You are on page 1of 32

Ensino Fundamental 2

Manual do Professor
9o ano

1
Geografia
Reinaldo Scalzaretto
Direção editorial
Mário Ghio Júnior
Coordenação pedagógica
Ricardo Silva Leite
Supervisão de convênios
Tania Fontolan
Conselho editorial
Luís Ricardo Arruda de Andrade
Mário Ghio Júnior
Mônica Vendramin Gallo
Tania Fontolan

Gerência editorial
Mônica Vendramin Gallo
Edição
Bárbara M. de Souza Alves (coordenação)
Moisés Negromonte
Assistência editorial
Cláudia P. Winterstein
Revisão
Adriana Gabriel Cerello (coordenação)
Danielle Modesto
Edilson Moura
Fabiana Teodoro
Letícia Pieroni
Tamara Castro
Tayra Alfonso
Iconografia
Fabiana Manna da Silva (coordenação)
Licenças e autorizações
Luci Yara Celin

Ilustrações
Sistemas de Ensino Abril Educação S.A.
Cartografia
Sistemas de Ensino Abril Educação S.A.
Projeto gráfico Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Sistemas de Ensino Abril Educação S.A. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Editoração e arte
Equipe de Apoio Coleção Anglo vestibulares Ensino Fundamental: 9o ano
Capa (língua portuguesa, história, geografia, química,
Ulhôa Cintra Comunicação Visual física, matemática). – São Paulo: Anglo, 2013. –
(Coleção Anglo Ensino Fundamental).
Impressão e acabamento
Vários autores.
Vários ilustradores.
Todos os direitos reservados por Suplementado pelo manual do professor.
Sistemas de Ensino Abril Educação S.A.
Rua Gibraltar, 368 – Santo Amaro 1. Ensino fundamental 2. Livros-texto (Ensino
CEP 04755-070 – São Paulo – SP Fundamental) I. Título. II. Série.
(0xx11) 3273-6000
10-12983 CDD-372.19
www.angloconvenio.com.br

código 624957113 Índice para catálogo sistemático:


© 2013 Sistemas de Ensino Abril Educação S.A. 1. Ensino integrado: Livros-texto: Ensino Fundamental 372.19
Sumário
Objetivos gerais................................................................................................................ 5
Módulo 1 – O mundo subdesenvolvido............................................................................. 6
Módulo 2 – O quadro natural africano............................................................................ 13
Módulo 3 – O quadro humano e social africano............................................................. 21
Módulo 4 – A economia africana.................................................................................... 25
Respostas – Rumo ao Ensino Médio............................................................................... 29
Geografia

Objetivos gerais
Este Manual está em concordância com os obje- No Módulo 1 – “O mundo subdesenvolvido” –,
tivos gerais da introdução do programa de Ensino que se desenvolverá em pelo menos quatro (4) aulas,
Fundamental do Sistema de Ensino e busca seguir, de apresentamos ao aluno uma síntese sobre os aspectos
forma equilibrada, as propostas dos Parâmetros básicos da economia e do quadro humano dos países
Curriculares Nacionais do MEC. subdesenvolvidos.
Seguindo as diretrizes do projeto integral da área, No Módulo 2 – “O quadro natural africano” –,
sempre que possível desenvolveremos os conteúdos que se desenvolverá em pelo menos duas (2) aulas, da-
geográficos orientados pela ideia de interdisciplina- mos início ao estudo da África, analisando seus prin-
ridade. Os temas mostrarão a Geografia como uma cipais aspectos naturais e os problemas ambientais
forma de conhecimento que, integrada a outras dis- mais importantes do continente.
ciplinas, constitui um instrumento de análise da di- No Módulo 3 – “O quadro humano e social afri-
nâmica das transformações que ocorreram no espaço cano” –, que se desenvolverá em pelo menos três (3)
geográfico ao longo da História. aulas, estudamos a população africana e suas principais
As orientações de trabalho estão formuladas de características sociais.
modo sintético para agilizar a leitura, que deverá ser No Módulo 4 – “A economia africana” –, que se
acompanhada pelo Caderno do aluno, no momento desenvolverá em pelo menos três (3) aulas, apresenta-
de preparação das aulas. Reforçamos que nosso obje- mos os aspectos da economia rural e industrial do
tivo é facilitar o trabalho e não restringi-lo com impo- continente.
sições que impeçam o professor de fazer as adaptações Utilizamos um grande número de mapas e gráfi-
e complementações que considerar pertinentes. Este cos, colocando em prática o entendimento da
material serve como um guia, e é essencial que perso- Cartografia como linguagem e instrumento para o
nalize suas aulas. estudo crítico da Geografia.
Assim, lembramos ainda que o Caderno do aluno Quanto às tarefas da seção Em casa, fica a seu
é escrito para 12 aulas, e o bimestre, que segue o ca- critério solicitá-las à turma e corrigi-las no momento
lendário de sua escola, tem 18 aulas. Dessa maneira, da aula que considerar mais oportuno. Lembramos que
você disporá de tempo suficiente para o planejamento as respostas registradas neste Manual não devem ser
e a personalização do curso. tomadas como modelos, mas como indicações desti-
Com este Caderno, damos continuidade ao estudo nadas a nortear sua correção.
da Geografia Geral, que teve início no 8o ano, quando Atenciosamente,
estudamos os países desenvolvidos. Agora passaremos
a analisar os países subdesenvolvidos. O autor.

5 Ensino Fundamental - 9°- ano


aulas de 1 a 4
Geografia 1 o mundo subdesenvolvido

Objetivo
• Apresentar os conceitos básicos sobre o quadro humano e social do mundo subdesenvolvido.

Roteiro (sugestão)
AULA DESCRIÇÃO ANOTAÇÕES
Origens do subdesenvolvimento
Atividade 1
1 A divisão do mundo
Atividade 2
Orientações para a tarefa 1 (Em casa)
Correção da tarefa 1
Como medir o subdesenvolvimento
Principais aspectos do subdesenvolvimento
2 A) Dependência da economia primária
B) Elevada parcela de trabalhadores no campo
Atividade 3
Orientações para a tarefa 2 (Em casa)
Correção da tarefa 2
C) Setor secundário dependente
D) Setor terciário hipertrofiado
3 E) Pequena participação no comércio internacional
F) Problemas demográficos
Atividade 4
Orientações para a tarefa 3 (Em casa)
Correção da tarefa 3
G) Problemas urbanos
H) A fome
4
I) Educação
Atividade 5
Orientações para a tarefa 4 (Em casa)

Estratégias e orientações
Origens do subdesenvolvimento (página 162)
Inicie a aula lembrando que no ano anterior estudamos os países desenvolvidos, e que agora analisaremos
os países subdesenvolvidos. Essa estratégia segue o caminho do processo histórico, já que os países desen-
volvidos, durante a expansão imperialista, submeteram a maior parte dos atuais países pobres à subordinação
Ensino Fundamental - 9°- ano 6
política e à exploração econômica, o que se relaciona os nove aspectos que resumem as características atuais
às más condições de vida de grande parte da popu- dos dois grupos de países. Novamente não vemos ne-
lação das ex-colônias. O painel fotográfico de aber- cessidade de aprofundar esses detalhes, já que grande
tura do Módulo apresenta alguns dos problemas que parte deles foi estudada no ano passado.
serão estudados. Para fixar as causas do subdesenvolvimento, desen-
Explique que o moderno conceito de subdesenvolvi- volva a Atividade 2, na qual se analisa um texto que
mento surgiu após a Segunda Guerra Mundial, mas a relaciona desenvolvimento e subdesenvolvimento com
desigualdade entre as nações é um processo bem mais a presença de recursos naturais. Considerando a impor-
antigo. Comente rapidamente que o processo de acumu- tância do tema e as confusões que o senso comum gera
lação de capital nas metrópoles europeias possibilitou a sobre ele, sugerimos incentivar um debate entre os alu-
Revolução Industrial e provocou o aumento das desigual- nos sobre cada uma das quatro análises do texto.
dades entre as nações. Mostre a gravura sobre a constru- Recomende a tarefa 1, na qual se apresenta uma
ção do metrô na cidade de Londres na metade do século outra forma de analisar o desenvolvimento. O tema não
XIX, meio de transporte urbano que ainda não chegou à é novo, já que foi estudado no ano passado, mas é im-
maior parte dos países subdesenvolvidos. portante, pois exige reflexão sobre as relações entre o
Apresente os dados da diferença do PIB per capita consumo de energia e o desenvolvimento dos países.
entre os países ricos e pobres e quantifique a extensão
do mundo subdesenvolvido, que envolve mais de 160 Como medir o
países e cerca de 60 colônias ou possessões. O tema já
foi abordado na introdução do 8o ano, mas agora o
subdesenvolvimento (página 166)
retomamos com dois objetivos: revisar o conceito e Inicie a aula reforçando o conceito de IDH.
atualizar a situação, já que nas últimas décadas alguns Relembre quais são seus três indicadores básicos (renda,
países subdesenvolvidos conquistaram maior partici- educação e saúde). Com ajuda do mapa “IDH em 2011”
pação no PIB mundial. e da tabela “Extremos de IDH em 2011”, mostre as dis-
Portanto, para explicar o aumento dessa participa- paridades de classificação, destacando a predominância
ção na geração do PIB mundial, iniciada na década de de países com IDH muito alto na América Anglo-
1990, desenvolva a Atividade 1, na qual, por meio de -Saxônica, na Europa Ocidental, no Japão e na Austrália
um gráfico, mostra-se a crescente participação dos países (estudados no ano passado). Mostre ainda a concentra-
subdesenvolvidos no PIB mundial. A atividade pode ção de países de baixo IDH na África Subsaariana.
ser desenvolvida individualmente, mas é possível pro-
mover um rápido debate, especialmente sobre o item b. Principais aspectos do
O tema desse item já foi discutido ao longo do 8o ano, subdesenvolvimento (página 167)
quando apresentamos a Nova Ordem Internacional,
marcada pela ascensão dos países emergentes. Mas, Comece a análise das características do subdesen-
provavelmente, os alunos não se lembrarão do assunto, volvimento. Cuidado para não se alongar, já que a ideia
por isso é interessante retomá-lo, já que ele é essencial é fazer uma síntese do que será estudado ao longo do
para a compreensão desta e das próximas aulas. ano. Portanto, a meta é fazer um panorama introdutó-
rio, e não saturar o aluno com um imenso conjunto de
informações.
A divisão do mundo (página 163)
Retome a exposição teórica, comentando a impor-
A) Dependência da economia primária
(página 167)
tância do nível de renda como indicador do subdesen-
volvimento. Para isso, use o mapa do Caderno – “Países Mostre os 10 países com maiores dependências do
de menor PIB per capita em 2011” –, no qual estão os PIB primário. Destaque o fato de que essa realidade
38 países com as mais baixas rendas do mundo. indica uma forma de organização econômica extrema-
Explique que essa não é a única forma de dividir o mente simples. Comente ainda as duas formas de pro-
mundo. Comente que, entre as diversas possibilidades, dução agrícola comuns em países agrários, a de subsis-
a mais usada atualmente é a que está no mapa “Norte × tência e a de plantations. Nesta última, fique atento
Sul”. Apesar de simples, essa classificação é suficiente para que os alunos não a confundam com a forma
para uma análise introdutória ao assunto, como indicam histórica, que era baseada no trabalho escravo.

