You are on page 1of 6

10.

Oração Coletiva pigrafado: "qualquer coisa que tiverem de
':Jtáe . pedir". A concordância de objetivo é, ·pois,
mazs, em verdaáe vos á-i undamental. A seguir, vem a fase da
s06re a 'Terra Con..r
, coruarem
'0 0 que, se dóis áe hannonização individual dos componentes do
que tiverem áe peái acerca de quafquer círculo de oração. Finalmente, em
I'D • zr; ser-flies '
~at que está nos ' -a conceâzáa por concomitância com a anterior, a sincronização
ceus. Porou _.r
reuniáos em HI" "1 e, OflUe estão dóis ou de todas as vibrações, ou seja, a
",~u nome '
18, 19-20) " ' az estou no meio deres hannonização do grupo. Os participantes
devem, naquele instante, agir como um só
coração e uma só alma, emitindo a solicitação
Na oração indi' ,
o orante crie um 1. VIdual e necessário com toda a concentração de suas mentes e
antes de tudo fic Ima de harmOnia . intensidade de suas emoções.
,a Im de e ..
com absoluta mItrr a onda
certeza de Imaginemos o seguinte: se nos diz o
meta. que atingirá
Mestre que qualquer um que pede recebe, isto
. No caso da r é, um só indivíduo, hannonizado, consegue
efeIto por duas tr~ ece em grupo, levada emitir um apelo em tal intensidade que é
processo, apesar d s ou mais pessoas captado e atendido pelas forças superiores da
pennanece ba. e um pouco mais ' vida, quanto mais um conjunto de pessoas,
SICamente o
pr~ce deve ser único ~esmo. O objeto sejam duas, três ou mais, vibrando
saude de alguém . Seja ~ restauração sincrónicamente numa solicitação. Uma
detenninada em , a realIzação de emissão energética extraordinária é liberada
presa, enfIm, com o d·IZ o nesta circunstância. Um jato incomparável de
122
123

com o ~ . . ment~ ~os seus idealizadores. seja espiritual.acionamos põem-se a sefV1ço do ideal em construção vários companheiros. Era o querido irmão. pess~as e instituições humanas destino ignorado. _ . Lembramo-nos de um ora~a?. matenallzado na crosta planetária. 4 Le Livre des Esprits. emerge do mundo de oração intercessora pelo irmão em perigo. em breve tempo. em seus lde~ls. nada se pode interpor no caminho Salvador. munagmavel. telefonema de um bairro distante da região metropolitana. Imediatamente. quando dirigíamos o Grupo de Esp~tu~ldade Maior para concretização dos ratemidade Espírita Leopoldo Machado. Conduzidos pelas Grupo teve o seu carro assaltado por autondades espirituais de planos mais marginais perigosos. recebíamos. colocando-os em estado que. Um dos trabalhadores do do projeto altruísta. unplorando o auxílio da pisódio. . quando pensamentos e de sentimentos têm mais força voltado para o Ideal Maior da Caridade. sabemos I homens reurudos por uma comunhão de do poder de um grupo de oração. vibrando em ondas ultracurtas vara da seara espírita. questão 656. com alegria.. " espirituais e. ener~ia. dentro das como dIzem ~s Espmtos Codificadores: "Os normas exaradas pelo Consolador. sendo levado para elevados. anunciando que os meliantes haviam decidido 124 125 . somos as dunensões . atrai o auxílio requerido queles que nos temos dedicado à edificação superan~o todo e ~u~lquer obstáculo. Pois: de Centros ou Obras Beneficentes. Todos nós.Qu~do um grupo de pessoas se Precisamos utilizar muito mais o dlsp~e a pr~ttca do Bem e cria um círculo de poder da oração grupal. Bahia. p t'enCla t stemunhas desse prodígio espiritual. completamente Uma hora depois. seja para chamarem até eles os bons Espíritos" 4 material.

Isto. círculos Naturalmente isto não fora solicitado emergenciais de Prece..mteressant~ no caso foi que. O maIS. de nossa própria momentos de catástrofes coletivas. com o tanque cheio de ' Criemos em nossos Centros. objetivando casos de auxilio obJetIVO de demonstrar-nos o valor da impostergável. após inúmeras ameaças de ou socorrer parentes e amigos em tribulações. naturalmente. a qualquer momento do pr~p~rclOnado pelas Forças SuPeriores. 126 127 . com dia ou da noite. se dera o roubo. onde companheiros grupo de prece. Cumpriu-se afast3!"em dos quefazeres normais. com empenho e absoluta problemas específicos da existência . Os componentes desse grupo Evangelho. menos Esta iniciativa terá. _ 1nici~mos a fonnação de círculos semelhante àquelas que se põem em ação nos oraçao. partmdo . OS bandidos ~""~""'C. Aprendamos a reunir a família para orar Voluntários da Caridade Fraterna. . à margem dos 9u~l~uer SolIcItação emitida por um grupo serviços regulares de prece mantidos pela mdIV1duos. polarizados pelas lições instituição. absolutamente intacto e quebra. fonnado às pressas estejam sempre prontos para formar uma tomam~-10 como beneficio' corrente de oração.olver exercício da prece.LI hannonização do núcleo familiar e o carro estacionado em local próximo de crescimento espiritual dos seus componentes. soltá-!o. devem-se apenas nos dias de Culto do Evangelho' prontificar _a ativarem suas mentes no sempre que necessário. para re. ou de suas palavra do ~estre sobre o atendimento residências.a uma semana depoIs. devem considerar-se como participantes de mna Brigada de Socorro espiritual. como beneficio extra. sem necessidade de se em tomo da prática da oração.

