You are on page 1of 54

Sumário

INTRODUÇÃO .................................................................................................................................................52

1. A BÍBLIA .................................................................................................................................................54
OUTROS NOMES ...................................................................................................................................55
FATOS E PARTICULARIDADES DA BÍBLIA ......................................................................................55

2. A ESTRUTURA DA BÍBLIA ................................................................................................................57
ANTIGO TESTAMENTO .......................................................................................................................57
ESTRUTURA DO ANTIGO TESTAMENTO CONFORME O JUDAÍSMO ........................................58
ESTRUTURA DO ANTIGO TESTAMENTO CONFORME O PROTESTANTISMO ........................59
ESTRUTURA DO ANTIGO TESTAMENTO CONFORME O CATOLICISMO ROMANO ..............60
NOVO TESTAMENTO ..........................................................................................................................61

3. O CÂNON DAS ESCRITURAS ............................................................................................................63

4. TESTES USADOS PARA DETERMINAR A CANONICIDADE .....................................................65

5. LIVROS APÓCRIFOS OU DEUTEROCANÔNICO ........................................................................67
PSEUDEPÍGRAFOS ................................................................................................................................71

6. A INSPIRAÇÃO DAS ESCRITURAS .................................................................................................73

7. TEORIAS DA INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA ..........................................................................................83
Teoria da Inspiração Dinâmica ..........................................................................................83
Teoria do Ditado ou Mecânica ...........................................................................................83
Teoria da Inspiração Natural ou Intuição ................................................................83
Teoria da Inspiração Mística ou Iluminação ............................................................83
Teoria da Inspiração dos Conceitos e não das Palavras ...................................84
Teoria da Inspiração Verbal Plenária .................................................................................84
PROVA DA INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA .................................................................................................84

8. O SURGIMENTO DA ESCRITA .........................................................................................................85
Cuneiforme e hieróglifos .........................................................................................................85
As origens do alfabeto .............................................................................................................86
OS IDIOMAS DA BÍBLIA ......................................................................................................................87

9. MATERIAIS USADOS ........................................................................................................................89
Pedra ...................................................................................................................................................89
Tabuinha de barro ou argila ................................................................................................89
Madeira .............................................................................................................................................89
Papiro ..................................................................................................................................................90
Velino, pergaminho e couro ..................................................................................................90

10. MANUSCRITOS ..................................................................................................................................91
NOMENCLATURA DOS DOCUMENTOS TEXTUAIS .....................................................................92
CLASSIFICAÇÃO ................................................................................................................................92
OS GRANDES CÓDICES UNCIAIS ...................................................................................................92
Manuscrito Sinaítico ...............................................................................................................92
Manuscrito Vaticano ...............................................................................................................93
Manuscrito Alexandrino .........................................................................................................93
Manuscrito Ephraemi Rescriptus .........................................................................................93
Manuscrito Bezae ....................................................................................................................93
MANUSCRITOS CURSIVOS ..............................................................................................................96

11. TRADUÇÕES .......................................................................................................................................95
Definição e distinção ................................................................................................................95
Os Targuns .......................................................................................................................................95
A Septuaginta .................................................................................................................................95
Pentateuco Samaritano ...........................................................................................................96
Traduções siríacas .....................................................................................................................96
A TRADUÇÃO LATINA .......................................................................................................................96
AS TRADUÇÕES PARA O PORTUGUÊS ..........................................................................................97
PERÍODO DAS TRADUÇÕES COMPLETAS ....................................................................................98
TRADUÇÃO DE FIGUEIREDO ..........................................................................................................98
A BÍBLIA NO BRASIL .......................................................................................................................99

REFERÊNCIAS ...............................................................................................................................................101

AVALIAÇÃO................................................................................................................................................103

MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA

introdução
A Bíblia é um livro singular. Sem sombra de dúvida, não há nenhum que se compare a ela. É um livro de
respostas, não de perguntas. Ela nos guia em questões em que a mente não pode penetrar, nas quais o raciocínio
humano nos deixa insatisfeitos. Muitas bênçãos são dadas aos que começam uma busca sincera, prontos a seguir
a trilha da verdade para onde quer que os leve.
Este livro, intitulado Bíblia Sagrada, nos conduz ao mundo metafísico (que está além de nossos sentidos), onde a
mente humana, sozinha, não tem capacidade de penetrar. Na realidade este livro nos traz informações privilegiadas
sobre Deus e seu relacionamento com o mundo e principalmente de seu plano e propósito para a salvação.
Judeus e cristãos certificam que Deus revelou verdades a respeito de si mesmo que nenhum profeta, por mais
iluminado que seja, jamais poderia descobrir. É na Bíblia que se encontra a manifestação do Eterno Deus, fazendo-
se conhecer pessoalmente, firmando pactos e alianças, usando a linguagem humana para trazer a verdade imutável.
Embora outros livros afirmem ser a revelação de Deus, não podem, no entanto, demonstrar provas de tal afirmação.
A Bíblia, ao contrário, não só demonstra ser a Palavra de Deus ao mundo como também traz provas infalíveis, tanto
pelos fatos narrados como pela influência que exerce sobre as pessoas ou nações que a ela se apegam.
Porém estamos vivendo dias tenebrosos, em que se crê na mentira de que o cristianismo não provê mais o
consenso para nossa sociedade. As liberdades que o cristianismo conquistou estão sendo destruídas diante de
nossos olhos. Estamos vivendo um período em que o pensamento humanista está se infiltrando na moral, na
educação e na lei. Se vamos enfrentar um furioso ataque, precisamos estar convencidos de que temos uma men-
sagem de Deus, uma palavra certa que “brilha nos lugares tenebrosos”.
O presente século é caracterizado pela dúvida, principalmente quando se trata de questões religiosas. Nossa
cultura pós-moderna apresenta uma série de idéias sobre a verdade. Ela ensina que a verdade e a moralidade são
relativas, que não existe a verdade absoluta.
Os céticos afirmam que os livros da Bíblia não são confiáveis no que se refere à objetividade porque foram
escritos por pessoas religiosas baseadas em suas crenças. Afirmam que ela é um livro tendencioso, escrito por
pessoas tendenciosas, por isso não é digno de confiança. A avaliação dessas pessoas pode ser verdadeira para
alguns livros sobre religiões, mas não é verdadeira para todos eles.
A Bíblia, em meio a tais sistemas, sempre sofre grandes ameaças. Nossa crença na Bíblia deve ser sólida,
convicta e inalterável, estando “...sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos
pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pedro 3.15).
Isso demonstra que não existe unidade verdadeira senão em torno da verdade; e não há unidade na verdade
fora da Palavra de Deus, que é a verdade (João 17.17). Há muitas provas convincentes que garantem a confiabili-
dade da Bíblia, a sua autoridade como Palavra de Deus inspirada e a perfeição do registro dos eventos históricos
que retrata, incluindo a vida terrena de Jesus Cristo. Além dessas provas, existem outras mais que testificam que
o cristianismo é a única religião verdadeira, que o Deus trino que se revela em suas páginas é o único Deus do
universo e que Cristo morreu pelos nossos pecados para que pudéssemos ter a vida eterna. Por causa dessas e de
outras tantas verdades, o cristianismo sempre foi rejeitado pelos que se dizem “intelectuais”.
O estudo sério, apologético não desrespeita a fé; ao contrário, enfatiza-a, qualifica, reforça e renova. Como
disse Agostinho de Hipona: “Todo aquele que ler estas explanações, quando tiver certeza do que afirmamos,
caminhe ao nosso lado; quando duvidar como nós, investigue conosco; quando reconhecer que foi seu o erro,

52 CURSO DE TEOLOGIA

MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA

venha ter conosco; se o erro for nosso, chame nossa atenção. Assim haveremos de palmilhar juntos o caminho
da caridade em direção àquele de quem está dito: ‘... Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes’”
(Tiago 4.6).
Sendo assim, apresentaremos neste volume algumas provas incontestáveis da origem divina das Escrituras,
as quais evidenciam esse livro como a Palavra do Deus vivo.

CURSO DE TEOLOGIA 53

MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA

1 A BÍBLIA
Até o ano de 1499, havia 35 traduções das Escrituras Sagradas; em 1799 surgiram mais 59; em 1899 mais 446; em
1949 outras 667, totalizando 1.207 idiomas. Atualmente a Bíblia está traduzida para 2.403 línguas, que representam
95% da população mundial.1 Mesmo com tamanha divulgação, muitos não têm intimidade com esse livro, ainda que
professem alguma religião. Este livro bendito traz a revelação de Deus e, porque inspirado, é verdadeiramente a Pala-
vra de Deus; por isso seja o estudo das Sagradas Páginas (sacra pagina) feito com reverência e santo temor.
Primeiramente, é necessário dizer que esse nome (Bíblia) não se acha no texto das Sagradas Escrituras. O frontis-
pício, ou folha de rosto, apresenta geralmente um título como “Bíblia Sagrada”, no singular, ou “Sagradas Escrituras”,
no plural. A expressão “Sagradas Escrituras” carrega a idéia de que todos os seus elementos, mesmo os mais materiais,
revestem-se de caráter sacro.
Derivada do termo grego biblos ou da forma diminutiva biblion (plural tà biblía), mais utilizado na Septuaginta
(LXX) e no Novo Testamento, significava a princípio qualquer tipo de documento escrito, rolo, códice, carta etc.
Na versão da LXX e nas fontes judaicas o termo “livro sagrado”, ou o plural hieraì bíbloi, designava o Pen-
tateuco ou o conjunto do Antigo Testamento (Tanak). Os cristãos utilizavam-se desde o início do termo grego
plural tà biblía e do derivado em latim bíblia para designar a fusão entre o Antigo e o Novo Testamento.
No evangelho segundo Mateus, primeiro livro do Novo Testamento, lemos: “Livro (βίβλος – biblos) da gene-
alogia de Jesus Cristo” (Mateus 1.1). A forma diminutiva biblion significa ”pequeno livro” e encontra-se em vá-
rios textos do Novo Testamento, como, por exemplo, em Apocalipse 1.11: “O que vês escreve em livro (βιβλίον
– biblion) e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia”.
O termo biblos vem do nome dado à polpa interna da planta aquática chamada cyperus papyrus em que se
escreviam os livros sagrados. Assim, os gregos chamavam um pequeno livro de biblion e os romanos de líber,
de onde vem a nossa palavra “livro”.
A conclusão a que chegamos é que a Bíblia não é apenas um livro no sentido comum do termo, mas um
conjunto de seleções de uma biblioteca de escritos religiosos e nacionalistas produzidos ao longo de um período
de cerca de mil anos. A Bíblia é uma biblioteca! Com a invenção do papel, desapareceram os rolos, e a palavra
biblos deu origem a “livro”.
Neste intróito, é necessário fazer uma breve observação preliminar sobre o termo “Bíblia”. Falaremos ao
longo deste livro, por razões de conveniência, de “a Bíblia”, embora não haja uma única Bíblia, mas pelo menos
seis, a saber: a Bíblia Hebraica, a Septuaginta (LXX), a Católica do Ocidente (de Roma), a Católica do Oriente, a
Protestante, a das Testemunhas de Jeová (com inúmeras adulterações). Designamos em geral pelo termo “Bíblia”
apenas o que a maioria das pessoas quer dizer quando fala da Bíblia: o volume que é lido em ofícios religiosos.
Quando distinções se fizerem necessárias, referiremos especificamente ao volume em apreço.

1
Palestra proferida por Bill Mitchell, Consultor de Tradução da Área das Américas das Sociedades Bíblicas Unidas e doutor em Teologia, no II
Fórum de Ciências Bíblicas, realizado na cidade de Osasco, São Paulo, em 8 de junho de 2006.,

54 CURSO DE TEOLOGIA

onde o menor é Lucas 20.13 (isso nas versões portuguesas e com exceção da chamada “Tradução Brasi- leira”. 4.27. A Bíblia toda contém 1. I. 15. As traduções da Bíblia (toda ou em parte) até 1984 atingiram 1.9.214 versículos ocorrem no Antigo Testamento. História dos hebreus .28.173 versículos. Essa coleção de pequenos livros foi chamada de “Escritura”. Hebreus 4.15) e “oráculos de Deus” (Romanos 3.15.11.000 menções de Deus sob vários nomes divinos. 38-41.17. É de suma importância que o estudante compreenda que essas divisões não faziam parte dos textos originais.22. no Novo Testamento.35. acrescenta ele.6.9. se necessário morrer alegremente por elas”.21.3 FATOS E PARTICULARIDADES DA BÍBLIA A Bíblia não era dividida em capítulos e versículos. as Escrituras etc. sob seus vários nomes. inspiração.12.24. Visão panorâmica do Antigo Testamento – a formação. Romanos 1. “justificadamente acreditada”. 1 Coríntios 15. 2 Coríntios 2. Há na Bíblia 8. A divisão em capítulos foi feita no ano de 1250 pelo car- deal Hugo de Saint Cher. patriarca e grande reformador de Constantinopla (354 .30. A primeira Bíblia a ser publicada inteiramente dividida em versículos foi a Bíblia de Gene- bra. 1 Tessalonicenses 2.12). Esequias. que não eram denominados por este termo. sendo o mais próximo paralelo do “Antigo Testamento” nos escritos neotestamentários o uso da expressão “antiga aliança” (cf. 22. O apóstolo Paulo usou os nomes “sagradas letras” (2 Timóteo 3. 1 Pedro 2.17. O número de palavras e letras de- pende do idioma e da versão. pelo rabi Nathan. Um dos nomes descritivos mais satisfatórios é “Palavra de Deus” (Marcos 7. ou ainda “Lei de Moisés e os Profetas e os Salmos” (cf. Era tão reverenciada.22. Restam ainda cerca de 1.13.2 Mas quem foi o primeiro a usar o nome “Bíblia” em relação aos Textos Sagrados? Os apóstolos e os Pais da Igreja designavam estes textos de Escrituras Sagradas.2. cânon e conteúdo de seus livros. CURSO DE TEOLOGIA 55 . Rio de Janeiro: CPAD. 2 Timóteo 2. encontramos o nome na sua forma contraída (Yah) em Cantares 8. 2001. 2 JOSEFO. Mateus 22.15). principalmente em Ester. ninguém já se aventurou a adicionar. em Êxodo 20. No entanto. Romanos 4. Sendo assim. Destes. não foram inspiradas.6. 7. Escrituras dos profetas e dos apóstolos.796 línguas e dialetos. 2 Pedro 3.17.40). O nome de Jesus consta do primeiro e do último versículo do Novo Testamento. precisamos entender que quando os escritos do Novo Testamento se referem às “Escri- turas” estão se referindo aos escritos do Antigo Testamento. viver de acordo com elas e. 22. que apesar da passagem de “longas extensões do tempo. “Santas Escrituras” (cf. 10. porém uma relação mais limitada. foi aplicada primeiramente por João Crisóstomo. 2003. Esses nomes eram bem conhecidos entre aqueles a quem se dirigiam e significam “escritos sagrados”.Contra Apion.30). abade dominicano e estudioso das Escrituras. as Escrituras Hebraicas do judaísmo. Lucas 24. A forma que utilizamos hoje. O historiador Flávio Josefo corrobora esse entendimento ao afirmar que os judeus não têm em sua biblioteca sagrada um número indeterminado de livros.20) e de “Escrituras” (cf. Durante muito tempo se afirmou que o nome sagrado de Deus (YHHW) nao está presente nos livros de Cantares e Ester. 2 Pedro 1. 2 Timóteo 3.959 versículos. e na forma de acróstico em Ester – porém a presença de Deus é evidente nos fatos neles desenrola- dos. Romanos 1. 20. O Antigo Testamento em 1445.10. Lucas 24. “Lei e os Profetas” (Mateus 5. Marcos 12. Flávio.407).14). por Robert Stevens. Atos 17.29.13. Marcos 12.16).000 línguas para as quais ela precisa ser traduzida. 929 capítulos e 23. em 1560.2. 2 Coríntios 3. um impressor de Paris. 3 SOARES. remover ou alterar um sílaba sua”. 260 capítulos e 7. considerá-las decretos de Deus. o Novo Testamento em 1551. João 5.189 capítulos e 31. desde o dia de seu nascimen- to. Rio de Janeiro: CPAD. 7. com efeito. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA OUTROS NOMES Os primeiros cristãos herdaram dos judeus um cânon já existente de escritos sagrados. “Bíblia Sagrada”. Romanos 10. Gálatas 3. João 2.3-4. e o menor o salmo 117. p. Lucas 4.44). O maior versículo está em Ester 8. o menor. e 177 menções do Diabo. palavra derivada do latim scriptura (cf. “é instintivo em cada judeu.39. O maior capítulo é o salmo 119. A divisão em versículos foi feita e duas partes.3.38.2).

5) Quem foi o primeiro a usar o nome “Bíblia” em relação aos Textos Sagrados? 6) Qual foi a primeira Bíblia a ser impressa inteiramente em versículos? 7) Qual é o maior versículo da Bíblia? 8) Qual é o menor versículo da Bíblia? 9) Em quais livros não aparece o nome divino de Deus (YHWH)? 56 CURSO DE TEOLOGIA . MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 1 1) Atualmente a Bíblia está traduzida em quantas línguas? 2) De onde deriva o termo Bíblia? 3) De onde vem o termo biblos? 4) Cite três outros nomes dado à Bíblia.

p.14). Yehezhel. perto da moderna Jope.. contemporâneo do apóstolo Paulo. Antes da destruição do primeiro Templo. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA 2 A ESTRUTURA DA BÍBLIA A Bíblia é composta de duas grandes seções.C. porque durante tantos séculos que já se passaram.. em Israel. a Bíblia hebraica. que contêm os registros de todos os tempos passados. A Torah. regiões e continentes afastados uns dos outros. que se reconheceu e se fixou quais textos tornavam uma pessoa impura por havê-los tocado. e. totalizando 66 livros. ninguém teve ousadia suficiente para acrescentar nada a eles. sob a presidência de Yohanan ben Zakai. época de Zorobabel. conhecidas como Antigo e Novo Testamento. Flávio Josefo. em períodos e condições diversas. A Torah e outros escritos apareceram entre os israelitas pré-exílicos e no judaísmo pós-exílico. sendo que esta seqüência é ainda alterada em outros cânones.) e são guardadas na arca (25.) e sua destrui- ção pelos babilônios em 586 a. São Paulo: Perspectiva. morrer voluntariamente por elas.. desde a construção do Templo por Salomão (950 a. divididos em três grupos para os judeus (Torah. Históricos. a estrutura do Antigo Testamento se divide em dois grandes períodos: o período do “primeiro Templo”. até sua destruição. 18. as tábuas de pedra são um ‘testemunho’ (31. cancelar qualquer coisa. tanto judeus como cristãos. 174. historiador judeu (37 – 100 d. etc.. armênios. e o período do “segundo Templo”. 1989. 16..C. Só os sacerdotes conheciam as leis sacerdotais e as ‘manuseavam’”. declarou: Porque não temos entre nós uma quantidade enorme de livros. mas apenas vinte e dois livros. não era. que viveram e escreveram em países. como os católicos romanos. nos tempos pré-exílicos. era um conjunto de coleções de “livrinhos”. no ano 70 d. desde sua reconstrução por volta dos anos 529-515.5 4 KAUFMANN. em Jâmnia (Jahneh ou Iavne). das mais variadas profissões e atividades. nem fazer neles qualquer modificação. Segundo Kaufmann. 8 Veja o capitulo 5. que contém 39 livros. etíopes. canônicos e obrigatórios para a nação. sendo 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento.). antes de se tornar o livro que conhecemos.C. A religião de Israel: do início ao exílio babilônico. ANTIGO TESTAMENTO O Antigo Testamento é a primeira parte da Bíblia. A literatura que iria ser incorpo- rada à Torah existia em vários documentos e versões. e quão firmemente damos crédito a esses livros de nossa própria nação fica evidente pelo que fazemos.4 Acredita-se. cópticos etc. etc. Segundo a tradição judaica. que foi somente no ano 90 d. mas seus escritos formam uma harmonia inigualável.500 anos. ortodoxos. Neviím. lido em peças soltas e nunca como um texto seguido e completo. por mais de 40 autores. embora não seja opinião unânime. segundo a crítica clássica. CURSO DE TEOLOGIA 57 . “os livros da tradição mais antiga eram testemunhos e memoriais (cf. onde se estabeleceu um conselho de estudiosos e líderes religiosos judaicos. no qual intervieram fatores internos e externos ao judaísmo. O estabelecimento do cânon veterotesta- mentário foi resultado de um longo processo. uma pequena localidade a oeste de Jerusalém. Para os estudiosos. e perseverar nelas. caso necessário. a estrutura em que se encontram os livros do Antigo Testamento está intimamente ligada à história do Templo e das instituições sacerdotais de Jerusalém. que cremos justamen- te serem divinos. Ketuvím) e em quatro para os cristãos (Lei. Êxodo 17. Livros apócrifos. pelos romanos. Essa pequena coleção de livros (biblioteca) foi escrita num período de aproximadamente 1. que discordam e se contradizem entre si (como acontece com os gregos).C. tendo-se tornado natural a todo judeu desde seu nascimento estimar esses livros como contendo doutrinas divinas. Poéticos e Proféticos). um único livro ainda não havia sido cristalizado.C.).