7 Ensino Fundamental - 9°- ano


Comente também sobre a Revolução Verde, que atingiu alguns dos países subdesenvolvidos (México, Índia,
Brasil, Egito, etc.) e aborde seus impactos.

B) Elevada parcela de trabalhadores no campo (página 168)


É importante associar esse aspecto ao anterior, destacando, porém, o fato de que há muitos países com
elevadas parcelas de PEA no campo. A tabela “Recordes mundiais de População Economicamente Ativa no
campo em 2011” mostra apenas os 15 primeiros, todos com mais de 75% da PEA no setor primário. Há mais
de 60 países com 50% ou mais de trabalhadores no campo.
Desenvolva a Atividade 3, em que se relacionam os dois dados apresentados na exposição teórica (dependência
da economia primária e elevada PEA no campo). O que se explora aqui é a relação entre o elevado número de
trabalhadores e a baixa produtividade deles. O conceito vem sendo tratado desde o ano passado, quando estudamos
sobre trabalhadores pouco numerosos, mas de elevada produtividade. Aqui ocorre o contrário. Embora tenha sido
bem trabalhado no ano passado, o conceito é complexo e precisa ser novamente abordado e bem fixado.
Não deixe de comentar a anomalia representada pelos países subdesenvolvidos que se industrializaram, nos
quais essa participação caiu muito. Use a tabela “Países subdesenvolvidos com pequena PEA no campo em 2011”
para comprovar o fato.
Recomende a tarefa 2, na qual os alunos devem, com a análise de uma tabela, descobrir que a má distribuição
de renda é um fenômeno tanto nacional como internacional.

C) Setor secundário dependente (página 170)


Inicie a aula dando continuidade à síntese das características dos países subdesenvolvidos. Explique que o padrão
nos países subdesenvolvidos é a quase inexistência de indústrias, o que reforça os dois aspectos analisados anteriormente.
Porém, comente que existem dois grupos de países subdesenvolvidos que se industrializaram de forma diferente. Na
tabela a seguir, estão os aspectos que devem ser destacados (sugerimos montar a tabela na lousa):

Grupo I Grupo II
Características
Substituição das importações Plataformas de exportação (Tigres Asiáticos)
Época Década de 1950 Década de 1970
Principais países Brasil, México e Argentina Singapura, Coreia do Sul, Taiwan e Hong Kong
Investimentos Estatais e transnacionais Transnacionais
Mercado principal Interno Externo
Outros aspectos Incentivos fiscais e elevados investimentos em educação

D) Setor terciário hipertrofiado (página 171)


Deixe claro que o crescimento do setor terciário dos países subdesenvolvidos não tem as mesmas carac-
terísticas que estudamos nos países desenvolvidos (o que explica o termo, hipertrofiado). Relacione isso com
subemprego, burocratismo e militarismo. Use a tabela “Participação do setor terciário na PEA em 2011 (%)”
para mostrar os dados.

E) Pequena participação no comércio internacional (página 172)


Explique o que determina o interesse em estudar o comércio dos países subdesenvolvidos. Relembre o
papel que os países subdesenvolvidos tinham na Divisão Internacional do Trabalho anterior (fornecedores de
matérias-primas), tema desenvolvido no ano passado. Reforce que isso não mudou muito nos últimos 100 anos,
já que, nas duas últimas décadas, 70% do valor das exportações desses países foi de matérias-primas minerais,
fontes de energia e produtos agrícolas. Destaque a elevação do preço das commodities a partir do início da
década de 2000, puxada pela elevação do consumo dos países emergentes, com ajuda do gráfico “Elevação
do preço real das commodities no século XXI”.
Ensino Fundamental - 9°- ano 8
F) Problemas demográficos (página 173) crescente concentração em países subdesenvolvidos
e as consequências geradas por isso.
Retome o tema das fases do crescimento vegetati-
vo, visto no ano passado, porém analisando-o agora
sob a perspectiva dos países subdesenvolvidos. H) A fome (página 177)
Com o gráfico “Fases da transição demográfica”, Explique os dois tipos de problema relacionados à
relembre aos alunos que todos os países passaram ou fome, deixando bem claras as suas diferenças.
passarão pelas quatro fases. Destaque, na fase 2, a ex- É importante destacar que a fome aguda pode levar
plosão demográfica provocada pela revolução sanitária à morte por inanição. Em geral, os alunos não acreditam
e pela urbanização. Comente que vários países subde- que se possa morrer de fome, por isso, é importante
senvolvidos já estão na fase 3 e que alguns até já entra- explicar-lhes que isso ocorre com as populações que vi-
ram na fase 4, embora estejam ainda no início dela. vem à beira da inanição, condição que se agrava quando
Não deixe de alertar os alunos para o fato de que ocorre uma seca mais prolongada, um ataque às colhei-
as conquistas demográficas, refletidas em indicadores tas por pragas ou a eclosão de conflitos bélicos.
como expectativa de vida ou mortalidade infantil, po- Quanto à fome crônica, ou oculta, o importante
dem ser revertidas. Para reforçar esse conceito central, é destacar que sua ocorrência por deficiência alimentar
desenvolva a Atividade 4, na qual analisamos países na infância provoca mau desenvolvimento físico e
extremamente pobres da África e onde a epidemia de mental, principalmente na primeira infância. Saliente
Aids está determinando um retrocesso demográfico, os números elevados relativos ao problema.
reduzindo a expectativa de vida. Antes que eles tentem
desenvolver as respostas, converse sobre cada uma das I) Educação (página 179)
questões apresentadas, assegurando dessa forma que o
Deixe claro que o número de analfabetos no mun-
conceito seja bem assimilado.
do hoje é ainda muito elevado e que o problema se
Recomende a tarefa 3, na qual, com base na aná-
estende desde a infância (mais de 25% das crianças de
lise dos dados de mortalidade e de suas causas, o aluno
6 a 11 anos no mundo estão fora da escola), passando
deverá deduzir o grau de desenvolvimento de um país.
pela adolescência (abandono da escola por necessidade
de trabalhar) até o mundo adulto. Neste último caso,
G) Problemas urbanos (página 175) é importante destacar a dificuldade de integração do
Inicie a aula dando continuidade à síntese das ca- analfabeto ao mundo moderno, cada vez mais exigente
racterísticas dos países subdesenvolvidos, destacando quanto à qualificação da mão de obra.
o fato de que, em um grande número desses países, a Analise a tabela “População analfabeta em 2009
maior parte da população está no campo. Para reforçar (% da população com mais de 15 anos)” e as dificul-
esse conceito, mostre os dados da tabela “Recordes dades para atingir a Meta do Milênio (reduzir o anal-
mundiais de baixa urbanização em 2011”. fabetismo pela metade até 2015).
Explique que, por outro lado, em alguns países Encerre a aula desenvolvendo a Atividade 5, na
subdesenvolvidos, ocorre uma explosão de cresci- qual se analisa o impacto do trabalho infantil no
mento urbano, com a formação de gigantescas e analfabetismo.
problemáticas cidades. Analise a tabela “Evolução Recomende a tarefa 4, na qual se discutem aspectos
das megacidades (em milhões)”, destacando sua do problema da fome nos países subdesenvolvidos.

Respostas e comentários

Atividade 1 (página 162)


a) Até 1990, os países desenvolvidos produziam cerca de 70% do PIB mundial, mas a partir desse período
houve uma queda acentuada dessa participação. A previsão é de que sua participação caia para cerca de
46% em 2016.
b) O aumento da participação dos países subdesenvolvidos no PIB mundial se deve ao acelerado crescimento
econômico de alguns países emergentes, em especial o da China.

