You are on page 1of 8

Bulário

Alcachofra – O chophytol é obtido do extrato purificado de folhas frescas da Cynara


scolymus (alcachofra), e tem potente ação antitóxica para o fígado, aumentando o fluxo
biliar em até 3 vezes. Estimula a urogênesis hepática, portanto aumentando a diurese e a
concentração de uréia nos rins.Dosagem 200 a 1000 mg/dia.

Ácido Gama-Linolênico (GLA) - O ácido gama-linolênico (GLA) e o ácido linoleico, que


são ácidos precursores da prostaglandina E, estão presentes no óleo de prímula que é um
fitoterápico obtido da semente da “Evening of primrose”.

Ácido Omega 3 – O ácido Ômega3 quimicamente é um ácido graxo Ômega 6, formado no


organismo a partir do ácido linolóico. Pode aumentar os níveis de gordura marrom através
da função da enzima Na/K ATPase, que controla a taxa do metabolismo gorduroso, tem
ações antinflamatórias, antiespasmódicas, antiinfecciosas, melhora do sistema imune, alivia
a síndrome da tensão pré-menstrual, reduz o níveis de LDLcolesterol, diminui a agregação
plaquetária. Dosagem 1,0 gr 3 vezes ao dia.

Agar-agar – O Agar-agar (Gracilaria Edulis) é um fitoterápico indicado como moderador


do apetite.

Biotina - Também denominada vitamina H ou coenzima R, é uma das vitaminas mais


estáveis do complexo B. Desempenha papel fundamental na síntese dos ácidos graxos,
assim como DNA e RNA.
Foi descoberta através de sintomas de deficiência em indivíduos ingerindo clara de ovo
crua, a qual possuí uma proteína denominada avidina que se liga à biotina no estômago,
bloqueando-lhe a absorção intestinal.
Alguns trabalhos sugerem que indivíduos diabéticos, recebendo megadoses de biotina
melhoram seu quadro clínico.
Propriedades funcionais: Atua no metabolismo dos carboidratos, proteínas e lipídios. Tem
excelente atividade anti-oxidante.Alivia eczemas e dermatites, agindo em sinergia
com as vitaminas A, B2, B6 e niacina (B3).

Cafeína (Coffea arábica L.) – Dosagem de 300 mg/dia.

Carqueja – Baccharis genistelloides - A carqueja é utilizada como tônico estomacal, anti-


diarréico e no tratamento da prisão de ventre. Sua ação se faz estimulando as funções
gástricas, hepáticas e intestinais. Dosagem: 1,0 a 4,0 gr/dia.

Castanha da Índia - O extrato da castanha da índia (Aesculus Hippocastanus L) contém


vários princípios ativos, incluindo esculosídeos (heterosídeos cumarínicos), saponinas
terpênicas (Escina) e bioflavanóides (Quercetina, Campferol e Esculina).

Os derivados cumarínicos agem nos distúrbios vasculares periféricos e nos edemas


protéicos, retiram as proteínas do interstício e promovem a drenagem linfática. A escina
atua sobre os distúrbios vasculares periféricos e sobre o edema. Os bioflavanóides possuem
ação antiinflamatória, por inibirem o ciclo da lipoxigenase e cicloxigenase. Como resultado
destas funções, não há liberação dos principais mediadores inflamatórios (prostaglandinas e
leucotrienos), com redução da permeabilidade capilar, redução da inflamação e da dor.
Indicações: A castanha da Índia tem indicação nos casos de edemas vasculares crônicos
conseqüente a varizes e na cosmetologia no tratamento das celulites.

Cavalinha – Planta da família das Equisetáceas cujas partes utilizadas são os caules.
Contêm uma baixa proporção de ácido silícico (esta proporção aumenta com a idade da
planta), vestígios de alcalóides como a nicotina e a equisetina, glicosídeos, flavonas e
saponinas. É uma erva adstringente, curativa que age principalmente no sistema genito-
urinário e controla hemorragia interna e externa. O caule da cavalinha constitui um dos
componentes principais das tisanas diuréticas, tendo ao mesmo tempo como efeito reduzir a
transpiração excessiva. Tem igualmente uma ação anti-inflamatória. Simples ou em
mistura, a cavalinha exerce uma ação eficaz contra a arteriosclerose e como hemostático
quer interno quer externo (hemorragias nasais, por exemplo). É também adicionado aos
gargarejos contra as laringites, às compressas e lavagens de feridas que cicatrizam
dificilmente, de erupções cutâneas, de úlceras. Dosagem:1,0 a 3,0 gramas/dia.

