qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc vbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmq wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas

dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl çzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvb nmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqw ertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdf ghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçz xcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbn mqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmrtyui opasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdf ghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçz xcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbn mqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuio
REGULAMENTO INTERNO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REBORDOSA 2009/2013

Regulamento Interno

ÍNDICE Capítulo I – Disposições Gerais ………………………………………………………. Art. 1º - Âmbito de aplicação ………………………………………………………………… Art. 2º - Sede…………………………………………………………………………………… Art. 3º - Administração e Gestão do Agrupamento de Escolas de Rebordosa (Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de Abril de 2008)……….. Capítulo II – Órgãos de Administração e Gestão………………………………….. Secção I - Conselho Geral …………………………………………………………….. Art. 4º - Composição do Conselho Geral……………………………………………………. Art. 5º - Competências do Conselho Geral………………………………………………….. Art. 6º - Designação de representantes de Pais e Encarregados de Educação No Conselho Geral ……………………………………………………………………. Art. 7º - Designação dos representantes do Município e da comunidade local……….. Art. 8º - Designação do pessoal docente e não docente………………………………….. Art. 9º - Designação do representante dos alunos…………………………………………. Art. 10º - Eleições………………………………………………………………………………. Art. 11º - Processo eleitoral…………………………………………………………………… Art. 12º - Homologação……………………………………………………………………….. Art. 13º - Mandato…………………………………………………………………………….. Art. 14º - Reuniões do Conselho Geral…………………………………………………….. Secção II – Director………………………………………………………………….. Art. 15º- Director……………………………………………………………………………….. Art. 16º - Subdirector e adjuntos do director………………………………………………… Art. 17º - Competências ………………………………………………………………………. Art. 18º - Competências do Subdirector e Adjuntos……………………………………… Art.19º - Recrutamento………………………………………………………………………… Art. 20º - Procedimento concursal………………………………………………………….. Art. 21º - Eleição……………………………………………………………………………….. Art. 22º - Homologação……………………………………………………………………….. Art. 23º - Posse………………………………………………………………………………… Art. 24º Mandato……………………………………………………………………………… Art. 25º - Regime de exercício de funções………………………………………………… Art. 26º- Direitos do Director…………………………………………………………………. Art. 27º- Direitos específicos………………………………………………………………… Art. 28º- Deveres específicos……………………………………………………………….. Art. 29º - Assessoria da direcção…………………………………………………………….. Secção III - Conselho Pedagógico………………………………………………. Art. 30º- Conselho Pedagógico……………………………………………………………… Art. 31º - Composição…………………………………………………………………………. Art. 32º - Competências……………………………………………………………………… Art.33º - Funcionamento. ……………………………………………………………………… 10 10 10 10 10 11 12 12 12 13 13 13 13 14 14 14 15 15 15 15 16 17 17 17 17 18 18 18 18 19 10 10 10 10 10 9 9 9

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

2

Regulamento Interno

Secção IV - Conselho Administrativo………………………………………………. Art.34º - Composição………………………………………………………………………….. Art.35º - Competências……………………………………………………………………….. Art.36º - Funcionamento………………………………………………………………………. Capítulo III – Coordenação de Estabelecimento………………………………… Art. 37º - Coordenador………………………………………………………………………… Art.38º - Competências………………………………………………………………………. Capítulo IV- Estruturas de Orientação Educativa e Serviços Especializados de Apoio Educativo…………………………………………………………………………… Secção I - Articulação Curricular…………………………………………………… Art. 39º - Articulação curricular………………………………………………………………. Art. 40º - Departamentos Curriculares……………………………………………………… Art. 41º - Competências do Departamento Curricular……………………………………… Art. 42º-Coordenação…………………………………………………………………………. Art. 43º - Mandato……………………………………………………………………………… Art. 44º - Competências do Coordenador do Departamento……………………………. Art. 45º - Funcionamento…………………………………………………………………….. Art. 46º - Estruturas de subcoordenação………………………………………………….. Art. 47º - Funcionamento……………………………………………………………………… Art. 48º – Mandato do Subcoordenador…………………………………………………… Art. 49º - Competências do Subcoordenador………………………………………………. Secção II - Organização e Coordenação Pedagógica…………………………. Art.º 50 -Organização das actividades das salas de actividades e das turmas………. Art. 51º - Composição do Conselho de Turma…………………………………………… Art. 52º - Competências do Conselho de Turma e dos professores titulares de turma… Art. 53º - Coordenação………………………………………………………………………. Art. 54º - Funcionamento……………………………………………………………………… Art. 55º - Conselhos de directores de turma………………………………………………. Art. 56º - Composição dos Conselhos de directores de turma…………………………. Art. 57º - Competências dos Conselhos de directores de turma………………………….. Art. 58º - Competências do Director de Turma /Professor titular………………………… Art. 59º - Competências do Director de Curso………………………………………………. Art. 60º - Competências do Acompanhante de Estágio…………………………………… Art. 61º - Coordenação do Conselho de Directores de Turma / Professores titulares de turma…………………………………………………………………………………………….. Art. 62º - Conselho de Directores de Turma e de Professores e Educadores titulares de turma ……………………………………………………………………………………….... Secção III - Serviços Especializados de Apoio Educativo…………………….. Art.63º – Serviços Especializados de Apoio Educativo………………………………….. Art.64º – Funcionamento e Composição……………………………………………………. Art. 65º - Competências………………………………………………………………………. Art. 66º- Serviço de Psicologia e Orientação (Se vier a existir no agrupamento )……….

19 19 20 20 20 20 20 21 21 21 21 22 23 23 23 24 24 24 25 25 26 26 27 27 28 28 29 29 29 30 31 31 31 32 32 32 32 33 34

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

3

Regulamento Interno

Art. 67º- Competências dos Serviços de Psicologia e Orientação……………………… Art. 68º - Funcionamento dos Serviços de Psicologia e Orientação……………………… Secção IV - Outras Coordenações………………………………………………… Art. 69º- Núcleo de apoio informático………………………………………………………… Art. 70º - Competências do Núcleo de apoio informático e do Coordenador TIC……… Art. 71º- Funcionamento do Núcleo de Apoio Informático………………………………. Art. 72º - Coordenação para a Saúde em Meio Escolar…………………………………. Art.73º - Competências do Coordenador para a Saúde em Meio Escolar……………… Secção V - Serviços técnico-pedagógicos……………………………………… Art. 74 - Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos…………………………. Art. 75 - Competências da Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos…….. Art. 76- Funcionamento da Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos…… Secção VI - Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna………….. Art. 77 - Objectivos……………………………………………………………………………. Art. 78 - Composição…………………………………………………………………………. Art. 79 - Designação……………………………………………………………………………. Art. 80 - Mandato……………………………………………………………………………… Art. 81 – Competências. ………………………………………………………………………. Art. 82 - Regime de funcionamento………………………………………………………….. Art. 83 - Regimento…………………………………………………………………………….. Capítulo V – Gestão do Crédito Global…………………………………………… Art. 84 - Gestão do Crédito Global………………………………………………………….. Capítulo VI- Comunidade Escolar………………………………………………… Secção I – Alunos…………………………………………………………………… Art. 85 - Condições de matrícula dos alunos do ensino básico………………………… Art. 86 - Direitos dos Alunos………………………………………………………………….. Art. 87 - Representação dos alunos……………………………………………………….. Art. 88 - Delegado e subdelegado de turma………………………………………………. Art. 89 - Reconhecimento e valorização de comportamentos meritórios………………. Art. 90 - Quadro de Valor…………………………………………………………………….. Art. 91 - Quadro de Excelência………………………………………………………………. Art. 92 - Prémios……………………………………………………………………………….. Art. 93 – Deveres dos Alunos……………………………………………………………….. Art. 94 - Qualificação do Comportamento………………………………………………….. Art. 95 - Medidas Disciplinares……………………………………………………………….. Art. 96 - Frequência e assiduidade………………………………………………………….. Art. 97 - Faltas justificadas…………………………………………………………………… Art. 98 - Faltas de material didáctico………………………………………………………… Art. 99 - Justificação de faltas……………………………………………………………….. Art. 100 - Faltas injustificadas……………………………………………………………….. Art. 101 - Comunicação aos encarregados de educação………………………………. Art. 102 - Excesso grave de faltas…………………………………………………………..

34 35 35 35 35 36 36 36 37 37 37 38 39 39 39 39 39 39 40 40 40 40 40 40 40 41 43 43 43 43 44 44 45 46 47 49 49 50 50 50 50 50

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

4

Regulamento Interno

Art. 103 - Efeitos das faltas…………………………………………………………………. Secção II - Pessoal Docente…………………………………………………….. Art. 104 - Direitos do Pessoal Docente……………………………………………………. Art. 105 - Deveres do Pessoal Docente…………………………………………………… Secção III - Pessoal Não Docente……………………………………………….. Art.106 - Direitos do Pessoal Não Docente……………………………………………….. Art.107 - Deveres do Pessoal Não Docente ( assistentes operacionais e assistentes técnicos) ………………………………………………………………………………………. Art. 108 - Pessoal Administrativo……………………………………………………………. Secção IV - Encarregados de Educação……………………………………… Art. 109 - Direitos dos Encarregados de Educação……………………………………… Art. 110 - Deveres dos Encarregados de Educação…………………………………….. Capítulo VII- Avaliação das Aprendizagens…………………………………… Secção I – Avaliação……………………………………………………………….. Art. 111 - Avaliação das aprendizagens…………………………………………………… Art. 112 - Objecto……………………………………………………………………………… Art. 113 - Princípios…………………………………………………………………………… Art. 114 - Intervenientes……………………………………………………………………… Art. 115 - Critérios de Avaliação…………………………………………………………….. Art. 116 - Avaliação Diagnóstica……………………………………………………………… Art. 117 - Avaliação Formativa………………………………………………………………. Art. 118 - Avaliação aferida…………………………………………………………………… Art. 119 - Avaliação Sumativa……………………………………………………………….. Art. 120 - Avaliação Sumativa Interna……………………………………………………….. Art. 121 - Expressão da Avaliação Sumativa Interna……………………………………… Art. 122 – Avaliação Sunativa Externa……………………………………………………… Art. 123 - Efeitos da Avaliação……………………………………………………………… Art. 124 - Retenção repetida………………………………………………………………… Art. 125 - Revisão dos Resultados da Avaliação…………………………………………… Art. 126 - Casos especiais de progressão………………………………………………… Art. 127 - Situação especial de classificação………………………………………………. Art. 128 - Alunos abrangidos pela modalidade de educação especial………………… Secção II - Planos de Recuperação, de acompanhamento e de desenvolvimento……………………………………………………………………………… Art. 129 - Obrigatoriedade……………………………………………………………………. Art. 130 - Planos de Recuperação…………………………………………………………. Art. 131 - Planos de Acompanhamento…………………………………………………….. Art. 132 - Planos de Desenvolvimento……………………………………………………… Art. 133 - Gestão e Avaliação……………………………………………………………….. Art. 134 - Avaliação do desempenho do pessoal docente……………………………… Capítulo VIII- Disposições comuns aos Jardins de Infância………………… Art. 135 - Especificidade dos Jardins de Infância……………………………………………

51 52 52 53 54 54 55 56 58 58 58 59 59 59 59 60 60 60 61 61 61 61 62 62 63 64 65 65 66 66 66 66 66 67 67 68 68 68 71 71

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

5

Regulamento Interno

Art. 136 - Critérios de admissão e frequência dos Jardins de Infância…………………. Art. 137 - Horário de funcionamento……………………………………………………….. Art. 138 - Acompanhamento das crianças…………………………………………………. Art. 139 - Permanência no Jardim-de-Infância…………………………………………… Art. 140 - Material……………………………………………………………………………… Art. 141 - Faltas……………………………………………………………………………….. Art. 142 - Indisposições e medicamentação………………………………………………. Art. 143 - Doenças contagiosas………………………………………………………………. Art. 144 - Passeios e visitas de estudo…………………………………………………….. Art. 145 - Avaliação das crianças…………………………………………………………… Art. 146 - Componente de Apoio à Família (CAF) ………………………………………… Art. 147 - Organização……………………………………………………………………….. Art. 148 - Funcionamento……………………………………………………………………. Capitulo IX - Disposições Comuns às Escolas do 1º CEB…………………… Secção I - Organização das actividades…………………………………………………… Art. 149 - Horário de funcionamento……………………………………………………….. Art. 150 - Horário de encerramento dos portões…………………………………………… Art. 151 - Indisposições e medicamentação………………………………………………. Art. 152 - Vigilância dos recreios……………………………………………………………. Art. 153 - Contacto urgente com o docente……………………………………………….. Secção II - Actividades de Enriquecimento Curricular…………………………. Art. 154 - Definição……………………………………………………………………………. Art. 155 - Organização……………………………………………………………………….. Art. 156 - Frequência…………………………………………………………………………. Art. 157 - Faltas dos alunos………………………………………………………………….. Art. 158 - Avaliação…………………………………………………………………………… Art. 159 – Participação das estruturas pedagógicas no processo de avaliação do desempenho dos professores das AEC……………………………………………………… Capítulo X- Organização e Funcionamento do Agrupamento………………. Secção I – Instalações…………………………………………………………….. Art. 160 - Acesso aos estabelecimentos de ensino e Circulação………………………. Art. 161 - Instalações……………………………………………………………………….. Art. 162 - Inventários…………………………………………………………………………. Secção II - Comunicação na Comunidade Escolar…………………………. Art. 163 - Convocatórias, Comunicações e Ordens de Serviço………………………… Art. 164 - Afixação e Distribuição de Cartazes e outra Informação……………………. Art. 165 - Livros de ponto da escola sede………………………………………………….. Art. 166 - Livros de ponto De Professores De 1º Ciclo e Educadores De Infância……. Secção III - Relações com a comunidade…………………………………….. Subsecção I - Associação de Pais e Encarregados de Educação……….. Art. 167 - Associação de Pais e Encarregados de Educação………………………… Art. 168 - Direitos da Câmara Municipal de Paredes……………………………………..

71 72 72 72 72 72 72 73 73 73 73 73 73 74 74 74 74 74 74 74 74 74 75 75 75 75 75 76 76 76 76 77 77 77 78 78 78 79 79 79 79

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

6

Regulamento Interno

Art. 169 - Deveres da Câmara Municipal de Paredes……………………………………. Art. 170 - Direitos e deveres da Junta de Freguesia…………………………………….. Art. 171 - Direitos e deveres da Associação Para o Desenvolvimento de Rebordosa – ADR……………………………………………………………………………………………… Art. 172 - Direitos e deveres de A Cooperativa Eléctrica de Rebordosa – A CELER… Art. 173 - Direitos e deveres da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Rebordosa………………………………………………………………………………….. Art.174 - Cedência e aluguer das Instalações à Comunidade Escolar e Local………. Art.175 – Parcerias………………………………………………………………………….. Secção IV – Referendo…………………………………………………………… Art. 176 – Objecto…………………………………………………………………………….. Art. 177 – Âmbito……………………………………………………………………………… Art. 178 – Iniciativa……………………………………………………………………………. Art. 179 – Formulação…………………………………………………………………………. Art. 180 - Discussão e votação da proposta………………………………………………. Art. 181 – Convocação……………………………………………………………………… Art. 182 - Fiscalização do processo………………………………………………………… Art. 183 - Direito de sufrágio…………………………………………………………………. Art. 184 – Eficácia……………………………………………………………………………. Secção V - Manuais Escolares……………………………………………………. Art. 185 - Adopção de manuais escolares………………………………………………… Art. 186 - Selecção de manuais escolares……………………………………………….. Art. 187 - Alteração na adopção de manuais……………………………………………… Art. 188 – Empréstimo de Manuais escolares………………………………………………. Capítulo XI - Disposições finais…………………………………………………… Art. 189 - Disposições finais………………………………………………………………… Anexos…………………………………………………………………………………………..

80 80 80 81 81 81 82 83 83 83 83 83 83 83 83 83 83 84 84 84 84 84 84 84 85

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

7

Regulamento Interno

REGULAMENTO INTERNO

A escola, enquanto instituição viva, necessita de um conjunto de normas que permitam um equilibrado, racional e homogéneo funcionamento, em cada um dos sectores que a constituem. Pretende-se assim colmatar qualquer desfasamento inerente à diversidade das pessoas e tarefas, que regulam o funcionamento da instituição em causa, e do qual depende o sucesso escolar. Criando uma forma própria e de todos conhecida de "estar na escola”, facilitar-se-á a nossa conduta diária e criar-se-á um clima mais harmónico, na medida em que o presente Regulamento Interno, elaborado por toda a Comunidade Educativa, por todos é conhecido e aceite.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

8

Regulamento Interno Capítulo I – Disposições Gerais Art.1º- Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento aplica-se ao Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa constituído pelos seguintes estabelecimentos de ensino: a) Escola E.B. 2/3 + S de Rebordosa; b) Escola E.B 1/JI da Lage; c) Escola E.B 1 da Quintã; d) Escola E.B 1 de S. Marcos; e) Escola E.B 1/JI da Serrinha; f) Escola E.B 1/JI do Muro; g) Jardim-de-infância de S. Marcos. 2. Estão abrangidos pelo presente regulamento: a) Alunos; b) Pessoal docente; c) Pessoal não docente; d) Pais e Encarregados de Educação; e) Órgãos de administração e gestão; f) Assessorias de administração e gestão; g) Estruturas de orientação educativa; h) Serviços especializados de apoio educativo; i) j) Art.2º - Sede O Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa tem como sede a Escola E.B. 2/3 + S de Rebordosa. Art.3º - Administração e Gestão do Agrupamento de Escolas de Rebordosa (Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de Abril de 2008) 1. A Administração e Gestão do Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa são asseguradas por órgãos próprios, os quais devem orientar a sua acção segundo os princípios fixados na Lei e no presente regulamento. 2. São órgãos de Administração e Gestão do Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa: a) Conselho Geral; b) Director; c) Conselho Pedagógico; d) Conselho Administrativo. Visitantes; Utilizadores das instalações e espaços escolares.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

9

Regulamento Interno Capítulo II – Órgãos de Administração e Gestão Secção I – Conselho Geral Art.4º - Composição do Conselho Geral O Conselho Geral é composto por: 7 Representantes dos Docentes; 2 Representantes do Pessoal Não Docente; 5 Representantes dos Encarregados de Educação; 1 Representante dos alunos do Ensino Secundário; 3 Representantes da Autarquia; 3 Representantes de Instituições locais cooptadas; Director do Agrupamento.

Art.5º - Competências do Conselho Geral
1.

Ao Conselho Geral compete: a) Eleger o respectivo Presidente, de entre os seus membros, à excepção dos representantes dos alunos; b) Eleger o Director nos termos dos artigos 21 a 23 do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de Abril; c) Aprovar o projecto educativo do agrupamento e acompanhar e avaliar a sua execução; d) Aprovar o regulamento interno do agrupamento; e) Aprovar o plano anual e plurianual de actividades; f) Apreciar os relatórios periódicos e o relatório final de execução do plano anual de actividades;

g) Aprovar as propostas de contratos de autonomia; h) Definir as linhas orientadoras para a elaboração do orçamento; i) j) l) Definir as linhas orientadoras do planeamento e execução, pelo Director, das actividades no domínio da acção social escolar; Aprovar o relatório de contas de gerência; Pronunciar-se sobre os critérios de organização dos horários;

k) Apreciar os resultados do processo de auto-avaliação; m) Acompanhar a acção dos demais órgãos de administração e gestão; n) Promover o relacionamento com a comunidade educativa; o) Definir os critérios para a participação da escola nas actividades pedagógicas, científicas, culturais e desportivas; p) Aprovar a proposta de realização de referendo; q) Convocar o referendo; r) Autorizar a constituição de assessorias tecnico-pedagógicas, para as quais serão designados docentes em exercício de funções no agrupamento;

s) Exercer as demais competências que lhe forem atribuídas na Lei e no presente regulamento interno;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

10

Regulamento Interno

t)

O conselho geral pode constituir uma comissão permanente, na qual pode delegar as competências de acompanhamento da actividade do agrupamento de escolas entre as suas reuniões ordinárias;

u) A comissão permanente constitui-se como uma fracção do conselho geral, respeitada a proporcionalidade dos corpos que nele têm representação.
2.

No desempenho das suas competências, o Conselho Geral tem a faculdade de requerer aos restantes órgãos, as informações que julgar necessárias para desenvolver as competências que lhe são atribuídas por este Regulamento.

Art.6º - Designação de representantes de Pais e Encarregados de Educação no Conselho Geral 1. O Presidente do Conselho Geral, nos 90 dias anteriores ao termo do seu mandato, solicita à respectiva Associação de Pais e Encarregados de Educação das escolas do Agrupamento a designação dos seus representantes; 2. Os representantes dos Pais e Encarregados de Educação são eleitos em Assembleiageral de Pais e Encarregados de Educação das escolas do agrupamento. 3. Na falta destas organizações representativas, a designação far-se-á por sufrágio directo em Assembleia-geral de Pais e Encarregados de Educação, convocada para o efeito pelo Presidente do Conselho Geral. Art.7º - Designação dos representantes do Município e da comunidade local 1. O Presidente do Conselho Geral, nos 60 dias anteriores ao termo do seu mandato, solicita à Câmara Municipal, bem como às Instituições ou Organizações cooptadas a designação dos seus representantes. Art.8º - Designação do pessoal docente e não docente 1. Os representantes do pessoal docente e não docente no Conselho Geral são eleitos por corpos eleitorais distintos, constituídos, respectivamente, pelo pessoal docente e não docente em exercício de funções no Agrupamento. Art.9º - Designação do representante dos alunos 1. A designação do representante dos alunos far-se-á por sufrágio directo em Assembleia Geral de Delegados de Turma do Ensino Secundário. Art.10º - Eleições 1. Os representantes do pessoal não docente e do pessoal docente candidatam-se à eleição constituídos em listas separadas. 2. As listas devem conter a indicação dos candidatos efectivos, em número igual ao dos respectivos representantes no Conselho Geral, bem como dos candidatos a membros suplentes. 3. As listas do pessoal docente devem integrar pelo menos um representante dos docentes de cada um dos ciclos. 4. Pelo menos um representante dos docentes deverá ser professor titular. 5. A conversão dos votos em mandatos faz-se de acordo com o método de representação proporcional da média mais alta de Hondt. Art.11º - Processo eleitoral 1. O processo eleitoral para o Conselho Geral realiza-se por sufrágio directo, secreto e presencial, tendo o votante que fazer descarga no caderno eleitoral.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

11

Regulamento Interno

2. O pessoal docente e não docente reúne 30 dias antes da data da realização do acto eleitoral, para decidir a composição da Mesa Eleitoral, a qual será constituída por um Presidente, dois secretários e um vogal, sendo o Presidente e um secretário membros do pessoal docente e um secretário e um vogal membros do pessoal não docente. Esta reunião será convocada pelo Director, por solicitação do Presidente do Conselho Geral. 3. As listas do pessoal docente e não docente serão entregues até 8 dias úteis antes do dia da Assembleia eleitoral ao Director, ou a quem suas vezes fizer, o qual as rubricará, ordenará segundo a ordem de entrega através de ordem alfabética, e fará afixar nos locais mencionados na convocatória do Conselho Geral. 4. Cada lista poderá indicar até 2 representantes para acompanhar o acto eleitoral, sendo estes delegados. 5. A abertura da urna é efectuada perante a respectiva Assembleia Eleitoral. 6. A urna mantém-se aberta durante 8 horas consecutivas, a menos que todos os eleitores inscritos no caderno eleitoral tenham votado antes de decorrido esse tempo. 7. Existirá uma única urna e os votos dos dois cadernos eleitorais distinguir-se-ão por impressos de cores distintas; 8. O modo como decorreu o acto eleitoral, os resultados obtidos, as reclamações e os esclarecimentos que a mesa eleitoral entender prestar, constarão da respectiva acta, lavrada para o efeito e assinada pelos respectivos membros da mesa e pelos eleitores que o desejarem. Art.12º - Homologação 1. Nas eleições, para este órgão, compete ao Presidente cessante acompanhar o processo eleitoral, verificar da sua regularidade. 2. O resultado do processo eleitoral produz efeito após comunicação ao Director Regional de Educação do Norte. Art.13º - Mandato 1. O mandato de todos os membros do Conselho Geral tem a duração de 4 anos com a excepção do mandato dos representantes dos pais e encarregados de educação que tem a duração de dois anos escolares. 2. Os membros do Conselho Geral são substituídos no exercício do cargo se entretanto perderem a qualidade que determinou a respectiva eleição ou designação. 3. As vagas resultantes da cessação do mandato dos membros eleitos são preenchidas pelo primeiro candidato não eleito, segundo a respectiva ordem de preferência na lista a que pertence o titular do mandato. 4. As vagas resultantes da cessação do mandato dos representantes dos Pais e Encarregados de Educação dão origem a nova designação do mesmo órgão. Art.14º - Reuniões do Conselho Geral 1. O Conselho Geral reúne ordinariamente uma vez por trimestre e extraordinariamente sempre que seja convocada pelo respectivo Presidente, por sua iniciativa, a requerimento de um terço dos seus membros em efectividade de funções ou por solicitação do Director. 2. As reuniões do Conselho Geral devem ser marcadas em horário que permita a participação de todos os seus membros.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

12

Regulamento Interno

Secção II - Director Art.15º- Director 1. O Director é o órgão de administração e gestão do agrupamento de escolas nas áreas pedagógica, cultural, administrativa, financeira e patrimonial. Art.16º - Subdirector e adjuntos do director
1.

O director é coadjuvado no exercício das suas funções por um subdirector e por um a três adjuntos. O número de adjuntos do director é fixado em função da dimensão do Agrupamentos e da complexidade e diversidade da sua oferta educativa, nomeadamente dos níveis e ciclos de ensino e das tipologias de cursos que lecciona. Os critérios de fixação do número de adjuntos do director são estabelecidos pela legislação em vigor.

2.

3.

Art.17º - Competências
1.

Compete ao Director submeter à aprovação do Conselho Geral o Projecto Educativo elaborado pelo Conselho Pedagógico. Ouvido o Conselho Pedagógico, compete também ao Director: a) Elaborar e submeter à aprovação Conselho Geral, acompanhados dos pareceres do Conselho Pedagógico: i. ii. iii. iv. As alterações ao Regulamento Interno; Os Planos Anual e Plurianual de Actividades; O relatório anual de actividades; As propostas de celebração de contratos de autonomia.

2.

b) Aprovar o Plano de Formação e de actualização do pessoal docente e não docente, ouvido também, no último caso, o município.
3.

Sem prejuízo das competências que lhe sejam cometidas por lei ou regulamento interno, no plano da gestão pedagógica, cultural, administrativa, financeira e patrimonial, compete ao director, em especial: a) Definir o regime de funcionamento do Agrupamento; b) Elaborar o Projecto de Orçamento, em conformidade com as linhas orientadoras definidas pelo Conselho Geral; c) Superintender na constituição de turmas e na elaboração de horários; d) Distribuir o serviço docente e não docente; e) Designar os coordenadores de escola ou estabelecimento de educação préescolar; f) Designar os coordenadores dos departamentos curriculares e os directores de turma;

g) Planear e assegurar a execução das actividades no domínio da acção social escolar, em conformidade com as linhas orientadoras definidas pelo Conselho Geral; h) Gerir as instalações, espaços e equipamentos, bem como os outros recursos educativos; i) Estabelecer protocolos e celebrar acordos de cooperação ou de associação com outras escolas e instituições de formação, autarquias e colectividades, em conformidade com os critérios definidos pelo Conselho Geral nos termos da alínea o) do artigo 5º.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

13

Regulamento Interno

j)

Proceder à selecção e recrutamento do pessoal docente, nos termos dos regimes aplicáveis; Representar a escola;

k) Dirigir superiormente os serviços administrativos, técnicos e técnico-pedagógicos; l) m) Exercer o poder hierárquico em relação ao pessoal docente e não docente, de acordo com a lei; n) Exercer o poder disciplinar em relação aos alunos; o) Intervir nos termos da lei no processo de avaliação do desempenho do pessoal docente; p) Proceder à avaliação de desempenho do pessoal não docente; q) Exercer as competências delegadas pela administração educativa e pela Câmara Municipal. Art.18º - Competências do Subdirector e Adjuntos
1.