9 Ensino Fundamental - 9°- ano


Atividade 2 (página 165) Atividade 5 (página 180)
I. F a) Os elevados índices de analfabetismo em países
subdesenvolvidos se relacionam diretamente à
Professor: Destacar que o subdesenvol- necessidade que as crianças têm de trabalhar,
vimento tem causas históricas, econômicas, sobrando pouco ou nenhum tempo para o es-
políticas e sociais, raramente se relacionan- tudo. Em muitos casos, elas até começam os
do à não utilização dos recursos naturais. estudos, mas logo são obrigadas a abandonar a
escola.
II. F b) Os serviços perigosos são proporcionalmente
menores na Ásia, já que dos 114 milhões de
Professor: Chamar atenção para o fato crianças trabalhadoras, apenas 48 milhões es-
de que a maior parte dos países com econo- tão em serviços perigosos (42%).
mia baseada na exploração de recursos mi-
nerais é pobre, e não rica. Professor: Se quiser completar, os dados
são África (60%) e América Latina (64%).
III. F

Professor: O texto afirma com clareza Em casa (página 180)


que a Suíça e a Dinamarca são países pobres 1. Alternativa a
em recursos naturais e que, apesar disso, eles Justificativas:
são desenvolvidos. II) As maiores reservas de petróleo do mundo
estão predominantemente em países subde-
senvolvidos;
IV. F IV) Vários países subdesenvolvidos dispõem de
grandes reservas de petróleo. A maior parte
Professor: Destacar que é inaceitável a deles não emprega elevada tecnologia na uti-
ideia de que a natureza é capaz de levar uma lização de outras fontes energéticas.
nação ao subdesenvolvimento.

Professor: Realmente o grau de ativida-


de urbana e industrial se relaciona ao con-
Atividade 3 (página 169) sumo de energia (afirmação I) e grande
a) É o grupo II. Deserto do Saara. Baixa produ- parte dos países desenvolvidos depende de
tividade, o que se deduz pelo baixo PIB gerado importação (afirmação III).
em relação à elevada PEA empregada.
b) O grupo I está na região equatorial. Elevada
dependência, o que se deduz pela elevada PEA 2. a) A diferença de renda entre eles é enorme. Ela
empregada e pela alta participação no PIB indica que o grau de desenvolvimento entre eles
gerado. é muito diferente.

Atividade 4 (página 174) Professor: É importante o aluno perce-


a) O declínio se deve à elevação da taxa de mortali- ber que o PIB per capita permite classificar
dade causada pela expansão da epidemia da Aids. os países em diferentes níveis, embora isso
b) O IDH da maior parte dos países africanos está não seja suficiente para definir o grau de
entre os mais baixos do mundo, o que indica desenvolvimento. Mesmo que o tema tenha
má qualidade de vida. A queda da expectativa sido abordado em aula, sugerimos reforçar
de vida comprova isso e contribui para que o esse aspecto ao conferir a resposta.
IDH fique ainda pior.
Ensino Fundamental - 9°- ano 10
b) Os dados nacionais mostram que a população formada pelos 20% mais pobres tem renda muito inferior
à média nacional nos três países.

Professor: É importante neste caso destacar que a má distribuição nacional de renda é um problema
mundial, com raras exceções. O tema foi desenvolvido no ano passado e vale a pena retomá-lo agora,
ampliando o entendimento dos problemas mundiais. Uma boa forma de mostrar isso é pelo Coeficiente
de Gini (lembrando que, quanto mais próximo do zero, melhor é a distribuição da renda). Veja os
extremos mundiais:

Pior situação Melhor situação


Namíbia 70,7 Suécia 23,0
África do Sul 65,0 Hungria 24,7
Lesoto 63,2 Dinamarca 24,8
Serra Leoa 62,9 Noruega 25,0
Haiti 59,2 Áustria 26,0
Bolívia 58,2 Luxemburgo 26,0
Honduras 57,7 Finlândia 26,8
Colômbia 56,0 Croácia 27,0
Guatemala 55,1 Alemanha 27,0
Fonte: Human Development Report, 2011.

3. Todas as afirmações são verdadeiras. O país é subdesenvolvido.

Professor: As afirmações apresentam características típicas de países com má condição de vida,


baixa assistência médico-hospitalar, pequeno investimento em saúde, falta de tratamento de água e
esgoto, entre outros indícios de miséria. Isso permite classificar o país como subdesenvolvido. Vale,
ao conferir as respostas dos alunos, relembrá-los desses aspectos básicos.

4. Resposta pessoal.

Professor: Uma boa forma de correção desta tarefa é por meio da troca de respostas entre os alunos.
Pode-se fazer uma disputa para verificar qual texto usou mais palavras. É importante ler pelo menos
uma ou duas das produções, discutindo seus erros e acertos.

Sugestões de material para consulta


Texto de apoio ao professor
Meta 2 – Alcançar o ensino primário para todos
No conjunto dos países subdesenvolvidos, as matrículas para o ensino primário aumentaram lentamente. A taxa
bruta de crescimento aumentou apenas 7 pontos percentuais entre 1999 e 2009, chegando a 89% das crianças em
idade escolar. Nos últimos anos, esse crescimento ficou muito lento, em especial entre 2004 e 2009, quando só cresceu
2 pontos percentuais, o que diminuiu a possibilidade de se alcançar a Meta do Milênio para 2015. Veja a situação
regionalmente:

11 Ensino Fundamental - 9°- ano


Comparação das taxas de matrículas entre 1999 e 2009 (*)

Ásia Ocidental
83
88
Ásia Meridional
79
91
Ásia Oriental
95
96
África Subsaariana
58
76
África do Norte
86
94

América Latina
93
95

0 25 50 75 100 %

1999
2009
(*) Porcentagem de alunos em idade de receber educação
primária que se matricularam

Graças a um crescimento de 18 pontos percentuais, entre 1999 e 2009, a África Subsaariana conseguiu o maior
avanço, seguida pela Ásia Meridional e África do Norte, que tiveram um crescimento percentual de 12 pontos e de
8 pontos, respectivamente.
Para conquistar a meta de 2015, as crianças de todo o mundo devem alcançar o ciclo completo de ensino primário.
As estatísticas atuais demonstram que o mundo está longe de alcançar essa meta, pois apenas 87% das crianças das
regiões subdesenvolvidas terminam o ensino primário. Na metade dos países menos desenvolvidos, pelo menos 4 de
cada 10 crianças matriculadas no ensino primário abandonam a escola antes de terminar o ciclo.
A taxa de alfabetização juvenil (15 a 24 anos) subiu de 83% para 89% entre 1990 e 2009. A Ásia Meridional e a
África do Norte registraram os maiores progressos, com crescimentos percentuais de 20 e 19 pontos, respectivamente.
A África Subsaariana também teve uma melhoria significativa com um aumento de 7 pontos percentuais, embora
continue sendo a região com a taxa de alfabetização juvenil mais baixa (72% em 2009). Observe a evolução
regionalmente:

Evolução da taxa de alfabetização de jovens entre 1990 e 2009

África Subsaariana 65 72
Oceania 73 75

Ásia Meridional 60 80

África do Norte 68 87
Ásia Ocidental 87 93
América Latina 92 97
Ásia Oriental
95 99
Mundo 83 89
60 70 80 90 100 %

Fonte: ONU. Objetivos de desarrollo del milenio. Informe 2011. Nueva York, 2011. (Adaptado.)

Ensino Fundamental - 9°- ano 12


Na estante
• BENAYON, Adriano. Globalização versus Desenvolvimento. Brasília: LGE, 1998.
Clássico estudo sobre as teorias desenvolvimentistas e os sistemas econômicos em linguagem simples.

• FURTADO, Celso. Raízes do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.


O ex-ministro do planejamento no governo João Goulart analisa a teoria global do subdesenvolvimento e as
particularidades do Brasil nesse quadro. Aponta ainda os fatores que agravam ou perpetuam essa situação.

Na rede
• <http://faostat.fao.org/> (Acesso em: jul. 2012.)
Página da FAO (Food and Agriculture Organization), com dados relacionados ao problema da fome. Na seção
Suministro alimentario (em espanhol) há muitos dados interessantes sobre a situação alimentar do mundo.
Disponível em inglês, francês e espanhol.

aulas 5 e 6
O QUADRO NATURAL
Geografia 2 AFRICANO

Objetivos
• Conhecer os aspectos naturais do continente, base para o entendimento do seu quadro humano e
econômico.
• Analisar os principais impactos ambientais da ação humana sobre o espaço natural africano.