Centelha asiática - Hydrocotyle asiatica - A centelha asiática regula o tecido conjuntivo,


por ativar a síntese de colágeno no nível dos fibroblastos, aumentando a incorporação de
lisina e prolina nas proteínas melhorando a molécula de colágeno, e melhorar a circulação
de retorno venoso ao coração. Esta regulação é sentida nos processos regenerativos e de
cicatrização.Seus princípios ativos são:ácido tânico, ácido asiático, ácido madecassólico,
asiaticoideos e velarin. Indicada nos processos varicosos e ulceras de estase. Dosagem: 170
mg de 1 a 8 vezes/dia durante 3 meses. Após este período fazer uma pausa de 30 dias para
então reinciar o tratamento. Arapia MR, Forrone R, Amitreno M, Neppor LG – Effecters of
Centelha asiática extract on mucopolysaccaride metabolism in subjects with varise veins.
Int J Clin Pharmacol Res. 10(4):229-33,1990.

Maquort FX, Bellon G, Gilery P, Wegrpwskiy – Stimulation of ocllagen synthesis in


fibroblast cultures by a triterpene extracted from centelha asiática. Commecttissue Res.
24(2):107-20,1990.

Chitosana - O Chitosan é um suplemento dietético de origem animal, derivado N


deacetilado da chitina, um polissacarídeo contido na cutícula de crustáceos e insetos e da
parede celular de alguns tipos de fungos. A estrutura química do Chitosan, polímero de
glicosamina, é similar ao da celulose de fibras dietéticas. Não é hidrolisado por enzimas
digestivas, além de ser um polímero catiônico com grupos amínicos, que conferem
propriedades especiais diferenciadas em relação a outras fibras.
Estudos têm demonstrado a atividade hipocolesterolêmica do Chitosan, sugerindo sua
eficácia como auxiliar no controle do excesso de gordura das dietas e prevenção de doenças
arterioscleróticas. O Chitosan diminui significativamente os níveis séricos de colesterol
total, enquanto aumenta os níveis de HDL. O mecanismo pode estar relacionado com o
aumento da excreção de ácido biliar.
O Chitosan inibe a capacidade do organismo de absorver o excesso de gordura. A alta
densidade de cargas positivas do polímero do Chitosan faz com que as moléculas de
gordura provenientes dos alimentos, por serem de natureza negativa, sejam atraídas,
resultando numa ligação molecular que bloqueia a absorção de gordura pelo organismo
durante a digestão, ou seja, diminui a digestão da gordura, que é eliminada pelas fezes. O
Chitosan aumenta o volume fecal em quase duas vezes e também a excreção fecal de
gordura sem causar diarréia.
É proposto um mecanismo de inibição da digestão de gordura por Chitosan, que envolve
tanto um estágio estomacal como intestinal. No estômago, o Chitosan é dissolvido no meio
ácido, sendo misturado à gordura por sua grande capacidade de emulsificação. Esta mistura
passa então ao intestino, onde a emulsão gordura Chitosan precipita no intestino delgado a
um pH de 6,0 a 6,5. Muitas cadeias de polissacarídeos formam um agregado que aprisiona
as pequenas gotículas de óleo que passa pelo lúmen intestinal e é excretado nas fezes.
Dosagem usual: 1,5 a 3,0 g por dia, via oral, meia hora antes de cada refeição.
Referência:
1. 1. Knorr d. – Use of chitinous polymers in food technology. 85-95,1984.
2. 2. Kanauchi O, Deuchi K, Imasato Y et al.- Mechanism for the inhibition of fat
digestión by chitosan and for the synergistic effect of ascorbate. Biosci. Biotech.
Biochen. 59(5):786-790,1995.
3. 3. Maezaki Y, Tsuji K, Nakagawa T et al. – Hypocholesterolemic effect of chitosan
in adult males. Biosi. Biotech. Biochen 57(9):1439-1444,1993.