descobre-se no mesmo Templo. alguns anos antes do Exílio e da destruição do Templo de Salomão. em valores numéricos. 200. 400. A Bíblia judaica e a Bíblia cristã – introdução à história da Bíblia. pois se constitui de 24 livros. vav. possivelmente só depois da destruição do Segundo Templo. os escritos dos profetas e de Davi e as cartas dos reis sobre as ofertas’. 185. Ketuvím). p. São cinco livros: Salmos Gênesis Jó Êxodo Provérbios Levítico Rute Números Cântico dos Cânticos Deuteronômio Eclesiastes Lamentações NEVIÍN (Os Profetas) – desdobra-se em duas subdivi. com o Templo destruído. perfazendo um total de 24. Corroborando esta assertiva. cit. 1999. pois os profetas menores são um único livro. os Escritos (Ketuvím) ou Hagiógrafos. tav. 6. KETUVÍM (Os Escritos) – contém o restante dos livros: teuco. em hebraico Torah. o livro do (proto) Deuteronômio. na volta do Exílio. depois da profanação do Templo e antes de celebrar sua reconsagração. finalmente. significa 611. Neviím. assim como são os dois livros de Samuel. conhecido por Tanak. 6. são exatamente iguais aos 39 das Bíblias protestantes. Ester sões: os “Primeiros Profetas” e os “Últimos Profetas”: Daniel Josué Esdras e Neemias Juízes Crônicas Samuel Reis Isaías Jeremias Ezequiel O livro dos Doze Oséias Joel Amós Obadias Jonas Miquéias Naum Habacuque Sofonias Ageu Zacarias Malaquias 5 Op.. Fi- nalmente.nos tempos de Josias. 2ª ed. 58 CURSO DE TEOLOGIA .. resh. 6 ESTRUTURA DO ANTIGO TESTAMENTO CONFORME O JUDAÍSMO A Bíblia hebraica dos judeus é o Antigo Testamento. depois os profetas (ou Neviín). Neemias recolhe ‘os livros sobre os reis. Judas Macabeu recolheu ‘todos os livros dispersos por causa da guerra’. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Conclui-se que a estrutura da Bíblia hebraica reproduz a provável ordem em que seus livros foram canoni- zados.. he. conforme a disposição abaixo: TORAH (Lei)7 – comumente chamada de Penta. I. dos Reis. sigla que vem das iniciais da divisão (Torah. 8. antes do exílio babilônico. todavia. formando a Tanak: primeiramente a Lei escrita. A disposição em que se encontram os livros do Antigo Testamento hebraico é diferente das outras versões. Julio Trebolle. ou seja. no retorno deste e. Rio de Janeiro: Vozes. 6 BARRERA. 7 A palavra Torah. das Crônicas e Esdras-Neemias. Trebolle Barrera nos informa que .

São cinco livros: Profetas Maiores: Gênesis Isaías Êxodo Jeremias Levítico Lamentações de Jeremias Números Ezequiel Deuteronômio Daniel HISTÓRICOS – relatam a caminhada da nação Profetas Menores: israelita. sendo compostos de 5 livros: Jó Salmos Provérbios Eclesiastes Cantares de Salomão CURSO DE TEOLOGIA 59 . MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA ESTRUTURA DO ANTIGO TESTAMENTO CONFORME O PROTESTANTISMO O Antigo Testamento das Bíblias protestantes é o mesmo da Bíblia hebraica dos judeus. constituindo-o de 39 livros assim dispostos: LEI (Torah) – comumente chamado de Pentateu. PROFÉTICOS – estão subdivididos em: co. A diferença é a disposição em que se encontram os livros. pois o protestantismo não os uniu como a Bíblia hebraica. conhecido por Ta- nak. sendo compostos de 12 livros: Oséias Josué Joel Juízes Amós Rute Obadias 1 Samuel Jonas 2 Samuel Miquéias 1 Reis Naum 2 Reis Habacuque 1 Crônicas Sofonias 2 Crônicas Ageu Esdras Zacarias Neemias Malaquias Ester POÉTICOS – são chamados assim devido ao seu gênero.

conhecida como Septuaginta (LXX) ou Cânon Alexandrino. São cinco livros: Jó Gênesis Salmos Êxodo Provérbios Levítico Eclesiastes Números Cantares de Salomão Deuteronômio Sabedoria Eclesiástico HISTÓRICOS – compostos de 12 livros mais PROFÉTICOS – estão subdivididos em: 4 apócrifos (Tobias e Judite. POÉTICOS – compostos de 7 livros: teuco. Portanto sua estrutura difere da Bíblia hebraica e da Bíblia protestante. as. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA ESTRUTURA DO ANTIGO TESTAMENTO CONFORME O CATOLICISMO ROMANO O Catolicismo Romano seguiu a mesma estrutura da Bíblia traduzida do hebraico para o grego. que acrescentou os livros conhecidos como apócrifos.8 totalizando 46 livros. 1 e 2 Macabeus). conforme esquema abaixo: LEI (Torah) – comumente chamado de Penta. Profetas Maiores: sim dispostos: Isaías Josué Jeremias Juízes Lamentações de Jeremias Rute Baruque 1 Samuel Ezequiel 2 Samuel Daniel 1 Reis 2 Reis Profetas Menores: 1 Crônicas Oséias 2 Crônicas Joel Esdras Amós Neemias Obadias Tobias Jonas Judite Miquéias Ester Naum 1 Macabeus Habacuque 2 Macabeus Sofonias Ageu Zacarias Malaquias 60 CURSO DE TEOLOGIA .

.. por exemplo. sendo que: 9 são dirigidas às igrejas (de Romanos a 2 Tessalonicenses). Existem outras Bíblias que se estruturam de forma diferente dessas. como. os cânones siríaco. No Novo Testamento vão de Romanos a Judas. CURSO DE TEOLOGIA 61 . Explorando as Escrituras – uma visão geral de todos os livros da Bíblia. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Os sete livros em negrito só estão contidos nas Bíblias católicas. John. Muitas doutrinas heréticas. armênio. NOVO TESTAMENTO As palavras registradas no Antigo Testamento foram o meio pelo qual Deus se revelou. pelos céticos. o Novo Testamento está classificado em 4 grupos. isto devido ao cuidado que as igrejas tinham em preservar a sã doutrina. 4 são dirigidas a indivíduos (de 1 Timóteo a Filemon). que negavam a encarnação de Cristo. 2ª ed. no Novo Testamento ocorre uma profunda mu- dança que será o tema central e a mensagem do Novo Testamento. Lucas e João. no passado. É nele que ocorre o clímax da revelação de Deus.278. morte e ressurreição. Os três primeiros são chamados Sinópticos. eslavônico. e pelos monofisistas. 1 é dirigida aos hebreus cristãos.”9 9 PHILLIPS. devido às seme- lhanças impressionantes entre os conteúdos.14). que rejeitavam a dualidade da natureza de Cristo. apresentada no prólogo joanino: “E o Verbo se fez carne. tais como as defendidas pe- los gnósticos. maldição – tudo começa em Gênesis e tudo desaparece em Apocalipse. tristeza. diferente do grego clássico dos eruditos). 2005. e vimos a sua glória. dos seus sofrimentos. 7 são dirigidas a todos os cristãos. que acrescentam outros livros além dos apócrifos adotados pelos católicos romanos. da vitória do bem contra o mal. que nem sequer constam na Septuaginta. da sua vida e do seu ensino. Composto de 27 livros escritos em grego koiné (a linguagem do povo comum. Aquele que era profetizado em linguagem humana por meio de palavras proféticas agora está presente em forma humana. Neste tempo surgiram muitos escritos heréticos e espúrios com pretensão apostólica. eram encontradas nesses escritos. é por meio dele que temos a história de Jesus. cóptico e etíope. conforme o assunto a que pertencem: BIOGRÁFICOS (os quatro evangelhos) – Mateus. indistintamente (de Tiago a Judas). “Peca- do.. aos pais. palpável: “O verbo se fez carne.. Registra o desenvolvimento da Igreja primitiva desde a ascensão de Cristo até o encarceramento do apóstolo Paulo em Roma. Costumam ser denominados de livros apó- crifos ou “deuterocanônicos”.”. lágrimas. Antes de terminar o primeiro século. Entretanto.. O que tardou foi o reco- nhecimento canônico. HISTÓRICO (Atos dos Apóstolos) – Também poderia ser chamado de “Atos do Espírito Santo” devido à intensa manifestação do Espírito Santo na vida dos fiéis. que negavam a realidade da humanidade de Cristo. Marcos. EPÍSTOLAS (21 cartas) – Epístola era um modelo de carta formal muito utilizado na antiguidade. Os au- tores bíblicos se valeram desse meio de comunicação para propagar a fé cristã. Descrevem a vida terrena do Senhor Jesus e sua gloriosa mensagem de salvação.” (João 1. PROFÉTICO (Apocalipse ou Revelação) – É o livro da consumação. muitas vezes e de muitas maneiras.. p. Rio de Janeiro: CPAD. pelos profetas. todos os livros do Novo Testamento estavam escritos. O Novo Testamento é o registro da história e dos ensinos sobre Jesus.

4) Os Profetas desdobram-se em duas subdivisões. Quais são eles? 62 CURSO DE TEOLOGIA . Quais são elas? 2) Quantos livros contém e como está dividida a primeira parte da Bíblia? 3) O que é Tanak? Comente. Quais são elas? 5) Quais são os livros que compõem o Antigo Testamento do cânon católico? 6) Qual é o tema central e a mensagem do Novo Testamento apresentada no prólogo joanino? 7) Os livros do Novo Testamento estão classificados em 4 grupos. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 2 1) A Bíblia é composta de duas grandes seções.

que negavam a realidade da humanidade de Cristo. Muitos livros do Antigo e do Novo Testamento foram duramente debatidos antes de serem finalmente reco- nhecidos como canônicos. NIX. Norman. p. tendo-se tornado natural a todo judeu desde seu nascimento estimar esses livros como contendo doutrinas divinas. São Paulo: Vida. antes de terminar o primeiro século. o cânon consiste naqueles livros considerados divinamente inspirados (que satisfizeram o padrão) para serem incluídos nas Sagradas Escrituras. em Israel. Norman Geisler diz que “mesmo em época anterior ao cristianismo. Seu correspondente em hebraico hnq (kaneh) significa “vara ou cana de medir” (Ezequiel 40. nem fazer neles qualquer modificação. William. João. CURSO DE TEOLOGIA 63 . porque durante tantos séculos que já se passaram. Muitas doutrinas heréticas. um padrão de medida.. Com relação aos livros da Bíblia. Antes do ano 400 d. os 39 livros do Antigo Testamento já eram plenamente aceitos pelo judaísmo como divinamente inspirados.C. que os rabinos. Tudo isso revela o cuidado que os rabinos e a Igreja tinham. e. Houve muita relutância quanto aos livros de Eclesiastes e Cântico dos Cânticos e às epístolas de Pedro. 11 Op. pelo qual tudo mais deve ser medido ou avalia- do. que cremos justamente serem divi- nos. e quão firmemente damos crédito a esses livros de nossa própria nação fica evidente pelo que fazemos. reconheceram e fixaram o cânon do Antigo Testamento. I. Na época de Jesus. 1997. que significa “cana” ou “vara de medir” e indica uma regra. 10 GEISLER. ninguém teve ousadia suficiente para acrescentar nada a eles. não houve canonização de livros em Jâmnia. que contêm os registros de todos os tempos passados. que rejeitavam a dualidade da natureza de Cristo. ou seja. Muitos escritos heréticos e espúrios circulavam entre os cristão advogando pretensão apostólica.10 O cânon designa. eram encontradas nestes livros. caso necessário. todos os seus livros estavam escri- tos. em Jâmnia. num concílio sob a presidência de Yohanan ben Zakkai.. aquilo que foi medido e a respeito do qual se estabeleceu um padrão ou norma.. uma lista. O trabalho desse concílio foi somente ratificar aquilo que já era aceito por todos os judeus através dos séculos. tais como as defendidas pelos gnósticos.C.61. isto devido ao cuidado que as igrejas tinham em preservar a sã doutrina. essa palavra era usada de modo mais amplo. Os rabinos utilizavam a ex- pressão “manchar as mãos” para designar os livros que hoje conhecemos como canônicos. bem como a responsabilidade que envolvia a canonização. cit. no Concílio de Cartago. Flávio Josefo mencionou o cânon judaico de sua época ao declarar: Porque não temos entre nós uma quantidade enorme de livros. O Novo Testamento foi definitivamente reconhecido e fixado seu cânon no ano de 397 d. o instrumento que se utilizava para medir...11 Já com relação ao Novo Testamento. 8. cancelar qualquer coisa. além de cana ou unidade de medida”. mas apenas vinte e dois livros. e perseverar nelas. Introdução bíblica – como a Bíblia chegou até nós.3). com o sentido de padrão ou norma. Judas bem como ao Apocalipse. pelos céticos. foi somente no ano 90 d.. Por isso. morrer voluntariamente por elas. pelo fato de ter a autoridade concedida por Deus. Atualmente a Bíblia constitui o “cânon” ou “vara de medir”. que discordam e se contradizem entre si (como acontece com os gregos).. portanto. e pelos monofisistas. todos os livros estavam aceitos como regra de fé para os cristãos. que negavam a encarnação de Cristo.C. O que demorou foi o processo de canonização. Todavia. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA 3 O CÂNON DAS ESCRITURAS O termo latino “cânon” teria vindo por meio da palavra grega kanwn (kanon). perto da moderna Jope.

MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 3 1) O que significa o termo cânon? 2) Qual a expressão que os rabinos usavam para designar os livros que hoje conhecemos como canônicos? 3) Em que ano reconheceram e fixaram o cânon do Antigo Testamento? Qual o nome do rabino que presidiu o concílio? 4) Houve muita relutância em aceitar como canônicos alguns livros do Antigo e do Novo Testamento. Quais são esses livros? 64 CURSO DE TEOLOGIA .

por outro lado. Portanto. os livros costumam adquirir caráter de sacralidade por meio de um processo histórico. Nos tempos pré-cristãos. os fiéis não deveriam abandonar o Antigo Testamento. esse fator aumentou a pres- são para que a Igreja primitiva se posicionasse com relação aos livros que deveriam ser lidos. Op. Outro fator preponderante se relacionava com a doutrina. Foi o que aconteceu com ambos os Testamentos. Já vinha de longa data as diferentes opiniões acerca dos livros que deveriam ser utilizados como padrão. Foi no ano 90 d. a Igreja tinha de demonstrar. Sendo assim. um cânon jamais pode ser estabelecido de uma idéia previamente estabelecida.13 o que facilitava a entrada de outros livros no meio dos fiéis. “Não havia comunidade profética fechada que recebesse os livros inspirados e os coligasse em determinado lugar”. que os rabinos reconheceram e fixaram o cânon do Antigo Testa- mento. antes que as auto- ridades religiosas cheguem a uma decisão final. e. Assim como ocorreu com o Novo Testamento. com fundamentos sólidos e convincentes. alterados e até mesmo abandonados. fazei discípulos de todas as nações. Dois fatores foram fundamentais no critério de inclusão de um livro na Bíblia hebraica: o de livro canôni- co. em sua maioria de caráter apocalíptico. e do Filho. William. ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. No final da era apostólica ocorreram algumas mudan- ças nítidas. o desenvolvimento canônico foi bem diferente. exceto o Pentateuco. quais livros deveriam ser traduzidos para as línguas estrangeiras? Sem uma lista dos livros reconhecidos. Marcião e os gnósticos abandonaram o Antigo Testamento como livro cristão e recriaram os textos do Novo Testamento da maneira que lhes fosse mais apropriada. também teológica. Por volta do século II a. Já com relação ao Novo Testamento. A relação entre o Novo Testamento e o Antigo Testamento era a questão suscitada pelos gnósticos e que confrontava a Igreja do século II. reivindicavam para si a condição de Escritura inspirada e encontravam aceitação em alguns grupos de pessoas. como regra de fé. seria difícil cumprir seu chamado: “Ide. em diante. os samaritanos rejeitavam todos os livros do Antigo Testamento. Norman. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA TESTES USADOS PARA DETERMINAR 4 A CANONICIDADE Em toda história houve falsos livros e falsas mensagens. 13 GEISLER. cit. de livro autorizado para a prática e o ensinamento religioso do povo judeu. o mesmo já havia ocorrido com o Antigo. no ano 70 d. gradual e contínuo.. abarcando apenas o evangelho de Lucas e dez das cartas do apóstolo Paulo (com omissão de 1 e 2 Timóteo e de Tito). em especial com o Novo Testamento. porém. que estava em processo de ser reconhecido como Escritura. p. era a idéia gnóstica de que o Deus do Antigo Testamento era incompatível com o Deus revelado em Cristo no Novo Testamento.C. que o mesmo Deus era reve- lado em ambos os Testamentos. portanto. obras com nomes falsos. A orientação apostólica era que “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para 12 Marcião publicou uma lista bem resumida dos livros que considerava canônico.C.. no qual interferem tanto fatores de ordem literária como de ordem social e. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século” (Mateus 28. Jâmnia tornou-se a sede do Sinédrio – o Supremo Tribunal dos judeus. existia também o ardor missionário.99. batizando-os em nome do Pai. que o trabalho desse concílio foi apenas ratificar aquilo que já era aceito por todos os judeus através de séculos.12 O elemento motivador. naturalmente. ou seja.. NIX. e o de livro inspirado. e do Espírito Santo. apro- vados. ou seja.27). de acordo com a orientação apostólica (1 Tessalonicenses 5. O processo de canonização dos livros sagrados costuma estender-se por vários séculos. Assim. Note-se. portanto. Depois da destruição do templo. À medida que os textos eram contestados.18-19). CURSO DE TEOLOGIA 65 . colocado em dis- cussão entre os cristãos ortodoxos.C. aquele que teria sido escrito por inspiração divina. Por um lado. nesta cidade.

fez-se necessário que a Igreja de Deus administrasse diligentemente sua coleção de livros sagrados após a morte dos apóstolos. Como o Antigo Testamento estava estabelecido como Palavra de Deus. a necessidade de saber quais livros deveriam ser usados para ensinar a doutrina com autoridade di- vina foi outro fator decisivo para a formação do cânon do Novo Testamento. O livro foi escrito por um apóstolo ou por alguém associado aos apóstolos? Esta questão tinha especial importância com respeito a Marcos. 4. os samaritanos rejeitavam quais livros das Escrituras? 4) Quais foram os princípios usados para determinar a posição de um livro no cânon do Novo Testamento? 66 CURSO DE TEOLOGIA . Exatidão doutrinária. 2. Os seguintes princípios foram usados para determinar a posição de um livro no cânon: 1. Atos e Hebreus. sendo amplamente citado pelos Pais da Igreja? 5. já que Marcos e Lucas não se en- contravam entre os doze e a autoria de Hebreus era desconhecida. para a correção. Inspiração divina. era rejeitado. Apostolicidade. Quais eram eles? 3) Nos tempos pré-cristãos. Portanto.16-17). 3. para a repreensão. Conteúdo espiritual. Ele dava verdadeira evidência de inspiração divina? VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 4 1) Qual era o elemento motivador. O livro estava sendo lido nas igrejas e seu conteúdo era meio de edificação espiritual? Este era um teste muito prático. ou contrário aos livros canônicos já aceitos. O conteúdo do livro era doutrinariamente correto? Qualquer livro contendo heresia. colocado em discussão entre os cristãos ortodoxos? 2) Houve muitos debates acerca da aprovação de certos livros do Antigo Testamento. para a educação na justiça. a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Timóteo 3. haja vista a multiplicidade de livros heréticos que reivindicavam a autoridade divina. Lucas. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA o ensino. Uso. O livro fora universalmente reconhecido nas igrejas.