O Director pode delegar e subdelegar as competências referidas no artigo anterior, no Subdirector e nos Adjuntos. O Director é substituído pelo Subdirector nas suas faltas e impedimentos.

2.

Art.19º - Recrutamento
1. 2.

O Director é eleito pelo Conselho Geral. Para recrutamento do Director, desenvolve-se um procedimento concursal, prévio à eleição. Os candidatos a Director são obrigatoriamente docentes dos quadros de nomeação definitiva do ensino público ou professores profissionalizados com contrato por tempo indeterminado do ensino particular e cooperativo, em ambos os casos, com, pelo menos, cinco anos de serviço e qualificação para o exercício de funções de administração e gestão escolar, nos termos do número seguinte. Consideram-se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão escolar os docentes que preencham uma das seguintes condições: a) Sejam detentores de habilitação específica para o efeito, nos termos das alíneas b) e c) do número 1 do artigo 56º do Estatuto da Carreira Docente dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário; b) Possuam experiência correspondente a um mandato completo no exercício de cargos de director ou adjunto do director, presidente ou vice-presidente do conselho executivo; director executivo ou adjunto do director executivo; ou membro do conselho Directivo, nos termos dos nos termos dos regimes previstos respectivamente no presente decreto -lei ou no Decreto -Lei n.º 115 -A/98, de 4 de Maio, alterado, por apreciação parlamentar, pela Lei n.º 24/99,de 22 de Abril, no Decreto -Lei n.º 172/91, de 10 de Maio, e no Decreto -Lei n.º 769 -A/76, de 23 de Outubro; c) Possuam experiência de, pelo menos, três anos como Director ou Director pedagógico de estabelecimento do ensino particular e pedagógico.

3.

4.

5.

O Subdirector e os Adjuntos são nomeados pelo Director entre os docentes dos quadros de nomeação definitiva que contem pelo menos cinco anos de serviço e se encontrem em exercício de funções no agrupamento de escolas.

Art.20º - Procedimento concursal
1.

O procedimento concursal é aberto no Agrupamento de escolas, por aviso publicitado do seguinte modo:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

14

Regulamento Interno

a) Nos Serviços Administrativos do Agrupamento e nos locais de estilo dos estabelecimentos de ensino; b) Na página electrónica do Agrupamento e na da Direcção Regional de Educação do Norte; c) Por aviso publicado na 2ª série do Diário da República e divulgado em órgão de imprensa de expansão nacional através de anúncio que contenha referência ao Diário da República em que o referido aviso se encontra publicado.
2.

No acto de apresentação da candidatura, os candidatos fazem entrega do seu curriculum vitae, e de um projecto de intervenção na escola. O Conselho Geral incumbe a sua Comissão permanente ou uma Comissão especialmente designada para o efeito de elaborar um relatório de avaliação das candidaturas. Na avaliação das candidaturas a comissão referida no número anterior considera obrigatoriamente: a) A análise do Curriculum Vitae de cada candidato designadamente para efeitos de apreciação da sua relevância para o exercício das funções de director e do seu mérito; b) A análise do projecto de intervenção na escola; c) O resultado de entrevista individual realizada com o candidato.

3.

4.

Art.21º - Eleição
1.

O Conselho Geral procede à discussão e apreciação do relatório referido no ponto 3 do artigo anterior, podendo na sequência dessa apreciação proceder à audição dos candidatos. Após a discussão e apreciação do relatório e eventual audição dos candidatos, o Conselho Geral procede à eleição do Director considerando-se eleito o candidato que obtenha maioria absoluta dos votos dos membros do Conselho Geral em efectividade de funções. No caso de nenhum candidato sair vencedor nos termos do número anterior, o Conselho Geral reúne novamente, no prazo máximo de cinco dias úteis, para proceder a novo escrutínio, ao qual são apenas admitidos os dois candidatos mais votados na primeira eleição e sendo considerado eleito aquele que obtiver maior número de votos desde que respeitando o quórum legal e regulamentarmente exigido para que o Conselho Geral possa deliberar. O resultado da eleição do director é homologado pelo director regional de educação respectivo nos 10 dias úteis posteriores à sua comunicação pelo presidente do conselho geral, considerando-se após esse prazo tacitamente homologado. A recusa de homologação apenas pode fundamentar-se na violação da lei ou dos regulamentos, designadamente do procedimento eleitoral.

2.

3.

4.

5.

Art.22º - Homologação
1.

O resultado da eleição do Director é homologado pelo Director Regional de Educação do Norte nos dez dias úteis posteriores à sua comunicação pelo Presidente do Conselho Geral, considerando-se após esse prazo tacitamente homologado. A recusa de homologação apenas pode fundamentar-se na violação da lei ou dos regulamentos, designadamente do procedimento eleitoral.

2.

Art.23º- Posse
1.

O Director toma posse perante o conselho geral nos 30 dias subsequentes à homologação dos resultados eleitorais pelo Director Regional de Educação do Norte.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

15

Regulamento Interno

2.

O Director designa o Subdirector e os seus Adjuntos no prazo máximo de 30 dias após a sua tomada de posse. O Subdirector e os Adjuntos do Director tomam posse nos 30 dias subsequentes à sua designação pelo Director.

3.

Art.24º Mandato
1. 2.

O mandato do Director tem a duração de quatro anos. Até 60 dias antes do termo do mandato do Director, o Conselho Geral delibera sobre a recondução do Director ou a abertura do procedimento concursal tendo em vista a realização de nova eleição. A decisão de recondução do Director é tomada pela maioria absoluta dos membros do Conselho Geral em efectividade de funções, não sendo permitida a sua recondução para um terceiro mandato consecutivo. Não é permitida a eleição para um quinto mandato consecutivo ou durante o quadriénio imediatamente subsequente ao termo do quarto mandato consecutivo. Não sendo ou não podendo ser aprovada a recondução do Director de acordo com o disposto nos números anteriores, abre-se o procedimento concursal tendo em vista a eleição do director, nos termos do artigo 21º deste regulamento. O mandato do Director pode cessar: a) Por requerimento do interessado, dirigido ao Director Regional de Educação do Norte, com a antecedência mínima de 45 dias, fundamentados em motivos devidamente justificados: b) No final do ano escolar, por deliberação do Conselho Geral aprovada por maioria de dois terços dos seus membros em efectividade de funções, em caso de manifesta desadequação da respectiva gestão, fundada em factos comprovados e informações, devidamente fundamentadas, apresentados por qualquer membro do Conselho Geral; c) Na sequência de processo disciplinar que tenha concluído pela aplicação de sanção disciplinar de cessação da comissão de serviço, nos termos da lei.

3.

4.

5.

6.

7.

A cessação do mandato de Director determina a abertura de um novo procedimento concursal. Os mandatos do Subdirector e dos Adjuntos têm a duração de quatro anos e cessam com o mandato do director. O Subdirector e os Adjuntos podem ser exonerados a todo o tempo por decisão fundamentada do Director.

8.

9.

Art.25º - Regime de exercício de funções
1. 2. 3.

O Director exerce as funções em regime de comissão de serviço. O exercício das funções de Director faz-se em regime de dedicação exclusiva. O regime de dedicação exclusiva implica a incompatibilidade do cargo dirigente com quaisquer outras funções, públicas ou privadas, remuneradas ou não. Exceptuam-se do disposto no número anterior: a) A participação em órgãos ou entidades de representação da escola ou do pessoal docente; b) Comissões ou grupos de trabalho, quando criados por resolução ou deliberação do Conselho de Ministros ou por despacho do membro do governo responsável pela área da educação; c) A actividade de criação artística e literária, bem como quaisquer outras de que resulte a percepção de remuneração de direitos de autor;

4.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

16

Regulamento Interno

d) A realização de conferências, palestras, acções de formação de curta duração e outras actividades de idêntica natureza; e) O voluntariado, bem como a actividade desenvolvida no quadro de associações ou organizações não governamentais.
5.

O director está isento de horário de trabalho, não lhe sendo, por isso, devida qualquer remuneração por trabalho prestado fora do período normal de trabalho. Sem prejuízo do disposto no número anterior, o director está obrigado ao cumprimento do período normal de trabalho, assim como do dever de assiduidade. O director está dispensado da prestação de serviço lectivo, sem prejuízo de, por sua iniciativa, o poder prestar na disciplina ou área curricular para a qual possua qualificação profissional.

6.

7.

Art.26º- Direitos do Director
1.

O Director goza, independentemente do seu vínculo de origem, dos direitos gerais reconhecidos aos docentes do agrupamento de escolas em que exerça funções. O Director conserva o direito ao lugar de origem e ao regime de segurança social por que está abrangido, não podendo ser prejudicado na sua carreira profissional por causa do exercício das suas funções, relevando para todos os efeitos no lugar de origem o tempo de serviço prestado naquele cargo.

2.

Art.27º- Direitos específicos
1.

O Director, Subdirector e os Adjuntos gozam do direito à formação específica para as suas funções em termos a regulamentar por despacho do membro do Governo responsável pela área da educação. O Director, Subdirector e os Adjuntos mantêm o direito à remuneração base correspondente à categoria de origem, sendo-lhes abonado um suplemento remuneratório pelo exercício de função, a estabelecer por decreto regulamentar.

2.

Art.28º- Deveres específicos Para além dos deveres gerais dos funcionários e agentes da Administração Pública aplicáveis ao pessoal docente, o Director, Subdirector e os Adjuntos estão sujeitos aos seguintes deveres específicos: a) Cumprir e fazer cumprir as orientações da administração educativa; b) Manter permanentemente informada a administração educativa, através da via hierárquica competente, sobre todas as questões relevantes referentes aos serviços; c) Assegurar a conformidade dos actos praticados pelo pessoal com o estatuído na lei com os legítimos interesses da comunidade educativa. Art.29º - Assessoria da direcção
1.

Para apoio à actividade do Director e mediante proposta deste, o Conselho Geral pode autorizar a constituição de assessorias técnico-pedagógicas, para as quais são designados docentes em exercício de funções no agrupamento de escolas ou escola não agrupada. Os critérios para a constituição e dotação das assessorias referidas no número anterior são definidos de acordo com a legislação em vigor.

2.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

17

Regulamento Interno Secção III – Conselho Pedagógico Art.30º- Conselho Pedagógico O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de Escolas, nomeadamente nos domínios pedagógico-didáctico, da orientação e acompanhamento dos alunos e da formação inicial e contínua do pessoal docente e não docente. Art.31º - Composição
1.

O Conselho Pedagógico é composto pelos seguintes membros: a) Director que é, por inerência, presidente do Conselho Pedagógico; b) 4 Coordenadores dos Departamentos Curriculares; c) 1 Coordenador do Conselho de Docentes da Educação Pré-escolar; d) 1 Coordenador do Conselho de Docentes do 1º ciclo; e) 1 Coordenador do Conselho de Docentes Titulares de Turma do 1º ciclo; f) 1 Coordenador de Directores de Turma do 2º e 3º ciclo; g) 1Coordenador dos Directores de Turma do Ensino Secundário; h) 1 Representante dos Serviços do Apoio Educativo; i) j) l) 1 Representante do Pessoal não Docente; 1 Representante dos Pais e Encarregados de Educação; 1 Representante dos alunos do Ensino Secundário.

k) 1 Coordenador da Biblioteca e Centro de Recursos; No caso de não existir Associação de Pais e Encarregados de Educação o seu representante deve ser designado em assembleia, convocada para o efeito pelo presidente do Conselho Geral. O representante do pessoal não docente, é eleito, por voto secreto, em Assembleiageral de Pessoal Não Docente por um período de 4 anos. O representante dos alunos do Ensino Secundário é eleito anualmente pela assembleia de delegados de turma de entre os seus membros. Nas reuniões em que sejam tratados assuntos que envolvam sigilo, designadamente sobre matéria de provas de exame ou de avaliação global, apenas participam os membros docentes.

2.

3.

4.

5.

Art.32º - Competências
1.

Sem prejuízo das demais competências que lhe sejam cometidas por lei, ao Conselho Pedagógico compete: a) Elaborar a proposta de Projecto Educativo a submeter pelo director ao conselho geral; b) Apresentar propostas para a elaboração do Regulamento Interno e dos Planos Anual e Plurianual de Actividades e emitir parecer sobre os respectivos projectos; c) Emitir parecer sobre as propostas de celebração de contratos de autonomia; d) Apresentar propostas e emitir parecer sobre a elaboração do Plano de Formação e de actualização do pessoal docente e não docente, em articulação com o respectivo centro de formação de associação de escolas, e acompanhar a respectiva execução; e) Definir critérios gerais nos domínios da informação e da orientação escolar e vocacional, do acompanhamento pedagógico e da avaliação dos alunos;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

18

Regulamento Interno

f)

Propor aos órgãos competentes a criação de áreas disciplinares ou disciplinas de conteúdo regional e local, bem como as respectivas estruturas programáticas;

g) Definir princípios gerais nos domínios da articulação e diversificação curricular, dos apoios e complementos educativos e das modalidades especiais de educação escolar; h) Adoptar os manuais escolares, ouvidos os Departamentos Curriculares/ Conselho de Docentes; i) Propor o desenvolvimento de experiências de inovação pedagógica e de formação, no âmbito da escola e em articulação com instituições ou estabelecimentos do ensino superior vocacionados para a formação e a investigação; Promover e apoiar iniciativas de índole formativa e cultural; Definir os requisitos para a contratação de pessoal docente e não docente, de acordo com o disposto na legislação aplicável;

j) l)

k) Definir os critérios gerais a que deve obedecer a elaboração dos horários;

m) Intervir, nos termos da Lei, no processo de avaliação do desempenho dos docentes; n) Proceder ao acompanhamento e avaliação da execução das suas deliberações e recomendações; o) Pronunciar-se nos termos da alínea a) do artigo 22º da Lei nº30/2002 de 20 de Dezembro; p) Propor ao Conselho Geral a realização de referendo; q) Emitir parecer acerca das condições em que os alunos retidos nos 2º e 3º anos de escolaridade são deslocados da sua turma inicial com base em relatório elaborado pela docente titular de turma que inclua os seguintes documentos: - Parecer da professora titular da turma; - Parecer da professora de apoio educativo; - Concordância do Encarregado de Educação; - Registos de avaliação do aluno ao longo do ano lectivo. r) Emitir parecer sobre a decisão de segunda retenção.

Art.33º - Funcionamento
1.

O Conselho Pedagógico reúne ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que seja convocado pelo respectivo Presidente, por sua iniciativa, a requerimento de um terço dos seus membros em efectividade de funções ou sempre que um pedido de parecer do Conselho Geral ou Director o justifique. Para o exercício das competências previstas nas alíneas a),b),e),f),j),e k) do artigo anterior ,deve o Conselho Pedagógico formar uma comissão especializada. A representação dos pais e encarregados de educação e dos alunos no conselho pedagógico faz-se no âmbito da comissão especializada mencionada no ponto anterior. Secção IV- Conselho Administrativo

2.

3.

O Conselho Administrativo é o órgão deliberativo em matéria administrativo-financeira do Agrupamento de Escolas, nos termos da legislação em vigor. Art.34º - Composição O Conselho Administrativo é composto por:
1.

O Director que preside;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

19

Regulamento Interno

2. 3.

O Subdirector ou um dos adjuntos do director, por ele designado para o efeito; O Chefe do Serviços de Administração Escolar, ou quem o substitua.

Art.35º - Competências Ao Conselho Administrativo compete: 1. Aprovar o projecto de orçamento anual da escola, em conformidade com as linhas orientadoras definidas pelo Conselho Geral; 2. Elaborar o relatório de contas de gerência; 3. Autorizar a realização de despesas e o respectivo pagamento, fiscalizar a cobrança de receitas e verificar a legalidade da gestão financeira do Agrupamento; 4. Zelar pela actualização do cadastro patrimonial do Agrupamento; 5. Exercer as demais competências que lhe estão legalmente cometidas. Art.36º - Funcionamento O Conselho Administrativo reúne ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que o Presidente o convoque, por sua iniciativa ou a requerimento de qualquer um dos restantes membros. Capítulo III – Coordenação de Estabelecimento Art.37º - Coordenador
1.

A coordenação de cada estabelecimento de educação pré-escolar ou de primeiro ciclo no agrupamento é assegurada por um Coordenador. Nas escolas em que funcione a sede do Agrupamento, bem como nas que tenham menos de 3 docentes não há lugar à designação de Coordenador. O Coordenador è designado pelo Director, de entre os docentes em exercício de funções na escola ou no estabelecimento de educação pré-escolar, e sempre que possível de entre os professores titulares. O mandato de Coordenador de Estabelecimento tem duração de quatro anos e cessa com o mandato de Director. O Coordenador de Estabelecimento pode ser exonerado a todo o tempo por despacho fundamentado do Director.

2.

3.

4.

5.

Art.38º - Competências
1.

Compete ao Coordenador de Estabelecimento: a) Coordenar as actividades educativas do estabelecimento de ensino em articulação com o Director; b) Cumprir e fazer cumprir as decisões do Director e exercer as competências que por este lhe forem delegadas; c) Veicular as informações relativas a pessoal docente, discente e não docente; d) Promover e incentivar a participação dos Pais e Encarregados de Educação, dos interesses locais e da autarquia nas actividades educativas. e) Reunir mensalmente com os docentes do estabelecimento; f) Representar o estabelecimento de educação por delegação do Director; g) Organizar e manter actualizado o inventário do estabelecimento;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

20

Regulamento Interno

h) Proceder ao levantamento de necessidades do estabelecimento encaminhando os pedidos para o Director; i) j)
2.

Acompanhar o fornecimento de refeições e outros serviços; Comunicar ao Director todas as infracções do pessoal docente e auxiliar de que tenha conhecimento.

Compete, ainda, ao Coordenador de Estabelecimento: a) Encaminhar o expediente oficial do respectivo estabelecimento de educação ou de ensino para a Escola Sede; b) Anotar as faltas do pessoal docente e não docente no respectivo livro de ponto e enviar, diariamente, a respectiva comunicação por correio electrónico; c) Fomentar, por todos os meios, a normal frequência escolar, procurando identificar as causas do absentismo dos alunos; d) Organizar o serviço de renovação matrículas; e) Organizar e coordenar as tarefas relacionadas com o processo de avaliação dos alunos; f) Coordenar o trabalho do pessoal docente e não docente; g) Zelar pela disciplina no estabelecimento; h) Proceder à notação do pessoal não docente; i) j) Promover a eleição de representantes dos Pais e Encarregados de Educação, um efectivo e um suplente, por sala de actividades e por turma. Dinamizar relações de intercâmbio e parceria com outros estabelecimentos de educação e de ensino, bem como com outras instituições que intervenham no processo de educação dos alunos, nomeadamente no processo de ocupação dos tempos livres e nas actividades de enriquecimento curricular.

Capítulo IV- Estruturas de Orientação Educativa e Serviços Especializados de Apoio Educativo Secção I – Articulação curricular Art.39º - Articulação curricular As Estruturas de Orientação Educativa são: a) Departamentos Curriculares de 2º e 3º ciclos e Ensino Secundário; b) Equipas pedagógicas; c) Subdepartamentos disciplinares; d) Conselho de Docentes de Educação Pré-escolar; e) Conselho de docentes titulares de turma do 1º ciclo do ensino básico; f) Conselhos de directores de turma; g) Conselhos de turma. Art.40º - Departamentos Curriculares Os Departamentos Curriculares organizam-se da seguinte forma:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

21

Regulamento Interno

Língua Portuguesa Departamento de Línguas Inglês Francês Espanhol História e Geografia de Portugal História Departamento de Ciências Humanas Sociais e Geografia Filosofia Educação Moral e Religiosa Católica e/ou Outras Confissões Matemática Ciências Naturais Departamento de Ciências Biologia e Geologia Ciências da Natureza Ciências Físico-Químicas ITIC Educação Visual e Tecnológica Educação Tecnológica Educação Visual Departamento Expressões de Artes Plásticas Educação Física Actividade Física e Desportiva Educação Musical Ensino Especial Professores do 1º ciclo e professores das Actividades de Enriquecimento Curricular

Departamento do 1º ciclo

Conselho de Docentes do Ensino Pré-escolar

Educadores

Art.41º - Competências do Departamento Curricular Compete ao Departamento Curricular e ao Conselho de Docentes: 1. Planificar e adequar à realidade da escola ou agrupamento de escolas a aplicação dos planos de estudo estabelecidos a nível nacional; 2. Assegurar a articulação dos planos de estudo; 3. Elaborar e aplicar medidas de reforço no domínio das didácticas específicas das disciplinas;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

22

Regulamento Interno

4. Assegurar o desenvolvimento de componentes curriculares por iniciativa da escola; 5. Elaborar ou rever os respectivos regimentos internos nos primeiros 30 dias subsequentes ao início dos mandatos, nos quais são definidas as regras de organização e funcionamento dos mesmos; 6. Assegurar a coordenação de procedimentos e formas de actuação nos domínios da aplicação de estratégias de diferenciação pedagógica e da avaliação das aprendizagens; 7. Analisar e reflectir sobre as práticas educativas e o seu contexto. Art.42º-Coordenação 1. Cada Departamento Curricular é coordenado, sempre que possível por um professor titular; 2. O Coordenador é designado, pelo Director, de entre os professores titulares que pertencem ao Departamento Curricular/ Conselho de Docentes, no final do ano lectivo anterior ao do início do mandato; 3. O professor designado para o cargo de Coordenador dos Departamentos deverá preencher os seguintes requisitos: a) Ser titular; b) Preferencialmente ter formação específica ou experiência comprovada na área da coordenação e/ou supervisão pedagógica; c) Possuir espírito de liderança: ter capacidade de iniciativa e competências de comunicação; promover a discussão da política de Agrupamento, demonstrando visão estratégica; coordenar eficazmente a actividade dos colegas influenciando positivamente as suas práticas e fomentando um clima de trabalho positivo e cooperativo; ter capacidade de tomar decisões e delegar funções eficazmente. 4. Em caso de ausência prolongada do Coordenador, verificando-se que o carácter urgente dos assuntos a tratar desaconselha o adiamento de uma reunião, este será substituído, durante o período necessário, por um docente designado pelo Director. Art.43º - Mandato 1. O mandato dos coordenadores dos departamentos curriculares tem a duração de quatro anos e cessa com o mandato do director. 2. Os coordenadores dos departamentos curriculares podem ser exonerados a todo o tempo por despacho fundamentado do director. Art.44º - Competências do Coordenador do Departamento Compete ao Coordenador do Departamento: 1. Colaborar na construção e desenvolvimento do Projecto Educativo do Agrupamento; 2. Orientar e coordenar as práticas pedagógicas do Departamento Curricular/Conselho de Docentes; 3. Assumir o cargo de Subcoordenador do seu grupo disciplinar; 4. Planificar com os restantes membros, no início do ano escolar, os trabalhos a realizar ao longo do ano escolar; 5. Assegurar a participação do Departamento Curricular/ Conselho de Docentes na análise crítica da orientação educativa pedagógica; 6. Elaborar estudos ou pareceres, no que se refere a programas, métodos, organização curricular e processos e critérios de avaliação dos docentes e dos alunos; 7. Dinamizar as trocas de experiências e saberes entre os docentes que integram o Departamento Curricular/ Conselho de Docentes;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

23

Regulamento Interno

8. Promover a cooperação entre os docentes do Departamento Curricular/ Conselho de Docentes; 9. Apresentar à Direcção a requisição do material didáctico necessário ao Departamento Curricular/ Conselho de Docentes; 10. Organizar o inventário do material pertencente ao seu departamento/escola e zelar pela sua conservação; 11. Orientar as reuniões de Departamento Curricular/ Conselho de Docentes; 12. Organizar o dossier do Departamento Curricular/Conselho de Docentes; 13. Apresentar ao Director, até 30 dias antes do final de cada ano lectivo, relatório das actividades desenvolvidas. Art.45º - Funcionamento 1. O Coordenador reunirá com os restantes membros do departamento/conselho de docentes, ordinariamente, no início do ano lectivo e após reunião de Conselho Pedagógico. Reunirá extraordinariamente, sempre que considere necessário, a requerimento da maioria dos seus membros ou por solicitação do Director; 2. A reunião será secretariada por um membro do departamento/Conselho de Docentes, definido em regimento interno; 3. A acta da reunião deverá ser entregue ao Director, num período máximo de 5 dias, após a realização da reunião, ficando a sua fotocópia arquivada no respectivo dossier de Departamento/Conselho de Docentes; 4. A convocatória da reunião em que deverão estar assinaladas as presenças será entregue até ao dia seguinte ao da realização da mesma, após o Director tomar conhecimento, nos serviços administrativos da sede de Agrupamento. Art.46º - Estruturas de Subcoordenação 1. São constituídas estruturas de subcoordenação do Departamento Curricular que correspondem a cada um dos grupos, subgrupos ou áreas disciplinares que integram os respectivos departamentos no caso dos 2º 3º ciclos e Ensino secundário e Equipas Pedagógicas de ano no caso do Ensino Pré-Escolar e 1º ciclo. 2. O Subcoordenador/Coordenador de Equipa Pedagógica é eleito pelos docentes do grupo/equipa que representa; 3. O Subcoordenador / Coordenador da Equipa Pedagógica é eleito, no final do ano lectivo anterior ao do início do mandato, por maioria simples; 4. Compete ao Director homologar o resultado da eleição para Subcoordenador de Departamento e Coordenador de Equipa Pedagógica, bem como proceder à sua designação em caso de empate. 5. No caso de Subdepartamentos/Equipas constituídos por menos de três elementos ou nos casos de empate até à 2ª votação compete também ao Director a sua designação. Art.47º - Funcionamento 1. O Subcoordenador/Coordenador de Equipa Pedagógica reunirá com os restantes membros, ordinariamente, no início do ano lectivo e após reunião do Departamento/ Conselho de Docentes. Reunirá extraordinariamente, sempre que considere necessário, a requerimento da maioria dos seus membros ou por solicitação do Director ou Coordenador do Departamento/ Conselho de Docentes; 2. A reunião será secretariada por um membro da estrutura de Subcoordenação /Equipa, definido em regimento interno;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

