You are on page 1of 465

GEORGES MINOIS

HISTÓRIA DO RISO E DO
ESCÁRNIO

TRADUÇÃO MARIA ELENA O. ORTIZ ASSUMPÇÃO


Título srcinal em francês: Historie do rire et de la dérision
© 2003 Editora UNESP
Direitos de pulica!"o reser#ados $:
%unda!"o Editora da UNESP &%EU'
Pra!a da S() *0+ 0*00*,-00 . S"o Paulo .
SP Tel/: &0**' 3212,** %a: &0**' 3212,*2
/editoraunesp/com/r
/li#rariaunesp/com/r
feu4editora/unesp/r

Dados 5nternacionais de 6ataloga!"o na Pulica!"o &65P'


&67mara 8rasileira do 9i#ro) SP 8rasil'
inois) ;eorges) *-1<,
=ist>ria do riso e do esc?rnio @ ;eorges inoisA
tradu!"o aria Elena B/ BrtiC ssump!"o/
. S"o Paulo: Editora UNESP) 2003/

Título srcinal: =istoire du rire et de la d(rision/


8iliografia/
5S8N +,*3-,11<,<
*/ Fiso 2/ Fiso . 03,0*-0
=ist>ria 3/6DD,30<
Fiso na literatura 5/ Título/
índice para cat?logo sistem?tico:
*/ Fiso: ntropologia cultural: Sociologia 30<

Editora afiliada:
GNHB I? nada Jue um Iumor inteligente
NHB PBSS FESB9KEF 6B U ;F;9=D)
NE ESB B ND/L
rmand PetitMean) Imagination et réalisation
Para o sorriso de Eug(nie)
o riso de Dimitri
e o Iumor de Fenata/
Sumário
INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 10

1 - O RISO INEXTINGUÍVEL DOS DEUSES


Os gregos arcaicos e o mistério do riso ........................................................ 14
O RISO NOS ITOS GREGOS! U "ONT#TO $ERIGOSO "O O DIVINO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1&
O RISO
ITO'D#
O RISO E #RETORNO
)EST#! ORTE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
#O "#OS E RE"RE#ÇÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *+ 1(
O RISO DE DIONISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *&
D# )EST# DIONISÍ#"# , "ODI#! #RIST.)#NES %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% */
O RISO #R"#I"O DOS "ONTE$OR0NEOS DE OERO! #GRESSÃO E TRIUN)O %%%%%%%%%%%%%%%%%% *2
* - # U#NI3#ÇÃO DO RISO $ELOS )IL.SO)OS GREGOS
Da iro4ia socr5tica 6 7om8aria de L9cia4o .................................................. 33
O #DOÇ#ENTO DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% ::
OS ;U)<ES E #S "O$IL#Ç<ES DE ;L#GUES %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :=
O RISO "TI"O DE DE."RITO E O RISO "ÍNI"O DE DI.GENES %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &1
DE S."R#TES # LU"L#NO! $RIEIR# DES)ORR# DO DI#;O> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &:
OS #$?TI"OS' DE $IT?GOR#S # $L#TÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &=
#RIST.TELES E O $R.$RIO DO OE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &2
: - O RISO UNI)I"#DO DOS L#TINOS Orisus' sat@rico e grotesco .................. . 53
O $RO;LE# DO UOR L#TINO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% A:
O L#TINO' "#$ONBS "?USTI"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% A(
# S?TIR#' EX$RESSÃO DO GBNIO RO#NO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% /+
S?TIR# $OLÍTI"# E "#$#"ID#DE DE #UTODERRISÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% /1
O L#DO NEGRO DO RISO RO#NO! O GROTES"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% /&
O RISO )ESTIVO D#S S#TURN#IS E D#S LU$ER"#IS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% //
O RISO "#T?RTI"O D# "ODI# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% /2
DE"#DBN"I# RO#N# E DE"LÍNIO DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% =*
& - # DI#;OLI3#ÇÃO DO RISO N# #LT# ID#DE DI#
Ces9s 494ca ri9 ............................................................................................... 76
O RISO' "ONSEUBN"I# DO $E"#DO ORIGIN#L%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% =/
EVOLUÇÃO DO "I"O ;Í;LI"O%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% =2
CESUS RIU> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% (*
DI#;OLI3#ÇÃO DO RISO $ELOS $#IS D# IGREC# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% (/
FE ISSO VOS )#3 RIRH COÃO "RIS.STOOJ %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% (2
# GUERR# DO RISO ENTRE "RISTÃOS E $#GÃOS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 21
O RISO E O S#GR#DO! GROTES"O "RISTÃO E $#R.DI# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 2A
U TE$O $#R# RIR' U TE$O $#R# "OR#R %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 22
O RISO
RIR ;#NIDOO DOS
SO3INO! OSTEIROS
UOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
#;SOLUTO DOS $#IS DO DESERTO%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1+: 1++

A - O RISO UN0NIE D# )EST# EDIEV#L


# Kardia a serMio dos Maores .................................................................. 107
O RISO EDIEV#L SEGUNDO ;#PTINE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1+=
O "#RN#V#L' "RISTÃO OU $#GÃO> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 11+
O "#RN#V#L' $#R.DI# LOU"#' UE EXOR"IS# E #"#L# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 11&
O "#RIV#RI' OU O RISO DE #UTODE)ES# DO GRU$O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 11=
# )EST# DOS ;O;OS' OU # #UTODERRISÃO "LERI"#L %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1*+
# )EST# DO #SNO OU O RISO # SERVIÇO DOS )R#"OS%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1*&
O RISO D#S "ID#DES E O RISO DOS "#$OS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1*(
O RISO NO "#STELO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1:1
/ - RIR E )#3ER RIR N# ID#DE DI#
............................................................... 134
O9mor sagrado
RISO #OR#L e Q9mor
D#S )?;UL#SKroa4o
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1:&
O RISO INDIVIDU#LIST# D# )#RS# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1:=
O RISO $#RODÍSTI"O DO UNDO "ORTESÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1&*
O RISO DI#;.LI"O DE ERLI %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1&&
O RISO S#TÍRI"O DOS OR#LIST#S%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1&/
O RISO "ONSERV#DOR DOS $REG#DORES %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1&(
O RISO I$ERTINENTE DOS "LRIGOS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1AA
O RISO SENS#TO DO ;O;O D# "ORTE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1A(
O ;O E O #U RISO DO TE.LOGO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1/*
OS #GEL#ST#S EDIEV#IS! ;ERN#RDO E ILDEG#RDE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1/&

= -O
O retor4o
RISO E OdoEDO
dia8oN# ;#IX# ID#DE DI#
....................................................................................... 169
RIR $#R# NÃO "OR#R %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1/2
RIR DO DI#;O E DO #NTI"RISTO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1=1
RISO D#S )EITI"EIR#S %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1=A
# IRONI# "EG# #T DEUS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1==
O RISO #GRESSIVO D#S F#LEGRES SO"IED#DESH %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1=2
D# LOU"UR# NEG#TIV# ;R#NTJ , LOU"UR# $OSITIV# ER#SOJ %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1(:
# )EST# SO; VIGIL0N"I# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 1(/
( - # G#RG#L#D# ENSURDE"EDOR# D# REN#S"ENÇ#
O m94do ra8eaisia4o e s9as am8ig9idades .............................................. 190
U RISO "RI#DOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 12+
U RISO DESTRUIDOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 12:
D# VERTIGE R#;EL#ISI#N# #O RISO TR?GI"O DE #GRI$$# D#U;IGN %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 12A
O TRIUN)O DO ;O;O DO REI! O S"ULO DE TRI;OULET-"I"OT %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% 122
RISO E N#TURE3# U#N#% O "#SO DOS ÍNDIOS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *+A
O RISO "OO #R# O)ENSIV#% N#S"IENTO D# "#RI"#TUR# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *+=
#S V#RI#Ç<ES N#"ION#IS DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *1+
#DVENTO DO UOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *1*
#S "OLEÇ<ES DE IST.RI#S ENGR#Ç#D#S %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *1A
O RISO DOS "ORTESÃOS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *1/
DE R#;EL#IS # S#PES$E#RE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% **+
2 - #"#;OU-SE O RISO
# gra4de oe4siMa Ko@tico-reigiosa do sério séc9os XVI-XVIIIJ ........... 222
$ROTESTO "ONTR# O "#RN#V#L %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% ***
OS LOU"OS $#R# O #SILO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% **&
UE # )EST# TERINE %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% **=
#S RESISTBN"I#S %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *:+
DES#$#RE"IENTO D# )EST# DOS ;O;OS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *::
CE#N-;#$TISTE TIERS' TESTEUN# D# RE$RESSÃO DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *:A
#UTORES ES$IRITU#IS E $REG#DORES "ONTR# O RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *:=
ER?"LITO E O S#"ERDOTE-ODELO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *&+
O $#DRE G#R#SSE E # ;#T#L# DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *&*
U RISO C#NSENIST#>%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *&A
;OSSUET' OU # ORTE DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *&(
DES#$#RE"IENTO DO ;O;O DO REI %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *A*

O;;ES! O RISO' ORGULO DO )R#"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *A&


1+ - O RISO ##RGO DO ;URLES"O
# era da desMaori7ao cmica Krimeira metade do séc9o XVIIJ ......... 256
T#LLE#NT DES R#UX' TESTEUN# DE U# $O"# ;URLES"# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *A/
# 3O;#RI# ;L#S)E#T.RI# DOS LI;ERTINOS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% */+
# S#NT# 3O;#RI# $#S"#LI#N# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% */:
# S#LV#ÇÃO $ELO RISO! O U#NISO DEVOTO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% */&
O DE."RITO "RISTÃO E SEUS "O;#TES %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% */(
#S "OLEÇ<ES DE )?;UL#S ENGR#Ç#D#S! U# OD# REVEL#DOR# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *=+
# EVOLUÇÃO DO RISO NO S"ULO XVII E SU# SIGNI)I"#ÇÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *=:
O RISO ##RGO DO RO#N"E "I"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *=/
# )ROND#' #$OGEU E ORTE DO ;URLES"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *(+
11 - DO RISO $OLIDO , 3O;#RI#
O Koder 5cido do esK@rito séc9os XVII e XVIIIJ ....................................... 284
O $OLIENTO DO RISO! R#;EL#IS REVISIT#DO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *(&
F U ESTR#NO E$REENDIENTO )#3ER RIR#S $ESSO#S DE ;EH %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *(=
DE O DIABO COXO , .$ER# "I"#! O SENTIDO DO ;I3#RRO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *2+
DE DES"#RTES # P#NT! O OL#R DES"ON)I#DO D# )ILOSO)I# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *2*
O S"ULO DE #SODEU' O DENIO 3O;#DOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *2A
O UOR' V#"IN# "ONTR# O DESES$ERO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% *2/
VIVER E ORRER 3O;#NDO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :++
S?TIR# $OLÍTI"# E "#RI"#TUR# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :+&
# IRONI#' O ES$ÍRITO E # LOU"UR# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :+A
O REGIENTO D# "#LOTTE! U# F"OI"O"R#"I#H "ONTR# O #;SOLUTISO 1=+*-
1=A*J %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :+2
# 3O;#RI# DE S#LÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :1:
S#)TES;UR! O UOR "ONTR# O )#N#TISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :1A
O RISO $O$UL#R VISTO $ELOS $INTORES! ?LI;I D# ;URGUESI#> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :1=
"#RN#V#L E )EST#S $O$UL#RES! O RISO "ONTEST#DOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :*1
1* - O RISO E OS IDOLOS NO S"ULO XIX O esc5r4io 4os com8ates Ko@ticos'
sociais e reigiosos ....................................................................................... 325
OS #RISTO"R#T#S' $#RTIDO DO RISO 1=(2-1=2+J %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :*A
T?TI"# DO RISOINSTRUENTO
# "#RI"#TUR#' $#RL#ENT#RDO N#RISO
"ONSTITUINTE
REVOLU"ION?RIO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :*(
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% ::+
# #S"#R#D# REVOLU"ION?RI# OU O RISO #E#Ç#DOR %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% ::*
# )EST# O)I"I#L! O RISO' .$IO DO $OVO> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% ::=
# S?TIR# $OLÍTI"#' D# IRONI# , ISTI)I"#ÇÃO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :&+
#S V#RIED#DES D# S?TIR# SO"I#L EURO$EI# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :&:
U UOR )R#N"BS> O RISO G#ULBS E ;ORR#"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :&=
UORES N#"ION#IS OU INTERN#"ION#L DO RISO> OS"#R WILDE E #RP TW#IN! #
ES# LUT# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :&2
# IGREC# DO S"ULO XIX "ONTR# O RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :A*
FV#OS #T?-LOS $ELO RISOH! # DERRISÃO #NTI"LERI"#L E #NTIRRELIGIOS#%%%%%%%%%%% :A/
1: - )ILOSO)I# DO RISO E RISO )ILOS.)I"O NO S"ULO XIX
Os de8ates so8re o riso' do grotesco ao a8s9rdo ...................................... 361
EGEL' # SERIED#DE DI#LTI"#' E PIERPEG##RD' O RISO DO DESES$ERO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :/1
NIET3S"E
;ERGSON E E# O RISO DO SU$ER-OE
E"0NI"# SO"I#L DO RISO%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :/A
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :/=
)REUD' O RISO "OO E"ONOI# DE ENERGI# E O UOR "OO DES#)IO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :=1
O FRISO #SS#SSINOH DE CE#N-$#UL %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :=:
O RISO' "#V#LO DE TROI# DO IN)ERNO' E # DES)ORR# DO DI#;O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :=A
;#UDEL#IRE! FO RISO  S#T0NI"O' LOGO U#NOH %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :==
O RISO #NTI;URGUBS%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :(+
UGO E O FOE UE RIH %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :(*
RISOS )I DE S"ULO! OS 3UTIST#S' OS )UIST#S E OSJ’MENFOUTISTES %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :(A
1& - O S"ULO XX! ORRER DE RIR
# era da derriso 94iMersa ......................................................................... 391
O S"ULO D#S "#T?STRO)ES E DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :21
O RISO' FREVOLT# SU$ERIOR DO ES$ÍRITOH #NDR ;RETONJ %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :2&
UNIVERS#LID#DE DO RISO! # VERSÃO DOS #NTRO$.LOGOS %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% :2A
O UOR' F$OLIDE3 DO DESES$EROH %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &++
NE"ESSID#DE D# IRONI# NO UNDO "ONTE$OR0NEO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &+*
RISO E RELIGIÃO! # RE"ON"ILI#ÇÃO>%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &+&
$OR U# ) UORÍSTI"#> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &+(
DE D#D? #O UOR NEGRO DE #NDR ;RETON %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &1+
O S"ULO DE U;U E SEU RE)LEXO TE#TR#L E "INE#TOGR?)I"O %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &1:
RISO E #RTE ODERN# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &1/
1A - O S"ULO XX! ORTE DO RISO>
# desorra Kst9ma do dia8o ...................................................................... 420
DIVERSI)I"#ÇÃO D# S?TIR# $OLÍTI"# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &*+
# $OLÍTI"#-ES$ET?"ULO E # DIT#DUR# DO RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &**
# O;SESSÃO D# )EST# #T# O RISO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &*A
RISO E )EST# "ONTE$OR0NE#! O DIV.R"IO %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &*2
ESTUDOS "ONTE$OR0NEOS SO;RE O RISO! DI#;.LI"O OU #NGLI"O>%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &:*
O RISO' #GRESSÃO RITU#LI3#D#' SEGUNDO PONR#D LOREN3 %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &:A
;#N#LI3#ÇÃO E IDI#TI3#ÇÃO DO RISO N# SO"IED#DE UORÍSTI"# %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &:2
)I DO RISO> %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% &&*
"ON"LUSÃO ....................................................................................................... 445
ÍNDI"E DOS NOES DE $ESSO#S E DOS $RIN"I$#IS $ERSON#GENS........ 449
INTRODUÇÃO

B riso ( um caso muito s(rio para ser deiado para os cmicos/ O por isso Jue) desde
rist>teles) Iordas de fil>sofos) de Iistoriadores) de psic>logos) de soci>logos e de m(dicos)
Jue n"o s"o nada oos) encarregaram,se do assunto/ s pulica!es sore o riso contam,
se aos milIares) o Jue nos dispensa de estaelecer uma iliografia) porJue ela seria ora
ofensi#amente seleti#a) ora intermin?#el/
Nos deC Qltimos anos) o interesse pelo riso atingiu o auge) e isso em todas as
disciplinas/ Para nos atermos a =ist>ria) n"o se passa uma semana sem Jue um li#ro) um
artigo) um programa de r?dio) um col>Juio ou uma conferência trate do riso nessa ou
naJuela (poca) nesse ou naJuele meio/ Na %ran!a) por eemplo) a associa!"o 6orIum
&PesJuisas sore o 6mico) o Fiso e o =umor') criada em *-+) organiCa regularmente
Mornadas de estudo sore o assunto e col>Juios) dentre os Juais o mais recente ocorreu em
8esan!on de 2- de MunIo a *R de MulIo de 2000) tendo por tema GDois mil anos de riso/
Permanência e modernidadeLA a associa!"o pulica a re#ista semestral Humoresques/ Nos
Estados Unidos) o Mornal interdisciplinar Humor: International Journal of Humor Research
preencIe a mesma fun!"o e) no mundo inteiro) conIecemos pulica!es similares/
Esse interesse pelo riso n"o de#eria surpreender/ De fato) estamos imersos em uma
Gsociedade IumorísticaL) como em analisou ;illes 9ipo#ets) em *-+3) em A era do
vazio/ Uma sociedade Jue se Juer cool e fun) ama#elmente malandra) em Jue os meios de
comunica!"o difundem modelos descontraídos) Ier>is cIeios de Iumor e em Jue se le#ar a
s(rio ( falta de corre!"o/ B riso ( onipresente na pulicidade) nos Mornais) nas transmisses
tele#isi#as e) contudo) raramente ( encontrado na rua/ Elogiamos seus m(ritos) suas #irtudes
terapêuticas) sua for!a corrosi#a diante dos integrismos e dos fanatismos e) entretanto) mal
conseguimos delimit?,lo/
Estudado com lupa I? s(culos) por todas as disciplinas) o riso esconde seu mist(rio/
lternadamente
tomando as formas agressi#o) sarc?stico)
da ironia) do Iumor)escarnecedor)
do urlesco) amig?#el)
do grotesco) sardnico) ang(lico)
ele ( multiforme)
ami#alente) amíguo/ Pode epressar tanto a alegria pura Juanto o triunfo maldoso) o
orgulIo ou a simpatia/ O isso Jue faC sua riJueCa e fascina!"o ou) $s #eCes) seu car?ter
inJuietante) porJue) segundo escre#e =oard 8locI) Gcomo erlim) o riso ( um fenmeno
liminar) um produto das soleiras) /// o riso est? a ca#alo sore uma dupla #erdade/ Ser#e ao
mesmo tempo para afirmar e para su#erterL/ Na encruCilIada do físico e do psíJuico) do
indi#idual e do social) do di#ino e do dia>lico) ele flutua no eJuí#oco) na indetermina!"o/
Portanto) tem tudo para seduCir o espírito moderno/
%enmeno uni#ersal) ele pode #ariar muito de uma sociedade para outra) no tempo
ou no espa!o/ ? em *-<) Edmund 8ergler) em Laughter and Sense of Humour) aponta#a
mais de oitenta teorias sore a natureCa e a srcem do riso) e a lista prolongou,se depois/ Se
os etn>logos e os soci>logos eploraram largamente a pan>plia geogr?fica do riso) os
Iistoriadores s> recentemente se interessaram pelo fenmeno/ 6omo sempre) preocupa!es
ideol>gicas esta#am na srcem das in#estiga!es/ B lado su#ersi#o e re#olucion?rio do
riso interessou os Iistoriadores so#i(ticos em meados do s(culo VV/ Em *-1) leandre
=erCen) lemrando Jue na ntiguidade Gria,se $s esc7ncaras at( 9ucianoL e Jue) Gdepois
do s(culo 5K) os Iomens cessaram de rir) cIoraram sem descanso e pesadas cadeias caíram
sore o espírito) entre lamenta!es e remorsos de consciênciaL) declara: GSeria
etremamente interessante escre#er a Iist>ria do risoL/ lguns anos mais tarde) iIaWl
8aItine pe,se a traalIar e pulica um li#ro Jue se tornou cl?ssico) traduCido para o
francês em *-0: A obra de Franois Rabelais e a cultura !o!ular na Idade "édia e sob a
Renascena) magistral Iist>ria do riso do s(culo V5K ao VK5) dando resumos sore os
períodos anteriores e posteriores/

ao lugarais
Jue tarde) acJues
ele ocupa nas 9e ;offmon?sticas/
ordens consagra #?rios estudos
Em *--) nosaonais)
riso medie#al) especialmente
constatando Jue o riso
( um tema da moda e Jue) Gcomo sempre) a moda eprime um reconIecimento do interesse
emergente de um tema na paisagem científica e intelectualL) ele sugere arir uma #asta
pesJuisa Iist>rica sore esse assunto/ ntes e depois dessa data) a ideia germinou) e
numerosos Iistoriadores produCiram estudos memor?#eis sore o riso) em diferentes
(pocas: DominiJue rnould) DominiJue 8ertrand) 8ernard SarraCin) Daniel (nager)
Nell %euerIaIn) eannine =oroitC) SopIia enacIe e muitos outros) na %ran!a) cuMos
nomes e títulos de oras ser"o encontrados nas notas do presente li#roA an 8remmer)
=erman Foodenurg) =en Driessen) na =olandaA Dere 8reer) Peter 8ure) na ;r",
8retanIaA / TscIipper) X/ =aug) N/ Neumann) na lemanIaA Y/ 6ataudella) ;/ onaco)
na 5t?liaAcuMos
autores) T/ 6astle) 8/ 5/&citados
traalIos ;ranger)
em S/ / Ta#e)utiliCamos/
referência' nos Estados UnidosA e deCenas de outros
PorJue) inconscientes da amplitude da tarefa) Juisemos realiCar uma síntese) o Jue
uma pessoa sensata Mamais teria feito) t"o imenso ( o tamanIo do campo/ as n"o ( preciso
ser um pouco louco para empreender) sem rir) uma Iist>ria sore o risoZ De JualJuer forma)
( sempre muito cedo ou muito tarde para faCer uma síntese/ Esse assunto oferece ao menos
uma #antagem) M? Jue permite responder antes a todos os críticos: n"o le#e isso muito a
s(rio[
5ne#ita#elmente) esse traalIo ( incompleto) seleti#o) demora,se muito em alguns
aspectos) negligencia outros) mostra,se desen#olto aJui) ma!ante ali) cita muito) compila)
esJuematiCa
tri#ial) emiteescandalosamente) esJuece
Mulgamentos parciais informa!es apro#ados
e contest?#eis) essenciais) por
adota)
uns)$s recusados
#eCes) um com
tom
indigna!"o por outros/ Tudo isso ( de antem"o confessado) assumido) rei#indicado: se um
assunto como o riso n"o admite a fantasia) onde iremos procur?,laZ
Butra precau!"o Jue ritualmente os autores de oras sore o riso de#em ter o cuidado
de consignar na introdu!"o ( a#isar o leitor de Jue n"o se trata de um li#ro para faCer rir/
Nem compila!"o de pilI(rias nem receitas de animador: eis aJui) simplesmente) uma
contriui!"o para a Iist>ria das mentalidades/ 6ícero M? ressalta#a Jue os traalIos sore o
riso eram muito enfadonIos/  censura n"o ( no#a e () ali?s) inMustificada/ Dissertar sore
o riso () com freJuência) frustrante) M? Jue ( preciso aster,se de citar uma multid"o de
anedotas e segurar o riso para relatar como riam nossos ancestrais/ Esperamos) apesar de
tudo) Jue nosso prop>sito fa!a sorrir) #olunt?ria ou in#oluntariamente/
B Jue tal#eC n"o fa!a os puristas rirem ( a fleiilidade) e#entualmente ausi#a) no
emprego de termos como GurlescoL) GgrotescoL) GsatíricoL) Gpar>dicoL) GIumorísticoL///
6onIecem,se) por eemplo) os deates uuescos aos Juais se dedicaram certos especialistas
despro#idos de Iumor a prop>sito da pala#ra GIumorL/ Tem,se o direito de empreg?,la a
respeito dos gregosZ 6ícero tem IumorZ Bu ( preciso reser#ar a pala#ra e a coisa) como
uma safra controlada) para a 5nglaterra depois do s(culo VK555Z Digamos claramente: para
n>s) o Iumor n"o tem idade nem p?tria/ Ele adJuire formas diferentes) mas um camponês
egípcio do (dio 5mp(rio pode muito em ter um senso de Iumor t"o desen#ol#ido Juanto
Bscar Xilde/ B tempo n"o #em ao caso/
 dificuldade essencial do empreendimento #em) eatamente) da aparente
estailidade do riso/ 9endo as an?lises de rist>teles sore o assunto) tem,se a impress"o
de Jue os gregos de 23 s(culos atr?s riam como n>s) com as mesmas nuances e pelas

mesmas raCes/
Tentemos Kamos ent"o
Mustificar,nos/ Emescre#er seiscentas
primeiro lugar) p?ginas por nadaZ
lemrando O o cQmulodistin!"o
a importante do esc?rnio[
&a
estaelecer' entre a pr?tica e a teoria do riso/  segunda () e#identemente) muito mais
e#oluti#a e f?cil de seguir/ Em todas as (pocas foram escritos tratados sore o riso)
eprimindo a opini"o dominante sore esse assunto na sociedade ou em certos grupos
sociais/  Iist>ria do riso () antes de tudo) a Iist>ria da teoria do riso/ Bra) esta Qltima)
inega#elmente) mudou em #irtude da mentalidade dominante/ ? a pr?tica re#ela,se)
claramente) mais difícil de perceer/ s fontes s"o Ieter>clitas e dispersas e) muitas #eCes)
enganadoras/  pr?tica do riso e#olui de maneira muito mais lenta e imperceptí#el Jue a
teoria/ Entretanto) mesmo nesse ní#el) de#e ser possí#el faCer uma ideia/ Bs soci>logos
atuais pensam) por eemplo) Jue o riso) no pr>prio seio de nossa sociedade Iumorística) (
um
#"o retrocesso/
Jue procuraisuitos analistas
o segredo encontram,se
perdido da imensapor tr?s destadeap>strofe
Mo#ialidade de / 9ederer:
ontem/ Kossos GOtêm
risos n"o em
gra!a) s"o acanIados) miser?#eis) s"o solu!os in#ertidos) o resíduo dessecado das l?grimas
Jue n"o mais conseguis derramarL/ 6ae,nos #erificar) consultando crnicas) di?rios) oras
liter?rias e artísticas e todo testemunIo suscetí#el de carrear indícios/ %aCemos uma ideia)
sem dQ#ida muito aproimada/ as Juem disse Jue a Iist>ria) soretudo a das
mentalidades) ( uma ciência eataZ
Tra!ar conMuntamente a Iist>ria da pr?tica e da teoria do riso n"o ( o mais f?cil) mas
tam(m n"o ( o menos interessante/ N"o ( curioso) por eemplo) constatar Jue atualmente
#i#emos uma dupla contradi!"o: de um lado) muitos têm a impress"o de Jue o riso est?
#oltando) M? Jue ele se ostenta por toda parteA por outro lado) rimos cada #eC menos) apesar
de todas as ciências alardearem os m(ritos Juase milagrosos do riso/
%oi essa contradi!"o Jue nos le#ou a escre#er este li#ro) Jue) $ primeira #ista) n"o
tem muita coisa em comum com os temas Jue aordamos at( aJui: por Jue uma Iist>ria do
riso depois de uma Iist>ria do suicídio) dos infernos) do diao) da #elIice) do ateísmo) das
pre#ises) das rela!es entre a 5greMa e a ciência) entre a 5greMa e a guerraZ O Jue) no centro
de todos esses assuntos) I? a mesma interroga!"o: afinal de contas) Jue faCemos aJuiZ s
religies in#entaram respostas para nos apaCiguarA elas criaram infernos e demnios para
nos ensinar a #i#er saiamente em conMunto) limitando a ca!a pelo medo da polícia/ s
ciências nos desiludiram) por n"o traCer a eplica!"o definiti#a) Jue ainda e sempre
esperamos/ B ateísmo assegura,nos Jue n"o ( nada disso . o Jue) pro#a#elmente) (
#erdadeiro) mas difícil de suportar/ Ent"o) alguns se e#adem sonIando com futuros ilus>rios
Jue Mamais #er"o/ Butros passam o tempo guerreando/ Butros ainda se suicidam diCendo
Jue) se souessem) n"o teriam #indo/  maioria) Jue n"o tem a coragem de arir caminIo)
depois de ter sido empurrada durante a eistência) prolonga sua #elIice esperando ser
empurrada para o nada/ uitos) enfim) diante dessa enorme Gc7nula c>smicaL) como a
cIama l#in Toffler) preferem rir/
B riso) o grande riso de Dem>crito) n"o seria) de fato) a resposta apropriadaZ Se
#erdadeiramente nada tem sentido) o esc?rnio n"o seria a Qnica atitude GraCo?#elLZ B riso
n"o ( o Qnico meio de nos faCer suportar a eistência) a partir do momento em Jue nenIuma
eplica!"o parece con#incenteZ B Iumor n"o ( o #alor supremo Jue permite aceitar sem
compreender) agir sem desconfiar) assumir tudo sem le#ar nada a s(rioZ
B riso faC parte das respostas fundamentais do Iomem confrontado com sua
eistência/ B oMeti#o deste li#ro ( reencontrar as maneiras como ele faC uso dessa resposta

ao longooudasore
situa!"o =ist>ria/ Ealtar o riso tudo
uma característica) ou conden?,lo) colocar
isso re#ela as o acentodecmico
mentalidades soredeuma
uma (poca) um
grupo) e sugere sua #is"o gloal do mundo/ Se o riso ( Jualificado $s #eCes como dia>lico)
( porJue ele pde passar por um #erdadeiro insulto $ cria!"o di#ina) uma esp(cie de
#ingan!a do diao) uma manifesta!"o de despreCo) de orgulIo) de agressi#idade) de regoCiMo
com o mal/  ci#iliCa!"o crist") por eemplo) fica pouco $ #ontade para dar lugar ao riso)
ao passo Jue as mitologias pag"s lIe conferem um papel muito mais positi#o/ Pode,se rir)
e pode,se rir de tudoZ  resposta a essas Juestes eige posi!es eistenciais fundamentais/
Por fim) uma Qltima dificuldade: o riso tem um aspecto indi#idual e um aspecto
coleti#o/ Uma Iist>ria do riso () ao mesmo tempo) uma Iist>ria da festa) Jue coloca outra
ordem de prolemas/  Mun!"o dos dois n"o ( e#idente/ =? festas solenes) sem riso/
6ontudo) nas dionisíacas) no 6arna#al e nas saturnais) na festa dos loucos) admite,se Jue a
festa) como o riso) rompe o curso ordin?rio das coisas e Jue seus #ínculos s"o essenciais
porJue amos arem uma Manela sore outra coisa) sore outra realidade) tal#eC uma utopia)
como escre#e ean,6laude 8ologne: GUm e outro Jueram o circuito estaelecido entre a
reprodu!"o social e a ades"o dos Iomens no curso de um MQilo material em Jue o ecesso
de energia ou o dinamismo pr>prio da esp(cie se are sore a premoni!"o ut>pica de uma
eistência infinita em Jue o Iomem n"o estaria mais confinado nos Juadros sociaisL/
N"o se tratar? de tra!ar a Iist>ria da festa em si mesma) mas de eplorar as rela!es
compleas Jue ela estaelece com o riso) para a#aliar a for!a social) política e cultural deste)
Jue tanto pode ser um elemento su#ersi#o Juanto um elemento conser#ador/ B riso n"o
tem implica!es
Juando psicol>gicas)
se pensa na filos>ficas.nem
s?tira e na caricatura religiosasAimportante/
( igualmente sua fun!"oB política
riso ( ume fenmeno
social .
gloal) cuMa Iist>ria pode contriuir para esclarecer a e#olu!"o Iumana/
1 - O RISO INEXTINGUÍVEL DOS DEUSES
Os gregos arcaicos e o mistrio !o riso

GTendo rido Deus) nasceram os sete deuses Jue go#ernam o mundo/// Yuando ele
gargalIou) feC,se a luC/// Ele gargalIou pela segunda #eC: tudo era ?gua/ Na terceira
gargalIada) apareceu
tempoL/* Depois) pouco=ermesA
antes donas(timo
Juarta)
riso)a Deus
gera!"oA na profundamente)
inspira Juinta) o destinoA
masnaeleseta)
ri tantoo
Jue cIora) e de suas l?grimas nasce a alma/
ssim se eprime o autor annimo do papiro alJuímico Jue data do s(culo 555) o
papiro de 9ede/ B uni#erso nasceu de uma enorme gargalIada/ Deus) o \nico) JualJuer
Jue seMa seu nome) ( acometido . n"o se sae por Juê . de uma crise de riso louco) como
se) de repente) ele ti#esse consciência do asurdo de sua eistência/ Nessa #ers"o da cria!"o)
Deus n"o cria pela pala#ra) Jue M? ( ci#iliCa!"o) mas por esse espocar de #ida sel#agem) e
cada um de seus sete acessos faC surgir do Nada um no#o asurdo) t"o asurdo Juanto o
pr>prio Deus: a luC) a ?gua) a mat(ria) o espírito/ E) no final desse big bang cmico e
c>smico) Deus e o uni#erso encontram,se em um face a face eterno) perguntando,se um ao
outro o Jue est"o faCendo l?: aJuele Jue ri e sua gargalIada/

O RISO NOS ITOS GREGOS!


U "ONT#TO $ERIGOSO "O O DIVINO

Esse mito . miragem suplementar camuflando nossa desesperada ignor7ncia sore


as srcens do ser . corresponde a outro/ N"o se sae de onde #em) mas eistem outros
semelIantes) com algumas #ariantes/ ssim o fil>sofo Pr>clus) no s(culo K a/6/) fala de
um poeta >rfico Jue atriuía o nascimento dos deuses ao riso da di#indade soerana e o
nascimento
misteriosa e dos Iomens
srcem di#inaadosuas
riso:l?grimas/ Proimidade
esses temas do risonase mitologias
s"o recorrentes das l?grimas) natureCa
do Briente
(dio/ N>s os reencontramos na %enícia) onde um riso ritual acompanIa o sacrifício de
crian!as) na 8ailnia e no Egito) onde os sacerdotes de Teas saQdam as enesses do Nilo
com uma gargalIada/ Nesses países) o riso pertence $ deusa aatA ele manifesta a alegria
de #i#er) a confian!a no futuro) o comate contra os poderes da morte/
Por meio desses ritos) adi#inIa,se uma interroga!"o) n"o despro#ida de inJuietude)
sore a natureCa e a srcem do riso/ Essa interroga!"o ( t"o antiga Juanto o pensamento
reflei#o) M? Jue #elIos escritos denunciam seu tra!o/ Yuando o mundo ocidental se solta
para as fontes de sua cultura intelectual) ele se #olta) freJuentemente) para a ;r(cia/ N"o
Jue a ;r(cia possua todas as respostas) mas ela parece ter lan!ado todas as Juestes e)
soretudo) preser#ou os testemunIos dessas Juestes: mitos) tetos (picos) po(ticos)
filos>ficos/ O por isso Jue) uma #eC mais) ( preciso procurar nela os indícios da identidade
perdida de nosso riso/

*
6itado por FE5N6=) S/ #ultures$ m%thes et religions& Paris: ed/ 8ouJuins) *--<) p/*1/
K?rios s(culos antes de rist>teles consagrar essa e#idência . ou seMa) de Jue o riso
( pr>prio do Iomem .) os mitos) as festas) os escritos Iom(ricos colocaram em cena essa
especificidade Iumana) dando a ela um papel essencial na com(dia IumanaA esses relatos
permitem entre#er uma parte dos componentes e da natureCa do riso/ as) aten!"o: n>s
lemos e relemos esses tetos por meio das lentes deformadoras de 2/00 anos de Iist>ria
cultural) e nossas interpreta!es dependem de esJuemas eplicati#os Jue e#oluem/
B Jue nos diCem) pois) os mitos gregosZ Em primeiro lugar) uma constata!"o

un7nime: os
epress"o deuses Todos)
Iom(rica/ riem/ Bum Blimpo
dia ouressoa
outro) com seu Grisoacessos
conIeceram inetinguí#elL) segundo
de Iilaridade) e pora
moti#os Jue n"o eram sempre dignos) pala#ra de =omero[ ]eus n"o ( o Qltimo) ele Jue
assiste) Iil?rio) ao tumulto geral dos olímpicos: GEles caem uns em cima dos outros com
grande estr(pitoA a #asta terra tremeA em #olta) o grande c(u faC soar as trometas/ ]eus o
escuta) sentado no Blimpo) e seu cora!"o ri de alegria Juando ele #ê os deuses entrarem
nessa rigaL/2 Ele ri antes) pensando em como se #ingar de Prometeu/ polo acIa muito
engra!ados os Mogos do peJueno =ermes) Jue manipula uma tartaruga e depois toca a lira:
GSo sua m"o) a lira treme com um ruído terrí#el e) em sua alegria) %eo polo riL/3 tenas
di#erte,se como uma louca ao golpear res) antes de deslocar os MoelIos de frodite) tudo
isso diante do sorriso trocista de =era/1 Yuando) num anJuete) o manco e grotesco deus
do fogo #em
=efesto ser#ir oassim
apressar,se n(ctar)
na Gum
salaL/riso
 B inetinguí#el ele#a,se
pr>prio =efesto prega entre os deuses
uma pe!a feliCes)
em seu irm"oao #er
res:
tendo,o surpreendido no leito com sua irm" comum) frodite) ele prepara uma armadilIa
Jue imoiliCa os amantes fraternos em uma posi!"o emara!ante) depois con#ida o resto da
família para assistir ao espet?culoA de no#o) Gum riso inesgot?#el ele#a,se entre os em,
a#enturados) $ #ista da armadilIa do artificioso =efestoL/ < Bs risos redoram Juando
=ermes declara Jue ele gostaria de estar no lugar de res/
Em pouco tempo) ri,se com os deuses/ B riso deles ( sem entra#es: #iolência)
deformidade) seualidade desencadeiam crises Jue n"o têm nenIuma considera!"o de
moral ou decoro/ Bs mitos o associam freJuentemente $ oscenidade e ao retorno da #ida/
O o caso da estranIa Iist>ria de Dem(ter e de 8auo) um epis>dio ecluído dos estudos
cl?ssicos) pela preocupa!"o em preser#ar a dignidade das GIumanidadesL/
Segundo esse mito) muito conIecido na ;r(cia antiga) a deusa Dem(ter)
inconsol?#el e triste . o Iino Iom(rico designa Gtendo perdido o risoL .) cIega a Elêusis)
na casa de 8auo) Jue lIe oferece o '%'eon) mistura de ?gua) farinIa e menta/ as Dem(ter
recusa) e 8auo) para faCê,la rir) emprega outros meios: G%alando assim) ela le#antou sua
roupa e mostrou todo o corpo) de forma indecente/ =a#ia a crian!a 5aco Jue ria so as saias
de 8auo/ Ele agita#a a m"o/ Ent"o) a deusa sorriu) de cora!"o) e aceitou a ta!a rilIante
de '%'eonL/ O isso o Jue diC a #ers"o >rfica do mito/ Essa passagem ecita ainda mais a

2 =BEFB) Il(ada$ VV5) 3+-/


3 Hino homérico / G/ =erm^sL) 5/
1 Il(ada$ VV5) 10+,120/

 5idem) 5) <00/

< =BEFB) )disseia$ K555) 300,31/


 Le rire et les larmes dans la littérature grecque d*Hom+re , -laton$ tradu!"o de FNBU9D) D/ Paris: *--0) p/2*1/
imagina!"o dos Ielenistas) Iistoriadores e psic>logos) porJue seu sentido n"o ( claro e
eistem #ariantes/+
Para ;eorges De#ereu) autor de um audacioso .aubo$ a vulva m(tica) 8auo pintou
em seu #entre a metade superior de 5aco) como se ele saísse de seu seo) titilando sua #ul#a
com uma das m"os/- Para Paul PerdriCet) 8auo simplesmente desenIou a cae!a de 5aco
e) Gassim acomodada) eecutou a dan!a do #entre: a cada contor!"o) a figura pintada parecia
rirL/*0 Terceira #ers"o desse desenIo animado srcinal: 8auo se depilou e os mo#imentos

de sua fenda genital


Iermafrodita) produCiam
e foi a #is"o efeitos
inesperada decmicos/ Pordi#ertiu
seu falo Jue fim) segundo arie
Dem(ter/ ** Delcourt) seria

6omo sempre) o cmico reside tanto) ou mais) nas interpreta!es Juanto no epis>dio
srcinal/ as esse mito . em sua #ers"o >rfica ou em sua #ers"o Iom(rica . associa o
riso) so a forma de Comaria) $ seualidade) $ fecundidade e ao renascimento/ Dem(ter
Greina#aL por seu sorriso) ele pr>prio pro#ocado por um riso Jue sai da matriC corporal) do
seo feminino/ Pensa,se aJui no famoso Juadro de 6ourert) a )rigem do mundo: o #entre
feminino ( a srcem da Iumanidade inteira) #erdade oscena e insuport?#el para alguns)
mas suprema derris"o para o orgulIo Iumano/ DominiJue rnould assinala)
Mudiciosamente) a eistência de mitos compar?#eis) em 6reta e no Egito) em torno do culto
de 5sis/*2
rist>fanes) em s r"s) in#oca ainda Dem(ter nestes termos: GDem(ter) princesa dos
santos mist(rios) assiste,nos) preser#a teu coroA permite,me di#ertir,me e dan!ar em paC)
todo o dia) diCer muitas oagens) coisas s(rias tam(m) e) depois de ter desfrutado e
Comado de maneira digna de tua festa) conseguir as guirlandas da #it>riaL/ Kit>ria sore
as l?grimas) sore a tristeCa) triunfo da fertilidade) mas tam(m afirma!"o da srcem di#ina
de um gênero liter?rio) o #erso i7mico/ De fato) no Iino Iom(rico) ( 5amo Jue oferece
Iospitalidade a Dem(ter e tenta faCê,la rir/ B gênero i7mico) como ser? praticado por
rJuíloco e seus sucessores) rei#indica o poder de faCer rir os deuses/ ssim) Gos mitos Jue
d"o conta dos gêneros liter?rios e musicais eJuiliram) portanto) de alguma forma) o riso e
as l?grimasL) eplica DominiJue rnould) Gao mesmo tempo) eles d"o uma cau!"o di#ina
$s rea!ese Jue
l?grimas Iumanas) M? Jue tais
( por imita!"o di#indades)
de suas emo!estais
Jue Ier>is) especialiCam,se
os Iomens no riso*3 ou nas
podem Ionr?,losL/
Butros mitos associam o riso ao renascimento) ao retorno $ alegria de #i#er/ 6omo
aJuela Iist>ria de =era Jue se refugiou na montanIa) depois de uma riga com ]eus/ Este)
para incit?,la a #oltar) espalIa o oato de seu pr>imo casamento e manda faCer uma est?tua
Jue representa a noi#a coerta de #(us/ =era) curiosa por conIecer a eleita) arranca o #(u)
cai na gargalIada e insiste em conduCir o corteMo/ Esse mito ainda era representado na
8e>cia) na (poca de Plutarco) no segundo s(culo de nossa era: uma est?tua de madeira era
colocada sore uma carro!a) #estida como uma noi#aA a sacerdotisa de =era le#anta#a o
#(u) caía na gargalIada e toca#a $ frente do corteMo/ Tam(m) nas festas das tesmoforias) o
riso de Dem(ter esta#a integrado a um rito/

+ Ker eposi!"o das diferentes interpreta!es em FNBU9D) D/ op/ cit/) pp/2*1,2*/


- DEKEFEUV) ;/ .aub/$ la vulve m%thique& Paris: *-+3) p/3*/
*0 6itado por P56FD) 6/ G9_(pisode de 8au dans les mst^res d_EleusisL) Fe#ue de l*histoire des religions& *-2) p/232/

** DE96BUFT) / Herma!hroditea& 8ruelles: *-<<) p/20/

*2 FNBU9D) D/ op/ cit/) p/2*</


*3 5idem) p/22*/
B riso ( a marca da #ida di#ina) como o testemunIam numerosas Iist>rias gregas de
est?tuas de deuses suitamente animadas por uma gargalIada/ Suetnio relata Jue) Juando
6alígula decidiu desmontar a est?tua de ]eus) ora de %ídias) para instal?,la em Foma) ela
GgargalIou de forma t"o terrí#el Jue o pedestal racIou e os oper?rios fugiramL/ *1
Segundo Paus7nias) Ia#ia um estranIo riso de inicia!"o em 9eadeu) no antro de
Trofnio: o iniciado de#ia simular a morteA le#ado pelos sacerdotes) ele era entregue a seus
amigos e sua ressurrei!"o era manifestada pelo riso/ GJuele Jue retorna#a depois de ter

consultado Trofnio
cIama#am de Trono erada logo cercado
em>ria/ pelos sacerdotes)
Yuando Jue oeles
esta#a sentado) faCiam sentar,separa
lIe pediam sore o Jueo
contar
Jue #ira e aprendera/ FecolIidas essas informa!es) os sacerdotes as repassa#am a seus
pr>imos/ Estes o le#anta#am e o le#a#am para o Juarto) onde ele encontraria) dora#ante)
8oa Sorte e 8om ;ênio/ Ele era ainda acometido pelo medo) n"o saia Juem era) n"o
reconIecia os familiares/ Um pouco mais tarde) contudo) recora#a toda a consciência e
recupera#a a faculdade de rir/ Escre#o isso n"o porJue ou#i falar) mas por tê,lo oser#ado
em outras pessoas e ter) eu pr>prio) consultado TrofnioL/ *
Trata,se ainda da ritualiCa!"o do mito) contado por Semos de Delos no s(culo 555
a/6/ Parmênio de ataponte teria descido ao antro de Trofnio e perdido a faculdade de rirA
para reencontr?,la) ele consulta a Pítia) Jue lIe responde) segundo o I?ito) por um enigma:
GTu me interrogas sore o doce riso) tu Jue (s amargoA ( tua m"e Jue o dar? de #olta Juando
esti#eres em casaA Ionra,a muitoL/ Por acaso) #isitando Delos) ele foi ao templo de 9eto
porJue acIa#a Jue a est?tua da m"e de polo merecia ser #ista/ as) perceendo Jue era
um peda!o de madeira informe) ele riu inesperadamente) cumpriu o or?culo do deus e) li#re
de sua doen!a) passou a Ionrar muito a deusa/
Jui) o mito are outra perspecti#a: o riso est? associado ao retorno a uma #ida
GnormalL) mas isso s> ( possí#el com a condi!"o de esJuecer o Jue se #iu no mundo di#ino)
esJuecer o Jue se entre#iu dos mist(rios do al(m e do futuro) esJuecer tudo o Jue ultrapassa
a condi!"o Iumana/ Esses mist(rios seriam assim t"o terrí#eisZ =?) entretanto) o
pressentimento de uma #erdade angustiante/
Porfr?gil)
limitado) ser di#ino) o pr>prio
ser? capaC riso ( inJuietante/
de controlar essa for!aBsJue
deuses o deram ao
o ultrapassaZ Iomem) mas este)
GDiferentemente do
pore riso dos Iomens) testemunIo de uma #italidade prec?ria e inferior) o riso dos deuses
parece n"o terminar nuncaL) escre#e Salomon FeinacI/*< B riso) como um sopro grande
demais para nosso espírito) pode conduCir $ loucura: ( o caso do riso demente de Ma)
presente en#enenado de tenas) posto em cena por S>focles/ O tam(m o caso dos
pretendentes) na )disseia) esperando com um riso de alienados . no sentido pr>prio .
Juando ficam saendo Jue Telêmaco aceitou falar com sua m"e em fa#or deles: GNesse
momento) tenas) etra#iando seu espírito) sacudiu os pretendentes com um riso
inetinguí#el/ Eles riam como se ti#essem mailares de ferro) de#ora#am as pr>prias carnes
e o sangue pinga#aA seus olIos encIiam,se de l?grimas: com o cora!"o triste) Jueriam
solu!arL/*

*1 SUET`N5B/ G6alígulaL/ 5n: 0idas dos doze #ésares$ p//


* PUSN5S) 5V) 3-) *3/
*< FE5N6=) S/ op/ cit/) p/*1/
* )disseia$ VV) 31,31</
O ITO' O RISO E # ORTE

Nessa passagem da Bdisseia) os pretendentes) pressentindo seu fim pr>imo) s"o


sacudidos por um riso Jue agita seus mailares contra sua #ontade . o riso inetinguí#el
dos deuses . e) ao mesmo tempo) cIoram/ B riso) nos mitos gregos) s> ( #erdadeiramente
alegre para os deuses/ Nos Iomens) nunca ( alegria puraA a morte sempre est? por perto) e
essa intui!"o do nada) sore o Jual todos estamos suspensos) contamina o riso/

li?s)
ainda dos pode,se) literalmente)
pretendentes) Juando elesGmorrer deao
assistem rirL/ =omero
castigo utiliCa por
infligido a epress"o
Ulisses aa 5ros:
prop>sito
GBs
*+
nores pretendentes) le#antando os ra!os) morriam de rirL/ De fato) acreditando rir do
outro) era da pr>pria morte Jue eles riam) sem o saer/ Em um mito contado por Teopompo
de Yuios) Silênio fala de um país etraordin?rio onde os Iomens s"o duas #eCes maiores e
riem duas #eCes mais Jue n>sA eles n"o têm de traalIar e morrem numa gargalIada/
=er>doto menciona #?rios casos de riso ritual associados $ morte: na Tr?cia) as
mulIeres morrem rindo sore o tQmulo de seus maridosA nesse país) diC ele) saQda,se o
nascimento com lamenta!es) porJue se considera Jue a #ida ( um mal) e morre,se rindo/
Butros contam a mesma coisa a prop>sito da SardenIaA as #ítimas sacrificadas ao deus lídio
Sandon de#em rir) assim como os fenícios Juando sacrificam seus filIos/ 6onforme
Salomon FeinacI) Jue relata esses eemplos) o riso desempenIa uma fun!"o m?gica Jue
permite a passagem para uma no#a #ida e significa o consentimento das #ítimas/*- Em suas
1!idemias) =ip>crates cita o caso tr?gico de Tícon) Jue riu durante três dias) at( a morte)
depois de ter receido um golpe de lan!a/ Eplica!"o: esse riso fora pro#ocado por um
peda!o de ferro Jue ficara no diafragma/
Estamos falando do riso como sofrimento) uma das interpreta!es do misterioso riso
Gsard>nicoL Jue aparece na )disseia: Ulisses) esJui#ando,se de um proM(til lan!ado por
6t(sipo) Gsorri) mas com aJuele riso sard>nico do Iomem feridoL/20 uito mais tarde)
Plat"o o utiliCa em conteto muito diferente: em A re!2blica) S>crates conta Jue Trasímaco
o repreendeu um dia: GBu#indo,me) ele eplodiu num riso sard>nico e) tomando a pala#ra:
2*
bPor =(rcules_) diC ele) beis a fingida ignor7ncia) Iaitual) tratando,se de S>crates[_L
EsJuilo) S>focles) Simnidas e alguns outros mencionam essa epress"o cuMa srcem
e cuMo sentido intriga#am os antigos/ Para todos) o riso sard>nico designa um riso
inJuietante) por causa de sua indetermina!"o/ De Juem e de Jue se riZ N"o saê,lo pro#oca
mal,estar) como se esse riso #iesse de outro lugar) do al(m) como uma amea!a imprecisa/
Esse riso n"o eprime a alegria daJuele Jue ( sua GpresaL) e muitos o associam $ ideia de
sofrimento e morte/  Iomofonia cIama a aten!"o para a SardenIa) onde) segundo lendas)
Talos) o Iomem de ronCe) salta#a no fogo ara!ado a suas #ítimas) Jue GtinIam) ao morrer)
a oca estirada e contraída) daí o riso sard>nicoL) nota ]enoius/ Butra #ers"o sarda)
contada por Selênio no s(culo 555 de nossa era) atriui o ricto sard>nico ao espasmo daJueles
Jue s"o en#enenados pela asor!"o de uma esp(cie de ranQnculo potente dessa ilIa da
Sicília/  mesma localiCa!"o ( atriuída $ Iist>ria c(lere de %alaris) tirano de grigento

*+ 5idem) VK555) p/*00/


*- FE5N6=) S/ op/ cit/) pp/*,*</
20 )disseia$ VV) p/30*/
2* ScIolie 5/ A re!2blica$ 5) p/33a/
Jue manda#a matar suas #ítimas encerrando,as num touro de ronCe) Jue era aJuecido
lentamente/ B rosto torcido de dor parece rir de sua pr>pria morte/
Plat"o relata uma tradi!"o compar?#el: G6leitarcos diC Jue os fenícios e soretudo
os cartagineses) Jue Ionram 6ronos) pronunciam sore a cae!a de seus filIos) Juando
deseMam um grande fa#or) o #oto de sacrific?,los ao deus Juando otêm o Jue pedem/ Eles
tinIam um 6ronos de ronCe Jue estendia as m"os) palmas #oltadas para cima) acima de
um forno de ronCeA era ele Jue Jueima#a as crian!as/ Yuando a cIama se apodera#a do

corpo)
Jue elas at(
riem) estica#am
Jue) emosum
memros)
Qltimo eestiramento)
a oca parecia
as repuada e contraída como
crian!as desliCa#am para oa fornoL/
daJueles22

Encontra,se igualmente em 3édalo) de S>focles) uma alus"o $ morte pelo fogo) a oca
grande aerta) para aJueles Jue) em 6reta) se recusam a ir at( inosA GDesde ent"o) como
eles tinIam a oca esticada e contraída) por causa do fogo) Simnidas diC Jue esse riso foi
cIamado de riso sard>nico &sardanion'L/
Esse riso sard>nico corresponde ao mesmo tempo a uma epress"o e a uma inten!"o/
 epress"o ( aJuela de JualJuer um Jue) Gmordido inteiramente pela c>lera ou pelo
desgosto) ri com o canto da oca) contraindo,a e esticando,a/ Sardanios em =omero)
sardonios alIures designam um riso contraído e estirado) e sarc?sticoL) eplica Eust?Juio
em seu #oment4rio sobre a )disseia/ B aspecto agressi#o ( real!ado pelo fato de Jue a
contra!"o dos mQsculos da oca mostra os dentes) como o ressalta =ip>crates) Jue aproima
isso do riso de loucura/
Sofrimento pessoal) amea!a contra o outro) frieCa da maldade) atmosfera de morte:
mitos e lendas da ;r(cia faCem do riso sard>nico uma for!a Jue ultrapassa o ser Iumano/
E#identemente) riso e alegria aí s"o totalmente alIeios um ao outro/ B corpo ( sacudido por
con#ulses e a face crispada por um ricto de morte/ B riso pode) assim) ser a rea!"o
fisiol>gica do títere Jue toma consciência de seu aniJuilamento/
B riso e a morte faCem oa mistura/ O suficiente olIar um cr7nio para se con#encer:
nada pode rouar,lIe o eterno sorriso/ Pode,se tam(m rir da morte sem morrer de rirA os
gregos ilustraram essa ami#alência com suas lendas e tentaram eplic?,la com seus mitos/
Eles
a #idaa confirmaram
( apenas umcom
casoeemplos GIist>ricosL)
derris>rio) mostrando
Jue s> merece Jue) mesmonapara
uma gargalIada os mais
saída/ s(rios)
KeMamos o
fil>sofo estoicista 6rísipo) Jue) segundo Di>genes 9a(rcio) Gmorreu por eplodir de rir
olIando um asno comer figos/ De fato) ele disse $ #elIa a Juem o asno pertencia: bDê um
pouco de #inIo a seu asno_/ E di#ertiu,se tanto Jue morreuL/ De acordo com o impertinente
9uciano) seria o poeta c>mico %ilemon Jue teria morrido dessa forma . mas n"o importa[
B fil>sofo 6Iilon) no s(culo K5 a/6/) Ia#eria morrido de alegria) depois da #it>ria de seu
filIo nos ogos BlímpicosA a mesma des#entura fatal teria tido S>focles) muito feliC por ter
ganIo o concurso de trag(dia/ Yuanto ao pintor ]euis) em 3-+ a/6/) foi derruado pela
irresistí#el gra!a de sua Qltima ora: uma mulIer #elIa/  #elIice) a feiura) o tempo e a
uni#ersal ilus"o: n"o I?) de fato) do Jue morrer de rirZ
No pante"o grego) onde os deuses riem t"o li#remente entre si) o riso ( curiosamente
o atriuto de um personagem oscuro) o trocista e sarc?stico omo/ %ilIo da noite) censor
dos costumes di#inos) omo termina por tornar,se t"o insuport?#el Jue ( epulso do
Blimpo e refugia,se perto de 8aco/ Ele Coma) ca!oa) escarnece) faC gra!a) mas n"o (

22 ScIolie 5/ A re!2blica$ p/33a/


despro#ido de aspectos inJuietantes: ele tem na m"o um ast"o) símolo da loucura) e usa
m?scara/ B Jue Juer diCer issoZ B riso des#ela a realidade ou a ocultaZ Enfim) n"o ( possí#el
esJuecer Jue) segundo =esíodo) suas irm"s s"o Nêmesis) deusa da #ingan!a) ngQstia e a
GKelIice alditaL/

O RISO D# )EST#! RETORNO #O "#OS E RE"RE#ÇÃO

5nsepar?#eis da mitologia) as festas s"o) em geral) ocasies de riso) riso coleti#o e


organiCado/ Por Jue o grupo social tem necessidade de organiCar essas ocasies de riso Jue
s"o as festasZ Yuando elas ocorrem) os mitos s"o representados periodicamente) uns s(rios)
outros cmicos) o Jue permite #er como esses Qltimos passam e perdem,se na consciência
coleti#a/
Yue saemos das festas do antigo mundo gregoZ s dionisíacas do campo) as
grandes dionisíacas) as acanais) as leneanas) as tesmof>rias ou as panateneias s"o todas
festas religiosas e têm) necessariamente) uma significa!"o gloal Juanto ao senso geral do
mundo) o Jual se acIa $ mercê dos deuses/ Bra) nelas sempre encontramos Juatro
elementos: uma reatualiCa!"o dos mitos) Jue s"o representados e imitados) dando,lIes
efic?ciaA uma mascarada) Jue d? lugar) so di#ersos disfarces) a rituais mais ou menos
codificadosA uma pr?tica da in#ers"o) na Jual ( necess?rio rincar de mundo ao contr?rio)
in#ertendo as IierarJuias e as con#en!es sociaisA e uma fase eoritada) em Jue o ecesso)
o transordamento) a transgress"o das normas s"o a regra) terminando em ca!oada e orgia)
presididas por um efêmero soerano Jue ( castigado no fim da festa/  import7ncia relati#a
desses elementos #aria) mas Juase sempre eles se cominam e est"o presentes/
6ertamente) o riso ( essencial nas festas) eceto em ritos mais solenes e na
reatualiCa!"o dos mitos Gs(riosL/ N"o se conceem mascaradas) tra#estimento) cenas de
in#ers"o) desordens e ecessos sem o riso desragado Jue) de alguma forma) imprime,lIes
o selo de autenticidade/ O o riso Jue d? sentido e efic?cia $ festa arcaica/ Por(m) essas festas

têm uma fun!"o:


Iumana) reno#andorefor!ar a coes"o
o contato comsocial na cidade/
o mundo Elas
di#inoA e oasseguram a perpetua!"o
símolo do da ordem
contato estaelecido
com o di#ino ( o riso) Jue) como #islumrado pelos mitos) ( um estado de srcem e de
iniciati#a di#ina) compar?#el) em certos casos) ao transe/
Fe#eladora) nesse sentido) ( a anedota contada por %ilostrato em 0ida de A!ol/nio
de 5iana/ Esse s?io pitag>rico do s(culo 5) Jue se dirige $ multid"o para lIe falar de
lia!es) ( interrompido por uma gargalIada de um Mo#em deocIado: GB Mo#em
interrompeu esse discurso com um riso grosseiro e indecenteA polnio olIou,o e disse:
bN"o ( #ocê Jue est? me insultando) mas o demnio Jue o possui) sem #ocê saer_/ De fato)
o Mo#em esta#a possuído por um demnio/ PorJue ele ria do Jue ningu(m ria e) ruscamente)
caía no cIoro) sem nenIuma raC"oL/ Fiso e l?grimas) comportamentos irracionais s"o
símolos de possess"o do Iomem por uma for!a di#ina/
ssim) o riso festi#o ( a manifesta!"o de um contato com o mundo di#ino/ E esse
riso ser#e para garantir a prote!"o dos deuses) simulando o retorno ao caos srcinal Jue
precedia a cria!"o do mundo ordenado/ B deocIe) a agita!"o) os gritos) as dan!as s"o
acompanIados de desordem #eral/ B Jue Foger 6aillois descre#ia assim: G;ritos)
Comarias) inMQrias) #ai#(m de rincadeiras grosseiras) oscenas ou sacrílegas) entre um
pQlico e um corteMo Jue o atra#essa &como no segundo dia das antest(rias') nas leneanas)
nos grandes mist(rios) no 6arna#al///') irrup!es de piadas no grupo de mulIeres e no de
Iomens &como no santu?rio de Dem(ter ísias) perto de Pelana de caia' constituem os
principais ecessos da pala#ra/ Bs mo#imentos n"o ficam atr?s: mímicas er>ticas)
gesticula!es #iolentas) lutas simuladas ou reaisL/ 23 Se acrescentarmos as trocas de roupa)
Jue su#ertem a ordem natural) torna,se e#idente Jue se assiste $ figura!"o do caos: GNa
;r(cia) de JualJuer forma) a festa da troca de roupas entre rapaCes e mo!as tem o
significati#o nome de h%bristi'a/ Bra) a h%bris representa um atentado contra a ordem
c>smica e social) o ecesso Jue passa da medidaL/ 21
 in#ers"o segue o mesmo rumo/ Durante a festa rnia) os escra#os desfruta#am
grande lierdade) podiam at( faCer,se ser#ir pelos senIores) Jue eles repreendiam/ 8em no
meio dos risos) Comarias e rincadeiras oscenas/ B caos ( indispens?#el para representar)
em seguida) a cria!"o da ordem/ Durante essas desordens em Jue o riso ( li#re) escolIe,se
um personagem Jue preside e encarna esse caos) um prisioneiro ou um escra#o Jue #ai ser
sacrificado no fim da festa) para um ato fundador da regra) da norma) da ordem/ Em Fodes)
o prisioneiro era emriagado pre#iamenteA depois de sua morte) tudo retorna#a $ ordem) o
riso li#re desaparecia/ B mesmo costume eistia entre os ail>nicos por ocasi"o das festas
anuais: um escra#o torna#a,se o rei cmico) o zoganesA durante cinco dias) ele podia dar
ordens) usar asdesencadeado
GEsse poder concuinas reais) #i#erfalso
( um nas piores etra#ag7ncias
poderL) . antes8alandierA
escre#e ;eorges de ser eecutado/
Gele (
teatralmente mostrado so o aspecto de um feitor da desordem impondo a necessidade de
reinstaurar o reino da regra) e ( a essa Qltima Jue era oferecido o sacrifício do falso reiL/2
B parêntese festi#o do riso desenfreado ser#e) pois) $ recria!"o do mundo ordenado
e ao refor!o peri>dico da regra/ Ela ( tam(m uma reintegra!"o do Iomem ao mundo do
sagrado) um retorno físico ao numinoso) cuMa plenitude se confunde com a do estado
primordial/ O o a#esso do cotidiano) a ruptura com as ati#idades sociais) o esJuecimento do
profano) um contato com o mundo dos deuses e dos demnios Jue controlam a #ida/ O)
assim) um retorno $s srcens Jue permite reproduCir os atos fundadores) para regenerar o
mundo e os Iomens) para interromper o declínio/  festa arcaica) escre#e ean,acJues
Xunenurger) ( Gum ludismo mim(tico de um modelo de tipo mítico considerado como
transcendenteL/ 2<
Nessa festa coleti#a) o indi#íduo desempenIa um papel) Ga fim de sair de si mesmo
e de se arir para o numinoso representando) precisamente) seus paradigmas míticosL/ 2
Para assegurar a efic?cia do rito) cada um de#e desempenIar seu papel/ B riso festi#o (
origat>rio/ Bs deuses punem os desertores da festa/ Jueles Jue se recusam a despoMar,se
do conformismo social) nas dionisíacas) por eemplo) caem na loucura sel#agem/ O o Jue
conta o mito de Penteu) rei de Teas/ Penteu n"o Juis aandonar seu papel s(rio) ao passo
Jue os #elIos s?ios 6admo e Tir(sias esta#am tra#estidos e tinIam aceitado dar alguns
passos de dan!a para o deus/ Dioniso #ingou,se de forma apropriada: persuadiu Penteu a se
#estir de acante e ir oser#ar as cerimnias reser#adas $s mulIeres/ Estas) possuídas pelo
23 6599B5S) F/ L*homme et le sacré& Paris: ed/ %olio) *-0) p/*+/
21 5idem) p/*+/
2 89ND5EF) ;/ Le !ouvoir sur sc+ne& Paris: *-+0/

2< XUNEN8UF;EF) /,/ La f6te$ le 7eu et le sacré& Paris: *-) p/*1+/


2 5idem) p/ *01/
deus) acredita#am #er um animal feroC e) alucinadas) mata#am o rei/ ssim) o riso e o
esc?rnio aparecem) na festa) como necess?rios $ manuten!"o da ordem social e como
elemento de coes"oA o refrat?rio . Jue n"o ( apenas um desmancIa,praCeres) porJue isso
( s> um Mogo . ( ecluído do grupo social/
 antiga mascarada grega pode ter outras significa!es/ Por eemplo) faCer a
eperiência da alteridade: ser outro por algum tempo para #er mais a si mesmo/ Em Esparta)
o ritual de passagem para a #ida adulta compreende uma mascarada: usam,se m?scaras de

s?tiros) de
graceMo #elIas odesdentadas)
atre#ido) de faces
esc?rnio) para ter a disformes
eperiênciae monstruosasA praticam,se
do Jue) de agora o cmico)
em diante) de#e sero
e#itado) reMeitando essas caricaturas pelo riso/ Nesse rito) a m?scara da ;orgone representa
a alteridade da morte) Jue tam(m entra nesse Mogo de derris"o/ Em tenas) Iomens
#estiam,se de mulIeres) dan!a#am e riamA eles representa#am a mulIer para ser mais
Iomens/ Nos rituais dionisíacos) as m?scaras) cIocarrices e mimos oscenos s"o destinados
a reproduCir Ga oscenidade e a estialidade dos companIeiros de DionisoL) escre#e
%ran!oise %rontisi,DucrouA ( faCer passar,se por esse deus) ca!oando dos comportamentos
Jue de#em ser e#itados/2+ Por(m) a significa!"o gloal permanece a mesma: na festa grega
antiga) o riso) ritualiCado) ( um meio de eorciCar a desordem) o caos) os des#ios) a
estialidade srcinal/ GO uma esp(cie de reafirma!"o da ordem cultural e social) por meio
2-
da
do eperimenta!"o ritualiCada da
caos e sua autodestrui!"o/ desordemL/
B aspecto B riso
m?gico festi#o ()Em
( flagrante/ ao um
mesmo tempo)claramente
parêntese a irrup!"o
circunscrito) a desordem surge so a forma do riso e) ao mesmo tempo) ( morta pelo riso)
pela autoderris"o e pelas Comarias mQtuas de todos esses atores mascarados Jue encarnam)
cada um) um aspecto das proii!es e dos medos/ De um s> golpe) a ordem social ( recriada
e confortada em sua normalidade/
 designa!"o de um rei cmico e sua condena!"o $ morte sugerem ainda outra
significa!"o) desen#ol#ida na teoria em conIecida de Fen( ;irard: a festa como
comemora!"o da crise sacrifical da srcem) da morte de um ode epiat>rio carregado de
agressi#idade coleti#a) do fundador da paC social/ B aspecto alegre da festa arcaica
corresponderia aos preparati#os do sacrifício: GSe a crise das diferen!as e a #iolência
recíproca podem ser oMeto de uma comemora!"o alegre) ( porJue elas aparecem como o
antecedente origat>rio da resolu!"o cat?rtica sore a Jual desemocamL/ 30 Portanto) a festa
n"o teria nada a #er com JualJuer necessidade de di#ers"o) como o afirmam os moralistas
cl?ssicos/ Tratar,se,ia de uma coisa muito mais s(ria) fundamental) para diCer tudo/
Fen( ;irard apoia sua tese em uma interpreta!"o da trag(dia de Eurípides) As
bacantes/ ssiste,se aí a uma festa tradicional em Ionra de Dioniso) a acanal) com as
características Iaituais: a in#ers"o) a elimina!"o das diferen!as) a igualdade de Iomens e
mulIeres) nos risos e nos gritos/ Depois) tudo se deseJuilira em #iolência e massacre/
6omo Penteu se recusa a reconIecer a di#indade de Dioniso disfar!ado) este se apodera do
espírito das acantes) Jue in#estem) indistintamente) sore os animais e sore os Iomens:
GPacífica no início) a n"o diferen!a dionisíaca desliCa rapidamente para uma indiferencia!"o
#iolenta) particularmente incitada/  aoli!"o da diferen!a seual) Jue aparece na acanal

2+ %FBNT5S5,DU6FBUV) %/ GB Mogo dos outros e do mesmo/ Fituais de tra#estimento no mundo grego antigoL/ 5n: #arnavals et
mascarades$ so a dir/ de F,;/ d_ala et / 8oiteu/ Paris: *-++/
2- 5idem/
30 ;5FFD) F/ La violence et le sacré& Paris: ed/ Pluriel) *-2) p/ *+0/
ritual como uma festa de amor e fraternidade) transforma,se em antagonismo na a!"o
tr?gicaL/3*
Penteu) rei de Teas) apresenta,se como o defensor da ordem) do Gs(rioL Jue ele
pretende preser#ar recusando,se a participar da festa dionisíaca/ Ele n"o compreendeu Jue)
com isso) ao contr?rio) ele lierta todas as for!as da rutalidade estialA ( o Jue o coro)
usando m?scaras de animais) lemra: GPara o coro) Penteu aparece como um transgressor)
um audacioso descrente cuMa impiedade atrai sore Teas a c>lera da di#indade/ E Penteu)
32
efeti#amente)
pelas acantescontriui
em fQria)para
Jue oa desordem
tomam porJue
umele pretende
le"o/ impedirL/ perpetrado
Esse assassinato) Ele ser? despeda!ado
sem armas)
de#ol#e a paC e a ordem a Teas/ Dioniso est? satisfeito/ 6om a morte do ode epiat>rio)
a crise sacrifical est? resol#ida/
Para Fen( ;irard) o sentido do epis>dio ( o seguinte: para #i#er em sociedade) o
Iomem tem necessidade de despoMar,se de sua agressi#idade natural/ Bra) Gos Iomens n"o
poderiam colocar sua #iolência fora de si mesmos) em uma entidade separada) soerana e
redentora) se n"o Iou#esse a #ítima epiat>ria) se a pr>pria #iolência) de alguma forma) n"o
lIes desse uma tr(gua Jue ( tam(m uma no#a partida) a ilus"o de um ciclo ritual depois
do ciclo da #iolênciaL/33 as) para Jue a crise sacrifical seMa eficaC) s"o necess?rias duas
condi!es: a unanimidade dos participantes e o car?ter secreto ou inconsciente do ato
sacrifical . porJue) Gpara dissipar sua ignor7ncia) corre,se o risco de epor os Iomens a
um grande perigo) de pri#?,los de uma prote!"o Jue ( fruto do desconIecimento) de precisar
soltar o freio Jue aprisiona a #iolência IumanaL/ 31 Eurípides teria intuído essa #erdadeA
teria) em #ersos enigm?ticos) decidido guardar para si esse terrí#el segredo) cuMa re#ela!"o
Ia#eria de desencadear a #iolência:

ant(m distante dos pensamentos amiciosos


teu cora!"o prudente e teu espírito/
Juele Jue crê na loucura dos modestos e a pratica)
eu acolIo em meu ser/

Essa (teoria
recordamos suscitou
porJue certo
ela pode nQmeropara
contriuir de reser#as)
esclarecerJue
umn"o
dos#amos eaminar
aspectos do riso aJui/ SeBa
festi#o/
sacrifício do ode epiat>rio Jue se encarrega da #iolência Iumana para conduCi,la ao
di#ino ( precedido pela festa) pelo riso) pela alegria) e ( na festa Jue ele se reno#a
periodicamente/ =?) portanto) associa!"o e complementaridade entre o riso e a
agressi#idade/ B riso coleti#o) de alguma forma) prepara o aandono da #iolência) ele a
desarma/ O outra maneira) menos GmísticaL) de eplicar os risos rituais da festa arcaica/
5sso #ai ao encontro da interpreta!"o GnaturalistaL do riso Jue onrad 9orenC d? em
A agress8o/ Para ele) o riso ( uma ritualiCa!"o do instinto de agress"o Jue eiste em cada
um de n>sA ele permite controlar e reorientar nossas tendências naturais para a rutalidade)
a fim de tornar possí#el a #ida social/ Koltaremos mais tarde a essa Juest"o) mas M? parece
Jue o riso) indi#idual ou coleti#o) tem um #ínculo inelut?#el com a agressi#idade/ B riso
como eut>rio) des#iando) canaliCando) imitando) ludiriando a agressi#idade do animal
3* 5idem) p/*-*/
32 5idem) p/*-2/
33 5idem) p/202/
31 5idem) p/203/
social por seu solu!o sim>lico: ( o Jue sugerem as desordens programadas das festas
gregas/

O RISO DE DIONISO

 personalidade do deus Jue preside essas festas #ai na mesma dire!"o/ Dioniso) (
dele Jue falamos) deiou a imagem de um alegre pore,diao/ Deus da #inIa) do #inIo) da
emriagueC &entre outros') ele ( acompanIado por um corteMo de s?tiros Iil?rios e
desragados/ Yuem melIor do Jue ele pode representar a alegria de #i#er e o riso sem
entra#esZ as n"o nos enganemos: esse deus ( perigoso) amíguo) ami#alente)
perturador) misterioso) inJuietante/ N"o ( por acaso Jue tantos fil>sofos fantasiaram em
torno do conceito fluido de GdionisíacoL) soretudo ao longo do perturado s(culo VV/ B
fato de esse deus ser Mustamente um deus risonIo con#ida,nos a aprofundar a compleidade
do riso grego/
9emremos) de início) Jue) como o demonstrou =enri eanmaire) nada indica) nas
tradi!es antigas) associa!"o alguma de Dioniso com a #inIa e com o #inIo/3 Sua
emriagueC de srcem) escre#e Fen( ;irard) ( o Gfuror IomicidaL/ Seus atriutos ligam,se
$ #iolência) Jue preside os desastres) e o di#ino Tir(sias faC dele o inspirador do terror e do
p7nico: GSoldados armados e enfileirados para a atalIa etra#iam,se sem Jue a lan!a os
tenIa tocado/ O de Dioniso Jue lIes #em esse delírioL/
Para ean,Pierre Kernant e Pierre Kidal,NaJuet) Gum dos tra!os maiores de Dioniso
consiste em emaralIar sem cessar as fronteiras do ilus>rio e do real) em faCer surgir
ruscamente outro lugar aJui emaio) em nos desterrar de n>s mesmosA ( em a face do
deus Jue nos sorri) enigm?tico e amíguo) nesse Mogo de ilus"o teatral Jue a trag(dia) pela
primeira #eC) inaugura sore a cena gregaL/ 3< N"o ( de surpreender Jue esse deus da ilus"o
seMa associado ao teatro e Jue esse teatro grego arcaico misture intimamente a com(dia e a
trag(dia/ Nas grandes dionisíacas) aparece o concurso de trag(dia) em 0* a/6/) e o de

com(dia)
al(m Juatro
das três anos mais
trag(dias) elestarde/
de#emli?s) os autores
apresentar tr?gicos
uma curta pe!atam(m praticam
familiar) o dramao satírico)
cmico:
Jue ( representado pelos mesmos atores) utiliCa a mesma m(trica e o mesmo #ocaul?rio)
mas desenrola,se em cen?rio campestre/  pe!a ( animada por um coro de s?tiros)
personagens fantasmag>ricos) companIeiros de Dioniso e dirigidos por um êado lQrico)
Silênio/ Seres lQricos) eles eiem sua animalidade: dotados de um seo em ere!"o e de
uma cauda de ca#alo) eles pem em cena um uni#erso par>dico e urlesco) no Jual alguns
#eem o prolongamento de cultos Coom>rficos/3
Esse ressurgimento da animalidade traduC,se pelo riso) Jue #em Juerar a
solenidade tr?gica e aalar o s(rio/ Nos fragmentos dos dramas satíricos Jue cIegaram at(
n>s) %ran!ois 9issarrague acredita reconIecer a #ontade de apresentar uma antropologia
in#ertida) de eplorar o mundo pelo espelIo do riso/ B drama satírico) distante das grandes

3 EN5FE) =/ 3ion%sos& Paris: *-*/


3< "%the et tragédie$ 55/ Paris: *-+</
3 6FF5FE) /,6/ G6arna#al e políticaL/ 5n: #arnavals et mascarades$ op/ cit/
Juestes da trag(dia) utiliCa o riso como instrumento de conIecimento/ 3+ Esse olIar da
derris"o ( o GolIar de DionisoL) escre#e Pierre SauCeau/ Dioniso derrota a usca positi#ista
porJue instaura como sistema Goutra maneira de pensarL) ou seMa) a loucura) doce para seus
fi(is) terrí#el para seus inimigos/3- Esse interm(dio de urlesco prim?rio #em lemrar Jue
o riso da loucura ( necess?rio para o eJuilírio da cidadeA porJue ele se ope ao logos
racional representado por poio ou tenas: GDeus da loucura) da emriagueC) da ilus"o)
das for!as misteriosas e sel#agens da natureCa como um Butro undo) de riJueCas gratuitas
Jue ( preciso saer colIer) saorear e alegremente festeMar) Dioniso ( necess?rio ao
eJuilírio da cidadeL/10 Presidindo) ao mesmo tempo) a trag(dia e o drama satírico) ele ( o
mais tur#o dos deuses: est? atr?s do #inIo e da emriagueC) mas tam(m atr?s da natureCa
sel#agem) da possess"o et?tica) da dan!a) da m?scara) do disfarce) da inicia!"o mística/1*
Tudo isso aparece ainda mais nas dionisíacas dos campos) Jue aconteciam em
deCemro nas comunidades rurais da tica/ Bs camponeses) pintados ou mascarados) saíam
em prociss"o cantando refres Cometeiros ou oscenos e carregando um enorme !hallos)
símolo da fecundidade/  festa termina por um '/mos) saída etra#agante de andos de
celerantes emriagados Jue cantam) riem) interpelam os passantes/ O da '/modia Jue #em
a com(dia) os '/modoi eram os comediantes/ O re#eladora essa associa!"o do riso com a
agress"o #eral) com as for!as oscuras da #ida) do caos) da su#ers"o) cuMos ecos se
reencontram nocampos
dionisíacas dos 6arna#al e no GcIari#ariLA
a srcem da com(dia/ali?s) rist>telesJue)
crescentemos #ia no
nosfim
cantos f?licos
de cada dessas
com(dia)
o coro tinIa por I?ito sair em grande tumulto) o Jue tam(m lemra o caos srcinal/
B riso) como irrup!"o de for!as #itais irracionais) est? no centro da trag(dia Iumana/
Essa ideia seduCiu a (poca contempor7nea) t"o marcada pelo amíguo/ Bs pesJuisadores
tentaram despistar os tra!os do cmico no interior das trag(dias gregas 12 e n"o deiaram de
encontr?,los) soretudo em Eurípides e em S>focles/ B teatro deste Qltimo ( a imagem da
#ida/ B grande tr?gico era um folgaC"oA ele ama#a rir) como conta em 1stadias 5on de
Yuios) Jue o conIecia em/ Ele re#ela) por eemplo) Jue em 11* ou 110 a/6/ S>focles) Jue
na (poca era estrategista em companIia de P(ricles) em uma epedi!"o contra Samos)
participou de um anJuete em sua Ionra) em Yuios: aí ele teria sido palIa!o) escarnecendo
do dogmatismo professoral de seu interlocutor) %rínicos) e utiliCando um estratagema para
ara!ar o Mo#em e elo gar!om Jue ser#ia o #inIo/ O o eterno prolema das rela!es entre
a #ida e a morte: I? muito tempo) os críticos ressaltaram a freJuência de temperamentos
deprimidos entre autores cmicos///
B teatro grego antigo n"o Iesita em misturar os gêneros: com(dias e trag(dias
alternam,se nas grandes competi!es/ Nas leneanas &de lenai) ou acantes) companIeiras
de Dioniso') a com(dia aparece) pela primeira #eC) em 110 a/6/) e a trag(dia) em 132 a/6/
ais re#elador ainda: certos temas s"o tratados tanto como com(dia Juanto so a forma de
trag(dia) como as leneanas ou as danaides/ Trag(dia ou com(dia IumanaZ s #eCes) asta
deslocar ligeiramente o acento para passar de uma a outra/ Bs gregos antigos saiam,no
3+ 95SSFF;UE) %/ GXI satrs are good to representZL/ 5n: X5N9EF) / / e ]E5T95N) %/ 5/ 9othing to 3o ith 3ion%sos;
Princeton: *--0/
3- SU]EU) P/ GB olIar de DionisoL/ 5n: 1uro!e$ n/ +3,+3+) Man/,fe#/ *---) p/3*/

10 5idem) p/32/
1* ESTEF95N;) P/ GUm espet?culo para DionisoL/ 5n: 1uro!e$ Man/,fe#/ *---/

12 SE5DENST56EF) 8/ GPalintonos =armonia/ Studien Cu omiscIen Elementen in der griecIiscIen TragdieL/ 5n:

H%!omnemata$ 2) *-+2/


muito em/ %oi somente com a intelectualiCa!"o crescente e a preocupa!"o de classifica!"o
Jue os gêneros se apartaram pouco a pouco/ ? para rist>teles) ( estrita a separa!"o entre
a trag(dia) Jue apresenta os Iomens como melIores do Jue s"o) e a com(dia) Jue eagera
seus defeitos/13

D# )EST# DIONISÍ#"# , "ODI#! #RIST.)#NES

6om rist>fanes &11 a/6/,3+< a/6/') o teatro do riso M? adJuire sua independência/
as) ainda perto das srcens) esse representante da com(dia antiga . em oposi!"o $
Gcom(dia no#aL) a com(dia soft de enandro . oferece um cmico rude) agressi#o) Jue
n"o poupa nada nem ningu(m: os apaionados) os políticos) os fil>sofos) os pr>prios deuses
s"o ridiculariCados/ Diante desses adeptos da #is"o s(ria do mundo) rist>fanes toma o
partido de rir deles/ Em primeiro lugar) ele apresenta uma leitura da a#entura Iumana) ao
mesmo tempo cmica e coerente) demonstrando Jue ( em possí#el atra#essar a eistência
so o 7ngulo da derris"o/
B riso de rist>fanes mante#e,se fiel ao #ínculo com o instinto de agress"o/ O ainda
um riso ruto/ Sua com(dia) segundo a ela f>rmula de oIn Xilins) G( uma forma de
insulto ritualiCado) em rela!"o a outros cultos rituais gregos) em particular os de Dioniso e
de Dem(ter/ s ideias de utopia) de terra aundante e de liga!"o com a festa dionisíaca s"o
essenciais na com(dia antigaL/11
G5nsulto ritualiCadoL: o riso de rist>fanes ( o Ierdeiro direto das agresses #erais
do '/mos/ B coro) seguindo os grupos de emriagados) n"o Iesita em isolar o pQlico/ B
mundo como ele ( n"o ( sen"o uma das #erses cmicas possí#eis/ Podem,se imaginar
muitas outras: as mulIeres podiam assumir o poder & Assembleia das mulheres') ou faCer
gre#e de seo &Lis(strata'A poder,se,ia #i#er em paC &A !az'A cada um poderia decidir faCer
a paC em período de guerra &)s acarnianos'A poder,se,iam epulsar os demagogos do poder)
com lierdade para praticar) para esse fim) o lance mais alto na demagogia & )s cavaleiros'/

Tudo
de isso nos parece
importantes) engra!ado)
mentem) enganam)mas o mundo
traficam) real n"odes#iam)
rouam) o ( menos: os dirigentes
rutaliCam faCem,se
os mais fracos)
sempre dando li!es de moral/// E o riso agressi#o de rist>fanes designa os al#os: 6l(on)
P(ricles) 6le>fanes) lceíades) 97macos e todos esses políticos Jue) so a facIada da
democracia) s> pensam na pr>pria carreira[ Bs fil>sofos da moda tam(m n"o foram
poupados) a come!ar por S>crates) Gpontífice de sutis disparatesL/ B riso cIega at( o
Blimpo) at( G]eus defecandoL sore seu trono) #ers"o tri#ial do G]eus tro#eManteL de
=omero/  par>dia da epopeia Iom(rica e dos mitos pulula de aluses imediatamente
compreendidas pelo pQlico de ent"o/ B riso de#astador de rist>fanes n"o deia nada de
p(A sagrado e profano tomam igualmente no ridículo e no osceno) por mais cru Jue ele
seMa/ Seualidade sem freio) escatologia: n"o ( grande li!"o de Iumildade lemrarmo,nos)
pelo riso) decom
partilIamos JueasasestasZ
condutas mais sulimes enraíCam,se na mat(ria e no instinto) Jue

13 BUNN) / GB sorriso dos tr?gicos gregosL/ 5n: Le rire des anciens& Actes du #olloque International de Rouen et -aris& Paris:
*--+/
11 X595NS) / Gusi#e criticism and tIe criticism of auseL) dans Humour and Histor%$ so a dir/ de 6EFBN) / Bford:

*--3) p/1) nota 2/


Esse riso osceno inscre#e,se na tradi!"o dionisíaca/ Para ean Du#ignaud) ele
conduC $ festa/ G ruína dos mitos gera alegriaL porJue ela ( criada das fissuras da
superfície dos credos: G arte de rist>fanes ( feita desses impro#isos sucessi#os) de uma
progress"o delirante da a!"o/ E essa poesia) feroCmente asurda) are uma recIa) uma
fenda na ordem) no ritual sagrado e citadino/ Uma falIa Jue deia entre#er outro gênero de
#ida) uma felicidade prometida aos Iomens) apesar do peso das origa!es) dos I?itos) dos
procedimentos: nada est? condenado a sofrer a impreca!"o sagradaL/1 Sem dQ#ida) o riso
de rist>fanes) esse riso arcaico) tem uma tal carga agressi#a Jue ele n"o are a porta $
alegria) apenas/ Nele residem aspectos muito mais s(rios/ Uma derris"o t"o generaliCada
tem sempre lai#os niilistasA e no domínio político) em particular) ela n"o ocorre sem
amargura e pessimismo/
rist>fanes () antes de tudo) um pensador político) Jue Juereria pro#ocar refle"o
nos meandros do poder/ Segundo SuCana SaWd) o uso da grosseria seria) para ele) uma
maneira de denunciar a degrada!"o do político e de faCer passar sua mensagem
antidemocr?tica: Gs met?foras seuais s"o) em primeiro lugar) um meio de denunciar a
degrada!"o do político e de faCer rir $ custa do po#o e) mais ainda) de seus dirigentesL/ 1<
rist>fanes ( um conser#ador) #oltado para o passado) para uma mítica idade de ouro/ 
ressal#a n"o ( insignificante: a fun!"o do riso) de início) era conser#adora e n"o
re#olucion?ria/
rito fundador) a 6omo
ecluirnaosfesta) o riso
des#ios e osdaino#adores)
com(dia #isa
paraaomanter
confronto da norma)
a ordem social/aEle
repetir um
censura
os mantenedores da ordem antiga apontando o dedo da derris"o para os perturadores/ Em
rist>fanes) os ataJues pessoais) muito precisos) contra os Iomens políticos permitem
calcar aos p(s) como nas festas) uma esp(cie de ritual de in#ers"o) de #ida política $s
a#essas/ 6onta,se mesmo Jue) Juando Dion de Siracusa pediu a Plat"o ensinamentos sore
o funcionamento do Estado ateniense) ele lIe teria aconselIado a ler as pe!as de rist>fanes/
rist>fanes persegue a no#idade igualmente em S>crates e em Eurípides) Jue ele
acusa de per#erter as for!as #i#as da cidade) seu rousto om,senso rural) sua grandeCa
moral) seu eJuilírio est(tico/ GO) literalmenteL) escre#e =enri 8audin) Gum reacion?rio Jue
tem nostalgia bdo tempo de ristides e de iltíades_ &)s cavaleiros') aJuele tempo da
energia nacional &e supranacional' contra o ?raro) da #ida rQstica ou esporti#a diante do
mercantilismo e da macaJuice demag>gicaL/1 Uma esp(cie de Fi#arol grego/
as) no fim do s(culo K a/6/) a atmosfera política muda/ B riso agressi#o) de tipo
arcaico) o riso sem regras) Jue core o ad#ers?rio de ecrementos) come!a a pro#ocar
reticências/ Uma no#a eigência de conten!"o espalIa,se) eigindo o uso de floretes
emainIados/ Presses s"o eercidas sore rist>fanes para Jue ele modere seu riso) cuMas
gargalIadas s"o Mulgadas incon#enientes/ Soretudo os políticos atenienses) considerando,
se Jue representam o po#o) n"o admitem ser epostos ao ridículo/  democracia n"o tolera
a derris"o porJue n"o se de#e Comar do po#o: essa ( a linguagem dos demagogos Jue)
desde a primeira pe!a de rist>fanes) )s babil/nios) Juerem conden?,lo) por #olta de 12
a/6/ lguns meses mais tarde) em )s arcanianos) rist>fanes faC alus"o a esses ataJues:
ele se diC Gcaluniado por seus inimigos) diante dos atenienses alienados) acusado de Comar)

1 DUK5;NUD) / Rire et a!r+s& 1ssai sur le comique& Paris: *---) p/-/


1< ShD) S/ GSeo) amor e riso na com(dia gregaL/ 5n: Le rire des anciens$ op/ cit/) p/0/
1 8UD5N) =/ Grist>fanes ou a com(dia políticaL) Humoresques$ n/) Humour et !olitique& Le !ouvoir au risque du rire& Presses

Uni#ersitaires de Kincennes: *--1) p/*/


em suas com(dias) da cidade e de #iolentar o po#oL/ Dirigindo,se a seus concidad"os) ele
lIes mostra Juanto seu riso lIes ( Qtil: GK>s sois de#edores de muitos enefícios a este
#osso poetaA gra!as a ele) deiais de ser completamente enganados pelo discurso dos
estrangeiros) de ter praCer na aMula!"o) de ser cidad"os de espírito #aCioL/ 1+
Terceira pe!a: )s cavaleiros) em Jue o demagogo 6l(on ( descrito como um tirano
uuesco) ausando do d6mos/ rist>fanes repete nessa ora Jue Gin#ecti#ar os maus) n"o
I? nada nisso Jue possa pro#ocar >dioA ao contr?rio) confere,se Ionra aos Iomens de em)

Juando
em plenase ;uerra
sae refletirL/ No#o processo/
do Peloponeso) s oras
e os ataJues seguintescontra
redoram s"o deo rei#indica!"o da paC)
riso intempesti#o de
rist>fanes/ Ele n"o () ali?s) o Qnico autor cmico #isado: 6ratino) %erecrato) Plat"o) o
6mico) upolis encontram,se tam(m no al#o da #ingan!a dos políticos ofendidos/ Eles
Gn"o permitem Jue se coloJue o po#o no palco para falar mal dele: Juerem e#itar estender
esse falar mal at( eles pr>priosL) escre#e Venofonte/ Platnio confirma: GN"o era possí#el
Comar aertamente de JualJuer um) porJue aJueles Jue eram #ítimas da #iolência #eral
dos poetas os processa#amL/ Yuando n"o retruca#am por intimida!"o e #iolência física:
lceíades teria mandado afogar upolis/ Segundo outra #ers"o) ele teria ordenado Jue o
amarrassem a uma corda e o mergulIassem #?rias #eCes no mar) diCendo,lIe: GSe me
enlameares outra #eC no teatro) eu te afogarei no marL/ lceíades faC apro#ar uma lei Jue
proíe Comar aertamente de Iomens políticos no teatro/
Estamos no fim do s(culo K a/6/) Jue marca) na ;r(cia) uma #irada nos domínios
político) religioso e cultural/ O o momento em Jue a democracia entra em crise/  ;uerra
do Peloponeso colocara,a em perigo e) num refleo de autodefesa) ela se refugia na encosta
escorregadia dos interditos contra tudo o Jue parece amea!ar a coes"o da cidade/ Por
incita!"o de Di>petas) em 132 a/6/) um decreto pre#ê o engaMamento de persegui!es contra
todos aJueles Jue n"o creem nos deuses reconIecidos pelo EstadoA em 1* a/6/) acontece
o primeiro auto de f( de uma ora ateia) o tratado Sobre os deuses) de Prot?gorasA no mesmo
ano) ( condenado Di?goras) o teuA em 3-- a/6/) S>crates ser? acusado de impiedade/ Esses
primeiros ataJues contra o ateísmo coincidem com os primeiros Juestionamentos do riso/
N"o se trata de acaso/ B riso e o ceticismo religioso come!am a ser perceidos como fatores
diluentes dos #alores cí#icos/ B Jue n"o Juer diCer Jue eles tra#em o mesmo comate:
rist>fanes maltrata os deuses) certamente) mas ele n"o poupa os ateus) e o c(tico S>crates
( seu Gsaco de pancadasL/ as) no curso da ;uerra do Peloponeso) entre 130 a/6/ e 100
a/6/) toma,se consciência da necessidade de proteger os #alores cí#icos/ O o fim do riso
desenfreadoA o riso arcaico) duro) rutal) agressi#o) e#ocador do caos primiti#o e da
animalidade) de#e ser #igiado) enJuadrado) limitado/ Seu uso oficial) no palco e na #ida
pQlica) de#e ser sumetido a regras) mesmo . e) tal#eC) soretudo . na democracia)
regime fr?gil Jue tem necessidade) para sore#i#er) de Iomens políticos respeit?#eis e
Ionrados/ B tirano e o rei n"o têm necessidade de respeitailidade: eles têm a for!a e a aura
religiosa/ B eleito pelo po#o s> pode contar com seu prestígio pessoal) Jue a derris"o
facilmente ( capaC
com(dia para outrosdeal#os/
comprometer/  democracia
Seus críticos de#er"o ser #ai se empenIar
#elados) em des#iar
impessoais) alusi#os/o Briso da
autor
de#er? ater,se aos #ícios) $s paies) aos ecessos pri#ados) e isso resultar? na com(dia
no#a) a de enandro/

1+ )s Arcanianos$ K/ <30,<3/
ssim) somos le#ados) at( cerca de 100 a/6/) do mito $ festa) e da festa ao teatro)
para constatar a continuidade l>gica da concep!"o grega arcaica do riso/ 6omportamento
di#ino) Jue pode $s #eCes le#ar o Iomem $ demência) ( uma for!a misteriosa Jue permite)
ritualiCado na festa) entrar em contato com os deuses) reatualiCar periodicamente o caos
srcinal e assim reapresentar o ato criador Jue funda a ordem social pela condena!"o $
morte do rei urlesco/ EnraiCado) ao mesmo tempo) no instinto agressi#o de nossas srcens
animais e na alegre emriagueC) ele tem a ami#alência do grande m?gico Dioniso e)
liertado sore uma cena de teatro) pode reduCir o uni#erso a uma grande ilus"o cmica/ 
necessidade de controlar melIor essa for!a sel#agem se faC sentir a partir do fim do s(culo
K a/6/ Bs fil>sofos do s(culo 5K a/6/ #"o se encarregar disso/

O RISO #R"#I"O DOS "ONTE$OR0NEOS DE OERO! #GRESSÃO E TRIUN)O

Passemos da cena aos degraus) isto () $ casa dos espectadores) a dos gregos arcaicos/
Depois do riso di#ino dos mitos) depois do riso ritual da festa) depois do riso representado
da com(dia) #eMamos o riso concreto) #i#ido) dos Ielenos/ 5nfeliCmente) I? muito tempo
perdeu,se o eco das alegres gargalIadas da tica e da Tess?lia/ De Jue) por Jue) como riam
os
dasgregosZ 6ertamente)
satisfa!es e escapesIa#ia) como
simples em toda
da #ida parte) oas)
cotidiana/ risotam(m
cotidiano) das em
como peJuenas surpresas)
toda parte) Ia#ia
sem dQ#ida um riso mais significati#o) mais re#elador das mentalidades/ Desse riso
desaparecido s> podemos entre#er #agos testemunIosA eles confirmam Jue ao riso duro e
triunfante das (pocas antigas sucede um riso mais policiado e mais ci#iliCado a partir do
fim do s(culo K a/6/
Nosso testemunIo para os tempos remotos continua sendo =omero) JualJuer Jue
seMa a realidade Jue recore esse nome/ B Jue cIama a aten!"o na Il(ada e na )disseia) e
Jue numerosos outros relatos confirmam) ( o uso antes de tudo social) coleti#o do riso e seu
duplo papel de eclus"o,coes"o/ B grupo refor!a sua solidariedade pelo riso e manifesta
sua reMei!"o do elemento estranIo por esse mesmo riso/ Fiso impiedoso e agressi#o: aJuele
dos pretendentes Jue #eem jros contorcer,se de dor so os golpes de UlissesA aJuele dos
cIefes da armada grega Jue ca!oam do doente T(rsito: GBs aJueus) apesar de sua afli!"o)
riram dele docementeL . ( #erdade Jue ele pr>prio acaara de Comar de gamenon para
isol?,lo e condenar sua louca epedi!"o/1- B riso ( male#olente) ele afirma o triunfo sore
o inimigo: como o riso de Ulisses) Jue acaa de saJuear o campo de Feso &Gele franJueou
o fosso para os ca#alos a golpes maci!os) rindoL 0') ou o riso dos aJueus) Jue ca!oaram do
cad?#er de =eitor/ B riso IumilIa e pro#oca/ O uma arma du#idosa Jue se encontra em
todas as situa!es de conflito: GTu n"o deiar?s os M>nios estaelecidos na Europa rirem de
n>sL) diC ardonios a Veres para incit?,lo $ guerra) segundo =er>doto/* Um pouco mais
longe) ele nos mostra o mesmo Veres estourando de rir Juando lIe ( anunciado Jue o
punIo de Esparciates) Jue defende as Term>pilas) est? ocupado em faCer eercícios

1- Il(ada$ 55) pp/200,220/


0 5idem) V) p/</
* Hist<rias$ K55) p/-/
gin?sticos e arear,se/2 Da mesma forma) 6amíase Coma dos deuses gregos no
santu?rio de ênfís/
GB riso () em primeiro lugar) uma maneira de afirmar o triunfo sore o inimigo do
Jual se escarneceL) escre#e DominiJue rnould a prop>sito dos relatos Iom(ricos/ 3 Se ele
afeta a Ionra) ( porJue ( particularmente temido/ Ele se torna um elemento central do
tr?gico) em S>focles/ Em A7a=) pode,se falar da Gcultura da #ergonIaL/ B Ier>i ( perseguido
pela osess"o do riso de seus inimigos: Gi de mim[ Esse riso[ Yue dor ele me pro#oca[L/

Sua imagina!"o
soltasL) amplifica
diC ele falando de aUlisses)
#ergonIa:
e o GI[
coro 6ertamente) ( um
faC eco a esse grande
medo riso GEu
do riso: de praCer
#eMo l?o Jue
um
inimigoA ( em possí#el Jue ele #enIa) como um malfeitor) rir de nossas desgra!asL/ E) 1

por fim) o riso mata: ( para escapar dele Jue Ma se suicida/ B ridículo pode) portanto)
matar) contrariamente ao Jue afirma o dito popular/ Eis por Jue 6reonte) em 1di!o rei) acIa
necess?rio) de cIofre) acalm?,lo: GEu n"o #im) Edipo) para rir de tiL/ Para DominiJue
rnould) Go riso dos inimigos () em S>focles) a epress"o de uma perp(tua amea!a Jue pesa
sore a Ionra de cada umL/< mea!a Jue reencontramos em EsJuilo e em Eurípides/ Em
Ifig6nia em 54urida) por eemplo) Brestes se recusa a dar sua identidade: assim Gn"o rir"o
de n>s Juando morrermos) se ignoram nosso nomeLA e) Juando EsJuilo fala do Griso
incont?#el das ondasL) ele e#oca) na #erdade) uma amea!a osessional/
B riso IumilIante tam(m pode ser utiliCado no seio de um grupo) para refor!ar os
#ínculos: a eclus"o de um memro pelo uso da rincadeira desen#ol#e o sentimento de
comunidade pela Comaria un7nime/ ssim) na )disseia) GEurímaco) filIo de Polio) core
Ulisses de sarcasmos Jue pro#ocaram o riso de seus companIeirosL/ + Da mesma forma)
T(rsito procura reintegrar o grupo lan!ando rincadeiras contra gamenon/
esmo nesse caso) o riso () antes de tudo) uma arma) uma #ontade delierada de
unir ecluindo) um c?lculo/ Pode,se falar de um GMogo intelectualL como o faC DominiJue
rnouldZ Segundo esse autor) a fun!"o social do riso nos gregos antigos Gnasce menos da
rusca surpresa diante do inesperado do Jue de um Mogo intelectual com o inesperado/ as
esse Mogo pode dar ao grupo a oportunidade de rir de um de seus memros e) com isso)
ecluí,lo
literatura do grupo)
grega) na isolando,o/
Jual ele ( Na #erdade)
mais essa ( apreendido
comumente uma das fun!es essenciais
no conteto dosdo#ínculos
riso na
-
sociaisL/ B Jue ( certo e surpreendente nesses períodos arcaicos ( Jue o riso passa pela
media!"o do discursoA ele M? ( um riso de segundo grau) intelectualiCado e) portanto)
manipulado) instrumentaliCado/ O um riso de pala#ra) #oluntariamente desencadeado) com
finalidade precisa/ B pr>prio Gcmico de situa!"oL tem necessidade da media!"o do relato:
GEle disse isso e um riso ele#ou,se entre os deuses imortaisL) escre#e =omero a prop>sito
de =ermesA Ge ele disse isso e todos se le#antaram rindoL) depois de uma inter#en!"o de
ntínocoA Gele disse isso e todos riram dele) contentesL) depois das proposi!es ausadas

2
3 5idem) K55) p/20-/
FNBU9D) D/ op/ cit/) p/3*/
1 A7a=$ #/*012,*013/

 >di!o rei$ #/ *122/

< ARNOULD, D. op. cit., p.39.