Eclesiástico e Baruque. 3. 7.C. A Septuaginta (LXX). MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA LIVROS APÓCRIFOS OU 5 DEUTEROCANÔNICOS Várias foram as definições que o termo apócrifo recebeu ao longo da história. Acréscimos ao livro de Daniel.   A Sabedoria de Salomão. A oração dos Três Moços. ou algo que somente os iniciados podiam entender. Os quatro primeiros são históricos. mas recomendou que esses li- vros não fossem usados como base doutrinária. 13. incluiu-os também em sua tradução latina do Antigo Testamento chamada Vulgata. e com este fundamento pôde-se deduzir as diversas classes de textos eclesiásticos. no ano de 405 d. tradução do Antigo Testamento hebraico para o grego. Terceiro Livro de Esdras. Tobias. O Segundo Livro dos Macabeus. Sabedoria de Salomão. “contestados”. detentores de autoridade espiritual para seus fiéis. na época de Irineu e Jerônimo. ou Eclesiástico. Judite. Os apócrifos mais conhecidos da Bíblia católica são: 1 e 2 Macabeus.. a Igreja Católica Romana proclamou alguns livros apócrifos como canônicos. judeus e cristãos que falavam o grego usavam esses livros. Judite. 15. O Primeiro Livro dos Macabeus. o vocábulo apocrypha veio a ser aplicado aos livros não-canônicos do Antigo Testamento.   Adições ao Livro de Ester. 11. juntamente com o Antigo Testamento canônico. Sabedoria de Salomão e Eclesiástico são poéticos. em suas liturgias. 9. e 180 a.   Os reformadores foram em parte os grandes responsáveis pela eliminação dos apócrifos da Bíblia. Sinteticamente tratam dos seguintes assuntos: CURSO DE TEOLOGIA 67 . mas também chamados de Sapienciais. feita em 280 a. Susana. Jerônimo. porque lhe fora ordenado. excluindo apenas os dois livros de Esdras e a Oração de Manassés. A oração de Manassés. Os livros apócrifos eram designados de “não-canônicos”. jamais os de fora. foi a primeira a incluir os quinze livros apócrifos em seu conteúdo.14 Por esse motivo. Esse termo não era usado entre os primeiros cristãos. No grego clássico a palavra apocrypha significava “oculto” ou “difícil de entender”. isto em referência a livros que tratavam de coisas secretas. Os apócrifos incluídos na Septuaginta são: 1. Entretanto. em 1546.C. Quarto Livro de Esdras. ocultas. Bel e o dragão. 14. 10. Orígenes foi o primeiro a se pronunciar sobre quais Escrituras possuíam autoridade eclesiástica. Tobias. Nos séculos III e IV. misteriosas. 8.. Baruque é profético.   A Sabedoria de Jesus o Filho de Siraque.  A segunda parte de Baruque é conhecida como a Epístola de Jeremias. 6. por haver neles elementos inconsistentes com a doutrina protestante. 4. “livros que não podem ser lidos na igreja”. tomou o sentido de esotérico.C. 12. Posteriormente. 2. no Concílio de Trento. 5.

Satanás. general do exército inimigo. Tal ensino não se encontra em nenhuma parte das Escrituras Sagradas. e guarda o coração. O anjo então disse-lhe: Abre-o. 68 CURSO DE TEOLOGIA . Sab. Eclesiástico – em grego era chamado de “Sabedoria de Jesus. Tobias interrogou o anjo: Azarias. e. grifo nosso).17 e em Deuteronômio 18. tanto do homem como da mulher. sem divisão perceptível. contendo cerca de dois terços do texto hebraico. todavia. falarão novas línguas. 7. onde o Deus Todo-Poderoso tivesse mandado a um de seus anjos aconselhar Tobias ou a algum outro homem a praticar aquilo que ele condenou por meio de seus profetas. que levaram consigo pelo caminho. pode-se fazer com ele um ungüento para os olhos que têm uma belida. a sua fumaça expulsará toda espécie de mau espí- rito. se impuserem as mãos sobre enfermos. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Macabeus – ambos os livros contam a história da revolta contra a opressão síria. Sabedoria de Salomão – este livro jamais foi formalmente citado. As origens da Bíblia. A seguir ele assou uma parte da carne do peixe.14-17. o qual se pôs a saltar aos seus pés. o que é do domínio da magia. 2004. Filho de Siraque”. eles ficarão curados” (Marcos 16. Suas máximas sapienciais provavelmente se inspiraram no livro de Provérbios e estão agrupadas por ordem de assuntos. expelirão demônios. São Paulo: Loyola. Não se encontra em nenhum lugar das Escrituras exemplo similar. para que lhes bastasse até chegarem a Ragés. Em Êxodo 22.18-20 e Ef 6. Tobias assim o fez. O apóstolo Paulo sabia do poder desse nome e mandou que o espírito maligno saísse da mulher em nome de Jesus Cristo. haver virtude em queimar o coração de um peixe para espantar os maus espíritos (curandeirismo). E ele. O texto original se perdeu. A única maneira de expulsar Satanás e seus demônios é pelo nome doce de Jesus: “Estes sinais hão de acompa- nhar aqueles que crêem: em meu nome.5-8:  “O anjo disse-lhe: Pega-o pelas guelras e puxa-o para ti. Qualquer pessoa que pretenda usar alguma das artes aludidas para executar coisas sobrenaturais não procede de acordo com os Escritos Sagrados. Arrastou o peixe para a terra. desde 1896. o príncipe das trevas.19-32). pegarão em serpentes. Diante de tais testemunhos. Judite – narra a história de uma destemida viúva judia que se serviu dos artifícios de sua beleza para assassi- nar Holofernes. que servirão para remédios muito eficazes. O anjo respondeu-lhe: Se puseres um pedaço do coração sobre brasas.10 encontramos a proibição de práticas mágicas e divinatórias. as orações pelos mortos. Sab. 14. Quanto ao fel. saiu (Atos 16. não pode ser expulso por algum truque. teria sido amanuense do profeta Jeremias nas regiões babilônicas. Baruque – ao que parece.13-31 e Rm 1. porque ele tem a propriedade de curar” (grifos nossos). Ele assim o fez. liderada pela família dos Hasmoneus no período da história conhecido como Interbíblico. por exemplo. Entretanto. do fígado e do coração do peixe para influenciar a Deus ou entidades espirituais. as curas falsas. e impedirá que ele volte de novo a eles.26 e Hb 1. não lhes fará mal. 14 MILLER. se alguma coisa mortífera beberem. John W. na mesma hora. peço-te que me digas qual é a virtude curativa dessas partes do peixe que me mandaste guardar. porém tanto a linguagem como as correntes de pensamento do seu livro encontram paralelos no Novo Testamento (Sab. 184. • Ensino da magia Tobias 6. Salgaram o resto.18).2-6. dar esmolas para libertar da morte e do pecado (justificação pelas obras) e a intercessão pelos mortos. surge a seguinte pergunta: por que a Igreja Católica continua a se apegar a estes escritos não inspirados? A razão não poderia ser outra: esses livros contêm as doutrinas espúrias que confirmam os falsos ensinos dessa igreja. na Média. p. O autor se refere ao emprego do fel. 5. o fel e o fígado. conhecemos alguns fragmentos de cinco manuscritos descobertos na genizah do Cairo.17. como. Tobias – é um conto histórico que revela o misticismo juntamente com uso da mágica. meu irmão. O coração de um peixe ou qualquer outra parte não possui poder mágico ou sobrenatural para espantar “toda a espécie de demônios”. nem mesmo os escritores do Novo Tes- tamento se referem a ele.

ocorre uma deturpação do próprio texto do livro apócrifo. que os provou. E mais. mas não para salvação e sim para os que já são salvos. receberá perdão de seus pecados pela oração”. e nenhum tormento os tocará. Aparentemente estão mortos aos olhos dos insensatos: seu desenlace é julgado como uma desgraça. Este é o texto que a Igreja Católica Apostólica Romana se utiliza para fundamentar sua crença na doutrina do purgatório. se ofer- tas caridosas pudessem expiar pecados.9).1-4: “Mas as almas dos justos estão na mão de Deus. entretanto continuam ainda em seus pecados por não reconhecerem a maneira apropriada revelada por Deus: “.. Portanto. por meio dela nos achegamos a Deus. como testemunho de terem sidos alcançados pela misericórdia de Deus.e puseram-se em oração. A Igreja Católica fundamenta sua crença na doutrina do purgatório nestes versículos citados. para que se oferecesse um sacrifício pelos pecados: belo e santo modo de agir. e o devoto católico crê nelas. seu Filho.. Mas. teria sido vão e supérfluo rezar por eles. fez uma coleta.7.18-20. O nobre Judas falou à multidão. Perceba que o texto não diz isso (eisegese). O apóstolo Pedro conclui: “. receberão grandes bens. Oração é o meio e não o fim. decorrente de sua crença na ressurreição. se ele não julgasse que os mortos ressuscitariam.. porém manifestado no fim dos tempos. com efeito. exortando-a a evitar qualquer transgressão. Excede a imaginação a quantidade de dinheiro que aflui todos os anos aos cofres da igreja pelas missas em favor dos mortos. todos os reli- giosos fazem orações.. nos purifica de todo pecado” (1 João 1. a esperança deles era portadora de imortali- dade. onde os pecados estão sendo ex- piados. sem fun- damento nenhum na Bíblia protestante. eis por que ele pediu um sacrifício expiatório para que os mortos fossem livres de suas faltas” (grifos nossos). com o coração quebrantado e contrito.  • Pecados perdoados pela oração Eclesiástico 3. Ensina seus fiéis que após suficiente tempo de sofrimento no meio do fogo. poderão ir para o céu. enviando a Jerusalém cerca de dez mil dracmas. se ele acreditava que uma bela recompensa aguarda os que morrem piedosamente..8-9: “Boa coisa é a oração acompanhada de jejum. grifo nosso). ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1. Qualquer outra maneira não é o método eficaz para se reconciliar com Deus. Desse modo. • Oração pelos mortos 2 Macabeus 12. Os pecados não se perdoam pela oração.o sangue de Jesus. porque Deus. não necessitaríamos do sangue de Jesus Cristo para purificar nossos pecados (1 João 1. confessando nossos pecados e pelo nome de Jesus somos perdoados: “Se confessarmos os nossos pecados. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA  • Dar esmolas purifica pecados Tobias 12. conhecido. E sua morte como uma destruição. que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram. para implorar-lhe o perdão completo do pecado cometido. Orações e missas pelos mortos são aceitas.sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis. e por terem sofrido um pouco. porque. era esse um bom e religioso pensamento. Em seguida. e a esmola é preferível aos tesouros de ouro es- condidos.4: “Quem amar a Deus. como de cordeiro sem defeito e sem mácula.42-46: “. Os cristãos devem praticar sim a obras. o sangue de Cristo. quando na verdade estão na paz! Se aos olhos dos homens suportaram uma correção. porque a esmola livra da morte: ela apaga os pecados e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna”. mas pelo precioso sangue. O plano de salvação de Deus inclui as boas obras. CURSO DE TEOLOGIA 69 . Interpreta que os “tormentos” nos quais se acham os “justos” referem-se ao fogo do purgatório. achou-os dignos de si”. 9).. por amor de vós” (1 Pedro 1.7).   • Existência do purgatório Sabedoria 3. antes da fundação do mundo. como prata ou ouro. a Igreja Católica demonstra que é capaz de qualquer desonestidade textual para manter suas heresias. ao ver diante dos olhos o mal que havia sucedido aos que foram mortos por causa dos pecados.

Os católicos se baseiam neste texto para sustentar a doutrina que Maria nascera sem pecados (imaculada). Portanto. • Uma mulher jejuando toda sua vida Judite 8. Trazia um cilício sobre os rins e jejuava todos os dias. nas luas novas e nas festas do povo israelita” (grifo nosso). exceto nos sábados. no qual se conserva- va retirada com suas criadas.16). Esta passagem é parecida a outras lendas católicas romanas. Nas Escrituras encontramos duas espécies de anjos: os fiéis e os infiéis. Lucas 23.12-17. logo. “porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3. que demonstra ser mentiroso e herege.11-13.23.43. ou o próprio servo para acompanhar teu filho? Mas.40-43.15-19: Então o anjo disse-lhe (a Tobias): Eu o levarei até lá e to reconduzirei. 5.17).7. então Cristo teria morrido debalde. afirmando que a fumaça do coração ou do fígado de certo peixe. necessitava de um Salvador para ter seus pecados apagados e obter a vida eterna pelo ar- rependimento e pela fé. tor- nar-se-ia culpado de violação do nono mandamento: “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (Êxodo 20. quando queimado. e nun- ca peque” (Eclesiastes 7. respondeu Tobias. Da mesma maneira. o progenitor do gênero humano. As passagens citadas não declaram a isenção de Maria. filho do grande Ananias. pecou. Ele se identifica como um dos filhos de Israel (5. jamais um anjo íntegro men- tiria sobre sua identidade. Adão. afugenta demônios para sempre e o fel cura determinado tipo de cegueira (Tobias 6. Neste texto Tobias encontra-se com Rafael.5). E.46). um suposto anjo de Deus. na qual se encontra o diabo e seus anjos. sendo que era mais entendido. ela. A primeira espécie é submissa ao seu Criador obedecendo às suas ordens e cumprindo seu mandato. e em pecado me concebeu minha mãe” (Salmos 51:5).7-8. participou não somente das conseqüências da queda como também do pecado original.22. vive para desonrar e desobedecer aos mandamentos de Deus. E mais: esse mesmo anjo ensina curandeirismo a Tobias. 70 CURSO DE TEOLOGIA .5-6: “Ela tinha feito no andar superior de sua casa um quarto reservado para si. Apocalipse 14.7-9).19-31.2). Se um anjo de Deus mentisse acerca de sua identidade. 1 João 1. como descendente de Adão. Suas palavras registradas em seu cântico confirmam esta tese quando exclama: “A minha alma engrandece ao Senhor. 1 Tessaloni- censes 4. Por que Maria chamou a Deus seu Salvador? Porque ela. És de família distinta. foram concebidos em pecado. Filipenses 1:23.20). e pelas leis da herança ele transmitiu a todos os seus descendentes a natureza pecaminosa e as conseqüên- cias nefastas da transgressão. Hebreus 9. da mesma maneira que todos os homens. meu Salvador” (Lucas 1.12). Eclesiastes 12. que mostram a impossibilidade do purgatório: Salmos 49. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Observe atentamente os seguintes textos das Escrituras. esse ensino aniquila completamente a expiação de Cristo. que faça o bem.55-58. O salmista declarou: “Eis que eu nasci em iniqüidade. todos antes e depois dele. Atos 10. Portanto.46-55). che- guei a um corpo incontaminado”. Tobias então perguntou-lhe: Rogo-te que me digas de que família e de que tribo és tu? O anjo respondeu: Que é que procuras: a raça do servo. com respeito a seus santos canonizados.7. Rogo-te que não me queiras mal por ter querido conhecer tua origem”. Uma mulher dificilmente jejuaria toda sua vida. Se o pecado pudesse ser extinto pelo fogo. 2 Timóteo 2. depois da desobediência de Adão. porém não toda a sua vida (Mateus 4. A segunda. para tranqüilizar-te: eu sou Azarias.19-20: “E eu era filho entendido e recebi uma boa alma. com exceção de nosso Salvador (João 8. e meu espírito exulta em Deus. 16. A Bíblia é transparente em mostrar a doutrina da universalidade do pecado. vã seria nossa fé e permaneceríamos em nossos pecados (1 Coríntios 15. • O anjo mente Tobias 5.13. com exceção de um dia da semana e algumas outras ocasiões durante o ano. 1 Coríntios 15. A Bíblia nos informa que Jesus Cristo jejuou quarenta dias. Os escritores bíblicos foram unânimes em declarar: “Pois não há homem justo sobre a terra.   • A imaculada conceição Sabedoria 8.

Evangelho de Gamaliel. a Epístola de Policarpo. O número de pseudepígrafos é bem maior do que a Bíblia canônica. para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste. dos 12 Patriarcas. de Aristeu. bem como pelos abissínios. os coptas e as igrejas da Síria. Atos de Pedro. Declaração de José de Arimatéia. Apocalipse de João. Apocalipse de Estevão. significando “falsos escritos”. de Pedro a Felipe. de Pilatos a Tibério. Terceira Epístola aos Coríntios. Esta literatura foi conservada pela Igreja ocidental da Idade Média. dos Apóstolos. Evangelho de Pedro. Descida de Cristo aos Infernos. aos Filipenses. Salomão. os pseudepígrafos não foram plenamente recepcionados pela comunidade judia e cristã. Apocalipse de Elias. Atos dos Doze Apóstolos. deixam evidente o amor de Deus para com todos. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA   • Ensinos de crueldade e egoísmo Eclesiástico 12. I Clemente. O clímax da revelação se encontra na pessoa do Filho. que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E. Evangelho dos Ebionitas. OUTROS – A Filha de Pedro. porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo?” (Mateus 5. podendo ser classificados em: EVANGELHOS – Evangelho segundo os Hebreus. Oráculos Sibilinos.1- 2. aos Magnésios. Evangelho de Maria Madalena. porque não sabes que mal sobrevirá à terra” (Eclesiastes 11. Apocalipse de Esdras.44-47). Evangelho dos Egípcios. ao ensinar: “Eu porém vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. impede que se lhe dê pão. com a denominação de extracanônicos. Apocalipse do Pastor de Hermas. e nada dês ao ímpio. que recebeu a sabedoria de Deus. Atos de Pilatos. PSEUDEPÍGRAFOS O termo deriva-se de duas palavras gregas: pseudo (falso) e epígrafe (escrito). aos Efésios. aos Esmirnenses e a Policarpo. Vida de Adão e Eva. porque depois de muitos dias o acharás. Evangelho de Filipe. grifo nosso). ATOS – Atos de Tecla e Paulo. Atos de André. EPÍSTOLAS – de Pilatos a Herodes. Porque. Evangelho da Verdade. versando sobre o amor ao próximo. de Moisés. de Jacó. CURSO DE TEOLOGIA 71 . a Epístola de Barnabé. Evangelho de Tomé. Apocalipse de Paulo. aos Trálios.6: “Faze o bem ao homem humilde. se saudardes somente os vossos irmãos. Atos de Paulo. Embora tenham surgido na mesma época dos apócrifos. Apocalipse de Sofonias. de Salomão. Apocalipse de Tomé. Jubileus. Atos de João. de Jó. Apocalipse de Pedro. Salmos de Salomão. Protoevangelho de Tiago. Apocalipse de Baruc. aos Romanos. Evangelho de Bartomeu. Reparte com sete e ainda com oito. 1. Evangelho de Nicodemos. APOCALIPSES – Apocalipse de Tiago. Será que o Deus verdadeiro teria tal atitude? São esses os ensinos que encontramos na sua revelação aos homens? As Escrituras. para não suceder que ele se torne mais poderoso do que tu”. TESTAMENTOS – de Abraão. As Sete Epístolas de Inácio. que é Deus. 2 e 3 Henoque. aos Filadélfios. de Isaac. se amardes os que vos amam. devido a não gozarem do mesmo favor que os livros do cânon. escreveu: “Lança o teu pão sobre as águas. de Paulo aos La- odicenses. Atos de Tomé.

MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 5 1) No grego clássico a palavra apocrypha significava o quê? 2) Quem foi o primeiro a se pronunciar sobre quais escrituras possuíam autoridade eclesiástica? 3) Como estão classificados os livros apócrifos? 4) Qual foi a primeira tradução a incluir os apócrifos? 5) Quais são os apócrifos incluídos na Septuaginta? 6) Sinteticamente. Judite e Baruque? 7) Por que a Igreja Católica continua a se apegar aos escritos não inspirados? 72 CURSO DE TEOLOGIA . de que tratam os livros de Macabeus.

