You are on page 1of 14

VILLA-LOBOS

E O IDEAL DA ARTE
NACIONALISTA:
O ENCONTRO
ENTRE O ERUDITO
E O POPULAR

VILLA-LOBOS, QUARTETO NÚMERO 05
A INTEGRAL DOS QUARTETOS DE CORDA

PROFESSORES
DANILO TOMIC Arte (Música)
RAFAEL LEPORACE História

O professor de Música poderá trabalhar o quarteto de cordas em sua composição e mudanças de sua estru- tura ao longo dos anos. . A série apresenta algumas - mente para quartetos. SINOPSE DO PROGRAMA Conhecer e apreciar a obra do brilhante Heitor Villa-Lobos . Os professores convi- uma proposta de História e Música que traça as relações entre o desenvolvimento brasileiro no início do século XX e as transformações artísti- cas provocadas pelo Modernismo. APRESENTAÇÃO O documentário Villa-Lobos é uma excelente oportunidade para os professores de Música e História desenvolverem seus conteúdos em conjunto e de forma inovadora. a História poderá interpretar o contexto cultural do Brasil na década de 1920 como agente de interferência para o desenvolvimento da Primeira República. uma formação tradicional que exige enorme conhecimento musical para que seus poucos instrumentos deem conta da melodia e da harmonia. Por sua vez.essa é a proposta de A Integral dos Quartetos de Cordas.

............ 3 foi estabelecida por Joseph Haydn (1732-1809)........ Brahms ......... 15 partir deste poderiam representar um ambiente sonoro de essencialidade criativa....... Em um primeiro mo- riam demonstrar suas habilidades composicionais mento cada grupo será responsável por uma e estéticas musicais........ dos Beatles.. Essa formação Schumann .... tituirão um painel sobre o tema.... propomos que o pro- ao menos um quarteto de cordas ao longo de sua fessor divida a classe em grupos e desenvolva a vida musical....UM OLHAR PARA O DOCUMENTÁRIO A PARTIR DA MÚSICA Nossa sugestão para abordar e trabalhar esse mente o Quarteto nº 5 de Villa-Lobos (o “Quarteto vídeo na área de Música poderá ser dividida em popular”)........ A seguir.... ao lado das sinfonias Schostakovich.. como na canção “Eleonor composicionais.....no chamado “período clássico” .... 3 que chegou a compor 68 quartetos com essa Dvorak . de qualquer aspirante a compositor erudito..... O sucesso da formação do quarteto de cordas se Até na música popular contemporânea há a pre- estabeleceu como um dos principais exercícios sença dessa formação...............Mozart... - 1. Sugerimos a listaremos alguns compositores e o número de divisão das pesquisas entre os grupos: quartetos de corda que criaram: SALA DE PROFESSOR VILLA-LOBOS.. 1 .... 6 a criação musical clássica... atividade descrita a seguir..... 16 Schubert.............. as estabelecendo como prática para Bartok.......... 68 Mozart ... propo........ 14 Ravel ..escreveram inúmeras peças Debussy ....... Na primeira.... descreveremos europeia........ Beethoven ... 1 do gênero... que cons- Para ilustrar a importância do quarteto de cordas.............. além da mos o estudo do quarteto de cordas como grupo - instrumental dentro da tradição da música erudita terizam como “brasileiro”.... Na de forma detalhada cada sequência didática... fazendo parte da lista de trabalhos Rigby”........ uma exposição com os trabalhos... QUARTETO NÚMERO 05 3 ............. Bee- thoven e Schubert ... O QUARTETO DE CORDAS O quarteto de cordas é um grupo musical composto por quatro músicos que tocam dois Haydn ...... suas particularidades e sua história.................... 15 e das sonatas para piano e outros instrumentos...... procurando fazer com que os alunos duas sequências didáticas. Fato Para aprofundar o assunto. pois por meio dessa formação pode..... 23 do século XVIII e tornou-se um formato especial.... entendam a estrutura da composição..........