Chorella Pyrenoidosa - A chorella é uma alga unicelular encontrada em tanques e lagos,


com grande habilidade de realizar fotossíntese. Descoberta pelos japoneses, tradicionais
consumidores de algas, é utilizada como complemento alimentar produzindo aumento de
energia logo após o seu uso, levando a enorme sensação de bem estar físico geral.
A chorella é composta de 55 a 75 % de proteínas, 15 a 20 % de carboidratos, 1 a 5 % de
lipídeos e 1 a 3 % de fibras.
A chorella é indicada como complemento alimentar para suprir as deficiências energéticas,
atuando sobre tudo no metabolismo energético hepático. As suas proteínas são quase que
integralmente aproveitadas pelo organismo, bem como a clorofila e magnésio que são
transportados em elementos fundamentais pelo sangue.
A presença de cálcio a indica como auxiliar no tratamento de fraturas e osteoporose. Seu
alto teor de fósforo proporciona uma melhor atividade energética cerebral.
Em sua composição esta presente 18 aminoácidos essenciais importantes na síntese
protéica.
Por ser um alimento completo (Ver tabela de composição) é indicado nos casos de
convalescença e como apoio ao tratamento de obesidade, fornecendo naturalmente
elementos essenciais que podem ficar ausentes nos regimes alimentares, além de provocar
uma sensação de saciedade quando ingerido antes das refeições.

Dosagem: cápsulas de 280 mg – 1 a 4 cápsulas 3 vezes por dia.

Citrin extrat - O Citrin Extract é obtido dos frutos de plantas do sul da Ásia e da África
tropical, que contém o Ácido Hidroxicítrico como principal ativo. o Ácido Hidroxicítrico
(na forma de hidroxicitrato) é um inibidor efetivo da síntese de ácidos graxos. Isto se dá
pela interrupção do fornecimeno de Acetil Coenzima A (Acetil CoA), elemento essencial no
processo de biossíntese de ácidos graxos (unidade fundamental dos triglicerídeos e lipídios
polares) e colesterol.
Durante o processo natural, a Acetil CoA é formada na mitocôndria, mas não passa através
da membrana mitocondrial, a menos que reaja com oxaloacetato para dar citrato. Na forma
de citrato migra ao citosol da célula (fora de mitocôndria), sendo clivado pela enzima
citrato liase em Acetil CoA e oxaloacetato. Dessa forma, o oxaloacetato novamente retorna
à motocôndria na forma de certos intermediários e a Acetil CoA transportada para o exterior
da mitocôndria, fica disponível entre outras coisas, à síntese lipídica, quando sob condições
nutricionais de uma dieta rica em carboidratos. Isto resulta em acúmulo excessivo de
triglicerídeos no tecido adiposo e no sangue, causando desordens como obesidade e
hipertrigliceridemia, respectivamente.
Na presença de Citrin Extract (Hidroxicitrato), a clivagem reversa do citrato no citosol
(para gerar Acetil CoA) é inibida. O Hidroxicitrato, devido à sua similaridade estrutural
com o citrato, se "ancora" à citrato liase (mecanismo de competição), ma não pode ser
crivada como citrato, e permanecendo no sítio ativo da enzima, bloqueia sua atividade.
Sendo assim, nenhum citrato é clivado, e conseqüentemente, nenhuma Acetil CoA é
sintetizada, portanto, não ocorre a síntese de ácidos graxos, evitando o acúmulo indesejado.
A concentração de citrato aumenta e sua migração, a partir da mitocôndria, cessa.
O Citrin Extract também causa uma redução de apetite. Acredita-se que isso se deve à
alteração do fluxo metabólico, resultante do desvio de carboidratos (da dieta) e seus
metabólicos da síntese lipídica, como descrito acima. Portanto, o Citrin Extract apresenta
uma vantagem, pois atua à nível metabólico, não a nível de sistema nervoso central, ao
contrário dos anorexígenos clássicos.

Dosagem usual: 1,0 g três vezes ao dia, via oral, na primeira semana e 500 mg, três vezes
ao dia na semanas subsequentes.

Colina – A colina, na forma de fosfatidil colina, pode aumentar a produção hepática de


lecetina, e através desta diminuir os níveis de colesterol total. Ao contrário, a silimarina,
muito usada no combate aos radicais livres e no tratamento dos distúrbios hepáticos, pode
inibir a síntese de lecitinas hepáticas diminuindo o catabolismo e prejudicando o
emagrecimento.

Cromo – O cromo em sua forma trivalente, juntamente com niacina, glicina, cistina e ácido
glutâmico, forma parte do FTG (fator de tolerência a glicose).Melhora a absorção da
glicose, tomando-a mais disponível para seu uso energético (metabolismo catabólico),
diminuindo o metabolismo anabólico. Também promove a normalização dos estoques de
gordura, melhorando a sua utilização para formação de energia, podendo aumentar os
níveis de HDL-colesterol. As doses usuais são de 200 mcg diários.