Porém estamos seguros de que esses registros são verídicos. não cometessem qualquer erro de verdade ou doutrina. comum a todos os cristãos. Nem todo conteúdo da Bíblia foi diretamente revelado aos homens. por inspiração. porque lhe parecem loucura.16 Por inspiração das Escrituras entendemos a influência sobrenatural do Espírito Santo sobre seus autores. entretanto. então o padrão moral que ela apresenta é a expressão da autoridade de Deus. Esequias.15 A palavra grega traduzida por inspirada é theópneustos. que converteu seus escritos em um registro preciso da revelação ou fez com que seus escritos fossem realmente a Pa- lavra de Deus. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA A INSPIRAÇÃO DAS 6 ESCRITURAS Muitos livros reivindicam autoridade divina para sua autoria. A revelação é o ato de Deus mediante o qual Ele comunica diretamente a verdade antes desconhecida para a mente humana – verdade que não poderia ser conhecida de qualquer outra maneira. escrito em sânscrito. Pedro cita um exemplo interessante em que os profetas receberam inspiração para registrar grandes verdades. O livro hindu Bhagavad Gita (“Cântico do Senhor”). Timóteo. o Alcorão. As culturas antigas do Oriente e do Mediterrâ- neo conheciam a existência de um livro ou de Tábuas celestes. dos homens e do diabo. É importante distinguir revelação. a fim de que. porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2. “respirar”. Mas qual evidência existe para apoiar esta crença? Seria sem fundamento esta fé? O que podemos oferecer à pessoa que tem dúvidas sobre a inspiração da Bíblia? A questão da inspiração da Bíblia é fundamental..14). para instruir em justiça” (2 Timóteo 3. É representado como uma árvore cósmica: as raízes eternas adentram o céu enquanto os ramos e as folhas crescem na terra em forma de textos e cantos sagrados. A concepção de livros vindo dos céus é antiga. para corrigir. p. então ela não passa de um livro comum. a Palavra de Deus. 16 SOARES. declarou que “toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar. Este termo é a junção de duas palavras gregas: theos. se ela for o que diz ser. de “onde vem a palavra ‘teopneustia’. A iluminação se refere à influência do Espírito Santo. cit. inspiração e iluminação. A inspiração está ligada à comunicação da verdade. é altamente prezado pelos budistas e venerado como escritura sagrada pelos brâmanes. Se for simplesmente um produto dos homens. Ela contém registros históricos e muitas observações pessoais. um livro divinamente inspirado. Alguns confundem inspiração com iluminação. As religiões nascidas da Bíblia (judaísmo. que os ajuda a entender as coisas de Deus. Na Mesopotâmia o rei recebia no momento da co- roação as Tábuas e a vara. e não pode entendê-las. mas não lhes foi outorgada iluminação para compreender o sentido exato do que profetizaram. grifo nosso). uma revelação divina! É inquestionável que a Bíblia seja amplamente aceita como a Palavra de Deus. O Espírito Santo dirigiu e influenciou os escritores. Paulo. Primeiramente vamos analisar a etimologia do termo. que significa ‘inspiração divina’”. 52.16. o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus. como sinal de que era representante da revelação divina e possuía um saber oculto. “Da qual salvação inquiriram e trataram diligentemente os profetas que 15 Edição Revista e Corrigida da Sociedade Bíblica do Brasil. “Deus”. para redargüir. cristianismo e islamismo) também reivindicam autoridade divina para seus escritos. A Bíblia registra as palavras e os atos de Deus. que freqüentemente o citam como autoridade no que se refere à religião hindu. e pneo. ao escrever a seu filho na fé. “Ora. Os mulçumanos reconhecem que estes povos possuem livros de origem divina. O que torna a Bíblia diferente ou distinta desses livros? Ela proclama ser a Palavra de Deus. Op. É de suma importância verificarmos cuida- dosamente quem está falando. todavia fica- ram totalmente obsoletos com o surgimento do “Livro” (al-Kitab) enviado por Deus a Maomé. CURSO DE TEOLOGIA 73 .

tudo está sob seu controle! Portanto. e para lhe mostrar onde fica o porto. numa ilha. ele não é mero telespectador. as pedras. Tiro não era uma insignificante vila de pescadores. não é a mentira do registro que foi inspirada. como os primeiros capítulos de Gê- nesis. A Bíblia não mente.” 17 A Bíblia é o livro de profecia por excelência. conquistou a fortaleza da ilha de Tiro. 61. 12). 1997. 9). para que nos assombremos. não para si mesmos.. e a cidade de Tiro jamais seria reconstruída (v. pelo Espírito Santo enviado do céu. as madeiras e as ruínas da cidade seriam jogadas ao mar (v. para as quais coisas os anjos desejam bem atentar” (1 Pedro 1. porém ora por iluminação.2-7. 74 CURSO DE TEOLOGIA . para que se arrependa. e nunca mais foi recons- truída. resta-nos averiguar a exatidão das profecias existentes na Bíblia.19. Mas no auge do seu poder. no sentido bíblico. indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo. Muito tempo depois de Ezequiel haver profetizado. Anunciai-nos as coisas que ainda hão de vir. exatamente como Ezequiel predisse. diz o SENHOR. da Babilônia. Henry Ward Beecher disse: “A Bíblia é o mapa divino para você pilotar. 17 Idem. em essência. p. sempre escreveu inspirado. mas no caso da inspiração. ora por revelação. mas nem toda ela foi dada por revelação. Depois de um cerco de treze anos. o indivíduo é ou não inspirado. O Eterno declarou que a capacidade de predizer o futuro era um sinal de verdadeira divindade: “Apresentai a vossa demanda. Nesses casos.2 quilômetros.21-23. Aos quais foi revelado que. a inspiração não. porventura. diria ele e não o faria? Ou falaria e não o confirmaria?” (Números 23. 18 BEECHER apud HAGGE. o profeta Ezequiel teve a audácia de predizer o violento futuro e o fim ignominioso para a grandiosa cidade de Tiro. Temos trechos das Escrituras que nos dão exemplos de revelação: José interpretando os sonhos de Faraó (Gênesis 40. diz o Rei de Jacó. Tiro foi totalmente destruída. e em seguida interpretando-o (Daniel 2. alegai as vossas razões. os muçulmanos e os cruzados. a assinatura de Deus em seu livro. Daniel declarando ao rei Nabucodonosor o sono que este havia esquecido. 2003. e sim o registro da mentira. fazei bem ou fazei mal. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA profetizaram da graça que vos foi dada. 4. exceto aqueles que escaparam para uma fortaleza. Em Ezequiel 26 Deus predisse o fim de Tiro: muitas nações viriam contra ela (Ezequiel 26. anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir e a glória que se lhes havia de seguir. os escritos do apóstolo Paulo (Gálatas 1. o Grande. 54. os romanos. Nabucodonosor. Toda Escritura foi divinamente inspirada. para que atentemos para elas e saibamos se se cumpriram. grifo nosso). relatai-nos as profecias anteriores.11-12). mas para nós.19). 14). Alexandre.1). todavia suas declarações não foram inspiradas por Deus. e sim o registro delas (Jó 1. Moisés.15-16. naturalmente. que estava neles. 14). A iluminação admite graduação. Em 1291 a. nem o Livro de Mórmon. derrubou os muros e as torres de Tiro e massacrou todos os seus ha- bitantes. 2. Sua queda aconteceria por causa da flagrante perversidade da cidade e por causa de sua arrogância. Quanto à iluminação. agora. e como chegar lá sem bater nas rochas e nos baixos”. cerca de um quarto dela é profética. Era uma grande cidade da Fenícia e uma capital mundial notável durante mais de dois mil anos. eles ministravam estas coisas que. 7). ou fazei-nos ouvir as coisas futuras. uma indicação inigualável de que ela é sua obra. o local se tornaria uma rocha nua e lugar para pescadores secarem suas redes (vv. nem os Vedas ou qualquer outro livro que reivindica autoridade espiritu- al contém profecias.28-30). depois os gregos. O tempo e a História comprovaram as palavras do profeta Ezequiel. vos foram anunciadas por aqueles que. construindo uma passagem em aterro do continente para a ilha. Há. “Nem o Alcorão. os muros e torres de Tiro seriam derrubados (vv.3). distante cerca de 2. por exemplo. 18 Através da profecia bíblica. nem filho de homem. fica evidente que Deus sabe e controla o futuro. para que saibamos que sois deuses. mas a mais forte é a profecia cumprida. utilizando o enorme volume de detritos abandonados pela cidade destruída. no mar Mediterrâneo. nem a Tripitarka. 41. algumas pessoas possuem um maior grau de discernimento do que outras. muitas evidências da origem divina da Bíblia. 38-39). 4-5.10 -12). que é. para que minta. para evitar que você vá parar no fundo do mar. vos pregaram o evangelho. p. a Babilônia seria a primeira a atacá-la (v.C. Muitas nações levantaram-se contra Tiro: primeiro os babilônicos. mas registra mentiras que outros profe- riram. Trazei e anunciai-nos as coisas que hão de acontecer.8. e juntamente o veremos” (Isaías 42. A Bíblia registra decla- rações de Satanás. “Deus não é homem. indicava.7.

por isso. tua parenta. Então. as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. da parte de Deus. Cumprimento: “Livro da genealogia de Jesus Cristo.. a fundação do Estado de Israel (Isaías 66. filho de Abraão” (Mateus 1. seu pai. igualmente concebeu um filho na sua ve- lhice. Ela. Não diz: E aos descendentes. perturbou-se muito e pôs-se a pensar no que significaria esta saudação. Cumprimento: “No sexto mês. porém como de um só: E ao teu descendente. “Ora.17). E. sendo este já o sexto mês para aquela que diziam ser estéril. CURSO DE TEOLOGIA 75 .15).26-38). que dizia: Este é o meu Filho amado. chamada Nazaré. disse Maria ao anjo: Como será isto. lhe dará o trono de Davi.11). porém. quando o viam. 4.7). e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gênesis 3. “Nela [na semente de Abraão] serão benditas todas as nações da terra. O Messias nascerá de uma virgem Profecia: “Portanto. em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gênesis 12. Então. Cumprimento: “E eis uma voz dos céus. para uma cidade da Galiléia. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Muitas outras profecias foram fielmente cumpridas.” (Gálatas 4. O Messias nasceria de uma mulher Profecia: “Porei inimizade entre ti e a mulher.18). nascido de mulher. Deus. O Messias será Filho de Deus Profecia: “Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho. disse: Alegra-te. Mas o anjo lhe disse: Maria. obra. porém. Este te ferirá a cabeça. pois não tenho relação com homem algum? Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo. 3. ao ouvir esta palavra. filho de Davi. Eis que conceberás e darás à luz um filho. entre a tua descendência e o seu descendente. também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus. porquanto obedeceste à minha voz” (Gênesis 22. porque achaste graça diante de Deus. E o anjo se ausentou dela” (Lucas 1. o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Isaías 7. e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra.4). O Messias será da semente de Abraão Profecia: “Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem.vindo. Cumprimento: “. Deus enviou seu Filho. te gerei” (Salmos 2. que é Cristo” (Gálatas 3. a quem chamarás pelo nome de Jesus. muito favorecida! O Senhor é contigo.1). ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó.14). tanto na antiguidade quanto na atualidade. que se cumpra em mim conforme a tua palavra. a plenitude do tempo. Os profetas predisseram a queda da Babilônia (Isaías 13. como se falando de muitos. 2. cujo nome era José. hoje. eu. e o seu reinado não terá fim. Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo..8) e principalmente a vinda do Messias.3).. Desde seu nascimento. disse Maria: Aqui está a serva do Senhor. o Senhor. E Isabel. foi o anjo Gabriel enviado.19-21).16). entrando o anjo onde ela estava. nascido sob a lei. não temas. Vejamos algumas profecias: 1.. “Também os espíritos imundos. prostravam-se diante dele e exclamavam: Tu és o Filho de Deus!” (Marcos 3. a virgem chamava-se Maria. tudo estava previsto nas Escri- turas. ministério e ascensão ao céu. a uma virgem desposada com certo homem da casa de Davi. em quem me comprazo” (Mateus 3.

Cumprimento: “Vendo-se iludido pelos magos. O zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto” (Isaías 9. O Messias nascerá em Belém Profecia: ”E tu.. para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça. e a ele obe- decerão os povos” (Gênesis 49. Pai da Eternidade. eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém. Belém-Efrata. O Messias será da Casa de Davi Profecia: “Porque um menino nos nasceu. 16). Príncipe da Paz. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA 5. de ti me sairá o que há de reinar em Israel. Cumprimento: “Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo” (Mateus 2. em dias do rei Herodes. O Messias será da linhagem de Jessé Profecia: “Do tronco de Jessé sairá um rebento. O Messias preexistia Profecia: ”E tu. e das suas raízes. e o rei Davi. que se chama o Cristo” (Mateus 1.1). Esrom. 8. em dias do rei Herodes. marido de Maria.6. até que venha Siló. mas não de perto. nem o bastão de entre seus pés. conforme o tempo do qual com pre- cisão se informara dos magos” (Mateus 2.) E Jacó gerou a José.. da qual nasceu Jesus. eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém” (Mateus 2. um filho se nos deu. e o rei Davi. para que se aumente o seu governo. 16). Perez gerou a Esrom. Uma estrela anunciará seu nascimento Profecia: “Vê-lo-ei.15). e cujas origens são desde os tempos antigos. enfureceu-se Herodes grandemente e mandou matar todos os meninos de Belém e de todos os seus arredores. desde os dias da eternidade” (Miquéias 5. a Arão (. 11. porque já não existem” (Jeremias 31. e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino. e cujas origens são desde os tempos antigos.1).1-2). o governo está sobre os seus ombros. a Salomão. marido de Maria. da que fora mulher de Urias (. que se chama o Cristo” (Mateus 1. desde agora e para sempre. Belém-Efrata..2). 16).) E Jacó gerou a José. da qual nasceu Jesus. e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro. da que fora mulher de Urias (. desde os dias da eternidade” (Miquéias 5. Cumprimento: “Jessé gerou ao rei Davi.. era Raquel cho- rando por seus filhos e inconsolável por causa deles.) E Jacó gerou a José. pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá. uma estrela procederá de Jacó. mas não agora.6-7). O Messias será da tribo de Judá Profecia: “O cetro não se arredará de Judá.16). pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá. a Salomão.2). Deus Forte.3. que se chama o Cristo” (Mateus 1.6. 9. pranto e grande lamento. marido de Maria.17). 76 CURSO DE TEOLOGIA . de Israel subirá um cetro que ferirá as têmporas de Moabe e destruirá todos os filhos de Sete” (Números 24. Herodes matará as crianças Profecia: “Assim diz o SENHOR: Ouviu-se um clamor em Ramá. contemplá-lo-ei. de dois anos para baixo. um renovo” (Isaías 11.. 10.. Cumprimento: “Jessé gerou ao rei Davi. Cumprimento: “Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia. 7. 6. da qual nasceu Jesus. Cumprimento: “Judá gerou de Tamar a Perez e a Zera. de ti me sairá o que há de reinar em Israel.10).

Cumprimento: “Jesus. O Messias será um sacerdote Profecia: “O SENHOR jurou e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre. ensinando no templo. para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça. e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino. CURSO DE TEOLOGIA 77 . semelhante a ti.23). 12. e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar” (Deuteronômio 18. 15. com forte clamor e lágrimas. O Messias será chamado de Emanuel (Deus Conosco) Profecia: ”Portanto. Cumprimento: “E as multidões clamavam: Este é o profeta Jesus. Cumprimento: “Conjuro-te. tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem.1). nos dias da sua carne. Nele. O Messias será um profeta Profecia: “Suscitar-lhes-ei um profeta do meio de seus irmãos. embora sendo Filho.22). perguntou: Como dizem os escribas que o Cristo é filho de Davi? O próprio Davi falou. perante Deus e Cristo Jesus. orações e súplicas a quem o po- dia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade. como. de Nazaré da Galiléia” (Mateus 21. é ele seu filho? E a grande multidão o ouvia com prazer” (Marcos 12. que há de julgar vivos e mortos.. 16.1). segundo a ordem de Mel- quisedeque” (Salmos 110. que participais da vocação celestial. pois. Cumprimento: “Por isso. o SENHOR é o nosso Rei. pelo Espírito Santo: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita. pela sua manifes- tação e pelo seu reino” (2 Timóteo 4. aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu e. até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés” (Salmos 110. considerai atentamente o Após- tolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão.14). Jesus. o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Isaías 7. tendo sido nomeado por Deus sumo sacerdote. segundo a ordem de Melquisedeque” (Hebreus 5.11). 14. tudo subsiste” (Colossenses 1.7). santos irmãos. até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.35-37). desde agora e para sempre. Jesus” (Hebreus 3. e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco)” (Mateus 1.17).1). O Messias era chamado “Senhor” Profecia: ”Disse o SENHOR ao meu senhor: Assenta-te à minha direita. 17. tendo oferecido. O Messias será um juiz Profecia: “Porque o SENHOR é o nosso juiz.. O Messias será rei Profecia: “. 13. o SENHOR é o nosso legislador. Cumprimento: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. ele nos salvará” (Isaías 33.7-10).4). em cuja boca porei as minhas palavras. tendo sido aperfeiçoado.para que se aumente o seu governo. O mesmo Davi chama-lhe Senhor. “Ele. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Cumprimento: “Ele é antes de todas as coisas.18). O zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto” (Isaías 9.

Cumprimento: “Batizado Jesus. 22. O Messias será ungido pelo Espírito Santo Profecia: “Repousará sobre ele o Espírito do SENHOR. situada à beira-mar.1). Cumprimento: “Naqueles dias. pois águas arrebentarão no deserto. e se desimpedirão os ouvidos dos surdos. e eis que se lhe abriram os céus. tornará glorioso o caminho do mar.34-35).2).16-17). e viu o Espírito de Deus descendo como pomba. Jesus que João fora preso. lhe disse Pilatos: Logo. Daí por diante. que dizia: Este é o meu Filho amado. E eis uma voz dos céus. tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. para que se cumprisse o que foi dito por intermédio do profeta: Abrirei em parábolas a minha boca. para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta Isaías: Terra de Zebulom. o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR” (Isaías 11. nos confins de Zebulom e Naftali. e seja salvo” (Isaías 6.1-3). e a língua dos mudos cantará. nos primeiros tempos. terra de Naftali. se abrirão os olhos dos cegos. ensinando nas sinagogas. Torna insensível o coração deste povo. vindo sobre ele.5-6). O Messias falará em parábolas Profecia: “Abrirei os lábios em parábolas e publicarei enigmas dos tempos antigos” (Salmos 78. ouvi e não entendeis. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz” (João 18. Deus. porém. caminho do mar. endireitai as suas veredas” (Mateus 3. “E os seus discípulos o interrogaram. deixando Nazaré. o Espírito de sabedoria e de entendimento. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Cumprimento: “Então. e ribeiros.35). a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração. e aos que viviam na região e sombra da morte resplandeceu-lhes a luz. pregando o evan- gelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades” (Mateus 9. Galiléia dos gentios” (Isaías 9. porque está próximo o reino dos céus” (Mateus 4. porque está próximo o reino dos céus. O Messias ministrará na Galiléia Profecia: “Mas para a terra que estava aflita não continuará a obscuridade. O Messias será precedido por um mensageiro Profecia: “Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR.12-17). vede. tornou desprezível a terra de Zebulom e a terra de Naftali. Porque este é o referido por intermédio do profeta Isaías: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor. e. a fim de dar testemunho da verdade.2). publicarei coisas ocultas desde a criação do mundo” (Mateus 13. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo. endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos. o Espírito de conselho e de fortaleza. para que não venha ele a ver com os olhos.9-10). nos últimos. e se converta. dizendo: Que parábola é esta? Respondeu-lhes Jesus: A vós outros é 78 CURSO DE TEOLOGIA . Cumprimento: “Ouvindo. apareceu João Batista pregando no deserto da Judéia e dizia: Arrependei- vos.37). disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi. além do Jordão. saiu logo da água. mas. Galiléia dos gentios! O povo que jazia em trevas viu grande luz. 20. passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos. mas não percebeis. além do Jordão. endireitai no ermo vereda a nosso Deus” (Isaías 40. “Então. retirou-se para a Galiléia. em quem me comprazo” (Mateus 3. foi morar em Cafarnaum. O ministério do Messias incluirá milagres Profecia: “Então. Cumprimento: “Todas estas coisas disse Jesus às multidões por parábolas e sem parábolas nada lhes dizia. 21. vede. os coxos saltarão como cervos. 19. no ermo” (Isaías 35.3). Cumprimento: “E percorria Jesus todas as cidades e povoados. 18.

