You are on page 1of 14

CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO PIAUÍ – CEUPI

GRUPO EDUCACIONAL CEUMA

LUCAS PABLO DE SOUSA COSTA

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE AEROGERADORES EQUIPADOS COM GERADOR


SÍNCRONO DE IMÃS PERMANENTES OU GERADOR DE INDUÇÃO DUPLAMENTE
ALIMENTADO APLICADO NO SISTEMA DE CONVERSÃO EÓLICA.

TERESINA – 2018
CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO PIAUÍ – CEUPI
GRUPO EDUCACIONAL CEUMA

LUCAS PABLO DE SOUSA COSTA

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE AEROGERADORES EQUIPADOS COM GERADOR


SÍNCRONO DE IMÃS PERMANENTES OU GERADOR DE INDUÇÃO DUPLAMENTE
ALIMENTADO APLICADO NO SISTEMA DE CONVERSÃO EÓLICA.

Projeto de Pesquisa apresentado ao Centro de


Ensino Unificado do Piauí - CEUPI, como
requisito para a obtenção de nota na Disciplina de
Trabalho de Conclusão de Curso – TCC
ORIENTADOR:

TERESINA – 2018
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ................................................................................................................. 4
1.1 Tema ................................................................................................................................ 4
1.2 Delimitação do Tema....................................................................................................... 4
1.3 Formulação do Problema ................................................................................................. 4
1.4 Hipótese ........................................................................................................................... 5
1.5 Objetivos .......................................................................................................................... 5
1.5.1 Objetivo Geral .............................................................................................................. 5
1.5.2 Objetivos Específicos................................................................................................... 5
1.6 Justificativa ...................................................................................................................... 5
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ................................................................................... 6
2.1 Potência de uma Turbina Eólica ...................................................................................... 8
2.2 Controle de Potência Aerodinâmico ................................................................................ 8
2.3 Geradores de Indução Duplamente Alimentado – (DFIG) .............................................. 9
2.3.1 Modelo Elétrico do Gerador de Indução Duplamente Alimentado – DFIG .............. 10
2.4 Gerador Síncrono de Imãs Permanentes – PMSG ......................................................... 10
2.4.1 Modelo Elétrico do Gerador Síncrono de Imãs Permanentes .................................... 11
3. METODOLOGIA ........................................................................................................... 12
4. CRONOGRAMA DA PESQUISA ................................................................................. 13
REFERÊNCIAS...................................................................................................................... 14
4

1. INTRODUÇÃO
Com o aumento no consumo de energia e a poluição do meio ambiente nas últimas
décadas devido ao crescimento desenfreado da população mundial, a necessidade de se utilizar
a energia através de fontes renováveis tornou-se cada vez mais importante ao longo dos anos.
As fontes de energia renováveis, em especial a Energia Eólica no Brasil teve seu início
em 1992, localizado no arquipélago de Fernando de Noronha (Pernambuco), a iniciativa foi
uma parceria entre o Centro Brasileiro de Energia Eólica (CBEE) e a Companhia Energética de
Pernambuco (CELPE), onde foi instalado uma turbina de 225 kW.
Atualmente no Brasil a energia gerada pelas Eólicas que abastece mais de 10% do País e
mais de 60% do Nordeste, possui capacidade instalada de 13 GWs e mais 4, 87 GWs em
processo de construção, com cerca de 518 parques eólicos e mais de 6.600 aerogeradores
operando.
Dessa forma, o presente trabalho tem por objetivo a análise de turbinas eólicas quando
equipadas com Geradores Síncronos de Imãs Permanentes (PMSG, do inglês Permanent
Magnet Synchronous Generator) e Geradores de Indução de Duplamente Alimentado (DFIG,
do inglês Doubly-Fed Induction Generator) durante o processo de conversão de energia eólico
através de modelagens e simulações utilizando Matlab/Simulink de modo a analisar o
desempenho de ambos os geradores na presença de ventos de velocidade variável.

1.1 Tema
Análise de aerogeradores através de modelagens e simulações no processo de conversão
eólico

1.2 Delimitação do Tema


Análise de aerogeradores quando equipados com gerador síncrono a imã permanente ou
gerador de indução duplamente alimentado através de modelagens e simulações no processo de
conversão eólico.