 Ifig6nia em 54urida) #/02/
+ )disseia$ VK555) 30/
- FNBU9D) D/ op/ cit/) p/30/
de Ma) Jue acaa de escorregar e cair nos ecrementos da #acaA Gele disse isso e todos os
pretendentes riram dessa confiss"oL) <0 depois de uma inter#en!"o de Telêmaco/ B Jue le#a
DominiJue rnould a afirmar Jue: Go riso suscitado pelo inesperado /// passa menos pelo
espet?culo imediato do Jue pela representa!"o desse espet?culo) no relato de uma Iist>ria
engra!ada ou na encena!"o de uma Iist>ria cmicaL/ <*
B elo entre o riso e a agress"o pode ser reencontrado na cidade guerreira) Esparta)
onde as pessoas s"o treinadas) desde a mais tenra idade) a suportar a Comaria sem se alterar/

6omo o as
Gesmo testemunIa uma acuriosa
crian!as iam passagem de
esses con#idados Plutarco
como em sua
se fossem iografia
a escolas de de 9icurgo:
Ionra e de
temperan!a) onde escuta#am oas e gra#es ad#ertências sore a administra!"o da coisa
pQlica) so mestres Jue n"o eram mercen?rios) e aprendiam a rincar com pala#ras) a
Comar umas das outras de forma agrad?#el) sem ofender demais nem ca!oar
desonestamente) e a n"o se incomodar por tam(m ser ComadasA porJue ( uma Jualidade)
entre outras) muito pr>pria dos lacedemnios suportar pacientemente tratamentos de
ComariaL/ <2 Por outro lado) segundo o mesmo autor) GI?) na cidade de Esparta) um templo
dedicado ao edo e $ orte e outro ao Fiso e a muitas outras paies da almaL/<3 
proimidade do riso com o medo e com a morte ( muito significati#a . mas o Jue
significaZ B riso ( o antídoto do medo ou) ao contr?rio) uma pai"o agressi#a) amea!adoraZ
Duas outras passagens de Plutarco permitem apoiar amas as interpreta!es/ De um
lado) o fundador das leis espartanas) 9icurgo) deseMa#a Jue os lacedemnios se arandassem
e fiCessem um uso racional do riso: GB pr>prio 9icurgo n"o era t"o se#ero Jue n"o risseL)
escre#e Sosiius) Gmas foi ele Jue consagrou a peJuena imagem do Fiso) Jue est? na 9ace,
demnia) por Juerer mistur?,lo entre seus con#i#as e outros memros da assemleia) como
um molIo agrad?#el Jue torna mais doce o traalIo e a dureCa de suas regras de #i#erL/<1
E) de outro lado) os espartanos distinguem,se dos outros gregos por sua austeridade e
ausência de cmicos na armada: GDe todas as armadas dos gregos ou de reis Jue esta#am
na ;r(cia) somente a de Esparta n"o tinIa grupos de farsantes) saltimancos) malaaristas
e comediantesA porJue seu campo esta#a puro) li#re de JualJuer dissolu!"o) cIocarrice ou
insolênciaL/ <
O preciso reter essa import7ncia conferida ao riso na organiCa!"o social e guerreira/
O >#io Jue isso n"o () para os gregos) uma Juest"o indiferente/ =istoriadores e críticos
n"o se enganaram) acumulando estudos sore esse assunto: desde *-) registramos *11
oras sore o riso dos gregos)<< e depois o nQmero facilmente Juadruplicou/  literatura
grega dedicada ao riso era tam(m consider?#elA atriuíam,se a =omero oras cmicas)
como a .atraquiomaquia) ou G;uerra dos ratos e das r"sL) e o "argitas) poema cuMo Ier>i
( um pore de espírito/ Para rist>teles) Gele representou para o gênero cmico o mesmo
papel Jue a Il(ada e a )disseia representaram para o gênero tr?gicoL/ Segundo =er>doto)
os po#os #iCinIos deatiam igualmente as rela!es entre o riso e a saedoria) o riso e o

<0 )disseia$ K555/ 313A VK555) 10A 5líada) VV555) +2A Bdisseia) VV5) 3</
<* FNBU9D) D/ op/ cit/) p/2/
<2 P9UTF6B/ As vidas dos homens ilustres$ trad/ mot) ed/ de la Plêiade) 5) p/*00/

<3 5idem) 55) p/ <2+/

<1 5idem) 5) p/ *20/

< 5idem) 55 p/<3*/


<< DEF) / Das Prolem des 9acIens und der omdie ei Platon/ Stuttgart: *-/
poder pQlico/ Ele conta Jue o rei do Egito) masis) todo dia) depois dos assuntos s(rios)
Gpassa#a $ mesa) onde ca!oa#a de seus con#i#as e s> pensa#a em di#ertir,se e em faCer
rincadeiras engenIosas e indecentesL/ Seus amigos o repreenderam: GN"o saes manter a
Ionra de tua posi!"o e a a#iltasL/ o Jue ele respondeu com uma compara!"o Jue) em
seguida) foi retomada pelos moralistas: GN"o saeis Jue s> se estica um arco Juando I?
necessidade e Jue) depois Jue foi usado) precisa ser afrouadoZ Se n>s o manti#ermos
sempre tenso) ele arreentar? e n"o poderemos mais utiliC?,lo Juando for necess?rio/ Bcorre
o mesmo com o Iomem: se ele permanecer sempre #oltado para as coisas s(rias) sem relaar
e sem se entregar aos praCeres) tornar,se,?) sem perceer) louco ou estQpidoL/< B riso (
incompatí#el com o eercício do poderZ O incon#eniente em um cIefe de EstadoZ  Juest"o
M? foi formulada/
B rei medo Deioes M? resol#eu o prolema: desde Jue tomou o poder) proiiu as
pessoas de rir e escarrar em sua presen!aA o riso era indecente e indigno nos círculos
pr>imos ao poder/ as outros reis n"o tinIam essas inii!es: ainda segundo =er>doto)
6resus gargalIa#a #endo lcmeno sair da sala do tesouro com as roupas estufadas pelos
oMetos de ouro Jue acaara de rouar e Jue o faCiam parecer Gtudo) menos um IomemL/
E) segundo Venofonte) o rei tr?cio Veuto entrega#a,se a par>dias nos anJuetes) dos Juais
participa#am os oos) e mostra#a,se indulgente Juando conseguiam faCê,lo rir: Juando
<+
Episteno disputou com ele um elo rapaC) GVeuto riu e se desinteressou do casoL/
B riso arcaico nem sempre est? impregnado de gra#idade e agressi#idade/ B riso
como simples #?l#ula de escape) o riso como acolIida) o riso de sedu!"o) o riso de ternura
eistem tam(m) mesmo entre os deuses: Juando o dono do Blimpo receeu o peJueno
=ermes) Jue negou ter rouado os ois de seu irm"o) G]eus gargalIou ao #er com Juanta
arte e Iailidade essa crian!a mimada nega#a o rouo dos oisL/<- Trata,se) ainda) de um
riso de cumplicidade indulgente/ Yuanto ao sorriso de frodite) ele () ao mesmo tempo)
plenitude di#ina) enigma) sedu!"o) astQcia e engano/ Em re#e) o riso inetinguí#el dos
deuses ser? assumido pelos Iomens/

< =EFkDBTB) Hist<rias$ 69VV555/


<+ VENB%BNTE/ Anabase$ K55) 1/
<- Hinos homéricos$ G=erm^sL) 3+-,3-0/
" - # $U%#NI&#ÇÃO DO RISO 'ELOS (IL)SO(OS
GREGOS
Da iro*ia socrática + ,omaria !e Lucia*o

Desde a (poca arcaica) I? dois tipos de riso Jue o #ocaul?rio distingue: gel7n) o
riso simples e suentendido) e 'atagel8n) Grir deL) o riso agressi#o e Cometeiro) Jue
Eurípides condena em um fragmento da "elani!eia: Guitos Iomens) para faCer rir)
recorrem ao praCer da Comaria/ Pessoalmente) detesto esses ridículos cuMa oca) por n"o
ter s?ios pensamentos para epressar) n"o conIece freioL/ Esse Mulgamento M? anuncia uma
no#a sensiilidade) Jue considera incon#eniente) maldoso e grosseiro o riso rutal da (poca
arcaica/
B crescente refinamento e os progressos do intelectualismo traduCem,se) a partir do
fim do s(culo K a/6/) por uma desconfian!a clara em rela!"o ao riso desenfreado)
manifesta!"o indecente de uma emo!"o prim?ria) ainda pr>ima de um instinto sel#agem)
inJuietante) Jue ( preciso aprisionar) domesticar) ci#iliCar/ o riso Iom(rico) duro e
agressi#o) sucede,se)
cultura) o riso a partir
finamente do Jue
irnico s(culo 5K a/6/)
S>crates peoariso #elado)
ser#i!o símolo
da usca de uranidade
da #erdade/ as o eriso
de
feroC) dionisíaco) do caos srcinal e do nada) da agress"o e da morte) da derris"o uni#ersal
nunca est? muito longe) so esse #erniC prestes a trincar em JualJuer ocasi"o/ Pintado de
diferentes cores) o riso di#ersifica,seA nos intelectuais) a desconfian!a ( aceit?#el: ( preciso
recIa!ar o riso inetinguí#el dos deuses) esse riso Jue #em do al(m e pode le#ar o Iomem
$ demência/

O #DOÇ#ENTO DO RISO

esmo os mitos s"o re#istos e corrigidos) para torn?,los mais respeit?#eis) para
apagar o Jue o riso dos deuses podia ter de inJuietante/ ssim) =er?clito) retomando o
epis>dio de res e frodite presos na armadilIa) eplica Jue) se os deuses gargalIam) isso
n"o indica de modo algum uma Comaria maldosaA ao contr?rio) ( uma marca sim>lica de
alegria intelectual diante da uni"o da disc>rdia &res' e do amor &frodite') Jue #ai resultar
na Iarmonia: GEra legítimo Jue os deuses rissem diante desse espet?culo e se regoCiMassem
Muntos) pois) uma #eC Jue eles parassem de di#ergir e de se destruir) suas enfeitorias
particulares produCiriam a paC e a conc>rdiaL/*
Plat"o #ai mais longe/ Para ele) ( inconceí#el Jue os deuses riam/ B uni#erso do
di#ino ( imut?#el) Qnico) uni#ersal) eterno: como ele poderia ser afetado por essa emo!"o
grosseira) Jue traduC uma mudan!a) uma perda do controle e da unidade) Jue s> se pode
encontrar no mundo sensí#elZ uito mais tarde) o neoplatnico Pr>clus) em seu
#oment4rio , Re!2blica) coloca de no#o a Juest"o: GYual ( a raC"o) nos relatos) daJuilo
Jue se cIama riso dos deuses e por Jue a poesia representou os deuses rindo de =efesto sem
pararZL/  resposta ( Jue o riso dos deuses significa Ga influência superaundante Jue os
* =EF695TB/ Alegorias de Homero ) <-) **/
deuses eercem sore o Todo e sore o princípio da oa ordem das realidades c>smicas/ E
porJue a pro#idência dessa esp(cie nunca cessa e a comunica!"o do em Jue se faC aos
olIos dos deuses ( inesgot?#el) ( preciso concordar Jue o poeta tinIa o direito de denominar
binetinguí#el_ o riso dos deusesL/2 Pr>clus) retomando o mito >rfico Jue M? citamos) atriui
ao riso) simolicamente) um poder de cria!"o: sua plenitude corresponde ao mundo di#ino)
ao passo Jue a alma Iumana #em das l?grimas: GO por isso) creio) Jue) Juando di#idimos
as criaturas em deuses e Iomens) consignamos o riso $ gera!"o dos seres di#inos) e as
l?grimas) $ #inda ao mundo dos Iomens e dos animaisL/  concep!"o crist" do mundo como
G#ale de l?grimasL se aMusta a essa ideia neoplatnica/ Fiso di#ino) sim) mas um riso
puramente aleg>rico/
B teatro cmico reflete essa e#olu!"o/ Terminam os falos) os ecrementos) as
grosserias) as agresses #erais contra os políticos/  no#a com(dia) a néa) dirige,se a um
pQlico mais selecionado) mais culto) mais aastado) Jue agora paga seu ilIete de entrada
e n"o #em para #er insultar os Iomens políticos) mas para apaCiguar,se Ionestamente)
diante de um espet?culo Jue corroora as con#en!es sociais e eorciCa o medo da
su#ers"o/ Bs domínios gêmeos da política e da oscenidade cedem lugar aos assuntos
dom(sticos) $s rela!es sentimentais) conMugais e familiares) em Jue a moral sempre se
sal#a/ G com(dia tem por fun!"o) em primeiro lugar) permitir ao pQlico esJuecer por um
tempo suas inJuietudes
ordem sempre acaa poreser
espantar seus temores)
restaelecidaL/ 3 apresentando,lIe um uni#erso em Jue a
enandro &312 a/6/,2-2 a/6/') o mais c(lere representante dessa no#a com(dia)
trata os prolemas psicol>gicos e sociais com o GIumor am?#el de um oser#ador
desencantado da loucura IumanaLA ele eplora as pulses e os deseMos) propiciando) ao
mesmo tempo) um sustituto de realiCa!"o) uma liera!"o de energia pelo riso e um alí#io
em rela!"o $s angQstias e aos medos ligados $s amea!as Jue pesam sore a ordem) o
patrimnio familiar) a autoridade dom(stica/ mores e conflitos de gera!es est"o no seio
dessas pe!as/ Um Mo#em procura arrancar dinIeiro do pai para pagar uma cortes" ou
constituir) para si) um doteA ele ( aMudado por um escra#o astuto/ as a moral con#encional
sempre ( preser#ada/ B riso de om,tom ( aliado das con#en!es) e a com(dia permite dar
conta dos interditos e ridiculariCar os marginais) acatando as normas sociais/ GB pQlico
pode lierar pelo riso aJuilo Jue lIe pro#oca medoL/1 =? uma #erdadeira in#ers"o: o riso
n"o ( mais utiliCado pela com(dia para amedrontar) mas para afugentar o medo/ B
tratamento do tema da #elIice () nesse sentido) significati#o/  imagem tr?gica da #elIice)
maldi!"o en#iada pelos deuses) Gidade triste e Jue mataL) segundo S>focles) sucede a
caricatura grotesca/  #elIice d? medo) Ga #elIice odiosa) d(il) inaord?#el) sem amigos
e Jue resume nela todos os malesLA o riso pode ali#iar esse medo) e na com(dia os #elIos
s"o grotescos) M? Jue n"o s"o mais capaCes de desfrutar os praCeres da #ida e Jue a
proimidade da morte torna #"os todos os seus proMetos/ B Qnico #elIo n"o risí#el ( aJuele
Jue n"o faC nada) Jue n"o come mais) Jue n"o ee mais e Jue n"o se deita com mulIeres/
Se ele procura G#i#erL) ( repugnante ou ridículo/ Nele) os #ícios ou as simples paies

2 PFB69B/ #oment4rio , Re!2blica$ K5a disserta!"o) cap/*2/


3 ShD) S/ / Tr(d( et / 9e 8ouiluec) Histoire de la littérature grecque$ Paris) *--) p/302/

1 ShD) S/ GSeo) amor e riso na com(dia gregaL/ 5n: 9e rire des anciens/ ctes du 6olloJue 5nternational de Fouen et Paris/ Paris:

*--+/
 Ker) sore esse assunto) nossa Histoire de la vieillesse& Paris: *-+) do Jual retomamos aJui as pp/+2 e +3/
tornam,se automaticamente cmicosA o #elIo lQrico) o #elIo êado) o #elIo a#aro) o
#elIo amoroso) a #elIa intrometida certamente faCem rir/ 6ontudo) I? uma diferen!a entre
rist>fanes e enandro Juanto ao tratamento da #elIice/
rist>fanes ( mais mordaCA seus #elIos s"o mais ridículos e mais culpados Jue os
de enandro/ Ele acentua a feiura física deles com tra!os fortes: assim) em -luto) o #elIo
aparece Gcareca) desdentado) surdo) enrugado) cur#ado) com #oC agudaL/ Suas deficiências
e seus re#eses s"o ostentados/ 8riguentos e ciumentos de sua autoridade) eles est"o)

freJuentemente)
nuvens em conflitoendi#idado
) o #elIo Strepsíade) com os filIos
pelos egastos
s"o sempre
do filIo)perdedores e ridículos/
fica saendo As
Emtem
Jue S>crates
uma escola em Jue ensina argumentos fortes e argumentos fracos) gra!as aos Juais ele
poder? li#rar,se de seus credores/ as ele se sente muito #elIo para assimilar esses
ensinamentos: G6omo posso) portanto) #elIo) sem mem>ria) de espírito lento) aprender as
sutileCas da argumenta!"o precisaZL/ Ele) ent"o) en#ia o filIo em seu lugar) e o Mo#em torna,
se t"o I?il em sofismas Jue pro#a ao pai Jue de#eria duelar/  p e!a e#oca ainda os #elIos
Jue contam grosserias e Jue atem nos interlocutores porJue eles riem/
Em As ves!as) rist>fanes ridiculariCa %ilocleon e seus concidad"os por sua mania
de Mulgar/ 6ertamente) toda a sua ora apresenta,se como uma s?tira política contra o
triunal popular da =ileia) mas n"o foi por acaso Jue rist>fanes escolIeu #elIos para
encarnar MuiCesA a#an!ando em grupo) apoiados em engalas) guiados por seus filIos) eles
faCem triste figura/ Yuando %ilocleon est? atrasado) pensa,se logo em uma s(rie de doen!as
de#idas $ #elIice) e) para terminar) seu filIo ainda o ridiculariCa/ Em Lis(strata) ca!oa,se
ainda dos #elIos) Jue tentam) em #"o) epulsar o grupo de mulIeres reunidas na cr>pole/
 luricidade e a impotência dos #elIos tam(m constituem moti#o do cmico/ Para
rist>fanes) como para a maioria de seus contempor7neos) o #elIo M? passou da idade do
amor físico) essencialmente porJue sua feiura torna re#oltante JualJuer ideia de rela!"o
seualA a #elIice est? nas antípodas do erotismo) e a simples ideia de Jue um #elIo ainda
possa ter deseMo ( suficiente para torn?,lo repugnante no espírito de um grego) para Juem
eleCa) Mu#entude e amor s"o indissoci?#eis/

Bs em
com(dia) #elIos Jue trapaceiam
particular soresesua
aJueles Jue idade tam(m
maJuiam s"o uma dos
para unir,se um assuntos
parceiro fa#oritos da
muito mais
Mo#em) como em -luto/ Nesse sentido) as mulIeres #elIas s"o ainda mais desfa#orecidas)
porJue en#elIecem mais r?pido Jue os Iomens/ GUm Iomem) Juando #olta da guerra)
mesmo de cae!a ranca) tem pressa em se casar com uma mo!a/ as a mulIer tem um
período muito curtoA se ela n"o o apro#eita) ningu(m mais Juer despos?,la e ela fica l?)
consultando o futuroL &Lis(strata'/
enandro ( mais doce) mais indulgente/ lguns de seus #elIos s"o at( simp?ticos/
Em  samaniana) Demeas) Jue ultrapassou os sessenta anos e #i#e com uma cortes") (
generoso) afetuoso e serenoA ele e seu filIo adoti#o) oscIioI) se entendem em e se
respeitam/ B outro #elIo da pe!a) Nicerato) pore e a#aro) n"o tem as mesmas Jualidades)
mas n"o cai na caricatura/ Bs dois s"o dignos/ 6ontudo) asta um nada para eles desliCarem
para o ridículo: como Juando se pem a discutir e a rigar/ Em enandro) o #elIo ()
soretudo) uma #ítima a lamentar: GJuele Jue #i#e muito tempo morre desgostosoA sua
#elIice ( penosa) ele passa necessidades/ Jui e ali) encontra inimigosA tudo conspira contra
ele/ N"o se foi na ocasi"o propíciaA n"o te#e uma ela morteL/  #elIice se torna) como a
morte) uma alegoria) uma for!a mal(fica Jue ataca os indi#íduos e os corr>i/ GKelIice) tu
(s inimiga do gênero IumanoA (s tu Jue deterioras toda a eleCa das formasA transformas a
eleCa dos memros em pesoA a rapideC) em lentid"o/L N"o s"o os #elIos Jue s"o odiosos)
mas a #elIice/
Na literatura) o riso torna,se igualmente mais sutil/ T"o sutil Jue os críticos se
deru!aram durante muito tempo sore o sentido dos Hinos de #al(maco) poeta aleandrino
do s(culo 5K a/6/ O uma ora piedosa de um autor s(rio e de#oto) pensa#a,se/ istifica!"o
da parte de um trocista Jue n"o se re#ela) sae,se IoMe/ Par>dia) Iumor refinado ou

eplosi#o)
poupam os aluses s?iaspoio)
deuses) como e adi#inIas desrespeitosas:
Jue eerce eis o oJue
a profecia desde s"o de
#entre Hinos
os sua ) Jue
m"e) n"oa
o Jue
faC crer Jue era #entríloca/ <

Essa eigência de um riso moderado e mais fino n>s reencontramos nos oradores do
s(culo 5K a/6/ Dem>stenes se diC magoado pelas ca!oadas de seu ad#ers?rio %ilocrato) Jue)
para atrair a ades"o do po#o) usa#a todos os artifícios do ridículo: GN"o I? nada de
espantoso) ateniensesL) diCia ele) Gno fato de n"o termos a mesma opini"o) Dem>stenes e
eu: ele ee ?guaA eu) #inIo[L/ GE isso #os faC rir[L) constata Dem>stenes) desiludido/ 6om
seu outro ad#ers?rio) EsJuino) ele troca Comarias mais espirituosas) e os dois n"o Iesitam
em recorrer ao #elIo temor do ridículo) para moti#ar os atenienses: GN"o ( uma situa!"o
penosa #er o rosto de um inimigo Jue ri de #>s e) com as pr>prias orelIas) ou#ir seus
sarcasmosZL) pergunta EsJuino/
=ip(rides) êmulo de Dem>stenes) adJuire a reputa!"o de um ardiloso e sutil ironista)
como o relata 9ongino: GSua maneira de rir e ca!oar ( fina e tem JualJuer coisa de nore/
Ele tem uma mara#ilIosa facilidade de maneMar a ironia/ Seus graceMos n"o s"o frios nem
reuscados como os dos falsos imitadores do estilo ?tico) mas #i#os e opressi#os/ Ele
dedica,se a eliminar as oMe!es Jue lIe faCem e torn?,las ridículas) amplificando,as/ Tem
muito de agrad?#el e de cmico e ( pr>digo em tiradas de espírito Jue sempre acertam o
al#o/ Enfim) tempera todas as suas coisas com le#eCa e gra!a inimit?#eisL/ +
Dem>stenes) EsJuino e %ilocrato est"o de acordo num ponto: a decadência da
democracia introduCiu em tenas uma derris"o generaliCada/ Tudo ( moti#o de riso) n"o se
faC mais diferen!a
Dem>stenes/ Jueleentre emaiadores)
Jue sae oradores)
cati#ar os Jue Iomens políticos
riem consegue tudo: GSe ealgu(m
ufes)selamenta,se
apro#eita)
( in#eMadoA se o reconIecem) riem deleA se ele reconIece seu erro) ( perdoadoL/ =ip(rides
faC em em pre#enir: GSe crês Jue ser?s inocentado no triunal dan!ando o corda= e
faCendo rir como tens o I?ito) ( porJue (s ingênuo/ E) contudo) o Jue ocorre) afirmam os
censores) e 5s>crates constata Jue GaJueles Jue s"o capaCes de se tornar ufes) de Comar)
de imitar) s"o cIamados de em,dotados) ao passo Jue s"o os #irtuosos Jue de#eriam
receer esse Jualificati#oL/-
Esse des#io para o Jue M? poderíamos cIamar de uma Gsociedade IumorísticaL
suscita reticências entre os fil>sofos) Jue reagem ensaiando intelectualiCar o riso de
agress"o) ele#ar o ní#el) tendo por al#o os argumentos e n"o as pessoas/ Bs di?logos
platnicos ser"o ilustra!"o disso) tal como Fedro) em Jue Pr>dico reMeita) rindo) o prop>sito

< 9E69EF6Y/,NEKEU) 8/ Gogos de espírito e mistifica!"o em 6alímacoL/ 5n: Le rire des anciens$ op/ cit/
 DEkSTENES/ Sobre a embai=ada$ p/1</
+ 6itado por /,8/ T=5EFS) 5raité des 7eu= et des divertissements& Paris: ed/ de *<+<) p/ **/
- 5Sk6FTES/ >change$ 2+1/
de S>crates) Jue conta como ;>rgias in#entou um m(todo para alongar e encurtar
indefinidamente o discurso/

OS ;U)<ES E #S "O$IL#Ç<ES DE ;L#GUES

Se) na #ida política) o riso permanece Gum meio de afirmar a pr>pria potência e
Juestionar a de outremL)*0 na #ida social um refinamento crescente #isa a reduCir o riso a
um papel de pura distra!"o espiritual/  e#olu!"o do lugar dos ufes pode ser#ir de
eemplo disso/ 6omo #imos) a ufonaria faCia parte da festa religiosa tradicional na ;r(cia/
Tanto nas leneanas como nas antest(rias) os indi#íduos) em cima de carro!as) ca!oa#am e
pro#oca#am os passantesA Juando a prociss"o dos mist(rios de Elêusis passa#a a ponte do
Fio (fisos) uma prostituta #elada grita#a gra!olas para cidad"os conIecidos) cIamando,
os pelo nome/** Nos anJuetes) era comum Ia#er um uf"o Jue di#ertia os con#idados com
suas par>dias) imita!es) caretas urlescas/ s #eCes) o uf"o con#ida#a,se a si pr>prio e)
em troca de comida) de#ia faCer rir a companIia) como o declara um personagem da
com(dia de Epicarno) na primeira metade do s(culo K a/6/: GYuer eu Mante com aJuele Jue
o deseMa &( suficiente me pedir') Juer com aJuele Jue n"o o deseMa &e ent"o n"o I?
necessidade
esse parasitosdetinIa
pedir')
umano fun!"o
Mantar eureligiosa)
sou o oo) fa!o
antes de rir
se etornar
satisfa!o
um meu anfitri"oL/
geloto!oios No início)
) GaJuele Jue
faC rirL) nos anJuetes da oa sociedade ci#il/ B costume n"o era eclusi#amente grego/
=a#ia ufes entre os reis persasA as pinturas egípcias dos tQmulos de =eptanomida
mostram ricos personagens acompanIados de Iomens disformes e grotescosA entre os
filisteus) no s(culo V antes de nossa era) o rei isI tinIa #?rios oos em sua corte/ *2 B
tirano de Siracusa) gatocles) n"o desdenIa#a de ser) ele pr>prio) o uf"o) mas este) em
geral) era profissional) e alguns tornaram,se famosos) como Eudios) no s(culo 5K a/6/)
particularmente apreciado por suas imita!es de lutadores/
Eistia mesmo em tenas um clue de ufes) os Sessenta) atestado no s(culo 5K
a/6/A a reuni"o era no santu?rio de =(racl^s) na Diomeia) nos arredores da cidade/ Seus
memros pertenciam $ alta sociedade) como 6alimedon) afetado por estraismo di#ergente/
 fama de oa companIia desses palIa!os amadores era consider?#el/ %ilipe da acedonia
os recompensa#a com um talento) por suas gra!as) e) em tenas) epresses como Gacao
de cIegar dos SessentaL) Gos Sessenta contam JueL precediam o relato de uma oa piada/
Nos anJuetes) $s #eCes) era um pseudofil>sofo) o aretalogus) Jue faCia discursos morais
permeados de grosseiros asurdos) mas) na maior parte do tempo) trata#a,se de pores,
diaos) precursores dos cínicos e dos estoicos) Jue assim ganIa#am seu sustento/
Esse parece ser o caso do uf"o %ilipe) Jue se apresenta em ) banquete) de
Venofonte: G8ateram $ porta: era o uf"o %ilipe/ Ele pediu ao porteiro Jue anunciasse sua
cIegada e Jue o introduCisse/ Ele cIegara) disse) munido de tudo o Jue era preciso para
comer $ custa de
essas pala#ras) outro)disse:
6allias e seubeus
escra#o esta#an"o
amigos) muito mal,Iumorado
( Musto recusar,lIe por n"o ter Jue
um arigoA almo!ado/ 
ele entre)
pois_/ EnJuanto fala#a) ele olIa#a para ntíloco) a fim de Mulgar o Jue ele pensa#a da

*0 FNBU9D) D/ Le rire et les larmes dans la littérature grecque d*Hom+re , -laton/ Paris: *--0) p/1-/
** ;F%) %/ 1leusis und die or!hische 3ichtung Athens in vorhellenistischer ?eit/ 8erlim e No#a or: *-1) pp/1,1</
*2 SUE9) */2*) *3,*</
rincadeira/ Yuando o uf"o entrou na sala em Jue se realiCa#a o anJuete) disse: bEu sou
uf"o) como o saeis todos/ Kim com solicitude) porJue acredito Jue ( mais di#ertido Mantar
sem ser con#idado do Jue com con#iteL_/*3
as os con#i#as n"o Jueriam rir) de tal forma esta#am encantados com o Mo#em e
elo ntíloco) #encedor do pancr?cio/ Para di#ertir nossos gregos) o uf"o disse algumas
piadas de seu repert>rio: GEnJuanto comiam) %ilipe tenta#a #?rias rincadeiras para
desempenIar seu papel Iaitual nas refei!es/ as ele n"o conseguia faCer rir e #ia,se em

Juetam(m)
riu esta#a frustrado/
ele paroulguns instantes
de comer) depois)
coriu Juis tentar
a cae!a outro
com sua graceMo)
tQnica mas) como
e deitou,se no ningu(m
meio da
sala/ bB Jue I?) %ilipeZ_) perguntou 6allias/ bEst? sentindo alguma dorZ_ B uf"o respondeu:
bSim) por ]eus) uma grande dor) porJue o riso est? morto nos Iomens/ B Jue #ai ser de
mimZ t( agora) se me con#ida#am para Mantar) era para entreter os con#i#as) faCendo,os
rir/ as) agora) por Jue me con#idariamZ_ /// Ent"o todos os con#idados puseram,se a
consol?,lo) prometendo rir e eortando,o a comer/ 6rit>ulo caiu na risada com essa
comisera!"o/ Bu#indo,o) o uf"o retirou a tQnica) incitou sua alma a ter confian!a) porJue
ele tinIa ainda anJuetes) e recome!ou a comerL/ *1
6uriosamente) Juem conseguiu faCer com Jue os con#idados rissem foi S>crates)
um dos con#idados/ 6mico in#olunt?rio) ele eplicou GJue a natureCa da mulIer n"o (
inferior $ do Iomem) eceto pela inteligência e pela for!a físicaL) e Jue) de sua parte) se ele
desposou a raugenta Vantipa) foi para melIor treinar a fim de domar os Iomens:
GYuerendo #i#er na sociedade dos Iomens) eu me casei com essa mulIer) na certeCa de Jue)
se a suportasse) me acomodaria facilmente a todos os caracteresL/ GEm seguida) ele pasma
de admira!"o diante de um Mo#em dan!arino) ressaltando Jue nenIuma parte daJuele corpo
fica#a inati#aL) e eprime o deseMo de aprender tam(m a dan!a/ 5sso faC com Jue todos
riam) mas S>crates) com ar s(rio) re#ida: GEst"o rindo de mim) n"o (Z PorJue Juero
melIorar minIa saQde pelo eercícioZ/// Bu est"o rindo porJue n"o tenIo necessidade de
procurar um par para me eercitar) nem de me di#ertir) na minIa idade) em pQlicoZL/*
B uf"o %ilipe tenta) ent"o) retomar a iniciati#a do cmico) eecutando uma dan!a
grotesca)
seu ofício:par>dia da precedente)
GN"o tenIo raC"o de mas sem grande
ter orgulIo sucesso/
Juando) Entretanto)
porJue elesou
saem Jue temuf"o)
orgulIo de
todos
aJueles afeMados pela oa fortuna me con#idam para partilI?,la) enJuanto) se alguma
infelicidade os surpreende) fogem de mim) com medo de rir $ re#eliaZL/*<  import7ncia do
riso na #ida cotidiana dos gregos) ilustrada por essas cita!es) tam(m ( confirmada por um
teto de %rinico) Jue) por #olta de 120 a/6/) assegura Jue aJuele Jue n"o sae rir ( um
misantropo/* li?s) a com(dia atriuía a in#en!"o da rincadeira a dois prestigiados Ier>is
míticos: FIadamante e Palamede) e o personagem Iom(rico T(rsito) Jue despeMa
impertinências e inMQrias) pode ser considerado como uf"o guerreiro/
Butra pro#a da Juase institucionalidade dos ufes ( a eistência de manuais de
cIala!as) constituindo um capital de Iist>rias engra!adas . cuMa efic?cia n"o ( de todo

*3 VENB%BNTE/ ) banquete$ @$ **,*3/


*1 5idem) 5) *1,*</
* 5idem) 55) *,*+/
*< 5idem) 5K) 0/

* 8FEEF) / oes) Moers and Moeoos in ancient ;ree cultureL/ 5n: A #ultural Histor% of Humor& Ed/ / 8remmer e =/

Foodenurg) Polit Press) *--) p/*+/


garantida) como acaamos de #er com %ilipe/ Um personagem de Plauto) ;elasimus) na
com(dia de Stichus$ anuncia sua inten!"o de #ender em leil"o sua compila!"o de pilI(riasA
e em -ersa$ do mesmo autor) o uf"o Satirio planeMa dar a sua como dote a sua filIa/
Bs eemplares conser#ados dessa literatura s"o c>pias tardias) mas an 8remmer
analisou um deles) o -hilogelos$ ou GB amigo do risoLA esse manuscrito do s(culo V cont(m
2< lagues gregas) com algumas datadas do s(culo 555 a/6/*+ Bs assuntos fa#oritos
concernem ao uni#erso das escolasA **0) entre 2<) pouco pro#ocariam Iilaridade IoMe/ No

m?imo)
Jue acaaum peJuenoseus
de #ender sorriso)
li#ros)como ( oacaso
escre#e daJuela
seu paiA sore pode
GB senIor uma carta Jue um estudante)
ficar orgulIoso de mim)
pai) meus estudos M? come!am a renderL/ Bu daJuela em Jue um professor de edicina
responde ao paciente Jue se Jueia de ter #ertigens durante meia Iora depois de acordar:
GO s> acordar meia Iora mais tarde[L/ as isso lemra muito as lagues clicIês de nossos
dias/ Umas sessenta piadas) semelIantes $s nossas Gde portuguêsL) diCem respeito a cidades
cuMos Iaitantes têm reputa!"o de estQpidos/ Entre elas) 6imo) na sia enor) e dera)
na Tr?cia/ an 8remmer sugere Jue) se Dem>crito de dera era conIecido como o fil>sofo
Iil?rio) tal#eC fosse porJue ele Coma#a da estupideC de seus compatriotas/
lguns ditos espirituosos concernem aos adi#inIos e astr>logos e re#elam um
e#idente ceticismo em rela!"o a sua capacidade/ Enfim) certos #ícios ou defeitos s"o
ironiCados) como a pregui!a) a gula) a co#ardia) o alcoolismo/ s mulIeres s"o gentilmente
descritas como ninfomaníacas: GUm Mo#em pergunta a sua ardente esposa: bulIer) o Jue
#amos faCer) comer ou faCer amorZ_ bB Jue #ocê Juiser) n"o I? nada para comerL_/ Por(m)
os amantes da pilI(ria oscena ficar"o decepcionados: o conMunto ( decente e) segundo an
8remmer) traC a marca do senso comum das Gclasses uranas inferioresL/ Butro manuscrito)
datado do s(culo 555 a/6/) ( uma lista de insultos Gengra!adosL) dirigidos a essa ou $Juela
enfermidade física/
5ndiscuti#elmente) ama,se rir na ;r(cia antiga/ 6ontudo) a partir do fim do s(culo K
a/6/ desenIa,se uma e#olu!"o/ B estatuto de uf"o degrada,se claramente no s(culo
seguinte) a ponto de certos Iistoriadores #erem no clue dos Sessenta) dessa (poca) uma
esp(cie de associa!"o
a alta sociedade/ anticonformista
*- Venofonte Jue delieradamente
&130 a/6/,3 pratica#a
a/6/' Juis representar a pro#oca!"o
um ideal contra
de soerano Jue
saia rincar) criticando aí o riso agressi#o da ufonaria grosseira/ Em #iro!édia$ ele faC
glaitadas diCer: GPoderias diCer Jue aJueles Jue se esfor!am por faCer rir têm alguma
utilidade para o corpo ou Jue sua alma se torna mais em go#ernada) mais apta para a #ida
políticaZL/20 Na corte,modelo de 6iro) Gn"o Ia#ia ningu(m Jue ficasse encoleriCado dando
altos gritos ou Jue se alegrasse entregando,se ao riso ecessi#oL/2* B rei adora a rincadeira)
a pala#ra espirituosa) mas sem inten!"o Cometeira/ esmo na guerra) a rincadeira tende
a sustituir a Comaria triunfante: ( assim Juando ele representa os espartanos rindo dos
soldados aliados a antinee/ Para o cIefe) o riso de ene#olência tende a sustituir o riso
mal(#olo/
Em ) banquete$ Venofonte n"o confere um om papel ao uf"o) incapaC de faCer rir
com suas palIa!adas) apesar de retirar delas sua gl>ria: GbO e#idente_) diC 9icon a %ilipe)
*+ 5idem) pp/ *<,*+/
*- 5idem) p/ */
20 VENB%BNTE/ #iro!édia ) 55) 2) *1/
2* 5idem) K555) *) 33/
bJue tens orgulIo em faCer rir_/ b6om mais raC"o) penso_) respondeu o uf"o) bJue o
comediante 6alípedes) Jue se gaa de arrancar l?grimas de muitos espectadoresL_/ 22 E (
S>crates) mais uma #eC) Jue faC todos rir com uma tirada n"o compreendida por seus
interlocutores) Juando ele se #angloria de seus talentos de mediador/ De fato) todo o di?logo
ope o ideal aristocr?tico de eleCa moral $ ufonaria grosseira Ierdada dos cmicos do
s(culo K a/6/) da Jual Venofonte lamenta a popularidade/ B cínico ntístenes) Jue figura
entre os con#i#as) ( apresentado como um uf"o pouco polido) Jue s> pensa em satisfaCer
suas necessidades físicas) um discípulo estor#ador) de Juem S>crates de#e manter dist7ncia/
triuindo o prêmio de eleCa a 6rist>ulo) em detrimento de S>crates) os con#i#as
mostram Jue s"o insensí#eis $ eleCa moral/
Entretanto) ) banquete tam(m cont(m uma par>dia dos di?logos platnicos) cuMas
sutileCas dial(ticas s"o al#o de Comaria por leis e Epicrato/23 6ondena!"o do riso
grosseiro e uso do riso sutil: eis duas das li!es de Venofonte) Jue d? prioridade $ ironia
para um oMeti#o moral e intelectual/ ]omar dos #ícios e dos erros para atingir a #irtude e
o conIecimento: essa no#a fun!"o do riso ele ilustra ainda em 3itos memor4veis por meio
do personagem S>crates) Jue Gpresta#a ser#i!os aos Jue o freJuenta#am tanto rincando
Juanto estando s(rioL e a Juem =ípias declara: G6a!oas dos outros) interrogando e
refutando todas as pessoas) sem consentir em dar resposta nem indicar tua opini"o sore
nenIum assuntoL/
 eigência crescente de refinamento) nos anJuetes) pelo uso discreto do riso e pelo
emprego sutil da ironia encontra,se em Venof"o e igualmente em rist>teles: G ironia
con#(m melIor ao Iomem li#re Jue $ ufonaria) M? Jue o Iomem li#re diC a pilI(ria para
seu pr>prio praCer) ao passo Jue o uf"o a diC para o praCer do outroL/ 21 B mesmo elogio e
a mesma recomenda!"o aparecem em um fragmento elegíaco annimo sore a arte do
anJuete/
B uf"o continua l?/ as ( agora de om,tom desacredit?,lo/ Teopompo de Yuios
&3 a/6/,320 a/6/') por eemplo) despreCa o rei %ilipe da acednia) Jue ama as
rincadeiras e d? confian!a ao escra#o gatocles GporJue ele o aMula#a e) participando de
seus
e comanJuetes) dan!a#a
Juem) le#ado por eseu
faCia rir/ $///eida
amor Esse (eo$gênero de Iomens
ufonaria) Juea cercam
ele passa melIor oparte
macednio
de seu
tempoL/ Teopompo demonstra o mesmo despreCo em rela!"o ao tirano de Siracusa) Dion
55) Jue se torna progressi#amente cego e cuMa doen!a os ufes imitam para faCê,lo rir/ Esse
tirano terminou sua #ida) diC ele) GfaCendo cIistes em areariasL/
5s>crates) em meados do s(culo 5K a/6/) fornece a contrapro#a dessa e#olu!"o/ Esse
conser#ador) Jue idealiCa o passado) Jueia,se) em Antidose$ de #er seus contempor7neos
Gconsiderar bdotados_ os Iomens Jue se faCem de ufes e têm talento para a Comaria e
para a mímicaL/ Butrora) diC ele em Auro!agiticus$ Gprocura#a,se desen#ol#er maneiras
nores imitando os ufesA e aJueles Jue eram le#ados pelas rincadeiras e se faCiam de
palIa!os) Jue IoMe s"o considerados como pessoas espirituosas) eram tratados ent"o como
pores loucosL/ Essa opini"o de 5s>crates re#ela o descr(dito Jue) em sua (poca) afeta o riso
desenfreado dos antigos) nos meios intelectuais e na alta sociedade/

22 VENB%BNTE/ ) banquete) 555) **/


23 6FF5FE) /,6/ GSocratismo) platonismo e com(dia em B anJuete de VenofonteL/ 5n: Le rire des anciens ) op/ cit/
21 F5STkTE9ES) Ret<rica$ 555) *+) *1*-/
O RISO "TI"O DE DE."RITO E O RISO "ÍNI"O DE DI.GENES

Essa e#olu!"o) constatada na pr?tica) Jue a partir dos anos 100 a/6/ le#a o riso
arcaico) de#astador) agressi#o e triunfante ao riso moderno) irnico) comedido) colocado a
ser#i!o da moral e do conIecimento) tem seu paralelo na teoria/ Na (poca arcaica) ria,se
ruidosamenteA a partir do s(culo 5K a/6/) ria,se menos e mais discretamente) mas fala#a,se
mais do riso/ Todos os fil>sofos aordaram o assunto) de forma apaionada) tomando
partido a fa#or do riso ou contra ele) Jue ( considerado) ao mesmo tempo) um m(todo e um
estilo de #ida/ Bs discursos sore o riso) numerosos e contradit>rios) demonstram Jue se
trata) para a ci#iliCa!"o Iel(nica) de um em essencial/ 6ícero) em seu tratado 3o orador$
faC alus"o a #?rias oras intituladas ) que faz rir$ Jue n"o cIegaram at( n>s) e ressalta Jue)
apesar de #?rias tentati#as) os gregos n"o produCiram uma oa teoria sore o riso/
GEncontrei grande nQmero dessas gra!as picantes) t"o comuns entre os gregos &e em Jue os
sicilianos) os Iaitantes de Fodes) os iCantinos e) acima de todos) os ?ticos s"o ecelentes')
mas) Juando Juiseram elaorar uma teoria do graceMo e adeJu?,la a preceitos) mostraram,
se particularmente insípidos) a tal ponto Jue) se faCiam rir) era por sua sensaoria/ ulgo)
portanto) Jue ( impossí#el estaelecer uma doutrina nessa mat(riaL/
Bs gregos) pelo menos) estudaram muito o assunto) a partir do s(culo 5K a/6/) e suas
escolas filos>ficas n"oe se
riso confronta#am,se) contenta#am
a ri#alidade com um discurso
foi encarnada) neutro/
nos escritos deptos
tardios) por edois
ad#ers?rios do
pensadores:
Dem>crito) o amigo do riso) e =er?clito) o cIor"o/ Bu seMa) duas #ises opostas do mundo)
duas concep!es fundamentais do ser: derris>rio ou s(rioZ
No caso de Dem>crito) sua reputa!"o de Iil?rio n"o tem nada a #er com o
personagem Iist>rico/ Di>genes 9a(rcio n"o menciona) em nenIum momento) esse tra!o/
 lenda s> aparece num romance an>nimo do início do s(culo 5) o Romance de Hi!<crates$
composto de um conMunto de cartas ap>crifas do c(lere m(dico/ Este #ai a dere para
estudar a GloucuraL de Dem>crito e encontra o fil>sofo sentado na frente de sua casa) com
um li#ro na m"o e rodeado por p?ssaros dissecadosA ele tenta descorir onde se localiCa a
ílis) M? Jue) para ele) essa ( a #erdadeira causa da loucura/
=ip>crates o interroga: GEplica,me agora a raC"o de teu riso diante das coisas da
#ida/ b/// O o Iomem Jue me faC rir: ele ( pleno de derris"o e #aCio de ocupa!es raCo?#eisA
todas as suas reflees o conduCem a infantilidades/ N>s o #emos epor,se inutilmente a
penosos sofrimentosA o eagero de seu deseMo o conduC aos limites da Terra e a regies
indeterminadasA ele funde o ouro e a prata sem deiar de Juerer possuí,losA tenta) sem
cessar) possuir cada #eC mais sem outro oMeti#o Jue o de possuir por possuirA e ele n"o tem
#ergonIa de se diCer feliC_L/2 B riso de Dem>crito aplica,se) portanto) $ #aidade das
ocupa!es e inJuietudes Iumanas/ as ele #ai mais longe/ Esse riso tam(m ( uma crítica
radical do conIecimento) a epress"o de um ceticismo asoluto: GNingu(m) entre n>s)
conIece coisa alguma) e n"o saemos seJuer se saemos ou n"o saemosL/ B Iomem) sem
a mínima ideia da #erdade) est? sempre a se preocupar) a se criar prolemas) a ter medo) ao
longo de muitos anos/ Ser? Jue n"o I? do Jue rirZ B riso ( a saedoria) e filosofar ( aprender
a rir/  a#entura Iumana ( ridícula) e s> se poder rir dela/ Dem>crito retoma aJui o mito da

2 Lettres du !seudoHi!!ocrate$ 5K) VVK55) 21,2/


cria!"o por uma gargalIada di#ina/ Suprema derris"o Jue faC do riso o ?pice da
espiritualidade e da saedoria/
Dem>crito) o Iomem Jue ri de tudo) ( a encarna!"o etrema de um ceticismo niilista
Jue se encontra) em germe) nos pensadores c(ticos) como Tim"o) Jue Di>genes 9a(rcio nos
apresenta como algu(m Jue ri de tudo e de todos: GEle tinIa a inteligência #i#a e a Comaria
pronta/ /// Ele tam(m tinIa o costume da pilI(ria/ /// rcesilas perguntou a Tim"o por Jue
ele deiou Teas e Tim"o lIe respondeu: bPara ter ocasi"o de rir de ti mais de perto_L/2< 

oderris"o
mundo/( Nada
aJui amerece
constata!"o da incapacidade
ser le#ado radical
a s(rio) M? Jue tudodo Iomemaparência)
( ilus"o) de se conIecer e conIecer
#aidade . tanto
os deuses como os Iomens/
B riso dos cínicos ( diferente/ 6ontrariamente $s aparências) ele ( mais positi#o/
Praticando a ironia de forma pro#ocati#a) eles perseguem) de fato) uma finalidade moral)
aparentando amoralidade/ Política do pior) Jue Venofonte n"o compreendia/ B mais c(lere
dos cínicos do s(culo 5K a/6/) Di>genes) Jue consagrou o despreCo por todas as con#en!es
sociais) faCia suas necessidades e copula#a em pQlico) multiplicando as pro#oca!es/ GUm
dia) um Iomem o feC entrar em uma casa ricamente moiliada e lIe disse: bais do Jue
tudo) n"o escarres no cI"o_/ Di>genes) Jue esta#a com #ontade de escarrar) escarrou no
rosto dele) afirmando Jue era o Qnico lugar suMo Jue encontrara para faCê,loL/ 2 Esse tipo
de conduta ( a ironia le#ada a seu paroismo e destinada a desmistificar os falsos #alores/
Di>genes e seus congêneres reatam com a tradi!"o do riso agressi#oA seu anticonformismo)
sua transgress"o eacerada dos princípios e das ideias receidas) seu naturalismo
indi#idualista) seu lance maior de paradoo e de esc7ndalos #isam) de fato) a aguilIoar o
Iomem) a fim de Jue ele reencontre os #alores autênticos) Jue se encontre consigo mesmo/
 anedota Jue mostra Di>genes) de lanterna na m"o) procurando Iomens e distraindo os
curiosos com a frase: GProcuro Iomens) n"o esc>riaL () tal#eC) a mais re#eladora de sua
atitude) Jue alia a lasfêmia ao místico: insultar o sagrado) acIincalIar a l>gica para
descorir os #erdadeiros #alores/
Kladimir an(l(#itcI conseguiu elas f>rmulas para definir essa usca cínica: GB
cinismo () freJuentemente)
( outra coisa um fren(tica
/// Jue uma ironia moralismoJue
frustrado e uma
se di#erte ironia etrema////
em cIocar os filisteus)Bpor
cinismo n"o(
praCerA
o diletantismo do paradoo e do esc7ndalo//// B #erdadeiro cinismo ( asc(tico e #irtuoso)
Iostil $ alegria e desdenIoso das grandeCas seculares//// B cinismo () portanto) a filosofia
do leil"o final/ /// B cinismo Moga tudo por tudo: desconfiado da l>gica e da moral) ele
rei#indica eatamente o Jue repro#a//// B cinismo crê na fecundidade da cat?strofe e
endossa) coraMosamente) o pecado porJue este se re#ela impossí#el) na esperan!a de Jue a
inMusti!a se anule pela Iomeopatia do lance mais alto e do esc7ndaloL/2+
Yue seMa/ as tudo isso ( engra!adoZ GB cinismo) na #erdade) ( relati#amente s(rioA
ou melIor) n"o ( totalmente simpl>rio nem totalmente c>mico) e ele n"o saeria diCer de si
mesmo se ( intencionalA $ for!a de rincar com o esc7ndalo) acontece,lIe de endoss?,loL/ 2-
B riso necessita de um mínimo de desdoramento) de dist7ncia em rela!"o ao real/  leitura
das fa!anIas de Di>genes na ora de seu Iom>nimo Di>genes 9a(rcio n"o deia dQ#idas:
2< D5k;ENES 9OF65B/ GTímonL/ 5n: 0ida dos fil<sofos ilustres&
2 5idem) GDi>genesL/
2+ NO9OK5T6=) K/ LBironie& Paris: ed/ 6Iamps,%lammarion) *-<1) pp/*,*<) *01,***/
2- 5idem) p/ *01/
o cínico antigo di#erte,seA ele pro#oca pelo riso/ ssim) ele Coma de uma de#ota
prosternada) comentando Jue) se por acaso o deus se encontra atr?s dela) ela lIe mostra seu
traseiro/ ssim) ele multiplica seus gestos oscenos: GUm dia) em Jue se mastura#a em
pra!a pQlica) gritou: bPraCa aos c(us Jue tam(m fosse suficiente esfregar o #entre para
n"o sentir mais fome[_ Durante uma refei!"o) Mogaram,lIe um osso) como se ele fosse um
c"oA ent"o) aproimando,se dos con#i#as) ele urinou sore eles como se fosse um c"oL/30
 ironia Gno atoL dos cínicos persegue uma finalidade moral) mas seu etremismo

lIe confere
Jue ele pode)umcom
aspecto
efeito)profundamente pessimista/completa
esperar uma re#ira#olta B cínicodos
#ê #aloresZ
o mundoO$spora#essas/ Ser?
isso Jue) se
o riso c(tico ( um riso lierado) diríamos Jue o riso cínico ( um riso desesperado/ li?s)
rumos posteriores do cinismo confirmam esse diagn>stico/ lguns s> guardam do cinismo
#ulgariCado o anticonformismo) o gosto pela pro#oca!"o e pela transgress"o dos taus)
procurando apenas enfrentar a moral para satisfaCer seus deseMos: ( a forma do cinismo
aristocr?tico) pleno de soera) do Jual a noreCa decadente do ntigo Fegime dar?
numerosos eemplos/3* Bs outros) aJueles Jue conser#ar"o o oMeti#o (tico) afundar,se,"o
na #is"o negra de uma Iumanidade irrecuper?#el) como 9a FocIefoucauld) ou num
amoralismo niilista) como NietCscIe) sore Juem an(l(#itcI escre#e Jue GfaCia cenas de
moral porJue era perdidamente moralista) porJue tinIa a #irtude em alta contaL/ NietCscIe)
de fato)apurar
de#er? declaraosJue Gem presen!a
ou#idos de JualJuer
e permanecer feliC cinismo)
toda #eC grosseiro ou sutil)
Jue os ufes o Iomem superior
sem,#ergonIa ou os
s?tiros científicos se manifestam em #oC altaL/ B riso est? sempre presente) sem dQ#ida)
mas ele se tornou um ricto arrogante) nos primeiros) e um riso de demência) nos segundos/

DE S."R#TES # LU"L#NO! $RIEIR# DES)ORR# DO DI#;O>

migos do riso grego) c(ticos ou cínicos) todos de#em a S>crates) emora saiamos
pouca coisa sore o S>crates Iist>rico/ Segundo Di>genes 9a(rcio) ele se comporta#a como
#erdadeiro uf"o: GEle discutia com #eemência) esticando os punIos para a frente ou
puando os caelos) sem se importar com as risadas Jue pro#oca#aL/ as a tradi!"o rete#e)
segundo Plat"o e Venofonte) a imagem de um ironista sutil) utiliCando o riso como
instrumento para a usca da #erdade/ %ingindo ignor7ncia ou ingenuidade) ele le#a seus
interlocutores a demolir) eles pr>prios) suas con#ic!es e cren!as) conduCindo,os a
insolQ#eis contradi!es Jue os deiam suspensos sore o aismo do asurdo) em lugar de
aMud?,los a sair dessa situa!"o/ B riso ( parte integrante do processoA trata,se do riso
pedag>gico) do Jual) ali?s) S>crates ( al#o freJuentemente: GOs ridículoL) lIe diC)
asicamente) 6?licles em C<rgias$ Gcom toda a tua filosofia) (s incapaC de enfrentar os
prolemas concretos da #idaA assim) tal Iomem) Juando se defronta com JualJuer coisa
pr?tica) de ordem pri#ada ou pQlica) presta,se a Jue se riam $ sua custa/ /// Eu Mulgo Jue
32
ele ( digno de risadaL/

30 D5k;ENES 9OF65B/ GDi>genesL/


3* 8UD5N) =/ GB cinismo lQdico) atitude aristocr?ticaZL/ 5n: Humoresques$ n/) Humour et société& Presses Uni#ersitaires de
Kincennes: *--1) pp/+-,*02/
32 P9THB/ C<rgias$ 1+1d) 1+c/
s con#ersa!es socr?ticas s"o pontuadas por eploses de riso) como em
1uth%demos$ no Jual) como escre#e Emmannuelle out,Pastr() Gos #erdadeiros prolemas
faCem toda a plateia morrer de rir) mas tam(m o leitorL/33 Por(m) o fil>sofo est? acima das
epectati#as do riso uf"o) do Griso dos insensatosL/ Ele aceita epor,se ao riso para faCer
Jue o conIecimento progrida e) soretudo) utiliCa ele mesmo a rincadeira) a Comaria
indulgente/ GEle passa a #ida toda a rincar e a faCer ironia com as pessoasL) diC dele
lceíades/31 O um m(todo para ensinar) para formar o espírito: GB riso pode ser um
instrumento a ser#i!o do pensamento/ /// B riso n"o ( a forma suprema do pensamento) mas
M? ( o pensamento) ( parte integrante do pensamento s(rioL/ 3
as a pedagogia pelo riso pode) realmente) desemocar em outra coisa Jue n"o o
ceticismoZ Pode,se) com raC"o) du#idar/  grande li!"o do riso socr?tico ( Jue n>s
acreditamos saer das coisas Juando n"o saemos nada/ Preconceitos) con#en!es) erros)
cren!as infundadas: tudo isso ( solQ#el na ironia socr?tica/ E o Jue restaZ penas a ironia/
S>crates n"o troue #erdade positi#a $ Iumanidade/ Por(m) troue,lIe muito mais: a ironia
como saedoria) como estilo de #ida) a ironia Jue dissipa as miragens) a ironia Jue nos torna
lQcidos e destr>i falsas #erdades/
9e#ada a seus limites etremos) essa ironia socr?tica conduC a 9uciano de Sam>sata)
a esta,fera de todos os dogm?ticos) de todos os possuidores da #erdade) religiosos ou
Iumanos/ 9uciano) o Iomem Jue ri de tudo) o Iomem Jue é uma gargalIada) merece Jue
nos detenIamos nele/ amais algu(m ir? mais longe Jue ele na derris"o generaliCada/
Nascido ao redor de *20) num meio modesto da sia enor) perfeitamente IeleniCado)
susidi?rio de leandria) ele atra#essou a #ida como num desfile de 6arna#al/  eistência
( um corteMo urlesco) um espet?culo derris>rio) risí#el/ O o Jue ele faC diCer o personagem
enipo) seu porta,#oC: GEnJuanto eu considera#a esse espet?culo) pareceu,me Jue a #ida
dos seres Iumanos era uma longa prociss"o cuMas categorias a fortuna ordena e regula) e
para onde ela traC) so diferentes costumes) aJueles Jue a compem/ Um ela fa#orece)
#este,o de rei) coloca,lIe uma tiara na cae!a) d?,lIe sat(lites) cinge,lIe a fronte com um
diademaA outro) re#este com a roupa de escra#oA um ela orna com as gra!as da eleCa e
outro desfigura a ponto de torn?,lo ridículo) porJue ( preciso Jue o espet?culo seMa em
#ariadoL/3<
Nessa com(dia grotesca e asurda Jue ( a #ida) Juem n"o ( ridículoZ 9uciano Coma
de tudo e de todos) fil>sofos) deuses) cIarlat"es) falsos profetas) s?ios) loucos e at( dos
c(ticos) dos cínicos e dele mesmo/ Uma derris"o t"o radical acaa em saedoria deocIada
diante da Gimensa idiotice dos IomensL) em uma terra em Jue Gningu(m faC nada por nadaL/
 moral da #ida ( Gdeiar passar rindo a maior parte dos acontecimentos sem le#ar nada a
s(rioL) nem a terra nem o c(u nem o inferno/
9uciano ser#e ao pQlico Go riso cmico so a maMestade filos>ficaL) segundo sua
pr>pria epress"o/ Parodiando o di?logo platnico) ele in#erte o m(todo socr?tico:
colocando o s(rio a ser#i!o do cmico) ele Garranca sua m?scara tr?gica e gra#e e lIe impe
uma outra) cmica) satírica) ou seMa) risí#elL) escre#e ele em A du!la acusa8o& Bs fil>sofos)
incapaCes de Gindicar um rumo simples e seguro para conduCir,se no mundoL) s"o seu al#o
33 BUT,PSTFO) E/ GB riso em Plat"o) um des#io na #ia da #erdadeL/ 5n: Le rire des anciens$ op/ cit/
31 VENB%BNTE/ ) banquete$ 2*<e/
3 BUT,PSTFO) E/ op/ cit/) p/2-/
3< 9U65NB DE SkST/ )bras com!letas& Paris: ;arnier) *+-<) p/*-2/
preferido/ Sua conduta e seus deates est(reis s"o ridiculariCados em par>dias platnicas:
em ) banquete$ n>s os #emos Gentregar,se a todos os ecessos) inMuriam,se) fartam,se)
gritam e cIegam $s #ias de fatoLA em outro ) banquete$ seu di?logo sore o amor gira em
torno dos respecti#os m(ritos da Iomosseualidade e da IeterosseualidadeA em um
C<rgias$ estudam a gra#e Juest"o de saer se eiste uma arte do parasitismoA alIures) faCem
o elogio $ mosca/
9uciano in#enta um fil>sofo . um #erdadeiro .) enipo) cuMa saedoria se

eprimetodas
re#ista peloasrisoA ele rifilos>ficas
escolas sempre ee de Hermot(mos$
tudo/ Emseus
ridiculariCa ou tagarelas/
incorrigí#eis As seitas$Desgostoso
ele passa em
de
Gsuas fanfarronadas e seus discursos cIarlatanescosL) ele conclui pela GincerteCa uni#ersalL/
Em s seitas em hasta !2blica$ ele organiCa uma ridícula #enda das escolas filos>ficas em
leil"o/ B leiloeiro) =ermes) pe $ #enda o pitagorismo: G #enda: a melIor #ida) a mais
respeit?#el/ Yuem Juer comprarZ Yuem Juer ele#ar,se acima da IumanidadeZ Yuem Juer
conIecer a Iarmonia do uni#erso e #i#er de no#oZ B pitag>ricoq conIece a aritm(tica) a
astrologia) a magia) a geometria) a mQsica) a cIarlatanice/ Tu #ês nele um adi#inIo
superiorL/ B aristotelismo se #ende em) porJue ele sae muito sore coisas indispens?#eis:
por eemplo) GJuanto tempo #i#e o primo) a Jue profundidade o mar ( iluminado pelo sol
e Jual ( a natureCa da alma dos autres /// como o Iomem ( um animal risí#el) como o asno
n"o o ( e Gamante
S>crates) n"o saedos
nem construir
Mo#ensL) Juenem na#egarL/
#ê tudo Entre
em doro os artigos
porJue tam(m$ #enda)
tem ostam(m
olIos dafigura
almaA
( o tirano de Siracusa Jue o adJuire/ inda $ #enda) o Gcarrancudo de P>rticoL isto () o
estoicoA e Pirro) o 6(tico) Jue du#ida at( da eistência dos compradores e dos golpes Jue
receeA e depois o epicurista satisfeito/ =? dificuldade em #ender o cínico) Gdescarado)
audacioso) insolente com todo mundoL) Jue acaa cedido por dois >ulos/ %oi feito um lote
com Dem>crito) o GIil?rio de deraL) Jue Coma de tudo) e =er?clito) o GcIor"o de EfesoL)
Jue dramatiCa tudo e) por isso) ningu(m o Juer/ ssim) 9uciano) Jue Coma dos
Comadores) ri dos Jue riem e du#ida do ceticismo) atinge a nega!"o asoluta) o nada/
B mundo di#ino n"o ( poupado/ 9uciano tem um riso ainda mais inetinguí#el Jue
o dos deuses/ 6om o riso ele arrasa o c(u) os mitos e todas as di#indades assustadoras em
A assembleia dos deuses$ )s di4logos dos deuses) 3ioniso& Bs imortais tornam,se ridículos
títeres Jue se Jueiam de seu traalIo e rigam/ =(racles insulta Escul?pio) #ulgar
Gcortador de raíCes e cIarlat"oLA o deus da medicina lIe retruca Jue ficou em contente de
encontr?,lo Juando cIegou ao Blimpo) Gmeio grelIadoL com sua tQnica/ ]eus se Jueia das
falsas Iist>rias Jue mascateiam sore os deuses . a come!ar por G=omero) esse #elIo
cego) esse cIarlat"o Jue nos cIama de em,a#enturados e Jue conta em detalIes o Jue
acontece no c(u) Musto ele) Jue n"o pode #er o Jue acontece na terraL/ omo) deus do
sarcasmo) recrimina: ( inadmissí#el[ Deiamos entrar no Blimpo JualJuer um) esp(cies de
semideuses) sem ao menos corar taa dos metecos[ Tudo isso ( por culpa de ]eus) com
todos os seus astardosA s"o admitidos at( estrangeiros Jue n"o falam grego e permitem Jue
os
crerIomens fa!am coisa)
em JualJuer representa!es
os Iomensetra#agantes
n"o creem em do nada/
senIor dos deuses/ Fesultado: $ for!a de
Bs deuses n"o s"o mais os senIores do riso/ Esse dom terrí#el escapou deles e se
#olta contra eles/ Na ci#iliCa!"o grega M? se torna real essa imagem Jue Olie Xiesel aplica
$ ci#iliCa!"o Mudaico,crist": GSaes o Jue ( o risoZ ///Eu #ou te diCer/ O o erro de Deus/
6riando o Iomem para sumetê,lo a seus desígnios) ele lIe outorgou) por inad#ertência) a
faculdade de rir/ Ele ignora#a Jue) mais tarde) esse #erme da terra se ser#iria dele como
instrumento de #ingan!a/ Yuando ele se deu conta) M? era tarde/ Deus n"o podia faCer mais
nada/ Era tarde para retirar do Iomem esse poderL/
Kingan!a do Iomem/// ou #ingan!a do diaoZ Bs crist"os tendem para a segunda
Iip>tese/ PorJue 9uciano n"o os poupou/ li?s) o contr?rio teria sido surpreendente/ Essas
pessoas Jue #eneram Gesse grande Iomem crucificado na PalestinaL s"o um ando de
cr(dulos ingênuos Jue) al(m do mais) têm uma pressa infatig?#el de se faCer matar)
oferecendo,se) estupidamente) ao martírio/ No li#ro Sobre a morte dos !eregrinos$ 9uciano

pe em
dos cena como
crist"os um cínico deocIado)
Gesses assassino
pores coitados Juedeforam
seu pai) Jue se tornou
con#encidos ispo
de Jue crist"o)
ser"o e falae
imortais
#i#er"o eternamente/ Em conseJuência) eles despreCam a morte e se entregam a ela de
forma #olunt?ria/ Por outro lado) seu primeiro legislador persuadiu,os de Jue eles s"o todos
irm"os) uma #eC Jue mudaram de religi"o e renegaram os deuses da ;r(cia para adorar seu
famoso sofista crucificado e #i#er segundo suas leis/ /// Portanto) se acontece de cIegar at(
eles um impostor esperto) Jue saia apro#eitar,se das circunst7ncias) ele n"o tarda a
enriJuecer Comando de sua simplicidadeL/
Para os crist"os) 9uciano ser?) durante muito tempo) uma encarna!"o do diao) o
diao Jue ri) o diao Jue Coma de Deus/ Seu riso est? por toda parte) mesmo nos infernos
Jue enipo . como Ulisses) Eneias e muitos outros . te#e ocasi"o de #isitar) relatado em
"eni!o$ ou A nec%omania e em )s di4logos dos mortos& B inferno ( um #erdadeiro moinIo
onde se entra e sai $ #ontade/ B s?io ail>nico Jue are a porta a enipo recomenda,lIe
passar,se por =(racles) Ulisses ou Brfeu) ou seMa) um freJuentador da casa) o Jue facilitaria
sua #isita/ E eis Jue enipo) sempre rindo) retoma sua #iagem/ 6aronte fica indignado:
GDe onde nos troueste esse c"o) ercQrioZ Durante a tra#essia) ele s> faCia ladrar
para os passageiros e Comar delesA e) enJuanto todos os outros cIora#am) ele era o Qnico
Jue se permitia rirL/
GEF6\F5B . N"o saes) 6aronte) Juem ( aJuele por Juem acaas de passarZ O
um Iomem #erdadeiramente li#re) Jue n"o se preocupa com nadaA enfim) ( enipoL/
Na realidade) I? muita di#ers"o no inferno/ Eles se di#ertem ainda mais Jue l? em
cima) na terra) onde n"o se sae nem mesmo de Jue se ri/ Jui se trata #erdadeiramente do
riso inetinguí#el) aJuele dos Jue saem) afinal) Jual ( a #erdade) como o diC P>lu:
Genipo) Di>genes te compromete) #iste de tudo o Jue acontece sore a terra e ainda #ens
aJui emaio rir mais um pouco/ 9?) tuas risadas têm apenas um oMeti#o incerto) e) como
se diC) Juem sae eatamente o Jue nos tornamos depois da morteZ ? aJui) n"o cessar?s
de rir) como euL/ 3
ssim) 9uciano se Munta a Di>genes) o 6ínico) no riso infernal) o riso Jue liera/
iI?il 8aItine) em seu li#ro cl?ssico sore Faelais) n"o deiou de re#elar) na ora de
9uciano) Go #ínculo do riso com os infernos e com a morte) com a lierdade de espírito e
da pala#raL/3+ O o resultado de toda uma corrente de pensamento grego/ B riso agressi#o do
período arcaico)
era portador de esse
uma riso triunfante
incrí#el for!a #indo dos deuses)
destruti#a/ esse risointelectualiCado
Domesticado) e#ocador do caos srcinal)
a partir do
s(culo 5K a/6/) ele se transforma na corrosi#a ironia socr?tica) c(tica) cínica e termina na

3 5idem) p/*32/
3+ 8=T5NE) / LBDuvre de Franais Rabelais et la culture !o!ulaire au "o%en Age et sous la Renaissance$ trad/ franc/ Paris:
*-0) p/ -/
derris"o uni#ersal/ Kerdadeira #ingan!a do diao) no sentido de Jue esse perigoso dom
di#ino se torna re#elador do asurdo do ser/ o riso criador da srcem responde o riso
destruti#o do ceticismo integral) Jue des#ela a #erdadeira natureCa dessa cria!"o: miragem)
ilus"o) incmodo) logro/ O preciso rir três #eCes/ amais os crist"os perdoar"o 9uciano por
sua contrarre#ela!"o: $ re#ela!"o di#ina de um mundo tr?gico a ser le#ado a s(rio) os
Gmacacos de 9ucianoL opem a re#ela!"o de um mundo derris>rio e cmico/ Eles
pul#eriCam a cria!"o com sua gargalIada/

OS #$?TI"OS' DE $IT?GOR#S # $L#TÃO

as entre os gregos Ia#ia tam(m correntes de pensamento Jue defendem a


seriedade do ser) e estes desconfiam do riso) Jue ( preciso enMaular) enfraJuecer)
super#isionar) regulamentar/ N"o se pode deiar em lierdade uma for!a t"o perigosaA M?
Jue n"o se pode elimin?,la) ( preciso confin?,la num papel sualterno) de pura e#as"o) a
#?l#ula de seguran!a/
Bs estoicos s"o pessoas s(rias/ Elas n"o riem e mostram,se sensí#eis $ Comaria dos
outros/ GSe deseMas ser fil>sofo) prepara,te desde M? para ser ridiculariCado e Comado pela
multid"oL) diC Epicteto/ G5gnora isso/ N"o rias muito) nem de muitas coisas nem sem
conten!"o/L N"o fa!as os outros rirem: GE#ita tam(m faCer rir/ Essa ( uma maneira de
desliCar para a #ulgaridade e) ao mesmo tempo) de perder o respeito Jue teus #iCinIos têm
por tiL/ E se #ais $ com(dia) Gast(m,te totalmente de gritar) de rir do ator) de como#er,te/
/// Do contr?rio) seria sinal de Jue te apaionaste pelo espet?culoL/3- Enfim) o tipo de pQlico
Jue rist>fanes teria deseMado/
Para os estoicos) o riso ( uma marca de #ulgaridade e de oagem) mas () tam(m)
e soretudo) uma marca de impotência) uma confiss"o de fracasso em transformar o mundo
ou uma situa!"oA ( uma resposta inadeJuada/ Juele Jue ri dissocia,se do oMeto de seu
riso) toma dist7ncia em rela!"o $ ordem do mundo) em lugar de integrar,se nela/ Jueles

Jue aderem
n"o riemA o $militante)
realidade)o re#olucion?rio)
os Jue acreditam) os Jue s"o
o político) solid?rios a oum
o funcion?rio) #alor sagrado)
policial) esses
o apaionado
n"o se sentem tentados a rir daJuilo Jue defendem/ Tal#eC o estoico condene o lado
pessimista do riso/ Diante do mundo como ele () alguns creem poder transform?,lo) s"o os
militantesA os outros o olIam sem se mo#er) s"o os estoicosA os terceiros riem dele porJue
o creem imut?#el e derris>rio . mas essa derris"o n"o deia de ter uma secreta piedade/
Bs pitag>ricos tam(m n"o riem) $ imagem de seu fundador) Pit?goras) cuMa lenda
diC Jue se tornou impassí#el) como o #asto uni#erso regido pela Iarmonia dos nQmeros/
Em tenas) os pitag>ricos eram ironiCados nas com(dias por seu rosto de Juaresma/
SemelIan!as com os crist"os foram muitas #eCes ressaltadas pelos autores antigos/ Toda#ia)
( em Plat"o Jue se de#e procurar uma argumenta!"o de princípio contra o riso/ B riso n"o
est? ausente de seus di?logos: S>crates e seus interlocutores riem #?rias #eCesA ( possí#el
encontrar Iist>rias engra!adas) como em Lacos$ em Jue 6tesilaos) Jue in#entou uma arma
no#a) se infiltra na aparelIagem de um na#io inimigo e gesticula de l? como um títereA 10 em

3- EP56TETB) anuel) VV55) VVV555) 1) *) *0/


10 P9THB/ Lacos$ *+1a/
A re!2blica$ S>crates eplica Jue freJuentemente as coisas parecem ridículas em raC"o de
seu car?ter ins>lito e Jue o riso desaparece com o I?ito) como nos eercícios gin?sticos
Jue ele prope estaelecer para uso das mulIeres/1*
6ontudo) Plat"o desconfia do riso) cuMa natureCa ami#alente ( inJuietante/ O uma
pai"o Jue pertura a alma e Jue pode estar ligada) ao mesmo tempo) ao praCer e $ dor/ o
relatar os Qltimos momentos de S>crates) %(don declara: G=a#ia JualJuer coisa de
desorientador na emo!"o Jue eu sentia: uma mistura etraordin?ria) na Jual o praCer entra#a

ao mesmo
Esse estadotempo em Jue
de espírito eraa Juase
dor Juando
o mesmoeu pensa#a
em todasJue) de repente)
as pessoas ele cessaria
Jue esta#am de #i#er[
presentes: $s
12
#eCes ríamos) $s #eCes cIor?#amos///L/ 5sso ( partilIado entre riso e l?grimas) Juando se
#ê a maneira como as almas escolIem sua #ida futura/
 natureCa perturadora do riso ( igualmente manifesta no riso mal(#olo) Jue
comina em e mal) praCer e in#eMa/ 6ontudo) esse tipo de riso cotidiano e anal) o riso
pro#ocado pelos peJuenos infortQnios e re#eses de nossos amigos) ( conden?#el: GYuando
rimos do ridículo de nossos amigos) o Jue afirma nosso prop>sito ( Jue) enJuanto
cominamos praCer e in#eMa) ocorre uma comina!"o entre praCer e desgosto/ =? pouco
tempo concordamos em #er) na in#eMa) uma dor da alma) e rir dela ( um praCerA al(m do
mais) isso acontece simultaneamenteL/13 Fir do ridículo de outrem ( tam(m demonstrar
Jue n"o se conIece a si mesmo/ B Qnico caso de riso lícito ( rir dos inimigos/
Na #ida urana) de#e,se aster de rir/ Essas Gcaretas de fealdadeL) esses solu!os e
soressaltos Jue acompanIam a emiss"o de ruídos ca>ticos s"o indecentes) oscenos)
indignos) incon#enientes) perturam o espírito e traduCem a perda do controle de si mesmo/
Fir nos torna feios) tanto física Juanto moralmente/ O por isso Jue as leis de#eriam proiir
os autores cmicos Gde faCer de JualJuer de nossos cidad"os um personagem de com(diaL/11
Se ( preciso faCer com(dias) de#e,se contentar com rir de estrangeiros e escra#os . e)
mesmo assim) Gsem pai"oL/ Nas rela!es com os cidad"os) a Comaria ( condenada)
porJue o GIomem Jue se entrega a uma troca de ofensas ( incapaC de se aster de
ridiculariCar aJuele Jue insulta) e essa ( a forma Jue a ofensa adJuire todas as #eCes Jue
1
nos deiamos
=? um le#ar por elaL/
domínio em Jue o riso ( asolutamente proiido: a política/ N"o se de#e)
e#identemente) Comar de Iomens políticos) e estes Qltimos) so pena de degradar sua
fun!"o) de#em sempre permanecer dignos e s(rios/ GN"o ( preciso Jue nossos guardi"es
gostem de rir) porJue) Juando nos deiamos le#ar pela for!a do riso) tal ecesso gera uma
rea!"o contr?ria) igualmente forteL/1< B riso faC as pessoas perder a lucideC e o controle de
si mesmas) indispens?#eis aos dirigentes/
 arte e a literatura nunca de#em representar os Iomens importantes rindo: isso (
degradante e solapa seu prestígio/ Por mais forte Jue seMa a raC"o) n"o se de#e falar do riso
dos deuses) Jue s"o impertur?#eis/ Plat"o n"o perdoa a =omero o Griso inetinguí#el dos
deusesLA ( uma #erdadeira lasfêmia/ B riso ( estranIo ao mundo di#ino) mundo do
1* 5dem) A re!2blica$ #) 12a) /
12 5dem) Fédon$ -a/
13 5dem) Filebo$ 0a/

11 5dem) Leis$ V5$ -3d/

1 5idem/
1< 5dem) A re!2blica$ 555) 3++e/
imut?#el e da unidadeA ele pertence ao domínio despreCí#el do mutante) do mQltiplo) do
feio) do mal: G representa!"o de Iomens importantes tomados pelo riso incontrol?#el n"o
de#e ser admitida) muito menos Juando se trata dos deuses/ uito menos ainda) sem
nenIuma dQ#ida) eles de#em faCê,lo/ ssim) n"o se admitir? mais Jue =omero fale dos
deuses) como o faC aJui: bE ruscamente um riso inetinguí#el Morrou entre os em,
a#enturados) $ #ista de =efesto se arrastando pela sala[_ 5sso) segundo sua tese) (
inadmissí#elL/1

sutil emOdial(tica:
Musto Comar dos #ícios
com Plat"o) e dos
o riso defeitos morais)
domesticado) sema um
reduCido pai"o)
magroe utiliCar
sorriso)uma ironia
( limitado
a um uso parcimonioso a ser#i!o da moral e do conIecimento/ B riso arcaico) arulIento e
agressi#o) est? domadoA desse mal) ( preciso faCer um em) como de um c"o sel#agem se
pode faCer um c"o de guarda/

#RIST.TELES E O $R.$RIO DO OE

rist>teles n"o ( muito diferente de Plat"o nesse assunto) e ( preciso matiCar a


c(lere f>rmula Jue lIe ( atriuída sem raC"o/ rist>teles nunca disse Jue Go riso ( pr>prio
do IomemLA ele apenas disse1+ Jue o Iomem G( o Qnico animal Jue riL ou Jue GnenIum
animal ri) eceto o IomemL/  diferen!a ( o grau/ No primeiro caso) o riso faria parte da
essência Iumana) e um ser Jue n"o risse n"o poderia ser Iomem/ No segundo caso) trata,se
simplesmente de ressaltar uma característica potencial: o Iomem ( o Qnico Jue tem a
capacidade de rirA o riso eiste nele . e s> nele . em estado potencial) mas pode,se ser
Iomem sem nunca rir/
E ( melIor usar o riso com parcimnia/ De início) esteticamente) o riso) Jue aparece
na crian!a com Juarenta dias) n"o ( muito lisonMeiro/ Ser? essa a raC"o pela Jual os artistas
gregos raramente representam faces risonIasZ s pinturas dos #asos) Jue aordam temas
cotidianos) s"o sempre s(riasA e a com(dia n"o aparece nas cenas de teatro) como ressalta

9ouis S(cIan:
alguns G com(dia
#asos coríntios n"o antigas
e#ocam deiou registros na cer7mica)
farsas d>ricas ao contr?rio
Jue retiram do Jue
sua mat(ria se pensaA
da mitologia
ou da #ida comum/ /// E n"o se conIece nenIuma pintura inspirada em rist>fanesL/1- Seria
por uma dificuldade t(cnica em reproduCir a f?cies mutante de Juem riZ Pro#a#elmente n"o/
Trata,se antes de uma escolIa est(tica/ B riso ( feio/ rist>teles tam(m classifica a
com(dia como gênero liter?rio inferior $ trag(dia: ele ressalta) na -oética) GJue esta Juer
representar os Iomens inferiores) aJuela Juer represent?,los superiores aos Iomens da
realidadeL) o Jue resulta em diCer Jue o cmico degrada o Iomem e o tr?gico o engrandece/
 defini!"o aristot(lica do risí#el como um Gdefeito e uma feiura sem dor nem danoL (
igualmente muito negati#a/
rist>teles rompe completamente com o riso arcaico) Cometeiro) agressi#o e
triunfante/ S> se pode rir de uma deformidade física se ela n"o for sinal de dor ou doen!a/
B riso s> ( aceit?#el em peJuenas doses) para tornar mais agrad?#el a con#ersa!"o) com
rincadeiras finas e Jue n"o magoem/ GJuele Jue realmente agrada ( o Jue n"o se permite
1 5idem) 555) 3+-a/
1+ F5STkTE9ES/ -artes dos animais$ 555) *0) <3a/
1- SO6=N) 9/ >tudes sur la tragédie grecque dans ses ra!!orts avec la céramique& Paris: *-2</
tudo/ PorJue certas rincadeiras s"o uma esp(cie de inMQriaL/0 O preciso e#itar) acima de
tudo) cair na ufonaria) pro#a de grosseria/ Segundo rist>teles) a sociedade grega do
s(culo K a/6/ aprecia muito os ufes: G6omo o gosto pela pilI(ria ( muito difundido) e a
maior parte das pessoas tem nos graceMos e nas pilI(rias uma fonte de praCer maior Jue o
necess?rio) confere,se aos ufes uma reputa!"o de pessoas de espírito) s> porJue eles
agradamL/ *
Esse coment?rio deia entre#er a dist7ncia Jue eiste entre os tetos te>ricos) Jue

constituem gra#emente
epressam nossas fontes)
suae aIostilidade
pr?tica social/ N"o nosaoincomodemos:
em rela!"o enJuanto
riso) os gregos . e ososoutros
fil>sofos
.
di#ertem,se como se isso n"o eistisse/ s refei!es) na #ida pQlica e pri#ada) rinca,se)
Coma,se) criam,se ditos espirituosos) imitam,se palIa!os) rinca,se desragadamente/
Por(m) desse riso s> nos restam algumas anedotas) mais ou menos adulteradas) referentes a
pessoas c(leres/ ssim) segundo Yuintiliano) Pirros perdoa os Mo#ens Tarentino por terem,
no ofendido) durante um Mantar) porJue eles conseguiram faCê,lo rir de sua resposta/ GB Jue
lIe dissemos n"o ( nada em compara!"o com o Jue teríamos dito se o #inIo nos ti#esse
faltado/L 9i!"o: o riso pode sal#ar) desde Jue o senIor tenIa senso de Iumor/
Koltemos a rist>teles) Jue) Iomem ponderado e eJuilirado) n"o aprecia os
caracteres amargurados: GJueles Jue n"o faCem rincadeiras e n"o suportam os Jue as
faCem s"o) tudo indica) rQsticos e raugentosL/2 B ecesso in#erso ( o dos clons$ dos
ufes) dos insuport?#eis animadores de e#entos Jue) em sociedade) consideram Jue o riso
( origat>rio e se encarregam de alegrar o amiente $ for!a/ Esses tiranos do riso s"o de
todas as (pocas: GJueles Jue) pro#ocando o riso) #"o al(m dos limites s"o) parece) ufes
e pessoas grosseiras) agarrando,se ao ridículo em todas as circunst7ncias e #isando antes a
pro#ocar o riso Jue le#ar em conta o prop>sito de n"o ofender os Jue s"o al#o de suas
ComariasL/3
Entre os dois ecessos) rist>teles #aloriCa a atitude GdaJueles Jue) em suas
rincadeiras) permanecem pessoas alegres Eeutra!eloi') o Jue significa JualJuer coisa
como: pessoas de espírito refinadoL/1 Essa #irtude de eutra!eloi$ marca de om gosto e de
eJuilírio)
Iom(rico foi( reduCido
o resultado da domestica!"o
ao estado do risoe finos
de sorriso audí#el na oa sociedade/
cacareMos B grosseiro
destinados riso
a ameniCar
con#ersas s(rias) a dar um torneio agrad?#el e descontraído $s discusses/ E#olu!"o
ine#it?#el e da Jual reencontramos a apologia) mais de Juatro s(culos mais tarde) em um
dos Qltimos representantes do Ielenismo: Plutarco/
Suas )bras morais e filos<ficas s"o como uma síntese) um alan!o final dos
diferentes aspectos do riso na Iist>ria grega/ Eles condenam o riso arcaico) Cometeiro e
agressi#o) aJuele da #elIa com(dia de rist>fanes) cuMos ataJues feroCes eram moralmente
Gde nenIum pro#eito aos Jue os ou#iam/// emora neles Iou#esse risadas e Mo#ialidade
compartilIadaL) nos diC Plutarco por meio da saorosa tradu!"o cl?ssica de acJues
mot/ penas as críticas feitas com seriedade podem ser eficaCes) acrescenta ele e

0 F5STkTE9ES/ >tica a 9ic/maco$ 5K) K555) -


* 5idem) 5K) K555) 1/
2 5idem) 5K) K555) 3/

3 5idem/

1 5idem/
 P9UTF6B/ )bras morais e filos<ficas$ 5K) K555) -/
lemra Jue os espartanos se #acina#am contra a Comaria/ GEra uma coisa Jue se aprendia)
outrora) na ela 9acedemnia) Comar e rincar sem irrita!"o e n"o se irritar tam(m
Juando se era oMeto de pilI(ria e ComariaL/<
Dois domínios sagrados e imut?#eis de#em escapar ao riso: a lei e a religi"o/
Pre#alecer,se da lierdade para Comar dos legisladores) como o faCem os epicuristas) (
antes a marca de um espírito ser#il e dissoluto: Getrodoro) Comando e graceMando) cIega
$ seguinte conclus"o: ( decoroso Jue se ria do riso li#re e de todos os outros Iomens) mesmo

esses S>lons
dissoluto e 9icurgos
e Jue mereceriadaJui/ 6ertamente)
o cIicoteL/  esse n"o ( um riso li#re) etrodoro) mas ser#il)
No Jue se refere $ religi"o) Plutarco ( um dos primeiros a estaelecer a eJua!"o rir
 ateísmo/ Bs ateus s"o os macacos de 9uciano) Jue escarnecem dos mist(rios sagrados e
da loucura dos crentes: G6onsiderai Jue se trata de ateísmo: ele rir? com um riso furioso e)
como se diC) sard>nico) ao #er as coisas Jue praticam) e $s #eCes dir? aiinIo no ou#ido
dos íntimos Jue est"o $ sua #olta: bJueles est"o fora de si) rai#osos_L/+ Em uma (poca em
Jue a religi"o se espiritualiCa e se torna asoluta na linIagem platnica e aristot(lica) em
Jue a di#indade se congela em um espírito Qnico) imut?#el e eterno) o riso ( epulso dos
c(us/ Num ser monolítico em Jue a onipotência) a essência e a eistência s"o uma coisa s>)
n"o I? mais espa!o para o cmico/ B riso insinua,se pelos interstícios do ser) pelas fissuras
e pelos peda!os mal colados da cria!"oA em Deus n"o pode Ia#er a menor fissura/ B riso
n"o tem mais nada a #er com o di#ino) e) suitamente) adJuire um #erniC dia>lico: o diao
tenta utiliC?,lo para desintegrar a f() ou Deus/ O o instrumento de sua desforra/ ssim) o
pensamento grego pag"o prepara a reMei!"o crist" ao riso/
Na #ida corrente) Plutarco despreCa essas c>cegas grosseiras Jue se parecem a Guma
con#uls"o e a um desfalecimentoL/ E#itemos as Comarias e o esc?rnio: Yuanto $s risadas)
( melIor aster,se completamente aJuele Jue n"o souer us?,las competentemente e com
artifício) em tempo e lugar oportunosL/ - 8em acompanIado) pode,se Gter pro#eito rindo e
rir apro#eitando,seL) e I? maneiras elegantes de Comar docemente) sem ferir . Plutarco
d? numerosos eemplos delas/ as con#(m ser prudente e) por outro lado) n"o se de#e
receer rindo as reprimendas s(rias Jue nos diCem respeito: isso seria pro#a de imprudência
e co#ardia/
B riso grego nos feC percorrer um itiner?rio Juase completo) do Jual as (pocas
seguintes s> far"o ilustrar uma ou outra etapa/ Bs mitos enraíCam o riso nos canais oscuros
Jue marcam a passagem da animalidade $ Iumanidade/ Eles contam como o riso) #indo dos
deuses) apareceu como meio de controlar os instintos animais &agressi#idade) medo' e como
uma rea!"o instinti#a de prote!"o diante da tomada de consciência de nossa condi!"o
mortal) da perspecti#a #ertiginosa do nada e da tri#ialidade de nossa dependência do corpo
&seo) alimento) ecre!"o'/ =? muito tempo) esses mitos têm sido ritualiCados nas festas
Jue celeram nossa srcem) selando) no riso coleti#o) a amiguidade de nossa condi!"o de
seres efêmeros) correndo sem cessar atr?s de nossa pr>pria natureCa/ s festas têm seu
prolongamento no teatro cmico) Jue faC a transi!"o com o cotidiano #i#ido em Jue reina)

< 5idem) 3* /


 5idem) -+ ;/
+ 5idem) *22 %/
- 5idem) 30 %/
at( o s(culo K a/6/) um riso arcaico) duro) agressi#o . um riso Jue () ao mesmo tempo)
cimento social) reMei!"o ao estrangeiro e afirma!"o de si/
 partir do fim do s(culo K a/6/) o refinamento crescente da cultura intelectual) Jue
tem por efeito opor) cada #eC mais) a Iumanidade $ animalidade) interroga,se sore a
natureCa desse comportamento estranIo Jue ( o riso/ Desde ent"o) as atitudes di#ergem/ Bs
cínicos utiliCam a Comaria pro#ocadora como um correti#o) um tratamento de cIoJue para
dissol#er as con#en!es sociais e reencontrar os #erdadeiros #alores/ Bs c(ticos)

desausados)
uma pensam de
#asta com(dia Jueasurdos
a com(dia Iumana
diante da (Jual
umas>Iist>ria
se podede loucos e o mundo
rir) como inteiroBs(
Dem>crito/
pitag>ricos e os estoicos) Jue) ao contr?rio) le#am o mundo t"o a s(rio Jue têm dele uma
concep!"o panteísta) proscre#em o riso) Jue) diante de um uni#erso di#ino) eJui#ale a uma
lasfêmia/ Por fim) os platnicos e os aristot(licos domesticam o riso para faCer dele um
agente moral &Comando dos #ícios') um agente de conIecimento &despistando o erro pela
ironia' e um atrati#o da #ida social &por eutrapelia'A mas eles anem rigorosamente o riso
da religi"o e da política) domínios s(rios por ecelência/ B riso ope,se ao sagrado/
B riso inetinguí#el dos deuses) depois de ser encarnado no riso agressi#o e demente
de =omero) eplodiu entre o riso grosseiro e amargo de Di>genes) o riso desausado de
Dem>crito) a ironia de S>crates) a eutrapelia de rist>teles/ Das faces gra#es de Pit?goras)
de na?goras e de ristomenes) Jue) segundo 6l?udio Eliano nunca riram) $ face risonIa
e trocista de 9uciano) Jue riu de tudo) os gregos apresentam um leJue completo das atitudes
diante da eistência/
. - O RISO UNI(I/#DO DOS L#TINOS
O risus0 satrico e grotesco

Bs latinos n"o s"o mais s(rios Jue os outros/ %oram os Iistoriadores e os pedagogos
Jue construíram e transmitiram durante s(culos . por meio de estudos cl?ssicos e de
Iumanidades) aseando,se
de uma romanidade gra#e) em tetossolene)
Ier>ica) cuidadosamente
est>ica/ UmescolIidos . a imagem
mundo di#idido imponente
em dois: de um
lado os 6at"o) os 6(sar e os 8rutus) imp?#idos) cumprindo seu destino pontuado de frases
Iist>ricas em recortadas Jue preencIem os dicion?rios de cita!es e as p?ginas rosa do
-etit LarousseA de outro a plee Jue gargalIa diante das oscenidades da atelana e Jue
#ocifera sore as grades do anfiteatro/ Entre o riso grosseiro e a se#eridade est>ica) nada)
eceto) tal#eC) o sorriso de Kirgílio) t"o ang(lico) e o #ar!e diem Ioraciano) mais patife)
mas t"o elegante/
6aricatura) e#identemente/ =a#ia Plauto e u#enal) as orgias das saturnais e o
urlesco do Satiricon$ mas isso era assunto de especialistas) e sua entrada nos manuais era
escrupulosamente filtrada/ B mundo romano era o mundo do s(rio/ Bs escritores latinos
têm uma parte de responsailidade nessa mentira Iist>rica) ao menos aJueles do período
augusto) Jue lamenta#am a mítica idade de ouro da FepQlica) a idade da #irtude) do
maMestoso) do frugal e do Ieroísmo gra#e/ Nossos autores cl?ssicos) erigindo os latinos
como modelos #enerados e traduCindo suas oras . mesmo as mais truculentas e as mais
cIulas . em um estilo ret>rico e grandiloJente) impuseram a imagem estereotipada do
latim solene) impassí#el) en#olto em sua toga austera) acima de JualJuer suspeita de
cmico/

O $RO;LE# DO UOR L#TINO

Por(m) Juando se olIa mais de perto) constata,se Jue o riso est? presente por toda
parte no mundo romano/ B riso so todas as suas formas) positi#as e negati#as) sutis e
grosseiras) agressi#as e indulgentes) Jue a língua latina concentra em uma Qnica pala#ra:
risus& B riso) multiforme) permanece riso: do trocadilIo grosseiro ao Iumor mais fino)
passando pelo grotesco) pelo urlesco) pela ironia) pela Comaria) pelo sarcasmo/ Jui) o
purista #ai perder seu sorriso e franCir o cenIo: n"o misturemos esses diferentes termos[
 Juest"o de saer se I? um Iumor latino) por eemplo) deu lugar a surpreendentes
contro#(rsias) nas Juais cada um perde) ao mesmo tempo) seu latim e seu Iumor/ 6ertos
especialistas do riso) Jue têm a tendência . ( o cQmulo[ . de se le#ar a s(rio) gostariam
de reser#ar o Iumor) esse termo indefiní#el) a uma (poca e a um lugar muito precisos)
lan!ando o an?tema contra os sacril(gios Jue o dispersam aos Juatro #entos/ Eug^ne de
Saint,Denis) autor) em *-<) de 1nsaios sobre o riso e o sorriso dos latinos$ das muito
s(rias edi!es Les .elles Lettres$ afirma Jue pensara) de início) intitular sua ora de
GEnsaios sore o Iumor dos latinosL) mas foi dissuadido pelas considera!es suspeitosas de
alguns especialistas/*
6ontudo) a maioria dos autores) como / =aur) admite a eistência de um espírito
Iumorístico em 6ícero) =or?cio) Te>crito) Plauto) Karr"o e muitos outros/2 Foert Escarpit
Mustamente ressaltou Jue s"o soretudo os anglicistas n"o rit7nicos) franceses em
particular) Jue Celam para reser#ar o Iumor aos ingleses do s(culo VK555 ao VV/3 Pierre
Daninos () sem dQ#ida) o Jue cIega mais perto da #erdade) Juando d? esta defini!"o

etremamente
espírito Jue nosampla derir
permite Iumor:
de tudoGO)
soantes de tudo)
a m?scara na minIa
do s(rio/ Trataropini"o) uma disposi!"o
Mocosamente de
coisas gra#es
e gra#emente coisas engra!adas) sem Mamais se le#ar a s(rio) sempre foi pr>prio do
Iumorista/ ;ra!as a isso) ele pode) com freJuência) diCer tudo) sem parecer toc?,loL/ 1
 primeira Jualidade do Iumor ( precisamente escapar a todas as defini!es) ser
inapreensí#el) como um espírito Jue passa/ B conteQdo pode ser #ari?#el: I? uma
multiplicidade de Iumor) em todos os tempos e em todos os lugares) desde o momento em
Jue) na mais remota pr(,Iist>ria) o Iomem tomou consciência dele mesmo) de ser aJuele e
ao mesmo tempo de n"o o ser e acIou isso muito estranIo e di#ertido/ B Iumor surge
Juando o Iomem se d? conta de Jue ( estranIo perante si mesmoA ou seMa) o Iumor nasceu
com o primeiro Iomem) o primeiro animal Jue se destacou da animalidade) Jue tomou
dist7ncia em rela!"o a si pr>prio e acIou Jue era derris>rio e incompreensí#el/
B Iumor est? em toda parte/ Festa saer se ele adJuire formas típicas) particulares a
um po#o) a uma na!"o) a um grupo religioso) profissional ou outro: Iumor inglês) alem"o)
americano) Mudaico) latino etc/ N"o) o Iumor ( uni#ersal) e essa ( uma de suas grandes
Jualidades/ 6om certeCa) o tra!o de Iumor encarna,se) ine#ita#elmente) em estruturas e
culturas concretas) mas pode ser apreciado por todos porJue sempre ultrapassa o cI"o Jue
lIe d? srcem/ Na internacional do Iumor) os Iumoristas de todos os países est"o unidos)
animados pelo mesmo espírito/ B Iumor ( um seto sentido Jue n"o ( menos Qtil Jue os
outros/ =? aJueles Jue s"o dotados desse sentido e aJueles Jue n"o o têm . essa
enfermidade os pri#a de um ponto de #ista essencial sore o mundo: eles o #eem) o escutam)
omenos
tocam) o desfrutam)
pro#ocadora) Juemas
elesn"o se d"o totalmente
imergem conta de Jue elemundo)
nesse n"o eiste/ Digamos)
material de maneira
ou espiritual) real
ou imagin?rio) mas s"o incapaCes de assumir uma dist7ncia crítica) de se desprender) de ser
li#resA agarram,se a sua representa!"o do mundo sem perceer Jue se trata apenas de uma
representa!"oA desempenIam seu papel com tal con#ic!"o Jue n"o #eem Jue ( s> um papel/
O con#eniente repetir,lIes) como SIaespeare) Jue
/// o mundo inteiro ( um palco)
os Iomens e as mulIeres) simples atoresA
eles faCem suas entradas e suas saídas)

e cada um) em sua #ida) desempenIa muitos pap(is)
nada ( fato: Gacredita,seL/

* S5NT,DEN5S) E/ de/ 1ssais sur le rire et le sourire des latins& Paris: *-<) p/2-2/
2 =UF) / L*ironie et l*humour chez #icéron& Paris,9ede: *-/
3 ES6FP5T) F/ L* humour& Paris: *-<0/

1 DN5NBS) P/ 5out l*humour du monde& Paris: *-+) p/20/


 S=ESPEFE) X/ As%ou li'e it$ 55) /
Seguramente) como os outros sentidos) o Iumor tem suas doen!as/ Ele pode ser
míope) presiope) daltnicoA e) ainda) I? dias em Jue est? ausente/ as ( raro Jue
desapare!a definiti#amenteA al(m disso) contrariamente aos outros sentidos) pode,se
desen#ol#ê,lo) melIor?,lo) eercit?,lo) e muitas #eCes seu desempenIo melIora com a
idade) o Jue compensa o enfraJuecimento das outras capacidades/
Bs latinos n"o s"o mais nem menos despro#idos desse seto sentido Jue os outros/
Por(m) n"o I? mais Iumor latino Jue Iumor Mudaico: I? latinos e Mudeus Jue faCem Iumor)

e ( porem
oras isso Jue
Jue ainda
n"o podemos apreci?,los/
o esper?#amos/ Tome,se o5ratado
literaturadelatina est? repleta
agricultura$ de Iumor)
de Karr"o: at( ema
domínio
!riori rearati#o/ 8em[ Sl#ie gacIe escre#eu Jue Gpara Karr"o) agradar ( dar as cIa#es
para compreender o sentido de sua ora em mQltiplos registros) em Jue a estiliCa!"o e os
elementos sim>licos) guiados pelo Iumor) têm fun!"o determinanteL/ < Tome,se ainda A
arte de amar$ de B#ídio: o amor se apresenta aí com Iumor e ( amplamente desmistificado/
 arte de amar re#ela,se) antes de tudo) uma arte de enganar galantemente) de dar o troco)
de produCir uma falsa imagem de si/ Bs deuses n"o d"o o eemploZ Tratados com a
desen#oltura Jue merecem suas a#enturas escarosas) eles olIam) rindo) seus êmulos
Iumanos: GQpiter) do alto dos c(us) #ê) rindo) os amantes cometerem perMQrio e ordena aos
sQditos de Oolo Jue le#em os Muramentos anulados/ Qpiter tinIa o costume de faCer falsos

Muramentos
os le#e[ a unoA agora) ele mesmo fa#orece seus imitadoresL/ Butros tantos) Jue o #ento
Bs romanos) ali?s) s"o conscientes de Jue têm Iumor e se orgulIam disso/ GB #elIo
espírito romano polido ( mais espiritual Jue o espírito ?ticoL) afirma 6ícero) + cuMas oras
testemunIam um refinamento constante no uso da ironia: GO f?cil constatar Juanto ele
progrediu no uso da ironiaL) escre#e 9/ 9aurandA Gseus sarcasmos s"o) de início) um pouco
rudesA ele multiplica as antífrases f?ceis) as Jualifica!es de bIomem ecelente_ aplicadas
a celerados/ lguns tra!os das 0errinas M? têm mais delicadeCaA eles s"o ultrapassados pelos
elegantes graceMos do -ro "urena desse discurso ao -ro #aelio$ ao -ro Ligario$ percee,
se ainda um progresso/ 6ícero cIegou a um $ #ontade soerano) a uma ligeireCa e a uma
delicadeCa de ironia Jue n"o podem mais ser ultrapassadas/ ais Jue nunca) a galIofa ()
em suas m"os) uma arma Jue ele maneMa com perfeita seguran!aA ora ela pro#oca feridas
profundas) ora ro!a) arranIa) mas sempre ate MustoL/-
as) como ressalta Yuintiliano) isso n"o impede Jue alguns amigos o censurem por
ultrapassar medidas) apelidando,o de scurra$ Go palIa!oL) e Jue o estoico 6at"o de Utica o
cIame de Gcnsul ridículoL/ O atriuída a ele) em #ida) uma infinidade de pilI(rias e ditos
espirituosos) dos Juais seu afilIado Tiro pulica uma primeira cole!"o/ Seu m(todo) Jue
ele pr>prio define como Gter respeito pelas circunst7ncias) moderar suas tiradas) ser senIor
de sua língua e comedido em ditos espirituososL) *0 n"o ( uma aordagem do IumorZ Pode,
se compar?,lo ao de =or?cio) Jue descre#e o Iomem espiritual como Gadministrador de
suas for!as cmicasq Jue as enfraJuece com prop>sito delieradoL/

