You are on page 1of 12

1

MIOCROCHETAGEM NA TENDINITE DE OMBRO NO


MÚSCULO SUPRAESPINHAL

Iricélia de Souza Lopes1


celia.vicentelopes@hotmail.com
Dayana Priscila Maia Mejia²
Pós-graduação em Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia com ênfase em Terapia Manual pela Faculdade
Ávila (Formação do Professor).

Resumo

Este artigo é uma revisão bibliográfica e aborda que a tendinite do supraespinhal é uma
queixa comum em clínicas de fisioterapia. A necessidade de proporcionar um breve retorno,
principalmente às atividades laborais, tem despertado o interesse de acadêmicos e
profissionais sobre novas abordagens. Dentre os diversos recursos terapêuticos indicados para
o tratamento de disfunções do sistema músculo esquelético, a diafibrólise percutânea, como
também é chamada a crochetagem, técnica muito utilizada em clínicas de fisioterapia no Rio
de Janeiro. Este estudo tem como objetivo descrever as causa da tendinite do supraespinhal e
a crochetagem como tratamento para esta lesão e é justificado pelo grande número de
indivíduos acometidos pela disfunção e pelo crescente interesse deste tratamento em tendinites.
O método utilizado foi a revisão bibliográfica, que levantou as origens da crochetagem, suas
influências e as bases fisiológicas que inspiraram a criação e a evolução da técnica. Ao fim do
estudo pôde-se verificar uma coerência entre os efeitos fisiológicos descritos e a forma pela
qual se propõe alcançá-los. Concluiu-se que a crochetagem é uma abordagem adequada
principalmente para o ganho de arco de movimento nos casos crônicos e pode ser associada a
outros recursos terapêuticos. Ficou evidente, entretanto, que faltam estudos controlados
capazes de demonstrar, na prática, a eficiência do tratamento da tendinite do supraespinhal
utilizando a diafibrólise percutânea.

Palavras-chave: Tendinite; Supraespinhal; Crochetagem.

1. Introdução

A tendinite do supraespinhal pode acometer indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades,


sejam eles atletas ou não, sendo que o estágio de evolução clínica, com exceção do sexo, será
determinado pelos fatores acima citados. Movimentos repetitivos do braço acima da cabeça no
gestual desportivo ou laboral podem gerar a impactação da tuberosidade maior do úmero nas
estruturas presentes no espaço subacromial. Dentre estas estruturas, encontra-se o tendão do
músculo supraespinhal, que tem como função garantir a estabilização do ombro e evitar a
impactação na abdução. Este mecanismo de lesão caracteriza-se por um ciclo vicioso que
compromete a mobilidade e a funcionalidade do membro superior que pode evoluir com
inflamação e posterior ruptura do tendão.
Diversas abordagens terapêuticas são indicadas para a reabilitação desta doença como, por
exemplo, os recursos da eletrotermoterapia. Dentre os recursos de terapia manual empregados
no tratamento da tendinite do supraespinhal, a crochetagem, ou diafibrólise percutânea se
destaca pelo crescente interesse despertado em profissionais e pela difusão da sua terapêutica
em diversas clínicas de fisioterapia no tratamento de disfunções do aparelho locomotor. Os

1
Pós-graduanda em Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia com ênfase em Terapia Manual pela
Faculdade Ávila.
² Orientadora.
2

efeitos fisiológicos proporcionados pelo uso da crochetagem são benéficos, pois contribuem
para recuperar o arco de movimento, aliviar a dor e restaurar a funcionalidade do membro
superior. Por ter a capacidade de quebrar aderências e corpúsculos fibrosos, gerar reação
histamínica pela hiperemia profunda e orientar a deposição de fibras colágenas, acredita-se que
a crochetagem é um recurso indicado, sendo que outros podem ser associados na otimização do
tratamento.
A diafibrólise percutânea foi desenvolvida pelo fisioterapeuta sueco Kurt Ekman após anos de
trabalho com o Dr. James Cyriax, foram criados ganchos, que permitiam um maior alcance
palpatório, e elaborada uma técnica chamada de crochetagem. Posteriormente foram
incorporados conceitos da osteopatia e cadeias musculares, tornando o tratamento menos
sintomático e mais abrangente.
Este trabalho tem o objetivo de descrever a tendinite do supraespinhal, e o tratamento desta
disfunção pelo uso da crochetagem. Para isto foi utilizado um trabalho de revisão de literatura
que abrangeu além das características clínicas da lesão, a história, as bases fisiológicas e a
aplicação da crochetagem na tendinite do supraespinhal.

