You are on page 1of 2

18 julho, 2018

Alanis Morissette estava 20 anos à frente do seu tempo

Em 1998, ' NSYNC lançou seu álbum de estreia, estreou TRL da MTV, e o vídeo no
MTV Video Music Awards de melhor rap foi Will Smith "' s Gettin ' Jiggy wit It."
Canções pop governaram o rádio, e o clima... era luz.
No mesmo ano, a cantora canadense Alanis Morissette lançou Supposed Former
Infatuation Junkie, o extremamente antecipado seguimento ao seu blockbuster 1995,
Jagged Little Pill. Mas considerando que a pílula me senti como se um furioso 21 anos
estava a queimar tudo, Junkie encontrados Alanis Morissette em um lugar totalmente
diferente.
Junkie foi, em parte, uma reação para a onda gigante de fama ela enfrentava — a
imensidão do que quase se afogou. "[Em torno desse tempo] estava escondido no meu
quarto de hotel ou bancas de banheiro do outro lado do planeta para mantê-lo juntos,
para ser honesto," diz o 44 anos de idade. "O que aconteceu foi que eu alcancei 'sonho
americano' — tudo o que eu deveria para perseguir a fim de ter a felicidade. Mas meus
traumas ainda estavam lá... e quase amplificado, realmente. Há um isolamento para a
fama. Criou um profundo sofrimento para mim. Então eu pensei, 'Okey, a única direção
para ir agora está dentro.' "
Após a necessária excursionando por comprimido, Alanis Morissette, 23 anos depois,
viajou para a Índia e Cuba. Ela participou no Triathlon e se debruçaram sobre livros de
psicologia. "Eu só ativamente procurou várias maneiras de lidar com o trauma, voltar no
meu corpo, para curar," ela diz.
Como resultado, falou de single, "Thank U," Junkiedo chumbo da filosofia oriental,
aceitando imperfeição, vivendo no momento e perdão. O memorável (e na época
controversa) vídeo mostrou a cantora nua em uma calçada da cidade lotada, em um
supermercado, em um ônibus. Ela foi despida mas não sexualizadas. (Essa parte
realmente pessoas confusas). O vídeo termina com Alanis em pé sozinho no meio de
uma rua vazia.
O álbum seguiu temáticas. Consciência, positividade de corpo e paridade dentro de
relacionamentos são agora totalmente em sintonia com o movimento moderno de auto-
cuidado que deslocou-se para o centro da cultura recentemente, mas quando saiu Junkie
, Alanis Morissette estava gritando no vazio.
Okey, então não, todo mundo entendeu. Mas aqui está o que o fez Morissette agressivo:
ela não se importava. ' Lembro as pessoas dizendo, ' você é também um rock ' n roll star
ou és um acadêmico — escolher um e ficar lá.' Eu apenas pensei, 'Bem, isso é
impossível'. "
Então em vez de um caminho estreito, a feminista franca escolheu uma grande rodovia.
Além de liberar mais quatro álbuns de estúdio, ela trabalhou em uma mistura de
projetos criativos — de agir no palco, no cinema e na televisão para escrever uma
coluna de conselhos para The Guardian e criar um vídeo viral (fazer uma rápida
pesquisa no Google de "My Humps Alanis").
Seu interesse em psicologia e consciente de viver é frente e no centro também. Em seu
site, Alanis.com, você encontrará não só as datas da turnê, mas também fluxos de seu
podcast mensal, "Conversas" — onde ela vai fundo com especialistas de um campo
diversificado, incluindo as comunidades neurobiológicas e terapia — e um blog que
abrange temas como depressão pós-parto e seus favoritos produtos naturais. ("Eu sou
obcecado em encontrar o perfeito arnica e eucalipto", ela admite. "Em um universo
paralelo sou uma esteticista.") Ela também ensina oficinas para campus de
aprendizagem holística da Califórnia 1440 Multiversidade.
Alanis também tornou-se mais confiantes sobre compartilhar tudo com seus fãs. "Houve
um período de tempo quando estava implícito que, se eu tivesse mesmo meus canais
sociais refletem minha pessoa como um todo, que não seria Okey. Eu sou muito
sensível... e ainda tenho PTSD de 20 anos atrás. Parte da minha estratégia de
sobrevivência foi esconder um pouco. Então eu já foi lentamente saindo sob minha
rocha."
Em maio de um musical baseado na pílula (com um script escrito por Diablo Cody)
estreou no American Repertory Theater em Cambridge, Massachusetts, primeiro lugar
com um olho em da Broadway 2019 executar. Alanis foi fortemente envolvido no
projeto e escreveram algumas canções adicionais para o placar. "E enquanto eu estava
fazendo isso," ela diz, "Eu escrevi um novo registro, provavelmente 23 músicas." Ela
pretende liberá-lo em 2019 cedo, tornando-se seu primeiro novo álbum de estúdio em
seis anos. "Eu chamo meu recorde de piano," ela diz. Ela tem um livro de memórias em
andamento, pairando em torno de 1.200 páginas.
Ela conseguiu equilibrar a escrita, realizando, ensino e podcasting enquanto também,
como ela chama, "mulher-ing e mãe-ing," Qual é a sua prioridade absoluta. Alanis tem
dois filhos — filho nunca, 7 e filha do Onyx, 2 — com o marido, o rapper Mario
"Souleye" Treadway.
RELACIONADOS: Alanis Morissette Jagged Little Pill é tornar-se um Musical
Jagged Little Pill pode ter sido a coisa que agarrou a atenção das pessoas, mas é a
evolução que agora define sua arte. "Arte tornou-se uma maneira de mover a energia,"
diz ela. "Foi como uma catarse. Eu vou escrever a música até que eu esteja morto e
enterrado... e provavelmente após também. "

Fonte:
instyle