Com o professor precisará discorrer sobre as diferenças passar do tempo essa carência foi suprida por entre popular e erudito para que os alunos en- 4 VILLA-LOBOS. 2. Pesquisa sobre a forma sonata e sua es- truturação com 2 temas (“masculino” e “fe- minino”). Pesquisa sobre a forma do quarteto e sua es- trutura original em quatro movimentos com as posteriores mudanças da estrutura original. Pesquisa sobre o Minueto. O QUARTETO DE CORDAS N° 5. Os alunos desse grupo precisa- usando algum quarteto. no Rio de Janeiro. que A segunda etapa do trabalho desenvolverá o quarteto de cordas de Heitor Villa-Lobos. o professor precisará mento isolado e também o quarteto reuni- do. duas partes que se somam ao Trio. Villa-Lo- bos destacou-se por utilizar de forma recorrente elementos musicais retirados do manancial po- pular e folclórico. e sua estrutura em viola e violoncelo (da esquerda para a direita). apesar de não ter sido o primeiro a utilizar elementos rítmicos. Música e nas Artes Visuais. Produção de quatro desenhos coloridos dos Pesquisa sobre a forma Rondó (A-B-A-C-A). mas carentes de novos nomes na Literatura. e como o compositor estrutura trechos que possibilitem ouvir cada um dos os materiais musicais no tempo. Villa-Lobos nasceu em 1887. mais de homens livres. Heitor Villa-Lobos (1887-1959). DE VILLA LOBOS tendam a natureza diversa dessas duas formas de expressão musical. típica do 4º movimento do quarteto. Essas composições ganhavam posteriormente foram disseminadas pelo mundo. Em certo momento da história da Música essas formas acabaram por se aproximar nas obras dos compositores ditos “nacionalistas”. fazendo as mu- instrumentos e o conjunto. como o de Ravel. e cresceu no berço da jovem República. QUARTETO NÚMERO 05 SALA DE PROFESSOR . danças e as repetições. com mais duas partes. vimento do quarteto. Nessa seleção devem ser pesquisados para a música. Pesquisa sobre a história da formação dos quartetos de corda. Para os três últimos temas. típico do 3º mo- Instrumentos que compõem o quarteto de cordas: violino. No Brasil. Seleção de gravações para cada instru. instrumentos em tamanho real. melódicos e temáticos em suas composições eruditas. sendo um grupo res- ponsável pelo período clássico e outro pe- los períodos posteriores.

