You are on page 1of 70

Metodologia Científica

Raoni Rodrigues
raoniarodrigues@gmail.com
Por que?
• Somos cientistas!

• Saber expor é conquistar espaço!

• Expansão da capacidade cognitiva e conceitual.


Pontos Críticos Introdutórios
1
SENSO COMUM – CIÊNCIA - IDEOLOGIA
Exemplo
CIÊNCIA SENSO COMUM
&
IDEOLOGIA
2

O Mito da Neutralidade Científica


3

A oposição entre a Academia e a Rua

Aca-Demo A-lumni
Ciência pura:
- aquisição do conhecimento sem finalidades de utilização prática

Ciência aplicada:
- utilização dos conhecimentos da ciência pura e da tecnologia em
aplicações práticas
4

“A ciência nunca resolve um problema


sem criar pelo menos outros dez”.
George Bernard Shaw

O fracasso do projeto Iluminista


Ciência X Humildade

“A ciência é o grande antídoto do veneno do entusiasmo e da superstição”.


Adam Smith

“A ciência fez de nós deuses antes mesmo de merecermos ser homens”.


Jean Rostand
5
Urgência Bioética
Atividade 1
Qual Ponto Crítico tem mais ligação com o seu TCC?

Senso Comum - Ciência - Ideologia

O Mito da Neutralidade Científica

A oposição entre a Academia e a Rua

O fracasso do Projeto Iluminista

Urgência Bioética
METODOLOGIA
Método:
“Reunião dos meios através dos quais é possível alcançar um objetivo”
“Ordem; razão ou planificação que determina ou organiza certa atividade”

Método:
“Conjunto de procedimentos intelectuais e técnicos adotados para se atingir o
conhecimento...”

... Filosófico
... Artístico
... Científico – Objeto de análise do ramo do saber humano conhecido como
Metodologia Científica
Conhecimento X Informação
Fontes de Informação
• Informação primária – artigos científicos,
teses, relatórios que analisam diretamente o
tema
• Informação secundária – livros e artigos mais
gerais ou em temas paralelos
• Informação terciária – dicionários e
enciclopédias
Leituras
Classificações da Pesquisa

Quanto à Natureza da Quanto ao objeto de Quanto à técnica de coleta


Pesquisa estudo de dados
Qualitativa Estudo de caso Entrevista
Quantitativa Amostragem probabilística Questionário
Estudo Censitário Observação
Revisão de Literatura Pesquisa documental
Pesquisa bibliográfica
Experimento
Pré-Projeto

Intervenções
Monografia Artigos Etc...
organizacionais
Objetivos do Pré-Projeto
• Possibilitar o delineamento das ideias iniciais
• Esclarecer o caminho a ser percorrido e as
etapas a serem vencidas
• Permitir uma caminhada mais segura
O que pesquisar Definição do tema, do problema
Identificação do local - caracterizar a instituição,
Onde irá pesquisar serviço, unidade, setor que avaliza o projeto, que o
credencia para ser realizado.
Identificar as fontes de pesquisa
Por que pesquisar Justificativa da escolha do problema
Para que pesquisar Objetivos e propósitos do estudo
Como pesquisar Escolha do método/técnicas de pesquisa
Qual o resultado Definição de hipóteses, que são respostas supostas e
esperado provisórias ao problema da pesquisa
Quando pesquisar Cronograma (execução do projeto)
Quais recursos serão Projeção orçamentária
necessários
Planejamento do TCC:
Passo a Passo para a Escolha do Tema
1. Escolha um tema que você goste e que se ajuste ao
seu perfil
2. Não basta gostar do tema – é preciso ter aptidão para
desenvolvê-lo
3. O tempo disponível para a realização do trabalho
deve ser compatível com o nível de dificuldade
4. Analisar a facilidade de acesso às fontes de pesquisa
atualizadas
5. O tema deve ser relevante para estimular seu
desenvolvimento pessoal e profissional
6. O tema precisa ser pertinente à habilitação em curso
Problematizando...
• O problema é o ponto de partida para uma pesquisa.
***Dizem que a pesquisa é realizada quando se tem um
problema e não se tem informações para solucioná-lo...
Mas nem sempre uma pesquisa precisa ser inédita.