Cumprimento: “Tendo Jesus saído do templo. aos demais. um dos doze. ia-se retirando. 25. angustiou-se Jesus em espírito e afirmou: Em verdade. num jumentinho. e quem me recebe recebe aquele que me enviou. respondei-lhe que o Senhor precisa deles. com ela.9). Desde já vos digo. montado em jumento. ao monte das Oliveiras. por meu salário trinta moedas de prata” (Zacarias 11. humilde. 23. Ditas estas coisas. Desprendei-a e trazei-mos. que preparará o caminho diante de mim. cria de jumenta” (Zacarias 9. Tomei as trinta moedas de prata e as arrojei ao oleiro. Cumprimento: “Quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé. deixai-o. pois eu conheço aqueles que escolhi. O dinheiro da traição seria jogado na Casa de Deus Profecia: “Então. para que. a mim me recebe. virá ao seu templo o Senhor. ó filha de Sião. O Messias entrará no templo Profecia: “Eis que eu envio o meu mensageiro. o Anjo da Aliança.9). não vejam. creiais que EU SOU. não entendam” (Lucas 8. vendo. na Casa do SENHOR” (Zacarias 11. E.14-16). indo ter com os principais sacerdotes.13). en- viou Jesus dois discípulos. o SENHOR me disse: Arroja isso ao oleiro. O Messias seria traído por um amigo Profecia: “Até o meu amigo íntimo. pois. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA dado conhecer os mistérios do reino de Deus. o Zelote. isto aconteceu para se cumprir o que foi dito por intermédio do profeta: Dizei à filha de Sião: Eis aí te vem o teu Rei.1). e. trouxeram a jumenta e o jumentinho. eis que ele vem. ó filha de Jerusalém: eis aí te vem o teu Rei. CURSO DE TEOLOGIA 79 . de repente. antes. é.12). desse momento em diante. buscava ele uma boa ocasião para o entregar” (Mateus 26. Pesaram. fala-se por parábolas. cria de animal de carga. Cumprimento: “Então. humilde. para que se cumpra a Escritura: Aquele que come do meu pão levantou contra mim seu calcanhar. O Messias seria traído por trinta moedas de prata Profecia: “Eu lhes disse: se vos parece bem. em verdade vos digo que um dentre vós me trairá” (João 13. puseram em cima deles as suas vestes. 26. 24. diz o SE- NHOR dos Exércitos” (Malaquias 3. para que. Em verdade. se alguém vos disser alguma coisa. num jumentinho. a quem vós buscais. pro- pôs: Que me quereis dar. Então.4). a quem vós desejais. em verdade vos digo: quem recebe aquele que eu enviar. que foi quem o traiu” (Mateus 10.1-7).19-21) “Simão. dizendo-lhes: Ide à aldeia que aí está diante de vós e logo achareis presa uma jumenta e. Ora. se não. E. montado em jumento. em quem eu confiava. que comia do meu pão. ouvindo.9-10). quando acontecer. e eu vo-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata. Indo os discípulos e tendo feito como Jesus lhes ordenara. chamado Judas Iscariotes. justo e salva- dor. E logo os enviará. antes que aconteça.O Messias entraria em Jerusalém sobre um jumentinho Profecia: “Alegra-te muito. Ele. e sobre elas Jesus montou” (Mateus 21. levantou contra mim o calcanhar” (Salmos 41. exulta. esse magnífico preço em que fui avaliado por eles. e Judas Iscariotes. e. quando se aproximaram dele os seus discípu- los para lhe mostrar as construções do templo. porém. 27. lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada” (Mateus 24. um jumentinho. dai-me o meu salário. 1-2). Cumprimento: “Não falo a respeito de todos vós.

29. com os escribas e anciãos. os principais sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam algum testemunho falso contra Jesus. diziam: Salvou os outros. Cumprimento: “Então. e outro à sua esquerda. E não acharam.. afrouxam os lábios e meneiam a cabeça: Confiou no SENHOR! Livre-o ele. lhes disse Jesus: Todos vós vos escandalizareis. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Cumprimento: “Então. atirando para o santuário as moedas de prata. compareceram duas. contra o meu pastor e contra o homem que é o meu companheiro. de fato.59-60). e as ovelhas ficarão dispersas.67). Cumprimento: “Então.7-8). fere o pastor. 28. se és Filho de Deus. mas volverei a mão para os pequeninos” (Zacarias 13. diz o SENHOR dos Exércitos. porque 80 CURSO DE TEOLOGIA ..5).12).11).27.26). pois venha livrá-lo agora. como ovelha muda perante os seus tosquiadores.. Judas. após haver açoitado a Jesus. a fim de o condenarem à morte. dizendo. a si mesmo não pode salvar-se. Os que iam passando blasfemavam dele. O Messias será açoitado e ferido Profecia: “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades.7).7). retirou-se e foi enforcar-se” (Mateus 27. salve-o. entregou-o para ser crucificado” (Mateus 27. se. e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53. afinal. e outros o esbofeteavam. Mas. Então. O Messias seria esbofeteado e cuspido Profecia: “Ofereci as costas aos que me feriam e as faces. uns cuspiram-lhe no rosto e lhe davam murros. não escondi o rosto aos que me afrontavam e me cuspiam” (Isaías 50. 33. sendo acusado pelos principais sacerdotes e pelos anciãos. O Messias será abandonado por seus discípulos Profecia: “Desperta. e. nada respondeu” (Mateus 27. Cumprimento: “E. O Messias será alvo de zombarias Profecia: “Todos os que me vêem zombam de mim. Pilatos lhes soltou Barrabás. o castigo que nos traz a paz estava sobre ele.6). mas não abriu a boca. pois nele tem prazer” (Salmos 22. 32. 30.” (Mateus 26. meneando a cabeça e dizendo: Ó tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! Salva-te a ti mesmo. e desce da cruz! De igual modo.5). O Messias será acusado por falsas testemunhas Profecia: “Levantam-se iníquas testemunhas e me argúem de coisas que eu não sei” (Salmos 35. aos que me arrancavam os cabelos. ele não abriu a boca” (Isaías 53. os principais sacerdotes. Confiou em Deus. Cumprimento: “E foram crucificados com ele dois ladrões. É rei de Isra- el! Desça da cruz. e. Cumprimento: “Ora. e creremos nele. lhe quer bem. porque está escrito: Ferirei o pastor. ó espada. um à sua direita. O Messias ficará em silêncio diante de seus acusadores Profecia: “Ele foi oprimido e humilhado. e as ovelhas ficarão dispersas. todos fugiram” (Marcos 14. como cordeiro foi levado ao matadouro. afirmando…” (Mateus 26. 31.50). apesar de se terem apresentado muitas testemunhas falsas.. escarnecendo. Cumprimento: “Então. deixando-o.

Cumprimento: “Contudo.. repartindo as vestes dele. O Messias será objeto de escárnio Profecia: “De tanto jejuar. e de magreza vai mirrando a minha carne.. uma súcia de malfeitores me rodeia. blasfemavam dele.4). O Messias será odiado sem motivos Profecia: “São mais que os cabelos de minha cabeça os que. bem como aos malfei- tores. levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu” (Isaías 53.. Cumprimento: “Depois. 34. CURSO DE TEOLOGIA 81 . Cumprimento: “Quando chegaram ao lugar chamado Calvário.. nem um deles sequer será quebrado” (Salmos 34. meneiam a cabeça” (Salmos 109-24-25).34).” (Mateus 27.21). 36.. lançaram sortes” (Lucas 23. Cumprimento: “Os que iam passando. disse: Te- nho sede!” (João 19. descendo da cruz!” (Marcos 15. quando me vêem. como vissem que já estava morto. Cumprimento: “. porém.39).28). Cumprimento: “Isto. meneando a cabeça e dizendo. 40. meneando a cabeça e dizendo: Ah! Tu que des- tróis o santuário e. em três dias. a Jesus. Jesus dizia: Pai. é para que se cumpra a palavra escrita na sua lei: Odiaram-me sem motivo” (João 15.. perdoa-lhes.. não lhe quebraram as pernas” (João 19. quando me vêem. porém. E os mesmos impropérios lhe diziam também os ladrões que haviam sido crucificados com ele” (Mateus 27. 38.chegando-se. Então.33). Tornei-me para eles objeto de opróbrio. As pessoas menearão a cabeça diante do Messias Profecia: “Tornei-me para eles objeto de opróbrio. 35. o reedificas! Salva-te a ti mesmo.25). vendo Jesus que tudo já estava consumado. porque não sabem o que fazem. traspassaram-me as mãos e os pés” (Salmos 22. ali o crucificaram.38-44). 37. para se cumprir a Escritura. O Messias terá sede no sofrimento Profecia: “Por alimento me deram fel e na minha sede me deram a beber vinagre” (Salmos 69. um à direita. sem razão. me odeiam.25-27).contudo. os joelhos me vacilam.25). Nenhum dos ossos do Messias seria quebrado Profecia: “Preserva-lhe todos os ossos.” (Salmos 69. O Messias intercederá por seus perseguidores Profecia: “..20).12).16). 39. As mãos e os pés do Messias seriam perfurados Profecia: “Cães me cercam. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA disse: Sou Filho de Deus. outro à esquerda” (João 20. Cumprimento: “Os que iam passando blasfemavam dele.29-30). meneiam a cabeça” (Salmos 109.

muitas evidências da origem divina da Bíblia. VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 6 1) Como é representado o livro hindu Bhagavad Gita? 2) Quais são as religiões nascidas da Bíblia? 3) O que torna a Bíblia diferente ou distinta dos vários livros existentes? 4) O que significa a palavra grega theópneustos traduzida por inspirada ? 5) Há. Jamais qualquer mente humana conseguiria projetar tamanha precisão em atos e fatos que se cumpriram perfeitamente na vida de uma única pessoa que se tornou o salvador do mundo. Henry Ward Beecher? 7) Cite cinco profecias e seus cumprimentos. acima de tudo. 82 CURSO DE TEOLOGIA . MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA As profecias relacionadas demonstram que a Bíblia é um livro perfeito e. naturalmente. profético. exatamente como Deus predisse. mas qual é a mais forte? 6) O que disse o Dr.

músicos e poetas excepcionais. registrando seus pensamentos em palavras que ele escolhia. e podemos ter inspiração sem revelação.1-4). 9ª ed. 4) Teoria da Inspiração Mística ou Iluminação: Afirma que inspiração é simplesmente uma intensificação e elevação das percepções religiosas do crente. escrevendo com seus próprios sentimentos. e serem rebaixados a um nível inferior ao relatarem um fato de modo natural. estilo e vocabulário. 1) Teoria da Inspiração Dinâmica: Afirma que Deus concedeu uma revelação gradual que não difere em essência. enquanto a teoria verbal plenária indica o resultado. Esta teoria foi defendida pelos pelagianos e unitarianos. pois Deus usa e não anula as suas vontades.19 Isto os tornou infalíveis em questões de fé e prática. isto é. Na sua maioria. as verdades desconhecidas dos autores humanos. também em relação às Escrituras houve homens excepcionais com visão espiritual que. Ela não analisa a relação existente entre a mente divina e a humana. como quando os escritores registram o que viram com seus próprios olhos e descobriram pela pesquisa (1 João 1. CURSO DE TEOLOGIA 83 . Se Deus tivesse ditado as Escrituras. 2) Teoria do Ditado ou Mecânica: Afirma que os escritores bíblicos foram meros instrumentos (amanuen- ses) do Espírito Santo.15-16). Aqui nós temos a forma e o resultado da inspiração.20 Sendo assim. enquanto se desviam a respeito dos fatos mais simples da história. Esta teoria. A forma é o método que Deus empregou na inspiração. o seu estilo seria uniforme. enfatiza sobremaneira a autoria divina ao ponto de excluir a autoria humana. Assim como tem havido artistas. da iluminação. Podemos ter revelação sem inspiração (Apocalipse 10. Apre- sentaremos algumas das teorias falsas acerca da inspiração da Bíblia e por fim a aceita pelos cristãos genuínos. que produziram obras de arte que nunca foram superadas. e muitos têm se deixado enganar. As grandes doutrinas da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD. 21. Grotius. mas alguns têm 19 OLIVEIRA. enquanto o resultado indica a conseqüência da inspiração. os homens desenvolveram várias teorias falsas acerca da inspiração das Escrituras que o estudante não deve ignorar. Baxter. mas em grau. 2 Pedro 3. Ela não fornece a psicologia daquele estado de espírito que de- veria envolver os escritores bíblicos ao se pronunciarem infalivelmente sobre matérias de doutrina. que produz tais resultados. portanto. 21-22. da dinâmica e a do ditado descrevem a forma de inspiração. Não há nenhuma insinuação de que Deus tenha ditado qualquer mensagem a um homem além daquela que Moisés trans- creveu no monte santo. o autor humano recebeu plena liberdade de ação para a sua autoria.1-3. que alguns livros não seriam inspirados na mesma medida que seriam os livros doutrinários. livre das idiossincrasias dos homens (Romanos 9. 21 Idem. Doellinger e Strong compartilham desta teoria. p. foram capazes de escrever as Escrituras. 20 Idem. as chamadas teorias da intuição. outras têm surgido recentemente e ou- tras ainda irão aparecer. Algumas são antiguíssimas.3-4). Paley. Raimundo de.1-4. a inspiração atinge apenas os ensinamentos e preceitos doutrinários. Esta teoria tem muitas falhas: ela não explica como os escritores bíblicos poderiam mesclar seus conhecimentos sobrenaturais ao registrarem uma sentença. 20. 3) Teoria da Inspiração Natural ou Intuição: Afirma que a inspiração é simplesmente um discernimento superior das verdades moral e religiosa por parte do homem natural. 2006. Portanto. Teria a dicção e o vocabulário do divino Au- tor. Deus simples- mente ditava o que os autores humanos dos livros da Bíblia deviam escrever. Erasmo. mas garantiu a exatidão da mensagem suprema com tanta perfeição como se ela tivesse sido ditada por Deus. ou seja. Cada crente tem sua iluminação até certo ponto. por causa de seus dons naturais. pois enfatiza a autoria humana a ponto de excluir a autoria divina. Ela não distingue entre coisas que são essenciais à fé e à pratica e aquelas que não são. Esta é a noção mais baixa de inspiração. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA TEORIAS DA INSPIRAÇÃO 7 DA BÍBLIA Devido à relevância do tema tratado. Na verdade. mas não nas coisas que não são de natureza imediatamente religiosa. p. p. a verdade vem junto com o erro. Lucas 1.

4) Defina a Teoria da Inspiração Natural ou Intuição. 7) Defina a Inspiração Verbal Plenária. a inerrância das Escrituras e dando a ela autoridade divina. 6) Defina a Inspiração dos Conceitos e não das Palavras. 8. O que ouve as suas palavras e as pratica é sábio (Mateus 7. isto é. foi falada. para orientá-los (conduzi-los) na transcrição do registro bíblico. PROVA DA INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA Dentre as mais variadas provas da inspiração da Bíblia. nos seus ensinos. Ladd defendiam esta teoria. Ele declarou que “aquele Consolador. sendo a mais correta em relação à inspiração da Bíblia. O mestre da Galiléia reivindicava a autoridade divina. Tanto no modo de falar quanto nas declarações específicas. excluindo a influência do pecado sobre suas atividades literárias”. seus dons e talentos. poderia escrever as Escrituras.31). Clarke e G. Deus inspirou os ho- mens a escreverem.35-36).48-50. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA mais do que outros. com seu caráter e tem- peramento.21 preservando. demonstrava com clareza a sua estima pelas Escritu- ras do Antigo Testamento como Palavra de Deus. F. Tholuck. 12. 5 Defina a Teoria da Inspiração Mística ou Iluminação. uma idéia ou pensamento inspirado só pode ser expresso por palavras inspiradas. Se esta teoria fosse verdadeira. Portanto. Esta teoria é seguida pela maioria dos estudiosos. W. segundo Strong. Depois disso. citou pelo menos quinze livros do Antigo Testamento e fez alusão a muitos outros. Para ele inspiração é “um despertamento e excitamento da consciência religiosa. A inspiração da Bíblia. Ensina que todas as partes da Bíblia são igualmente inspiradas. T. Schleiermacher foi quem disseminou esta teoria. 8) Dentre as mais variadas provas da inspiração da Bíblia. Lutero. Ora. essa teoria é considerada falaciosa. qualquer cristão em qualquer tempo. nem qualquer servo de Deus. mas houve uma cooperação vital entre eles e o Espírito de Deus que os capacitava. que o Pai enviará em meu nome.10). pela inspiração do Espírito Santo. a mais contundente é o testemunho de Jesus sobre ela. Esses homens escreveram a Bíblia com as palavras de seu vocabulário. Portanto. na lógica.26). diferente em grau e não em espécie da inspiração piedosa ou sentimentos intuitivos dos homens santos”. iluminou suas mentes.17). porém sob uma influência tão poderosa do Espírito Santo. Neander. podem ser chamados de inspirado no mesmo sentido.9-10). Cremer. nem mesmo escritores. VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 7 1) O que é a forma e o resultado da inspiração? 2) Defina a Teoria da Inspiração Dinâmica. Era a Palavra e o mandamento de Deus (Marcos 7. Venceu o diabo no deserto com a Palavra de Deus (Mateus 4. mas não suas palavras. vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo que vos tenho dito” (João 14. Jesus. os impulsionou a escrever. F. seu vocabulário e estilo. porque os seus ensinos provêm de Deus (João 7. Ele viveu e procedeu em conformidade com elas (Lucas 18. o Espírito Santo.6-13). sua educação e cultura. 6) Inspiração Verbal Plenária: É o poder inexplicado do Espírito Santo agindo sobre os escritores das Sagradas Es- crituras.24). Declarou que o escritor Davi falou pelo Espírito Santo (Marcos 12. 3) Defina a Teoria do Ditado ou Mecânica.26-28. A inspiração plenária cessou ao ser escrito o último livro do Novo Testamento. através da energia divi- na especial. Ele também afirmou que as Escrituras são a verdade (João 17. estas ficaram por conta dos escritores. J. não somente para as Escrituras do Antigo Testamento como também para seus próprios ensinos.15-17. que registraram por estilo próprio os desígnios de Deus. qual é a mais contundente? 84 CURSO DE TEOLOGIA . 5) Inspiração dos Conceitos e não das Palavras: Esta teoria ensina que Deus inspirou apenas as idéias da Bíblia. além de ser pensada. Robertson. no Novo Testamento temos a essência da revelação divina. desse modo. sua idéia pensada através das faculdades mentais. que os escritores não funcionaram como máquinas inconscien- tes. “Deus os usou tal qual. que o que eles es- creveram foi a Palavra de Deus. No mesmo evangelho o Senhor Jesus disse ainda que o Espírito Santo os guiaria “em toda verdade”. 14.