< ;6=E) S/ G6onstru!"o dram?tica e Iumor no 5ratado de agricultura de Karr"oL/ 5n: Le rire des anciens& Actes du #olloque
International de Rouen et -aris& Paris: *--+) p/230/
 BKjD5B/ A arte de Amar$ 5) <3*,<31/

+ 6j6EFB/ Aos familiares$ -) *) 2/

- LAURAND, L. Étude sur le style des discours de Cicéron, t. III. Paris: 1927, p.25.
*0 !"!ERO. De oratore, III, #$, 27.
3e oratore$ de 6ícero) permanece uma mina de tra!os de Iumor Jue ilustra) ao
mesmo tempo) a onipresen!a desse seto sentido e a alta estima em Jue o tinIam os romanos
cultos/ Se IoMe esses ditos espirituosos nos faCem apenas eso!ar um sorriso) isso s> ( efeito
do costume/ O o caso da r(plica de %aius aimus a 9i#ius Salinator) em 2*2 a/6/ Este
Qltimo) Jue perdera a cidade de Tarento) fecIara,se na cidadela) de onde fiCera di#ersas
saídas Jue teriam aMudado %aius a reconJuistar a cidade/ Ele insiste em diCer Jue o sucesso
lIe era de#ido/ G6omo eu esJueceria issoZL) responde %aius/ GEu nunca teria reconJuistado
Tarento se n"o a ti#esses perdido/L Butra r(plica: GEu n"o gosto de pessoas Jue eageram
no cumprimento de seu de#erL) teria dito 6ipi"o a um centuri"o Jue permanecera em seu
posto de guarda em lugar de participar da atalIa) na Jual era necess?rio/
6ícero d? ainda um eemplo de procedimento irnico Jue consiste em retrucar a
Comaria/ Yuintus Bpimius) Jue fora um deocIado na Mu#entude) ca!oa de Egilius) Jue
tem uma aparência . enganosa . de efeminadoA GbBI) minIa peJuena Egília) Juando ir?s
$ minIa casa) com tua roca e teu fusoZ_ bNa #erdade) eu n"o ousoA minIa m"e me proiiu
de freJuentar mulIeres de m? reputa!"o/L_/
Nem tudo ( espirituoso nas Iist>rias citadas por 6ícero) mas o orador soue captar
os procedimentos de uma Comaria moderada e de om gosto: GEm suma) enganar a
epectati#a dos ou#intes) Comar dos defeitos de seus semelIantes) ca!oar) se for preciso)
de seus pr>prios defeitos) recorrer $ caricatura ou $ ironia) atirar ingenuidades fingidas)
ressaltar a tolice de um ad#ers?rio) esses s"o os meios de pro#ocar o riso/ ssim) aJuele
Jue Juer ser um om GgraciosoL de#e re#estir,se de uma naturalidade Jue se presta a todas
as #ariedades desse papel) construir por si um car?ter capaC de acomodar,se a cada
epress"o ridícula) mesmo do rostoA e Juanto mais se ti#er) como 6rassus) o ar gra#e e
se#ero) mais o graceMo parecer? repleto de salL/**
Pode,se ilustrar esse Qltimo tra!o pelo Iumor c?ustico de 6at"o) o 6ensor/ Esse
Iomem austero e íntegro) insuporta#elmente #irtuoso e se#ero) encarna o rigor rQstico dos
#elIos romanos e seu gosto pela Comaria mordaC) a dicacitas& Esse Iomem) de
temperamento eecr?#el) processado mais de cinJuenta #eCes at( a idade de +1 anos) (
tam(m capaC
6at"o a Jue de declararA
perguntem GPrefiro
por Jue Jue perguntem
lIe construíram porSeus
umaL/ Juerepentes
n"o erigiram uma
aceros est?tuaaoa
ligam,se
lado agressi#o do riso arcaico) e seus contempor7neos fiCeram uma compila!"o deles/ 6om
meios despoMados) ele pratica um Iumor rQstico/ Segundo / =aur) encontram,se Gna oca
do #elIo censor Juase todas as formas de Iumor compatí#el com sua dignidade: autoironia)
onomia) paronímia) pro#(rios e cita!es) soretudo cmicos) anedotas e ditos
espirituosos) paradoos) sem falar do estilo saoroso/ De sua mordacidade) apenas se notam
tra!os: os raros procedimentos diluem,se na massa do IumorL/*2 =umor conser#ador)
reacion?rio) como o de rist>fanes) Jue defende a tradi!"o e o sagrado/  oposi!"o de 6at"o
$s rei#indica!es femininas) em *- a/6/) por eemplo) traduC,se por feroCes coment?rios

** 5idem) 55) 2+0/ Entre os principals estudos sore o Iumor dos latinos) ressaltamos PETEF) =/ GDie 9itteratur der XitCorte in
Fom und die geflgelten Xorte im unde 6aesarsL) Neue Jahrb$ fr class& -hilologie$ 69K) *+-A ;FNT) / / 5he
Ancient Rhetorical 5heories of the Laughable& adison: *-21A P9E8E) / La teoria del comico da Aristotele a -lutarco&
Turim: *-2A N]B) / G5l De risu di Yuintiliano nel contesto della retorica anticaL) Rendiconti d& Instituto Lombardo$
6K55) *-3A =UF) / L*ironie et l*humour chez #icéron& Paris,9ede: *-A FB85N) F L*ironie chez 5acite& 9ille: telier
de reproduction des tI^ses) *-3/
*2 =UF) / op/ cit/) p/*-+/
sore a fraJueCa dos Iomens: GTodos os Iomens têm autoridade sore suas mulIeresA n>s)
romanos) comandamos os Iomens de todo o mundo) mas as mulIeres nos comandamL/
De 6at"o a =or?cio) passamos do Iumor GpesadoL ao Iumor Gle#eL) ou) para falar
em termos Iumanistas) da dicacitas $ urbanitas& O #erdade Jue =or?cio e#oluiu pouco/ Bs
graceMos de seus primeiros 1!odos e S4tiras rele#am,se antes do cmico escolar) como na
s?tira +) cuMo assunto ( merdis e cacatum e em Jue o deus Príapo faC as feiticeiras fugirem
Gcom um peido sonoro como uma eiga Jue eplodeL/ as o poeta tornou,se ponderado

com transmitir
para a idade/ Na s?tira
uma *0) ele
#erdade sulinIa
moral/ indaa (superioridade da rincadeiraa 9ucilius)
preciso . contrariamente sore a se#eridade)
Jue utiliCa
Gsal a m"os cIeiasL . Jue a rincadeira seMa contida: GN"o ( necess?rio faCer rir a andeiras
despregadas) emora essa arte tenIa seus m(ritos/ O preciso re#idade) ( preciso deiar o
pensamento correr sem lIe dar pala#ras Jue cansem os ou#idosA ( preciso Jue o tom seMa $s
#eCes gra#e) $s #eCes di#ertido) Jue se acredite ou#ir o orador) o poeta ou o Iomem do
mundo Jue sae controlar suas for!as e n"o ausar delas/ Yuase sempre) a rincadeira
elimina grandes ad#ersidades com mais for!a e sucesso Jue a #iolênciaL/ *3 Bs romanos)
sae,se) s"o pessoas pr?ticas: para o c?ustico 6at"o) em como para o urano =or?cio) o
riso ( um instrumento a ser#i!o da causa moralA trata,se de transmitir uma li!"o) com uma
palmada ou uma carícia) mas sempre rindo/
lguns conseguem at( encontrar riso em Kirgílio/ Tal ( o feito de P FicIard em uma
ora ama#elmente intitulada 0irg(lio$ autor alegre&*1 A demonstra!"o n"o () contudo) muito
con#incente/  leitura das .uc<licas n"o pe $ pro#a os Cigom?ticos) e Juando o autor fala
das Ga#enturas ridículasL de Eneias) Jue GfaC rir o leitor de IoMeL) fica,se um pouco
perpleo/ B #erdadeiro Kirgílio cmico ( Scarron) Jue o criar? com seu 0irg(lio !arodiado$
em Jue a epopeia adJuire tra!os ridículos/ 6omo Juando Eneias) em sua desesperada fuga
na Jueda de Troia) percee Jue sua mulIer n"o o seguiu e seu pai o consola com estas
pala#ras:
/// ela #oltar?
ou ent"o algu(m a reter?/
Ser? Jue ela n"o ficou para tr?s
Para aMeitar a ligaZ
6onfessemos: GalegreL ou Gtra#estidoL) Kirgílio n"o ( francamente engra!ado) e
preferimos) sem dQ#ida) o Mulgamento de Eug^ne de Saint,Denis: GB leitor n"o ri) ele sorriL/
as esses poucos eemplos demonstram Jue o riso nunca est? longe no mundo romano/
Ele constitui parte essencial do espírito latino) Jue encontramos at( nas institui!es/ Eugen
6iCe) em seu rilIante estudo "entalidades e instituies !ol(ticas romanas$ demonstrou
Juanto a alian!a entre o s(rio e o lQdico est? no cora!"o dessas institui!es: G meu #er)
n"o I? nenIuma contradi!"o entre o estilo (tnico e os #alores dos romanos) de um lado) e
seu gosto muito concreto) pragm?tico . como um etra#asar indispens?#el . pelo cmico)
pelo riso) pelo urlesco) pelo famoso bsal it?lico_) de outro/ Um bsal_ Jue continIa $s #eCes
*
um pouco de bfel_) com e#idente propens"o a repro#ar os maus costumesL/

*3 =BF65B/ S4tiras$ 5$ *0/


*1 Paris: *-*/
* 65]E) E/ "entalités et institutions !olitique romaines& Paris: *--0) p/22/
O L#TINO' "#$ONBS "?USTI"O

B riso e a s?tira) num clima urlesco) s"o) de fato) as marcas específicas do riso
romano) oriundas) tal#eC) da causticidade camponesa das srcens latinas: GSer terra a terra
( estar predisposto $ Comaria de tudo o Jue) defeito ou Jualidade) parece noci#o ao
sucessoL) oser#a ;/ icIaud a prop>sito do temperamento romano/*< Kirgílio e =or?cio)
mais perto de suas srcens) lIe d"o raC"o: GBs camponeses de usnia) ra!a oriunda de
Troia) di#ertem,se com #ersos grosseiros) com risos desragadosA eles #estem m?scaras
Iorrendas) grudadas $ peleA eles te in#ocam) 8aco) em Iinos alegres e) em tua Ionra)
le#antam no alto de um pinIeiro figuras de argila modeladaL) escre#e o primeiro em
Ce<rgicas$ ao passo Jue o segundo e#oca o gosto camponês pela rincadeira mordaC) Jue
ele cIama em S4tiras de G#inagre italianoL/ mos atriuem a esse temperamento alegre e
?cido a srcem das festas rurais Jue aliam o riso ao culto da fecundidade: lu!ercalia$ em *
de fe#ereiro) liberalia$ em * de mar!o) floralia$ em aril/ Em todas essas ocasies) d?,se
li#re curso ao riso desenfreado) $ licenciosidade) $ #i#acidade agressi#aA ( o espírito da
Glicen!a fesceninaL) Jue permite inMQrias) agresses #erais as mais audaciosas) uma orgia
de grosserias cmicas $ Jual alguns conferem #alor encantat>rio) como no caso dos #ersos
infamantes declamados na algaCarra pri#ada do occentatio . tal#eC uma das srcens do
cIari#ari medie#al/
desaparecera Na (poca
Ia#ia muito de Kirgílio
tempo) e de
e delas s> =or?cio)
resta#a o sentido
o aspecto m?gico dessas
de di#ers"o pr?ticas M?
turulenta/
 língua latina permite tam(m compreender o car?ter mordaC do Iumor latino/
6om suas formas elípticas) ele se presta mara#ilIosamente ao sarcasmo) $ tirada) ao Mogo
de pala#ras conciso e picante) característico da dicacitas$ ou causticidade/ B costume
camponês de corir as pessoas de improp(rios est? na srcem de muitos sorenomes latinos)
estigmatiCando defeitos físicos) intelectuais e morais) tais como Scaurus$ o manco) Calba$
o arrigudo) S6neca$ o #elIote) Lurco$ o glut"o) .rutus$ o grosseiro) ou .ibulus$ o eerr"o/
Tomando,se por ase esses sorenomes) o simples deslocamento de uma letra permite uma
mudan!a de sentido cmico: / %ul#ius Noilior) o not?#el) torna,se) para 6at"o) "obilior$
o inst?#el/ Essa pr?tica) Jue para n>s re#ela,se de aio ní#el) ( comum mesmo nos
eercícios orat>rios de alto ní#el) tais como as pr(dicas de 6ícero/ Este n"o Iesita em
recomendar o procedimento) assim como os diminuti#os: seu ad#ers?rio) 6lodius PulcIer
&o elo') torna,se -ulchellus &o elo garoto'/ Ele pr>prio) 6ícero &o gr"o,de,ico') n"o
escapa $s rincadeiras) Jue aceita de om grado/ os amigos Jue lIe aconselIam mudar de
nome) ele responde Jue tornar? esse gr"o,de,ico t"o c(lere Juanto #at8o &o prudente')
#atullus &o peJueno tra#esso' ou Scaurus &o manco'/
Esses malaarismos com as pala#ras) Jue a concis"o rigorosa da língua permite)
est"o no cora!"o da Comaria mordaC Jue constitui a festivitas &Mo#ialidade' e a dicacitas&
Elas est"o tam(m na srcem desses di#ertimentos pastorais Jue consistem em en#iar de
um grupo a outro) em r(plicas alternadas) GdesafiosL mordaCes com uma m(trica precisa:
as saturae& Segundo
acrescentado) Kal(rio
com a aMuda ?imo)
de um foi emessas
poeta tirreno) 3<1 di#erses
a/6/ Jue $sa festas
Mu#entude romanaTratar,
religiosas/ teria
se,ia de uma forma rQstica de composi!"o dram?tica) Jue teria sido le#ada) mais tarde) para
a com(dia latina/* Essa satura$ da Jual pro#(m a s?tira) ( re#eladora do rQstico

*< 56=UD) ;/ Les tréteau= romains& Paris: *-*2) p/*+/


* F 6O8E) /,P/ G satura dram?tica e o di#ertimento fesceninoL/ 5n: Revue belge de !hilologie et dBhistoire$ *-<*) pp/2<,31/
temperamento romano/ Ela ( uma esp(cie de Gteatro totalL) misturando epress"o corporal)
canto) dan!a) pala#ra em uma atmosfera festi#a gloal/ Sua fun!"o de derris"o ( essencial:
G introdu!"o do discurso nas coreografias inicialmente mudas ( de#ida $ Mu#entude
romana) constituída) segundo tudo indica) de bcategoria de idade_) in#estida de uma fun!"o
Juase oficial de contesta!"o e de derris"oL/ *+ De início impro#isados) espont7neos) os tetos
s"o) depois) passados para a escritaA eles testemunIam uma Comaria rQstica Jue
desemocar?) cerca de 210 a/6/) na primeira representa!"o #erdadeira de uma com(dia/ O
astante significati#o Jue a com(dia tenIa sido muito anterior $ trag(dia) em Foma/ B
mundo e a sociedade s"o perceidos) a princípio) como realidades pouco s(rias) Jue
pro#ocam necessidade de Comaria/
Essa necessidade ( uma constante na sociedade latina) o Jue Yuintiliano destaca
ainda no primeiro s(culo: GTam(m nos anJuetes e con#ersas) #ê,se grande nQmero de
con#ersadores c?usticos) porJue a pr?tica cotidiana desen#ol#e essa atitudeL/*- Yuintiliano
( muito reser#ado em rela!"o ao riso) cuMo uso ecessi#o pelos romanos ele condena) mas
reconIece seu m(rito de desarmar os espíritos/ GO preciso reconIecer Jue ele tem uma for!a
#erdadeiramente superior e irresistí#el /// a ponto de derrotar) com freJuência) o >dio e a
c>leraL/20 Em Institui8o orat<ria$ Yuintiliano testemunIa a uni#ersalidade do riso romano)
Jue) so o termo Qnico de risus$ aarca uma #ariedade de pr?ticas: a dicacitas$ Jue pro#oca
odelicadeCaA
riso atacando
o iocus$ Jue ( oosalsum$
as pessoasA Go do
contr?rio Jues(rioA
tem salLA o facetus$Jue
a urbanitas$ Juetem)
compreende uma certa
#isi#elmente) sua
preferência: GPor isso) entende,se) a meu #er) uma linguagem em Jue as pala#ras) o tom e
o uso re#elam um gosto pr>prio da cidade e um fundo discreto de cultura adJuirida pelo
con#í#io com pessoas instruídasA em uma pala#ra) o contr?rio do rQsticoL/ 2* Todos esses
gêneros) escre#e ele) s"o ilustrados por oradores c(leres: ;aa) o cmico folgaC"o) unius
8assus) o cmico insolente) 6assius Se#erus) o cmico ?spero) Domitius fer) o cmico
gentil/  ufonaria) Gcom contorses de rosto e dos gestosL) e o cmico osceno tam(m
s"o freJuentes) para seu grande pesar/ Yuanto a seu grande modelo) 6ícero) Gele se
empenIou muito em faCer rir) n"o somente fora do recinto Mudici?rio) mas em seus pr>prios
discursosL/22
Uma coisa ( certa: desde suas srcens) os romanos gostam de rir e interessaram,se
por essa pr?tica) esmiu!ada por numerosos escritores/ Eles Gredigiram preceitos sore esse
assuntoL e compuseram compila!es de ditos espirituosos) Jue Yuintiliano e#ita citar: GSe
eu Juisesse destacar) sucessi#amente) todos os ditos espirituosos dos antigos) iria
sorecarregar meu li#ro de eemplos e faCê,lo assemelIar,se $s compila!es para faCer
rirL/23 Ele concorda) contudo) em citar algumas lagues mais aceit?#eis a seu gosto)
especialmente graceMos Iier?rJuicos) de superiores em rela!"o a sualternos . rincadeiras
f?ceis e condescendentes Jue n"o s"o a melIor ilustra!"o da causticidade latina/ ssim)
faCendo alus"o ao costume romano de Mogar moedas aos elefantes) ugusto teria dito a um

*+ FT5N ET) F/) ;599FD) / Les genres littéraires , Rome& Paris: *--0) p/2/
*- YU5NT595NB/ Institui8o orat<ria$ K5) 3) *1/
20 5idem) +/

2* 5idem) */

22 5idem) 3/
23 5idem) </
soldado Jue lIe faCia uma sQplica) tremendo: GN"o aMas como se desses um ?s aos
elefantes[L Sem dQ#ida) s> os cortes"os riram///

# S?TIR#' EX$RESSÃO DO GBNIO RO#NO

O na s?tira Jue desarocIa o #erdadeiro riso romano/  ;r(cia) ( #erdade) conIece


a diatrie) forma agressi#a e amarga de crítica social) desen#ol#ida pelos cínicos no Juadro
de discusses entre mestre e aluno/ Esse gênero) culti#ado por 8íon e enipo de ;adara)
n"o est? ausente em Foma) onde Karr"o o mistura ao gênero local em S4tiras meni!eias&
as) enJuanto a diatrie permanece ligada a uma escola filos>fica) a s?tira atinge uma
dimens"o nacional/ Seus al#os s"o) ao mesmo tempo) morais) sociais e políticos) e seu
espírito) essencialmente conser#ador/ Uma #eC mais) constatamos Jue o riso ( um
instrumento de imoilismo e n"o de ino#a!"o . ao menos so a forma de Comaria/ B
no#o suscita antes a tro!a) no sentido de Jue surpreende) cIoca) Juera a norma e a
con#en!"oA seu aspecto estranIo e desconcertante ( presa f?cil para o espírito cmico: a arte
no#a sempre pro#ocou a Iilaridade do pQlico m(dio/  dist7ncia crítica) necess?ria ao
eercício do riso) ( conJuistada de imediato/ Bra) a sociedade romana ( profundamente
conser#adora) e todospela
asseguram seu sucesso os causticidade
grandes satíricos
rQstica latinos s"o igualmente
e pelo apego $s tradi!es/conser#adores e
Um eemplo flagrante disso ( 9ucilius) considerado o fundador do gênero/ Esse rico
aristocrata do s(culo 55 a/6/) amigo de 6ipi"o Emiliano) denuncia os #ícios e os defeitos
poderosos) mas tam(m todas as ino#a!es nefastas a seus olIos) como os modos orientais
Jue penetram Foma e a in#as"o da língua latina pelos Ielenismos Gao #entoL/ Sua posi!"o
lIe permite atacar impunemente os Iomens mais poderosos) Jue ele ridiculariCa com
insolência e cinismo) como os cnsules 9upus) 6otta e Bpimius/ Defensor das tradi!es
aristocr?ticas) ele se apoia no po#o) Jue seduC pela #irulência de suas arremetidas contra os
ricos/ Essa pr?tica se tornar? cl?ssica nos satiristas reacion?rios: faCer o po#o rir das
ino#a!es das classes dirigentes para manter o #igor delas e aumentar a prote!"o da ordem
socialA desencadear cinicamente um riso cuMas #erdadeiras #ítimas s"o aJueles Jue riem/
]omar das taras dos aristocratas para guardar intacta a for!a da aristocracia) ou Gri melIor
Juem ri por QltimoLA esse ( o sentido das S4tiras de 9ucilius/ S?tiras Jue s"o muito #ariadas
na forma: moraliCantes) familiares) Mo#iais) mas) de preferência) ofensi#as) insolentes)
agressi#as/
Seus seguidores acentuam um ou outro aspecto) segundo seu temperamento/ Se
alguns culti#am apenas esse gênero) raros s"o os autores latinos Jue n"o aordaram a s?tira
num momento ou outro de sua #ida/ Para os latinos) ( uma necessidade Juase #isceral) e
mesmo os muito refinados n"o recuam diante das oscenidades mais cIocantes/ Eis como
o epicurista =or?cio ca!oa da mulIer idosa e apaionada: GBusas me pedir) #elIa podrid"o
centen?ria) Jue gaste
sulcada de rugas contigo
e entre meu #igor)
tuas n?degas Juando
murcIas tens uma
oceMa os dentes pretos)
pa#orosa tua figura
aertura como atoda
de
uma #aca Jue digeriu malZ Por(m) crês poder me ecitar com teu tronco) teus seios
pendentes como as tetas de um Mumento) teu #entre fl?cido) tuas coas gretadas Jue
terminam em pernas incIadasZ /// eu memro n"o est? menor e mais moleZ Para le#ant?,
lo de minIa #irilIa desgostosa) precisarias traalIar com a oca/ /// elIor Jue ningu(m)
reconIe!o um p>lipo por seu cIeiro e sinto o fedor do ode so os so#acos peludos: tenIo
mais faro Jue um c"o de ca!a Jue despista um Ma#ali/ Yue suor escorre sore seus memros
murcIos) Jue odor se espalIa por toda parte Juando) com meu memro l7nguido) ela ainda
Juer) sem descanso) acalmar sua rai#a indom?#el[L/21
 mesma eleg7ncia encontramos em Prop(rcio ao descre#er uma mulIer #elIa:
Gtra#(s de sua pele) contam,se todos os seus ossos/ Escarros sanguinolentos passam pelos
uracos de seus dentesL/ E arcial ironiCa finamente a #elIa TIais) Jue GcIeira pior Jue
um pote de cola) Jue uma 7nfora estragada pela salmoura apodrecidaL/2 dmiremos com

Jue delicadeCa
críticas o poeta
aos Anais 6atulo en#ol#e
de Kolusius) tratados em GIendecassílaos
como falecianosL
cacata carta &Gpapel &ean 8aet' suas
de merdaL'/
 s?tira latina recai de om grado sore os estrangeiros) os gregos em particular) em
Jue Plauto despeMa todos os #íciosA 6ícero Coma deles tam(m em -ro Flacco e ca!oa dos
gauleses em -ro -onteio& as ataca,se) soretudo) a sociedade romana decadente) da Jual
P(rsio denuncia o orgulIo) a a#areCa) a pregui!aA pratica,se) igualmente) a autoderris"o)
como faC o imperador uliano em "iso!ogon &5nimigo da ara') em Jue Coma de sua
feiura) de suas maneiras e de sua rusticidade/

S?TIR# $OLÍTI"# E "#$#"ID#DE DE #UTODERRISÃO

 s?tira) ine#ita#elmente) tinIa de atingir a esfera política/ as) para isso) seria
preciso esperar o aparecimento da opini"o pQlica) emrion?ria) ao menos) para poder
repercutir o riso/ O no momento das guerras pQnicas) em Jue a Juest"o ( a sore#i#ência de
Foma) Jue uma tomada de consciência política se manifesta pelas primeiras Comarias
contra os cIefes militares/ as o eercício ( perigoso) porJue se cIoca com o espírito
legalista e com o consenso tradicional em torno das institui!es/ Nae#ius feC essa
eperiência: foi para a pris"o por ter ousado rememorar um epis>dio ridículo da Mu#entude
de 6ipi"o e por ter escarnecido da família de atellus/ Seu contempor7neo Plauto ast(m,
se) em suas com(dias) de JualJuer ataJue pessoal/ Sua srcem Iumilde n"o lIe permitiria

tais impertinênciasA
re#eses ele se
sociais) a certas contenta)tais
categorias) pois) comosuma
como #er#e etraordin?ria)
cortes"os em do
e os eploradores aferrar,se
po#o/ aos
 (poca das guerras ci#is estimula a #er#e dos satiristas) e alguns ditadores) como
Silla) n"o desdenIam de rir com os comediantes/ 6(sar ( oMeto de numerosas s?tiras) Jue
incidem) em particular) sore sua #ida seual/ Segundo Suetnio)2< ele tolera em as
Comarias Jue o atingem) por eemplo) pelo assunto de suas rela!es com o rei da 8itínia)
Nicomedes/ Dolaella o denomina Go ri#al da rainIa e parceiro íntimo do leito realLA seu
colega cnsul 8iulus fala dele como Ga rainIa da 8itínia) Jue Jueria deitar com um rei e
Jue) agora) Juer ser um delesLA um certo Bt?#io teria saudado Pompeu) pulicamente) com
o título de rei e 6(sar com o de rainIaA 9icinius 6al#us lIe dispara #ersos Cometeiros e
seus pr>prios soldados) durante o desfile triunfal depois da guerra da ;?lia) canta#am,lIe)
a plenos pulmes) seguindo seu carro) uma can!"o Jue tinIam composto:
6(sar desonrou a ;?lia)
e ele o feC pelo rei Nicomedes/

21 =BF65B/ >!odos$ K555/


2 Sore os romanos e a #elIice) #er 5NB5S) ;/ Histoire de la vieillesse& Paris: *-+) pp/ **,*<1/
2< SUET`N5B/ 5n: GQlio 6(sarL) 0idas dos doze #ésares$ 1-,0/
Eis aJui 6(sar) coroado em triunfo
por sua #it>ria gaulesa/
Nicomedes n"o receeu louros)
pesar de ser o maior dos três/
Butra co!la dirige,se aos romanos:
TraCemos de #olta nosso proeneta cal#oA
Fomanos) recolIei #ossas mulIeres[
Todo o ouro Jue lIe Ia#eis confiado
Ser#iu para pagar as putas gaulesas/
6Qrio) o KelIo) Jue cIama 6(sar de Ga puta itínia de NicomedesL) tam(m o trata
de Gmarido de todas as mulIeres e mulIer de todos os maridosL/ Yuanto a 6ícero) ele
escre#e Jue Gesse descendente de Kênus perdeu a #irgindade na 8itíniaL e um dia
interrompeu 6(sar) Jue eplica#a ser politicamente de#edor de Nicomedes: G8asta) por
piedade[ N>s saemos tudo o Jue ele te deu e o Jue lIe deste em trocaL/ B mesmo 6ícero
compe em 11 a/6/,13 a/6/ as feroCes Fil(!icas contra ntonio) mas dessa #eC ele paga com
sua #ida/
So o 5mp(rio) a s?tira política n"o desaparece) mas adJuire um torneio diferente/
Busa,se ridiculariCar o imperador) mas somente depois de sua morte e com a finalidade de

glorificaro osenado
Juando no#o soerano) reaiandode
declara a deifica!"o o predecessor/ ssim)
6l?udio) Sêneca no início
descre#e sua do reino de Nero)
GaooriCa!"oL
&A!ocoloc%ntosis') s?tira urlesca e oscena do defunto: GYuando morreu) ele escuta#a
atores cmicos) assim compreendeis por Jue os temo/ Ele pronunciou suas Qltimas pala#ras
depois de deiar escapar um ruído sonoro de seu >rg"o de comunica!"o Iaitual: b%lautista)
creio Jue soltei um cIio_/ 6ontudo) Jue eu saia) ( o Jue ele fiCera/ Soretudo) cIia#aL/ 2
6l?udio cIega primeiro ao c(u) na esperan!a de ser deificado) mas sua cIegada pro#oca a
indigna!"o dos deuses: GKendo essa estranIa apari!"o) essa marcIa iCarra) ou#indo essa
#oC grosseira e incompreensí#el Jue parecia pertencer mais a um monstro marinIo Jue a
uma criatura terrestre) =(rcules acreditou Jue seu *3R traalIo cIegaraL/2+ Surge o deate
sore a pertinência de deificar semelIante criaturaA ugusto fica indignado: GYuereis
deificar
nasceu[ tal
Se IomemZ asdeolIem
ele ( capaC essetrês
articular corpo[ Bs deuses
pala#ras ficaram
coerentes) escandaliCados
Juero Juando
me tornar seu ele
escra#o[
as Juem adoraria semelIante deusZ Yuem creria neleZL/2- 6om a deifica!"o sendo
reMeitada por unanimidade) 6l?udio cIega ao inferno) onde encontra todos os GamigosL Jue
mandara assassinar e Jue lIe reser#am uma acolIida mo#imentada/ GYuando os #iu)
6l?udio gritou: bEstais todos aJui) meus amigos[ 6omo cIegastesZ_ Pedro Pompeu lIe diC:
b]omas de n>s) seu astardo cruelZ Busas perguntar comoZ as Juem nos teria en#iado
para c? sen"o tu) carrasco de todos os amigosZ_L30
u#enal utiliCa) um pouco mais tarde) o mesmo procedimento em rela!"o a
Domiciano) acusado de tirania) de deocIe e de crueldade em sua s?tira 1/ No#amente)
escre#endo #inte anos depois da morte desse imperador) ele procura enorecer a no#a
dinastia denegrindo a precedente/ Daí a an?lise de Susanna 8raund: G6ontrariamente $s

2 SNE6/ A!ocolosintose$ 1) 2,3 &ed/ P/ T/ Eden) 6amridge: *-+1'/


2+ 5idem) ) 2,3/
2- 5idem) *3) 3/
30 5idem) *3) </
aparências) a s?tira política romana antes desafia o status quo e sustenta o regime da (poca)
Jue ( sempre definido pela referência aos regimes precedentes/ 5sso est? de acordo com a
tendência romana a #er o mundo como e=em!la positi#os ou negati#os) modelos de conduta
a imitar ou a e#itarL/3*
 s?tira política em Foma s> tem como finalidade a defesa das tradi!es e da ordem
estaelecida/ So sua forma mais antiga) antes mesmo da escrita) ela ( praticada por meio
de cantos e #ersos de ironia dirigidos a magistrados e generais #encedores) para lemr?,los

de Jue)rural
senso apesar de sua grandeCa)
c?ustico) #isando aeles continuam
eJuilirar Iomens/ecessi#a
a ealta!"o O ainda uma
dosmanifesta!"o do om,
grandes Iomens) ou
assim considerados) Jue teriam tendência a Gter cae!a grandeL/ O uma saedoria rQstica
epressa de maneira escarnecedora) transcri!"o familiar do vanitas vanitatum ílico: o riso
como antídoto ao orgulIo e $s pompas Iumanas/
Tito 9í#io deu numerosos eemplos dessas manifesta!es de derris"o Jue
acompanIam o desfile de triunfo dos #encedores) depois do s(culo K a/6/) e a antiguidade
desse uso ( confirmada por Dionísio de =alicarnasso: GO e#idente Jue essa pr?tica) nos
triunfos) dessa esp(cie de di#ertimento) em Jue o urlesco ocupa#a lugar) era costume desde
os primeiros s(culos entre os romanos/ O uma lierdade) permitida ainda IoMe $Jueles Jue
seguem a pompa triunfal) de diCer improp(rios $s pessoas de em) sem poupar nem seJuer
os generais de e(rcito/ /// Esses tra!os satíricos eprimem,se em #ersos compostos nos
campos de atalIaL/32  tradi!"o prossegue so o 5mp(rio) como o testemunIa arcial em
seus 1!igramas$ no fim do s(culo 5: GKossos triunfos têm o I?ito de tolerar as rincadeiras)
e um general nem enruesce por fornecer mat(ria aos moteMosL/33
Kimos um eemplo com Qlio 6(sar Jue) de acordo com Dion 6assius) tenta
#agamente protestar) mas ( reduCido ao silêncio pelas pilI(rias/ O uma cena espantosa essa
do di#ino 6(sar) em p( em seu carro) de tQnica pQrpura) com a toga salpicada de estrelas de
ouro) cetro em uma das m"os e ramos de louro na outra) sofrendo) $ guisa de Iinos de
lou#or) risos grosseiros e cantos oscenos de seus legion?rios) Jue o cIamam de pederasta/
O uma marcante ilustra!"o do poder do riso nos romanos/ B costume se ritualiCa pouco a
pouco) o Juefica
profissional) eplica seu do
ao lado sentido profundo:
#encedor por ocasi"o
e lIe repete: do triunfo)
GBlIando um lemra,te
para tr?s) escra#o) cmico
de Jue
n"o (s mais Jue um IomemL) enJuanto a multid"o grita improp(rios/
Tam(m surpreendente) a nossos olIos) ( a pr?tica da derris"o do defunto) Juando
de suas e(Juias/ GEu #iL) escre#e Dionísio de =alicarnasso) Gnas pompas fQneres dos
grandes Iomens) principalmente aJueles cuMa #ida foi feliC) coros de s?tiras Jue precediam
o f(retro e mescla#am o canto $ dan!aL/ 31 Bs imperadores n"o escapam $ regra/ No corteMo
fQnere) um uf"o) o mimus$ di#ertia a multid"o imitando os re#eses do desaparecido/
Suetnio relata como o uf"o %a#or) le#ando a m?scara de Kespasiano e arremedando suas
atitudes) ridiculariCa a a#areCa do morto durante seus funerais: ele pergunta Juanto custa a
cerimnia e declara preferir Jue lIe deem uma parte da soma e Moguem seus restos no

3*
8FUND) S/ GParadigms of poer: Foman imperors in Foman satiresL/ 5n: Humour and Histor%& Bford: ed/ / 6ameron)
*--3) p/</
32 D5BNjS5B D=956FNSSB/ Antiquités romaines$ K55) 2/

33 FT59/ 1!igramas ) 5) 1) 3,1/


31 D5BNjS5B D_=956FNSSB/ op/ cit/) K55) 2/
Tire/3 B riso persegue os poderosos at( a morte: ( o contrapeso ao culto imperial) Jue n"o
engana os romanos/  deifica!"o dos imperadores ( um símolo de Iumor político Jue
apenas os modernos le#aram a s(rio/
De modo geral) os estudos cl?ssicos têm suestimado a capacidade dos romanos/
5sso se constata no uso da par>dia) da Jual os gregos fiCeram tanto apan?gio/ Estes M?) desde
o s(culo K a/6/) parodiaram =omero) as f?ulas mitol>gicas e at( certos fil>sofos/ Em
Foma) Plauto e Terêncio utiliCaram o procedimento do pasticIe) =or?cio usou o do

pindarismo
desce at( osegrafites
Petrnioraiscados
multiplicaa as reminiscências
car#"o) liter?rias
como aJueles em Satiricon&
encontrados as a par>dia
em Pompeia) Jue s"o
G$ maneira deL Kirgílio e de =or?cio/ Esses #ersos da 1neida ou das .uc<licas$ decorados
pelas crian!as) permitiam Jue o pasticIe fosse apreciado mesmo por um pQlico popular)
cuMa capacidade cultural e aptid"o para a ironia s"o superiores ao Jue se tem dito/
Dois nomes ficaram como símolos da s?tira romana no s(culo 55: u#enal e arcial/
6ontudo) seus risos s"o muito diferentes/ o passo Jue arcial ( descontraído) u#enal (
crispado) eplodindo de indigna!"o diante dos #ícios de sua (poca/ Ele Gn"o sae rir e)
Juando tenta faCê,lo) seu sorriso transforma,se num ricto sard>nico ou s?dicoL/ 3< Suas
in#ecti#as) seus sarcasmos pro#ocam um riso amargo contra a degrada!"o moral/ Na s?tira
3) ( epulso um espectador pore Jue) no teatro) se sentara) por engano) num lugar destinado
aos ricos: GYue ele saia) se tem algum pudor[ Yue se le#ante das anJuetas reser#adas aos
ca#aleiros aJuele Jue n"o tem o censo eigido pela lei[ Yue ele deie esses lugares para os
filIos dos prostituídos) nascidos em JualJuer ordel[L/
Entretanto) esse riso moraliCador da s?tira romana torna,se mais difícil so o
5mp(rio) Juando a par>dia das classes dominantes pode ser punida com a!oite ou
animento/ Ent"o a #er#e cmica) #oltando,se para si mesma) degrada,se em ditos
espirituosos) preciosismos) Mogos de pala#ras para pQlico esnoe/ Esse defeito) Jue $ sua
maneira tam(m testemunIa a cultura do riso) M? est? presente na grande (poca em Jue)
6ícero o reconIece) Go s?io preferiria colocar em sua oca uma rasa acesa a guardar para
si um dito espirituosoL/ B romano n"o resiste $ tenta!"o de um Mogo de pala#ras) um
trocadilIo) aos Juais
6atulo) tornam,se uma língua
I?itoAsecom
presta t"o em/
B#ídio) uma6ícero sucume
osess"o/ a isso muitas
 preciosidade) #eCesApelas
o gosto com
proeCas da linguagem) pelas aud?cias sint?ticas faCem com Jue Plínio) o o#em) diga a
respeito de um orador de estilo límpido: GEle s> tem um defeito) o de n"o ter defeitoL/ 6om
Sidnio polin?rio) enfim) o riso c?ustico e agressi#o dos primeiros latinos termina seu
percurso totalmente aprisionado e reduCido ao estado de um ornamento inofensi#o e #"o/

O L#DO NEGRO DO RISO RO#NO! O GROTES"O

B riso romano tam(m tem outra especialidade: o grotesco/ as) ao passo Jue o
espírito c?ustico pode ser considerado natural e srcin?rio) esse no#o elemento ( cultural)
ligado a um certo desen#ol#imento da sociedade latina/ =istoricamente) ele aparece no
primeiro s(culo de nossa era) logo ap>s as atrocidades e turulências políticas e sociais da

3 SUET`N5B/ GKespasianoL) *-/


3< FBDF5;UE] 9E5D) E/ Gartial,u#enal: entre castigatio !er risum et censura morumL& 5n: Le rire des anciens$ op/ cit/)
p/ *1*/
Foma repulicana/ So muitos aspectos) o grotesco se alterna com a ironia rQstica/ B riso
deocIado) rai#oso) com finalidade moraliCante e conser#adora) Jue Coma dos #ícios e
das coisas no#as) ( sucedido por um riso inJuieto e perturador) Jue pro#oca mal,estar e
#ai muito al(m do riso urlesco/ Esse riso ( franco) simplesmente in#erte as coisas de forma
tempor?ria/ B riso grotesco surge de uma rea!"o de medo diante da realidade Jue por
momentos se deforma) perde sua estrutura racional) tranJuiliCadora) tornando,se
monstruosa/ Esse tipo de alucina!"o lQcida tal#eC pare!a engra!ado) mas Gpode acontecer
Jue o grotesco se distancie inteiramente dos registros cmicos) e) se o riso aparece) ( um
riso de Iisteria e IorrorL) escre#e 9ouis 6alleate) Jue ainda acrescenta: GB riso grotesco
n"o ( meramente uma rincadeiraA mal,estar) inJuieta!"o) at( medo est"o largamente
associados a eleL/3 B grotesco surge) em geral) na seJuência das agita!es políticas e
sociais Jue in#erteram a ordem GnaturalL das coisas e Jue nos le#am a ter um olIar no#o
sore o mundo: este se desestrutura) decompe,seA seus elementos fundem,se uns nos
outros) recompem,se de forma monstruosa e ridícula/ Diante desse mundo inst?#el)
incerto) desconcertante) o espírito Iesita e) se se decide pelo riso) ( um riso seco) Juase sem
alegria/ Petrnio ( o primeiro grande artista do grotesco/ Seu Satiricon permanece uma ora
misteriosa) da Jual susistem fragmentos em Jue se misturam a magia) o erotismo) o
osceno) o elo e o feio) em uma Gtransgress"o cominada a uma est(tica da Iarmonia)
3+
ruptura estaelecida
transgress"o das leis com uma podem
naturais ordem faCer
da natureCa
rir) masJue
( orefuta o ins>litoL/
riso do diao) Jue seper#ers"o
compraC eema
misturar tudo para nossa confus"oA e esse riso) como o do personagem Yuartilla) pro#oca
medo: G8atendo as m"os) ela eplodiu num riso t"o forte Jue ficamos amedrontadosL/
=or?cio M? Ia#ia eplorado essas regies neulosas em Jue se apagam os limites
entre as categorias Iaituais) em Jue o Iorror torna,se cmico) e o risí#el) Iorrí#el/ s cenas
de feiti!aria prestam,se em a essa alJuimia) como a do li#ro 5 das S4tiras& Yuase dois
s(culos mais tarde) puleio desen#ol#e o tema em As metamorfoses$ título re#elador de um
mundo inst?#el em Jue tudo ( possí#el e todas as referências e #alores desapareceram/
Nessas a#enturas grotescas) n"o I? em nem mal) elo nem feio) mas simplesmente
perip(cias Jue determinam um riso emara!ado e #agamente perturador/ O um romance
dia>lico) a come!ar por seu Ier>i) M? Jue se trata das triula!es de um asno) animal Jue
encarna os maus instintos) as for!as mal(ficas) a sensualidade desenfreada/ Silênio) filIo de
Pan) ca#alga um asnoA muitos romanos acreditam Jue os Mudeus adoram o asno) e o famoso
grafite do s(culo 555) representando um asno crucificado) permanece um enigma) como
#eremos/ B imagin?rio crist"o ser#e,se muito) ali?s) desse JuadrQpede: o asno do pres(pio)
o asno da fuga do Egito) o asno da entrada em erusal(m) o Jue poderia significar a
domestica!"o das for!as do mal/ Para os egípcios) ( tam(m o animal de SetI) deus
respons?#el pela morte de Bsíris/ 9Qrico e demente) ele simoliCa as for!as oscuras da
natureCaA sua gritaria e#oca a cacofonia) o caos) o oposto da Iarmonia da idade de ouro .
( um riso Iediondo e osessi#o/

O ume romance
riso) medo morte/ Bdia>lico
riso est? tam(m pelado
no cora!"o confus"o
relatoA de
e aígêneros) pela G8rreno
( cultuado/ íntima mistura de
me diC:
bmanI" ( o dia de uma festa instituída desde as srcens de nossa cidade nessa (pocaA entre
todos os mortais) s> n>s in#ocamos o santo deus Fiso) segundo um rito agrad?#el e pr>prio

3 699E8T) 9/ GB grotesco na literatura latinaL/ 5n: Le rire des anciens$ op/ cit/) pp/**0 e *03/
3+ 5idem) p/ *03/
para ecitar a alegria_L/3- as essa alegria ( amígua) sempre misturada ao medo: assim
como Juando 9ucius) implicado em um caso criminal) ( condenado $ morte) surgem risos
contra o infeliC Juando lIe re#elam Jue se trata de uma lague/ s des#enturas de Telifr"o)
mutilado pelas feiticeiras) sem nariC e sem orelIas) n"o s"o uma pilI(ria e) no entanto)
pro#ocam uma eplos"o de riso: GBs assistentes apontam com o dedo) meneiam a cae!a
para me designarA enJuanto ficam #ermelIos de rir) eu passo entre as pernas dos #iCinIos
ao meu lado e escapo) suando frioL/

P(rsio
aparências/ e u#enal
 tomada tam(m praticaram
de consciência o do
do ridículo) grotesco) $ procura
monstruoso de algopro#oca
e do asurdo al(m um
das
solu!o ca>tico e congelado Jue s> tem as características físicas do riso: G5nstrumento de
arte) #is"o desestruturada do mundo) mas tam(m constru!"o de um uni#erso Jue se Juer
total) o grotesco constitui o instrumento eficaC de uma an?lise lQcida) $s #eCes risí#el) mas
cruel) do Iomem asurdo de todos os temposL/ 10 O por isso Jue o cmico grotesco s>
aparece num est?gio tardio da e#olu!"o de mentalidades e da cultura em dada ci#iliCa!"o/
Fesulta da constata!"o de Juanto o mundo ( incompreensí#el) constata!"o consecuti#a a
traumatismos coleti#os Jue trincaram a facIada l>gica das coisas e deiaram entre#er) atr?s
das aparências) uma realidade proteiforme) sore a Jual n"o temos mais controle/ B riso
grotesco incide sore a pr>pria essência do real) Jue perde a consistência/ O uma #erdadeira
desforra
reduCida do
ao diao)
estado uma #eC Jue
de ilus"o/ oele pul#eriCa
lado do riso airnico)
ontologia) desintegradoa asurdo)
constata!"o cria!"o di#ina)
o riso
grotesco ( a constata!"o do n"o lugar: dois risos cererais) reduCindo o ser ao asurdo e $
aparência/
B primeiro () de preferência) grego) mais intelectual) mais filos>fico) mais sensí#el
ao car?ter irracional e il>gico da realidade/ B segundo () antes) romano) mais pr?tico) mais
sensí#el $ dissipa!"o do concreto) das leis físicas do mundo material/ Para os dois) o cmico
irrompe pelas recIas da facIada s(ria das coisasA mais Jue recIas) uracos Jue se arem
na tetura l>gica ou sensí#el do ser/ Por essas aerturas) percee,se o outro lado) e o cIoJue
sacode,nos ner#osamente: esse riso ( o grito de surpresa de um Iomem a Juem o caos e o
nada acaam de assaltar/

O RISO )ESTIVO D#S S#TURN#IS E D#S LU$ER"#IS

 esses risos de intelectuais ope,se o riso popular das festas coleti#as/ as ele n"o
teria tam(m um sentido GsorenaturalLZ Di#ino ou dia>licoZ Duas festas) soretudo)
cIamam a aten!"o: as saturnais e as lupercais) em Jue o riso ( o elemento essencial/
Etn>logos e Iistoriadores s"o Juase un7nimes Juanto a sua significa!"o/ s saturnais) de
início limitadas a um Qnico dia &o *1 das calendas de Maneiro) isto () * de deCemro) antes
do calend?rio Muliano') depois estendidas a três dias &de * a *- de deCemro' e) por fim) a
uma semana
a dura!"o do &de
ano* a 23Jue
lunar) de deCemro') s"oaodestinadas
ser#e de ase calend?rioaoficial)
preencIer a lacuna
e a do eistente
ano solar) entreo
Jue rege
calend?rio dos traalIos agrícolas/ Esses poucos dias representam um #aCio) um período
rouado $ dire!"o de ]eus) soerano atual dos deuses e dos Iomens) e durante o Jual

3- PU9E5B/ ) asno de ouro ou As metamorfoses$ 55) 3*/


10 699E8T) 9/ op/ cit/) p/ ***/
6ronos,Saturno) o senIor do tempo) retoma sua posi!"o dominante/ B reino de Saturno foi)
segundo os mitos) a idade de ouro/ Trata,se) portanto) de um retorno mítico a essa (poca
feliC e desaparecida) (poca de igualdade) de aund7ncia) de felicidade/  alegria propiciada
por esse retorno peri>dico manifesta,se pelo riso) e o riso alimenta,se dos rituais e das
pr?ticas Jue acompanIam essas festas/
De início) s"o rituais de in#ers"o/ Tudo acontece ao contr?rio) M? Jue o tempo est?
in#ertido/ 5n#ers"o do dia e da noite: tocIas e lanternas em pleno dia) presas $s facIadas

das casas
durante no diaSaturno
a noite/ lR de ManeiroA aclama!"o
era) ali?s) associadodea um Gno#o
anus) solLifronte)
o deus $ meia,noiteA
de duascantos e dan!a
faces) olIando
para a frente e para tr?s/ 5n#ers"o de seos: os Iomens #estem,se de mulIer e cantam com
#oC de falsete) significando o retorno ao Iermafroditismo primordial/ 5n#ers"o social: todo
mundo usa o cIap(u de lierto) o !ileus libertatisA os escra#os comem com os senIores e
podem dar,lIes ordens/ =? uma ilustra!"o disso na segunda s?tira de =or?cio) em Jue o
autor se faC criticar por seu escra#o em uma discuss"o sore a loucura/ 5sso #ai at( a
in#ers"o da linguagem) com a utiliCa!"o de um #erdadeiro Marg"o) produCindo efeitos
cmicos: GEssas festi#idades di#ersas aparecem como a epress"o do tempo in#ertido/
Durante *2 dias) em Jue grosserias e oscenidades s"o de preceito) ri#aliCam,se tam(m
can!es par>dicas) fac(cias e Mogos de pala#ras/  pr?tica da blíngua #erte_ & vertere 
#oltar')
pro#ocaremo Jue
riso)secomplemento
in#ertem letras e sílaas e emdesses
indispens?#el Jue serituais)
deturpaelemento
o sentidodeterminante
das pala#ras)nesse
de#e
período capital para a circula!"o das almasL/1*
B processo de in#ers"o e derris"o dura at( a elei!"o de um rei cmico) Jue de#e
faCer rir e tem toda a licen!a durante uma semana/ Esse costume s> aparece com o 5mp(rio/
T?cito conta Jue Nero teria sido eleito) uma #eC) por seus alegres companIeiros e apro#eitou
para ridiculariCar 8ritanicus: GDurante a di#ers"o das saturnais) os Mo#ens Moga#am dados
para saer Juem seria o rei) e Nero ganIouA ele lIes deu ordens emara!antes/ Brdenou a
8ritanicus Jue #iesse se colocar no meio deles e cantasse uma can!"o/ Nero espera#a
pro#ocar riso $ custa do Mo#em rapaC) porJue 8ritanicus n"o tinIa por I?ito participar de
reunies s>rias) Jue dir? daJuelas em Jue se podia eerL/ 12 Em outros círculos) a elei!"o
do rei mistura o tr?gico com o cmico: o eleito era um escra#o ou um condenado $ morte)
eecutado no fim de semana de licen!a/ Segundo um documento crist"o tardio) )s atos de
s8o 34sio$ na armada elegia,se um Mo#em recruta Jue era) em seguida) eecutado/ Sem
dQ#ida) trata,se de um eagero) Jue #isa demoniCar esse costume) do Jual os crist"os se
recusam a participar/ De acordo com o documento) D?sio teria sido eleito) so Diocleciano)
para a armada do DanQio e decapitado por se recusar a desempenIar seu papel/13 Essa
elei!"o de um rei confundir,se,?) mais tarde) com a entroniCa!"o do Grei da fa#aL) designado
por sorteio so a forma de uma fa#a em um rodíCio/
Tam(m Ia#ia o I?ito de faCer olos . o Jue) no meio do in#erno) ( tam(m uma
forma de in#ers"o) um retorno ao tempo do leite e do mel) do Jual Saturno passa por
in#entor/ Segundo acr>io) os cireneus celeram seu culto coroando,se de galIos de
figueira e en#iando olos uns aos outros/ Bferecem,se as sigillaria$ peJuenas onecas de
argila ou pasta) com forma Iumana) e o Grei da fa#aL) eleito em < de Maneiro) estaria na

1* #arnavals et mascarades$ so a dir/ de D_9) P/ ;/ e 8B5TEUV) / Paris: *-++) p/1/


12 T65TB/ Anais$ V555) *1/
13 6UBNT) %/ GBs atos de S"o D?sioL/ 5n: Analecta .ollandiana$ VK5) *+-/
srcem do ritual cmico do Grei eeL: aJueles Jue n"o se associam a esse grito e a essa
pr?tica s"o lamuCados de preto) negro como a noite de lua no#a/ B riso coleti#o da festa
sempre te#e esse lado origat>rio e intolerante/
l(m disso) na noite de 3* de deCemro ou lR de Maneiro) #estem uma fantasia de
cer#o ou cara sel#agem para participar da mudan!a do tempo) $ imagem dos cer#ídeos)
cuMos cIifres caem e repontam cada ano/ Usam,se m?scaras) Jue podem ser#ir para espantar
os demnios ou a alma dos mortos) como lemra ;eorges Dum(Cil: Gs figuras de

mascarados)
entre Jue #"oseres
outras coisas) do solstício do in#erno
informais: ao eJuin>cio
ou as almas da prima#era)
dos mortos s"o Juase
ou os demnios sempre)
guardi"es ou
carrascos das almasL/
Ser? Jue todas essas moti#a!es) elucidadas por nossos perspicaCes etno,soci>logos)
est"o conscientes nas multides romanas Jue se agitam alegremente nas saturnaisZ
Ningu(m o sae/ =? uma Qnica certeCa: o riso est? por toda parte) osedante) origat>rio)
tir7nico/ Tudo contriui para isso: a licen!a) a in#ers"o) as m?scaras) o #inIo/ ais Jue uma
festa de Saturno) ( uma festa do riso) e) como em todas as festas) o riso ( mais ruidoso
Juando n"o se sae do Jue se ri/ B retorno $ idade de ouro primordial ( o retorno ao riso) e
o riso retira o indi#íduo de seu amiente cotidiano) transgride os limites e as regras/ O um
riso,e#as"o Jue) como o riso grotesco) aniJuila o mundo real) anula o tempo/ Para Jue a
ilus"o seMa completa) ( preciso eliminar os refrat?rios) os mantenedores do mundo s(rio)
Jue) com sua face gra#e) lemram aos folies Jue sua festa ( uma mentira/ O preciso sug?,
los) lamuC?,los) Comar deles) sumergi,los no riso coleti#o dissol#ente/ N"o I? nada mais
intolerante e impiedoso Jue uma assemleia de pessoas Jue riem/
Se o riso das saturnais ( um retorno $ idade de ouro) o riso das lupercais ( o
renascimento para uma #ida no#a) melIor/ Essas festas) no meio de fe#ereiro) d"o lugar a
um ritual estranIo em Jue o riso ocupa um lugar central) codificado/ Plutarco) relatando
esse costume) n"o compreende mais seu sentido/ G=? coisas e costumes cuMa causa e srcem
s"o difíceis de conMeturar: porJue se matam caras e traCem Mo#ens de famílias nores Jue
s"o tocados) na fronte) com a faca mancIada do sangue das caras imoladas e) em seguida)
enugam,nos
secam a fronteAcom
feitol"isso)
molIada no oleite)
corta,se couroe os
dasrapaCes
caras) de#em
faCendocome!ar
correiasacom
rir depois
ele/ ElesJue lIes
pegam
as correias nas m"os) saem correndo pela cidade) nus) eceto por um pano Jue lIes core
as partes íntimas) e atem com essas correias em todas as pessoas Jue encontram em seu
caminIo/ as as mulIeres Mo#ens n"o fogem deles) mas ficam feliCes por ser surradas)
acreditando Jue isso as aMuda a engra#idar facilmenteL/11
B Jue significa esse risoZ Plutarco cita as interpreta!es de sua (poca/ Segundo o
poeta 8utas) trata,se da reminiscência da alegre carreira de Fmulo) depois de sua #it>ria
sore mulius/ Uma eplica!"o t"o anal n"o poderia satisfaCer nossos contempor7neos)
ciosos da psicologia das profundeCas/ Para Salomon FeinacI) o riso das lupercais significa
a eplos"o da alegria Jue o renascimento propicia) depois do simulacro do sacrifício
representado pelo epis>dio das caras e da marca da faca ensanguentada sore a fronte/ Para
apoiar essa tese) esse autor assinala a eistência de ritos de inicia!"o similares na frica
central/  aproima!"o com o epis>dio ílico de 5saac ( tam(m esclarecedora) Juando se
pensa Jue 5saac) em Iereu) significa GaJuele Jue riL/

11 P9UTF6B/ GR/muloL& In: 0idas de homens ilustres$ trad/ mot) VVV555/


 eplica!"o para o riso como signo de renascimento ( tanto mais #erossímil porJue
encontramos entre os gregos os mitos) como o de Dem(ter) Jue #"o no mesmo sentido/
Tanto o riso de retorno $ #ida como o riso de retorno $ idade de ouro demonstram Jue o
riso coleti#o organiCado tem um #alor m?gico de sal#a!"o) Jue nos faC escapar)
pro#isoriamente) do mundo real/ B Jue n"o ( assunto para as autoridades deste mundo: as
saturnais desaparecem na (poca do 8aio 5mp(rio) Juando o poder político se torna
totalit?rio/ GB opressor n"o se compe com o riso: ( a Iomenagem Jue ele presta ao seu
poderL) escre#e aurice 9e#er/ 1
Em JualJuer (poca) o poder político n"o fica $ #ontade diante da festa como
atualiCa!"o do mito/  dimens"o sorenatural do acontecimento o ultrapassa e lIe proíe
as inter#en!es autorit?rias Jue teriam ares de sacril(gio/ as os riscos de eacera!"o o
inJuietam/ Ent"o ele fia limites cronol>gicos) restringindo as festi#idades a um período
preciso) e esses parênteses festi#os terminam por refor!ar o estado de coisas eistentes:
festas de um retorno mítico ao caos srcinal) permitindo reMeitar a cria!"o da ordem pela
condena!"o $ morte do uf"oA festas de um retorno mítico $ idade de ouro) permitindo
representar o mundo $s a#essas) confirmando em negati#o a ideia Iier?rJuica e reintegrando
o real pela eecu!"o do rei cmico/ De JualJuer forma) o riso ( a manifesta!"o desses
retornos) seMa ao caos) seMa $ idade de ouroA ele rompe a trama cerrada da #ida cotidiana e
assegura,se de sua
pontes permite solideC
canaliCar as diante
ondas das for!as animais)
tumultuosas instinti#as
e atra#ess?,las sem.dificuldade)
assim como aoopasso
arco Jue
das
uma muralIa compacta cederia so a press"o/

O RISO "#T?RTI"O D# "ODI#

 com(dia latina desempenIa um papel Juase idêntico) ao mesmo tempo cat?rtico e


conser#ador/ Em *-3) 9uciano Perelli) em Il teatro revoluzionario di 5erenzio$ sustentou
a tese contr?ria a prop>sito das pe!as de Terêncio) Jue alan!am a moral urguesa
tradicional) oicotam) pela ironia) a psicologia conser#adora e sugerem no#as rela!es
familiares) aseadas na autonomia pessoal/ as essa posi!"o ( ecepcional: a maior parte
dos críticos concorda em #er) na com(dia romana) um gênero conser#ador Jue ataca os
di#ersos #ícios e defeitos) seMa ridiculariCando,os) seMa propiciando,lIes um eut>rio para
uma realiCa!"o imagin?ria/
Dois eemplos ilustram esse ponto/ De início) a import7ncia) nas com(dias latinas)
do escra#o epedito) astuto) Jue engana) com sucesso) seu dono/ O ele) na #erdade) o
#erdadeiro Ier>i de #?rias pe!as Jue) nesse sentido) se aproimam do espírito do mundo $s
a#essas das saturnais/ 6ertamente) trata,se de pe!as com personagens gregos) uma maneira
de estaelecer dupla dist7ncia com os costumes representados: ( n"o somente fic!"o) mas
fic!"o estrangeira . n"o I?) portanto) com Jue se assustar) parecem diCer Plauto e Terêncio)
os melIores
!allium') Jue representantes desta
se ope $ fabula fabula
togata !alliataTitus
de Titinius) &atores
tta)#estidos $ moda
franius) grega) em
mais tri#ial) comJueo
os atores usam togas/ Essas com(dias) pode,se ler em um manual de literatura latina)
Gmimando) de forma lQdica) o Jue poderia ter sido uma autêntica re#olu!"o social)
asseguram) na realidade) uma fun!"o bcat?rtica_ de alí#io coleti#o) do Jual a ordem social
1 9EKEF) / Le Sce!tre et la marotte& Histoire des fous de cour& Paris: *-+3) p/*-/
saía) afinal de contas) refor!ada) pelo simples fato de Jue os deseMos re#olucion?rios latentes
eram benganados_ por esse simulacro de realiCa!"o Jue lIes ser#ia de eut>rioL/ Na (poca
do 8aio 5mp(rio) o poder político reagia com desconfian!a) proiindo Ga apresenta!"o de
personagens de escra#os mais inteligentes Jue seus senIoresL) diC,nos Donato/
 segunda ilustra!"o da fun!"o cat?rtica do riso na com(dia latina ( a contesta!"o
do poder desp>tico do !ater fam(lias$ Comado) ridiculariCado no papel de #elIos a#arentos
e lQricos Jue monopoliCam o dinIeiro e as mulIeres/ Em ) mercador$ de Plauto) surge

Demifon)
#elIo #elIo apaionado
da mesma pela amante
casta/  intriga gira emde torno
seu filIoA ele ( aMudado
do conflito por 9isímaco)
de gera!es) outro
das paies
desregradas do pai #isando pri#ar o filIo de suas legítimas satisfa!es/ No fim da pe!a)
edita,se uma lei no#a) certamente conforme aos deseMos dos Mo#ens romanos da (poca:
GTodo Iomem com idade de sessenta anos) casado ou mesmo . 5rra[ . celiat?rio) se
souermos Jue ele corteMa as mo!as) n>s o perseguiremos em #irtude da dita lei:
decidiremos Jue ele ( apenas um tolo) e ainda mais) M? Jue ele depende de n>s) a indigência
aguardar? esse dissipadorL/1<
Feencontra,se esse tema em Asinaria$ em Jue outro #elIo liidinoso) Demeneto)
procura deitar,se com a amante de seu filIo/ #asina retoma o mesmo tipo de Ier>i:
9isidamo) #elIo lQrico) ama a mesma mulIer Jue seu filIoA ele en#ia este ao eterior e)
durante esse tempo) faC Jue a mo!a se case com seu feitor) Jue ele lierta) com a condi!"o
de poder deitar,se com a ela/
Butro grande defeito da #elIice ( a a#areCa/ \nico propriet?rio de todos os ens da
família) o !ater fam(lias decide sore eles como em entende) at( morrer) e seus filIos se
enfurecem por n"o poder dispor de mais dinIeiro para satisfaCer as pr>prias necessidades)
especialmente com as mulIeres/  com(dia #ai lIes mostrar como oter as somas deseMadas
enganando o #elIo pai/ Em 1!idicus$ o #elIo Perifano) Jue ( um s?io) tem seu dinIeiro
rouado pelo escra#o Epídico) Jue est? a ser#i!o de seu filIoA um amigo de Perifano)
pecides) tam(m ( #ítima de uma mistifica!"o/  mesma intriga ocorre em -seudolus$ em
Jue o #elIo Sim"o ( #ítima de um escroJue) um escra#o a ser#i!o de 6alidore) Jue precisa
de dinIeiro
cIamado para pagar
Euclion) duro uma mulIer/
e cIeio Aulularia
de suspeitas/ Empe
"iligualmente em cena
gl<rias aparece) um um
enfim) #elIo a#arento
#elIo om)
Periplectomeno) mas seu retrato ( o negati#o daJuele do #elIo comum) cuMa conduta () uma
#eC mais) fustigada/ G mesa) eu n"o assusto as pessoas com minIas discusses sore
assuntos pQlicosA Mamais) durante um Mantar) desliCo a m"o sore o #estido da mulIer Jue
est? ao meu ladoA n"o me apresso em pegar os pratos ou a ta!a antes de meus #iCinIosA o
#inIo nunca me ecita a ponto de procurar riga no meio de um anJuete/L
 grande Juantidade de #elIos nas com(dias de Plauto re#ela a import7ncia do
prolema social Jue constitui a #elIice no início do s(culo 55 a/6/ Todo,poderoso) o Iomem
#elIo ( detestado/ Em muitas famílias) espera,se sua morte com impaciência) uma #eC Jue
ela ser? uma lierta!"o para os familiares/ O esse aspecto Jue Terêncio pe em cena em )s
adelfos&
Essa ostina!"o contra o !ater fam(lias idoso d? a medida do conflito de gera!es
produCido pelo costume romano/ aria =anes relacionou as epresses mais utiliCadas
por Plauto e Terêncio para Jualificar esses #elIos d(spotas/ S"o) por ordem: GimundoL) Gcor

1< =NES) / S/ GTIe supposedl golden age for tIe aged in ancient FomeL/ 5n: 5he Cerontologist$ 555) *-<3/
amarelaL) GI?lito fedorentoL) Gfedendo como um odeL) Gcaelos rancosL) G#entre
salienteL) GJueio deformadoL) Gp(s cIatosL) Gs>rdidoL) GoscilanteL) GdoentioL)
GdescarnadoL) Gdorado em doisL) GtrêmuloL) Gl?ios caídosL) Gresmunguento e
deformadoL) Gfeia coisa #elIaL) GmurcIoL) GusadoL) GfrouoL) G#elIa carca!a decr(pitaL)
Gtagarela estQpidoL/
Esse massacre e#oca um alí#io coleti#o pelo riso) um riso agressi#o Jue ser#e de
eut>rio e contriui) na realidade) para consolidar o poder do !ater familias& Tam(m ( essa

a conclus"o
autores de aria
de teatro =anes:
romanos podeGserraC"o da etraordin?ria
compreendida bpersegui!"o_
se a#aliarmos o imensoaospoder
#elIos
do pelos
!ater
familias&  re#olta aerta ou mesmo o ressentimento dos Mo#ens contra esse sistema eram
muito arriscados) podendo resultar em condena!"o $ morte do filIo audacioso) pelo MuiC de
poder ilimitado) o !ater familias& Por essa raC"o) ( mais Jue natural Jue a cena tenIa sido
utiliCada para epressar os sentimentos recalcados contra o todo,poderoso !ater familiasL/1
Bs temas tratados por Plauto e Terêncio s"o #iolentos) s>rdidos) tr?gicos/ S"o
Iist>rias de estupro) cIantagem) tr?fico de mulIeres) prostitui!"o) per#ersidade/ So esse
terror s> pode nascer um riso agressi#o) um riso de transgress"o #iolenta) um riso de alí#io/
Por(m) o Jue faC a diferen!a no Jue diC respeito ao tratamento tr?gico de tais temas ( Jue)
de um lado) n"o se acredita de fato neles) e) de outro) tecnicamente) os personagens s"o
títeres de rea!es pre#isí#eis/ GPlauto agita suas marionetes sumissas ao Mogo do
insaci?#el/ Terêncio ope figuras de a#ideC contr?ria/ B risí#el n"o est? no ser) mas numa
agita!"o Jue toma conta desses comparsas) aandonados $ tristeCa da #ida cotidianaL/ 1+
Esse coment?rio de ean Du#ignaud ilustra a famosa defini!"o de 8ergson: o riso ( o efeito
pro#ocado pelo mec7nico soreposto ao #i#o/ Jui) os personagens s"o autmatos/
5sso ( ainda mais #erdadeiro na atelana) esse teatro popular nascido no s(culo 5 a/
6/) #indo da regi"o de teia) na 6amp7nia/ Bs atores correspondem a tipos encontrados em
#?rias pe!as) de No#ius ou Pomponius: -a!us &Pepê' "accus &simpl>rio' etc/ O um teatro
rQstico) Jue utiliCa uma linguagem Juase incompreensí#el para o pQlico culto e cuMas
ousadias podem ser eplicadas pelo fato de Jue ele de#e lutar) no espetacular e no
desmedido) contra sua
necessita) porJue a concorrência do circo:
audiência tem GO oatipo
tendência de Iumor
trocar de Jue o ator
as representa!es profissional
tediosas pelos
espet?culos mais gratificantes do circo e dos gladiadoresL) escre#e %ritC ;raf/ GO uma
diferen!a no papel social do teatro Jue influencia a escolIa das t(cnicas de produ!"o do
risoL/1-
B cmico uf"o e mec7nico de Plauto ( uma ilustra!"o disso/ 6om ele) o urlesco
sustitui o grotesco/ esmo os mais odiosos de seus personagens s"o reduCidos a tal estado
de caricatura) por meio de detalIes tri#iais) Jue s> se pode rir/ Em Rudens$ 9ara) o
traficante de mo!as para a prostitui!"o siciliana) ( um fantocIe digno de pena/ O um
teatrinIo de onecos/ GSeu cmico se impe porJue ele ( mec7nico) feito de caricaturas
toscas) de contrastes eaceradosL/0 l(m do mais) acrescenta Eug^ne de Saint,Denis)
esses personagens Comam gentilmente de si mesmos . outro símolo do Iumor latino:

1 5idem) p/31/
1+ DUK5;NUD) / Rire et a!r+s& Paris: *---) p/**3/
1- ;F%) %/ G6icero) Plautus and Foman laugIterL/ 5n: A #ultural Histor% of Humour& Bford,6amridge: ed/ / 8remmer e =/

Foodenurg) *--) p/3/


0 S5NT,DEN5S) E/ de/ op/ cit/) p/++/
GNingu(m se le#a muito a s(rioA feliC ou infeliC) cada um sae se oser#ar e caricaturar,se)
rapidamente) se ( um fantocIe como 9araA com um sorriso) se ( um Iumorista como
;ripusA com onomia) se ( um #elIo am?#el) como DemonesL/*
Butro tipo social satiriCado pela com(dia latina ( o soldado) mata,mouros fanfarr"o
e sedutor) coerto de nomes ridículos: StratopIanus &#ocê me #iu') Platagidorus &criado
moinIo de pala#ras' PolmacIaeroplagius &golpeador de espadas $ larga'/ as essa
soldadesca n"o ( formada pelos gloriosos legion?rios romanos: s"o estrangeiros com ata#io

eagerado/pode,se
suportarA Sempredescarregar
o duplo espelIo: o soldado)
o mau Iumor contrasaJueador da FepQlica)
ele por interm(dio desses( fantocIes
difícil de
e>ticos do teatro) e isso refor!a) indiretamente) a posi!"o e o prestígio do #erdadeiro
soldado/
N"o Ia#eria outra eplica!"o para esse riso de desrecalJue da com(diaZ Para ean
Du#ignaud) Plauto e Terêncio s"o Gimigrados do interiorL: o primeiro Gdesemarca da
Umria) onde n"o se fala latimL) e o segundo G( um escra#o cartaginês) lierto por 6ipi"oL/
mos se di#ertem em Comar dos costumes romanos) Gem imitar o s(rio degradando,o)
em des#iar para o riso o eercício das fun!es cuMa gra#idade deri#a de um arcaísmo mais
ou menos reconstituídoL/2 Tudo isso colocando,se atr?s do espelIo grego/
B Jue) ali?s) n"o muda nada na fun!"o da com(dia no mundo latino: pro#ocar um
riso de desrecalJue no seio de uma sociedade etremamente legalista) estruturada por seu
Juadro Murídico meticuloso e pesado/ Praticar a derris"o) so forma disfar!ada) ( saciar as
pulses assassinas Jue) $s #eCes) de#iam assaltar os romanos contra a tutela dos #elIos) dos
usu?rios) dos rufies) dos magistrados e outros saJueadores da sociedade/  com(dia
funciona como #?l#ula de seguran!a da sociedade ci#il) como e#as"o de um mundo $s
a#essas/ =? aí uma continuidade da festa/ GEiste uma rela!"o entre a alegria da festa e a
efer#escência cmicaL/3 S"o condutas de e#as"o fora do mundo real Jue têm por finalidade
consolidar esse mesmo mundo) e#itar sua su#ers"o e re#olu!"o pela derris"o codificada)
circunscrita no tempo e no espa!o/ 6ondutas de sustitui!"o Jue implicam forte dose de
agressi#idade no riso festi#o e teatral: trata,se de descarregar) por um riso desenfreado e
arulIento) o ecesso de energia Iostil/ B riso contriuiu muito para a longe#idade do
mundo romano/

DE"#DBN"I# RO#N# E DE"LÍNIO DO RISO

Foma declinou ao mesmo tempo Jue sua capacidade de rir/ t( o 8aio 5mp(rio) o
riso esta#a em toda parte/ Ditadores e imperadores tinIam seus ufes) costume largamente
partilIado na acia mediterr7nea) porJue os oos das cortes s"o mencionados tanto nos
círculos de Silla e de ntonio Juanto naJueles de tala de P(rgamo) Dênis de Siracusa)
%ilipe de acednia) ntíoco 555 Epif7nio ou leandre de %eres) na Tess?lia/ Em Foma)
os oos autênticos eram muito reJuisitados) como lemram os #ersos de arcial:
Ele passa#a por ooA comprei,o por #inte mil sest(rcios/

* 5idem) p/-0/
2 DUK5;NUD) / op/ cit/) p/ *01/
3 5idem) p/*0</
De#ol#e meu dinIeiro) ;argilianus: ele tem sua raC"o[
B riso ( comumente associado $ manifesta!"o di#ina/ O assim Jue se pode discernir
a inspira!"o saturnal da Jual se eneficiou ]aratustra) como escre#e Plínio: GDiCem Jue a
Qnica pessoa Jue riu no mesmo dia de seu nascimento foi ]oroastro) e seu c(rero atia t"o
forte Jue n"o se podia pousar a m"o sore sua cae!a) e isso prenuncia#a seu futuro saerL/1
 desconfian!a em rela!"o ao riso aparece pouco a pouco no mundo romano/ 
diferen!a entre 6ícero e seu admirador Yuintiliano M? ( sensí#el em pouco mais de um
s(culo
tratado de
3edist7ncia/ 6ícero) o facecioso)
oratore& 5nteressa,se) deiou uma
particularmente) pelateoria completa
utiliCa!"o sore
do riso naoorat>ria)
riso em mas
seu
seus coment?rios têm alcance mais geral/ Ele se mostra muito fa#or?#el: o orador tem todo
o interesse em faCer rirA isso o torna simp?tico ao audit>rio) desperta a aten!"o ou) ao
contr?rio) des#ia,a) emara!a o ad#ers?rio) enfraJuece,o) intimida,o/ 6ertamente) 6ícero
n"o se pronuncia sore a natureCa desse fenmeno Jue feC os fil>sofos fracassarem: GB Jue
( o riso em si mesmo) o Jue o pro#oca) onde ele reside) como nasce e eplode de repente) a
ponto de n"o se poder retê,lo) mesmo Jue se deseMe isso) de onde ele #em) Jue a ramifica!"o
produCida se comunica com os flancos) com a oca) com as #eias) com os olIos) com a
fisionomia) isso deio a Dem>crito a tarefa de eplicarL/  Por(m) ele eso!a) assim mesmo)
uma teoria geral do riso) Jue ( definido como aJuilo Jue reaia) atraindo a aten!"o para o
aio e o feio: GB domínio do ridículo ( sempre alguma feiura moral) alguma deformidade
física/ Sim) o meio mais poderoso) se n"o o Qnico) de pro#ocar o riso ( ressaltar uma dessas
feiuras) de um modo Jue n"o seMa feioL/ <
=? mil maneiras de faCer rir) por pala#ras e por ideias/ No cmico de pala#ras) 6ícero
registra o simples trocadilIo &ambiguum' ou pala#ra de duplo sentido) a pala#ra inesperada
Jue surpreende o auditor) a paronom?sia) ou aproima!"o fon(tica de duas pala#ras de
sentido diferente) o Mogo de pala#ras com nomes pr>prios) as cita!es par>dicas) as
antífrases) met?foras) alegorias) antíteses/ No cmico de ideias) ele cita peJuenas Iist>rias
engra!adas in#entadas) as aproima!es Iist>ricas) Iip(roles) aluses) tra!os irnicos/
Para cada categoria) fornece numerosos eemplos) tirados) em grande parte) de seus
pr>prios
compila!"odiscursos) Jue constituem
de seus ditos uma
espirituososA Tirofonte inesgot?#el:
reuniu seudelesA
três #olumes amigomais
Treonius feC uma
tarde) 8iaculus
tam(m faria uma recolIaA Qlio 6(sar se #angloria#a de saer reconIecer as rincadeiras
autênticas do orador/ 5sso atesta a alta estima Jue 6ícero tinIa ao riso e o uso freJuente Jue
feC dele/
Era um uso pr?tico) acima de tudo: ad#ogado) ele tem causas a defender . oas e
m?s . e s> se ser#e do riso com o oMeti#o da efic?cia/ Um ad#ogado n"o se preocupa nem
com a moral nem com a Musti!a) e pouco lIe importa defender um celerado ou atacar um
inocente: ganIar a causa ( seu Qnico oMeti#o/ Ent"o) n"o nos deiemos impressionar pelas
elas teorias ciceronianas sore os limites do riso/ De acordo com ele) Gn"o se de#e rir nem
da etrema per#ersidade Jue cIega at( o crime nem da etrema mis(ria $ Jual se apega o
escarnecedorL/  5sso n"o o impede) contudo) de utiliCar o riso para defender um canalIa da
pior esp(cie) o Mo#em / 6aelius Fufus) cQmplice de assassinato) culpado de #iolência)
1 P9jN5B/ Hist<ria natural$ K55) *</

6j6EFB/ 3e oratore$ 55) 23/
< 5idem) 55) 23</
 5idem) 55) 23/
sedi!es) mal#ersa!es) tentati#as de assassinato e insolências di#ersas/ Pecados da
Mu#entude[ Essa ( a argumenta!"o de -ro #aelio$ em < a/6/) em Jue 6ícero recorre $ ironia
para ridiculariCar a austeridade ultrapassada da moral tradicional/ GYue diao[L) eclama
ele) Gn>s M? fomos Mo#ens) e tam(m os moralistas se#eros Jue eigiam) Iipocritamente) a
condena!"o do pore 6aelius[L/
Para 6ícero) o riso ( um meio) uma arma) um instrumento e os conselIos Jue ele d?
Juanto a seu uso s> #isam $ efic?cia/ B riso pode ser#ir para con#encer) para atacar) para

defender) epara
par>dias ensinar/para
Comarias 3e natura
Emdenunciar deorum$ por eemplo)
as insuficiências ele no
dos fil>sofos utiliCa
Jue rincadeiras)
concerne ao
mundo di#ino/ N"o se trata de uma manifesta!"o de ceticismo) escre#e 6lara u#ra,
ssaas) mas de um procedimento pedag>gico: GO /// para comater o esJuecimento e
despertar os espíritos entorpecidos Jue 6ícero faC ressoar) em JualJuer deate sore os
deuses) os acentos de um riso de mQltiplas fun!es) sem Iesitar em empregar) com
#irtuosismo) cita!es) par>dias e caricaturas) atriuídos com arte $ figura enigm?tica de
S>crates/ Esse riso de fil>sofo e de letrado) Jue antecipa aJuele Jue Faelais retiraria da
referência a S>crates) n"o #isa aos deuses/ /// B riso #isa) aJui) $ pretens"o dos Iomens de
faCer uma pesJuisa sem Mamais ter medido) com ece!"o dos ad#ers?rios Jue ridiculariCam)
os limites de sua raC"o e a fraJueCa de seus m(todosL/ +
6ícero fia limites estritos ao riso respeit?#el Jue de#e ser GeleganteL) Gpolido)
Gin#enti#oL) Gengra!adoL) escre#e ele em 3e officiis& Ele de#e respeitar o estatuto social)
e#itar a grosseria/ GDeiemos aos mímicos bet>logos_ a imita!"o Jue cai na ousadia ou na
oscenidadeA Jue sua rincadeira n"o ad#enIa nem do uf"o nem do mímico/L N"o (
preciso ferir seus semelIantes) mas usar com eles uma ironia elegante: etellus) por
eemplo) foi #isitar o poeta Enius) cuMa criada lIe disse Jue ele n"o esta#a em casa) mas
etellus saia) perfeitamente) Jue ele se encontra#a l?/ Yuando Enius) por sua #eC) foi
#isit?,lo) etellus gritou) do interior da casa) Jue ele n"o esta#a/ 6omo Enius ficasse
espantado) ele lIe disse: GButro dia) eu acreditei em tua criadaA ent"o) por Jue n"o me
acreditasZL/- 5sso e#ita cIamar Enius de mentiroso/

ecitamEm umgrande
nem discurso) Gos nem
Iorror assuntos em piedade/
grande Jue a Comaria
ssim)(omais
autorf?cil s"o aJueles
encontrar? comJue
Juen"o
se
distrair com os #ícios da Iumanidade) desde Jue n"o ataJue nem indi#íduos cuMo infortQnio
os torne simp?ticos nem celerados Jue de#eriam ser condenados ao suplícioA e esses #ícios
agrada#elmente escarnecidos n"o deiam de faCer rirL/<0 O preciso tam(m Gadministrar as
afei!es do audit>rio e n"o atacar) inad#ertidamente) pessoas Jue lIe s"o carasL/ Bs ufes
Comam sem cessar e sem moti#o: os oradores s> de#em faCê,lo para ser Qteis/ Enfim) (
preciso rir entre as pessoas do mesmo ní#el e e#itar Comar daJuelas de condi!"o superior/
Uma #eC sendo respeitadas essas regras de urbanitas$ o riso ( marca de oa companIia/
6ento e #inte anos mais tarde) Yuintiliano) outro orador Jue admira muito 6ícero)
retoma a Juest"o em uma ora te>rica eJui#alente) a Institui8o orat<ria& B riso aí ( #isto)
claramente) com mais circunspec!"o ou at( desconfian!a/ Yuintiliano lIe consagra duas
#eCes menos espa!o Jue 6ícero e eprime muitos temores sore o assunto: o riso ( suspeito

+ UKF,SSS) 6/ GB riso dos acadêmicos: a cita!"o cmica em 3e natura deorum de 6íceroL/ 5n: Le rire des anciens$
op/ cit/) p/30</
- 6j6EFB/ 3e oratore$ 55) 23/
<0 5idem) 55) 23+/
e desestruturadorA ( um fomento da desordemA perigoso para o poder) faC perder a dignidade
e a autoridade/ B orador Jue o utiliCa perde o controle de seu pQlicoA ( um meio aio) Jue
JualJuer um pode empregarA ( a nega!"o da raC"o e pode dissimular a #erdade/ <* B riso (
perturador) mais ou menos demoníaco) ineplic?#el) misterioso) incontrol?#el: Gpesar de
o riso parecer coisa frí#ola e) muitas #eCes) ser pro#ocado por farsantes) mímicos) enfim)
pelos oos e loucos) ( preciso reconIecer Jue tem uma for!a #erdadeiramente imperiosa
e irresistí#el/ Ele rota $ re#elia) n"o se epressa apenas pela fisionomia e pela #oC) mas
sacode #iolentamente todo o nosso corpo/ 6omo M? disse) ele in#erte a situa!"o nos assuntos
importantes a ponto de destruir) freJuentemente) o >dio e a c>leraL/<2
Essa for!a oscura de#e) portanto) ser utiliCada com parcimnia e nunca contra os
infeliCes) os not?#eis) os grupos sociais ou nacionais: GO desumano) de fato) faCer
rincadeiras fortes com os infeliCes/ as I? Iomens de utilidade reconIecida e de
respeitailidade not>ria) e seria erro gra#e utiliCar com eles linguagem agressi#a/ ///
Tam(m ( erro faCer tiradas de Iumor pesado e pilI(rias contra uma coleti#idade) tom?,la
como eemplo ou a na!es inteiras) categorias) ordens ou uma condi!"o socialq ou um
gosto muito arraigado/ s pala#ras para faCer rir) o Iomem Ionesto as dir? oser#ando a
dignidade e a respeitailidade: () de fato) muito caro pagar o riso $ custa da proidadeL/ <3
O preciso prudência e reser#a) portanto/ Krbanitas eige Jue n"o IaMa Gnada Jue
destoe) nada de rQstico) nada de insípido) nada de estranIo) nem no pensamento nem nas
pala#ras) nem na #oC nem no gesto) se em Jue ela reside menos em cada pala#ra Jue na
tonalidade de todo o enunciadoL/ GSer? urbanus o Iomem aundante em pala#ras e
respostas feliCes e Jue) nas con#ersas) nas refei!es) nos círculos de amigos e tam(m nas
assemleias pQlicas) enfim) em todo lugar) fale de maneira di#ertida e apropriada/ Todo
orador Jue proceder assim far? rirL/<1
Um riso parcimonioso) refinado) de om gosto) t"o longe Juanto possí#el da
causticidade agressi#a das srcens e da grosseira ufonaria da atelana/  traMet>ria do riso
no mundo romano ( de uma degrada!"o progressi#a) Jue #ai do risus #igoroso e multiforme
dos primeiros s(culos da FepQlica a uma pluralidade de risos socialmente distintos/ Nos
círculos
desconfiadirigentes
do risoA eelena#igia
elite as
intelectual)
epressespre#alece uma concep!"o
su#ersi#as em festas eagora negati#a:
com(diasA nas oclasses
poder
superiores) de#e ser utiliCado apenas com parcimnia) so forma muito apurada) cada #eC
mais artificial e amaneirada/ B riso grosseiro so #igil7ncia) o riso fino totalmente
adulterado: a decadência do mundo romano ( tam(m a decadência de sua Iilaridade/ Bs
romanos dos s(culos 555 e 5K n"o têm seJuer a possiilidade de rir de suas desgra!as/ ntes
mesmo do desaparecimento do 5mp(rio) eles entram no G#ale de l?grimasL Jue a no#a
religi"o lIes prepara/

<* DES8BFDES) %/ GFet>rica e riso segundo YuintilianoL/ 5n: Le rire des anciens ) op/ cit/
<2 YU5NT595NB/ Institui8o orat<ria ) K5) 3) 3/
<3 5idem) K5) 3) 33) 31,3/
<1 5idem) K5) 3) *0/
2 - # DI#3OLI&#ÇÃO DO RISO N# #LT# ID#DE
%4DI#
5esus *u*ca riu

B cristianismo ( pouco propício ao riso/ Essa afirma!"o ser?) sem dQ#ida alguma)
contestada: opor,se,? o G#erdadeiroL cristianismo) sorridente) ao GfalsoL cristianismo) tristeA
ser"o e#ocados os sorrisos de %rancisco de ssis e de %rancisco de Sales) os alegres ara!os
de celera!"o e os risos dos presit(rios/
Tudo isso ( #erdadeiro) mas um pouco factício: o riso n"o ( natural no cristianismo)
religi"o s(ria por ecelência/ Suas srcens) seus dogmas) sua Iist>ria o pro#am/
Para come!armos) o monoteísmo estrito eclui o riso do mundo di#ino/ Do Jue
poderia rir um Ser todo,poderoso) perfeito) Jue se asta a si mesmo) sae tudo) #ê tudo e
pode tudoZ
esmo so a forma trin?ria Jue lIe deram os te>logos) as três pessoas di#inas)
perfeitamente idênticas) n"o têm nenIum moti#o de Iilaridade/ Puro espírito) sem corpo e
sem seo) o trio di#ino) imut?#el e im>#el) est? eternamente asor#ido em sua
autocontempla!"o/ o menos ( assim Jue o apresenta a teologia cl?ssica) construída sore
os conceitos platnicos e aristot(licos/

O RISO' "ONSEUBN"I# DO $E"#DO ORIGIN#L

B eo#? ílico () certamente) um tanto inJuieto/ GNo início) Deus criou o c(u e a
terraL) diC a .(blia& Por amor ou por t(dioZ Essa cria!"o n"o tem nada de engra!ado) e
apenas os tetos gn>sticos imaginaram um riso di#ino Juando da cria!"o/ B pr>prio ;ênese
(poderiam
muito solene) como
rirZ S"o con#(meternamente
perfeitos) $ ocasi"o/ Eelos)
eis d"o e E#a no Mo#ensA
eternamente paraíso terrestre/ De Jue eles
eles se mo#imentam)
asseguram,nos os te>logos) em um Mardim de delícias onde tudo ( IarmoniaA est"o nus) mas
sem nenIuma #ergonIa/ NenIum defeito) nenIum deseMo) nenIuma fealdade) nenIum mal:
o riso n"o tem lugar no Mardim do Oden/ Nem seJuer o riso de satisfa!"o: I? satisfa!"o
Juando alguma carência ( supridaA ora) o paraíso conIece a plenitude permanente/ Ent"o)
um sorriso) tal#eCZ Bs especialistas discutem/ Tudo depende da rela!"o Jue se estaelece
entre riso e sorriso/ Uma simples diferen!a de intensidade ou) ao contr?rio) uma diferen!a
de natureCa) o riso implicando a agressi#idade e o sorriso) a sumiss"oZ* No segundo caso)
nada se ope a Jue o primeiro casal tenIa sido sorridente/ o menos uma coisa ( certa: o
riso n"o faCia parte do plano di#ino/
6ontudo) eis Jue o aligno se en#ol#e/ PorJue ( ele) diCem,nos os eegetas) Jue se
esconde so os tra!os da serpente em,falante Jue tantos fil>sofos escarnecem/ B pecado
srcinal ( cometido) tudo se deseJuilira) e o riso aparece: o diao ( respons?#el por isso/
Essa paternidade tem s(rias conseJuências: o riso ( ligado $ imperfei!"o) $ corrup!"o) ao

* 69P5EF,K99DBN) S/ GB Iomem e o risoL/ 5n: Histoire des murs& Encclop(die de la Pl(iade) t/ 55) *--*/
fato de Jue as criaturas seMam decaídas) Jue n"o coincidam com seu modelo) com sua
essência ideal/ O esse Iiato entre a eistência e a essência Jue pro#oca o riso) essa
defasagem permanente entre o Jue somos e o Jue de#eríamos ser/ B riso rota Juando
#emos esse uraco intransponí#el) aerto sore o nada e Juando tomamos consciência dele/
O a desforra do diao) Jue re#ela ao Iomem Jue ele n"o ( nada) Jue n"o de#e seu ser a si
mesmo) Jue ( dependente e Jue n"o pode nada) Jue ( grotesco em um uni#erso grotesco/
gora) pode,se rir/ =? de Juê: rir do outro) desse fantocIe ridículo) nu) Jue tem um

seo)seJue
Jue peida
torna e arrota)
feio) Jue defeca)
Jue en#elIece e Jue se fere).
morre Jueumcai)serJueIumano)
se engana) Jue uma
olas[) se preMudica)
criatura
decaída/ B riso #ai se insinuar por todas as imperfei!es Iumanas/ O uma constata!"o de
decadência e) ao mesmo tempo) um consolo) uma conduta de compensa!"o) para escapar
ao desespero e $ angQstia: rir para n"o cIorar/ Eis aí o Jue os pais da 5greMa recriminam: em
lugar de cIorar sore nossa decadência) o Jue seria marca de arrependimento) rimos de
nossas fraJueCas) e essa ( nossa perda/ Kemos nosso nada e rimos dele: um riso dia>lico/
as #oltemos $ .(blia& Bs primeiros epis>dios da Iist>ria Iumana n"o têm nada de
engra!ado: 6aim mata el) Deus faC a Iumanidade perecer no dilQ#io) mistura as línguas)
etermina Sodoma e ;omorra/ Enfim) o primeiro riso ressoa: aJuele de ra"o e de Sara/
E esse primeiro riso ílico relatado ( uma Iist>ria licenciosa/ Deus) de fato) diC a ra"o)
com cem anos de idade) e a Sara) no#enta anos) Jue eles de#em faCer um filIo/ orrendo
de rir) ra"o cai sore seu assento e Sara) Iil?ria) responde a Deus: GEnrugada como estou)
como poderia goCarZL 2 &tradu!"o ecumênica da .(blia'/ Ela n"o tinIa regras Ia#ia muito
tempo) diC o ;êneseA e ele) uma ere!"o) naJuela idadeZ eo#? parece n"o compreender/ GPor
Jue ela est? rindoZL) pergunta ele a ra"o/ Dada a eplica!"o) ele se irrita: GEiste coisa
impossí#el para o SenIorZL/ SQito) Sara) confusa) desculpa,se/ GSara negou) diCendo: bEu
n"o ri_) porJue ela tinIa medo/ bSim) sim) tu em riste/L_ E em lemran!a desse riso) a
crian!a Jue eles ter"o cIamar,se,? 5saac) isto () GDeus riL/
 Iist>ria ( ridícula/ Daí os esfor!os dos eegetas para interpretar esse riso/ Fiso de
alegria) diCem os mais indulgentes) seguindo S"o o"o e#angelista/ Fiso de dQ#ida)
consideram
B remorso de muitos outros: confirm?,lo/
Sara parece os esposos est"o
Fiso incr(dulos) pensam
de autoderris"o) Jue Deus
acreditam est? rincando[
e afirmam alguns:
n>s somos t"o peJuenos[ E) ali?s) esse riso repercute: refletindo sore o fato) GSara
eclamou: bDeus me deu moti#o para rir[ YualJuer um teria rido[L_/ 3 Fir para Comar dela
ou para se regoCiMar com elaZ 5sso n"o est? claro/ 1 ? ent"o I? uma distin!"o entre riso om
e riso mau/ De acordo com lcuin) o riso de ra"o ( om) ( um riso de alegriaA o de Sara
( mau) e ( por isso Jue ela ( repreendida/
Essas discusses ilustram toda a amiguidade das interpreta!es da .(blia& Yuando
colocamos a Juest"o de saer se I? Iumor na .(blia$ seria necess?rio distinguir entre o
Iumor Jue acreditamos encontrar nela) com nossa sensiilidade atual) e o Iumor Jue os
redatores #oluntariamente aí colocaram) mesmo Jue isso n"o nos fa!a rir mais/ Um eemplo
s"o as triula!es de onas) Jue se sal#a por n"o desempenIar a fun!"o perigosa de profeta
e Jue ( engolido por um enorme peie Jue o #omita depois de três diasA onas) Jue predisse
a destrui!"o de Níni#e) Jue se instala em uma caana para assistir ao espet?culo e Jue ( t"o
2 ;ênese) *+) *2/
3 5idem) 2*) </
1 Ker a discuss"o dessas Iip>teses em 8O6SS5S) / GB riso dos patriarcasL/ 5n: Lumi+re et vie$ n/230) deC/ *--<) pp/,*1/
despeitado Jue Deus mudou de ideia: Gonas entendeu mal) muito mal) e se CangouL/ 
Iist>ria ( cmica para n>sA ser? Jue era tam(m para o redatorZ
Depois de s(culos) eegetas e te>logos estudam a Juest"o) e suas ad#ertências nos
esclarecem mais sore sua mentalidade e seus pressupostos do Jue sore as #erdadeiras
inten!es do teto/ Na maioria das #eCes) eles n"o atriuem $ .(blia nenIuma inten!"o
cmica/ final) n"o se trata da pala#ra di#inaZ Supe,se Jue os redatores n"o têm nenIuma
dist7ncia crítica em rela!"o a ela/  GIist>ria santaL ( a Iist>ria s(ria por ecelência: n"o se

rinca com sua
impuseram a sal#a!"o eterna da ao
pr>pria gra#idade Iumanidade/
teto ílico/BsEles
eegetas s"o mesmo
cIegaram pessoasamuito
retirars(rias
daí ume
tra!o (tnico dos semitas) desde 9a FoJue) Jue escre#e) em **+) Jue Gos ?raes consideram
Jue aJueles Jue riem facilmente por JualJuer coisa têm espírito fraco e malformado e Jue
(sse ar risonIo e satisfeito s> ( aceit?#el em mo!as e mulIeres Mo#ensL) < at( %/ Kigourou)
cuMo cl?ssico 3icion4rio da .(blia$ em *-22) disserta sore a Ggra#idade orientalL/ Butros)
como =einricI 9oee) em *-3*) #iram na ausência do riso ílico uma Gli!"o Iist>ricaL ou
antes teol>gica) tendo em #ista Jue os Iereus) conscientes de seu papel de po#o eleito) n"o
podiam ter o menor senso de Iumor/+ De seu lado) / N/ XIiteIead e X/ PIelps consideram
a ausência do cmico um dos tra!os distinti#os da literatura ílica/- Todo o peso da
tradi!"o eeg(tica) patrística e medie#al refor!a#a essa con#ic!"o/ E) como ressalta Donald
urra)Sagrada
.(blia G( e#idente Jue um
gra#ado em li#ro
letrasdedeorda
ouro dourada) re#estido n"o
sore a lomada) de couro
pode negro) com o título
ser recept?culo de
Iumor/ Tam(m ( certo Jue os puritanos) os #itorianos e seus semelIantes) Jue prescre#iam
sua leitura como a Qnica ocupa!"o de domingo) #iam aí uma fonte de pensamento
mortalmente s(rio e de austeridade moralL/*0
as) na segunda metade do s(culo VV) o tom muda/ B Iumor est? na moda) o riso
( de om gosto/ Na Gsociedade IumorísticaL contempor7nea) ser despro#ido de senso de
Iumor ( uma doen!a) Juase um #ício/ De repente) todo mundo . a come!ar pelos crentes
. redescore o riso ílico/ 6omo poderia faltar essa Jualidade essencial no teto
inspiradoZ E o Iomem) sempre pronto a faCer Deus $ sua imagem) atriui,lIe agora um
mara#ilIoso senso de Iumor/ Keem,se tra!os dele por toda parte/ Eplica,se at( por Jue as
gera!es anteriores n"o o puderam #er/ Disseca,se cientificamente o Gcampo sem7ntico do
IumorL ílico) segundo o título de um estudo de tIala 8renner/ ** 6Iega,se mesmo a
faCer am?lgamas anacrnicos com o Iumor Mudaico/*2
Por tr?s desse retorno) distingue,se sempre o pressuposto apolog(tico: trata,se de
colocar o Mudaico,crist"o de acordo com nosso tempo) de mostrar Jue essa religi"o n"o (
triste) porJue a tristeCa n"o est? na moda/ Etraordin?ria fleiilidade da .(blia$ com a Jual
 DUYUB6) 6/ GFiso) Iumor e magist(rioL/ 5n: Lumi+re et vie$ n/230) deC/ *--<: GSe a #ida designa a #erdade em seu car?ter
asoluto) seus int(rpretes n"o dispem de dist7ncia em rela!"o a ela e n"o podem) em conseJuência) apresent?,la com Iumor)
sendo sua linguagem a r(plica perfeita da eterna #erdadeL &p/ <+'/
< 0o%age en -alestine& msterd": @M@N$ p/*33/

 K/ v$ art/ GFisoL/
+
Alter Jdischer 0ol'shumor& %ranfurt: *-3*) p/+/
- =BFBX5T]) / e EN6=E) S/ L*humour en chaire& Paris: *--1) p/3*/

*0 UFF) D/ G=umour in tIe 8ileZL/ 5n: Humor and Histor%& Bford: ed/ / 6ameron) *--3) p/2*/

** GBn tIe semantic field of Iumour: 9augIter and tIe Bld TestamentL) ed/ /T/ Fadda e / 8renner) )n Humour and the #omic

in the Hebre .ible& SIeffield: *--0) pp/1*,13/ Ker tam(m FE5NES) =/ X/ G9augIter in 8ilical and Fainica l 9iteratureL/
5n: Judaism$ *-2) pp/*<,*+3/
*2 8EN,BS) D/ GTIe mtI of MeisI IumourL/ 5n: Oestern fol'lore$ 32) *-3) pp/**2,*3*/
se pode faCer JualJuer coisa/ 8asta escolIer suas cita!es para Mustificar tudo e seu
contr?rio/ B coment?rio de acJues 9e ;off . GSegundo uma t(cnica Iaitual e re#eladora
da e#olu!"o das mentalidades e das sensiilidades na 5dade (dia) Juando cada um escolIe
mais ou menos) na .(blia$ o Jue ser#e a suas opinies) os estímulos $ alegria e ao riso
passam em silêncioL *3 . #ale tam(m para IoMe) mas in#ertendo os termos: atualmente)
s"o os trecIos desesperadores Jue passam em silêncio/

EVOLUÇÃO DO "I"O ;Í;LI"O

O claro Jue I? riso na .(bliaP Bs Iereus s"o Iomens como os outros) e esse
condensado de sete a oito s(culos de sua literatura cont(m) sem dQ#ida) a mesma propor!"o
de riso e de l?grimas Jue os escritos dos po#os #iCinIos/ 6om certeCa) n"o I? tetos
específica e eclusi#amente cmicos/ as) como escre#e 8ernard SarraCin) Ga ausência de
gênero liter?rio cmico na .(blia n"o pro#a nadaA isso pode muito em ser eplicado) como
sugere ueracI em "imesis$ pela propens"o dos autores ílicos a conMugar) Mustapor .
sem distinguir gêneros) como os gregos . o sulime com o tri#ial ou o cmico com o
tr?gicoL/*1
Eemplo con#incente: no li#ro dos uíCes) Jue relata a (poca da conJuista da Terra
Santa pelos Iereus sore os po#os palestinos) encontra,se o epis>dio do assassinato do rei
de oa) Eglon) por EIud/* N"o se pode du#idar da inten!"o Iumorística) #isando reduCir
os inimigos de 5srael a derris>rios títeres/ EIud ( canIoto) memro da trio de 8enMamim)
nome Jue significa GfilIo da m"o direitaLA ele ( encarregado de le#ar Gem m"oL &direita ou
esJuerdaZ' o triuto ao rei/ Ent"o farica um punIal com dois gumes) Jue esconde em sua
ota direita) para poder retir?,lo com a m"o esJuerda/ So o preteto cl?ssico de ter uma
mensagem secreta para transmitir ao rei) fica soCinIo com ele no aposento/ Eglon) Jue em
Iereu se assemelIa a GeCerroL . animal Jue se mata para comer .) ( grande e gordo/
GEIud estende a m"o esJuerda) pega o punIal na perna direita e o enterra no #entre do rei/
B cao entra atr?s da l7mina e a gordura se fecIa em cima dela) porJue EIud n"o conseguiu
retirar o punIal do #entre do rei/L EIud escafedeu,se pela Manela/ Bs ser#idores de Eglon
pensam Jue o rei se atrasou compondo a toaleteA para isso eles têm uma epress"o
imaginati#a: GSem dQ#ida) ele de#e estar corindo os p(s no Juarto t"o frescoL/ Todo o
epis>dio tem) manifestamente) um tom de Comaria) e o riso mescla,se ao tr?gico/
=? outros eemplos/ Donald urra cIega a #er na Iist>ria de ac>) Jue foi
sustituído por seu irm"o EsaQ) uma esp(cie de Gcom(dia picarescaL) com um anti,Ier>i
imoralA o Iumor atinge aJui os ancestrais #enerados de 5srael: Gesmo a rela!"o religiosa
central do antepassado com eo#? ( apresentada com #eia cmicaL/ *< No 9i#ro de >)
Juando Deus faC do Iipop>tamo o ?pice da cria!"o) ele ( realmente s(rioZ
KeMa Jue for!a I? em sua garupa
eEle
o #igor nosomQsculos
enriMece de um
rao como seu cedro)
#entre[