Roteiro (sugestão)

AULA DESCRIÇÃO ANOTAÇÕES


Correção da tarefa 4 do Módulo 1
Posição geográfica
O relevo africano
5 Atividade 1
A hidrografia africana
Atividade 2
Orientações para a tarefa 1 (Em casa)
Correção da tarefa 1
A diversidade climática
Atividade 3
6
As paisagens vegetais
Problemas ambientais
Orientações para a tarefa 2 (Em casa)

13 Ensino Fundamental - 9°- ano


Estratégias e orientações

Posição geográfica (página 182) Desenvolva a Atividade 2, na qual são analisadas


as relações entre os aspectos da hidrografia da África
Inicie a aula comentando que a grande diversidade Setentrional e seus climas áridos e semiáridos. Talvez
de paisagens do continente africano se relaciona à sua seja necessário relembrar também o conceito de rios
grande extensão territorial. Com ajuda do mapa temporários. Sugerimos dar alguns minutos para que
“África: posição geográfica e divisão política”, localize eles tentem responder antes de passar a resposta correta
o continente, aponte suas dimensões, indique seus li- e completa.
mites e analise os pontos estratégicos do seu extenso Recomende a tarefa 1, em que, com base na aná-
litoral. Tenha um cuidado especial com a Península lise de um pequeno texto, os alunos deverão fazer uma
do Sinai, que está na Ásia, embora seja de domínio pesquisa sobre a hidrografia da África Oriental. A
político do Egito. Explique ainda que o continente tem maior parte das respostas foi desenvolvida nas ativida-
54 unidades políticas, com as mais diferentes extensões des ou está no texto do Caderno, sendo desnecessária
territoriais e formas de governo. uma pesquisa mais trabalhosa. Sugerimos que o mapa
a ser desenhado tenha uma escala grande e represente
O relevo africano (página 183) apenas a área referente ao tema da questão para que os
Relembre aos alunos que a África fazia parte do detalhes possam ser vistos. É importante instruir os
supercontinente de Gondwana e que, portanto, sua alunos para as dimensões do mapa, segundo o que
base geológica é muito antiga, o que explica o aplaina- parecer mais adequado.
mento e o predomínio das baixas altitudes. Com ajuda
do mapa “África: relevo e hidrografia”, mostre os prin- A diversidade climática (página 185)
cipais planaltos e planícies que dominam o espaço Inicie a aula explicando os fatores climáticos
africano. Comente que durante o Período Terciário que atuam sobre o continente africano. Destaque a
várias partes do continente sofreram grandes transfor- influência das baixas altitudes e latitudes, fatores
mações, em especial a porção oriental, onde se desta- muito estudados nos últimos três anos e que, por-
cam falhas tectônicas, lagos, vulcões e grandes picos. tanto, não devem ocupar muito tempo. Mencione
Para explicar sua origem e suas características, desen- as particularidades determinadas pelos pontos de
volva a Atividade 1. Sugerimos que o mapa seja expli- maior altitude e pelas correntes marítimas. Com
cado, já que os conceitos que envolvem a formação da apoio do mapa “África: tipos de clima”, faça uma
região precisam ser relembrados. Algumas perguntas breve descrição dos seis grandes tipos de clima do
podem direcionar a observação e estimular o debate: continente, analisando rapidamente os climogramas
Que região do continente está representada? Por que pertinentes.
será que há tantos vulcões nessa região? O que é a fossa Para ajudá-lo nessa tarefa, desenvolva a Atividade 3,
africana? Por que os lagos Niassa e Tanganica são tão na qual analisamos dois desses climogramas com o in-
longos e estreitos? Vá anotando na lousa as conclusões teresse de fixar as características básicas dos climas mais
corretas e só ao final peça para que eles redijam o texto secos e mais úmidos do continente. Sugerimos discutir
proposto na atividade. com a sala as afirmações ou organizar grupos para dis-
cutir cada uma delas (se houver tempo) antes de assinalar
A hidrografia africana (página 185) as verdadeiras e as falsas. O importante é fazê-los perce-
Analise as condições hidrográficas e chame a ber a inversão de estações entre os hemisférios norte e
atenção para o pequeno número de grandes rios em sul (enquanto uma porção do continente está no inverno,
relação à extensão do continente e para a escassez de a outra está no verão, e assim consecutivamente).
água em função das grandes áreas de climas áridos e
semiáridos. As paisagens vegetais (página 188)
Comente a presença de lagos vulcânicos e tectônicos Comente que a vegetação sofre uma forte influência
na porção oeste do continente. Provavelmente os alunos do clima e, com apoio do mapa “África: paisagens ve-
não se lembrarão dos conceitos que envolvem essas for- getais” e das fotos que o seguem, descreva rapidamente
mações e será preciso retomar rapidamente o tema. as seis paisagens dominantes no continente. Ela vem
Ensino Fundamental - 9°- ano 14
acompanhada de mais algumas fotos, que ilustram os Comente o agravamento da escassez de água e
tipos de vegetação, facilitando o entendimento dos explique o que é o Sahel com apoio do mapa “África:
alunos. precipitações no Sahel”. Comente também o problema
das queimadas, realizadas na produção agrícola
Problemas ambientais (página 190) primitiva.
Encerre a exposição comentando que o continente Recomende a tarefa 2, na qual os alunos devem
teve um sério agravamento das condições ambientais nas observar as médias térmicas de duas cidades localiza-
últimas décadas em virtude do rápido crescimento de suas das praticamente na mesma latitude e notar que as
populações, que em geral vivem de forma simples, ocupan- diferenças são determinadas pelo fator altitude (dado
do o espaço natural sem uso de tecnologias modernas. fornecido na tabela).

Respostas e comentários
Atividade 1 (página 184) Atividade 3 (página 187)
A região representada é a África Oriental. Os lagos a) F
da região surgiram pelo deslocamento das placas tectô-
nicas (indicadas pelas setas) ou pelo preenchimento de Professor: O verão de Argel ocorre entre
crateras de vulcões temporariamente inativos. O relevo junho e setembro, época de seca. Na Cidade
é formado por planaltos e montanhas instáveis, com do Cabo, o verão ocorre entre dezembro e
grande número de vulcões e com ocorrência de terre- março, período de menor precipitação.
motos, fatos que indicam formação geológica recente.
b) F
Professor: Esse é um possível resumo do
conteúdo do texto que os alunos devem de- Professor: Na cidade de Argel, a estação
senvolver. A maior ou menor extensão e o seca é bem definida; e na Cidade do Cabo,
detalhamento da resposta vão depender do há apenas uma redução das precipitações.
encaminhamento em sala. Veja as instruções A amplitude térmica é bem grande em
da atividade. Argel (cerca de 15 °C).

c) F
Atividade 2 (página 185)
Acima da linha desenhada no mapa, predominam Professor: O verão de Argel é seco e as
os rios intermitentes ou temporários, já que a região chuvas concentram-se no outono-inverno.
está ocupada pelo mais extenso deserto tropical, o
Saara. Esses rios se formam com o degelo da neve, dos
raros picos da região, ou com eventuais chuvas torren- d) V
ciais. A consequência da intermitência desses rios é a
impossibilidade de desenvolvimento agrícola. Professor: As médias da Cidade do
Cabo são mais baixas e ficam entre 13 °C e
20 °C. As chuvas são mais intensas no meio
Professor: Vale a pena destacar ainda o do ano, época de inverno no hemisfério sul.
rio Nilo, que, graças ao grande volume de
chuvas da zona equatorial, consegue atraves-
sar o deserto e chegar ao mar Mediterrâneo.
Por esses fatores, o Nilo tem bom aproveita- Em casa (página 191)
mento de seu potencial hidrelétrico e é utili- 1. a) A região descrita é a África Oriental ou a parte
zado para a irrigação agrícola. leste do continente.
b) Trata-se do rio Nilo.

15 Ensino Fundamental - 9°- ano


c) Os lagos de Tanganica e Niassa se formaram pelo movimento das placas tectônicas, que abriram fendas
na porção oriental da África, formando lagos com um formato alongado e profundo.

Professor: Não deixe de verificar os mapas. Sugerimos montar uma exposição na sala com os
mapas que estiverem mais bem desenhados.

2. a) O principal fator determinante das grandes diferenças de temperatura entre as cidades do mapa é a altitude
(observe que a latitude é quase igual).

Professor: Os dados de altitude estão no mapa, mas provavelmente a maior parte dos alunos não deve
ter percebido isso. É um bom momento para reforçar a importância de observar o mapa com atenção.

b) Os climas são: Equatorial (Guiné Equatorial) e Tropical de Altitude (Quênia).

Sugestões de atividade extra


1. O mapa a seguir indica a escassez de água na África do Norte. Observe-o.

Fonte: ONU. Integrating Environment and Development, 1972-2002.


EUROPA

Mar
Medi
terrâneo

ÁSIA
Trópic
o de Cân
cer
Ma
rV
erm
elh
o

OCEANO
OCEANO
ATLÂNTICO
ÍNDICO

Equador
Insuficiente: menos de 1.000 m3/pessoa
Razoável: de 1.001 a 2.000 m3/pessoa
Suficiente: de 2.001 a 10.000 m3/pessoa
Abundante: mais 10.001 m3/pessoa 0 510 km

Após o estudo do mapa, responda:


a) Quais são os climas e as paisagens vegetais dominantes na região cuja quantidade de água per capita é
insuficiente?
b) Considerando a situação retratada, faça uma pesquisa e descreva como ali se desenvolve a agropecuária.
2. Há muitas áreas de rochas na África, na América do Sul, na Índia e na Antártica que são semelhantes entre
si. Grande parte delas é antiga e de origem cristalina, indicando que as terras do hemisfério sul, quando se
formaram, eram parte de um supercontinente. Observe no mapa a seguir a posição aproximada dessas massas
continentais há cerca de 150 milhões de anos.
Ensino Fundamental - 9°- ano 16
Fonte: Elaborado pelo autor.
Com base nessas informações, responda:
a) Que nome é dado a esse supercontinente?
b) Por que ele se fragmentou?

3. A foto representa uma paisagem típica de um dos principais ecossistemas do continente africano, represen-
tado no mapa por um número.

Fonte: Elaborado pelo autor.


© BIRF

EUROPA
Ma
r Me
diterrân
eo

Trópi ÁSIA
co de C
ânce r 1

Ma
rV
erm
elh
5o

Equador
3 OCEANO
OCEANO ÍNDICO
ATLÂNTICO

Capricórnio
Trópico de
4

0 930 km

Com base no que você estudou em sala:


a) Indique o nome da paisagem vegetal representada na foto.
b) Aponte o número do mapa em que se localiza o ecossistema mostrado na foto.
c) Apresente as principais características dessa paisagem vegetal.

