a autoridade mencionando se o serviço
está com ou sem alteração.

 A autoridade é conduzida para o Gabinete do Comandante ou outro


local previamente determinado.

b) Apresentação dos Oficiais da UPM.

No Gabinete do Comandante ou outro local previamente preparado, estarão


dispostos os Oficiais da UPM em “U”, tendo o Subcomandante mais à direita e o mais
moderno mais à esquerda.
113

A entrada da autoridade será anunciado pelo Subcomandante: “Presente neste


recinto o (posto, nome e função da autoridade), acompanhado do (posto, nome e função do
Comandante da UPM) e de comitiva”. Em seguida este apresenta os Oficiais prontos.

Após a apresentação o Comandante da UPM fará uma fala de boas vindas,


saudando a autoridade e sua comitiva, passando a apresentação dos Oficiais, que terá início
com a apresentação do Oficial mais antigo feita pelo próprio Comandante da UPM.

Segue-se com a apresentação dos demais Oficiais, que, por ordem de


antigüidade, tomará posição de sentido, dará um passo a frente, fará um giro de cabeça na
direção da autoridade, informando o posto, nome de guerra e função. Em seguida volta o
olhar para frente, dá um passo retaguarda e faz descansar.

Feita a apresentação dos Oficiais da UPM, a autoridade visitante toma a


palavra para seus cumprimentos e apresenta sua comitiva.

c) Exposição das atividades da UPM.

Achando necessário, pode o Comandante da UPM após a apresentação dos


Oficiais, realizar pequena exposição da UPM apresentando os seguintes assuntos: histórico da
UPM, sua organização, efetivo e equipamentos, principais ações de segurança, conclusão.

Para esta atividade permanecem no ambiente, além da autoridade e comitiva,


apenas o Comandante e o Subcomandante e outro Oficial, se necessário, para servir de
monitor da apresentação. Esta exposição não deve exceder a vinte minutos.

Após a apresentação a palavra fica aberta para questionamentos ou


comentários.

d) Visita às instalações da UPM.

Feita a exposição das atividades da UPM, o Comandante conduz os visitantes e


sua comitiva para conhecer as instalações da UPM, os informado das atividades
desenvolvidas por cada setor.
114

e) Confraternização.

Pode o Comandante organizar um pequeno coquetel, um brunch, ou mesmo


um coffee break, em local adequado, para um momento mais informal e de confraternização
entre os Oficiais e comitiva.
f) Entrega de Lembrança.

Assim entendido, em seguida a pequena confraternização e no mesmo


ambiente, pode ser oferecido à autoridade visitante uma lembrança ou brinde da UPM.

g) Despedida da Autoridade.

Será realizada em dois momentos. A primeira consta da despedida aos Oficiais da UPM,
que se posicionarão em linha, próximo a Guarda da UPM, do mais moderno para o mais
antigo, para os cumprimentos da autoridade e sua comitiva. O Comandante da UPM
acompanha a autoridade.

A despedida seguinte consta das Honras Militares correspondentes e seria


realizada pela Guarda da UPM, da seguinte forma:

 O Comandante despede-se da autoridade e de sua comitiva, em


seguida todos se posicionam para as Honras da Guarda da UPM.
 A Guarda formará em linha, dando a direita para a autoridade, com o
Comandante, corneteiro e sentinelas. A autoridade visitante se postará a dez passos da Guarda
115

formada, aguardando as Honras e o Comandante da UPM se posicionará a um passo de seu


lado esquerdo e três passos a sua retaguarda.

 Uma vez posicionada o Comandante da Guarda comandará a voz


Sentido! Ombro Arma! Será dado o toque de corneta indicativo do posto e função da
autoridade. Em se tratando de Oficial General ou Autoridade de mesma precedência, será
comandado a voz Apresentar Arma! e Olhar a Direita! Havendo Banda de Música seria
tocado o exórdio correspondente da autoridade, caso contrário, o corneteiro executa a
marcha batida.
 A autoridade militar responde a continência da Guarda e passa
silenciosamente por ela. Em se tratando de autoridade civil esta, após o exórdio desloca-se
para fora da UPM.
 Após a passagem da autoridade é comandado a voz, para a Guarda,
Olhar em Frente! Descansar Arma! e Descansar! (apenas os dois últimos no caso de Oficial
Superior)
 A autoridade e comitiva embarcam e seguem destino.