DHEA (Dehidroepiandrosterona) - Em 1977, Yen et al. relataram que a DHEA oral reduzia
o ganho ponderar em ratos geneticamente obesos, sem afetar a ingestão de alimentos; desde
então, um efeito antiobesidade da DHEA tem sido confirmado em animais de laboratório .
A DHEA também demonstrou uma variedade de ações metabólicas favoráveis, incluindo o
efeito antidiabetogênico. Esta melhora pode se refletir no aumento da sensibilidade do
adipócito à insulina, provavelmente causado pelo decréscimo do tamanho do adipócito.
DHEA Interfere no depósito de gordura, pode prevenir e reverter algumas formas de
diabetes, pode aumentar as funções do sistema imune, pode proteger contra infecções, pode
ser um quimioterápico contra o câncer, melhora os sintomas da artrite reumatóide, pode
estimular a função cerebral. As doses utilizadas variam de 25 a 1 00 mg diários.

Ephedra(Ma-Huang) – A ephedra (Ephedra sinica Stapf ) é um fitoterápico estimulante do


sistema nervoso central, podendo ser usado com adjuvante no tratamento da obesidade.
Dosagem: 1200 mg 2 a 3 vezes/dia.
Fenil-alanina - A fenilalanina é um aminoácido essencial, que através da enzima
hidroxilase é transformado em tirosina. Nesta reação a vitamina C e o ácido fólico tem
papel fundamental ativando a enzima hidroxilase.
A deficiência da enzima hidroxilase causa fenilcetonúria, com aumento do ácido
fenilpirúvico, fenil-lático e fenil acético, que são substâncias tóxicas.
A fenilalanina se transforma nos neuro transmissores adrenalina, noradrenalina e dopamina.
Por atravessar a barreira hemato-encefálica e compete com o triptofano e a tirosina.
Obs. nos obeso com depressão substituir açúcar por aspartame, que contém em sua fórmula
o ácido aspártico e a DL – fenilalanina.
A fenilalanina participa na síntese de MELANINA, por tanto, é contra indicado no
melanoma e indicado no vitiligo.
Chocolate é rico em fenilalanina e triptofano.

Fucus – Fucus vesiculosus -É uma alga do gênero feofícea, do grupo laminariáceas, que
são colhidas na maré baixa e deixadas secas ao sol. São algas microscópicas que quando
rehidratadas aumentam o seu tamanho em até 10 vezes, sendo esta propriedade muito
explorada com fins terapêuticos com agente dilatador de canais e trajetos fistulosos.O fucus
vesiculosus atua como estimulante da glândula tireóide, sendo indicado para o tratamento
da obesidade e hipotireoidismo. Estas propriedades devem-se ao alto poder de fixação do
iodo do mar por estas algas. Dosagem 1 a 2 gramas diárias.

Garcinia - Compostos como o ácido hidroxicítrico (HCA), presentes na Garcínia


cambogia diminuem a produção e o armazenamento de gordura. São importantes pela sua
capacidade de reduzir a síntese de gordura no organismo. Inibem a enzima ATP-citrato
liase, que diminui a formação de acetil coenzima A, importante no metabolismo dos
hidratos de carbono, o apetite é controlado, o consumo de alimentos reduzido e a
termogênese pode ser até aumentada. Usualmente administra-se de 1500 mg a vários
gramas, divididos em várias doses.

Glucomannam - O gluconannam (Amorphallus konjac)é um fitoterápico que pode ser


utilizado nos regimes para emagrecimento, pois diminui a fome por provocar uma sensação
de saciedade. Ajuda a manter os níveis de açúcar normal sem altas variações nos níveis
sangüíneos. Reduz as taxas de colesterol e triglicérides. Dosagem de 1,2 gr a 2,4 gr/dia.
Tomar com 2 copos de água 1 hora antes das refeições.

