You are on page 1of 7

SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

Materna: Política Nacional O FUTURO DA LÍNGUA PORTUGUESA EM TIMOR-LESTE


Soraia LOURENÇO47

Um Quadro de Referência para o Ensino do Português em Timor-Leste RESUMO:

Difusão da Língua Portuguesa no Mundo

Ajudar as crianças a aprender: uma conferência


internacional sobre educação bilingue em Timor-Leste

Que futuro tem a língua portuguesa em


Timor-Leste?
East Timor Linguistics: state of the art
[

et alii Professores de Português em Timor-Leste


[

Textos sobre Timor e outros amores PALAVRAS-CHAVE


[
Ser professor é uma vocação que foi determinad[a] por Deus para ensinar ou preparar os alunos para o futuro
de amanhã

A língua portuguesa é a língua de instrução e administração em Timor-Leste que ocupa lugar de relevo na
atividade educativa (...). Para alcançar o objetivo da educação é preciso ter o apoio de recursos didáticos,
formações de cursos de língua portuguesa (...) e sobretudo o entendimento das necessidades dos professores
(...).

A língua portuguesa em Timor-Leste é uma realidade histórica e cultural. Ela, como identidade do povo de
metade da ilha de Timor, constitui a diferença deste povo com o povo da Ásia e da Austrália. (...) Como

futuro a língua mais utilizada e falada no seio da comunidade porque já temos mais de 250.000 alunos que
estão a aprender português desde [a] primária até [à] universidade

Considerações Iniciais

47
do Instituto Camões na Faculdade de Letras da Universidade de Zagreb, Departamento de Estudos Românicos, Ivana Lucica 3, 10000, Zagreb,
Croácia. svalourenco@gmail.com

42| III SIMELP III SIMELP | 43


SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

Habun, Kawaimina, Galoli, Wetarese Bekais, Dawan, Makuva,


Mambai, Kemak, Tokodede, Idalaka.

Bunak, Makasai, Makalero, Fataluko.


Um Quadro de Referência para o Ensino
do Português em Timor-Leste48

Constituição da República Democrática de Timor-Leste

quadro de referência para o ensino do português em Timor-Leste Quadro


Europeu Comum de Referência para as Línguas (QECR) do Quadro de Referência para o Ensino Português no
Estrangeiro (QuaREPE)

input

audível

étum-praça

48 Muitos dos aspetos abordados nesta comunicação são desenvolvidos aprofundadamente em Lourenço, (2011).

50 Cf. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais- Instituto Politécnico de Leiria (2010:32).
51
língua, já que o seu discurso era uma mescla de português, tétum e indonésio.

44| III SIMELP III SIMELP | 45


SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

língua estrangeira.

Língua Segunda (L2)

Abordagem Didática da LP em Timor-Leste

Timor-Leste: espaço plurilingue e pluricultural

plurilinguismo.54 competência plurilingue

língua estranha

input outro
outro

estranha

competência plurilingue e pluricultural

54 Pelo facto de estar associado à abordagem da aprendizagem de línguas desenvolvida pelo Conselho da Europa, que considero que
ilustrar, da melhor forma a situação linguística vivida em Timor-Leste, opto por usar o termo plurilinguismo, que consiste na capacidade que

como língua de escolarização e veicular 55


52
53 um “terceiro espaço” de encontro que incida na negociação e reconhecimento cultural do outro, sabendo gerir diferenças e articulando o
melhor de uma e de outra perspectiva (L2 ou LE), no sentido de tornar mais produtivo o processo de ensino-aprendizagem da LP em Timor-Leste.

46| III SIMELP III SIMELP | 47


SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

competência intercultural
mediadores interculturais competência intercultural e a capacidade de mediação
intercultural
era

competência intercultural

1º Encontro sobre as Línguas de Timor-Leste

observadores

imaginando
input

O Ensino do Português em Timor-Leste (Processo, Práticas e Agentes)

57

se mantido até agosto de 2010.


58
aprendizagem da LP em TL, de forma a tornar objetivo o processo e a sua consequente avaliação.
56 Denominou-se Projeto de Reintrodução da LP em Timor-Leste Projeto de Lecionado à semelhança do que se faz para as comunidades portuguesas residentes no estrangeiro ou supondo uma viagem turística
Consolidação da LP em Timor-Leste. a Portugal (como acontece na Europa com os aprendentes de português, enquanto ensino formal).

48| III SIMELP III SIMELP | 49


SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

a maioria dos alunos timorenses e mesmo os professores, não têm sido

autêntico

QECR

10 Anos depois input

Plano
Relatório de Avaliação do Projeto de Reintrodução da Língua Estratégico de Desenvolvimento 2011-2030
Portuguesa em Timor-Leste 2003-2009,
consolidação

[
60 Cf. Mateus (2008:6).
61 Este relatório foi realizado pela Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria, a pedido do IPAD 63
(entidade que coordena o PRLP) e teve como objetivo avaliar o Projeto de Reintrodução da LP em TL relativamente aos seguintes pontos:
64

65 Em Lourenço (2011:50-66) são analisadas algumas necessidades dos professores timorenses que passam pelo acesso a recursos didáticos,

62 66 Em média, cada professor tem cerca de 42 alunos na sala de aula. Cf. Lourenço, (2011:50).

50| III SIMELP III SIMELP | 51


SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

falando
Português Europeu

Um Quadro de Referência para o Ensino do Português em Timor-Leste67

QECR, a)

b)

c)
d)
e)
conhecimento
declarativo do mundo
f)

68
bolsas de estudo em Portugal nos primeiros anos de reintrodução da LP em TL e que não aproveitando essas bolsas optou por se aventurar na
Europa (Inglaterra, Irlanda) não regressando a TL.
67 Em Lourenço (2011:70) aprofundar-se esta proposta, uma vez que se baseia numa análise das necessidades comunicativas de uma
português em Timor-Leste.

52| III SIMELP III SIMELP | 53


SIMPÓSIOS | SIMPÓSIO 37 SIMPÓSIO 37

“ Studies in Languages and


Cultures of East Timor

Portefólio Europeu de Línguas Identidade, Língua e Política Educacional

Idiomático 3

QECR

QECR

Considerações Finais

Languages and Language Repertoires: Plurilinguism as a Way of Life in Europe.

Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas, aprendizagem, ensino, avaliação

70 Pode-se encontrar a tabela em Lourenço (2011: 101-103).

54| III SIMELP III SIMELP | 55