] período vital. sa francesa (mentindo como Macunaíma) que Nesse sentido. violência. ti- nham sido anotadas por ele em plena selva do grande ciclo [. chega à Semana de Arte Moderna. se reuniram na discussão sobre harmônicos e a utilização de novas com- as raízes e fontes de inspiração da arte brasileira. nância. no movimento pelo qual musicais pelo Brasil. declarou à impren. na iminência de ser devorado por de Arte Moderna a Brasília. a trajetória de Villa-Lobos suas melodias. em 1959. Na pertório da vanguarda europeia. - vo do modernismo.].” cuja inauguração o compositor faleceu. binações instrumentais. brasileira podem ajudar a situar as próprias te o panorama da música erudita brasileira obras.] Mesmo com esses procedimentos ainda Comecemos por Heitor Villa-Lobos. Compondo. “[. ainda marcado por um gosto pre- janela. vista. dominantemente novecentista. estão estampados em sua obra. autenticamente indígenas. estando sua personalidade tura letrada de um país escravocrata tardio indissociavelmente ligada ao arco produti. Villa-Lobos. o impulso em Paris impressionando pela força algo bár. lares brasileiras. Imediatamente após a Semana de 22. das pesquisas instrumentais. quando se tornou conhecido bos desencadeia. nos anos vinte. às vésperas de canibais que cantavam e dançavam. que se confunde com bara de suas sonoridades. entre os quais era co. em seu artigo “Entre o lesta e harpa. conta características e opi.. na década dades mais obscuras e recalcadas. combina ritmos sincopadamente brasileiros com a escala debussysta de tons inteiros. posto em contato com o re- 20) e às Bachianas brasileiras (anos 30). Filho de um funcionário da Biblioteca que remetem a linhas da música france- Municipal. século. QUARTETO NÚMERO 05 5 . como as da Semana de Arte Moderna de 1922. portanto.. assim como traços de suas viagens tínuas. Ele marca o momento em que a cul- neste século. o jovem Heitor saltava a brasileiro. mininas.. Algumas características gerais desse “[. tanto. - do a famosa viagem que teria feito pelo Brasil inteiro recolhendo música popular e indígena. que terá funcionado como um aguilhão nhecido pelo apelido de ‘Violão Clássico’. no en- cos populares da noite. obras inicialmente marcadas por um secularmente à mestiçagem e à mistura romantismo tardio e muitas vezes descriti. tro dos chorões e sambistas cariocas. gerador de sua obra. com coro oculto de vozes fe- erudito e o popular”. da união do erudito com o popular”. para ir ao encon. que vai da Semana amazônica. brilhante e fecundo da cultura . amplo uso de referências às músicas popu- até os mais recônditos rincões do Amazonas). SALA DE PROFESSOR VILLA-LOBOS. montadas em agregados de mas a verdade é que essa fuga para a boemia células muitas vezes simultâneas e descon- carioca. É. criada para si pelo próprio compositor (incluin. cultural. ligadas de dez. uma espécie de visão sonora do Brasil. a relativização dos encadeamentos desses artistas. entremeadas de desejo. professor e instrumentista amador que o formou no estudo do violoncelo e na escândalo e muita reação no meio musical admiração por Bach. Ao mesmo tempo. dentre Três danças africanas (1914-1916). onde esses.. como no Quarteto - José Miguel Wisnik. a possibilidade de - ças onde se ouve certa liberação da disso. Há muito de simulação na versão de vida e obra sonoridades. durante os anos dez. o mais timidamente modernos (mesmo que apre- importante músico erudito brasileiro deste sentados com sua conhecida desenvoltura). ensaia algumas niões de alguns Modernistas que participaram peças características inovadoras. do Noneto (1923) aos Choros (anos música popular. que Villa-Lo- década de vinte.. músi.. de abundância e miséria.

Disponível em: <http://www.5. Cartolinas. Tesouras. . gênero puramente clássico (o quarteto de cordas) soar com elementos da música popular. de Villa-Lobos. cal e forma sonata. Réguas de 30 cm. 6 VILLA-LOBOS. de 1922. nos os alunos painéis com esquemas de visualiza- permitindo observar a importância da junção do ção da forma do quarteto nº 5. A forma sonata. no estabelecimento das fessor realize uma atividade que terá como ponto proporções dos vários trechos musicais. De do vídeo nos dá subsídios para essa análise (em posse desse painel.O artigo de Wisnik possibilita maior entendimento O objetivo principal da atividade objetiva criar com sobre a estética da música de Villa-Lobos. o professor poderá montar um es- 5. O próprio texto cenas relativas aos diferentes trechos musicais.wikipe- do quarteto nº 5. Vale mencionar que o desenvolvimento dos es- Para aprofundar essa etapa. dia. a partir do registro e dia. Outra de partida a discussão sobre o popular e o erudito.wikipe- mento do quarteto nº 5. propomos que o pro. do dos outros trechos. Programa iAnalise mostrando a estrutura da forma sonata em tempo real.org/wiki/Forma_sonata. cordas clássico e posterior. Matemática (Geometria). parceria possível e interessante se dá com as Artes posteriormente analisando a estrutura do primei. na construção de um grande painel com ro movimento do Quarteto nº. ETAPAS MATERIAL As origens do quarteto de cordas. A vida de Heitor Villa-Lobos e sua relação com a Semana de Arte Moderna. variadas.youtube. Desenvolvimento dos conceitos de forma musi. na tentativa de fazer um animado no programa). - tos de forma sonata. Disponível em: <http://pt. Visuais. Seleção dos trechos populares no 1º movimento Forma musical. O escuta guiada. Executando uma erudito com o popular na obra do compositor.org/wiki/Forma_musical>. Disponível em: <http://pt.> cálculo dos tempos de cada trecho. VEJA MAIS erudito e popular. os diferencian. QUARTETO NÚMERO 05 SALA DE PROFESSOR . os alunos podem ser conduzi- 1h36min e 50s). dos pelo professor de Teatro ou Dança (se houver) pela música de Villa-Lobos.com/watch?v=rAvVLVJF- g_4&feature=fvwrel>. cujo subtítulo evidencia a junção de contrastes as grandezas de tempo e de espaço (vide esquema do “quarteto popular”.