1.3 Formulação do Problema


De que forma a análise do desempenho das turbinas eólicas equipadas com Gerador de
Indução Duplamente Alimentado ou Gerador Síncrono a Ímãs Permanentes podem contribuir
no sistema de conversão de energia eólica?
5

1.4 Hipótese
• Um estudo teórico e matemático dos geradores PMSG e DFIG no sistema de conversão de
energia eólica
• Estudo sobre a aerodinâmica das turbinas eólicas no sistema de conversão de energia
eólico.
• O uso do Matlab/Simulink para eventuais simulações do desempenho de ambos os
geradores estudados quando colocados em vento de velocidade variável.

1.5 Objetivos
1.5.1 Objetivo Geral
Apresentar de que forma a análise do desempenho das turbinas eólicas equipadas com
Gerador de Indução Duplamente Alimentado ou Gerador Síncrono a Ímãs Permanentes podem
contribuir no sistema de conversão de energia eólica em ventos de velocidade variável.

1.5.2 Objetivos Específicos


• Descrever os princípios aerodinâmicos das turbinas eólicas através de conceitos teóricos e
matemáticos.
• Analisar as turbinas eólicas quando equipadas com gerador PMSG e DFIG através de
modelos matemáticos existentes na literatura.
• Implementar através do software Matlab/Simulink modelos computacionais que possam
mostrar através de gráficos o desempenho dos geradores durante a produção de energia
eólica.
• Apresentar os dados obtidos nas simulações, com o intuito de mostrar qual dos geradores
e melhor indicado para esse sistema de conversão

1.6 Justificativa
Com o crescente investimentos no mercado em energias renováveis, principalmente a
energia eólica que ao longo dos anos teve um crescimento significativo no Brasil e no Mundo.
O presente trabalho tem como objetivo principal analisar as turbinas eólicas quando
equipadas com geradores PMSG e DFIG durante o processo de conversão de energia quando
há a variação na velocidade do vento.
Tal análise será realizada com a utilização do Matlab/Simulink comparando desempenho
de ambos durante a conversão de energia eólica, deste modo o presente trabalho e visto também
6

como uma oportunidade para se trabalhar em ocasiões futuras utilizando redes neurais
artificiais.

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Uma turbina eólica moderna com transmissão direta (sem engrenagens) como é mostrada
na figura 1 é composta de várias partes que juntos contribuem no processo conversão de energia
cinética em energia elétrica.

Figura 1: E-53 / 800 kW - Corte Transversal da Nacele


Fonte: (ENERCON, 2018)

As turbinas eólicas com transmissão direta (sem engrenagens), verifica-se que muitos
modelos vêm com a ausência da caixa de velocidades e do eixo de alta velocidade, fazendo uso
de uma transmissão mais compacta diminuindo assim o tamanho da nacele.
A partir dos componentes de uma turbina eólica fica mais fácil entender seu processo de
conversão de energia que depende principalmente das condições de vento, de modo a manter o
controle da energia convertida pela turbina e o gerador.
Um dos parâmetros de controle da força de elevação das lâminas (pás) é o ângulo de
ataque α, que é determinada pela direção entre a velocidade do vento 𝑣𝜔 e o cabo da lâmina.
Com a análise das turbinas eólicas através do estudo da aerodinâmica e da mecânica de fluidos,
o ponto de partida é a Equação da Continuidade de Bernoulli que diz:
A vazão em um fluido é constante para diferentes pontos ao longo da vazão. Em outras
palavras, o princípio de Bernoulli nos diz que, para um aumento na velocidade do
7

fluido, acontece uma diminuição da pressão ou da energia potencial desse fluido, fato
que é simultâneo para um fluido sem viscosidade. (Pinto, 2014)
A energia contida no vento, ao se analisar uma turbina partindo do princípio de Bernoulli,
temos que a energia cinética de acordo com a equação 1.

1
𝐸𝑤 = ∙ 𝜌 ∙ 𝐴 ∙ 𝑡 ∙ 𝑣𝜔3 (1)
2

A partir desta equação pode-se observa que a potência gerada na equação 2 depende
exclusivamente da velocidade do vento, sendo assim para que haja um fluxo constante e
razoável de vento, fez-se necessário impor algumas restrições, já que a energia proveniente do
vento não pode ser totalmente aproveitada pela turbina eólica durante a produção de energia.