Perguntas fundamentais:
• Que problema se pretende resolver?
• Por que isso é um problema?
• Por que vale a pena resolvê-lo? (Interlocução com a
justificativa)
Hipótese
• Suposição; resposta temporária.

• Procura apresentar uma pré-solução para o problema


(caberá ao trabalho afirmar ou não a hipótese)

• É formulada no pré-projeto, mas só é verificada ao final


da pesquisa.

• O trabalho pode não conter hipóteses (devemos evitar


hipóteses óbvias ou sem possibilidade real de
verificação)
Lista de Verbos - Objetivos gerais
Para a definição de objetivos gerais, é recomendado o uso de
verbos com significado abrangente. Deve englobar a
totalidade do problema, definindo de forma clara o que se
pretende no final do projeto.

Verbos para objetivos gerais que se focam em conceitos


conhecer; compreender; entender; identificar; reconhecer;
generalizar.

Verbos para objetivos gerais que se focam em


procedimentos
desenvolver; estabelecer; organizar; capacitar; demonstrar.

Verbos para objetivos gerais que se focam em atitudes


contribuir; colaborar; valorizar; interiorizar; mostrar.
Lista de Verbos - Objetivos específicos
Para a definição de objetivos específicos, é recomendado o uso de verbos
com significado mais restrito e direcionado. Os objetivos específicos
contribuem para a concretização do objetivo geral, pormenorizando-o.

Verbos usados em objetivos específicos para indicar análise


analisar; investigar; comprovar; classificar; comparar; contrastar;
diferenciar; distinguir.
Verbos usados em objetivos específicos para indicar avaliação
avaliar; pesquisar; selecionar; precisar; decidir; estimar; medir; validar.
Verbos usados em objetivos específicos para indicar compreensão
concluir; inferir; deduzir; interpretar; determinar; descrever; ilustrar.
Verbos usados em objetivos específicos para indicar conhecimento
registrar; definir; identificar; nomear; especificar; exemplificar;
enumerar; citar.
Verbos usados em objetivos específicos para indicar síntese
esquematizar; organizar; constituir; estruturar; generalizar; documentar;
desenvolver.
Verbos usados em objetivos específicos para indicar aplicação
aplicar; praticar; empregar; operar; usar.
O TCC e suas partes
*exemplificativo
*exemplificativo
*Necessidade de manipular a ferramenta do Word
Sumário ou Índice
“A confusão semântica sobre a definição técnica das duas palavras é
estabelecida pela própria NBR 6027. Veja-se: "a enumeração das principais
divisões, seções e outras partes de um documento chama-se "sumário", ao
passo que a enumeração detalhada dos assuntos, nomes de pessoas, nomes
geográficos, acontecimentos, etc., com a indicação de sua localização no
texto",* chama-se "índice".”

Fonte: SUMÁRIO OU ÍNDICE? CONCEITOS, DEFINIÇÕES E CONTROVÉRSIAS.


por Gilson Vieira Monteiro

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
86501998000200011
Monografia
Introdução Desenvolvimento Conclusão
Os 6 elementos da Introdução
1. Contextualização (falar do todo)
2. Problematização
3. Relevância do Objeto de Estudo (Justificativa)
4. Questões norteadoras (hipóteses)
5. Objetivos
6. Metodologia

***Não é para dividir em tópicos!


***Média de 2 páginas (mas pode ter mais,
dependendo do tipo de trabalho)
A Matemática do Desenvolvimento
Primeiro passo:
Criar capítulos para tratar de cada uma das linhas temáticas.

Segundo passo:
Criar um capítulo que alinha todos os temas, e normalmente
recebe o nome do próprio tema do trabalho.
Conclusão
• Não basta apenas resumir o
conteúdo.
• Os objetivos foram
atingidos?
Introdução Conclusão • As hipóteses se mostraram
precisas?
• A metodologia foi
adequada? Pode ser
reaplicada?
• O estudo foi de fato
relevante?
• Torna-se necessária a
realização de novos
estudos?
Conclusão X Considerações Finais

Conclusão é uma dedução extraída dos


resultados do trabalho. Algo definitivo.