24

Regulamento Interno

3. A acta da reunião deverá ser entregue ao Director, num período máximo de 5 dias, após a realização da reunião, ficando a sua fotocópia arquivada no respectivo dossier de Departamento; 4. A convocatória da reunião em que deverão estar assinaladas as presenças será entregue até ao dia seguinte ao da realização da mesma, nos serviços administrativos da sede de Agrupamento, após o Director tomar conhecimento da mesma. Art.48º – Mandato do Subcoordenador/ Coordenador de Equipa Pedagógica 1. A duração do mandato do Subcoordenador do grupo, subgrupo ou área disciplinar é de quatro anos lectivos coincidentes com o mandato do Director. 2. A cessação do mandato de Subcoordenador do grupo, subgrupo, área disciplinar ou Equipa Pedagógica determina uma nova eleição. 3. O subcoordenador do grupo, subgrupo, área disciplinar ou Equipa Pedagógica substituto deverá exercer funções durante o tempo previsto para mandato do coordenador cessante. 4. A duração do mandato do Coordenador de Equipa Pedagógica é de um ano. Art.49º - Competências do Subcoordenador/ Coordenador de Equipa Pedagógica 1. Compete ao Subcoordenador de Departamento/ Coordenador de Equipa Pedagógica: a) Colaborar na construção e desenvolvimento do projecto educativo da escola; b) Assegurar a orientação e a coordenação pedagógica da actividade dos docentes do grupo disciplinar nomeadamente no que respeita a programas, metodologias, organização curricular e critérios de avaliação de alunos; c) Planificar com os docentes do grupo, subgrupo, área disciplinar ou equipa pedagógica no início do ano escolar, os trabalhos a realizar ao longo do ano escolar; d) Definir os conteúdos programáticos a tratar; e) Articular vertical e/ou horizontalmente os programas; f) Promover a troca de experiências e saberes e a cooperação entre os docentes do grupo, subgrupo ou área disciplinar;

g) Apoiar os docentes menos experientes; h) Estimular a criação de condições que favoreçam a formação contínua dos professores do grupo, subgrupo ou área disciplinar; i) j) Apresentar ao coordenador do Departamento Curricular a requisição do material didáctico necessário ao subdepartamento Curricular; Coadjuvar o Coordenador de Departamento/ Directores de Turma;

k) Elaborar um relatório anual de actividades do grupo disciplinar, o qual será entregue ao coordenador de departamento curricular/Directores de Turma, no prazo de trinta dias após o encerramento das actividades lectivas. 2. Compete ao coordenador de equipa pedagógica a) Elaborar uma análise do diagnóstico inicial e de progresso dos conhecimentos e das competências relativas às turmas de um mesmo ano de escolaridade. b) Reflectir sobre a abordagem metodológica aos programas, tendo em conta factores como as características dos alunos das turmas. c) Planificar a recuperação de aprendizagens e de conteúdos em atraso, tendo em vista o cumprimento de programas. d) Estabelecer critérios de actuação tanto quanto possível uniformes e assegurar a articulação das actividades desenvolvidas pelas turmas de um mesmo ano de escolaridade.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

25

Regulamento Interno

e) Assegurar o processo de constituição e atribuição de turmas. Secção II – Organização e Coordenação Pedagógica Das estruturas de coordenação das actividades das salas de actividades e das turmas Art.º50 - Organização das actividades das salas de actividades e das turmas 1. A organização, o acompanhamento e a avaliação das actividades a desenvolver com os alunos e a articulação entre a escola e as famílias é assegurada: a) Pelos educadores de infância, na educação pré-escolar; b) Pelos professores titulares de turma, no 1.º ciclo do ensino básico; c) Pela equipa pedagógica, no caso dos cursos de Educação e Formação; d) Pelo conselho de turma, nos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e secundário, com a seguinte constituição: - os professores da turma; - dois representantes dos pais e encarregados de educação; - um representante dos alunos, no caso do 3.º ciclo do ensino básico e secundário. 2. Aos educadores, professores titulares de turma e ao conselho de turma de 2º e 3º ciclos compete a elaboração do projecto curricular de turma, documento em que são definidas as estratégias de desenvolvimento das orientações curriculares ou do currículo nacional, estabelecendo as formas de organização e de condução do processo de ensino-aprendizagem de modo adequado aos alunos do grupo/turma turma. 3. À equipa pedagógica dos cursos de Educação e Formação compete realizar: a) Articulação interdisciplinar; b) A acção técnico-pedagógica dos docentes/formadores que a integram; c) Acompanhamento do percurso formativo dos alunos, promovendo o sucesso educativo e, através de um plano de transição para a vida activa, uma adequada transição para o mundo do trabalho ou para percursos subsequentes;

d) Propostas dos regulamentos específicos do estágio e da PAF, os quais deverão ser homologados pelos órgãos competentes da escola e integrados no respectivo regulamento interno; e) PAF; f) Plano de Turma; g) Regulamento de estágio. 4. No âmbito do processo de elaboração do projecto curricular de turma, ao educador, ao professor titular de turma e ao conselho de turma compete: a) Analisar a situação da turma e identificar características específicas dos alunos a ter em conta no processo de ensino e aprendizagem; b) Planificar o desenvolvimento das actividades a realizar com os alunos em contexto de sala de aula; c) Identificar diferentes ritmos de aprendizagem e Necessidades Educativas Especiais dos alunos, promovendo a articulação com os respectivos serviços especializados de apoio educativo, com vista a um melhor atendimento; d) Assegurar a adequação do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas; e) Adoptar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam as aprendizagens dos alunos;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

26

Regulamento Interno

f)

Propor, ao Director, a designação de professores tutores para acompanhamento em particular do processo educativo de um grupo de alunos;

g) Conceber e delinear actividades em complemento do currículo proposto; h) Preparar informação adequada a disponibilizar aos pais e encarregados de educação, relativa ao processo de aprendizagem e avaliação dos alunos; i) Promover e facilitar o relacionamento interpessoal no grupo-turma e no grupoescola, designadamente quanto aos critérios de avaliação, aprovados pelo Conselho Pedagógico no início de cada ano lectivo.

5. Aos educadores titulares de grupo e aos professores titulares de turma do 1º Ciclo compete ainda: a) Zelar pela supervisão pedagógica e acompanhamento da execução das actividades de animação e de apoio à família no âmbito da educação pré-escolar bem como de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico; b) Elaborar conjuntamente com os Serviços Especializados de Apoio Educativo e outros intervenientes no Programa Educativo dos alunos com NEE; c) Coordenar o Programa Educativo Individual dos alunos com NEE. 6. Por actividade de supervisão pedagógica deve entender-se a que é realizada no âmbito da componente não lectiva de estabelecimento do docente para o desenvolvimento dos seguintes aspectos: a) Programação das actividades; b) Acompanhamento das actividades através de reuniões com os respectivos dinamizadores; c) Avaliação da sua realização; d) Realização das actividades de apoio ao estudo; e) Reuniões com os encarregados de educação, nos termos legais. Art.51º - Composição do Conselho de Turma 1. O Conselho de Turma, nos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário, tem a seguinte composição: a) Professores da turma; b) Delegado dos alunos da turma: - no 2.º Ciclo, quando convocado; - no 3.º Ciclo e Ensino Secundário em todas as reuniões. c) Dois representantes dos pais e encarregados de educação dos alunos da turma. 2. Nas reuniões de Conselho de Turma destinadas à avaliação sumativa dos alunos apenas deverão participar os professores; 3. O Conselho de Turma disciplinar é presidido pelo Director de Turma e constituído pelos professores da turma/professor titular, pelo delegado dos alunos, apenas no 3º ciclo, e por dois representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma. 4. O Conselho de Turma dos Cursos de Educação e Formação é composto por todos os professores/formadores, Director de Curso e Director de Turma. Art.52º - Competências do Conselho de Turma, Equipa Pedagógica e dos professores titulares de turma Compete ao Conselho de Turma, Equipa Pedagógica e aos professores titulares de turma: 1. Organizar, acompanhar e avaliar as actividades a desenvolver com os alunos; 2. Articular as actividades dos professores da turma com as dos Departamentos Curriculares/conselho de docentes e das estruturas de subcoordenação, no que se

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

27

Regulamento Interno

refere ao planeamento e coordenação das actividades interdisciplinares a nível da turma; 3. Dar parecer sobre questões de natureza pedagógica e disciplinar que à turma digam respeito; 4. Analisar em colaboração com o conselho de directores de turma/conselho de docentes titulares de turma, os problemas de integração dos alunos e o relacionamento entre professores e alunos da turma; 5. Colaborar nas acções que favoreçam a inter-relação da escola com a comunidade; 6. Aprovar as propostas de avaliação do rendimento escolar apresentadas por cada professor da turma nas reuniões de avaliação, a realizar no final de cada período lectivo e de acordo com os critérios definidos pelo Conselho Pedagógico. 7. Decidir nos termos do nº 7 do artigo 27º da Lei nº3/2008 de 18 de Janeiro; 8. Analisar a situação da turma e identificar características específicas dos alunos a ter em conta no processo de ensino e aprendizagem; 9. Planificar o desenvolvimento das actividades a realizar com os alunos em contexto de sala de aula; 10. Identificar diferentes ritmos de aprendizagem e necessidades educativas especiais dos alunos, promovendo a articulação com os respectivos serviços especializados de apoio educativo, em ordem à sua superação; 11. Assegurar a adequação do currículo às características específicas dos alunos, estabelecendo prioridades, níveis de aprofundamento e sequências adequadas; 12. Adoptar estratégias de diferenciação pedagógica que favoreçam as aprendizagens dos alunos; 13. Conhecer e delinear actividades em complemento do currículo proposto; 14. Preparar informação adequada, a disponibilizar aos pais e encarregados de educação, relativa ao processo de aprendizagem e avaliação dos alunos; 15. Designar professores tutores para acompanhamento, em particular, do processo educativo de um grupo de alunos; 16. Elaborar o Projecto Curricular da Turma, no caso do ensino básico; 17. Elaborar o Plano de Actividades da Turma, no caso do Ensino Secundário; 18. Elaborar o Plano de Turma, no caso dos cursos de Educação e Formação. Art.53º - Coordenação 1. Para coordenar o trabalho do conselho de turma, o director designa um director de turma de entre os professores da mesma, sempre que possível pertencente ao quadro do respectivo agrupamento de escolas. 2. O Director de Turma é apoiado na sua função, por um docente designado como secretário, pelo Director. 3. O Conselho de Turma de natureza disciplinar é coordenado pelo Director. Art.54º - Funcionamento 1. O Conselho de Turma reúne no final de cada período para proceder à avaliação e classificação dos alunos; 2. O Conselho de Turma reúne no início do ano lectivo para articular as suas actividades. Reúne também a meio do 1º e 2º períodos para proceder a uma avaliação intermédia dos alunos. 3. O Conselho de Turma reúne extraordinariamente sempre que um motivo de natureza pedagógica ou disciplinar o justifique, sempre que seja convocado pelo director de

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

28

Regulamento Interno

turma, a requerimento de metade dos professores que o constituem ou por solicitação do Director. 4. Os professores são convocados para as reuniões de Conselho de Turma pelo Director da Escola através de convocatória e para as reuniões destinadas a avaliação por um calendário/convocatória, com a antecedência mínima de 48 horas. 5. Na ausência do secretário, caso não haja um voluntário, o Director nomeia outro docente para exercer essa função. No caso de ausência do director de turma, o Director decide quem preside à reunião. 6. Uma reunião de avaliação é adiada por um período máximo de 48h, caso um Professor falte por atestado médico de curta duração ou outro impedimento previsto na lei. Nas reuniões, de Conselho de Turma, de início de ano lectivo e reuniões intercalares o professor só pode justificar a falta com atestado médico. 7. Se um Professor apresentar atestado médico de longa duração, o qual deve incluir um período igual ou superior ao da interrupção lectiva, a reunião realizar-se-á. Para tal, o Docente em questão deve deixar os elementos de avaliação propostos em envelope fechado à guarda do Director, com a antecedência necessária à realização da reunião. 8. O calendário das reuniões deve permitir a presença dos Professores em todas as reuniões das turmas que leccionam. No caso do Professor da disciplina de Educação Moral Religiosa Católica não poder estar presente em todas as reuniões de avaliação este deve: a) Elaborar com os Coordenadores dos Directores de Turma um calendário das reuniões a que vai assistir; b) Fornecer com antecedência aos Directores de Turma os elementos para a avaliação dos alunos das turmas a cujas reuniões não possam assistir. c) Assinar as actas de todas as reuniões das turmas a que pertencem os seus Alunos. 9. O Conselho de Turma deve ser informado sobre as actividades previstas que impliquem a ausência dos Alunos nas actividades lectivas, de modo a que os Professores possam elaborar uma planificação e gerir eficazmente os seus programas. A realização efectiva daquelas actividades deve ser confirmada, com a antecedência de pelo menos duas semanas. O Plano de Actividades deve ser afixado na sala dos professores após aprovação do Conselho Pedagógico e apreciação do Conselho Geral. Art.55º - Conselhos de directores de turma São definidos os seguintes conselhos de directores de turma: a) Conselhos de directores de turmas de alunos do 2º, 3º ciclos e Ensino Secundário. Art.56º - Composição dos Conselhos de directores de turma 1. Constituem o conselho de directores de turma todos os directores de turma que coordenam os conselhos de turma existentes no 2º, 3º ciclos e Ensino Secundário. Art.57º - Competências dos Conselhos de directores de turma 1. Coordenar pedagogicamente os 2º, 3º ciclos e Ensino Secundário. 2. Promover iniciativas que ajudem a informar e orientar o prosseguimento de estudos dos alunos do 9º ano e Ensino Secundário. 3. Elaborar ou rever os respectivos regimentos internos, definindo as normas de funcionamento e organização desta estrutura de orientação educativa, nos 30 primeiros dias subsequentes ao início do mandato.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

29

Regulamento Interno

Art.58º - Competências do Director de Turma /Professor titular Compete ao Director de Turma / Professor titular: 1. Conhecer a legislação que regulamenta o exercício do cargo; 2. Colaborar com o encarregado de educação e com os professores da turma para o sucesso escolar do aluno; 3. Promover contactos com o encarregado de educação, com o objectivo de melhorar o aproveitamento e a integração do aluno; 4. Dar a conhecer ao encarregado de educação o regulamento interno, no sentido de promover a sua integração mais responsável na instituição escolar; 5. Dar a conhecer ao encarregado de educação os critérios de avaliação definidos pelo Conselho Pedagógico; 6. Alertar o encarregado de educação sempre que seja detectada qualquer situação irregular que afecte o aluno, nomeadamente faltas injustificadas, comportamentos desajustados e /ou falta de empenho nas actividades escolares; 7. Analisar com os alunos o respectivo regulamento interno, chamando a atenção para as regras de convivência na escola e motivando os alunos para uma participação activa e responsável; 8. Proceder à eleição do delegado e subdelegado da turma sensibilizando os alunos para a responsabilidade do cargo. A acta do processo de eleição ficará arquivada no dossier de turma; 9. Fazer a planta da sala de aula, procedendo aos ajustamentos propostos pelos professores da turma; 10. Recolher e registar dados sobre os alunos; 11. Arquivar documentos referentes à turma; 12. Fazer o registo respeitante à avaliação periódica dos alunos; 13. Receber os encarregados de educação em horário dado a conhecer no início do ano lectivo e fornecer-lhes informação actualizada sobre a integração do aluno, o aproveitamento e o comportamento escolares; 14. Conhecer individualmente os alunos a seu cargo, de modo a promover e acompanhar o seu desenvolvimento intelectual, afectivo, sócio-motor e psicomotor; 15. Procurar resolver os conflitos entre alunos, para que estes possam progredir no seu desenvolvimento social; 16. Colaborar nos projectos de orientação educativa elaborados pelo Conselho Pedagógico; 17. Organizar um dossier com todos os dados actualizados respeitantes à turma; 18. Assegurar a articulação entre os professores da turma, alunos e pais e encarregados de educação; 19. Promover a comunicação e formas de trabalho cooperativo entre professores e alunos; 20. Coordenar, em colaboração com os docentes da turma, a adequação de actividades, conteúdos, estratégias e métodos de trabalho à situação concreta do grupo e à especificidade de cada aluno; 21. Articular as actividades da turma com os pais e encarregados de educação promovendo a sua participação; 22. Coordenar o processo de avaliação dos alunos garantindo o seu carácter globalizante e integrador; 23. Aplicar as medidas disciplinares de advertência, repreensão e repreensão registada; 24. Acompanhar o aluno na execução da medida disciplinar a que foi sujeito, devendo articular a sua actuação com os pais e encarregados de educação e com os professores da turma;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

30

Regulamento Interno

25. Emitir parecer sobre a atribuição de subsídio a alunos carenciados; 26. Articular com os serviços de Acção Social Escolar formas de superar as dificuldades económicas condicionantes do rendimento escolar dos alunos. 27. Elaborar conjuntamente com o Departamento de Educação Especial e Serviços de Psicologia e Orientação e outros intervenientes o Programa Educativo dos alunos com NEE; 28. Coordenar o Programa Educativo Individual dos alunos com NEE. 29. Disponibilizar aos alunos e aos encarregados de educação os critérios gerais de avaliação aprovados pelo Conselho Pedagógico no início de cada ano lectivo e as aulas previstas em cada disciplina; 30. Coordenar os trabalhos dos docentes do conselho de turma, de forma a evitar a realização de dois elementos de avaliação sumativa no mesmo dia; 31. Recolher as declarações do conhecimento e aceitação do Regulamento Interno e de compromisso activo do seu cumprimento, nos termos da legislação em vigor; 32. Renovar a matrícula dos alunos da turma; 33. Apresentar, ao Director, o Projecto Curricular de Turma, no prazo de trinta dias após o início das actividades lectivas. 34. Apresentar, ao Director, o relatório da actividade de direcção de turma, no prazo de trinta dias após o termo das actividades lectivas. Art.59º - Competências do Director de Curso 1. Compete ao Director de Curso: a) Convocar as reuniões da equipa pedagógica; b) Coordenar essas reuniões; c) Estabelecer a articulação entre as diferentes componentes de formação e disciplinas; d) Articular tudo o que se relaciona com a preparação da prática em contexto de trabalho e com o plano de transição para a vida activa; e) Comunicar a gestão das horas em falta ao órgão de gestão. f) Articular com a direcção e com as estruturas de coordenação pedagógica e orientação educativa.

Art.60º - Competências do Acompanhante de Estágio 1. Compete ao Acompanhante de Estágio: a) Assegurar, em estreita articulação com o monitor da entidade enquadradora e com os profissionais de orientação, o acompanhamento técnico-pedagógico durante a formação em contexto de trabalho bem como a avaliação dos formandos. b) Assegurar a avaliação dos formandos em contexto de trabalho. Art.61º - Coordenação do Conselho de directores de turma /Professores titulares de turma
1.

O conselho de directores de turma é coordenado por um director de turma designado, pelo Director, de entre os directores de turma que integram os conselhos de directores de turma de cada ciclo (2º, 3º ciclos e Ensino Secundário) ou de entre os membros que integram o Conselho de docentes titulares da turma (1º ciclo). O mandato do coordenador de directores de turma é de 4 anos, coincidente com o mandato do Director.

2.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

31

Regulamento Interno

3.

Os coordenadores de directores de turma e de professores titulares de turma têm assento nas reuniões de Conselho Pedagógico, representando esta estrutura.

Art.62º- Conselhos de Directores de Turma e de professores e educadores titulares de turma 1. O Conselho de Directores de Turma é constituído por todos os Directores de Turma que coordenam os Conselhos de Turma existentes no Agrupamento. O Conselho de Professores titulares de Turma é constituído por todos os professores titulares de turma do 1º ciclo. São suas competências: a) Promover a execução das orientações do Conselho Pedagógico visando a formação de professores e a realização de acções que estimulem a interdisciplinaridade; b) Analisar as propostas dos Conselhos de Turma e submetê-las, através do Coordenador, à aprovação do Conselho Pedagógico; c) Propor e planificar formas de actuação junto dos Pais e Encarregados de Educação. d) Promover a interacção entre a escola e a comunidade. e) Reunir ordinariamente, no início do ano lectivo e pelo menos uma vez antes das reuniões de Conselhos de Turma, e extraordinariamente, sempre que necessário Secção III – Serviços Especializados de Apoio Educativo Art.63º – Serviços Especializados de Apoio Educativo 1. Os Serviços Especializados de Apoio Educativo destinam-se a promover a existência de condições que assegurem a plena integração escolar dos alunos, devendo conjugar a sua actividade com a actividade das estruturas de orientação educativa. A atenção às diferenças individuais e ao contexto de aprendizagem implica uma flexibilização de organização escolar, das estratégias de ensino, da gestão de recursos e do currículo, de forma a proporcionar o desenvolvimento maximizado de todos de acordo com as características de cada um. 2. Os Serviços Especializados de Apoio funcionam nas escolas do agrupamento. 3. Constituem serviços especializados de apoio educativo os seguintes: a) Docentes de Educação Especial; b) Docentes de Apoio Educativo; c) Serviço de Psicologia e Orientação (Se vier a existir no agrupamento). Art.64º – Funcionamento e Composição 1. Os Serviços Especializados de Apoio funcionam numa sala própria apenas na escolasede. 2. Os Serviços Especializados de Apoio Especializado são constituídos por docentes colocados nos Grupos 910, 920, 930, professores de Apoio Educativo do Grupo 100,do Agrupamento e Psicólogo quando for colocado. 3. Os Serviços Especializados de Apoio reúnem ordinariamente no início do ano lectivo e após cada Conselho Pedagógico. Reúnem extraordinariamente a requerimento de 2/3 dos seus membros e por convocatória do seu representante ou do Director. Os assuntos tratados serão registados em acta própria.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

32

Regulamento Interno

Art.65º - Competências 1. Aos Serviços Especializados de Apoio Educativo compete: a) Colaborar com os órgãos de gestão e de coordenação pedagógica do agrupamento na detecção de necessidades educativas especiais e na organização e incremento dos apoios educativos adequados; b) Contribuir activamente para a diversificação de estratégias e métodos educativos de forma a promover o desenvolvimento e a aprendizagem dos alunos do agrupamento; c) Colaborar com os órgãos de gestão e de coordenação pedagógica do agrupamento e com os professores na gestão dos currículos e na sua adequação às capacidades e aos interesses dos alunos bem como às realidades locais; d) Colaborar no desenvolvimento das medidas educativas previstas na Lei, relativas a alunos com necessidades educativas especiais; e) Apoiar os alunos e respectivos professores/educadores no âmbito da sua área e da sua especialidade, nos termos definidos nos Programas Educativos Individuais dos alunos, garantindo a sua constante avaliação e adequação; f) Participar na melhoria das condições e do ambiente educativo da escola numa perspectiva de fomento da qualidade e da inovação educativa.

g) Apoiar os docentes/educadores na diversificação das práticas pedagógicas e no desenvolvimento de metodologias e estratégias que facilitem a gestão de grupos. h) Colaborar com os docentes/educadores na planificação de trabalho a realizar com o grupo turma tendo em conta os percursos individuais dos alunos. i) j) Colaborar na organização características da turma. curricular com a flexibilidade necessária às

Colaborar com os docentes/educadores da turma na construção e avaliação de programas individuais. Enquadrar o auxiliar de acção educativa no trabalho a desenvolver com a turma em que existem alunos com NEE.

k) Colaborar e participar no trabalho com os pais e encarregados de educação. l)

m) Implicar o auxiliar de acção educativa no trabalho de planificação/avaliação que se vai desenvolvendo de modo a que lhe seja possível sentir-se envolvido e comprometido. n) Elaborar, conjuntamente com o serviço de psicologia e outros serviços necessários, Centro de Saúde, Centro de Recursos e outros, um relatório técnicopedagógico de identificação das razões que determinam as necessidades educativas especiais do aluno e a sua tipologia, designadamente as condições de saúde, doença ou incapacidade, assim como os resultados decorrentes da avaliação obtidos por referência à Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde que servirá de base ao Programa Educativo Individual de cada aluno. o) Elaborar, conjuntamente com o docente do grupo ou turma, director de turma, encarregados de educação e outros serviços se necessário, os Programas Educativos Individuais dos alunos com necessidades educativas especiais; p) Apoiar a utilização de materiais didácticos adaptados e tecnologias de apoio; q) Elaborar, conjuntamente com o docente do grupo ou turma, director de turma, serviço de psicologia e orientação e outros técnicos que acompanham o processo educativo do aluno, um relatório no final do ano lectivo que explicite os resultados obtidos pelo aluno, grau de eficácia das medidas estabelecidas e as propostas de alteração ao Programa Educativo Individual, caso se verifique esta necessidade; r) Constituir uma equipa de avaliação especializada para o diagnóstico e despiste das necessidades educativas especiais;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

33

Regulamento Interno

s) Elaborar em articulação com os Órgãos de Gestão, o serviço de psicologia e orientação, os docentes de grupo ou turma, director de turma e a família, o Plano Individual de Transição, definindo as propostas de encaminhamento e acompanhando a transição dos alunos com necessidades educativas especiais; t) Elaborar o seu regimento interno.