Deveriam ser registrados. tornando-se um sistema aceito pela sociedade sumeriana como um todo. elamitas. Os sinais adquiriram significados mais am- plos. a escrita cuneiforme tornou-se corrente em todo o Oriente Próximo. CURSO DE TEOLOGIA 85 . enquanto o desenho do sol surgindo no horizonte significava o dia. hoje. A figura que representa um jarro. porém foi adotada por outros povos como os acadianos. como resultado do processo de assimilação entre os sumérios e os povos semitas da Arábia. mais tarde. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA O SURGIMENTO 8 DA ESCRITA O surgimento da escrita — no quarto milênio antes de Cristo — significou o advento de uma tecnologia fun- damental para o desenvolvimento do ser humano na face da Terra. para só mais tarde se constituir numa palavra. Os sinais foram simplificados e abreviados e já não podiam mais ser reconhecidos como a imagem de um objeto específico. uma cabeça de touro. técnicas e emoções numa série de traços. hititas etc. teria sido o lugar em que surgiram os primeiros rudimentos da escrita.22 A escrita deixou de ser apenas uma convenção restrita a um grupo de sacerdotes. é que entre os sumérios a escrita surgiu a partir da necessidade de se registrar os bens materiais e as transações comerciais dos templos administrados pelos sacerdotes. A História nos informa que o mais antigo sistema de escrita nasceu por volta do ano de 3100 a. como passou a ser denominada. No segundo milênio antes de Cristo. o cunei- forme era inicialmente uma escrita pictográfica: a idéia de boi. conhecidas como escribas (podemos dizer que são os primeiros funcionários públicos. O que se sabe. segundo os pesquisadores. A escrita cuneiforme. 22 SOARES. triângulos) e números. p. dariam origem à filosofia. a escrita pictográfica sumeriana do período Uruk foi reduzida a formas angulares mais convenientes para imprimir nas tabuinhas de argila úmida com o auxílio de um pequeno junco. a qual evoluiu para um símbolo pictográfico fonetizado.C. por exemplo. No início. no Oriente Médio —. por exemplo. no sul da Mesopotâmia. eblaitas.. o processo teve início a partir de uma imagem simples. Op. foi desenvolvida originariamente para escrever a língua suméria. Cuneiforme e hieróglifos A Mesopotâmia — a região entre os rios Tigre e Eufrates. era representada por sinais que lembravam a cabeça desse animal. ela tinha de ser ensinada e aprendida. já não tinha mais semelhança com o desenho de um jarro. exercendo funções burocráticas). A escrita era fundamental para a contabilidade do templo. transformando-se em ideogramas e sendo usados para representar sons (fonogramas). que tinham de conhecer o sistema de escrita. Como os sinais eram formados por um junco ou cabo de madeira que deixava um traçado semelhante a uma cunha. o homem foi capaz de acumular e produzir conhecimentos que. por exemplo. Esequias. Segundo os achados arqueológicos. os desenhos tinham apenas um significado específico.. que significa “cunha”. Esta contabilidade era feita em tabuinhas de argila onde eram traçados caracteres (figuras ou sinais como um jarro. Usado para controlar as mercadorias que entravam e saíam dos palácios e templos mesopotâmicos. porém essas figuras (ou pictogramas) so- freram alterações ao longo do tempo e se transformaram. Em conformidade com o que já havíamos dito anteriormente. às ciências e às artes e principalmente transmitir a revelação de Deus aos homens. Assim. Surgiram então pessoas que tinham como função fazer o trabalho de anotação.300 antes de Cristo. 12. no sul do Iraque — e datam de 3. as mais antigas inscrições descobertas até hoje foram achadas em Uruk — a atual cidade de Warka. quantas ovelhas foram fornecidas a um pastor ou quantos jarros de sementes haviam sido entregues. cit. esse tipo de escrita recebeu o nome de cuneiforme — derivado do termo latino cuneus. Ao preservar seus pensamentos.

23 Idem. assírios e babilônios. vulgado pelo mundo antigo — e servido para gravar lín- guas como o aramaico e o hebreu antigos. que se tornaram assim muito mais simples do que os primeiros cuneiformes mesopotâmicos. 86 CURSO DE TEOLOGIA . e a data coincide com a que viveu Moisés”.23 A escrita de Ugarit — descoberta nas ruínas da cidade de Ugarit — representa o início do processo de democratização do saber. com os fenícios que o al- fabeto se expandiu. As origens do alfabeto Quando falamos da passagem da escrita ideográfica para a escrita alfabética. Muito embora não haja datas precisas. de fato.C. entre eles os gregos. há vestígios de uma escrita alfabética anterior ao sistema desenvolvi- do por aqueles povos. que desenvolveu um alfabeto composto por vinte e cinco a trinta signos cuneiformes. por exemplo —. mais rápida e fácil de aprender. mas também peças de marfim e pequenas tábuas de madeira eram utilizadas para a transmissão de seus pensamentos. o alfabeto fenício foi utilizado por volta do final do século 12 antes de Cristo. A escrita de Ugarit — que é gravada na forma de cuneiformes e por isso é vista como um “cuneiforme alfabético” — facilitou as coisas. mas também a dos semitas. Inicialmente concebido para responder a propósitos administrativos (leis. Explica-se: os sistemas que precede- ram essa forma de escrita utilizavam um sinal para cada palavra ou sílaba — o que tornava necessária uma quantidade imensa de sinais. O ugarítico — datado do século 14 antes de Cristo — é o mais antigo alfabeto completo conhecido.. e também entre uma população da costa siro-palestina (os fenícios). Os escribas de Ugarit conheciam o alfabeto proto-sinaítico e aplicaram o seu princípio usan- do cuneiformes. contabilidade dos comerciantes e dos Estados). encontradas no Templo de Serabit el Khadim. Entretanto. édi- tos. 12. Os únicos exemplos dela conhecidos são cerca de 30 inscrições datadas do ano de 1500 a. Não só as placas de argila. Essa escrita é denominada proto-sinaítica. não devemos falar de uma descoberta. O mais famoso resultado desse processo é o alfabeto grego. que compuseram um alfabeto com vinte e duas letras. Entretanto. cada um deles designando uma letra. a escrita depressa extravasou seu primeiro objetivo passando a ser utilizada para outros fins e principalmente para transmitir a revelação de Deus aos homens. Com 22 sinais. o grande legislador do povo hebreu. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA tanto que passou a gravar não apenas a língua dos sumérios — os primeiros habitantes da região —. “região em que viveu Moisés. p. tenham ocorrido entre o povo de Ugarit (Síria). foi. Ela tem 30 sinais. na península do Sinai. acessíveis apenas a iniciados nessa técnica. existem vestígios que apontam que as primeiras tentativas de criar uma nova forma de escrever. em que cada letra representa um som numa linguagem de letras que se combinam para formar palavras. mas antes de um lento processo evolutivo. o alfabeto fenício inspirou outros povos a criar seus próprios alfabetos. Além de ter sido amplamente di- Mapa de Ugarit e redondezas. em grande parte devedor Alfabeto cuneiforme de Ugarit da invenção fenícia. como nos alfabetos modernos.

Os Targuns o denominam de “língua de Canaã” (Isaías 19. datando dos séculos XIV ou XV a. que já existia no século XV a.4 a 7. que vai de 2. O idioma “aramaico”. Arã foi o pai da antiga civilização dos arameus.13). filho de Sem e neto de Noé. segundo a tradição judaica.C. Isaías 36. A língua aramaica. encontrado na Pa- lestina.C. É uma indi- cação de datas para uso dos agricultores. junta- mente com o acádico árabe e fenício. é a crônica de milhares de anos. A. teria vindo de Arã. 2 Reis 18. Assim a história da língua hebraica.. Como a maior parte das línguas do ramo semítico. Macalister de 1902 a 1905 e de 1907 a 1909. todas consoantes. o aramaico tornou-se a língua comum na Palestina depois do cativeiro babilônico. pelo relato bíblico. Alfabeto hebraico e no Antigo Testamento é chamado “judaico” (Isaías 36. exceto algumas passagens de Esdras. a nação israelita começou a sentir a influência do idioma corrente das potências mundiais. Há ainda umas tabuletas encontradas em Ugarit (em 1929). Em 536 a. o hebraico lê-se da direita para a esquerda. onde estão escritos alguns poemas semelhantes aos salmos.26-28).. A influência do aramaico foi tão grande sobre o hebraico que depois do cativeiro do reino de Israel. Quando os hebreus chegaram a Canaã.18) e “língua judaica” ou “judai- co” (2 Reis 18. S. Os judeus chegaram lá por volta do século XIII a.. devido ao seu zelo em preservar as revelações do único Deus. A língua hebraica é chamada no Antigo Testamento “língua de Canaã” (Isaías 19. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA OS IDIOMAS DA BÍBLIA Os judeus são conhecidos como o “povo do Livro”.C.28. Encontramos algumas palavras aramaicas preservadas no Novo CURSO DE TEOLOGIA 87 . que contém uma inscrição datada dos séculos XIV ou XV a. que é uma língua semítica (da família afro-asiática de idiomas). Este calendário é o mais antigo registro do hebraico escrito. que falavam o aramaico. já havia adotado o ara- Aramaico maico como língua nacional. em Biblos.C.13. já havia na terra certo desenvolvimento literário. Outro documento muito antigo é o sarcófago do Rei Airam. A mais extensa é em Daniel.C. em substituição ao hebraico arcaico. o alfa- beto fenício (do qual se derivou o hebraico). Foi descoberto nas escavações conduzidas por R. Muito parecido com o hebraico. O alfabeto compõe-se de 22 letras. que data mais ou menos do ano 1000 a.26. constitui a família de língua semítica dos habitantes das tribos nômades da Mesopotâmia e de todo o Oriente Médio.C. A atual escrita hebraica (chamada “hebraico quadrado”) é cópia do aramaico e entrou em uso pouco antes da nossa era. como. Quase todos os 39 livros do Antigo Testamento foram escritos em hebraico. quando Israel começou a regressar do exílio. Jeremias e Daniel. em 722 a.28. Um documento desta época é o calendário de Gezér.18).C. que foram escritas em aramaico. por exemplo.

88 CURSO DE TEOLOGIA . língua semítica. tanto que os antigos gregos chamavam as letras de “letras dos fení- cios” (gr. Em Romanos 8. é membro de qual família? 9) Quase todos os 39 livros do Antigo Testamento foram escritos em hebraico.15 e Gálatas 4. κοινὴ διάλεκτος). e também “caldaico”. Eli lamá sabactâni (Deus meu. Esdras 4. João 5. os gregos já falavam um dialeto “comum”. exceto… 10) O idioma “aramaico”. tornou-se a lín- gua comum de todo o mundo mediterrâneo. inclusive durante Fragmento do evangelho de João o Período Bizantino.C.. em Marcos 7. Eli. Segundo o professor Trebolle Barrera. no Norte (2 Reis 18. 84. em Marcos 5. confor- O nome de Jesus em aramaico . no Novo Testamento esta passou a chamar-se “hebraico”. 19.7.38.20. Deus meu.41. Julio Trebolle. helenizado pelas conquistas de Ale- xandre III da Macedônia. e foi utilizado durante muitos séculos. por que me desamparaste?). VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 8 1) Quando surgiu a escrita? 2) Quem eram os escribas? 3) Onde surgiram os primeiros rudimentos da escrita? 4) Onde foram encontradas as mais antigas inscrições descobertas até hoje? 5) O que veio representar a escrita de Ugarit? 6) Qual é o mais antigo alfabeto completo conhecido? 7) Com quem o alfabeto se expandiu? 8) O hebraico. Os gregos tiveram muitos contatos comerciais com os fenícios. às vezes chamado de dialeto alexandrino.14.Língua falada por ele. me se lê em Lucas 23. Filon.4). especialmente durante o século IX. “é preciso advertir que era koiné a língua vulgar do Alfabeto grego minúsculo povo como a língua culta dos escritores da época (Políbio.17.6 o apóstolo Paulo usou abba (Pai). 26. Atos 21. Devido aos hebreus terem adotado o aramaico como língua nacio- nal. O grego moderno deriva dele.4 ARC).13. p. Op. Josefo e Plutarco)”. segundo a tradição judaica. Efatá (abre-te). Durante o Período Helenístico. levanta-te). Estrabão. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Testamento: Talitá cumi (menina. na região siro- palestina. Grego O alfabeto grego baseia-se no alfabeto fenício desenvolvido por volta de 1050 a. cit.34.24 O dialeto comum.40. conhecido por koi- né (gr.2. no Sul (Daniel 1. em Mateus 27. derivado do dialeto ático. Da- niel 2.26. O aramaico é também chamado “siríaco”.46. τῶν Φοινίκων τὰ γράμματα). teria vindo de quem? 11) Quais palavras aramaicas encontramos preservadas no Novo Testamento? 12) Como os antigos gregos chamavam as letras? 24 BARRERA..

em concreto. Síria. O Código de Hamurábi expõe leis e punições caso estas não sejam respeitadas. morte e injúria. assim como assassi- nado. p. couro. A punição ou pena é diferente para diferentes classes de ofensores e vítimas. formaram-se. Tabuinha de barro ou argila – devido ao seu baixo valor econômico.13) e pelo profeta Ezequiel (4. Habacuque (2.63).8). latino.25 Madeira – este material era bastante usado pelos antigos. tijolos de barro. tabuinhas cobertas de cera ou gesso. papiros e pergaminhos. metais. a evolução da escrita do alfabeto hebraico. danos à propriedade.2) Fragmento de uma tábua e por Zacarias. Dois tipos de cerâmica têm sido encontrados pelos arqueólogos: seca ao sol e seca ao forno. Vários desses objetos foram encontrados no Egito e na Mesopotâmia.1). Os caracteres – cuneiformes ou hieróglifos – eram gravados. pedras. hoje se conhece em detalhes a evolução da escrita dos diversos alfabetos da região siro-palestina e. agricultu- ra. do hieróglifo e cuneiforme até os alfabetos fenício. 103. Graças a essas descobertas. 25 Idem. Os materiais utilizados para a difusão da escrita foram dos mais variados. seu “uso estendeu- se por todo o Oriente. de blocos de barro a ossos. Al- guns estudiosos acreditam que esse tipo de material foi usado pelo pro- feta Isaías (30. A ênfase é dada ao roubo. CURSO DE TEOLOGIA 89 . Mesopotâmia. óstraco (cacos de vasos de barro). a argila Placa de barro com escritas tornou-se um tipo de material muito usado para a escrita. o Código de Hamurábi. como mos- tram as cartas de Tell-Amarna”. pai de João Batista cuneiforme de Ugarit Tablete de argila de Ebla (Lucas 1. direitos da mulher. de modo que ninguém pudesse alegar ignorância da lei como desculpa. As leis não tole- Pedra de Roseta ram desculpas ou explicações para erros ou falhas: o código era exposto livremente à vista de todos. Este material influenciou cuneiforme dos sumérios na evolução da escrita pictográfica até chegar aos sinais cuneiformes. A tabuleta converteu-se num instrumento do correio internacional. direito do escravo. direitos da criança. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA 9 MATERIAIS USADOS Os sistemas de escrita. Segundo o pesquisador Trebolle Barrera. criação de gado. aper- feiçoaram-se e difundiram-se lenta e trabalhosamente. por exemplo. Israel e outros países. e ultimamente ao derredor do mar Morto. sobre a pedra. grego. Aqui destacaremos alguns dos materiais usados nesse processo de conhecimento: Pedra – foi empregada no Egito. Foi usado pelo profeta Jeremias (17.

material sobre o qual se escrevia. Cortavam-se seus talos em tiras finas. As obras gravadas em papiro eram dispostas na forma de rolos. com suas páginas superpostas e por vezes encadernadas. VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 9 1) Quais foram os materiais utilizados para a difusão da escrita? 2) Onde foi empregada a pedra para a escrita? 3) Por que a argila tornou-se um tipo de material muito usado para a escrita? 4) Quais profetas usaram a madeira para escrever? 5) As obras gravadas em papiro eram dispostas de que forma? 6) A técnica de preparação do pergaminho adquiriu grande perfeição na cidade de… 90 CURSO DE TEOLOGIA . da qual tomou seu nome. Velino..C. cujos talos compri- dos forneciam hastes das quais se obtinha o papiro. uma prática que reinou absoluta até o Manuscrito em papiro início da era cristã. sua técnica de preparação adquiriu grande perfeição na cidade de Pérgamo. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Papiro – grande planta da família das ciperáceas (Cyperus papyrus). tor- nou-se um material muito utilizado. própria das margens alagadiças do rio Nilo. diferenciando apenas o tipo de material. pergaminho e couro – estes termos são usados intercambia- velmente para o mesmo produto. foram os avós dos livros como nós os conhecemos. Foi o material que o apóstolo João usou para escrever o livro de Apocalipse (5.C.1) e suas cartas (2 João 12). O velino era preparado originalmente com pele de bezerros e antílopes. Devido ao baixo custo. e o surgimento dos códices. sobrepostas umas às outras em sentidos cruzados. Durante o século II a. O uso do couro remonta ao início do terceiro milênio a. que. na África. Fragmento de Jó 42. enquanto o pergaminho era de pele de ovelhas e cabras. e depois de levadas ao sol eram raspadas e polidas tornando-se material propício para a escrita.

Os milhares de manuscritos hebraicos. O monstro Antíoco Epifânio. sádico.686 porções manuscritas parciais e completas que foram copiadas a mão a partir do século I até o século XV. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA 10 MANUSCRITOS Alguns escritos originais. o texto do Novo Testamento é preservado em aproximadamente 5. 3. como é usada hoje. Enciclopédia de apologética – respostas aos críticos da fé cristã. existiam várias cópias e também tra- duções das Escrituras que sobreviveram aos muitos ataques. a saber. 77. está restrita àquelas cópias da Bíblia feitas no mesmo idioma em que foram originalmente escritas. Antonio. Assolou Jerusalém em 168. se perderam ao longo dos séculos por vários motivos. Foi extremamente cruel. Além dos manuscritos gregos. tinha prazer em aplicar torturas.) conseguiram preservar inacreditavel- mente suas tradições textuais.C. o professor Antonio Gilberto relacionou as seguintes causas: 1. Essa palavra. A Bíblia através dos séculos. 2002. Os escritos originais. Durante dez anos. há várias traduções do grego. O costume dos judeus de enterrar todos os manuscritos estragados pelo uso ou qualquer outra coisa. Os textos que temos hoje são cópias tiradas de outras cópias até chegarem à formatação que temos atualmente. Diocleciano mandou vasculhar o Império para des- truir todos os escritos sagrados. e as várias outras comparações de fora e de dentro do texto.). 4. tanto do Antigo quanto do Novo Testamento. Devido às perseguições que houve antes e depois de Cristo. CURSO DE TEOLOGIA 91 . e scriptus. profanou o Templo e destruiu todas as cópias que achou das Sagradas Escrituras. os escritos sagrados originais desapareceram. Contando com as principais traduções antigas em aramaico. Os reis idólatras e ímpios de Israel podem ter destruído muitos ou contribuído para isso (veja o episódio de Jeremias 36. árabe. Isso dá um total de mais de 14 mil cópias do Novo Testamento. Decidiu exterminar a religião judaica. eram chamados de autógrafos. se compilarmos as milhares de citações dos pais da igreja primitiva dos séculos II a IV. Norman. sem mencionar citações do Novo Testamento. p. contando com evidências esmaga- doras para apoiar sua confiabilidade. os perseguidores dos cristãos destruíram quan- tas cópias acharam das Escrituras. Nos dias do feroz imperador Diocleciano (284-305 d. 645. dominou sobre a Palestina durante seu reinado. “mão”. dão apoio surpreendente à confiabilidade do texto do Antigo Testamento. zugot. Entretanto. ou de um amanuense (sempre sob a direção do homem de Deus). 1995.27 26 GEISLER. São Paulo: Vida. um documento escrito à mão. os estudiosos judeus (escribas.C. p. há 9 mil cópias do Novo Testamento. Devido ao seu zelo. pode-se reconstruir todo o Novo Testamento com exceção de onze versículos. O termo manuscrito vem do latim manus. com sua confirmação pela Septuaginta e pelo Pentateuco samaritano. rei da Síria (175-164 a. Ele chegou a julgar que tivesse destruído tudo.a 27 GILBERTO. Além disso. 2. saídos das mãos de um profeta ou apóstolo. latim e outras línguas.20-26). Da mesma maneira.). tanaítas etc. pois mandou cunhar uma moeda comemorando tal “vitória”.26 Analisando as causas do desaparecimento dos manuscritos originais. copta. a fidelidade do texto do Novo Testamento é um fato. Rio de Janeiro: CPAD. “escrita”. para evitar mutilação ou interpolação espúria. Contando apenas as cópias gregas. autênticos.