Considerações finais indica que o resultado do


trabalho possibilita reflexões, sem
uma conclusão definitiva ou com resultado
suscetível de revisões.

*depende do que será predominante.


No texto: A biblioteca de modo geral precisa funcionar como uma fonte dinâmica de
cultura, que deve atender às várias necessidades de seus freqüentadores, sejam eles
crianças ou adultos, estudantes ou pesquisadores. (CARVALHO, 1972, p.28).

Na lista de referências: CARVALHO, M. Introdução à psicologia das relações humanas.


Rio de Janeiro: FGV, 1972.

No texto: CAMPOS (1995, p. 67) na análise dos dados "as respostas fornecidas pelos
elementos pesquisados tendem a ser as mais variadas".

Na lista de referências: CAMPOS, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São


Paulo: Atlas, 1995.

No texto: O usuário deve estar familiarizado com as técnicas e rotinas da biblioteca.


Pois uma das funções da biblioteca é ajudar o usuário a querer e a buscar a
informação de que necessita. (LIMA; SOARES, 1983, p. 98).

Na lista de referência: LIMA, M. C. X.; SOARES, A. O bibliotecário e o desenvolvimento


da pesquisa. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG. Belo Horizonte, v.12, n.1,
p. 97-112, 1983. No texto: Conforme Lakatos e Marconi (1999), a interação social é a
ação social, mutuamente orientada, de dois ou mais indivíduos em contato...
ANDRADE, Mário de. Aspectos da música brasileira. Rio de
Janeiro: Vila Rica, 1991.

______. O empalhador de passarinho. 3. ed. São Paulo:


Martins; Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1972.

ANDRADE, Mário de; ASSIS, Machado de; BRAGA, Rubem. Nós


e o Natal. Rio de Janeiro: Gomes de Souza, 1964.

ANDRADE, Mário de; CUNHA, Mário Vagner Vieira da. Festa


de Bom Jesus de Pirapora e o samba rural paulista. São
Paulo: Departamento de Cultura, 1937.

ANDRADE, Mário de et al. Para gostar de ler: contos. São


Paulo: Ática, 1988.
REGO, José Lins do. Doidinho: romance. 32. ed. Rio de
Janeiro: J. Olympio, 1994a.

______. Flamengo é puro amor: 111 crônicas escolhidas.


Rio de Janeiro: J. Olympio, 2002.

______. O moleque Ricardo: romance. 2. ed. rev. Rio de


Janeiro: J. Olympio, 1936a.

______. Pureza: romance. Rio de Janeiro: J. Olympio,


1994b.

______. Usina: romance. Rio de Janeiro: J. Olympio,


1936b.
ANDRADE, Carlos Drummond de et al.
Quadrante. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. do Autor,
1962.

---------------------------------------------------------------

QUENTAL, Antero de (Org.). Tesouro poético da


infância. Porto: Lello e Irmãos, 1983.
• BRASIL. Ministério da Marinha. Serviço de
Documentação da Marinha. Centenário do
almirante Saldanha: 1846-1946. Rio de
Janeiro: Imprensa Naval, 1947.

• CAMPOS, Humberto de. Antologia da


Academia Brasileira de Letras: trinta anos de
discursos acadêmicos: 1897-1927. Rio de
Janeiro: W. M. Jackson, 1941.
SÜSSEKIND, Flora. Não-livros. In: SÜSSEKIND,
Flora; DIAS, Tânia (Org.). A historiografia
literária e as técnicas de escrita: do manuscrito
ao hipertexto. Rio de Janeiro: Edições Casa de
Rui Barbosa: Vieira e Lent, 2004. p. 442-488.

CARAS. Rio de Janeiro: Americana, n. 346, 2.


quinzena out. 2004.
ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. Disponível
em:
www.dominiopublico.com.br/machado/casmurr
o. Acesso em: 6 ago. 2004.
Método Sumário ou
Método Fichamento?
Método Sumário ou
Método Fichamento?
Atenção
• Crie a sua própria lista de palavras típicas para
iniciar parágrafos.

• Elas funcionam como gatilhos mentais para a


escrita
Atividade 2 – Oficina de TCC
• Organização em grupos
• Elaboração de projeto hipotético
• Estudo de caso: criança com TDAH, que frequenta
uma escola comunitária