You are on page 1of 1

AULA 02 - 1ª UNIDADE 2.

Ser ou não ser índio


“Ser Índio” • Problema: índio puro x índio aculturado.
 Participação na sociedade dos brancos não implica em deixar de ser
1. Desaparecimento do índio na história do Brasil índio, mas é uma forma de sobrevivência.
• Visão tradicional • Aproximação entre antropologia e história:
 Relegados a papel secundário  Interesse pela cultura: produtos materiais, espirituais e comportamentais,
 Subordinados aos objetivos dos colonizadores bem como as dimensões simbólicas da vida social.
 Sem espaço de ação.  Processos históricos de mudança.
• Consequência: teriam desaparecido de diversas regiões. • Mudanças teóricas:
 Perspectiva assimilacionista: integração à colonização teria levado ao  Thompson: historicidade da cultura.
processo de aculturação.  Sidney Mintz: os homens agem e se relacionam conforme seus lugares
 Perda de identidade étnica. sociais e objetivos.
 Sem espaço de manobra, saída era a submissão passiva.  Processos históricos e estruturas culturais se influenciam mutuamente.
• Origem do problema desta perspectiva: antropólogos não levavam em conta
processos de mudança da cultura. 3. Novas perspectivas sobre o contato entre brancos e índios.
 Cultura dos “povos primitivos”: pura e imutável, estudada em suas • Mudança cultural: não é mero esvaziamento, mas evidencia dinamismo.
características originais e autênticas. • Aculturação: também vista como forma de resistência.
 Essencialismo: cultura é fixa, estável e imutável. • Conceitos de apropriação e ressignificação cultural.
 Estes povos vistos como isolados e sem história. • Índio visto como agente ativo do processo:
 Processos históricos de mudança: levam a perdas culturais sucessivas que  Incorporam elementos da cultura ocidental => dão novos significados =>
resultam na extinção dos povos estudados. obtém ganhos.
• Relações de contato entre culturas: • Maior importância para o recebedor do que para a transmissão.
 Dominação / submissão: uma se impõe sobre a outra levando-a à • Ir além das atitudes dos índios de resistência armada, fuga ou submissão
anulação. passiva.
 Visão dualista: índio aculturado x índio puro; estrutura cultural (fixa) x  Steven Stern: resistência adaptativa.
processos históricos; aculturação x resistência cultural.  Encontrar novas formas de sobrevivência e garantir melhores condições
• Visão tradicional dos historiadores de vida na nova situação em que se encontravam.
 Mesma visão assimilacionista: povos primitivos, possuidores de uma
cultura pura e que desapareceu. 4. Identidade étnica
 Seu lugar: o passado. • Construção histórica de caráter plural, dinâmica e flexível.
 Foram inimigos dos portugueses ou heróis que lutaram ao seu lado. • Weber e Barth: não só cultura a define.
 Política do XVIII e XIX de assimilação: integrá-los aos não índios.  Dimensões políticas e históricas: ação política, caráter organizacional e
• Tais visões perduraram até o séc. XX. sentimento de pertencimento (subjetivo).
 Muda com a Constituição de 1988: direito à diferença.
 Tendência de desaparecimento não se concretizou. 5. O papel dos índios na história
 Globalização: processo de aculturação não tem extinguido as diferenças • Diversidade étnica do Brasil pré-Cabral = diversidade de organização social e
étnicas, mas as tem reforçado. de comportamento com o colonizador.
• Diversidade também do colonizador.
• O índio não foi ingênuo.