*3
GB riso nas regras mon?sticas da lta 5dade (diaL/ 5n: Haut "o%en Age: culture$ éducation et société& 1tudes offertes , -ierre
Riché& Paris: *--0) p/*00/
*1 SFF]5N) 8/ GFiso do diao da diaoliCa!"oL/ 5n: Humoresques$ n/) p/3*/

* uíCes) 3) *2,30/
*< UFF) D/ G=umour in tIe 8ileZL) op/ cit/) p/3/
suas coas s"o tran!adas por tendes/*
E eo#? acrescenta) sem rir: GO ele) ( a ora,prima de Deus[L/
N"o d? para du#idar do Iumor #olunt?rio na .(blia$ mesmo se ti#ermos tendência a
acrescent?,lo: GSe formos dotados de Iumor) podemos faCer uma leitura Iumorística de
tetos despro#idos de IumorL)*+ escre#e apropriadamente Foert %a#re/ =? na .(blia uma
fonte permanente de cmico) Jue pro#(m da Gconflagra!"o do sagrado e do profanoL/ *-
B ntigo Testamento aorda) eplicitamente) o prolema do riso) e seu discurso
lemra a e#olu!"o Jue distinguimos na ;r(cia/ No período mais arcaico) o riso () antes de
tudo) uma epress"o agressi#a de Comaria e de triunfo sore os inimigos/  Comaria faC
parte das in#ecti#as rituaisA ( uma arma) uma amea!a) eficaC e temorosa) usada pelos ons
e pelos maus/ Bs li#ros Iist>ricos fer#ilIam de eemplos: Gtu ser?s a risada dos po#osL) Ga
risada dos #iCinIosL) Ga risada dos insensatosL) Ga risada de toda a terraL) Ga risada dos
inimigosL) Ga risada dos pag"osL) Ga risada de todos os paísesL/ 20 Deus mesmo ri dos
pecadores) dos maus: GTu) SenIor) ris de todos eles) Comas de todas essas na!esLA Go
SenIor ri dele porJue ele #ê cIegar seu diaLA GEle Coma dos ComadoresL/ 2* Ele amea!a
aandonar 5srael G$ risada de todos os po#osL/22 > B acusa at( de Comar dos Mustos: GDa
desgra!a dos Iomens íntegros Ele escarneceL/ 23
21
Por seu
dos caldeus lado)dos
Coma os maus
reis) oComam
Iomem de Deus) a filIa
presun!oso Coma dedos
Si"opo#os
Comae estes
de EseJuias)
replicamo Gcom
po#o
2
ironia mordaCL/ Bs profetas manipulam implaca#elmente o sarcasmo) prelQdio do
etermínio) como no epis>dio de Elias diante dos 10 profetas de 8aal a ser#i!o de esael/
Um concurso de magia foi organiCado: cada um prepara um no#ilIo para o sacrifício e pede
a seu deus Jue o incendeie/ Juele Jue o fiCesse seria reconIecido como o #erdadeiro deus/
Bs profetas de 8aal come!am: toda manI" eles imploram a seu deus Jue acenda a fogueira)
em #"o/ GEnt"o) ao meio,dia) Elias Coma deles e diC: b;ritai mais forte: ( um deus) ele tem
preocupa!es) de#e ter dado uma saída) tem de percorrer o caminIo de #oltaA tal#eC esteMa
dormindo e ( preciso acord?,lo_L/2< Depois ( a #eC de Elias) Jue o#iamente consegue) o
Jue lIe d? o direito de massacrar os 10 profetas em nome do SenIor: Elias os feC descer
a colina de YuisIon) onde os degolouL/2
Essa anedota n"o deia de lemrar o massacre dos pretendentes por Ulisses/ Bs
profetas de 8aal tam(m foram Comados por Elias e entraram em transe/ O a alian!a do
riso e da morte) o riso como grito de triunfo sore o inimigo #encido/ Trata,se do mesmo
riso arcaico) Iom(rico) das sociedades guerreiras/ Nos escritos mais antigos da .(blia$ o

* >) 10) *<,*/


*+ %KFE) F/ Le rire dans tous ses éclats& Presses Uni#ersitaires de 9on: *--) p/ *0</
*- SFF]5N) 8/ Gesus nunca riu/ =ist>ria de um lugar comumL/ 5n: Recherches de science religieuse$ aril,Mun/ *--1) t/ +2) n/2)

p/220/
20

2*
Deuteronmio) 2+) 3A Salmos) 30) *2A 3+) -A udite) ) 2*A Eclesiastes) *+) 3*A oel) 2) *A ECeJuiel) 22) 1/
Salmos) -) -A 3<) *3A Pro#(rios) 3) 31/
22 Feis) 5) -) /
23 >) -) 23/

21 Salmos) -) *3A 31) *,*</

2 Feis) 55) *-) 2*A =aacuc) *) *0A 2) </

2< Feis) 5) *+) 2/


2 5idem) 5) *+) 10/
riso de alegria simples ( raro/ O o riso de retorno dos eilados) da restaura!"o de 5srael:
GEnt"o nossa oca se encIia de riso e nossa língua grita#a de alegriaL) diC o Salmo *2<A GFi
de todo o teu cora!"o) filIa de erusal(mL) diC Sofonias/
No 9i#ro de >) M? se constata uma di#ersifica!"o do riso) Jue pode eprimir ao
mesmo tempo a alegria &GDeus #ai encIer tua oca de risoL') a Comaria IumilIante &GEu
sou a risada dos mais Mo#ens Jue euL') a for!a &GDesastres) penQria) rir?s de todos elesL'/
as ( nos escritos de saedoria) os mais recentes do ntigo Testamento) Jue aparece uma

#erdadeiraentre
distin!"o refle"o
o risosore
omoeriso/ E) tal como na ;r(cia ao fim do s(culo K a/6/) ocorre uma
o mau/
B mau ( o riso de Comaria) Jue se torna) pouco a pouco) o apan?gio dos maus: GB
Comador tem Iorror $ IumanidadeL) e Gmuitos castigos est"o preparados para os
escarnecedoresL) diCem os Pro#(rios/2+ GNunca rias do Iomem Jue est? na amarguraL)
afirma o Siracida$ porJue o sarcasmo e o insulto s"o defeitos dos orgulIosos/2- S"o os
ser#idores de Deus Jue s"o al#o das Comarias) como eremias/ =? outro riso detest?#el: o
dos imecis) riso arulIento) #ulgar e irritante) Jue o Siracida ope ao riso do s?io:
B tolo) Juando ri) o faC ele#ando a #oCA
o Iomem prudente apenas sorri e discretamente/
Bs discursos dos tolos pro#ocam Canga
30

e seu riso ( um deocIe culpado/


 maneira de rir ( re#eladora da personalidade) tanto Juanto o andar) acrescenta o
Siracida)3* Jue recomenda seu uso prudente na educa!"o da crian!a: GN"o rias com ela para
n"o ter de sofrer com elaL/32 %ora isso) ( om ser alegre e n"o ( ruim eer #inIo) porJue
Go #inIo traC le#eCa ao cora!"o e alegria $ almaL/ 33 B Siracida$ composto ao redor de *+0
a/6/) ( um manual de saedoria e de em #i#er) de espírito muito IeleniCado/ Encontra,se
nele uma esp(cie de elogio da alegria Jue lemra o ideal aristot(lico de eutrapelia:
N"o aandones tua alma ao desgosto
nem te atormentes delieradamente/
Um cora!"o alegre mant(m um Iomem com #ida
e a alegria prolonga a dura!"o de seus dias/

eDi#erte
epulsatuapara
alma) reconforta
longe teu cora!"o
de ti a tristeCaA
porJue a tristeCa causou a perda de muitos
e n"o se ganIa nada em aandonar,se a ela/
6iQme e c>lera tornam os dias menos numerosos)
e as preocupa!es engendram uma #elIice prematura/
Um cora!"o alegre fa#orece o apetite
e acarreta grande aten!"o aos ons alimentos/31
lguns decênios antes disso) o Qoheleth declara: GDo riso eu disse: ( uma loucuraL
e Gais #ale o desgosto Jue o riso) porJue so o rosto sofrido o cora!"o pode estar feliCL/ 3

2+

2-
Pro#(rios) 21) -A *-) 2-/
Eclesiastes) ) **A 2) 2+/
30 5idem) 2*) 20A 2) *3/
3* 5idem) *-) 30/

32 5idem) 30) *0/

33 5idem) 3*) 2+/

31 5idem) 30) 2*,2/


3 Edesiastes) 2) 2A ) 3/
as esse li#ro eagerado) Jue reduC tudo $ categoria de #aidade) condena soretudo o Griso
dos insensatosL e) Mogando com as contradi!es Jue tecem a eistência Iumana) constata
Jue I? Gum tempo para cIorar e um tempo para rirL/ 3<
 concep!"o ílica do riso () de fato) cl?ssica e eJuilirada/ Ela se re#ela at( mais
moderna Jue aJuela do mundo greco,romano) uma #eC Jue dessacraliCa o riso) Jue n"o tem
mais nada a #er com o sorenatural/
6ertamente) Deus ri de tempos em tempos) mas isso ( apenas uma imagem/ N"o I?
mais
idadeoderiso ritual)
ouro) n"oorganiCado) comlupercais
mais saturnais) uma fun!"o
nemreligiosa deretorno
dionísias/ peri>dico
concep!"o linearaodacaos ou $
=ist>ria
e do tempo proíe) ali?s) JualJuer ideia desse tipo) M? Jue a cria!"o aconteceu de uma #eC
por todas/ B riso ( um comportamento estritamente Iumano) logo) alIeio ao mundo di#ino)
surgido depois da Jueda e Jue ( um dos símolos da decadência da condi!"o Iumana/
Distinguem,se simplesmente um riso positi#o &s'haq$ o riso alegre' e um riso negati#o
&lag) o riso Cometeiro'/3

CESUS RIU>

B tom ( nitidamente mais gra#e no No#o Testamento/ esmo Jue o mito de Jue
Gesus nunca riuL s> se tenIa desen#ol#ido no fim do s(culo 5K) com o"o 6ris>stomo) (
preciso admitir Jue os E#angelIos) os tos e as Epístolas s"o muito se#eros em rela!"o ao
riso/ N"o faCem nenIuma men!"o de riso em 6risto/ o contr?rio) s"o os ad#ers?rios Jue
riem: eles Comam dele Juando ele afirma Jue a filIa de um not?#el n"o est? morta) mas
dormeA o pr>prio esus anuncia Jue escarnecer"o deleA3+ ele ( ridiculariCado pelos soldados
por ocasi"o da Pai"o: GEles Comam dele) diCendo: bSal#e) rei dos MudeusL_/3- As
beatitudes condenam claramente o riso neste mundo: G%eliCes #>s Jue cIorais agora: #>s
rireis/ /// 5nfeliCes #>s Jue ris agora: ficareis em luto e cIorareisL/10 Desde Pentecostes) a
mensagem e#ang(lica ( acolIida por risos) os ap>stolos s"o tomados por êados: GButros
1*
murmura#am:
Juando Paulo bEles est"odecIeios
lIes fala de #inIoNas
ressurrei!"o/ doce_L/ Bs fil>sofos
epístolas) de tenas
Paulo condena caem
o riso na risada
e proíe as
lagues licenciosas: GNada de senten!as grosseiras) estQpidas ou escarosas) (
incon#enienteL/ 12 Tiago n"o ( mais alegre: GFeconIecei #ossa mis(ria) tomai o luto) cIorai)
para Jue #osso riso n"o se transforme em luto e #ossa alegria em aatimentoL/ 13 Pedro pe,
se em guarda contra os c(ticos escarnecedores: GNos Qltimos dias #ir"o os c(ticos
escarnecedores) traCidos por suas paies pessoais) Jue dir"o: bBnde est? a promessa de sua

3<

3
5idem) 3) 1/
Ker tam(m sore esse assunto XE8STEF) 6/ 9augIter in tIe 8ile/ Saint 9ouis: *-<0/
3+ ateus) -) 21A arcos) **) 31/
3- ateus) 2) 2-/

10 9ucas) <) 2*) 2/

1* tos) 2) *3/

12 Ef(sios) ) 1/
13 Tiago) 1) /
#indaZ PorJue) desde Jue os pais morreram) tudo permanece no mesmo estado) como no
início da cria!"o_L/11
B tom est? dado: em toda parte em Jue se fala eplicitamente de riso no No#o
Testamento) ( para conden?,lo como Comaria ímpia) sacrílega/ N"o I? nenIuma men!"o
ao riso positi#o/ Daí o surgimento do famoso mito do Jual se tirar"o conseJuências mortais
para os crist"os: M? Jue n"o se fala Jue esus riu) ( porJue ele n"o riu) e como os crist"os
de#em imit?,lo em tudo) n"o de#em rir/ Essa tradi!"o nasce com o"o 6ris>stomo e) depois)

difunde,se
de arselIalargamente/ 8entonodes(culo
a transmitiu) niana) $ #oncordia
K)em regularum$
5greMa latina) Juando adeclara Jue Sal#iano
reencontramos em
%erreolus) no s(culo K5) em Regula ad monachos em 9udolfo de Sae) no s(culo 5VA e em
Pierre le 6Iantre) no s(culo V55/ No Briente) s"o 8asílio escre#e) no s(culo 5K) em Crandes
regras: GBs relatos e#ang(licos o atestam) Mamais ele esusq cedeu ao riso/ Pelo contr?rio)
ele cIama de infeliCes aJueles Jue se deiam dominar pelo risoL/ Uma carta ap>crifa da
8aia 5dade (dia) a 1!(stola a Lentulus$ #ai no mesmo sentido) e a tradi!"o torna,se um
lugar,comum na teologia cl?ssica/  arte tam(m a segue: nenIuma est?tua) nenIum
Juadro) nenIum afresco) I? dois mil anos) representa Mesus rindo . com ece!"o da ora
pro#ocante do surrealista 6lo#is Trouille) Le grand !o+me d*Amiens &*-12'/ Kê,se aí) no
deamulat>rio da catedral) 6risto) coroado de espinIos) o corpo coerto de cIagas) sacudido
por
dessagrande
ora/ gargalIada e olIando a a>oda/ Koltaremos) mais tarde) ao sentido possí#el
Nos primeiros s(culos) contudo) oser#a,se uma certa reticência em alguns grupos/
Essa Iist>ria de um deus crucificado) de um deus Jue triunfa e resgata com sua morte)
parece t"o in#erossímil) escandalosa) Jue se suspeita de fraude) grande logro de Qltima Iora/
O a teoria de um dos ramos do gnosticismo) o docetismo) desen#ol#ida por 8asílidas/ De
acordo com ele) no momento da Pai"o) Deus) grande prestidigitador) in#erteu as aparências
de esus e de Sim"o de 6irineu/ %oi Sim"o Juem foi crucificado) enJuanto Jesus ri$ de om
grado) dos romanos e dos Mudeus/ S"o 5rineu) em seu li#ro #ontra as heresias$ d? notícia
dessa posi!"o: GYuanto a esus) ele pr>prio toma os tra!os de Sim"o e) estando l?) ca!oa
dos arcontes/ De fato) sendo uma potência incorp>rea e o intelecto do Pai n"o gerado) ele
se metamorfoseou como Juis e foi assim Jue suiu aos 6(us) para Juele Jue o en#iara)
ca!oando dos outros) porJue ele n"o podia ser retido e era in#isí#el a todos/ Jueles Jue
bsaem_ isso foram liertados dos arcontes donos do mundoL/1 Trata,se) nesse caso) do riso
de triunfo daJueles Jue s"o liertados/
Bs escritos ap>crifos faCem uma utiliCa!"o mais complea do riso/ Segundo a
Hist<ria da infncia de Jesus$ anterior $ segunda metade do s(culo 5K) Gesus riL Juando o
#elIo ]aJueu se mara#ilIa com sua saedoria/ Kê,se esus rir tam(m em 0ida de Jesus
em 4rabe$ e o riso de lierta!"o est? presente #?rias #eCes: nas pessoas curadas) nas santas
mulIeres Jue procuram o tQmulo #aCio/1< Nos Atos de André$ datando de *0,*<0) o riso
manifesta a lierdade superior do crist"o) daJuele Jue compreendeu a cegueira dos outros
e Coma dela/ ndr() crucificado) ri na cruC) eplicando a seus amigos: GN"o de#o rir)
Estratocles) meu filIo) da #" astQcia de Egeato) com a Jual ele pensa #ingar,se de n>sZ Ele
ainda n"o se con#enceu de Jue somos alIeios a ele e a suas maJuina!es/ Ele n"o consegue

11 Pedro) 55$ 3) 3,1/


1 SHB 5F5NEU/ #ontra as heresias$ 5) 21) 1/ GDocetismoL #em do grego do'io$ Gparece,meL/
1< 1scritos a!<crifos crist8os$ t/ 5) ed/ de la Pl(iade/ Paris: *--/ Histoire de l*enfance de Jésus$ +) * A */
entender/ Se pudesse) compreenderia Jue ( impossí#el #ingar,se de um Iomem Jue
pertence a esus e Jue B conIeceuL/1  mesma constata!"o ocorre em Atos de Jo8o$ Jue
datam da mesma (poca/ GEu ria de todas essas pessoas ou#indo,as diCer a mim o Jue diCiam
deleL) declara o"o/ Da mesma forma) Deus ri ao #er a oa conduta de seus fi(is/ GYue ele
ria por causa de nossa modera!"o[L o contr?rio) I? o riso dos ignorantes) daJueles Jue
n"o entendem o sentido oculto: os discí pulos de o"o ca!oam dele Juando o #eem) em um
alergue) pedir aos perce#eMos Jue saiam e o deiem tranJuilo para dormir aJuela noiteA
riso estial e maldoso) em raC"o do trocadilIo) em grego) entre Gperce#eMosL e Gmo!asL)
Juando se trata#a de mostrar Jue os insetos s"o mais oedientes Jue os Iomens/ 1+
Nos Atos de 5om4s$ da primeira metade do s(culo 555) encontram,se tam(m o riso
superior daJuele Jue sae) como udas Tom?s) Juando o rei o amea!a com torturas) e o riso
do descrente) como arisI ca!oando de sua mulIer Juando ela o a#isa de Jue se tornou
crist" e n"o Juer mais se deitar com ele/ 1- Na 1!(stola dos A!<stolos) ( a Kirgem aria Jue
ri . um riso Jue faC eco ao de Sara . no decorrer de um epis>dio estranIo: 6risto conta
Jue tomou a aparência do anMo ;ariel e Jue ele pr>prio #eio anunciar a aria Jue ela iria
ser sua m"e: GSeu cora!"o me receeu) ela acreditou e riu& Eu) o Kero) entrei nela e me
tornei carne/ Tornei,me meu pr>prio ser#idor so a aparência de um anMo/ %iC isso) depois
retornei para meu paiL/0 Fiso de alegria) de um cora!"o Jue eulta) ou riso de estupefa!"o
diante do ridículo da situa!"oZ
6omo notaram #?rios autores) a encarna!"o e a reden!"o desafiam toda a l>gica
Iumana racional/ S"o Paulo o reconIece) Juando fala na Gloucura da cruCLA a saedoria
di#ina derrota a saedoria Iumana e poderia facilmente adJuirir uma aparência cmica/ B
cIoJue entre o sulime do sacrifício e a tri#ialidade da cruC ( potencialmente engra!ado:
GB Ier>i crísticoL) escre#e 8ernard SarraCin) Ginfinitamente #ulner?#el mas nunca #encido)
pode dar uma imagem cmicaA o desmedido da cruC epressa,se ent"o pela ecentricidade
cmica t"o em . se n"o melIor . Juanto pela deplora!"o tr?gica/ Tudo depende) afinal)
da ideia Jue o crente faC de si mesmoL/ GYuandoL) diC =/ 6o) Ga opini"o da 5greMa sore si
mesma passa do ridículo ao s(rio) a imagem de 6risto como palIa!o desaparece
oficialmenteL/*
No início) I? Iesita!"o/ =erdeiro do mundo Ieraico) o cristianismo teria podido
receer seu senso de Iumor . o Jual passou inteiramente para seu irm"o gêmeo) o
Mudaísmo/ Este mant(m grande familiaridade com o di#ino) Jue pode ir at( a tirada de
Xood llen: GDeus n"o eiste) mas somos seu po#o eleito[L/ Esse tipo de lague (
inconceí#el no cristianismo) em Jue os termos de lasfêmia e sacril(gio pesam sore toda
rincadeira relati#a ao di#ino/ N"o se Coma de Deus/ YualJuer lierdade em rela!"o a
6risto ( considerada lasfemat>riaA JualJuer apresenta!"o de sua #ida Jue saia do esJuema
oficial definido nos E#angelIos) Jue Juestione esse ou aJuele aspecto de sua ora) Jue lIe
confira) por eemplo) uma seualidade normal) ( imediatamente sumetida ao an?tema)
como o ilustra a s(rie de li#ros e filmes censurados com esse preteto/ B cristianismo afirma

1 5idem) Atos de André$ ) 3,1/


1+ 5idem) Atos de Jo8o$ <0,<*/
1- 5idem) Atos de 5om4s$ *10) 3A -+) */

0 5idem) 1!(stola dos A!<stolos$ *1/


* SFF]5N) 8/ Gesus nunca riuL) op/ cit/) p/220/
Jue esus ( inteiramente Iomem) mas lIe recusa as particularidades da natureCa Iumana)
tais como o riso e o seo/ O suficiente Jue se aceite Jue ele comia/
Destino tr?gico da esp(cie Iumana) peso do pecado) culpailidade) medo da
dana!"o) miserailidade dos períodos de persegui!"o: o cristianismo escolIeu o drama) a
autodeprecia!"o do fiel/ Em um artigo de título elucidati#o &GB Iumor no cristianismo: uma
Jualidade Jue faC faltaL') o dominicano DominiJue 6erelaud escre#e: G5nduita#elmente)
o cristianismo faC a apologia da Iumildade) mas essa #irtude n"o suscita IilaridadeL/ 2 Ele

acrescenta Jue
dominante Jue)emdepois de dominadaA
posi!"o dois mil anos)
aliadooíntimo
cristianismo este#esempre
dos poderes) mais #eCes emcom
disputou posi!"o
eles
a posi!"o suprema/ E isso n"o fa#orece nem o Iumor nem a ironia) Jualidades Mulgadas
su#ersi#as/ B tom pomposo e perempt>rio das encíclicas e dos decretos conciliares o
confirma: n"o se rinca com essas coisas/
 5greMa aferra,se $ sua miss"o como esus se agarra#a $ dele: nenIum recuo (
possí#el) logo) nenIum Iumor) M? Jue este pressupe um mínimo de desdoramento) de
olIar trocista sore si mesmo/ 6risto s> poderia ser s(rio/ Entretanto) a personalidade de
esus sofreu #aria!es de modas culturais/ Na idade Iumorística . a nossa .) Jue tanto
admira os cmicos) os crist"os esfor!am,se por mostrar uma imagem mais ou menos
sorridente de 6risto/ Sem cIegar a faCê,lo rir) ( di#ertido #er com Jue engenIosidade) com
Jue piedosa satisfa!"o) Gdescore,seL Jue esus tinIa um famoso senso de Iumor/ N"o era
um palIa!o) certamente) mas um graceMador/3 Suas par?olas seriam cIeias de ironia em
rela!"o $s pr?ticas Iip>critas dos fariseus) Gsepulcros caiadosL/ Suas Iist>rias de palIa e de
#iga) do camelo e do uraco de agulIa) o Mogo de pala#ras com GPedra,PedroL) seu oper?rio
da ** Iora) seu coment?rio sore ra"o: GSe ra"o riu) ( porJue pensa#a em mimL) tudo
isso re#elaria um espírito facecioso) malicioso) Cometeiro) cuMas rincadeiras) ali?s)
cairiam no #aCio: GTu n"o tens nem cinJuenta anos e M? #iste ra"oZL/ Suas epresses
enigm?ticas seriam símolos de um Iumor Jue se compraC em derrotar seus interlocutores/
B GDai a 6(sar o Jue ( de 6(sarL ou o contundente GJuele Jue nunca pecou Jue atire a
primeira pedraL s"o marcas de uma ironia mordaC) Jue a tradi!"o crist" se empenIou em
ampliar/ Yuanto a saer se o esus Iist>rico pronunciou essas pala#ras) ( outro prolema/
6risto tinIa) portanto) senso de Iumor/ Poucos crist"os contestam isso atualmente/
=?) contudo) uma dificuldade de princípio) Jue oIn orreal desen#ol#e em uma ora de
*-+2/1 Se esus ( plenamente Deus) como o afirma o dogma) a ciência infinita) seu
conIecimento perfeito torna impossí#el o desprendimento necess?rio $ eperiência do riso/
EnJuanto Iomem) ele pode rirA enJuanto Deus) n"o pode/ S> resta a solu!"o indicada por
Pierre le 6Iantre no s(culo V55: esus podia rir) mas nunca riu/ Para afirmar o contr?rio) (
preciso emarcar nas insolQ#eis contradi!es sore a psicologia Iumano,di#ina) da Jual s>
se pode sair com o auílio da pala#ra m?gica com a Jual a Teologia resol#e todos os
prolemas supremos: mist(rio[

2 6EF8E9UD) D/ GB Iumor no cristianismo) uma Jualidade Jue faC faltaL/ 5n: Lumi+re et vie$ n/230) deC/ *--<) p/</
3 =EF) 6/ 5he #omic 0ision of the #hristian Faith& No#a or: *-+*A TFUE89BBD) E/ 5he Humour of #hrist& No#a or:
*-<1A ;FBS=ESN) / Lironic christique& Paris: *--3A BNSBN) / Humour and Iron% in the 9e 5estament& 9ede: *-+/
1 BFFE9) / 5a'ing Laughter Seriousl%& lan: *-+2/
DI#;OLI3#ÇÃO DO RISO $ELOS $#IS D# IGREC#

Bs primeiros crist"os n"o se colocam esse prolema/ Para eles) o riso ( dia>lico/
Essa atitude inscre#e,se na mentalidade apocalíptica) marcada pela osess"o do diao) em
Jue se situa o cristianismo nascente/ Sat") etremamente discreto no ntigo Testamento)
no Jual desempenIa um simples papel de acusador e de oponente) surge rutalmente como
a potência do mal nos meios sect?rios apocalípticos Jue proliferam na Palestina) no início
de nossa era/ Nesses meios) como em Yumran) s"o redigidos os escritos ap>crifos
largamente orientados para o anQncio do fim do mundo) da Qltima luta entre as potências
do em e do mal/ S> os filIos da luC) o peJueno grupo de eleitos Jue cada seita pretende
constituir) ser"o sal#os/ Bs outros perecer"o ou ir"o para o inferno por toda a eternidade
com Sat" e seus sat(lites) CaCel) 8elial) astema) Satanael) Samael/ 
Bs crist"os s"o) no início) apenas uma dessas seitas) e o No#o Testamento) Jue
menciona o diao *++ #eCes) ( um anQncio direto da proimidade do ulgamento %inal/ N"o
( momento para rir[ Em Yumran) o "anual de disci!lina declara Jue GaJuele Jue ri tola e
ruidosamente ser? punido durante trinta diasL/ Numerosos escritos ap>crifos de srcem
crist" faCem do riso) eplicitamente) uma arma dia>lica/ Em Questes de .artolomeu$ Jue
data) tal#eC) do s(culo 55) Sat" eplica a 8artolomeu Jue ele usa o riso como um anCol para
iludir os Iomens:
com muitos anC>isGTemos outros ?geis
e os en#iamos ser#idores
$ pesca/ E elesa capturam
Juem damos
paraordens/ N>s osdos
n>s a alma eJuipamos
Iomens)
ado!ando,os com delícias #ariadas) isto () com a emriagueC e o riso) a calQnia) a Iipocrisia)
os praCeres) o deocIe ou) ainda) com todos os outros meios de enfraJuecimento) retirados
de seus tesourosL/< Em Ascens8o de Isa(as$ do início do s(culo 55) os falsos profetas)
inspirados pelo diao) riem ao assistir ao suplício de 5saías/  Nos Atos do a!<stolo -edro
e de Sim8o$ do fim do s(culo 55) rir e sorrir s"o os símolos de possess"o demoníaca: GPedro
#oltou,se para a multid"o Jue esta#a atr?s dele e #iu) no meio dela) algu(m sorrir) algu(m
possuído por um demnio muito maligno/ Pedro lIe diC: bYuem Juer Jue seMas tu) Jue riste)
mostra,te aertamente a toda a assistência_L/+  mesma ideia se encontra em 0ida de
André$ redigida no s(culo K55 por ;reg>rio de Tours) seguindo um teto latino: os
ser#idores de Epif7nio &um cidad"o de egar') possuídos pelo demnio) GgargalIam com
um riso insensatoL/- Na mesma (poca) o 1vangelho do !seudo"ateus declara Jue) muito
Mo#em) aria reunia em torno dela algumas amigas e #igia#a para Jue GnenIuma ele#asse
a #oC) rindoL/<0
Ningu(m contriuiu mais para demoniCar o riso Jue os pais da 5greMa/ Tertuliano
in#este contra as com(dias) espet?culos demoníacos e impudicos/ 8asílio de 6esareia
escre#e Jue Gn"o ( permitido rir) em JualJuer circunst7ncia) por causa da multid"o Jue
ofende a Deus) despreCando sua lei/ /// B SenIor condenou aJueles Jue riem nesta #ida/
Portanto) ( e#idente Jue) para os crist"os) n"o I? circunst7ncia em Jue possam rirL/ <* Ele se

 Para o nascimento do diao) #er 5NB5S) ;/ Le diable& Paris: *--+/


< 1scritos a!<crifos crist8os$ t/ 5) op/ cit/) Questions de .arthélém%$ 1) 11/
 5idem) Ascens8o de Isa(as$ ) 2,3/

+ 5idem) Atos do a!<stolo -edro e de Sim8o$ **/

- 5idem) 0ida de André$ 2-) *,+/

<0 5idem) 1vangelho do !seudo"ateus$ <) 3/


<* SHB 8Sj95B/ -equenas regras$ 3*/
repete na Epístola 22: o crist"o Gn"o de#eria rincarA ele n"o de#eria rir nem tolerar os Jue
faCem rirL) porJue o riso #em do praCer carnal) conseJuência do pecado e) portanto) do
diao/ l(m do mais) o riso pode nos faCer esJuecer o medo constante Jue de#emos ter do
inferno/
Santo mr>sio tam(m se mostra categ>rico: em JualJuer circunst7ncia) o riso (
incon#eniente) contr?rio aos ensinamentos de 6risto e) para diCer tudo) dia>lico/ Gesmo
Jue as rincadeiras seMam moralmente elas e agrad?#eis) s"o contudo repugnantes $

disciplina eclesi?stica)
EscriturasZ porJue como
O preciso preca#er,se) podemos
de fato) mesmo utiliCar o Jue n"opara
nas con#ersa!es) encontramos nas
e#itar Jue elas
reaiem a dignidade de um estilo de #ida mais austero/ b5nfeliC de ti Jue ris) porJue
cIorar?s_) diC o SenIorA e n>s procuramos moti#o para rir) para Jue) rindo aJui emaio)
cIoremos l? em cima[ N"o s"o apenas as rincadeiras eageradas Jue precisamos e#itar)
mas) a meu #er) todas as rincadeiras) com a ressal#a de Jue n"o ( incon#eniente Jue)
por#entura) um discurso seMa pleno de dignidade e encantoL/<2 li?s) mr>sio acrescenta:
GJuele Jue ti#er cIorado muito) nesta #ida) ser? sal#oL/ Ele ( Iostil ao uso da rincadeira)
mesmo com finalidade pedag>gica/
Yuanto a Santo gostinIo) ele n"o cessa de repetir Jue) mesmo Jue o riso seMa uma
faculdade Iumana) ele ( despreCí#el/ G=? certos atos Jue parecem estranIos aos animais)
mas Jue n"o s"o o Jue I? de mais ele#ado no Iomem) como a rincadeira e o risoA e
JualJuer um Jue Mulgue a natureCa Iumana estima Jue) se esses atos s"o do Iomem) s"o o
Jue I? de mais ínfimo neleL/<3 Eis por Jue Geu #os rogo) Iumildemente) colocar a raC"o
acima do riso) porJue nada ( mais #ergonIoso Jue um riso Jue s> ( digno de ComariaL/ <1
Particularmente conden?#el ( o riso dos ufes: GN>s #emos Jue os oos) Jue
cIamamos de morries) faCem as delícias das pessoas sensatas e Jue) na #enda de escra#os)
eles s"o comprados por pre!o maior Jue os outros/ O,se le#ado naturalmente) mesmo
Juando n"o se ( louco) a se alegrar com o mal dos outros/ PorJue o Iomem Jue ama a
insensateC nos outros n"o Juer se parecer com elesL/ <
Em um serm"o) gostinIo coloca a Juest"o diretamente: o Jue #ale mais) rir ou
cIorarZ
doente) 
e oresposta
Iomem( clara:
sensatoGBdeplora
fren(tico entrega,se
essa insensataa um riso louco/
alegria/ Nem por
Eu suponIo Jueisso ( menos
faCeis essa
pergunta: bO melIor rir Jue cIorarZ_ Yuem n"o responderia: bEu prefiro rir_Z 6ontudo) para
nos faCer amar a dor salutar da penitência) o SenIor feC das l?grimas um de#er e do riso)
recompensa/ 6omo foi issoZ Yuando ele disse: b8em,a#enturados aJueles Jue cIoram)
porJue eles rir"o um dia_/ Portanto) para n>s) ( um de#er cIorar) e o riso ( a recompensa da
saedoria/ B riso ( tomado aJui por alegria) n"o ruidosas gargalIadas) mas a alegria íntima
do cora!"o/ Se colocardes essa Juest"o: bO melIor rir Jue cIorarZ_) JualJuer Iomem
responder? Jue prefere rir a cIorar/ Se agora) personificando esses dois estados)
perguntardes: bB Jue #ale mais) o riso do fren(tico ou as l?grimas do Iomem sensatoZ_) as
pessoas responder"o Jue mais #alem as l?grimas do Iomem ponderado Jue o riso do
insensatoL/<<
<2 SNTB 8FkS5B/ 3e officiis$ 5) 23) *02,*03/
<3 s cita!es s"o etraídas das Duvres com!letes& Paris: ed/ P(ronne) *+2/ 3u libre arbitre$ 5) +/
<1 5idem) )s tr6s livros contra os acad6micos$ 5$ /

< 5idem) 5r6s livros em "arcelino sobre a !ena e a remiss8o dos !ecados$ 5) 3/
<< 5idem) serm"o 69VVK/
6onclus"o geral) Jue resume o pensamento de gostinIo sore a Juest"o:
GEnJuanto estamos neste mundo) n"o ( tempo de rir) por medo de ter de cIorar em
seguidaL/<
ais aerto Jue Santo mr>sio) S"o ernimo n"o ( mais fa#or?#el $ Iilaridade/
li?s) ele escre#e a arcella Jue lIe d"o a reputa!"o de tristeCa: GPorJue n"o nos
emriagamos e nossos l?ios n"o se arem em risos ecessi#os) Jualificam,nos de contidos
e tristesL/ De fato) ele distingue entre dois risos: o riso ecessi#o e sonoro) aJuele Jue sacode

o corpo) riso
com(dias) Juedos Mudeus) dos estudantes)
( conden?#elA dos êados)
e o riso moderado) dos ?raros
cuMo eercício podee dos espectadores
ser tolerado) paradea
educa!"o da Mu#entude crist"/ ernimo tem um espírito satírico muito apurado) e ele pr>prio
se compara#a a 9ucilius/ Suas Comarias contra a coJueteria feminina) os falsos de#otos)
os padres perfumados e afetados têm acentos de u#enal e lIe #aleram numerosos
inimigos/<+ 5sso n"o impede Jue ernimo desaconselIe gloalmente o riso: GFir e
regoCiMar,se com o s(culo n"o ( coisa de Iomem sensato) mas de um fren(ticoL/
O tam(m o Jue afirma 6lemente de leandria/ Em um tratado) B !edagogo$ ele
eamina de perto a Juest"o do riso/ De cIofre) eclui o riso #ulgar) o riso dos ufes/ Todas
essas pessoas cuMa ati#idade ( faCer rir de#eriam) ali?s) ser anidas da sociedade crist":
GJueles Jue saem imitar o risí#el) e soretudo o ridículo) de#em ser epulsos de nossa
repQlicaLA se s"o capaCes de faCer isso) ( porJue eles pr>prios têm um car?ter risí#el/ GSe
( preciso epulsar os ufes) n"o podemos permitir a n>s mesmos faCer os ufes//// O)
portanto) uma Comaria procurar faCer rir) porJue uma ora!"o Jue eprime coisas risí#eis
n"o #ale a pena ser ou#idaA ela Iaitua as pessoas) por pala#ras) a dirigir,se para a!es
aiasA ( preciso ser gracioso) mas n"o uf"oL/ <-
as 6lemente ( um Iumanista/ Fir faC parte da natureCa Iumana) e n"o se pode
proii,lo totalmente/ as ( preciso faCê,lo com grande parcimnia) soretudo as mulIeres)
( claro) pois o riso sempre desperta suspeita: GNem se de#e rir continuamente . isso seria
falta de medida . nem rir diante de pessoas mais #elIas ou Jue merecem respeito) a menos
Jue elas mesmas rinJuem para nos distrair) nem se de#e rir para o primeiro Jue cIega nem
em JualJuer
mulIeres) lugar nem
soretudo) a todos
o riso ( umanem por JualJuer
ocasi"o coisa/esmo
de calQniasL/ Para os adolescentes
a eutrapelia e para as(
aristot(lica
condenada) assimilada a desagrad?#eis graceMos de mesaA de sua parte) ernimo feC algo
semelIante $ 7ocularitas$ ou linguagem desagrad?#el/
6lemente de leandria segue antes o ensinamento de Plat"o: o riso arulIento
pertence ao domínio do aio) do feioA ele deforma o rosto e caracteriCa as prostitutas e os
proenetas/ Em compensa!"o) o sorriso ( Iarmonia/ 6lemente se Juer moderado)
eJuilirado) na linIa de 6ícero e Yuintiliano/ O preciso comedimento) Gconferindo uma
e#as"o Iarmoniosa ao s(rio e $ tens"o de nossa oa #ontade) sem rela?,los at( a
disson7ncia/ Permitir ao rosto a Iarmonia) como se faC com um instrumento na regularidade
dos tra!os) ( o Jue se cIama sorriso . se o sorriso se epande) ele se reflete sore todo o
rosto: ( o riso dos s?iosA mas Juando se relaam os tra!os do rosto at( destruir,lIe a

< 5idem) 3iscurso sobre o Salmo LI&


<+ P/ DE 98F5B99E/ Hist<ria da literatura latinocrist8& Paris: *-21) pp/1<,1<+/
<- 69EENTE DE 9EVNDF5/ GDu rireL/ 5n: ) !edagogo$ cap/ 55) ) 1,+) GDu rireL/
Iarmonia) e se isso acontece com as mulIeres) cIama,se 'ichlismos$ o riso das prostitutasA
se se trata de Iomens) cIama,se 'anchasmos$ ou seMa) o riso ultraMante dos proenetasL/
B riso est? so grande #igil7ncia: GNo riso) de#e,se colocar um freio: se ele se produC
como de#e) manifesta tam(m o eJuilírioA se n"o se apresenta assim) ( sinal de
desregramento/ Fesumindo: n"o ( preciso suprimir tudo o Jue ( natural ao Iomem) mas)
antes) de#e,se impor,lIe a medida e o tempo con#enientes/ N"o ( porJue o Iomem ( um
animal capaC de rir Jue ( preciso rir de tudoL/ 6lemente impe tantas condi!es) limites e

origa!es ao
perseguido) eercício
suspeito) do riso
acossado eleJue nosfim)
(/ Por perguntamos
escre#e ele)seG(o necess?rio
riso aindaser
( possí#el) t"o
n"o somrio)
mas reflei#oA eu apro#o totalmente aJuele Jue aparecia bsorrindo com uma m?scara
terrí#el_L &=omero) Il(ada$ K55) 2*2'/  f>rmula ( onita) mas n"o se sae como traduCi,la
sore um rosto/

FE ISSO VOS )#3 RIRH COÃO "RIS.STOOJ

B mais ferrenIo ad#ers?rio do riso) dentre os pais da 5greMa) ( s"o o"o 6ris>stomo
&311,10'/ Se ele colocasse em pr?tica o conteQdo de seus sermes) Mamais seria possí#el
#er os dentes do Iomem de Goca de ouroL/ Para ele) o riso ( asolutamente sat7nico)
dia>lico) infernal: GPor toda parte) o demnio dirige esse triste concertoA os di#ertimentos
n"o s"o dons de Deus) mas do diaoL/ Em #oment4rio sobre a 1!(stola de S8o -aulo aos
hebreus$ ele se entrega a uma espantosa diatrie contra o riso) Jue encontra em toda parteA
as igreMas) os con#entos) a rua) o teatro) as reunies pri#adas ressoam) para ele) com esse
riso osessi#o Jue parece persegui,lo com o grito de triunfo de Sat":
GK>s) com esse riso ousado) imitais as mulIeres insensatas e mundanas e) como elas)
Jue se espregui!am sore as prancIas do teatro) tentais faCer os outros rir/ 5sso ( a in#ers"o)
a destrui!"o de JualJuer em/ Nossos assuntos s(rios tornam,se oMeto de riso) de graceMos
e de trocadilIos/ N"o I? nada de firme) nada de gra#e) em nossa conduta/ N"o falo aJui

apenasdedos
cIeia secularesA
risos sei Se
insensatos/ daJueles
algu(mJue tenIo em
pronuncia uma#ista) umaagrad?#el)
pala#ra #eC Jue apropria 5greMa
o riso logo est?
aparece
nos l?ios dos assistentes e) coisa espantosa) #?rios continuam rindo at( durante o tempo
das preces pQlicas//// N"o escutastes S"o Paulo gritar: bYue toda #ergonIa) Jue toda tolice
de linguagem) toda ufonaria seMa anida do meio de #>s_Z Ele coloca) assim) a ufonaria
na mesma classe das torpeCas/ E) contudo) v<s ridesP B Jue Juer diCer tolice de linguagemZ
Yuer diCer Jue n"o I? nada de Qtil/ as v<s rides assim mesmoA o riso contínuo alegra
#osso rosto) e #>s sois mongesZ %aCeis profiss"o de ser crucificados no mundo e v<s ridesP
Kosso estado ( de cIorar) e v<s ridesP
K>s Jue rides) diCei,me: onde Ia#eis #isto Jue esus 6risto #os tenIa dado o
eemploZ Em lugar nenIum) mas muitas #eCes #>s o #istes aflito[ De fato) $ #ista de
erusal(m) ele cIorouA ao pensar na trai!"o) ficou perturadoA Juando ia ressuscitar 9?Caro)
derramou l?grimas/ E v<s ridesP ///
Eis Jue ( cIegado o tempo de luto e de afli!"o) o momento de castigar #osso corpo
e de reduCi,lo $ ser#id"o) $ Iora do suor e dos comates/ E v<s ridesP E n"o #os lemrais
de como Sara foi repreendida por esse fato[ E n"o escutais esse an?tema de esus 6risto:
b5nfeliC daJuele Jue ri) porJue ele cIorar?[_ ///
as tal#eC IaMa aJui alguns t"o de#assos) t"o efeminados) Jue nossas censuras os
faCem rir ainda) pelo simples fato de Jue falamos do riso/ PorJue a natureCa desse defeito (
a insensateC e o emrutecimento do espírito////
Yuando entrais em um pal?cio) #ossa aparência) #osso olIar) #osso andar) todo o
#osso eterior) enfim) sae enorecer,se e compor,seA mas aJui) Jue ( o pal?cio #erdadeiro)
onde toda imagem ( do c(u) v<s rides[ ///
Portanto) > mulIeres) por Jue) se colocais um #(u sore a cae!a desde Jue tomais
lugar
prosternar diantev<sderides
na igreMa) Z ídeentrais
Deus) reCar com a resolu!"o
e suplicar de confessar
pelas faltas #ossosa pecados)
Jue ti#estes de #os
infelicidade de
cometer e) no cumprimento desses de#eres) v<s ridesPL 0

B Jue pe o"o 6ris>stomo literalmente fora de si ( Jue) Juanto mais ele tro#eMa
contra o riso) mais se ri/ Por isso mesmo) o riso pro#a seu poder dia>lico: incontrol?#el)
insensato) insensí#el $ pondera!"o) $ l>gica) $ amea!a) ele supera o medo) triunfa sore o
furor sagrado Jue s> faC ati!?,lo) como uma corrente de ar sore o fogo/ B pregador)
deiando,se le#ar contra o riso) torna,se cmicoA Juerendo estancar o riso) faC com Jue riam
deleA desforra do diao) potência de Sat" Jue dissipa) por esse #"o ruído) o espírito di#ino/
 c>lera) mesmo a di#ina) nada pode contra o riso) símolo consagrado da lierdade/

conta deo"o 6ris>stomo


tantos pecados) n"o
#os cIega
di#ertisa rindo)
compreender
a diCer esse paradoo:
rincadeiras e aG6omo)
uscar astendo de dar
delícias da
#idaZ bas Jue ganIaria eu_) diCeis,me) bse cIorar em lugar de rirZ_ ;anIaríeis
infinitamente//// E) na #erdade) Jue moti#o tendes para #os alegrar e eplodir de rir) M? Jue
sois t"o de#edores da Musti!a di#ina e de#eis comparecer diante de um terrí#el triunal e
prestar conta eata de todas as #ossas a!esZ /// as) se nos tornamos frouos e pregui!osos)
se nos di#ertimos e nos entregamos ao riso) seremos #encidos por nossa moleCa) antes de
comatê,laL/
GN"o nos compete passar o tempo rindo) nos di#ertindo e nas delícias/ 5sso s> ( om
para as prostitutas de teatro) para os Iomens Jue as freJuentam e) particularmente) para
esses aMuladores Jue uscam as oas mesas/ /// B Jue ( ainda mais perigoso ( o moti#o
pelo Jual eplodem essas risadas desragadas/ ssim Jue esses ufes ridículos proferem
alguma lasfêmia ou pala#ra indecente) logo uma multid"o de tolos pe,se a rir e a
demonstrar alegria/ Eles os aplaudem por coisas Jue de#eriam faCer com Jue fossem
apedreMados e atraem assim) sore si mesmos) por meio desse praCer infeliC) o suplício do
fogo eternoL/*
Nessa Iomilia sore ateus) S"o o"o 6ris>stomo refere,se ao eemplo de 6risto:
GKiu,se ele cIorando #?rias #eCes) mas n"o rindo) e ele n"o sorria nuncaL/ Seus fi(is o
imitaram) a come!ar por S"o Paulo: GNem ele nem ningu(m Mamais escre#eu Jue ele tenIa
rido) e nenIum dos santos escre#eu isso sore si mesmo ou sore outroL/
De resto) pode,se passar a #ida a cIorar e a ser feliC) afirma o"o 6ris>stomo no
#oment4rio sobre a 1!(stola aos fili!enses: G6Iorar suas #erdadeiras mis(rias e confess?,

0 BHB 6F5SkSTBB/ #oment4rio sobre a 1!(stola de S8o -aulo aos hebreus& 5n: Duvres com!l+tes& Paris: ed/ / eannin) t/
V5) *+<) pp/20,2*/
* 5idem) #oment4rio sobre S8o "ateus$ t/ ) pp/*,2/
las ( criar uma alegria e uma felicidade/ li?s) ( permitido gemer sore os pr>prios pecados
e se alegrar em Ionra de esus 6ristoL/2
SeMamos Mustos: o"o 6ris>stomo n"o proíe asolutamente todo riso/ 6omo
6lemente de leandria) ele antecipa uma etrema desconfian!a em rela!"o $ Iilaridade)
Jue le#a facilmente ao pecado) e condena o Griso imoderadoL: GBs risos e as rincadeiras)
sem parecer pecados em si mesmos) conduCem ao pecado/ %reJuentemente) as risadas
pro#ocam pala#ras indecentes) a!es mais indecentes ainda e) muitas #eCes) risos e pala#ras

transformam,se
golpes em inMQrias////
e os assassinatos) mas osN"o
risose#iteis apenaseasos pala#ras
imoderados e as
prop>sitos Juea!es desonestas)
os faCem nascerL/os3
 mesma li!"o ( encontrada na Homilia !ara a festa da -4scoa: GBs dentes e os l?ios
de#em ser colocados diante da língua para Jue ela n"o ultrapasse le#ianamente essas
arreiras//// O preciso e#itar em asoluto os risos imoderadosL/1 Essa ideia srcinal dos
dentes como arreira destinada a reter o riso ser? retomada em uma regra mon?stica do
s(culo 5V) a Regra do "estre/ Bs Jue acredita#am) ingenuamente) Jue a dentadura ser#e
apenas para mastigar #eem assim Jue a ora di#ina tem sempre uma dimens"o mística/ Na
mesma (poca) constatamos Jue os autores espirituais o s"o) #erdadeiramente) em todo o
sentido do termo/ B Iumor in#olunt?rio n"o ( menos engra!ado/
o"o 6ris>stomo tolera uma certa pr?tica do riso) com limites em definidos:
GPor(m) diCeis #>s) o riso ( ent"o um pecadoZ N"o) o riso n"o ( um pecadoA o Jue ( pecado
( o ecesso) ( gastar mal o tempo/ B riso nos ( natural Juando) por eemplo) re#emos um
amigo depois de longo tempo de ausênciaA ou Juando) reencontrando pessoas acometidas
de grandes terrores) Jueremos tranJuiliC?,las e di#erti,lasA riamos ent"o) mas Mamais $s
gargalIadas) e nunca) constantementeL/<

# GUERR# DO RISO ENTRE "RISTÃOS E $#GÃOS

Bs pais da 5greMa #iram no riso um fenmeno dia>lico) ligado $ decadência



Iumana/
muito esmo
negati#a Jue tolerassem
do riso) um oligeiro
e isso marcar? riso de durante
cristianismo di#ertimento) tinIam
s(culos/ uma concep!"o
B Iomem ( decaído)
irremedia#elmente mau) amea!ado pelo fogo do inferno eterno ao menor des#io de conduta/
6ontudo) o riso faC parte de nossa natureCa) e isso depois da Jueda/ Portanto) ( preciso
utiliC?,lo a ser#i!o do em/
l(m do riso de puro di#ertimento inocente) o mais discreto possí#el) I?) de fato)
um riso lícito Jue ( a Comaria contra o mal/ Bs pais n"o se pri#am dele) em particular s"o
ernimo) Jue tam(m o usa contra os Ier(ticos/ S"o 5rineu pe no ridículo os gn>sticosA
Tertuliano mostra,se muito sarc?stico diante das fraJueCas IumanasA Santo gostinIo
Coma de om grado dos maniJueus e de outros Ier(ticos/ final) S"o Paulo n"o Comou)
diCem os pais) Juando retomou as pala#ras de Epimênidas contra os cretensesZ G6retenses)

2 5idem) #oment4rio sobre a 1!(stola aos fili!enses$ t/ V5) p/++/


3 5idem) Homilia !ara as est4tuas$ t/ 555) p//
1 5idem) Homilia !ara a festa da -4scoa$ t/ 5K) p/ 1/

 A regrado mestre$ col/ Sources 6Ir(tiennes) *0) pp/1*<,1*/

< BHB 6F5SkSTBB/ #oment4rio sobre a 1!(stola de S8o -aulo aos hebreus$ op/ cit/) p/2*/
 86BNS) T/ ) riso dos !ais& 1nsaio sobre o riso no !atricismo grego& Paris: *--</
perp(tuos mentirosos) estas maldosas) pan!as de colcI"o[L+ esus n"o Comou dos
fariseusZ E o pr>prio Deus n"o se manifestou com coment?rios irnicos sore d"o) depois
do pecado srcinalZ GEi,lo Jue se tornou como n>s) conIecendo o em e o malL/ - li?s) (
re#elador Jue os pais #eMam um sentido Cometeiro nessa frase) Jue n"o o tem: sempre
prontos a Comar) eles acreditam #er sarcasmo em toda parte/
Entretanto) esse eercício tem seus riscos) porJue n"o de#emos nos des#iar da
caridade: Comar do pecado sem Comar do pecador) das Ieresias) sem atingir os Ier(ticos///

=?) entre as inucius


paganismo/ categorias%eli)
dos intelectuais
Tertuliano)crist"os)
rn>io)terrí#eis satiristas)
9act7ncio) cuMo al#o
Prudêncio faCempriorit?rio (o
cIacota dos
mitos) dos deuses) do culto/ No s(culo 555) 6omodiano ultrapassa esse limite) ridiculariCando
pessoas . os Mudeus) os pag"os) os ricos) ons para engordar como porcos . e cIega a
alegrar,se com a amea!a Jue os ?raros representam para o 5mp(rio/ o lado desse Gcrist"o
de etrema esJuerdaL) como o Jualifica um manual de literatura latina) #emos o
antipaganismo prim?rio de Prudêncio Jue) em uma s?tira) #ontra S(maco$ arrasta para a
lama os deuses decaídos/ Ele e#oca Príapo) deus da fecundidade e da seualidade) e
=(rcules:
G/// era tam(m grande amante das mulIeres
e) Jueimando de deseMo) segundo seu I?ito)
arrelia#a) nos osJues) as gar!as dos campos)
fornicando sem descanso e sem tr(gua em ere!"o)
seu cora!"o nunca em paC e sempre pronto para o mal:
Mamais um dia de descanso para seu memro ardente[
///
=(rcules) apaionado por um Mo#em lasci#o)
descarrega#a seus ardores nos ancos dos remadores)
enJuanto sore as ondas na#ega#a a na#e rgoA
so a pele de Nemeu) ele ousou) sem #ergonIa)
deitar,se com um Iomem[///L+0
Ele in#este tam(m contra as #estais) Jue se casam $ tarde: GKesta fica desgostosa
com essas #irgindades sem #olta: seu ser#i!o terminado) seu traalIo sagrado cumprido) a

#estalaoen#elIecida
le#a Jue suas
leito nupcial #oltarugas
a se casarA ela deia
em(ritas o lar Jue a arigou
e) rec(m,casada durante
numa cama fria)a Mu#entude)
aprende a
conIecer mornos transportesL/ +*

 s?tira crist") como se #ê) n"o ( sempre de alto ní#el/ s a#enturas dos deuses
greco,romanos oferecem) ( #erdade) forte mat(ria ao grande riso licencioso/ as) nesse
ponto) a .(blia n"o tem nada para in#eM?,los/ Das cenas de seo dos patriarcas ao Iar(m de
Salom"o) passando pelos incestos de 9ot) os adult(rios de Da#i ou as coi!as liidinosas
dos #elIos com SuCana) I? material para alimentar #olumes de pilI(rias oscenas/ B riso
foi uma arma anticrist") sem dQ#ida) mais eficaC Jue as persegui!es: essa) pro#a#elmente)
( uma das causas da a#ers"o dos crist"os pelo riso dia>lico/
Em seu 3iscurso verdadeiro$ composto ao redor de *0) Jue s> conIecemos por
cita!es de Brígenes) 6elso escarnece das Iist>rias GaracadarantesL do ;ênese) Gf?ulas
de #elIas mulIeresL emprestadas dos contos orientais: GUm Iomem modelado pelas m"os
+ Epístola a Tito) *) *2/
- ;ênese) 3) 22/
+0 PFUDN65B/ #ontra S(maco$ 5) *02,**-/
+* 5idem) 55) *0+/
de Deus e receendo seu sopro) uma mulIer retirada de sua costela) os mandamentos de
Deus entre eles) uma serpente reelando,se e tornando,se #itoriosa sore as prescri!es de
Deus/ %?ulas de mulIeres #elIas) essa ( a impiedade maior[ /// E ent"o um dilQ#io e uma
arca estranIa) contendo todos os seres) uma poma e uma gralIa ser#indo de mensageiros)
pl?gio sem escrQpulo da Iist>ria de Deucali"o/ Butra f?ula para crian!as peJuenas[L/+2
Yuanto aos crist"os) prossegue 6elso) eis suas m?imas: G9onge daJui todo Iomem Jue
possui JualJuer cultura) JualJuer saedoria) JualJuer MulgamentoA s"o m?s recomenda!es)
em nossa opini"oA mas JualJuer um Jue seMa ignorante) limitado) inculto e pore de espírito
Jue #enIa a n>s rapidamente[ FeconIecendo Jue tais Iomens s"o dignos de seu deus) eles
mostram em Jue s> Juerem e s> saem ganIar os simpl>rios) as almas #is e imecis) os
escra#os) as pores mulIeres e as crian!asL/
No fim do s(culo seguinte) Porfírio tam(m se mostra sarc?stico: Gesmo supondo
Jue os gregos seMam t"o otusos para pensar Jue os deuses Iaitam nas est?tuas) seria uma
concep!"o mais pura Jue admitir Jue o di#ino tenIa descido no #entre da Kirgem aria)
Jue ele se tenIa tornado emri"o) Jue depois de seu nascimento tenIa sido en#olto em
trapos ainda todo suMo de sangue) de ílis e de urinaL/ Yuanto a 9uciano) Jue () sem dQ#ida)
o mais temido pelos crist"os) #imos os efeitos de#astadores de suas Comarias/
 guerra do riso entre crist"os e pag"os n"o se desen#ol#e somente em li#ros/ B
c(lere grafite do s(culo 555) encontrado em Pompeia) em Jue se #ê um Iomem rendendo
culto a um crucificado com rosto de asno e com uma legenda em grego) Glessameno adora
seu deusL) ( geralmente considerada uma ora de derris"o anticrist") se em Jue outras
interpreta!es tenIam sido tentadas: trata,se) tal#eC) do desenIo de um gn>stico setIiano)
assimilando esus 6risto ao deus SetI) de cae!a de asnoA para =ar#e 6o) os autores
poderiam mesmo ser crist"os com um Gsenso mais profundo do asurdo cmico de sua
situa!"oL &Iip>tese Jue) em raC"o do conteto) parece pouco #erossímil'A para 9ouis
assignon) esse grafite #iria de um doceta) recusando o esc7ndalo da crucifica!"o di#ina e
indicando) com essa imagem) a sustitui!"o de um animal) símolo dos poderes do mal) por
esus . encontrar,se,?) ali?s) uma legenda similar no sufismo/ +3

6om ece!"o
arma apolog(tica denaalguns
( rara satiristasem
no#a religi"o) crist"os
Jue osmencionados) a utiliCa!"o
fi(is est"o muito do riso
con#encidos como
do tr?gico
da situa!"o para eperimentar o menor sentimento cmico/ Eles aderem $ sua f( de forma
muito rígida) de modo Jue n"o I? fissura por onde possa desliCar a ironia/ N"o eiste
nenIuma dist7ncia entre o crente e seu credoA ( essa fus"o Jue engendra o fanatismo) M? Jue
o riso se insinua pelos interstícios entre o suMeito pensante e o oMeto de seu pensamento)
Jue pode) ent"o) assumir aspectos estranIos e estrangeiros/ Para rir) ( preciso dQ#ida) um
início de dist7ncia) ao menos fictícia) para rincar/ B fan?tico n"o rincaA ele Gcrê nissoL e
Gse crê nissoL/ Ele ( um com sua f(/
Bs Qnicos tra!os de Iumor Jue se podem destacar nos crist"os dos primeiros s(culos
concernem ao desprendimento em rela!"o ao pr>prio corpo) miser?#el en#elope mortal Jue
aspiram a deiar/ Daí o Iumor negro de certos m?rtires) tal como 9ouren!o) Jue) colocado
sore uma grelIa) teria dito . segundo a Legenda dourada  a seu perseguidor D(cioA
GBlIa) miser?#el) Jue M? assaste uma costelaA #ira a outra e comeL/ Na #ida comum) o crist"o
+2 BFj;ENES/ #ontra #elso$ 1) 3<,1*/
+3 SS5;NBN) 9/ GB fantasma crucificado dos docetas e Sat" segundo os eridisL/ 5n: Revue de l*histoire des religions$ mar!o,
aril *-**/
( s(rio e faC de sua gra#idade uma #irtude/  recupera!"o de todo o em eistente no mundo
() desde essa (poca) um tra!o característico do cristianismo) para o Jual s> pode eistir mal
nos incr(dulos/ Se os fil>sofos pag"os adJuiriram uma ciência n"o negligenci?#el) foi
porJue a emprestaram de ois(sA se os profetas pag"os faCem profecias eatas) ( porJue
foram informados pelo diaoA se os pag"os faCem o em) n"o têm nenIum m(rito) M? Jue o
de#em a inclina!es naturaisA+1 se s"o s(rios e se astêm de rir) ( porJue s"o doentes) sofrem
Gde um ecesso de ílis ou de outro defeito de natureCaL/  gra#idade ( uma #irtude apenas
do crist"o) Jue sae por Jue n"o se de#e rirA no pag"o) ( um defeito/ B pag"o Jue ri (
demoníacoA o pag"o Jue cIora) um neur>tico/ O o Jue afirma a #oncordia regularum: GO
preciso crer Jue a ausência de riso em certos pag"os #em de um ecesso de ílis ou de outro
defeito natural Jue n"o a #irtudeL/+
 condena!"o do riso pelos crist"os ( Juase pro#erial na ntiguidade tardia/ No
s(culo K5) Juando o ret>rico 6lorício faC uma apologia da mímica) ele se pergunta se o
cristianismo considera o riso dia>lico/ Defendendo o riso) M? cita como argumento seu
poder terapêutico: um caso de cura de um doente Jue assistira a um mímico/+< O Jue) na
(poca) as autoridades eclesi?sticas) Jue controla#am o poder político desde a cristianiCa!"o
das autoridades imperiais) esta#am) dali em diante) em condi!es de impor suas concep!es
culturais) inteiramente impregnadas de teologia/  argumenta!"o contra o riso cede lugar $
interdi!"o pela for!a/
 luta se acirra) soretudo contra o riso coleti#o organiCado so a forma de festa/
inda mais Jue a festa est? intimamente ligada $ mitologia e $s cren!as pag"s/ Saturnais e
lupercais d"o lugar a regoCiMos imorais) se#eramente condenados pelos autores crist"os:
GculpadoL) GindecenteL) G#ergonIosoL) GdeocIadoL) Glicen!aL) GluQriaL) GsuMeiraL s"o
termos cada #eC mais recorrentes sore o assunto/ s mascaradas s"o Mulgadas
particularmente odiosas: usar uma m?scara) disfar!ar,se) ( mentir) ( mudar de identidade
para esconder suas m?s a!es . sugest"o demoníaca) ora de Sat"/ Bs pais pin!am) como
etimologia) o #elIo termo it?lico masca$ Jue Juer diCer GdemnioL) ao passo Jue o latino
larva$ Gm?scaraL) no início designa#a um espírito informal/ ascarar,se n"o ( tam(m
imitar o criador) renegar o corpo Jue ele nos deu para atriuir,se outroZ Est? claro: o diao
est? por tr?s de tudo isso/+
ssim) desde o início do 5mp(rio crist"o) interdi!es e condena!es de festas
multiplicam,se/ Desde o fim do s(culo 5K) as festas pag"s deiam de ser patrocinadas: em
3+-) Teod>sio e Kalentiniano 55 eliminam,nas do calend?rio/ Em 3-) rcadius reitera a
proii!"o de feriado nos dias de festas pag"s/  festa de aiQma) ainda tolerada em 3-<) (
proiida em 3-- em nome da moral/ ogos e mímicas s"o interditados por legisla!"o
aundante/ ++ Em 12) Teod>sio e Kalentiniano 55 proscre#em di#ertimentos) com(dia e
circo no domingo e nos dias de festas religiosas/ Bs concílios pro#inciais acrescentam) (
claro) seus an?temas: o 6oncílio de 6artago) em 3-+) ecomunga aJueles Jue deiam a
igreMa para ir a espet?culos em dias de festaA o 6oncílio de Tours) em <) condena as
+1 Sore esse aspecto)#er 5NB5S) ;/ L*>glise et la science$ t/ 5/ Paris: *--0A Histoire des enfers& Paris: *--*A Histoire de l*avenir&
Paris: *--</
+ 6itado por FESN56) / / GFisus monasticus/ 9augIter and m(di(#al culturesL/ 5n: Revue .énédictine$ *-+) t/ -/

+< FE56=) =/ 3er "imus& 1in Literarentic'lungsgeschichtlicher 0ersuch& 8erlim: *-03) pp/2,3/

+ ;5;NE8EFT) B/) F56BUV) B/ GBs pais da 5greMa contra as festas pag7s/ 9oucos de 6risto e asnos saturnianosL/ 5n: #arnavals

et mascarades& Paris: ed/ -& ;/ d_ala e / 8oiteu) *-++/


++ Ker ;UDEET) ;/ LB>glise dans l*1m!ire romain& Paris: *-+/
torpeCas pag"s Jue acompanIam as festas de fim de ano) Jue sustituíram as saturnais e
passaram a ser cIamadas de festas dos loucosA o de Toledo) em <33) reitera a condena!"o/

O RISO E O S#GR#DO! GROTES"O "RISTÃO E $#R.DI#

 repeti!"o das proii!es ( sempre índice de sua relati#a inefic?cia/ De fato) parece
Jue eistiu alguma toler7ncia/ B período ( etremamente confuso) e essa confus"o) de certa
forma) ( propícia ao riso) Jue conIece um início de muta!"o/ 6ertamente) os tempos s"o
pouco fa#or?#eis ao cmico: entre tila e os mero#íngios) entre os #7ndalos e os
ostrogodos) de massacres a epidemias) da fome $s de#asta!es) I? pouco espa!o para o riso[
B riso policiado da com(dia desaparece: Querolus$ do início do s(culo K) ( uma das Qltimas
com(dias do mundo latinoA s(ria e sem licenciosidade) n"o tem nada em comum com o
espírito de Plauto/ Pode,se falar) com ean,icIel Poinsotte) da Gmorte do cmico
antigoL/+- inda no s(culo K) Sidnio polin?rio trata a scurrilitas como #ício dos atores
de teatroA Blimpiodoro leandrino escre#e Jue n"o ( o riso) mas a santa c>lera) Jue (
edificante/
B riso sagrado naufraga ao mesmo tempo Jue o paganismo/ 6om certeCa) numerosos
festeMos de srcem pag" perpetuam,se so no#a emalagem) mas perdem) definiti#amente)
sua significa!"o religiosa) Jue s> ser? descoerta pelos eruditos modernos/ Bs risos do
6arna#al ou da festa dos loucos) JuaisJuer Jue seMam seus #ínculos . ali?s) discutí#eis .
com as saturnais e as lupercais) n"o têm mais) no espírito dos folies) o menor sentido
religioso/ S> a arJueologia das mentalidades lIes atriui um/  festa n"o ( mais o retorno
ritualiCado ao caos srcinal ou $ idade de ouroA () agora) ocasi"o para rir) sem saer por Juê/
B riso da festa era um meioA ele se torna seu pr>prio oMeto) seu fim/
B cristianismo) Jue n"o pde eliminar o riso) come!a a assimil?,lo/  5greMa) apesar
de sua rigideC de facIada) tem um etraordin?rio poder de adapta!"o/ B Jue n"o pode
destruir) ela assimila) integra $ sua sust7ncia) o Jue lIe permitiu ultrapassar) at( aJui) todas

as crises/
contra ela)Entre os no#as
d?,lIe s(culosroupas)
5K e K555) elaJuais
so as adJuire
os oIistoriadores
#i(s da cultura
n"oantigaA
cessamantes de in#estir
de redescorir
#estígios pag"os/ ssim) o riso ( recuperado) depois de ter sofrido uma necess?ria
depura!"o/
Para ;reg>rio) o ;rande) ao redor de <00) I? dois tipos de riso legítimo: Juando se
Coma dos maus) como o pr>prio Deus feC) e Juando se alegra com o em/ Ele pr>prio)
como nos confidenciar?) gargalIou durante uma missa porJue te#e uma #is"o ridícula: um
demnio est? escre#endo sore um pergaminIo a lista dos pecados do clero) mas) como ela
cresce cada #eC mais) ele precisa desenrolar o pergaminIo com os dentes) porJue as m"os
est"o ocupadas) e) tendo desistido) ele ate a cae!a contra a parede[-0 Em 3i4logos$ repleto
de demnios) ;reg>rio) o ;rande) papa) conta outra Iist>ria: uma religiosa Jueria saladaA
gulosa) morde uma folIa) esJuecendo de faCer o sinal da cruCA ora) um diainIo esta#a
tranJuilamente sore a folIa) faCendo a sesta/ O engolido e a religiosa fica possuída/ B
aade EuJuicius inter#(m para eorciC?,la e o diainIo se espanta por ser cIamado para a

+- PB5NSBTTE) /,/ G%im da ntiguidade) morte do cmico antigoL/ 5n: Le rire des anciens$ op/ cit/
-0 6f/ =BFBX5T]) /) EN6=E) S/ op/ cit/) p/ *21/
riga: GB Jue foi Jue eu fiC de erradoZ Eu esta#a descansando sore a folIa da salada) ela
#eio e me comeuL/ E#olu!"o re#eladora: o diao desliCa para o urlesco/ s des#enturas
dos demnios s"o fornecer uma mina de Iist>rias engra!adas na 5dade (diaA os cl(rigos
#oltam o riso contra o pore,diao/ Yue eemplo de adapta!"o[ Sat" troue o riso) Jue (
usado contra ele/ 6ertamente ele permanece aterrador) mas agora ( ami#alente) soretudo
na religi"o popular/
 #ida dos santos) Jue est? come!ando a ser redigida) testemunIa a mistura de

gêneros e a integra!"o
Iagiogr?ficos) ( #erdade) do riso $ af(seriedade
defendem com a asoluta
finalidade
de de
seusedifica!"o/ 6ertosalgu(m
Ier>is: Gamais relatoso
#iu rirL) diC,se de s"o Biendo em 0idas dos !ais do Jura& B mesmo coment?rio faC Sulpício
Se#ero a prop>sito de s"o artim: s"o seus inimigos Jue riem) Jue apontam o ridículo de
seu aspecto miser?#elA apesar de tudo) ele ( espirituoso em seus sermes/ 6onforme santo
tan?sio) Jue conta$ a #ida de Santo ntnio) este n"o era tentado pelo riso) mas n"o era
nada carrancudo/ E nas compila!es de anedotas Jue circula#am sore os pregadores) na
5dade (dia) figura a seguinte: um arJueiro se espanta ao #er Santo ntnio rincando com
seus companIeiros e o repreende por isso/ B santo pede,lIe para esticar seu arco e atirar
uma) duas) três) Juatro flecIas at( o momento em Jue o arJueiro declara Jue seu arco #ai
se Juerar por causa da repeti!"o de estiramentos/ ntnio d? a li!"o: GO a mesma coisa
-*
com a ora decaso)
Em JualJuer Deus/ Se Juis(ssemos
( preciso nos limites[
respeitar seus estirar al(m de()nossas
B riso for!as)
portanto) JueraríamosL/
necess?rio) ao menos
como escapismo/
=? mais/ Bs redatores das #idas de santos n"o Iesitam em produCir efeitos cmicos)
por uma mistura inetric?#el de profano e de sagrado) mesmo Jue isso cIegue a transgredir
a moral e o decoro: ( por uma oa causa/ Nesses tetos) certos santos cIegam $s #ias de
fato) esofeteiam,se) atemA outros) no paraíso) ca!oam dos tormentos dos condenadosA
outro ainda lame o muco de um leproso) o Jue o transforma em p(rolas preciosas/ 6ontra
o mal) JualJuer golpe ( om/ Um ispo mente afrontosamente diante de um demnio) e este
n"o ousa contestar de medo de #oltar para o inferno/ B milagre permanente) a transgress"o
constante das leis naturais) a mistura sagrado,profano) em,mal determinam um grotesco
crist"o Jue ( continuidade do grotesco pag"o/  ami#alência do grotesco ( colocada a
ser#i!o do sagrado) como o constata aron 5/ ;oure#itcI: GEsse grotesco pode pro#ocar a
alegria) mas ele n"o suprime o medoA antes) os une numa esp(cie de sentimento
contradit>rio) tendo por elemento insepar?#el o arrepio e o riso sagrado/ /// Nesse sistema)
o sagrado n"o ( Juestionado pelo risoA ao contr?rio) ( refor!ado pelo elemento cmico) Jue
( seu duplo e seu companIeiro) seu eco permanenteL/-2
 fus"o do cmico com o s(rio #ai marcar toda a religi"o popular da 5dade (dia/
B elemento cmico dos relatos religiosos () muitas #eCes) in#olunt?rioA n"o tem por
finalidade faCer rir) mas edificar) assimilando o mundo terreno ao risí#el/ Bs 3i4logos sobre
os milagres$ de 6es?rio de =eisteracI) est"o repletos dessas GmontagensL entre o tri#ial
terrestre e o sulime celeste/ Por eemplo) aJuele pore de espírito) sumetido $ tenta!"o)
Jue grita: GSenIor) se n"o me li#rares da tenta!"o) eu me Jueiarei a tua m"e[L ou aJuela
concuina de um padre Jue pergunta a um pregador Jual ser? sua sorte e ele lIe responde)
rincando) Jue ela ser? condenada) a menos Jue entre no forno aceso/ O o Jue ela faC/ Kê,
-* Felatado por =BFBX5T]) /) EN6=E) S/ op/ cit/) p/22/
-2 ;BUFEK5T6=) / 5/ GB cmico e o s(rio na literatura religiosa da 5dade (diaL/ 5n: 3iog+ne$ n/-0) ar/,Mun/ *-) pp/+ e +-/
se) ent"o) uma poma ranca sair pela cIamin(A como ela se suicidou) ( enterrada no campo
e) $ noite) perceem,se #elas Jue se acendem soCinIas) sore a tuma/ B medo) o riso) o
sagrado) o profano est"o intimamente mesclados/ O s> no fim da 5dade (dia e na
Fenascen!a Jue as autoridades empreender"o a grande separa!"o) traalIo de longo flego/
B confronto entre a cultura aterradora da elite e a cultura carna#alesca do po#o) Jue o li#ro
cl?ssico de 8aItine descre#e) n"o aparecer? antes do s(culo VK/ Em compensa!"o) sua
ideia de Grealismo grotescoL) pelo Jual a 5dade (dia ( capaC de transformar o terrífico em
cmico e de dissipar o medo pelo riso) ( fecunda/ uitos atores) de fato) cIegam a essa
constata!"o/
Desde *-2) B/ %reidenerg) em A srcem da !ar<dia$ mostra#a Jue nas ci#iliCa!es
arcaicas) antigas e medie#ais o cmico e o tr?gico) o ridículo e o sulime s"o dois aspectos
complementares de uma mesma concep!"o de mundo e Jue toda #is"o sulime implica uma
dupla par>dica: GEssa dualidade urlesca faC parte do pr>prio mecanismo do sagradoL/ 
par>dia) nesse conteto) ( apenas um simulacroA ela refor!a o conteQdo sagrado/ Este Qltimo
d? $ par>dia for!as no#as) porJue) Gmesmo Jue o sentimento religioso seMa potente e #i#aC)
ele pode) sem riscos) tornar,se ridículoL/ Yue risco corre uma f( t"o simples como aJuela
dos Iomens da 5dade (diaZ N"o se trata de seu conteQdo) Jue ( dos mais Ieter>clitos)
Ieterogêneos e Ieterodoos) mas da for!a de suas con#ic!es) Jue se enraíCam no #i#ido)
tanto
Yuandono n"o
cmico como no
se Coma tr?gico/
mais Uma tal
do sagrado) f( aceitaeleem
( porJue est?a moriundo)
Comaria) ela lIe (oindispens?#el/
como notar?) muito
mais tarde) S(astien ercier) na Paris do fim do s(culo VK555A GYueira Deus Jue) de
tempos em tempos) IaMa sacril(gios) teria dito um ispo/ Pensar,se,? em n>s) sem esJuecer
de nos faltar com o respeito/ /// S> I? os Mo#ens emperucados Jue faCem graceMos sore a
missaL/-3
Na 5dade (dia) n"o faltam essas rincadeiras/ s for!as) os mist(rios) as f?ulas
introduCem oos e diaos muito impertinentes/ GDiCer a #erdade rindoL () segundo Ernst
6urtius) uma das características dos relatos da lta 5dade (dia) Jue transcendem as
distin!es da ntiguidade cl?ssica entre s(rio e cmico) estilo #ulgar e estilo ele#ado/ -1 O a
mesma ami#alência da arte medie#al: Gproimando o Jue est? distante) reunindo o Jue
se eclui mutuamente) transgredindo as no!es usuais) o grotesco na arte assemelIa,se ao
paradoo na l>gicaL/-
Esse paradoo pode ir muito longe/ Numa religi"o t"o ritualiCada como o
catolicismo) em Jue tudo gira em torno da repeti!"o cotidiana da mesma cerimnia . com
os mesmos gestos e as mesmas pala#ras em todas as igreMas . reproduCindo a Qltima
refei!"o) a 6eia) era ine#it?#el Jue aparecesse logo uma deforma!"o cmica desse ritual)
so forma de par>dia/ Da refei!"o sagrada ao anJuete uf"o) a passagem ( muito r?pida)
e essa utiliCa!"o cmica do tr?gico sagrado ( a principal fonte do riso medie#al) Jue se
enraíCa na religi"o/ B caso mais c(lere ( aJuele de um teto latino annimo) composto
entre os s(culos K e K555: a #oena #%!riani$ em Jue todos os elementos s"o re#eladores do
no#o cmico/

-3 EF65EF) S/ 5ableau de -aris$ ed/ de *+3) t/ 555) p/-2/


-1 6UFT5US) E/ F/ A literatura euro!eia e a Idade "édia latina& Paris: *-</
-
P5NS5) 9/ Le réalisme , l*é!oque de la Renaissance& oscou: s/d/) p/*2*/ O9OT5NS5) E/ demonstrou) para a lta 5dade
(dia) os #ínculos entre o cmico e o demonismo nas sagas escandina#as &L*edda et les !remi+res formes de l*é!o!ée&
oscou: *-<+'/
 come!ar pela atriui!"o fictícia ao piedoso ispo de 6artago) s"o 6ipriano) morto
em 2</ B tema do anJuete ( dupla ou triplamente urlesco) e#ocando ao mesmo tempo
os anJuetes antigos) como aJuele Jue uliano) o p>stata) escre#era em Ionra de 6eres) e
o anJuete e#ang(lico da par?ola contada por ateus: um rei organiCa as odas de seu
filIo/ as trata,se tam(m de uma reprise dos sermes de ]en"o) ispo de Kerona) Jue
reunira as passagens ílicas e e#ang(licas sore a refei!"o/ B oMeti#o de ]en"o era)
parece) dar uma ase religiosa $s farras a Jue se entrega#am os fi(is para celerar a festa de
P?scoa/ Desde essa (poca) essa festa ( acompanIada de rincadeiras li#res) de uma
euer7ncia desenfreada) eprimindo a alegria da ressurrei!"o/ Tradi!"o de Griso de
P?scoaL) risus -aschalis$ Jue se transmitir? durante toda a 5dade (dia/
Na #oma #%!riani$ é o pr>prio Deus &eo#?' Jue con#ida para o anJuete/ í se
reencontram todos os ancestrais do ntigo e do No#o Testamento) identific?#eis por um
oMeto ou um prato Jue lemra um epis>dio de sua #ida: d"o) sentado no centroA sua esposa
E#a) sentada sore uma folIa de parreiraA seus filIos el) com um c7ntaro de leite) e 6aim)
sore sua carro!aA No() sore uma arca e logo emriagadoA udas) com uma olsa Jue #ai
deiar todos emara!adosA esus) Jue ee !assus$ #inIo feito de u#as secas cuMo nome
e#oca a Pai"o e Jue oferece um cordeiro ao reiA Pilatos) Jue passa a acia de la#ar as m"osA
ois(s) Jue traC duas t?uas da 9eiA Da#i) Jue toca Iarpa enJuanto =erodíades dan!aA
Pedro)
pratosA Jue adormece)
ra"o) mas (um
Jue oferece despertado
carito e por um outros
muitos galoA arta)
ainda/ Jue
S"o se apressa em
reencontros dosser#ir os
marcos
da Iist>ria sagrada/
6ome,se) ee,se) discute,se) I? rigas e tumulto/ Na confus"o) oMetos s"o
rouadosA as pessoas se tratam mutuamente de ladr"o e) no fim) ( designado um ode
epiat>rio Jue de#e ser morto para epiar os pecados/ gar ( escolIida/ gar) a escra#a) a
concuina egípcia de ra"o) a m"e de 5smael: seu sacrifício sal#a a companIia) e ela (
enterrada com funerais solenes/ esmo IoMe) numa sociedade laica) essa Iist>ria seria
considerada um esc7ndalo lasfemat>rio/ O muito re#elador Jue tenIa surgido nos meios
eclesi?sticos dos primeiros s(culos da 5greMa/
-<
PorJue)
n"o Iesita em como o demonstrou
#incul?,la ao riso %rancesco No#ati)do trata,se
saturnal/ l(m da ora
mais) esse de um
teto cl(rigo Jue
se transforma)
rapidamente) numa esp(cie de cl?ssico dos cIistes medie#ais) n"o simplesmente tolerado)
mas reconIecido) admirado) difundido) copiado sem a menor reticência) durante s(culos/
Desde os anos +30) o aade %ulda Faan aur faC uma adapta!"o are#iada) destinada a
ser lida na corte do rei 9ot?rioA em sua dedicat>ria) ele eplica Jue essa leitura ( Gdi#ertidaL
e tem uma fun!"o did?tica) facilitando a memoriCa!"o dos epis>dios ílicos/ Em +) um
di?cono romano) o"o) pe o teto em #ersoA ele ( recitado em um anJuete de 6arlos) o
6al#o) e o"o ressalta) em seu pr>logo) Jue a ora ( utiliCada na festa da escola do Pal?cio)
como recrea!"o pascal/ No início do s(culo V5) sselino de Feims faC outra adapta!"o Jue
susiste em #?rios manuscritos/
O toda a Iist>ria sagrada Jue ( tratada como uma #asta ufonaria) num clima
grotesco/ E esse ( apenas um eemplo/  #oga par>dica atinge todos os aspectos do sagrado
religioso/ Desde os s(culos K5 e K55) os Joca monacorum apresentam,se como uma s(rie
de perguntas engra!adas) com respostas etra#agantes) incidindo sore a f( e sore a .(bliaA

-< NBKT5) %/ La !arodia sacra nelle littérature moderne$ dans Studi critici e litterari& Turim: *++-/
eles ser#em de di#ers"o nos mosteiros/ So 6arlos agno) lcuíno e o ispo de Brl(ans)
Teodolfo) compem poemas cmicos do mesmo estilo/ Testamentos par>dicos) como
aJueles do porco e do asnoA e#angelIos par>dicos) como os dos êados) do tesoureiro) do
estudante de ParisA liturgias par>dicas) como o -ater noster da "issa dos beberres$ Jue se
torna uma in#oca!"o ao pai 8aco: G-ater .achi$ qui es in sc%!his$ bene !otetur vinum
bonum$ adveniat regnum tuumT$ ou o Iino 0erbum bonum &em Ionra da Kirgem') Jue se
torna 0inum bonum$ uma can!"o para eer/ Eero 5l#onen) Jue pulicou muitas dessas
par>dias) considera Jue Gas lasfêmias aparentes s> s"o epress"o de uma esp(cie de
onomia Mo#ial ou de uma malícia ingênuaL/-
B tema do anJuete ( freJuentemente eplorado/ ssim) no s(culo V) o "anuscrito
da can8o de #ambridge pe em cena um trapaceiro Jue conta ao arceispo de aence
Jue foi ao c(u e ao inferno: #iu esus em pleno anJuete) seguido pelo coCinIeiro S"o Paulo
e pelo cortador o"o 8atistaA ele conseguiu rouar um peda!o da mesa celeste/
;radualmente) a par>dia desliCa para a s?tira) a partir do s(culo V5) em Jue o cmico fustiga
os ausos dos grandes da 5greMa/ as) at( o s(culo 5V) tudo se limita ao grotesco) com
grande lierdade cmica/ Para iI?il 8aItine) essa lierdade ( de#ida ao fato de Jue o
regime feudal) Mo#em) ( ainda relati#amente popular e Jue a cultura popular) muito
poderosa) assume naturalmente a continua!"o das saturnais) ao passo Jue a cultura religiosa
-+
oficial ainda ( muito fraca para poder impor proii!es ao riso/

U TE$O $#R# RIR' U TE$O $#R# "OR#R

ntes de eaminar essa Qltima Juest"o) ( preciso focaliCar outros aspectos do


conteto) Jue deiam entre#er certa flutua!"o em rela!"o ao riso/ B Livro das fa(scas$
composto no s(culo K55 por Defensor de 9igug() perpetua a Iostilidade patrística) s>
aceitando o sorriso e fustigando o riso: GB ronco) rindo) ele#a a #oCA o Iomem s?io apenas
sorrir?LA G8asílio disse: n"o rias com l?ios despregados) porJue o riso arulIento (
loucuraA mas manifesta a alegria de teu espírito com um simples sorrisoLA Ga compun!"o do
cora!"o n"o cIegar? onde Iou#er riso e rincadeira em ecessoLA GJuem passa seu tempo
em alegria passar? em sofrimento a eternidadeLA Go tolo comete crimes como se risseLA Go
Comador usca a saedoria sem encontr?,laL/ Para Defensor) o riso ( ami#alente) nunca
est? longe das l?grimas: GB riso ser? misturado ao sofrimentoA o ecesso de alegria (
sustituído por solu!osL/--
o lado das GfaíscasL dessa corrente negati#a) I? a corrente alternati#a Jue retoma
a tradi!"o aristot(lica do Gpr>prio do IomemL/ No início do s(culo K5) 8o(cio) em seu
coment?rio sore Isagoge$ de Porfírio) #ê no riso uma prerrogati#a do Iomem racional) e
no s(culo 5V o monge Noter le 8^gue amplia a ideia) definindo o Iomem como um animal
mortal) racional e capaC de rir &homo es animal mortale$ rationale$ risus ca!a='/ B riso ()
portanto)
em rela!"ocolocado
$ esta/noB mesmo
Iomemní#el
n"o (daapenas
raC"o) acomo
Qnicaparticularidade fundamental
criatura Jue pode rir) mas do Iomema
tam(m
Qnica criatura risí#el: s> rimos daJuilo Jue ( Iumano ou faC pensar no Iomem & quia

- 59KBNEN) E/ -arodies de th+mes !ieu= dans la !oésie franaise du "o%en Age& =elsingfors: *-*1) p/</
-+ 8=T5NE) / op/ cit/) p/+/
-- DE%ENSBF DE 95;U;E/ Livre dBétincelles$ cap// 6ol/ Sources 6Ir(tiennes) +<) 55/
quidquid risible est$ homo est') o Jue ( uma ideia muito moderna/ lcuíno utiliCa Juase a
mesma f>rmula . um pouco mais elaorada . do Iomem como substantia animata$
rationalis$ mortalis$ risus ca!a=& B riso faC parte da natureCa Iumana) mas n"o de sua
essência) o Jue n"o preMudica em nada seu car?ter om ou mau/
 Iesita!"o manifesta,se na pr?tica/ Desde a (poca mero#íngia) os dignit?rios da
5greMa possuem seus ufes) ao passo Jue os regulamentos cannicos condenam esse uso:
os tetos do s(culo VK555 proíem os ispos) aades e aadessas de ter farsantes) c"es de

ca!a de
#em ou 7ocus$
falces) e os cl(rigos)e de
GrincadeiraL) Juerepresentar pap(isem
dar? GMongleurL defrancês
oos) edeGMogralL
GMoculatorsL . termoPara
em português/ Jue
os grandes do mundo laico) a tradi!"o do oo da corte perpetua,se depois da (poca dos
soeranos Ielenistas) e os ?raros n"o s"o ece!"o/ ssim) em meados do s(culo K s"o
contratados os ser#i!os de aure ]ercon) um an"o corcunda) estropiado) sem nariC e idiota/
 atra!"o pelo grotesco monstruoso eplica seu sucesso/ De início a ser#i!o do general
romano spar) depois de 8leda) irm"o de tila) ]ercon tenta fugir/ tila) tendo matado seu
irm"o) en#ia o an"o de presente a (cio) Jue o entrega) em seguida) a spar/ Fepassado ao
ser#i!o de tila) ele ( notado) em 11-) pelos emaiadores do imperador do Briente)
Teod>sioA no decorrer de uma refei!"o) ele faC os con#i#as gargalIarem/
Bs imperadores iCantinos tam(m têm seus oos/ 6onIece,se) por eemplo)
Dander) o uf"o do imperador Te>filo &+2-,+12'/ Bs reis da %ran!a n"o ficam atr?s e) em
-13) o duJue de Neustria) =ugues) o ;rande) le#a consigo $ guerra seu mimus$ Jue se
permite faCer um mau trocadilIo sore as pessoas Jue morrem Gem odor de santidadeL/
Deus) assegura o cronista Brderic Kital) puniu,o fulminando,o numa tempestade) na noite
seguinte/ =?) portanto) limites para a lierdade de rir: n"o se de#e rincar com o sagrado) o
Jue ( contradit>rio com as par>dias Jue acaamos de comentar/  confus"o se confirma/
Parece Jue cada mo#imento para um consenso consistente d? lugar ao riso li#re em certas
(pocas do ano) certas circunst7ncias e certos termos) no Juadro coleti#o e organiCado da
festa: riso pascal) 6arna#al) festa dos oos e do asnoA e no tempo restante) o sagrado de#e
ser protegido das iniciati#as de Comaria indi#idual/ Sem dQ#ida) a di#is"o ainda n"o (
estrita) mas) pouco a pouco) progride a ideia ílica segundo a Jual I? Gum tempo e um
lugarq para rir e um tempo e um lugarq para cIorarL/

O RISO ;#NIDO DOS OSTEIROS

5sso ( constatado mesmo no interior desses lugares fecIados) desses encla#es de


santidade Jue s"o os mosteiros) Jue conIecem) nessa (poca) sua idade de ouro/ No seio
dessas comunidades) supostamente prefigura!es da #ida perfeita dos eleitos) o riso n"o
est? totalmente ausente/ Ele tem algum lugar em certos momentos de recrea!"o com os Joca
monacorum$ os GMogos dos mongesL) perguntas e adi#inIas Jue ca!oam gentilmente da #ida
religiosa
do riso (e rigorosamente
cuMas colet7neasdelimitado/
come!am aTrata,se
circular de
a partir
puradoconcess"o
s(culo K555/ as o espa!o,tempo
$ fraJueCa da natureCa
Iumana decaída) Jue n"o pode ser ignorada permanentemente) segundo a pitoresca
epress"o de Santo ntnio/ Bs mosteiros de#em ressoar com preces e cantos gregorianos)
e n"o com gargalIadas/
acJues 9e ;off) Jue estudou ) riso nas regras mon4sticas da Alta Idade "édia$
estaeleceu irrefut?#el demonstra!"o disso: ( no meio do clero regular Jue a reputa!"o
dia>lica se implanta mais solidamente/*00 Esse cacareMo estQpido n"o apenas rompe o
silêncio monacal como) al(m disso) ( sinal de falta de Iumildade/ O o Jue repetem) $
eaust"o) as regras mon?sticas/ Escutemos S"o 8ento) Jue pede a seu monge para Gn"o
diCer pala#ras #aCias nem fac(cias nem amar o riso ecessi#o e arulIentoL &5K) 3,1'/
Ele atingir? Go d(cimo grau de Iumildade se n"o esti#er sempre pronto a rir) porJue est?
escrito: bB tolo gargalIa_L/ B **R grau de Iumildade ocorre Juando o monge Gfala pouco)
pronuncia poucas pala#ras sensatas) docemente) sem rir) com Iumildade e gra#idadeL &K55)
+,<0'/ GYuanto $s ufonarias) Jue usam pala#ras ousadas e le#am a rir) n>s as condenamos
totalmente e em JualJuer lugar) e n"o permitimos ao discípulo arir a oca para tais
discursosL/*0* &K5) +'
Para 8ento de niana) o riso ( sinnimo de le#iandade e orgulIo) Gpois o SenIor
condena aJueles Jue riem agora) e ( claro Jue a alma fiel nunca de#e rirL/ *02 No s(culo K5)
a Regra de -aulo e 1stev8o estaelece claramente o #ínculo entre o riso e o diao:
GDe#emos todos ficar alertas contra o ecesso imoderado da rincadeira e do riso) porJue
eles pro#ocam) muitas #eCes) amargas dissenses entre os irm"os/ /// B riso al(m da medida
( a porta da indisciplina e da dissipa!"o) como todos saemosA o diao ser#e,se dele para
*03
desliCar insensi#elmente para a infeliC alma funestos alimentosL/
Nas #ises mon?sticas) o inferno ( o lugar do riso/ No s(culo K555) 8eda) o
Kener?#el) traC o relato de um certo Drictelmo) ressuscitado) Jue passa uns dias com Sat"
e Jue ou#iu Gum riso terrí#elL) como se uma popula!"o Comasse de inimigos acorrentados/
6omo o ruído aumentasse) Geu #i uma multid"o de maus espíritos arrastando com eles cinco
almas Iumanas gementes para as profundeCas das tre#as) enJuanto os demnios riam e
eulta#amL/
 maior parte das regras pre#eem castigos contra os monges surpreendidos a rir e a
rincar/ NaJuela cIamada Gdos Juatro paisL) composta em 9(rins) ao redor de 100,1*0) lê,
se: GSe JualJuer um for surpreendido rindo ou diCendo pilI(rias . como diC o p>stolo)
bo Jueemn"o
seMa) con#(m
nome ao assunto_
do SenIor) .) n>s
reprimido ordenamos
de todas Jue) pelo
as formas durante duasda
cIicote semanas) tal Iomem
IumildadeL/ *01 Na

regra oriental do mosteiro de 6ondato) por #olta de 00) pre#ine,se o monge de Jue Gn"o
se deie dissipar pelo riso dos oos ou pelas rincadeirasL e Jue Gse um de seus irm"os for
tomado pelo riso ou se puser a rincar) de om grado) com crian!as) ser? ad#ertido três
#eCesA se n"o cessar) de#er? ser punido com castigos se#erosLA Gse algu(m fala ou ri durante
as refei!es) Jue seMa repreendido e fa!a penitênciaL/*0 inda no s(culo K5) a regra de s"o
6olumano pre#ê Jue GaJuele Jue rir) so a capa) na assemleia) isto () no ofício) de#er?
ser castigado com seis golpes/ Se ele gargalIar) de#er? MeMuar) a menos Jue o tenIa feito de
maneira perdo?#elL/  Regula monachorum$ de s"o %rutuoso) proíe contar Iist>rias

*00 5n: Haut "o%en Age: culture$ éducation et société& >tudes offertes , -ierre Riché& Paris: *--0) pp/-2,*03/
*0* 0ida e regra de S8o .ento& Paris: ed/ Descl(e de 8rouer) *-</
*02 #oncordia regularum$ VV/

*03 Regula -auli et Ste!hani$ 3/

*01 Regra dos quatro !ais$ ) 1/


*0 Regra oriental$ cap/*) *+) 3</
engra!adas no decorrer do traalIoA a de s"o Donato pede Jue n"o se pro#oJue o riso
durante o ofício di#ino/
 regra de s"o %err(ol d_UC^s &3,+*' acumula cita!es escritur?rias para
Mustificar sua interdi!"o do riso: GSegundo o testemunIo do E#angelIo) lemos Jue Nosso
SenIor esus 6risto cIorou) mas ignoramos se riuA entristecido at( as l?grimas) ele n"o se
entregou ao riso/ Entretanto) para Jue ningu(m diga Jue n"o temos outros testemunIos al(m
das Escrituras) escutemos o Jue diC Salom"o: bB riso est? misturado com a dor) e a alegria

acaa emdodesgosto_/
espírito pecador/ EB ainda: bais
cora!"o #ale aest?
do s?io c>lera Jueseoencontra
onde riso) porJue um rosto
a tristeCa) e ose#ero cura
cora!"o doso
oos) onde se encontra a alegria_/ E ainda: bB oo) Juando ri) faC ressoar sua #oC) mas o
s?io mal sorri) em silêncio_L/*0<
s Instituies cenobitas$ de o"o 6assiano) redigidas ao redor de 12) indicam
como sinal de Iumildade Gn"o se deiar le#ar facilmente pelo risoL/ *0 Yuanto $ Regra do
"estre$ datada do s(culo K5 e retomada na colet7nea das regras mon?sticas de 8ento de
niana) no s(culo 5V) ela refor!a) #?rias #eCes) essa Juest"o Jue Mulga essencial/*0+ B riso (
a #ingan!a do diao: GEis os #ícios contra os Juais de#emos nos guardar:/// ufonaria) ///
riso prolongado ou $s gargalIadas) cantarolar/ /// Tudo isso n"o ( de Deus) mas ( ora do
diao e merece de Deus) no dia do Mulgamento) o Jue lIe cae: a tortura do fogo eternoL/ B
prior do mosteiro de#er?) pois) ser particularmente #igilante: Gesmo Jue ele fale com
outro em #oC aia) o super#isor #elar? para Jue sua oca n"o profira pala#ra #" ou Jue
pro#oJue o riso/ /// Se) portanto) um discípulo fala de tra#(s) o super#isor de#er? ad#erti,lo
nestes termos: b%ecIa a oca) irm"o) $ m? pala#ra/ O o em Jue de#e sair por onde proferes
o mal/ ssim) n>s Jue escutamos) admiraremos a oa pala#ra em tua oca em lugar de rir
contigo de uma #" ou m? pala#ra/ PorJue o Jue faC rir n"o #ale nada//// PorJue logo Jue
uma pala#ra #" sai de tua oca) irm"o) ela Juer nos faCer rir e #ai perder,se em nossas
orelIas) M? Jue) uma #eC saída) n"o pode reentrar) mas a presta!"o de contas permanece_L/
Se ele #ê um frade prestes a rir) o super#isor presente de#er? ad#erti,lo: GYue ( Jue faCes
aí) irm"oZ %aC com seriedade o Jue faCes) porJue o tempo de nossa con#ersa n"o ( um
tempo de alegria para rir) mas um tempo de penitência para cIorar por nossos pecadosL/
s san!es s"o se#eras: GYuanto $s ufonarias) $s pala#ras ousadas e Jue le#am a
rir) n>s as condenamos $ reclus"o perp(tua e n"o permitimos ao discípulo arir a oca para
tal prop>sitoL/ Uma regra de ouro: GN"o diCer) de Meito nenIum) coisas #"s e Jue le#em ao
riso) n"o amar o riso prolongado ou $s gargalIadasL/ N"o se pode atingir o d(cimo ou o **R
degrau de Iumildade se n"o se proíe de rir: GB discípulo ascende ao d(cimo degrau de
Iumildade) na escala do c(u) se n"o fica propenso a rir) porJue est? escrito: bB tolo ele#a a
#oC para rir_ e b6omo um ruído de espinIos Jue crepitam no fogo) tal ( o riso do Iomem_L/
B **R degrau ( atingido Gse) ao falar) ele o faC docemente e sem rirL/ *0-
 ceifa ( eloJuente/ 6ertamente) s"o apenas tetos legislati#os) e n"o temos como
saer em Jue medida s"o aplicados/ 6ontudo) ( re#elador constatar Jue) para todos os
fundadores de ordens religiosas) o riso ( considerado inimigo da perfeita #ida crist") um

*0<
Regra de S8o Ferréol dBKzis$ VV5K) *,) em DESPFE]) K/ R+gles monastiques d*)ccident: I0e0Ie si+cle& 8egrolles,en,
auges: *-+0) pp/3*,3*</
*0 Sources 6Ir(tiennes) n/l0-) *-<) 3-) 2/

*0+ Sources 6Ir(tiennes) n/*0) *-<1) t/ 5/


*0- 5idem) ) -,**A **) 1-,+) A -) *A 3) -A *0) +,+0/
elemento perturador da ordem) nascido com o pecado srcinal e uma manifesta!"o de
orgulIo) porJue o riso ( sempre um sentimento de superioridade) Comaria e despreCo pelo
outro/ Soretudo o riso desenfreado) arulIento e prolongado) mas essa n"o ( a tendência
natural de toda IilaridadeZ