1
𝑃𝑤 = 𝜌 ∙ 𝐴 ∙ 𝑣𝜔3 (2)
2

Onde:
𝑃𝑤 é a potência do vento;
A é a área varrida pelas lâminas do aerogerador em movimento;
𝑣𝜔 é a velocidade do vento;
𝜌 é a densidade do ar em kg/𝑚3 .

Pensando nisso em 1919, o físico alemão Albert Betz demonstrou cientificamente que a
eficiência dos aerogeradores eólicos na extração da energia do fluxo deve ser limitada, pois o
coeficiente de potência, equação 3 atinge o valor máximo quando a relação entre as velocidades
for igual a 1/3.

1 𝑣1 𝑣2 16
𝐶𝑝 = { [1 + ] ∙ [1 − ( 22 )]} 𝐶𝑝 = 27 𝐶𝑝 = 0,593 = 59,3% (3)
2 𝑣2 𝑣1

Sendo assim, a determinação do coeficiente de potência através da máxima potência do


rotor pode ser determinada pela equação 4

1 (4)
𝑃𝑚𝑎𝑥 = 𝜌 ∙ 𝐴 ∙ 𝑣13 ∙ 𝐶𝑝
2
8

Onde:
𝑃𝑚𝑎𝑥 é a potência máxima do vento;
A é a área varrida pelas lâminas do aerogerador em movimento;
𝑣𝜔 é a velocidade do vento;
𝐶𝑝 é o coeficiente de potência “Fator de Betz” dado pela equação (3)

2.1 Potência de uma Turbina Eólica


As características de potência de uma turbina eólica são definidas pela curva de
potência, que relaciona a potência mecânica da turbina com a velocidade do vento, como mostra
a figura 2.

Figura 2: Curva de Potência.


Fonte: (FUNDAMENTOS DE ENERGIA EÓLICA, 2013)

• Velocidade de partida ( 𝑣𝑐𝑢𝑡 𝑖𝑛 ): velocidade de vento mínima na qual a máquina entregará


potência útil
• Velocidade nominal (𝑣𝑟𝑎𝑡𝑒𝑑 ): velocidade na qual a potência nominal é alcançada
• Velocidade de corte (𝑣𝑐𝑢𝑡 𝑜𝑓𝑓 ): máxima velocidade do vento permitida, na qual é permitida
a entrega de potência.

2.2 Controle de Potência Aerodinâmico


O controle de potência aerodinâmico das lâminas é necessário para manter a potência no
valor nominal. Esta tarefa é realizada por três técnicas principais:
9

• Sistema de Controle de passo (Pitch Control):


As turbinas eólicas são controladas por passo e suas lâminas são ajustáveis no cubo do
rotor, com isso quando a velocidade do vento excede o valor nominal, o controlador de passo
reduzirá o ângulo de ataque, girando as lâminas gradualmente para fora do vento.

• Sistema de Controle por estol (Passive Stall):


Quando a velocidade do vento está abaixo ou no valor nominal, as lâminas da turbina
com o ângulo de ataque são ajustadas para capturar a máxima potência possível do vento.

• Sistema de Controle Hibrido (Active Stall):


Nas turbinas eólicas com controle híbrido possuem lâminas ajustáveis com um
mecanismo de controle de passo, assim quando a velocidade do vento excede o valor nominal,
as lâminas são controladas para diminuir o ângulo de ataque do vento, levando à redução do
poder de captura.

2.3 Geradores de Indução Duplamente Alimentado – (DFIG)


Os geradores de indução duplamente alimentado (DFIG, do inglês Doubly-Fed
Induction Generator) como mostra a figura 3 não operam em velocidade síncrona e sua
construção é mais barata que a dos geradores síncronos.

Figura 3: Gerado de Indução de dupla alimentação conectado à rede.