17 Ensino Fundamental - 9°- ano


4. Observe o esquema a seguir:
Queimada na Novas queimadas nos
estação seca anos seguintes

Pastagens Destruição do húmus


(objetivos a curto prazo)

Solo desnudo e erosão na


estação chuvosa
Renascimento das gramíneas
na estação chuvosa

Consequências:

Facilidade de alimentação
do rebanho

a) Escreva no quadro em branco pelo menos duas consequências das sucessivas queimadas que ocorrem na
África.
b) Esse processo é comum em que parte do continente? Por quê?

5. Leia o texto e observe o mapa:

A água potável do planeta caminha para assumir o papel que tinha o petróleo em 1973: um produto
escasso e caro, com potencial de lançar a economia mundial num estado de choque. Entre 1970 e 1995, a
quantidade média de água disponível para cada habitante do mundo caiu 37%. De 1996 a 2010, calcula-se
que a redução tenha sido de mais de 25%. Mantida a atual política de uso da água e com as estimativas de
crescimento da população, a ONU prevê que várias regiões do mundo terão seu estoque de água potável
esgotado ainda nessa década.
ONU. Integrating Environment and Development. (Adaptado.)

África: escassez de água


Fonte: ONU. Integrating Environment and Development, 1972-2002.

Tró Ma
pic r Me
o de C diterrân
ânc eo
e r
ÁSIA
Ma
rV
e rm
e lh
o

Equador

OCEANO
ÍNDICO

OCEANO
ATLÂNTICO

ricórnio
o de Cap
Trópic

Física
Econômica 0 805 km

Ensino Fundamental - 9°- ano 18


A escassez física de água é determinada por fatores 3. a) Savana.
climáticos, e a escassez econômica, pela falta de b) Número 2.
recursos financeiros para tratá-la. Com base no c) As savanas são constituídas por uma paisagem
texto, no mapa e em seus estudos, responda: vegetal em que predominam herbáceas e arbus-
a) Os dados do mapa da África confirmam o texto? tos, que se desenvolvem em áreas de clima tro-
Justifique sua resposta. pical (seca no inverno e chuvas no verão).
b) Explique as causas da escassez física de água na
África do Norte. Professor: Como a maior parte dos alu-
nos já conhece animais típicos das savanas
Respostas africanas, podemos enfatizar aqui a memo-
1. a) Predominam os climas áridos e semiáridos. As rização das características climáticas e botâ-
paisagens vegetais dominantes são, respectiva- nicas dessa vegetação.
mente, os oásis e as estepes.
b) A agricultura é desenvolvida nos oásis, onde se 4. a) Ressecamento e progressiva esterilização do solo,
cultiva principalmente a tâmara. Nas áreas das erosão e desertificação (esta é a consequência
estepes, desenvolve-se uma pecuária nômade final do processo iniciado com as queimadas).
ou seminômade, sobretudo de camelos, ovinos b) Esse processo é comum nas zonas tropicais
e caprinos. do continente. Nessas regiões, está ocorrendo
um superpovoamento, que aumenta o uso da
Professor: Esse tema será desenvolvido terra. O emprego de técnicas agrícolas pri-
mais adiante. Vamos apenas incentivar a mitivas, baseadas nas queimadas, amplia a
pesquisa. A questão parece complexa, mas o desertificação.
essencial é que os alunos percebam a relação
entre o clima e a situação hídrica da região. Professor: A questão é complexa, pois re-
Devemos, no entanto, destacar a necessidade laciona aspectos naturais, humanos e econô-
de uma observação atenta e não determinista, micos. Contudo, serve como ótima introdução
já que a interferência humana sobre a paisa- aos temas que veremos mais detalhadamente
gem pode alterá-la profundamente. nas próximas aulas. Se for utilizá-la, não deixe
de relembrar aos alunos que em locais desse
tipo é comum a formação de carapaças meta-
2. a) E sse supercontinente recebe o nome de
lizadas no terreno (laterização).
Gondwana.
b) Os supercontinentes foram fragmentados por
ação do tectonismo e do vulcanismo, separan- 5. a) Sim. Vemos no mapa que praticamente todos
do-se com o movimento das placas tectônicas os países da porção setentrional da África en-
(deriva continental). frentam a falta de água. As causas disso são
naturais (clima seco), econômicas (falta de re-
Professor: Pode ser interessante recordar cursos financeiros) e demográficas (excesso de
com os alunos que Gondwana era o nome crescimento populacional).
do supercontinente ao sul, e que ao norte b) A escassez física de água na África do Norte se
havia outro, denominado Laurásia. deve ao clima árido dominante na região, quase
toda ocupada pelo deserto do Saara.

19 Ensino Fundamental - 9°- ano


Sugestões de material para consulta

Texto de apoio ao professor colonizadores, fala sobre Nelson Mandela e a segre-


gação racial na África do Sul, entre outros temas.
A paisagem e o homem
Linguagem fácil.
As dilatadas áreas de savanas, cerrados e estepes são a
morada dos grandes mamíferos africanos: o búfalo, os va-
riadíssimos tipos de antílopes (o elande, o gnu, o cudo, a Na rede
impala, as palancas, o guelengue, o sim-sim, o inhacoso, o
chango, as gazelas), o elefante, o rinoceronte, o hipopótamo, • <www.afrol.com> (Acesso em: jul. 2012)
a zebra, a girafa, o leão, o leopardo, o guepardo, a hiena, os Página da AfroNews, com muita informação sobre
numerosos símios. São também diversificadas as espécies o continente. A seção “Meio Ambiente” é uma fonte
de aves, ressaltando-se o avestruz, a cegonha, o flamingo, o de pesquisa ideal para o professor, com dados, ma-
pelicano, a águia-pesqueira. Em nenhum outro continente, pas, tabelas e textos sobre assuntos relacionados aos
há tantas espécies de grandes animais e em tão considerável aspectos naturais da África. Disponível em inglês e
número – e é nas savanas que eles se concentram. espanhol.
Nas florestas pluviais, os animais de porte são me-
nos abundantes: o elefante, o hipopótamo, a pantera, o
crocodilo, o porco selvagem, os grandes macacos, entre Na videoteca
os quais o gorila e o chimpanzé. Ali predominam os pás-
saros, os répteis, os mamíferos arborícolas, os insetos, os • África: vida selvagem
vermes, os parasitas. As florestas pluviais ocupam a bacia Produção: National Geographic
do Zaire *, o Gabão, a Guiné Equatorial, o leste de Direção: David/Carol Hughes
Madagascar, o litoral do Quênia e da Tanzânia, o sul dos
países que se estendem da Guiné-Bissau até os Camarões Duração: 60 minutos
– excetuados o Togo e a República do Benim, onde são Sinopse: O filme (dublado) tem várias informações
substituídas por uma ourela costeira de palmeirais. Na ligadas à Biologia, mas as paisagens geográficas são
zona litorânea oriental da África do Sul, registram-se bem representadas e ajudam muito bem os alunos a
também importantes florestas. Na fímbria dessas densas entender a geografia africana. Como foi filmado no
matas, os abertos se sucedem. Para dentro da floresta, Parque Etosha (Namíbia), serve principalmente para
o chão vai se tornando nu ou coberto de detritos vege- mostrar como é um deserto (um dos mais secos do
tais, enquanto as árvores se multiplicam em andares de
mundo) e como a flora e fauna se adaptam a ele. É
altura, com as copas, em muitos pontos, a se unirem
umas às outras, na confusão de um só teto. Tudo é ver- possível selecionar os trechos mais interessantes para
de. Só vista do alto, a floresta colore-se de flores. Em os objetivos destas aulas de Geografia (cerca de 12
contraste, na maior porção do ano, as estepes, as savanas ou 13 minutos).
e os cerrados exibem o predomínio dos castanhos.
SILVA, Alberto da Costa e. A enxada e a lança. Rio de Janeiro: • Odisseia de Cousteau: O Nilo
Nova Fronteira, 1996. p. 20-21.
Direção: Jacques-Yves Cousteau e Philippe Cousteau
* Atualmente denominado Repúbica Democrática do Congo.
Duração: 116 minutos
Na estante Sinopse: É um dos seis DVDs que fazem parte
dessa coleção, relançada em 2005. Filme antigo,
• BARBOSA, Rogério Andrade. Kalahari: uma aven- mas bem produzido, do famoso explorador
tura no deserto africano. São Paulo: Melhoramentos, Jacques Cousteau, com imagens muito interes-
2009. santes. Ideal para uma atividade interdisciplinar
Literatura infantojuvenil sobre um jovem de 15 anos com História e Biologia, pois mostra os santuários
que é levado para Botsuana, na África, por seu pai, ecológicos e as ruínas nas margens do Nilo. Como
um documentarista. Descreve a vida no deserto do é um filme longo, sugerimos escolher trechos para
Calaari, discute as ideias de civilização trazidas pelos aproveitamento e discussão em sala.

Ensino Fundamental - 9°- ano 20


aulas 7 a 9
O QUADRO humano e social
Geografia 3 AFRICANO

Objetivos
• Conhecer os aspectos sociais do continente, base para o entendimento do seu quadro humano e
econômico.
• Desenvolver a habilidade de leitura de gráficos e de mapas.
• Aprofundar a capacidade de analisar dados em tabelas e, por meio de sua correlação com conceitos, estabelecer
sínteses sobre conteúdos desenvolvidos.