RIR SO3INO! O UOR #;SOLUTO DOS $#IS DO DESERTO

B mo#imento mon?stico compreende um caso muito peculiar: o GeremitismoL) Jue


se desen#ol#e) de início) no Briente) depois ganIa o Bcidente/ A !riori$ o ermit"o est? ao
arigo do riso: de Jue poderia rir um Iomem soCinIoZ 8em) ele tem) ao contr?rio) tudo para
du#idar de sua imagina!"o e) como n"o I? ningu(m para lIe impor silêncio) est? entregue
a suas pr>prias for!asA a tenta!"o do riso torna,se mais potente . tenta!"o dia>lica pela
Jual come!a a destrui!"o da #irtude na pessoa solit?ria/ o menos ( esse o a#iso do oriental
s"o Efraim &30<,33') Jue consagra a esse prolema um 3iscurso sobre os risos e os
divertimentos: GB princípio da in#ers"o e da ruína de um solit?rio ( o riso) a impunidade e
o desregramento/ /// B riso e o desregramento o lan!am nas paies #ergonIosas e nelas se
precipitam n"o apenas os Mo#ens religiosos) mas at( mesmo os #elIos//// Escutai) agora) o
Jue de#eis pensar
n"o edifica/ do riso/ os
N"o conser#a Eleedifícios
destr>i completamente a eatitude
espirituais) por(m os perde da
e osafli!"o e do
in#erte/ luto/ Eleo
fugenta
Espírito Santo) ( noci#o $ alma e corrompe o corpo/ B riso ane as #irtudes) n"o se lemra
da morte e n"o faC nenIuma refle"o sore os suplícios da outra #ida/ Senhor$ afastai de
mim o riso e concedei,me o luto e os gemidos Jue Deus deseMa de mim/ /// TenIamos)
portanto) alegria e le#eCa no rosto) regoCiMando,nos com os dons de Deus no Espírito Santo/
as cIorando e gemendo em espírito e em pensamentoL/
Essa condena!"o sem apelo ( ilustrada pelo etraordin?rio documento Jue ( 0idas
dos !ais do deserto& Paradoalmente) saemos mais sore a #ida concreta desses solit?rios
Jue sore a deste ou daJuele mosteiro/ Em primeiro lugar) porJue sua solid"o ( relati#a:
nos arredores do delta do Nilo) nos s(culos 5K e K) santos #elIos #êm retirar,seA seu
prestígio sendo grande) numerosos discípulos correm a imit?,los e edificam suas caanas
ao redor da do mestre/ 6ada um traalIa) reCa e medita em seu canto) mas os outros nunca
est"o longe) e podem eistir preces comuns/ B renome desses eremitas e de suas fa!anIas
asc(ticas atrai os #iaMantes) Jue deiaram relatos detalIados do Jue #iram e ou#iram:
Hist<ria dos monges$ documento annimo) redigido por #olta de 100 e traduCido em latim
por Fufino de JuileiaA a Hist<ria dedicada a Lausos$ escrita pelo ispo Pal?dio ao redor
de 1*-,120A as #onfer6ncias$ de o"o 6assiano) aproimadamente em 120A compila!es de
A!otegmas$ dos pais do deserto) circulam igualmente/ De todos esses materiais emana um
clima estranIo) Jue a enorme defasagem de mentalidades torna ainda mais ins>lito e do
Jual se desprende) para o leitor do s(culo VV5) um etraordin?rio Iumor/
De confirma
rir) o Jue um lado) os santos pais relatam
o Mulgamento os grotescos
de s"o Efraim: esfor!osJue
um solit?rio do demnio para
come!asse faCê,los
a rir seria
conJuista do diao/ Por isso) este se faC de palIa!o) multiplica as ufonarias e as
ecentricidades com sua tropa de demnios cmicos com o Qnico fito de escarnecer do
asceta/ Eles desaam tam(m sore s"o P?scomo) cuMo rosto sorridente deia pressagiar Jue
a tarefa ser? mais f?cilA colocam so seus olIos #ises Iilariantes) como na cena em Jue
deCenas de diaos simulam esfor!os sore,Iumanos para deslocar uma folIa: Glgum
tempo depois) uma multid"o de demnios esfor!ou,se em tentar o ser#idor de Deus com
uma esp(cie de ilus"o/ K?rios dentre eles) unidos) amarraram grossas cordas a uma folIa de
?r#ore e) em fila) de um lado e de outro) pua#am,na com etremo esfor!o e eorta#am um
ao outro nessa empresa) como se se tratasse de remo#er uma enorme pedra) de peso
prodigioso/ Esses infeliCes faCiam isso para le#?,lo a um riso ecessi#o por uma a!"o t"o
ridícula e repro#?,lo) em seguida/ P?scomo gemeu em seu cora!"o por essa imprudência) e
depois de ter) como sempre) recorrido a Deus pela prece) o poder de esus 6risto dissipou
logo essa multid"oL/**0 Butra tentati#a) igualmente #": GEsse santo tinIa o costume de ir
reCar em lugares recuados) e muito longe de seu monast(rioA e muitas #eCes) Juando #olta#a)
os demnios) por Comaria) marcIa#am em fila diante dele) assim como se marcIa diante
de um magistrado) diCendo uns aos outros: ri caminIo para o Iomem de Deus[_/ as
P?scomo) fortificado pela confian!a Jue tinIa em esus 6risto) despreCou todas essas
fíc!es ridículas) como se se tratasse de espantar c"esL/
as) por outro lado) a #ida dos pais do deserto cont(m um rigoroso senso de Iumor)
Jue faCia o pai Fousselot escre#er: GN"o seria difícil dar uma descri!"o urlesca da #ida no
desertoL/ Esse aspecto se encontra) estranIamente) com a mentalidade de nossa (poca) mais
al(m do enorme fosso cultural Jue nos separa desses ermites/ Nada ilustra melIor o car?ter
intemporal e uni#ersal do Iumor) termo Jue mesmo os especialistas mais perspicaCes n"o
poderiam recusarcmica
delieradamente aos pais
dos do
pais)deserto/ Desdea de
assim como *-2)
seus ean 8r(mond
i>grafos) acentua a inten!"o
*** e) recentemente) Piero
;riaudi pde consagrar toda uma ora aos 3itos es!irituosos e facécias dos !ais do
deserto/**2
De fato) o GeremitismoL ( terreno pri#ilegiado para desen#ol#er o senso de Iumor:
o Iomem s> tem um interlocutor íntimo . ele mesmo/ Sem cIegar a uscar o efeito) o
rilIo) sem esperar a admira!"o dos outros por seu tra!o de espírito) ele pratica o Iumor
puro) despoMado) reduCido ao essencial: a autoderris"o em Juarto fecIado) contida em si
mesma/ B Iumor solit?rio ( o Iumor asoluto) por distanciamento em rela!"o a si mesmo)
sem ilus"o) sem recurso) sem interferência eterior/ O no face a face lQcido consigo mesmo
Jue se atinge o m?imo do Iumor/  trapa!a ( inQtil) n"o I? ningu(m para enganar/
utêntico e #erdadeiro) Como de mim mesmoA impiedoso e terno) eu me des#elo minIa
pr>pria mis(ria/ cuso,me e me desculpo ao mesmo tempoA despreCo,me e me amo por
inteiro) ironicamente/ Eu sou duplo) por instantes: dois seres contradit>rios Jue ca!oam um
do outro e Jue) como partículas de signos opostos) se anulam Juando se Muntam) para tornar,
se pura energia) uma a!"o cotidiana irrefletida/
N"o ( esse Iumor despoMado) asoluto Jue le#a o aade ac?rio) centen?rio) a
interpelar a sorteZ GJui) iltre de caelos rancos) at( Juando estarei contigoZ /// Yue
Jueres) #elIo malditoZL =? um elo eemplo de desdoramento Juando) le#ando um
pesado fardo) ele declara: GEu esfolo aJuele Jue me esfolaL/ Temos autoderris"o igualmente
em Pal?dio) Jue responde a ean de 9copolis Juando este lIe pergunta se Jueria tornar,se
ispo: G? n"o o souZ . De Jue dioceseZ .  diocese das coCinIas) das adegas) das mesas
e da lou!a suMaA ( l? Jue pontifico) e se acontece de a#inagrar algum #inIo) eu o separo e
eo o om/ Sou tam(m o ispo da marmitaA se falta sal ou um dos temperos) eu o coloco)

**0 0ida de S8o -4scomo$ */ 5n: -atrologia latina$ 3) 210/
*** 8FOBND) / )s !ais do deserto& t/ 5) Paris: *-2/
**2 Paris: *-+/
tempero e depois engulo tudo/ O esse meu episcopado) e fui ordenado pela gulodiceL/ Da
mais pura autoderris"o sai tam(m este dito de Santo ntnio: GUm dia) algu(m diC ao
grande ntonio: bTu (s o maior monge de todo o Briente_/ bB diao M? me disse isso_)
respondeu o aade ntonioL/ E ainda a di#isa do aade rsênio: G%oge) cala,te) fica
tranJuiloL/
=umor tam(m ( o de Paulo) o Simples: esse camponês rude e casado com uma ela
mulIer) a Jual ele descore) um dia) nos ra!os do amante/ Ele cai na gargalIada e declara

ao Iomem:
mais/ GEst?dela
Kai) cuida em) est?filIos
e dos em/dela)
Na #erdade)
porJue eun"o
meme preocupo/
retiro Por mongeL/
e #ou #irar esus) n"o a Juero
Ent"o) ele
procura ntonio no deserto e consegue persuadi,lo de Jue ser? capaC de suportar as
pro#a!es da #ida de eremita/
Bs pais tam(m Comam do diao) #ítima do riso do Jual ( promotor/ Eles se
entregam com toda a lierdade a pilI(rias) faCem,lIe caretas) desdenIam dele) aparam,lIe
os cIifres/ B aade Pacon Coma da impotência do demnio) Jue n"o ( nem capaC de
aMud?,lo a se suicidar: GUm dia em Jue eu pensa#a em suicídio) notei uma peJuena esta
uma ?spideqA enfiei,a) com a goela aerta) num om lugar e ela n"o conseguiu nem me
morderL/ Butra #eC) ele foi se deitar) nu) numa ca#erna com Iienas) Jue s> fiCeram
amament?,lo/
B senso de Iumor eprime,se na r(plica dos pais: GUm discípulo foi procurar um
pai: a) como de#e ser uma IomiliaZ_ bUma Iomilia_) responde,lIe ele) bde#e ter um
om come!o e um om fimA depois) faC de forma tal Jue o come!o e o fim esteMam o mais
perto possí#el_L/ Eis ainda a descri!"o de refei!"o frugal oferecida por Postumiano ao gaulês
;allus) I>spede de passagem) Jue tinIa a reputa!"o . como todos os gauleses . de ser
grande comil"o: GEle nos ser#iu um Mantar) certamente esplêndido: era a metade de um p"o
de ce#ada/ Bra) n>s (ramos Juatro) e ele era o Juinto/ Ele nos troue tam(m um fiapo de
er#a cuMo nome me escapaL/
Nos pais eiste tam(m um cmico in#olunt?rio) Jue ilustra a relati#idade do dito
cmico/ 6ontudo) a autoderris"o dos eremitas atinge a uni#ersalidade em seu despoMamento)
M? Jueuf"o/
mais suas fa!anIas asc(ticas
B lado arroco pro#amdaJue
e grotesco o s(rio
#ida maisindispunIa
dos pais admir?#elopode
cleroresultar
cl?ssicono cmico
e racional
do s(culo VK55) Jue escamotea#a) de om grado) desses ancestrais constrangedores/ Em
*<<2) o ispo ;odeau escre#ia em )s quadros da !enit6ncia: G Iist>ria dos pais do deserto
fornece eemplos de penitência Jue s"o mais admir?#eis Jue imit?#eis e Jue pelas coisas
etraordin?rias Jue contêm tornaram,se mais pr>prios para ecitar a risada das pessoas do
mundo Jue para como#ê,las ou con#encê,lasL/
=oMe) rimos $ #ontade diante dos recordes asurdos desses ermites) cuMas
performances) se ti#essem sido Iomologadas) seriam dignas do Cuinness .oo'& ac?rio (
um #erdadeiro campe"o pluridisciplinar) Jue permanece #inte dias e #inte noites eposto
ao calor e ao frio do deserto para n"o dormir/ Tentado pela fornica!"o) ele se instala durante
seis meses) completamente nu) no meio de um p7ntano infestado de mosJuitos) GJue eram
grandes como #espas e cuMo ferr"o podia penetrar a pele de um Ma#aliL/ Yuando ele #olta)
n"o ( mais Jue um enorme incIa!o: GS> se podia reconIecê,lo pela #oCL/ Saendo Jue os
solit?rios da Taênia n"o comiam nada coCido) ele se alimentou durante sete anos de er#as
cruas/ Ele n"o pode suportar ficar por aio em cIagas . o Jue ( antes um sinal de orgulIo/
E a emula!"o est? #i#a entre esses atletas da penitência/ Para ater recordes) ac?rio recorre
a sutis suterfQgios: Tendo saido Jue um solit?rio s> come uma lira de p"o por dia) ele
parte em peda!os o p"o Jue tinIa e coloca,os dentro de uma garrafa) com a resolu!"o de s>
comer o Jue conseguisse pegar com os dedos) o Jue ( uma grande austeridade/ PorJue) diCia
ele com gra!a) eu pega#a em #?rios peda!os) mas a oca da garrafa era t"o estreita Jue
n"o podia tir?,los de l?L/ B piedoso redator n"o nos conta Juanto pesa#a ac?rio ao cao
de três anos dessa dieta de emagrecimento/ Butro caso ( aJuele do monge Jue) para se punir
pela #ontade de comer pepino) pede Jue lIe tragam um e fica olIando fiamente para ele
durante todo o dia/
Em outro gênero) Sime"o) o Estilita) ( o recordista asoluto de moradia no alto de
uma coluna: ele passa #?rias deCenas de anos sore uma estreita plataforma no topo de uma
coluna) sem nunca descer/ K?rias #eCes) ele a faC le#antar . sempre mais alto) mais forte:
seis c#ados) depois *2) depois 22) depois 3< &ou seMa) *+ metros') Go deseMo Jue ele tinIa
de le#antar #oo para o c(u faCia com Jue se afastasse cada #eC mais da terraL) escre#e o
redator de sua iografia/
Esses grupos de anacoretas) loucos de Deus ou s> loucos) especialiCam,se: I? os
estilitas) Jue ficam sore suas colunasA os dendritas) Jue #i#em nas ?r#oresA os pastadores)
Jue s> comem er#a ao solA os reclusos) encarJuilIados em um minQsculo redutoA os
adamitas) totalmente nus) so os ardores do sol africano/ N"o se la#ando nunca nem
trocando de I?itos . aJueles Jue os usam . durante deCenas de anos) eles alia#am suMeira
e santidade) $ imagem de seu modelo) Santo ntnio) Jue GMeMua#a todo dia) le#ando sore
o corpo uma pele Jue mante#e at( o fim/ Ele n"o se anIa#a) n"o molIa#a seJuer os p(s)
s> mergulIando,os na ?gua por necessidade/ Ningu(m nunca o #iu nu) s> Juando foi preciso
amortalI?,loL/ **3 B ridículo n"o falta) n"o mais Jue nas famosas tenta!es dia>licas Jue o
assaltam e Jue o deiam insensí#el: GNele) nem riso nem tristeCaL/
Por essas asurdas performances) os pais do deserto Juerem) de fato) ultrapassar o
riso e a tristeCa) Jue caracteriCam a condi!"o do Iomem decaído/ Trata,se) por um ato de
#ontade permanente) de reencontrar o estado srcinal) aJuele de antes da falta: a
imutailidade e a insensiilidade do primeiro dia da cria!"o/  ataraia) o nir#ana) a
contempla!"o se encontram
pensadores crist"os al(m dos
e os monges sentidos
da lta e dos
5dade (diasentimentos/ DiaoliCando
manifestaram o riso)sua
seu otimismo) os
cren!a na capacidade do Iomem de ultrapassar suas contradi!es e seus limites para
reencontrar o estado srcinal/ ssim) eles deseMam participar do resgate da Iumanidade
apagando essa deforma!"o dia>lica do rosto e de todo o corpo Jue ( o riso/ B riso (
corporal) materialA ele ( #isto e ou#ido/ O agress"o e orgulIo/ B puro espírito n"o ri/ Bs pais
e os monges) pessoas de espírito) n"o Juerem rir/
Eles têm) contudo) profunda consciência do lado derris>rio da condi!"o Iumana e
por isso guardam um autêntico senso de Iumor/ Sua f( repousa sore o amor infinito/ as
o Iomem se sal#a pelo amor ou pelo IumorZ s duas no!es s"o t"o estranIas uma $ outraZ
B fiel de ase Jue parodia o culto e a .(blia$ Jue treme e Jue ri de Deus e do diao) n"o
estar?) inconscientemente) mais perto da #erdade . ou da ausência de #erdadeZ

**3 GKida e conduta de nosso santo pai ntnioL/ 5n: 0idas dos !ais do deserto& Paris: 9ettres 6Ir(tiennes) n/1) *-<*/
6 - O RISO UN7NI%E D# (EST# %EDIEV#L
# 8ar9!ia a ser:i;o !os :a<ores

Se o riso romano era) soretudo) satírico) o riso medie#al () antes de tudo)


parodístico/ O o riso de uma sociedade Jue se #ê em um espelIo deformante/ Essa sociedade
se
temmacaJueia) porJue encontrou
angQstias metafísicas/ certo eJuilírio/
Ela e#olui num JuadroSeJue
pode
n"oComar de si mesma
( confort?#el) mas (coerente/
porJue n"o
Se
a morte est? sempre presente) se a penQria) a guerra e a epidemia nunca est"o longe . ainda
Jue tenIa Ia#ido uma relati#a tr(gua do s(culo V5 ao s(culo V555 .) elas inscre#em,se num
sistema de mundo Jue mistura de forma inetric?#el o sagrado e o profano/ Uma sociedade
Jue aceita maci!amente seus #alores fundamentais e confia em seus dirigentes como se
fossem crian!as est? muito inclinada para o Mogo . o Mogo parodístico/
6onstata,se isso soretudo nas festas/ B Iomem medie#al imita) copia deformando:
festa dos loucos) festa do asno) 6arna#al) rei da fa#a) farsas) sermes urlescos) oos da
corte) romances urgueses s"o outras tantas par>dias de cl(rigos) dos grandes) dos reis) dos
nores) dos comerciantes) mas tam(m dos defeitos e dos #ícios/ Bs grupos rincam de
Comar uns dos outros) mas essas Comarias n"o s"o contesta!"o: s"o Mogo) Mogo Jue aceita
os #alores e as IierarJuiasA Jue as refor!a in#ertendo,as ritualmente/

O RISO EDIEV#L SEGUNDO ;#PTINE

B deate sore a natureCa do riso medie#al foi lan!ado pela c(lere ora de iIail
8aItine) A obra de Franois Rabelais e a cultura !o!ular na Idade "édia e na
Renascena$ cuMas concluses s"o agora seriamente comatidas/* Para o Iistoriador russo)
na 5dade (dia eiste uma dupla #is"o de mundo: a #is"o s(ria) Jue ( a das autoridades) e
aprimiti#as
#is"o cmica)
em Jue Juese( acoto#ela#am
a do po#o/ Esse dualismo)
mitos s(rios eMulga ele)cmicos)
mitos M? eistiaGmas
nas sociedades
nas etapas
primiti#as) em um regime social Jue n"o conIecia ainda nem classes nem Estado) os
aspectos s(rios e cmicos da di#indade) do mundo e do Iomem eram) tudo indica)
igualmente sagrados) igualmente) poder,se,ia diCer) boficiais_L/ 2
Na 5dade (dia) a #is"o cmica foi ecluída do domínio sagrado e tornou,se a
característica essencial da cultura popular) Jue e#oluiu fora da esfera oficial) Ge ( gra!as a
essa eistência etraoficial Jue a cultura do riso distinguiu,se por seu radicalismo e sua
lierdade ecepcionais) por sua impiedosa lucideCL/3  #is"o cmica do mundo)
elaorando,se de maneira autnoma) fora do controle das autoridades) adJuiriu licen!a e
lierdade etraordin?rias/ Ela se eprime so três formas principais: *' ritos e espet?culos)

* 8=T5NE) / L*Duvre de Franois Rabelais et la culture !o!ulaire au "o%en Age et sous la Renaissance$ trad) franc/ Paris:
*-0/
2 5idem) p/ *1/
3 5idem) p/+0/
tais como 6arna#ais e pe!as cmicasA 2' oras cmicas #eraisA 3' desen#ol#imento de um
#ocaul?rio familiar e grosseiro/
 primeira forma compreende toda a gama das festas populares) aí incluídas aJuelas
Jue utiliCam elementos religiosos: festa dos loucos) festa do asno) riso pascal e todas as
festas ligadas aos traalIos agrícolas) ritos de passagem da #ida) com a participa!"o de
oos e ufes/ Nas festas carna#alescas) o po#o representa a pr>pria #ida) parodiando,a e
in#ertendo,aA uma #ida melIor) no#a) li#re) transfigurada/ GB 6arna#al ( a segunda #ida do
1
po#o) aseada
corresponde aosnofins
princípio do riso/
superiores O sua #idaum
da eistência: de renascer
festaL/ Essa #ida representada
na uni#ersalidade) no riso
a lierdade)
a igualdade) a aund7ncia/ O uma franJuia pro#is>ria) mas anunciadora da lierta!"o
definiti#a em rela!"o a regras) #alores) taus e IierarJuias/ Ela ( s(ria porJue coincide com
a ordem estaelecida/ B riso teria) portanto) #alor de su#ers"o social) temporariamente
tolerado pelas autoridades) como eut>rio) em circunst7ncias determinadas/  festa oficial
congela o tempo) d"o,se ares de eternidade) de atemporalidade) ao passo Jue a festa popular)
Jue olIa para o futuro) ( uma perp(tua transforma!"o) aolindo ou re#ol#endo as
IierarJuias/ Essa festa popular s> #isa destruir: ela se reconstr>i) ao mesmo tempo) por meio
de par>dias) fantasias e rincadeiras/ Daí o car?ter particular do riso carna#alesco) Jue
impregna essas manifesta!es populares) Jue 8aItine assim definiu: GO antes de tudo um
riso de carna#alesco
B riso festa) n"o ( uma rea!"o indi#idual
() primeiramente) umdiante desse oudodaJuele
em coleti#o fato bengra!ado_
po#o &esse isolado/
car?ter popular) M? o
dissemos) ( inerente $ natureCa do 6arna#al') todo mundo ri) ( o riso bgeral_A em segundo
lugar) ele ( buni#ersal_) ou seMa) atinge todas as coisas e todas as pessoas &incluindo aí os
Jue participam do 6arna#al') o mundo inteiro parece cmico) ele ( perceido e conIecido
so seu aspecto risí#el) em sua Muilosa relati#idadeA por fim) em terceiro lugar) esse riso (
ami#alente: ( alegre) transordando de alegria esfuCiante) mas tam(m Cometeiro)
sarc?sticoA ele nega e afirma) sepulta e ressuscita) ao mesmo tempo/ /// Notemos uma
importante particularidade do riso da festa popular: ele ( dirigido aos pr>prios folies/ B
po#o n"o se eclui do mundo em plena e#olu!"oL/  O um riso uni#ersal) todos riem de tudo
e de todos) o Jue re#ela um mundo profundamente cmico/
Por outro lado) a #is"o cmica popular do mundo traduC,se por oras #erais) elas
pr>prias ligadas aos regoCiMos carna#alescos/ 9iteratura de festa) parodística) pela Jual as
condi!es sociais oficiais s"o Comadas e re#iradas e nas Juais os ritos mais sagrados s"o
parodiados: liturgias) preces e sermes ufos) par>dias de romances de ca#alaria) f?ulas e
farsas) pe!as religiosas com diaruras/ Enfim) para epressar a liera!"o) o car?ter
din7mico) mutante e festi#o da realidade) essa #is"o cmica do mundo tem necessidade de
um no#o #ocaul?rio) no Jual pragas e grosserias desempenIam papel essencial/
De fato) o Jue faC o car?ter cmico da #is"o popular do mundo ( o Jue 8aItine
cIama de Grealismo grotescoL) isto () a percep!"o) na srcem de todas as realidades .
incluindo,se as mais sulimes dos processos iol>gicos fundamentais/ B mundo n"o ( mais
Jue um grande organismo #i#o) um gigantesco caldo de cultura em Jue as formas se faCem
e desfaCem indefinidamenteA os aspectos mais refinados da #ida espiritual s"o apenas flores
efêmeras Jue despontam sore o sustrato material iol>gico/ Em conseJuência) Go tra!o
marcante do realismo grotesco ( o reaiamento) ou seMa) a transferência de tudo o Jue (
1 5idem) p/ *</
 5idem) p/ 20/
ele#ado) espiritual) ideal e astrato para o plano material e corporal) aJuele da terra e do
corpo em sua indissolQ#el unidadeL/<
 par>dia medie#al) portanto) #ai ser um processo de reaiamento) eplicando o
alto pelo aio . n"o so uma perspecti#a puramente negati#a) mas com o oMeti#o de
recrea!"o/ s formas nascem e morrem na sopa iol>gica primordial) e essa realidade
proteiforme) em Jue o nore e o #il procedem dos mesmos mecanismos) ( altamente
cmica/ B mundo ( grotesco) alegremente grotesco/ Ent"o) o cmico popular #ai espoMar,

se no GaioL:
odores a asor!"o
e os ruídos do #entre
ligados ao alimento)
e aoaaio,#entre)
ecre!"o) o acasalamento) o parto
todas as fun!es na suMeira)
Jue reaiam os
mas)
por outro lado) regeneram/ GB riso popular Jue organiCa todas as formas do realismo
grotesco este#e ligado o tempo todo ao aio material e corporal/ B riso reaia e
materialiCaL/ Faelais ser? a culmina!"o desse riso/
B grande processo iol>gico ( #?lido tanto para o indi#íduo como para o mundo e a
sociedade) Jue est"o em perp(tua metamorfose/ O da decomposi!"o) no sentido material do
termo) Jue nascem as no#as formas) e ( a tomada de consciência do processo infinito de
morte e de nascimento Jue engendra o riso grotesco/ Tudo se mistura) perde sua identidade)
como aJuelas estatuetas de ertcI) no museu Ermitage) do Jual 8aItine faC um símolo
do mundo grotesco: GNotam,se as #elIas mulIeres gr?#idas) cuMa #elIice e gra#ideC
Iorrendas s"o grotescamente sulinIadas/ O interessante perceer Jue) al(m do mais) essas
#elIas gr?#idas sorriem/ Trata,se) pois) de um grotesco muito característico e epressi#o/
Ele ( ami#alente: ( a morte gr?#ida) a morte Jue d? $ luCL/ +
 #is"o oficial e s(ria do mundo) representada pela est(tica cl?ssica) insiste) ao
contr?rio) no permanente) no est?#el) no identific?#el) no diferenciado) e s> #ê) no grotesco
popular) grosseria) insulto) sacril(gio) #ontade su#ersi#a de reaiamento/ Ela mant(m
apenas o GaltoL) despreCando o GaioL) um pouco como as est?tuas de nores portais
g>ticos opondo,se aos monstros informes das g?rgulas e dos capit(is) relegados a lugares
inacessí#eis/  #is"o s(ria ( acompanIada de interditos) restri!es) medo e intimida!"o/
5n#ersamente) a #is"o cmica) ligada $ lierdade) ( uma #it>ria sore o medo/ Na festa
carna#alesca) destr>i,se)
cmicas da morte) reduC,se)
suplícios in#erte,se)
Mo#iais) incêndioComa,se
de uma de tudo o Juegrotesca
constru!"o faC medo: imagens
atiCada de
GinfernoLA o sagrado) o proiido) os taus transgredidos s> eistem por alguns momentosA
ri,se daJuilo Jue se tem medo/
E esse riso n"o ( indi#idualA para ser eficaC) de#e ser coleti#o) social) uni#ersal/ Ele
n"o incide sore o particular) mas sore o mundo inteiro) do Jual re#ela a #erdadeira
natureCa/ 8aItine fala da G#erdade re#elada por meio do risoL) Jue lierta do medo do
sagrado) da proii!"o autorit?ria/ ostrando o mundo so um no#o dia) o riso lierta) diante
dos interditos e das intimida!es do s(rio: GO a raC"o pela Jual o riso) menos Jue JualJuer
outra coisa) pode ser instrumento de opress"o e de emrutecimento do po#o/ Nunca
ningu(m cIegou a torn?,lo inteiramente oficial/ Ele sempre permaneceu como arma da
lierdade entre as m"os do po#oL/-

< 5idem) p/ 2-/


 5idem) p/ 2-/
+ 5idem) p/ 3/
- 5idem) pp/ *0*,*02/
 oposi!"o entre as duas #ises de mundo n"o ( consciente/ Bs autores de par>dias
s"o pessoas Jue aceitam a eplica!"o religiosa do mundo/ Bs dois aspectos coeistem na
consciência) e 8aItine #ê uma imagem disso na decora!"o das p?ginas dos manuscritos)
nas Juais iluminuras piedosas e austeras misturam,se a representa!es cmicas com
diaretes) animais) mascaradas/ B riso profanador e liertador do po#o medie#al ( uma
#is"o de mundo/ B mundo ( cmico) mas essa #is"o cmica n"o cIega ao ní#el da
consciência clara/ B desen#ol#imento do indi#idualismo a partir do s(culo VK5 n"o lIe
permitir? tornar,se uma realidade #i#a/  festa carna#alesca e a par>dia e#oluir"o para uma
concep!"o negati#a e formal de crítica pura ou simples di#ertimento/
ssim ( o riso medie#al segundo 8aItine/ Essa concep!"o are perspecti#as
fecundas para o estudo das mentalidades populares/ Ela se depara) contudo) com numerosas
críticas depois de sua elaora!"o) em *-</ Em particular) aron ;oure#itcI considera Jue
8aItine n"o se deu conta do completo conteto cultural gloal) soretudo do fator
religioso/ Ele o repro#a por ter negligenciado os elos fundamentais eistentes entre o riso)
o medo e a rai#a e por Ia#er estendido $ cultura popular concluses tiradas apenas do estudo
do 6arna#al) realidade eclusi#amente urana do fim da 5dade (dia/ os olIos de
;oure#itcI) 8aItine na #erdade proMetou) para a 5dade (dia) a realidade so#i(tica dos
anos *-<0) com uma sociedade de dois ní#eis: o oficial) ideol>gico) e o da #ida real) so a
coertura fictíciadeclara)
por intelectuais) mantidaenfim)
pelo partido/ Desconfiemos
;oure#itcI/ *0 das interpreta!es da cultura popular
Butras críticas #isam $ concep!"o aItiniana do grotesco como prolifera!"o)
euer7ncia) in#en!"o) isto () for!a de riso/ B grotesco tem) de fato) outra face) inJuietante)
Jue pro#(m de uma desestrutura!"o do mundo familiar) o Jual se dissol#e) transorda)
torna,se e#anescente e) ao mesmo tempo) estranIo e estrangeiro/ O o Jue Xolfgang aser
desen#ol#ia) desde *-) em 3as Crotes'e: GA espantosa mistura de um sorriso tem seu
fundamento na eperiência de Jue esse mundo Jue nos ( familiar) estaelecido em uma
ordem aparentemente s>lida) suitamente se torna estranIo) deia,se in#adir por poderes
insond?#eis) perde toda a sua for!a e coes"o) para desaar) enfim) com todas as suas
estruturasL/** l(m disso) o esti?rio monstruoso da escultura medie#al oscila no dia>lico
angustiante/ Ele testemunIa mais de uma #is"o cmica) mais de uma #is"o tr?gica e) para
diCer tudo) sat7nica) cuMo ?pice n"o ser? Faelais) mas ernimo 8oscI/  aproima!"o dos
dois nomes ilustra a ami#alência grotesca) tal#eC negligenciada por 8aItine) cuMa #is"o
contundente tem um aspecto maniJueísta/ Para 6Iristian TIompsen) o grotesco pro#(m de
um distanciamento em rela!"o ao mundo) Jue tanto pode ser fonte de riso Juanto de temor/*2
Portanto) ser? preciso reeaminar as fontes do cmico medie#al e suas implica!es/

O "#RN#V#L' "RISTÃO OU $#GÃO>

B riso medie#al
para apreender eplode de?sicos/
seus mecanismos forma espetacular na festa/
 festa medie#al O isso Jue
( mQltipla) ( preciso
parece estudar
onipresente/

*0 ;BUFEK5T6=) / G8aItin and Iis tIeor of 6arni#alL/ 5n: A #ultural Histor% of Humour& Bford: ed/ / 8remmer e =/
Foodenurg) *--) pp/1,<0/
** SEF) X/ 3as Crotes'e$ seine Cestaltung in "alerei und 3ichtung& Bldenurg: *-) p/3+/
*2 T=BPSEN) 6/ X/ 3as Crotes'eim 1nglischen Roman des @N& Jahrhunderts& Darmstadt: *-1/
as ( necess?rio desconfiar) M? Jue ( um erro de perspecti#a) em #irtude do grande nQmero
de traalIos sore o assunto/ Na realidade) a festa medie#al ( circunscrita a certos
momentos do ano e a certas circunst7ncias/  festa coleti#a () antes de tudo) o 6arna#al)
Jue se tornou seu símolo/
Primeiro prolema: de onde #em esse regoCiMo desenfreadoZ Duas teses se
confrontam: para uns) trata,se da perpetua!"o das festas pag"sA para outros) ( uma tradi!"o
crist"/ Essa n"o ( uma Juest"o sem import7ncia para a interpreta!"o do riso) e persiste I?

muito tempo/
festas Desde
populares/ Emo s(culo V55)padre
**+2) um os cl(rigos come!am
de miens a denunciar
escre#e: as srcens
G=? certas pag"s
igreMas emdessas
Jue (
costume ispos e arceispos deporem) por rincadeira) seus atriutos/ Essa lierdade)
conIecida como de deCemro) ( semelIante $Juela Jue eistia) outrora) nos pag"os) Juando
os ser#os se torna#am li#res) se iguala#am $ condi!"o de seus senIores e se entrega#am)
com eles) a festas comuns) depois das colIeitas/ pesar de grandes igreMas) como a de
Feims) oser#arem esse costume) ( mais lou#?#el) contudo) aster,se desse tipo de
di#ers"oL/*3
B #ínculo entre festa medie#al e festa antiga #ai se afirmar em dois tempos) por
raCes diferentes e interesseiras/ De início) s"o as censuras religiosas dos s(culos VK a
VK55) preocupadas em eliminar di#erses licenciosas) Jue denunciam suas srcens pr(,
crist"s/ Bs ispos) os pregadores reformadores e#ocam as saturnais e as acanais . cuMa
simples men!"o faC tremer a #irtude .) aseando,se na pretensa similitude de temas) datas
e pr?ticas) para mostrar Jue o 6arna#al ( uma aomina!"o surgida nos tempos pag"os/ Essa
cren!a ( curiosamente refor!ada) num segundo tempo) nos s(culos V5V e VV) por
pesJuisadores com moti#a!es totalmente contr?rias: o interesse pelas tradi!es populares
le#a etn>logos) soci>logos e folcloristas a faCer compara!es entre pr?ticas presentes e
passadas Jue tendem a reduCir essas manifesta!es a um fundo mítico comum) saído das
noites dos tempos) cuMa antiguidade estaelece a respeitailidade/
6ontudo) o percurso conduC a generaliCa!es e a am?lgamas ausi#os) porJue
negligencia a cronologia e o conteto cultural) como lemrou acJues =eers: GB
procedimento
Jue preMudicam)tempor
interesse e merece
falta de aten!"o/e as
simplicidade ( a ousadia) odaauso
de compreens"o eoO
(poca/ usocerto
sistem?tico
Jue as
tradi!es orais e a mem>ria coleti#a conser#am por muito tempo) mais Jue os li#ros) tal#eC)
a lemran!a de pr?ticas e manifesta!es muito antigasA por(m) isso ocorre de forma muitas
#eCes superficial) preser#ando apenas o gesto e o cen?rio) n"o a significa!"oL/*1 Dessa
maneira) prossegue esse Iistoriador) uma m?scara de camponês n"o tem a mesma
significa!"o na ntiguidade e no fim da 5dade (diaA no primeiro caso) ela representa as
for!as rutais e Iostis da natureCaA no segundo) o despreCo do urguês pelo rQstico/ B Jue
n"o Juer diCer Jue IaMa elemento comum entre elas/
 mesma prudência se encontra em ulio 6aro 8aroMa) Jue) em sua ora cl?ssica )
#arnaval)* demonstrou a ausência de JualJuer pro#a decisi#a de continuidade com a festa
antiga/ Toda a argumenta!"o dos cl(rigos repousa sore a etimologia fantasista do currus
navalis$ o Gcarro na#alL) utiliCado pelos romanos para a festa de jsis) em  de mar!o)
enJuanto a etimologia) Juase certa) faC deri#ar Gcarna#alL de carne levamen$ ou carne
*3 Du 6ange) 555) col/ *<<3/
*1 =EEFS) / F6tes des fous et #arnavals& Paris: ed/ Pluriel) *-+3) p/2-/
* 8FB) / 6/ Le #arnaval$ trad) franc/ Paris: *--/
levamine$ ou carne levale$ epress"o retirada de um teto romano de *2+ Jue significa o
momento em Jue a carne EcarneU #ai ser GretiradaL) proiida) durante a Yuaresma/ B termo)
italianiCado) indicaria) portanto) uma festa tipicamente crist") marcando a ruptura da ordem
normal das coisas com a entrada no período de MeMum: uma festa da aund7ncia) da alegria
e da prosperidade da (poca anterior aos interditos/
Situada antes do anQncio da prima#era) essa festa certamente pde retomar aspectos
das acanais) da festa da terra) do #inIo) das florestas) da reno#a!"o) das for!as da natureCa)

com dQ#ida
sem m?scaras
est?dea animais
fa#or dedos osJues/
fortes  coincidência
semelIan!as) cronol>gica os
Jue impressionaram no pesJuisadores:
ciclo das esta!es
um
ritual mim(tico mascarado) um corteMo de #iolência e descomedimento) uma figura grotesca
Jueimada) afogada ou decapitada Jue () ao mesmo tempo) distriuidora de aund7ncia e
ode epiat>rio) traCendo felicidade e le#ando o mal) permitindo reatualiCar a oposi!"o
destrui!"o,gera!"o) for!as primordiais de #ida e de morte/ G5lustrando melIor o estatuto da
festa) modelo reduCido seculariCado) primiti#amente celera!"o cosmognica) depois
reaMustado no interior de um ciclo crist"o) antes de se tornar um Mogo #aCio alimentado pela
nostalgia da aund7ncia e da comunI"o coleti#a) encontra,se o 6arna#alL) *< escre#e ean,
acJues Xunenurger/ Daí a faCer do 6arna#al simples cristianiCa!"o de um rito pag"o I?
s> um passo) transposto por ndr( Karagnac: GO #erossímil Jue a 5greMa) Juando da
cristianiCa!"o dos usos
instaurar a regra pag"os no início
da Yuaresma: depoisdada5dade (dia) carna#alesca)
patuscada n"o tenIa tidocomo
dificuldade para
n"o faCer
astinência) M? Jue s> se comia carne duas ou três #eCes por anoZL/ *
5ntegra!"o ou Mustaposi!"oZ Essa festa) escre#e ulio 6aro 8aroMa) G( Juase a
representa!"o do paganismo em si diante do cristianismo) feita e criada em uma (poca mais
pag" Jue a nossa) mas tam(m mais religiosaL/ *+ Simples enerto de um momento do ciclo
crist"o sore ritmos naturais muito mais antigosZ*- B assunto ( oscuro/ Yuase n"o se pod e
remontar al(m do s(culo V5 para encontrar tra!os escritos do 6arna#al) mas os tetos .
como o do 6oncílio de 8ene#ento) em *0-*) Jue fia o início da Yuaresma na Yuarta,%eira
de 6inCas . sugerem Jue se trata de uma realidade mais antiga/ B 6arna#al penetra em
Foma no s(culo V55) mas desde o s(culo 5V M? Ia#ia mascaradas com o tema do urso e do
Iomem sel#agem/ 6es?rio drles M? e#oca) e o sínodo de Feims condena) esse gênero de
Mogo inspirado pelo diao/
Um elemento refor!a a integra!"o do 6arna#al no ciclo crist"o: ( o tema aleg>rico
do comate do 6arna#al e da Yuaresma) Jue aparece desde o s(culo V555 em uma f?ula
parodística de comates ca#aleirescos) A batalha da Quaresma e da #arnalidade& Kê,se aí
o confronto de dois senIores: um) Yuaresma) eJuipado de peies &arenJues e enguias') (
um traidor) amigo dos ricos e dos aades) detestado pelos poresA o outro) Ier>i positi#o)
armado de carnes e gorduras) distriui riJueCas/ ais de Juarenta tetos retomam esse tema
do s(culo V555 ao VK55A ele passa para o teatro no s(culo V5K/ O representado nos #ilareMos)
e 8ruegel imortaliCou a cena/ B assunto) intelectual) n"o ( uma simples di#ers"o: GO preciso
tam(m *er aí uma #erdadeira crítica ideol>gica a um discurso repressi#o da festa profana

*< XUNEN8UF;EF) /,/ La f6te$ le 7eu et le sacré& Paris: *-) p/*/


* KF;N6) / #ivilisation traditionnelle et genre de vie& Paris: *-1+) p/3*/
*+ 8FB) / 6/ op/ cit/) p/ *1/
*- 6f/ SFF]5N) 8/ Le rire et le sacré& Paris: *--*) p/2+/
e uma des#aloriCa!"o do ascetismo religioso/ B princípio do praCer ( re#igorado nessa
composi!"o t"o intelectualL)20 escre#e PIilippe Xalter/
5sso pareceria confirmar a tese de iIaWl 8aItine sore a oposi!"o entre cultura
popular de um cmico su#ersi#o e cultura oficial s(ria/ Entretanto) PIilippe Xalter recusa,
se categoricamente a isso: G sociologia prim?ria sore a Jual repousa o conMunto do
sistema aItiniano eige a desconfian!aL/2* Fepro#ando em 8aItine o fato de ser
prim?rio) simplista e) implicitamente) marista) ele faC) contudo) uma concess"o: GSeria

muito simplista
popular) opor
Jue seria um uni#erso
cmico clerical)
e liert?rio/ Jue(seria
Por(m) claros(rio
Jue eme opressi#o)
uma festaa se
umeprime
uni#ersoa
necessidade de uma transgress"o das normas) isto () ela oferece) repentinamente) a
possiilidade de infringir os usos normais da sociedadeL/22
B tema do comate entre 6arna#al e Yuaresma) al(m da inten!"o parodística
ilustrando a oposi!"o entre liturgia popular e liturgia clerical) apresenta tam(m o interesse
de sugerir os elos da festa carna#alesca com o diao) a loucura e a morte/ O o Jue mostrou
muito em 6laude ;aigneert em um estudo detalIado do simolismo contido em #ombate
do #arnaval e da Quaresma$ de 8ruegel/23 Esse Juadro) repleto de personagens) na
realidade ( dominado por um peJueno oneco sentado no eiral de uma Manela: ( o louco
da P?scoa) Jue contempla o tempo Jue passa e encaminIa tudo para a morte e #ê os loucos
do 6arna#al/ Di#ertida) trocista) a folia usufrui sua ami#alência: loucura dos Iomens) Jue
s> pensam em rir) e loucura di#ina) Jue ( a #erdadeira saedoria/ B Juadro data de *-A
nessa (poca) a Yuaresma ganIou a pendência) e 8ruegel ilustra) na #erdade) o enterro do
6arna#al/ Empoleirado sore sua arrica) ele faC um sinal de adeus/ Ele reencontrar? o
diao) como o pintor o representou em um desenIo intitulado A descida de #risto ao limbo)
onde se #ê o 6arna#al demoníaco $ direita de 6risto/
Essa #is"o ( tardia/ 6ontudo) ela epe as amiguidades Jue cercam o 6arna#al na
5dade (dia/ Nele) o riso Jue se escuta encore uma realidade complea e turulenta/ Para
come!ar) sua uni#ersalidade n"o ( sinnimo de uniformidade/ B 6arna#al ( um fato urano)
particularmente desen#ol#ido nas regies das cidades importantes) onde as alegres
sociedades
5t?lia/ e as corpora!es assumem a organiCa!"o dos di#ertimentos: %landres) norte da
Em Foma) a #ornomania$ ou festa dos cornos) ( atestada desde o s(culo 5V: no
s?ado) depois da P?scoa) o po#o se reQne diante da asílica S"o o"o de 9atr"o) par>Juia
por par>Juia) para assistir aos Mogos: sacrist"os) cuMos I?itos de reis ufes se assemelIam
$s #estimentas litQrgicas) dan!am de forma grotescaA ispos) sentados de lado sore um
asno) tentam agarrar) pendendo para tr?s) as pe!as colocadas numa acia posta sore a
cae!a do asno/  participa!"o ati#a do clero ( igualmente assinalada pelo cnego 8ento)
desde o início do s(culo V55) na festa do primeiro domingo da Yuaresma) Juando) em
presen!a do papa) se matam um urso) um touro e um galo . eecu!"o sim>lica do diao)
do orgulIo e da luQria) o Jue permitir? Jue se #i#a s>rio e casto at( a P?scoa/  partir do
s(culo V555) s"o mencionadas as festas do 5estaccio: uma deCena de dias de licen!a) de

20 X9TEF) P/ La mémoire du tem!s& F6tes et calendriers de #hrétien de 5ro%es , la "ort Artu& Paris: *-+-) p/21+/
2* 5idem) p/ 2/
22 5idem) p/ 2/

23 ;5;NE8EFT) 6/ GB comate do 6arna#al e da Yuaresma de P/ 8ruegel &*-'L/ 5n: Annales 1S#$ mar!o,aril *-2) pp/3*3,

31</
mascaradas) de ufonarias carna#alescas com arremessos de frutos e corsos de porcos
atrelados/  participa!"o das autoridades no 6arna#al) nas cidades italianas) demonstra Jue
n"o se trata de manifesta!es de re#olta ou de contesta!"o/ Poderes eclesi?sticos e
municipalidades controlam e utiliCam o Mogo,espet?culo para manter seu prestígio e sua
popularidade por meio de concesses ao riso: GTodos os go#ernos toleram de om grado
essas rincadeiras pesadas Jue) por algumas Ioras) desafiam sua dignidade e Comam de
suas maneiras e de sua posi!"o social: um dia ruim) alguns maus momentos/ /// final) farsas
t"o grandes n"o amea!am tantoL/21 B mesmo acontece em Nice) onde a import7ncia do
6arna#al ( assinalada desde *2-1: o duJue de nMou) conde de Pro#en!a) depois o duJue
de Sa#oia faCem o deslocamento e) no s(culo VK5) ser? regulamentado o cargo de Gaade
dos tolosL/
No outro lado da Europa) na Escandin?#ia) o eJui#alente de um 6arna#al acontece
no nono dia depois do Natal: um teto iCantino menciona esse costume entre os
mercen?rios escandina#os ao redor de -0) e muito mais tarde) cerca de *0) o ispo
cat>lico Blaus agnus) eilado em Foma) descre#e o desen#ol#imento de mascaradas em
seu país: G8oos da aristocracia #elam o rosto com seda negra) #estem,se ridiculamente
com farrapos #ariados e atormentam seus amigos por puro praCer/ Eles arrastam nas ruas
outros andos de oos e d"o li#re curso a suas paiesL/ 2 Na 5nglaterra) a festa pag" de
=alloeen)
sore#i#ênciacom
da seus
festacorteMos
druídicaurlescos e suas
de Sam7nia) compr?ticas carna#alescas)
seus rituais poderia ser
de regenera!"o) umae
morte
renascimento de um rei/
B mundo Mudaico possui o eJui#alente com a festa de Purim) em fe#ereiro,mar!o)
Jue comemora a sal#a!"o da comunidade Mudaica) na P(rsia) gra!as $ inter#en!"o de Ester/
 festa mistura profano e sagrado) com #iola!"o dos interditos alimentares durante o festim
e farica!"o de um oneco grotesco para as crian!as) Jue o arrastam pelas ruas antes de
Jueim?,lo/

O "#RN#V#L' $#R.DI# LOU"#' UE EXOR"IS# E #"#L#


De alguns eemplos desprendem,se tra!os comuns) como a pr?tica de Mogos
codificados) saídos de um teatro de m?scaras) Jue permite transgredir o interdito/ B riso
carna#alesco sempre tem uma fun!"o de liera!"o de necessidades recalcadasA as for!as
#itais) origatoriamente canaliCadas na #ida social cotidiana) encontram nesse riso coleti#o
uma #?l#ula de seguran!a) como o eplica / / Pastre: G8urlescos antes de tudo) os Mogos
tinIam por fun!"o lierar as necessidades recalcadas por um modo de eistência
ecessi#amente regulamentado e ser#iam) de algum modo) para a media!"o de mQltiplos
tra#estimentos e) num #eralismo ousado) como #?l#ula de escape/ Eles respondem a uma
necessidade de liera!"o e incitam o pQlico) por um riso urlesco positi#o e profundamente
2<
otimista) $ catarseL/

21 =EEFS) / op/ cit/) p/ 2<*/


2 6itado em #arnavals et mascarades& Paris: ed/ P/ ;/ d_ala e / 8oiteu) *-++) p/ ***/
2<
PSTFE) /,/ 8urlesco e Mogos alem7es de 6arna#al dos s(culos VK e VK5/ 5n: -oétiques du burlesque& Actes du colloque
international du #entre de Recherches sur les Littératures "odernes et #ontem!oraines de l*Kniversité .laise-ascal& Paris:
ed/ D/ 8ertrand) *--+) p/ *2</
Simultaneamente) o riso carna#alesco est? l? para dar seguran!a) para #encer o
medo/ O por isso Jue se #eem) nos corteMos) figuras e>ticas) monstruosas) falsamente
assustadoras Jue amea!am atacar: pro#ocar medo saendo Jue ( Gpara rirL ( um meio de
eorciCar o medo/ Keem,se Iomens e mulIeres sel#agens) com sua cla#a) mouros) mais
tarde indianos) drages) tal como o famoso monstro &tarasca' de Tarascon) e gigantes)
engra!ados e inofensi#os) cuMa malandragem pro#oca Iilaridade) como em Fouen) em *1+:
GPara rir) #inIam saciar,se na mencionada fonte outros personagens) entre eles uma mais
alta e maior Jue um gigante) Jue mal podia aaiar,se para eer na referida fonteL/
Dominar essas criaturas) demonstrar sua impotência tranJuiliCa/  dan!a tam(m pode
contriuir para afastar a amea!a: G dan!a e o riso têm a #irtude do eorcismo/  dan!a
muitas #eCes nasceu de passos para esmagar e enterrar influências perniciosas) e o riso tem
o poder de dissipar os temores da noiteL/2
B riso carna#alesco ( ao mesmo tempo par>dia) pela m?scara) pelo disfarce) pela
in#ers"o/ cena,se aJui com a contesta!"o social) mas at( o s(culo V5K esta n"o atingira
ainda o ní#el de consciência/ B riso peri>dico parece mesmo refor!ar a ordem eistenteA
esses Mogos Gcriticaram os poderes) Comaram dos ridículos ou dos infortQnios) eram uma
di#ers"o totalmente permitidaL) escre#e acJues =eers/ B lado lQdico) di#ertido) pre#alece
nitidamente/  mascarada () no início) o deseMo de imitar . ca!oando) sem dQ#ida) mas
sem inten!"o
essencial/ S> acontestat>ria)
partir dos anosao*3+0
menos at(seastorna
o tom crises doe s(culo
acre V5K/ as
protestador:  desgra!as
cronologia)
doaJui)
tempo(
moti#am isso/ as) at( l?) o di#ertimento carna#alesco inscre#e,se em uma l>gica de
aceita!"o do c>digo social estaelecido/
 m?scara permite a reno#a!"o) assim como a in#ers"o . especialmente a in#ers"o
do alto e do aio) saída cmico,popular ressaltada por iIaWl 8aItine/ Triunfo do corpo
e de suas necessidades) desforra sore a tirania do espírito e da moral) realiCa!"o sim>lica
dos deseMos e dos instintos controlados/ B osceno e o escatol>gico desencadeiam,se/ Um
eemplo: no Jogo de Audigier$ representado no 6arna#al de miens no s(culo VK) mas
aseado num poema do s(culo V55) udigier #i#e no país de 6ocuse) onde as pessoas
cIafurdam nas feCesA ele foi atiCado numa acia de urina por um padre #estido com
farraposA alimentado por o#os cIocos e ceolas podres) Juis faCer a inicia!"o ca#aleiresca
enfrentando a G#elIa e odienta ;rinergeL) Jue o aprisionou) origou,o a lIe eiMar o cu e
lamuCou,o de merda e urina/ Ele conseguiu escapar e casou,se com uma mulIer Jue)
durante toda a #ida) nunca se anIara nem limpara a unda/  festa de casamento) ( claro)
( uma orgia escatol>gica em Jue se nada em ecrementos e #mitos) no meio de um
concerto de peidos e arrotos/ Ui#ar de rir) mas n"o aalar o mundo feudal/ Trata,se de uma
par>dia das can!es de gesta) em Jue as ousadias Ier>icas se transformam em ousadias
escatol>gicas) com um oMeti#o puramente lQdico/ 6omo escre#e / ;rinerg) Ga
escatologia fundamenta aJui a in#ers"o de #alores Jue pro#oca o riso carna#alescoL/ 2+
B riso do 6arna#al ( tam(m o riso da loucura) como se #ê em um epis>dio de
Aucassin e 9icolette$ no Greino de ToreloreL/  turelura era um instrumento de sopro) uma
esp(cie de gaita de fole) e#ocando a loucura: o louco di#aga em todos os sentidos) como
um al"o cIeio de ar &em latim) follis'/ Esse reino de Torelore ( o país da loucura
carna#alesca) um mundo $s a#essas) mais uma #eC par>dia do uni#erso das can!es de
2 #arnavals et mascarades$ op/ cit/) p/ *0/
2+ ;F5N8EF;) / G6arna#ais da 5dade (dia e da Fenascen!aL/ 5n: #arnavals et mascarades$ op/ cit/) p/ 3/
gesta/ Uma par>dia Jue se #olta para Iist>rias de loucos/  demência ( um tema muito
difundido na 5dade (dia) mas ( amíguo/ Entre a loucura puramente lQdica e a demência
Iumana Jue conduC ao caos) depois do pecado srcinal) a fronteira ( muito fluida/ B oo
e#oca a completa re#ira#olta de #alores) a liera!"o das for!as naturais e) portanto) a
presen!a do diaoA ele inspira) simultaneamente) repulsa e piedadeA encarna o pecado pelo
desregramento de seus costumes e de seus sentidos e) ao mesmo tempo) ( GinocenteL) o
irrespons?#el) logo) protegido por Deus/ Na#egando entre Deus e o diao) ele ( o ode
epiat>rio ideal) ( Juem carrega os pecados e Juem #ai ser ca!ado) so risos de alí#io/ O a
imagem da desordem) do caos) do retorno $ animalidadeA nele toleram,se todas as
lierdades) o Jue permite descarregar contra ele o esc?rnio/  personagem do oo ocupa
uma posi!"o Juase oficial no seio de cada grupo organiCado: as cidades) os ofícios) as
guildas têm seus oos) com lugar central nas festas e nos desfiles/ GSeu riso eercia uma
esp(cie de pedagogiaA era um eercício di#ertido Jue eplica#a ou retinIa) por um
momento) a aten!"o de um pQlico de alma simplesL/ 2-
#es,arie 8erc() o autor das linIas precedentes) lemra Jue essas in#erses e essas
folias carna#alescas de#em ser interpretadas com prudência/ Um intelectualismo audacioso
pode conferir ao leitor Go engano de um estruturalismo pretensioso e conduCi,lo)
traalIosamente) $ descoerta de analidadesL/ E#itemos Gcolocar mais l>gica nessas
in#erses
su#ers"o Jue
nemos$ pr>prios atores
desordem: dessas festas
inscre#em,se de loucuraL/
numa Essas
cultura Jue festaspossí#eis
as torna n"o s"o um apelo
e Jue) por$
sua #eC) a Mustificam/ 6omo o diC Foger 8astide: G festa faC parte da cultura) n"o (
#ingan!a da natureCa contra a cultura) e a cultura ( um conMunto de normasL/ 30
Na 5dade (dia) o riso carna#alesco ( antes um fator de coes"o social Jue de re#olta/
Derris"o ritualiCada) o 6arna#al ( a necess?ria epress"o cmica de uma alternati#a
impro#?#el) literalmente louca) o in#erso urlesco Jue s> faC confirmar a import7ncia de
#alores e IierarJuias estaelecidos/ Kê,se aí) por eemplo) Iomens #estidos de mulIer) da
maneira mais caricatural possí#el: sedas e #eludos com um on( de renda e) $s #eCes) um
tra#esseiro para simular uma gra#ideC/ Butros rincam #estidos como eês/ 6omo essas
rincadeiras podem ser outra coisa sen"o Mogo) di#ers"o lQdicaZ penas alguns pregadores
rigorosos) como ?imo de Turim) podem descorir nisso uma influência dia>lica: GTudo
o Jue esses ministros do demnio conseguem) nesses dias) ( per#erso e insano) Juando o
Iomem) reMeitando seu #igor #iril) se transforma em mulIer///L/ 3*
B uso da m?scara remonta a tempos longínJuos) pro#a#elmente Juando Ia#ia o
costume de lamuCar o corpo para assemelIar,se aos animais sel#agens) como o urso) Jue
T?cito M? assinala#a no po#o germ7nico dos ordo#ices/ No termo latino masca$ que significa
GfeiticeiraL) pode,se #er uma sore#i#ência das cren!as relati#as a almas do outro mundo/
Tudo isso eplica Jue) desde o s(culo 5V) =incmar Jualificasse de ati#idades dia>licas os
Mogos de urso e as GtalamascasL/ Poder,se,ia) realmente) encontrar eJui#alências
inJuietantes nesses 6arna#ais medie#ais) como sugere ean Du#ignaud) para Juem neles
Gimita,se uma eperiência Jue poderia ser e Jue n"o ( aindaLZ 32 Du#ignaud lemra Jue)
segundo oIan =uiCinga) os espectadores dos suplícios de feiticeiros pelo fogo riam) como

2- 8EF6O) /,/ F6te et revolte& Paris: *-<) p/30/


30 8ST5DE) F/ citado por DESFB6=E) =/ Archives des sciences sociales des religions$ *-1) p/12/
3* V5B DE TUF5/ Homélie V0I& 5n: -atrologie latine$ ) col/ 2/
32 DUK5;NUD) / GBrdre et d(sordre: la d(risionL/ 5n: #arnavals et mascarades$ op/ cit/
se fosse o diao Jue se consumisse) da mesma forma Jue riam Jueimando o Fei 6arna#al/
Nos dois casos) Ia#eria a eecu!"o do ode epiat>rio) e esse riso coleti#o seria a dissipa!"o
do medo diante do castigo do mal/ B riso carna#alesco medie#al contempla) ao mesmo
tempo) a ordem social e as eigências morais pela par>dia e pela derris"o) Jue demonstram)
a um s> tempo) o grotesco do mundo insensato e a impotência do mal/

O "#RIV#RI' OU O RISO DE #UTODE)ES# DO GRU$O

s mesmas características encontram,se nas grandes gargalIadas tumultuosas Jue


s"o os cIari#aris/ Essa pr?tica curiosa) Jue prosseguir? at( o s(culo V5V e com a Jual
cruCaremos #?rias #eCes) reflete tam(m o conteto cultural e esclarece certas significa!es
do riso/ Sua srcem ( incerta/ rnold Kan ;ennep remonta,a $ lta 5dade (dia) mas sem
poder fornecer pro#as decisi#as)33 e a documenta!"o a esse respeito s> se torna importante
no s(culo V5K/  mesma incerteCa eiste com rela!"o $ etimologia: a pala#ra #iria ou do
grego chalibarion &ruído otido ao ater em #asos de ronCe ou de ferro' ou do italiano
chiavramarito ou ca!ramarito& li?s) o termo muda de um país para outro: rough music ou
s'immington$ na 5nglaterra) Watzenmusi'$ na lemanIa) cencerrada$ em ndaluCia)
EspanIa) e assim por diante/
B cIari#ari consiste num agrupamento ruidoso dos memros da comunidade dos
#ilareMos) entre os Juais alguns #"o disfar!ados e atendo sore utensílios de coCinIaA eles
se encontram diante da residência de um dos paroJuianos) Jue est? ecluído do grupo por
uma conduta repreensí#el/ Bs tetos do s(culo V5K) Jue falam) na %ran!a) de Gum des7nimo
dos Mo#ens) ?#idos por farsas e algaCarrasL) 31 insistem na presen!a da Mu#entude) o Jue pode
eplicar um dos moti#os mais freJuentes dessas farras: o casamento de um #iQ#o ou de uma
#iQ#a ou o casamento de duas pessoas de idades muito diferentes/ De fato) como o destaca
NatIalie Da#is) no caso do s(culo VK5) a Gmassa dos Mo#ens disponí#eisL para o casamento)
nas peJuenas comunidades rurais) ( muito limitada) e reduCida ainda mais pelos graus de
consanguinidade Jue a 5greMa Mulga proiiti#os/ Um segundo casamento e a uni"o de um
#elIo com uma Mo#em s"o receidos como um atentado ao eJuilírio social do grupo)
pri#ando os Mo#ens de parceiros/ GEnt"o a alQrdia de Mo#ens mascarados) com seus tacIos)
tamorins) sinos) matracas e errantes) podia durar uma semana diante da casa de suas
#ítimas) at( Jue elas aceitassem e pagassem uma multaL/ 3
Essa ( a causa mais freJuente do cIari#ari/ as I? outros casos possí#eis de
referendar: mulIeres Jue atem nos maridos ou Jue mandam neles) maridos #iolentos)
des#ios seuais/// Segundo rnold Kan ;ennep) Go cIari#ari aplica,se aos maridos Jue
apanIam das mulIeresA aos a#arentos . especialmente) na inf7ncia) a padrinIos e
madrinIas mesJuinIos .A aos estrangeiros Jue) #indos para instalar,se ou mesmo de
passagem) n"o pagam as boasvindasA $s mo!as loucas por seus corposA $s mulIeres
adQlterasA aos êados in#eterados) rutais e escandalososA aos delatores e caluniadores) aos

33 KN ;ENNEP) / "anuel de fol'lore franais& Paris: *-13,*-1-/


31 ;UKFD) 6/) ;B9P) / Gs condutas de ruído e sua significa!"o no fim da 5dade (dia: o cIari#ariL/ 5n: Annales 1S#$
maio,Mun/ *-1) pp/<-3,01/
3 T=BPSBN) E/ P/ GFougI music: le cIari#ari anglaisL/ 5n: Annales 1S#$ mar!o,aril *-2) p/2-/
maridos Jue freJuentam prostíulosA enfim) a todos aJueles Jue) de uma maneira ou de
outra) ecitam contra eles a opini"o pQlica da comunidade localL/ 3<
6omo se #ê) trata,se) cada #eC) de sancionar um des#io Jue) se n"o constitui um
delito passí#el de recorrer $ usti!a) eige aten!"o para o om funcionamento do grupo e
preser#a!"o da moral costumeira/ E o agente da san!"o ( o riso) o riso Cometeiro)
arulIento) agressi#o: Ggritos agudos com #oC enrai#ecida) riso mordaC e impiedoso)
mímicas oscenasL/3 ssiste,se) manifestamente) a um reaparecimento do riso arcaico

agressi#o
rituais e de eclus"o)
forma#am uma gamamarca
JuedeseIostilidade)
estendia daJue podeComaria
alegre ir muito at(
longe: GNa 5nglaterra)
sarcasmos de enormeos
3+
rutalidadeL) escre#e E/ P/ TIompson/  #ítima) en#ergonIada) ecluída do grupo) pode
ser for!ada a eilar,seA algumas cIegam ao suicídio/
O por isso Jue n"o se pode aproimar esse riso Jue mata das Gca!as noturnas
mitol>gicasL/ Em certas regies) como na De#on inglesa) o cIari#ari pode) de resto) adJuirir
a aparência de #erdadeira ca!a: a Gca!a ao cer#oL/ Um Mo#em com cIifres representa o papel
da #ítima do cIari#ari/ Perseguido pela malta de Mo#ens) perto da casa da pessoa #isada) ele
( alcan!ado na soleira da portaA procede,se) ent"o) a uma eecu!"o realista) despeMando um
odre cIeio de sangue de oi com o Jual se orra toda a soleira da porta/ Essa ca!a sel#agem)
Jue conMuga o riso e a morte) faC ressurgir a imagem do diao/ Este () freJuentemente)
associado ao cIari#ari por seus ad#ers?rios) como em elun) em *3<) ou em 9angres) em
*101) onde um concílio local fala de Gum Mogo cIamado cIari#ari no Jual se utiliCam
m?scaras com cae!a de diao e cometem,se coisas indiCí#eisL/ Em 6Iaumont) os Mo#ens
cIegam a formar uma confraria de diaos) organiCando Mogos/ li?s) o cIari#ari sanciona
as desordens dom(sticasA ora) escre#e elle oopmans) Go desacordo entre o lar e as
diaruras n"o est? muito longe um do outro) porJue o comate dom(stico pela domina!"o
representa tam(m a luta entre os príncipes b8ongo#erno_ e baugo#erno_) e atr?s de
baugo,#erno_ esconde,se) $s #eCes) o diaoL/3-
B cIari#ari pode ainda adJuirir outras formas: nos riding the stang$ na 5nglaterra) a
#ítima) le#ada sore um prancI"o) ( salpicada de imundíciesA a mulIer infiel) Mogada na
lama)
tam(m pode
ser ainda ser colocada
GpasseadaL sore
sore um asno) cuc'ing ao
o sentada stool$ cadeiraTodos
contr?rio/ infamanteA a #ítima pode
esses procedimentos
primiti#os) IumilIantes ridiculariCam cruelmente uma pessoa Jue se encontra) assim) no
ostracismo/ B cIari#ari GfaC rir muito) mas aJueles Jue s"o #isados Mamais se li#ram do
ridículo e da #ergonIa Jue ele causaL/ 10 B riso do cIari#ari ( típico da tirania do grupo
contra a lierdade indi#idual) em uma sociedade corporati#a) profundamente anti,
indi#idualista/ O um instrumento de controle da sociailidade e dos costumes conMugais
aldeesA ele pune os des#ios dom(sticos/ Kindo das camadas sel#agens da trio) est? nos
antípodas da su#ers"oA ( um riso de reMei!"o) Jue eclui os desencaminIados e os
marginaisA ( a muralIa das normas) dos #alores e dos preconceitos estaelecidos/
li?s) ele tam(m ( praticado na corte) como o ilustra o tr?gico epis>dio do aile
dos rdentes) em *3-3) no Jual cortes"os disfar!ados de sel#agens participam de um
3< KN ;ENNEP) / op/ cit/) t/ 5) p/202/
3 T=BPSBN) E/ P& op/ cit/) p/2+/
3+ 5idem/

3- BBPNS) / Le thétre des e=clus au "o%en Age& Paris: *--) p/0/


10 TestemunIo citado por FB8EFTS) ;/ 5he Histor% and Antiquities of L%me Regis and #harmouth& 9ondres: *+31) p/2<0/
cIari#ari endere!ado a uma dama de Ionra da rainIa Jue se casa#a pela Juarta #eC/ Ele
pode at( adJuirir formas políticas e tornar,se) ent"o) um meio de ecluir todo um grupo/
Desde o s(culo V555 #eem,se) por eemplo) flageladores renanos atacarem tam(m os
usur?riosA os crist"os,no#os de nster organiCam) na Ter!a,%eira ;orda) corteMos
carna#alescos ridiculariCando os cat>licos: num carro puado por seis monges) um padre
auMa asneiras ao lado de um cocIeiro #estido de ispo/ Esses procedimentos multiplicam,
se at( o fim da 5dade (dia/ Em *1) as casas das #ítimas de uma vendetta$ na 5t?lia) s"o
coertas de cenas oscenas/ Em *1-0) os cl(rigos da Murisdi!"o de Feims ridiculariCam a
no#a #estimenta dos cnegos: no dia dos Santos 5nocentes) eles representam) diante da
catedral) Guma farsa para a recrea!"o do po#oL e de l? #"o) Gpulicamente) representar sore
o cadafalso farsas e derrises contendo grandes inMQrias contra o Estado e pessoas
eclesi?sticas) especialmente da igreMa de FeimsL/ Durante dois dias e duas noites) faCem
grande algaCarra diante das casas dos cnegos/ B tempo das guerras de religies assistir? a
um aumento dessas pr?ticas/ ssim) em 2 de deCemro de *32) um cIari#ari ( organiCado
na Suí!a) contra o cronista Xerner Steiner) com os ruídos e as Comarias de costume) e)
oito dias mais tarde) conta ele) Geles colocaram um gato morto diante de minIa casa e
suMaram a porta dos fundos com ecrementosL/
Estamos a mil l(guas do riso Jue desarma o fanatismo/ Esse riso de grupo) anti,
indi#idualista)
opress"o Jue n"oem longe
tolera de fa#orecer
a diferen!a/ a toler7ncia)
O origat>rio () ao contr?rio)
e #eat>rio/ N"o I? um
comoinstrumento de
escapar dele:
( preciso rir com os Jue riem como se ui#a com os loos) e os recalcitrantes s"o #ítimas de
todo tipo de cIacota) como o ilustra este testemunIo de Kalenciennes) no s(culo VK5) por
ocasi"o de uma festa local: GBs estrangeiros de passagem ou I>spedes) #endo isso)
acredita#am firmemente Jue o po#o enlouJuecera)/// outros) por Comaria) representa#am
anJuetes ou festa de nQpcias) elegendo o Iomem mais feio e grosseiro Jue podiam
encontrar em suas ruelas) e o #estiam da forma mais suMa e ridícula possí#el) com roupas de
mulIer ou de dama de Ionra) para Juem todos os principais funcion?rios da cidade #inIam
traCer presentes//// Se alguns eram prudentes) n"o Juerendo contriuir com essas loucuras)
tinIam suas casas cercadas at( consentirem em faCer o Jue lIes era ordenadoL/ 1* O o riso
tir7nico e odioso da cIocarrice de toda esp(cie) do cIari#ari ao trote grosseiro/
s san!es do tipo cIari#ari s"o) em geral) decididas por triunais de Mu#entude/ 
documenta!"o) para esse caso) ( tardia) mas permite esclarecer o espírito dessas pr?ticas
medie#ais/ Sempre #olta a preocupa!"o de preser#ar o eJuilírio tradicional e epulsar)
pelo riso) o mal Jue amea!a a comunidade/  san!"o pode) $s #eCes) re#elar,se puramente
sim>lica) contentando,se) por eemplo) com um ode epiat>rio annimo) como em
6ellefrouin) em ngoumois) onde) durante o 6arna#al) se procede ao afogamento fictício
do Gar"oL) personagem representado por um paroJuiano) de Juem ( feito um processo das
pe!as de acusa!"o urlescas) como Gle#ar ?gua com uma peneira at( a planície e l? afogar
as leres e depois Jueimar os peies dentro do rioL: ele ( Mogado num cIarco) onde de#e
faCer,se de palIa!o)
maior parte e ent"o
das #eCes) come!am ospor
representado di#ertimentos/
um onecoEsse
de papel
palIa)deo ode
Fei epiat>rio
6arna#al ()
ouna
caramantran$ do Jual se faC o processo parodístico) seguido da eecu!"o pelo fogo e do
enterro derris>rio) tudo dentro da Iilaridade geral/ Da mesma forma) na festa de S"o o"o)

1* 6itado por 8EF6O) /,/ op/ cit/) p/33/


Mogam,se no fogo animais #i#os) presos em sacos . soretudo gatos e raposas) de reputa!"o
dia>lica .) e escarnece,se de seus ui#os e saltos/
Essas #ítimas le#am com elas os #ícios e os pecados da comunidade) facilmente
eliminados/ B papel tam(m pode ser desempenIado por um inocente do #ilareMo) Jue (
perseguido por um garoto disfar!ado de rua ou por uma criatura de madeira) o babouin$
de %oreC ou de 8eauMolais/ Em uniJue) na #(spera da scens"o) corre,se atr?s de um
Iomem #estido de diao/ Ele ( re#ol#ido no defumador e) no dia seguinte) sua roupa (

recIeada de
tam(m) palIa e incendiada/
prosaicamente) Na EspanIa)
ridiculariCar udasenganado
um marido ser#e de ou
ode
o epiat>rio)
mais #elIo masdos pode,se
rapaCes
casadoiros/ aridos Jue apanIam ou s"o dominados pelas mulIeres têm direito $ infamante
ca#algada de asno) #oltados para tr?s) com uma r" na m"o/ B riso #ingati#o est? presente
para sancionar um atentado $s normas do grupo: pr em risco a fecundidade ou a supremacia
masculina) por eemplo/
 atitude das autoridades ( Iesitante/ Yuando se trata de pr?ticas de autorregula!"o
Jue mantêm a ordem estaelecida) elas n"o podem punir/ esmo na Pro#en!a) no s(culo
VK5) #eem,se confrarias religiosas) como as do Santo Espírito ou do Santo Sacramento)
decidirem ou organiCarem os cIari#aris/ as) em geral) a 5greMa ( Iostil a esses mo#imentos
Jue) no caso de segundo casamento) atentam contra o sacramento do matrimnio e Jue) de
JualJuer forma) sempre s"o acompanIados de descomedimentos conden?#eis/ s
autoridades ci#is) em compensa!"o) permitem/ S> a partir do s(culo VK5 ( Jue se come!a
a le#ar) diante dos triunais) casos de cIari#aris malsucedidos ou Jue resultaram em
ecessos gra#es/  preocupa!"o mon?rJuica com a ordem e) soretudo) a e#olu!"o das
mentalidades para o indi#idualismo e para a prote!"o dos direitos da pessoa entram em
conflito com as pr?ticas coleti#as do riso #ingador/
Na 5dade (dia) o riso coleti#o desempenIa papel conser#ador e regulador/ Por
meio da par>dia ufa e da Comaria agressi#a) ele refor!a a ordem estaelecida
representando seu oposto grotescoA eclui o estranIo) o estrangeiro) o anormal e o nefasto)
escarnecendo do ode epiat>rio e IumilIando o desencaminIado/ B riso () nessa (poca)
uma arma opressi#a a ser#i!o do grupo) uma arma de autodisciplina/

# )EST# DOS ;O;OS' OU # #UTODERRISÃO "LERI"#L

Esse papel ( confirmado pelas festas dos oos e do asno) Jue introduCem o riso no
meio eclesi?stico/ Este) apesar de sua íntima liga!"o com o sagrado) se presta facilmente a
uma deri#a cmica . ao menos na acep!"o ergsoniana do cmico: o mec7nico cIapado
sore o #i#o/  missa apresenta um car?ter maci!amente repetiti#o: cada som e cada gesto)
ancorados na mem>ria indi#idual ou coleti#a) perfeitamente ligados entre si por automa,
tismos) sugerem uma m?Juina familiar em Jue a menor omiss"o) a menor #aria!"o ou
acelera!"o ser? perceida por todos como ins>lita ou cmica/ 9itanias) Iinos) preces) ofícios
cannicos) des#iados de seu sentido sagrado) s"o uma mina de pilI(rias aerta $ #er#e dos
rincalIes) em primeiro lugar os goliardos) esses cl(rigos,estudantes #agaundos) de m?
reputa!"o) Jue circulam pela Europa nos s(culos V55 e V555/ Turulentos) oêmios)
acompanIam suas patuscadas com can!es de eer) sempre prontos a transformar um Iino
em poema er>tico ou uma prece em poesia urlesca) por rincadeira) por #ontade de cIocar
o urguês e as autoridades/
Bs ofícios religiosos . sae,se pelos escritos dos censores e dos reformadores .
s"o #erdadeiras arafundas onde se con#ersa) rinca,se) discutem,se neg>cios) corteMam,se
as mulIeres/ No coro das catedrais) os cnegos recitam mecanicamente as preces) cocIilam)
saem so JualJuer preteto) #"o e #êm/ Todas as ocasies s"o oas para se di#ertir/ 
cerimnia das 6inCas) por eemplo) degenera regularmente em Mogo: corre,se atr?s para

receer
Jue sua pincelada
prolongam em meio
o 6arna#al a gritosencerrado/
I? pouco e risos) e esmo
isso coma decora!"o
freJuência n"o
termina em dan!as)
( sempre s(ria:
assim) as cadeiras do coro e as indulgências dos cnegos s"o Gsuporte de oras Jue
testemunIam uma inspira!"o mara#ilIosamente fantasiosa) Juase sempre urlesca) com
aten!"o irnica) rincalIona) aos mil detalIes da #ida cotidiana) profissional) e aos defeitos
dos IomensL)12 escre#e acJues =eers/ Encontram,se aí cenas e personagens inesperados)
Jue os dignos eclesi?sticos podem olIar e tocar $ #ontade durante os ofícios: encontro de
pregadores) prostitutas) mulIeres nuas) cenas de desordem) rostos grotescos) cenas caricatas
ou de um realismo Jue eira a grosseria/ Nem mesmo a decora!"o dos li#ros litQrgicos (
sempre s(ria: nas margens dos re#i?rios aparecem personagens grotescos) diaretes
galIofeiros) cae!as de oos com seus cIap(us com guiCos/
O preciso lemrar desse clima geral para relati#iCar as indecências da festa dos
oos) Jue nasceu nos meios eclesi?sticos e para eles/ 6ertamente) S(astien 8rant
emarcar? esse elo mundo em sua 9ave dos loucos$ com destino ao inferno/ as ele
pertence a outra (poca) a dos reformadores) dos ;erson) dos 6lamanges) cuMos ou#idos se
tornam sensí#eis $s disson7ncias profanas do riso/ o contr?rio) at( o s(culo V5K) a #ida
religiosa secular parece anIar,se num clima Jue tolera uma oa dose de urlesco) como se
a mistura do profano e do sagrado fiCesse surgir o cmico nos lugares e nos momentos mais
inesperados/  euer7ncia de um mundo rQstico) em Jue as inii!es ainda s> concernem
aos aspectos mais ecessi#os dos instintos) d? li#re curso $ epress"o corporal/  pr?tica
da dan!a pelos padres) nas igreMas) ( muito re#eladora/

=? festas
perto das algunsdaindícios
P?scoa de dan!as
e do Natal/litQrgicas por toda
Na catedral parteo na
de Sens) 5dade
clero (dia)
dan!a soretudo
a cada grande
festa) com apro#a!"o do arceispo) Jue n"o se nega a participar dessas saarandas/ =a#ia
precedentes ílicos c(leres) como a dan!a de !"o de ;ra!as de iriam) na saída do ar
KermelIo) e as dan!as desordenadas de Da#i diante do rco/ 6ertos pais #iam na dan!a
uma epress"o de santidade) e místicos a preconiCa#am para atingir o conIecimento di#ino/
No s(culo V555) a eguina ecItilde de agdeourg faCia disso o meio de entregar,se $
eatitude dos eleitos/ Desde essa (poca) ( #erdade) as autoridades mostram,se perpleas em
rela!"o a esse assunto) e suas decises s"o contradit>rias/ B arceispo de Fouen Eudes
Figaud declara,se nitidamente Iostil) mas s"o os monges mendigos Jue #"o faCer
campanIas sistem?ticas contra as dan!as litQrgicas) assimilando,as $s dan!as profanas
consideradas dia>licas: G dan!a em si est?13reduCida a uma depra#a!"o sat7nica) sem
considera!"o de natureCa ou de inten!"oL) escre#e eannine =oroitC/ s dan!as
desaparecem das igreMas no s(culo VK5A em uerre) por eemplo) foi em *3+/

12 =EEFS) / op/ cit/) p/+-/


13 =BFBX5T]) / G9es danses cl(ricales dans les (glises au oen geL/ 5n: Le "o%en Age$ t/ -) *-+-) n/2) p/ 2+-/
 intelectualiCa!"o progressi#a da f( eliminar?) pouco a pouco) a epress"o corporal)
em #irtude da dicotomia corpo,espírito) Jue tende a faCer do corpo um instrumento do
diao/ No s(culo V555) ainda n"o cIegamos l?/  alegria eprime,se li#remente por meio de
manifesta!es euerantes Jue se encontram em todas as festas religiosas/ l(m das festas
litQrgicas) I? festas paroJuiais) as de confrarias) de grupos de cl(rigos///  maior parte delas
mergulIou no esJuecimento: ( o caso da festa da ;arrafa &8outeille') em O#reu) Jue
comemora#a a lemran!a do cnego ;uillaume 8outeille) Jue) em *23) tinIa financiado
uma funda!"o cuMo nome e#ocador era preteto para grandes lia!es e rincadeiras
maliciosas/11 Bs cantores) os capel"es) os di?conos e sudi?conos têm) cada um) sua festa
particular/
O no meio dos cnegos das catedrais Jue nasce a festa dos oos/ Um meio muito
particular: os capítulos catedr?ticos compem,se) em geral) de uma JuinCena ou #intena de
cnegos seculares) #i#endo em comunidade) encarregados de celerar os ofícios da catedral/
Em geral) s"o Mo#ens: a idade mínima eigida ( *1 anos/ l(m do mais) a catedral) #i#eiro
de cl(rigos) compreende as crian!as do coro) Mo#ens cantores cuMa #oC ainda n"o mudou e
os pensionistas da escola episcopal/ Tudo isso forma um peJueno mundo agitado) fecIado)
com seus ritos de inicia!"o) suas tradi!es) seu #ocaul?rio) sua IierarJuia e seus Mogos/
Essas crian!as têm tam(m sua festa) associada $ inf7ncia de 6risto: ( a festa dos 5nocentes)
Jue acontece
lierdade: no fimJue
GDeiam de rinJuem)
deCemro/ tornem,se
Durante alguns
mestresdias)
do eles
coro)sedaeneficiam
igreMa e dodeclaustro)
grande
imitem os ofícios e entreguem,se a toda esp(cie de par>dias ou at( irre#erências/ Yuando a
festa adJuire outras significa!es) o Ier>i ( sempre um Mo#em cl(rigo) escolIido pelos
outros para uma realeCa de um diaL/ 1
B autor das linIas precedentes) acJues =eers) demonstrou Jue o Jue cIamamos de
festa dos oos tem por srcem uma festa de estudantes) crian!as) Jue adJuire nomes
diferentes de acordo com os lugares/ Por etens"o) ela se torna uma ealta!"o dos peJuenos)
dos fracos) mas de maneira nenIuma ealta,se a loucura/ Durante alguns dias) os Mo#ens
cl(rigos da catedral goCam de ampla licen!a) e o regoCiMo compreende duas partes: certo
ritual codificado) no interior da catedral) e uma ca#algada desenfreada pelas ruas/ Tudo isso
com a apro#a!"o ou) pode,se mesmo diCer) com as ên!"os das mais altas autoridades
eclesi?sticas/
Nossa principal fonte de conIecimento sore esse assunto ( um manual redigido)
cerca de *200) pelo arceispo de Sens) Pierre de 6oreil: o )f(cio da festa dos bobos$
largamente recopiado e difundido/ Ele inicia com Juatro #ersos ineJuí#ocos: GTodos os
anos)@ a cidade de Sens@ celera a festa dos oos)@ segundo antigos costumes)@ o Jue alegra
o cIantradoA@ contudo) toda a gl>ria de#e ser@ para o 6risto circuncidado[L/ Esse #erdadeiro
missal urlesco descre#e os Iinos de fantasia) recIeados de gírias em latim) Jue de#em ser
cantados em falso,ord"o) assim como a elei!"o do ispo ou papa dos oos) Jue se
desenrola segundo um cerimonial parodístico e uf"o/ B eleito porta as insígnias de sua
fun!"o &cruC) mitra) cruC episcopal' e confere copiosas ên!"osA trata,se de uma crian!a Jue
se entrega a toda esp(cie de fac(cias) e pode,se imaginar os risos) os gritos e as
etra#ag7ncias Jue a cerimnia propicia/ Tanto mais Jue ( ocasi"o de larga distriui!"o de
#inIo durante a G6eia das crian!asL) festim Jue acontece logo depois/ 6ada cnego de#e
11 =EEFS)/ op/ cit/) pp/ -<,--/
1 5idem) p/ *31/
contriuir para a compra dos #í#eres necess?rios) e em ans o ispo recee Juarenta pintas
de #inIo para distriuir/ S"o esses adolescentes meio emriagados Jue) em seguida) se
espalIam pela cidade por meio da ca#algada/ B papa dos oos) em uma carro!a) continua
suas ufonariasA outros cl(rigos o seguem) com carro!as de lio) Jue lan!am sore os
passantes Jue lIes pedem/ Tudo isso ( codificadoA o percurso da ca#algada (
minuciosamente pre#isto) como o pro#a) em 8esan!on) um manuscrito do s(culo V555/
Nessa cidade) o papa dos oos ( acompanIado de GcardeaisL representando as institui!es
religiosas da cidade) Jue de#em prosternar,se diante dele e receer sua ên!"o/ 5sso tam(m
n"o ( raC"o para estragar a festa/ s san!es s"o contra os recalcitrantes: em *210) em
ans) o aade da 6outure) Jue se recusou a receer o cl(rigo 8erenger) papa dos oos)
te#e de apresentar desculpas ao capítuloA a mesma IumilIa!"o sofreu a aadessa de Notre,
Dame,du,Pr() alguns anos mais tarde/  participa!"o na festa ( origat>riaA ( o Jue se
eplica) sempre em ans) ao aade 8eaulieu) Jue se recusara a eer com o papa dos oos
porJue n"o Jueria: ele ( con#ocado e cIamado $ ordem/1<
tr?s dessa origa!"o se esconde a #ontade do capítulo de afirmar sua supremacia
na cidade episcopal/  ca#algada ( acompanIada) ali?s) de uma coleta) da Jual n"o ( om
sutrair,se/ Se as primeiras GcaretasL contra a festa dos oos e seus ecessos manifestam,
se desde o s(culo V555) ela tam(m n"o deia de ter ardentes defensores no clero) at( o
s(culo VK:Juanto
por Deus em *120) por de
a festa eemplo) um pregador
Nossa SenIora de uerree)sustenta
da 6oncei!"o) em *111)Jueum
elaescrito
( t"o apro#ada
annimo
defende,a sulinIando seu car?ter de rincadeira inocente) purga!"o indispens?#el a nossa
necessidade de recrea!"o para melIor cumprir) em seguida) o de#er/ Essa apologia do riso
retoma a ideia aristot(lica do riso como parte integrante da natureCa Iumana) opondo,a a
uma piedade crist" ligada ao medo/ Esses di#ertimentos) diC o teto) s"o essenciais Gpara
Jue a idiotice Jue ( nossa segunda natureCa e Jue parece inata no Iomem possa) ao menos
uma #eC por ano) ter li#re curso/ Bs ton(is de #inIo eplodiriam se) de tempos em tempos)
n"o afrou?ssemos a tampa e dei?ssemos penetrar um pouco de ar/ N>s tam(m) os
Iomens) somos ton(is mal articulados Jue o #inIo da saedoria faria eplodir se esti#esse
so a incessante fermenta!"o da piedade e do medo di#inos/ O por isso Jue nos permitimos)
alguns dias) a ufonaria) para em seguida #oltarmo,nos) com maior Celo) ao ser#i!o do
SenIorL/1
O para refutar essa argumenta!"o Jue a %aculdade de Teologia de Paris redige) em
*2 de mar!o de *111) uma carta circular condenando a festa dos oos/ Essa carta permite
conIecer outras raCes: fantasiados) os cl(rigos dan!am) Mogam cartas) faCem patuscadas)
eecutam can!es liertinas) Muram) lasfemam) parodiam as cerimnias mais sagradas)
sustituindo o incenso por #elIos cIinelos Jueimados/ O possí#el Jue) com o tempo) os
des#ios e os ecessos se tenIam multiplicado/ Para S(astien 8rant) essas indecências s"o
insuport?#eis: GEis o Jue os oos entendem por em #i#er: ui#ar como loos e faCer grande
esc7ndalo com todos os camponesesL/
De JualJuer maneira) o sucesso ( grande at( o s(culo V5K/ esmo os arceispos de
Feims participam da festa dos oos) e PIilippe le =ardi) em *32) d? dinIeiro aos capel"es
de DiMon para Jue eles organiCem sua festa/ Um doutor de Paris admite Jue se #iram Gtodas
as igreMas das na!es galesas e germ7nicas celerarem) nesse dia) e durante toda a oita#a
1< 5idem) p/ *+</
1 6itado por 8=T5NE) / op/ cit/) p/ +3/
dos Feis) a festa dos oos/// Jue se deram ao traalIo de marcar com esse nome nos li#ros
de ofícios di#inos/// e Jue isso durou treCentos ou Juatrocentos anosL/
So o riso em,comportado) outro aspecto da festa dos oos desponta
insidiosamente) permanecendo) nessa (poca) em estado potencial: a contesta!"o social e a
su#ers"o da IierarJuia/ O #erdade Jue nesses simulacros #eem,se peJuenos cl(rigos
insolentes tomarem o lugar dos #erdadeiros dignit?rios do capítulo) crian!as do coro
epulsarem os cnegos das cadeiras e #estirem os I?itos sacerdotais) ao passo Jue os

#erdadeiros
in#ers"o) titulares
escre#e desempenIam
o ispo as Iumildes
de 6Ialon,sur,Sane) Gerafun!es destinadas
uma esp(cie aos Mo#ens/
de rincadeira Essa
Jue s> se
presta#a ao risoL/ as o ispo ri amarelo) percee,se/ Para =ar#e 6o) Jue em *-<- foi o
primeiro a eplorar as significa!es da festa dos oos) a aceita!"o dessa in#ers"o
Iier?rJuica atesta) toda#ia) a for!a da cultura medie#al: G festa dos oos demonstrou Jue
uma cultura podia) periodicamente) Comar de suas pr?ticas religiosas e reais as mais
sagradas) imaginar) ao menos de #eC em Juando) uma esp(cie de mundo inteiramente
diferente) em Jue o Qltimo seria o primeiro) os #alores aceitos seriam in#ertidos) os oos
se tornariam reis) em Jue as crian!as do coro fossem os preladosL/1+ t( o s(culo V5K) essa
in#ers"o permanece puramente lQdica) e o riso Jue desencadeia n"o amea!a a ordem social/
6omo no 6arna#al) ele a refor!a) demonstrando o lado grotesco e irreal de seu contr?rio/

# )EST# DO #SNO OU O RISO # SERVIÇO DOS )R#"OS

6onstata,se o mesmo no caso da festa do asno) Jue #em sorepor,se $ dos oos e
da Jual se conIece o desen#ol#imento) gra!as ao ofício minuciosamente regulamentado
pelo arceispo Pierre de 6oreil ao redor de *200/ Trata,se de uma autêntica liturgia cuMa
precis"o nada deia a deseMar em rela!"o $ dos G#erdadeirosL ofícios/ Kestido com uma rica
capa) o asno faC sua entrada) $s #eCes puado pela cauda) enJuanto a assistência entoa o
#erdadeiro Iino $ alegria) em latim: GEste dia ( um dia de alegria[ creditem,me: afastem
dessas solenidades JualJuer um Jue esteMa triste[ Yue dispensem todos os assuntos de rai#a
e melancolia[ Jueles Jue celeram a festa do asno s> Juerem alegriaL/ Dois cnegos
conduCem o asno ao pQlpito) como se fosse um ispo/ s #eCes) uma Mo#em representando
aria aparece sentada nele/ 6anta,se ent"o a fala do asno) da forma mais desarmoniosa
possí#el) imitando seus Curros) com este tipo de refr"o: GEi) senIor asno) porJue cantais@
ela oca demonstrais@ teremos astante feno@ e a#eia para plantarL/ Numa inacredit?#el
cacofonia) enumeram,se os m(ritos e as fa!anIas urlescas do animal/ Uma parte da
cerimnia refere,se de forma eplícita ao paganismo) mais particularmente a Dioniso: ( a
recita!"o de salmos urlescos Jue pontuam o grito encantat>rio das acantes) evohé& N"o
se de#e #er nisso indício de uma continuidade entre festas pag"s e crist"s) mas) antes)
escre#e acJues =eers) Go interesse por tudo o Jue se refere $s culturas antigasL/ B mesmo
autor
duas oser#a Jue de
prancIetas o missal de 8esan!on)
madeira) Jue cont(m
representando cenas omitol>gicas/
manuscrito desse
Pro#aofício) ( unido por
de Gcuriosidade
eruditaL) nada mais/
Tal n"o era a opini"o dos censores do s(culo VK) para Juem essas fac(cias
lasfemat>rias eram uma prolonga!"o direta dos ritos pag"os/ Na carta circular de *2 de
1+ 6BV) =/ 5he Feast of Fools& 6amridge: *-<-) trad) franc/ *-<) p/*1/
mar!o de *111) os doutores da Soronne declaram GJue a festa dos sudi?conos) ou dos
oos) era um resJuício de paganismo) uma corrup!"o conden?#el e perniciosa Jue tendia
ao e#idente despreCo por Deus) pelos ofícios di#inos e pela dignidade episcopalA e aJueles
Jue a faCiam imita#am os pag"os) #iola#am os c7nones dos concílios e os decretos dos
papasA profana#am os sacramentos e as dignidades eclesi?sticasA Coma#am das coisas
sacramentadasA tinIam uma f( suspeita e de#iam ser tratados como Ier(ticosL/
De JualJuer forma) o asno era) em seguida) conduCido ao coroA depois) saía,se em

ecorteMo) precedido
a aside) por grande
em seguida lanterna/se6anta,se)
o di#ertimento estende dan!a,se) asperge,se
a toda a cidade/ o palanJue
B fato do coro
de um arceispo
ter dedicado seu tempo a detalIar esse tipo de ufonaria e de esse missal urlesco Ia#er
sido reproduCido em deCenas de eemplares ( indica!"o s(ria da import7ncia dessa festa e
de sua aceita!"o ene#olente pelas autoridades) Jue) no s(culo V555) n"o #iam nela nenIum
mal/ GEssa festa se destaca soretudo pelo di#ertimento inocente) popular) do asno) pelo
deseMo de faCer Musti!a ao mais modesto) ao mais fracoL/ 1- Esse asno n"o ( o de puleio
nem o de 8ala"o) nem aJuele Jue le#a) alegoricamente) $ sinagoga: ( o da Sagrada %amília)
o auiliar precioso e Iumilde/
Yuest"o de interpreta!"o) sem dQ#ida/ PorJue um asno ( um asno) e tudo depende
do Jue se Juer faCê,lo diCer/ O preciso constatar) por(m) Jue nos s(culos V55 e V555 ele (
#isto como a imagem do peJueno ao Jual se rende Iomenagem) celerando,o/ O uma
Iomenagem pelo riso) pelo Mogo) pelo cmico/ B riso da festa coleti#a na 5dade (dia
recorre $ par>dia) porJue a cultura) essencialmente oral) era muito ritualiCada) repetiti#a) e
o ritual) conIecido por todos) pode facilmente deri#ar para a par>dia cmica/ Esse riso de
grupo) tir7nico) ( poderoso fator de coes"o social e de conformismo/ Ele parodia para
refor!ar as normas e os #alores) n"o para atac?,los/ li?s) na 5t?lia) onde os m(todos
políticos s"o mais e#oluídos) as oligarJuias municipais utiliCam de om grado o riso e as
festas) a ser#i!o do poder/ aJuia#el far? deles uma regra: GB príncipe de#e oferecer ao
po#o festas e Mogos) em certas (pocas do anoL/ ;o#ernar pelo riso: n"o ( ainda um princípio
consciente) mas) do rei 6arna#al ao papa dos oos) a associa!"o parodística do poder e do
riso ( re#eladora/ B soerano cmico) imitando o soerano s(rio) confirma o poder deste
QltimoA o riso de um s> faC ealtar o poder do outro) porJue n"o I? alternati#a/ Fir da
par>dia do poder n"o ( rir do poderA este adJuire um aumento de legitimidade/ O um Mogo
Jue se de#e #igiar) mas Jue na 5dade (dia respeita as regras) tanto Jue o sistema de #alores
#igente ( unanimemente aceito/
Bs eemplos das realeCas parodísticas s"o numerosos/ B rei da fa#a ( o mais c(lere/
B costume #em) tal#eC) dos países germ7nicos) onde) em *R de Maneiro) acontecia a
ca#algada urlesca da festa conIecida como do imperador) festa transferida para o dia da
Epifania) no Jual ela se torna uma festa dos urgueses ou festa de p7ndega & folz') por
imita!"o da festa eclesi?stica dos oos/ Elege,se um rei em cada família e em cada cidade)
e isso permite muitas ufonarias/ No corteMo) ;eoffro de Paris oser#a) em *3*3) na capital
capetiana) d"o e E#a) Pilatos) Greis da fa#a e Iomens sel#agens em grandes gargalIadasL/
Portanto) ainda I? tra#estimento) Mogos de representa!"o de pap(is) di#erses/ Nas cidades)
o rei da fa#a ( uma pessoa rica) not?#el) porJue sua fun!"o ultrapassa a ufonaria: ele de#e
organiCar e pagar os di#ertimentos/ B po#o Juer rir e deseMa Jue o fa!am rir/ Na EspanIa)
elegem,se magistraturas urlescas) os mazarron$ zamarron$ zancarron e outros/ Em
1- =EEFS) / op/ cit/) p/*1*/
Qrcia) para a festa dos 5nocentes) designam,se os GinocentesL) Jue podem faCer tudo o Jue
lIes passa pela cae!a) desde Jue seMa engra!adoA #ê,se um Jue soe numa cadeira faCendo
palIa!adas) contando os diC Jue diC Jue locais/ Na corte) a fun!"o do rei da fa#a pode
retornar: em Na#arra) esse personagem recee dinIeiro e trigo/ B posto ( coi!ado: so o
reino de =enriJue 55) de 6astela &*3<-,*3-') o poeta,cortes"o lonso de Killasandino
rei#indica a fun!"o de forma grotesca e grosseira e s> consegue despreCo/
Sempre na EspanIa) o costume dos obis!illos #incula,se $Juele dos reis urlescos/

No dia dee pronuncia


cmicas S"o Nicolau ou no dos
discursos Santos Tam(m
urlescos/ 5nocentes)I?elege,se
obis!illoumdossoerano Jue d? ordens
Santos 5nocentes para
os cantores de certas catedrais e a elei!"o de um ispo urlesco/ s autoridades eclesi?sticas
toleram essa pr?tica) e alguns ispos d"o grande pro#a de Iumildade: aceitar a ironia $ sua
fun!"o e assim des#iar o riso popular de seu m(rito pessoal/ B c?lculo pode ser du#idoso)
mas ( a ele Jue se entrega o frei =ernando de Tala#era) primeiro arceispo de ;ranada
&*12+,*0'/ B Iistoriador da igreMa de ;ranada) 8ermQdeC de PedraCa) escre#e sore esse
assunto) em *<0+: G6omo o santo arceispo ama#a tanto as manifesta!es de Iumildade)
conceia,a tal como era) antes Jue o demnio lIe acrescentasse outras #aidades) como
ocorre em tais circunst7ncias/ Eu suponIo Jue esse costume te#e por srcem aJuele em Jue
os romanos elegiam um rei entre seus ser#os e lIe oedeciam durante certas festi#idades)
0
tal
essecomo
teto)on"o
menciona acr>io
concorda em suas
com a ideia Festasentre
de filia!"o saturnais
o rei L/das ulio 6aroe 8aroMa)
saturnais Jue mas
o obis!illo$ cita
destaca o papel purificador atriuído ao riso por certos prelados medie#ais/
ssim) o riso carna#alesco da par>dia medie#al refor!a) de di#ersas maneiras) os
#alores culturais dominantes/ Eplica,se) assim) a discri!"o das autoridades eclesi?sticas
em rela!"o a ele/  festa dos oos suscita um pouco mais de resistência) mas as
condena!es s"o raras/  primeira data de **-+) Juando o ispo de Paris) Eudes de Sull)
retoma uma prescri!"o do legado pontifical) o cardeal PierreA ele reitera sua interdi!"o em
**--) e a decis"o ( retomada em *20+/ Um decreto de 5nocêncio m declara) por sua #eC)
por #olta de *200: Gs #eCes) faCem,se espet?culos e Mogos teatrais nas igreMas) e n"o
somente introduCiram,se nesses espet?culos e nesses Mogos monstros de m?scaras) como)
em certas festas de di?conos) padres e su,di?conos têm a ousadia de praticar folias e
ufonarias/ N>s #os eortamos) meu irm"o) a eterminar de #ossas igreMas o costume) ou
antes) o auso e o desregramento desses espet?culos e Mogos #ergonIosos) para Jue tal
impureCa n"o suMe a Ionestidade da 5greMaL/* Notemos Jue esse Mulgamento se#ero (
eatamente contempor7neo da reda!"o do ofício dos oos e do asno pelo arceispo de
Sens/  contradi!"o ( flagrante e prossegue ao longo do s(culo V555) M? Jue) em *2*2) o
6oncílio de Paris proíe os ispos de celerarem a festa dos oos e) em *2<0) o 6oncílio
de 8ordeau) realiCado em 6ognac) reitera essa interdi!"o acrescentando: GProiimos
tam(m elegerem ispos nesse dia) porJue isso ( ridículo na 5greMa de Deus e torna
despreCí#el a dignidade episcopalL/2 =?) portanto) resistências) mas elas n"o têm efeito at(
o s(culo VK/
Na realidade) a festa sempre causou prolemas $ 5greMa/ Num primeiro momento)
durante a lta 5dade (dia) foi preciso eliminar a festa pag"/  festa das calendas de