10 GUARDA DE HONRA

Trata-se de uma tropa formada especialmente para homenagear uma


autoridade, podendo formar a qualquer hora do dia ou da noite. A Guarda de Honra formará
sempre na primeira visita da autoridade ao aquartelamento, ou quando determinado pelo
escalão superior.

São as seguintes as autoridades que têm direito a Guarda de Honra:


116

1. Presidente da República;
2. Vice-Presidente da República;
3. O Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal nas sessões de
abertura e encerramento de seus trabalhos;
4. Chefes de Estado Estrangeiros e Embaixadores;
5. Ministros de Estado;
6. Oficiais Generais das Forças Armadas;
7. Governadores de Estado e do Distrito Federal;
8. Comandante Geral da Polícia Militar e Corpos de Bombeiros Militares
dos Estados.

A Guarda de Honra forma em linha e será composta por Banda de Música,


Comandante, corneteiro, símbolo, Estado Maior (somente no efetivo Batalhão), três
Companhias ou três Pelotões (se efetivo Batalhão ou Companhia). Para as autoridades listadas
do número 1 ao 4, a Guarda de Honra terá o efetivo de um Batalhão ou equivalente; para as
demais autoridade o efetivo será de uma Companhia ou equivalente.

A Guarda de Honra só faz continência ao Hino Nacional e às autoridades


hierarquicamente superiores ao homenageado, para as autoridades de posto superior ao do seu
Comandante ou à passagem de tropa com efetivo igual ou superior a um Pelotão, toma a
posição de "sentido".

A Guarda de Honra forma quando determinado pelas seguintes autoridades:

 Superior hierárquico, dentro da cadeia de comando, ao Comandante da


UPM que recepciona a autoridade homenageada;
 Pelo próprio visitante, quando se tratar da sua primeira visita ou
inspeção a UPM que lhe é subordinada;
 Pela mais alta autoridade militar local; e
 Pelo Presidente da República, pelo Ministro da Defesa, pelo
Comandante do Exército, pelo Governador do Estado ou pelo Comandante Geral da PMMT,
em caráter excepcional, para homenagear outras autoridades não especificadas neste Manual.
117

Passamos a descrever como se forma e executa as homenagens uma Guarda de


Honra:

a) A Guarda de Honra deve estar formada próximo do local de chegada da


autoridade homenageada, que se aproximará por seu lado direito. O Comandante da UPM
recepciona a autoridade e a orienta até o local de seu posicionamento, previamente marcado,
para receber as homenagens.

b) As distâncias a serem seguidas.

Para Guarda de Honra efetivo Companhia:


 da Banda de Música para o Comandante – 10 passos;
 do Comandante para o corneteiro – 1 passo;
 do corneteiro para o símbolo – 2 passos;
 do símbolo para a Bandeira Nacional – 10 passos;
 da Bandeira Nacional para o Pelotão – 10 passos;
 entre os Pelotões – 3 passos.

Para Guarda de Honra efetivo Batalhão:


 da Banda de Música para o Comandante – 10 passos;
 do Comandante para o corneteiro – 1 passo;
 do corneteiro para o símbolo – 2 passos;
 do símbolo para o Estado Maior – 3 passos;
 do Estado Maior para a Bandeira Nacional – 10 passos;
 da Bandeira Nacional para a Companhia – 10 passos;
 entre as Companhias – 10 passos.
118

c) O Estado Maior somente entrará em forma quando a Guarda de Honra for


composta por efetivo Batalhão.

d) Uma vez a autoridade posicionada em local indicado no terreno, serão dados


os comandos, a corneta, de Sentido! Ombro Arma! O toque indicativo do posto e função da
autoridade, o comando de Apresentar Arma! e Olhar a Direita! Em seguida a Banda de
Música executa o exórdio correspondente.

e) Para o Comandante Geral da PMMT, o comando de Apresentar Arma! Não


será dado, por tratar-se de Oficial Superior.

f) Após o exórdio o Comandante da Guarda de Honra, sai de forma em atitude


marcial e dirigi-se até a autoridade para a apresentação e convite para passá-la em revista. O
Comandante faz alto três passos a frente da autoridade, perfila espada, abate espada,
apresenta-se dizendo seu posto e nome de guerra:“Capitão PM Juvenal”. Em seguida perfila
espada e informa o motivo da apresentação: “Guarda de Honra pronta para revista!”.