2. Referencial Teórico

2.1 Osteologia

Os ossos que formam a estrutura do complexo do ombro são: o esterno, a clavícula, a escápula
e o úmero (GARDNER, GRAY e O`RAHILLY, 1988), formam um conjunto funcional que
permite unir o membro superior ao tórax (CALAIS-GERMAIN,1992).
O esterno é uma longa e estreita placa óssea mediana na parte anterior do tórax. Possui duas
incisuras claviculares, uma de cada lado da incisura jugular, escavada para receber a
extremidade superior da clavícula (DÂNGELO e FATTINI, 2000).
A clavícula é um osso curto e cilíndrico que se estende entre o esterno e a escápula (CALAIS-
GERMAIN, 1992), cuja face superior é lisa e suas extremidades diferem-se: a medial, que se
articula com o esterno, é globosa, enquanto a lateral é achatada, e se articula com a escápula.
Os dois terços mediais mostram convexidade anterior, pois a clavícula deve adaptar-se à
curvatura anterior da caixa torácica, ao passo que o terço lateral é de convexidade posterior
(GARDNER, GRAY e O`RAHILLY, 1988).
A escápula é um osso laminar que apresenta um corpo triangular com duas formações bem
salientes, a espinha e o processo coracóide. A face anterior do corpo adapta-se à curvatura
posterior da caixa torácica e por esta razão é côncava e denominada face costal. O acrômio se
articula com a clavícula e as bordas medial, lateral e superior delimitam as margens da escápula
formando os ângulos superior lateral e medial. O ângulo lateral corresponde à junção das
bordas lateral e superior. Neste ponto ele se espessa para formar a cabeça da escápula onde se
forma a cavidade glenóide, côncava, rasa e que recebe a cabeça do úmero. A espinha da
escápula divide a face posterior em duas partes desiguais. A parte superior, menor, juntamente
com a face superior da espinha forma a fossa do supraespinhal. A parte inferior, maior,
juntamente com a face inferior da espinha constitui a fossa infraespinhal. As duas fossas se
comunicam lateralmente, por meio da incisura espinoglenoidal. A espinha da escápula se
expande lateralmente para formar o acrômio e na verdade é uma lâmina que apresenta lábios
superior e inferior bem proeminentes para fixação de músculos (GARDNER, GRAY e
O`RAHILLY, 1988, DANGELO E FATTINI,2000 e DALLEY e MOORE, 2001).
O úmero é um osso longo que se articula superiormente com a cavidade glenóide da escápula e
inferiormente com os ossos do antebraço, rádio e ulna. Na extremidade proximal do úmero
identifica-se a cabeça do úmero, superfície articular lisa e arredondada que se articula com a
cavidade glenóide da escápula. A cabeça está voltada superior, medial e posteriormente e se
separa do restante da extremidade proximal por um sulco anular, o colo anatômico e em vista
3

anterior, duas projeções podem ser identificadas, o tubérculo maior e o tubérculo menor, este
último é antero medial. Estas duas massas ósseas, destinadas à fixação dos músculos, estão
separadas pelo sulco intertubercular (DÂNGELO e FATTINI, 2000)

2.1.1 Artrologia

A região do ombro é formada por três articulações sinoviais- esternoclavicular,


acromioclavicular e glenoumeral- e uma articulação fisiológica, a escapulotorácica. O espaço
subacromial também foi considerado como articulação fisiológica por alguns autores como
Neer (1995). Conforme Andrews, essas articulações, juntamente com os ligamentos, o
manguito rotador e os motores primários da extremidade superior devem trabalhar em uníssono
para produzir as várias amplitudes de movimento possíveis na articulação do ombro.. A
disfunção de uma dessas articulações ou estruturas pode resultar em função limitada ou lesão
do complexo do ombro (ANDREWS, HARRELSON e WILK, 2000).
A articulação esternoclavicular é do tipo sinovial, em sela (Calais-German, 1992 e Andrews,
Harrelson e Wilk, 2000). A extremidade medial da clavícula adapta- se à incisura clavicular do
manúbrio esterno, esta adaptação não é perfeita, pois a extremidade medial da clavícula é
globosa e a incisura do manúbrio é relativamente rasa e estreita. Para corrigir esta má adaptação
a cápsula articular que envolve a juntura é reforçada por ligamentos capsulares. Estes
ligamentos e o disco articular, fixado por um lado a clavícula e por outro na primeira
cartilagem costal, impedem um deslocamento medial da clavícula. Funcionalmente é a única
articulação que conecta o ombro ao tórax (GOULD, 1993, DÂNGELO E FATTINI, 2000 e
DALLEY e MOORE, 2001).
A articulação acromioclavicular é formada pela extremidade lateral da clavícula e pelo acrômio
sendo classificada por Andrews, Harrelson e Wilk, (2000) como uma articulação sinovial
plana, Segundo Dângelo e Fattini (2000), sua cápsula articular não é robusta e, além disto, o
plano da juntura é oblíquo de modo que a clavícula tende a sobrepor-se ao acrômio. Para
garantir estabilidade e evitar a sobreposição, o ligamento córaco clavicular estende-se entre a
clavícula e o processo coracóide. Este ligamento está constituído de duas partes, o ligamento
conóide e o trapezóide.
Conforme afirma Dângelo e Fattini (2000), a articulação escapuloumeral é do tipo sinovial,
esferóide e triaxial, sendo formada pela cabeça do úmero e cavidade glenóide. Segundo
Andrews, Harrelson e Wilk (2000), é a mais móvel e menos estável de todas as articulações do
corpo humano. A cápsula articular é relativamente fina e bastante frouxa, contribuindo para a
mobilidade e a falta de estabilidade articular (GARDNER, GRAY e O`RAHILLY, 1988,
DANGÊLO e FATTINI, 2000 e DALLEY e MOORE, 2001). O labrum, ou lábio glenoidal, é
uma orla fibrocartilaginosa, que circunda e aprofunda a cavidade glenóide, serve como fixação
entre a cápsula articular e a reborda glenóide e funciona como superfície articular para a cabeça
do úmero durante o movimento do ombro (NEER, 1995, 2000, HAMMER 2000 e Hebert
2003). A estabilidade da articulação é garantida essencialmente pelos ligamentos e músculos do
manguito rotador (NEER, 1995). Segundo Andrews, Harrelson e Wilk (2000), a cápsula
apresenta espessamentos anteriores que são identificados como ligamentos escapuloumerais
superior, médio e inferior, esses ligamentos formam um Z sobre a cápsula articular. Cada
porção fica tensa e constitui um freio para certos movimentos do úmero, com todas as porções
ficando tensas na rotação externa.
A cápsula articular escapuloumeral estende-se superiormente para incluir o tubérculo
supraglenoidal e a fixação do tendão da porção longa do bíceps braquial. Este tendão é mantido
em sua posição no sulco intertubercular pelo ligamento transverso. Os ligamentos coracoumeral
e coracoacromial participam diretamente, junto dos músculos do manguito rotador, da
estabilização da articulação. O ligamento coracoumeral estende-se entre o processo coracóide e
o tubérculo maior do úmero. Por sua vez o ligamento coracoacromial forma um arco sobre a
4

articulação do ombro, juntamente com a parte horizontal do processo coracóide e o acrômio.


