You are on page 1of 6

1- Anarco-comunismo

Também chamado comunismo anarquista, comunismo libertário), é uma corrente do anarquismo


que advoga pela abolição do Estado, do capitalismo, do trabalho assalariado e da propriedade
privada (retendo assim a propriedade particular), e advoga a propriedade comum dos meios de
produção, democracia direta, e uma rede horizontal de associações voluntárias e conselhos
operários com a produção e consumo baseadas na máxima: "de cada qual, segundo sua capacidade;
a cada qual, segundo suas necessidades".
Algumas formas de anarco-comunismo, tais como o anarquismo insurrecionário são fortemente
influenciadas pelo individualismo radical, acreditando que o anarco-comunismo é o melhor sistema
para a satisfação da liberdade individual.
Alguns anarco-comunistas enxergam o anarco-comunismo como uma forma de reconciliar a
oposição entre o indivíduo e a sociedade. Enquanto alguns anarco-comunistas (e anarquistas
coletivistas também) rejeitam o "individualismo" e "coletivismo" como conceitos ilusórios,
argumentando que um indivíduo sacrificar-se pela sociedade pelo "bem maior" ou ser dominado
pela "comunidade" ou "sociedade" não ser possível porque a sociedade é composta por indivíduos e
não por uma unidade coesa separada do indivíduo, de tal forma que o controle coletivo sobre o
indivíduo é tirânico e anti-anarquista;Outros, como Lucien van der Walt e Michael Schmidt,
argumentam que "Anarquistas não identificam a liberdade como o direito para que todos façam
exatamente o que bem desejarem, mas como uma ordem social onde o esforço coletivo e as
responsabilidades - isto é, as obrigações - podem prover uma base material e um nexus social onde
a liberdade individual consegue existir." Eles argumentam que "a liberdade genuína e a
individualidade só podem existir em uma sociedade livre" e que em contraste ao "individualismo
misantropo e burguês", o anarquismo é baseado em "uma profunda paixão pela liberdade, entendida
como um produto social; um profundo respeito por direitos humanos, uma profunda celebração da
humanidade e seu potencial; e um comprometimento com uma forma de sociedade onde a
'verdadeira individualidade' estivesse irrevogavelmente ligada à 'mais alta sociabilidade comunista'"
2- Anarquismo coletivista
O anarquismo coletivista ou anarco-coletivismo é uma das vertentes clássicas do anarquismo. Trata-
se de uma corrente de pensamento econômica anarquista, que defende a abolição tanto do Estado
como da propriedade privada dos meios de produção.
A propriedade dos meios de produção, distribuição e troca devem ser socializadas, administradas
coletivamente pelos próprios trabalhadores reunidos em pequenas associações por afinidade onde
cada um deles produz segundo a sua vontade (ou segundo o acordado) e cada um deve receber o
produto íntegro de seu trabalho segundo seu mérito particular. Estas associações a sua vez estariam
confederadas através do principio federativo. No entanto este sistema federal deve buscar, segundo
os coletivistas, respeitar e mesmo ampliar a autonomia das associações que autogestionam os meios
de produção.
Uma vez que a coletivização acontece, o dinheiro seria abolido para ser substituído por notas de
trabalho ou créditos e os salários dos trabalhadores "seria determinado em organizações
democráticas baseadas na dificuldade do trabalho e da quantidade de tempo que contribuiu para a
produção. Estes salários seriam usados para comprar bens em um mercado comum.2 Isto contrasta
com o anarcocomunismo onde os salários seriam abolidos, e os indivíduos pegariam livremente as
mercadorias para as suas necessidades em um depósito de mercadorias, "cada um segundo a sua
necessidade". Assim, o "anarquismo coletivista" de Bakunin, apesar do título, é visto como uma
mistura de individualismo e coletivismo.
3- Anarco-sindicalismo
Também conhecido como o sindicalismo revolucionário ou anarcossindicalismo, é uma vertente
anarquista que tem como forma de organização transformacional principal o sindicalismo enquanto
modo de organização. Os anarco-sindicalistas, ou anarcossindicalistas, acreditam que os sindicatos
podem ser utilizados como instrumentos para mudar a sociedade, substituindo o capitalismo e o
Estado por uma nova sociedade democraticamente auto-gerida pelos trabalhadores.