República (ou “República Velha”) de 1920. O docente se aproxima de uma pers- lo XIX. com o propósito de ilustrar momentos de arte se relaciona ao momento histórico em que é produzida. obras “clássicas” das Artes Visuais e da Literatura. Diante desse novo cenário. fortalecimento da classe média e do operariado Infelizmente. de História poderá utilizar o documentário para de- senvolver conteúdos que contemplem: a Primeira Criação do Partido Comunista. rele. já que nos anos 1920 ganham fô. A década que antecedeu a Revolução de 1930 é O trabalho da relação entre a crise oligárquica e considerada por muitos historiadores fundamental o Modernismo brasileiro. no movimento conhecido como os Arte Moderna. de 1922. Tensão na eleição de 1922 com Arthur Bernar- Heitor Villa-Lobos foi compositor de vasta obra que des x Nilo Peçanha. traz ao professor a lego os choques travados entre a estrutura política oportunidade de tornar sua aula de História mais . estamos acostumados a explorar. se desenvolveu a partir do prisma Modernista brasi- leiro. analisando o desenvolvimento do Mo. O ano de 1922 é simbólico nesse sentido sala de aula. Dessa forma. vez ou outra. tratamos de desprezá-la. mundo acadêmico. Curiosa esta situação. visto que nós. O maestro Heitor Villa-Lobos e orquestra após concerto em Tel Aviv. e teve importante participação na Semana de Irrupção do Tenentismo (que teve seu início em 1922. e a sociedade em profunda transformação pectiva histórica mais dinâmica e mais sintonizada sedenta por mudanças. e quando nos deparamos com uma obra musical. A ampliação dos setores urbanos proporcionou o gando-a a outra disciplina que não a nossa.UM OLHAR PARA O DOCUMENTÁRIO A PARTIR DA HISTÓRIA Abordar a obra do compositor Heitor Villa-Lobos a pouca utilização da música como fonte de aná- lise dos estudos da chamada “história cultural”. durante a Semana de 1922. e praticamente não temos fontes o Brasil do “Café-com-Leite” e da “Política dos para o estudo da relação Música X História. o Te- nentismo e a Semana de Arte Moderna de 1922. interessante. professores de História. SALA DE PROFESSOR VILLA-LOBOS. por alguns fatores: dernismo brasileiro na década de 1920. o professor “Dezoito do Forte de Copacabana”). conceito de “arte”. A Semana de Arte Moderna. de 1922. ou sua manifestação para explicá-la. QUARTETO NÚMERO 05 7 . este aspecto também se faz presente no econômicas do país. Propomos Governadores” começava a dar sinais de esgota- ao professor o trabalho com o vídeo “Villa-Lobos” em mento. 1952. e sabemos que podemos utilizá-la como objeto de análise para nossos estudos.

] atraídos por essa fabulosa acumulação de proclamação da República e a década em questão. 2002/2003. ÁREA URBANIZADA 1915-1929 Fonte: Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano . Propomos ao professor iniciar sua explicação partindo de um breve panorama das transformações urbanas Como nos lembra o historiador Nicolau Sevcenko.Mapa de Expansão da Área Urbanizada da Região Metro- politana de São Paulo. QUARTETO NÚMERO 05 SALA DE PROFESSOR . saindo um pouco do viés exclusivamente econômico e político. tendo recebido diversos investimentos prove- nientes da rentável economia cafeeira do oeste ilustrar o crescimento de São Paulo.. dos países platinos e dos Comece mostrando aos alunos que esta cidade. já que ela serviu de enriquecimento. período em questão.o século XX nos apresentou. multidões de famílias e indiví- cenário à Semana de Arte Moderna. duos correram para São Paulo. 8 VILLA-LOBOS. que aconteceram em alguns centros do país entre a “[. quatro cantos do mundo” (SEVCENKO. 2009). de 1922. de oportunidades na indústria e no comércio ou vislumbrando a possibilidade de caso da cidade de São Paulo. recursos.. vindos de todas as partes do Brasil.