Goma-Guar - O Goma-guar é um produto obtido da semente triturada da planta


Cyamopsis tetragonolobus, que é originária da Índia e Paquistão, onde é usada como
alimento há mais de 1000 anos.
O Guar quando ingerido com líquidos proporciona uma sensação de plenitude gástrica,
inibindo naturalmente a fome. Por ser um alimento rico em fibras (pectina e gomas)
promove uma diminuição da absorção do colesterol e dos carboidratos, auxiliando no
controle da hipercolesterolemia e diabéticos.
Pelo exposto concluísse que este fitoterápico pode ser utilizado no controle da obesidade,
da hipercolesterolemia e do diabetes.
Dosagem: cápsulas de 500 mg.
Iniciar com 2 cápsulas, com líquidos, 1 hora antes das refeições. Caso não seja suficiente
pode-se utilizar 5 cápsulas com 2 copos de águas 1 hora antes das refeições.
Como reação adversa pode ocorrer flatulência, diarréia e constipação se a quantidade de
água ingerida com o Guar for insuficiente. Frias ACD – Efeitos do goma guar (Cyamopsis
tetragonoloba) sobre a ingestão de alimentos, lipidemia e glicemia em ratos normais e
diabéticos. Campinas 1994 Tese (Doutor).
Gymnema sylvestre - A gymnema sylvestre é uma planta da família Asclepiadaceae,
natural das florestas tropicais das áreas central e sul da Índia e também na África. Seu uso
já fora descrito, como diurético adstringente, tônica, estimulante cardíaca, circulatório e
urinário, entre outras. Pesquisas mais específicas, no entanto, demonstraram que as folhas
da Gymnema silvestre, possuem entre outras substâncias, o ácido Gimnêmico,
farmacologicamente ativo, responsável pelas propriedades hipoglicemiantes, antidiabéticas
e adaptogêníca da planta. A Gymnema silvestre é, portanto, capaz de reduzir a concentração
de glicose, mediada por estímulo direto à liberação de Insulina, ou estímulo de um ou mais
hormônios entéricos, responsáveis pelos sinais lnsulinogênicos, promovendo assim,
conseqüente liberação de insulina. A Gymnema silvestre é indicada como um nutriente
auxiliar em Indivíduos obesos, particularmente aqueles que desenvolveram a diabetes tipo
II. Melhorando a sensibilidade do organismo à insulina e corrigindo a resistência a insulina,
a Gymnema silvestre pode reduzir a gordura corporal e aumentar a termogênese,
mecanismo auxiliar na perda do excesso de peso. Além disso, o efeito insulinatrópico da
Gymnema, pode levar a um efeito redutor do apetite, incluindo a diminuição do apetite por
doces. Dosagem: 150m/dia, divididas em 2 vezes.

Lecitina de soja – A soja (Glycine Max) leguminosa anual nativa do sudoeste da Ásia.
A lecitina de soja contém cerca de 50% de proteínas e 25% de lipídeos, como: ácidos
graxos, triglicérides, fósforo, inositol e colina. Funciona como emulsificante, conservando
as gorduras em suspensão, evitando a formação de depósitos que restringem a circulação
sangüínea. Por tanto, protege o organismo dos problemas cardiovasculares, da
aterosclerose, diminui os níveis lipídeos alterados, e as funções hepáticas. Dosagem 500 a
3000 mg/dia.
Obs. As leguminosas são mais de 13000 espécies de plantas, muitas das quais utilizadas
como alimentos. Todas as leguminosas têm a capacidade de converter o nitrogênio da
atmosfera em compostos adequados para a síntese de proteínas. Essa capacidade é dada por
possuírem a bactéria Rhizobium nos nódulos da raiz, cuja função é de fixar o nitrogênio.
Carrol KK, Kurowska M – Soy consumption and cholesterol reduction: Review of animal
and human studies. The journal of nutrition 125(3): 5945-5975,1995.
Forsythe WA – Soy protein, thyroid regulation and cholesterol metabolism. The journal of
nutrition, 125(3): 6195-6236,1995.
L-arginina – A L arginina é uma aminoácido que estimula o sistema imune, promove a
cicatrização de feridas, ajuda a regeneração hepática, além de favorecer a liberação do
hormônio de crescimento, quando combinada com a lisina.
A utilização de 1200 mg de arginina combinada com 1200 mg de lisina, que é um
aminoácido similar à ornitina, permite a liberação de quantidades biologicamente ativas de
hormônio de crescimento, pois sem a presença da lisina a quantidade de hormônio liberado
é bem menor. Porém, a lisina não pode ser administrada concomitantemente com a
arginina, pois elas se neutralizam. Para evitar este fato a administração da lisina deverá ser
feita com intervalo de 60 horas da administração da arginina.
A partir da L-arginina sob a ação da enzima óxido nítrico sintetase (NOS) ocorre a
formação do óxido nítrico que tem inúmeras funções nos sistemas, cardiocirculatório,
reprodutor e de defesa do organismo.