Fonte: (STEADY STATE MODELING AND ANALYSIS OF DFIG FOR VARIABLE-SPEED WIND
TURBINES,2010)

O gerador de indução quando aplicado ao sistema de dupla alimentação segundo Bose


(2006) “ [...] o estator é construido por laminagens finas em aço de silício, que são isoladas
para minimizar as perdas de ferro causadas por correntes de Foucault induzidas. As
laminagens são basicamente anéis planos com abertura disposta ao longo do perímetro interno
10

do anel, que ao serem empilhadas é formado um canal, no qual é colocado um enrolamento de


cobre trifásico [...]” (BOSE, 2006 apud WU, Bin. ... [et al], tradução nossa).
Já o rotor Bose complementa dizendo que: “[...] o enrolamento estão embutido snas
laminações do rotor, mas no perímetro exterior onde geralmente é alimentado através de anéis
deslizantes montados no eixo do rotor. [...]” (BOSE, 2006 apud WU, Bin. ... [et al], tradução
nossa).

2.3.1 Modelo Elétrico do Gerador de Indução Duplamente Alimentado – DFIG


A análise que segue tem como objetivo a modelagem do gerador de indução
duplamente alimentado, considerando-se que o rotor é alimentado por um conversor controlado
em corrente.
Essa abordagem faz uso da estratégia de controle baseada no modelo do eixo dq
derivado do modelo do vetor espacial, onde é composto por dois circuitos equivalentes
divididos entre os eixos direto e de quadratura.
Ao analisar o espaço vetor espacial de um gerador de indução, assume-se que o seu
modelo trifásico seja simétrico e equilibrado, além de que o núcleo do estator seja linear com
perdas insignificantes. Sendo assim composto por três equações que são: Equação da tensão,
equação do fluxo do rotor e equação do movimento.

2.4 Gerador Síncrono de Imãs Permanentes – PMSG


O que torna o gerador síncrono, figura 4 especial no processo de conversão de enrgia
eólica é o fato do mesmo ter o controle de potencia (ativa e reativa) e da sua frequência, além
de não precisa de corrente de magnetização como ocorre nos geradores de indução e sua
utulização e condicionada somento no sistema de velocidade variável.

Figura 4: Gerador Síncrono de Imãs Permanentes


Fonte: (CONVERTER CONTROLS AND FLICKER STUDY OF PMSG-BASED GRID CONNECTED
WIND TURBINE,2010)
11

O gerador síncrono de imãs permanentes ( PMSG, do inglês Permanent Magnet


Synchronous Generator) apesar de ter uma eficiência maior do que a maquins de indução, seu
processo de excitação exige uso de um conversor de potência de escala completa, em vez de
ajustar a tensão e a frequência do gerador para a tensão e a frequência de transmissão.
O estator de um gerador síncrono a imã permanente é bobinado e o rotor é fornecido com
um sistema de polo magnético permanente, que podem ser polos salientes ou polos cilindricos.
Já de acordo com a direção do fluxo de campo magnético, onde relacionamos com a forma de
construção do gerador síncrono de imãs permanentes que são classificados:

• Geradores Síncronos de fluxo radial


Os geradores de fluxo radial segundo Akhmatov (2003b apud PAEZ PRIETO, 2014,
p.34) “[...] a estrutura comum consiste de um estator cilíndrico externo com suas bobinas e de
um rotor cilíndrico interno com os magnetos permanentes [...]”.

• Geradores síncronos de fluxo axial com o estator toroidal ou estator de duplo lado
Para Akhmatov (2003b apud PAEZ PRIETO, 2014, p.34) diz que “[...] este é um gerador
com estator toroidal, um enrolamento no entreferro e dois rotores de disco com imãs
permanentes.”

• Gerador de fluxo transversal


Segundo Akhmatov (2003b apud PAEZ PRIETO, 2014) “[...] nos geradores de fluxo
transversal, não há nenhuma restrição no passo do polo de campo. Portanto, o passo do polo
pode ser feito relativamente pequeno, fazendo com que seja possível produzir uma densidade
de força eletromotriz no entreferro maior do que nos geradores de fluxo radial e axial.”

