You are on page 1of 12

Destilação fraccionada

de uma mistura de três componentes.

Ana Fernandes nº2 turma A

Daniel Videira nº4 turma A

Ana Nogueira nº2 turma B

Megane Fachada nº12 turma B

Escola Secundária Tenente-Coronel Adão Carrapatoso, 25 de Março de 2010

Data de execução da actividade: 22 de Março de 2010

Com esta experiência pretende-se demonstrar, de uma forma mais simples, os


processos de destilação a que o petróleo está sujeito.
Introdução teórica

Petróleo é uma substância oleosa, inflamável, geralmente


menos densa que a água, com cheiro característico e coloração que pode
variar desde o incolor ou castanho claro até ao preto, passando por verde e
castanho.

Combinação complexa de hidrocarbonetos, composta na sua maioria de


alifáticos, alicíclicos e aromáticos, podendo conter também pequenas
quantidades de nitrogénio, oxigénio, compostos de enxofre e iões metálicos,
principalmente de níquel e vanádio. Esta categoria inclui petróleos leves,
médios e pesados, assim como os óleos extraídos de areias impregnadas
de alcatrão. Materiais hidrocarbonetos que requerem grandes alterações
químicas para a sua recuperação ou conversão em matérias-primas para a
refinação do petróleo, tais como óleos de Xisto crus, óleos de xisto
enriquecidos e combustíveis líquidos de hulha, não se incluem nesta
definição.

O petróleo é um recurso natural abundante, porém a sua pesquisa


envolve elevados custos e estudos bastante complexos.

O petróleo bruto ou crude serviu como substituto do carvão mineral, no


século XX, devido ao seu “poder energético”, o que permitiu a realização da
Segunda Revolução Industrial. A sua utilização em grande escala provou
diferentes impactos sociais, alguns deles verificados ao nível dos transportes,
da indústria transformadora, na produção de energia e no ambiente, devido ao
drástico aumento de poluição, para além de salientar a assimetria social entre
povos e países.

É também actualmente a principal fonte de energia. Serve como base


para fabricação dos mais variados produtos, dentre os quais destacam-se:
benzinas, óleo diesel, gasolina, alcatrão, polímeros plásticos e até
mesmo medicamentos. Além de gerar a gasolina que serve de combustível
para grande parte dos automóveis que circulam no mundo, vários produtos são
derivados do petróleo como, por exemplo, a parafina, GLP, produtos
asfálticos, nafta petroquímica, querosene, solventes, óleos combustíveis,
óleos lubrificantes, óleo diesel e combustível de aviação.
A obtenção do GPL, gás de petróleo líquido, e de outros combustíveis
para vários tipos de motores e diferentes óleos é conseguida através da
destilação fraccionada do crude, petróleo bruto. Para além, deste tipo de
destilação existe também a destilação simples, que serve para a separação de
uma mistura homogénea de sólido - líquido. Neste caso, é importante que os
pontos de ebulição das duas substâncias sejam bastante diferentes.

Ilustração 1- Esquema da Destilação Simples

Por outro lado, a destilação fraccionada é o método utilizado para


separar misturas homogéneas, do tipo líquido – líquido. Na destilação
fraccionada os líquidos são separados através de seus pontos de ebulição,
desde que eles não sejam muito próximos. Durante o aquecimento da mistura
é separado, primeiramente, o líquido de menor ponto de ebulição, depois o
líquido de ponto de ebulição intermediário e sucessivamente até o líquido de
ponto de ebulição maior.
Na destilação fraccionada, o crude é aquecido de modo a que os seus
componentes atinjam o ponto de ebulição e passem para o estado gasoso,
podendo ser recolhidos. Como os componentes do crude não têm todos o
mesmo ponto de ebulição, o seu arrefecimento gradual permite a separação
selectiva das substâncias.

O crude é aquecido a cerca de 400℃ antes de entrar na coluna de


destilação, de modo a transformar-se em vapor. O vapor, ao subir na coluna de
destilação, vai arrefecer permitindo que as diferentes substâncias condensem
e sejam recolhidas em tabuleiros que se encontram a diferentes temperaturas.

As substâncias que condensam a temperaturas mais baixas são os


hidrocarbonetos de cadeia curta, com massa molar reduzida, enquanto as
substâncias que condensam a temperaturas mais elevadas são os
hidrocarbonetos de cadeia longa, consequentemente de elevada massa molar.

Neste processo, as substâncias são recolhidas em função de intervalos


de temperatura, logo não se obtém uma única substância, mas um conjunto de
substâncias que se designa de fracção.

As principais fracções obtidas na destilação do crude estão indicadas na


tabela seguinte, relacionadas com as temperaturas a que se dá a condensação
e consequente recolha.
FRACÇÃO Nº DE CARBONOS TEMPERATURA UTILIZAÇÃO
PRESENTES NAS DE RECOLHA (℃)
MOLÉCULAS

Gás natural 1a4 -161℃ a 20℃ Combustíveis para


aquecimento.