Art.66º-Serviço de Psicologia e Orientação 1. O Serviço de Psicologia e Orientação desenvolve a sua actividade nos termos da legislação em vigor. 2. O Serviço de Psicologia e Orientação é constituído pelos psicólogos, técnicos de serviço social e professores conselheiros de orientação, colocados nos estabelecimentos de educação e de ensino que integram o Agrupamento. Art.67º-Competências dos Serviços de Psicologia e Orientação 1. Compete aos Serviços de Psicologia e Orientação, de um modo geral, assegurar, na prossecução das suas atribuições, o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo do processo educativo, bem como o apoio ao desenvolvimento do sistema de relações interpessoais, no interior dos estabelecimentos que integram o Agrupamento e entre estes e a comunidade. 2. Em particular, compete aos Serviços de Psicologia e Orientação: a) Contribuir para o desenvolvimento integral das crianças e dos alunos e para a construção da sua identidade pessoal; b) Apoiar os alunos no seu processo de aprendizagem e de integração no sistema de relações interpessoais da comunidade escolar; c) Dar parecer, sempre que este seja solicitado, sobre as retenções repetidas; d) Prestar apoio de natureza psicológica e psico-pedagógica a alunos, professores, pais e encarregados de educação, no contexto das actividades educativas, tendo em vista o sucesso escolar, a efectiva igualdade de oportunidades e a adequação das respostas educativas; e) Assegurar, em colaboração com outros serviços competentes, designadamente com o Núcleo de Educação Especial, a detecção de alunos com Necessidades Educativas Especiais, a avaliação da sua situação e o estudo das intervenções adequadas; f) Colaborar na elaboração do Programa Educativo Individual do aluno com Necessidades Educativas Especiais.

g) Colaborar na identificação e prevenção de situações problemáticas de alunos e na elaboração de planos de acompanhamento para estes envolvendo a comunidade educativa; h) Contribuir, em conjunto com as actividades desenvolvidas no âmbito das áreas curriculares, das actividades de enriquecimento curricular e das outras componentes educativas não escolares, para a identificação dos interesses e aptidões dos alunos, de acordo com o seu desenvolvimento global e nível etário; i) Promover actividades específicas de informação escolar e profissional susceptíveis de ajudar os alunos a situarem-se perante as oportunidades disponíveis, tanto no domínio dos estudos e formações, como no das actividades profissionais, favorecendo a indispensável articulação entre a escola e o mundo do trabalho; Desenvolver acções de aconselhamento psicossocial e vocacional dos alunos, apoiando o processo de escolha e o planeamento de carreiras;

j)

k) Colaborar em experiências pedagógicas e em acções de formação de professores, bem como realizar e promover a investigação nas áreas da sua especialidade; l) Elaborar um relatório anual de actividades, no prazo de vinte dias após o encerramento das actividades lectivas.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

34

Regulamento Interno

Art.68º - Funcionamento dos Serviços de Psicologia e Orientação 1. No respeito pelas normas legais aplicáveis e de acordo com o Projecto Educativo do Agrupamento, compete ao Director, ouvido o Conselho Pedagógico, definir as regras gerais de funcionamento dos Serviços de Psicologia e Orientação. 2. Os Serviços de Psicologia e Orientação desenvolvem a sua actividade de forma integrada, articulando-se, entre outros, com os serviços locais de apoio psicossocial, com os serviços locais de educação especial e com os serviços de saúde escolar. Secção IV – Outras Coordenações Art.69º- Núcleo de apoio informático 1. O Núcleo de apoio informático é a estrutura de coordenação para as Tecnologias de Informação e Comunicação (adiante designadas TIC), desenvolvendo a sua actividade no quadro das finalidades e objectivos definidos no Projecto Educativo do Agrupamento. 2. O Núcleo de Apoio Informático é coordenado pelo Coordenador TIC. 3. O Coordenador TIC é designado pelo Director, de entre os docentes do Agrupamento, de acordo com as orientações expressas na legislação em vigor. 4. De acordo com o definido na lei, o Coordenador TIC poderá ser apoiado por uma equipa de apoio técnico-pedagógico composta por professores do Agrupamento, de reconhecida competência na área das TIC. 5. A referida equipa será nomeada pelo Director sob proposta do coordenador TIC. 6. O Director estabelece anualmente um crédito horário ao Coordenador TIC de acordo com o estabelecido na legislação em vigor. 7. O mandato do Coordenador TIC é de 4 anos. 8. Na impossibilidade do coordenador cumprir o seu mandato, o Director designará novo coordenador que completará o mandato interrompido. Art.70º - Competências do Núcleo de apoio informático e do Coordenador TIC 1. Ao Núcleo de Apoio Informático compete: a) Zelar pelo bom funcionamento da rede do Agrupamento e dos equipamentos informáticos, para que os mesmos sejam rentabilizados o mais possível durante o seu período de vida útil; b) Promover a troca de experiências e a cooperação entre todos os docentes que integram o Núcleo; c) Promover a articulação com outras estruturas ou serviços do Agrupamento; d) Cooperar na elaboração, desenvolvimento e avaliação dos instrumentos de autonomia do Agrupamento; e) Promover a realização de actividades de investigação, reflexão e estudo, visando a melhoria da qualidade das práticas educativas; f) Recolher informação sobre as inovações no âmbito das tecnologias de informação e comunicação;

g) Apresentar propostas ao Director no âmbito da utilização das tecnologias da informação e da comunicação, nomeadamente no domínio da política de aquisição de equipamentos; h) Colaborar com os órgãos e estruturas do Agrupamento, nomeadamente, Biblioteca Escolar e Centro de Recursos e Serviços de Psicologia e Orientação; i) Zelar pela manutenção da plataforma Moodle do Agrupamento;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

35

Regulamento Interno

j)

Elaborar o inventário dos equipamentos;

k) Elaborar um relatório anual de actividades, no prazo de vinte dias após o encerramento das actividades lectivas. 2. Compete ao coordenador TIC o desempenho de funções ao nível pedagógico e ao nível técnico: a) Funções pedagógicas: I. Elaborar no Agrupamento um plano de acção para as TIC (plano TIC) que visa promover a integração da utilização das TIC nas actividades lectivas e não lectivas, rentabilizando os meios informáticos disponíveis e generalizando a sua utilização a todos os elementos da comunidade educativa; II. Colaborar no levantamento de necessidades de formação em TIC dos professores do Agrupamento; III. Identificar as suas necessidades de formação, disponibilizando-se para frequentar as acções desenvolvidas; IV. Elaborar, no final de cada ano lectivo, e em conjunto com os parceiros envolvidos, o balanço e a avaliação dos resultados obtidos, a apresentar aos órgãos de administração e gestão do Agrupamento e à Direcção Regional de Educação do Norte. b) Funções técnicas: I. Zelar pelo funcionamento dos computadores e das redes no Agrupamento e em especial nas salas TIC; II. Usar o serviço do centro de apoio TIC às escolas de forma sistemática para os problemas de ordem técnica; III. Ser o interlocutor, dentro dos Serviços centrais e regionais de educação, para todas as questões relacionadas com os equipamentos, redes e conectividade, estando disponível para receber a formação necessária proposta por aqueles serviços; IV. Articular procedimentos com os técnicos da Câmara Municipal que apoiam o 1º ciclo do ensino básico; V. Articular procedimentos com as empresas que, eventualmente, prestem serviço de manutenção ao equipamento informático. Art.71º- Funcionamento do Núcleo de Apoio Informático No respeito pelas normas legais aplicáveis e de acordo com o Projecto Educativo do Agrupamento, compete ao Coordenador TIC e à equipa de apoio técnico-pedagógico, ouvido o Director, definir as regras gerais de funcionamento do Núcleo de Apoio Informático. Art.72º - Coordenação para a Saúde em Meio Escolar O Director designará um docente do 2º ou 3º ciclo do Ensino Básico para exercer as funções de Coordenador de Saúde, tendo em conta a sua formação bem como a experiência no desenvolvimento de projectos e /ou actividades no âmbito da educação para a saúde. O Director pode atribuir ao Coordenador de Saúde, um crédito de 3h de redução da Componente Lectiva. Art.73º - Competências do Coordenador para a Saúde em Meio Escolar 1. Colaborar com os órgãos de gestão no sentido de criar actividades/ situações potencialmente integradoras dos vários saberes e temáticas da saúde, referindo qual o contributo que as diferentes disciplinas podem dar para a dinâmica da Educação para a Saúde.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

36

Regulamento Interno

2. Promover estilos de vida saudável, pelas suas repercussões nos ganhos de saúde e desenvolvimento de competências para o exercício da cidadania. 3. Mobilizar a participação da comunidade nos projectos do PES, envolvendo os docentes, funcionários, alunos, encarregados de educação, serviços de saúde e parceiros sociais. 4. Dinamizar, no âmbito do Plano Anual de Actividades, iniciativas nas diferentes áreas: alimentação e actividade física; consumo de substâncias psicoactivas, sexualidade e doenças sexualmente transmissíveis; saúde mental e violência em meio escolar. 5. Cooperar com outras entidades para a promoção da saúde escolar, nomeadamente: Centro de Saúde, Câmara Municipal, Estabelecimentos de Ensino Superior, etc. 6. Coordenar actividades envolvendo os diferentes graus de ensino do AVER. 7. Orientar os projectos ligados à Saúde a concretizar em Formação Cívica e Área de Projecto. 8. Actualizar a plataforma Moodle e o Jornal de Parede. 9. Organizar os dossiers temáticos do PES. Secção V – Serviços técnico-pedagógicos Art.º74 - Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos 1. A Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos, adiante designado por BECRE, constitui um espaço de encontro e partilha de aprendizagens e saberes, de pesquisa, gestão e disponibilização de informação, de criatividade e de satisfação da curiosidade natural dos alunos, desenvolvendo a sua actividade no quadro das finalidades e objectivos definidos no Projecto Educativo do Agrupamento. 2. A Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos é uma estrutura que gere recursos educativos directamente ligados às actividades quotidianas de ensino e às actividades curriculares lectivas ou não lectivas ou de ocupação de tempos livres. Art.º75 - Competências da Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos À Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos compete: 1. Contribuir para a consecução dos objectivos do Agrupamento, disponibilizando recursos que favoreçam percursos escolares sequenciais e articulados; 2. Agilizar a troca de informações indispensável neste contexto; 3. Promover a divulgação, em tempo útil, através de mecanismos flexíveis, da informação disponível, quer relativamente às realizações das escolas do Agrupamento, quer em relação aos contactos com outras instituições, contando para esse efeito com meios de comunicação disponíveis, nomeadamente a Internet; 4. Garantir um contacto estreito e regular com a estrutura de Coordenação dos Directores de Turma, de modo a responder às exigências colocadas pelos projectos curriculares das turmas ou decorrentes das várias disciplinas ou áreas não disciplinares; 5. Ampliar o núcleo documental existente, em função das actividades do Agrupamento e das necessidades de formação dos seus docentes, em estreita cooperação com o Centro de Formação de Professores; 6. Ajustar a política de aquisição de documentação, em função da nova realidade existente e das necessidades dos estabelecimentos que integram o Agrupamento; 7. Promover iniciativas conjuntas entre os vários estabelecimentos e estruturas do Agrupamento, assegurando a sua divulgação junto dos elementos da comunidade educativa; 8. Integrar, no espólio da BECRE, os trabalhos relevantes produzidos pelos alunos e restantes membros da comunidade educativa;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

37

Regulamento Interno

9. Privilegiar a formação no âmbito das novas tecnologias, promovendo a aquisição de novas competências, essenciais quer a nível do ensino, quer a nível profissional; 10. Informatizar o núcleo documental, de modo a garantir um acesso rápido à informação; 11. Colaborar na criação de uma rede informática que abranja os diferentes estabelecimentos e estruturas do Agrupamento; 12. Assegurar uma gestão integrada dos espaços da BECRE e das salas de informática, de modo a potencializar a utilização dos recursos existentes; 13. Criar um espaço de acesso livre aos alunos, facilitador das aprendizagens, que congregue os materiais educativos que se encontram dispersos e/ou concentre a informação sobre a sua localização. Art.º76- Funcionamento da Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos 1. O uso dos espaços que lhes estão afectos, bem como dos restantes recursos que gere, deve respeitar a natureza e funções dos mesmos. 2. A Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos deve promover a cooperação com os docentes dos diferentes departamentos e conselhos, com os encarregados de educação, com a comunidade local e com a Biblioteca Municipal ou outras. 3. A Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos deverá ser gerida de acordo com as orientações nacionais e internacionais definidas para esta área e em conformidade com as suas normas internas. 4. O Director, o Conselho Administrativo e a Equipa responsável pela BECRE devem, ouvido o Conselho Pedagógico, definir e rever anualmente uma política de aquisições (de documentos e equipamentos) que vá ao encontro dos princípios definidos pela UNESCO, pela Rede de Bibliotecas Escolares e por outros organismos/documentos de referência neste domínio, e que oriente o plano anual de aquisições. 5. A Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos é dirigida por um coordenador que exercerá as suas funções em articulação com o Director, que o nomeia. 6. O Coordenador da Biblioteca deve ser um elemento do corpo docente que seja titular do quadro de escola, que tenha formação especializada na área e que possua os demais requisitos conforme o disposto pelos serviços competentes do Ministério da Educação. 7. O Coordenador deverá ser nomeado para o cargo por um período de quatro anos. 8. A atribuição do crédito horário do professor coordenador da BECRE processa-se nos termos da Lei, respeitando as orientações emanadas dos serviços do Ministério da Educação. 9. O coordenador é apoiado por uma equipa constituída por elementos do corpo docente, tão adequada quanto possível, pelos auxiliares de acção educativa que desenvolvem o seu trabalho nestes serviços, podendo contar ainda com a colaboração de outros membros da comunidade escolar. 10. A Biblioteca disponibiliza serviços de aprendizagem e recursos que permitam aos utilizadores tornarem-se pensadores críticos e usarem efectivamente a informação em suportes variados, sendo os domínios de utilização mais importantes os seguintes: a) A leitura lúdica ou orientada, com a criação e desenvolvimento do gosto pela leitura; b) O desenvolvimento de competências relacionadas com as TIC e com o uso da Internet; c) A promoção cultural; d) A ocupação dos tempos livres dos alunos; e) O apoio institucional e pedagógico à Escola e ao Agrupamento de Escolas e ao processo ensino-aprendizagem.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

38

Regulamento Interno

11. O Plano de Acção da BECRE é definido tendo em conta as orientações do Projecto Educativo, tendo como objectivo cooperar no desenvolvimento das competências definidas no currículo escolar. 12. A Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Educativos tem um Regimento próprio que define as suas regras de funcionamento e as orientações para os utilizadores, aprovado pelos órgãos de gestão do Agrupamento sob proposta do Coordenador, acessível a toda a comunidade educativa e que pode ser revisto anualmente. 13. Sempre que for necessário alterar o regimento, será apresentada pelo Coordenador nova proposta aos órgãos de gestão do Agrupamento, que deliberarão sobre o assunto. 14. O Coordenador apresenta, até ao final do mês de Junho, relatórios anuais de actividade ao Conselho Pedagógico, para apreciação e fundamentação de propostas para o ano lectivo seguinte. Secção VI - Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna Art.º77 -Objectivos A Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna é parte integrante do Agrupamento no sentido de acompanhar eficazmente o Projecto Educativo do Agrupamento, na perspectiva de promoção da qualidade educativa. Caracteriza-se pela idoneidade, competência, isenção, responsabilidade e autonomia. Art.º78-Composição A Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna é nomeada pelo Director. Esta Comissão integra docentes dos vários ciclos, desde o pré-escolar até ao Ensino Secundário. É constituída por elementos de diferentes Departamentos/Grupo disciplinares, um elemento do pessoal não docente e um elemento da Associação de Pais/Encarregados de Educação, um elemento do Município e um elemento externo. Artº79-Designação O Coordenador e o Subcoordenador são designados pelo Director, de entre os professores nomeados para a Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna. Artº80-Mandato 1. O mandato de representação da Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna é de quatro anos. 2. O mandato de Coordenador e Subcoordenador da Comissão tem a duração de quatro anos, podendo todavia, cessar a todo o momento, por decisão do Director, ouvido o Conselho Pedagógico, a pedido do interessado, ou mediante proposta fundamentada de dois terços dos membros da Comissão. Artº81 -Competências 1. Compete à Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna: a) Acompanhar o Projecto Educativo de Agrupamento; b) Avaliar a operacionalização das prioridades de desenvolvimento pedagógico; c) Propor, sempre que necessário, aspectos a melhorar no Projecto Educativo de Agrupamento; d) Avaliar o desempenho das diferentes Estruturas de Orientação Educativa, dando continuidade ao trabalho desenvolvido pelas anteriores comissões;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

39

Regulamento Interno

e) Elaborar o Plano de Actividades da Comissão; f) Construir materiais de trabalho para acompanhar o Projecto Educativo de Agrupamento;

g) Elaborar o relatório das actividades desenvolvidas ao longo do ano lectivo; h) Divulgar, atempadamente, o relatório das actividades no Conselho Pedagógico e Conselho Geral. Art.º82- Regime de funcionamento 1. A Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna reunirá ordinariamente, convocada pelo seu Coordenador. 2. A Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna reunirá extraordinariamente, sempre que seja convocada pelo seu Coordenador, por sua iniciativa, a requerimento de um terço dos respectivos membros, ou solicitado pelo Conselho Geral, Director ou Conselho Pedagógico. 3. O Coordenador, Subcoordenador e docentes da Comissão marcarão no seu horário dois tempos da componente não lectiva, comunicando ao Director o respectivo horário. Art.º83- Regimento Compete à Comissão de Acompanhamento e Avaliação Interna aprovar ou rever o seu regime de funcionamento nos trinta dias subsequentes à primeira reunião de cada ano lectivo. Capítulo V – Gestão do Crédito Global Art.º84 - Gestão do Crédito Global 1. As reduções da componente lectiva, inerentes aos diferentes cargos são definidas pelo Conselho Pedagógico, na última reunião de cada ano lectivo. 2. As reduções da componente lectiva dos docentes respeitarão a legislação em vigor. Capítulo VI- Comunidade Escolar Secção I – Alunos Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento, pela componente obrigacional inerente aos direitos que lhe são conferidos no âmbito do sistema educativo, bem como por contribuírem para garantir aos demais membros da comunidade educativa e da escola os mesmos direitos que a si próprio são conferidos, em especial respeitando activamente o exercício pelos demais alunos do direito à educação. Art.º85- Condições de matrícula dos alunos do ensino básico 1. Distribuição das crianças e dos alunos por agrupamentos de escolas ou escolas e estabelecimentos de ensino pré -escolar não agrupados: 1.1. No acto de matrícula ou de renovação de matrícula, o aluno ou o encarregado de educação deve indicar, por ordem de preferência e sempre que o número de estabelecimentos de educação pré – escolar ou de ensino existentes na área o permita, cinco estabelecimentos cuja frequência é pretendida, devendo a mesma subordinar -se:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

40

Regulamento Interno

a) No caso do ensino básico, aos agrupamentos de escolas ou estabelecimentos de educação ou de ensino não agrupados em cuja área de influência se situe a residência ou a actividade profissional dos pais ou encarregados de educação, ou ainda ao percurso sequencial do aluno, com excepção das situações previstas para o ensino básico nas alíneas a), c) e e) do n.º 3.2; 1.2. No ensino básico, as vagas existentes em cada escola ou agrupamento de escolas para matrícula ou renovação de matrícula são preenchidas dando -se prioridade, sucessivamente, aos alunos: a) Com necessidades educativas especiais de carácter permanente e que exijam condições de acessibilidade específicas ou respostas diferenciadas no âmbito das modalidades específicas de educação, conforme o previsto nos nºs 4, 5, 6 e 7 do artigo 19.º do Decreto -Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro; b) Com necessidades educativas especiais de carácter permanente não abrangidos nas condições referidas na alínea anterior; c) Com irmãos já matriculados no ensino básico no estabelecimento de ensino; d) Cujos pais ou encarregados de educação residam ou desenvolvam a sua actividade profissional, comprovadamente, na área de influência do estabelecimento de ensino; e) Que frequentaram, no ano lectivo anterior, a educação pré – escolar ou o ensino básico no mesmo estabelecimento; f) Que frequentaram, no ano lectivo anterior, a educação pré – escolar ou o ensino básico em outro estabelecimento do mesmo agrupamento de escolas;

g) Mais velhos, no caso de matrícula, e mais novos, quando se trate de renovação de matrícula, à excepção de alunos em situação de retenção que já iniciaram o ciclo de estudos no estabelecimento de ensino; h) Que completem os seis anos de idade entre 16 de Setembro e 31 de Dezembro, tendo prioridade os alunos mais velhos, sendo que as crianças nestas condições poderão obter vaga até 31 de Dezembro do ano correspondente. Art.º86- Direitos dos Alunos O aluno tem direito a: a) Usufruir do ensino e de uma educação de qualidade de acordo com o previsto na lei, em condições de efectiva igualdade de oportunidades no acesso, de forma a propiciar a realização de aprendizagens bem sucedidas; b) Usufruir do ambiente e do projecto educativo que proporcionem as condições para o seu pleno desenvolvimento físico, intelectual, moral, cultural e cívico, para a formação da sua personalidade e da sua capacidade de autoaprendizagem e de crítica consciente sobre os valores, o conhecimento e a estética; c) Ver reconhecido o empenhamento em acções meritórias em favor da comunidade em que está inserido ou da sociedade em geral, praticadas na escola ou fora dela, e ser estimulado nesse sentido; d) Usufruir de um horário escolar adequado ao ano frequentado, bem como de uma planificação equilibrada das actividades curriculares e extracurriculares, nomeadamente as que contribuem para o desenvolvimento cultural da comunidade; e) Beneficiar, no âmbito dos serviços de acção social escolar, de apoios concretos que lhe permitam superar ou compensar as carências do tipo sócio-familiar, económico ou cultural que dificultem o acesso à escola ou o processo de aprendizagem; f) Beneficiar de outros apoios específicos, necessários às suas necessidades escolares ou às suas aprendizagens através dos serviços de psicologia e

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

41

Regulamento Interno

orientação escolar ou de outros serviços especializados de apoio educativo, desde que a escola os possua; g) Ser tratado com respeito e correcção por qualquer membro da comunidade educativa; h) Ver salvaguardada a sua segurança na escola e respeitada a sua integridade física e moral; i) j) Ser assistido, de forma pronta e adequada, em caso de acidente ou doença súbita ocorrido ou manifestada no decorrer das actividades escolares; Ver garantida a confidencialidade dos elementos e informações constantes do seu processo individual de natureza pessoal ou familiar;

k) Participar, através dos seus representantes, nos termos da lei, nos órgãos de administração e gestão de escola, na criação e execução do respectivo projecto educativo, bem como na elaboração do Regulamento Interno; l) Eleger e ser eleito para órgãos, cargos e demais funções de representação no âmbito da escola, nos termos da legislação em vigor e do Regulamento Interno da escola;

m) Apresentar críticas e sugestões relativas ao funcionamento da escola e ser ouvido pelos professores, directores de turma e órgãos de administração e gestão da escola em todos os assuntos que justificadamente forem do seu interesse; n) Organizar e participar em iniciativas que promovam a sua formação e ocupação de tempos livres; o) Participar na elaboração do regulamento interno da escola, conhecê-lo e ser informado, em termos adequados à sua idade e ao ano frequentado, sobre todos os assuntos que justificadamente sejam do seu interesse, nomeadamente sobre o programa e objectivos essenciais de cada disciplina ou área disciplinar, e os processos e critérios de avaliação, bem como sobre a matrícula, abono de família e apoios socioeducativos, normas de utilização e segurança dos materiais e equipamentos e das instalações, incluindo o plano de emergência e, em geral, sobre todas as actividades e iniciativas relativas ao projecto educativo de escola; p) Participar nas demais actividades da escola, nos termos da lei e do respectivo Regulamento Interno; q) Participar no processo de avaliação, nomeadamente através dos mecanismos de auto e heteroavaliação; r) t) A realização sempre que possível não mais de uma ficha de avaliação por dia; Dispor de salas destinadas a aulas, apoio pedagógico acrescido, apoio a alunos com necessidades educativas especiais, ou complemento curricular, com as devidas condições, nomeadamente acústicas, luminosas, térmicas e em completo estado de arrumação e limpeza; s) Utilizar as instalações a si destinadas e outras com a devida autorização;

u) Dispor de uma sala ampla ou área coberta para convívio e recreio; v) Dispor de um expositor, colocado em local apropriado, para afixação de documentação informativa; w) Receber os elementos que lhe permitam fazer durante o ano uma autoavaliação e de participar na análise dos elementos de avaliação; x) Se necessário, usufruir de uma tolerância de 10 minutos ao primeiro tempo da manhã e da tarde; y) Fazer-se representar pelo delegado de turma em assembleia de delegados de turma uma vez por período ou por convocatória do Director, assim como no Conselho Geral tal como está contemplado no seu regimento interno.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

42

Regulamento Interno

Art.º87 -Representação dos alunos 1. Os alunos podem reunir-se em assembleia de alunos, ou assembleia-geral de alunos e são representados pelo delegado ou subdelegado de turma e pela assembleia de delegados de turma. 2. O delegado e o subdelegado de turma têm o direito de solicitar a realização de reuniões da turma para apreciação de matérias relacionadas com o funcionamento da turma, sem prejuízo do cumprimento das actividades lectivas. 3. Por iniciativa dos alunos ou por sua própria iniciativa, o director de turma ou o professor titular de turma pode solicitar a participação dos representantes dos pais e encarregados de educação dos alunos da turma na reunião referida no número anterior. 4. As reuniões de turma são moderadas pelo professor titular de turma ou pelo director de turma, sendo precedidas de debate preparatório para determinação das matérias a abordar. Art.º88- Delegado e subdelegado de turma 1. Os alunos têm direito a ser representados pelo delegado e subdelegado da respectiva turma. 2. Ao exercício de funções de delegado ou de subdelegado de turma devem estar associadas as seguintes características: a) Sentido de responsabilidade; b) Sentido crítico; c) Autonomia; d) Capacidade de ouvir os outros; e) Capacidade de comunicação das suas opiniões e das opiniões dos colegas da turma; f) Capacidade de bom relacionamento com os colegas da turma e com os adultos. 3. Ao delegado de turma compete: a) Representar os alunos da turma nos órgãos e nas estruturas em que participe; b) Comunicar ao professor titular de turma ou ao director de turma as opiniões dos colegas sobre assuntos relevantes relacionados com a vida da turma; c) Colaborar com o professor titular de turma ou com o director de turma na análise e resolução de eventuais situações problemáticas verificadas na turma; d) Transmitir informações à turma; e) Colaborar com os professores da turma na realização de pequenas tarefas que promovam o bom funcionamento das aulas e das demais actividades educativas; f) Ajudar e aconselhar os colegas sempre que estes o solicitem.

Art.º89 - Reconhecimento e valorização de comportamentos meritórios O reconhecimento e a valorização de comportamentos meritórios no âmbito da dedicação e do esforço no trabalho e no desempenho escolar assim como o empenho em acções meritórias, em favor da comunidade em que o aluno está inserido ou da sociedade em geral, praticadas na escola ou fora dela serão patenteados nos Quadros de Valor e Excelência, nos termos da legislação em vigor. Art.º90- Quadro de Valor 1. O quadro de valor reconhece os alunos que revelam grandes capacidades ou atitudes exemplares de superação das dificuldades ou que desenvolvem iniciativas ou acções,

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

43

Regulamento Interno

igualmente exemplares, de benefício claramente social ou comunitário ou de expressão de solidariedade, na escola ou fora dela. 2. Do quadro de valor farão parte, em qualquer momento do ano lectivo, nomes de alunos ou grupos de alunos que se evidenciem em acções de carácter social ou comunitário que dignifiquem o indivíduo ou o Agrupamento. 3. Cada distinção terá a duração de um ano lectivo, a não ser que a acção que o motive se repita durante aquele período. 4. A inclusão no quadro de valor será proposta pelo conselho de turma ou pelo professor titular de turma, ouvido o coordenador de estabelecimento e/ou director, a quem cabe elaborar a respectiva fundamentação.