g) Em seguida com espada perfilada, o Comandante, posiciona-se dois passos à


direita e dois a retaguarda da autoridade. A Banda de Música toca um dobrado na cadência de
100 passos por minuto, tendo início a revista. As demais autoridades que acompanham o
homenageado dirigem-se direto para o palanque oficial e o Comandante da UPM dirige-se até
o final da Guarda de Honra pela sua retaguarda.

h) Os integrantes da Guarda de Honra acompanham com o giro de cabeça na


passagem da autoridade.

i) À frente da Bandeira Nacional a autoridade e o Comandante da Guarda de


Honra param para saudá-la e prestar a continência regulamentar.

j) A três passos depois do dispositivo, em local sinalizado, termina a revista. O


Comandante volta-se para a autoridade, abate espada e declina seu posto e nome de guerra:
“Capitão PM Juvenal”, perfila espada e informa a autoridade do motivo da apresentação:
“Revista da Guarda de Honra encerrada”.
119

k) A autoridade é então conduzida pelo Comandante da UPM, que já a


aguardava naquele local, até o palanque oficial para receber a continência em desfile da
Guarda de Honra.

l) Será dado os comandos, pelo corneteiro que se deslocou pela retaguarda da


Guarda de Honra, de Olhar em Frente! Ombro Arma! Descansar Arma! e Descansar!

m) O Comandante da Guarda de Honra retorna ao seu lugar em forma e manda


executar os comandos de Sentido! Ombro Arma! (aguarda a mudança de direção da Bandeira
Nacional e sua Guarda) e Ordinário Marche!

n) A Guarda de Honra faz a conversão necessária e desfila em continência a


autoridade homenageada.

o) A autoridade homenageada pode dispensar o desfile da Guarda de Honra.

p) Excepcionalmente e com a devida antecedência, a autoridade homenageada,


em coordenação com a autoridade competente para determiná-la, pode dispensar a Guarda de
Honra.

q) Salvo determinação em contrário, a Guarda de Honra não forma na retirada


do homenageado.

11 RECEPÇÃO E DESPEDIDA DE OFICIAL

Em qualquer UPM a chegada de novo Oficial para servir em seus quadros,


bem como a saída do Oficial deve ter tratamento especial, por representar uma mudança
profissional em ambos os casos.

A solenidade de recepção é uma oportunidade do Oficial ser apresentado aos


demais Oficiais integrantes da UPM e destes em conhecê-lo.
120

A despedida do Oficial deve ser o momento de agradecimentos pela


colaboração daquele Oficial nas atividades desenvolvidas na UPM ao longo de sua
permanência.

11.1 RECEPÇÃO DE OFICIAL

Uma vez transferido para a UPM, deve o Oficial apresentar-se ao


Subcomandante da UPM que o levará a presença do Comandante, que receberá sua
apresentação determinando a sua recepção formal na UPM.

Deverá o Subcomandante determinar a presença de todos os Oficiais da UPM


na recepção e ao chefe da P-1 que providencie o curriculum vitae do Oficial apresentado, para
ser lido naquela oportunidade.

A solenidade de recepção a Oficiais terá a seguinte seqüência:

a) Os Oficiais da UPM, sob o comando do Sub-comandante posicionam-se no


Gabinete do Comandante ou outro local determinado, adotando a formação em “U”, tendo o
mais antigo à direita. O Comandante será informado e se deslocará para o local acompanhado
do Oficial que está sendo recepcionado.
121

b) A entrada do Comandante da UPM será anunciada pelo Subcomandante:


“Presente neste recinto o (posto, nome e função do Comandante), acompanhado do (posto,
nome do Oficial recepcionado)”. Em seguida este apresenta os Oficiais prontos.

c) Após a apresentação o Comandante da UPM faz uma fala de boas vindas


saudando o Oficial recepcionado.

d) Passo seguinte o P-1 faz a leitura do curriculum vitae do Oficial


recepcionado.

e) Ato contínuo faz-se a apresentação dos Oficiais, que terá início com a
apresentação do oficial mais antigo feita pelo próprio Comandante da UPM.

f) Segue-se com a apresentação dos demais Oficiais, em que o Oficial


recepcionado dirigi-se a cada Oficial, apresentando-se aos Oficiais mais antigos e recebendo a
apresentação dos mais modernos, um a um.

h) Feita a apresentação dos Oficiais da UPM, o Oficial recepcionado pode


fazer uso da palavra para seus cumprimento e apresentar suas considerações.

i) Por fim o Subcomandante comanda Atenção! E anuncia a retirada do


Comandante do recinto, encerrando a solenidade.