Este “arco coracoacromial” está separado da articulação do ombro pelo tendão do músculo
supraespinhal e para permitir o livre movimento deste tendão, uma bolsa sinovial subacromial
situa-se entre o arco e o tendão do músculo supraespinhal. Além de fazer com que os tendões
do supraespinhal e da porção longa do bíceps braquial deslizem suavemente por debaixo do
acrômio, esta bolsa proporciona nutrientes para os músculos do manguito (NEER, 1995,
KAPANDJI, 2000 e SIZÍNIO, 2003).
A articulação escapulotorácica não é uma articulação anatômica verdadeira, trata-se de uma
articulação fisiológica que flutua livremente sem contenções ligamentares, exceto onde gira ao
redor da articulação acrômioclavicular (HEBERT,2003). A função essencial do movimento
escapular consiste em orientar a fossa glenóide para um contato ideal com o braço e
proporcionar uma base estável de apoio para o deslizamento e o rolamento controlado da
superfície da cabeça do úmero. Cinco músculos controlam diretamente a escápula: o trapézio os
rombóides, os levantadores da escápula, o serrátil anterior e, em menor grau, o peitoral menor.
Esses músculos agem sincronicamente, proporcionando mobilidade e estabilidade à articulação
escapulotorácica (HAMMER, 1999).
O arco coracoacromial também é considerado uma articulação fisiológica por proporcionar
proteção contra o traumatismo direto das estruturas subacromiais e prevenir a luxação superior
da cabeça do úmero. Esta estrutura é limitada pelo acrômio e pela articulação acromioclavicular
superiormente, pelo processo coracóide anteriormente e pelo manguito rotador e a grande
tuberosidade da cabeça do úmero inferiormente. As estruturas de tecidos moles, como os
tendões do supraespinhal e do infraespinhal, localizadas entre as duas bordas articulares,
correm o risco de sofrer lesões por impacto quando há mecânica anormal ou traumatismo da
articulação glenoumeral. O espaço entre a cabeça do úmero e a face inferior depende da
posição do braço, sendo que diminui quando o braço alcança 90º de abdução (GARDNER E
GRAY, 1998, KAPANDJI, 2000, e HEBERT, 2003).

2.1.2 Manguito Rotador

Os músculos supraespinhal, infraespinhal, redondo menor e subescapular formam o manguito


rotador. Seus tendões se fundem à cápsula articular glenoumeral reforçando e contribuindo
significativamente para a estabilidade dinâmica da articulação glenoumeral. Os músculos do
manguito rotador têm duas funções; rotação e estabilização articular. A função primária dos
músculos estabilizadores consiste em comprimir a cabeça do úmero dentro da cavidade
glenóide e neutralizar as grandes forças de cisalhamento geradas pelos motores primários
(grande dorsal, redondo maior, deltóide e peitoral). Alguns autores também consideram que a
porção longa da cabeça do bíceps atua, também, como estabilizador da cabeça do úmero na
cavidade glenóide, porém este músculo não faz parte do manguito rotador, que se caracterizam
pela pequena distância entre as origem e inserções (NEER, 1995, HAMMER, 2000,
GREENMAN 2001).
O músculo supraespinhal se origina na fossa supraespinhal da escápula, passa pelo arco
coracoacromial e se insere no tubérculo maior do úmero, sendo suprido pelo nervo
supraescapular do tronco superior do plexo braquial. Trata-se de um abdutor primário do
ombro, que evita a impactação do úmero no espaço subacromial causada pelo deltóide. O
infraespinhal se origina na fossa infraespinhal da escápula e se insere no tubérculo maior do
úmero. É inervado pelo supraescapular do tronco superior do plexo braquial e a sua ação é a
rotação lateral do úmero. O redondo menor se origina na borda lateral da escápula (2/3
superiores) e se insere no tubérculo maior do úmero. O nervo axilar, fascículo posterior do
plexo braquial é responsável por este rotador lateral do úmero. O músculo redondo maior, se
origina na face costal da escápula (1/3 inferior) e se insere na crista do tubérculo menor do
úmero, é inervado pelos nervos subescapulares do fascículo posterior do plexo braquial e a sua
5

ação é a rotação medial. A origem da porção longa do bíceps braquial é o tubérculo


supraglenoidal e a inserção é a tuberosidade do rádio e, através da aponeurose do bíceps na
fáscia do antebraço, sendo inervado pelo nervo musculocutâneo do fascículo lateral do plexo
braquial (GOULD, 1993, DÂNGELO E FATTINI, 2000, KAPANDJI, 2000 e SIZÍNIO, 2003).

2.1.3 Vascularização do Supraespinhal

No âmbito geral existe grande diversidade de opiniões sobre a vascularização de tendões.