5. Face à fundamentação apresentada, o Conselho Pedagógico decidirá pelo reconhecimento do mérito ou pela não inclusão do aluno no quadro de valor. O Conselho Pedagógico, se assim o entender, pode solicitar esclarecimentos adicionais para melhor fundamentar a sua decisão. As decisões serão registadas na acta da reunião. 6. Poderão ser incluídas acções, como por exemplo: a) Salvamento de vidas humanas, quando envolva um acto heróico. b) Ser vencedor ou ter participação brilhante em provas regionais, nacionais ou internacionais, quer de âmbito desportivo quer cultural ou em representação do Agrupamento, tais como Desporto Escolar, Olimpíadas da Matemática, Olimpíadas da Física, Jogo do 24, Concurso Nacional de Leitura e outros. Art.º91 - Quadro de Excelência O quadro de excelência reconhece os alunos que revelem excelentes resultados escolares e produzam trabalhos académicos ou realizem actividades de excelente qualidade, quer no domínio curricular, quer no domínio dos complementos curriculares. 1. Do quadro de excelência farão parte, no final de cada ano, nomes de alunos que apresentem excelentes resultados escolares, propostos pelo Conselho de Turma ou pelo professor titular de turma, ouvido o respectivo conselho de ano, e aprovados pelo Conselho Pedagógico. 2. No 1.º ciclo, a condição de candidatura ao quadro de excelência é a apreciação de Muito Bom em todos os parâmetros definidos nos respectivos critérios de avaliação. 3. No 2.º e 3.º ciclo, a condição de candidatura ao quadro de excelência é a obtenção de uma média geral de nível cinco (5) e a menção de Satisfaz Bem em todas as áreas curriculares não disciplinares, não podendo o candidato ter nível inferior a quatro em qualquer das disciplinas frequentadas. 4. No Ensino Secundário a condição de candidatura ao quadro de excelência é a obtenção de uma média ponderada de 16 valores e ter concluído todas as disciplinas do ano de escolaridade. 5. Não farão parte do quadro de excelência os alunos sujeitos a processos disciplinares. Art.º92- Prémios Os alunos ou grupos de alunos cujos nomes façam parte de algum dos quadros anteriores, devem, só por esse facto, considerar-se premiados pela distinção que isso representa. 1. Todos os alunos receberão um diploma, para perpetuar o acontecimento, que será entregue em cerimónia própria, para a qual será convidada toda a população escolar e os encarregados de educação dos alunos premiados. 2. As listas dos alunos propostos para os quadros de valor e excelência assim como os motivos que levaram à sua designação serão divulgados nas escolas do Agrupamento, em quadro próprio e com o devido destaque.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

44

Regulamento Interno

3. Existirão livros de registo nos quais se lavrarão os termos dos candidatos distinguidos, sendo também registados no processo individual do aluno. 4. Serão atribuídos prémios de valor educativo, a definir anualmente. 5. Ao Conselho Pedagógico compete a monitorização e concretização de todo o processo. Art.º93 – Deveres dos Alunos São deveres dos alunos: 1. Ser assíduo, pontual e empenhado no cumprimento de todos os seus deveres no âmbito das actividades escolares; 2. Estudar, empenhando-se na sua educação e formação integral; 3. Tratar com respeito e correcção qualquer membro da comunidade educativa, utilizando linguagem apropriada; 4. Guardar lealdade para com todos os membros da comunidade educativa; 5. Contribuir para a harmonia da convivência escolar e para a plena integração na escola de todos os alunos;

6. Respeitar a integridade física e moral de todos os membros da comunidade educativa; 7. Prestar auxílio e assistência aos restantes membros da comunidade educativa, de acordo com as circunstâncias de perigo para a integridade física e moral dos mesmos; 8. Apresentar um aspecto cuidado e limpo, tanto no que diz respeito ao corpo como ao vestuário e tomar banho após as aulas de educação física;

9. Respeitar os painéis e os trabalhos neles expostos; 10. Comunicar ao professor ou ao funcionário presente qualquer dano ou anomalia verificados ou objectos encontrados, assim como comunicar a presença de elementos estranhos ao estabelecimento, no interior do recinto escolar; 11. Aguardar serenamente, e na sua vez, que seja atendido em qualquer serviço que pretenda utilizar; 12. Permanecer dentro da escola no seu horário lectivo, salvo autorização escrita do encarregado de educação ou da direcção da escola; 13. Dirigir-se imediatamente após o toque, à sala de aula, onde aguardará ordeiramente, com os colegas da turma, a chegada do professor; 14. Intervir nas aulas de uma forma oportuna e ordenada 15. Não permanecer nem comer dentro das salas de aula excepto com supervisão do professor; 16. Trazer diariamente o material indispensável à realização dos trabalhos escolares e fazer-se sempre acompanhar do cartão de estudante, da caderneta escolar e do seu horário apresentando-os sempre que estes lhe sejam pedidos; 17. Sair da sala de aula e circular na escola de forma ordenada, sem empurrões, correrias ou gritos; 18. Em caso da não comparência do professor numa aula de 90 minutos e caso não haja professor de substituição, os alunos devem comparecer na mesma, 45 minutos após o toque de entrada inicial; 19. Jogar à bola apenas no campo de jogos e desde que não esteja ocupado com aulas de educação física; 20. Não possuir e não consumir substâncias aditivas, em especial drogas, tabaco e bebidas alcoólicas, nem promover qualquer forma de tráfico, facilitação e consumo das mesmas;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

45

Regulamento Interno

21. Não transportar quaisquer materiais, equipamentos tecnológicos, instrumentos ou engenhos passíveis de, objectivamente, perturbarem o normal funcionamento das actividades lectivas, ou poderem causar danos físicos aos alunos ou a terceiros. 22. Seguir as orientações dos professores relativas ao seu processo de ensinoaprendizagem; 23. Respeitar as instruções do pessoal docente e não docente; 24. Respeitar o exercício do direito à educação e ensino dos outros alunos; 25. Participar nas actividades educativas ou formativas desenvolvidas pela escola, bem como nas demais actividades organizativas que requeiram a participação dos alunos; 26. Zelar pela preservação, conservação e asseio das instalações, material didáctico, mobiliário e espaços verdes da escola, fazendo uso correcto dos mesmos; 27. Não permanecer junto ao portão principal da escola, nos corredores das salas de aula, nas escadas, junto às portas e janelas e nos sanitários e balneários, salvo durante a sua normal utilização. Não pisar os espaços destinados ao jardim, nomeadamente atrás do poço e do pavilhão Gimnodesportivo na escola Sede; e não permanecer junto às grades dentro ou fora da escola nem estabelecer diálogo com elementos estranhos ao estabelecimento; 28. Respeitar a propriedade dos bens de todos os elementos da comunidade educativa; 29. Conhecer e cumprir o estatuto do aluno, as normas de funcionamento de todos os serviços da escola e o regulamento interno da mesma e cumpri-los pontualmente; 30. Participar na eleição dos seus representantes e prestar-lhes colaboração; 31. Desligar todo e qualquer equipamento electrónico durante as actividades lectivas excepto se houver autorização expressa do professor; 32. Pagar as despesas correspondentes ao conserto dos estragos causados, se sujar, riscar ou danificar intencionalmente mesas, cadeiras, paredes, estores ou qualquer outro equipamento escolar. Art.º94 - Qualificação do Comportamento O comportamento que se traduza no incumprimento dos deveres dos alunos pode ser qualificado de pouco grave, grave ou muito grave, nos termos dos números seguintes. 1. É considerado comportamento pouco grave: a) Chegar ocasionalmente com atraso às actividades lectivas; b) Esquecer-se ocasionalmente de se fazer acompanhar do material escolar. 2. É considerado comportamento grave: a) O incumprimento não justificado dos deveres de assiduidade e pontualidade; b) O desrespeito pelo direito à educação e ensino dos restantes alunos; c) A saída da Escola durante o período lectivo sem a devida autorização e por motivos imputáveis ao aluno; d) A danificação intencional das instalações ou de bens pertencentes a qualquer elemento da comunidade escolar; e) A violação dos deveres de respeito e correcção nas relações com os elementos da comunidade escolar; f) A agressão física ou verbal a qualquer elemento discente; g) A posse de qualquer tipo de armas de defesa ou ataque e qualquer objecto que se destine a esse fim; h) A posse de qualquer utensílio ou material que danifique as instalações, que incomode ou atente contra a integridade física da escola;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

46

Regulamento Interno

i)

A posse de artefactos de combustão, fricção ou percussão passíveis de provocar explosão ou ruído, nomeadamente as associadas às brincadeiras de Carnaval e afins; A posse de substâncias químicas corrosivas passíveis de provocar danos patrimoniais, físicos ou odores, nomeadamente as associadas às brincadeiras de Carnaval e afins. Reincidir nas normas de conduta consideradas pouco graves

j)

k) Agredir fisicamente qualquer membro do grupo discente; l) 3. É considerado comportamento muito grave: a) A danificação intencional das instalações da Escola ou de bens pertencentes a qualquer elemento da comunidade escolar, perpetrada com violência ou de que resulte prejuízo particularmente elevado; b) A violação dos deveres de respeito e correcção sob a forma de injúrias, difamação ou calúnia relativamente a qualquer elemento da comunidade escolar; c) A agressão física ou verbal, de forma directa ou indirecta, a qualquer elemento não discente; d) A agressão física a qualquer elemento da comunidade escolar, dolosamente provocada, de que resulte ofensa no corpo ou na saúde particularmente dolorosa ou permanente; e) Os atentados ao pudor, o exibicionismo e o ultraje; f) Os actos que atentem contra a dignidade, integridade, segurança, liberdade e propriedade da pessoa humana (ofensas verbais, insultos, abusos, furtos, danificação ou destruição de bens);

g) A reincidência premeditada ou sistemática no incumprimento pelo aluno dos deveres previstos na lei ou neste Regulamento Interno ou de comportamentos qualificados de graves; h) A posse, o consumo ou o tráfico de substâncias que alteram o comportamento normal; i) j) O uso de meios de gravação áudio, vídeo ou fotográficos, magnéticos ou digitais, quando não autorizados pelos órgãos competentes; O consumo de tabaco;

k) O uso de qualquer tipo de armas de defesa ou ataque e qualquer objecto que se destine a esse fim; l) O uso de qualquer utensílio ou material que danifique as instalações, que incomode ou atente contra a integridade física da escola;

m) A utilização de artefactos de combustão, fricção ou percussão passíveis de provocar explosão ou ruído, nomeadamente as associadas às brincadeiras de Carnaval e afins. n) A utilização de substâncias químicas corrosivas passíveis de provocar danos patrimoniais, físicos ou odores, nomeadamente as associadas às brincadeiras de Carnaval e afins. o) Assediar sexualmente qualquer membro da comunidade educativa; p) Abusar sexualmente de qualquer membro da comunidade educativa; 4. Qualquer comportamento não previsto neste regulamento será analisado de acordo com a Lei e posteriormente qualificado. Art.º95- Medidas Disciplinares 1. Medidas Correctivas: 1.1. As medidas correctivas prosseguem finalidades pedagógicas, preventivas, dissuasoras e de integração, visando, de forma sustentada, o cumprimento dos deveres do aluno,

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

47

Regulamento Interno

a preservação do reconhecimento da autoridade e segurança dos professores no exercício sua actividade profissional e, de acordo com as suas funções, dos demais funcionários, visando ainda o normal prosseguimento das actividades da escola, a correcção do comportamento perturbador e o reforço da formação cívica do aluno, com vista ao desenvolvimento equilibrado da sua personalidade, da sua capacidade de se relacionar com os outros, da sua plena integração na comunidade educativa, do seu sentido de responsabilidade e das suas aprendizagens. 1.2. São medidas correctivas: a) A ordem de saída da sala de aula, e demais locais onde se desenvolva o trabalho escolar acompanhadas de actividade específica a realizar proposta pelo professor, para o centro de recursos acompanhado de professor em componente não lectiva; b) A realização de tarefas e actividades de integração escolar, podendo, para esse efeito, ser aumentado o período de permanência obrigatória, diária ou semanal, do aluno na escola; c) O condicionamento no acesso a certos espaços escolares, ou na utilização de certos materiais e equipamentos, sem prejuízo dos que se encontrem afectos a actividades lectivas. d) A mudança de turma. e) Sempre que o aluno utilize indevidamente os equipamentos tecnológicos dentro das salas de aula ou durante outras actividades lectivas, os procedimentos a seguir são: a) O professor responsável deverá solicitar esse equipamento e entregá-lo ao director de turma ou professor titular de turma; b) O equipamento confiscado só poderá ser entregue pessoalmente ao encarregado de educação, quando este compareça na escola durante o horário de atendimento previsto ou em outra altura desde que combinada previamente. 2. Medidas Disciplinares Sancionatórias: 2.1. As medidas disciplinares sancionatórias, tendo em conta a especial relevância do dever violado e gravidade da infracção praticada, prosseguem igualmente, para além das identificadas no número anterior, finalidades punitivas. As medidas disciplinares sancionatórias traduzem uma censura disciplinar do comportamento assumido pelo aluno, devendo a ocorrência dos factos em que tal comportamento se traduz, ser participada, pelo professor ou funcionário que a presenciou ou dela teve conhecimento, de imediato, ao respectivo director de turma, para efeitos da posterior comunicação ao director da escola. 2.2. São medidas disciplinares sancionatórias: a) A repreensão registada; b) A suspensão da escola até 10 dias úteis; c) A transferência de escola. 3. Efeitos das faltas dadas pelo aluno no decurso do período de aplicação da medida sancionatória de suspensão da escola até 10 dias úteis. 3.1. No que respeita à assiduidade: - Os efeitos deverão ser os mesmos das restantes faltas. 3.2. No que respeita à sua avaliação: - Os efeitos deverão ser os mesmos das restantes faltas. 4. Plano de Actividades Pedagógicas 4.1. Quando o director exara despacho favorável a uma suspensão preventiva do aluno, deverá solicitar aos docentes das disciplinas, que o aluno não frequentará temporariamente, um Plano de Actividades Pedagógicas a ser cumprido durante essa ausência e entregue aos mesmos aquando do seu regresso.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

48

Regulamento Interno

Art.96º - Frequência e assiduidade 1. Para além do dever de frequência da escolaridade obrigatória, nos termos da lei, os alunos são responsáveis pelo cumprimento do dever de assiduidade. 2. Os pais e encarregados de educação dos alunos menores de idade são responsáveis, conjuntamente com estes, pelo cumprimento dos deveres referidos no número anterior. 3. O dever de assiduidade implica para o aluno quer a presença na sala de aula e demais locais onde se desenvolva o trabalho escolar, quer uma atitude de empenho intelectual e comportamental adequada, de acordo com a sua idade, ao processo de ensino e aprendizagem. 4. A falta é a ausência do aluno a uma aula ou a outra actividade de frequência obrigatória ou facultativa, caso tenha havido inscrição. 5. No pré-escolar e no 1º ciclo a cada hora lectiva corresponde uma falta. A ausência a cinco horas lectivas corresponde a um dia de falta. 6. Para efeitos do disposto no número 4, considera-se que a ausência do aluno a cada tempo lectivo de 45 minutos corresponde a uma falta no 2º e 3ºciclos, no Ensino Secundário é um tempo lectivo de 90 minutos. 7. A falta de pontualidade, quando sistemática, dará lugar à marcação de uma falta. 8. A ordem de saída da sala de aula imposta ao aluno pelo professor pode, de acordo com a lei, acarretar ou não a marcação de uma falta de presença. A ocorrência será obrigatoriamente comunicada ao director de turma no mais curto espaço de tempo. 9. As faltas serão registadas pelo professor ou pelo director de turma em suportes administrativos adequados. Art.97º - Faltas justificadas 1. São consideradas faltas justificadas as dadas pelos seguintes motivos: a) Doença do aluno, devendo esta ser declarada por médico se determinar impedimento superior a cinco dias úteis; b) Isolamento profiláctico, determinado por doença infecto-contagiosa de pessoa que coabite com o aluno, comprovada através de declaração da autoridade sanitária competente; c) Falecimento de familiar, durante o período legal de justificação de faltas por falecimento de familiar previsto no estatuto dos funcionários públicos; d) Nascimento de irmão, durante o dia do nascimento e o dia imediatamente posterior; e) Realização de tratamento ambulatório, em virtude de doença ou deficiência, que não possa efectuar-se fora do período das actividades lectivas; f) Assistência na doença a membro do agregado familiar, nos casos em que, comprovadamente, tal assistência não possa ser prestada por qualquer outra pessoa;

g) Acto decorrente da religião professada pelo aluno, desde que o mesmo não possa efectuar-se fora do período das actividades lectivas e corresponda a uma prática comummente reconhecida como própria dessa religião; h) Participação em provas desportivas ou eventos culturais, nos termos da legislação em vigor; i) j) Participação em actividades associativas, nos termos da lei; Cumprimento de obrigações legais;

k) Outro facto impeditivo da presença na escola, desde que, comprovadamente, não seja imputável ao aluno ou seja, justificadamente, considerado atendível pelo director de turma ou pelo professor titular de turma.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

49

Regulamento Interno

Art.98º - Faltas de material didáctico 1. No início do ano lectivo, o professor deve informar os encarregados de educação do material necessário aos seus educandos, e de que devem ser sempre portadores. 2. Nos primeiros dias de aulas, o professor deve ser condescendente relativamente a atrasos na aquisição dos materiais necessários, desde que devidamente justificados. 3. Sempre que o aluno não se faça acompanhar do material necessário às actividades escolares, o professor deve comunicar ao encarregado de educação e ao Director de Turma, utilizando os meios mais expeditos. 4. Se a situação de falta de material for persistente, ou seja, se se prolongar no tempo para além do que o professor considere razoável, deve o mesmo qualificar essa falta como falta de comparência, registando-a no livro de ponto e comunicar a situação, por escrito, ao encarregado de educação. Art.99 ° - Justificação de faltas 1. O pedido de justificação das faltas é apresentado por escrito pelos pais ou encarregado de educação ao director de turma ou ao professor titular da turma, com indicação do dia, hora e da actividade em que a falta ocorreu, referenciando-se os motivos justificativos da mesma na caderneta escolar, ou pelo próprio aluno quando maior de idade. 2. O director de turma, ou o professor titular da turma, deve solicitar, aos pais ou encarregado de educação os comprovativos adicionais que entenda necessários à justificação da falta, devendo, igualmente, qualquer entidade que para esse efeito for contactada, contribuir para o correcto apuramento dos factos. 3. A justificação da falta deve ser apresentada previamente, sendo o motivo previsível, ou, nos restantes casos, até ao 3.º dia útil subsequente à verificação da mesma. Art.100º - Faltas injustificadas 1. Consideram-se faltas injustificadas aquelas para as quais não tenha sido apresentada a tempo a respectiva justificação ou as que não tenham sido aceites pelo director de turma ou professor titular de turma. 2. São, ainda, injustificadas: a) As faltas marcadas na sequência da ordem de saída da sala, dada pelo professor; b) As faltas interpoladas, excepto se resultarem de situação excepcional, acidente ou indisposição física momentânea, situações que devem ser imediatamente comunicadas ao docente da disciplina, pelo auxiliar de acção educativa que lhe preste apoio/assistência. O docente transmitirá o facto ao director de turma, no mais curto espaço de tempo. Art.101º - Comunicação aos encarregados de educação Nos casos em que, decorrido o prazo de três dias úteis, não tenha sido apresentada justificação para as faltas, ou a mesma não tenha sido aceite, deve tal situação ser comunicada no prazo máximo de três dias úteis, pelo meio mais expedito, aos pais ou encarregados de educação, pelo director de turma ou pelo professor titular de turma. Art.102º - Excesso grave de faltas 1. Quando for atingido o número de faltas correspondente a duas semanas no 1.º ciclo do ensino básico, ou ao dobro do número de tempos lectivos semanais, por disciplina, nos 2.º e 3.º ciclos, os pais ou o encarregado de educação são convocados à escola, pelo meio mais expedito, pelo director de turma ou pelo professor titular de turma, com o objectivo de os alertar para as consequências do excesso grave de faltas e de se

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

50

Regulamento Interno

encontrar uma solução que permita garantir o cumprimento efectivo do dever de frequência, bem como o necessário aproveitamento escolar. 2. Caso se revele impraticável o referido no número anterior, por motivos não imputáveis ao Agrupamento, a respectiva Comissão de Protecção de Crianças e Jovens deverá ser informada do excesso de faltas do aluno, sempre que a gravidade especial da situação o justifique. Art.103º- Efeitos das faltas Verificada a existência de faltas dos alunos, o Agrupamento poderá promover a aplicação da medida ou medidas previstas na lei e no presente Regulamento Interno. Sempre que um aluno, atinja um número total de faltas correspondente a três semanas no 1.º ciclo do ensino básico, ao triplo de tempos lectivos semanais, por disciplina, nos 2.º e 3.º ciclos no ensino básico e no ensino recorrente, a 90% da carga horária da disciplina ou domínio independentemente da natureza das faltas ou 93% da carga horária da disciplina ou domínio no caso de faltas exclusivamente injustificadas, no caso dos cursos de Educação e Formação haverá lugar à realização de uma prova na disciplina ou disciplinas em que ultrapassou aquele limite. 1. Esta prova é da exclusiva responsabilidade do professor titular de turma, no 1.º ciclo, e do professor que lecciona a disciplina, nos restantes ciclos e níveis de ensino. 2. Esta prova pode ter a forma escrita ou oral, prática ou de entrevista. 3. Tratando-se de faltas justificadas, designadamente por doença, não pode decorrer a aplicação de qualquer medida disciplinar, correctiva ou sancionatória. Esta prova terá como objectivo diagnosticar as necessidades de apoio, tendo em vista a recuperação de eventual défice de aprendizagens. 4. Nas situações de faltas injustificadas e quando o aluno não obtém aprovação na prova referida no número anterior, o conselho de turma pondera a justificação ou injustificação das faltas dadas, o período lectivo e o momento em que a realização da prova ocorreu e, sendo o caso, os resultados obtidos nas restantes disciplinas, podendo determinar: a) O cumprimento de um plano de acompanhamento especial e a consequente realização de uma nova prova; b) A retenção do aluno inserido no âmbito da escolaridade obrigatória ou a frequentar o ensino básico, a qual consiste na sua manutenção, no ano lectivo seguinte, no mesmo ano de escolaridade que frequenta; c) A exclusão do aluno que se encontre fora da escolaridade obrigatória, a qual consiste na impossibilidade de esse aluno frequentar, até ao final do ano lectivo em curso, a disciplina ou disciplinas em relação às quais não obteve aprovação na referida prova. 5. Com a aprovação do aluno na prova prevista, o mesmo retoma o seu percurso escolar normal, sem prejuízo do que vier a ser decidido pela escola, em termos estritamente administrativos, relativamente ao número de faltas consideradas injustificadas. 6. A não comparência do aluno à realização da prova de recuperação prevista, quando não justificada, determina a sua retenção ou exclusão, nos termos e para os efeitos constantes nas alíneas b) ou c) do n.º 6. 7. O conselho pedagógico fixou como termos dessa realização, os seguintes: - A prova de recuperação deverá ser realizada após a frequência de pelo menos duas semanas de aulas; - O docente da disciplina em que o aluno vai fazer a prova de recuperação deverá fornecer-lhe uma matriz antes, pelo menos, uma semana da data da realização da prova; - A modalidade da prova de recuperação deverá ser escolhida pelo Departamento e figurar no respectivo Regimento Interno;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

51

Regulamento Interno

- A prova de recuperação deverá ser realizada, sempre que possível, fora do horário lectivo da turma sob a vigilância dos docentes em componente não lectiva, podendo ser realizada excepcionalmente durante as aulas das Áreas Curriculares Não Disciplinares. 8. Caso o aluno se enquadre em alguma das situações referidas no ponto anterior, o Director de Turma deve: a) Convocar à escola, pelo meio mais expedito, os Pais ou o Encarregado de Educação ou, quando maior de idade, o aluno, no prazo de 3 dias úteis; b) Informar o professor da disciplina, da necessidade da realização da prova de recuperação; c) Informar comprovadamente, ou através de carta registada, os Pais ou o Encarregado de Educação e o aluno, sobre a matriz e data de realização da prova de recuperação; 9. Quando o aluno tenha de realizar mais do que uma prova de recuperação, esta deverá ser marcada, preferencialmente, de modo a que no mesmo dia só ocorra uma. 10. O resultado da prova de recuperação deverá ser dado a conhecer, comprovadamente, ao aluno, Pais ou Encarregado de Educação. Secção II – Pessoal Docente Art.104º - Direitos do Pessoal Docente Os direitos específicos dos professores decorrem do exercício da função docente e estão previstos no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário. 1. Ser respeitado na sua pessoa, ideias e bens; 2. Ser atendido e esclarecido nas suas dúvidas e sobre os direitos que lhe assistem; 3. Ser consultado antes de ser indigitado para qualquer cargo ou tarefa específica e ouvido nas suas razões; 4. Conhecer previamente toda a documentação sujeita a discussão; 5. Ter acesso a toda a documentação com repercussão na actividade docente; 6. Ser apoiado, no exercício da sua actividade, pelos órgãos de gestão, estruturas de orientação educativa e por todos aqueles a quem cabe o dever de informar e colaborar; 7. Apresentar propostas ou sugestões aos órgãos de gestão, directamente ou por intermédio dos seus representantes; 8. Ter à sua disposição o material didáctico em boas condições; 9. Beneficiar e participar em acções de formação que concorram para o seu enriquecimento profissional; 10. Dispor de uma sala com condições para preparação de aulas ou actividades extracurriculares; 11. Dispor de um expositor para afixação de documentação; 12. Conhecer, com antecipação de 48 horas, alterações no seu horário habitual; 13. Dispor de salas destinadas a aulas, apoio pedagógico, apoio a alunos com necessidades educativas especiais, ou complemento curricular, com as devidas condições, nomeadamente acústicas, luminosas, térmicas e em completo estado de arrumação e limpeza; 14. Dispor de um cacifo ou espaço equivalente para guardar o seu material; 15. Utilizar o telefone da escola em serviço oficial, com autorização prévia do órgão de gestão;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

52

Regulamento Interno

16. Reunir de acordo com a Lei, para a discussão de toda a problemática que diga respeito à sua actividade educativa, profissional ou sindical; 17. Requisitar a compra de material didáctico, de forma coordenada, directamente ou através do professor Coordenador e/ou Director de Instalações; 18. Conhecer deliberações dos órgãos de direcção, administração e gestão e estruturas de orientação educativa em tempo útil; 19. Utilizar equipamento e serviços nas condições regulamentadas; 20. Receber assistência em caso de acidente ou indisposição; 21. Ver descontadas as faltas ao abrigo do artigo 102º no período de férias, no próprio ano ou no seguinte, por sua opção, caso seja professor do quadro; 22. Ver descontadas as faltas ao abrigo do artigo 102º no período de férias do próprio ano no caso de ser professor contratado; 23. Se necessário, usufruir de uma tolerância de 10 minutos, ao 1º tempo de cada turno. Art.105º - Deveres do Pessoal Docente São Deveres do Pessoal Docente: 1. Conhecer, cumprir e fazer cumprir, dentro da sua esfera de acção, este regulamento; 2. Usar de lealdade para com os alunos, colegas, funcionários e restantes membros da comunidade escolar, respeitando-os nas suas pessoas, ideias, bens e funções; 3. Fornecer ao Director de Turma todas as informações que este lhe solicitar acerca do aproveitamento e comportamento dos alunos; 4. Ser assíduo e pontual; 5. Comunicar ao Órgão de Gestão ou Director da escola o atraso excepcional; 6. Respeitar o período de duração das aulas (toque de entrada e saída); 7. Levar para a aula o livro de ponto e a chave da sala, registar as faltas dos alunos e numerar cada registo. Terminada a aula, colocar o livro, no armário devido e entregar a chave da sala ao funcionário; 8. Comunicar ao Encarregado de Educação, via caderneta escolar, cada vez que o aluno não traz material escolar; 9. Comunicar ao Director de Turma, cada três vezes que o aluno não traz material escolar; 10. Proceder ao registo do conteúdo programático relativo a cada aula ou sessão de trabalho e outras actividades escolares em que esteja envolvido com a turma; 11. Ser o primeiro a entrar na sala de aula e o último a sair, deixando a porta fechada. No caso de Educação Física, a noção de sala de aula é extensível ao campo de jogos e balneários. Após o toque de saída e depois do professor se ausentar, a responsabilidade é do funcionário do sector; 12. Providenciar no sentido de que a sala fique limpa, com o quadro apagado e com o mobiliário disposto organizadamente; 13. Não abandonar a sala, salvo por motivo justificado, devendo o funcionário do sector ser informado sempre que tal aconteça, para que possa assegurar a manutenção da ordem na ausência do primeiro; 14. Assinar e sumariar, no final de cada hora destinada ao exercício de cargos, o livro de ponto; 15. Resolver com bom senso e espírito de tolerância, os problemas que surjam no contacto com os alunos ou com outro membro da comunidade escolar; 16. Desenvolver nos alunos o sentido da responsabilidade, com vista à sua formação integral e incutir-lhes a ideia de respeito pela pessoa humana e pela natureza; 17. Fazer da avaliação uma atitude consciente, responsável, permanente e participada;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

53

Regulamento Interno

18. Estar actualizado, quer científica, quer pedagogicamente; 19. Solicitar autorização ao órgão de gestão competente e, eventualmente, aos Encarregados de Educação, para ministrar a aula fora do recinto escolar; 20. Cumprir as regras de funcionamento estabelecidas para os serviços que utiliza; 21. Sensibilizar os alunos e colaborar com eles na conservação do edifício, do mobiliário e do material escolar, tanto na sala de aula, como em qualquer dependência da escola; 22. Desligar o telemóvel durante as aulas; 23. Marcar os testes de avaliação de modo a evitar acumulações, registando a data em folha apropriada, colocada no respectivo livro de ponto; 24. Cuidar do material didáctico e equipamentos à sua responsabilidade; 25. Comunicar as faltas disciplinares, ou outras informações relevantes, ao Director de Turma no prazo máximo de dois dias; 26. Cumprir o que sobre o assunto esteja legislado e seguir os procedimentos definidos pelo conselho pedagógico no que diz respeito à marcação de faltas de qualquer ordem (de presença, de material ou de natureza disciplinar); 27. Guardar sigilo rigoroso sobre os assuntos tratados em reuniões e sobre todos os outros casos considerados de carácter não público; 28. Excluir junto dos alunos, nem permitir da parte destes, comentários sobre a actuação pedagógica-didáctica de outros professores; 29. Nunca fumar na presença dos alunos; 30. Leccionar todas as aulas do último dia de cada período escolar em tempo integral, a menos que sejam substituídas por actividades desportivas, lúdicas ou culturais, antecipadamente preparadas; 31. Justificar as faltas dentro dos prazos legais; 32. Solicitar autorização por escrito, ao Director, com antecedência mínima de cinco dias para participar em acções, colóquios, prestação de provas em estabelecimento de ensino e sempre que pretenda faltar mais que dois dias num mês, em dias intercalados entre feriados ou feriado e fim-de-semana e antes ou depois de feriados coincidentes com Segunda ou Sexta-feira, ou que ocorram em dias seguidos. Secção III – Pessoal Não Docente Art.106º - Direitos do Pessoal Não Docente 1. O Pessoal Não Docente tem ainda direito a: a) Participar, através dos seus representantes, na elaboração do Regulamento Interno do Agrupamento e dele tomar conhecimento; b) Ser tratado com lealdade e respeito pela sua pessoa, ideias e bens, e também pelas suas funções; c) Participar na vida escolar; d) Eleger e ser eleito para órgãos, cargos e demais funções de representação no âmbito da escola, nos termos da legislação em vigor; e) Ser atendido nas suas solicitações e esclarecido nas suas dúvidas por quem de direito na estrutura escolar ou na Autarquia; f) Apresentar sugestões e ser apoiado e esclarecido pelos órgãos competentes sobre qualquer assunto ou problema relativo à sua vida profissional;

g) Ser escutado nas sugestões e críticas que se prendam com as suas tarefas; h) Ser informado da legislação do seu interesse e das normas em vigor no Agrupamento e Autarquia;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