sendo catalogados em número de 2. A partir do século IX. R. mais pró- xima da composição original ela está e menos erros dos copistas apresenta. Segundo o apologista Norman Geisler. dentre os quais mencionaremos alguns adiante. predominantemente no grego. 407. op. diz Barrera. Foram catalogados 268 manuscritos unciais do Novo Testamento. 92 CURSO DE TEOLOGIA . também com palavras ligadas entre si. Gregory. polegada) – são designados assim por serem escritos em caracteres maiúsculos. Diferenciou entre manuscritos maiúsculos (designados com letras maiúsculas: A = Codex Alexandrinus. segundo a forma em que estão escritos. os papiros são caracterizados por uma letra P anteposta ao número (ex. com a forma de sua letra ou com o material com que foram escritos. sendo alguns livros do Novo Testamento de pouco menos de cem anos após a sua composição (P66). os minúsculos e lecionários de forma contínua. preva- leceram em face dos unciais. cerca de 300 são unciais e o restante cursivo. no Sinai. A maior parte do Novo Testamento é preservada em manuscritos feitos menos de duzentos anos após o original (P45. que perduraram até o século IX. Julio Trebolle.28 Cursivos – são escritos em letra minúscula. P46. sem separação de palavras. p. minúsculos (contagem com números arábicos) e lecionários (contagem como nos minúsculos). o Códice Sinaítico (S) foi descoberto em 1844 pelo Dr. em duas categorias: Unciais (do latim uncia.30 Por serem os mais antigos. “existem 274 manuscritos unciais” atualmente conservados.. O sistema.: P45). semelhante à do livro moderno. são considerados as fontes mais importantes no estudo do Novo Testamento.795 cópias. CLASSIFICAÇÃO Os manuscritos estão classificados. por serem os mais antigos. de traduções antigas dele e de citações dele nos autores mais antigos da igreja é tão grande que é praticamente garantido que a leitura correta de toda passagem duvidosa é preservada em uma ou outra dessas autoridades antigas.500 manuscritos existentes.29 OS GRANDES CÓDICES UNCIAIS Até o século IX os manuscritos unciais eram os únicos utilizados nos manuscritos do Novo Testamento. p. cit. sendo a letra f colocada antes dos números dos lecionários (ƒ13). 644. é a forma característica do manuscrito em pergaminho.. C. 644-645. Não se pode dizer isso sobre nenhum outro livro antigo no mundo. P47). e assim denominada por oposição à forma do rolo. de contagem e denominação dos manuscritos do Novo Testamento foi introdu- zido em 1908 pelo aluno de Tischendorf. Nesse 28 BARRERA. como se escrevêssemos JESUSFILHODEDAVI. O número de manuscritos do NT. B = Codex Vaticanus). Constituem os escritos mais importantes do Novo Testamento. Quanto mais antiga a cópia. p. em 1751-1752. p.31 Os manuscritos unciais mais importantes são os seguintes: Manuscrito Sinaítico – Códice Alef (a)32 Escrito na primeira metade do século IV. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA NOMENCLATURA DOS DOCUMENTOS TEXTUAIS O primeiro a introduzir uma classificação e uma nomenclatura sistemática dos documentos textuais neotes- tamentários foi Johann Jakob Wettstein. até hoje em vigor. 31 KENYON apud GEISLER. 32 Códice. segundo o dicionário Aurélio. 644. na biblioteca do convento de Santa Catarina. 29 Idem. os maiúsculos por um “0” anteposto (ex. e um fragmento (P52) datado de apenas uma geração após o século I. Dos 4. Op. cit. 30 Idem. Lobegott Friedrich Constantine von Tischendorf (1815-1874).: a 01). Os manuscritos do Novo Testamento podem ser classificados de acordo com seu conteúdo. em velino e pergaminho. De acordo com ele.

exceto 2 Tessalonicenses e 2 João. Jeremias. juntamente com os apócrifos. No Novo Testamento faltam Marcos 16.53-8. A página esquerda é em grego. possivelmente 325 d. Não era conhecido pelos estudiosos textuais até 1475.28. enquanto o texto correspondente em latim fica do lado oposto. Em 1581. à direita. mas é o melhor testemunho existente do texto de Apocalipse. o Dr.C. Em 1078 esse códice foi dado de presente ao patriarca de Alexandria. Por esta razão foi chamado de Manuscrito Ephraemi Rescriptus. É o único que contém o Novo Testamento completo. é um códice greco-latino.9-20 e João 7. Manuscrito Bezae – Códice D Também chamado de Códice de Cambridge. 10. por isso é chamado de palimpsesto. Suspeita-se que se originou de Alexandria. João 7. faltam algumas passagens de Mateus. Eclesiastes. na Alemanha. Desde 1933 encontra-se no museu Britânico. e do Novo Testamento ainda preservam-se parte de todos os livros. Sabedoria. João. prestes a retornar para sua casa. Lucas.14 até o final do Novo Testamento.5-7. Foi descoberto em 1562. Este manuscrito continha todo o Antigo e o Novo Testamento. Este manuscrito foi raspado. precisão e ausência de omissão. na França. datado do início do século IV (350. Este é o mais antigo ma- nuscrito conhecido escrito em dois idiomas. ele descobriu 43 folhas de velino contendo porções da Septuaginta (1 Crônicas.11). que lhe deu a designação que ostenta até hoje. datado por volta do século V ou VI. Não chega a alcançar o elevado padrão dos manuscritos Vaticano e Sinaítico. Esse manuscrito está conservado na Biblioteca Nacional de Paris. Adquiriu esse material e os levou para a Biblioteca da Universidade de Leipzig. Quinze anos mais tarde. João e 2 Coríntios. Beza o entregou à Universidade de Cambridge. teólogo francês. Eclesiástico e Cântico dos Cânticos.). quando foi catalogado na Biblioteca do Vaticano. por Teodoro de Beza. No Antigo Testamento está faltando Gênesis 1. Lyon.13 e Salmos 106. sendo conhecido como Códice Frederico-Augustano. Hebreus 9. está escrito em grego e contém o texto completo da Septuaginta.9-20. ele contém grande parte do Antigo Testamento (LXX) e todo Novo Testamento (com ex- ceção de Marcos 16. Provérbios. 2 Reis 2. em Roma. onde se en- contra. Neemias e Ester). Embora contenha tanto o Antigo como o Novo Testa- mento. Conservam-se atualmente somente os textos de Jó.58-8. Manuscrito Ephraemi Rescriptus – Códice C Também conhecido como códice palimpsesto. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA mesmo ano.C. pertencente à Igreja Católica Romana. de 1 Timóteo a Filemon.27 – 136. O texto sagrado foi apagado para que nesses pergaminhos se escrevessem os sermões de Ephraem (299-378). e é datado do início do século V (por volta de 450).6. o dirigente do mosteiro mostrou-lhe uma cópia quase completa das Escrituras e alguns outros livros. mais a Carta de Barnabé e Pastor de Hermas.).1 – 46. Por meio de solução química. Encontra-se na Biblioteca Nacional do Museu Britânico em Londres. os primeiros na ordem chamada ocidental: Mateus. Contém 759 folhas. Escrito em grego. contém os Evangelhos e Atos. pai da igreja do século IV. Tischendorf foi capaz de decifrar as escritas quase invisíveis dos perga- minhos. na Inglaterra. CURSO DE TEOLOGIA 93 . no Mosteiro Santo Irineu. Manuscrito Alexandrino – Códice A Este manuscrito data do século V (cerca de 450 d.11. Marcos. no Egito. sendo 617 no Antigo Testamento e 142 no Novo Testamento. Este pesquisador percebeu que as páginas desse manuscrito eram utilizadas pelos monges para acender fogo. com exceção dos livros dos Macabeus e da Oração de Manas- sés. Manuscrito Vaticano – Códice B Este famoso uncial em velino. É considerado a testemunha mais importante do texto por sua antiguidade. Com algumas omissões.

KÜMMEL. a partir do século IX. VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 10 1) O termo manuscrito vem de que idioma e o que significa? 2) O que eram os autógrafos? 3) Quem foi o primeiro a introduzir uma classificação e uma nomenclatura sistemática dos documentos textuais neotestamentários? 4) Os manuscritos do Novo Testamento podem ser classificados? 5) O que são manuscritos unciais? 6) O que são manuscritos cursivos? 7) Quantos manuscritos unciais do Novo Testamento foram catalogados? 8) Cite dois manuscritos unciais mais importantes. 693. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA MANUSCRITOS CURSIVOS O maior número de manuscritos neotestamentários é formado por minúsculos.33 O termo cursivo designa os manuscritos confec- cionados em escrita cursiva (minúscula). p. com o início da reforma da escrita. 9) O termo cursivo designa o quê? 33 Cf. perdurando até o século XV. Werner Georg. 2004. São Paulo: Paulus. 94 CURSO DE TEOLOGIA . com a invenção da impressão. 3ª ed. Introdução ao Novo Testamento. surgidos no século IX e cujo exemplar mais antigo passível de ser datado é do ano de 835.

que dá testemunho da sua antiguidade. o sentido das palavras originais do texto em que está sendo traduzido. Existem inúmeras versões. e destinavam-se a esclarecer para os ouvintes o sentido original dos textos da Escritura. É necessário salientar que com o tempo essa palavra viria denotar a tradução para o grego de todo o Antigo Testamento hebraico. A transliteração é a versão das letras de um texto em certa língua para as letras correspondentes de outra língua.. todavia.C. Devido a seu caráter. mas apenas algumas serão consideradas como exemplos para este estudo.C. de seguirmos em frente. Antes. com toda a fidelidade possível e o máximo de exatidão. o surgimento da impressão antes de 1600 d. Tratava-se mais de interpretação. Por exemplo. Conta-se que setenta e dois eruditos procedentes da Palestina (seis de cada uma das doze tribos de Israel) que viajaram para Alexandria traduziram o Pentateuco do Antigo Testamento hebraico para o grego em setenta e dois dias. sendo às vezes chamada de “Versão Ale- CURSO DE TEOLOGIA 95 . na maior parte das vezes improvisadas.C. o povo judeu deixou de falar o hebraico como língua oficial e passou a se comunicar por meio do aramaico.. Com o tempo. A tradução literal é a tentativa de expressar. pois além de ser um reflexo do judaísmo helenístico.C. A versão é uma tradução do idioma original de um manuscrito em outro idioma. e jamais devem ser confundidos. Os Targuns Targum é uma palavra de origem hitita e significa “explicar” ou “traduzir”. é necessário que entendamos com clareza certos termos técnicos da história da tradução da Bíblia. Trata-se de uma transcrição textual. esse trabalho se chamaria tradução. Passemos então às versões mais conhecidas. Tradução é o processo de converter uma linguagem em outra. Depois dos manuscritos. A transmissão da revelação da parte de Deus para os homens gira em torno de três fases históricas significati- vas: a invenção da escrita antes de 3000 a. Sua importância é enorme. também foi fonte de inspiração para os escritores do Novo Testamento e para os escritos teológicos dos Pais da Igreja. passaram a ser escritas e organizadas em livros completos correspondendo às gran- des unidades bíblicas. A Septuaginta A Septuaginta foi a primeira tradução da Bíblia hebraica para a língua grega. quando muito de paráfrases. Definição e distinção Em cada ramo da ciência existem termos técnicos usados para designar seu significado. Aquele que traslada de uma lín- gua para outra deve evitar confusão desses termos. Septuaginta significa “setenta”. Originalmente eram feitas leituras dos textos bíblicos. os targuns não podem ser considerados como traduções stricto sensu. do inglês para o francês. havia necessidade de alguém explicá-las em aramaico para que o povo entendesse. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA 10 TRADUÇÕES As traduções têm origem nas necessidades do culto. a próxima forma mais importante das Escrituras. palavra por palavra. podendo causar ambígua interpretação. Por exemplo. tradução literal e transliteração. traduzida no reinado de Ptolo- meu II Filadelfo na cidade de Alexandria. tradução. Após o cativeiro.). quando as Escrituras nessa língua eram lidas em público. e mais tarde passaram da forma oral para a escrita. Assim acontece quando o assunto é tradução. Esses três termos estão intimamente correlacionados. Egito (284 – 247 a. e em especial das Escrituras. Então. são as versões. Essas explicações foram denominadas targuns. A abreviação desta versão é LXX. o início das traduções antes de 200 a.

As principais versões siríacas do Novo Testamento são as seguintes: 1. na região da antiga Samaria. 1995. A palavra vem do siríaco “peshita”. É mais conhecida como Vulgata Siríaca. quando foi descoberto em Damasco.36 A TRADUÇÃO LATINA Nos primórdios da igreja cristã. teria organizado uma versão da Bíblia em língua siríaca denominada de Antigo Siríaco. na Síria. Siríaco Antigo. 35 FRANCISCO. devido às suas obras escritas em latim. Além dos 39 livros do Antigo Testamento. provavelmente dos manus- critos Codex Alexandrinus e Bezae. na Síria. na pessoa de Tertuliano. A versão grega é conhecida como Samari- ticon. III) e por S. São Paulo: Vida Nova. N. Tem apenas vinte e dois livros do Novo Testamento. as literaturas predominantes entre os cristãos eram em grego. 36 CHAMPLIN. Antes do aparecimento da Vulgata Latina. seu texto foi incluso na Poliglota de Paris (1629-1645) e na Poliglota de Londres (1654-1657). tendo um mesmo correspondente no hebraico: P’shát (com o mesmo sentido).. Manual da Bíblia hebraica – introdução ao Texto Massorético. 2 e 3 João. em 423 d. em 1892. textuais e históricos. vol. mas sim um dos tipos textuais existentes no período do Segundo Templo ao lado do texto hebraico da LXX e do tipo hebraico do Texto Massorético. perdendo essa qualidade a partir da tradução de Jerônimo. Esta é talvez a mais importante das versões. 1.C. os Pais da Igreja se utilizavam da Vetus Latina (literalmente Anti- gas [Versões] Latinas). alguns dos quais recuam até aos séculos V e VI”. 96 CURSO DE TEOLOGIA . no Sinai. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. Após essa descoberta. o Pentateuco Samaritano não é uma versão do texto bíblico. por Pietro della Valle. 2. junto com um grupo de estudiosos. Recebeu este nome em homenagem ao Dr. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA xandrina”. p. que o editou. um dos habitantes mais antigos de Israel desde a destruição do reino do Norte. p.). Judas e Apocalipse. “citada dessa forma por Orígenes. A situação vai mudar a partir do segundo século no norte da África. p. que se encontra no Museu Britânico. Atualmente seu centro religioso se encontra na cidade de Nablus (Siquém). Sua existência era desconhecida pelo mundo ocidental até 1616. embora fosse o latim o idioma oficial do Império Romano. Teodoro. Sem exceção. 35 Traduções siríacas Segundo os pesquisadores. 2003.34 As descobertas dos manuscritos de Qumran. 34 Idem. O Pentateuco Samaritano foi traduzido para o grego e o aramaico. Pentateuco Samaritano Descoberto em Damasco. sendo ela referência básica para a Igreja. Versão Peshitta. Sua história está umbilicalmente ligada à história dos samaritanos. descoberto no monastério de Santa Catarina. auxiliadas pelos estudos paleográficos. IV)”. todas as traduções latinas da Bíblia tomaram por base a Septuaginta. O texto do Antigo Testamento desta versão se baseia principalmente nos Targuns e os evangelhos de fontes gregas. que significa “simples” ou “comum”. que não era uma versão latina específica. de Alexandria (séc. São Paulo: Candeia. 174. “o peshitto é representado por 350 manuscritos existentes. São conhecidos dois manuscritos principais desta obra: a) O Syra Curetonianus é um pergaminho do século V. b) O Syra Sinaiticus é um palimpsesto do século IV. 348. mas um conjunto de textos bíblicos latinos que os Pais latinos usavam antes da Vulgata Latina ser produzida. 95.C. Curretan. por sua data antiga e influência sobre outras traduções. Jerônimo (séc. Edson de Faria. ela contém os livros conhecidos como apócrifos. R. faltando-lhe 2 Pedro. bispo de Cyrrhus. Segun- do o professor Russel Norman Champlin. provaram que o tipo textual do Pentateuco Samaritano não é anterior ao período hasmoneu (século II a.

A neta do rei D. D. a partir do texto original hebraico. traduções. revisões bíblicas no século IV.C. atestando assim quanto os soberanos portugueses reverenciavam a Bíblia. Devido à diversidade de versões. que não recebeu calorosa recepção de imediato. AS TRADUÇÕES PARA O PORTUGUÊS* Segundo os registros históricos. trabalho realizado pelo frei Bernardo de Alcobaça. Após a sua morte em 420. sua tradução do Antigo Testamento sobressaiu sobre as demais traduções. Isso tornava sua circulação extremamente reduzida. Fernão Lopes afirmou. Seu sucessor. em seu curioso estilo de cronista do século XV. Por volta do século III d. João II. A primeira harmonia dos evangelhos em língua portuguesa. rei de Portugal. João I e filha do infante D. foi o primeiro a traduzir partes da Bíblia para o português. em vez de mera tradução não-inspirada baseada em originais hebraicos. com algumas adaptações. o latim começou a substituir o grego como língua de ensino no vasto mundo romano. inclusive por Agostinho. também conhecedor do latim. sob forte oposição e com a saúde precária. D. concluindo completamente. era necessário que ou a Igreja Romana ou alguém muito rico assumisse os custos do projeto. Leonora mandou também imprimir o livro de Atos dos * Este capítulo foi extraído da Bíblia de Referências Thompson. quem será contra nós?”. João II. CURSO DE TEOLOGIA 97 . Leonora. Um texto uniforme e confiável era extremamente necessário para uso teológico e litúrgico. D. que somente em 1380 traduziu as Escrituras para o inglês. esposa de D. grego e hebraico. Mais tarde. outro grande defen- sor das traduções bíblicas. No princípio. eminente erudito no latim. Jerônimo começou seu trabalho com uma tradução da Septuaginta em grego. encarregando Jerônimo. fez grandes letrados traduzirem os Evangelhos. inconformado com essa situação. que foi reunido aos livros do Novo Testamento traduzidos pelos padres. que D. No século XV foram publicados em Lisboa o evangelho de Mateus e trechos dos demais evangelhos. D. de fazer a tradução. mandou gravar no seu cetro a parte final do versículo 31 de Romanos 8: “Se Deus é por nós. Como nessa época a impressão ainda não havia sido inventada. a infanta Dna. Diniz ao trono português. Embora lhe faltasse perseverança. da parte de Deus. verdadeiramente a Palavra de Deus inspirada. que pertenceu à grande escola de tradutores portugueses da Real Aba- dia de Alcobaça.. Outras figuras da monarquia de Portugal também realizaram traduções parciais das Escrituras. que se denominou Vulgata Latina. Logo desistiu de seu intento. os Atos dos Apóstolos e as epístolas do apóstolo Paulo. Esses “grandes letrados” eram vários padres que também se utilizaram da Vulgata Latina em seu trabalho de tradução. o de Constantinopla I (381) e o de Éfeso (431). como texto base para sua tradução. É dessa época o Concílio de Nicéia (325). Damaso. os livros eram produzidos em forma manus- crita fazendo-se uso de folhas de pergaminho. Havia muita confusão a respeito dos textos latinos da Bíblia. bispo de Roma (366- 384). publicada pela Editora Vida. João I. Diniz deliberou enriquecer sua língua materna traduzindo as Sagradas Escrituras para o português tomando a Vulgata como base. Por ser tra- balho lento e caro. para que aqueles que ouvissem fossem mais devotados a Deus. voltou-se para o texto hebraico que estava em uso na Palestina. Cinco anos após o descobrimento do Brasil. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA A Bíblia traduzida por Sofronius Eusebius Hieronymus (Jerônimo). João (1385-1433). traduziu do latim. em 405. Enquanto esses padres trabalhavam. vinte capítulos do livro de Gênesis. O texto é de autoria de Jefferson Magno Costa e Abraão de Almeida. Dna. Ninguém mais indicado para isso que os nobres e os reis. do próprio punho. sua tradução completa da Bíblia não foi logo aceita e seus contemporâneos continuaram a utilizar os velhos textos latinos (a Vetus Latina) ainda por muito tempo. visto que a Septuaginta era considerada. Pedro. inerrante. sua tradução latina do Antigo Testamento hebraico. preparada em 1495 pelo cronista Valentim Fer- nandes e intitulada De Vita Christi. traduziu do francês para o português os evangelhos. servindo de base para a maioria dos tradutores da Bíblia anteriores ao século XIX. ara- maico e grego para o latim é um dos principais patrimônios da cultura ocidental. um dos su- cessores de D. traduziu o livro de Salmos. antes mesmo da tradução inglesa de João Wycliffe. Familiarizado com o latim clássico. atochado de heresias e controvérsias. Ele baseou suas traduções na Vulgata Latina. Diniz (1279-1325). providenciou uma tradução do texto da Antiga Latina. teve seus custos de publicação pagos pela rainha Dna. Filipa.