Estudos histológicos do tendão do supraespinhal não demonstraram qualquer evidência de
alguma avascularidade desta estrutura. A “zona crítica” do manguito rotador corresponde à
zona de anastomose entre os vasos ósseos e tendíneos e a idade, parece não representar
influência decisiva na morfologia vascular da estrutura (GOLDIE e MOSELEY, 1963).
Andrews, 2000, relacionou alguns autores que realizaram pesquisas sobre a vascularização do
tendão supraespinhal: Lindblom em 1939 defendeu a avascularidade na inserção do
supraespinhal no tubérculo maior. Rathbun, Macnab (1970) e Sigholm (1998) propuseram dois
mecanismos que podem comprometer o fluxo sanguíneo para o supraespinhal, a abdução e a
flexão. Matzen e Arntz, (1990), interpretaram estes achados como insuficientes para comprovar
a “zona crítica” do ombro. Brewer (1979) relatou que o suprimento sanguíneo no tendão
diminui com a idade.
O músculo supraespinhal recebe a sua irrigação sanguínea da massa muscular e a “área crítica
de Codman”, localizada ligeiramente próxima à inserção do músculo supraespinhal, é o local
onde a patologia degenerativa do manguito se inicia (HEBERT, 2003). Essa área é
hipovascularizada conforme diversos estudos, especialmente de Mc Nab (1994), já que ela se
encontra continuamente comprimida entre o acrômio e a tuberosidade maior do úmero.

2.2 Biomecânica do Ombro

2.2.1 Ritmo Escapuloumeral

Em 1934, Codman inicialmente referiu que a abdução do úmero a 180º necessita que a
clavícula, a escápula e o úmero atuem em um padrão de interação ao longo de toda a amplitude
do movimento. Ele descreveu o seguinte ritmo que existe ao longo da abdução, 10º de abdução
acontecem na articulação glenoumeral e 5º de abdução acontecem como consequência do
movimento escapular, lateral, anterior e superiormente.
A importância da rotação escapular superior para a fossa glenóide torna-se óbvia quando está
sendo investigado o ritmo escapuloumeral. Durante os primeiros 30º a 50º de abdução do
úmero ou flexão, a escápula está em fase de estabelecimento, mas move-se lateralmente. O
movimento é localizado na glenoumeral, mas após 50º de abdução a escápula rola em relação a
um eixo fixo através de um arco de aproximadamente 65º, conforme o ombro alcança elevação
completa. Na maioria dos atletas de lançamento este movimento está numa razão de 2:1 entre
abdução glenoumeral e uma rotação escapulotorácica (GOULD, 1993). No plano escapular o
movimento escapuloumeral totaliza 3:2 com uma razão de 4:1 durante os primeiros 30º de
abdução do úmero e de 5:4 durante a abdução restante (JOBE et AL, 1983 e HAMMER,2000).
Mcquade e Smidt (1998) consideraram o cálculo dos coeficientes de ritmo quando o braço
estava carregado, afirmando que: “Cargas leves no ombro causaram um aumento do ritmo
escapolumeral (movimento escapular reduzido) de 3,1:1 para 4,3:1 conforme o braço foi
elevado. Cargas pesadas no ombro resultaram num ritmo escapuloumeral aumentado de 1,9:1
para 4,5:1 conforme o braço foi elevado.”
A articulação glenoumeral contribui com 60º a 120º para a abdução do ombro, dependendo da
rotação do úmero. Os 60º restantes são proporcionados pela elevação escapular. Ainda
Andrews (2000), sustenta que durante os primeiros 30º de abdução glenoumeral, é irrelevante a
6

contribuição da elevação escapular, além de não ser coordenada com o movimento do úmero. É
conhecida como fase de acomodação, durante a qual a escápula procura uma posição de
estabilidade sobre a parede torácica em relação ao úmero (ANDREWS, HARRELSON e
WILK, 2000).
Foram descritas três fases de abdução. Na primeira o supraespinhal e o deltóide agem em
sinergismo, vai até os 90º, quando a tuberosidade maior do úmero impacta contra a margem
superior da glenóide. A segunda fase exige um movimento pendular da escápula, que dirige a
glenoide diretamente mais para cima, a amplitude deste movimento é de 60º. Nesta fase há
rotação longitudinal, do ponto de vista mecânico, das articulações esternoclavicular e
acromioclavicular, cuja amplitude de movimento é de 30º cada uma. A terceira fase vai de 150º
a 180º, e é necessário que a coluna vertebral participe deste movimento para chegar à vertical
(KAPANDJI, 2000).

2.3 Abordagem Fisioterapêutica

Segundo Gould (1993), a chave para a reabilitação repousa em uma eficiente e contínua
avaliação da lesão, da pessoa e das atividades exercidas. A dor é a mais frequente queixa
relatada pelos pacientes com doenças no ombro. Deve-se investigá-la quanto: Ao início
(insidioso, repentino ou quadro doloroso crônico), ao tipo (dor surda, contínua ou não, aguda,
latejante ou em agulhada) e a sede (localizada ou difusa,irradiada). Na história clínica deve- se
avaliar se há relação da dor com movimento ou com a posição do membro superior nas
atividades diárias habituais. Deve-se também relacionar micro-traumas de repetição e esforços
mais intensos feitos no trabalho, lazer e no esporte (HEBERT, 2003).
Exames clínicos, através dos testes específicos, palpação e exames complementares de 76
ombros com suspeita de síndrome do impacto com resultado positivo foram comparados ao
achados de artroscopia destes mesmos ombros. O resultado foi a confirmação do diagnóstico,
demonstrando que o exame clínico é um método avaliativo não invasivo eficaz para a síndrome
do impacto (MALKI e KHAN, 2005).
A palpação do músculo supraespinhal, seu tendão e inserção foram descritas por Tixa (2000),
podendo ser dolorosa dependendo da gravidade da lesão. O músculo supraespinhal é palpável
acima da espinha da escápula, através do músculo trapézio. Hammer, 2000, sugere a flexão
lateral e a rotação conta lateral da cabeça a fim de reduzir a atividade do trapézio e facilitar a
palpação do supraespinhal. A abdução do braço permite percebê-lo melhor sob os dedos. A
inserção umeral do supraespinhal pode ser palpada com o ombro em rotação medial e
retropulsão (a face dorsal da mão e a face posterior do antebraço são colocados nas costas). A
faceta superior do tubérculo maior do úmero, sobre a qual se insere a estrutura tendinosa
pesquisada, é palpável na frente do acrômio. A fossa supraespinhal da escápula, situada na face
posterior da escápula dá inserção ao músculo supra espinhal e deve ser palpada também (TIXA,
2000).
Por muitos anos, Dr. Cyriax se deparou com imagens radiográficas que não condiziam com a
queixa e a sintomatologia do paciente, nesses casos reinava uma incerteza em relação ao
distúrbio. Este fato despertou no médico a consciência de que nenhum método satisfatório
parecia existir para testar a função dos tecidos móveis radiotranslucentes, tais como a cápsula
articular, ligamentos, fáscias, músculos, tendões, bursas, discos, a bainha dural, raízes nervosas
e etc. Devido a esses fatores, Dr. Cyriax desenvolveu uma metodologia que consiste da
avaliação em torno da função de cada tecido móvel, obtendo respostas positivas e negativas
para selecionar a tensão, formando um dado padrão cuja análise tem como base a anatomia
aplicada. Em 1942, após 12 anos de estudo e prática da medicina ortopédica Dr. Cyriax
concluiu que movimentos ativos testam articulações e músculos; movimentos passivos testam
apenas as articulações; movimentos resistidos testam somente os músculos. Atualmente seus
7