Roteiro (sugestão)

AULA DESCRIÇÃO ANOTAÇÕES


Correção da tarefa 2 do Módulo 2
Crescimento populacional
7
Atividade 1
Orientações para a tarefa 1 (Em casa)
Correção da tarefa 1
Distribuição populacional
8 Atividade 2
A urbanização
Orientações para a tarefa 2 (Em casa)
Correção da tarefa 2
Diversidade étnica
Saiba mais (“A organização social e religiosa tradicional”)
9
Condições de vida
Atividade 3
Orientações para a tarefa 3 (Em casa)

Estratégias e orientações

Crescimento populacional lerado, em especial após 1950, graças à ajuda internacio-


(página 193)
nal, reduzindo-se a taxa de mortalidade no continente.
Completando esse raciocínio, analise a pirâmide
Inicie a aula trabalhando o gráfico “África: evolução etária da Etiópia, com seu formato típico de países
da população”. Destaque a anomalia de crescimento subdesenvolvidos. Relacione os aspectos principais de
entre 1750 e 1850, relacionada ao período de exploração sua forma às baixas expectativas de vida e às elevadas
de escravizados. Depois mostre que a população reto- taxas de fertilidade ainda presentes na maior parte dos
mou a curva normal de crescimento, que foi muito ace- países do continente.

21 Ensino Fundamental - 9°- ano


Discuta com os alunos sobre a população absoluta lise da tabela com o crescimento explosivo da popula-
atual, destacando os diferentes grupos que ocupam os ção de algumas das maiores metrópoles africanas.
espaços “separados” pelo Saara, quantificando-os.
Comente a influência dos transportes modernos na Diversidade étnica (página 197)
integração desses espaços.
Detalhe o problema do acelerado crescimento Inicie a aula relembrando aos alunos o conceito de
populacional, suas causas e consequências, com etnia. Comente a drástica redução de seu número provo-
apoio da Atividade 1, em que se retoma o conceito cada pela entrada dos europeus no continente após o sé-
de explosão demográfica, desenvolvido na teoria do culo XVI. Associe a grande diversidade ainda existente à
subdesenvolvimento, mas agora aplicado ao caso preservação das estruturas tribais. Comente como a cria-
específico da África. ção de fronteiras artificiais, durante o imperialismo e a
Recomende a tarefa 1, na qual os alunos devem, posterior descolonização, contribuiu para o acirramento
com base em uma tabela de dados históricos, analisar das tensões étnicas e dos conflitos no continente.
as causas do aumento das taxas de crescimento popu- Retome a explicação do papel do deserto do Saara
lacional em quatro países africanos. como um divisor dos grupos étnicos do continente,
situação que está mudando graças ao desenvolvimento
dos meios de transporte e à maior integração econô-
Distribuição populacional (página 195) mica entre os países localizados em seus lados opostos,
Com apoio do mapa “África: distribuição da po- norte e sul.
pulação”, mostre os locais mais povoados e despovoa- Explique a manutenção da forma de organização
dos do continente, mencionando as causas específicas social tribal e as manifestações religiosas animistas e feti-
de cada situação. chistas. Comente que a diferença de culturas se manifesta
Comente o fato de que o continente africano é o de muitas formas, além da religião, destacando a arqui-
que apresenta ainda hoje elevado crescimento vegeta- tetura, a música, a forma de ornamentação corporal, etc.
tivo, com a manutenção de altas taxas de fertilidade,
o que garante sua crescente participação no total da Condições de vida (página 199)
população mundial.
Analise o elevado grau de pobreza que atinge o
Desenvolva a Atividade 2, na qual se analisa a
continente, destacando os indicadores de mortalidade
distribuição da participação dos países de baixa e de
infantil e de expectativa de vida, mostrados na tabela
alta fertilidade na composição da população mundial.
“Piores condições de vida na África em 2011 (Ranking
O tema não é novo, já foi discutido no ano passado e
mundial)”.
abordado novamente na introdução sobre o subdesen-
Para fixar os conceitos básicos, desenvolva a
volvimento. A novidade é a projeção até 2100, o que
Atividade 3, na qual se discute o problema da taxa de
pode exigir uma explicação prévia, antes da indicação
mortalidade infantil no continente. Sugerimos discutir
da tarefa. Cabe destacar o papel da África nesse pro-
o mapa com os alunos, antes de dar um tempo para
cesso, já que é o continente de maior crescimento po-
que eles respondam às questões.
pulacional atualmente e nas próximas décadas.
Analise a tabela “Piores IDHs do mundo em
Sugerimos a retomada do conceito no início da ativi-
2011” e converse sobre as causas desses índices tão
dade e, à medida que ele for explicado, aplicar as ques-
baixos encontrados na África Subsaariana. Encerre
tões para serem respondidas.
com um rápido comentário sobre o problema da Aids
no continente e analise seu impacto no crescimento
A urbanização (página 196) vegetativo. Várias interdisciplinaridades podem ser
Analise a pequena população urbana, alertando desenvolvidas aqui e os temas transversais Saúde e
também para a aceleração da urbanização em alguns Orientação Sexual são a base desta aula. Verifique a
países, bem como suas graves consequências. Associe pertinência de abordar o tema.
isso à elevada concentração da PEA no campo, fato Recomende a tarefa 3, na qual os alunos devem
que pode ser ilustrado pela tabela “População Econo- redigir um pequeno texto baseado em outro texto e na
micamente Ativa no campo em 2010” (os 10 países da análise de dados da tabela que relaciona ocorrência de
tabela estão entre os recordistas mundiais). Aids com renda. Sugerimos que o texto seja lido e
Recomende a tarefa 2, na qual pedimos uma aná- discutido em sala, deixando-se a redação para casa.
Ensino Fundamental - 9°- ano 22
Respostas e comentários

Atividade 1 (página 194) b) Não. O mapa mostra que as taxas são elevadas
mesmo nas áreas tropicais e equatoriais.
a) O crescimento mostrado no gráfico é denomi-
nado explosão demográfica. Em casa (página 200)
b) A s causas do acelerado crescimento da po-
pulação africana após 1950 foram a redução 1. S omente a afirmativa I é correta. Os dados da tabela
das taxas de mortalidade, graças à ajuda in- mostram um substancial aumento do crescimento
ternacional para o combate de doenças epi- da população entre as décadas de 1950 e 2010, quan-
dêmicas, e a manutenção de elevadas taxas do, com ajuda internacional, ocorreu a intensificação
de natalidade. do combate a doenças epidêmicas no continente e a
introdução de técnicas de saneamento básico.
Atividade 2 (página 196) Professor: A afirmativa II é absurda, já que
a) Porque seu crescimento vegetativo é baixo e a a seca não poderia atingir toda a África, exceto
taxa de fertilidade está em declínio. esses quatro países. A afirmativa III não faz
b) A maior parte desses países localiza-se na África sentido, já que técnicas anticoncepcionais não
Subsaariana. foram aplicadas na África. Além disso, se a taxa
c) Esses países não terão um grande desenvolvi- de natalidade tivesse caído, não poderia haver
mento. A manutenção de alta fertilidade per- o substancial aumento do crescimento da po-
mite deduzir que eles manterão base econômica pulação mostrado pelos dados.
rural, baixa urbanização e problemas socioeco-
nômicos que dificultam a modernização e a
consequente queda da taxa de natalidade. 2. O
 crescimento é extremamente acelerado, com
aumento de mais de 120% das populações de to-
das as cidades no período. As principais causas
Professor: Esses conceitos são bem co- desse crescimento são o forte êxodo rural e o ele-
nhecidos e foram desenvolvidos e emprega- vado crescimento vegetativo.
dos em diferentes momentos desde o 6o ano.
Aqui, o mais importante é sua aplicação ao 3. Resposta pessoal.
continente africano.
Professor: Espera-se que os alunos per-
cebam que o nível de renda deve ter uma
certa influência na parcela de população
Atividade 3 (página 199) contaminada. Recomenda-se que o assunto
a) Não. As taxas acima de 50 por mil são muito seja discutido em sala e, se houver tempo,
elevadas, portanto, todos os países representa- que se leiam algumas redações.
dos têm taxas altas.

Sugestões de material para consulta

Texto de apoio ao professor Progressos importantes também foram feitos na edu-


cação, em que a taxa de escolarização no ensino primário
As tendências recentes no desenvolvimento social passou de 54%, em 1990, para 76%, em 2008. Os progres-
Na saúde, muitos países africanos registraram queda da sos são, no entanto, dificultados pelo custo da educação,
desnutrição, reduzindo de 34% para 30% a parcela da po- especialmente nos 27 países africanos que não têm garan-
pulação abaixo do nível mínimo de consumo de energia, tias legais para a educação gratuita. Mesmo quando a
excluindo a África do Norte, onde menos de 5% da popu- educação é fornecida gratuitamente, despesas acessórias,
lação é subnutrida. Essa tendência positiva pode ser amea- tais como uniformes, transporte e alimentação, impedem
çada pela alta internacional dos preços dos alimentos. a escolarização de estudantes de baixa renda.