54

Regulamento Interno

i) j)

Beneficiar e participar em acções de formação que concorram para o seu aperfeiçoamento profissional e dos serviços, de acordo com a legislação em vigor; Conhecer atempadamente e de forma clara as tarefas a desempenhar bem como as alterações ao seu horário habitual, nomeadamente devido à realização de reuniões e actividades dos estabelecimentos que integram o Agrupamento;

k) Utilizar os serviços prestados pelo Agrupamento, no respeito pelos regulamentos produzidos ou a produzir, para os utilizadores; l) Dispor de uma sala própria para descanso, de um cacifo individual e de um expositor;

m) Usufruir de vestuário adequado ao exercício das suas funções, de acordo com o estipulado pelo Director; n) Participar nos Conselhos Geral e Pedagógico. Art.107º - Deveres do Pessoal Não Docente (assistentes operacionais e assistentes técnicos) 1. O Pessoal Não Docente está obrigado ao cumprimento dos seguintes deveres: a) O dever de isenção; b) O dever de zelo; c) O dever de obediência; d) O dever de lealdade; e) O dever de sigilo; f) O dever de correcção; g) O dever de assiduidade; h) O dever de pontualidade. 2. O dever de isenção consiste em não retirar vantagens, directas ou indirectas, pecuniárias ou outras, das funções que exerce, actuando com independência em relação aos interesses e pressões particulares de qualquer índole, na perspectiva do respeito pela igualdade dos cidadãos. 3. O dever de zelo consiste em conhecer as normas legais regulamentares e as instruções dos seus superiores hierárquicos, bem como possuir e aperfeiçoar os seus conhecimentos técnicos e métodos de trabalho de modo a exercer as suas funções com eficiência e correcção. 4. O dever de obediência consiste em acatar e cumprir as ordens dos seus legítimos superiores hierárquicos, dadas em objecto de serviço e com forma legal. 5. O dever de lealdade consiste em desempenhar as suas funções em subordinação aos objectivos do serviço e na perspectiva da prossecução do interesse público. 6. O dever de sigilo consiste em guardar segredo profissional relativamente aos factos de que tenha conhecimento em virtude do exercício das suas funções e que não se destinem a ser do domínio público. 7. O dever de correcção consiste em tratar com respeito quer utentes dos serviços públicos, quer os próprios colegas, quer ainda os superiores hierárquicos. 8. O dever de assiduidade consiste em comparecer regular e continuamente ao serviço. 9. O dever de pontualidade consiste em comparecer ao serviço dentro das horas que lhe forem designadas. 10. Para além dos deveres gerais dos funcionários e agentes do Estado e funcionais que resultam do cargo que lhes está distribuído, o Pessoal Não Docente tem o dever de: a) Respeitar e fazer-se respeitar por todos os membros da comunidade educativa nas suas pessoas, ideias, bens e funções;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

55

Regulamento Interno

b) Colaborar para a unidade e boa imagem da escola do Agrupamento de Escolas de Rebordosa e dos serviços; c) Cumprir as tarefas que lhe forem distribuídas; d) Respeitar a natureza confidencial da informação relativa a toda a comunidade educativa; e) Ser afável no trato e correcto nas relações com os outros membros da comunidade escolar e com todas as outras pessoas que se dirijam à escola; f) Atender e informar correctamente, tanto os elementos da comunidade escolar como o público em geral, sobre assuntos do seu interesse e agir de acordo com as suas competências;

g) Resolver com bom senso, tolerância e compreensão os problemas que surjam na escola, intervindo com vista à resolução do problema quando presencie atitudes menos correctas dos alunos nos espaços escolares, designadamente brincadeiras violentas e danos causados a pessoas e equipamentos; h) Contribuir para a plena formação, realização, bem-estar e segurança dos alunos, orientandos-os com correcção, firmeza e serenidade; i) j) Informar o órgão de gestão sempre que se verifique um comportamento menos digno de algum elemento da comunidade escolar; Zelar pela limpeza, conservação, e arrumação das instalações, mobiliário e material escolar a seu cargo, propor medidas de melhoramento e renovação, comunicando aos órgãos competentes; Preencher fichas de requisição de material e de informação de danos;

k) Ser assíduo e pontual, cumprindo os horários estabelecidos; l) m) Avisar antecipadamente o Director e/ou Coordenador de Estabelecimento das suas ausências ao serviço e justificá-las dentro dos prazos legais; n) Usar um cartão Identificador; o) Conhecer e respeitar e zelar pelo cumprimento do Regulamento Interno. Art.108º -Pessoal Administrativo 1. Chefe dos Serviços de Administração Escolar a) Orientar, controlar e coordenar as actividades e a elaboração dos vários documentos passados pelos Serviços Administrativos e sua posterior assinatura; b) Organizar e submeter à aprovação da Direcção a distribuição dos serviços pelo respectivo pessoal, de acordo com a natureza, categorias e aptidões, e, sempre que o julgue conveniente, proceder às necessárias redistribuições; c) Assinar o expediente corrente, bem como o que respeita a assuntos já submetidos a despacho dos Órgãos de Gestão; d) Preparar e submeter a despacho da Direcção todos os assuntos da sua competência; e) Providenciar para que todos os serviços inerentes ao funcionamento das aulas, recursos e exames, dependentes dos Serviços Administrativos, estejam em ordem nos prazos estabelecidos; f) Proceder à leitura e fazer circular o Diário da República, tomando as providências para que a legislação de interesse para a escola seja distribuída pelas diferentes áreas. Verificar as propostas e processos de nomeação de pessoal; Apreciar e despachar os pedidos de justificação de faltas do pessoal administrativo; Preparar os documentos para análise e posterior deliberação dos órgãos de gestão;

g) h) i)

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

56

Regulamento Interno

j) k) l)

Dar cumprimento às deliberações dos órgãos de gestão que respeitarem aos Serviços Administrativos; Assinar as requisições de material a adquirir, quando devidamente autorizadas; Assinar os termos de abertura e de encerramento e chancelar todas as folhas dos livros utilizados nos serviços administrativos;

m) Ter sob a sua guarda o selo do estabelecimento de ensino; n) Apreciar qualquer outro assunto respeitante ao serviço administrativo, decidindo os que forem da sua competência e expondo à Direcção os que a ultrapassarem. 2. Assistente técnico: a) Assegurar a transmissão da comunicação entre os vários órgãos e entre estes e os particulares, incluindo Docentes, Não Docentes, Discentes e respectivos Encarregados de Educação, através do registo, redacção, classificação e arquivo do expediente e outras formas de comunicação; b) Tratar informação, recolhendo e efectuando apuramentos estatísticos elementares e elaborando mapas, quadros ou utilizando qualquer outra forma de transmissão eficaz dos dados existentes; c) Recolher, examinar, conferir e proceder à escrituração de dados relativos às transacções financeiras e contabilísticas, podendo assegurar, se assim lhe for determinado, a movimentação do fundo de maneio; d) Recolher, examinar e conferir elementos constantes dos processos, anotando faltas e anomalias e providenciando pela sua correcção e andamento, através de ofícios, informações ou notas, em conformidade com a legislação vigente; e) Organizar, calcular e desenvolver processos relativos à situação do Pessoal Docente, Não Docente e Discente, à Acção Social Escolar e à aquisição e ou manutenção de material, equipamento, instalações ou serviços; f) Preencher os mapas de execução material e organizar a escrituração de livros auxiliares de acordo com as respectivas instruções;

g) Atender o Pessoal Docente, Não Docente e Discente, bem como os Encarregados de Educação, e prestar-lhes os adequados esclarecimentos. 3. Tesoureiro: a) Arrecadar todas as importâncias legalmente cobradas pela escola, mediante guias ou documentos passados pelas entidades competentes; b) Proceder ao depósito das importâncias autorizadas respeitantes às requisições de fundos e cobradas directamente pela escola; c) Entregar na Caixa Geral de Depósitos (CGD), nos prazos regulamentares, as importâncias das guias de operações de tesouraria; d) Emitir cheques para pagamento das despesas com pessoal, devidamente autorizadas, ou depositar nas respectivas contas as importâncias devidas; e) Efectuar pagamentos de acidentes cobertos pelo Seguro Escolar; f) Efectuar pagamentos resultantes de acidentes em serviço; g) Proceder ao pagamento de despesas de funcionamento, devidamente autorizadas, emitindo os cheques necessários; h) Escriturar a folha de cofre; i) j) Controlar as contas de depósito; Colaborar na elaboração de balancetes a apresentar nas reuniões do Conselho Administrativo e outros que lhe sejam solicitados;

k) Executar tudo o mais que lhe seja determinado pelo Chefe de Serviços de Administração Escolar.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

57

Regulamento Interno

Secção IV - Encarregados de Educação Art.109º - Direitos dos Encarregados de Educação São direitos dos Encarregados de Educação: 1. Participar na vida da escola; 2. Ser informado sobre a legislação e normas que lhe digam respeito; 3. Ser informado do cumprimento e aproveitamento do seu educando, após cada um dos momentos de avaliação e entre estes, semanalmente, no dia e hora fixados para o efeito; 4. Ter acesso a informações relacionadas com o processo educativo do seu educando; 5. Ser avisado no limite legal acerca das faltas dadas pelo seu educando; 6. Ser bem recebido por todas as pessoas da escola; 7. Recorrer e ser atendido pelo órgão de gestão sempre que o assunto a tratar ultrapasse a competência do Director de Turma ou, na ausência deste, por motivo inadiável; 8. Ter acesso ao dossier individual do seu educando: a) sempre que requisitar, por escrito, a consulta do mesmo ao respectivo director de turma/professor titular ou à Direcção, na ausência dos primeiros com antecedência mínima de 48 horas; b) o encarregado de educação pode consultar o dossier, na presença do Director de Turma e na sua hora de atendimento. 9. Ser auscultado pelo director de turma e ver registada a sua opinião e respectiva justificação, sempre que o seu educando estiver na eminência de uma segunda retenção no mesmo ciclo, no caso de este estar abrangido pelo Despacho Normativo nº 30/2001; 10. Participar no processo de avaliação através do seu representante no Conselho Pedagógico; 11. Participar nas reuniões de Conselho de Turma, através de dois representantes, desde que estas não tenham carácter de avaliação. Art.110º - Deveres dos Encarregados de Educação São deveres dos Encarregados de Educação: 1. Acompanhar activamente a vida escolar do seu educando; 2. Contribuir por todas as formas para a educação integral do seu educando, promovendo a articulação entre a família e o ensino escolar; 3. Diligenciar para que o seu educando beneficie efectivamente dos seus direitos e cumpra pontualmente os deveres que lhe incubem, com destaque para os deveres de assiduidade, de correcto comportamento escolar e de empenho no processo de aprendizagem; 4. Contribuir para a criação e execução do projecto educativo e regulamento interno da escola e participar na vida da escola; 5. Cooperar com os professores no desempenho da sua missão pedagógica, em especial quando para tal forem solicitados, colaborando no processo de ensino e aprendizagem dos seus educandos; 6. Contribuir para a preservação da disciplina da escola e para a harmonia da comunidade educativa, em especial quando para tal forem solicitados; 7. Contribuir para o correcto apuramento dos factos em processo disciplinar que incida sobre o seu educando e, sendo aplicada a este medida disciplinar, diligenciar para que a mesma prossiga os objectivos de reforço da sua formação cívica, do desenvolvimento equilibrado da sua personalidade da sua capacidade de se relacionar

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

58

Regulamento Interno

com os outros, da sua plena integração na comunidade educativa e do seu sentido de responsabilidade; 8. Contribuir para a preservação da segurança e integridade física e moral de todos os que participam na vida da escola; 9. Integrar activamente a comunidade educativa no desempenho das demais responsabilidades desta, em especial informando-se, sendo informado e informando sobre todas as matérias relevantes no processo educativo dos seus educandos; 10. Comparecer na escola, sempre que julgue necessário e quando para tal for solicitado; 11. Contactar o Director de Turma, no horário fixado, para colher e prestar informações sobre o seu educando; 12. Colaborar com o Director de Turma na busca de soluções para situações/problema surgidas ao seu educando; 13. Cooperar com todos os elementos da comunidade educativa no desenvolvimento de uma cultura de cidadania, nomeadamente através da promoção de regras de convivência na escola; 14. Conhecer este regulamento interno e subscrever, fazendo subscrever aos seus educandos, declaração anual de aceitação do mesmo e de compromisso activo quanto ao seu cumprimento integral. Capítulo VII- Avaliação das Aprendizagens SECÇÃO I AVALIAÇÃO Art.111º- Avaliação das aprendizagens 1. Nos termos da legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa, permitindo uma recolha sistemática de informações que, uma vez analisadas, apoiam a tomada de decisões adequadas à promoção da qualidade das aprendizagens. 2. A avaliação visa: a) Apoiar o processo educativo de modo a sustentar o sucesso de todos os alunos, permitindo o reajustamento dos projectos curriculares das turmas, nomeadamente, quanto à selecção de metodologias e recursos, em função das necessidades educativas dos alunos; b) Certificar as diversas competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo e à saída do ensino básico; c) Contribuir para melhorar a qualidade do sistema educativo, possibilitando a tomada de decisões para o seu aperfeiçoamento e promovendo uma maior confiança social no seu funcionamento. Art.112º - Objecto 1. A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, considerando a concretização das mesmas no projecto curricular de turma, por ano de escolaridade. 2. As aprendizagens de carácter transversal ou de natureza instrumental, nomeadamente no âmbito da educação para a cidadania, da compreensão e expressão em língua portuguesa ou da utilização das tecnologias de informação e comunicação, constituem objecto de avaliação em todas as áreas curriculares e disciplinas.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

59

Regulamento Interno

Art.113º - Princípios 1. A avaliação das aprendizagens assenta nos seguintes princípios: a) Consistência entre os processos de avaliação e as aprendizagens e competências pretendidas, de acordo com a natureza das aprendizagens e dos contextos em que ocorrem; b) Utilização de técnicas e instrumentos de avaliação diversificados; c) Primazia da avaliação formativa, com valorização dos processos de auto-avaliação regulada, e sua articulação com os momentos de avaliação sumativa; d) Valorização da evolução do aluno, nomeadamente ao longo de cada ciclo; e) Transparência do processo de avaliação, nomeadamente através da clarificação e da explicitação dos critérios adoptados; f) Diversificação dos intervenientes no processo de avaliação.

Art.114º - Intervenientes 1. Intervêm no processo de avaliação: a) O professor; b) O aluno, através da sua auto-avaliação, a qual deve ser realizada por cada área curricular disciplinar e não disciplinar, pelo menos uma vez em cada período escolar, no âmbito da respectiva turma, excepto no ensino pré-escolar e nos 1º e 2º anos de escolaridade. c) O conselho de docentes, no 1º ciclo, ou o conselho de turma, nos 2º e 3º ciclos; d) f) Os órgãos de gestão do Agrupamento; Os serviços especializados de apoio educativo; e) O encarregado de educação nos termos definidos na legislação em vigor; g) A administração educativa. 2. A avaliação é da responsabilidade do professor, do conselho de docentes, do conselho de turma, dos órgãos de gestão do Agrupamento e da administração educativa. Art.115º - Critérios de Avaliação 1. Compete ao Conselho Pedagógico definir, no início de cada ano lectivo e de acordo com as orientações do currículo nacional, os critérios de avaliação para cada ciclo e ano de escolaridade, sob proposta, no ensino pré-escolar e 1.º ciclo, dos conselhos de docentes e, nos 2.º e 3.º ciclos, dos departamentos curriculares e do conselho de directores de turma. 2. Os critérios de avaliação mencionados no número anterior constituem referenciais comuns, no interior do Agrupamento, sendo operacionalizados pelo educador, no ensino pré-escolar, pelo professor titular de turma, no 1.º ciclo, e pelo conselho de turma, nos 2.º e 3.º ciclos, no âmbito do respectivo projecto curricular de turma. 3. Compete ao Director garantir a divulgação dos critérios referidos nos números anteriores junto dos diversos intervenientes, nomeadamente alunos e encarregados de educação. 4. O Director, ouvido o Conselho Pedagógico, pode delegar a competência referida nº 3 do presente artigo, nos professores titulares de turma ou nos professores das várias disciplinas ou áreas curriculares não disciplinares.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

60

Regulamento Interno

Art.116º - Avaliação Diagnóstica 1. A avaliação diagnóstica conduz à adopção de estratégias de diferenciação pedagógica e contribui para elaborar, adequar e reformular o projecto curricular de turma, facilitando a integração escolar do aluno, apoiando a orientação escolar e vocacional. Pode ocorrer em qualquer momento do ano lectivo quando articulada com a avaliação formativa. 2. No início ou final de cada ano lectivo haverá lugar à realização de uma avaliação diagnóstica para todos os alunos do Agrupamento, de acordo com as normas definidas anualmente pelo Conselho Pedagógico.

Art.117º - Avaliação Formativa 1. A avaliação formativa é a principal modalidade de avaliação do ensino básico, assume carácter contínuo e sistemático e visa a regulação do ensino e da aprendizagem, recorrendo a uma variedade de instrumentos de recolha de informação, de acordo com a natureza das aprendizagens e dos contextos em que ocorrem. 2. A avaliação formativa fornece, ao professor, ao aluno, ao encarregado de educação e aos restantes intervenientes, informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens e competências, de modo a permitir rever e melhorar os processos de trabalho. 3. A avaliação formativa é da responsabilidade de cada professor ou educador, em diálogo com os alunos e em colaboração com os outros professores ou educadores, designadamente no âmbito dos órgãos colectivos que concebem e gerem o respectivo projecto curricular e, ainda, sempre que necessário, com os serviços especializados de apoio educativo e os encarregados de educação, devendo recorrer, quando tal se justifique, a registos estruturados. 4. Compete ao Director, sob proposta do educador, no ensino pré-escolar, do professor titular de turma, no 1.º ciclo, e do director de turma, nos restantes ciclos, a partir dos dados da avaliação formativa, mobilizar e coordenar os recursos educativos existentes nos estabelecimentos que integram o Agrupamento com vista a desencadear respostas adequadas às necessidades dos alunos. 5. Compete ao Conselho Pedagógico apoiar e acompanhar o processo definido no número anterior. Art.118 º- Avaliação Aferida 1. A avaliação aferida mede o grau de consecução dos objectivos traçados com base nos resultados da avaliação diagnóstica. 2. A avaliação aferida será realizada por todos os alunos, em todos os anos e disciplinas não sujeitos a avaliação externa. 3. A avaliação aferida realiza-se no final de cada ano lectivo, de acordo com as decisões e normas a definir pelo Conselho Pedagógico. Art.119º - Avaliação Sumativa 1. A avaliação sumativa consiste na formulação de um juízo globalizante sobre o desenvolvimento das aprendizagens e competências definidas para cada área curricular e disciplina. 2. A avaliação sumativa inclui: a) A avaliação sumativa interna; b) A avaliação sumativa externa no 9º ano de escolaridade e Ensino Secundário.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

61

Regulamento Interno

Art.120º - Avaliação Sumativa Interna 1. A avaliação sumativa ocorre no final de cada período lectivo, de cada ano lectivo e de cada ciclo. 2. A avaliação sumativa é da responsabilidade do educador em articulação com o respectivo conselho de docentes, no ensino pré-escolar, do professor titular de turma em articulação com o respectivo conselho de docentes, no 1.º ciclo, e dos professores que integram o conselho de turma, nos 2.º, 3.º ciclos e secundário, reunindo, para o efeito, no final de cada período. 3. Compete ao educador, no ensino pré-escolar, professor titular de turma, no 1.º ciclo, e ao director de turma, nos 2.º e 3.º ciclos e secundário, coordenar o processo de tomada de decisões relativas à avaliação sumativa interna e garantir tanto a sua natureza globalizante como o respeito pelos critérios de avaliação definidos pelo Conselho Pedagógico no início do ano lectivo. 4. A decisão quanto à avaliação final do aluno é da competência: a) Do educador em articulação com o conselho de docentes, no ensino pré-escolar; b) Do professor titular de turma, em articulação com o conselho de docentes, no 1º ciclo; c) Do conselho de turma, sob proposta do professor de cada disciplina/área disciplinar/área curricular não disciplinar, nos 2º, 3ºciclos e Ensino Secundário.

Art.121º - Expressão da Avaliação Sumativa Interna 1. No Ensino pré-escolar a informação resultante da avaliação sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas. 2. No 1.º ciclo, a informação resultante da avaliação sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares. 3. Nos 2.º e 3.º ciclos, a informação resultante da avaliação sumativa: a) Conduz à atribuição de uma classificação, numa escala de níveis de 1 a 5, em todas as disciplinas; b) Expressa-se numa menção qualitativa de Não satisfaz, Satisfaz e Satisfaz bem, nas áreas curriculares não disciplinares. 4. No 3º ciclo, a avaliação sumativa interna das disciplinas de organização semestral, Educação Tecnológica e disciplina da área de Educação Artística, processa-se do seguinte modo: a) Para a atribuição das classificações, o conselho de turma reúne extraordinariamente no final do 1º semestre e ordinariamente no final do 3º período; b) A classificação atribuída no 1º semestre fica registada em acta e, à semelhança das classificações das outras disciplinas, está sujeita a ratificação do conselho de turma de avaliação, no final do 3º período; c) No final dos 1.º e 2.º períodos, a avaliação assume carácter descritivo para as disciplinas que se iniciam nos 1.º e 2.º semestres, respectivamente. 5. No primeiro período dos 5.º e 7.º anos de escolaridade, a avaliação sumativa poderá, de acordo com decisão do Conselho Pedagógico, não conduzir à atribuição de classificações ou menções, assumindo a sua expressão apenas carácter descritivo. 6. Com base na avaliação sumativa interna, compete ao professor titular de turma, no 1º ciclo, em articulação com os competentes conselhos de docentes, e ao conselho de turma, nos restantes ciclos, reanalisar o projecto curricular de turma, com vista à introdução de eventuais reajustamentos ou apresentação de propostas para o ano lectivo seguinte. 7. A avaliação sumativa interna, no 9º ano de escolaridade, pode incluir a realização de uma prova global ou de um trabalho final, em cada disciplina ou área disciplinar,

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

62

Regulamento Interno

incidindo sobre as aprendizagens e competências previstas para o final do ensino básico, à excepção das disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática, relativamente às quais os alunos estão sujeitos a exames nacionais. 8. As provas e os trabalhos a que se refere o número anterior não constituem instrumento de avaliação obrigatório, podendo ser realizados por decisão da escola, como instrumento de aferição de conhecimentos nas disciplinas que se considerem mais adequadas e convenientes, não podendo em caso algum implicar a interrupção das actividades lectivas. 9. Compete ao Conselho Pedagógico, sob proposta de cada departamento curricular, aprovar a modalidade e a matriz das provas ou trabalhos, bem como as datas e os prazos da sua realização. 10. A avaliação sumativa interna, no final do 3º período, implica: a) A apreciação global das aprendizagens realizadas e das competências desenvolvidas pelo aluno ao longo do ano lectivo, traduzida nos termos dos nºs 1. , 2. e 3.; b) A decisão sobre a transição de ano, excepto no 9º ano de escolaridade e nas disciplinas do Ensino Secundário cuja aprovação depende ainda da avaliação sumativa externa;

c) A verificação das condições de admissão aos exames nacionais do 9º ano e Ensino Secundário. 11. No ensino secundário, a informação resultante da avaliação sumativa expressa-se da seguinte forma: a) Conduz à atribuição de uma classificação, numa escala de níveis de 1 a 20, em todas as disciplinas; b) Expressa-se numa menção qualitativa de Medíocre, Insuficiente, Suficiente, Bom, Muito Bom e Excelente Art.122º - Avaliação Sumativa Externa 1. A avaliação sumativa externa é da responsabilidade dos serviços centrais do Ministério da Educação e compreende a realização de exames nacionais no 9º ano, nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, os quais incidem sobre as aprendizagens e competências do 3º ciclo e algumas disciplinas do Ensino Secundário. 2. São admitidos aos exames nacionais do 9º ano todos os alunos, excepto os que, após a avaliação sumativa interna, no final do 3º período, se enquadrem nas seguintes situações: a) Tenham obtido classificação de frequência de nível simultaneamente nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática; b) Tenham obtido classificação de frequência inferior a 3 em duas disciplinas e de nível 1 em Língua Portuguesa ou Matemática; c) Tenham obtido classificação de frequência inferior a 3 em três disciplinas, ou em duas disciplinas e a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto, desde que nenhuma delas seja Língua Portuguesa ou Matemática; d) Tenham obtido classificação de frequência inferior a 3 numa disciplina, a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto e nível 1 em Língua Portuguesa ou Matemática. 3. A não realização dos exames referidos no n.º 1 implica a retenção do aluno no 9.º ano de escolaridade, excepto nas situações previstas na legislação em vigor. 4. A avaliação no Ensino Secundário está regulamentada pela seguinte legislação: Dec.Lei nº 24/2006, Dec.Lei nº 74/2004, Dec.Lei 272/07, Despacho Normativo 30/2001, 01/2005, 50/2005, 18/2006 e 05/2007.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