ensinamentos ainda são aplicados e aperfeiçoados, e podemos fazer sentir a sua influência nos
testes para síndrome do impacto e para a tendinite do supraespinhal.
Os testes específicos para a síndrome do impacto foram citados por Hammer (1999). O teste de
impactação de Neer, tem o paciente sentado enquanto o examinador fica de pé, atrás do
paciente, com uma mão na escápula, com pressão descendente para prevenir a rotação da
mesma. O ombro é levado à abdução máxima, provocando dor anterior já que a pressão do
tubérculo maior está sendo forçada contra o acrômio anterior ou o arco coracoacromial. Este
teste agrava a irritação da bolsa ou tendão supraespinhal, sendo considerado positivo se houver
dor nos últimos 10º a 15º de abdução. No teste de Hawkins o ombro e o cotovelo do paciente
são fletidos em 90º. O examinador roda o braço medialmente ao máximo enquanto estabiliza a
escápula. Este teste faz o ligamento coracoacromial impactar a inserção do supraespinhal e o
tubérculo maior.
O teste para tendinite do supraespinhal consiste na isometria do braço em 90 graus no plano
escapular com os polegares virados para cima, diminuindo a atividade do infraespinhal e
evitando-se a impactação subacromial, que poderia reduzir a segurança do teste (HAMMER,
1999).
Os exames complementares indicados para o diagnóstico de síndrome do impacto são a
ultrasonografia e a radiografia, esta deve revelar artrose acromioclavicular e redução de espaço
subacromial. A ultrasonografia apresenta uma imagem hipoecogênica no tendão e perda de
padrão fibrilar, acompanhado de calcificações intratendíneas hiperecogênicas, podendo
aparecer calcificações nas enteses. Uma área anecóica significa ruptura do tendão (CERRI e
SERNIK, 1999).

2.4 Crochetagem

O fisioterapeuta sueco Kurt Ekman trabalhou com o médico inglês James Cyriax, na Inglaterra,
nos anos pós segunda guerra mundial. Durante este período observou que os recursos
terapêuticos utilizados no tratamento de diversas desordens do sistema músculoesquelético
apresentavam limites palpatórios, inclusive a massagem de fricção utilizada por Cyriax. A
partir daí, Ekman criou uma série de 10 instrumentos denominados “crochets”, em forma de
ganchos, que poderiam mobilizar estruturas anatômicas com maior eficiência, e uma técnica de
trabalho específica, a qual foi ensinada para alguns colegas entre eles os Drs. Burnotte e Duby.
Os conceitos de osteopatia e cadeias musculares foram então aplicados á crochetagem,
contribuindo para uma abordagem da lesão mais suave e menos sintomatológica de tendinites,
epicondilites, fascites nevralgias e outras disfunções de tecidos moles (BURNOTTE e DUBY,
1988).
Aplicação - Com o paciente em decúbito ventral, libera-se a porção superior e inferior do
trapézio, os rombóides e o grande dorsal. Libera-se também o deltóide posterior, redondo
maior e menor e principalmente o triângulo dos redondos que se localiza na região posterior da
axila e o tríceps. Em decúbito dorsal, crocheta-se o peitoral maior e menor, o sulco delto-
peitoral, o bordo superior e inferior da clavícula, as fibras anteriores do deltóide e a porção
longa do bíceps.
A técnica de terapia manual proporciona um tratamento completo e eficaz em um curto tempo
de duração.
A terapia manual através da gama de técnicas e a compreensão de sua base fisiológica, permite
maior flexibilidade no tratamento de um grande número de doenças, segundo Souza (2002).
A terapia manual comporta uma série de técnicas, em poucas sessões e por haver um pequeno
número de contra indicações.
A técnica de Crochetagem, sendo de baixo custo e fácil deslocamento do material a ser
empregado, traz resultados competitivos com as demais existentes, na Fisioterapia, segundo
Peixoto (2003).
8