Anita Malfatti. estavam dialogan- do com as vanguardas europeias. Guiomar Novaes.000 Para o segundo momento. na época da Semana de 22. como por exemplo: fato de a Belle Époque. e a Semana de A valorização da ideia de que ser “moderno” é 1922. Data: dias 13. pois os modernistas entendiam relegada a um passado que não mais interessava. Di Cavalcanti. Além disso. 15 e 17 de fevereiro de 1922. DO ESTADO DE SÃO PAULO E DA CAPITAL PAULISTA (1872-1950) Local: Teatro Municipal de São Paulo. BRASIL 100 O professor poderá partir da ideia de que o Moder- 0 nismo brasileiro se propunha a pensar em um novo 1950 1872 1890 1900 1920 1940 Brasil. arte marcada rio: incursões na entropia paulista”. Sérgio Milliet. e 4. o Futurismo italiano).000 car o problema “nacional” em primeiro plano. Victor Brecheret. Daí o porquê A Semana de 22 poderá ser abordada pelo pro. com o universo “popular” como fonte para esse caráter nacional. Heitor Villa-Lobos. que já tinha se perdido. explorando de maneira pa- norâmica suas características mais gerais. tal como outros movimentos moder- momento sugerimos que sejam apresentadas aos - alunos as suas características básicas.63. SALA DE PROFESSOR VILLA-LOBOS.000 isso. Ao fazer 2. Artistas (somente alguns nomes): Mário de 7. QUARTETO NÚMERO 05 9 . Oswald de Andrade. In: Rev. enrique. discorra sobre o artistas desse movimento. apesar de ainda não colo- 5. o professor abrirá sua aula para um rico diálogo com outras disciplinas como Artes Visuais. o professor poderá explicar fontes de inspiração em elementos “nacionais”. plo.usp. Logo. LAÇÃO DO BRASIL. >.000 Andrade. pp. fato que consequentemente auxiliará 1. Disponível em: <http://www. há a exposição do Modernismo brasileiro. pelo encontro da cultura “nacional” com as van- 2004. era mostrar como as artes no Brasil. Extraído de SEVCENKO. USP [online]. encontrar-se em profunda crise A valorização das tradições culturais e folcló- ricas do país. seria interessante mostrar outras ques- tões levantadas e defendidas pelos intelectuais/ Paralelamente a essa questão. n. sua autonomia perante outras nações do globo. cendo a exposição com imagens. Literatu- CAPITAL ra e Música. e culturais dos centros europeus cederia espaço a . foi um bom exemplo para essa situação. tão forte na virada do sé- culo XIX para o XX. 16-35.sibi. onde a mera cópia de modelos intelectuais Fonte: IBGE e Censo Brasileiro. 3. ser “nacional”. etc.000 ESTADO os alunos na compreensão da obra de Villa-Lobos.br/scielo. O que importava mais.revistasusp.php?pi- guardas artísticas da Europa. CURVAS DE CRESCIMENTO DA POPU.000 Importância: é considerada o símbolo do Mo- dernismo brasileiro. 6.000 em especial em São Paulo. No primeiro passado. aos alunos que no campo cultural essas trans- formações também repercutiram. de o Modernismo brasileiro não romper com o fessor em dois momentos distintos. o artista brasileiro teria que buscar suas Feita essa introdução. uma arte “autenticamente” brasileira.