11.2 DESPEDIDA DE OFICIAL

Sendo o Oficial transferido da UPM, o Comandante deve informar a este de


sua nova UPM que irá servir e determinar ao Subcomandante que agende a solenidade de
despedida daquele Oficial transferido.

A juízo, pode o Comandante redigir referência elogiosa ao Oficial transferido,


a ser lida na solenidade de despedida pelo P-1, bem como mandar providenciar uma
lembrança ou brinde da UPM para ser entregue ao Oficial transferido.

A solenidade de despedida de Oficiais terá a seguinte seqüência:


122

a) Os Oficiais da UPM, sob o comando do Subcomandante posicionam-se no


Gabinete do Comandante ou outro local determinado, adotando a formação em “U”, tendo o
mais antigo à direita. O Comandante será informado e se deslocará para o local acompanhado
do Oficial que está sendo transferido.

b) A entrada do Comandante da UPM será anunciada pelo Subcomandante:


“Presente neste recinto o (posto, nome e função do Comandante), acompanhado do (posto,
nome do Oficial recepcionado)”. Em seguida este apresenta os Oficiais prontos.

c) Após a apresentação o Comandante da UPM faz uma fala de despedida e


agradecimento ao Oficial transferido.

d) Passo seguinte o P-1 faz a leitura da referência elogiosa consignada pelo


Comandante ao Oficial transferido.

e) Segue-se com a apresentação dos Oficiais, em que o Oficial transferido


dirigi-se a cada Oficial, apresentando-se aos Oficiais mais antigos e recebendo a apresentação
dos mais modernos, um a um.

f) Ato contínuo, pode o Comandante fazer entrega de um brinde ou lembrança


ao Oficial transferido, podendo ainda designar outro Oficial presente para este fim.
g) Feita a apresentação dos Oficiais da UPM, o Oficial transferido pode fazer
uso da palavra para suas considerações.
123

h) Por fim o Subcomandante comanda Atenção! E anuncia a retirada do


Comandante do recinto, encerrando a solenidade.
124

REFERÊNCIAS

 BRASIL. Decreto nº 2.243 de 03 de junho de 1997 – Dispõe sobre o Regulamento de


Continência, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas.

 BRASIL. Decreto nº 70.274 de 09 de março de 1972. Estabelece Normas do


Cerimonial Público e a Ordem Geral de Precedência.

 BRENNAN, Lynne e BLOCK, David. Etiqueta no Mundo dos Negócios. São Paulo:
Siciliano, 1994.

 EXÉRCITO BRASILEIRO. Portaria nº 088 de 08 de março de 2001. Aprova o Vade-


Mécum de Cerimonial Militar do Exército - Honras de Recepção e Despedida de
Autoridade na OM (VM 03).

 EXÉRCITO BRASILEIRO. Portaria nº 316 de 04 de julho de 2001. Aprova o Vade-


Mécum de Escolta de Honra e Salvas de Gala (VM 06).

 EXÉRCITO BRASILEIRO. Portaria nº 522 de 15 de outubro de 2001. Aprova o Vade-


Mécum de Cerimonial Militar do Exército – Prática de Cerimonial e Protocolo (VM
07).

 EXÉRCITO BRASILEIRO. Portaria nº 594 de 30 de outubro de 2000. Aprova o Vade-


Mécum de Cerimonial Militar do Exército - Guarda de Honra (VM 01).

 EXÉRCITO BRASILEIRO. Portaria nº 595 de 30 de outubro de 2000. Aprova o Vade-


Mécum de Cerimonial Militar do Exército - Passagem de Comando (VM 02).
125

 EXÉRCITO BRASILEIRO. Portaria nº 249 de 28 de maio de 2001. Aprova o Vade-


Mécum de Cerimonial Militar do Exército – Guarda–Bandeira (VM 04).

 LINS, Augusto Estellita. Etiqueta, Protocolo & Cerimonial. São Paulo: Linha
Gráfica, 1991.

 SEBRAE. Etiqueta & Cerimonial – Manual do Participante. Projeto SEBRAE-


IDEAL. Fase II. [s. ed.], 1997.