63

Regulamento Interno

Art.123º - Efeitos da Avaliação 1. A avaliação formativa gera medidas de diferenciação pedagógica adequadas às características dos alunos e às aprendizagens e competências a desenvolver. 2. A avaliação sumativa dá origem a uma tomada de decisão sobre a progressão ou retenção do aluno, expressa através das menções, respectivamente, de Transitou ou Não transitou, no final de cada ano, e de Aprovado(a) ou Não aprovado(a), no final de cada ciclo. 3. A decisão de progressão do aluno ao ano de escolaridade seguinte é uma decisão pedagógica e deverá ser tomada sempre que o professor titular de turma, ouvidos os competentes conselhos de docentes, no 1.º ciclo, ou o conselho de turma, nos 2.º e 3.º ciclos, considerem: a) Nos anos terminais de ciclo, que o aluno desenvolveu as competências necessárias para prosseguir com sucesso os seus estudos no ciclo ou nível de escolaridade subsequente, salvaguardando-se, no caso do 9º ano de escolaridade, o estabelecido na legislação em vigor; b) Nos anos não terminais de ciclo, que as competências demonstradas pelo aluno permitem o desenvolvimento das competências essenciais definidas para o final do respectivo ciclo. 4. No ensino pré-escolar e 1.º ano de escolaridade não há lugar a retenção, sem prejuízo do estabelecido no presente Regulamento Interno. 5. Um aluno retido no 2.º ou 3.º ano de escolaridade deverá integrar até ao final do ciclo a turma a que já pertencia, salvo se houver decisão em contrário do Conselho Pedagógico, sob proposta fundamentada do professor titular de turma e ouvido, sempre que possível, o professor da eventual nova turma. 6. No final do 2º ciclo, e no âmbito da avaliação sumativa, o conselho de turma pode decidir a progressão de um aluno que não desenvolveu as competências essenciais, quando este: a) Tenha obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática; b) Tenha obtido classificação inferior a 3 em três disciplinas, ou em duas disciplinas e a menção de Não Satisfaz na Área de Projecto, desde que não integrem cumulativamente as disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. 7. A decisão referida no número anterior tem de ser tomada por unanimidade. Caso não exista unanimidade, deve proceder-se a nova reunião do conselho de turma, na qual a decisão de progressão, devidamente fundamentada, deve ser tomada por dois terços dos professores que integram o conselho de turma. 8. No final do 3º ciclo, no fim do 3º período, o conselho de turma reúne para a atribuição da classificação da avaliação sumativa interna. 9. No final do 3º ciclo, o aluno não progride e obtém a menção de Não aprovado(a) se estiver numa das seguintes situações: a) Tenha obtido classificação inferior a 3 nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática; b) Tenha obtido classificação inferior a 3 em três disciplinas, ou em duas disciplinas e a menção de Não satisfaz na Área de Projecto. 10. A disciplina de Educação Moral e Religiosa não é considerada para efeitos de progressão dos alunos. 11. Nos 2.º e 3.º ciclos, a retenção traduz-se na repetição de todas as áreas e disciplinas do ano em que o aluno ficou retido. 12. Em situações de retenção, compete ao professor titular de turma, no 1º ciclo, e ao conselho de turma, nos 2.º e 3.º ciclos, proceder em conformidade com a legislação em vigor.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

64

Regulamento Interno

13. Os efeitos da avaliação no Ensino Secundário estão regulamentados pela seguinte legislação Dec.Lei 24/2006, Dec.Lei nº 74/2004, Dec.Lei 272/07, Despacho Normativo 30/2001, 01/2005, 50/2005, 18/2006 e 05/2007. 14. A avaliação dos alunos abrangidos pelos cursos de Educação e Formação rege-se pelo Despacho Conjunto nº453/2004, de 27 de Julho. Art.124º - Retenção repetida 1. Quando, no decurso de uma avaliação sumativa final, se concluir que um aluno que já foi retido em qualquer ano de escolaridade não possui as condições necessárias à sua progressão, deve o mesmo ser submetido a uma avaliação extraordinária que ponderará as vantagens educativas de nova retenção. 2. A proposta de retenção ou progressão do aluno está sujeita à anuência do Conselho Pedagógico, com base em relatório que inclua: a) Processo individual do aluno; b) Apoios, actividades de enriquecimento curricular e planos aplicados; c) Contactos estabelecidos com os encarregados de educação, incluindo parecer destes sobre o proposto; d) Parecer dos serviços de psicologia e orientação; e) Proposta de encaminhamento do aluno para um plano de acompanhamento, percurso alternativo ou cursos de educação e formação, nos termos da respectiva regulamentação. 3. A programação individualizada e o itinerário de formação do aluno são elaborados com o conhecimento e acordo prévio do encarregado de educação. 4. O Director coordena a execução das recomendações decorrentes do processo de avaliação previsto nos números anteriores, sendo especialmente responsável pela promoção do sucesso educativo desses alunos. 5. Uma segunda retenção no mesmo ciclo só ocorre após a aplicação da avaliação extraordinária implicando o Núcleo de Apoios Educativos. Art.125º - Revisão dos Resultados da Avaliação 1. As decisões decorrentes da avaliação de um aluno no 3.º período de um ano lectivo podem ser objecto de um pedido de revisão, devidamente fundamentado, dirigido pelo respectivo encarregado de educação ao Director, no prazo de três (3) dias úteis a contar da data de entrega das fichas de registo de avaliação no 1.º ciclo ou da afixação das pautas nos 2.º, 3.º ciclos e secundário. 2. O professor titular de turma, no 1.º ciclo, em articulação com o competente conselho de docentes, ou o conselho de turma, nos 2.º, 3.º ciclos e secundário, procede, no prazo de 5 dias úteis após a recepção do pedido de revisão, à análise do mesmo, com base em todos os documentos relevantes para o efeito, e toma uma decisão que pode confirmar ou modificar a avaliação inicial. 3. A decisão referida no número anterior deve, no prazo de cinco (5) dias úteis, ser submetida à ratificação do Conselho Pedagógico. 4. Da decisão tomada nos termos dos números anteriores, que se constitui como definitiva, o Director notifica o encarregado de educação através de carta registada com aviso de recepção, no prazo de cinco (5) dias úteis. 5. O encarregado de educação poderá ainda, se assim o entender, no prazo de cinco (5) dias úteis após a data de recepção da resposta, interpor recurso hierárquico para o Director Regional de Educação do Norte, quando o mesmo for baseado em vício existente no processo. 6. Da decisão do recurso hierárquico não cabe qualquer outra forma de impugnação administrativa.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

65

Regulamento Interno

Art.º126 - Casos especiais de progressão 1. Um aluno que revele capacidades de aprendizagem excepcionais e um adequado grau de maturidade, a par do desenvolvimento das competências previstas para o ciclo que frequenta, poderá progredir mais rapidamente no ensino básico, beneficiando de uma das seguintes hipóteses ou de ambas: a) Concluir o 1.º ciclo com 9 anos de idade, completados até 31 de Dezembro do ano respectivo, podendo para isso completar o 1.º ciclo em três anos; b) Transitar de ano de escolaridade antes do final do ano lectivo, uma única vez, ao longo dos 2.º e 3.º ciclos. 2. Um aluno retido no 2.º ou 3.º ano de escolaridade que demonstre ter realizado as aprendizagens necessárias para o desenvolvimento das competências essenciais definidas para o final do ciclo, poderá concluir o 1.º ciclo nos quatro anos previstos para a sua duração, através de uma progressão mais rápida, nos anos lectivos subsequentes à retenção. 3. Qualquer das possibilidades enunciadas no número anterior só pode ser accionada se houver, para o efeito, pareceres concordantes do encarregado de educação do aluno, dos serviços especializados de apoio educativo e do Conselho Pedagógico, sob proposta do professor titular de turma ou do conselho de turma. Art.127º - Situação especial de classificação 1. Se, por motivo da exclusiva responsabilidade da escola ou Agrupamento, ou por falta de assiduidade motivada por doença prolongada, ou por impedimento legal devidamente comprovado, não existirem em qualquer disciplina/área disciplinar ou área curricular não disciplinar elementos de avaliação sumativa interna respeitantes ao 3º período lectivo, a classificação desta é a que o aluno obteve no 2º período lectivo, se o conselho de turma assim o decidir. 2. Nas disciplinas sujeitas a exame final nacional é obrigatória a prestação de exames, salvo quando a falta de elementos de avaliação nas referidas disciplinas for da exclusiva responsabilidade da escola, a situação deve ser objecto de análise casuística e sujeita a despacho de membro do Governo. Art.128º - Alunos abrangidos por Programa Educativo Individual 1. Os alunos abrangidos por um Programa Educativo individual serão avaliados, salvo o disposto no número seguinte, de acordo com o regime de avaliação definido na legislação em vigor. 2. Os alunos que tenham, no seu programa educativo individual, devidamente explicitadas e fundamentadas, condições especiais de avaliação, decorrentes da aplicação da medida educativa do regime educativo especial, serão avaliados nos termos definidos no referido programa. 3. O programa educativo individual dos alunos que se encontram na situação referida no número anterior constitui a referência de base para a tomada de decisão relativa à sua progressão ou retenção num ano ou ciclo de escolaridade, bem como para a tomada de decisão relativa à atribuição do diploma de ensino básico. SECÇÃO II PLANOS DE RECUPERAÇÃO, DE ACOMPANHAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO Art.129º - Obrigatoriedade As actividades a desenvolver no âmbito dos planos de recuperação e de acompanhamento devem atender às necessidades do aluno ou do grupo de alunos e são de frequência obrigatória.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

66

Regulamento Interno

Art.130º - Planos de Recuperação 1. Entende-se por plano de recuperação o conjunto das actividades concebidas no âmbito curricular e de enriquecimento curricular, desenvolvidas na escola ou sob a sua orientação, que contribuam para que os alunos adquiram as aprendizagens e as competências consagradas nos currículos do ensino básico em vigor. 2. O plano de recuperação é aplicável aos alunos que revelem dificuldades de aprendizagem em qualquer disciplina, área curricular disciplinar ou não disciplinar. 3. O plano de recuperação pode integrar, entre outras, as seguintes modalidades: a) Pedagogia diferenciada na sala de aula; b) Programas de tutoria para apoio a estratégias de estudo, orientação e aconselhamento do aluno; c) d) Actividades de compensação em qualquer momento do ano lectivo ou no início de um novo ciclo; Aulas de recuperação;

e) Actividades de ensino específico da língua portuguesa para alunos oriundos de países estrangeiros. 4. Sempre que, no final do 1º período, um aluno não tenha desenvolvido as competências necessárias para prosseguir com sucesso os seus estudos no 1º ciclo, ou, no caso dos restantes ciclos do ensino básico, obtenha três ou mais níveis inferiores a três, deve o professor do 1º ciclo ou o conselho de turma elaborar um plano de recuperação para o aluno. 5. O plano de recuperação é apresentado ao Director do Agrupamento. 6. Na primeira semana do 2º período, o plano de recuperação é dado a conhecer, pelo responsável da turma, aos pais e encarregados de educação, procedendo-se de imediato à sua implementação. 7. Os alunos que, no decurso do 2º período, nomeadamente até à interrupção das aulas no Carnaval, indiciem dificuldades de aprendizagem que possam comprometer o seu sucesso escolar são, igualmente, submetidos a um plano de recuperação. 8. O plano de recuperação é planeado, realizado e avaliado, quando necessário, em articulação com outros técnicos de educação, envolvendo os pais ou encarregados de educação e os alunos. Art.131º - Planos de Acompanhamento 1. Entende-se por plano de acompanhamento o conjunto das actividades concebidas no âmbito curricular e de enriquecimento curricular, desenvolvidas na escola ou sob sua orientação, que incidam, predominantemente, nas disciplinas ou áreas disciplinares em que o aluno não adquiriu as competências essenciais, com vista à prevenção de situações de retenção repetida. 2. O plano de acompanhamento é aplicável aos alunos que tenham sido objecto de retenção em resultado da avaliação sumativa final do respectivo ano de escolaridade. 3. O plano de acompanhamento pode incluir as modalidades previstas no nº 3 do artigo anterior e ainda a utilização específica da área curricular de Estudo Acompanhado, bem como adaptações programáticas das disciplinas em que o aluno tenha revelado especiais dificuldades ou insuficiências. 4. Decorrente da avaliação sumativa final, o plano de acompanhamento é elaborado pelo conselho de turma e aprovado pelo Conselho Pedagógico para ser aplicado no ano escolar seguinte, competindo ao Director determinar as respectivas formas de acompanhamento e avaliação. 5. O plano de acompanhamento é planeado, realizado e avaliado, quando necessário, em articulação com outros técnicos de educação, envolvendo os pais ou encarregados de educação e os alunos.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

67

Regulamento Interno

Art.132º - Planos de Desenvolvimento 1. Entende-se por plano de desenvolvimento o conjunto das actividades concebidas no âmbito curricular e de enriquecimento curricular, desenvolvidas na escola ou sob sua orientação, que possibilitem aos alunos uma intervenção educativa bem sucedida, quer na criação de condições para a expressão e desenvolvimento de capacidades excepcionais quer na resolução de eventuais situações problema. 2. O plano de desenvolvimento é aplicável aos alunos que revelem capacidades excepcionais de aprendizagem. 3. O plano de desenvolvimento pode integrar, entre outras, as seguintes modalidades: a) Pedagogia diferenciada na sala de aula; b) Programas de tutoria para apoio a estratégias de estudo, orientação e aconselhamento do aluno; c) Actividades de enriquecimento em qualquer momento do ano lectivo ou no início de um novo ciclo.

4. Decorrente da avaliação sumativa do 1º período, o professor do 1º ciclo ou o conselho de turma elabora o plano de desenvolvimento e submete-o ao Director. 5. O plano de desenvolvimento é planeado, realizado e avaliado, quando necessário, em articulação com outros técnicos de educação, envolvendo os pais ou encarregados de educação e os alunos em causa. Art.133º - Gestão e Avaliação 1. O Director assegura os recursos humanos e materiais necessários à execução dos planos de recuperação, de desenvolvimento e de acompanhamento, de acordo com a legislação em vigor. 2. As propostas constantes dos planos a que se refere o número anterior são elaboradas, realizadas e avaliadas pelos diferentes órgãos e intervenientes no processo, segundo o critério de adequação às situações diagnosticadas, os recursos disponíveis e os efeitos positivos nas aprendizagens. 3. Os planos são objecto de avaliação contínua, participada e formativa, e de avaliação global, a realizar pelo Conselho Pedagógico, no final do ano lectivo. 4. No final do ano lectivo, e após a avaliação sumativa final, o Director envia à Direcção Regional de Educação do Norte um relatório de avaliação, no qual devem constar: a) público alvo; b) recursos mobilizados; c) modalidades adoptadas; d) resultados alcançados, incluindo: i. ii. iii. iv. v. vi. alunos que foram objecto de plano de recuperação e que transitaram de ano; alunos que foram objecto de plano de recuperação e que não transitaram de ano; alunos que não foram sujeitos a um plano de recuperação e ficaram retidos; alunos sujeitos a um plano de acompanhamento e que ficaram retidos; alunos em situação de retenção repetida; alunos encaminhados para outros percursos educativos e formativos.

Art134º - Avaliação do desempenho do pessoal docente (O Regulamento Interno rege-se de acordo como Dec. Lei 15/2007, com o Decreto Regulamentar nº 2/2008 e com as determinações seguintes): 1. A avaliação do desempenho concretiza-se nas seguintes dimensões:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

68

Regulamento Interno

a) Vertente profissional e ética; b) Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem; c) Participação na escola e relação com a comunidade escolar; d) Desenvolvimento e formação profissional ao longo da vida. 2. Elementos de referência e de avaliação a) A avaliação do desempenho tem por referência as metas e objectivos fixados no projecto educativo para um período de três anos e no plano actual de actividades da escola. b) Os indicadores de medida quanto ao progresso dos resultados escolares esperados para os alunos são os fixados em reunião de Departamento no início do ano lectivo. c) Os indicadores de medida do abandono escolar tendo em conta o contexto socioeducativo da região são os fixados em reunião de Directores de Turma no início do ano lectivo. 3. Objectivos individuais (ver artigos 9º e 10º do Decreto Regulamentar nº2/ 2008) a) Os objectivos individuais são fixados entre o avaliado e os avaliadores através da proposta do avaliado no início do período em avaliação. b) Os objectivos individuais que se referem à melhoria dos resultados escolares dos alunos e à redução do abandono escolar devem ser afixados anualmente e serão avaliados no final de cada período de dois anos escolares. c) Os objectivos individuais são definidos de acordo com o Projecto Educativo e o Plano Anual de Actividades podendo ser redefinidos de acordo com os mesmos documentos. 4. Comissão de Coordenação da Avaliação do Desempenho (artigo 13º) integram a comissão de coordenação de avaliação do desempenho o presidente do conselho pedagógico e quatro dos seus docentes titulares. A comissão deve elaborar e aprovar o respectivo regulamento de funcionamento. 5. Processo de Avaliação (Processo, calendarização) (artº 14, 15, 16 e 17) 5.1. FASE 1: 5.1.1. Primeira semana de Setembro.   Reunião CCADD: Aprovação do Regimento Interno da Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho Docente. Reunião CCADD: Formação da equipa de avaliação: Coordenadores de Departamento e Professores Titulares com funções de avaliação por delegação. Distribuição dos professores a avaliar pelos diferentes membros da equipa de avaliação. Reunião CADD: Definição de linhas de actuação da equipa de avaliação. Publicitação da distribuição dos membros da equipa de avaliação pelos professores a avaliar. Publicitação dos critérios que devem nortear a definição dos objectivos individuais e das indicações para a construção de um PDP. Publicitação da calendarização das aulas a serem assistidas (3 aulas, uma por cada período). Entrevistas individuais: discussão dos objectivos individuais e do PDP. Reunião CADD: fixação dos objectivos individuais; fixação de cada um dos PDP. Entrevista da equipa da avaliação com os professores a avaliar para dar conhecimento do PDP fixado.

   

5.1.2 Segunda e Terceira Semanas de Setembro.

5.1.3 Mês de Novembro   

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

69

Regulamento Interno

5.1.4 Terceira semana de Outubro.   Publicitação do modelo da ficha de observação de aulas assistidas. Publicitação do modelo de observação de aulas assistidas.

5.1.5 Segunda semana de Junho (para professores que poderão não permanecer na Escola).      Entrega da ficha de auto avaliação elaborada pelo professor. Preenchimento da ficha de avaliação elaborada pelo coordenador de Departamento ou pelo professor avaliador delegado. Preenchimento da ficha de avaliação elaborada pelo Director da Escola. Reuniões de Avaliação e de Validação. Publicitação dos resultados. 5.1.6 Terceira semana de Junho

5.1.7 Terceira e quarta semana de Junho

5.2. FASE 2: 5.2.1. Primeira semana de Outubro do ano lectivo seguinte (para professores que permanecem na Escola).       Entrega da ficha de auto avaliação elaborada pelo professor. Preenchimento da ficha de avaliação elaborada pelo coordenador de Departamento ou pelo professor avaliador delegado. Preenchimento da ficha de avaliação elaborada pelo Director da Escola. Reuniões de Avaliação e de Validação. Publicitação dos resultados. De acordo com o previsto na alínea h) do n.º 2 do artigo 45.º do ECD, os pais e encarregados de Educação dos alunos do Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa poderão efectuar uma apreciação do trabalho docente. 5.3.1.1. A concordância do docente em ser avaliado pelos e ncarregados de educação e pais deve ser comunicada, por sua iniciativa, por escrito em formulário próprio ao professor responsável pela sua avaliação. 5.3.1.2 No ano lectivo de 2008 – 2009, este requerimento de ser apresentado aquando da apresentação do PDP – Plano de Desenvolvimento. 5.3.1.3. Em anos lectivos posteriores, este requerimento deve ser apresentado vinte e dias úteis após o docente ter iniciado as suas actividades lectivas. 5.3.2. Reunião de avaliação. 5.3.2.1 Nos vinte dias úteis anteriores ao final das actividades lectivas a serem avaliadas ou nos vinte dias úteis anteriores à data prevista para entrega da ficha de autoavaliação, o docente a ser avaliado solicita ao director ou ao coordenador de turma que seja marcada uma reunião com os pais e encarregados de educação. 5.3.2.2.Esta reunião deverá ser marcada no período que cobre os dez dias úteis depois do final das actividades lectivas a serem avaliadas ou que cobre os dez dias úteis que antecedem a entrega da ficha de auto-avaliação. 5.3.2.3. Esta reunião, para que seja garantido sigilo necessário à avaliação, será presidida pelo avaliador do docente em avaliação. 5.2.2. Segunda semana de Outubro

5.2.3. Terceira e quarta semana de Outubro.

5.3. Apreciação do Desempenho pelos Pais e Encarregados de Educação

5.3.1.Requerimento de avaliação.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

70

Regulamento Interno

5.3.2.4.Na reunião, têm de estar presentes mais de metade dos pais e encarregados de educação para que ganhe efectividade avaliativa. 5.3.2.5. Os pais e encarregados de educação preencherão um questionário anónimo sobre a actividade do professor que incidirá na realização das actividades lectivas, na relação pedagógica com os alunos, na avaliação das aprendizagens dos alunos. 5.3.2.6.Cada questionário produzirá uma classificação de zero a dez pontos. 5.3.2.7.O conjunto dos questionários produzirá uma classificação global de um a dez pontos. 5.3.2.8. Os questionários serão recolhidos e tratados pelo Presidente da reunião. CAPÍTULO VIII- Disposições comuns aos Jardins de Infância Art.135º - Especificidade dos Jardins de Infância Dada a especificidade da educação pré-escolar, para além do disposto no presente Regulamento Interno para a generalidade dos estabelecimentos que integram o Agrupamento, são consignadas para os Jardins de Infância as disposições gerais de funcionamento que constam dos artigos seguintes. Art.136º Critérios de admissão e frequência dos Jardins de Infância De acordo com a legislação em vigor: 1. Distribuição das crianças e dos alunos por agrupamentos de escolas: 1.1. No acto de matrícula ou de renovação de matrícula, o aluno ou o encarregado de educação deve indicar, por ordem de preferência e sempre que o número de estabelecimentos de educação pré – escolar ou de ensino existentes na área o permita, cinco estabelecimentos cuja frequência é pretendida, devendo a mesma subordinar -se: a) No caso da educação pré -escolar, aos agrupamentos de escolas ou estabelecimentos de educação ou de ensino não agrupados em cuja área de influência se situe a residência ou a actividade profissional dos pais ou encarregados de educação, ou ainda ao percurso sequencial do aluno. 1.1.1. Na matrícula de crianças nos estabelecimentos de educação pré -escolar devem ser observadas, sucessivamente, as seguintes prioridades: - 1.ª Crianças que completem os cinco anos de idade até 31 de Dezembro; - 2.ª Crianças com necessidades educativas especiais de carácter permanente, de acordo com o artigo 19.º do Decreto -Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro; - 3.ª Crianças filhas de pais estudantes menores, nos termos previstos no artigo 4.º da Lei n.º 90/2001, de 20 de Agosto; 1.1.1.1. Cumulativamente, e como forma de desempate em situação de igualdade, devem ser observadas as seguintes prioridades: - 1.ª Crianças com irmãos a frequentar o estabelecimento de educação pretendido; - 2.ª Crianças cujos pais ou encarregados de educação residam, comprovadamente, na área de influência do estabelecimento de educação pretendido, ordenadas nos termos previstos na alínea b) do artigo 24.º do Decreto -Lei n.º 542/79, de 31 de Dezembro; - 3.ª Crianças cujos pais ou encarregados de educação desenvolvam a sua actividade profissional, comprovadamente, na área de influência do estabelecimento de educação pretendido, ordenadas nos termos previstos na alínea b) do artigo 24.º do Decreto -Lei n.º 542/79, de 31 de Dezembro. 1.1.2. Na renovação de matrícula na educação pré -escolar deve ser dada prioridade às crianças que frequentaram no ano anterior o estabelecimento de educação que

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

71

Regulamento Interno

pretendem frequentar, aplicando-se sucessivamente as prioridades definidas nos números anteriores. 2. A matrícula de crianças que completem três anos de idade entre 16 de Setembro e 31 de Dezembro é aceite, a título condicional, dando--se preferência às crianças mais velhas, sendo a respectiva frequência garantida caso exista vaga no estabelecimento de educação pretendido à data do início das actividades deste. Art.137º -Horário de funcionamento 1. O horário e o calendário de funcionamento do Jardim de Infância serão estabelecidos no início de cada ano lectivo pelo Director, depois de ouvido o Conselho Geral. 2. Nos termos da lei, o horário de funcionamento do Jardim de Infância deverá contemplar períodos de actividades educativas, de animação e de apoio à família. Art.138º - Acompanhamento das crianças 1. Os encarregados de educação são responsáveis pelo acompanhamento do seu educando no percurso casa - jardim-de-infância e jardim-de-infância - casa. 2. Os encarregados de educação deverão entregar a criança pessoalmente ao educador ou ao auxiliar de acção educativa, nunca a deixando sozinha no recreio do estabelecimento de educação e de ensino. Art.139º - Permanência no Jardim-de-Infância Os encarregados de educação deverão assegurar que a criança não permaneça no jardim-deinfância para além do horário de funcionamento. Art.140º - Material 1. A criança deve trazer para o jardim-de-infância o material que lhe for solicitado pelo educador. 2. A criança não deve trazer para o jardim-de-infância brinquedos ou outros objectos, salvaguardando-se o estabelecido no número anterior, não se responsabilizando o educador ou o auxiliar de acção educativa pelo desaparecimento de tais objectos ou pelos danos neles provocados, ou que daí resultem. Art.141º - Faltas 1. Sempre que a criança tenha necessidade de faltar ao jardim-de-infância, tal facto deve ser comunicado ao educador. 2. Se essas faltas ultrapassarem cinco (5) dias devem ser comunicadas ao educador e devidamente justificadas pelos pais ou encarregados de educação. 3. Se a ausência injustificada se mantiver, a inscrição da criança será anulada e o encarregado de educação notificado. Art.142º - Indisposições e medicamentação 1. Sempre que a criança acordar indisposta, o encarregado de educação deverá transmitir tal informação ao educador ou ao auxiliar de acção educativa. 2. Em casos pontuais, quando a criança tenha necessidade de tomar um medicamento no horário de frequência do jardim-de-infância, o encarregado de educação deverá comunicar ao educador, por escrito, a dose e o horário da administração do mesmo, responsabilizando-se, por escrito, pela situação.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

72

Regulamento Interno

Art.143º - Doenças contagiosas 1. Se a criança estiver com febre ou doença contagiosa ou infecto-contagiosa como, por exemplo, sarampo, varicela, rubéola ou papeira, não poderá frequentar o jardim-deinfância. 2. O regresso da criança ao jardim-de-infância, na sequência deste tipo de doenças, só poderá realizar-se desde que seja portadora de declaração médica atestando que a criança já não apresenta perigo de contágio. Art.144º - Passeios e visitas de estudo 1. Nos casos de organização de passeios e visitas de estudo, compete ao educador informar previamente o encarregado de educação, sendo exigida uma autorização escrita deste. 2. Caso o encarregado de educação não concorde com a participação da criança num passeio ou numa visita de estudo, tal facto deverá ser comunicado ao educador, previamente à realização da iniciativa. Art.145º- Avaliação das crianças 1. Cada educador titular de grupo deverá elaborar periodicamente e nos moldes a definir pelo Conselho Pedagógico, um registo estruturado de informação dos progressos e das principais dificuldades de cada criança. 2. O registo de informação, eminentemente descritivo, ficará arquivado no processo de cada criança, devendo ser entregue uma cópia ao respectivo encarregado de educação na data estipulada pelo Conselho Pedagógico. 3. No final do ensino pré-escolar o registo de informação referido nos pontos anteriores será entregue ao coordenador de estabelecimento, que por sua vez o remeterá, assim que for possível, ao professor titular de turma de primeiro ciclo onde a criança vier a ser inserida. Art.146º -Componente de Apoio à Família (CAF) 1. A Componente de Apoio à Família desenvolve-se nos estabelecimentos de Educação Pré-Escolar e visa adaptar os tempos de permanência dos alunos no jardim-de-infância às necessidades das famílias e, simultaneamente, garantir que os tempos de permanência na escola são pedagogicamente ricos e complementares das aprendizagens associadas à aquisição das competências básicas. 2. A Componente de Apoio à Família compreende o serviço de refeição e/ou actividades de animação socioeducativa. Art.147º-Organização A planificação das actividades de apoio à família é da responsabilidade do Conselho de Docentes do Pré-escolar, em articulação com a Autarquia, de acordo com a legislação em vigor, envolvendo, obrigatoriamente, a programação, acompanhamento e a supervisão pedagógica dos educadores de infância responsáveis pelo grupo. Art.148º -Funcionamento 1. A componente de apoio à família é assegurada diariamente nos estabelecimentos de educação pré-escolar, antes e/ou após as actividades lectivas. As actividades de animação socioeducativa poderão ainda ser asseguradas num outro espaço físico, em conformidade com a legislação em vigor. 2. É assegurada nos períodos escolares e, quando necessária, nos períodos de interrupções lectivas (com excepção do mês de Agosto).