essas ideias gerais serviram de denominador comum para as mais va- riadas vertentes ao longo de seu desenvolvimento. “Abaporu”. 1933. o desejo dos modernistas pelo reconhecimen- to internacional. Inicie exibindo imagens de algumas obras consa- gradas dos modernistas brasileiros. Após a apresentação das ideias gerais dos moder- nistas. Sugerimos a exibição das obras: ARTES PLÁSTICAS “O Homem Amarelo”. 1928. isto é. “Operários”. de Tarsila do Amaral. É importante o professor salientar que o pensamento modernista brasileiro não foi único e nem homogê- neo. estabelecendo uma relação entre elas e as características gerais do movimento acima mencionadas.1925. Logo. Este é o momento propício para exibição do documentário “Villa-Lobos”. ou seja. QUARTETO NÚMERO 05 SALA DE PROFESSOR . ele apresentava em seu bojo diferentes propostas e perspectivas. “Samba”. de Anita Malfati. 10 VILLA-LOBOS. já que os modernistas enten- diam que as linguagens artísticas deveriam se adequar à nova realidade vigente. Porém. é adequado ilustrar com exemplos a arte moderna brasileira. A negação das estéticas parnasiana. de Tarsila do Amaral. A ambição universalista do movimento. român- tica e realista. de Di Cavalcanti. 1915-16. eles defendiam novas estéticas que dialogassem com os ingredientes da vida moderna existen- tes no Brasil dos anos 20.

visto que diver- e outras formas musicais populares do Brasil em sos artistas modernistas dos anos 1920 se tornarão sua obra. ambos de Oswald de Andrade. Depois. QUARTETO NÚMERO 05 11 . ressaltando a questão de o compositor dar a questão do Modernismo brasileiro durante ter se preocupado em fazer menção às cirandas suas aulas referentes à Era Vargas. Apresentar o vídeo “Villa-Lobos” aos alunos. de Mario de Andrade. O que a Semana de 22 e o Modernismo Como forma de avaliação da atividade proposta. de 1922. já que na época representava o símbolo do sia pau-brasil”. progresso e modernidade por oferecer às pessoas um modo de vida tipicamente urbano e cosmo- “Macunaíma”. o professor poderá dis. características de obras do Modernismo brasileiro. correr sobre a importância deste momento das a relação da Semana de 22 com o conturbado do país à ordem urbana/industrial de seu tempo.) ques- tões que permitam que os alunos expliquem as Como resposta sugerida. Explicar a Semana de Arte Moderna. imbuídos o professor deverá solicitar que os alunos respon. indústrias. SALA DE PROFESSOR VILLA-LOBOS. contexto nacional dos anos 1920. automóveis. polita. da missão de desenvolverem e propagarem uma dam a seguinte questão: cultura que era pensada como “nacional”. ilus- trando-o com imagens de algumas de suas obras. Explicar o Movimento Modernista Brasileiro. derna. provas. LITERATURA Paulo servir de cenário para a Semana de Arte Mo- “Manifesto antropófago” e “Manifesto da poe. brasileiro têm a ver com a crise da Primeira o professor poderá cobrar em exames mensais ou República dos anos 1920? bimestrais (testes. etc. lembre-se que poderá abor- -Lobos. com arranha-céus. MATERIAL ETAPAS Computador. teatros e modernos traçados urbanísticos. Após a exibição das imagens e do vídeo. DVD player. apresente um trecho do vídeo sobre Villa Encerrada a atividade. agentes políticos do governo varguista. Relacionar o Modernismo brasileiro com a crise da Primeira República. exercícios.