O anarco-sindicalismo vê o sindicalismo revolucionário industrial ou o sindicalismo como um
método para os trabalhadores na sociedade capitalista ganharem o controle de uma economia e, com
esse controle, a influência da sociedade de forma mais ampla. Sindicalistas consideram suas teorias
econômicas uma estratégia para facilitar a auto-atividade do trabalhador, e também como um
sistema econômico cooperativo alternativo com valores democráticos e produção centrada na
satisfação das necessidades humanas.
Os princípios básicos do anarco-sindicalismo são a solidariedade, a ação direta (ação realizada sem
a intervenção de terceiros, como os políticos, burocratas e árbitros ) e democracia direta, ou a auto-
gestão dos trabalhadores. O objetivo final do anarco-sindicalismo é abolir o sistema de salários,
relacionando este sistema de salários com a escravidão assalariada. A teoria anarco-sindicalista,
portanto, geralmente se concentra no movimento operário.
Anarco-sindicalistas visualizam o objetivo principal do Estado como sendo a defesa da propriedade
privada e, portanto, de privilégio econômico, social e político, negando a maioria de seus habitantes
a possibilidade de gozar da independência material e da autonomia social que surge a partir dele.
Em contraste com outros órgãos de pensamento, especialmente com o marxismo-leninismo, anarco-
sindicalistas negam que pode haver qualquer tipo de estado operário, ou um estado que age no
interesse dos trabalhadores, em oposição àqueles dos poderosos, e que qualquer Estado, com a
intenção de capacitar os trabalhadores vai inevitavelmente acabar fortalecendo a si mesmo ou a elite
existente em detrimento dos trabalhadores. Refletindo a filosofia anarquista do qual ele retira sua
principal inspiração, o anarco-sindicalismo sustenta a ideia de que o poder corrompe.
4- Mutualismo
O mutualismo é uma teoria econômica e anarquista escola de pensamento que defende uma
sociedade onde cada pessoa pode possuir um meio de produção , quer individual quer
coletivamente, com o comércio que representa quantidades equivalentes de trabalho no mercado
livre . Integral para o regime foi o criação de um banco de crédito mútuo que iria emprestar aos
produtores a uma taxa de juro mínima, apenas o suficiente para a administração de cobertura. O
mutualismo é baseado em uma teoria do valor-trabalho que sustenta que quando o trabalho ou o seu
produto é vendido, em troca , que deveria receber bens ou serviços que incorporem "a quantidade
de trabalho necessária para produzir um artigo de utilidade exatamente semelhante e igual". O
mutualismo originado a partir dos escritos do filósofo Pierre-Joseph Proudhon .
Mutualistas opor à idéia de indivíduos que recebem uma renda através de empréstimos,
investimentos, e alugar, pois acreditam que estes indivíduos não estão trabalhando. Apesar de
Proudhon se opôs a este tipo de renda, ele expressou que ele nunca teve a intenção "... para proibir
ou suprimir, por decreto soberano, renda da terra e juros sobre capital próprio. Eu acho que todas
essas manifestações da atividade humana deve permanecer livre e voluntário para tudo: eu peço
para eles sem modificações, restrições ou supressões, exceto as que resultam naturalmente e da
necessidade da universalização do princípio da reciprocidade que proponho ". Na medida em que
eles garantem o direito do trabalhador para o produto completo de seu trabalho, mutualistas apoiar
mercados (ou mercados artificiais ) e propriedade no produto do trabalho. No entanto, eles
argumentam por títulos condicionais à terra, cuja propriedade é legítima apenas enquanto ele
permanece em uso ou ocupação (que Proudhon chamou de "posse"); defendendo, assim,
propriedade pessoal, mas não a propriedade privada .
Apesar de mutualismo é semelhante às doutrinas econômicas dos americanos do século 19
anarquistas individualistas , ao contrário deles, o mutualismo é a favor de grandes indústrias.
Portanto, o mutualismo foi retrospectivamente caracterizado por vezes como sendo uma forma de
anarquismo individualista, e como ideologicamente situado entre as formas de individualismo e
coletivismo do anarquismo bem. O próprio Proudhon descreveu a "liberdade", ele prosseguiu como
"a síntese do comunismo e da propriedade."