E ainda sua utilização proporciona uma rápida reabilitação do paciente, pois um indivíduo que
está com sua saúde física prejudicada, quanto mais imediata à reabilitação, mais rapidamente
este retomará suas atividades profissionais e não será afetado em seu convívio dentro da
sociedade. O breve retorno às atividades faz com que o paciente não seja prejudicado
socialmente por um tratamento duradouro.
Segundo Guimarães (2007), [...] com a Crochetagem, por se tratar não só a articulação e sua
doença de base, mas também de toda a musculatura peri-articular; promovendo a inibição do
quadro álgico, recuperação significativa na amplitude de movimento.
De acordo com Berteges (2007), a crochetagem é uma técnica de fácil aplicabilidade e com
resultados rápidos e satisfatórios. Tem demonstrado ser muito eficaz no tratamento da pubalgia
[...]. A associação da crochetagem a outras técnicas pode potencializar o tratamento.
Pode ainda ser combinada a outras técnicas fisioterapêuticas, manuais ou
eletrotermofototerápicas se tornando um complemento para o tratamento.
Segundo Kiffer (2004), é importante ressaltar, que a técnica de Crochetagem é apenas mais um
valioso recurso utilizado nas terapias manuais, e a associação da mesma com outros recursos,
tanto manuais, como eletro-termo-terápicos são de extrema importância para melhor efeito do
tratamento no paciente, já constitui uma importante ferramenta de trabalho para os
fisioterapeutas no futuro.
Para Aquino (2007) a crochetagem apresenta-se como forma de tratamento eficaz para
quebra de aderências provocadas pelas adaptações posturais sofridas pelo uso de notebook,
sendo ainda complementada pela mobilização neural, que atua na melhoria da condução do
impulso nervoso.
O tratamento fisioterapêutico utilizando a técnica de crochetagem pode trazer benefícios para
pacientes portadores de neuralgia.
De acordo com Rocha (2005), em decorrência das frequentes cefaléias causadas pela neuralgia
do nervo occipital maior, a intervenção fisioterapêutica através do uso da técnica de
crochetagem é de extrema importância na prevenção de dor na cervical que gere incapacidade
de desempenho nas atividades diárias.

3. Metodologia

Este estudo é de origem bibliográfica, utilizando para sua elaboração, livros e artigos que
abordem o tema proposto.
A metodologia corresponde às técnicas e meios usados na pesquisa que possibilita sua
conclusão com êxito. Segundo Marconi e Lakatos (2001, p.105) “a especificação da
metodologia da pesquisa é a que abrange maior numero de itens, pois responde, a um só tempo,
às questões como?, com quê?, onde?, quanto?” Ainda com Marconi e Lakatos (2001):
Toda pesquisa implica o levantamento de dados de variadas fontes, quaisquer que sejam os métodos ou técnicas
empregadas. Os dois processos pelos quais se podem obter os dados são a documentação direta ou indireta
(MARCONI e LAKATOS, 2001, p.43).
É sabido que toda e qualquer classificação de pesquisas se faz mediante algum critério. Em
relação às pesquisas, é usual a classificação com base em seu objetivo geral. Assim, é possível
classificar as pesquisas em três grandes grupos: exploratórias, descritivas ou explicativas.
De acordo com Gil (2009 p.41-43):
As pesquisas explicativas possuem com preocupação central identificar os fatores que determinam ou que
contribuem para a ocorrência dos fenômenos. Esse é o tipo de pesquisa que mais aprofunda o conhecimento da
realidade, pois explica a razão, o porquê das coisas. Por isso mesmo, é o tipo mais complexo e delicado, já que o
risco de cometer erros aumenta consideravelmente.
A metodologia de um trabalho é a parte onde se descreve os procedimentos a serem seguidos
durante a realização da pesquisa. A pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material
já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Embora em quase todos
9

os estudos seja exigido algum tipo de trabalho dessa natureza, há pesquisas desenvolvidas
exclusivamente a partir de fontes bibliográficas.
Portanto, a metodologia utilizada para a elaboração deste artigo foram pesquisas bibliográficas
de aspecto descritivo, pois as informações contidas são de várias fontes e diversos autores e
também porque apresentam muitos processos e procedimentos relacionados ao tema abordado.

4. Resultado e Discussão

A influência de Cyriax em Ekman na elaboração da técnica de crochetagem é evidente quando


se observa os efeitos fisiológicos da massagem de fricção transversa e longitudinal utilizada por
Cyriax. Seus fundamentos orientaram Ekman, motivando-o a criar um instrumento que
mobilizasse com maior eficiência as estruturas a serem tratadas, inclusive as inacessíveis aos
dedos (COLOMBO e EKMAN, 1968 e HAMMER, 2000).
Observa-se que os efeitos fisiológicos da crochetagem são semelhantes, aos da massagem de
fricção: as fibras colágenas se orientam paralelamente no processo de cicatrização, resultando
em reparo, formação de tecido fibrótico diminuída, aumento da força do tendão acometido e
aprimoramento da sua extensibilidade permitindo-lhe suportar maiores níveis de estresse
longitudinal, destruição das aderências que fixam o tecido-alvo às estruturas ao seu redor e as
existentes entre as fibras do próprio tecido alvo, destruição dos corpúsculos irritativos inter-
aponeuróticos ou mio-aponeuróticos , hiperemia profunda liberando bradicinina e histamina,
resultando em vasodilatação e redução de edemas, aumento de fibroblastos e promoção de
realinhamento de fibras do colágeno, ocorre também a estimulação de mecanorreceptores de
fibras grandes que causará a inibiçao pré-sináptica na medula espinhal, evitando a percepção da
sensação transmitida pelas fibras de pequeno diâmetro, o chamado “efeito comporta” não se
observa, porém, em tecidos inflamados moderada a gravemente e efeito reflexo ao nível dos
trigger points. Os efeitos fisiológicos descritos oferecem melhores condições para o início da
cinesioterapia ou retorno às atividades diárias, pois a formação de aderências e o aumento do
tecido fibrótico limitam o movimento nos planos de deslizamento tissular, comprometendo a
extensibilidade e a funcionalidade do tecido lesado, a perda de função resulta em
reagravamento da lesão com micro lacerações, infamação e cicatrização. A crochetagem tem
como importante objetivo interromper este ciclo vicioso (CYRIAX, 1985, BURNOTTE e
DUBBY, 1988, ANDREWS, HARRELSON e WILK, 2000, HAMMER, 2000).
Os ganchos criados por Ekman apresentam curvaturas diferentes permitindo o contato com os
múltiplos acidentes anatômicos que se interpõem entre a pele e as estruturas a serem tratadas.
Cada curvatura se acaba em uma espátula que permite reduzir a irritação cutânea provocada
pelo instrumento. Além disso, cada espátula apresenta uma superfície externa convexa, uma
superfície interna plana e entre as duas superfícies um bordo bisoté e desgastado, melhorando a
interposição da espátula entre os planos tissulares profundos e permitindo a crochetagem das
fibras conjuntivas delgadas ou dos corpúsculos fibrosos em vista de uma mobilização eletiva
(COLOMBO e GAMBA, 1975).
O tratamento através da crochetagem se baseia numa abordagem do tipo centrípeta, abordando
as cadeias musculares e fáscias lesionadas que estão em relação anatômica (mecânica,
circulatória, neurológica) com a lesão, evitando-se o efeito rebote, ou seja, o aumento da dor
como consequência de um tratamento puramente sintomático. A palpação digital das estruturas
a serem tratadas é o passo inicial da crochetagem, em seguida realiza-se a palpação
instrumental com o gancho escolhido em função do volume da estrutura a tratar, momento em
que se localiza com precisão as fibras conjuntivas aderentes e os corpúsculos fibrosos. A
terceira fase, a fibrólise, corresponde ao tempo terapêutico, na qual é feita uma tração
complementar através do gancho para alongar ou romper fibras conjuntivas que formam as
aderências ou para deslocar o corpúsculo fibroso. Há também a técnica perióstea, que consiste
em uma fricção superficial das inserções ligamentares ou tendinosa. O deslizamento profundo
10