0 6itado por 8FB) / 6/ op/ cit/) p/32/


* 6itado por T=5EFS) /,8/ 5raité des 7eu= et des divertissements& ParisA *<+<) p/113/
2 5idem) p/111/
Maneiro) especialmente) muito popular) ( #ilipendiada por Tertuliano) mr>sio) o"o
6ris>stomo) gostinIo) ?imo de Turim) 6es?rio de ries) 5sidoro de Se#ilIa) Faan
aur) lcuíno) 8ernardo e ;autIier de rras/ B mais simples ( demoniC?,la: o penitencial
de 8urcIard pre#ia dois anos de MeMum para aJueles Jue celera#am as calendas de Maneiro)
e trinta dias a p"o e ?gua para os Jue se fantasiassem de cer#o ou de no#ilIo) nessa ocasi"o/
B penitencial do Pseudo,Teodorico ( ainda mais categ>rico: GSe nas calendas algu(m
passeia fantasiado de cer#o ou de #aca) isto () se algu(m toma a aparência de esta e se
#este com peles de esta portando cae!as de animal) aJueles Jue assumem) assim) uma
aparência estial) Jue fa!am penitência durante três anos) porJue essas s"o a!es
demoníacasL/ Para o Iomili?rio de aurice de Sull) no s(culo V55) essas festas Gpertencem
$ loucura e $ descren!aL/
Por(m) o mais eficaC ( criar festas crist"s para sustituir as pag"s/ B po#o n"o #ê aí
incon#eniência) desde Jue se di#irta/ O preciso) portanto) aceitar a presen!a do riso)
relegando,o) se possí#el) aos rituais paralelos ou parodísticos/ Desde o início) o rito
parodístico surge como um duplo Jue refor!a e legitima a festa Gs(riaL/ 5sso pode ser
constatado) soretudo) no momento crucial do fim de deCemro e início de Maneiro) Juando
s"o necess?rias pelo menos Juatro festas pr>imas para corir e suplantar as calendas de
Maneiro: Natal) a S"o Sil#estre . do nome de um papa do s(culo 5K Jue e#oca a #ida
sel#agem &Silvaticus
cIega a eliminar ') dando
.) no#a significa!"o
a 6ircuncis"o ao ato de
e a Epifania) Juese s>
fantasiar de animal)
apareceram Jue n"o5V/
no s(culo se
Paralelamente) elas s"o sustituídas pala festa dos oos) pela festa do asno e pelo rei da
fa#a/
lgumas semanas mais tarde) para faCer passar a Yuaresma) ( preciso aceitar o
6arna#al/ Em *0-*) o 6oncílio de 8ene#ento instaura a solenidade da Yuarta,%eira de
6inCas para fiar um limite aos desregramentos carna#alescos cuMa impiedade recaía
largamente sore a Yuaresma/ Uma lemran!a da morte Jue nos espera a todos e do retorno
ao p>) por meio de uma cerimnia de ares fQneres: o Jue I? de melIor para acalmar o
espírito dos foliesZ as at( isso se torna preteto para gargalIadas) como M? #imos/ E a
mesma constata!"o pre#alece para o dia de S"o o"o 8atista) Jue aparece no s(culo V5 para
des#iar a pr?tica dos fogos do solstício/ Bs fi(is aceitam essas festas) n"o contestam nem
seu fundamento nem o sentido) mas acrescentam o riso) Jue na 5dade (dia ( o agente
origat>rio de todo acontecimento festi#o/  ideia de festa s(ria parece incongruente/ B
riso ( o tecido da festa/ O ele Jue faC de um e#ento uma festa . sem nenIuma inten!"o
su#ersi#a) ao contr?rio/ Na 5dade (dia) o riso ( sinal de apro#a!"o: do sistema #igente)
de seus #alores) de sua IierarJuia/ Se $s #eCes ele adJuire #alor de eclus"o) ( a eclus"o
dos desencaminIados) dos Ier(ticos) dos andoleiros Jue #emos assar sore fogueiras)
gargalIando da mesma forma Jue faCemos ao #er se consumir o oneco do Fei 6arna#al)
Jue le#a com ele o mal) o pecado e) tal#eC) o diao/
B riso da festa medie#al) at( o s(culo V5K) ( o riso de uma sociedade segura de seus
#alores/ O por isso Jue ele ( origat>rio e n"o tolera as Gfaces de YuaresmaL) semelIantes
$s dos refrat?rios) dos estrangeiros) dos ad#ers?rios/ N"o rir no meio da festa ( uma esp(cie
de Ieresia Jue epe os GcalourosL/ B riso da festa ( uma esp(cie de grito de Comaria da
trioA ( a marca da coes"o social/
O RISO D#S "ID#DES E O RISO DOS "#$OS

esmo fora das festas oficiais) o riso ( símolo de sociailidade e) nesse sentido)
encontra,se em toda parte/ De início) na peJuena #ila) onde se localiCa a imensa maioria da
popula!"o/  ecepcional documenta!"o Jue constitui o registro inJuisitorial de acJues
%ournier e cuMa eplora!"o feC a celeridade de "ontaillou$ vilare7o ocitano de @XYZ a @[XZ$
de Emmanuel 9e Fo 9adurie) fornece muitas pro#as/ B riso est? na ase das rela!es
sociais entre camponeses . e n"o somente o riso grosseiro do cmico osceno e
escatol>gico/ O um riso de rincadeiras mais ou menos finas: G;uillaume utIi() $ eira
do ri^ge) tinIa um pedregulIo nas m"osA ele aposta#a um patê de salm"o com um
companIeiro: bKocê n"o conseguir? Mogar o pedregulIo no rio_) diC ele/ posta feita)
;uillaume Moga em seguida a pedra na ?gua e impede) portanto) Jue seu companIeiro fa!a
a parte deleA de uma #eC s>) ele ganIa a aposta e o patê/ No final desse relato) os auditores
bdoram,se de rir_L/3 Fiso de amiCade ou de polideC) como para Pierre aur: GYuando
ele cumprimenta) mesmo tratando,se de gente Jue ele mal conIece e de Juem teria raCes
para desconfiar) ( com um om riso claro de pastor/ rnaud Sicre) o esirro mascarado)
eneficia,se disso como JualJuer um: bssim Jue entrei na casa de ;uillemette aur_)
diC ele) bPierre aur) Jue esta#a sentado num anco) le#antou,se mostrando um rosto
1
sorridente
re#eladoras:e G6on#ersaremos
nos saudamos da forma
todos Iaitual_L/
Muntos E diC Pierre
e nos alegraremos) aur
porJue) entreestas pala#ras
n>s) de#emos
nos alegrarL/ Ele testemunIa tam(m um #erdadeiro Iumor de Juem sae relati#iCar os
perigos/ E esses camponeses de ontaillou saem igualmente sorrir) com nuances: Gsorriso
finoL) Gsorriso condescendente e IumorísticoL diante das amea!as) sorriso Gde uma
serenidade crispadaL ou ainda Gsorriso ao mesmo tempo irnico e resignadoL do p?roco
Juando a camponesa laCaís n"o lIe concede permiss"o para des#irginar a sorinIa dela)
Faimonde/ B riso &ou o sorriso' ado!a os costumes///
Nesse #ilareMo de Ier(ticos) o riso engendrado pelas Gsupersti!esL cat>licas ( um
poderoso cimento social/ N"o tem fim o esc?rnio em rela!"o $ Eucaristia: G6omer um
peda!o de p"o n"o faC mal a ningu(mL) diC um camponês para eplicar seu conformismo
de facIadaA Mo#ens oper?rios agrícolas imitam a missa no campo com peda!os de raanete)
e uma camponesa conta: GUma mulIer assou uma olacIa Jue um cura consagrou no altar/
Kendo isso) a mulIer eplodiu de rir: bParece Jue a olacIa Jue assei #irou o corpo de
6risto/ 5sso me faC rir_L/<
Esse espírito de derris"o est? por toda parte e n"o somente com os Ier(ticos/ Um
teto de *300 . portanto contempor7neo das precedentes cenas camponesas .) a Farsa
do !erdoador$ eplora um tema cmico corrente na (poca: as falsas relíJuias/ Kê,se aí um
cIarlat"o apresentar ao po#o Gmetade de uma prancIa da rca de No( e uma pena de um
dos Serafins do SenIorL/ B crist"o medie#al n"o era t"o ingênuo Juanto se diC/ 6Iaucer e
8occaccio tam(m eplorar"o esse fil"o/ Em 3ecamer8o$ frei 6ipolla declara ter traCido da
Terra Santa
unIa de uma pena
Jueruim) do da
raios anMo ;ariel
estrela caída nados
milagrosa casaFeis
de aria
agosJuando
e) numdafole)nuncia!"o) uma
o som dos sinos

3 9E FB 9DUF5E) E/ "ontaillou$ village occitan de @XYZ , @[XZ& Paris: *-) p/ +/
1 5idem) p/ *++/
 5idem) p/ *+-/
< 5idem) p/ 1+3/
do templo de Salom"o/ Nada o desanima: se introduCem em seu tesouro um peda!o de
car#"o de madeira) ele faC disso um peda!o de carne grelIada do m?rtir s"o 9ouren!o/ Em
#anterbur% tales aparece um monge Jue possui uma #ela do arco de S"o Paulo/ Gas no
totalL) escre#e acJues =eers) Gessa crítica permanece #eral) de situa!"oA ela n"o adJuire
contornos de re#olta nem mesmo de JuestionamentoA conduC simplesmente $s fantasias do
6arna#alL/ 
Bs urgueses tam(m riem/ Na literatura) nas f?ulas e nas farsas) em entendido

. #oltaremos
Mogo a issoa.)
urguês imita mas tam(m
pr?tica nore doem Mogos/ Em
torneio/ E) como
9ille)sempre)
duranteooMogo ( parodístico/
festim de Domingo B
;ordo) elege,se o Grei da espinetaL) Jue designa Juatro campees para enfrentar os de outras
cidades e receer os representantes das alegres companIias/ Em Paris) em *330) os
urgueses con#idam os ad#ers?rios de uma deCena de cidades para um torneio no mês de
agosto) para imitar Ga festa redonda Jue rtur) o rei da 8retanIa) Jueria manterL/ No ano
seguinte) os urgueses de Tournai criam a confraria da T?#ola Fedonda/ Em 8ruges) desde
*220) os torneios de %orestier reQnem urgueses e nores/ E sempre festins) par>dias)
ufonarias) risos) disfarces cmicos/ Um teto mais tardio) de *13+) mostra os urgueses
de Kalenciennes cIegando a 9ille) Gata#iados de Iomens sel#agens) portando escudos e
grandes cla#as/// e seus caelos esta#am disfar!ados como os de estranIas estas) uns
re#estidos
oser#arA edeesses
pelesIomens
enegrecidas e outros
sel#agens foramcom penas decom
re#estidos p?ssaros)
flocos coisa muito
de canaL/ estranIa
+ =? de
tam(m
competi!es parodísticas menos importantes) em dorso de asno) a golpes de pau e pedra/
5mita,se) parodia,se . sempre por Mogo) por rincadeira/
 permanência do riso urano ( assegurada por grupos de farsistas) de início
informais) Jue progressi#amente se organiCam no interior de #erdadeiros grupos cmicos/
Nos s(culos V55 e V555) a anima!"o ( garantida por duas categorias turulentas: os goliardos
e os meirinIos) os monges das leis/ Bs primeiros pertencem ao mundo da cultura escolar e
uni#ersit?riaA utiliCando o latim) eles compem can!es) os carmina burana$ farsas) missas
parodísticas) sermes ?Juicos/ Yualificados) $s #eCes) de Mograis) ufes) rialdos ou
#agaundos) eles têm uma reputa!"o c?ustica) e os Iistoriadores sentem dificuldade para
situ?,los/ t( a srcem de seu nome permanece misteriosa/ Se a etimologia mais s(ria o faC
deri#ar de gula$ goela) significando com isso Jue eles s"o gritadores) eles tam(m
costumam ser #inculados a Colias$ o Ier>i negati#o) ad#ers?rio de Da#i/-
O Jue sua reputa!"o ( muito ruim/ S"o acusados) sem pro#a) de ter recolIido os
#estígios dos cultos pag"os) de ter feito uma par>dia do cristianismo) de ter formaliCado os
relatos de rituais sat7nicos/<0 Seus prop>sitos lasfemat>rios e oscenos contra as
cerimnias do culto)<* contra o clero e seus #ícios) contra as cren!as fundamentais deiam
pairar uma forte suspeita de ateísmo/<2 Eles riem de tudo) em particular do sagrado/ Suas
rincadeiras n"o podem) contudo) ter ido mais longe Jue as do 6arna#al) as da festa dos

 =EEFS) / op/ cit/) p/ *1/


+ 6itado por =EEFS) / op/ cit/) p/22*/
- %56=TNEF) E/ ;/ GTIe Etmolog of ;oliardL/ 5n: 9eo!hilologus$ *) *-</

<0 FBSE) E/ A razor for a goat& Toronto: *-<2/

<* 9E=N) P/ 3ie -arodie in "ittelalter& Stuttgart: *-22A NBKT5) E G9a parodia sacra nelle litt(rature moderneL/ 5n: Studi

critici e litterari& Turim: *++-) pp/*+,*+0/


<2 5NB5S) ;/ Histoire de l*athéisme& Paris: *--+) pp/-*,-2/
oos) das farsas e da literatura parodística) toleradas em larga escala/ Bra) eles foram
sistematicamente condenados e ecluídos: o 6oncílio de Tr^#es) em *22) proiiu,os de
cantar na missaA o de 6I7teau,;ontier) em *23*) ordena Jue eles tenIam a cae!a raspadaA
o de SalCurgo) em *2-*) acusa,os de perturar a ordem pQlicaA os estatutos sinodais de
FodeC condenam os padres Jue caem na de#assid"o ou na Iistrionice/ No fim do s(culo
V555) eles acaam desaparecendo/
Na realidade) o Jue se condena neles n"o ( o riso nem o conteQdo audacioso de seus

prop>sitos)
festas masaseu
oficiais) gênero mesmo
derris"o) de #ida/muito
O a #agaundagem
impertinente) (Jue torna seu circunscritaA
controlada) riso perigoso/ela
Nas(
epressa pelas pessoas do lugar) conIecidas) integradas $ sociedade local e Jue apro#am os
#alores coleti#os/ B goliardo diC a mesma coisa Jue os alegres folies do 6arna#alA se seu
riso se re#ela su#ersi#o) ( porJue ele se encarna num gênero de #ida Jue prope uma
#erdadeira alternati#a/ B goliardo) #agaundo semidelinJuente) pretende reati#ar e
personificar a ideia do 6risto,palIa!o) do saltimanco de Deus) Jue ri de tudo porJue o
#erdadeiro sagrado est? al(m do sensí#el) fora do alcance dos graceMos Iumanos/ aurice
9e#er escre#e a prop>sito do goliardo: GB palIa!o recusa,se a #i#er na realidade presente/
Ele pressente aí uma outra/ Desafia a lei da seriedade) encIe o policial de sarcasmo)
ridiculariCa os outros atores/ Por seu interm(dio) n>s entre#emos outro mundo Jue in#ade
<3
este e in#erte
goliardo as regras
( o Qnico risoe su#ersi#o
os usosL/ da
O eatamente
5dade (diaissocl?ssica)
Jue o torna insuport?#el/
porJue B riso em
n"o se contenta do
Comar: ele #i#e de maneira diferente e sugere) com isso) Jue ( possí#el eistir outro
sistema de #alores/ B riso da festa dos oos ou do 6arna#al mostra a loucura de um mundo
$s a#essasA o riso do goliardo mostra a loucura do mundo do lado direito/ E isso n"o ( mais
Mogo/
B contraste ( flagrante com os Gcl(rigos da basocheL& Eles tam(m pertencem ao
mundo da Mu#entude estudantil ou intelectual) e s"o especialistas em derris"oA mas a grande
diferen!a em rela!"o aos goliardos ( Jue s"o sedent?rios) pessoas estaelecidas) integradas
no sistema do Jual conIecem em os meandros) pois s"o pessoas da lei) cl(rigos de not?rio)
secret?rios/ Seu nome &basoche' poderia ad#ir de G bas(licaL$ isto () GtriunalL) e em Paris
eles formam três corpos em estruturados: os do parlamento) os do castelo e os do triunal
de contas/ BrganiCados em um GreinoL parodístico) com um Grei da basocheL$ eles montam
peJuenas pe!as satíricas urlescas) Jue Comam das institui!es e das personagens
importantes/ 8ons conIecedores da lei e) por meio dos processos) de toda a peJueneC da
com(dia Iumana) dos dramas escondidos atr?s da facIada respeit?#el das famílias) eles
carregam nos tra!os Jue acertam no al#o: a Farsa do mestre -athelin e tam(m Quinze
alegrias do casamento saem de suas penas/ 9egistas) est"o ao mesmo tempo na sociedade
e fora dela/ elIor Jue outros) eles saem Jue cada um desempenIa seu papel) Jue a #ida
( um Mogo de enganos em Jue tentamos oferecer certa imagem de n>s mesmos/ as o
cl(rigo da basoche est? no sistema e n"o tem nenIuma inten!"o de derru?,lo: GEle sae
<1
Jue a derris"o ( um Mogo e Jue a sociedade tem como Qnica legitimidade a for!aL/
Pouco a pouco) o desen#ol#imento da sociedade urana e sua compleidade cada
#eC maior determinam o aparecimento das Galegres companIiasL Jue sistematiCam a
par>dia) a ponto de faCer dela um #erdadeiro contrapoder/ G6ompanIia da m"e loucaL) em
<3 9EKEF) / Le sce!tre et la marotte& Histoire des fous de cour& Paris: *-+3) p/*+/
<1 DUK5;NUD) / Rire et a!r+s& 1ssai sur le comique& Paris: *---) p/-/
DiMon) G6rian!as descuidadasL) em Paris) G6ornudos da NormandiaL) G6ompanIias
loucasL) GSociedades do loucoL etc/ Essa institucionaliCa!"o da Comaria modifica sua
natureCa: ela adJuire um tom mais contundente de crítica social e caracteriCa os
enfrentamentos do fim da 5dade (dia) Juando a retomaremos/
t( o s(culo V5K) a diferen!a entre o riso das cidades e o riso dos campos reside)
antes) em sua epress"o: o primeiro ( mais pontual) organiCado) mais localiCado no tempoA
o segundo ( mais difuso) mais permanente) mais GessencialL/ Na cidade) I? um tempo para

rir e rel>gio
pelo um tempo para cIorarA
$ espreita) como ao #ida ( mais compartimentadaA
demonstrou) o tempo9e
admira#elmente) acJues ( contado)
;off/ No ritmado
campo)
o riso est? integrado $ #ida como o sagrado ao profano/ B mundo grotesco do naturalismo
camponês) esse mundo em Jue todas as formas e todos os seres se faCem e desfaCem numa
esp(cie de fundi!"o permanente) esse mal misterioso) Iaitado por um espírito #ital) (
engra!ado/ N"o necessariamente alegre) ali?s/ Por(m) ele oferece mil ocasies de rir) porJue
( sempre o mesmo e sempre no#o/ B mundo do camponês medie#al ( m?gico) familiar e)
contudo) surpreendente/ Sore a trama de fundo mon>tono do ritmo dos dias e das esta!es)
surge sempre o inesperado diante do Jual se ( totalmente impotente) com ece!"o) tal#eC)
do ruo e do padre/ Essa surpresa de todos os instantes diante de um mundo proteiforme
sore o Jual n"o se tem controle ( a fonte do riso) no campo/ Findo) o camponês eprime
sua surpresa e desarma seu medo/

O RISO NO "#STELO

Nos castelos tam(m se ri muito/ =? as lagues dos guerreiros) Jue contam poucas
e oas dos aCares do comate/ 8ra!os e cae!as cortados) corpos partidos em dois)
ca#aleiros de pernas para o ar) eageros gaolas: s"o as GgasL) Iist>rias para rir)
etra#agantes/  pala#ra) Jue ressoa como um golpe de ma!a e ( pr>ima de GgagL)
deri#aria do latim medie#al gabae$ ela pr>pria oriunda do latim cl?ssico cavilla$ isto ()
ca#ila!"o) ironia maliciosa/ Pro#oca!es) fanfarronices) Comarias grosseiras: perpetua,se)
nesse meio) o riso Iom(rico de desafio ao mundo e aos outros/ O o riso de superioridade
agressi#a de Iomens cuMa fun!"o ( dominar e n"o ter medo de nada/ Fir do ad#ers?rio e dos
perigos) aumentar comicamente suas fa!anIas ao cont?,las) faCer da guerra um teatro
urlesco: eis a melIor maneira de dominar o medo/ s can!es de gesta est"o repletas
desses eageros) desses fant?sticos golpes de espada Jue cortam ao meio ca#aleiros e
ca#alos e Jue s"o piscadelas para o leitor/ 5nterpretando isso superficialmente) seria
semelIante ao espi"o grego Jue) em -eregrina8o de #arlos "agno$ toma ao p( da letra as
Iist>rias contadas pelo imperador e seus pares/ B riso amplo do ca#aleiro ( tam(m o grito
de #it>ria sore o inimigo #encido) de Juem ele goCa a derrota/ <
Se passarmos do castelo senIorial para o pal?cio real) ainda ou#iremos risos/ as)
desta #eC) s"o risos
conseJuência/ TudoorJuestrados peloadJuire
o Jue o rei faC mestre)sentido
menospolítico)
espont7neos)
e seumais
riso calculados)
n"o escapa risos de
$ regra/
6om certeCa) I? temperamentos reais naturalmente ridentes) cuMa Iilaridade n"o tem sentido
particular/ O o caso de ;uilIerme 55) o Fui#o) da 5nglaterra) no fim do s(culo V5) de Juem

< E95BT)
;/ G9augIterL/ 5n: 1dinburgh Revie$ *-*2) p/2*A ONFD) P/ Le rire et le sourire dans le roman courtois en France
au "o%en Age E@@\]@X\]U& ;enera: *-<-) p/ 122/
os cronistas diCiam Jue n"o tinIa necessidade de uf"o porJue ele pr>prio faCia as
rincadeiras e ria mais Jue todo mundo/ =?) nesse coment?rio) uma nuance de repro#a!"o:
desde essa (poca) os letrados considera#am Jue a dignidade real n"o de#e entregar,se a um
tipo de riso degradante/ B riso real de#e ser nore) moderado e ocupar uma fun!"o precisa/
Nesse aspecto) %ilipe ugusto deiou a reputa!"o de um Iumorista c?ustico cuMas
rincadeiras têm sempre por #ítimas os eclesi?sticos/ s anedotas espalIadas pelos
cronistas ilustram) portanto) sua política anticlerical/ 6es?rio de =eisteracI conta Jue um

aade ricamente
dificuldades #estido de
financeiras e usando sapatose receeu
seu mosteiro estreitos)esta
da resposta
Qltima moda) #ieraGKê,se
cortante: Jueiar,se
em) das
por
<<
#osso cal!ado) Jue #ossa casa ( pore) porJue l? o couro de#e ser muito raroL/ Butra #eC)
a um uf"o Jue lIe pedia para di#idir com ele sua fortuna) M? Jue Gsomos todos irm"os por
parte de d"oL) o rei responde Jue) uma #eC feita a partilIa entre todos os Iomens) n"o
restaria um >olo para cada um/ <
S"o 9uís) de temperamento feliC) ri facilmente/ Ele tem dificuldade de se conter
durante a Yuaresma) e seus confessores cIegam a impedi,lo de rir na seta,feira/ Sempre
pronto a #er o lado cmico das coisas) Gele ri muito claramenteL) escre#e oin#ille Juando
faC uma rincadeira a prop>sito dos armênios Jue teriam pedido para G#er o rei santoL) o
Jue teria feito o senescal responder: GEu n"o deseMo ainda eiMar #ossos ossosL) significando
com isso Jue ele n"o tinIa pressa de #ê,los transformados em relíJuias/ Um dia) o rei
pergunta a oin#ille o Jue de#eria conceder,lIe para Jue ficasse com ele na Terra SantaA o
senescal responde Jue deseMaria simplesmente Jue) Juando lIe pedisse JualJuer coisa) ele
n"o se Cangasse/ Go ou#ir isso) ele come!ou a rir $s gargalIadasL) depois contou a Iist>ria
ao legado) sempre rindo/ 9ogo oin#ille lIe apresenta um reJuerimento e o rei Canga,seA
mas essa c>lera se transforma em riso Juando ( lemrado de sua promessa/ S"o 9uís () de
om grado) Cometeiro: ele relata a entre#ista Jue acaa de ter com os ispos)
Gcontrariando,os e Comando delesL/<+
S"o 9uís tam(m utiliCa o riso para fins políticosA assim) diante da Iostilidade de
seus ares em rela!"o a uma no#a cruCada) ele manda costurar) sem Jue eles saiam) uma
cruC ranca
escuro) n"o sore
se d"oo conta
traMe Jue
de de#eriam
Jue Gle#am#estir para a6ruCados
a cruCL/ noite de Natal/ 6omo
$ re#elia) s"oeles se trocam
origados no
a rir:
GYuando o dia nasceu) cada senIor #iu) para sua grande surpresa) o sinal Jue o #iCinIo
carrega#a) sem du#idar de Jue tam(m porta#a um/ Eles se espanta#am e Coma#am) at(
perceer Jue o senIor rei piedosamente os enganara/ /// 6omo seria indecente) #ergonIoso
e at( indigno retirar suas cruCes) eles misturaram as risadas a efuses de l?grimas) diCendo
Jue o senIor rei dos franceses) tendo saído $ ca!a de peregrinos) encontrara uma no#a
maneira de armar arapucas aos IomensL/<-
B riso for!ado dos ares demonstra Jue o re= facetus$ o rei rincalI"o) $s #eCes (
mais eficiente Jue o rei s(rio/ Yuando argumentos fracassam) o cmico consegue/ B riso a
ser#i!o do poder pode ter uma efic?cia du#idosa) Jue o maior soerano do s(culo V55)
=enriJue 55 Plantageneta) M? saia eplorar/ GDestilando pilI(rias) no círculo da curia real)

<< 6OS5FE DE =E5STEF86=/ 3ialogus miraculorum$ 5K) *2/


< Anecdotes historiques$ legendes et a!ologues d*1tienne de .ourbon& Paris: ed/ 9eco de 9a arcIe) Soci(t( d_=istoire de
%rance) *+) n/2-0/
<+ 9E ;B%%) / Saint Louis& Paris: *--<) par?grafo G9e roi ritL) pp/1+,1+-/
<- TT=5EU PF5S/ #hronica ma7ora& 9ondres: ed/ =/ 9uard) *+2,*++3) p/1-0/
=enriJue 55 agregou $ coroa esse grupo de rises e feC de nores indisciplinados cortes"os
aprisionados pelo riso em comum/ as essa corte risonIa utiliCa tam(m o riso como arma
para arruinar a carreira deste ou daJuele poderoso ou candidato $ esfera superior/ Fir de um
memro da corte pode ser mortal/ B escarnecido de#e) muitas #eCes) parar de freJuentar a
corte e retirar,se para suas terras a fim de ser esJuecidoL)0 escre#e acJues 9e ;off/
=enriJue 55) como %ilipe ugusto) dirige seus coment?rios c?usticos contra o clero)
especialmente contra o papa e seus representantes) tal como o ressaltam) de forma
constrangida) ;erald) o ;aulês) e Xilliam de NeurgI/ *
Na 5dade (dia) o riso () portanto) largamente usado a ser#i!o dos #alores e dos
poderes/ esmo Juando estes Qltimos s"o parodiados nas festas) retiram enefícios dele/ B
riso medie#al ( mais conser#ador Jue destruti#o) em seu aspecto coleti#o organiCado/ 
utiliCa!"o consciente do riso pela literatura) seu eame pelos fil>sofos e te>logos) sua
manipula!"o pelo oo do rei e pelos pregadores confirmam essa impress"o) tanto no Iumor
profano como no Iumor sagrado/

0 9E ;B%%) / G9e rire au oen geL/ 5n: Science et avenir$ hors s(rie sur Le Rire$ MulIo *--+) p/+/
* XFFEN) X/ 9/ Henr% II& 9ondres: *-3) pp/2**) 110,11*) <0/
= - RIR E (#&ER RIR N# ID#DE %4DI#
$umor sagra!o e >umor 8ro?a*o

Um Iumor medie#alZ Eis aí uma coisa Jue ainda faC os puristas pularem[ Entretanto)
I? alguns anos) os Iistoriadores Jue dissecam o riso na 5dade (dia est"o cada #eC mais
tentados
consagrar)a utiliCar esse termo
colocando,o Jue eannine
no título de sua =oroitC
ora: ) ehumor
SopIiano
enacIe
!2l!ito&finalmente
) riso naousaram
Igre7a
medieval/ Em sua introdu!"o) as autoras lemram) Mudiciosamente) Jue I? mais de #inte e
*

Juatro teorias sore a natureCa do riso e do Iumor) Jue ningu(m conseguiu ainda definir o
Iumor e Jue ele () antes de tudo) segundo a epress"o de Foert Escarpit) Guma maneira de
#i#er) de #er e de mostrar o mundo Jue n"o () necessariamente) cmicaL/ 2
Ent"o) por Jue Iomens e mulIeres da 5dade (dia n"o teriam seu IumorZ  natureCa
do riso e do Iumor mudou ao longo dos s(culos: eis por Jue podemos escre#er uma Iist>ria
do riso/ B Jue ( imut?#el n"o tem Iist>ria/ B riso enraíCa,se num conteto cultural do Jual
() ao mesmo tempo) um componente e um elemento re#elador/ GB riso) o Iumor) o cmico
medie#al) emora fenmenos uni#ersais) elaoram,se com ase em um Juadro de
acontecimentos) em um conMunto de cren!as e de con#ic!es ditadas por coordenadas
espa!otemporais específicasL/3 Saer de Jue e por Jue riam nossos ancestrais aMuda,nos a
compreendê,los/

O RISO #OR#L D#S )?;UL#S

O f?cil admitir Jue) mesmo na 5dade (dia) os pregadores . teoricamente letrados


e cultos . pudessem faCer Iumor/ Em compensa!"o) a Juest"o ( mais deatida a prop>sito
das f?ulas) esses peJuenos contos em #erso) rutais) cínicos) grosseiros) oscenos mesmo)
em Jue serei#indica
francesa) fala sem ferrenIamente)
cessar de cu) deemcona) de6Iarles
*-2) foder e de
de ;uerlin
cornear/deO ;uer:
a gra!aGEsse
pesada)
riso em
est?
no gênio de nossa ra!a) traCido pela Comaria $ flor da pele) pela malícia) mas sem maldadeA
ele encarna o espírito fundador Jue reaparece em todas as grandes (pocas de nossa Iist>ria/
O a alegria gaulesaL/1 De forma alguma) diCem os anglo,sanicos: em *-1) uma ora
coleti#a) ) humor das f4bulas) denomina isso Iumor) o Jue ( contestado) em *-+3) por
PIilippe (nard em As f4bulas$ contos da Idade "édia !ara rir/<
Este Qltimo estudo) aseado num cor!us de *30 f?ulas) permite faCer um
le#antamento da Juest"o/ s f?ulas s"o típicas do período central da 5dade (dia) aJuele

* Paris: 9aor et %ides) *--1/ B estudo do riso na 5dade (dia de#e muito aos traalIos e $s incita!es de acJues 9e ;off)
especialmente a seu artigo GFir na 5dade (diaL/ 5n: #ahiers du #entre de Recherches Historiques$ 3) *-+-/ Depois) os
estudos multiplicaram,se) assim como os col>Juios sore o assunto) como em Le rire au "o%en Age dans la littérature et les
arts& 8ordeau: ed/ T/ 8oucI( e =/ 6Iarpentier) *--0/
2 ES6FP5T) F/ LBhumour& Paris: *-<0) p/ */

3 =BFBX5T]) EN6=E) S/ op/ cit/) p/ */

1 Revue des #ours et #onférences$ t/ 2+) *-2<,*-2) p/ 30/

 Ed/ D/ 6ooe e 8/ 9/ =onecutt) Uni#ersit of issouri Press: *-1/


< Paris: PU%) *-+3/
Jue nos interessa aJui: os etremos das datas s"o **+0 e *330/ o contr?rio do Jue os temas
podem faCer crer) essa literatura n"o ( destinada ao populacIo: lida nas cortes senIoriais e
nas pra!as pQlicas) ela dirige,se aos senIores) aos nores) aos urgueses/ Bs autores) Juase
sempre annimos) s"o goliardos) cl(rigos errantes) Mograis) Gdesclassificados) #elIos
estudantes) monges fracassados) ap>statasL/ s #eCes) eles se apresentam:
Bu#i) senIores) esta oa f?ula/
Um cl(rigo a feC por um anel
Yue três damas engenIosamente encontraram/
E5r6s damas que encontraram o anel '
Um alegre cl(rigo) Jue se esfor!a
em faCer coisas para rir)
Juer diCer,#os uma coisa no#a/
&B !obre retroseiro'
6omo nos anuncia esta Qltima estrofe) essas peJuenas narrati#as têm por oMeti#o
faCer rir/ S"o) antes de tudo) Iist>rias engra!adas/ Bra) mais da metade &setenta em *30' s"o
Iist>rias Jue arangem Gda cintura para aioL/ B seo) sempre o seo: desde Sara e ra"o
at( as gra!olas do musichall$ ele continua sendo um #alor seguro do cmico e conIece)
com as f?ulas) um de seus grandes momentos/ Bs outros tetos relatam des#enturas
#ariadas) em Jue a astQcia desempenIa um papel essencial e o Ier>i () Juase sempre) ladr"o/
Tudo isso forma um conMunto desconcertante) Jue merece Jue nos detenIamos um pouco
nele/
Tomemos o tema da mulIer) Jue () freJuentemente) o personagem principal/ 8em
Jue I? mo!as simpl>rias e algumas esposas raugentas) mas) Juase sempre) ( a mulIer
Juem desempenIa o melIor papel diante de um macIo fanfarr"o e ingênuo Jue ela #ence
por sua astQcia e por seu poder de sedu!"o: Gs mulIeres apresentadas s"o en(rgicas) ati#as)
astuciosas/ ///  maioria das mulIeres Jue enganam os maridos ( simp?tica/ Ningu(m
pensaria em identificar,se com o marido cr(dulo ou ciumento) ingênuo ou rutal e ainda
constantemente ausenteL) escre#e PIilippe (nard/  mulIer fascina) e n"o I? nisso
nenIum antifeminismo/ Seualidade e deseMo femininos s"o considerados elementos
naturais
o maridoJuefor)têmrealmente)
direito $ saciedade) otidaEcom
muito ronco/ um amante)
nenIuma em moral
arreira geral odet(m
p?rocoodoautor)
lugar)Jue
se
mistura) de forma delierada) seo e sagrado) com uma e#idente inten!"o pro#ocadora) indo
at( a lasfêmia) como em ) bis!o que benzeu a cona$ ou em ) !adre crucificado$ em Jue
um padre) completamente nu) surpreendido pelo retorno do marido) parece uma imagem de
6risto na cruC/ Em casos etremos) o autor sente necessidade de dar seguran!a) declarando
ao pQlico Jue G( para rirL:
Ela n"o tinIa maldade a diCer
as gra!a para faCer a gente rir/
& donCela Jue domou o potro'
as sem #ilania
Kos Juer recordar
para Jue riam/
&B !adre que foi lanado ao esc4rnio'

 ONFD) F Les fabliau=$ contes , rire du "o%en Age& Paris: *-+3) p/*3+/
B mundo assim apresentado ( uma esp(cie de terra de aund7ncia) totalmente
lierada de interditos tradicionais) um mundo epicurista em Jue s> conta a usca do praCer:
N"o I? paraíso melIor Jue
comer e eer om #inIo
e #estir roupas delicadas/
E"artin Ha!artU
Para PIilippe (nard) Ga ideia de Jue a natureCa Iumana ( corrompida e de Jue as
pulses seuais s"o tendências m?s Jue de#em ser reprimidas ( sustituída por outro
sistema de #alores: a procura do praCer e a frui!"o imediataL/ +
as esse mundo seualmente lierado esconde outro aspecto mais profundo: a
interroga!"o) a inJuieta!"o ou a angQstia suscitada pela mulIer Jue permanece um mist(rio/
Bs personagens s"o) $s #eCes) sonIos freudianos) como em A moa que n8o !odia ouvir
falar em foder . ( a Iist>ria de uma Mo#em Jue desmaia cada #eC Jue ou#e a pala#ra
GfoderL) conseJuência de antigos traumas . ou em .erangier de bunda grande& Ent"o o
riso rinca com o medo: Gtr?s do riso) so o riso) eiste um imenso territ>rio de
sofrimentos) oscuramente dissimulados) pro#isoriamente aolidosL/-  #ontade de
eorciCar esses medos ( manifestaA a f?ula ( Ga angQstia eorciCada pelo risoL) escre#e
PIilippe (nard) Jue acrescenta: GB riso mais profundo () tal#eC) aJuele Jue des#ela e
detalIa as inJuietudes)
perturadores as angQstias)
escondidos no cora!"oosdos
deseMos)
seresL/os
*0 sonIos) em uma pala#ra) os sentimentos

Diante das eigências de uma moral crist" muito repressi#a em rela!"o $


seualidade) o GIumor er>ticoL) retomando o título de um li#ro de 6/ 9egman) ** ( um meio
de apaCiguar as tenses: #er e imaginar faCer aJuilo Jue n"o se pode faCer ( uma maneira
de se desdorar para realiCar seu deseMoA e o desdoramento) Jue eige dist7ncia crítica em
rela!"o $ realidade #í#ida) ( uma fonte de comicidade/ ssim) Ga #iola!"o dos taus ( uma
das características do conto para faCer rirL/ *2
Butro tema Jue ilustra os medos e o deseMo de lierdade: o clero e a religi"o/ B
cl(rigo ( sempre mal retratado: a#arento) concuin?rio) cQpido) apro#eitador de situa!es/
6ontudo)
paroJuianasa f?ula ast(m,seisso
e Jue consegue de gra!as
JualJuer Mulgamento)
a sua e o um
astQcia ( antes padre Jue copula
personagem com suas
positi#o/ Da
mesma forma) o conteQdo da religi"o n"o ( contestado de frente) mas a indiferen!a
pro#ocadora em rela!"o a ela) a lasfêmia ousada) o Muramento ecessi#o &GPelo cu de
Deus[L) GPelo cu da Kirgem aria[L' s"o tam(m clamores rai#osos contra a domina!"o
de um sagrado inMusto) opressi#o e angustiante/  f?ula rinca com o fogo &do inferno':
em S8o -edro e o 7ogral$ por eemplo) o Mogral ( encarregado de entreter as cIamas da
caldeira infernal enJuanto os diaos d"o uma saída/ Ele se sai t"o em Jue Sat" lIe promete
uma oa refei!"o: um monge em gordo ao molIo apimentado/ No fim) S"o Pedro lierta
todas as almas do inferno/ O o riso contra o medo do inferno/// Sem dQ#ida) o riso foi o Jue
mais contriuiu para tornar mais suport?#el o grande terror da 5dade (dia/ *3

+ 5idem) p/*10/
- 5idem) p/220/
*0 5idem) p/2*+/

** 9E;N) 6/ -s%chanal%se de l*humour érotique& Paris: *-<+/

*2 ONFD) P op/ cit/) p/22*/


*3 5NB5S) ;/ Histoire des enfers& Paris: *--*) pp/2*,22*/
 f?ula tam(m se coloca diante de outro grande medo uni#ersal: o medo da morte/
lgumas Iist>rias testemunIam um #erdadeiro Iumor negro/ Em Kestormi$ um co#eiro
deate,se com um cad?#er Jue n"o consegue faCer entrar na co#aA desen#olto) ele inga os
defuntos e d? um forte golpe de p? na cae!a do morto) Gcomo se fosse uma ma!" podreL/
Em ) !adre com!ortado$ um cad?#er circula de m"o em m"o) ( escondido nas latrinas)
num saco de presunto) depois colocado sore a sela de um potro Jue foge/
Nesse mundo impiedoso) s> I? escapat>ria sendo mais esperto Jue os outros/ 

eastQcia ( o #alor
da caridade/ supremo)
=omens o Jue permite
e mulIeres tro!amsore#i#er) a despeito
uns dos outros) da moral
e o riso surgecrist")
desse da piedade
espet?culo
constrangedor: G=? nissoL) escre#e PIilippe (nard) Gum fenmeno de transferência
interessante Jue mostra claramente Jue o riso tem #ínculo estreito com os deseMos) os medos
e os sonIos dos Iomens/ Nas f?ulas) como em Roman de Renart$ os leitores têm
consciência) identificando,se com 5ric'ster$ Jue s> pensa em Comar dos outrosL/ *1
Escarnece,se de tudo: dos enfermos) dos mortos) dos traídos) dos ispos/
E o pQlico ri a andeiras despregadasA esse pQlico de nores) de cl(rigos) de
urgueses ate nas coas escutando relatos Jue ridiculariCam os nores) os cl(rigos) os
urgueses e todos os seus #alores) seu sistema cultural) arrasado a mais n"o poder/ Pensa,
se na corte de 9uís VK5 aplaudindo %ígaro) Jue a insulta) e nos urgueses parisienses
aclamando acJues 8rel) Jue lIes diC Jue Gos urgueses s"o uns porcosL/ 6omo se nada
fosse mais engra!ado Jue rir de si mesmo/ Eis uma das características do Iumor/ Kinde e
ride) diCem os autores:
K>s Jue Juereis ou#ir f?ulas)
esfor!ai,#os para retê,las[
De om grado de#eis aprender)
K?rias como eemplo tomar
e #?rias para as risadas
Jue tanta gente ama/
&A dama que se vingou do cavaleiro'
B riso ( o oMeti#o perseguido: GEu conto as Iist>rias para faCer as pessoas rirL &B
rei da Inglaterra
pessimista . istoe ()o 7ogral
realistad*1l%
. do '/ as esseessa
mundo) risocom(dia
#ai mais urlesca)
longe/ Eleesse
traCmercado
consigo uma #is"o
de iluses
em Jue s> se sal#am os espertos/ 6lari#idência desenganada a nos lemrar de Jue o mundo
est? po#oado por três categorias: os #elIacos) os tolos e as #ítimas/ Se n"o se ( tolo) (
preciso ser #elIaco ou) ao menos) desconfiado: ( a Qnica maneira de atra#essar a #ida sem
muitos ost?culos/

O RISO INDIVIDU#LIST# D# )#RS#

 imoralidade da f?ula tem muitos pontos comuns com a da farsa) Jue) contudo)
difere daJuela no Jue diC respeito ao gênero liter?rio e ao pQlico respecti#o/ Trata,se) desta
#eC) de teatro) logo) um gênero mais espetacularA teatro ao ar li#re) freJuentemente ligado
ao 6arna#al) Jue) por isso) atrai um pQlico mais popular) urano: ons companIeiros)
artes"os aos Juais se unem) de om grado) peJuenos e m(dios urgueses/  farsa e o Mogo

*1 %&NARD, P. op. cit., p.195.


do 6arna#al n"o reJuerem grandes esfor!os intelectuais) porJue consistem em pe!as curtas)
de duCentos a Juatrocentos #ersos) com poucos personagens sem nome pr>prio: o marido)
a mulIer e o p?roco formam o trio central em torno do Jual gra#itam alguns trapaceiros e
ingênuos/ Esses tetos) de realismo cru) s"o ora de Mograis e Mocosos profissionais/
Para alguns) a farsa deri#a das com(dias latinas) como aJuelas de =rots#it de
;andersIeim) no s(culo V/ Para outros) ela encontra sua srcem nas tradi!es antigas) n"o
liter?rias) $s #eCes pr(,crist"s/* Segundo o estudo mais recente) o de onrad ScIoell)*< ela

pro#(m
de do Juando
P?scoa) teatro religioso) em Jue
os discípulos cenas realistas
se pem podem
a correr para tornar,seou
o sepulcro) cmicas) como os Mogos
certas representa!es
milagrosas/  farsa aparece #erdadeiramente na segunda metade do s(culo V555) com as
oras de dam de la =alle) A hist<ria da folhagem$ A hist<ria de Robin e de "arion& Depois
de uma interrup!"o de um s(culo) coincidindo praticamente com a ;uerra dos 6em nos)
ela ressurge ao redor de *10) intercalada em meio a representa!es religiosas) como uma
esp(cie de pausa) de curta,metragem) para o entreato/ 6on#(m lemrar essa mistura de
gêneros Jue pode parecer,nos incongruente mas Jue ( muito importante para Jue
compreendamos a integra!"o do riso na #is"o de mundo medie#al e relati#iCemos o Jue
pode parecer lasfemat>rio e imoral a nosso espírito encerrado pela l>gica cartesiana/
ssim) um espet?culo completo era muitas #eCes precedido por uma soltura de
diaos na cidade: indi#íduos #estidos como demnios) gritando) espalIam,se pelas ruas)
perseguem os Iaitantes e podem mesmo seJuestr?,los) como em 6Iaumont) onde essa
infernal ca#algada dura desde Famos at( S"o o"o) Juando se representa o mist(rio de s"o
o"o 8atista/* Esses diaos) Jue representar"o pap(is na pe!a) s"o os pores . daí a
epress"o Gpore,diaoL . Jue apro#eitam a ocasi"o para inMuriar o urguês) cometer
rouos) faCer um arulIo infernal acompanIado de risos retumantes . daí o Griso
dia>licoL/ Esses pores) Jue Gpuam o diao pelo raoL) s"o insolentes Gcomo o diaoL e
faCem Gum arulIo dos diaosL) em seguida far"o Go diao a JuatroL no palco) numa pe!a
religiosa) um mist(rio/ Emile 7le M? demonstrou muito em Juanto o teatro medie#al
influenciou representa!es artísticas) com suas personagens e seus cen?rios/ Ele tam(m
mudou) nitidamente) a forma popular de #er o mundo aJui e al(m/
s diaruras carna#alescas contriuíram muito para diluir o medo do inferno:
G9entamente) o ridículo #ai sustituir o inferno /// n"o ser? mais o medo do inferno) mas o
ridículo Jue de#er? ser purgadoL)*+ escre#e argarete Neels) Jue demonstrou como) nas
pe!as denominadas GmoralidadesL) a associa!"o do louco e do diao pde concorrer para
sua recíproca des#aloriCa!"o cmica/ B louco torna,se cada #eC mais popular/ Nas pe!as)
acontece de ele come!ar a a!"o para o pQlico) e ( ele Jue se torna o #erdadeiro s?io/ Em
3i4logo do louco e do s4bio$ o Qltimo faC o elogio dos ens terrestres) ao passo Jue o
primeiro mostra sua efemeridade e #aidade/ Bcorre o mesmo em "oralité faicte em foulo%s

*
O recentemente)
a tese de STUP%9)
XFN5N;) F/ Wults!iele der Cermanen
F/ aproima,a als Krs!rung
de certos ritos des& Fun'tion
demoníacos mittelalterlichen 3ramas&3ie8erlim:
und Stru'tur& *-3</ ais
Ambivalenzen des
geistlichen S!iels& uniJue: *-'/
*< S6=BE99) / La Farce du V0e si+cle& Tingen: *--2/ Especialista no teatro popular francês) no fim da 5dade (dia) o mesmo

autor pulicou 3as 'omische 5heater des franz^sischen "ittelalters& uniJue: *-A 3ie franz^sische Wom^die& Xiesaden:
*-+3/
* 59NEF) V/ GB diao como uf"oL/ 5n: Romantisme$ n/*-) *-+/

*+ NEXE9S) / G f( nas moralidades da 5dade (diaL/ 5n: #ahiers de l*Association Internationale des >tudes Franaises$ n/3)

maio *-+) p/33/


!our le chastiment du monde$ representado no col(gio de Na#arra) no dia de Santo ntnio)
em *12/ B louco e o diao têm em comum o fato de Ia#erem transgredido uma regra) uma
norma: a norma da raC"o) a norma da moral/ Eles s"o associados um ao outro) como odes
epiat>rios carregados com o mal) a loucura) a feiura) com tudo o Jue I? de pior no mundo)
e al(m disso eles riem e faCem rir: G9ouco e diao têm tra!os cmicos comunsL) no grande
Mogo de enganos com os Iomens) em Jue todo mundo engana todo mundo/
iIaWl 8aItine tam(m constatou esse parentesco na ami#alência: GB diao do

mist(rio n"o (nesse


assemelIa,se) apenas uma figura
sentido) ao loucoetraoficial)
e ao uf"o/(Ele
tam(m um personagem
representa ami#alente
a for!a do baio_ materiale
e corporal Jue d? a morte e regenera/ Nas diaruras) os personagens de diaos tinIam ares
carna#alescosL/ *- as) para ele) trata#a,se de um aspecto de contesta!"o da cultura popular
cmica diante do Gs(rio unilateral aseado no medo e no de#erL da cultura dominante/ Ele
#ê uma ilustra!"o disso no epis>dio raelaisiano de Killon e Tappecoue) situado em )
quarto livro& Fecordemos os fatos: %ran!ois Killon) isolado em Saint,aient) organiCa
uma representa!"o do mist(rio da Pai"o/ Para #estir os comediantes) ele pede Jue lIe
emprestem as roupas/ Bra) o cordoeiro Otienne Tappecoue recusa,se a emprestar sua capa
e sua estola/ Killon decide #ingar,se durante as diaruras Jue precedem a representa!"o/
Seus diaos) disfar!ados de animais) com grandes sinos de #aca e adalos de mula com um
arulIo Iorrí#el)
criancinIasL/ KillonfaCem seu nocirco)
posta,se paradoGgrande
caminIo alegria
cordoeiro do po#o
Tappecoue) Jueeest?
grande medosore
montado das
uma Mumenta Jue nunca cruCara/ Deiemos %ran!ois Faelais narrar a seJuência:
Gssim Jue Tappecoue cIegou ao lugar) todos os diaos saíram para o caminIo
diante dele) soltando fogo de todos os lados) sore ele e sua Mumenta) soando os sinos e
urrando como diaos: b=Io) IIo) IIo) rrrurrrurrs) rrurrs) rrrurrs[ Iou) Iou) Iou[ IIo) IIo)
IIo) rrrurrrurrs) IIo) IIo) IIo[ 5rm"o Otienne) representamos em os diaosZ_  Mumenta)
aterroriCada) ps,se a trotar) a torto e a direito e depois a galope) $s arrecuas) escoiceando e
pateando/ Tanto Jue Tappecoue caiu por terra) derreado/ /// pa#orada) multiplicando
pinotes) coices e mordidas) a Mumenta arrastou,o por osJues) riacIos e fossas/ De modo
Jue ela lIe esmagou a cae!a a ponto de o c(rero ter caído perto da cruC Bsani^reA depois
os ra!os se desprenderam) um aJui) outro acol?A as pernas) o mesmoA as tripas tornaram,
se um grande monte de carne) de tal sorte Jue) Juando a Mumenta #oltou para o con#ento)
dele s> resta#a o p( direito) todo JueradoL/20
B castigo ( muito se#ero/ GPor Jue Tappecoue mereceu uma sorte t"o cruelZL)
pergunta 8aItine/ PorJue ( um Gap?tico) isto () um Iomem Jue n"o sae sorrir) um
ad#ers?rio do riso/ Se Faelais n"o o Jualificou diretamente assim) a recusa de Tappecoue
( digna de um ap?tico/ B s(rio piedoso) otuso e maldoso) Jue receia faCer de adere!os
sagrados um oMeto de espet?culo e de Mogo) manifesta,se nessa passagem//// Ele foi
inspirado pela #elIa Iostilidade do clero ao espet?culo) $ mímica) ao riso/ ais ainda)
recusou as #estimentas para um disfarce) uma mascarada) ou seMa) em Qltima an?lise) para
uma reno#a!"o e u ma reencarna!"oL/ 2*

*- 8=T5NE) / L*Duvre de Franois Rabelais et la culture !o!ulaire au "o%en Age et sous la Renaissance& Paris: trad) franc/)
*-0) p/2<</
20 F8E95S/ Le quart livre$ cap/ V555/

2* 8=T5NE) / op/ cit/) p/ 2</


l(m desse epis>dio) toda a pr?tica das diaruras aparece a 8aItine como a
epress"o de uma contesta!"o su#ersi#a da cultura popular cmica/ a ilner) opondo,
se a essa interpreta!"o) adianta uma Iip>tese Jue tam(m insiste na ideia de reno#a!"o: GO
Musto #er aí o ressurgimento de uma ami#alência primiti#a) de fundo instinti#o e ca>tico)
em Jue) paradoalmente) coeistem uma for!a destruti#a e o potencial de reno#a!"o) Jue o
pensamento monol>gico pr>prio ao mundo cl?ssico conseguir?) momentaneamente)
sufocarL/

Koltemos
se ao GgritoL) isto ao desen#ol#imento
() ao doeespet?culo/
apelo do pQlico) sucedem,se)Depois de dias
em ordem de diaruras)
#ari?#el) sermesprocede,
Mocosos)
farsas) mist(rios) moralidades/ B conMunto ( de uma #ariedade surpreendente) e pode,se
perguntar como o pQlico perceia as diferen!as/ Estaeleceria uma IierarJuia) uma
triagem Jualificati#a entre gênero s(rio e gênero cmicoZ %ica,se um pouco perpleo ao
constatar Jue) depois de um "istério da -ai=8o$ por eemplo) pode,se representar) na
mesma cena) Jenin$ filho de 9ada$ em Jue se #ê o referido enin manipular o falo gigante
de um padre e epressar sua admira!"o:
enin . eu Deus) como #ossa coisa ( grande[
E #>s a colocais l? dentroZ
B Padre . N"o toJues aí/
enin . Ela tem dentesZ
Kai me morder se eu a tocarZ
B Jue se pode imaginar muito em ( a eplos"o de risadas/ O pro#?#el Jue ningu(m
#isse incongruência na proimidade entre a farsa e o mist(rio/ Bs dois faCem parte da
Iist>ria da sal#a!"o) e o realismo osceno est? no cora!"o da condi!"o Iumana/ B sulime
alimenta,se do carnal e) $s #eCes) ( om lemrar,se disso/ Desforra do corpo sore o
espírito) da mat(ria Iumilde sore o pensamento orgulIoso) Jue traC o Iomem para suas
Mustas propor!es: derris>rias) ridículas) cmicas/
E ( o Jue a farsa realiCa/ Suas oscenidades n"o s"o nem gratuitas nem in#olunt?rias)
porJue a 5dade (dia n"o ignora o pudor/ Se a farsa cIoca) como a f?ula) isso ( delierado)
porJue ela Juer nos lemrar) prosaicamente) do Jue somos/ Na farsa do "oleiro$ por
eemplo) #ê,se um diao no#i!o Jue #em uscar a alma de um personagem sore o leito de
morte e) ineperiente) pega) em #eC da alma) seus ecrementos) o Jue a Teologia n"o cessa
de eprimir) em outras pala#ras/
 farsa ( uma grande Gm?Juina de rirL) segundo a epress"o de 8ernardette Fe,
22
%laud) e para isso ( suficiente mostrar o mundo tal Jual () sem disfarce/ N"o ( muito
onito) mas ( engra!ado/ s peJuenas intrigas giram em torno de prolemas conMugais) com
a luta do casal pela domina!"o) os conflitos) os enganos) o ciQme) os deseMos) as frustra!es/
 mulIer infiel) o marido ingênuo e o padre dissoluto s"o sempre estere>tipos mais
populares) dando imagem pessimista do casamento) com a aMuda das cren!as religiosas/ Em
"artin de #ambra%$ ;uillemette e seu amante) o p?roco) montam uma encena!"o para
enganar o marido:
diao a le#e IoMeL/ela o pro#oca
Ent"o apareceat(o Jue) nadisfar!ado
padre) riga) ele eclama:
de diao)GPe!o
e le#aasua
Deus Jue um grande
amante/
6omo nas f?ulas) as mulIeres s"o astuciosas) seualmente eigentes) guardadas por
um marido idoso Jue n"o pode satisfaCê,las) enJuanto I?) em toda a par>Juia) uma pletora

22 FE,%9UD) 8/ GB cmico da farsaL/ 5n: #ahiers de l*Association Internationale des >tudes Franaises$ n/ 3) maio *-+/
de Mo#ens #ig?rios disponí#eis/ B Jue corresponde a uma realidade social: o alto índice de
mortalidade feminina na 5dade (dia determina freJuentes segundos casamentos de #iQ#os
com mo!as Mo#ens) ao passo Jue o clero asor#e o ecesso de Iomens Mo#ens/ 
cumplicidade entre a mulIer e o padre) mesmo Jue ela n"o #? partilIar o mesmo leito com
ele) ( um fato sociol>gico sore o Jual =er#( artin) recentemente) cIamou a aten!"o e
Jue mereceria ser eaminado a fundo/ 23 5sso contriuir? para desen#ol#er) nos macIos
crist"os) o Jue FicIard 6o denominou) Mocosamente) Ganticlericalismo de cornudosL/

ponto os taus


farsa seuais
eplora) s"o
essencialmente)
#iolados) semasJue
Juestes
se saiadaJual
moral pri#ada)
partido mostrando
os autores a Jue
tomam/ 
loucura uni#ersal) o lado animal do Iomem s"o representados com certa resigna!"o: G
arrog7ncia e o pri#il(gio s"o Juestionados) mas isso) em cada caso particular) sem ideia de
re#olu!"o de princípioL/21  mesma resigna!"o ocorre no tratamento da Gcoisa pQlicaL: G
luta contra o poder #igente) para mudar a rela!"o de domina!"o) n"o poderia ser Mamais) no
conteto dessas encena!es cmicas) uma luta aerta e #iolentaL/ 2
6omo comenta onrad ScIoell) I? um certo espírito fundador nas farsas: GB espírito
crítico eprime,se so forma cmica . a IierarJuia social ( contraposta a outra IierarJuia)
a da astQcia) Jue se acIa em oposi!"o $Juela da sociedadeL/ 2< Em suma) a resposta aos
prolemas da sociedade ( puramente indi#idual/ 6ada um por si) e Jue o mais esperto le#e
a melIor: essa () praticamente) a li!"o das farsas/ s Juestes políticas e sociais raramente
s"o aordadas em si mesmas) como em 3er Juden und #hristen Streit$ representado em
9uec) e mesmo Juando o s"o) como em ) 7ogo do rei Salom8o e do cam!on6s "ar'olf$
de =anC %olC) em Nuremerg) a solu!"o ( estritamente indi#idual: #ê,se aí um camponês
astuto Jue consegue desestailiCar a legend?ria saedoria do rei Salom"o faCendo,o perder
a paciência . mesmo os grandes têm suas fraJueCas[ N"o I? aí contesta!"o real do poder)
porJue n"o eiste nenIuma solu!"o alternati#a/ B riso da farsa ( indi#idualistaA compete a
cada um arrancar) pela astQcia) uma fatia de felicidade sem) contudo) colocar o mundo so
Juestionamento/ 6omo na f?ula) a #is"o do mundo ( realista) conformista e pessimista: a
felicidade est? fora de alcance) porJue n"o se pode mudar a ordem das coisas) e o Qnico
consolo s"o os poucos momentos feliCes arrancados $ #ida: G felicidade) nesse sentido) (
uma #is"o ecepcional) de uma infra!"o particular $ regra geral) de uma lierta!"o
pro#is>ria) de uma desforra casual/ 6om raros recursos $ utopia e $ re#olta e sem recurso $
transcendência) a ideia de felicidade na farsa parece muito restritaL) 2 escre#e onrad
ScIoell) Jue atriui essas satisfa!es $ peJuena cota de Gfelicidade de statu quoL/
 mesma atitude indi#idualista se encontra na Juest"o pedag>gica aordada por
certas farsas: alguns aspectos das rela!es mestre,aluno aparecem nelas num conteto de
crítica Cometeira) mas n"o ( possí#el #islumrar aí nenIuma reforma/ Em suma) o riso da
f?ula ou o da farsa completam o riso da festa: ele ( a epress"o do indi#idualismo em um
mundo Jue pri#ilegia a coleti#idade/ B riso da festa) origat>rio e tir7nico) epressa o
interesse do grupoA o riso farsesco) egoísta e amoral) ( o Qnico meio de o indi#íduo ter uma

23 FT5N) =/ "entalités médiévales& Paris: *--<) pp/10<,123/


21 S6=BE99) / op/ cit/) p/ 2*/
2 5idem) p/ 2</

2< 5idem) p/ 3/


2 5idem) p/ /
desforra sore as coleti#idades nas Juais ele ( integrado $ for!a e Jue o oprimem e
protegem) ao mesmo tempo: par>Juia) religi"o) família) senIoria) corpora!"o) airro///

O RISO $#RODÍSTI"O DO UNDO "ORTESÃO

5sso Juer diCer Jue a 5dade (dia n"o conIeceu nenIum tipo de riso social e
politicamente su#ersi#oZ Seria eagero/ as) para encontr?,lo) ( preciso eaminar gêneros
diferentes) menos populares/ Em cena) as Gs?tirasL e GmoralidadesL) Jue têm car?ter
aleg>rico) ultrapassam o ní#el indi#idual para atingir uma crítica mais geral: nelas) #ê,se o
confronto entre a Garraia miQdaL) o GcomumL) a GporeCaL e a GnoreCaL) a G5greMaL/ 5sso
adJuire ares de teatro engaMado e contestat>rio)2+ mas pode tam(m desemocar em uma
moral de resigna!"o/ De JualJuer forma) esses gêneros s> se desen#ol#em no fim da 5dade
(dia/
Nos escritos da 5dade (dia central) a crítica sociopolítica eprime,se Juase sempre
so a forma da par>dia) mas ( difícil distinguir entre par>dia lQdica e par>dia crítica/ B
gênero ( muito ami#alente e) segundo os te>logos) participa) ao mesmo tempo) do om e
do mau riso/ Na par>dia do sagrado) por eemplo) I? muito malA resta saer se se trata de
um simples Mogo) de uma autoderris"o de cl(rigos praticando um Iumor para uso interno)
de lagues clericais ou se estas s"o anticlericais) ou at( antirreligiosas/ O a segunda Iip>tese
Jue reQne) em geral) as críticas a prop>sito do Romati de Renart& 6omposto entre **0 e
*20) ele pode ser interpretado como uma gigantesca par>dia Jue espalIa #iolência e seo
sem constrangimento e em Jue os instintos desaridos n"o s"o mais controlados pela moral
crist"A a confiss"o de Fenart ( um relato cínico de deocIes e astQcias) e esse tecido de
imoralidades ( apresentado pelo asno 8ernardo) Jue pronuncia a ora!"o fQnere) como
Guma #ida de m?rtir e de ap>stoloL/ Encontra,se aí uma denQncia #irulenta da eplora!"o
da credulidade popular) com falsos milagres e falsos eremitas/ B rei e os grandes s"o
ridiculariCados) e acJues 8erlioC analisou o tema dessa ora como de GMuila!"o sarc?stica
e s?dicaL) de Griso lierador e su#ersi#oL/ 2-
Na mesma (poca) Futeeuf tam(m tro!a da multid"o ignorante de fi(is) Jue
acredita em JualJuer coisa porJue n"o entende nada/ Para eles) escre#e) GCloria laus (
gl>ria ao osso[L/ =? par>dia igualmente) mas desta #eC da sociedade cortês) de seus Ier>is
ca#aleirescos e suas con#en!es ridículas) em ) cavaleiro da charrete$ por eemplo) em
Jue 6Ir(tien de Troes nos mostra um 9ancelote na fronteira do ridículo e da pro#oca!"o)
apreendido em situa!es escarnecedoras/ Ecesso) ênfase) ousadias d"o um tom sarc?stico
a sua ora/ B amor cortês e seu sulime fictício s"o des#aloriCados) ridiculariCados/ GB riso
de 6Ir(tien ressoa mais sutilmenteL) ressaltam OlisaetI ;aucIer e 9aurence atIe,
aille: Gpor meio de aluses a tetos em conIecidos de seus leitores) ele os con#ida a
associar,se $ Comaria/ ssim) a atmosfera refinada e cortês do torneio de NoauC encontra,
30
se degradada) oicotada por aluses oscenas/L/

2+ U8599) /,6/ Le monologue$ le dialogue et la sottie& 1ssai sur quelques genres dramatiques de la fin du "o%en Age et du
début du V0I si+cle& Paris: *-</
2- 8EF95B]) / GFenart) o riso do porngrafoL/ 5n: LBHistoire$ deC/ *--+) n/22/
30 6=FOT5EN DE TFBES) Le chevalier de la charette$ comentado por E/ ;aucIer e 9/ atIe,aille/ Paris: *--<) p/ **/
 can!"o cortês ( carregada de autoderris"o) como o demonstrou PIilippe (nard a
prop>sito de um cor!us de can!es medie#ais de Bford Jue transformam em esc?rnio os
grandes cantos de amor) parodiam) depreciam) denigrem) com e#idente inten!"o de
cIocar/3* 6ompostos no fim do s(culo V555 por menestr(is ou poetas urgueses) esses
relatos praticam a in#ers"o sistem?tica: as mulIeres s"o feias) os amantes) #ulgares e
mo#idos pelos instintos mais rutais/ 6omo n"o relacion?,los com toda a literatura do
mundo $s a#essas) como a -ais de cornos$ ou a famosa Hist<ria de 9emine$ das Juais
susistem tantos manuscritos do s(culo V5KZ
 acolIida #ariada reser#ada $ Qltima pe!a) desde a 5dade (dia) mostra Jue o riso
M? era amíguo/  ideia da Hist<ria$ redigida por um certo FadolpI) ( muito srcinal: o
autor in#enta um misterioso personagem cuMo poder ( igual ao do %ilIo de Deus e cuMo
nome) Nemo) ( simplesmente o termo latino Jue significa GpessoaL no sentido de
Gningu(mL) GnadaL/ Tomando esse nome como nome pr>prio) FadolpI aseia,se nas
passagens da Escritura e de autores cl?ssicos latinos) em Jue se usam as frases Gningu(m
n"o podeL) Gningu(m n"o de#eL) Gningu(m n"o saeL) Gningu(m n"o ( capaCL) Gningu(m
n"o ousaL) e assim por diante) e as transforma em: GNemo pode) de#e) sae) ( capaC) ousaL
etc/
Nemo torna,se assim uma esp(cie de super,Iomem Jue pode faCer) #er e diCer tudo
o Jue os Iomens n"o podem/ Nemo goCa de etraordin?ria lierdade) faC eplodir os
estreitos limites da condi!"o Iumana) Juera nossas cadeias) iguala,se a Deus/ O s> um
Mogo) naturalmente) mas alguns religiosos despro#idos de Iumor . tais como um certo
St(pIane) da aadia Saint,;eorges . le#am a coisa a s(rio) colocando,se em guerra contra
a Gsecta neminianaT&
5sso ( uma ece!"o) uma esp(cie de c7nula medie#al Jue a imensa maioria dos
leitores e auditores considera como tal/ B gênero de autoderris"o ( muito mais freJuente/ B
pQlico das can!es de gesta tam(m sae rir de si mesmo) e ( assim Jue se de#e entender
uma ora como La besturné de Richard$ no fim do s(culo V555) sore a Jual P/ UIl escre#e:
GLa besturné ( uma composi!"o ca>tica em Jue) sore 21< #ersos) engrenam,se pro#as e
contrapro#as do saer po(tico)
truísmos) ecrescências afirma!esbpurgati#os_)
e prop>sitos urlescas e gaolices audaciosas)
tudo pontuado paradoosdee
de protestos
sinceridade ufa e interpela!es #ariadas) pressupondo um pQlico in !raesentiaL/32
B gênero (pico presta,se facilmente $ par>dia e at( mesmo ao cmico in#olunt?rio)
por seus eageros) suas ousadias) suas rupturas de tom/ 6/ Foussel demonstrou isso a
prop>sito de #hanson d*Aiol)33 um teto da segunda metade do s(culo V55) em Jue se #ê
irael) uma Mo#em mulIer) golpear com um macIado o t>ra e o adome de um guerreiro)
Jue fica partido ao meio e perde) lamenta#elmente) as entranIasA em outros casos) o pr>prio
Ier>i Munta suas tripas e continua a lutar/// Na mesma ora) o imperador declara a seu
inimigo 9omard: GKai,te) 9omard) Jue Deus te maldiga[ 6omeste tantos ratos e
camundongos em compota) prensados e ralados) Jue me parece teres o ar de um Mumento)
de um asno) de um porco ou de uma #acaL/ Trata,se ainda da perpetua!"o do insulto

3* ONFD) F GB urlesco na can!"o cortês) as can!es tolasL/ 5n: -oétiques du burlesque& Actes du colloque international du
#entre de Recherches sur les Littératures "odernes et #ontem!oraindes de l*Kniversité .laise-ascal& Paris: ed/ D/ 8ertrand)
*--+/
32 U=9) P/ GB esti?rio de FicIard) ora decis i#a da poesia do nonsense na 5dade (diaL/ 5n: Le "o%en Age$ t/-) n/2) *-+-) p/22+/
33 FBUSSE9) 6/ GEmpregos e contraempregos (picos do urlesco: o caso de iolL/ 5n: -oétiques du burlesque$ op/ cit&
Iom(rico escarnecedor/31 Essas Iip(roles e essa ênfase Juase urlescas prendem,se)
segundo 6/ Foussel) $ Gtendência Iolística da epopeiaL/
Tal mistura de s(rio e cmico) Jue n"o se enJuadra completamente na concep!"o
aItiniana do riso medie#al) seria) conforme ean Surenat) a marca de uma sociedade
eJuilirada e serena/ B uso do riso e do sorriso cQmplices re#elaria Go eJuilírio sereno de
uma sociedade assegurada por si mesma) refletida por uma Mo#em literatura Jue se afirma)
num impulso) em adeJua!"o com seu meio) ora de autores feliCes com seu ofício e com

sua coni#ência
contempla comintelectual
IumorL/3 com
Eis) odepQlico/
no#o) o///termo
Pela contro#erso)
literatura) essa sociedade
Jue reaparecesecada
in#estiga e se
#eC mais
freJuentemente e Jue) considerado aJui no sentido de Gforma de espírito Jue consiste em
apresentar a realidade &mesmo desagrad?#el' de maneira a desprender dela aspectos
di#ertidos e ins>litosL) parece Mustificado/

O RISO DI#;.LI"O DE ERLI

Entretanto) esse período (pico tam(m tem risos inJuietantes/ B diao nunca est?
suficientemente longe/ Bra) com ele) nunca se sae se ( o caso de rir ou de cIorar) se ( ele
Jue ri de n>s ou n>s Jue de#emos rir dele/ Para 6Iristian DuJuoc) os diaos medie#ais
seriam peJuenos graceMadores: GNa arte romana) as cenas de Mulgamento) JualJuer Jue seMa
sua localiCa!"o) ad#êm mais do riso Jue do s(rio: os diaos aí s"o grotescos) farsantes/ No
museu episcopal de Kic) um afresco representa diaretes Jue) pesando as almas na alan!a)
trapaceiam alegremente so o olIar trocista de seu cIefeL/ 3< Segundo o mesmo autor) o
nascimento do purgat>rio seria tam(m Guma cria!"o do IumorL: era preciso in#entar uma
solu!"o m(dia para e#itar o esc7ndalo Jue constituiria) no c(u e no inferno) a #iCinIan!a de
medíocres com seres Juase perfeitos) de um lado) e completos canalIas) de outro/ Trata,se)
tal#eC) de um emprego alusi#o do Iumor Jue n"o parece ter sido Jualidade essencial dos
te>logos medie#ais/ Toda#ia) ( #erdade) especialmente no s(culo V555) Jue os fi(is cIegam
a rir do diao e de sua eJuipe informal: os diaos das f?ulas) dos mist(rios e das diaruras
parecem espantalIos para assustar criancinIas/ 3 Parece desconfian!a) pois) porJue a
espantosa criatura tro!a de n>s) certa de nos ter so suas r(deas/ GB riso assustador e
dominador do grande Sat") riso s?dico do engano) da crueldade) da lasfêmiaL)3+ ainda (
capaC de gelar de medo/
esmo os pregadores faCem uso ami#alente do diao/ Uso terrorista . esse
aspecto ( em conIecido .) mas tam(m uso Iumorístico e de diferentes maneiras/ s
#eCes) Sat" torna,se auiliar da Musti!a e um personagem Juase simp?tico) le#ando os
cr?pulas para o inferno/ ssim) em um serm"o de Fpon de DurIam) ele ( #isto em
companIia de um esirro coletor de impostos) rapace e impiedosoA ele declara Jue) pelo

31 SUFD) %/ G8lagues e re#ela!"o do Ier> i na can!"o de idL) em .urlesque et dérision dans les é!o!ées de l*)ccident médiéval&
tas do col>Juio de Strasourg/ 5n: Annales Littéraires de lBKniversité de .esanon$ *--/
3 SU8FENT) / GYuando a sociedade cortês ri dela mesma/ =umor e par>dia liter?ria no s(culo de PIilippe ugusteL/ 5n:

Humoresques& Paris: n/) *--1) p/<*/


3< DUYUB6) 6/ GFiso) Iumor e magist(rioL/ 5n: Lumi+re et vie$ n/230) deC/ *--<A Le rire$ théra!ie du fanatisme$ p/0/
3 Ker SE5;NB99E) 6/ Les évangiles du diable& Paris: *--+/

3+ SFF]5N) 8/ GFiso da diaoliCa!"o) depois da desdiaoliCa!"o) e) enfvm) da rediaoliCa!"o do riso no BcidenteL/ 5n:

Humoresques& Paris: n/) *--1) p/33/


menos) s> aceita o Jue lIe d"o de oa #ontade/ O ent"o Jue uma pore mulIer) de Juem o
esirro confiscara a Qnica #aca) grita: GYue todos os diaos o le#em para o inferno) cruel[
E Sat" le#a o esirroL/3-
B diao Musticeiro faC rir do esirro/ Em outros sermes) ele ri e faC rir $ custa deste
ou daJuele defeito/ acJues de Kitr &**+0,*210') retomado por Otienne de 8ouron)
desen#ol#e um e=em!lum contra as modas femininas #isando) soretudo) $s caudas de
comprimento ecessi#o: GUm Iomem santo) #endo um demnio Jue ri $s gargalIadas)

conMura,o
le#a#a umadosre#elar por Jue ri/dele
companIeiros B demnio lIe eplica
sore a cauda Jue uma
do #estido/ certa
6omo eladama)
tinIa indo $ igreMa)
de atra#essar
um trecIo cIeio de lama) recolIeu a cauda e o demnio caiu no arro/ Diante disso) seu
companIeiro desatou a rirL/10
Tam(m acontece Jue o pore,diao seMa #ítima de um ser ainda mais insuport?#el
Jue ele: a mulIer/ B pregador acJues de Kitr) grande mis>gino) conta) em um serm"o) a
seguinte anedota: um Iomem rico d? sua filIa em casamento) com um rico dote) a um
demnio so forma Iumana/ Ela lIe apronta tantas Jue) ao fim de um ano) ele a aandona
e declara ao sogro: GinIa p?tria ( o inferno) onde nunca #i tanta disc>rdia Juanto ti#e de
suportar ao lado dessa mulIer riguenta/ Prefiro retornar ao inferno a permanecer mais
tempo com elaL/1*
B diao pode) portanto) ser misturado a todos os molIos e) ( e#idente) nem sempre
( terrorista/ Sua contriui!"o para o riso medie#al n"o ( nada despreCí#el/ Se esse riso pode
ser em,comportado) pode tam(m re#elar,se mais sinistro/ Trata,se ent"o de um riso
propriamente dia>lico) como aJuele Jue sacode erlim) esse inJuietante personagem
dotado de imensos poderes encantat>rios) filIo de uma religiosa e de um demnio incuo/
Esse filIo do diao ri) mas com um riso n"o natural: ele ri do Jue de#eria faCer medo . do
mal e do tr?gico/ Fi ao #er sua m"e cIorar antes de ser eecutadaA ri do camponês Jue #ai
morrer antes de ter consertado suas otinasA ri de uma crian!a Jue acaa de entregar a almaA
ri de uma profecia Jue anuncia a morte do pai de um MuiCA ri dos emiss?rios do rei Kortigern)
Jue procuram mat?,lo/
Esse
literatura/ riso)=oard
12 Para sard>nico paraGouns)
8locI) Juedia>lico paranooutros)
est? em Mogo riso deintrigou
erlimos Iistoriadores
parece da
estar ligado
$ faculdade prof(tica do mago) $ #idência e) mais precisamente) $ disMun!"o entre o Jue
erlim sae e o Jue os outros acreditam em rela!"o a seu futuroL/ 13 erlim tem todas as
características #isí#eis do profeta) em particular a aundante pilosidade/ Ser muito peludo)
na .(blia ou nos relatos medie#ais) ( o sinal dos profetas eminentes/ O tam(m um símolo
de melanc>licas eala!es infernais) segundo =ildegarde de 8ingen/ 6omo todos saem) as
feiticeiras s"o muito peludas na cae!a e no pQis e) em geral) s"o tosadas/ l(m disso)
conta,se na 5dade (dia Jue cortar os caelos em período de lua crescente acarreta o risco
de loucura/ O por isso Jue Santo =il?rio) um dos eremitas do deserto) Jue #i#eu oitenta anos

3-
BXST) ;/ F/ Literature and !ul!it in "edieval 1ngland$ Bford: *-<<) p/*<2/
10 Anecdotes historiques$ légendes et a!ologues d*>tienne de .ourbon& Paris: ed/ / 9eco de 9a arcIe) Soci(t( d_=istoire de
%rance) *+) p/233/
1* 3ie 1=em!ta des Jacob von 0itr%$ ed/ ;/ %renen) Quellen und Kntersuchungen zur lateinischen -hilologie des "ittelalters$ #/

5) uniJue: *-*1) p/*2/


12 T=BFPE) 9/ Gerlin_s sardonic laugIterL/ 5n: Ohitehead "emorial 0olume$ *-3/
13 89B6=) =/ GB riso de erlimL/ 5n: #ahiers de l*Association Internationale des 1tudes Franaises$ n/3) maio *-+) p/+/
#estido com o mesmo saco e sem nunca se la#ar) s> corta#a os caelos uma #eC por ano) na
P?scoa) durante a lua cIeia/ Bra) =il?rio significa Go Jue riL) e as etra#ag7ncias a Jue ele
se entrega) segundo acJues de Koragine) nos le#am a pensar Jue se trata#a de um d(il
mental/ Da mesma forma) erlim est? suMeito a ataJues de loucura Jue se alternam com
fases de melancolia/
B riso desse filIo do diao) an"o) peludo e facecioso) () portanto) muito eJuí#oco/
No limite do di#ino e do dia>lico) ele eprime toda a amiguidade desse fenmeno Jue
11
continua a desafiar JualJuer defini!"o/

O RISO S#TÍRI"O DOS OR#LIST#S

Se o riso de erlim oscila entre o natural e o sorenatural) a 5dade (dia tam(m


conIeceu um riso totalmente Iumano) o da s?tira política e anticlerical . domínios difíceis
de separar nesses tempos em Jue os poderes ci#is e espirituais est"o t"o entrela!ados/ B
gênero satírico) deri#ado do grande modelo de u#enal) reaparece soretudo a partir do
s(culo V55) depois de um longo eclipse na lta 5dade (dia/ O Jue) para se epandir) ele
precisa de certa estailidade do conteto sociopolítico) naturalmente para poder definir seus
al#os/ Estes s"o os grupos dominantes) aJueles Jue impem sua #ontade e controlam seus
#alores/  anarJuia feudal do período precedente) marcado pela fragmenta!"o e pela
confus"o) n"o era propícia a esse eercício/  partir do s(culo V5) o fortalecimento do poder
real) de início muito lento) mais e#idente no s(culo V555) assim como a crescente efic?cia
das estruturas eclesi?sticas) depois a a!"o espetacular dos monges pedintes e) por Qltimo) a
ascens"o dos legistas urgueses fornecem Juadros definidos) Jue podem ser
responsailiCados por di#ersos males e) portanto) criticados/
Entretanto) a crítica $s autoridades do momento pode re#estir,se de dois aspectos
contradit>rios: pode ser progressista ou conser#adora) situando,se esses termos no conteto
da (poca) ( claro/ Bu tal#eC os dirigentes seMam repro#ados por seu imoilismo ou por suas

ino#a!es/ doss?tira
inJuieta!"o medie#al
moralistas inscre#e,se)
diante nitidamente)
das mudan!as no segundo
sociais) religiosas) tipo/ Ela
políticas/ Elaeprime
olIa paraa
tr?s) para uma mítica idade de ouro Jue representaria um eJuilírio sociopolítico ideal)
refletindo um plano di#ino imut?#el: G6onser#adorismo parece ser a pala#ra,cIa#e para a
compreens"o da s?tira política na 5dade (dia/ Emane ele da noreCa) da 5greMa) ou da
urguesia) /// o Jue transparece) definiti#amente) ( o mal,estar) a inJuieta!"o diante da
e#olu!"o acelerada da sociedade) do encaminIamento para monarJuias centraliCadoras) na
%ran!a e na 5nglaterraA ou ainda diante do dinamismo da urguesia no campo econmico e
político) essa for!a pouco conforme aos crit(rios tranJuiliCadores de uma sociedade Jue foi
definida como imut?#el em nome da #ontade di#inaL/1 eannine =oroitC e SopIia
enacIe) autoras de um estudo sore o Griso amargoL da s?tira política na 5dade (dia)
acrescentam Juemesmo
afirmaL/ O) ao esse riso G( a desforra
tempo) do Iomem
um protesto contramedie#al sore moral
a degrada!"o um poder
Juepolítico Jue seo
acompanIa
processo de ci#iliCa!"o e uma das primeiras manifesta!es de indi#idualismo diante dos

11 5idem) pp/20,2*/
1 =BFBX5T]) /) EN6=E) S/ GYuando o riso se torna careta: a s?tira política nos s(culos V555 e V5KL/ 5n: Le "o%en Age$ t/
655) *--<) n/3,1) p/1<2/
poderes político,religiosos cada #eC mais eficaCes e da e#olu!"o Jue determina frustra!es
e inJuietudes/
B riso satírico medie#al ( muito agressi#o) at( mesmo cruel/ Trata,se)
manifestamente) de uma sulima!"o da ati#idade guerreira/ ;rosseria) in#ecti#as)
sarcasmos) indigna!"o: ele toma forma de panfleto da gesticula!"o guerreira) com o
oMeti#o de intimidar/ Nesses casos) sua ousadia constitui o Qnico elemento cmico) como
em um panfleto contra a aritragem de s"o 9uís na disputa entre =enriJue 555) rei da

5nglaterra) Iist>rias
peJuenas e seus ares/ s #eCes)
engra!adas a s?tira ( menos
e recorrendo $ moda tensa) semelIante
animalista) com$ f?ula) utiliCando
papel importante
confiado $ raposa) como em Renart le bestourné$ s?tira do grande poder feudal/
 s?tira tem por al#o pri#ilegiado o clero) do Jual fustiga todos os ausos) como em
#ontra simoniam$ de Pierre le Peintre) no s(culo V55) ou em 5he Land of #o'a%ne$ teto
inglês Jue denuncia a #ida liertina nos mosteiros/  cupideC dos eclesi?sticos) pastores
Jue tosJuiam suas o#elIas) ( um dos temas mais anais da (poca) assim como os trocadilIos
sore o E#angelIo segundo S"o arcos &dinIeiro' e segundo S"o 9ucas &lucro'/
 colis"o entre a 5greMa e o poder ci#il ( oMeto de freJuentes diatries) como a
#an8o dos bis!os$ do início do s(culo V555) contra os ispos de 8atI) NoricI e Xincester)
Jue apoiam o"o Sem Terra/ Na seJuência da cruCada dos aligenses) #?rios escritos
acusam o clero de tomar a Ieresia como preteto para enriJuecer e fa#orecer a política realA
( o caso de Sirventes$ de Peire 6ardinal) de *210/ Kirulentas críticas s"o dirigidas aos
soeranos Jue se deiam dirigir pelo clero) como o"o Sem Terra) acusado de se deiar
despoMar de seus Estados) ou s"o 9uís) muito sumisso aos monges mendicantes/ Futeeuf
compe) sore esse assunto) 3iz$ fustigando a ingerência do papa nos assuntos do reino da
%ran!a) depois da epuls"o do secular ;uillaume de Saint,mour/ Ele tam(m critica em
s"o 9uís o aandono do reino para emarcar em uma cruCada desastrada/ Se os mong>is o
aprisionassem) eles in#adiriam a %ran!a) apesar de seu medo do mar:
%a!a saer ao rei
Yue n"o I? terra t"o >rfa
T"o sem lei nem rei/
5sso saem os t?rtaros)
Yue por medo do mar
N"o deiar"o de a tomar/
S"o 9uís n"o ( apenas sumisso aos monges: ele tam(m tem medo de sua m"e)
8lanca de 6astela/ esmo oin#ille tro!a um pouco dele lemrando as precau!es Jue ele
toma#a para #er sua mulIer $s escondidas/ Bs tro#adores pro#en!ais e o italiano Sordel
compuseram tetos mordaCes sore esse assunto/
uitas #eCes) a s?tira ( moraliCadora/ Ela tem por miss"o GsatiriCar os #ícios do
mundoL) diC um teto dirigido contra os grandes nores ingleses) no s(culo V555) em Jue se
#eem Gmuitos erros: despreCar o em) amar o mal e #oltar,se espontaneamente para o Jue
I? de piorL/ B ataJue direto contra um ponto específico da política real pode dar lugar a
uma s?tira espiritual) procedendo por aluses ou utiliCando o ilinguismo como saída
cmica/ O o caso deste relato) de *3**) Jue acusa Eduardo 55 de ter #iolado seu Muramento
de fidelidade $ agna 6arta) Mogando com a altern7ncia francês,inglês) perfeitamente
compreendida na corte de 9ondres:
Nostre prince de Engletere
par le consail de as gent)
at Xestminster after tIe faire
made a great parlement/
9a 6Iartre fet de cre)
eo *_entrein et ien le cre)
it as Iolde to #eiI tIe fire)
and is molten al ae/
Bre ne sa m^s Jue dire)
tout  #a $ Tripola/
Esse tipo de teto s> pode ser apreciado por cl(rigos e nores letrados/ ? os escritos
de Futeeuf alcan!am um pQlico mais amplo/ 6om ele Ga s?tira re#este,se de uma
marcante e precoce modernidade de Mornalismo de in#estiga!"o) a ser#i!o de uma causa
difundida para um pQlico Jue) no início) n"o de#eria tomar conIecimento da Juest"oL/ 1<
Esse polemista engaMado nas ingerências pontifícias sae Jue de#e temer um crist"o t"o
Celoso Juanto 9uís 5V) Jue) em sua Jualidade de santo potencial e primeiro Musticeiro do
reino) n"o Iesita em mandar pessoas para a fogueira/ 6onsciente do risco) Futeeuf escre#e:
Terra minIa) posso diCer
Yue,n"o temo o martírio da morte)
de onde Juer Jue ela #enIa)
Se #em por essa necessidade/
B riso satírico descore um no#o ad#ers?rio) a partir do s(culo V555) com a ascens"o
1
da urguesia
rudemente ao círculopor
apostrofados real/ ? criticados por dam de la =alle)
Futeeuf: os urgueses s"o
Ficos urgueses Jue faCeis do outro sust7ncia
e tornais deus a #ossa pan!a/
6ondenam,se neles a rapacidade) o enriJuecimento) seu domínio crescente sore o
Estado) Jue amea!a a estrutura tradicional da sociedade/ Esse ( o sentido do Roman de
Fauvel$ de ;er#ais du 8us) do s(culo V5K) ao passo Jue) na mesma (poca) a #an8o da
venalidade dos 7uizes fustiga sua corrup!"o e) so %ilipe 5K) o 8elo) uma #r/nica rimada$
atriuída a ;eoffro de Paris) le#anta,se contra a prolifera!"o de legistas Munto ao rei) em
detrimento dos nores conselIeiros naturais) condenados ao eílio:
 %ran!a tem muitos ad#ogados:
Bs ca#aleiros de ons estados)
Yue a %ran!a transformou
E $ ser#id"o condenou)
Es#aCiam o país e se #"o
Yuando franceses s"o e francos n"o/

O RISO "ONSERV#DOR DOS $REG#DORES

Butro riso ilumina a 5dade (dia/ Um riso surpreendente) inesperado e ao Jual


iIail 8aItine n"o prestou aten!"o: o riso dos pregadores) Jue cIega a fornecer o título
de umadoora
partir de acJues
s(culo V55) so8erlioC/
a press"oBdeusomudan!as
1+ moderadosocioeconmicas/
do riso nos sermes s> se epande
O preciso lemrar aa

1< 5idem) p/11/


1 9TEF) / K/ Les srcines de la satira antibourgeoise en France& ;enera: *-<</
1+ 8EF95B]) / Le rire du !rédicateur$ reed) e apresenta!"o de / 9eco de 9a arcIeA LBes!rit de nos a_eu=& Anecdotes et bons

mots tirés de manuscrits du VIII e si+cle& 8r(pols: *--2/


Iostilidade sistem?tica em rela!"o ao riso) manifesta!"o dia>lica) durante a lta 5dade
(dia/ B crist"o s> podia cIorar sore seus pecados) neste mundo Jue se aproima#a do
fim/ Por(m) o fim tarda a cIegar) e a #ida aJui emaio melIora . ao menos para alguns:
os comerciantes) os artes"os) os cl(rigos e os uranos) de modo geral/  fome e as epidemias
diminuem/  mensagem miserailista enfraJuece) a aten!"o relaa/ 5mpe,se um esfor!o
pedag>gico para conJuistar) de no#o) os espíritos: o recurso a Iistorietas engra!adas Jue
ecitam os ou#idos e possiilitam guardar a li!"o/ Esse ( o conselIo do cisterciense 6(sarie
de =eisteracI) Jue conta como o aade ;(#ard conseguiu) gra!as a uma rincadeira)
persuadir um no#i!o desanimado) Jue n"o Jueria mais permanecer no con#ento/ B aade
pede Jue lIe tragam um macIado: GO para cortar tuas pernas/ 6reia) eu te prefiro aleiMado a
renegado) para grande #ergonIa de nossa casaL/ B no#i!o) Jue tinIa senso de Iumor)
concluiu: GEnt"o ( melIor ficarL) e 6(saire d? sua li!"o: G%oi assim Jue) gra!as a pala#ras
di#ertidas [q) terminou uma longa e penosa tenta!"oL/1-
 utiliCa!"o de e=em!la cmicos nos sermes n"o agrada a todos) e I? resistências/
B pregador n"o tem a fun!"o de contar lagues) escre#e) na metade do s(culo V55) lain de
9ille: G prega!"o n"o de#e se apoiar em ufonarias nem em oagens nem admitir esse
gênero de melodias ritmadas) mais pr>prias a agradar ao ou#ido Jue a instruir o cora!"o/
Essa esp(cie de prega!"o con#(m antes ao espet?culo e $ pantomima e) por essa raC"o) de#e
0
ser totalmente despreCadaL/ O pelo medo Jue se de#e proceder/
as) progressi#amente) o no#o estilo se impe/ Bs principais te>ricos da prega!"o
no s(culo V555 reser#am espa!o para a pilI(ria Iumorística nos sermes/ Segundo acJues
de Kitr) ( preciso mostrar,se realista: todo mundo sae Jue os fi(is têm tendência a dormir
durante as pr(dicasA ent"o) Gpara edific?,los e tam(m para acord?,los Juando) fatigados e
tomados pelo t(dio) eles come!am a cocIilar) /// ( preciso reanim?,los com a aMuda de
eemplos di#ertidos e apresentar,lIes Iist>rias para Jue) em seguida) M? acordados) eles
prestem aten!"o a pala#ras s(rias e QteisL/* B dominicano Etienne de 8ouron prende,se
ao mesmo discurso) e ;eoffro de Kinsauf acredita Jue n"o se de#e Iesitar Juando se trata
de colocar,se no mesmo ní#el do audit>rio: GSe) portanto) temos $ disposi!"o um material
pro#ido de Jualidades Iumorísticas) usar,se,"o termos tri#iais e familiares) pertinentes $s
coisas e $s pessoas com Juem falamosL/ 2
%aCer rir para impedir os fi(is de dormir: essa parece ser a principal preocupa!"o dos
pregadores) o Jue diC muito do interesse pro#ocado por seus sermes/ Em *322) Foert de
8ase#orn ainda retoma esse ponto: GB Iumor oportuno ocorrer? Juando acrescentarmos
JualJuer coisa de facecioso) capaC de agradar aos ou#intes entediados) seMa algo Jue
pro#oJue o riso) seMa alguma Iist>ria ou anedota/ De#em,se us?,los especialmente Juando
eles est"o a ponto de dormirL/3
B riso dos e=em!la n"o de#e ser#ir apenas para manter as pessoas acordadas/ De#e
tam(m auiliar a memoriCar a mensagem moral/  esse respeito) Xalter NasI prope a
Juest"o da efic?cia do m(todo) comparando,o a nossas #inIetas pulicit?rias: assim como
retemos mais facilmente a imagem Jue o nome do produto) os fi(is) sem dQ#ida)
1- 6OS5FE DE =E5STEF86=/ 3ialogus miraculorum& 6ologne: ed/ / Strange) *-) 5K) 0/
0 -atrologia latina$ #/2*0) col/ ***/
* -r6cher d*e=em!les récits de !rédicateurs du "o%en Age& Paris: ed/ /,6/ ScImitt) *-+/

2 ;EB%%FB DE K5NSU%/ 3ocumentum de modo et arte dictandi et versificandi& ilauee: ed/ F/ P/ Parr) *-<+) p/-3/
3 6itado em 5hree "edieval Rhetorial Arts& 8erlele: ed/ / / urpI) *-*) p/2*2/
lemra#am,se mais da Iist>ria Jue de sua moral/1 Yue importa[ B essencial) para n>s) (
constatar Jue a 5dade (dia conferiu ao riso direito de cidadania no interior do discurso
eclesi?stico) com nuances) segundo os autores: em peJuenas doses &modesta hilaritas') para
ean de Salisur) mais largamente) para acJues de Kitr) Jue faC da alegria uma #irtude
crist") e com ecesso) para certos franciscanos Jue tomam ao p( da letra a epress"o de seu
fundador: GEu sou o palIa!o do SenIorL E7oculatores 3ominiU&
Uma das srcinalidades de %rancisco de ssis foi sua alegria) em completa ruptura

com as um
sempre pr?ticas
rostomon?sticas anteriores/
risonIo Evultus Ele erecomenda#a
hilarisU$ sua primeiraaregra
seus diCia:
discípulos
GYueJue
elesti#essem
n"o se
mostrem eteriormente tristes e somrios Iip>critas) mas Jue se apresentem feliCes ao
SenIor) alegres e agrad?#eis) como con#(mL &K55) *3'/  ponto de) conta TIomas
d_Eccleston) os Mo#ens franciscanos do con#ento de Bford) em *220,*223) organiCarem
#erdadeiras sesses de Griso soltoL) e era preciso recomendar,lIes um pouco de modera!"o/
as) at( o fim da 5dade (dia) os monges franciscanos entrega#am,se a #erdadeiras
palIa!adas durante seus sermes/
Sem cIegar a tanto) numerosos e=em!la mergulIam na fonte popular comum de
Iist>rias Jue se assemelIam $s das f?ulas) com menos oscenidades/ Bs monges
mendicantes re#elam,se particularmente I?eis em seu repert>rio/ isturados $ popula!"o
urana) perfeitamente conIecedores dos prolemas dom(sticos gra!as $ confiss"o) s"o
especialistas em peJuenos Juadros cmicos) culti#ando a arte do contador de Iist>rias .
com efeitos de surpresa e suspense . e desen#ol#endo cumplicidade com os ou#intes/ s
Iist>rias s"o curtas) como a moral Jue se desprende delas/ ssim ( a anedota contada por
acJues de Kitr: uma mulIer simples) ou#indo diCer Jue um MuiC desonesto s> traalIa se
ti#er a m"o GengraadaL) com toda a oa,f() unta a m"o do MuiC com anIa derretida/
 #is"o de mundo Jue se depreende dos e=em!la n"o ( muito diferente da Jue
oser#amos nas f?ulas e farsas: uma #is"o pessimista da sociedade) em Jue metade ( de
espertos e metade de ingênuos e na Jual os Jue le#am a melIor s"o os mais astutos) sem
considera!"o de moral/ Em alguns e=em!la$ de gosto du#idoso) cIegamos a perguntar Jual
(naa cidade
moral . se ( Jue
de cre) I? uma/
#endia carneO deteriorada
o caso destaaos
Iistorieta de acJues
peregrinos/ de Kitr:
prisionado GUm
pelos crist"o)
sarracenos
e conduCido at( o sult"o) ele lIe pro#ou Jue seria pior eecut?,lo Jue dei?,lo #i#er/ B
sult"o) espantado) lIe perguntou por Juê/ Ele respondeu: bN"o cIega a passar um ano sem
Jue eu li#re o senIor de uma centena de inimigos peregrinos) gra!as a minIas salsicIas
estragadas e a meus peies podres_/ Essa fac(cia feC rir o sult"o e sal#ou a #ida do
a!ougueiroL/  Bs pregadores n"o Iesitam em misturar o riso ao sagrado com certa
desen#oltura) e suas Iist>rias demonstram com Jue facilidade o pQlico passa das l?grimas
ao riso/ B franciscano ean Pauli relata Jue) por ocasi"o da representa!"o do ist(rio da
Pai"o) na noite de S"o o"o) como faCia muito calor) Gno momento em Jue Nosso SenIor)
na cruC) grita: bTenIo sede_) o ladr"o da esJuerda) imaginando Jue o ator pedia uma caneca
de cer#eMa) pe,se a gritar: bEu tam(m[_/ Ent"o) todo o audit>rio caiu na gargalIada/ s
l?grimas transformaram,se numa eplos"o de risoL/

1 NS=) X/ Rhetoric: the Oit of -ersuasion& Bford: *-+-/


 5he e=em!la or illustrative stories from the sermones vulgares of Jacques de 0itr%& No#a or: ed/ T/ %/ 6rane) *-0) pp/0,*/
6omo nas f?ulas) muitas Iist>rias Iumorísticas inseridas nos sermes #isam $s
mulIeres) $s le#ianas) $s cocotas) $s concupiscentes) $s sedutoras) $s tagarelas) $s
mentirosas) $s astuciosas) $s enganadoras) $s curiosas) $s riguentas/ Todos os lugares,
comuns da misoginia clerical s"o utiliCados pelos pregadores) e os e=em!la demonstram de
maneira cmica . e pouco compassi#a . como esses pecados podem ser punidos/ Para
castigar a mulIer Jue tem espírito de contradi!"o) o marido a proíe formalmente de suir
uma #elIa escada de madeira) saendo Jue ela o faria/ Fesultado: ela Juera as duas pernas)
e ( em feito para ela) conta um pregador inglês/ < Otienne de 8ouron relata outra) do
mesmo gênero: um Iomem e sua mulIer) muito tagarela) est"o num arco) presos numa
tempestadeA a tripula!"o pede Jue se Moguem ao mar todos os oMetos pesados/ GB Iomem)
ent"o) aponta sua mulIer) diCendo Jue em todo o na#io n"o Ia#eria nada mais pesado Jue
a língua delaL/ Puni!"o menos se#era da curiosidade se encontra em um e=em!lum de
acJues de Kitr: um marido) easperado pelas perp(tuas inJuisi!es da mulIer) diC,lIe
Jue) em sua confraria) decidiram #otar um estatuto autoriCando a poligamiaA sua mulIer
precipita,se para a confraria para eigir a reciprocidade e) assim) cai no ridículo
pulicamente/ 5sso permite castigar) de uma s> #eC) três #ícios GfemininosL: a curiosidade)
a credulidade e a concupiscência/
Esses peJuenos contos cru(is) os e=em!la$ tirados da #ida cotidiana) mostram Juanto
ouma
Iomem
das medie#al
molas do est?
riso)pronto
Jue (para rir da infelicidade
a frui!"o do pr>imo/
da superioridade Bs pregadores
em rela!"o utiliCam
ao outro/ Toda
des#entura Jue acontece com o outro ( consolo para mim/ Eis aí um resJuício do riso
guerreiro primiti#o/ B riso do pregador ( ofensi#o e n"o con#i#ial/ Esse Iomem de Deus
tra#a um comate contra o mal e os mausA seu riso ( um riso de eclus"o Jue recorre $
cumplicidade do audit>rio para lan!ar a o#elIa negra nas tre#as eternas/ 6uriosamente) essa
cumplicidade se estaelece) soretudo) com o pQlico feminino) Jue freJuenta os sermes
em maior nQmero Jue os Iomens/ No s(culo V5K) 6Iaucer relata Jue as mulIeres iam aos
sermes como a um di#ertimento/ Em seu >timo li#ro As mentalidades medievais$ =er#(
artin e#ocou) a prop>sito dos pregadores) Ga coni#ência Jue os unia a suas fi(is ou#intes)
diante das Juais eles gosta#am de le#antar JuestesL/+ Por sua #eC) eannine =oroitC e
SopIia enacIe falam de Gnumerosos casos em Jue os pregadores adJuirem tal poder sore
seu audit>rio feminino Jue cIega#am a assegurar uma oediência cega e fan?tica) muitas
#eCes tomada de um ascetismo t"o #"o Juanto a coJueteria $ Jual sucediaL/- li?s) os
psicanalistas demonstram Jue os lugares,comuns antifeministas di#ertem soretudo as
mulIeres/
ogando) inconscientemente) com esses elementos) os pregadores eploram o riso)
eJuilirando,o com o medo Jue nunca est? longe) para opor,se $ emancipa!"o da mulIer/
 e#olu!"o sociocultural dos s(culos V55 e V555) no meio urano) oferece $ mulIer no#as
possiilidades de afirmar seu papel: o conteto mais refinado das cidades permite #ariar a
indument?ria) a maJuiagem) multiplicar os encontros e as recep!es . e tantas outras
oportunidades para a mulIer se #aloriCar) ter amantes) introduCir,se nos neg>cios