Mutualistas têm distinguido mutualismo do socialismo de Estado , e não defendo o controle estatal
sobre os meios de produção. Benjamin Tucker disse de Proudhon, que "apesar de oposição a
socialização da propriedade do capital, [Proudhon] destinada, no entanto, para socializar seus
efeitos, tornando a sua utilização benéfica para todos, em vez de um meio de empobrecer os muitos
para enriquecer a poucos ... sujeitando capital para a lei natural da competição, trazendo assim o
preço de seu próprio uso para baixo para o custo. "
5- Anarquismo individualista
O Anarquismo individualista (ou anarcoindividualismo) é uma tradição filosófica do anarquismo
com ênfase no indivíduo, e sua vontade, argumentando que cada um é seu próprio mestre,
interagindo com os outros através de uma associação voluntária. O anarquismo individualista
refere-se a algumas tradições de pensamento dentro do movimento anarquista que priorizam o
indivíduo sobre todo tipo de determinação externa, que ele é um fim em si mesmo e não um meio
para uma causa, incluindo grupos, "bem-comum", sociedade, tradições e sistemas ideológicos. O
anarquismo individualista não é uma filosofia simples, mas que se refere a um conjunto de
filosofias individualistas que estão frequentemente em conflito umas com as outras. As primeiras
influências sobre o anarquismo individualista foram os pensamentos de William Godwin, Henry
David Thoreau com a temática do transcendentalismo, Josiah Warren defendendo a soberania
individual, Lysander Spooner, Pierre Joseph Proudhon e Benjamin Tucker focando no Mutualismo,
Herbert Spencer e Max Stirner com sua vertente mais extrema. Esta é uma das duas principais
categorias em que se divide o anarquismo, sendo a outra o anarquismo coletivista. Acrescentemos
que ao contrário do anarquismo comunista, o anarquismo individualista nunca foi um movimento
social, mas um fenômeno filosófico/literário. O anarquismo filosófico, isto é, que não defende uma
revolução para remover o estado, "é um componente especial do anarquismo individualista".
Surge em primeiro lugar nos Estados Unidos, depois na Europa no século XIX, sendo aderido
especialmente por autores e ativistas estadunidenses que formaram tradição individualista nativa.
Também teve um desenvolvimento particularmente forte em 1920 na França e no Reino Unido.
6- Anarco-pacifismo
Anarco-pacifismo, também conhecido como Anarquismo Pacifista apesar de classicamente não se
colocar no campo do anarquismo, é assim chamado por alguns por ter algumas proximidades com o
projeto libertário. Esta linha posiciona-se contra qualquer tipo de violência como meio de se
concretizar a transformação social, e tem como um dos principais conceitos a desobediência civil.
O seu maior predecessor foi Henry David Thoreau, que através de seu trabalho “A Desobediência
Civil” influenciou pessoas como Liev Tolstói e Mahatma Gandhi.
O maior expoente dessa linha foi Tolstói (o próprio nunca se reivindicou anarquista) e seus
seguidores na Rússia. Eles eram principalmente camponeses, e baseavam-se em uma interpretação
do cristianismo que rejeitava qualquer autoridade coerciva. Eles eram ativos pela Rússia e seguiam
uma dieta vegetariana estrita. Foram inicialmente perseguidos pelo Estado Czarista, por recusarem
sua autoridade. Após a Revolução Bolchevique, foram alvo de repressão, por recusarem esse
governo assim como o anterior. A maioria deles foi morta no governo de Lenin e Stalin.
7- Anarquismo verde
O Anarquismo Verde ou eco-anarquismo ou, ainda, ecologia libertária é uma corrente anarquista
nascida nos anos 1970, no bojo do movimento antinuclear. Além de se opor à autoridade e à
hierarquia, critica a tecnologia, como forma de dominação da natureza pelo homem.
Bandeira do eco-anarquismo
Propõe a auto-organização, a autogestão das coletividades, o mutualismo e, além disso, segundo os
anarquistas verdes, o movimento libertário, para evoluir, deve rejeitar o antropocentrismo e realizar
uma mudança radical nas relações entre homem e natureza.
O eco-anarquismo baseia-se nos trabalhos teóricos do geógrafo Élisée Reclus e de Piotr Kropotkin e
é próximo da ecologia social, elaborada pelo americano Murray Bookchin.