também é um recurso terapêutico da crochetagem, assemelhando-se ao movimento homônimo


da massoterapia, porém realizado com o gancho apropriado (EKMAN, 1972 e BURNOTTE e
DUBBY, 1988).
Segundo a visão de Burnotte e Duby (1988), para que o tratamento não seja puramente
sintomatológico, deve-se também abordar estruturas anatômicas relacionadas à lesão. Todas as
inserções palpáveis dos músculos primários e estabilizadores da escápula e dos músculos do
manguito rotador devem ser tocadas, tratadas com o uso da fricção, com a espátula menor e
suas fibras submetidas à fibrólise e ao deslizamento profundo no sentido distal para proximal.
Este procedimento visa restabelecer a funcionalidade do movimento escapuloumeral,
garantindo melhor mobilidade da articulação e evitando-se o efeito rebote. O tendão do
supraespinhal será submetido a uma fricção em suas inserções escapular e umeral através da
espátula menor. Além da técnica perióstea, será realizada a fibrólise e o deslizamento profundo
no ventre muscular do supraespinhal; sentido distal-proximal. O tempo de tratamento varia
conforme a habilidade do terapeuta, pois as inserções citadas devem ser friccionadas em toda a
sua extensão.
Por ter um alcance anatômico diferenciado ao das mãos, o gancho não solicita tanto tempo de
fricção quanto a massagem de fricção, portanto cada parte palpada da estrutura a ser tratada
deve ser friccionada com a espátula pelo menos três vezes. A fibrólise dos músculos do
manguito rotador deve ser também realizada em toda a sua extensão palpável, sendo que três
trações em cada parte do músculo devem ser o suficiente para romper parcialmente as
aderências. O tempo e intensidade da fricção no tendão devem ser proporcionais à gravidade da
lesão, à habilidade do terapeuta e ao cuidado para não exarcebar o quadro clínico. Qualquer
desconforto, dor ou incômodo relatado será interpretado como sinal de que a técnica não está
sendo bem executada ou é contraindicada. Terapeutas agressivos, ulcerações, dermatoses, peles
hipertróficas e maus estados cutâneos em geral são contraindicações ao método (BURNOTTE e
DUBY, 1988).
A crochetagem é indicada para o tratamento da tendinite do supraespinhal. Outros métodos
podem ser associados à crochetagem. A quebra de aderências e de tecidos fibróticos, a
orientação das fibras de colágeno no processo de reparo e a reação histamínica proporcionados
pela crochetagem beneficiam a recuperação e aceleram o retorno às atividades da vida diária. A
abordagem no manguito e nos músculos motores primários da escápula garante a
extensibilidade do tecido e facilita a mobilidade escapuloumeral (COLOMBO e GAMBA,
1975 e BURNOTTE e DUBY, 1998).

5. Conclusão

A tendinite do supraespinhal pode gerar a síndrome do impacto ao interferir no sistema


estabilizador do ombro na abdução, como também pode ser uma consequência da impactação
subacromial.
As tendinites dos músculos rotadores do ombro, especialmente do bíceps e do supra-espinhoso,
formam a maioria das incapacidades funcionais do ombro, e são importantes fatores na ruptura
desses tendões. A tendinite do supra-espinhoso pode ser causada por relações anatômicas
desfavoráveis, levando a isquemia local e degeneração. Exercício muscular excessivo, traumas
e atividades repetitivas do braço podem levar ao quadro de tendinite. A tendinite bicipital pode
ser encontrada como uma entidade isolada, mas frequentemente é secundária a lesões nas
bainhas dos rotatores.
A literatura sobre crochetagem é escassa, não foi encontrado nenhum artigo científico em sites
especializados como PubMed ou MedLine.
A massagem de fricção, utilizada pelo Dr. James Cyriax, e o seu estudo sobre reparo de tecidos
moles e colágeno influenciaram a criação da crochetagem, que é indicada nos estágios I e II da
síndrome do impacto.
11

Após o reparo tecidual e a quebra de aderências e corpúsculos fibrosos, é recomendado a


cinesioterapia, a hidrocinesioterapia, o fortalecimento e a recuperação de um gestual funcional.
Após revisão bibliográfica cosntatou-se que a crochetagem é um método que também pode ser
utilizado em diversas cadeias musculares do aparelho locomotor, podemos comprovar também
a eficiência do método, nos estudos feitos em outras estruturas corpóreas. Portando, pode-se
afirmar que o método é eficiente no tratamento reabilitativo de pacientes vítimas do câncer de
mama, pois recupera o arco reflexo dos movimentos funcionais do ombro, assim como, diminui
as aderências cicatriciais deixadas pela incisão feita na realização da cirurgia de mastectomia
radical.