< BXST) ;/ F/ Literature and -ul!it in "edieval 1ngland& Bford: reed) *-<<) p/3+-/
 Anecdotes historiques$ légendes et a!ologues d*1tienne de .ourbon$ op/ cit/) p 202/
+ FT5N) =/ "entalités médiévales& Paris: *--<) p/1**/
- =BFBX5T]) /) EN6=E) S/ LBhumour en chaire$ op/ cit/) p/20/
comerciais) sair de seu papel de reprodutora sumissa/ B riso do pregador procura
ridiculariCar a imagem dessa mulIer GmodernaL emancipada/
Ele tam(m se #olta) com igual #i#acidade) contra o clero/ FidiculariCa os maus
cl(rigos) fustiga seus ausos: o riso ( colocado a ser#i!o da grande empresa de
autorreno#a!"o Jue ( a reforma gregoriana/ Ela pr>pria tam(m se apresenta como uma
restaura!"o: #oltar ao espírito da 5greMa primiti#a e a seu clero,modelo) santo) austero e
de#otado/ Para isso) os sermes #"o escarnecer dos maus eclesi?sticos) recorrendo $

cumplicidade
de dosJue
auto,derris"o pr>prios eclesi?sticos/
lIe far?  reforma
tanta falta na 5greMa daseguinte)
5dade (dia ainda tridentina)
a reforma tem essa capacidade
Juando o
an?tema sustituir? a piada/
Butra diferen!a de propor!"o: os pregadores medie#ais n"o Iesitam em ridiculariCar
os memros de sua ordem) faCendo apelo aos leigos) Jue s"o tomados como testemunIas e
podem ser#ir para a IumilIa!"o dos cl(rigos) ao passo Jue na reforma de Trento eles ser"o
ecluídos) colocados em posi!"o sualterna/ Bs pregadores dos s(culos V55 e V555 recorrem
$ press"o dos leigos um pouco no estilo do Jue ser? a 6ampanIa das 6em %lores) na 6Iina
maoísta/ ;reg>rio #u e ao ]edong apelam para o mesmo comate Juando se trata de
depurar os Juadros da 5greMa e do partido/ B paralelo ( menos incongruente do Jue parece/
O assim Jue) em uma anedota contada por ean Pauli) o todo,poderoso ispo de XurtCourg
( posto em seu lugar por um camponês/ B prelado) desdenIoso) Mustifica seu estilo de #ida
pelo fato de Jue ele () ao mesmo tempo) príncipe temporal e príncipe espiritual/ GEnt"o) o
camponês come!a a rir/ bPor Jue risZ_) pergunta o ispo/ bO Jue_) retruca o Iomem) bestou
pensando no momento fatal em Jue o diao le#ar? o príncipe temporal/ Yue figura far?
ent"o o príncipe espiritualZ_ B ispo passa a m"o na oca) recolIe seu s(Juito e n"o diC
mais uma pala#raL/<0 Fecorre,se at( mesmo $s mulIeres para dar li!"o ao clero) como neste
e=em!lum do dominicano =umert de Fomans) em Jue um gordo arcediago) para Juem as
#isitas pastorais s"o apenas preteto para empanCinar,se) recusa,se a pregar/ Uma mulIer)
frustrada em seu deseMo de ou#ir um serm"o . o Jue confirma os coment?rios anteriores
.) diC) ent"o: GEu em #eMo Jue n"o #os importais com nossas almas) M? Jue nos deiais)
como Qnico tra!o de #ossa #isita) apenas os ecrementos de #ossos ca#alosL/<*
Em outra Iist>ria de Otienne de 8ouron) Gum grande cl(rigoL faC um magnífico
serm"o sore a Iumildade e a poreCa) descre#endo a imagem de esus montado num urro/
Terminado o serm"o) ele toma a frente de sua escolta) ricamente #estido e montado sore
um elíssimo ca#alo/ GUma #elIa o ridiculariCa diante de toda a assemleia interpelando,
o: bB mestre) diCei,me) foi desse urro e de tal ca#aleiro Jue nos falastesZ_ Ele se calou)
confusoL/ <2
Na maior parte do tempo) contudo) ( entre eclesi?sticos Jue ocorre o acerto de
contas/ %reJuentemente) s"o os cl(rigos regulares . soretudo os das ordens mendicantes)
das Juais faCem parte muitos pregadores . Jue GeecutamL os seculares) em particular os
ispos) arrogantes) gulosos) Jue #i#em no luo/  esse respeito) acJues de Kitr reser#a
lagues edificantes) como esta peJuena ora,prima de Iumor: GBu#i diCer Jue uma #eC uns
demnios en#iaram uma carta a prelados negligentes da Sicília diCendo o seguinte: bDos
príncipes das tre#as aos príncipes da 5greMa) sauda!es[ N>s #os agradecemos porJue todos
<0 6itado iidem) p/++/
<* BXST) ;/ F/ op/ cit/) p/*<+/
<2 Anecdotes historiques$ légendes et a!ologues dB>tienne de .ourbon$ op/ cit/) p/2*</
aJueles Jue #os foram confiados foram en#iados a n>s_L/<3 eannine =oroitC e SopIia
enacIe) Jue citam esse teto) sulinIam Ga ironia lapidar do trocadilIo contido nessa
carta dos demnios) aseado no #ero latino mitto &ben#iar_) aJui no particípio passado)
missi' e no Mogo permitido por prefia!"o desse #ero & comissi) bconfiados_'L/
Bs monges tam(m receem sua parte/ Segundo acJues de Kitr) esses in#eterados
tagarelas) se s"o proiidos de falar) d"o um Meito de contar Iist>rias usando os p(s e faCendo
gestos com as m"os/ 6onforme 6(sarie de =eisteracI) esses amantes de leituras profanas

roncam durante GEu


maliciosamente: os sermes) mas acordam
#ou contar,#os em soressalto)
uma Iist>ria mara#ilIosa:assim Jue#eCo um
era uma aade sussurra
rei cIamado
rtur///L/ E os monges est"o sempre em usca de no#idades) nos detalIes da #estimenta)
por eemplo/  esse prop>sito circulam oas pilI(rias) como aJuela Jue difunde) no fim do
s(culo V55) o S!ecullum stultorum &1s!elho dos tolos': os monges s"o comparados ao asno
de 8runellus) Jue fica desolado porJue a natureCa lIe deu uma cauda muito curta e tenta
faCer uma artificial/ s #eCes) as ordens mon?sticas ri#ais espalIam lagues de uso interno)
Jue denigrem seus concorrentes/ ssim) os clunisianos) sempre acusados de #i#er com todo
o conforto) Comam da austeridade dos cistercienses contando Jue eles n"o usam culotes
so a roupa para poder faCer suas necessidades mais rapidamente/ O por isso Jue o satírico
1s!elho dos tolos confere a um deles esta gra#e interroga!"o metafísica: GB Jue eu faria se)
<1
de repente) o #ento desnudasse meu traseiroZL/
Bs pregadores tro!am tam(m dos padres ignorantes) fornicadores) maus cantores/
O ainda a uma mulIer Jue acJues de Kitr atriui uma tirada cruel a um padre Jue lIe
perguntou por Jue cIora#a enJuanto ele canta#a: GSenIor) eu sou a infeliC Jue te#e seu
asno de#orado por um loo e) Juando #os escuto cantar) a #oC de meu pore asno me #em
$ mem>riaL/ Bs maus pregadores tam(m s"o satiriCados) especialmente pelos monges
mendicantes) orgulIosos de sua superioridade nesse domínio/ ean Pauli critica os sermes
intermin?#eis do Domingo de Famos: G? esti#emos em sermes Jue duram oito Ioras/
Esses longos sermes s> s"o ons para adormecer as pessoas) para arriar os ancos da igreMa
e) no fim) o pr>prio pregador acaa estafadoL/ o menos) diC ele) mestre ;eiler de
aiserserg #os entrega a Pai"o em duas #oltas de colIer de pau/ Ele pega esus no ardim
das Bli#eiras e) Gem um serm"o de uma Iora) acaa com ele e o conduC a seu tQmuloL/ <
5nega#elmente) os pregadores medie#ais saem dar saor a seus sermes) aplicando
os conselIos Jue acaamos de e#ocar/ E todas essas Comarias em rela!"o a seus confrades
têm uma s> finalidade: restaurar a dignidade eclesi?stica num clero decadente) cuMas
#irtudes s"o degradadas pelos efeitos corruptores de uma sociedade urana Jue multiplica
as tenta!es/ Uma #eC ainda) o riso ser#e de agente de coes"o de um grupo social para
ecluir os maus suMeitos e as no#idades/ Usa,se o mesmo procedimento para outras
categorias sociais) dos camponeses aos ca#aleiros) cuMa arrog7ncia e #aidade $s #eCes s"o
arranIadas) como neste e=em!lum de acJues de Kitr em Jue um Mogral consegue enganar
um nore faCendo,o utiliCar uma lo!"o depilat>ria/ GB Iistri"o foi contar a #entura ao rei
de erusal(m e a seus ca#aleiros/ Estes foram rapidamente para a casa do ca#aleiro em

<3 6itado por =BFBX5T]) /) EN6=E) S/ op/ cit/) p/*0</


<1 6UFT5US) E/ F/ La littérature euro!éenne et le "o%en Age latin& Paris: *-<) p/2*1/
< FE58EF) E/ -ro!os de table de la vieille Alsace& Strasourg: *+<<) p/ */
Juest"o e o encontraram imere/ Eles ca!oaram dele e o deiaram entregue $ sua #ergonIa/
6ertamente) ele teria preferido pagar cem marcos ao Iistri"o a sofrer tal IumilIa!"oL/ <<
Festa perguntar sore o alcance do riso nos sermes medie#ais/ Uma primeira li!"o
concerne $ t(cnica do cmico) cuMos truJues os pregadores manipulam muito em/ Suas
Iist>rias engra!adas nem sempre nos faCem rir IoMe) mas algumas guardam certo frescor/ B
cmico) muitas #eCes rutal) encontra em nossos dias alguma afinidade com o Iumor negro
e o cinismo/ Bs pregadores mais espirituais têm um senso de partilIa muito moderno) como

o arceispoJue)
descarado franciscano
sentado $ Eudes Figaud)
mesa diante nolIe
dele) s(culo V555) capaC
pergunta#a: GYualde( aresponder
diferen!a)a monsenIor)
um cl(rigo
entre Rigaud e Ribaud;L/ GEntre os dois) I? a dist7ncia de uma mesa/L
w

B riso dos sermes ( um riso de comateA ( uma arma a ser#i!o do em) ou antes)
da moral crist") contra o mal e os #ícios/ Se certos pregadores) soretudo os franciscanos)
têm tendência a cair na ufonaria) a imensa maioria entre eles recusa,se a rir por rir/ B riso)
Jue permanece um instrumento delicado) ( sempre um oMeto de suspeita/ S"o 9uís) t"o
pr>imo do espírito franciscano) GastinIa,se) tanto Juanto podia) de rir na seta,feira e) se
M? come!ara a rir sem se dar conta) para#a em seguidaL)< relata ;uillaume de Saint,PatIus/
N"o se poderia diCer Jue o riso ( uma atitude inocente/ Na iconografia e na estatu?ria das
catedrais) ali?s) s"o sempre os diaos Jue riemA esus e os anMos s> eso!am um #ago
sorriso/
Paradoalmente) isso permite aos pregadores utiliCar o riso em todos os domínios)
incluindo o sagrado) porJue o riso para eles ( sempre um meio) nunca um fim . e na 5greMa
medie#al) sae,se) o fim Mustifica os meios/ Yuando se ( capaC de Jueimar os Ier(ticos para
sal#ar as almas) ao mesmo tempo Jue se proclama o car?ter sagrado de toda a #ida Iumana)
por Jue n"o seriam capaCes de rir) utiliCando os mist(rios da religi"o) se isso pode contriuir
para edificarZ O nisso) de fato) Jue reside a diferen!a essencial entre o riso clerical da 5dade
(dia e o nosso/ B primeiro nunca ( um fim em si mesmo nem di#ertimentoA ( sempre
instrumento Jue #isa a um fim ele#ado/ B Jue permite rir de tudo/ Tudo depende do oMeti#o
pretendido/ 6onstata,se) ali?s) Jue os pregadores associam o riso ao medo) em s?ia
dosagem educati#a/
dos sermes) s Iist>rias
Jue eploram Jue mencionamos
paralelamente o temor dosconstituem
castigos/ parcela peJuena no meio
final) Jual ( a finalidade desse riso instrumentalZ 9utar contra os #ícios)
certamente) e ridiculariC?,los/ as) al(m disso) de forma menos consciente) trata,se de
comater a no#idade) a ino#a!"o) a e#olu!"o socioeconmica) respons?#el pela crescente
depra#a!"o dos costumes/ UraniCa!"o) acelera!"o do com(rcio e ati#idades financeiras)
enriJuecimento pessoal dos urgueses) pr?tica da usura) mais conforto para a classe dos
comerciantes) import7ncia crescente das pessoas da lei: fatores de independência do
indi#íduo e enfraJuecimento das estruturas dos grandes domínios sore os Juais a 5greMa
fundou um modo de eistência aseado na austeridade e na solidariedade/ Tudo isso come!a
a transformar o #ale de l?grimas numa confort?#el sala de espera: em #eC de despreCar o
mundo) passa,se a instalar,se nele) a tornar sua condi!"o suport?#el) a afirmar sua posi!"o
e seu direito/  ele#a!"o do ní#el de #ida desen#ol#e o indi#idualismo desmoraliCador: GO
essa #eleidade mais ou menos declarada) mais ou menos consciente Jue se encontra no
<< 6itado por =BFBX5T]) /) EN6=E) S/ op/ cit/) p/ *0/
w Jui I? um trocadilIo) pois ribaud$ em francês) significa GpatifeL) GdeocIadoL/ &N/ T/'
< ;/ DE S5NT,PT=US) La vie et les miracles de "onseigneur Saint Louis$ p/-/
monge curioso dos neg>cios deste mundo) no cardeal gr"o,senIor) no esirro ?#ido de
ganIo) no camponês teimoso e astuto e) enfim) na mulIer) coJuete) tagarela e insumissaL/<+
o se IostiliCar) pelo riso) essas personagens) frutos de uma e#olu!"o conden?#el) ( essa
e#olu!"o Jue se trata de loJuear/ GB Jue produC) em conseJuência) o poder do riso do
pQlpito e seu #alor ret>rico n"o ( o poder leniente ordinariamente atriuído ao riso) mas seu
potencial coerciti#o em rela!"o a uma sociedade Jue tende a se distanciar dos trilIos
tra!ados definiti#amente para seu usoL) escre#em eannine =oroitC e SopIia enacIe)
concluindo seu estudo intitulado ) humor no !2l!ito& B riso do pregador ( um riso
conser#ador/  #is"o de mundo Jue se detecta aí ( a mesma da das farsas: uma sociedade
em Jue #encem os mais espertos/ as a finalidade ( in#ersa: o riso indi#idualista da farsa
encoraMa cada um a pegar sua parteA o riso comunit?rio do serm"o procura sufocar as
#eleidades de independência do indi#íduo/

O RISO I$ERTINENTE DOS "LRIGOS

Nos risos medie#ais Jue concernem ao sagrado) ( uma categoria muito audaciosa
Jue testemunIa a etraordin?ria lierdade de tom ainda tolerado na (poca) símolo de uma
sociedade
Jue permitesegura de si mesma/
aos padres N>scontarem
e aos fi(is piadas at(o risus
n"o retomaremos !aschalis$
nas igreMas) paraesse riso dea alegria
eprimir P?scoa
da Fessurrei!"o) nem os anJuetes e festins dos padres) ocasies de rincadeiras de gosto
du#idoso) como Juando os dominicanos espanI>is eem $ saQde de seus santos patronos
enterrados nas igreMas) com o grito de G0iva el muertoPT&
 partir do s(culo V5) aparecem Iinos em latim cuMo teto) rearranMado) compe,se
de coment?rios urlescos/ Entre os tetos litQrgicos propriamente ditos interpem,se tropos)
interpola!es) so forma dialogada/ Do s(culo V55) 9(on ;autier encontrou em dois li#ros
de tropos latinos) Gno meio de can!es de car?ter ele#ado e piedoso) gra!olas da pior
esp(cieL/<- Bs dramas litQrgicos) destinados a romper a monotonia dos longos recitati#os)
degeneram rapidamente em cenas cmicas/ No s(culo V555) o arceispo Eudes Figaud)
mesmo tendo senso de Iumor) te#e de proiir os religiosos de onti#illiers de cantar certos
tropos um tanto pesados e os no#i!os de cantar em coro #erdadeiras can!es de caserna
durante as recrea!es/ Na aadia de Saint,mand) ele proíe os Mo#ens religiosos de
prolongar as completas com can!es liertinas/
N"o Ia#ia necessidade de ser um cl(rigo importante para compor essas can!es em
Jue reencontramos a #eia goli?rdica) tendo por ase a par>dia e a mistura de línguas e de
gêneros sagrados e profanos/  introdu!"o de trecIos em língua #ulgar nos dramas
litQrgicos contriuiu) muitas #eCes) para des#i?,los para o cmico/ ssim) a prop>sito de
"ilagre de s8o 9icolau$ 9ouis Petit de ulle#ille comenta: GUm meio sorriso est? aí
dissimulado e suentendido/ N"o ( a incredulidade aerta e #iolenta) mas uma maneira
0
muito gaulesa) ou muito francesa) de rir das coisas santas) mesmo acreditando nos santosL/
B costume de cantar durante os ofícios) entre os #ersículos latinos) coment?rios em
língua #ulgar) para eplicar aos fi(is o sentido das pala#ras) d? lugar a des#ios) com
<+ =BFBX5T]$ &$ EN6=E) S/ op/ cit/) p/ 21</
<- ;UT5EF) 9/ Histoire de la !oésie liturgique& Paris: *++<) p/ *3/
0 9/ PET5T DE U99EK599E) Les m%st+res$ t/ 5) p/1/
reflees pessoais Jue têm pouca rela!"o com o teto latino: Comarias contra as fantasias)
contra Foma) Jue deia seus cl(rigos morrerem de fome) aluses políticas contra a
corrup!"o) contra o aumento das taas por Eduardo 55 durante a guerra de %landres) por
eemplo/ Em suma) o riso penetra por todos os interstícios da liturgia) cuMo car?ter pesado
e tedioso afasta tanto os fi(is como os cl(rigos/ B riso) ent"o) ( a irreprimí#el irrup!"o da
#ida Jue Juera os rituais mumificantes da liturgia/ So as f>rmulas mortas das litanias e
das preces estereotipadas recitadas mecanicamente milIes de #eCes) cresce a er#a
etra#agante das preces cmicas/ So as pala#ras decoradas do -ater 9oster$ surgem os
fantasistas -atenostre em franc6s$ de avtre Sl#estre &**0') -atenostre do usur4rio$
-atenostre dos amores ou -atenostre do vinho$ #erdadeiro Iino ?Juico ao mesmo tempo
Jue anticl(rical:
-ater noster$ om senIor Deus)
Juanto #inIo seria necess?rio para acaar com o luto:
todas as alegrias) todos os saores
ficariam em l?grimas e prantos/
///
PorJue n"o #eMo aade nem monge)
nem cl(rigo) padre nem cnego)
irm"o menor nem Macoino)
Jue n"o se lemre do #inIo/*
Da mesma forma) o desmoraliCado #redo transforma,se em apologia do praCer com
o #redo do descarado$ em Jue o GEu creio em DeusL torna,se GEu creio no Mogo de dadosqL:
6reio muito no Mogo de dados
Jue muitas #eCes me ganIaram
ons ocados Jue comi)
e muitas #eCes me emriagaram
e sempre me li#raram
das minIas roupas at( a Qltima pe!a/2
Glegres IomiliasL s"o compostas e declamadas nas festas/ Uma das mais c(leres)
do s(culo V555) ( uma adapta!"o da Gfarsa tr?gica da perda do falo do mongeL) e#ocando o
destino de um infeliC religioso Jue se deita#a todas as noites com uma mulIer casada e
terminou sendo castrado pelo marido dela/ No s(culo VK) ( feita at( uma par>dia da Pai"o)
a -assio cuiusdem monachi$ retomando as f>rmulas e#ang(licas: GNaJuele tempo///L/
Entre os sermes alegres) eistia um Jue agrada#a particularmente $s mulIeres) $s
Juais era destinadoA ( o Serm8o alegre de S8o 0eludo$ esse grande santo Jue GtraC tanto
em ao corpo em Jue entraLA dotado de poderes milagrosos) ele faC GJue os mamilos se
encIam de leiteL/ N"o ( de espantar a ele#a!"o desse digno personagem ao estatuto de
enfeitor da Iumanidade/
Tam(m penetrante ( o cor!us das Gmissas parodísticasL) Jue #iola todos os taus
do sagrado: missas de êados ou missas de Mogadores) Jue retomam o desen#ol#imento do
ofício di#ino deformando as pala#ras de maneira urlesca/ Bu ainda os concílios urlescos)
como o #onc(lio do amor em Remiremont$ do s(culo V55) concílio de mulIeres Jue elogiam
a superioridade dos eclesi?sticos sore os ca#aleiros) em mat(ria de desempenIos
amorosos/ Butros concílios proclamam) com grande recurso a cita!es ílicas) o direito

* 8/ N/ ms/ fr/ +3) f */


2 5idem) f 20</
dos padres de ter concuinas/  literatura de anJuete) imitando a #eia de #i!ri8o$ M?
mencionada) #em completar esse conMunto saído da pena muito li#re dos cl(rigos/ Em )
!adre que diz a -ai=8o$ assiste,se a um ofício urlesco da Seta,%eira Santa) Juando o
oficiante n"o encontra as p?ginas certas) alucia JualJuer coisa enJuanto os fi(is se
impacientam e o cl(rigo assistente) Jue acIa o E#angelIo muito longo) responde:
%acfinis . Nonfac) amis)
UsJue ad mirailia/

6omoTudo
G8arra?s[L/ ningu(m entende
o Jue o tetoJuer
o celerante em latim) todos
( cIegar atem
logo no peito da
ao resultado Juando
usca/o padre
ssim)grita:
Juanto mais cedo o dinIeiro ( receido)
ais cedo a Pai"o termina/3
O muito re#elador Jue essas ufonarias) grosserias e oscenidades) Jue mais tarde
ser"o consideradas lasfemat>rias) tenIam sido toleradas na 5dade (dia/ De início)
indicam a necessidade de rir para escapar ao medo e aos de#eres rigorosos do cristianismo
medie#al/ O a rei#indica!"o de uma G#?l#ula de escapeL) ressaltada pelo teto de *111) M?
citado/ as ( re#elador tam(m de uma confian!a: ora) se se tolera tal ecesso ( porJue
n"o I? dQ#idas sore a solideC dos #aloresA n"o se pensa Jue eles correm risco por causa
das par>dias/ =? uma #elIa tradi!"o de derris"o do sagrado desde a (poca ailnica/ Ela
caracteriCa as religies rigorosas e Jue multiplicam as proii!es) assegurando o consenso
em torno de seus #alores/ Pode,se rincar com esses #alores porJue eles est"o al(m da
contesta!"o #erdadeira/ Yuanto mais se acredita nisso) mais se torna di#ertido parodiarA
Juanto mais s(rios) mais sua in#ers"o faC rir/ Por outro lado) ( f?cil constatar Jue uma
sociedade totalmente permissi#a n"o sae mais rir: rir de Juê) se ningu(m acredita em nadaZ
De Jue e de Juem Comar) se cada um Coma de si mesmoZ
o estudar a escultura religiosa do s(culo V555) Omile 7le perceeu essa aceita!"o
confiante da fantasia e do riso pelos cl(rigos: GB clero tolera#a,os na catedral como tolera#a
os li#ros do coro/ B cristianismo na 5dade (dia acolIia a natureCa Iumana de forma
completa/ B riso) os des#ios da imagina!"o Mo#em nunca foram condenadosA a festa dos
oos e aescultores
o Jue os festa do asno pro#am
tinIam isso/ Yuando
idealiCado os ons
para decorar cnegos
o portal em de
JueFouen ou dee os
o SenIor 9on #iram
santos se
mostrariam em toda a sua gl>ria) foram) sem dQ#ida) os primeiros a sorrir/  f( profunda
deu $Jueles tempos de alegria a serenidade da inf7nciaL/ 1
as ( surpreendente ler o Jue #em logo a seguir: G rincadeira dos artistas nunca
se misturam indecência nem ironia/ s enormes oscenidades Jue gostam de imaginar nas
catedrais nunca eistiram/ ///  arte do s(culo V555 ( muito casta) surpreendentemente
pura//// N"o I? mais nenIum tra!o de ironia em rela!"o $s coisas do culto/ 6ita,se sempre
o famoso capitel da catedral de Estrasurgo) decorado com o enterro urlesco de um ouri!o
le#ado por outros animais) enJuanto um cer#o reCa a missa e um asno canta no coro/ as
esse aio,rele#o M? desapareceu) e s> o conIecemos gra!as a um desenIo pulicado no
início do s(culo VK55/ /// dmitindo Jue a reprodu!"o seMa eata) s> se pode #er nisso uma
fantasia sem oMeti#o) no gênero daJuelas do Roman de RenartL/

3 6itado por 59KBNEN) E/ -arodies de th+mes !ieu= dans la !oésie franaise du "o%en Age& =elsingfors: *-*1/
1 9E) E/ L*art religieu= du VIII e si+cle en France& Paris: *+-+) (d/ 9i#re de pocIe/ Paris: *-+) t/ 5) p/ *20/
B Qltimo coment?rio ( fatal para Emile 7le/ Yuem admitiria IoMe Jue o Roman de
Renart seMa Guma fantasia sem oMeti#oLZ Em todos os domínios) a 5dade (dia soue
manipular o riso) faCer dele um instrumento a ser#i!o de suas necessidades e de seus #alores)
sempre pronta a parodi?,los/

O RISO SENS#TO DO ;O;O D# "ORTE

Ele soue utiliCar a loucura) Jue os escultores e os #idreiros das catedrais


representam so os tra!os de um Iomem seminu) carregando uma cla#a . Jue se
transformar? mais tarde num ast"o . e receendo um pedregulIo na cae!a: imagem do
oo ca!ado pelas crian!as a pedradas/ Trata,se de um oo comum) do #erdadeiro oo)
mais ou menos inJuietante) de Juem as comunidades procuram se li#rar/ Por(m) ( um oo
Ionor?#el) respeit?#el e respeitado) ao Jual a 5dade (dia deu um lugar importante: o oo
do rei/
 institui!"o n"o ( no#a) mas conIece) nessa (poca) um grande desen#ol#imento) a
ponto de n"o somente os grandes senIores mas tam(m as municipalidades e as corpora!es
terem feito Juest"o de adot?,lo) um pouco como mascote/ B uf"o municipal de 9ille
precede a prociss"o da %esta de Deus) entregando,se a palIa!adas e oscenidadesA
Nuremerg tem ufes Jue representam por ocasi"o do Schembarlauf$ a segunda,feira antes
da Yuarta,%eira de 6inCasA em outras cidades alem"s) o -ossenreisser$ o -ritschenmeister
ou o S!ruchs!recher est"o l? para eercer seu espírito satírico contra este ou aJuele
magistrado/ Podem,se tam(m alugar os ser#i!os de um uf"o profissional) como o
G;rimpesulaisL de Dieppe no fim da 5dade (dia/ Bs ofícios têm o seu: ( possí#el #ê,lo
atuando na festa de ;aant) em Douai) na primeira semana de MulIo/
No início) a fun!"o do uf"o parece ter sido mantida por um #erdadeiro oo)
sustituído) progressi#amente) por I?eis Iistries/ O difícil saer a Jue categoria
pertencem os oos do rei na 5dade (dia) porJue eles n"o têm identidade #erdadeira/

Usam apelidos
termo srcinado como G;onellaL)
do antigo #ero Gnatribouler
corte deL%errara) ou GTriouletL)
$ Jue significa na corte oscilanteL)
Gter um c(rero da %ran!a . de
onde #em o termo Gtriula!"oL/ Entre os oos) enumerou,se seis #eCes o apelido da Gdama
de todas as coresL/ D(il mental) o oo ( tam(m escolIido por sua deformidade: os reis
faCem cole!"o de anes e aleiMes Jue trocam entre si) e o rei da Esc>cia) acJues 5K &*13,
**3') podia se #angloriar de possuir um #erdadeiro monstro composto de dois corpos
incompletos unidos na parte superior/
6onsiderado um Iírido) o oo) de certa forma) faC parte da cole!"o de feras real/
Ele carrega uma marca característica e sim>lica: um capuC) acess>rio ultrapassado e
ridículo) com orelIas de asno) Jue significam ignor7ncia e sensualidade e Jue s"o símolo
de degrada!"o/ 6omo na ntiguidade) ele tem) muitas #eCes) o cr7nio raspado) com ece!"o
de uma mecIa frontal) assim como o assinala) em *3) ean de Kenette:
E para confundi,lo ainda mais
todos os seus caelos foram tosados)
como a um oo de grande marJuês/
5sso foi para grande derris"o/
B oo #este uma casaca matiCada) com ordas em pontas e losangos amarelos e
#erdes/ B #erde ( cor da ruína e da desonraA o amarelo) cor do a!afr"o . Jue tem influências
mal(ficas e atua sore o sistema ner#oso) pro#ocando riso incontrolado .) ( a cor dos
lacaios) das classes inferiores) dos Mudeus/ s #eCes aparece o #ermelIo) como no traMe de
=ainselain 6oJ) oo de 6arlos K5/ 5sso tam(m ( símolo de fantasia) ideia refor!ada pela
eiga de porco inflada) contendo er#ilIas secas) Jue e#oca a cae!a #aCia do oo/ Sore
suamat(ria
na roupa) costuram,se peJuenos
inorg7nica/ B sinos cuMo
oo carrega tilintarencimado
um ast"o incessantepor
faCuma
pensar no caos
cae!a primiti#o)
de uf"o com
guiCosA ( seu cetro derris>rio) Jue para alguns e#oca tam(m um falo/
s #eCes) o oo ( #estido magnificamente) como o pr>prio rei/ Ele recee) ali?s)
suntuosos presentes de #estu?rio) como Trioulet) o oo de Fen( d_nMou) ou como
=ainselain 6oJ) Jue tinIa 1 pares de sapatos) em *101) ao passo Jue ;uillaume %ouel) o
oo da rainIa 5sael da 8a#iera) receeu *03 pares em seis meses/  primeira fun!"o do
oo ( confirmada por sua presen!a em Mogos nores) em particular no adreC) em Jue (
colocado ao lado do rei) Jue ele pode tanto proteger Juanto paralisar com mo#imentos
desconcertantes) atra#essados) fora de JualJuer l>gica/ K?rios elementos sulinIam) de
maneira confusa) sua import7ncia: na posi!"o de eJue,mate) o termo GmateL pode #ir da
pala#ra persa Jue significa GmorteL ou do italiano matto &louco'A ele designa a morte no
Mogo de tar/ Na 5nglaterra) o oo ( cIamado de ispo &bisho!') cuMa mitra assemelIa,se
ao capuC com orelIas . semelIan!a irre#erente entre religi"o e loucura/ Entre os ?raes) a
fun!"o do oo no adreC ( representada por um elefante) alfil$ e de fil #em fol &doido') em
francês/ Enfim) no Mogo de cartas) o oo ( o 7o'er$ o curinga) parente pr>imo de tric'ster$
aJuele Jue trapaceia) transgride as regras) pertura o Mogo/
Por Jue os soeranos medie#ais têm sempre Munto de si esse personagem ao Jual
conferem tanta import7nciaZ  regra) de fato) n"o conIece ece!"o: todas as casas reais e
principescas têm seus oos/  come!ar pelos reis da %ran!a/ Em *3*<) %ilipe K cria o
posto oficial de Goo a título de ofícioL) cuMo titular ( nomeado #italiciamente/ %ilipe 5K
tem como oo
personagens Seigni oIan)
de -antagruel& srcin?rio
So o"o) deconIece,se
o 8om) Fouergue)o Jue
oo encontramos entreJue
eIan rcemalle) oso
acompanIa no cati#eiro) e tam(m itton/ 6arlos K) o S?io) d? muita import7ncia a seu
oo) o Jue os Iistoriadores racionalistas do s(culo VK55 n"o soueram entender/ Para
Sau#al) ( escandaloso Jue Go Qnico príncipe a Juem a %ran!a deu o nome de S?io tenIa
tanta pai"o por oosL/ o menos três s"o mencionados em seu reino: um annimo) em
*3<1A depois TI(#enin) morto em *31) para o Jual o rei manda construir um magnífico
mausol(u na igreMa de Saint,aurice de SenlisA por fim) ;rand oIan) destinado $ di#ers"o
do delfim a partir de *3 e Jue 6arlos K5 assumir? em seguida/
B paradoo continua: depois do rei s?io aconselIado por um oo) surge um rei
oo) 6arlos K5) cercado de oos Jue s"o mais s?ios Jue ele . ;rand oIan) depois
=ainselain 6oJ e #?rios outros) annimos/  corte ( um #erdadeiro asilo: ao lado dos oos
do rei oo) encontram,se os oos e as oas da rainIa &;uillaume %ouel) eIanne' e os
oos dos tios do rei &eIannet e ilet) de ean de 8err) 6oJuinet) de 9ouis dBrl(ans'/
So 6arlos K55) temos Foinet e Dago e a oa da rainIa arie d_nMou) icIon/ 9uís V5

 6itado por 9EKEF) / Le Sce!tre et la marotte& Histoire des fous de cour& Paris: *-+3/
desconfia dos oos) como de todo mundo) e) segundo 8rantme) teria mandado eecutar
o oo de seu irm"o 6arlos) Jue o declarara respons?#el por isso/ Epis>dio) sem dQ#ida)
sem fundamento/ 9uís V55 te#e dois oos conIecidos) Polite e 6aillette/ Bs reis da
5nglaterra tam(m s"o em pro#idos de oos: o oo de ;uilIerme) o 6onJuistador) presta
grandes ser#i!os a seu senIorA Foger ( o oo de =enriJue 55) e o"o Sem Terra core o
seu) ;uillaume PicolpIe) de enefícios: em *200 ele lIe d? a terra de %ontaine,Bsanne) na
Normandia) e lIe confia sua guarda para toda a #ida/

o"o K Encontram,se
( acompanIado)ainda
por#?rios oospor
toda parte) em6oJuinetA
todas as grandes famílias
rtur 555) feudais/
por Dago) Jue Na 8retanIa)
come!ou sua
carreira na corte da %ran!aA Denis d_Espinel ( o oo de %rancisco 55) cuMas duas esposas
sucessi#as têm) pelo menos) três oas: adame de Toutes 6ouleurs &dama de todas as
cores') %ran!oise ;aillard) 6olette/ Na 8orgonIa) PIilippe le =ardi tem como oo Nicolas
&*3<3') depois ;irardin &*3*' e) por fim) ean Yuarr(e &*3++') ao passo Jue 6oJuer(e ( a
oa de sua esposa arguerite de %landres/ Do duJue de 8err) s"o 9am &*32,*31')
Plantefolie &*3<,*3+') =uot &*3+<'/ Durante trinta anos &*11,*1<') Trioulet) o
primeiro com esse nome) foi o fiel oo de Fen( d_nMouA ( um #erdadeiro personagem) ao
Jual ( assegurado um luuoso estilo de #ida) de Juem se toleram todos os capricIos e a
Juem se pagam at( os >culos/ PIilippot) o n"o) cIamado GPeJueno 8ooL) o sucede em
*1<) depois
e adame de%aillon
Toutesle6ouleurs
%ol) a partir de *1+0)
ser#em ao passo
$ esposa Jue icIon le %olle) ;illette la 8rune
de Fen(/
Todos esses oos e oas s"o pessoas importantes) internacionalmente conIecidasA
s"o comprados) emprestados) e cada transferência ( astante comentada/ Parece mesmo)
segundo o testemunIo de ;uillaume 8oncIet em rela!"o ao s(culo V5K) Jue eistiram
#erdadeiras dinastias de oos) ou centros de forma!"o) #i#eiros da loucura oficial: GEsse
ser#idorL) escre#e ele) Gera de uma família ou de uma ra!a em Jue todos eram Ionestamente
oos e alegresA al(m disso) todos os Jue nasciam na casa em Jue esse ser#idor era nascido)
mesmo Jue n"o fossem da linIagem) #inIam ao mundo oos e assim permaneciam durante
toda a #idaA de tal forma Jue os grandes senIores adJuiriam oos nessa casa e) por isso)
ela era de grande #alia para seu donoL/ <
5sso permite pensar Jue) desde essa (poca) tais oos n"o eram oos/ N"o ( oo
Juem Juer/  fun!"o eige grande inteligência) como o dir?) mais tarde) um personagem
sIaespeariano em 9oite de reis: GEsse palIa!o ( muito s?io para faCer o ooA e) para
desempenI?,lo em) ele tem necessidade de espírito: de#e oser#ar o Iumor daJueles a
Juem agrada) a Jualidade das pessoas e o momento) lan!ando,se) como um falc"o
des#airado) sore a menor pluma Jue passa diante de seus olIos/ O um ofício t"o ?rduo
Juanto o do s?ioA porJue a loucura) Jue s> pode ser mostrada saiamente) ( engenIosaA ao
passo Jue os s?ios) uma #eC caídos na demência) perdem toda a raC"oL/
B oo do rei eiste para faCer rir/ O sua fun!"o primeira/ as n"o se trata)
e#identemente) de um simples palIa!o/ Se o riso Jue ele pro#oca ( importante) ( porJue
traC consigo o Jue falta) em geral) nos círculos do rei: a #erdade/ Ecluído da realidade por
lisonMas) temores) mentiras) intrigas dos Jue o cercam) o soerano s> conIece a #erdade por
meio de seu oo . soretudo a #erdade penosa) aJuela Jue fere) aJuela Jue um Iomem

< 8BU6=ET) ;/ Les Sérées$ ed/ 6/ E/ Foet) *+3,*++2) t/ K) p/*/


 S=ESPEFE) X/ La nuit des rois$ 555) */
sensato e atento $ situa!"o n"o ousaria re#elar/ O) por eemplo) o oo de %ilipe K5 Jue (
encarregado de anunciar o desastre na#al de 9_Ecluse) em *310/ Ele o faC so a forma de
tirada: GEsses co#ardes ingleses[ Esses poltres[L/ G6omo) primoZL) inJuieta,se o rei/
G6omoZ[ PorJue eles n"o ti#eram a coragem de se Mogar no mar) como nossos ra#os
soldados franceses) Jue pularam a amurada) deiando os na#ios para o inimigo co#arde)
Jue n"o demonstrou nenIuma inclina!"o em segui,losL/
B oo ( tam(m aJuele Jue lemra ao rei . como o faCia o escra#o dos

triunfadores
e#itar romanos na
Jue mergulIe .emriagueC
Jue ele ( apenas um solit?rio/
do poder mortal) partilIa
O assimdaJue
condi!"o Iumana)
=amlet) falandopara
no
cemit(rio para o cr7nio do uf"o oric) lIe diC: GKai) pois) encontrar minIa senIora a
rainIaq em seus aposentosA diCe a ela Jue a mais espessa camada de dissimula!"o n"o a
impedir? de #ir para c?/ Yue ela possa rir disso[L/+
B oo ( a contrapartida $ ealta!"o do poder) porJue ele ( o Qnico Jue pode diCer
tudo ao rei/ So a prote!"o da loucura e) portanto) do riso) ele pode se permitir tudo/ 
#erdade passa a ser a loucura do riso: Gs rela!es do rei e de seu ooL) escre#e aurice
9e#er) Grepousam) definiti#amente) nessa con#en!"o unanimemente aceita/ B oo d? o
espet?culo da aliena!"o e adJuire) a esse pre!o) o direito $ pala#ra li#re/ Em outros termos)
a #erdade s> se faC tolerar Juando empresta a m?scara da loucura//// E se a #erdade passa
pela loucura) passa) necessariamente) pelo risoL/-
 imunidade Jue o oo usufrui) escre#e) ali?s) ean Du#ignaud) ( GaJuela Jue se
confere aos oMetos sagrados ou aos personagens detentores de uma for!a m?gica/ /// B
uf"o sae li#rar o soerano das inJuieta!es) das preocupa!es) isto () da ansiedade diante
de sua sal#a!"o pessoal Jue sua situa!"o de senIor do poder compromete gra#ementeL/ +0
=?) contudo) outro personagem) na corte) encarregado de lemrar ao rei a #erdade de sua
situa!"o) um personagem Jue representa eatamente o sagrado: o confessor do rei) de Juem
M? tra!amos a Iist>ria/+* Bra) o confessor est? longe de poder permitir,se a mesma franJueCa
do oo/  alian!a do trono e do altar faC dele um conselIeiro) um auiliar do poder) em
#eC de um diretor/ S> o riso ( capaC de faCer o rei aceitar a #erdadeA o Jue ele n"o admite
do
delesagrado) do religioso)
a monarJuia admite
se li#rar? dessedaoo
loucura
cuMo .
risoaomuito
menos at( o s(culo
sensato VK5) porJue
lIe lemra#a depois
seus de#eres/
B confessor,cortes"o) em compensa!"o) continuar? sua carreira/
B riso do oo tem ainda) na 5dade (dia) outra fun!"o: ritualiCar a oposi!"o)
representando,a/ Kerdadeiro antirrei) soerano in#ertido) o oo assume simolicamente a
su#ers"o) a re#olta) a desagrega!"o) a transgress"o/ O um parapeito Jue indica ao rei os
limites de seu poder/ B riso raCo?#el do louco ( um ost?culo ao des#io desp>tico/ N"o (
apenas uma coincidência Jue a fun!"o de oo do rei tenIa desaparecido da %ran!a na
aurora do asolutismo) no início do reino de 9uís V5K: o monarca Jue pode) sem rir)
comparar,se ao sol ( muito s(rio para ser sensato/

+ 5dem) Hamlet$ #) */
- 9EKEF) / op/ cit/) pp/ *3,*3+/
+0 DUK5;NUD) / LBacteur& 1squisse d*une sociologie du comédien& Paris: *-<) p 1/
+* 5NB5S) C& Le confesseur du roi& Les directeurs de conscience sous la monarchie franaise& Paris: *-++/
O ;O E O #U RISO DO TE.LOGO

 5dade (dia ri muito/ %ala tam(m do riso) e sua linguagem ( dQia/ Bs


pensadores medie#ais retomam) em geral) rist>teles) faCendo do riso uma propriedade da
natureCa Iumana) mas n"o um de seus tra!os essenciais/ +2 Soretudo) eles distinguem um
om riso de um mau/  partir do s(culo V555) todos os docentes das faculdades de Teologia
consideram necess?rio consagrar um capítulo de seus ensinamentos ao riso: de risu&
FeconIecendo a import7ncia do fenmeno) faCem dele uma das marcas da natureCa Iumana
decaída/ Entretanto) eiste um riso om: aJuele Jue eprime a alegria do crist"o e Jue de#e
ser moderado) Juase silencioso) pr>imo do sorriso/ B mau riso ( o riso da derris"o) da
Comaria e () ao mesmo tempo) um riso físico) arulIento) sem gra!a) Jue sacode o corpo
. o risus cum cacchinis$ esp(cie de solu!"o trocista) muito censurado no papa 8onif?cio
K555) por eemplo) Juando de seu processo) no início do s(culo V5K/ %ranciscanos) como
leandre de =al^s) e dominicanos) como lert le ;rand) est"o de acordo Juanto a essa
distin!"o/
B Jue os intriga ( Jue o riso seMa um fenmeno ao mesmo tempo espiritual e físico)
ao encontro do espírito e da mat(ria/ B om riso ( aJuele Jue d? pouco espa!o ao aspecto
físico/ Bser#ando o riso pelo aspecto intelectual) os te>logos medie#ais s"o preMudicados
pelo fato de
racional) Jue o latim
conceitual) Jue eles utiliCam
escol?stico) se transformou
mal adaptado emdos
$ epress"o língua morta) deeuso
sentimentos puramente
do cmico/ ?
o latim cl?ssico n"o dispunIa de um Qnico termo para o riso/ Para designar o sorriso) os
escol?sticos empregam a pala#ra subrisus$ Jue) durante muito tempo) significou Griso no
interior de si mesmoL ou G$s escondidasL/ Ele s> adJuiriu seu sentido moderno no s(culo
V55) comenta acJues 9e ;off) Jue se interroga: GEu me pergunto se o sorriso n"o ( uma
cria!"o da 5dade (diaL+3 . esse sorriso Jue s> no s(culo V555 #em iluminar o rosto de um
anMo ou de um 6risto) nas imagens de miens e de 6Iartres/
Tudo ficaria mais claro se esus ti#esse rido/ 5nfeliCmente) nenIum teto cannico
reporta isso/ Entretanto) no s(culo V555) a Uni#ersidade de Paris organiCa um deate pQlico)
um quod libet$ a respeito desse assunto/ B riso torna,se um caso de escola) uma Juest"o de
casuística/ rist>teles diC Jue o riso faC parte da natureCa IumanaA esus) pela encarna!"o)
assumiu integralmente nossa natureCaA logo) esus podia rir/ as ser? Jue riuZ Eis a Juest"o/
PorJue) se ele podia rir e nunca riu) isso n"o Juer diCer Jue o riso seMa mau/
6omo a re#ela!"o n"o se pronuncia claramente sore o riso) compete $ raC"o decidir/
DesenIam,se duas correntes/ Para a primeira) o riso ( uma pai"o da alma) logo um
fenmeno antes de tudo espiritual) o Jue n"o () necessariamente) positi#o/ GB riso ( uma
esp(cie de desarranMo e de surpresaL) escre#e #icena em 3e anima& Para a segunda
corrente) o riso ad#(m) antes de tudo) da fisiologia/ Pela teoria dos Iumores) ele ( situado
no ní#el do diafragma/ Para a escola de Salerno) o temperamento sanguíneo ( o mais
inclinado ao riso) enJuanto o melanc>lico tende $ tristeCa/ 5sidoro de Se#ilIa) no s(culo K55)
e mais tarde 8artolomeu) o 5nglês) no s(culo V555) situam a sede do riso no a!o) Jue se
dilata para engendrar os cacareMos Jue se conIecem e Jue afetam tam(m o intestino) o
estmago) a eiga e os aparelIos genitais) todas essas coisas pouco apetitosas Jue se
encontram aaio da cintura/ Tudo isso testemunIa uma concep!"o pouco elogiosa do riso)
+2 DB9%) =/ GBn medie#al íaugIterL/ 5n: S!éculum$ XX$ *-1/
+3 9E ;B%%) / G9augIter in tIe iddle gesL/ 5n: A cultural histor% of humour& Bford: *--) p/ 12/
Jue) por outro lado) pode ter efeitos nefastos sore a saQde: no s(culo V555) Foger 8acon
desaconselIa fortemente o riso para os #elIos) porJue I? uma grande perda de energia/ No
s(culo seguinte) 8occaccio lIe conferir?) ao contr?rio) #irtudes terapêuticas/
=esita,se) ainda) Juanto a Dante) Jue condena o uso do riso na prega!"o e Jue) no
entanto) escre#e em .anquete Jue o riso e o sorriso s"o signos espirituais Jue permitem
eprimir a Gfaísca da almaL/ Em -ara(so$ ele sugere uma concep!"o mística do riso: o
Gsanto risoL est? al(m de todas as mara#ilIas) e nenIum mortal pode suportar sua eplos"o/

No 6anto
como VV5)reduCido
Semele) ele pe em cena 8eatriC:
a cinCas_L/ GElauma
Somente n"o #is"o
riaA mas) bse eu erisse_)
de 6risto diC ela)
de aria dar?bacaarias
ao poeta
a for!a de suportar o riso de 8eatriC) Jue ent"o pode lIe diCer: Gre os olIos) olIa como
eu souA #iste coisas Jue te deram o poder de suportar meu risoL/ B santo riso pode) portanto)
arir,se sore o di#inoA ele permite comunicar,se com Go riso do uni#ersoL) e todos os
cantos da terra n"o conseguir"o GcIegar perto do santo risoL/
 partir do s(culo V55) a Teologia permite uma peJuena aertura em rela!"o ao riso/
B arceispo de Tours) =ildeert de 9a#ardin) admite a legitimidade de certas rincadeiras
Jue permitem relaar/ as ( preciso desconfiar do riso culpado/ Na mesma (poca) =ugues
de Saint,Kictor tenta separar as coisas/ Em princípio) est? claro Jue o riso ( mauA ele nos
foi inspirado pela carne e nos induC ao erro/ pesar de tudo) ( possí#el distinguir uma
alegria oa de uma m?/ =? um riso celeste) mas ( um riso do cora!"o) e n"o do corpo/ +1
Yuanto a Pedro) o Kener?#el) aade de 6lun) ele consente Jue os monges possam rir de
tempos em tempos/ Pierre le 6Iantre ( mais reser#ado: ele s> admite a alegria interior e
multiplica de tal forma as condi!es e restri!es ao riso . Jue de#e ser de curta dura!"o)
silencioso) discreto . Jue o torna praticamente impossí#el/ Para ean de Salisur) (
preciso anir o riso pro#ocado pelos profissionais) os ufes) mas ( possí#el) se todas as
condi!es de Ionestidade forem preencIidas) entregar,se a um riso discreto/
S"o Tom?s de Juino #olta,se #?rias #eCes para o prolema do riso/ GProlemaL (
eatamente o termo Jue con#(m/ Ele disseca os dados e tira concluses t"o nuan!adas Jue
( difícil saer em Jue condi!es ( permitido rir/ Por certo) tudo ( relati#o: comparado com
s"o 8ernardo)
inimigos S"os"o
do riso) Tom?s ( um alegre
pecadores companIeiro/
. pecadores contra Ele pensaSempre
a raC"o/ mesmocom
Jue rosto
os agelastas) os
triste) s"o
difíceis de suportar e desagrad?#eis para os outros: GNas coisas Iumanas) tudo o Jue #ai
contra a raC"o ( #icioso/ Bra) ( ir contra a raC"o ser um fardo para os outros) por eemplo)
n"o se mostrando alegre e impedindo Jue os outros o seMam/ /// Pecar ( nunca rincar e faCer
cara feia $Jueles Jue rincam) repreendendo sua di#ers"o) mesmo moderada//// 
austeridade) Jue ( uma #irtude) s> eclui os regoCiMos ecessi#os e desregradosA ela se
prende $ afailidade) Jue rist>teles cIama de amiCade) eutrapelia ou alegriaL/+
Eutrapelia: eis aJui) em om aristot(lico) a pala#ra,cIa#e de Tom?s de Juino/ Ele
fala dela na Suma teol<gica$ mas desen#ol#e a ideia) soretudo) em #oment4rio sobre a
ética a 9ic/maco&  eutrapelia ( uma #irtude de modera!"o) Jue se manifesta por uma sadia
alegria) oposta ao riso ecessi#o e agressi#o da bomolochia$ ou superaund7ncia/ De forma
contundente) ele compara o riso dos bomolochi ao #oo dos milIafres sore os templos para
decepar a carne das #ítimas imoladas: ( um riso de predador/ Na outra etremidade)

+1 =U;UES DE S5NT,K56TBF/ In ecclesiastem homeliae$ V5V) Iomilia +/


+ SHB TBS DE YU5NB/ Suma teol<gica$ 2a) 2ae) Juest/ *<+) art/1/
encontra,se a agroichia$ essa sel#ageria rQstica Jue torna o Iomem insuport?#el/ B riso
moderado ( a ressurrei!"o da #irtude de urbanitas$ o om Iumor do Iomem de oa
companIia/
Em oa l>gica) Tom?s de Juino conclui Jue) se a distra!"o Ionesta ( lícita) a
profiss"o daJueles Jue propiciam a distra!"o) os comediantes) tam(m o (: GB Mogo ( uma
necessidade da #ida Iumana/ Por(m) a cada uma dessas necessidades pode corresponder
um ofício l(cito& 9ogo) o ofício de comediante) destinado a distrair os Iomens) n"o ( ilícito

em si) e os Jue
con#enienteL/ +< o eercem n"o #i#em em pecado) desde Jue nisso incluam a modera!"o

ntes de nos mara#ilIarmos diante da Gespantosa amplitude de espíritoL do Doutor


ng(lico) como o faC =ugo FaIner) ( preciso) toda#ia) lemrar os limites estreitos nos Juais
ele encerra o riso/ Em primeiro lugar) este de#e ser moderado em suas manifesta!es/ Nada
de rolar por terra) sacudir as costas ou ater nas coas: Ga modera!"o nos mo#imentos
eteriores do corpoL ( estrita/+ Em seguida) Ga rincadeira de#e respeitar as con#eniências
em rela!"o $s coisas e $s pessoasL/ N"o se de#e rincar com o Jue ( respeit?#el: os parentes)
os Mustos) os poderosos) os fracos) a religi"o) os tetos sagrados e) em entendido) Deus/ De
JualJuer forma) o riso nunca de#e ser de esc?rnio ou de Comaria/ Segundo a Suma
teol<gica$ a Comaria constitui um pecado mais gra#e ainda Jue a ousadia) porJue ela
IumilIa) procura faCer enruescer/ ]omar do mal n"o ( um em) porJue o mal de#e ser
le#ado a s(rio/  ousadia ao menos le#a o mal a s(rio) ao passo Jue a Comaria se di#erte
com ele) o Jue pode ser um pecado mortal/ GN"o se Coma de um mal ou de um defeito/
Bra) Juando um mal ( grande) ( preciso le#?,lo a s(rio e n"o na rincadeira/ Se) portanto)
n>s nos di#ertimos &ludus' ou se rimos &risus') ( porJue #emos esse mal como pouco
consider?#el/ 6ontudo) I? duas maneiras de a#aliar um mal importante: por ele mesmo)
depois pela pessoa Jue ( afetada por ele/ ssim) Juando nos di#ertimos ou rimos do mal ou
de um defeito de nosso pr>imo porJue esse mal () em si) pouca coisa) cometemos apenas
um pecado #enial e le#e em sua natureCa/ Se) ao contr?rio) s> a#aliamos esse mal pela
primeira pessoa Jue o sofre e o Mulgamos pouco gra#e) como faCemos sempre em rela!"o $s
tra#essuras de crian!as ou de tolos) I?) nessa di#ers"o e nessa Comaria) um despreCo total
ao pr>imoA n>s o consideramos t"o pouco Jue Mulgamos inQtil inJuietarmo,nos com o mal
deleA ao contr?rio) faCemos disso um oMeto de rincadeira/ ]omar da sorte ( pecado
mortal) e mais gra#e ainda Jue a ousadia Jue lan!amos na face do pr>imo/ Na ousadia) de
fato) parece Jue le#amos a s(rio o mal de outrem) mas o Comador di#erte,se/ =? mais
despreCo e mais atentado $ Ionra/ Kemos) por aí) Juanto a Comaria ( pecado gra#eA e mais
gra#e ainda $ medida Jue a pessoa de Jue Comamos merece respeito/ B pior ser?) portanto)
Comar de Deus e das coisas di#inasL/ ++

OS #GEL#ST#S EDIEV#IS! ;ERN#RDO E ILDEG#RDE

6omo se #ê) o campo do riso lícito ( muito reduCido) mesmo para S"o Tom?s/ Butros
se mostram ainda mais se#eros/ EsJuecendo esse aforisma do aade Eul>gio: GN"o me

+< 5idem) art/3/


+ 5idem) art/2/
++ 5idem) 2a,2ae) Juest/ ) art/2/
falem dos monges Jue n"o riem nunca/ Eles n"o s"o s(riosL) o cisterciense elred de
Fie#aul) em seu 3e vita eremitica$ Jualifica o riso de G#eneno eido com delíciasL Jue
corre Gnas #ísceras e nos memrosL/ Para Fupert de DeutC) no s(culo V55) somente o diao
ri) Juando seduC os crentes/ uitos opem,se $ utiliCa!"o do riso na prega!"o: ( um
procedimento grosseiro) demag>gico) populista) cIega a escre#er Dante/ Bpini"o
partilIada) na 5nglaterra) por Nicolas de Jua#illa: a educa!"o dos fi(is de#e faCer,se pelo
medo/ E os adeptos do m(todo terrorista encontrar"o um campe"o na pessoa do pregador
ean 6l(r(e) no s(culo VK) Jue censura) nos fi(is) a preferência por sermes di#ertidos)
Gdesses rincalIes e ons companIeiros) Jue diCem coisas agrad?#eis e ficam no pQlpito
como Iistries e MograisL/+- 8emardino de Siena) onas d_Brl(ans) 9udolfo de Sae) Bli#ier
aillard) todos eles reiteram a condena!"o do riso/
 espiritualidade da 5dade (dia lIes ( ferrenIamente Iostil/ TestemunIam isso
dois dos representantes considerados) com ou sem raC"o) como os mais eminentes: um
Iomem e uma mulIer) Juase contempor7neos e todos os dois canoniCados . s"o 8ernardo
&*0-0,**3' e =ildegarde de 8ingen &*0-+,**-'/ Seus Iagi>grafos e soretudo seus
admiradores do s(culo VV) para Juem o Iumor se tornou uma #irtude indispens?#el) têm)
contudo) feito grandes esfor!os para lIes dar uma face sorridente: =ildegarde seria o oposto
da tristeCa) Jue ofende a eleCa da cria!"o) e 8ernardo escre#eu a elardo uma carta na
Jual
muitosepeso
apresenta
diante como um Mogral
das #iolentas de Deus)
diatries um dois
desses Iumilde 7oculator&contra
personagens as otudo
riso/isso n"o tem
Em primeiro lugar) os dois lIe conferem uma srcem dia>lica/ N"o Ia#eria) no
início dessa foia do riso) antigos traumatismos relati#os a sua saQde delicadaZ =ildegarde
conta Jue foi oMeto de Comarias Juando ficou doenteA depois) Juando se cIocou com a
resistência trocista das religiosas $s Juais Jueria impor uma reforma austera) ela atriuiu a
Sat" essa derris"o/ Em sua primeira iografia) 0ita sanctae Hildergardis$ dos monges
;odefridus e TIeodoricus) ela ( possuída por um demnio Jue tomado por uma mulIer lIe
d? o apelido de Scrum!ilgardis$ a G#elIa encarJuilIadaL/ B mesmo demnio trocista cIama
8ernardo de .ernardulus$ G8ernardinIoL) por causa de sua fragilidade físicaA ele o trata
tam(m de Gcomedor de perasL e Gengolidor de cou#esL em raC"o de seus ataJues contra a
gula/ Eis aí) de acordo com os redatores de 0ita !rima sancti .ernardi$ a marca da derisio$
do pecado da língua) típica do demnio/ -0 li?s) =ildegarde afirma ter tido uma #is"o em
Jue os anMos decaídos cometiam o primeiro pecado de derris"o/ =ildegarde e 8ernardo
consideram,se amigos de Deus: conseJuentemente) aJueles Jue riem deles s"o amigos do
diao) e o pr>prio riso ( dia>lico/
Bs ares satíricos Jue os ataJues contra 8ernardo adJuirem parecem indício de sua
Iostilidade ao riso) como o escre#e 9aurence oulinier: GSer? Jue os autores das s?tiras
Jue acarunIam 8ernardo n"o poderiam encontrar melIor eut>rio para sua Iostilidade Jue
esse riso liertador $ custa de um santo conIecido por sua inaal?#el seriedadeZL/-*
Em seguida) ( desconcertante #er o empenIo de 8ernardo e =ildegarde em
des#aloriCar o riso) #inculando,o ao GaioL) $s partes #ergonIosas do corpo/ esmo Jue

+- Ker) sore esse assunto) FT5N) =/ Le métier de !rédicateur en France se!tentrionale , la fin du "o%en Age E@[\]@\X]U&
Paris: *-++/
-0 BU95N5EF) 9/ GYuando o maligno faC gra!a/ B riso na 5dade (dia #isto depois da IagiografiaL/ 5n: Annales$ histoire$

sciences sociales$ 2x ano) n/ 3) maio,Mun/ *--/


-* 5idem) p/1<+/
eles se prendessem a certas concep!es m(dicas da (poca) suas eplica!es e compara!es
s"o surpreendentes) #indas de autores espirituais/ Para 8ernardo) no tratado Sobre os graus
de humildade e de orgulho$ o Iomem Jue ri ( como uma eiga inflada) sacudida pelo ar
Jue escapa dela: GYuando a #aidade come!a a crescer e a eiga a inflar) ( indispens?#el
faCer um furo grande) reMeitar esse #ento) ali#iar o #entre Jue se romperia/ ssim) o monge)
transordando de alegria inepta) n"o consegue atualiC?,la pelo riso e pelos gestosA ele
eplode nestas pala#ras de =(liu: GEis Jue meu #entre ( como um #inIo em fecIado Jue
faC eplodir o odre &>) 32)*-'L/-2
Santa =ildegarde recorre a uma imagem ainda mais precisa: o Iomem Jue ri n"o (
mais Jue uma eiga Jue se es#aCia) ( o Mato de um falo Jue eMacula $s sacudidelas) escre#e
ela no tratado #ausae et curae& parentemente muito conIecedora da fisiologia) ela
aprimora sua compara!"o: o corpo ( sacudido pelo riso como pelos mo#imentos da c>pula
e) no momento do maior praCer) o riso faC Morrar l?grimas como o falo faC sair o esperma/ -3
Elegante met?fora na pluma de uma religiosa) Jue acrescenta Jue esse Glouco regoCiMoL n"o
eistia antes do pecado srcinal/ Ent"o n"o Ia#ia risos nem risotas) mas somente a G#oC das
alegrias supremasL/ B riso) como o seo) ( fruto do pecado/ =ildegarde ostina,se/ B riso (
como o peido: ( um #ento Jue) das medulas) percorre o fígado) o a!o) as entrepernas e Jue
pro#oca sons incoerentes) semelIantes a alidos/ B riso ni#ela o Iomem $ categoria de
esta) Gmaltrata
IumoresL/ seuosa!o)
Ele seca compromete
pulmes) arruina a seu fígado
saQde/ e criasugere
E a santa uma pertura!"o total deo caso
um rem(dio contra seus
mais gra#e) o riso solto: uma eeragem $ ase de noC,moscada) a!Qcar e #inIo Juente/
Koltemos a s"o 8ernardo) cuMa Legenda dourada afirma Jue Gse ele ria) era sempre
de maneira Jue precisa#a faCer mais esfor!o para rir do Jue para reprimir as risadas: era
necess?rio ecit?,las antes Jue reprimi,lasL/ Para ele) recusar o riso ( uma #irtude Jue
distingue os crist"os dos pag"os) porJue s> aJueles saem Jue ( preciso cIorar esperando
o uíCo) o Jue lIes d?) e#identemente) uma #antagem consider?#el/  elite da 5greMa) isto ()
os monges,soldados) os templ?rios) tem) ali?s) uma regra para n"o rir) escre#e ele/ G9?) se
ocorre um gesto impertinente) um gesto inQtil) um riso imoderado) um murmQrio) mesmo
ligeiro) a falta nunca fica sem repara!"o/ /// Bs mímicos) os malaaristas) os comediantes)
seus cantos ufes) seus espet?culos) tudo isso ( #aidade a seus olIos ou insanidade Jue
eles reMeitam e condenamL/-1 Sempre s(rios) Gnunca penteados) raramente la#adosL) esses
Ier>is de 6risto encarnam o despreCo de si Jue de#e caracteriCar o #erdadeiro crist"o/ G6om
os caelos desarrumados e Iirsutos) suMos de poeira) mergulIados em sua imundície e em
seu suor) eles se lan!am sore o ad#ers?rioL) do Jual n"o temem a Gsel#agem ar?rieL/
Por outro lado) reconIece,se o mau crist"o) o mau monge) pelo fato de Jue ele ri:
G;estos ufes) face Iil?ria) andar frí#olo/ Ele ( inclinado $ rincadeira) ri facilmente por
nada/ Fiscou da mem>ria tudo o Jue conIecia) em si) de despreCí#el e) portanto) de
entristecedorA apanIou) em seu espírito) tudo o Jue conIecia de suas oas Jualidades ou) na
falta delas) imaginou,as/ Ele s> pensa) pois) em coisas agrad?#eis &sem se perguntar se tem
direito a elas'/ Por isso) n"o pode conter o riso nem ocultar sua alegria desmedidaL/ -

-2 SHB 8EFNFDB/ Sur les degrés d*humilité et d*orgueil$ V555) 1*/


-3 BU95N5EF) 9/ op/ cit/
-1 SHB 8EFNFDB/ A la louange de la milice nouvelle$ 5K) /
- 5dem) Sur les degrés d*humilité et d*orgueil$ V55) 10/
o canoniCar 8ernardo e =ildegarde) a 5greMa santificou dois agelastas autênticos)
dois inimigos do riso/ as 8ernardo e =ildegarde n"o representam toda a 5dade (dia)
feliCmente/ Eles eprimem a persistência de uma corrente Jue) na Iist>ria do cristianismo)
demoniCa o riso/ Essa corrente) Jue $s #eCes assume a primaCia) ( minorit?ria na 5dade
(dia/ 6omo acaamos de #er) essa (poca ri muito e ri de tudoA ( capaC de Comar de seus
pr>prios #alores) ou) antes) de parodi?,los) de rincar com suas normas e seus interditos) de
introduCir o lQdico at( no sagrado/

Nisso) a 5dade
essa epress"o (dia permanece
tem sentido/ eemplar:
ais do Jue por suas( realiCa!es
uma #erdadeira idade de espirituais
intelectuais) ouro) se ( Jue
ou
artísticas . estas s> concernem a uma ínfima minoria Jue #i#e do traalIo da imensa massa
camponesa confinada em espantosas condi!es materiaisA intelectualmente) o melIor #eio
depois .) a 5dade (dia ( grande porJue ( um dos raros momentos da =ist>ria em Jue
todas as categorias sociais) ricas ou pores) cIegaram a um consenso gloal sore os #alores
e o sistema de mundo) consenso Jue lIes permitiu parodiar) com serenidade) esses #alores)
rincar com eles sem desconfian!a) como crian!as Jue rincam de imitar Ggente grandeL)
for!ando o tra!o) faCendo,se de tolos) caindo no urlesco) Mustamente porJue têm confian!a
nos adultos enfaCeMos Jue os #igiam/ s risadas da 5dade (dia) mesmo as mais grosseiras
e oscenas) s"o risadas claras) confiantes) de um mundo Jue atingiu certo eJuilírio) Jue
n"o
riso se
da Juestiona e Jue
5dade (dia usufrui
( um talcrian!a/
riso de for!a #ital Jue se
esmo pode dar
Juando peao luo dederirponta,cae!a)
o mundo de si mesmo/no
B
6arna#al ou na festa dos oos) ela n"o acredita nisso nem um instante/
as ainda ( preciso Jue todo mundo participe/ s crian!as Jue rincam s"o) ao
mesmo tempo) cru(is com aJueles Jue se recusam a entrar no Mogo/ B riso medie#al (
origat>rio/  unanimidade ( a regra/ o contr?rio do Jue iIaWl 8aItine pretendia) n"o
( um riso popular de contesta!"o) mas um riso de massa e de eclus"o/  5dade (dia
eclui e marginaliCa) pelo riso) aJueles Jue #iolam seus #alores) ou Jue Juerem mud?,los)
como o testemunIam o cIari#ari ou o Iumor dos sermes/
o mesmo tempo) o Iomem medie#al) Jue parodia sua cultura na medida em Jue
confia nela deirnico)
riso torna,se maneiraoucoleti#a) n"oí)
at( cínico/ ( enganado indi#idualmente/
ele n"o rinca Na oser#a,o
com o mundo: farsa e na ef?ula) seu
constata)
lucidamente) Jue) no Juadro dos grandes #alores culturais e religiosos) proclamados pelas
autoridades) cada um sai dos apuros como pode) trapaceia) mente e #acila) porJue somente
o astucioso escapa/ B riso da 5dade (dia ( tam(m o riso da crian!a Jue) no teatro de
onecos) ri das trapa!as Jue os ladinos faCem com os ingênuos) mesmo Jue estes seMam
policiais ou p?rocos/ Esse riso ( pro#ocado pela tomada de consciência da dist7ncia
permanente Jue eiste entre os grandes princípios morais fiados e a conduta concreta da
#ida cotidiana) impiedosa para os tolos de JualJuer esp(cie/
Por fim) o Iomem medie#al ri com um duplo riso contradit>rio: seu riso de festa)
coleti#o) manifesta a confian!a Jue ele confere a seu conteto cultural) parodiando,oA o riso
indi#idual) pessoal) manifesta o praCer Jue ele pode ter ao enfrentar) em particular) o Jue
respeita em grupo/ Kiolar indi#idualmente o Jue se admira coleti#amente: n"o ( esse o sal
da eistênciaZ Bs Iip>critas cIamam isso de Iipocrisia/ Deiemos de lado as grandes
pala#ras/ B riso medie#al parece de#er,se) em grande parte) a essa duplicidade .
cumplicidade meio consciente/
=? mQltiplas #ariantes) como temos perceido/ E essa contesta!"o se aplica
essencialmente ao período central da 5dade (dia) do s(culo V5 ao V5K/ Em seguida) essa
alegre Iarmonia se desfaC/ Tudo se torna mais amargo/ B riso faC,se mais agressi#o) a
Comaria mais maldosa) a ironia mais cruelA os grandes medos suscitam risos ner#osos e
dia>licos/ Fictos e Comarias deformam a face das feiticeiras/ De cIofre) as autoridades
morais sancionamA proíem as festas parodísticas em Jue estronda a su#ers"o/ B riso do
fim da 5dade (dia ( marcado pela #olta do diao/ E) contudo) do grande medo do s(culo
VK #ai sair o enorme estrondo de riso raelaisiano da Fenascen!a) cuMos primeiros frêmitos
se misturam aos espasmos dos terrores da 8aia 5dade (dia/
@ - O RISO E O %EDO N# 3#IX# ID#DE %4DI#
O retor*o !o !iao

pesar dos recentes Juestionamentos) a periodiCa!"o cl?ssica da Iist>ria da


ci#iliCa!"o ocidental permanece muito #?lida/ Se a passagem de uma (poca para outra n"o
(transpostas
t"o esJuem?tica e rutal
em certos como M?Um
momentos/ foi dito)
dessestam(m se sae
limiares marcaJue) ao menos)daas5dade
a passagem soleiras s"o
(dia
para a (poca moderna) entre a metade do s(culo V5K e o fim do s(culo VK/

RIR $#R# NÃO "OR#R

Se o termo GcriseL tem um sentido) ele se encaia Mustamente ao longo desse período)
em Jue todos os domínios da #ida Iumana foram profundamente perturados) pro#ocando
uma #erdadeira muta!"o das mentalidades/ 5sso come!a no mundo repleto dos anos de *330)
Juando a superpopula!"o relati#a determina a #olta da escasseC e da fome) Jue tinIam
desaparecido Ia#ia s(culos/ Depois) Juase ao mesmo tempo) na metade do s(culo V5K)
inicia,se a mais longa guerra da =ist>ria) a ;uerra dos 6em nos) e surge uma das mais
terrí#eis epidemias Jue o mundo M? conIeceu) a peste negra) Jue matar? Juase um ter!o da
popula!"o e conIecer? recorrências at( cerca de *1<0/ Em uma Europa diCimada)
esfomeada) de#astada) a recess"o econmica se instalaA as tenses sociais agra#am,se e
degeneram: I? motins desde os anos de *30) re#oltas uranas a partir de *3+0/ s
autoridades ci#is enlouJuecem: crise da monarJuia na %ran!a) ;uerra das Duas Fosas na
5nglaterra) conflitos din?sticos ou interuranos na EspanIa e na 5t?lia/ s autoridades
religiosas cedem ao p7nico: o papado) de início eilado em #ignon) dilacera,se) em
seguida) com o ;rande 6ismaA circulam rumores do anticristo e de fim do mundoA os
astr>logos calculam e elucuramA os profetas aterroriCam,seA as Ieresias proliferamA
feiticeiros e feiticeiras multiplicam os shabats &ao menos segundo as autoridades'A a dan!a
macara sai dos cemit(rios superlotados para ornamentar capelas e igreMasA o maremoto
turco in#ade e sumerge 6onstantinopla) em *13/ s coisas n"o s"o melIores nas
uni#ersidades) nas Juais os pilares da raC"o s"o aalados pelo nominalismo/  dQ#ida) o
paradoo da Gdouta ignor7nciaL e a loucura est"o na moda/  Europa perdeu suas
referências/
N"o I?) portanto) de Jue rir/ O preciso) antes) tremer $ cIegada do pocalipse) Jue
9uís d_nMou manda ilustrar nos Juadros gigantes de uma tape!aria) ao redor de *3+0/ Bs
pregadores mendicantes) Kincent %errier em primeiro lugar) semeiam o terror/ E) contudo)
nesse Goutono da 5dade (diaL) o riso amplifica,se) a ponto de corir o medo/ Yuando
ou#imos esse riso) damo,nos conta de Jue os dois fenmenos est"o ligados/ N"o ( mais o
riso lQdico dos s(culos V55 e V555: ( um riso desarido) cacofnico) contestat>rio) amargo)
infernal . o riso dos alegres esJueletos da dan!a macara/ N"o se ri mais para rincar) mas
para n"o cIorar) e os ecos desse riso est"o $ altura dos medos eperimentados/
ean Delumeau analisou magnificamente esses medos/ * Ele tam(m mostrou muito
em como a 5greMa da#a aos fi(is meios de suportar essas angQstias Jue ela pr>pria
suscita#a/2 Procisses) ên!"os) intercess"o dos santos) indulgências) no#as de#o!es) sem
dQ#ida) aMudaram as gera!es do fim da 5dade (dia a n"o cair por completo no desespero
e na neurose coleti#a/ as) independentemente da f() os po#os tam(m foram sal#os pelo
riso/ Bs europeus do s(culo VK tentam assegurar,se rindo muito/ Diante do grande medo)
o grande riso/ E se esse riso ( desragado ( porJue) Juanto mais alto e ruidoso) mais ele
pode afugentar os maus espíritos) sufocar os rumores atemoriCantes) faCer esJuecer .
durante uma gargalIada . os perigos Jue amea!am/ GPois o medoL) escre#e 8ernard
SarraCin) Gtanto Juanto o riso) pode ser um rem(dio para a angQstia) para o medo religioso)
como o demonstrou magistralmente ean Delumeau em ) medo no )cidente& %alta escre#er
) riso no )cidente: teríamos ent"o duas Iist>rias paralelas dos dois imagin?rios) do riso e
do medoL/ 3
ean Delumeau nota igualmente Guma esp(cie de ri#alidade entre o riso e a religi"oL)
ou antes entre o Gsagrado s(rioL e o Gsagrado n"o s(rioL) para enfrentar a angQstia/
3ecameron testemunIa isso/ Na %loren!a assolada pela peste negra) em *31+) alguns reCam
em prociss"o) mas ( pura perda de tempo) nos diC 8occaccio: GO em #"o Jue organiCaram)
n"o uma #eC) mas #?rias) Iumildes preces pQlicas e procisses) e outras sQplicas foram
dirigidas a Deus
desaou seus por pessoas
dolorosos efeitosde#otasA
em todoJuase
o seuno inícioe afirmou,se
Iorror da prima#era
de do dito ano)
maneira o flagelo1
prodigiosaL/
Butros reagem pelo riso: GEles afirma#am Jue eer muito) usufruir) ir de um lado para
outro cantando e se satisfaCendo de todas as formas) segundo seu apetite) e rir e Comar do
Jue pudessem rir era o rem(dio mais certo para t"o grande malL/ De igual modo) diante da
a#alancIe de mortos) Geram raros aJueles Jue se como#iam com as l?grimas piedosas ou
amargas dos parentes/ o contr?rio) essas l?grimas eram) na maioria das #eCes) sustituídas
por risos) ditos alegres e festasL/ O assim Jue um grupo de Mo#ens) Iomens e mulIeres)
decide passar o tempo contando as Iist>rias) engra!adas se possí#el) Jue compem a trama
de 3ecameron&
Essas Iist>rias s"o tipicamente medie#ais/ Elas n"o anunciam uma no#a era: s"o o
canto do cisne de um mundo Jue termina) Jue mergulIa na derris"o Comando de si mesmo
e de seus #alores/ B sagrado n"o ( poupado/ o contr?rio) I? um praCer maligno) como nas
f?ulas) em rir dos monges dissolutos) em ridiculariCar cren!as populares) como o culto das
relíJuias) no in#ent?rio de Pr(#ert: GEle me mostrou) primeiro) o dedo do Espírito Santo
inteirinIo) mais sadio do Jue nuncaA o focinIo do serafim Jue apareceu a s"o %ranciscoA
uma das unIas dos JueruinsA um dos lados do Kerum 6aro encostado na ManelaA as #estes
da Santa %( cat>licaA alguns raios da estrela Jue apareceu aos três Feis agos no BrienteA
uma pluma cIeia do suor de s"o iguel Juando ele comateu contra o diaoA o mailar da
morte de s"o 9?CaroA e outras aindaL/  Tudo isso suscita#a Iilaridade: GTodos riam muito
do irm"o 6ipolla) e soretudo de sua peregrina!"o e das relíJuias #istas e traCidas por eleL/

* DE9UEU) / Le !éché et la !eur& La cul!abilisation en )ccident$ VIII eV0IIIe si+cle& Paris: *-+/
2 5dem) Rassurer et !rotéger& Le sentiment de sécurité dans l*)ccident dBautrefois& Paris: *-+-/
3 SFF]5N) 8/ GFir do diao da diaoliCa!"o///L/ 5n: Humoresques$ nR ) Presses Uni#ersitaires de Kincennes: *--<) p/32/

1 8B66665B) 3ecameron$ *a no#ela/


 5idem) *0a no#ela/
Fi,se tam(m do inferno) de onde #em um certo Tingoccio) Jue conta sua estada l?)
como uma esp(cie de par>dia de Dante: Geu irm"o) Juando cIeguei l? emaio) deparei
com um Jue parecia conIecer de cor todos os meus pecados e Jue me ordenou prosseguir
at( um lugar para epiar minIas faltas no meio de grandes tormentosA ali) encontrei
numerosos companIeiros condenados $ mesma pena Jue euA e) lemrando o Jue tinIa feito
com a comadre e esperando) por esse pecado) uma pena maior ainda Jue aJuela Jue me fora
imposta) emora esti#esse num grande fogo ardente) eu tremia de medo/ bB Jue fiCeste mais
Jue os outros Jue est"o aJui para tremeres tanto) mesmo estando no fogoZ_ bBI) meu
amigo_) respondi) btenIo muito medo do Mulgamento Jue me espera por um grande pecado
Jue cometi outrora/_ Ele me perguntou Jual pecado/ Fespondi: b%oi este: dormi com minIa
comadreA tantas #eCes Jue perdi a pele ali_/ Ent"o ele) rindo muito) disse: bOs um tolo) n"o
temas nadaA aJui) ningu(m liga para comadres_/ Bu#indo isso) fiJuei completamente
tranJuiloL/<
;aifonas para o diao . e) ao mesmo tempo) para a 5greMa) Jue o criou/ SemelIantes
impertinências encontram,se em 6Iaucer) ou nas #em novas novelas/ Fir do diao e do
inferno ( eorciCar o medo Jue se tem dele/ Bra) o diao est? em toda parte) nessa (poca/
]oma,se dele e ele Coma dos Iomens) em uma grande ufonaria tr?gica/ Ele (
representado) $s #eCes) mantendo seu fogo nos mist(rios) com orelIas de asno) o capuC com
+
guiCos) a tQnica #erde
e) em "istérios de s8oe #ris!im
amarela/e 
s8ofesta dos ooso$soo
#ris!iniano$ #eCese adJuire aressedeconfundem/
o possuído festa dia>lica)
-

RIR DO DI#;O E DO #NTI"RISTO

Nos dias Jue precedem as representa!es dos mist(rios) as diaruras se multiplicam)


cada #eC mais ufas) parodísticas e agressi#as/ Para o grande especialista da Iist>ria do
diao) effre 8urton Fussel) essas diaruras tornam,se Gpar>dias s(riasL/ *0 B mundo
infernal () cada #eC mais) tomado de forma derris>ria) e Sat") Jue comanda o aile) ( um
alegre companIeiro Jue gosta Jue riam em torno dele/ Em *-1) ;ottscIal =ollen
descre#e assim uma "issa de 7ogadores representada em cena: GBs Mogadores constroem
uma igreMa de Sat"A seus cardeais s"o os demnios do Mogo//// Suas igreMas s"o as ta#ernas e
os Mogadores) a comunidade/ ///  epístola come!a: bB ap>stolo Titi#illus) príncipe das
tre#as) aos êados: . 5rm"os) sede êados_L/** Em um mist(rio da mesma (poca) #ê,se
Sat" acompanIado de seis oos numerados celerando uma missa parodísticaA*2 em
-ai=8o de 5ro%es$ o oo pe o ast"o no lugar dos ídolos e declara: GO o ast"o Jue
dominaL/  entrada do inferno est? sempre representada no teatro: ( a G#ha!!e HellequinT$
oca do inferno) cuMo nome contamina certos personagens) como rleJuim/

< 5idem) a no#ela/


 EF95N) 6/ GB cmico das #em novas novelasL/ 5n: #ahiers de lBAssociation Internationale des >tudes Franaises$ n/3) maio
*-+/
+ =S95N;=U5S) E/ / 3e 3uivel in het drama der "iddeleeuen& 9de: *-*2/

- 6=8EFS) E/ / 5he "édiéval Stage& Bford: *-03) #/2/

*0 FUSSE9) / 8/ Lucifer: the 3evil in the "iddle Ages& 6ornel: *-+1/

** 6itado por BBPNS) / Le thétre des e=clus au "o%en Age& Paris: *--) p/0/
*2 U85N9) / "%st+res inédits du V0e si+cle& Paris: *+3) #/2/
B personagem de Sat" fica cada #eC mais ema!ado nas representa!es) cuMo sentido
torna,se confuso/ Ele ( ridiculariCado) mas) ao mesmo tempo) defendido) porJue aparece
cada #eC mais so os tra!os de uma #ítima/ Nos mist(rios) assiste,se a processos
parodísticos em Jue os diaos s"o a parte Jueiosa) acusando Deus de ter cometido uma
inMusti!a contra eles/ Eles s"o escarnecidos) mas sente,se) confusamente) Jue n"o est"o
errados/ osI( 9aCar escre#e a prop>sito de Advocacia 9ossa Senhora$ do s(culo V5K:
GNa confronta!"o) diante da corte suprema de Deus) Sat" n"o de#eria) segundo a l>gica e o
direito) perder o processoA por(m) segundo as regras do Mogo e do roteiro) ele s> pode sair
denegado) enganado) ridiculariCado/ /// Sat") consciente de desempenIar o papel de eterno
perdedor) sempre #encido de antem"o segundo as regras do cen?rio) adJuire) na bdi#ina
com(dia_) uma dimens"o pat(tica e at( mesmo um pouco tr?gicaL/*3
Em todo caso) tragicmica/ Fi,se do pore,diao) ode epiat>rio) #ítima de um
Deus cuMa Musti!a parece t"o contest?#el/ B Jue n"o impede Jue ele seMa le#ado muito a
s(rio/  multid"o participa #erdadeiramente do Jue #ê na cena) a ponto de enforcar o ator
Jue feC o papel de Sat" em -ai=8o de eau) ao passo Jue aJuele Jue representou o diao
em 3eses!ero se suicida tomando #eneno/*1 6om certeCa) o diao permanece
ferrenIamente mauA mas) ao mesmo tempo #ítima e respons?#el) ele ( oMeto de Comarias
e temores/ s #eCes) aparece carrancudo) continuando urlescoA ele ( Juem marca as pausas
cmicas no processo parodístico Jue concerne $s profisses/
Nos 6arna#ais) ele ( cada #eC mais presente/ Em Nuremerg) em *1) aparece um
no#o carro durante a parada: o G5nfernoL) repleto de demnios e oos/ Esse carro logo se
torna o centro das atra!es) e o grande Mogo consiste em tom?,lo de assalto) o Jue d? lugar
a alegres etra#asamentos/ 9ogo) esses confrontos degeneram para lutas religiosas: em
*3-) os Mo#ens patrícios colocam sore o carro a efígie de Bsiander) cIefe dos luteranos
da cidade) no meio dos loucos/ B conselIo da cidade interdita) ent"o) o corteMo de
Schembartl,ufer& A mesma degenera!"o ocorre na Suí!a) onde as autoridades tentam
disciplinar o 6arna#al/ Na =ungria) lugar em Jue as festi#idades e as mascaradas .
descritas) em *1<) por =ans Seold . duram Juase dois meses) o 6arna#al est?
estreitamente associado ao diao) como o testemunIa) em *02) o franciscano Pelart
Tames#ari) em seu manual de sermes) o -omerium& Em *2) o rei da =ungria) 9uís 55)
usa ele pr>prio a m?scara de Sat") com cornos de oi) ico de cegonIa e rao de serpente)
enJuanto os nores se fantasiam de diaos/
Nesse fim da 5dade (dia) a grande Juest"o tam(m ( a pr>ima #inda do anticristo)
precursor do fim do mundo/ B medo acentua,se a partir do fim do s(culo V5K) estimulado
pelas elucura!es prof(ticas/ Desde *31-) o carmelita Xilliam de 8lofield escre#e a um
dominicano de NoricI Jue circula um rumor: o anticristo M? tem deC anos e #ai reinar
como papa e imperador/ No mesmo ano) o franciscano ean de FoJuetaillade) em seu Liber
secretorum eventuum$ confirma Jue) sem dQ#ida) o anticristo M? nasceu: a peste ( um indício
dissoA outras cat?strofes #ir"o) pois ele de#er? reinar três anos e meio) de *3<< a *30) antes
de ser eliminado por 6ristoA #ir"o em seguida mil anos de paC) depois o assalto de ;og e
agog) ao redor de 230 e) enfim) o Mulgamento final/ Butros colocam o milênio antes do

*3 9]F) / Le diable et la 0ierge& Paris: *--0) p/*3/


*1 XB9T=U5S) ;/ X/ 3uivels'unsten en s!roo'7esgestalten& Studi`n over literatum en fol'lore& msterd": *-2) p/*1*/
anticristo) mas tam(m utiliCam a peste como signo anunciador/* Um autor francês da
metade do s(culo V5K) meditando sore a multiplica!"o das cat?strofes) tam(m #ê nisso
o anQncio da #inda iminente do anticristo/*< Um autor annimo inglês) em *3<) situa essa
#inda em *100) * tal como um Gadi#inIo desconIecidoL) citado por =enri de 9angenstein/
Entre o po#o miQdo) o des#ario traduC,se por mo#imentos sociais guiados por uma
esperan!a prof(tica/ S"o os flagelantes de *31+,*31-) Jue se fiam sore a cifra de 33 e
meio: 33 dias e meio de prociss"o) início de um mo#imento Jue de#eria durar 33 anos e

meio) período
ordem em Jue
no#a) pura) as ordens mon?sticas
desprendida desapareceriam
dos ens terrestres e tudo seria
e Jue duraria at( o sustituído por uma
fim do mundo/ Na
lemanIa) os flagelantes in#estem contra o clero) negando,lIe JualJuer car?ter
sorenaturalA eles contestam o milagre eucarístico) interrompem a missa/ Seu outro al#o s"o
os Mudeus) #ítimas de um !ogrom generaliCado/
Bs astr>logos tam(m se intrometem/ 6onforme uma predi!"o annima de *3+0,
*3+3) o anticristo nasceuA ele fora anunciado pela conMun!"o de GQpiter e Saturno no ano
de *3<) Jue significaria o nascimento de um no#o profeta/ Este seria o anticristo) Jue
destruiria a f( em esus 6risto por três anos e meio/ E JualJuer um pode reconIecer seu
ad#ento pela di#is"o desses três papas) dos Juais um ( o mensageiro do anticristo/ /// Butro
diC Jue) Juando a cidade de Paris for ofendida) ela n"o demorar? trinta anos para ser
destruídaL/*+
Para certos intelectuais) ( Juase o p7nico/ G6onsidero Jue nos restam apenas três
anos at( esse dia t"o temidoL) escre#e Nicolas de 6lamanges/*- Uma carta ap>crifa do gr"o,
mestre das Iospedarias de FIodes declara Jue o anticristo M? est? em a!"o) e EustacIe
DescIamps #ê) nas desgra!as do tempo) o traalIo de seus en#iados:
BI[ nticristo) M? #indos s"o teus mensageiros
para preparar tua Iedionda #indaA
e da lei de Deus aandonam o uso
falsos profetas) Jue M? #"o pelas ruas)
#ilas) cidades) paísA um mata o outro/20
B dominicano espanIol Kincent %errier deia atr?s de si um rastro de angQstia/ Em
+ de outuro de *3-+) em uma #is"o) 6risto lIe confiou a miss"o de pregar o eemplo de
Domingos e de %rancisco para oter a con#ers"o das multides ante a #inda iminente do
anticristo/ Ele #ai seguir essa ordem sem relaar) acrescentando profecias de sua la#ra/ Em
seu serm"o sore o anticristo de *0 de mar!o de *101) em %riurgo) ele anuncia Jue esse
agente de Sat" #ai seduCir os fi(is) com dinIeiro) com promessas) falsos milagres)
argumentos filos>ficos e) em seguida) torturar suas #ítimas/ GDe início ele #os tomar? todos
os ens temporais/ Depois) matar? as crian!as e os amigos na presen!a dos pais/ Em seguida)

* 9EFNEF) F/ E/ GTIe lac deatI and estern escIatological mentalitiesL/ 5n: American Historical Revie$ +<) n/3) *-+*)
pp/33,2/
*<
9EFNEF) F/ E/ 5he -oers of -ro!hec%& 8erele: *-+3) p/*01/
* XDSTE5N) E/ 3ie eschatologische Ideengru!!e: AntichristOeltsabbatOeltende und Oeltgericht$ in dn Hau!tmomenten

ihrer christlichmittelalterlichen Cesamtentic'lung& 9eipCig: *+-<) p/-3/


*+ 6itado por 8BUDEF) /,8/ GSim"o de %ares e as rela!es entre astrologia e profecia no fim da 5dade (diaL/ 5n: "élanges de

lBécole franaise de Rome$ t/ *02) n/2) *--0) p/<13/


*- N56B9S DE 69N;ES/ )!era omnia& 9on: *<*3) p/3*/
20 EUST6=E DES6=PS) alada **<1/
cada Iora) cada dia) ele #os arrancar? um memro depois do outro) n"o de forma contínua)
mas pouco a poucoL/
5sso n"o tardaria a cIegar/ Em *103) os indícios multiplicam,se/ Na 9omardia)
Kincent %errier recee a #isita do mensageiro de um grupo de eremitas Jue ti#eram a
re#ela!"o do nascimento do anticristo/ No Piemonte) um comerciante de KeneCa contou,
lIe Jue no#i!os franciscanos ti#eram uma #is"o terrí#el anunciando o mesmo
acontecimento/ 6oteMando os testemunIos) o santo concluiu Jue o anticristo est? cIegando

$ adolescência:
iminente porJueele de#e ter( no#e
o 6isma anos/di#is"o
a grande Em *1*0) ele escre#e
anunciada ao papa
por S"o PauloJue
ema sua
cat?strofe
segunda(
epístola aos tessalonicenses/ B anticristo #ai reinar por três anos e) depois de seu
aniJuilamento) Ia#er? 1 dias antes do fim do mundo/ N"o I? cIance) segundo Kincent
%errier) de um milênio de paC/2*
lguns anos mais tarde) um urguês de Paris anota) em seu 3i4rio$ em *12-) a
passagem de um pregador franciscano) irm"o FicIard) Jue se inspira no dominicano
espanIol e anuncia) para *130) acontecimentos etraordin?rios: GEle diCia ser #erdade Jue
cIegara Ia#ia pouco da Síria e de erusal(m e Jue l? encontrou Iordas de Mudeus Jue
interrogou/ Eles lIe disseram Jue o essias nascera) Jue iria passar,lIes sua Ieran!a) a
saer) a terra da promiss"o) e eles iriam para a 8ailnia em andos/ Segundo as Santas
Escrituras) esse essias ( o anticristo) Jue de#e nascer na cidade de 8ailnia) Jue outrora
foi capital dos reinos dos persasL/22
Diante dessa amea!a iminente) trememos) certamente) mas) mesmo assim)
encontramos maneiras de rir/ B anticristo . Juem poderia crerZ . presta,se aos disfarces
carna#alescos/ Ele ( colocado em cena) em *33*) em ) dia do 7ulgamento: rei#indicando
seus domínios) manda cunIar moedas com sua efígie/ Em um mandamento urlesco) ( dito
Jue todos os po#os de#em utiliCar essa moeda) so pena de morte/ Durante esse período
inteiro) o anticristo ( apresentado nas farsas como um personagem oo) o fatuus$ Jue
significa#a) na srcem) o Genfeiti!adoL/ 23 Seu papel cmico () de no#o) eplorado na (poca
da Feforma) em) por eemplo) A nova farsa do anticristo& Do lado protestante) o papa (
21
identificado com um anticristo
5sso ( #isto igualmente urlesco
nos Mogos na alem"es)
satíricos representa!"o
comode3es #oncilio
1nt'ristde0asnacht
5rento &*1'/
&*2*')
3ie 5otenfresser ou o "andamento de L2cifer aos !retensos clérigos$ escrito h4 @Z] anos
!or 9icole )resme &*0'/
Fiem do diao) riem do anticristo e riem tam(m desses grupos Jue a prega!"o
oficial torna respons?#eis pelas cat?strofes do período: os Mudeus) em particular) mas
tam(m os mouros) os Ier(ticos) os feiticeiros e as feiticeiras/ uitos escritos parodísticos
e de in#ers"o cmica s"o #erdadeiros rituais de eclus"o) de Gerradica!"o dos elementos
n"o deseM?#eis da sociedadeL) escre#e elle oopmans) Jue acrescenta: GEssas par>dias s"o
em menos gratuitas do Jue se pensa: elas traduCem aertamente os rituais de eclus"o e
testemunIam uma #is"o do Jue est? deslocado na sociedade atualL/2  liga!"o riso,diao,

2* %;ES) =/ Histoire de Saint 0incente Ferrier& 9ou#ain,Paris: *-0*,*-0/


22
Journal d*un bourgeois de -aris& Paris: ano *12-) n/00) ed/ do 9i#re de PocIe) *--0) pp/2,2</ Para as pre#ises relati#as
ao anticristo) #er 5NB5S) ;/ Histoire de l*avenir& Paris: *--</
23 BBPNS) / Le thétre des e=clus au "o%en Age& Paris: *--/

21 56=E9E) / 3as Antichristdrama des "ittelalters$ der Reformation und #egenreformation& 9a =ae: *-1/
2 BBPNS) / op/ cit/) pp/*+ e *-*/
eclus"o ( uma das linIas de defesa da cultura popular ocidental no s(culo VK/ B riso ()
ent"o) um riso de medo/
Bs Mudeus s"o o al#o preferencial/ Em Foma) no s(culo VK) eles se tornam) $ pr>pria
custa) a primeira atra!"o do 6arna#al) a ponto de) cerca de *00) os #iaMantes cIamarem o
6arna#al de Ga festa dos MudeusL/ Eles pagam duplamente os custos: de um lado) eigem,se
deles) por #olta de *100) JuinIentas pe!as de ouro) contriui!"o estendida) pelo papa) em
*120) a todas as comunidades Mudaicas de seus estadosA de outro lado) eles s"o fisicamente

atores/ 
de#em 6ompanIia
participar dos udeus
das corridas de desfila
Mudeus) em
JuetraMes amarelos
o papa Paulo 55e criou
#ermelIos e) soretudo)
ou confirmou eles
ao redor
de *10/ Sore a mais longa a#enida da cidade) denominada) por isso) o corso$ depois de
uma oa refei!"o) os Mudeus) Juase nus) s> com uma peJuena pe!a de tecido) de#em correr
at( o pal?cio do papa/ Para Jue tudo seMa ainda mais engra!ado) tam(m faCem correr os
corcundas) os mancos) os gordos) so o sarcasmo) as Comarias) as rincadeiras de mau
gosto/ =umilIa!"o infligida a uma comunidade) toda#ia) em integrada $ sociedade
romana) mas Jue) apesar de tudo) ( perceida como um elemento $ parte) a Jual se de#e
faCer sentir a diferen!a com um riso trocista/ Nas farsas e nos mist(rios) os Mudeus)
associados ao diao) s"o ridiculariCados com ele/ ssim) em -ai=8o de Asfeld$ a dan!a
dia>lica ( a Judden dancz 6risto ( #ítima de um compl Mudaico,dia>lico) e as anota!es
cênicas indicam:
Mudeus eem GEnJuanto
ao culto isso) eoscomem
do eCerro MudeusoecordeiroL/
os diaos2<dan!amL
O um risoe: agressi#o
GNo fim do canto) os
de eclus"o)
Jue comina com os !ogrons&

RISO D#S )EITI"EIR#S

N"o eiste feiti!aria Jue n"o seMa fonte de cmico/ elle oopmans pode) assim) falar
de Gduas etremidades Jue se tocam: a alegria do 6arna#al e a repress"o da feiti!ariaL/ 2 O
difícil) nesse domínio) distinguir a parte do cmico #olunt?rio da do cmico in#olunt?rio/
ssiste,se a empr(stimos mQtuos) do repert>rio da farsa para o dos manuais Gs(riosL) de
uso dos inJuisidores/ Bs rituais Jue) supostamente) se desenrolam ao longo dos sa?s
prestam,se particularmente a cenas ufas) como eiMar o traseiro de Sat" ou o rao de um
gatoA em outro sentido) as Iist>rias cmicas s"o seriamente integradas aos manuais de
perseguidores de feiticeiras) para ilustrar os poderes do diao) mas tam(m as artimanIas
pelas Juais se pode ausar dele/ Por eemplo) o diao diC) um dia) a um pore Jue #ai se
transformar em mula e Jue era preciso #ender essa mula ao ispoA o neg>cio ( concluído: o
ispo compra o animal e monta,oA ao passar perto de um rio) a mula salta na ?gua e afoga o
prelado/2+ B fato de encontrarmos essa anedota) ao mesmo tempo) em cenas cmicas do
teatro medie#al e nas oras de demonologia sore as artimanIas de Sat" ilustra em a
ami#alência do dia>lico Jue se pode eplorar tanto para faCer rir como para faCer tremer/
Um dos
maleficarum oumais
-il8oc(leres manuais redigido
das feiticeiras$ de demonologia
em *1+1dopor
s(culo famosoe "alleus
VK) oramer
=einricI acJues

2< 6itado em XEN]E9) E/ GDo Xorden due uden alle gescIantL/ 5n: Rolle und Fun'tion der Juden in s!tmillelalterlichen
S!ielen& uniJue: *--2) pp/*20,*21/
2 BBPNS) / op/ dt/) p/*-*/
2+ FySSE9) / 8/ Oitchcraft in the "iddle Ages& No#a or: *-2) p/+1/
Sprenger) pode) IoMe) ser lido como perfeita ora cmica) ao mesmo tempo urlesca e
grotesca) o Jue n"o era) e#identemente) a inten!"o de seus autores/ Estes apresentam) com
impertur?#el gra#idade) todos os símolos Jue permitem reconIecer as feiticeiras)
descre#endo seus poderes mal(ficos) as liturgias dos sa?s nos Juais os fenmenos de
in#ers"o sistem?tica oferecem desconcertantes semelIan!as com o desen#ol#imento dos
6arna#ais/ Feencontramos todo o ricaraJue dos relatos sore as artes dia>licas) das
Juais muitas s"o reapresentadas nas Iist>rias etraordin?rias de ;reg>rio) o ;rande) como
aJuela da freira Jue engole um diainIo Jue est? sentado tranJuilamente em sua folIa de
salada/
B mundo de ramer e Sprenger () literalmente) grotesco: tudo ( ilus"o) porJue Sat"
est? em toda parte na ora/ Este engana nossos sentidos) transformando os Iomens em
animais ou as #elIas em mo!asA ele pr>prio pode re#estir todas as aparências e dar $s
feiticeiras poderes etraordin?rios: elas podem deslocar,se #oando) pro#ocar
metamorfoses/// Uma de suas m?gicas fa#oritas) Jue ocupa numerosos capítulos do manual
. e Jue re#ela muito das preocupa!es dos inJuisidores .) ( Gpri#ar o Iomem de seu
memro #irilL/
B Jue elas faCemZ 6olocam esse >rg"o em uma caia ou em um ninIo) onde ele
fer#ilIa como grandes #ermes/ Yuem perde o seo pode consultar uma feiticeira para ter
um de reser#aA ela apresenta $ pessoa um magnífico prato deles) dentre os Juais pode,se
escolIer um/ Bs inJuisidores citam testemunIos como o daJuele Iomem Jue escolIeu o
maior deles) mas n"o pde otê,lo porJue esse imponente pênis era de um padre) logo)
consagrado/ Tudo isso ( contado em latim) com a maior seriedade: Gs feiticeiras
colecionam grande nQmero de >rg"os de macIo) at( #inte ou trinta) e colocam,nos num
ninIo de p?ssaro ou encerram,nos em uma caia) onde eles se meem como >rg"os #i#os e
comem a#eia e trigo) como pudemos constatar e tal como ( de conIecimento pQlico/ DiC,
se Jue isso ( ora de ilus"o dia>lica/ Um Iomem testemunIou Jue) depois de ter perdido
seu memro) procurou uma feiticeira muito conIecida para pedir,lIe a restitui!"o/ Ela disse
ao Iomem amputado Jue suisse em determinada ?r#ore e escolIesse o Jue preferisse em
um ninIo onde Ia#ia #?rios memros/ Ele escolIeu um muito grande) e a feiticeira lIe
disse: bN"o podes ficar com esse/// porJue esse ( do p?roco_L/ 2-
Um prodígio) se ( Jue se podem escre#er coisas semelIantes sem se rir/ tr?s dessas
elucura!es de#emos ler o medo da castra!"o e da impotência #iril) tanto mais Jue o tema
ocupa um espa!o desproporcional no manual/ Bs autores) Jue se dirigem a um pQlico sem
condi!es de recorrer a um eorcista) est"o conscientes de Jue essas Iist>rias s"o iluses
sugeridas pelo diao e Jue pem em Mogo a fun!"o reprodutora do Iomem/ Eles #i#em num
mundo grotesco) n"o se pode ter certeCa de nada confiando nos sentidos/ Seu grotesco ( um
grotesco inJuietante) monstruosoA ( o grotesco da aliena!"o) segundo X/ aser) aJuele
das 5entaes de Santo Ant/nio$ Jue tantos pintores do s(culo VK5 iriam ilustrar) aJuele
das #ises de ernimo 8oscI) de um mundo totalmente desarticulado em Jue os elementos
do real se recompem com maior fantasia . ( o grotesco demoníaco/ O tam(m aJuele de
rcimoldo) de suas Gcae!as compostasL de frutas e legumes) ou do mundo euerante de
8ruegel) em Jue se misturam) em uma efer#escência sinistra) a morte) a loucura) a
monstruosidade e alguns seres Iumanos des#airados/

2- FEF) =/) SPFEN;EF) / "alleus "aleficarum& No#a or: ed/ ontague Summers) *-1+) p/*2*) parte 55) Juest/5) cap//
Nesse tor#elinIo ensurdecedor de formas e sons) a farsa) o mist(rio e a demonologia
reQnem,se em uma celera!"o do diao) da loucura e da morte) em Jue o grotesco encontra
o sulime e a angQstia eplode de rir/ No momento em Jue tudo se torna possí#el pelos
sentidos enlouJuecidos) nada mais ( s(rio) e s> o riso pode dissipar a alucina!"o/ Yuando
%ouJuet) em "istérios de santa A!ol/nia$ coloca um uf"o Jue aaia as cal!asA Juando
nas ruas se desen#ol#em furiosas diaruras e sore os palcos se afoam títeres com
m?scaras CoomorfasA Juando os demon>logos contam como os diaos) mais numerosos Jue
mosJuitos) cortam os ares le#ando) cada um) um feiticeiro Jue deiam cair se) por acaso)
escutam o som de uma Ave "aria)30 de#emos n"o apenas Gcon#ir Jue nossos ancestrais
tinIam um gosto muito particular pela farsa) pela malícia) na #ida realL) como escre#e elle
oopmans) 3* mas tam(m constatar Jue os Iomens do s(culo VK) enlouJuecidos com as
desgra!as da (poca) rincaram com seus medos/ Um Mogo Jue nem sempre ( consciente)
mas Jue sempre ressalta o aspecto cmico dos acontecimentos/ Yuando o mundo tam(m
se torna asurdo) Juando as cat?strofes se acumulam a esse ponto) Jue faCer sen"o rirZ Fir
de tudo) rir de todos) dos ecluídos e dos poderosos) da loucura e da morte) de Deus e do
diao/ Nos 6arna#ais) proliferam deuses de drages) imagens de perigos domesticados)
como a famosa tarasca) a esta epnima de Tarascon) Jue aparece pela primeira #eC em
uma parada de *1</ Em *11) organiCou,se a primeira corrida da tarasca) com grande

refor!o de gritos e de risos: a derris"o #ence o monstro/

# IRONI# "EG# #T DEUS

Deus n"o ( poupado pelo riso) nesse fim da 5dade (dia/  tradi!"o das missas)
preces e sermes parodísticos certamente n"o ( no#aA mas) nesse caso) tam(m o tom muda/
Diante da aparente in(rcia di#ina perante as cat?strofes) o riso torna,se acusador/ Soretudo)
n"o le#anta o dedinIo para socorrer,nos/ K>s Jue tudo podeis e Jue nos amais tanto[ BlIai,
nos sofrer[ Esse ( o sentido das preces parodísticas Jue #êm $ luC no s(culo VK/ Desta #eC)
a lasfêmia n"o est? longe) como o testemunIam dois -ater 9oster do fim do s(culo V5K
Jue) com nuance trocista) felicitam Deus por ficar tranJuilamente no c(u) enJuanto males
de toda esp(cie se aatem sore a terra e o cl(rigo furta suas o#elIas/ Ningu(m sae o Jue
os Iomens fiCeram para merecer semelIante sorte) mas o SenIor tem toda a raC"o em ficar
longe dela/ Essa ( a li!"o do -ater 9oster em quartetos:
-ater noster Jue (s em s?io)
tu (s digno de todos os lou#ores)
porJue l? em cima fiCeste tua morada
e em alto te escondeste
In celis&
Em nosso presente o mal aunda)
6ada um ( cIeio de orgulIo e de ira/