foi impressa a primeira Bíblia completa em português. Someren. João Ferreira de Almeida. ele também se serviu das traduções holandesa. Ribeiro dos Santos. mudou-se para o sudeste da Ásia. todavia. os dezessete volumes de sua primeira edição foram publicados de 1783 a 1790. Indonésia. reiniciou o trabalho interrompido por Almeida. mas lamen- tavelmente perdeu seu manuscrito e teve de reiniciar a tradução em 1648. Por conhecer o hebraico e o grego. ainda hoje inéditos. nas proximidades de Lisboa. em dois volumes. e outro revisor. Em 1819 veio à luz a Bíblia completa de Fi- CURSO DE TEOLOGIA 98 . na ilha de Java. agora traduzido em português João Ferreira de Almeida. em Torre de Tavares. TRADUÇÃO DE FIGUEIREDO Nascido em 1725. PERÍODO DAS TRADUÇÕES COMPLETAS Coube a João Ferreira de Almeida a grandiosa tarefa de traduzir pela primeira vez para o português o Antigo e o Novo Testamento. que transcrevemos literalmente: O Novo Testamento. gastando dezoito anos nessa laboriosa tarefa. na Malásia. em 1681 surgiu o primeiro Novo Testamento em português. espanhola e latina (Vulgata). ao longo dos anos estudiosos evangélicos têm depurado a obra de João Ferreira de Almeida. concluído o inestimável trabalho de tradução da Bíblia por João Ferreira de Almeida. Em 1566 foi publicada em Lisboa uma gramática hebraica para estudantes portugueses. o padre Antônio Pereira de Figueiredo. implacável perseguição da Igreja Romana. É fundamental salientar que todas essas obras sofreram. V. muitos deles produzidos pela comissão de eruditos que tentou harmonizar o texto em português com a tradução holandesa de 1637. Estava. Logo após a publicação do Novo Testamento. conforme as denominava. Em Amsterdam. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Apóstolos e as epístolas universais de Tiago. de Pedro. ao longo dos séculos. italiana. o pastor Jacobus op den Akker. isto he. No início do século XIX. o padre Antônio Ribeiro dos Santos traduziu os Evangelhos de Mateus e de Marcos. Almeida partiu para Málaca. Quanto ao Antigo Testamento. do grupo bizantino. portanto. calcando sua tradução no chamado Textus receptus. Em 1676 João Ferreira de Almeida concluiu a tradução do Novo Testamento. A primeira edição do Novo Testamento saiu em 1778 em seis volumes. de João e de Judas. e pela leitura de um folheto em espanhol acerca das diferenças da cristandade converteu-se do catolicismo à fé evangélica. traduziu integralmente o Novo Testamento. da Batávia. havia traduzido até Ezequiel 41. nas proximidades de Lisboa. Nascido em 1628. Não tinha ele dezessete anos de idade quando iniciou o trabalho de tradução da Bíblia para o português. e de muitas delas só escaparam um ou dois exemplares. hoje raríssimos. e naquele mesmo ano remeteu o manuscrito para ser impresso na Batávia. como texto básico. No ano seguinte começou a pregar o evangelho no Ceilão (hoje Sri Lanka) e em muitos pontos da costa de Malabar. A Igreja Romana também amaldi- çoou a todos os que conservassem consigo essas “traduções da Bíblia em idioma vulgar”. em 6 de agosto de 1691. Almeida iniciou a tradução do Antigo Testamento. Em 1748. Milhares de erros foram detectados nesse Novo Testamento de Almeida. em 1753. o lento trabalho de revisão a que a tradução foi submetida levou Almeida a retomá-lo e enviá-lo para ser impressa em Amsterdã. e cinco anos depois. em Tomar. na Holanda. O próprio Almeida identificou mais de dois mil erros nessa tradução. Todos os Sacro Sanctos Livros e Escritos Evangelicos e Apostólicos do Novo Concerto de Nosso Fiel Salvador e Redentor Iesu Cristo. francesa (tradução de Beza). Finalmente. Ela trazia em portu- guês. e. que haviam sido traduzidos do latim vários anos antes por frei Bernardo de Brinega. tornando-a a preferida dos leitores de fala portuguesa. Almeida pôde utilizar-se dos manuscritos dessas línguas. trazendo no frontispício os seguintes dizeres. o livro de Obadias. por Viúva de J. ao falecer.21. partindo da Vulgata Latina. ministro pregador do Sancto Evangelho. Após viver dois anos na Batávia (atual Jacarta). quando tinha doze anos de idade. afirmou ter encontrado número bem maior. Anno 1681. Apesar dos erros iniciais. Com todas as licenças necessárias. Durante esse exaustivo e criterioso trabalho.

esse trabalho ficou conhecido como Tradução Brasileira. No ano de 1969. tradução baseada na Vulgata Latina. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA gueiredo. CURSO DE TEOLOGIA 99 . Coube ao padre Matos Soares realizar a tradução mais popular da Bíblia entre os católicos na atualidade. e pelo primeiro agente da Sociedade Bíblica Americana no Brasil. a partir do ano de 1902. com sangrias poéticas. foi encarregado de liderar o empreendimento. Em 1898 o notável hebraísta P. do Trinity College. entre eles o gramático Eduardo Carlos Pereira. “estariam falsificadas” e falavam “contra Jesus Cristo e contra tudo quanto há de bom”. Essa versão foi revista por José Manoel Garcia. Por essa época surgiu no Brasil (infelizmente sem indicação de data) a Lei de Moisés (Pentateuco). sua tradução não tem suplantado em preferência popular o texto de Almeida. O padre Humberto Rohden foi o primeiro católico a traduzir no Brasil o Novo Testamento diretamente do grego. O reverendo Thomas Boys. Em 1917. Cambridge. A primeira revisão da Bíblia em português feita pela Trinitarian Bible Society (Sociedade Bíblica Trinitaria- na) foi iniciada no dia 16 de maio de 1837. essa tradução. preparada pelo rabino Meir Masiah Melamed. foi fundada a Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil. Seis anos depois. em São Luís do Maranhão. essa tradução possui notas entre parênteses defendendo os dogmas da Igreja Católica Romana. em São Paulo. resul- tando seu trabalho em um verdadeiro monumento da prosa portuguesa. sofreu severas críticas. intitulada Harpa de Israel. e em 1821 ela foi publicada pela primeira vez em um só volume. Publicado em 1917. Essa decisão foi tomada seis anos após a formação da Sociedade. Todos esses anteriormente mencionados fizeram traduções parciais das Sagradas Escrituras. Basílio Pereira publicou a tradução do Novo Testamento e do Livro dos Salmos. Na condição de exímio filólogo e latinista. Em 1917 foi a vez de J. P. vertida diretamente do grego. em 1930. por estar baseada em textos considerados inferiores. essa Bíblia não conseguiu firmar-se no gosto do grande público. portanto. composta de especialistas nos vernáculos originais. Apesar de ainda hoje apreciadíssima por grande número de leitores. ministro do evangelho no Rio de Janeiro. que. R. o Novo Testamento. L. O primeiro projeto escolhido para a publicação da Bíblia numa língua estrangeira pela Sociedade foi o português. Três anos depois. lente do Colégio D. Figueiredo incluiu em sua tradução os chamados livros apócrifos que o Concílio de Trento havia acrescentado aos livros canônicos em 8 de abril de 1546. Esse foi. edição bilíngüe hebraico-português. Basílio Teles publicou a tradução do livro de Jó. A comissão melhorou a linguagem. as sociedades bíblicas empenhadas na disseminação da Bíblia no Brasil patrocinaram nova tradução das Escrituras para o português. traduzido do velho idioma etíope. Pedro II. dos Santos Saraiva publicou sua tradução dos Salmos. pastor Alexandre Blackford. Rio de Janeiro. baseada em manuscritos melhores que os utilizados por Almeida. A BÍBLIA NO BRASIL Em 1847 publicou-se. Por esse motivo recebeu apoio papal em 1932. se- gundo os acusadores. helenistas e vernaculistas competentes uma revisão da tradução de Almeida. J. por não conhecer os idiomas originais e ter-se baseado tão-somente na Vulgata. Essa tradução tornou-se famosa por trazer em seu prefácio pesadas acusações contra as “Bíblias protestantes”. J. de Carvalhosa. Publicada em 1930 e baseada na Vulgata. Figueiredo pôde utilizar-se de um estilo sublime e grandiloqüente. entretanto. surgiu isoladamente no Brasil o livro de Amós. fez uso de ortografia correta e vocabulário erudito. Assunção publicar o Novo Testamento. B. com o objetivo de revisar e publicar a Bíblia de João Ferreira de Almeida como Edição corrigida e revisada fiel ao texto original. pelo pastor M. Publicada pela instituição católica romana Cruzada Boa Esperança. Em 1879 a Sociedade de Literatura Religiosa e Moral do Rio de Janeiro publicou o que ficou conhecida como A pri- meira edição brasileira do Novo Testamento de Almeida. pa- ralelamente. Em 1909 o padre Santana publicou sua tradução do Evangelho de Mateus. em sete volumes. Porém. Em 1943 as Sociedades Bíblicas Unidas encomendaram a um grupo de hebraístas. o primeiro texto bíblico traduzido no Brasil. que se baseou na Vulgata. ambos baseados na Vulgata. de Campos. a grafia de nomes próprios e o estilo da Bíblia de Almeida. traduzido pelo frei Joaquim de Nossa Senhora de Nazaré. traduzido por Esteves Pereira. Esse fato tem contribuído para que sua tradução seja ainda hoje apreciada pelos católicos romanos nos países de fala portuguesa. A comissão constituída para tal fim.

Essa entidade fez duas revisões no texto de Almeida. O propósito básico dessa tradução tem sido o de apresentar o texto bíblico numa linguagem comum e corrente. Em 2000 uma comissão constituída de especialistas em grego. publicou a sua Edição revisada de Almeida. Mais recentemente. destinada a “dar a Bíblia à Pátria”. Em 1967 a Impresa Bíblica Brasileira. coordenada pelo Rev. as excelên- cias do texto que lhe serviu de base. Luiz Sayão. Algumas se empenharam em ser interpretações literais dos originais. Quais são elas? 3) O que é tradução? 4) O que é tradução literal? 5) O que é transliteração? 6) O que é Targum? 7) Qual a importância da Septuaginta? 8) Onde foi descoberto o Pentateuco Samaritano? 9) Quais são as principais versões siríacas do Novo Testamento? 10) Antes do aparecimento da Vulgata Latina. que conservou o antigo nome Corrigida. enquanto outras são definitivamente paráfrases. a Sociedade Bíblica do Brasil traduziu e publicou a Bíblia na linguagem de hoje (1988). criada em 1940. agraciou o publico brasileiro com a Nova Versão Internacional. Durante a última ou as duas últimas décadas tem havido uma grande quantidade de novas traduções. Em 1990 a Editora Vida publicou a sua Edição contemporânea da Bíblia de Almeida. e uma menos aprofundada. aramaico e português. mais conhecida como NVI. compara- da com os textos em hebraico e grego. hebraico. uma mais aprofundada. Essa edição eliminou arcaísmos e ambigüidades do texto quase tricentenário de Almeida e preservou. sob o patrocínio da Sociedade Bíblica Internacional. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA Em 1948 organizou-se a Sociedade Bíblica do Brasil. que deu origem à Edição revista e atualizada no Brasil. nume- rosas demais para serem mencionadas aqui. Essa edição foi posteriormente reeditada com ligeiras modificações. sempre que possível. VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM Capítulo 11 1) As traduções têm origem em quê? 2) A transmissão da revelação da parte de Deus para os homens gira em torno de três fases históricas signi- ficativas. os Pais da Igreja utilizavam qual texto latino? 11) Com quantos anos João Ferreira de Almeida iniciou o trabalho de tradução da Bíblia para o português? 100 CURSO DE TEOLOGIA .

1995. Entendes o que lês? São Paulo: Vida Nova. Douglas. CURSO DE TEOLOGIA 101 . CARSON. Márcio. William. Teologia sistemática. KELLY. Paul. São Paulo: Loyola. Philip Wesley. DOCKERY. História dos hebreus. São Paulo: Vida. CESARÉIA. Julio Trebolle. ARCHER JR. HORTON. M. A religião de Israel: do início ao exílio babilônico. 2ª ed. FALCAO. São Paulo: Vida Nova. São Paulo: Vida Nova. 1999. São Paulo: Loyola. São Paulo: Ministério IDE. 1998. 1995. Vol. São Paulo: Candeia. Fundamentos da teologia pentecostal. São Paulo: O Arado. DUFFIELD. 1999. São Paulo: Vida. R. Rio de Janeiro: CPAD. D. Sean. São Paulo: Candeia. 1. Yehezhel. FREYNE. 2003. BORNKAMM. Enciclopédia de apologética: respostas aos críticos da fé cristã. São Paulo: Quadran- gular. São Paulo: Vida. São Paulo: Vida. São Paulo: Vida. 3ª ed. _______. Wayne. 2001. Obra completa. WHEELER. GEISLER. BENTES. 1997. Joseph A. H. São Paulo: Vida Nova. São Paulo: Vida. NIX. BERGSTÉN. 1996. Norman. Curso intensivo de teologia. 2ª ed. BARRERA. Eurico. GRUNDEM. Norman. R. FITZMYER. John. Rio de Janeiro: CPAD. Rio de Janeiro: CPAD. teologia e filosofia. Como conhecer uma seita. A. História eclesiástica. 2005. CHAMPLIN. 1999. Rio de Janeiro: CPAD. HOFF. JOSEFO. 2006. James Montgomery. 1994. São Paulo: Perspectiva. Conheça melhor o Antigo Testamento. Jesus e os Evangelhos. CHAMPLIN. 2003. A Bíblia: fato ou fantasia? São Paulo: Bom Pastor. J. 1991. David S. BANCROFT. Enciclopédia de Bíblia. COMFORT. DRANE. GEISLER. Manual bíblico Vida Nova. A Bíblia judaica e a Bíblia cristã: introdução à história da Bíblia.. São Paulo: Vida. STUART. 1989. A Bíblia como literatura. Stanley A. Eusébio de. 1999. Rio de Janeiro: Vozes. N. A exegese e suas falácias. N. 1999. GABEL. 1993. FRANCISCO. 1994. 1990. Edson de Faria. Os livros históricos. ELLISEN. 2000. Antonio. São Paulo: Teológica. Stanley M. Teologia elementar. 1995. VAN CLEAVE. A Galiléia. Claudionor de. BOICE. Flávio. HOUSE. 2002. ________. Günter. São Paulo: Vida. Bíblia Novo Testamento: introdução aos seus escritos no quadro da história do cristia- nismo. GILBERTO. São Paulo: Loyola. Gleason. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA REFERÊNCIAS ANDRADE. 2006. Nathaniel M. A inerrância da Bíblia. BRUNELLI. Introdução à teologia sistemática. Charles B. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo.. São Paulo: Sociedade Religiosa Vida Nova. A Bíblia na Igreja. Doutrinas centrais da fé cristã. 1999. 2001. 1997. John B. Introdução bíblica. E. A origem da Bíblia. Paul. FEE. Rio de Janeiro: CPAD. São Paulo: Editora Batista Regular. 1996. 2000. Teologia do Antigo Testamento. 2003. 1997. Manual da Bíblia hebraica: introdução ao Texto Massorético. KAUFMANN. J. A Bíblia através dos séculos. Manual de teologia sistemática. Rio de Janeiro: CPAD. O Pentateuco. As verdades centrais da fé cristã. 1997. São Paulo: Vida Nova. Gordon D.. D. Walter. Rio de Janeiro: CPAD.. 1995. N. Merece confiança o Antigo Testamento? São Paulo: Vida. 2003. Guy P. O alicerce da autoridade bíblica..

THOMPSON. São Paulo: Vida. Frank Charles. 2004. 1993. Florentino García. 1999. MARTÍNEZ. Augustus Nicodemus. São Paulo: Cultura Cristã. 1995. Rio de Janeiro: Vozes. São Paulo: Vida. SCHÖKEL. 2005. Hans Walter. Geza. 2002. Textos de Qumran. 5ª ed. Rio de Janeiro: CPAD. 2ª ed. WOLFF. São Paulo: Vida. As grandes doutrinas da Bíblia. Janelas para o Novo Testamento. MILLER. BARRERA. J. 2001. L. Johan. Para compreender os manuscritos do mar Morto. Rio de Janeiro: CPAD. São Paulo: Loyola. Introdução ao Novo Testamento. LUTZER. Andrew. MAINVILLE. 1996. A Bíblia nas suas origens e hoje. VANHOOZER. William W. ________. A palavra inspirada. PAROSCHI. Visão panorâmica do Antigo Testamento: a formação. Sete razões para confiar na Bíblia. Conhecendo as doutrinas da Bíblia. São Paulo: Vida. São Paulo: Paulus. 1996. LOPES. Jesus e o mundo do judaísmo. Há um significado neste texto? Interpretação bíblica: os enfoques contemporâneos. São Paulo: Vida. PHILLIPS. 9ª ed. 1992. Esequias. Hershel. 3ª ed. Alonso. São Paulo: Louvores do Coração. HORTON. Rio de Janeiro: CPAD. 1992. 1996. Wilson. SOARES. Os homens de Qumran. Bíblia Antigo Testamento: introdução aos escritos e aos métodos de estudo. Através da Bíblia livro por livro. Guia básico para interpretação da Bíblia. 2004. 2003. 1999. Explorando as Escrituras: uma visão geral de todos os livros da Bíblia. STEIN. Florentino García. 1992. 2006. MYER. 3ª ed. 2005. Rio de Janeiro: CPAD. 2003.. John. São Paulo: Louvores do Coração. São Paulo: Vida Nova. 1999. Odete. São Paulo: Loyola. BENTES. Doutrinas bíblicas. 1999. MARTÍNEZ. VERMES. SHANKS. Rio de Janeiro: Imago. A fraude do Código da Vinci: toda verdade sobre a ficção do momento. Crítica textual do Novo Testamento. 1997. A Bíblia e seus intérpretes: uma breve história da interpretação. Pearlman. MENZIES. João Marques. 2004. _______. OLIVEIRA. São Paulo: Loyola. Enéas. Rio de Janeiro: Vozes. O período interbíblico. MÓDULO 1 DOUTRINA DA BÍBLIA KONINGS. OVERMAN. 1990. KÜMMEL. Raimundo de. Rio de Janeiro: Vozes. Kevin. Bíblia de Referências Thompson. 7ª ed. Erwin. São Paulo: Loyola. 2004. inspiração. Escritos e ambiente do Novo Testamento. São Paulo: Vida. Robert. TONINI. Rio de Janeiro: CPAD. ________. Stanley M. cânon e conteúdo de seus livros. O Evangelho de Mateus e o Judaísmo formativo. 2003. John W. As origens da Bíblia. Rio de Janeiro: Vozes. Werner Georg. Julio Trebolle. 102 CURSO DE TEOLOGIA . São Paulo: Teológica.

CAIXA POSTAL 12025 • CEP 02013-970 • SÃO PAULO/SP . Envie-nos as suas respostas referentes a cada QUESTÃO acima. sendo objetivo e claro.MÓDULO I BIBLIOLOGIA 1) Quais são os seis tipos de Bíblias? 2) De onde procede o termo biblos? 3) Quem foi o primeiro a usar o nome “Bíblia” em relação aos textos sagrados? 4) Quais são os dois livros da Bíblia que não aparecem o nome divino YHWH? 5) Quais foram os três fatores que influenciaram na formação do cânon? 6) O que diferencia a Bíblia dos demais livros: ( ) Iluminação ( ) Revelação ( ) Inspiração ( ) NDA 7) Qual é a diferença de apócrifos para pseudepígrafos? 8) Qual é a diferença da teoria do ditado para a teoria da inspiração natural? Entre aquelas apresentadas. faculdade teológica betesda Moldando vocacionados AVALIAÇÃO . qual é a verdadeira? 9) Quais foram os materiais usados para a escrita? Explique a diferença entre papiro e pergaminho. 10) O que são manuscritos e qual a diferença entre unciais e cursivos? CARO ALUNO (a). Dê preferência por digitá-las em folha de papel sulfite.