6. Referências

ANDREWS, J., HARRELSON, G., WILK, K. :Reabilitação Física das Lesões Desportivas. Rio de Janeiro.
Guanabara Koogan, 2000.

AQUINO, H. Abordagem Fisioterapêutica na Evolução Clínica das Patologias Propiciadas pelo Uso
Indevido do Notebook. 2007. 67f. Monografia(Graduação em Fisioterapia) – Universidade Severino Sombra,
Vassouras, 2007.

BERTEGES, J. A. C. A Utilização da Crochetagem no Tratamento da Pubalgia. 2007. 50f.


Monografia(Graduação em Fisioterapia) – Universidade Severino Sombra, Vassouras, 2007.

BURNOTTE J. e DUBY P.: Fibrolyse Diacutanée et Algies de L’Appareil Locomoteur. Kinésitherapie


Scientifique, no. 271. 1988.

CERRI, Giovanni, SERNIK, Renato.: Ultrasonografia do Sistema Músculo Esquelético. Em Lesões do


Manguito Rotador, pg 15. São Paulo. Sarvier. 1999.

CYRIAX, J.: Textbook of Orthopedic Medicine. London. Baillière-Tindall, 1985.

COLOMBO I., EKMAN K.: La fibrolisi diacutanea nuovo mezzo diagnostico e terapeutico in fisitria. Europa
Medicophisica, vol. 4, N I, 1968.

COLOMBO I. e GAMBA E.: La fibrolisi diacutanea nella pratica fisiatrica: indicazioni cliniche. La
Riabilitazione. Anno 8, N I. 1975.

DALLEY, Arthur F., MOORE, Keith: Anatomia Orientada para a Clínica. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan,
2001.

EKMAN K.: Relazzione alle XX riunione straordineria dellÀcademia medico chirurgica del Piceno. Ascoli
Piceno, 1974.

FOSS L. M., KETEYIAN S. J. : Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. Rio de Janeiro. Guanabara
Koogan,2000.

GARDNER, D., GRAY, J. e O`RAHILLY,R.: Anatomia, 4. ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1988.

GIL, Antônio Carlos. Gestão de Pessoas: Enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2009.

GOULD James A.: Fisioterapia na Ortopedia e na Medicina do Esporte. São Paulo, Manole, 1993.

GREENMAN, P.E. : Princípio da Medicina Manual. São Paulo. Manole, 2001.

GUIMARÃES, L. B. Intervenção Fisioterapêutica em Pacientes Portadores de Gonartrose. 2007. 41f.


Monografia(Graduação em Fisioterapia) – Universidade Severino Sombra, Vassouras, 2007.

GUYTON A.C., HALL, J.E. : Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan,1996.
12

HAMMER I. W. : Exame funcional dos Tecidos Moles e Tratamento por Métodos Manuais. Rio de Janeiro,
Guanabara Koogan, 1999.

HEBERT, Sizínio et al.: Ortopedia e Traumatologia: princípios e prática. Porto Alegre. Artmed

JUNQUEIRA L. C., CARNEIRO José: Histologia Básica. Rio de Janeiro. Guanabara koogan,1999.

KAPANDJI, A.I.: Fisiologia Articular, volume 1. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2000.

KISNER, C., COLBY, L.: Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. São Paulo. Manole, 1998.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2001.

MCQUADE KJ, SMIDT GL. Dynamic scapulohumeral rhythm: the effects of external resistence during
elevation of the arm in the scapular plane. J Ortoph sports phys ther, 1998;27:125-131.

MATSEN, F.A., and Arntz, C.T.: Subacromial impingement. In: Rockwood, C.A.,Jr. 1990.

MOSELEY H. e GOLDIE I.: The arterial Pattern of the Rotador Cuff of the Sholder. The journal of Bones
and Joint Surgery, Royal Victoria Hospital, Montreal.1963.

NEER, Charles. Cirurgia do Ombro. Rio de Janeiro. Revinter, 1995.

NETTER, Frank. Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre. Atmed, 2001.

PEIXOTO, M. R. Cicatrizes e Aderências: O Tratamento Fisioterapêutico pela Técnica de Crochetagem. 2003.


43f. Monografia(Graduação em Fisioterapia) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2003.

ROCHA, R. S. Tratamento Fisioterapêutico na Neuralgia do Nervo Occipital Maior Utilizando a Técnica de


Crochetagem. 2005. 31f. Monografia (Graduação em Fisioterapia) – Universidade Estácio de Sá, Rio de
Janeiro,2005.

SOUZA, E.C.M.; SANTOS, E.S.; GAGLIA, T. O Tratamento Fisioterapêutico da Lombalgia. 2002.


Monografia (graduação em Fisioterapia) – Faculdades Salesianas de Lins, Lins.

VESZLEY M., GUISSARD, DUCHATEAU J.: Contribution à l´ètude des effets de la fibrolyse diacutanée sur
lê tric sural. Ann. Kinesithér, 2000.