N"o I?) de
algu(m neste mundo)
Juem se possa diCer:
Sanctificetur&

30 O o Jue escre#e) em *<*2) P5EFFE DE 9N6FE) grande perseguidor de feiticeiros) em 5ableau de lBinconstance des mauvais
anges et démons&
3* BBPNS) / op/ cit/) p/22*/
PorJue) nos tempos Jue ora correm)
Juele Jue menos sae
( o Jue mais pode angloriar,se na corte
e lasfemar contra ti e despreCar
9omen tuum&
Por isso) se Jueres aceitar meu conselIo)
Em cima) em alto) de#es ficar)
no paraíso) em nore gl>ria)
e nunca aJui emaio descer?s
1t in terra&
Eu me admiro e me mara#ilIo
PorJue estamos em tal perigo
por aJueles Jue usam #este #ermelIa
e s> faCem tomar e comer
-anem nostrum&
N"o I? uma Qnica #eC)
porJue n"o I? dia da semana)
em Jue eles n"o nos pilIem
de tal forma Jue mal podemos sore#i#er
#otidianum&
Bra) n"o sei o Jue fiCemos
Nem se pensas Jue isso #ai durar)
PorJue n"o acredito Jue eista
Ningu(m no mundo Jue a tanto resista
Sicut et nos/32
Essa ironia se encontra tam(m no -atenostre de Lombardie$ Jue data da mesma
(poca/ G9omardL () ent"o) mais ou menos sinnimo de GrapaceL) GopressorL/ 
agressi#idade ( patente: GN"o (s louco) Pai Nosso) Te escondeste l? em cima) enJuanto os
diaos e os ingleses nos tomam !anem nostrumL/
-ater noster$ tu n"o (s louco)
porJue te colocas em grande repouso)
Jue suiste alto in celis:
porJue) agora) neste país)
n"o I? ningu(m Jue seMa sanctificetur
nem Jue pense no tempo futuro
nem Jue in#oJue nomen tuum&
S> pensam no mal noite e dia
Bra) cuida,te em in ceio
sem te deiar) eu te lou#oA
porJue os diaos saidos reinam
e tudo re#ol#em e tudo tomam
e ( inferno et in terra&
E s"o espertos ingleses
Jue rouam !anem nostrum
e nos d"o muita pancada/
E aJueles Jue nos de#eriam guardar
S> faCem atormentar,nos
6om sua gula quotidianum$
tiram o nosso sem raC"o
e nem diCem: da nobis&

32 anuscrito da 8ilioteca da Uni#ersidade de ;enera) *- bis$ fls/+,-/ TrecIo srcinal em fr7nces arcaico/ &N/ T/'
%aCes muito em ficando aí
porJue aJueles Jue mantêm a guerra
n"o o faCem por nenIuma terra)
mas s> para ter a nostra&
Bra) n"o acredites nisso)
porJue se c? emaio esti#esses
e n"o souesses te defender)
eles te fariam sicut et nos&33
Uma Ave "aria parodística d? o mesmo conselIo $ Kirgem: fica aí em cima/ Esse
tipo de literatura prolifera no s(culo VK/ Encontraram,se) entre outros) um -ater 9oster
des Anglo%s e um -atenostre do !ovo comum segundo os tem!os que correm$ muito
anticlerical) Jue denuncia os padres parasitas:
-ater noster$
Jue faremos entre n>s)
pores traalIadoresZ
Todos n>s carregamos acima de n>s
esses padres nores) Mo#ens e #elIosA
e depois Jue tudo tomaram)
n>s somos pores sofredores
para ti qui es in celis&31

Ave tarde)
6itemos aindae) amais
bons com!anheiros "ariaodes 1s!aignolz$
.enedictus o Invitatoire
, confus8o bachique$
e , ru(na a Litania dos
dos huguenotes& Bs
alegres sermes eploram o mesmo #eio/ lguns s"o simples par>dias lQdicas oscenas)
como aJuela composta pelo cronista ean olinet sore Saint .illouard$ serm"o de duplo
sentido) Mogando com a superposi!"o dos ní#eis Iagiogr?fico e anatmico: ele pode ser
ou#ido pelos ou#idos castos) como a #isita reformadora Jue o santo faC a um con#ento) e
pelos ou#idos maliciosos) como a #isita enfaCeMa de um pênis a um seo feminino/ olinet)
Jue #i#eu perto de Kalenciennes) no fim do s(culo VK) parece ter,se inspirado num caso
de possess"o dia>lica Jue aconteceu nas proimidades/
as os alegres sermes degeneram rapidamente em crítica social e religiosa/
Tornam,se ocasi"o de #irulentas s?tiras anticlericais) cuMo tom aumenta no início da
Feforma/ Segundo uma testemunIa) GJuando o luteranismo come!ou em 87le) uma mulIer
suiu ao pQlpito) no faubourg Saint,ean) /// e recitou um alegre serm"oL/3 s par>dias
religiosas adJuirem igualmente uma nuance política) desde o início do s(culo V5K) como a
par>dia latina de um Iino de Kenance %ortunat) o 0e=illa regis !rodeunt$ glorificando o
assassinato de Piers ;al#eston) fa#orito de Eduardo 55) da 5nglaterra/

O RISO #GRESSIVO D#S F#LEGRES SO"IED#DESH

Tudo isso anuncia um no#o clima) em Jue o medo d? ao riso um tom agressi#o e
#iolento/  mudan!a
ou espont7neas/ Uma (delas
notada especialmente
pode nas festas)
ser#ir de prot>tipo/ seMam elas
Em rras) regulares)
em *131) organiCadas
no transcorrer de

33 8ilioteca Santa ;eno#e#a) ms/ -2) *3/ TrecIo srcinal em fr7nces arcaico/ &N/ T/'
31 6itado por 59KBNEN) E/ -arodies de th+mes !ieu= dans la !oésie franaise du "o%en Age& =elsingfors: *-*1) p/3+/
3 6itado por P%FUNDEF) E -faffen$ Wetzer$ 5otenfresser& Fastnacht'ulture der Reformationzeit& 3ie .erner S!iele von 9i'laus

"anuel& ]uriJue: *-+-) p/*30/


um in#erno muito rigoroso) Jue castiga demais a popula!"o) esta se di#erte construindo
personagens de ne#e ou de gelo) em diferentes lugares da cidade/ 6onforme um teto
contempor7neo) #ê,se aí) entre outros) Gno Juarteir"o da Fua de =aiCerue) um pregador
cIamado irm"o ;alopin faCendo sua prega!"o: esperan!a) deseMo e paciência/ Da mesma
forma) diante de 9o( Dieu Ia#ia a dan!a macara) em Jue esta#am) em figura de ne#e) o
imperador) o rei) a morte e o Mornaleiro/ Diante da porta de iolens) esta#a o rei e Paudesire
e seu #alete/ Na Fua de olinel foi feito o ;r"o,SenIor da 6urta Kida e depois sua
sepultura/ Na entrada da aadia foi esculpido um Iomem sel#agem e sua criada) Jue tinIa
por nome argotine/ Diante do Drag"o um alergueq) a ;rande DonCela) e em #olta da
torre Iomens de armas) e na entrada esta#a PerigoL/ 3<
ssim) espontaneamente) n"o somente os Iaitantes de rras Comam do frio) mas
estendem seu riso a perigos mais permanentes) de outra ordem: a dan!a macara) Jue le#a
todo mundo) inclusi#e os perigos da #ida política da (poca . a ;rande DonCela ( oana
d_rc) Jueimada três anos antesA a derris"o atinge igualmente o clero) o rei) os senIores/
%iada no gelo) toda a sociedade do s(culo VK) diante de seus medos) de suas inMusti!as)
fica eposta $s piadas da multid"o/ B riso adJuire) aJui) aspectos #ingati#os/ Foert
ucIemled comenta: GEssa festa espont7nea da ne#e epele tanto os medos reais)
particularmente do frio e da morte) como os temores nascidos da suMei!"o $s autoridades)
ao rei) os
Paris) $ 5greMa/
#alores6omo na dan!a
oficiais) macara
impostos contempor7nea)
pela oediência no poderes)
a esses 6emit(rios"o
doscriticados)
5nocentes)pela
em
cita!"o da morte Jue ni#ela as condi!es) mas tam(m pela derris"o e pela ironia) pelo
riso///L/3
 constata!"o pode ser estendida $ maioria das festas da (poca) Jue Foert
ucIemled classifica em oito categorias e nas Juais ele #ê apontar uma Gagressi#idade)
filIa do medoL/ Essa agressi#idade se descarrega ao mesmo tempo pela #iolência e pelo
riso/ B 6arna#al) com sua licen!a) suas turulências) seu mundo $s a#essas) ( sua epress"o
mais apropriada/ B Jue muda) em rela!"o $ (poca precedente) ( o car?ter muito mais
eplícito e preciso das aluses/  derris"o) agora) aponta o dedo para os al#os/ Na
lemanIa) no fim do s(culo VK) #ê,se aparecer nos corteMos carna#alescos os Lufer$ Jue
dan!am e correm) re#estidos por uma grande tQnica sore a Jual s"o pregados ilIetes com
as cIa#es de S"o Pedro: s"o os #endedores de indulgências) e sore as letras encontram,se
os nomes das m?scaras do 6arna#al/
Nos 6arna#ais alem"es) ( por #olta de *100 Jue aparece o Fastnachts!iel$ peJuena
pe!a cmica em forma de farsa) Jue adJuire progressi#amente mais import7ncia e cuMo
car?ter satírico se acentua cada #eC mais/ Um autor como =ans SacIs &*1-1,*<' escre#eu
uma centena delas/  categoria dos "eistersnger$ poetas uranos faceciosos) compe
tam(m peJuenas ufonarias ou f?ulas urlescas de um gênero srcinal) o Schan'$
denunciando os ausos: o -faffe van Walenberg$ de *13) por eemplo) relata as a#enturas
urlescas de um p?roco uf"o Jue engana seus paroJuianos/
 ora,prima do gênero ( 5ill 1ulens!iegel$ pulicada em *1+: ( a Iist>ria de um
Ier>i popular) morto em meados do s(culo V5K) Jue) trocista) ironiCa tanto os urgueses
Juanto os padres) senIores e monges e at( o papa em uma s(rie de a#enturas urlescas/
3< rcI/ unic/ drras) 88) f +#x/
3 U6=E89ED) F/ #ulture !o!ulaire et culture des élites dans la France ")31R91 EV0eV0IIIe si+cleU$ ed/ 6Iamps,
%lammarion) *-+) p/*<3/
Essas farsas assumem um tom amargo e cruel e contornos de crítica social/ B ca#aleiro (
apresentado como uma esp(cie de degenerado medrosoA o cl(rigo) como um pedante
parasitaA o padre ( um trapaceiro/ umenta a press"o sore os refrat?rios ao riso) cuMa
seriedade repro#adora ( considerada marca de Iostilidade $ causa popular/ Se o riso () mais
Jue nunca) origat>rio no 6arna#al) ( porJue ele se torna um símolo de Comaria) um
emlema da perten!a $ grande confraria do esc?rnio contra as autoridades em falência/
GEsse MogoL) escre#e acJues =eers) Gpresta,se muito em a criticar todos os impostores)
todos aJueles) estrangeiros ou reticentes) Jue se mantêm a dist7ncia das festas) Cangam,se
ou repro#am,nas aertamente/ Daí uma s(rie em conformista) igualmente) uma gama
regrada de peJuenos Juadros Cometeiros para escarnecer) imitar os maus modos dos
raugentos ou dos soerosL/3+
 sistematiCa!"o do riso pQlico e sua organiCa!"o em instrumento de derris"o social
s"o ilustrados pelo aparecimento) no fim da 5dade (dia) das Galegres sociedadesL/ Seu
papel) contudo) ( amíguo/ De um lado) testemunIam o rigor do mo#imento de Comaria
su#ersi#a Jue caracteriCa a (pocaA mas) de outro lado) $ medida Jue esse mo#imento
decorre de um molde associati#o) ele ( circunscrito) delimitado) regrado) organiCado) ou
seMa) manipulado/ Passa,se da fase do riso espont7neo) epress"o li#re da ase) $ do
sindicato do riso/ E) ent"o) tudo depende da for!a e das circunst7ncias locais/
Uma das mais c(leres) dentre as sociedades) ( a G6ompagnie %olie de DiMonL) ou
6ompanIia da "e 9ouca/ Ela aparece em um mandado do duJue de 8orgonIa) de *11)
Jue confirma seu direito de organiCar) todo ano) a festa dos Goos alegresL e proíe
JualJuer um de opor,se a ela:
E Jue alegres loucos
sem perigo do costume
de nossa capela fa!am
a festa oa e ela)
sem ultraMe ou derris"o/
Bs JuinIentos memros da sociedade s"o oriundos da urguesia das pessoas da lei)
comerciantes) mestres de oficio) e suas ati#idades giram em torno da celera!"o da folia/ 
frente fica#a a "e 9ouca) Jue era aJuele Gmais recomend?#el por sua oa aparênciaLA
cercado de uma corte) ele de#ia ser muito rico para financiar oa parte das festas/ No
decorrer delas) os memros ordin?rios) Jue se diCiam Glun?ticos) #entilados) aduncos)
almanaJues #elIos e no#os) Ieter>clitos) Mo#iais) melanc>licos) curralistas) saturninos)
fan?ticos) alegres) col(ricosL) forma#am a infantaria e desfila#am em roupa de oos)
ast"o na m"o) precedendo a carruagem da "e 9ouca/ Not?#eis da cidade) fantasiados de
#inIateiros) declama#am #ersos satíricos contra as autoridades) ci#is e eclesi?sticas)
#isando personagens de forma muito precisa/ B conMunto era organiCado e) antes)
comportado/  composi!"o social e a prote!"o ducal parecem garantias suficientes contra
JualJuer des#io su#ersi#o do riso/  companIia contar?) de resto) com memros de
prestígio) como =enriJue de 8ouron) príncipe de 6ond() =enriJue de 9orraine) conde de
=arcourt) ou o ispo de 9angres/ Para ser admitido) ( preciso sumeter,se a um eame
cmico) durante o Jual se de#e ter presen!a de espírito em r(plicas e tr(plicas e recee,se
um diploma em língua urlesca) par>dia do Marg"o Murídico/

3+ =EEFS) / F6tes desfous et carnavais& Paris: *-+3) p/2*/


B car?ter aristocr?tico ( mais marcado ainda nos 6a#aleiros da Brdem dos 9oucos)
fundado em 6l^#es) em *2 de no#emro de *3+*) por dolpIe de la arc) conde de
6l^#es) e por 3 senIores Jue) Juando da assemleia anual) #i#em em total igualdade/ O)
ali?s) o Qnico elemento Jue parece Mustificar seu título de loucos/ Em Paris) os GEnfants sans
SouciL) Jue desfilam em traMes de oos em lR de Maneiro) parecem totalmente inocentes:
alguns cantos mais ou menos idiotas) caretas) ufonarias/// Em Fouen) a confraria dos
G6oJuelucIiersL pratica as mesmas ati#idades/  dos G6onnardsL) ou G6ornardsL) Jue a
sucede na mesma cidade) passeia seu aade dos G6onnardsL) portando cruC e mitra) por toda
a cidade/ Em E#reu) ( num ** de MunIo) dia de S"o 8arna() Jue tem lugar a Facetia
#onardorum& Nesses corteMos) satiriCam,se os acontecimentos marcantes do ano
transcorrido/
Todas essas sociedades representam um contrapoder urlesco) com seu aade) ispo)
príncipe) m"e) com títulos cmicos: príncipe dos tolos) príncipe da alegria) príncipe dos
estou#ados) m"e louca/ %reJuentemente) I? um aade de augou#ert . isto () de mau
go#erno . Jue a preside) o Jue fornece ocasi"o para processos urlescos em Jue a
IierarJuia ( in#ertida/ No norte da %ran!a) essas sociedades s"o particularmente numerosas
e ati#as e têm liga!es entre si/ B aade do Qilo) cuMa eistência em rras) de *13* a
*31) ( certa e ( eleito pelos not?#eis da cidade) administra um or!amento importante .
mais de uma
em Ionra centena
de seus de lirasdas
Iom>logos . cidades
destinado $ organiCa!"o
#iCinIas/ das festi#idades
Ele pr>prio ( con#idadoe para
dos anJuetes
a festa do
Fei dos Tolos) em 9ille) em *1-) assim como para aJuela do Príncipe do PraCer em
Kalenciennes e para a do Príncipe da u#entude) em 8(tIune/ Em 1 de fe#ereiro de *1-1)
em ire,sur,la,9s) s"o reunidos o ade do Qilo) o Príncipe e o ade da u#entude) o
9egado do Eagero e o Fei das 8aras 6inCas das cidades #iCinIas para os torneios
urlescos/
tr?s da facIada dos estatutos dessas sociedades e dos #agos resumos dos cronistas)
memorialistas e redatores de di?rios pessoais) adi#inIa,se) por(m) Jue) na realidade) essas
manifesta!es aparentemente inocentes podem dar lugar a derrapagens e etra#asamentos)
Juando ressurge o elemento su#ersi#o do riso/ s regras da polícia) aplic?#eis ao tempo
do 6arna#al) por eemplo) deiam pressupor tumultos/ Em *1-1) ordena,se a todos os
estrangeiros Jue #êm participar do Domingo ;ordo) em rras) Jue deiem as armas com
seus IospedeirosA solicita,se aos #agaundos Jue saiam da cidade e arra,se o acesso aos
parapeitos/ O um período muito difícil para as autoridades) confrontadas com um enorme
afluo de forasteiros) uma desordem incontrol?#el) em fa#or da Jual) acoertadas pelas
m?scaras) todas as andalIeiras s"o possí#eis/ Um sinal re#elador dessa dificuldade de
administrar a situa!"o ( Jue) em *1-0) foi suspenso o eercício normal da usti!aA pede,se
aos sargentos para n"o efetuar prises durante as festas/  cidade est? nas m"os de sua
deCena de alegres sociedades/
Bra) essas sociedades n"o parecem contentar,se em rincar de Jueimar gatos nem o
Fei 6arna#al em distrair gigantesA elas deri#am para a oposi!"o político,religiosa) Jue pode)
so a coertura do riso) descamar para a Ieresia/ Nessa cidade de rras) em *13-) foi
Jueimado) como #aldense) o poeta ean %renoe) Jue tinIa sido) outrora) um dos soeranos
de alegres sociedades) o aade de Pouco uíCo/ Bs #aldenses de rras) suspeitos de formar
uma seita dia>lica) celerando missas parodísticas) eram) ali?s) cIamados de buffones/3-
Bs elos entre as alegres sociedades) Ieresia e feiti!aria tam(m est"o estaelecidos em
6amrai/ Em *1-) em 9angres) ( Jueimado outro Ier(tico) tam(m e,ade de Pouco
uíCo) o pintor ean 9a#ite/ Da mesma forma) s"o pro#?#eis as rela!es entre a seita Ier(tica
dos Turlupins) importante em 9ille nos anos de *1<0) e uma sociedade de atores de
e#ille/
6om a Feforma) esses #ínculos se refor!am/ Em Kalenciennes) uma alegre

sociedade)
riso a Principado
e a ironia dadiao
a ser#i!o do Di#ers"o) ( acusada) diretamente
e do cal#inismo: pelas autoridades)
GEssas nescidades e pr?ticas dedeinsensateC
utiliCar o
n"o s"o de forma alguma toler?#eis se n"o forem do interesse da Ionra de DeusA ou seMa///
mas o diao n"o tinIa inten!es Jue n"o #issassem a preparar trag(dias #ergonIosas para
Deus e lament?#eis para os Iomens: pretendia) com essas tolices) arir as portas aos
sacrílegos de 9utero e de 6al#ino) animando essas com(dias e espet?culos//// Entre Mogos e
farsas profanas Jue reaiam a dignidade das coisas sagradas e os ministros da 5greMaL/ 10
s mesmas acusa!es se aplicam aos Tolos de ;enera e $s 6rian!as sem 6uidados de
;uenne/ Em *1-) uma Gcrian!a sem cuidadosL de Fouen foi presa em Noon e Jueimada
em Paris/1*
B riso da festa n"o ( apenas suspeito de conluio com a IeresiaA ele pode tam(m ser
instrumento de desestailiCa!"o das autoridades ci#is/ Todos os anos) durante o 6arna#al)
os G6onnardsL de Fouen e O#reu) dirigidos por seu Abbas #ornadorum$ ridiculariCam os
magistrados e mantêm um triunal so as Manelas daJueles de Juem Juerem escarnecer/
li?s) as #ítimas s"o ca#aleiros) mestres) senIores/ Tudo isso) so o efeito dos males do
tempo) corre o riso de degenerar/ G su#ers"o do poderL) escre#e aurice 9e#er) Gest?
inscrita no pr>prio poder: a ordem eiste para ser perturadaA a IierarJuia) para ser
in#ertidaA o sagrado) para ser profanado/ N"o I? sociedade Jue n"o gere seus pr>prios
gêneros de transgress"oL/12

D# LOU"UR# NEG#TIV# ;R#NTJ , LOU"UR# $OSITIV# ER#SOJ


Em todas essas manifesta!es) oser#a,se a onipresen!a da loucura) Jue cada #eC
mais fascina o Iomem do fim da 5dade (dia/ B louco) com sua roupa tradicional) est?
presente em toda parte) at( mesmo ser#indo de assinatura ou marca nos recios de um pintor
alem"o) lert de =orst) Jue traalIa) em *1+) a ser#i!o do capítulo da catedral de
Tr(guier/ Essa osess"o pela loucura Jue go#erna o mundo) derris"o suprema de uma
sociedade Jue perdeu suas referências) de um mundo Jue se tornou amargamente risí#el)
culmina com 9au dos insensatos e 1logio da loucura$ de *1-1 a *0-/
B louco sempre inJuietou o Iomem racional) Jue) de om grado) atriuiu $
di#indade a srcem das desordens de comportamento) nomeando) por eemplo) a epilepsia
de Ggrande malL ou Gmal sagradoL/  loucura: possess"o dia>lica ou possess"o di#inaZ K?

3-
=NSEN) / Quellen und Kntersuchungen zur Ceschichte des He=enahns und der He=enverfolgung im "ittelalter& 8onn:
*-0*/
10 6itado por BN5;SBN) E/ La re!résentation d*un m%st+re de la -assion , 0alenciennes en @\ZM& Paris: *-<-) p/*2/

1* P56BT) E/ Recueil général des sotties& Paris: 3 #ols/) *-02,*-*2) t/ 555) p/+*/
12 9EKEF) / Le sce!tre et la marotte& Histoire des fous de cour& Paris: *-+3) p/-2/
saer[ Fesulta disso uma dupla atitude/ De um lado) o respeito/ ssim) cIega,se a faCer
deri#ar o termo GcretinoL de Gcrist"oL e GpatetaL & ben6t' de benedictus fala,se igualmente)
na 5dade (dia) do Glouco esusL: este n"o endisse os pores de espírito) e sua saedoria
n"o ( loucura para os IomensZ Erasmo n"o Iesita em ilustrar o 1logio da loucura com a
cae!a de 6risto usando um capuC com guiCos/ B louco pode ser o morosofo) aJuele Jue
diC a #erdade e Jue ( um louco Jue Panurgo #ai consultar para saer se de#e se casar/
9oucura e misticismo mantêm #ínculos misteriosos/13

Do(outro
perigoso) lado) a reMei!"o/
freJuentemente B louco
ecluído) ( aliado
epulso) do diao)
$s #eCes a representa!"o
em grupos miser?#eis/do irracionalA
Esses d(eis
mentais) em certas ocasies) s"o en#iados com outros doentes para os santu?rios . como
o de ;Ieel) sore o Feno/ S"o essas err7ncias Jue est"o na srcem do tema de 9au dos
insensatos$ Jue S(astien 8rant ilustra) em *1-1) em um grande poema) rapidamente
traduCido e imitado/ osse 8ade produC 9au dos loucos$ em *1-) e urner #ons!ira8o
dos loucos$ em ***/ B tema liter?rio da nau dos loucos ( a derris"o dos Iomens Jue se
diCem s?ios/  loucura ( utiliCada como um repelente: trata,se de mostrar o asurdo de
um mundo pri#ado de c>digos e proii!es) de um mundo Jue renega seus #alores/ Esse
mundo ( louco e rimos dele) mas com um riso Jue n"o ( alegre/
B sucesso do tema ( tal Jue se #ê aparecer pouco depois) nos 6arna#ais alem"es) um
carro Jue ( a na#e dos loucos/  ordo) figuras grotescas ou monstruosas) designando) $s
#eCes) indi#íduos específicos ou diaos) dentre os Juais um) todo de preto) lan!a fogo ou
?gua/ Bs diaos e os loucos est"o no mesmo arco/ O a na#e do mal/ O nessa na#e informal
Jue ernimo 8oscI se inspira para seu c(lere Juadro) mesmo Jue) como os peritos
estaeleceram) ele se de#a a um poema Iolandês mais antigo) de *1*3/ Nos 6arna#ais) a
na#e dos loucos era) finalmente) tomada de assalto e incendiada/
Bs Iomens Jue aandonaram os #alores tradicionais s"o loucos e de#e,se Comar
deles/ Esse aspecto negati#o da loucura) oMeto de riso) ufonaria despreCí#el) (
reencontrado em outras circunst7ncias: em certas dan!as macaras) o esJueleto #este uma
roupa de louco) e =olein mostra) sore uma tela) um louco Jue segue a morte/ s #eCes)
origam
em *30)certos
de umcriminosos
#ig?rio Jueamatou
usar oseu
I?ito de louco
superior e) emem sua eecu!"oA
Fouen) ( opadre
em *33) do caso) Etienne
em Paris)
le
6ourt/ O uma associa!"o comum da loucura ao mal) ao diao) $ morte/
Nas cidades medie#ais) o louco ser#e de al#o para os sarcasmos) para os apelidos)
para as pancadasA M? #imos Jue os artistas das catedrais os representam receendo uma
pedrada na cae!a/ 8ode epiat>rio e urro de carga) o louco torna permissí#el rir dos
males) dos perigos) das angQstias/ Eis por Jue ele est? t"o presente no 6arna#al) em
lierdade) desafiando a multid"oA Coma,se dele e ele ( destruído/  loucura ( mis(ria
Iumana) e essa loucura ( recIa!ada pelo riso: GSua passagem se inscre#e como uma fuga
grotesca) uma ca#algada ufa) al#o de todos os sarcasmos e simulacros de #iolência/ Tudo
isso) contudo) com grandes ímpetos de alegria esfuCianteL/11
Pode acontecer Jue) no 6arna#al) pelo menos) n"o seMam os loucos os mais #isados/
Perseguem,se os sensatos) os s?ios) os censores/ as Jue diferen!a faC se o triunfo coroa
os loucos ou os s?iosZ Na realidade) s> I? um #encedor: o riso/  #it>ria da derris"o) so

13 XF5;=T) S/ / 5he 0engeance of )ur Lord& "edieval 3ramatizations of the 3estruction of Jerusalem& Toronto: *-+-/
11 =EEFS) / op/ cit/) p/ *1/
os tra!os da loucura) are o caminIo $ #erdade e ao em: essa ( a mensagem de Erasmo)
em *0-) em 1logio da loucura$ apologia do om uso do riso/ Em rela!"o a 8rant) a situa!"o
( in#ersa/ B mundo () certamente) guiado pela loucura) mas aJui o riso ( construti#o: ele
#isa arir caminIo para a raC"o/ 8rant ( o riso amargo da 5dade (dia Jue termina) Jue
constata o naufr?gio dos #aloresA Erasmo ( o riso alegre da Fenascen!a) Jue mostra a
loucura do mundo antigo para fa#orecer a eclos"o de um mundo no#o) sensato/ Fiso
desiludido de um lado) otimista de outro: entre essas duas gargalIadas) de acentos t"o
diferentes) passa,se da 5dade (dia $ (poca moderna/
Erasmo sae Jue a derris"o n"o ( oa prensa) soretudo na 5greMa/ Bs censores)
escre#e ele) Gclamar"o Jue eu ressuscitei a com(dia antiga) ou 9uciano) Jue critica tudo e
se di#erte com tudoL/ Ele e#oca a lemran!a de =omero) de Kirgílio) de B#ídio) de
Policrato) de Sêneca e de outros Jue utiliCaram a derris"o antes dele/ bs pessoas
inteligentes sempre usufruíram o pri#il(gio de eercer seu espírito sore a #ida Iumana)
desde Jue respeitem o sentido de medida/L Erasmo n"o escarnece dos indi#íduos) mas dos
#ícios: o riso () assim) colocado a ser#i!o da moral/ O o Jue ele repete) em **) em uma
longa carta a artin Dorp/ Ele n"o Juer ferir ningu(m) contrariamente a seus predecessores
ironistas . mesmo s"o ernimo aferra,se com #irulência a Kigilantius/ Seu emprego de
ironia ( s> para fa#orecer o em: G #erdade do E#angelIo penetra mais facilmente no
espírito e implanta,se
de em estado maisJue
rutoL/ Eis solidamente
se retoma se for apresentada
a ideia so aparência
dos pregadores agrad?#el
Iumoristas em #eC
medie#ais/ Na
pior das Iip>teses) prossegue Erasmo) trata,se apenas de um di#ertimento inocente Jue)
ali?s) agrada a muitos: GSe ( isso) caro Dorp) Jue denominas tolice) tens um acusado Jue se
declara culpado ou) pelo menos) n"o protesta/ ssim) para passar o tempo) para seguir o
conselIo de amigos) eu fui tolo) mas isso aconteceu apenas uma #eC em minIa #ida/ Bra)
Juem ( sensato) afinal de contasZL/
 #irtude e a #erdade n"o s"o) necessariamente) tristes) e o riso pode contriuir para
dissipar o mal: G5sso mesmo Jue ( relatado ( lou#ado como rincadeira e como Mogo so
uma m?scara di#ertida) se em Jue a alegria do tom eclui JualJuer ofensa/ N"o #emos a
for!a de um tra!o de espírito agrad?#el e dito a prop>sito) mesmo Jue diga respeito a se#eros
tiranosZ Eu te pergunto Jue preces) Jue discurso s(rio teriam podido apaCiguar o famoso rei
t"o facilmente como o feC a rincadeira de um soldadoZ Disse ele: bSe n"o ti#(ssemos) na
corte) algumas garrafas) teríamos dito coisas muito piores contra #>s[_ B rei ps,se a rir e
perdoou,os/ N"o ( sem raC"o Jue dois grandes ret>ricos) 6ícero e Yuintiliano) d"o
conselIos sore o risoL/  argumenta!"o de Erasmo ( em a marca de uma no#a era:
referindo,se aos antigos) ele prega um retorno $ #irtude sorridente . o Jue) em *0-) pouco
tempo antes do início das guerras de religi"o) testemunIa um grande otimismo/ Essa loucura
simp?tica ( apenas uma fic!"o instrumental: trata,se de di#ertir para educar) ideia Iumanista
sore a Juest"o/
No início do s(culo VK5) essa no#a ideia est? longe de carrear adeses/  ora de
Erasmo suscita #i#as críticas dos te>logos) Jue) nessa (poca) comatem os pregadores
ufes) como o franciscano icIel enot ou o dominicano napolitano ;ariel 8arletta)
Jue tal#eC le#asse as rincadeiras longe demais) Juando) por eemplo) pergunta#a a seus
ou#intes de Jue maneira) na opini"o deles) a Samaritana pudera saer Jue esus era Mudeu/
O preciso constatar Jue) circuncis"o $ parte) n"o Ia#ia marca e#idente/
# )EST# SO; VIGIL0N"I#

No s(culo VK) as autoridades ci#is) religiosas) espirituais) #iam a derris"o com um


olIar muito desconfiado/ B grande sucesso da espiritualidade da (poca) a Imita8o de
#risto$ n"o cessa de repetir: o crist"o de#e estar sempre alerta e ser consciente de sua
mis(ria/ B riso ( suspeito/ Yuando oana d_rc) em 21 de maio de *13*) se pe a rir de seu
ato de aMura!"o) os MuíCes pensam Jue isso traía a duplicidade dela/ penas riso de alí#io)
segundo Salomon FeinacI/ Fe#elador igualmente ( o coment?rio de 9emaire de 8elges)
Jue relata) em *1-*) a morte de Dunois: GEssa foi a senten!a du#idosa de Deus sore um
grande Comador[L/
Deus pune os Cometeiros e n"o acolIe de om grado) no paraíso) os Jue riem/ 6omo
o demonstrou o grande estudo de ndr( KaucIeC) A santidade no )cidente nos 2ltimos
séculos da Idade "édia$ todos os canoniCados da (poca) em particular os ispos) s"o santos
tristes: Go#ens tristes . Pierre de 9uemourg lemra#a) rudemente) a seus pr>imos Jue
b6risto nunca riu_ .) adolescentes desencantados com a realidade e Jue mais nada esperam
das institui!es eclesi?sticas) esses s"o os santos ispos do fim da 5dade (dia) no territ>rio
francêsL/1  derris"o () cada #eC mais) entendida pelos not?#eis como um #ício)
característica do populacIo ou de salteadores) como aJueles espertallIes Jue) segundo
relata
%oram8ourgeois
mandados deparaParis) em *11-) GfiCeram um rei e uma rainIa para sua ComariaL/
a pris"o/
6ertamente) esse n"o foi o menor de seus malfeitos) mas isso indica) toda#ia) Jue as
autoridades agora est"o decididas a reprimir as manifesta!es coleti#as do riso) acusado de
amea!ar a paC social/ Jui) impe,se a insolQ#el Juest"o de saer Juem come!ou: as
autoridades iniciaram o comate $s festas populares) at( ent"o inocentes) porJue a cultura
de elite esta#a e#oluindo para formas s(rias e ordenadas) considerando a di#ers"o do po#o
como supersti!"oZ Bu as festas populares transformaram,se em moti#o de tantos prolemas
Jue as autoridades foram origadas a punirZ Dito de outra forma: as elites decidiram matar
o riso popular ou o riso popular decidiu su#erter as elites) pro#ocando a rea!"o destas
QltimasZ
O impossí#el destrin!ar o prolema/ N"o se pode) Ionestamente) estaelecer a
anterioridade deste ou daJuele agente/ 6omo acontece nos prolemas socioculturais) tudo
est? misturado/ Se ( possí#el estaelecer uma prioridade) ela recai) pro#a#elmente) sore o
medo/ s espantosas crises suscitam p7nico) angQstia) tens"o) confronto: senIores e
urgueses temem as rea!es do po#o camponês e urano e adotam medidas repressi#as para
assegurar ordem e seguran!aA a ral( Coma de maneira agressi#a dos dirigentes) cuMa incQria
( em parte respons?#el pelas crises/ B confronto come!a: riso turulento e Cometeiro de
um lado) interdi!"o ou limita!"o da festa de outro/ S> a partir das Feformas) protestante e
cat>lica) ( Jue o elemento propriamente cultural ser? considerado) como uma cultura mais
refinada das elites) mais racional e mais austera) condenando o riso grosseiro e
incon#eniente do po#o/ inda n"o se trata de cIoJue entre duas culturas) mas daJuele dos
mantenedores da ordem medie#al contra o riso agressi#o) Mulgado um tanto perigoso) das
festas coleti#as/

1 KU6=E]) / La sainteté en )ccident au= derniers si+cles du "o%en Age& Ocole %ran!aise de Fome: *-++) p/3/
s autoridades ci#is e religiosas reagem de comum acordo/ Em 9ille) o conselIo
municipal proíe os Mogos) as dan!as em torno das fogueiras de S"o o"o) planta!es de
milIo) as assemleias de par>Juias) desde *3+2 . interdi!"o reno#ada em *3-) *12+)
*1+3) **1) *20) *1) *2) *-) *3) *+) *<0*/ Essa repeti!"o ( sinnimo de
inefic?cia) ( claro) mas tam(m de ostina!"o na política de controle do riso festi#o/ De
maneira mais sutil) as autoridades tentam apossar,se das festas) para transform?,las em
espet?culos disciplinados) celerando a ordem estaelecida em #eC de su#ertê,la por meio
da par>dia/
B participante torna,se um espectador cuMa conduta ( ditada e #igiada) e as
festi#idades se transformam numa parada ritual Jue desdora) aos olIos das pessoas) todas
as IierarJuias sociais/ B oMeti#o () ent"o) sustituir o riso agressi#o e su#ersi#o por um
riso de con#en!"o) puramente lQdico/ Um pouco por toda parte) assiste,se a esse duplo
mo#imento) tanto no norte da %ran!a &em Kalenciennes) por eemplo) os turulentos grupos
de Mu#entude s"o enJuadrados) e o 6arna#al se transforma num magnífico espet?culo'
Juanto na 5t?lia/ Em %loren!a) os dois aspectos se sucedem/ Na grande (poca dos (dici)
o príncipe . aJui) 9ouren!o) o agnífico . faC do 6arna#al um instrumento a ser#i!o de
sua política) Ga ser#i!o de sua gl>riaL) escre#e acJues =eers) Gde sua casa e de sua cidade)
da paC pQlica) contra todos os fatores ad#ersos e os inimigos de seu poder/ B 6arna#al
florentino dessa
popular) antes (poca apresenta,se
contestat>ria a n>s comopara
e depois confiscada ummelIor
ecelente eemplo
pro#eito de alegre
do Iomem festa
no poder
e dos seus/ O agora a festa dos elogios e da ealta!"oL/ 1<
Kasari descre#eu etensamente essas festas do 6arna#al florentino e seus
esplendores) os carros) os costumes/ Fi,se) rinca,se) di#erte,se) mas n"o se contesta/ Trata,
se da política do Gp"o e do circoL/ EncoraMa,se a usca de praCer) celera,se o amor e at(
mesmo um certo grau de licenciosidade) o Jue desarma JualJuer tentati#a de contesta!"o
social/ =? sempre um carro com diaos) mas ( puro decoro con#encional) e n"o eistem
mais os turulentos ataJues a loucos e a diaos: GB 6arna#al florentino e dos (dici
permanece ainda o reino dos loucos) mas) aparentemente) cada #eC menos) por simples
referência ou I?ito Jue tende a se perder/ ///  loucura) erigida em espet?culo) n"o sustenta
todo o corteMoL/1 So a facIada de loucura) () na realidade) a celera!"o da sumiss"o
#olunt?ria e conformista/
Para Sa#onarola) Jue dirige %loren!a de *1-0 a *1-+) essas di#erses s"o ainda
sup(rfluas/ Sustituídas por procisses) lamenta!es e cantos de salmos) elas desaparecem
por um tempo/ as o gosto do espetacular e do ecessi#o persiste e ilustra como o riso est?
pr>imo das l?grimas/  partir dessa (poca) os florentinos organiCam) durante o 6arna#al)
o desfile do Triunfo da orte) com um imenso carro todo negro) ornado de todos os
atriutos macaros: ossadas) cruCes rancas) esJueletos le#antando,se do cai"o a cada
atida do tamor) participantes #estidos de preto) usando m?scaras com a figura de morte)
randindo uma tocIa negra e cantando o terrí#el "iserere$ Jue ser#e de li!"o a todas as
dan!as macaras da (poca: GDor) cIoro e penitência s"o agora nossos tormentos/ Essa
companIia da morte grita por penitência/ N>s fomos o Jue sois) #>s estareis mortos) tal
como nos #edes/ Jui de nada ser#e) depois do mal) faCer penitênciaL/

1< =EEFS) / op/ cit/) p/2<+/


1 5idem) p/2+1/
umentar o riso li#re) Mogando com a atra!"o pelo espetacular e pelo teatral) ( um
procedimento comumente utiliCado por todos os poderes) desde os imperadores romanos
mais tir7nicos at( os t(cnicos da política,espet?culo democr?tica) dos Mogos de circo at( a
midiatiCa!"o atual dos e#entos esporti#os/ Bs poderes do s(culo VK) confrontados com a
su#ers"o a#assaladora da derris"o) encontraram espontaneamente a receita/ Transformar o
ator em espectador) deiando,lIe a ilus"o de participar: ( tam(m o Jue saer? faCer muito
em a 5greMa da 6ontrarreforma com suas pompas arrocas e suas missas espetaculares/ No
s(culo VK) o mo#imento apenas come!ara/ Tenta,se controlar) ou seMa) interditar) as
epresses muito turulentas do riso coleti#o) o Jue pro#oca) $s #eCes) rea!es Iostis/
 festa dos loucos ( particularmente #isada/ Bs censores eclesi?sticos associam,nas
$s festas pag"s e) soretudo) tentam demoniC?,las/ GN"o s"o di#erses) s"o crimes//// Pode,
se faCer um Mogo da impiedadeZ Pode,se faCer um di#ertimento de um sacril(gioZ Ningu(m
rinca) sem perigo) com uma serpente) ningu(m se di#erte) impunemente) com o diaoL/1+
Bu ainda: GO #erdade Jue) se todos os diaos do inferno ti#essem de organiCar festas em
nossas igreMas) eles n"o poderiam agir de outra maneira///L/
s diferentes autoridades eclesi?sticas multiplicam as condena!es/  Uni#ersidade
de Paris) em *111) declara Jue os participantes das festas dos loucos Gde#em ser tratados
como Ier(ticosL/ B concílio de 87le) em *13) interditou essa pr?tica) assim como o
concílio pro#incial de Fouen) em *11/ B ispo de Feims tentou limitar a licenciosidade
delas) em *1-/ B de Troes) em *11) procurou pr fim $ festa dos loucos) mas encontrou
tamanIa resistência Jue te#e de recuar/ Bs cIefes eram os pr>prios cnegos) Jue) nessa
ocasi"o) impro#isa#am Mogos satíricos no primeiro domingo de Maneiro: GBs dos capítulos
de S"o Pedro) de santo Etienne e de santo Urano fiCeram) sore altos cadafalsos) um Mogo
de personagens) #ituperando e inMuriando o ispo e os mais not?#eis da catedral) Jue tinIam)
em #irtude da Pragm?tica) eigido a supress"o da festaL/ B riso () desta #eC) muito
agressi#o/ B mesmo acontece) em *1+) com o ispo de Tournai/ 5nterdi!"o tam(m
ineficaC ( aJuela contra o obis!illo de ;(rone) em *1/
B 6arna#al ( oMeto de rigorosa #igil7ncia) e as medidas adotadas o associam ao
cIari#ari/
muito menosDesde *101) ocom
se di#ertir sínodo
ele de
. 9angres decide:
ao cIari#ari) no GBs
Jualeclesi?sticos n"o de#em
se usam m?scaras assistir
Jue têm .
figuras
de demnios/ PorJue n"o apenas lIes proiimos essa di#ers"o como a proiimos tam(m a
todos os fi(is de nossa dioceseL/1- s autoridades ci#is #edam) igualmente) o uso de
m?scaras: as senten!as dos Parlamentos de Fouen e de Paris) em *0+ e **1) interditam
sua #enda no recinto do pal?cio/  de *0+ especifica Jue G( proiido a todas as pessoas
usar) #ender ou comprar m?scaras) nariCes ou aras falsos e outros disfarces) so pena de
multa de cem lirasL/ %antasiar,se ( enganar) ao mesmo tempo) a natureCa e a polícia/
Durante o 6arna#al) refor!a,se a #igil7nciaA os canIes das muralIas s"o mantidos
carregados) como em gde) Saint,Bmer ou Kalenciennes/ Bs concílios pro#inciais
multiplicam as decises contra as Gfarsas e as momicesL/ Para os cIari#aris) como ressaltou
#es,arie 8erc() as condena!es eclesi?sticas s"o muito anteriores $s ci#is) 0 mas essa
pr?tica) Jue #isa#a manter o eJuilírio social e matrimonial tradicional) por uma esp(cie de
autodisciplina da comunidade) utiliCando a derris"o como arma) toma,se indeseM?#el a partir
1+ 6itado por =EEFS) / op/ cit/) p/*+/
1- 6itado por T=5EFS) /,8/ 5raité des 7eu= et des divertissements& Paris: *<+<) p/32+/
0 8EF6O) /,/ F6te et révolte& 3es mentalités !o!ulaires du V0Ie au V0III e si+cle& Paris: *-<) p/1*/
do s(culo VK/ Para as autoridades) o riso coleti#o torna,se suspeito) potencialmente
perigoso e su#ersi#o/
 5dade (dia termina com risos e ranger de dentes/ Fisos da insensateC e da
derris"o) atr?s dos Juais as elites culti#adas #iam a Comaria do diao/  unanimidade
medie#al ( Juerada: social) religiosa e politicamente) a cristandade) no amanIecer da
Fenascen!a) eplode em classes) em confisses e em estados ri#ais/ Bs confrontos Jue se
preparam n"o se prestam ao riso/ No s(culo de fanatismos Jue se are) a in#ecti#a ( mais

freJuente Jue a gargalIada/


ensurdecedoraL Toda#ia)de( iIail
&segundo a f>rmula o s(culo 8aItine'
de Faelais/
do B Jue significa aemGgargalIada
monge,m(dico tal (pocaZ
N"o ( incongruente esse ;arg7ntua Iil?rio e bon vivant em uma Europa onde cada um se
prepara) seriamente) para morrer por ideiasZ
De fato) o riso de Faelais ( um manifesto) como a confiss"o de f( de ugsourg ou
o catecismo do 6oncílio de Trento/ O o grito de Comaria de todos aJueles Jue pregam uma
leitura cmica do mundo) como outros pregam uma leitura protestante ou uma leitura
cat>lica/ O a funda!"o do partido do riso) Jue cristaliCa contra si) imediatamente) as
oposi!es das pessoas s(rias de todas as fronteiras: GraelaisianoL ( um insulto entre os
reformados e os cat>licos) mas tam(m entre as pessoas finas) entre os alunos de
6astiglione/ Esse riso ( intoler?#el/ Esse riso gordo) Jue estoura como o riomar do tro#"o)
corindo as in#ecti#as sect?rias) assoprando as p?ginas dos in,f>lio teol>gicos e salpicando
de perdigotos as faces fl?cidas dos doutores) ( uma lasfêmia) uma Ieresia . e a mais
perigosa de todas: a Ieresia cmica/ 6ontudo) Faelais n"o diC nada mais Jue as farsas e as
f?ulas da 5dade (dia/ DiC melIor) isso ( tudo/ as ele o faC acintosamente/ Ele gargalIa)
Juando a Iora n"o est? mais para gargalIadas/ O isso Jue ( imperdo?#el/ De cIofre) o riso)
Jue no s(culo VK se Ia#ia tornado suspeito e amargo) transforma,se em desafio/ B mal est?
encarnado) circunscrito: ( o riso raelaisiano) o riso aio) osceno) Jue n"o respeita nada
e Jue) pro#a#elmente . asseguram seus inimigos .) n"o crê em nada/ GFaelaisianoL e
GateuL s"o) agora) termos associados . e condenados/ Na #erdade) ( nessa (poca Jue
come!a o confronto entre partid?rios e ad#ers?rios do riso/
A - # G#RG#L$#D# ENSURDE/EDOR# D#
REN#S/ENÇ#
O mu*!o rae<aisia*o e suas amigui!a!es

De início) de#emos dar a 6(sar o Jue ( de 6(sar e a iIaWl 8aItine o Jue lIe
pertence/ Seu estudo) muitas #eCes citado nos capítulos precedentes) ( essencial para a (poca
da Fenascen!a/ Ele nos ser#ir? como ponto de partida para colocar os prolemas pr>prios
ao s(culo de Faelais) e) se nossas concluses diferem das dele) seu traalIo permanece
indispens?#el para a compreens"o do riso raelaisiano/
O ele Jue cita essa passagem de 8/ rMe#si) da Jual tomamos emprestada a
epress"o,título deste capítulo: GB estr(pito da gargalIada ensurdecedora Jue contaminou
a Europa a#an!ada) Jue le#ou at( o tQmulo os eternos fundamentos do feudalismo) foi uma
pro#a alegre e concreta de sua sensiilidade $ mudan!a de amiente Iist>rico/ Bs estouros
desse riso bIistoricamente_ colorido n"o apenas aalaram a 5t?lia) a lemanIa ou a %ran!a
&antes de tudo) fa!o alus"o a Faelais com Cargntua e -antagruel') mas tam(m
suscitaram um enorme eco al(m dos PireneusL/*
Essa frase cont(m o essencial da tese de 8aItine: a Fenascen!a foi a reMei!"o da
cultura oficial da 5dade (dia pelo riso popular) por uma Gcarna#aliCa!"o direta da
consciência) da concep!"o do mundo e da literaturaL/2 Bs Iumanistas utiliCaram a cultura
popular cmica medie#al como ala#anca para re#erter os #alores culturais da sociedade
feudal/ Pelo riso) eles lieraram a cultura do sendeiro escol?stico est?tico e introduCiram
uma #is"o de mundo din7mica) otimista e materialista/ B re#elador dessa re#olu!"o pelo
riso foi Faelais) o ar da Iilaridade) o fundador da internacional do riso) cuMo apelo $
uni"o dos ridentes do mundo inteiro prefigura o Jue o "anifesto lan!ar? aos prolet?rios/ 
analogia n"o ( fortuita: escre#endo na UFSS dos anos *-30) 8aItine n"o podia deiar de
dar a sua ora contornos maristas) mesmo Jue suas íntimas posi!es pessoais ainda seMam)
IoMe) oMeto de deate/ 3

U RISO "RI#DOR

B riso tem um poder re#olucion?rio/ elIor: ( um #erdadeiro demiurgo) uma


potência criati#a capaC de ressuscitar os mortos) cerCida na cultura popular da 5dade (dia)
na Jual #ida e morte se misturam de forma inetric?#el) num processo indefinido de
decomposi!"o e renascimento/ B tema ( ilustrado) no s(culo VK5) pela farsa Bs mortos
vivos$ em Jue) para curar um ad#ogado Jue se crê morto) um de seus amigos simula o estado
de um cad?#er faCendo caretas desopilantes) Jue for!am os assistentes e o pr>prio ad#ogado
a rir/ Demonstram,lIe) assim) Jue os mortos de#em rir para ressuscitar/ O o Jue ele faC) e
fica curado/ Para 8aItine) o tema da morte,ressurrei!"o pelo riso ( uma transposi!"o) para

* FEKS5) 8/ Le réalisme bourgeois des débus& 9eningrado: *-3<) p/ *<2/


2 8=T5NE) / LBDuvre de Franois Rabelais& Paris: trad) francesa/) *-0) p/ 23/
3 6f/ PEFF5EF) S/ Petit #oage en 8aItinieL/ 5n: 1uro!e$ n/) maio *--2) pp/ -2,--/
o registro grotesco) da imortalidade Iist>rica do po#o) e a #is"o cmica do mundo torna,se)
assim) o meio pelo Jual a cultura popular afirma seu car?ter indestrutí#el e triunfante/
 Iip>tese ( discutí#el) mas fecunda/ larguemos a perspecti#a/ ;ostaríamos de
demonstrar Jue) se o s(culo VK5 marca uma #erdadeira re#ira#olta na Iist>ria do riso) este
se inscre#e na e#olu!"o cultural geral dessa (poca/  Fenascen!a repousa) entre outras)
sore a contradi!"o flagrante entre o Iumanismo sorridente e o fanatismo religioso/ Diante
dessas duas atitudes) o riso raelaisiano parece incongruente/ Entre o sorriso fino e de om,

tom de )com
êmulos) cortes8o$ de 6astiglione)
seus deocIes e a eausteridade
de flatos impiedosa
arrotos) suas de 6al#ino)
grosserias Faelais
lasfemat>rias) e seus
parecem
marginais contestadores) reMeitados) ao mesmo tempo) pela antiga e pela no#a cultura da
elite/
Entretanto) sua GgargalIada ensurdecedoraL ressoa de um canto a outro da Europa e
do s(culo/ Ela () de fato) o primeiro ensaio de riso total . eistencial) poder,se,ia diCer/
%ruto do Iumanismo e da cultura popular medie#al) ela Coma dos antigos #alores
dominantes) utiliCando as formas populares tanto Juanto as cultas/ Ela suscita) portanto) a
dupla oposi!"o dos mantenedores da tradi!"o e dos partid?rios de um Iumanismo refinado/
Estes Qltimos) $ imagem de Erasmo) condenam o grosseiro riso raelaisiano) ao passo Jue
os primeiros condenam apenas o riso assimilado $ impiedade/
 Fenascen!a conIece) pois) esJuematicamente) o rompimento dessa cultura em três
setores: o riso) o sorriso) o s(rio/ as) entre a face do 6arna#al e a face da Yuaresma) todas
as nuances e todas as e#olu!es s"o possí#eis/ Essas três atitudes n"o s"o no#asA o Jue (
no#o ( Jue) agora) elas se opem) se condenam e se ecluem mutuamente/ caou,se a
(poca em Jue se podia ser) ao mesmo tempo) de#oto e gargalIante) pertencer $ elite dos
poderosos e contorcer,se de rir/ 6onduCir,se como um porco e preser#ar seu prestígio social
() dora#ante) pri#il(gio reser#ado aos soeranos: #eMa,se =enriJue K555/ Bs outros de#em
escolIer seu campo: a austeridade sem falIa dos reformadores religiosos) s> recorrendo ao
sarcasmo para atacar os #ícios e os Ier(ticosA o sorriso polido e superior do cortes"o
maneMando a Comaria espiritual e de om grado maldosaA o riso arulIento da seita
raelaisiana)
riso grotesco)encarando a #ida
os sopros de comoJue
angQstia umpenetram
6arna#al)pelos
pronto a camuflar)
uracos so gargalIadas de
da eistência/
Todos os Iistoriadores das mentalidades fiCeram uma constata!"o: ( no s(culo VK5)
em particular com o aparecimento da imprensa) Jue o rompimento entre cultura das elites e
cultura popular alarga,se de forma decisi#a/ GB s(culo VK5L) escre#e #es,arie 8erc()
Gfoi um momento de ruptura entre uma pr?tica coleti#a euerante) ao mesmo tempo
tradicional e indisciplinada e) de outro lado) uma religi"o de pessoas instruídas) Juerendo,
se purificadas de toda ecrescência id>latra) pretendendo #oltar $ essência de uma mítica
5greMa primiti#a//// B segmento de pessoas Jue liam e escre#iam) no#o por sua import7ncia)
perdera a lemran!a das formas de pensamento Jue o precederam e Jue continua#am)
paralelamente) nas fileiras da imensa maioria Jue n"o ti#era acesso aos prestígios da
escritaL/1 as a ruptura entre cultura do riso e cultura s(ria n"o coincide com o corte entre
cultura popular e cultura das elites/ B riso) como forma de encarar a eistência) encontra,se
tanto nas elites como no po#o/ E o m(rito de Faelais () Mustamente) ter realiCado a síntese

1 8EF6O) /,/ F6te et révolte& 3es mentalités !o!ulaires du V0I* au V0III* si+cle& Paris: *-<) p/*3+/
entre o cmico popular medie#al) de ase corporal) e o cmico Iumanista) de ase
intelectual/
6om Faelais) come!a de fato o riso moderno) Jue n"o ( mais cmico/ Esse riso
Jue) como diC Bcta#io PaC) ( Ga emriagueC da relati#idade das coisas Iumanas) o estranIo
praCer da certeCa de Jue n"o I? certeCasL/ Esse riso Iumanista ( profundamente amíguo/
ais al(m da ufonaria de superfície) Faelais prenuncia a era do asurdo) a nossa) e se ele
toma o partido de rir dela ( porJue n"o adianta nada cIorar por ela/ O a marca de todos os

ridentes
>dio doss(rios
donosdos tempos modernos/
da #erdade) O tam(m
Jue acreditam Jue seuo Jue) desde
sorriso o s(culo
( um VK5)
sopro Jue atrai para
fissura ele o
os ídolos)
aala os templos de todas as religies) #erdadeiras e falsas) clericais e laicas/
GFiso,doradi!a) o riso de Faelais) saído da ami#alência carna#alesca) introduC a
amiguidade da derris"o modernaL) escre#e 8ernard SarraCin/ Bs deates dos Iistoriadores
em torno da impiedade real ou suposta de Faelais demonstram a Jue ponto seu riso
pertura/< Toda a sua ora) do pr>logo de Cargntua$ dirigido aos Geerres ilustres) e a
#>s) eiguentos preciososL) $s Qltimas linIas de ) quinto livro$ ( uma imensa gargalIada/
as do Jue ri e como faC rirZ Ele GJuis pro#ar Jue se pode faCer alto riso com riso aioL)
diC,nos 8ernard SarraCin/ Faelais,anus tem um riso de duplo sentido: ele utiliCa as
receitas do riso carna#alesco medie#al e retira delas um riso filos>fico moderno/
Tudo tem duplo sentido) dois ní#eis) em FaelaisA tudo pode ser lido pelo direito e
pelo a#esso/ Decorre disso seu sucesso em todas as categorias sociais e tam(m as
interpreta!es contradit>rias de sua ora/ Tomemos um eemplo da maneira como ele
aorda um dos mitos fundamentais do fim da 5dade (dia: o inferno/ Epistemon) Jue foi l?
#ê,lo depois dos muito s(rios Ulisses) En(as e Dante e antes dos muito cmicos rleJuim
e Taarin)  assistiu a um #erdadeiro 6arna#al: l?) a in#ers"o ( a regra/ Bs diaos s"o Gons
companIeirosL) e 9Qcifer ( astante soci?#elA Juanto aos condenados) Geles n"o s"o t"o
maltratados como se imaginaL/ DesempenIam fun!es cuMa Iumildade contrasta com a
gl>ria Jue cada um te#e na terra/ =?) ali?s) personagens Iist>ricos da ntiguidade) da
cristandade e Ier>is mitol>gicos/ Sua presen!a n"o tem nenIuma rela!"o com seu passado
moral/ 6(sar e Pompeu
rtur) limpador s"o Ulisses)
de toucasA alcatroeiros de na#ioA
ceifeiroA 6le>patra)
TraMano) #endedora
pescador de r"sA de
os ceolasA
ca#aleiroso rei
da
T?#ola Fedonda) remadores do Fio EstigeA Qlio 55) criador de patêsA 8onif?cio K555)
escumador de panelas) e assim por diante/ Nicolau 555 &terceiro' est? l? s> para Mustificar um
trocadilIo: GNicolau) para terceiro) era papeleiroL/
B ponto comum ( a in#ers"o das situa!es) os orgulIosos sendo IumilIados por
aJueles Jue foram peJuenos na terra/ Di>genes #i#e no luo e castiga leandre) Jue n"o
lIe preparou os cal!es/ Epicteto) rico e ocioso) di#erte,se com as mo!as) ao passo Jue 6iro
#em mendigar um dinIeiro/ ean 9emaire de 8elges est? l?) rincando de papa) faCendo
com Jue reis e pontífices lIe eiMem os p(s) para #ender,lIes indulgências e dispensas Gde
#alor nenIumLA os oos do rei s"o os cardeais/ Killon tam(m est? l? e) como Veres
#ende sua mostarda muito caro) ele urina em suas sorancelIas/ Nesse mundo fer#ilIante e
osceno) os eiguentos s"o mais de cem milIes/

 SFF]5N) 8/ GFir do diao da diaoliCa!"o///L/ 5n: Humoresques$ Presses Uni#ersitaires de Kincennes: n/) *--<) p/3/
< 6f/ 5NB5S) ;/ Histoire de l*athéisme& Paris: *--+) pp/*0,*+0/
 A alegre hist<ria de Arlequim$ *+A para Taarin) sua descida aos infernos ( mencionada em uma ora de *<*2/
Essa carna#aliCa!"o do inferno inscre#e,se em uma longa tradi!"o de farsas
medie#ais/ Se ela faC rir) ( por seu car?ter parodístico) pelo reaiamento do GaltoL)
eJuiparado a um ulício org7nico/ Para os contempor7neos de Faelais) ( tam(m porJue
ela d? seguran!a: se s"o essas as penas do inferno) n"o s"o t"o temí#eis/ O o riso de alí#io
Jue arruina os esfor!os terroristas da pastoral oficialA ( a di#ina surpresa) o relaamento
rutal de tens"o) no Jual os analistas #eem uma das principais fontes do riso/ Ele eorciCa
o medo) sem negar a eistência do inferno/ Teologicamente) poder,se,ia diCer Jue esse
castigo por in#ers"o n"o ( peJueno/ as o Jue o torna imperdo?#el ( Jue ele ( apresentado
pelo riso/ O em torno do riso Jue a di#is"o e o confronto se efetuam/ Se as pessoas riem do
fim dos tempos) ( porJue n"o eiste nada de s(rio/ B riso aparece como arma suprema para
superar o medo/ Yuem ri do inferno pode rir de tudo/ B riso . eis agora o inimigo . para
aJueles Jue le#am tudo a s(rio/

U RISO DESTRUIDOR

B riso pode at( mesmo nos prestar ser#i!o aJui emaio: faCer morrer
agrada#elmente/ orrer de rir: fala,se disso desde a ntiguidade) e Faelais conMuga
erudi!"o Iist>rica
de ;aliano) e erudi!"o
de leandre de m(dica parae nos
frodísio lemrar no#e
de #icena) para casos
Juem)cl?ssicos e as eplica!es
por eemplo) o a!afr"o)
GJuando se toma dose ecessi#a) tanto ecita o cora!"o Jue o despoMa de #ida) por resolu!"o
e dilata!"o sup(rfluaL/+
 popularidade desse tema ( manifesta) na (poca de Faelais/ Em *03) o Iumanista
Fa#isius Tetor consagra um capítulo de seus mortos c(leres aos Gmortos de alegria e de
rirLA em *0) 8atista %ulgosa tam(m relata alguns casos/ Em Cargntua$ o epis>dio do
estre anotus de 8ragmardo ( característico: Gssim Jue o sofista acaou de falar)
Panocrates e Eudemon se mataram de rir) tanto Jue pensaram Jue iam entregar a alma a
Deus) nem mais nem menos Jue 6rasso) #endo um asno comendo cardos) e Jue %ilemon)
Jue morreu de rir ao #er um asno comendo figos colIidos para o Mantar/ unto) competindo
com eles) estre anotus come!ou a rir tanto Jue as l?grimas lIe #inIam aos olIos pela
#eemente concuss"o da sust7ncia do c(rero) na Jual foram espremidas essas umidades
lacrimais) escoadas at( os ner#os >pticos/ Para eles) esta#am representados Dem>crito
IeraclitiCando e =er?clito democratiCandoL/- w
 síntese das figuras emlem?ticas do riso e das l?grimas resume toda a amiguidade
de Faelais diante do drama da #ida e da morte) amiguidade Jue confirma os rumores
sore sua pr>pria morte/ G%ecIai a cortina) a farsa acaou[L) ele Ia#eria declarado em - de
aril de *3) data de sua agonia/ Teria acrescentado: GKou procurar um grande talvezT&
6omo esse talvez est? pr>imo do GYuem sou euZL) de ontaigne[ E como a GfarsaL
anuncia a Gc7nula c>smicaL de l#in Toffler[ Yue a #ida seMa uma farsa e Jue se seMa capaC
de diCer isso no Qltimo momento ( uma audaciosa no#idade no mundo crist"o/ 6ontudo) tal
fato n"o ( suficiente para morrer de rir) mesmo Jue três anos mais tarde retino) pintor e
poeta de reputa!"o ateia) Juase o tenIa conseguido: durante um Mantar) ele ( tomado por um

+ F8E95S) %/ Cargntua$ cap/*0/


- 5idem) cap/20/
w Em Glíngua raelaisianaL/ &N/ T/'
riso desmedido) ou#indo uma Iist>ria licenciosa) cai para tr?s com sua cadeira e morre/ B
riso e a impiedade) mais uma #eC) têm uma impertinente tendência a associar,se/ 
rincadeira Jue encerra o testamento de Faelais . GEu n"o tenIo nada #aliosoA de#o
muitoA o resto dou aos poresL . n"o ( uma par>dia ridiculariCando a caridade crist" e as
oras piedosasZ
N"o ( de surpreender Jue Faelais tenIa sido) desde o s(culo VK5) eJuiparado a
9uciano pelos agelastas de JualJuer esp(cie) protestantes ou cat>licos/ So o preteto de

faCer rir)
s(culo feCelere#i#er
ataca aum
#erdadeira
9ucianoreligi"o) escre#e =enri
em um %ran!ois Estienne:
Faelais) GYuemde
em mat(ria n"oescritor
sae Jue
Juenosso
fere
com remoJues JualJuer religi"oZ N>s n"o saemos Jue a finalidade deles /// apesar de
parecerem apenas afastar a melancolia dos espíritos/// ( espica!ar a #erdadeira religi"o
crist"Z 5sso Juer diCer n"o acreditar em Deus nem na Pro#idência) n"o mais Jue o maligno
9ucr(cioL/ *0  ora de Faelais foi condenada ao 5nde em *<1) e em *+ o padre /
8enedicti lemra Jue aJuele Jue lê as oras dele Gest? ecomungado e s> de#e ser asol#ido
se consentir em Jueimar tais li#ros e faCer penitênciaL/ **
B riso raelaisiano ( mais impertinente Jue aJuele das farsas medie#aisZ Na
aparência n"o/ Todas as suas GimpiedadesL têm precedentes Jue n"o cIocaram as
autoridades/ O nisso Jue 9ucien %e#re se apoia para faCer de Faelais um om crist"o/ *2
as o conteto ( muito diferente/ 6om o desencadeamento da Feforma) as polêmicas
inflamam,se) os insultos eplodem e as acusa!es de ateísmo proliferam/ No s(culo VK5
n"o se pode mais rir do Jue di#ertia as multides no s(culo V5K/ Nesse clima tenso) lan!ar)
um atr?s do outro) cinco paralelepípedos Iilariantes) como o faC Faelais) parece
pro#oca!"o sistem?tica/ No meio de dogmatismos desenfreados) o riso aparece como
insuport?#el lasfêmia/
B riso raelaisiano ( mais #i#amente sentido porJue) atr?s de sua erudi!"o arcaica)
( muito moderno/ s aluses geogr?ficas e pessoais s"o claras) a s?tira político,religiosa
aflora nitidamente/ B Jue fere mais) tal#eC) os cIefes dos credos opostos) fiados numa
#is"o est?tica do mundo) ( Jue o riso raelaisiano faC surgir um dado no#o) o tempo) Jue
lIes
maissugere Jue seus
poder sore comates
a #ida/ s"o est(reis
s ci#iliCa!es porJuepodem
tam(m s"o ultrapassados)
morrer de rir)fossiliCados)
Juando seusn"o têm
#alores
se tornam derris>rios/ B riso raelaisiano ( um pouco o riso do tempo) Jue deia atr?s de si
o mundo medie#al/ 6omo os papistas e os Iuguenotes poderiam perdo?,loZ GO o pr>prio
tempo) alegre e Cometeiro de uma s> #eCL) escre#e iIaWl 8aItine) Gbo alegre garoto de
=er?dito_) a Juem pertence a supremacia no uni#erso) Jue inMuria e lou#a) ate e emala)
mata e faC nascer/ Faelais tra!a um Juadro de ecepcional #igor do de#ir Iist>rico nas
categorias do riso) o Qnico possí#el na Fenascen!a) (poca em Jue fora preparado pelo curso
altaneiro da e#olu!"o Iist>ricaL/*3 B Iistoriador russo lemra) muito a prop>sito) uma
passagem de ar Jue ilustra essa Qltima fase de uma ci#iliCa!"o: G Iist>ria age
profundamente e passa por numerosas fases enJuanto conduC ao tQmulo a forma caduca da

*0 EST5ENNE) =& A!ologie !our Hérodote$ 9a =ae) ed/ de *3) p/*+/


** 8ENED56T5) / Somme des !eschez et remedes d*iceu=& 9on: *+) li#ro 5) cap/2/
*2 %E8KFE) 9/ Le !robl+me de lBincro%ance au V0I e si+cle& La religion de Rabelais& Paris: *-12/
*3 8=T5NE) / op/ cit/) p/13*/
#ida/  Qltima fase da f>rmula Iist>rica uni#ersal ( sua com(dia/ Por Jue o curso da Iist>ria
( assimZ 5sso ( necess?rio para Jue a Iumanidade se separe alegremente do passadoL/*1
 dimens"o temporal do riso cmico de Faelais tam(m lIe confere um aspecto
grotesco Jue poderia deri#ar) facilmente) para perspecti#as inJuietantes/ Pantagruel e
;arg7ntua s"o figuras da alegria de #i#er) e o uso terapêutico do riso ( e#idente para o
m(dico Faelais/ as Juem diC terapia diC) necessariamente) doen!a/ Se o riso cura) cura
de JuêZ Se o autor declara) no início de sua ora) Jue
GO melIor
PorJue escre#er
o riso sore
( pr>prio dorisos do Jue sore l?grimas)
IomemL)
( porJue ele toma o partido do riso/ Decis"o consciente) Jue n"o esconde Jue seria
possí#el tomar o partido do cIoro/ Trata,se de uma escolIa: por Dem>crito) contra
=er?clito/ Essa escolIa d? $ ora um aspecto urlesco endiarado) marcado pela ealta!"o
do GaioL) do material) do corporal fundamental: comer$ ecretar) copular/ Ni#elar por
aio) reduCir o sulime a fun!es iol>gicas elementares () e#identemente) astante
engra!ado) mas n"o muito otimista/ B espírito mais genial depende) de fato) de sua digest"o/
B fato de Jue a ostenta!"o do escatol>gico e do ecrementoso e de Jue o recurso $
degrada!"o sistem?tica das fun!es GnoresL seMa atiCado como GurlescoL ou GgrotescoL
( secund?rio/ B Jue importa ( o sentido Jue o autor pretende dar a essa pr?tica/ 8aItine)
Jue opta pela #ers"o otimista) escre#e: GYuando =ugo diC) falando do mundo de Faelais)
totus homo fit e=crementum*$ ele ignora o aspecto regenerador e reno#ador da satisfa!"o
das necessidades Jue o espírito liter?rio europeu Ia#ia perdido) em sua (pocaL/ * ais
recentemente) DominiJue 5eIl) em seu estudo ) grotesco$ ope,se $Jueles Jue) como
aser) GJueriam descorir em Faelais) atr?s do ímpeto din7mico) uma forma de
derrapagem) de desliCamento inJuietante para a incoerência/ 5sso seria um erro) por certo)
porJue a proeCa de Faelais ( de sempre ter saido conser#ar) no grotesco) um #igor
ecepcional Jue o distingue de JualJuer forma de niilismoL/ Ele faC) contudo) uma ressal#a
significati#a: GTam(m ( #erdade Jue o grotesco raelaisiano est? t"o perto da #ertigem
Jue se tornar? a figura do autêntico grotescoL/ *<

D# VERTIGE R#;EL#ISI#N# #O RISO TR?GI"O DE #GRI$$# D#U;IGN

Essa G#ertigemL raelaisiana ( a #ers"o pessimista e angustiada de seu riso/ O


tam(m o Jue o faC moderno/ Seu personagem mais Iumano ( Panurgo) o medíocre) o
supersticioso) o trapaceiro e) soretudo) o medroso/ Panurgo ( aterroriCado: GEu morro de
medoL) diC/ Ele encarna o Iomem do s(culo VK5) assaltado por terrores escatol>gicos e
terrestres) mas tam(m o Iomem moderno/ ;(ralde Naam pde falar da angQstia
antol>gica de Panurgo: GPanurgo ( s> medo/ Tudo o apa#ora: o cacIalote) os cIouri!os) as
pala#ras rigorosas) os ;anaim/ 6ertamente) Panurgo representa a Iumanidade m(dia ///
mas essa Iumanidade tem medoL/* Panurgo sore#i#e ao medo gra!as a seus suterfQgios

*1 5idem) citado na p/132/


* 5idem) p/ *1/
*< 5E=9) 3& Le grotesque& Paris: *--) pp/30,3*/
* N) ;/ GFiso) angQstia e ilus"o/ 5n: 1uro!e$ n/) maio *--2) nQmero consagrado a Faelais) p/2+/
e) soretudo) a seu Iumor/ Pouco importa o anacronismo do termo: ele eiste/ Panurgo tem
Iumor) do tipo Iumor negro) Jue o aMuda a se deater no comate da #ida/ *+
B Iumor ( Jualidade rara no s(culo VK5) Jue) contudo) precisaria muito dele/
Faelais n"o nos poupa das atrocidades e dos males de sua (poca: pestes) guerras e
massacres castigam de forma permanenteA Jueimam,se pessoas G#i#as como arenJues
defumadosLA faC,se cIurrasco dos Ier(ticos/  morte est? em toda parte) insepar?#el
companIeira da #ida: o nascimento de Pantagruel causa a morte de sua m"e) 8adeec/ Esse

( o otimismo
in#erter do grotesco
a perspecti#a: popular)
a #ida dir?os8aItine:
carrega germes daa morte
morte/gera a #ida/( as
G morte uma pode,se
realidadetam(m
física)
em JualJuer dimens"o Jue Faelais a apresente) mítica ou cirQrgicaL) escre#e ;(ralde
Naam/ GBra ela ocupa um espa!o infinito de desespero e de temor: o deserto seco em Jue
Pantagruel nasce) em -antagruel$ e) em ) quarto livro$ o aismo de ondas Jue amea!a
engolir nossos Ier>is na tempestade s"o de escala ílica//// B medo ataCana todos os
personagens) o fogo e a ?gua os en#ol#em) o nada #ai engoli,los/ 9e#iat" ou pocalipse: a
imensa dramaturgia da tempestade) em ) quarto livro$ remete $ angQstia do nada/ No mais
das #eCes) a morte ( detalIada com uma crueldade fria) I? uma precis"o das disseca!es e
das gra#uras anatmicas/ Trata,se sempre de matan!as/ ///  realidade alucinante da morte
tam(m ( figurada por aJuela goela enorme Jue se are diante do Qnico sore#i#ente dos
<<0 ca#aleiros)
Pantagruel) Jue) M? Jue( <-
aJui) s"o da
a ;oela presos pela*- nassa e Jueimados/ O a garganta do gigante
orteL/
Yue Juadro poderia ilustrar melIor os massacres das guerras amargas Jue o
espantoso 5riunfo da morte$ de 8ruegel) o ntigo) pintado alguns anos mais tardeZ Kê,se
aí um uf"o aterroriCado Jue se refugia so uma mesa de Mogo onde reina um cr7nio/
Faelais e 8ruegel) o mesmo comate . o Jue nos instiga a refletir sore o riso
raelaisiano/
=? mais: a morte e a desgra!a atingem de forma indiscriminada) parecendo mesmo
ter predile!"o pelos inocentes) pelos ons) pelos meigos/ ssim) a peste mata aJueles Jue
se de#otam aos doentes e poupa os maus: GBs p?rocos) #ig?rios) pregadores) m(dicos)
cirurgies
prega!es) emorriam
otic?riostodos
Jue de
iaminfec!"o)
#isitar) curar) e consolar
e esses os doentes)e assim
diaos pilIadores como nunca
assassinos faCer
20
pega#am o mal/ Por Juê) senIoresZ Pensai nisso) eu #os rogoL/ Esse prolema do mal se
acrescenta ao asurdo de todo o resto/ N"o I? refQgio possí#elZ  ut>pica aadia de
TI(l^me) refQgio e fortaleCa) poderia ser um/ K" esperan!a/ Essa aadia) Jue se encontra
em GUtopiaL) tam(m ( destinada $ cat?strofe/ Em suas funda!es) descore,se uma
profecia anunciando guerra) infelicidades) desastres/
Ent"o) eamos e comamos) empanturremo,nos at( arreentar[ O com raC"o Jue
;(ralde Naam discerne nos ecessos de mesa raelaisianos o apetite do desespero) uma
Gulimia suicidaL: G ulimia raelaisiana) seus deseMos Mamais satisfeitos criam a mesma
#ertigem de desespero/ s patuscadas sempre preencIidas por emutidos e tripas n"o
satisfaCem o #>rtice do mal,estar) de uma infelicidade ontol>gica: angQstia do seo e
angQstia de morte reunidas/ No país do Butro e do ecesso) em ) quinto livro$ diagnostica,
se) claramente) essa ulímia suicida: comidas ali s"o comeCainas) o Qltimo sopro #em de
*+ ON;EF) D/ GB Iumor raelaisianoL/ 5n: Humoresques$ *--<) pp/<,</
*- N) ;/ op/ cit/) pp/2,2+/
20 F8E95S) %/ Cargantua$ cap/2/
aio) no Gpeido da morteL/2* O por isso Jue Panurgo Gdefeca#a) urina#a) limpa#a a
garganta) arrota#a) peida#a) oceMa#a) cuspia) tossia) solu!a#a) espirra#a) escarra#a como
um arcediagoL/22
 redu!"o Qltima) o cQmulo do reaiamento da condi!"o Iumana) encontra,se no
final escatol>gico de ) quarto livro$ em Jue Panurgo) aterroriCado) faC suas necessidades e
finge,se de mata,mouros diante de seus ecrementos: GYue diao ( istoZ 6Iamais isto de
diarreia) cIapisco) caganeira) merda) soltura) deMe!"o) mat(ria fecal) ecremento) deiada)
23
orra) osta
%ecIa,se ou espiroJuetaZL/
o círculo: tudo se reduC N"o[ O umademat(ria
a um monte merda/preciosa)
G merdao n"o
Ga!afr"o da =i(rniaL/
() necessariamente)
sinnimo de grossura cmica/ 6omo comer) eer) o seo e a pr>pria morte) tudo o Jue se
refere ao corpo ( ami#alente/ Panurgo encolIe,se de medo da morte/ Tudo ( mat(ria fecal)
decomposi!"o: eis o Jue diC o final de ) quarto livroL/21
 #is"o raelaisiana do mundo ( uma constata!"o de despeito/ Todas essas Iist>rias
gargantuescas e pantagru(licas s"o asurdas e pode,se rir a andeiras despregadas at( o
momento em Jue se d? conta de Jue esse mundo carna#alesco ( o nosso/ Ent"o) sempre (
possí#el rir) mas um riso diferente . o riso da impotência resignada/ Uma grande
gargalIada $ eira do precipício) eis o Jue Faelais nos oferece/ Esse riso) ele o oferece) de
início) a seus contempor7neos) como antídoto aos terrores e $ angQstia: se tudo se reduC a
um monte de orra) nossos medos s"o #"os e ( melIor rir deles/
Faelais d? o tom do riso moderno) Jue ( sempre ami#alente/ Na outra ponta do
s(culo) ontaigne lIe faC eco) mais discretamente/ ontaigne n"o gosta de tristeCa: GEu
sou isento dessa pai"o) n"o a amo nem a estimoL) diC,nos ele desde o segundo capítulo de
seus 1nsaios& ) s?io perigordino ( um espectador di#ertido da com(dia Iumana/ Ele ri de
nossos pretensos saeres: GNossas loucuras n"o me faCem rir) s"o nossas sapiênciasL/ B
mais cmico ( o pr>prio Iomem e suas pretensesA sua preferência tam(m #ai mais para
Dem>crito Jue para =er?clito) a Juem consagrou todo um capítulo: GDem>crito e =er?clito
foram dois fil>sofos) dos Juais o primeiro) Mulgando #" e ridícula a condi!"o Iumana) s>
saía em pQlico com o rosto Cometeiro e rindoA =er?clito) tendo piedade e compai"o dessa
mesma condi!"o)
Eu prefiro mostra#a
o primeiro o rosto
tipo de IumorAcontinuamente tristemais
n"o porJue seMa e osagrad?#el
olIos cIeios de l?grimas/
rir Jue ///
cIorar) mas
porJue ele ( mais desdenIoso e nos condena mais Jue o segundoA e me parece Jue nunca
podemos ser t"o despreCí#eis Juanto merecemos/ /// Nossa pr>pria condi!"o ( t"o ridícula
Juanto risí#elL/2
Particularmente ridículos s"o aJueles Jue se Mulgam importantes) porJue Gno mais
alto trono do mundo) s> estamos sentados sore o cuL/2< %>rmula magistral) digna de figurar
no front"o dos pal?cios reais e presidenciais/ B antigo prefeito de 8ordeau o sae muito
em: a opini"o Jue temos das coisas importa mais Jue as pr>prias coisas) e o Iumor
supremo) aJuele Jue testemunIa a #erdadeira saedoria e o desprendimento autêntico) (
morrer com um dito espirituoso/ ontaigne nos cita uma cole!"o desses ditos) atriuídos a

2* N) ;/ op/ cit/) p/23/


22 F8E95S) %/ Cargantua$ c7p/2*/
23 5dem) Le quart livre$ cap/</

21 N) ;/ op/ cit/) p/21/

2 BNT5;NE) 1nsaios$ li#ro 5) cap/0/


2< 5idem) 555) 3/
condenados $ morte: aJuele Jue epressa o deseMo de Jue o le#em a ca#alo e#itando tal rua)
porJue ele de#e dinIeiro a um comerciante Jue poderia rogar,lIe uma pragaA aJuele Jue
pede ao carrasco GJue n"o lIe toJue o pesco!o porJue ele ( muito sensí#el a c>cegasLA
aJuele Jue se recusa a eer no copo do carrasco) porJue tem medo de pegar #aríolaA aJuele
cuMo confessor lIe declara Jue ele #ai Mantar com Nosso SenIor e ele responde ao confessor
Jue #? ele pr>prio) pois) no Jue lIe concerne) est? MeMuando) e assim por diante/ 2
Fir) cIorar: a diferen!a ( menor do Jue pensamos) como M? o dissera Faelais/ 6om

freJuência)
li#ro) Gn>s cIoramos
cuMo conteQdo e rimos da mesma
ilustra largamente coisaL:
a proposta/ ( o título dodocapítulo
mi#alência 3 do primeiro
real e ami#alência do
riso: a tomada de consciência dessa amiguidade ( uma das características da Fenascen!a/
B mundo ( mais compleo do Jue a 5dade (dia pensa#a/ Soretudo) a realidade (
raramente uní#oca e eclusi#a: o em nunca ( s> ranco e o mal s> negroA o cmico e o
tr?gico misturam,se) muitas #eCes) de forma incongruente/ Bs Iumanistas) Jue colecionam
eemplos antigos) adJuirem a medida da amiguidade fundamental do ser/ Por outro lado)
a ciência relati#iCa as perspecti#as/ De 6olomo a ;alileu) o mal cresce desmedidamente:
no#o continente) no#os astros/ GB mundo ( apenas uma er#ilIa) a %ran!a) um ?tomoL)
escre#e grippa d_uign(/
Tal#eC seMa nesse autor) desesperado pelo Iorror dos confrontos religiosos de sua
(poca) angustiado pela loucura dos Iomens) Jue encontramos a epress"o mais pertinente
do riso tr?gico/ Em uma #is"o) 6olign assiste a seu pr>prio massacre e $ mutila!"o de seu
cad?#er) Jue sae ser ine#it?#eis) e ri:
/// 6olign ria da multid"o
Yue com seu tronco so#ado rinca#a com uma ola)
esmo entre altos praCeres) mesmo em lugar t"o doce)
esmo com tudo o Jue ele #ia) n"o fica#a em c>lera/
Um Mogo lIe foi) dos Feis) a louca perfídia)
6mico o sucesso da grande trag(dia/2+
Estamos aí $ eira da loucura/ B mundo das guerras de religi"o ( um mundo de
loucos/ Esses grupos de fan?ticos Jue se massacram a prop>sito de ridículos detalIes
imagin?rios) em nome de uma religi"o de amor) atingem o cQmulo da desraC"o . desraC"o
mortal e dia>lica/  Europa inteira se transforma em uma na#e de loucos/  loucura do
s(culo V5 ainda era uma loucura doce) Jue o s?io e o moralista podiam utiliCar para nos
faCer rir dos defeitos e dos #ícios: GK>s rides e aplaudis com um sorriso t"o eato Jue) ao
#er,#os em torno de mim) podia pensar Jue estais emriagados de n(ctar) como os deuses
Iom(ricos) com uma pitada de droga para esJuecerdes #ossas preocupa!esL) declara a
9oucura aos Iomens em 1logio da loucura$ de Erasmo/ Trata,se ainda de loucura positi#a)
a loucura do morosofo) o louco,s?io Jue nos pode guiar) mostrando,nos o car?ter derris>rio
de nossos atos e de nossa #ida/ Essa loucura ( di#ertida/ Ela at( pode ter discretos acentos
raelaisianos) como Juando lemra aos Iomens Jue de#em sua eistência $ parte
#ergonIosa de seu ser/  Gsrcem do mundoL est? l?/ GEu #os pergunto: o Jue engendra
deuses e Iomens: a cae!a) o porte) o seio) a m"o) a orelIa) todas as partes consideradas

2 5idem) 5) 10/
2+ ;F5PP D_U85;NO) Les tragiques$ li#ro 55$ c/ *13*,*13</
respeit?#eis do corpoZ solutamente[ B propagador da esp(cie Iumana ( essa parte t"o
ridícula e asurda a Jual n"o se pode nomear sem rirL/ 2-
B tema da loucura) M? o #imos) ( in#asi#o na #irada dos anos *00/ Bs tolos e os
loucos s"o cada #eC mais presentes na literatura) mas sua fun!"o ainda ( positi#aA
espectadores trocistas) eles Comam do antigo mundo medie#al e escol?stico/ Pelo meio do
s(culo) essa doce loucura descama para a demência fren(tica) passando dos li#ros ao
mundo real/ Bs loucos furiosos Jue se estripam em nome de 6risto s"o os arautos de uma

no#aisso
#iu era/muito
Eles sempre riem) mas
em) por(m) em esse
nossariso torna,sesitua
opini"o) rictoesse
e sarcasmo de >dio/meio
deslocamento icIel %oucault
s(culo mais
cedo: a loucura sustitu i a morte) a d an!a dos loucos sucede $ dan!a macara e so o capuC
com guiCos esconde,se um risonIo cr7nio #aCio/ G derris"o da loucura sustitui o rele#o
da morte e de sua seriedade/ Da descoerta dessa necessidade) Jue reduC fatalmente o
Iomem a nada) passa,se $ contempla!"o desdenIosa desse nada Jue ( a pr>pria eistência/
B terror diante desse limite asoluto da morte interioriCa,se em uma ironia contínuaA ele (
desarmado por antecipa!"o) torna,se irris>rio/ /// B Jue I? no riso do louco ( Jue ele ri antes
do riso da morteA e o insensato) pressagiando o macaro) desarmou,oL/ 30
Essa amarga loucura uni#ersal ser#e a oMeti#os mQltiplos e contradit>rios/
oralmente) seu riso () ao mesmo tempo) riso do #ício e esc?rnio do #ício/ B pecador ( um
louco Jue ri com o riso do diao e) ao mesmo tempo) ri,se do pecador/ 5ntelectualmente)
essa loucura ( auiliar e inimiga da raC"o/ B Iomem ( loucoA o Iomem ri disso) e esse
mesmo riso pode) simultaneamente) ser fonte de saedoria: GTal#eC esteMa aí o segredo de
sua mQltipla presen!a na literatura do fim do s(culo VK5 e início do VK55) uma arte Jue)
em seu esfor!o por dominar essa raC"o t"o procurada) reconIece a presen!a da loucura) de
sua loucura) cerca,a) ataca,a para) finalmente) triunfar sore ela/ O o Mogo de uma era
arrocaL/3* No fim do s(culo VK5) o riso da loucura integra,se $ literatura) Gsigno irnico
Jue emaralIa as referências do #erdadeiro e do Juim(ricoL) conclui icIel %oucault/

O TRIUN)O DO ;O;O DO REI! O S"ULO DE TRI;OULET-"I"OT


Um personagem encarna esse papel amíguo do morosofo) Jue faC surgir a raC"o da
loucura: ( o oo do rei) Jue conIece seu apogeu no s(culo VK5) em todas as cortes
europeias/ t( o papa tem um: em *3+) em igues,ortes) %rancisco 5 oferece tecidos de
ouro e uma medalIa a 9e Fou) GgraciosoL do soerano pontífice/ 6ontudo) os concílios
proiiam essa pr?tica aos eclesi?sticosA n"o interditaram tam(m os astr>logos e os castrati$
Jue se pa#onea#am no KaticanoZ
O so %rancisco 5 Jue o oo real se torna) de fato) um personagem central: Juem
n"o conIece Trioulet) mais c(lere Jue a maior parte dos ministrosZ Esse filIo de
camponês) d(il e emrutecido) cuMo nome #erdadeiro ( %(rial) nasceu perto de 8lois/
Esp(cie de aorto corcunda) dotado de grandes olIos e nariC proeminente) foi assumido)
muito Mo#em) por 9uís V55) Jue o confiou a um go#ernador) icIel 9e Kerno/ Suas
Comarias c?usticas) sua falsa ingenuidade) seu s>lido om,senso faCem dele um
2- EFSB) 1logio da loucura$ 55/
30 %BU6U9T) / Histoire de la folie , l*ge classique& Paris: *-2) p/2</
3* 5idem) p/1/
conselIeiro do rei muito ou#ido/ %rancisco 5 lIe permite assistir ao 6onselIo) dar opinies)
diCer a cada um sua #erdade) conduCir,se com a maior impertinência/ Seu papel ( epressar
a #erdade pelo riso) pela derris"o) cIamando as coisas por seu nome) ou seMa) cIamando as
sulimes GraCes de EstadoL pelo Jue elas s"o na #erdade: #ulgares c?lculos de interesse/
6om a afirma!"o do asolutismo) o rei) cercado de conselIeiros,cortes"os) tende a perder o
contato com a realidade e) soretudo) com os aspectos desagrad?#eis do real/ Somente o
pseudooo pode) impunemente) desmistificar) des#elar as Juimeras e os falsos saeres/
6om a condi!"o de desempenIar em seu papel) eminentemente amíguo: Juem pode
conIecer a psicologia eata desses seres Iíridos) meio s?ios) meio loucosZ Em Jue
propor!"o eles s"o atores e se identificam com seus personagensZ
Trioulet ( o riso ministro de Estado) o riso da loucura,sensateC/ Faelais saia t"o
em isso Jue o utiliCou em suas Iist>rias malucas/ Em B terceiro livro$ Panurgo d? a
Trioulet uma escritura de oo e segue seu conselIo de consultar o or?culo da Di#ina
;arrafa/32 %rancisco 5 tem #?rios oos) como o Negro Brtis) con#ertido ao cristianismo)
Jue cIegou a pronunciar os #otos de franciscanoA 6l(ment arot compor? seu epit?fio/ =?
tam(m KillemanocIe e ;uillaume de 9ou#iers: Juanto mais oo) mais ri e mais faC rir)
mais se ( s?io/
B sucessor de Trioulet ( um meridional: ean,ntoine 9omard) apelidado
8rusJuet e nascido em nties cerca de *20/ #entureiro sem escrQpulos) faC uma
rilIante carreira gra!as a sua Iailidade e aud?cia/ Depois de rudimentares estudos de
medicina) ele estreia como cIarlat"o: cirurgi"o na armada francesa) in#enta uma po!"o mais
mortífera Jue os mosJuetes inimigos/ 6ondenado $ morte pelo condest?#el de
ontmorenc) ( interrogado pelo delfim) a Juem ousa responder: GSenIor) I? um s>) entre
aJueles Jue tratei) Jue alguma #eC tenIa #indo se Jueiar a #>sZ N"o os curei para
sempreZL/ Esse ( em o tipo de #erdade Jue se espera de um oo e Jue n"o se tolera de
nenIum outro: curar um paciente de uma doen!a ordin?ria) permitir,lIe #i#er alguns anos
mais para) finalmente) morrer com uma doen!a deC #eCes mais dolorosa/ N"o () de fato)
uma medicina sensataZ

8rusJuetSeduCido por sua


e o conser#a personalidade)
como o delfim)
oo da corte durantefuturo
todo o=enriJue 55) confere
seu reinado/ suatam(m
Ele atuar? gra!a a
so %rancisco 55 e 6arlos 5V/ 8rantme relatou numerosas anedotas relati#as a rincadeiras
de gosto du#idoso) cuMa #ítima ( Pierre StroCCi) marecIal da %ran!a) Jue replica no mesmo
registro/ 8rusJuet conta a dois franciscanos Jue StroCCi est? possuído pelo demnio: eles
#êm surpreendê,lo no leito para eorciC?,lo e a cena degenera em pancadaria) no Juarto do
marecIal) com muitas lasfêmias) so os olIos de 8rusJuet) Iil?rio/ Ele oferece a StroCCi
uma refei!"o grotesca) com patês contendo #elIos arreiosA e faC um uraco com um rocIe
no suntuoso manto dele/ Seguro do apoio real) permite,se tudo) e a corte sente,se origada
a rir de suas desonestidades/ Ele recee Moias) oMetos preciosos) ot(m o lucrati#o cargo de
cIefe da estalagem do rei/ Toda#ia) esse #idente n"o tem a Qltima pala#ra/ Na primeira #eC)
StroCCi o denuncia $ 5nJuisi!"o) Jue o manda prenderA era uma lague) e o marecIal lierta,
o/ as 8rusJuet) por aCar) tinIa parentes Iuguenotes) e o campo dos ;uises n"o era dotado
de senso de Iumor: ele te#e de eilar,se na casa da duJuesa de 8onillon e morreu em *<+/

32 F8E95S) %/ Le tiers livre$ cap/1/


Butro oo not?#el do reino de =enriJue 55 foi um picardo) TIon ou ntoine)
nascido nos arredores de 6ouc/ Esse era um puro,sangue) saído de uma família
especialiCada em reprodu!"o de oos: os dois irm"os mais #elIos eerciam a mesma
fun!"o) um deles a ser#i!o de =ippolte d_Este/ Era um profissional cuMa forma!"o foi
confiada) pelo duJue de Brl(ans) a 9ouis de 9a ;ro#e) apelidado G %arsaL) e,uf"o Jue
se tornara preceptor de oos/ DetalIe di#ertido &Z': TIon destina#a,se ao sacerd>cio)
antes de dedicar,se $ ufonaria/ De início a ser#i!o de =enriJue 55) ele passa) em seguida)
a ser#ir o temí#el condest?#el nne de ontmorenc) Jue estimula seu Iumor negro: GDeus
nos guarde dos padres,nossos do SenIor 6ondest?#elL) teria ele dito diante de um grupo de
Ier(ticos enforcados por ordem de nne/ TIon) aparentemente) mant(m sua fun!"o at(
*2) e o condest?#el permanece muito satisfeito/ G6om mais de < anos) ele re#ela#a o
a#esso do mundo) sua face derris>ria) e isso) tudo indica) encanta#a,oL) escre#e aurice
9e#er/33
6ontempor7neo de TIon ( o impertinente artin 9e 8ailli) Jue se permite ostentar
o grande colar da ordem de Saint,icIel/ So 6arlos 5V) encontramos tam(m Etienne
Donie) Pierre de Pro#ins) ;reffier de 9orris/ =enriJue 555) al(m de seus GJueridosL) (
apaionado por oos . Jue desempenIam) como os primeiros) um papel amíguo/ B lado
teatral do personagem s> pode seduCir um soerano Jue) al(m de tudo) ( muito inclinado $
Comaria
de grandese $sIonrarias
tiradas dee espírito/ ssim)
#antagens) ele confere aos
escandaliCando seus oos licen!a
eclesi?sticos Jueecepcional)
o cercam/ al(m
Para
muitos dos moralistas religiosos) ( o diao Jue fala pela oca do oo do rei) e eles
gostariam de en#iar para a fogueira esse agente do anticristo) como feiticeiro/ Yuando) em
mar!o de *+1) o rei enorece 6Iicot) os protestos fer#ilIam) e Juando morre TIul^ne) o
poeta da corte) ean Passerat) pede para receer a mesma gratifica!"o Jue ele:
Sir) TIul^ne est? morto) #i sua sepultura/
as Juase est? em #>s ressuscit?,lo:
%aCei um poeta Ierdeiro de seu estado:
B poeta e o oo s"o da mesma natureCa/
Bs pregadores da 9iga s"o particularmente #irulentos/ Depois da morte do rei) o
p?roco ean 8oucIer estigmatiCa assim seu oo Siilot: GB Jue =enriJue foi podemos
Mulgar por esse ruto impuro) esse espantoso monstro Siilot/ pesar de n"o Ia#er nada
mais ign>il Jue esse ser) nada mais inclinado a eedeiras e ao deocIe) e mais suMo de
lasfêmias) ele pro#oca#a uma alegria arulIenta Juando surgia) ast"o na m"o) espuma na
oca) como um c"o rai#oso) olIos inflamados e furiosos) aando pus///L/ O possí#el Jue
tenIam tentado assassinar Siilot porJue) na conta de *++) confere,se uma gratifica!"o a
um m(dico Jue Gtratou Siilot de uma ferida Jue ele te#eL/
B mais c(lere oo de =enriJue 555) tal#eC gra!as a leandre Dumas) foi ntoine
nglareC) cognominado 6Iicot por causa de sua aia estatura/ w O tam(m um meridional)
com toda a alegre #er#e Jue isso pressupe) nascido em *10) em Killeneu#e,sur,9ot/
Espírito #i#o)emespirituoso)
assim como manipular aCometeiro)
s?tira) () deI?il
fato) em
um destacar defeitos
militar Jue) e ridículos
de início) ser#iu de
ao cada um
marJuês
de Killar) depois a 6arlos 5V como mensageiro oficial) depois ao duJue de nMou como
Gporta casacoL) encarregado de seu guarda,roupa/ N"o se trata) pois) de um profissional do

33 9EKEF) / Le sce!tre et la marotte& Histoire des fous de cour& Paris: *-+3) p/*-</
w #hicot$ em francês) significa toco de ?r#ore ou fragmento de dente Juerado/ &N/ F/'
riso/ Se nunca te#e o título de oo) preencIeu essa fun!"o: o rei permite,lIe entregar,se a
suas ufonarias GJuando JuiserL) diC grippa d_uign(/ 6ontrariamente a Siilot) ele (
muito popular) porJue n"o Iesita em arranMar,se com os GpreferidosL/ No meio dessa corte
em Jue tudo ( asurdo ou tudo ( desencaminIado) ele aparece como o Qnico Iomem de
om,senso) cuMo riso epressa a #erdade) como o testemunIa este panfleto:
 rainIa,m"e conduC tudo)
B duJue de Espernon roua tudo)
 9iga Juer faCer tudo/
B
Bs;uiCard sede
príncipes ope a tudo)
sangue perdem tudo)
B cardeal ( om para tudo)
B rei da EspanIa compreende tudo)
S> 6Iicot ri de tudo/
 #erdade) a triste #erdade pelo riso) s> 6Iicot pode permitir,se diCer a seu
G=enriJuinIoL/ Em deCemro de *+) enJuanto a autoridade real est? t"o aia Jue ;uise)
Dam#ille e =enri de Na#arre reinam em 6Iampagne) em 9anguedoc e na ;asconIa) ele
declara cruamente a =enriJue m) segundo o 1s!elho dos !r(nci!es$ de Fen( de 9ucinge:
GTu (s o Iomem mais infeliC do mundo) e eu) o outro/ Tu) porJue todos os sQditos Comam
de ti e) por teres nascido grande rei) ser?s o menor Jue M? eistiu na %ran!a) pois) enJuanto
te
de faCes de monge
9anguedoc) comdatuas
outro de#o!es)
;asconIa Jueou#ir,se,?
#estir"o odiCer Juepela
I?ito I? um
tuarei de 6Iampagne)
cae!a/ Yuanto a outro
mim)
serei desgra!ado porJue eles me dar"o um pontap( no traseiroL/
B espírito de 6Iicot s> podia agradar a seu Juase compatriota =enri de Na#arre Jue)
tornando,se =enriJue 5K) toma a seu ser#i!o esse om companIeiro: GB rei ama#a esse
IomemL) escre#e 9_Estoile) Gmesmo doido como era) e n"o acIa#a gra#e nada Jue ele
diCiaL/  familiaridade de 6Iicot com =enriJue 5K era sem limites/ Ele cIama#a o rei de
Gmeu peJueno rei de 8ouronL) Go primeiro Ier(ti co de todos os reis da %ran!aL) e assina#a
GSuperintendente de 8ufonaria de Sua aMestadeL/
ais Jue nunca) o uf"o eprime a #erdade) em termos crus ou at( cínicosA ele tem
ofaCer
pri#il(gio de diCer em
Jue energuem alto o JueaJueles
a realidade todo mundo pensan"o
Jue ainda aio) o Jue ( muito ou
compreenderam QtilJue
ao rei para
fingem
acreditar Jue a política ( guiada pelos grandes princípios e pelos ideais morais e religiosos/
Se =enriJue 5K pensa aio Jue GParis #ale uma missaL) 6Iicot encarrega,se de diCer em
alto: GPara um rei) pouco importa a religi"o) Deus e o diaoA s> o poder contaL/ 9_Estoile
traC suas propostas ao rei) em *-2: GPensas) meu Juerido senIor) Jue a caridade Jue
empenIas para dominar teu reino de#e eceder a caridade crist"Z De minIa parte) tenIo
assegurado) por todo canto) Jue) Ia#endo necessidade) entregar?s Iuguenotes e papistas aos
not?rios de 9Qcifer e Jue (s o pacífico rei da %ran!a/ inda assim) diCem Jue #>s) os reis)
s> tendes religi"o na aparênciaL/31 No mesmo ano) diante de toda a corte) 6Iicot d? este
conselIo ao rei: GSenIor) meu amigo) #eMo em Jue tudo o Jue faCes afinal n"o te ser#e de
nada) se n"oJue
papa para te faCes cat>lico/teO#eMa)
todo mundo preciso Juedo#?s
pois) a Foma n"o
contr?rio) e) estando l?) proste,te
acreditar"o Jue (sdiante do
cat>lico/
Depois) faCe um clister de ?gua,enta) para acaar de la#ar o resto de teus pecadosL/ 3

31 Journal de LB1stoile!our le r+gne de Henri I0& Paris: t/ 5) *+-,*<00) ed/ F/ 9ef^#re) Paris) *-1+) p/*<-/
3 5idem/
Kê,se claramente: a fun!"o do oo do rei e#oluiu sensi#elmente ao longo do s(culo
VK5/ B oo) so a aparência de Comar do rei) transformou,se em seu instrumento) seu
conselIeiro) seu porta,#oC/ N"o ( mais um contrapoder de derris"o) ( um agente de
informa!"o) um intermedi?rio entre o soerano e os sQditos) encarregado de eplicar os
#erdadeiros moti#os da política real) atr?s da facIada engra!ada/ B riso passou para o
ser#i!o do poder) tem por miss"o epor as #erdadeiras moti#a!es . pouco confess?#eis
. da política) parecendo repudi?,las/ 6olocar a #erdade na oca do oo ( um meio de
manter a fic!"o da respeitailidade do poderA eplicar a realidade) e#itando o cinismo/
Portanto) o riso tornou,se um #erdadeiro instrumento de propaganda/
Esse Mogo ( muito con#eniente para =enriJue 5K/ Por(m) ele s> pode funcionar se o
poder permanecer lQcido/ Se ele engana a si pr>prio) se acaa por acreditar em suas pr>prias
moti#a!es nores) por identificar,se com seus pretetos morais e religiosos) ent"o o Mogo
est? terminado/ Se o rei muito crist"o e o rei cat>lico se imaginam) #erdadeiramente) muito
crist"o e cat>lico e Juerem Jue os outros tam(m acreditem #erdadeiramente) ent"o) cai,se
na trag(dia/ N"o se rinca mais) n"o se ri mais) le#a,se tudo a s(rio: n"o Ia#er? lugar para
um oo da corte com 9uís V5K/
O com =enriJue 5K) nessa corte arroca e dissipada) Jue o papel de uf"o do rei
atinge seu Qltimo desen#ol#imento) faCendo do riso um auiliar da política e conferindo a
esta Qltima sua aparência de Mogo Jue ainda n"o perdeu nenIum contato com a realidade/ O
ainda 6Iicot Jue lemra