23 Ensino Fundamental - 9°- ano


Muitos países africanos também enfrentam o de- Na videoteca
safio de melhorar a qualidade da educação. Apesar de
algumas melhorias, as taxas de conclusão são cerca de • África dos meus sonhos (Dreamed of Africa)
60% na maioria dos países e o tamanho das turmas Direção: Hugh Hudson (Estados Unidos, 2000)
manteve-se muito grande. A escassez de professores é Duração: 114 minutos
estimada em mais de 4 milhões, o que dificulta a redu- Em DVD, com legendas ou dublagem em por-
ção das classes.
tuguês.
Muitos países africanos estão fazendo progressos
notáveis para melhorar alguns aspectos da igualdade de Sinopse: Filmado em 2000, com produção cara e
gênero. A maioria dos países africanos está próxima de atores consagrados, retrata a vida de uma mulher
atingir a meta do Milênio de paridade de gênero na edu- europeia que vai morar com a família em uma fa-
cação primária, mas, em níveis mais elevados de educação, zenda na África Oriental. Mostra de forma simples
a disparidade aumenta significativamente. diversos aspectos dos problemas econômicos e so-
Uneca. Economic Report on Africa 2011. Addis Ababa: U.N. Economic ciais da região. Podem ser transmitidos os trechos
Commission of Africa, 2011. (Adaptado.) mais significativos, de interesse geográfico, que so-
mam cerca de 20 minutos.
Na estante
• CASCUDO, Luis da Câmara. Made In África. São • Hotel Ruanda (Hotel Rwanda)
Paulo: Global, 2001. Direção: Terry George (Estados Unidos / Itália /
Baseado na viagem de estudos que o autor fez à África do Sul, 2004)
África, com o intuito de pesquisar material para sua Duração: 121 minutos
obra História da Alimentação no Brasil. O livro rea- Em DVD, com legendas ou dublagem em portu-
liza, segundo o autor, “um processo autenticador de guês.
elementos africanos que permanecem no Brasil e Sinopse: O gerente de hotel de luxo, Paul
motivos brasileiros que vivem na África, modifica- Rusesabagina, salvou mais de 1.000 pessoas em
dos, ampliados, assimilados, mas ainda identificá- Ruanda durante o conflito ente tutsis e hutus.
veis e autênticos”. Obra de linguagem e temas com- Baseado numa história verídica, faz um belo retrato
plexos, interessante para pesquisa do professor. dos conflitos étnicos do continente e das dificulda-
des de subsistência nesses países. Algumas cenas
Na rede podem chocar. Avalie o filme antes de passar ou
• <www.who.int> (Acesso em: jul. 2012) recomendar aos seus alunos.
Site da Organização Mundial da Saúde, onde po-
dem ser encontrados inúmeros dados sobre questões • Um Grito de Liberdade (Cry Freedom)
de saúde e padrão de vida das populações africanas. Direção: Richard Attenborough (Reino Unido,
Além de banco de dados e estatísticas, há várias pu- 2007)
blicações gratuitas para download. Disponível em
Duração: 157 minutos
inglês, francês e espanhol.
Em DVD, com legendas ou dublagem em português.
Sinopse: Filme sobre o apartheid na África do Sul
• <www.onu-brasil.org.br> (Acesso em: jul. 2012) que mostra a amizade entre um líder negro (Stephen
Site da ONU, com inúmeros dados sobre a população Biko) e um jornalista branco (o autor do livro).
africana, em especial na seção “A ONU em ação – Baseado em uma história real, escrita por Donald
a ONU na África”. Woods.

Ensino Fundamental - 9°- ano 24


aulas 10 a 12
Geografia 4 a eConomia africana

Objetivos
• Conhecer os aspectos econômicos específicos do continente e relacioná-los às características gerais do
subdesenvolvimento.
• Ampliar a capacidade de leitura de mapas e a habilidade de relacionar as suas informações com os conceitos
desenvolvidos.
• Desenvolver a habilidade de interpretar tabelas e de relacionar seus dados quantitativos com os conceitos
desenvolvidos.

Roteiro (sugestão)

AULA DESCRIÇÃO ANOTAÇÕES


Correção da tarefa 3 do Módulo 3
A agropecuária
10 Saiba mais (“Doença do sono pode atrapalhar o turismo”)
Atividade 1
Orientações para a tarefa 1 (Em casa)
Correção da tarefa 1
O extrativismo mineral
11 Saiba mais (“Os investimentos da China na África”)
Atividade 2
Orientações para a tarefa 2 (Em casa)
Correção da tarefa 2
A industrialização
12
Atividade 3
Orientações para a tarefa 3 (Em casa)

Estratégias e orientações

A agropecuária (página 202) a base da economia é rural, tanto do ponto de vista


da PEA como do PIB.
Inicie a aula fazendo uma introdução à econo- Analise o setor agropecuário, destacando o baixo
mia africana, destacando o quadro geral de pobreza nível técnico da produção. Relacione esse fator econômico
que caracteriza o continente, em especial na porção aos aspectos naturais, em especial às secas e às pragas.
subsaariana. Explique que na maior parte dos países Comente o problema do aumento da desertificação em

25 Ensino Fundamental - 9°- ano


razão da ação humana (expansão da pecuária nas seus principais produtores. Sugerimos destacar o
estepes e da agricultura nas savanas). petróleo na porção norte e os minerais metálicos na
Comente a produção de subsistência, que gera porção subsaariana. Comente a dependência econô-
pouca renda, mas é de grande importância, pois ocupa mica que os países africanos têm das exportações
uma elevada parcela da PEA. Destaque as dificuldades agrominerais e relembre o conceito de deterioração
para sua realização e mencione os produtos típicos. dos termos da troca. É importante relacionar a ele-
Analise os obstáculos para o desenvolvimento da vação do preço das commodities, desde o início da
pecuária, com apoio do gráfico “África: participação década de 2000, ao aumento do consumo chinês, o
nos rebanhos mundiais em 2010”. que pode ser visto no boxe “Saiba mais”. Desenvolva
Desenvolva o conceito de plantation, citando suas a Atividade 2, na qual se relaciona o mapa das prin-
características modernas e relembrando aos alunos a cipais exportações africanas com os recursos mine-
diferença entre a situação africana e a da América du- rais comentados em aula. Destaque as dificuldades
rante o período colonial. Cite as produções típicas para realizar essas atividades.
(usando o mapa “África: as produções agropecuárias”) Recomende a tarefa 2, que retoma o conceito de
e os problemas causados pela ampliação das áreas agrí- deterioração dos termos da troca aplicando-o a um
colas. Destaque a dependência externa, a concentração período em que os recursos só se desvalorizavam
urbana costeira e a perpendicularidade das ferrovias (1960-1995).
em relação ao litoral.
Comente o grande potencial do turismo rural nos A industrialização (página 210)
vários países africanos. Explique as dificuldades oca-
Inicie a última aula deste módulo comentando a
sionadas pela ampliação das áreas onde ocorre a doença
industrialização do continente, que apresenta as carac-
do sono.
terísticas típicas do subdesenvolvimento mencionadas
Desenvolva a Atividade 1, que relaciona a deserti-
pelo geógrafo francês Yves Lacoste: incompleta e de-
ficação ao uso de técnicas agrícolas rudimentares.
pendente. Destaque a grande dependência de capitais
Sugerimos discutir com os alunos as afirmações ou
e tecnologia (problema disseminado em todos os seto-
organizar um debate entre eles para só ao final identi-
res da economia africana), além da carência de mão de
ficar as afirmações que são verdadeiras ou falsas.
obra qualificada.
Recomende a tarefa 1, na qual os alunos deverão
Comente a predominância dos setores industriais
refletir sobre aspectos da produção de subsistência.
associada à exploração mineral e energética, recursos
abundantes no continente. Analise os grandes investi-
O extrativismo mineral (página 206) mentos da China, em especial os dirigidos aos setores
Inicie a segunda aula analisando o desenvolvimento de produção de matérias-primas (explore os dados do
da exploração mineral e energética no continente desde boxe “Os investimentos da China na África”).
a época da Revolução Industrial. Abre-se aqui espaço Destaque o Egito e a África do Sul como os maio-
para a interdisciplinaridade com História: a falta de res países industriais do continente e cite algumas de
recursos minerais e matérias-primas agrícolas na Europa suas particularidades.
do século XIX serviu de impulso para o avanço do Desenvolva a Atividade 3, analisando o mapa que
imperialismo sobre a África. O tema já foi citado no ano mostra a falta de integração regional das ferrovias afri-
passado, mas vale aqui uma breve retomada. canas, voltadas para a exportação.
Comente que, mesmo após a onda de independên- Recomende a tarefa 3, na qual os alunos devem
cias posteriores à Segunda Guerra Mundial, os países desenvolver uma pesquisa e, com base na análise do
africanos continuaram dependentes do capital e da mapa, relacionar a situação nele apresentada com as
tecnologia das transnacionais para explorar suas rique- formas de produção agrícola do continente. A sugestão
zas minerais e energéticas. de locais de pesquisa não deve ser muito ampla. Na
Com apoio do mapa “África: os recursos do sub- internet, os sites sobre o assunto são numerosos: suge-
solo”, identifique alguns dos principais recursos e rimos propor um ou dois de sua preferência.

Ensino Fundamental - 9°- ano 26


Respostas e comentários

Atividade 1 (página 206) Em casa (página 212)


a) V c) F 1. a) F
b) V d) F Na agricultura de subsistência, a mão de obra
é familiar.
Professor: Um dos processos de desertifi- b) F
cação mais grave foi registrado na região do As técnicas comumente aplicadas na agricul-
Sahel, faixa de transição entre o deserto do tura de subsistência africana (queimada e
Saara e as estepes e savanas. Em amplas áreas desmatamento) não usam máquinas agríco-
do Sahel, a vegetação foi retirada para dar es- las, mas causam degradação dos solos.
paço a uma agricultura rudimentar itinerante, c) F
que levou ao avanço do deserto. Esses fatos es- A agricultura de subsistência na África é reali-
tão bem relatados pelos itens a e b da questão. zada em pequenas propriedades.
d) V

2. A
 frase I analisa a tabela de forma correta, pois
Atividade 2 (página 209) todos os produtos sofreram desvalorizações, que
a) A África exporta produtos primários, ou seja, vão de 25% a 74%.
recursos minerais e agrícolas. Eles podem tam-
bém ser classificados como commodities. Professor: A frase II é falsa, já que os
b) Esses produtos são de baixo valor no mercado in- produtos importados, como alimentos, má-
ternacional, o que gera pouca renda e dificulta as quinas, combustíveis e equipamentos, tive-
importações de produtos de que os países necessi- ram aumento de preço no período. A frase
tam, além de provocar perdas em suas balanças III também está errada, pois os produtos
comerciais (deterioração dos termos de troca). As sofreram desvalorização.
extensas monoculturas de exportação diminuem
a área cultivada com alimentos e geram fome em
todo o continente. Por fim, a exportação excessiva 3. a) Resposta pessoal.
de minérios leva ao esgotamento das jazidas.
Professor: Sugerimos comentar com os
Atividade 3 (página 212) alunos a respeito dos dois conceitos pesqui-
sados (má nutrição crônica e fome aguda).
O mapa mostra as ferrovias saindo do interior de al-
guns países da região e dirigindo-se ao litoral. Elas não Se houver tempo, pode ser feito um debate
integram os países e suas regiões, pois servem apenas ou a leitura de algumas das pesquisas.
de meio de escoamento das produções do interior, que
são enviadas ao litoral para serem exportadas. b) A fome está diretamente relacionada às nu-
merosas guerras no continente e à condição
Professor: Talvez seja interessante desta- econômica de subdesenvolvimento da África,
car que essa malha é reflexo da desarticulação a qual mantém formas de produção agrícola
econômica interna, da dependência externa e ultrapassadas, improdutivas e danosas ao am-
da ação das transnacionais no continente. biente, enquanto a exploração das melhores
terras se volta para produtos de exportação.