L- carnitina – A carnitina é um dipeptídeo, formado por dois aminoácidos: metionina e


lisina. A L-carnitina pode ser sintetizado endogenamente, por vias metabólica que requerem
vitamina C, piridoxina (vita B6), niacina (Vita B3), ferro e metionina. Seu papel principal é
o de biocatalizador. Pode agir na remoção do "lixo" das mitocôndrias e aumentar a taxa de
oxidação das gorduras do fígado. Entre outros benefícios, reduz a fadiga. É usada em
tratamento e profilaxia de aterosclerose, aumenta o HDL-colesterol, diminui o LDL-
colesterol e os triglicérides. Reduz os níveis de cetona no sangue. Pode melhorar a função
hepática em casos de alcoolismo, e o metabolismo das gorduras.
Por carregar gordura no interior das células para funcionar como fonte de energia, é
utilizada como precursora da gordura marrom.
Utilizada em doses que variam de 500 a 1000 mg/dia em administrações fracionadas.

L-glicina – A L-glicina é uma amino-ácido que promove a liberação do hormônio de


crescimento, podendo, também, ser usado também, sendo um componente importante da
glutationa peroxidase.

L-glutamina – A L-glutamina na dosagem de 1500 a 3000 mg/dia promove a diminuição


da compulsão por doce. A gymnema é um fitoterápico com capacidade de produzir
glutamina.

L-ornitina – A L-ornitina é uma amino-ácido que age como quelante dos radicais livres, e
favorecer a liberação do hormônio de crescimento.

L-tirosina – A L-tirosina é um aminoácido que auxilia no controle da depressão e


ansiedade, age como supressor do apetite e como antioxidante leve, além de promover a
liberação do hormônio de crescimento. A L-tirosina é precursora dos hormônios
tireoideanos e pode ajudar ainda a corrigir hipotireoidismos leves.

Metionina - A metionina é um amino ácido relacionado com a proteção hepática.


Dosagem: 500 a 3000 mg/dia.
A metionina tem o mesmo grupamento sulfidrílico da Cisteína, este fato torna impossível a
associação destes dois aminoácidos em uma única formula, pois não ocorrerá absorção dos
mesmos.
Óleo De Prímula - O óleo de prímula é um fitoterápico obtido da semente da “Evening of
primrose”, constituído de ácido linoleico e ácido gama-linolênico (GLA) que são
ácidos precursores da prostaglandina E.
O GLA é muito importante para a manutenção do equilíbrio metabólico, porém apresenta-
se bastante escasso nos atuais hábitos alimentares da população, sobre tudo infantil. Por ser
uma fonte natural de GLA, o óleo de prímula é recomendado nos distúrbios causados pela
deficiência de óleos graxos insaturados no organismo, que causam a tensão nervosa,
aumento da taxa de colesterol, afecções de pele e distúrbios causados pelo alcoolismo.
O óleo de prímula é indicado para a tensão pré-menstrual, Cefaléia, Imunomodulador e
adjuvante no tratamento da obesidade. Dosagem 500 mg 2 a 3 vezes/dia.

Psilium (Plantago psyllium L.) – Indicado para o tratamento de constipação crônica, colites
e hemorróidas. Dosagem: 5 a 15 gramas/dia.

Silimarina - A silimarina é um bioflavanóide extraído da fruta de Silymbum marianum


muito utilizado na Europa por suas propriedades colagogas, coleréticas, antialérgicas e
estimulante do sistema circulatório.
Bastante indicada no tratamento dos distúrbios hepáticos e no combate a hepatotoxicidade
causada pelos radicais livres (peroxidação lipídica).
Por sua natureza fenólica, a Silimarina e seu isômero, a Silibinina, são antioxidantes
capazes de reagir com numerosos radicais livres, incluindo radicais hidroxila, formando
compostos mais estáveis e menos reativos. Tem sido demonstrado que a Silimarina inibe a
peroxidação lipídica nos microssomas e mitocôndrias dos hepatócitos.
A silimarina pode inibir a síntese de lecitinas hepáticas e diminuir o catabolismo. Sua
função detoxicante pode ser observada em trabalhos experimentais, onde a Silimarina foi
capaz de antagonizar a inibição da síntese de fosfolípides induzida pelos agentes tóxicos.
Dosagem de 100 a 400 mg/dia.
Leng-Peschlow E – Uso medicinal e propriedades de flavolignanas de Silybum marianum
(Silimarina). Phytotherapy research Vol 10, 1996.
Spirulina – A spirulina é uma microalga muito utilizada como complemento alimentar de
cálcio, vitamina e sais minerais, sobretudo nas dietas para emagrecimento. Dosagem: 1,0 a
2,0 gramas/dia.