2.4.1 Modelo Elétrico do Gerador Síncrono de Imãs Permanentes


Para simplificar a análise, segundo Bose (BOSE, 2006 apud WU, Bin. ... [et al], 2011,
tradução nossa) “[...] o gerador síncrono é normalmente modelado no quadro de referência
síncrono do campo do rotor, já o circuito do estator do modelo do eixo d-q é essencialmente o
mesmo do gerador de indução.
Bose (2006) afirma ainda que “[...] ao modelamos o circuito do rotor, podemos observa
que a corrente de campo no enrolamento do rotor é representada por uma fonte de corrente
constante 𝐼𝑓 no circuito do eixo d.
12

No PMSG, o ímã permanente que substitui o enrolamento de campo pode ser modelado
por uma fonte de corrente equivalente 𝐼𝑓 com uma magnitude fixa. (BOSE, 2006 apud WU,
Bin. ... [et al], 2011, tradução nossa).
Com isso as variáveis de entrada do modelo do gerador síncrono de imã permanente são
as tensões de estator 𝑉𝑑𝑠 e 𝑉𝑞𝑠 do eixo dq, a ligação de fluxo do rotor 𝜆𝑟 e o torque mecânico
𝑇𝑚, enquanto as variáveis de saída são as correntes de estator 𝐼𝑑𝑠 e 𝐼𝑞𝑠 do eixo d-q, a velocidade
mecânica do rotor 𝜔𝑚 e o torque eletromagnético 𝑇𝑒 . . (BOSE, 2006 apud WU, Bin. ... [et al],
2011, tradução nossa).

3. METODOLOGIA
Esse estudo tem por finalidade realizar uma pesquisa sobre análise de aerogeradores
através de modelagens e simulações no processo de conversão eólico. Para um melhor
tratamento dos objetivos especifico e melhor apreciação desta pesquisa, fez-se uso de materiais
já elaborados tais como: livros, artigos científicos, tese e dissertações na busca e alocação de
conhecimento sobre aerogeradores, geradores síncronos de imãs permanentes, geradores de
indução duplamente alimentado e sistema de conversão eólico, onde serão correlacionados com
trabalhos feitos por outros autores.
O presente trabalho volta-se ao estudo bibliográfico, sendo explicativa e que por
sua vez procura identificar os fatores determinantes no processo de conversão de energia eólica
que serão explicadas de forma científica através de simulações com o software Matlab/Simulink
onde serão analisados os geradores síncronos de imãs permanentes e geradores de indução
duplamente alimentado.
A pesquisa em si está direcionada para as áreas de energias renováveis, tendo como
objeto de pesquisa a análise do desempenho de aerogeradores equipadas com Gerador de
Indução Duplamente Alimentado ou Gerador Síncrono a Ímãs Permanente aplicado no sistema
de conversão de energia eólico.
13

4. CRONOGRAMA DA PESQUISA

PERÍODO
ETAPAS Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Escolha do X X
Tema
Levantamento X X X
Bibliográfico
Correção X
do Pré-projeto
Apresentação do X
Projeto
Redação do X X X
Trabalho
Revisão e X X
redação final
Entrega do TCC X
Defesa da TCC X
14

REFERÊNCIAS

ACKERMANN, T. Wind Power in Powe Systems. London: John Wiley & Sons, Ltd, 2005.

BALDEA, I. Synchronous Generators. New York - EUA: CRC Press, 2006.

BERNARDES, Thiago Araújo. Análise e Controle de Gerador Síncrono a Ímã Permanente


aplicado a Sistema de conversão de Energia Eólica. 2009. 192 f. Dissertação (Mestrado) -
Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia. Programa de Pós-Graduação em
Engenharia Elétrica, Rio Grande do Sul.

BHADRA, S. N.; KASTHA, D.; BANERJEE, S. Wind Electrical Systems. New Delhi - India:
Oxford University Press, 2005.

CHAPMAN, S. J. Fundamentos de Máquinas Elétricas. 5º. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

MARQUES, Jeferson. Turbinas Eólicas: Modelo, Análise e Controle do Gerador de


Indução com Dupla Alimentação. 2004, 158 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade
Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação e Engenharia Elétrica, Santa Maria.

PAEZ PRIETO, Maurício Andrés. Análise de turbinas eólicas conectadas ao sistema elétrico
equipadas com geradores síncronos a imãs permanentes. 2014. 140 f. Dissertação
(Mestrado) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia
de Energia e Automação Elétrica, São Paulo.

PINTO, M. D. O. Fundamentos de Energia Eólica. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

UMANS, S. D. Máquinas Elétricas de Fitzgerald e Kingsley. Tradução de Anatólio Laschuk.


Porto Alegre: AMGH Editora Ltda, 2014.

WU, B. et al. Power Conversion and Control of Wind Energy Systems. New Jersey - EUA:
IEEE Press Editorial Board, 2011.