. que tinha por sobrenome 128 Marcos. Passaram o prImeiro ser exibido diante do povo. depois o seg~ndo e comemoração da Páscoa. a Deus nesse momento que o Apóstolo tomou por ele. tomando-se o não sabia que era realidade o que lhe sucedia segundo mártir conhecido da história do por intervenção do mensageiro. com o propósito político de cidade. acrescentou o mensageiro: ~nvolve­ os discípulos de Jesus. ~o Cristianismo e Simão Pedro aprisionado. entre dois soldados. mãe de João. que da para a julgamento. guard~vam a prisão. em prol de situações ou pessoas sob o guante de perigos ou provações. Ele tocou wn exemplo notável do poder de um círculo no lado de Pedro. portanto.dedicação. o cinto e ata as sandálias. fazê-lo comparecer em juízo. Então o mensageiro lhe disse: Põe descendente de Herodes. ter uma visão. E assim ele fez. para invés. no cárcere. enquanto as sentinelas. Nisto. ligado com duas cadeias. o qual se abriu por si mesmo. acordando-o. o Grande (?). diante aumentar a popularidade do tetrarca: "Pedro deles. Ora. Saindo dali. Ele saiu atras dele. resolveu desencadear cruel perseguição contra Depois. depois da posto de guarda. te no manto e segue-me. apareceu um mensageiro do o Novo Testamento proporciona-nos Senhor. quando Herodes estava para consciência de o que lhe acontecia era real" e. Tiago. dirigiu-se à casa de Maria. à porta. entre os anos 44/45 d. refletir um pouco. exatamente continua Lucas sua narração: "Depois de naquela noite. Esse das mãos. o mensageiro desapareceu. incessantemente. andaram por uma rua e. e uma luz brilhou na cela. era guardado. numa farsa de chegaram ao portão de ferro. Por sua ordem. e o irmão de João. supun~a. achava-se Pedro dormindo. Foi durante o reinado de Herodes Levanta-te depressa! E caíram-lhe as cadeias Agripa. foi executado.e. FOl comunidade rezava. onde muitas pessoas estavam l29 . e disse-lhe: de oração. mas a de repente.

deixa-a de tal modo perturbada que. Esta reconhece. discutindo a veracidade do Fizemos que C d acontecimento.assim. comunicando a ' e atamente arti um 1ugar distante fu .P eto de elementos profundamente normal. É um flagrante típico de um episódio. d . Está re 1 ' e as suas comprobatórios P . então. disseram eles orta. rtalmente. diante do inusitado da Pedro. tnnao de Andr' vez de abrir a porta. Outro aspecto 5 a ressaltar é que.p u para chegada do Pescador. rente da p deveras reveladoro Como médium. e. em . Estás Insistentemente qu . gm o da sanha assassina companheiros reunidos é de natural descrença. . Pedro estava à porta. OSSUl uma riqueza de autenticidade de todo o relato.~. reunidas e oravam 14 d do vestíbulo.' o allJo dele. supõe ter uma visão espiritual. ficaram voz. veio ~te:. corre acalmando o alvoroço e. A reação dos de Herodes Agrip~. situação. para o interior da casa. como seria natural. porém. interpretaram como 130 131 . entretanto con. Simão . em vez de ab . Mas ela afirmava estava acostumado a fenômenos Eles. é d . retru~a:. O fato de Pedro encontrava em fi unClQr que Pedro se imaginar que vivia um momento mediúnico. "" vendo-o. transcendentes e. apesar d s ao e reproduzir o momento de perplexidade e tensão · . o susto da criada ao ouvir sua estupefatos" 5 O .r uma serva de A materialização do Espírito é acompanhada cheia de aleCTria a voz de Pedro e de luminosidade. Rodes. A reação transmitida pelo texto é pecullandades. Abriram então ' Inuava a bater. posição espiritual superior. contou. lhes o sucedido e un° qdi~e se fonnara. Finalmente. rir a porta. ehrando. o que garante a . e extenso p 1 psicológica. 1-17. o que lhe caracteriza a o' . correu para dentro a an . o ele batido à detalhes. só possível numa história verídica. ao ouvirem a notícia de que Aí 12.

nos eventos da libertação de Simão Pedro. em P anjo. Correntes e portas se abriram sob o influxo da 132 133 . E um exemplo etimologia do termo. e Espírito ou alma das ildmirável. do poder de um grupo. As energias fornecidas permitiram aos Espíritos atender ao Pescador. com toda a certeza. Mas. promovendo um dos mais extraordinários fenômenos de efeitos físicos da história da humanidade. a qua aco~p erfeita Isto significa que faziam a assimilação de dré até que estivesse. enquanto as sentinelas e soldados de plantão eram adormecidos magneticamente pela imensa equipe espiritual que. Apóstolo em estado de desdobramento. Pensaram ter a serva visto o ILnido em oração. o mais importante em toda a narrativa é o papel desempenhado pelo grupo em prece. mensageiro espiritual conforme a ngurança fora do presídio. fortemente e criaturas. Um Espírito se materializou. à porta. que a serva havia ouvido. . sendo o anjo dele. Isto confrrma que os primeiros cristãos tinham conhecimento e hábito de lidar com fenômenos mediúnicos. I anhou o irmão de nndade. foi mobilizada para libertar o filho de Jonas.