27 Ensino Fundamental - 9°- ano


Sugestões de atividade extra

1. Analise o mapa a seguir, que indica as zonas da África onde ocorrem a doença do sono e a malária.

2001 e OMS. Doença do Sono, 2002 (Adaptado.).


Fontes: A. Platt McGinn. Malaria, Mosquitoes and DDT. World Watch. V. 15 n. 3. May-Jun.
EUROPA
Tróp
ico
de C Mar
ânc Mediterr
er âneo

ÁSIA

Ma
rV
e rm
e lh
o
OCEANO
ÍNDICO
Equador

OCEANO
ATLÂNTICO

ricórnio
co de Cap
Trópi
Malária
Doença do sono 0 864 km

Relacione a ocorrência dessas doenças com as condições naturais e sociais das áreas assinaladas.

2. M
 uitas vezes, a seca do Sahel ocupou o noticiário internacional, tornando conhecida mundialmente essa
margem do deserto do Saara sujeita a catástrofes que destroem a economia, provocam a morte de milhares
de pessoas e a migração de muitas outras. A caridade internacional costuma manifestar-se tardiamente e é
sempre inferior às necessidades, apenas evitando uma tragédia maior.
Classifique como verdadeira (v) ou falsa (f) cada afirmativa sobre o assunto. Em seguida, justifique suas
escolhas.
a) (  ) A seca constante em toda essa área impossibilita a agricultura e impede a criação de gado.
b) (  ) Os cultivos de plantations, típicos dessa região, têm provocado a diminuição da produção de alimentos
e a ampliação das zonas desérticas.

Respostas
1. A
 doença do sono se desenvolve na região da Bacia do Congo, área com clima quente e úmido, ocupada
por uma densa floresta equatorial, habitat que favorece a proliferação da mosca tsé-tsé, sua transmissora. A
malária surge em diferentes espaços naturais africanos (desde o equatorial até o semiárido), onde há altas
temperaturas e água estagnada, condições que propiciam a proliferação do mosquito-prego, seu transmissor.
As duas doenças incidem em regiões pobres, onde as medidas preventivas são praticamente inexistentes e a
saúde pública é precária.

2. a) F
Essa região não tem seca constante, mas sim clima semiárido, o que permite uma razoável criação de
gado, especialmente caprino e ovino.
b) F
As plantations não são típicas do Sahel, mas sim das regiões tropicais mais ao sul.
Ensino Fundamental - 9°- ano 28
Sugestões de material para consulta

Texto de apoio ao professor Na estante


A persistência da dependência e do • Unesco. História geral da África. Brasília: Unesco,
subdesenvolvimento da África Secad/MEC, UFSCar, 2010.
A África logrou alcançar a sua descolonização política; Volumes I a VIII.
entretanto, ela não teve sucesso em respeito à sua desco- Excelente obra para consulta e pesquisa, ilustrada
lonização e ao desenvolvimento econômicos e, por conse- com mapas, desenhos, gráficos e fotos. Em portu-
guinte, não obteve êxito no tocante à modernização, com guês. Pode ser baixada gratuitamente pela internet
a qual contara para conquistar o respeito no mundo. no seguinte endereço: <http://banhodeassento.
O continente não atingiu senão uma, de longa data
wordpress.com/2010/12/24/historia-da-africa-
ultrapassada, modernidade. Como gotas de chuva espalha-
das sobre a terra poeirenta, o arsenal do modernismo bateu -livros-da-unesco-baixe-aqui-8-volumes-da-edi-
estacas aqui e acolá em solo africano – alguns aeroportos e cao-completa> (Acesso em: jul. 2012)
portos marítimos, cidades sórdidas dotadas de algumas co-
modidades modernas, algumas indústrias, alguns quilôme- Na rede
tros de modernas estradas, etc. – mas esse conjunto esca-
pava absolutamente ao espírito da modernidade, em virtude • <http://allafrica.com> (Acesso em: jul. 2012)
da alta do PIB, das quais essas obras constituem o resultado, Excelente fonte de pesquisa sobre o continente.
não manifestar coerência interna alguma e os seus benefícios Notícias sobre relações internacionais, desenvolvi-
permanecerem além das fronteiras da África. mento, artes, saúde, etc. Atualizada diariamente.
Não somente a África não atingiu a criação de uma Possui uma seção de fotos, vídeos e áudio sobre mui-
robusta modernidade, mas ela inclusive perdeu a sua tra- tos temas. Em inglês e francês.
dicional capacidade em assegurar a sua própria subsistên-
cia. Em 1984, ela ainda era o único continente incapaz de
se alimentar por si próprio. Até hoje, grandes fomes de- Na videoteca
vastavam ou ameaçavam vastas porções de seus territó- • Diamante de sangue (Blood Diamond)
rios. A imagem mais representativa do continente negro
era aquela própria a uma incompetência crônica simbo- Direção: Edward Zwick (Estados Unidos, 2006)
lizada por um refugiado em pele e osso. Duração: 143 minutos
Os dirigentes africanos lançavam ao mundo os seus Sinopse: Conta a história de um mercenário que
pedidos de socorro e, enquanto os famintos morriam aos contrabandeia “diamantes de sangue”, ou seja,
milhões, a África tornava-se um objeto de caridade, pie- aqueles cuja renda é usada pelos senhores da
dade e desdém maltravestido. Após um quarto de século
guerra para a compra de armas. Embora seja
de esforços, a África que sequer realizou a modernidade,
como poderia ter alcançado o respeito do mundo? uma visão romanceada do fato, o filme fornece
uma boa visão dos problemas reais que cercam
UNESCO. História geral da África. VIII – África desde 1935.
Brasília: Unesco, Secad/MEC, UFSCar, 2010. p. 952- 953. essa atividade no continente.

Estratégias
Respostas – Rumo ao Ensinoe orientações
Médio

1. Alternativa b 2. Alternativa d
O processo de urbanização é acompanhado de Somente o dado de que 10% da humanidade de-
transformações sociais e econômicas que contri- tém 85% da riqueza produzida no planeta é sufi-
buem para a queda da taxa de natalidade. Entre ciente para mostrar a imensa desigualdade entre o
elas, destacamos: maior participação da mulher Norte (rico) e o Sul (pobre), já que podemos de-
no mercado de trabalho; divulgação de métodos duzir, com base no que foi visto em aula, que a
anticoncepcionais; aumento do custo de criação porção subdesenvolvida contém 90% da popula-
dos filhos. ção do mundo e tem apenas 15% do PIB global.

29 Ensino Fundamental - 9°- ano


3. Alternativa d em muitas delas, essa concentração foi ampliada
Em países desenvolvidos, altamente urbanizados graças à urbanização, principalmente nas regiões
e de elevada renda per capita, o setor terciário, ou litorâneas.
de serviços, é o que emprega a maior parte dos
trabalhadores, os quais têm elevado nível técnico 6. Alternativa c
e alta qualificação. As demais alternativas estão As afirmações erradas são a II, já que a queda do
erradas, pois: a) aumentando a participação da número de famintos não se relaciona ao aumento
indústria na economia, aumenta-se a população do número de mortes e à redução da população,
no setor secundário, e não no primário; b) países fatos que não deverão ocorrer; e a III, porque os
agrícolas apresentam grande número de trabalha- estudos da FAO são bem realistas e a ajuda inter-
dores no setor primário, e não nos setores secun- nacional tem sido muito pequena.
dário e terciário; c) nos países desenvolvidos, pra-
ticamente não há mais êxodo rural.
7. Alternativa d
4. Alternativa d O problema da fome é grave no continente africa-
A ampliação da desertificação do Sahel se relacio- no e isso se relaciona à queda da produtividade,
na à expansão de suas áreas agrícolas, provocada que é retratada no gráfico. O problema se inten-
pela pressão demográfica, e à consequente neces- sifica com o aumento da população.
sidade de maior exploração do espaço natural,
pobre em recursos. 8. Alternativa a
A África Subsaariana é uma das regiões mais po-
5. Alternativa d bres do mundo, o que explica a sua posição de
A s maiores concentrações humanas estão rela- subordinação econômica, técnicas agrícolas de
cionadas a antigas áreas agrícolas. Hoje, baixo rendimento e escassa produção industrial.

Ensino Fundamental - 9°- ano 30


ANOTAÇÕES
ANOTAÇÕES