Gás de cozinha.

Componentes GPL.

Éter de petróleo 5a6 30℃ a 60℃ Solvente de


compostos
orgânicos.

Gasolina 6 a 10 30℃ a 180℃ Combustíveis para


motores de
automóveis.

Nafta 7 a 12 110℃ a 195℃ Solvente

Combustíveis.

Gasóleo 6 a 12 30℃ a 180℃ Combustíveis e


motores a diesel.

Querosene 11 a 16 170℃ a 290℃ Combustíveis para


motores a jacto e
foguetões.

Aquecimento
doméstico.

Óleo lubrificante 15 a 24 300℃ a 370℃ Lubrificantes para


motores de
máquinas.
Material e Reagentes

Material:

• Adaptadores de termómetro
• Balões de fundo redondo
• Coluna de fraccionamento de Vigreux
• Condensadores (de Liebig ou outros)
• Papel de alumínio
• Proveta para recolha de destilado
• Regulador de ebulição (Pedras pomme)
• Termómetro
• Pipetas
• Pompete

Reagentes

• Mistura de três componentes: butan-1-ol, acetona e água destilada.

Equipamento de segurança:
Procedimento Experimental

1º Elaborar uma montagem para destilação fraccionada.

2º Aquecer lentamente, para que exista uma separação eficaz dos


componentes

3º A partir do momento em que a temperatura atinge os 50 ºC, envolver a zona


de ligação da cabeça de destilação ao condensador e à coluna com folha de
alumínio.

4º Recolher a primeira fracção de destilado anotando a temperatura aquando


do momento em que cai a primeira gota.

5º Anotar a temperatura e o volume de destilado de 2 em 2 minutos.

Ilustração 2- Esquema de uma Destilação fraccionada


Registo de Observações

Tempo Temperatur Temperatur


Tempo Tempo Temperatura
(minutos) a a
(minutos) (minutos) (ºC)
(ºC) (ºC)
0 68 24 77 48 81.5
2 68 26 76 50 81.5
4 69 28 76 52 82.5
6 71 30 76 54 83
8 71 32 77 56 83
10 73 34 77 58 82
12 74 36 77 60 83.3
14 74 38 78 62 88.5
16 75 40 79 64 89
18 76 42 80 66 89
20 76 44 80.3 68 89.5
22 77 46 79 70 89.5
Tratamento dos resultados experimentais

É notório neste gráfico subidas e descidas de temperatura originando,


deste modo, um gráfico com “patamares”.
Estes diferentes pontos de maior elevação evidenciam as temperaturas
a que determinado componente da mistura atingiu o seu ponto de ebulição.
Assim, existem vários pontos de ebulição, um para cada componente, o
que explica o aumento da temperatura, mas com algumas quebras.
Conclusão

O nosso objectivo com a elaboração desta actividade era efectuar uma


destilação fraccionada de uma mistura de três substâncias, butanol, acetona e
água destilada. Apesar de todo o nosso empenho na realização da actividade
não conseguimos atingir todos os nossos objectivos, mas mesmo assim
conseguimos observar a destilação da acetona, que dos três é o que tem o
ponto de ebulição menor, 56.53Cº. Porém, não conseguimos observar a
destilação entre as outras duas substâncias devido ao desperdício de calor
provocado pelo uso de conexões impróprias para o material disponibilizado
pela escola.
Crítica

Depois de efectuada a APL 2.1 podem apresentar-se algumas criticas


ao procedimento experimental utilizado. Um dos maiores problemas na
realização desta actividade tem origem na falta de material adequado para a
nossa destilação, aliás até tínhamos o material, mas não tínhamos as ligações
correctas para que a destilação ocorre-se de forma normal e sem perdas de
rendimento.

Devido a falta de ligações correctas e a consequente perda de calor,


temos ainda a apontar que o balão de destilação demorou bastante mais
tempo que o previsto para que a sua temperatura fosse a pretendida para a
realização da destilação.

Quanto a preparação e elaboração de toda a montagem do material


para a destilação fraccionada correu como previsto, já os resultados não foram
os esperados, uma vez que o material não o permitiu.
Ligações incorrectas

Bibliografia

• QUEIRÓS, Maria Alexandra; SIMÕES, Maria Otilde; SIMÕES, Teresa


- «Química em contexto 12ºano – 1.Metais e Ligas Metálicas» 1.ª
edição, Porto Editora 2009;
• SOARES, Ana Maria - «Preparar os testes», Ensino Secundário
12ºano, Areal Editores;
• Internet, nos motores de busca:
○ http://pt.wikipedia.org
○ www.rossetti.eti.br/dic.html