1971. In: Estudos Históri- cos. Civilização Brasileira. Entre o erudito e o popular. ROSEN. Marly Silva da. 2: 220-238. Rio de Janeiro: Zahar Editores. Intelectuais à brasileira. LORENZO. 12 VILLA-LOBOS. Paul. 1992. 1988. Rio de Janeiro.pdf>. Nacional estrangeiro: história social e cultural do modernismo artístico em São Paulo. São Paulo: Ed. Villa-Lobos. 1983. Mozart. São Paulo: USP. ESTRELLA. Disponível em: <http://cpdoc. sociedade e cultura nos frementes anos 20. Sergio. COSTA. MICELI. KIEFER. 1983. WISNIK. Rio de Janeiro. São Paulo: Duas Cidades/Secre- taria da Cultura. New York: Thames and Hudson. nº 157. uma introdução. A brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista. Arnaldo. 1978. Disponível em: <http://cpdoc. Rio de Janeiro: CPDOC. HORTA. São Paulo: Companhia das Letras. Sergio.sibi.112. In: Revista de História.fgv. versão impressa: ISSN 0034-8309. Beethoven. Orfeu extático na metrópole: São Paulo. FERREIRA. Surama Conde Sá. Heitor Villa-Lobos – compositor brasileiro. (Org. no. São Paulo: Companhia das Letras.usp. 1922: em busca da cabeça do Brasil moderno. London: Faber & Faber. Mônica P. Bruno.php?pi- >. W. MARIZ. Lúcia Lippi. 1977. VELLOSO. 1994. H. 1993. MORAES. A Crise dos anos 20 e a Revolução de Trinta. Porto Alegre: Editora Movimento.br/scielo.br/producao_intelectual/arq/1153. The Classical Style: Haydn.revistasusp. SEVCENKO. 1971. O Coro dos Contrários: a música em torno da semana de 22. Disponível em: < >. dez. A questão nacional na Primeira República. 2007. Brasília: Instituto Nacional do Livro. Disponível em: < > MOTTA. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 2003.pdf >. GRIFFITHS. 1990. Nicolau.fgv.SUGESTÕES DE LEITURA E OUTROS RECURSOS LIVROS E REVISTAS BRITO. MICELI. In: Estudos Históricos. Unesp. História do Modernismo Brasileiro: Antecedentes da Semana de Arte Moderna. Charles Rosen (1971). PINTO. The String Quartet: A History. 1994. 1986.). Villa-Lobos e o modernismo na música brasileira.fgv. Rio de Janeiro: MEC/DAC. C.br/dspace/handle/10438/6802> ORTIZ. Renato. José Miguel. Rio de Janeiro. CPDOC. 1. P. Luis Paulo. 2001. Modernismo revisitado. Mário da Silva. Cultura brasileira e identidade nacional. QUARTETO NÚMERO 05 SALA DE PROFESSOR . A década de 1920 e as origens do Brasil moderno. 1987. 2006. São Paulo: Brasiliense. Os quartetos de cordas de Villa-Lobos. Ciência e Tecnologia. 1997.br/producao_intelectual/arq/1593.. Disponível em: <http://bibliotecadigital. OLIVEIRA. Disponível em: <http://www. São Paulo: Brasiliense. Vasco. Marieta de Moraes. v. WISNIK. 6 (11): 89 . São Paulo: Companhia das Letras. Eduardo Jardim de. José Miguel.

Disponível em: < >. Disponível em: < - Aula. Manifesto Antropofágico e a teoria modernista do Brasil. QUARTETO NÚMERO 05 13 . Disponível em: < >.fgv.html?aula=25444>.br/revolucao1930>.html?aula=36889>. SALA DE PROFESSOR VILLA-LOBOS. Primeira fase do Modernismo: renovação e divulgação de obras e ideias modernistas e os manifestos. Disponível em: <http://cpdoc.SUGESTÕES DE LEITURA E OUTROS RECURSOS SITES E OUTROS RECURSOS Os 90 anos da Semana de Arte Moderna. 80 anos da Revolução de 30. Semana de Arte Moderna – Itaú Cultural. Disponível em: < - nicaAula. Disponível em: < > Modernismo brasileiro – MAC USP. Disponível em: < > Semana de 1922: o início do modernismo brasileiro. Disponível em: < - > Semana de Arte Moderna.

Um documentário da TV Escola. O progra- ma incentiva os professores de Ensino Médio a desenvolverem projetos que mudem a roti- FOTO na em sala de aula. Assim é o Sala de Pofessor. Em cada programa.br ou curta a fan page da TV Escola no Facebook. - teúdos mais visuais e interativos. que podem ser reaplicados em qualquer escola do país. Para ter acesso a esses pro- dutos. tabelas. E o professor também pode navegar pelo material extra do programa no blog do Sala. dois professores convidados criam um projeto a partir de documentários exibidos na TV Es- cola. Um ponto de partida para grandes trabalhos com os alunos. Os trabalhos apresentados são detalhados disponíveis no site da TV Escola.mec. acesse o site tvescola.gov. FOTO . Os profes- sores também podem usar as artes criadas para o programa: são animações. São sempre propostas e experimentos inovadores. As dicas - ram transformadas em fascículos interativos para tablets.