Vários textos anarco-primitivistas, inseridos numa perspectiva de pensamento eco-anarquista,
começam por apresentar o argumento histórico segundo o qual o homem é naturalmente anarquista
dada a sua evolução, o que permite compreender o mundo primitivo como correspondendo a uma
economia verdadeiramente sustentável, em que o homem vive em equilíbrio com o seu ecossistema.
Nos presumidos 10.000 anos de civilização, há uma progressiva alienação, numa economia baseada
na exploração ilimitada da natureza.
Os anarco-primitivistas não defendem verdadeiramente um retorno ao passado. Esse olhar para o
mundo primitivo visa muito mais repensar os modos de existência e o lugar do homem na natureza
do que recriar um mundo passado. Procura-se, assim, apontar os aspectos patológicos da civilização
e suas consequências para mostrar a necessidade de reconectar o homem com a natureza, da qual é
parte
8- Anarcoprimitivismo
Anarcoprimitivismo é uma crítica anarquista das origens e do progresso da civilização. Primitivistas
afirmam que a mudança de caçadores-coletores para a subsistência agrícola deu início à
estratificação social, coerção, e alienação. Eles defendem o retorno à meios não-"civilizados" de
vida através da desindustrialização, abolição da divisão de trabalho ou especialização, e o abandono
da tecnologia moderna. Existem entretanto numerosas outras formas de primitivismo, e nem todos
os primitivistas apontam o mesmo fenômeno como a fonte dos problemas modernos e civilizados.
Alguns, como Theodore Kaczynski (o Unabomber), veem apenas a Revolução Industrial como o
problema, enquanto outros apontam para vários desenvolvimentos na história, como monoteísmo,
escrita, o uso de ferramentas de metal, etc. Muitos anarquistas tradicionais rejeitam tal crítica da
civilização enquanto outros a apóiam mas não se consideram primitivistas, como Wolfi
Landstreicher. Anarco-primitivistas são frequentemente distinguidos pelo seu foco na prática de
alcançar um estado selvagem pelo "rewilding" (retorno ao natural).
9- Anarcafeminismo
Anarcafeminismo, como o anarquismo, se opõe a todos os tipos de hierarquia. Entretanto,
anarcafeministas dedicam maior atenção à desigualdade existente entre os sexos. Anarcafeministas
acreditam que as mulheres são exploradas pelo capitalismo, por ele difundir o sexismo em suas
instituições e desvalorizar economicamente o seu trabalho doméstico e reprodutivo. Também
acreditam que não haverá a destruição do patriarcado, o qual é o principal alvo do ativismo, sem a
destruição do capitalismo.
O anarcafeminismo se diferencia do feminismo liberal por considerar que direitos conquistados
dentro da sociedade capitalista serão sempre superficiais, visto que só poderão ser desfrutados pela
classe dominante.
O termo anarcafeminismo foi criado durante a "segunda onda" do movimento feminista, iniciada no
final dos anos 60. Entretanto, o movimento é mais comumente associado a autoras do início do
século XX, como Emma Goldman e Voltairine de Cleyre, bem como algumas autoras da "primeira
onda", como Mary Wollstonecraft.
Durante a Guerra Civil Espanhola, o grupo Mujeres Libres defendia ideias anarquistas e feministas.
No Brasil, a anarquista feminista mais conhecida foi Maria Lacerda de Moura.
O termo "anarca", em desacordo com a gramática, usa o sufixo "a" para denotar o feminino. O
prefixo anarco é de raiz grega e não tem gênero.
A terminologia feminina é defendida por surgir em oposição ao dominante androcentrismo, fato que
se exprime pela nossa língua sexista que toma como neutro o uso generalizado do masculino. O uso
de um sufixo feminino não sugeriria uma dominância feminina, mas antes chamaria a atenção para
um grupo marginalizado, colocando também a mulher no papel protagonista que ela tem na luta de
libertação feminista.
10-Anarco-queer (LGBT)
Anarco-queer é uma vertente do anarquismo surgida na segunda metade do século XX a partir da
ação e conjunção de diferentes grupos gays, lésbicas e bissexuais libertários. Tem como foco
político, não a obtenção de direitos junto ao estado como os movimentos LGBT reformistas, mas a
contraposição à heteronormatividade e a libertação sexual como fator necessário para outras formas
de libertação.
O Anarco-queer enquanto um movimento tem base funcional as reflexões de Michel Foucault sobre
a História da sexualidade.