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

73

Regulamento Interno

3. As normas de funcionamento e regras de inscrição fazem parte do Regulamento da Componente de Apoio à Família, aprovado anualmente pela Câmara Municipal de Paredes. CAPÍTULO IX - DISPOSIÇÕES COMUM ÀS ESCOLAS DO 1.º CICLO SECÇÃO I- ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES Art.149º -Horário de funcionamento 1. O horário de funcionamento das escolas será estabelecido no início de cada ano lectivo pelo Director, de acordo com o número de turmas que irão funcionar. 2. Os alunos não poderão entrar nas instalações das escolas antes do horário estipulado, salvo indicação em contrário, dos professores ou auxiliares de acção educativa. Art.150º - Horário de encerramento dos portões 1. Os portões de acesso à Escola serão encerrados 30 minutos após o início do horário lectivo, permanecendo encerrados até ao termo de cada período de funcionamento. 2. Para abertura dos portões durante o período de encerramento referido no ponto anterior deverá ser utilizada a campainha. Art.151º- Indisposições e medicamentação 1. Sempre que o aluno acordar indisposto, o encarregado de educação deverá transmitir tal informação ao professor titular da turma. 2. Em casos pontuais, quando o aluno tenha necessidade de tomar um medicamento no horário de frequência, o encarregado de educação deverá comunicar ao professor, por escrito, a dose e o horário da administração do mesmo, responsabilizando-se, por escrito, pela situação. Art.152º - Vigilância dos recreios Nos intervalos das actividades lectivas, os recreios serão vigiados por docentes e pessoal auxiliar de acção educativa, de acordo com um mapa a elaborar pelo Coordenador de Estabelecimento e aprovado pelo Director. Art.153º - Contacto urgente com o docente Em caso de necessidade urgente de contacto com o docente no decurso das actividades lectivas, o encarregado de educação deverá transmitir a mensagem ao auxiliar de acção educativa, o qual, por seu turno, dará dela conhecimento, para os devidos efeitos, ao docente em causa. Secção II- Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC) Art.154º -Definição As actividades de enriquecimento curricular constituem um conjunto de actividades que se desenvolvem, predominantemente, para além das actividades lectivas e pretendem fomentar o desenvolvimento das crianças tendo em vista o sucesso escolar futuro, garantindo tempos pedagogicamente ricos e complementares das aprendizagens associadas à aquisição das competências básicas.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

74

Regulamento Interno

Art.155º -Organização 1. As actividades de enriquecimento curricular desenvolvem-se, preferencialmente, entre as 15.30h às 17.30h, sendo possível que as mesmas se apresentem de forma flexibilizada, respeitando as normas fixadas pela Direcção Regional de Educação do Norte. 2. A planificação das AEC é da responsabilidade dos órgãos competentes do Agrupamento, em articulação com a Autarquia, de acordo com a legislação em vigor. 3. Aos professores titulares de turma compete assegurar a supervisão pedagógica e o acompanhamento da execução das actividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico, tendo em vista garantir a qualidade das actividades, bem como a articulação com as actividades curriculares. Art.156º -Frequência 1. As Actividades de Enriquecimento Curricular são gratuitas e de frequência facultativa, cabendo aos Pais e Encarregados de Educação (EE) a tomada de decisão de inscreverem os seus educandos nas referidas actividades. 2. Uma vez realizada a inscrição, os encarregados de educação assumem um compromisso de honra de que os seus educandos frequentam as actividades de enriquecimento curricular até ao final do ano lectivo. 3. Os Professor Titular de Turma têm o dever de esclarecer os Encarregados de Educação acerca da importância da frequência das Actividades de Enriquecimento Curricular nomeadamente no percurso escolar do seu educando. Art.157º -Faltas dos alunos 1. Os alunos inscritos nas AEC têm o dever de assiduidade e de pontualidade, tal como no que respeita à frequência das actividades curriculares. 2. Poderão faltar apresentando ao professor das AEC a respectiva justificação do Encarregado de Educação. Art.158º - Avaliação 1. Os Encarregados de Educação serão informados acerca dos progressos dos seus educandos nas Actividades de Enriquecimento Curricular através da Ficha de Avaliação. 2. O nível de avaliação atingindo, pelo aluno, em algumas das Actividades de Enriquecimento Curricular poderá constituir um critério para a formação de turmas no 5º ano de escolaridade se o Conselho Pedagógico assim o entender.7 Art.159º – Participação das estruturas pedagógicas no processo de avaliação do desempenho dos professores das AEC As estruturas de Coordenação Pedagógica do Agrupamento deverão colaborar com o Município no processo de avaliação de desempenho dos professores das Actividades de Enriquecimento Curricular em termos a fixar anualmente pelo Conselho Pedagógico.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

75

Regulamento Interno

Capítulo X- Organização e Funcionamento do Agrupamento Secção I – Instalações Art.160 º - Acesso aos estabelecimentos de ensino e Circulação 1. Os alunos, Professores e Pessoal Não Docente em exercício efectivo de funções nas escolas do agrupamento têm livre acesso à escola sede devendo ser portadores da respectiva identificação que poderá ser solicitada por qualquer responsável da escola. 2. Para dar cumprimento ao ponto anterior, o órgão de gestão emitirá um cartão de identificação pessoal. 3. Todos os outros elementos terão de ser identificados, referindo obrigatoriamente ao funcionário de serviço, na portaria, os serviços ou pessoas que pretendem contactar. Este prestará todo o apoio necessário e encaminhá-los-á ao respectivo local de atendimento. 4. Só é permitida a presença de elementos estranhos aos estabelecimentos de ensino na entrada do Pavilhão Central, nos Serviços Administrativos ou de Acção Social Escolar, no local de atendimento dos Directores de Turma ou professores titulares e na cantina, bufete, papelaria e biblioteca, se em serviço de abastecimento. 5. As entradas e saídas da Escola Sede far-se-ão pelo Portão Principal, podendo o outro ser utilizado sempre que necessário após autorização do Director. 6. No caso de saídas de alunos, sem a devida autorização prevista neste regulamento, estes incorrerão em medidas educativas disciplinares. 7. Apenas os fornecedores podem circular dentro do recinto escolar em viaturas. Para tal deverão ter acesso aos serviços antes do início das aulas, se possível, e nunca durante os intervalos. As viaturas não deverão ultrapassar a velocidade de 20 Km/h. 8. Fica vedada aos alunos a permanência no átrio do Pavilhão Central. 9. Os alunos só podem ter acesso ao polivalente, na escola sede, pelas entradas laterais excepto em dias de chuva. 10. Não é permitido permanecer no átrio e corredores dos pavilhões durante os intervalos e no período de funcionamento das aulas. 11. Não é permitido permanecer junto às janelas das salas durante o funcionamento das aulas. 12. É vedada a entrada e estacionamento a qualquer veículo motorizado, a não ser quando em serviço de abastecimento, ou em situações devidamente autorizadas pelo Director ou Coordenador de Estabelecimento. 13. Não é permitido permanecer no interior dos pavilhões durante os intervalos e no período de funcionamento das aulas. 14. Não é permitido jogar bola nas áreas que rodeiam os Pavilhões. Caso, tal se verifique, a bola será confiscada até ao final do ano lectivo. Art. 161º - Instalações 1. As instalações das Escolas do Agrupamento de Rebordosa ficam vedadas: a) a manifestações de carácter político, partidário ou religioso, salvo se devidamente autorizadas pelo Director e segundo a legislação em vigor; b) à prática de quaisquer jogos de azar, independentemente das suas características ou finalidades; c) à comercialização de quaisquer tipos de produtos sem prévia autorização do Director ou Coordenador de Estabelecimento; d) ao uso de quaisquer utensílios ou materiais que danifiquem as instalações, ou incomodem a comunidade escolar; e) ao porte e uso de quaisquer tipos de armas defensivas ou ofensivas;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

76

Regulamento Interno

f)

a gravações magnéticas ou outras que pretendam registar a vida da escola, a não ser que sejam devidamente autorizadas pelo Director e para as quais haja autorização de todos os Encarregados de Educação dos alunos envolvidos;

g) ao consumo de bebidas alcoólicas, estupefacientes ou produtos similares; h) à distribuição e afixação de qualquer tipo de cartazes ou anúncios que não estejam autorizados pelo Director ou Coordenador de Estabelecimento. 2. Todos os elementos da comunidade escolar devem zelar pela conservação dos espaços interiores e exteriores da escola, bem como pela sua limpeza. 3. As salas de aula deverão ser fechadas, no final de cada tempo lectivo, pelo professor que as utilizar, depois da saída de todos os alunos.

Art.162º - INVENTÁRIOS 1. Os Coordenadores de escola e de Departamento bem como os Subcoordenadores, são obrigados a elaborar e manter actualizados os inventários dos bens duradouros a seu cargo, (considera-se bem duradouro aquele que se presume que irá ter uma duração superior a um ano). 2. A elaboração do inventário faz-se em impresso próprio fornecido pela escola, onde conste: a) Número de inventário correspondente a cada bem; b) Designação de bens; c) Estado de conservação; d) Data de aquisição e firma vendedora. 3. Um exemplar dos bens inventariados deve estar disponível no espaço da instalação onde se encontram. 4. No final do ano lectivo deve ser entregue ao Director um exemplar actualizado do inventário de cada sector, com as anotações que se julguem pertinentes, nomeadamente no que se refere à substituição ou reparação de equipamentos avariados. Secção II - COMUNICAÇÃO NA COMUNIDADE ESCOLAR Art.163 º- Convocatórias, Comunicações e Ordens de Serviço 1. Todas as comunicações dirigidas aos alunos devem ser lidas nas salas de aula, sendo posteriormente arquivadas no respectivo dossier. 2. Todas as convocatórias dirigidas aos alunos a título individual devem ser assinadas pelos mesmos. 3. Todas as comunicações e convocatórias dirigidas aos funcionários devem ser entregues ao Chefe dos Serviços Administrativos e ao Chefe do Pessoal Auxiliar. 4. Todas as comunicações e convocatórias dirigidas aos Encarregados de Educação podem ser feitas através da caderneta individual dos alunos, carta registada, telefonema (em caso urgente, quando possível), através da página electrónica ou em mão, por parte do Director de Turma, do Coordenador dos Directores de Turma, professor titular ou do Órgão de Gestão. 5. Todas as comunicações e convocatórias dirigidas ao Director de Turma e professores poderão ser lidas individualmente, assinadas pelos mesmos, afixadas na sala dos professores ou enviadas por correio electrónico e posteriormente arquivadas em dossier próprio (da responsabilidade do Órgão de Gestão). 6. As convocatórias para reuniões ordinárias dos órgãos de gestão e das estruturas de orientação educativa serão afixadas em local próprio na sala de professores e/ou no átrio da escola e enviadas através do correio electrónico.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

77

Regulamento Interno

7. As convocatórias para reuniões extraordinárias dos órgãos de gestão e das estruturas de orientação educativa serão dadas a conhecer individualmente, assinadas pelos mesmos, afixadas na sala dos professores e posteriormente arquivadas em dossier próprio (da responsabilidade do Órgão de Gestão). 8. A comunicação entre o órgão de gestão e o pessoal docente e não docente poderá ser processada através do correio electrónico para os endereços fornecidos pelos mesmos. 9. A correspondência enviada para o estabelecimento destinada a algum elemento da comunidade escolar, deve, sendo oficial, ser comunicada através da cópia do documento em causa. Sendo de carácter não oficial, esta deve ser colocada na sala de professores onde os interessados a devem levantar, ou será entregue por mão própria. Art.164º-Afixação e Distribuição de Cartazes e outra Informação 1. A afixação de cartazes no espaço pertencente às escolas do agrupamento, deverá ser executada, exclusivamente, nos locais destinados a tal efeito, depois de autorizada pelo Órgão de Gestão ou pelo coordenador de estabelecimento. 2. Apenas será permitida a distribuição de comunicados ou qualquer tipo de informação desde que neles figure a identificação do responsável e a rubrica de algum elemento do Órgão de Gestão ou coordenador de estabelecimento. 3. Todo o material afixado deverá sê-lo de modo a que a sua remoção seja fácil, sem que daí resulte qualquer dano para as instalações ou equipamentos. 4. Ninguém pode afixar o que quer que seja sobre outro material já afixado. 5. Os Sindicatos têm direito a espaço próprio para a divulgação de informação sindical. Art.165º - Livros de ponto da escola sede 1. Os livros de ponto encontram-se em estante própria, na sala dos professores. 2. A abertura diária das páginas dos livros de ponto é feita pelo Director de Turma. 3. Os professores levarão o livro de ponto para as suas aulas e após terminarem, colocarão os mesmos no seu lugar na sala dos professores. 4. Do livro de ponto devem constar a identificação do ano e turma, na capa e na lombada, a lista nominal por ordem alfabética dos alunos, o horário semanal, a relação dos professores, o calendário destinado ao registo das datas das fichas de avaliação.

5. Os professores devem escrever os sumários, numerar as lições, registar as faltas dos alunos e rubricar no próprio dia. 6. O transporte do livro deverá ser feito apenas pelos professores, ou, em caso que se justifique, por um funcionário. 7. O Director de Turma é responsável pela verificação do preenchimento legal do livro de ponto. 8. A marcação de faltas dos professores é feita por Auxiliares da Acção Educativa designados pelo chefe de pessoal. Art.166º - Livros de ponto De Professores De 1º Ciclo e Educadores De Infância 1. A abertura diária das páginas dos livros de ponto é feita pelo coordenador de estabelecimento, ou na falta deste, por alguém indicado no Regimento de Funcionamento do Estabelecimento. 2. A pessoa responsável pela abertura do livro é responsável pela verificação do seu preenchimento legal. 3. No livro de ponto devem constar todas as aulas ministradas à turma em questão.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

78

Regulamento Interno

Secção III - RELAÇÕES COM A COMUNIDADE 1. A escola, enquanto centro de políticas educativas, tem de construir a sua autonomia a partir da comunidade em que se insere, dos seus problemas e potencialidades, contando com o assumir de novas competências por parte da administração regional e local, que possibilitem uma melhor resposta aos desafios da mudança. 2. O desenvolvimento da autonomia da escola exige ainda a realização de protocolos que garantam a iniciativa e a participação da sociedade civil. 3. A autarquia e as entidades com quem se estabelecem protocolos têm intervenção directa na vida da escola, nomeadamente, através da sua participação no Conselho Geral e, como tal, têm direitos e deveres. SUBSECÇÃO I - ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Art.167º - Associação de Pais e Encarregados de Educação 1. As associações de pais e encarregados de educação dos estabelecimentos do agrupamento regem-se por estatutos próprios, pela lei em vigor e, subsidiariamente, pela lei geral sobre o direito de associação. 2. A cópia dos estatutos das associações de pais e encarregados de educação está depositada na secretaria-geral do Ministério da Educação. 3. Aos pais e encarregados de educação é reconhecido o direito de se constituírem, nos termos da lei, em associação de pais e encarregados de educação dos estabelecimentos que integram o Agrupamento, com vista à participação representativa na educação dos seus filhos e educandos. 4. O Agrupamento disponibilizará, dentro das suas possibilidades, os meios técnicos e logísticos necessários à normal actividade das associações de pais e encarregados de educação. 5. As associações de pais e encarregados de educação têm direito: a) A ser informadas sobre todos os normativos legais e regulamentares relacionados com a vida do Agrupamento; b) Às condições necessárias à realização das suas reuniões e actividades, dentro das possibilidades do Agrupamento; c) A apoio na inscrição de novos associados; d) A remeter, através dos educandos, a documentação de interesse das associações, mediante autorização do Director. 6. As associações de pais e encarregados de educação devem: a) Promover reuniões com o Director; b) Informar o Director, com a devida antecedência (cinco dias úteis), das actividades das Associações de Pais que impliquem a utilização das instalações; c) Articular o seu plano de actividades com o Projecto Educativo do Agrupamento. 7. As Associações de Pais e Encarregados de Educação reunirão trimestralmente com o Director. 8. No quadro do desenvolvimento do Projecto Educativo do Agrupamento, deverão ser desenvolvidos esforços com vista à criação de uma estrutura de coordenação das actividades das Associações de Pais e Encarregados de Educação dos estabelecimentos de educação e de ensino que integram o Agrupamento. Art.168º - Direitos da Câmara Municipal de Paredes 1. À Câmara Municipal de Paredes é reconhecido o direito a:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

79

Regulamento Interno

a) Participar na vida do Agrupamento, através dos seus representantes no Conselho Geral; b) Ser informada das actividades desenvolvidas no Agrupamento, com interesse para a comunidade; c) Articular projectos de animação comunitária com as escolas do Agrupamento; d) Articular a política educativa com outras políticas sociais; e) Vir a celebrar com o Agrupamento, com o Ministério da Educação e, eventualmente com outros parceiros, contratos de autonomia; f) Ver cumpridas as obrigações do agrupamento previstas nos protocolos estabelecidos.

Art.169º -Deveres da Câmara Municipal de Paredes 1. São deveres gerais da Câmara Municipal de Paredes, entre outros, os seguintes: a) Participar na vida do Agrupamento, através dos seus representantes no Conselho Geral; b) Promover o envolvimento do Agrupamento em actividades comunitárias do seu interesse; c) Dar conhecimento ao Agrupamento de resultados de estudos que se revelem de interesse para a sua política educativa; d) Assegurar os transportes escolares, de acordo com a legislação em vigor; e) Assegurar o funcionamento dos refeitórios nos estabelecimentos de educação préescolar e do 1.º ciclo; f) Assegurar, nos termos da legislação em vigor, a construção, manutenção e conservação das instalações dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos 1.º, 2º e 3º ciclo do ensino básico;

g) Assegurar, nos termos da legislação em vigor, o fornecimento do equipamento e material didáctico aos estabelecimentos de educação pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, bem como a prestação dos apoios socioeducativos às crianças e aos alunos daqueles níveis de educação e de ensino; h) Contribuir para a qualidade educativa, colaborando com o Agrupamento na organização de iniciativas de enriquecimento curricular e outras; i) j) Conhecer o Regulamento Interno; Cumprir as obrigações da autarquia previstas nos protocolos estabelecidos com o agrupamento.

k) Dar cumprimento às disposições previstas na Lei. Art.170º - Direitos e deveres da Junta de Freguesia 1. A Junta de Freguesia tem direito a cooperar na vida escolar e educativa dos estabelecimentos de educação e de ensino que integram o Agrupamento. 2. A Junta de Freguesia tem dever de cumprir as obrigações previstas nos protocolos estabelecidos com a Câmara Municipal. Art.171º - Direitos e deveres da Associação Para o Desenvolvimento de Rebordosa - ADR 1. A ADR tem o direito de participar na vida do Agrupamento, através dos seus representantes no Conselho Geral; 2. A ADR tem o dever de assegurar o funcionamento da componente de apoio à família no ensino pré-escolar nas valências do almoço e prolongamento de horário de acordo com o Protocolo de colaboração estabelecido com a autarquia;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

80

Regulamento Interno

3. Tem o dever de assegurar a valência de almoço para o primeiro ciclo do ensino básico em todos os estabelecimentos de ensino excepto na EB1 de S. Marcos de acordo com o Protocolo de colaboração estabelecido com a autarquia. Art.172 º- Direitos e deveres de A Cooperativa Eléctrica de Rebordosa – A CELER 1. A CELER tem o direito de participar na vida do Agrupamento, através do seu representante no Conselho Geral; 2. A CELER tem direito a cooperar na vida escolar e educativa dos estabelecimentos de educação e de ensino que integram o Agrupamento. Art.173º- Direitos e deveres da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Rebordosa 1. A Associação Voluntária dos Bombeiros de Rebordosa tem o direito de participar na vida do Agrupamento, através do seu representante no Conselho Geral; 2. A Associação Voluntária dos Bombeiros de Rebordosa tem direito a cooperar na vida escolar e educativa dos estabelecimentos de educação e de ensino que integram o Agrupamento. Art.174º - Cedência e aluguer das Instalações à Comunidade Escolar e Local 1. Só podem ser cedidas instalações que não ponham em causa o normal funcionamento das actividades curriculares, extracurriculares, outras actividades programadas ou em prática, e que não limitem o acesso e circulação dos intervenientes no processo educativo, durante o seu horário habitual. 2. A cedência de instalações deve obedecer rigorosamente a princípios pluralistas e pode abranger três modalidades. A saber: de curta duração, de média duração e de longa duração.

3. Compete ao Director autorizar a cedência das instalações. 4. Entende-se por curta duração a ocupação das instalações com reuniões, encontros, actividades, etc., que não se alonguem por mais de um dia. 5. Os interessados na ocupação de curta duração devem solicitar, por escrito, a cedência das instalações com a antecedência mínima de 5 dias úteis. 6. Entende-se por média duração a ocupação das instalações com reuniões, encontros, actividades, etc., que não se alonguem por mais de 10 dias seguidos ou interpolados, com um intervalo máximo de um dia. 7. Os interessados na ocupação de média duração devem solicitar, por escrito, a cedência de instalações com a antecedência mínima de 30 dias. 8. Entende-se por longa duração a ocupação das instalações com reuniões, encontros, actividades, etc., que ultrapasse os limites fixados para a ocupação de média duração. 9. Os interessados na ocupação de longa duração devem solicitar, por escrito, a cedência de instalações com a antecedência mínima de 30 dias. 10. Têm prioridade na ocupação de instalações: Comunidade escolar; Associação de Pais e Encarregados de Educação; Comunidade local; Outros. 11. A prioridade pode ser pontualmente alterada, depois de ponderada a importância da reunião, encontro, actividade, etc., o seu interesse para a comunidade escolar ou local e o número de participantes. 12. Compete ao Director decidir sobre a alteração pontual da prioridade.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

81

Regulamento Interno

13. Os interessados na cedência das instalações devem indicar sempre no seu pedido o nome do funcionário da escola responsável pela abertura, vigilância, conservação e encerramento das instalações. 14. O funcionário apenas poderá assumir esse serviço fora do seu horário laboral e não compete ao agrupamento aboná-lo pelas horas prestadas nesses períodos. 15. Os pedidos para cedência das instalações serão efectuados em impresso próprio a fornecer pela escola, que incluirá, nomeadamente: -identificação civil e fiscal da entidade solicitadora; -instalações que pretende utilizar; -objectivo do pedido; -início ( hora e dia ) e fim ( hora e dia ) da ocupação; -nome e concordância do funcionário de apoio; -assinatura da entidade solicitadora. 16. Depois de devidamente autorizada a cedência das instalações, entre o agrupamento e a entidade solicitadora, será estabelecido um compromisso escrito que inclua, nomeadamente: a) a responsabilidade dos utilizadores pela conservação das instalações e equipamentos usados; b) a verba devida ao agrupamento e forma de pagamento ou contrapartidas; c) no caso de necessidade das instalações cedidas para concretização da sua actividade, ou por decisão superior, o agrupamento pode renunciar com um prazo mínimo de 48 horas ao acordo celebrado. 17. Pela ocupação de curta duração que não vise lucro financeiro, ou de média duração, também sem objectivos lucrativos e de reconhecido interesse para a comunidade escolar ou local, não é devida qualquer importância, exceptuando-se o pagamento da energia e água consumidas. 18. Nos restantes casos é devida a importância determinada por Lei pagável nos serviços administrativos nos 5 dias úteis seguintes ao fim da ocupação, ou nos primeiros dias úteis de cada mês, se a ocupação for sistemática e de longa duração. 19. Das importâncias recebidas será passado recibo. 20. Compete ao Director estabelecer protocolos com entidades, prevendo outras formas de retribuição. 21. Após cada sessão de utilização das instalações, deve ser preenchido um impresso próprio, fornecido pela escola, onde conste: a) estado do equipamento e instalações no início da sessão; b) duração da sessão; c) estado do equipamento e instalações no final da sessão; d) assinatura da entidade responsável pela utilização. 22. O funcionário, semanalmente, ou no dia imediato à sessão, caso verifique alguma anomalia ou alteração nos equipamentos e/ou instalações, entregará no gabinete do Director o documento de controlo, assinalando as ocorrências verificadas. Art.175º- PARCERIAS 1. O Director, e de acordo com o Projecto Educativo, tem competência para celebrar contractos, ou estabelecer parcerias, com a administração autárquica ou outros parceiros. 2. As propostas relativas ao ponto 1 devem ser aprovadas pelo Conselho Geral.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

82

Regulamento Interno Secção IV – Referendo Art.176º - Objecto O referendo só pode ter como objecto questões de relevante interesse para a comunidade escolar. Art.177º - Âmbito 1. O referendo, em harmonia com o tema da questão a referendar, pode abranger todo o Agrupamento de Escolas, como pode ser restrito a uma das escolas. 2. O referendo, em harmonia com o tema da questão a referendar, pode restringir-se a cada um dos elementos da comunidade escolar: pessoal docente, não docente, alunos e encarregados de educação. Art.178º - Iniciativa O referendo só pode ser proposto pelo Director ou pelo Conselho Pedagógico depois de apresentada proposta ao Conselho Geral. Art.179º - Formulação 1. Nenhum referendo pode comportar mais do que três questões. 2. As perguntas são formuladas com objectividade, clareza e precisão, sem sugerirem directa ou indirectamente, o sentido da resposta. Art. 180º - Discussão e votação da proposta Recebida a proposta, e verificadas as condições legais para a sua aceitação, o Conselho Geral discute e vota a mesma, sendo necessária a maioria qualificada de dois terços dos votos dos membros do Conselho Geral para a sua aprovação. Art.181º - Convocação Compete ao Conselho Geral convocar o referendo, a realizar no prazo máximo de 30 dias após a data da sua aprovação. Art.182º - Fiscalização do processo O Conselho Geral designará três dos seus elementos para acompanhar e fiscalizar a legalidade do processo referendário, constituindo a mesa, contando os votos e publicitando os resultados finais. Art.183 º - Direito de sufrágio O Direito de sufrágio é directo, secreto e presencial. Art.184º - Eficácia A eficácia do referendo só se tornará vinculativa se tiverem votado metade mais um dos votantes inscritos no caderno eleitoral.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

83

Regulamento Interno

Secção V- Manuais escolares Art.185º - Adopção de manuais escolares A adopção de manuais escolares realiza-se sempre que houver indicação do Departamento da Educação Básica pelo período e ano de escolaridade indicado. Art.186º- Selecção de manuais escolares Os manuais escolares são seleccionados em Reunião de Departamento Curricular/ Conselho de Docentes de acordo com os critérios indicados pelo DGIDC. Art.187º- Alteração na adopção de manuais Sempre que houver necessidade de alteração dos manuais adoptados, a proposta devidamente fundamentada deverá ser elaborada pelo respectivo Departamento Curricular/ Conselho de Docentes e ratificada em Conselho Pedagógico para posterior pedido de permissão de alteração ao DGIDC. Art.188º – Empréstimo de Manuais escolares 1. No final de cada ano lectivo compete ao Conselho Administrativo, mediante parecer do Conselho Pedagógico a decisão de empréstimo dos manuais escolares, para o ano lectivo seguinte. 2. De acordo com a legislação em vigor, os Serviços de Acção Social Escolar deste Agrupamento disponibilizarão manuais escolares, a título devolutivo, aos alunos subsidiados do 2.º e 3.ºciclos dos Ensinos Básico e Secundário. Relativamente ao 1º Ciclo deverão ser consideradas as competências da Autarquia Local no âmbito da Acção Social Escolar. 3. O empréstimo abrange, no 2.º e 3.ºciclos dos Ensinos Básico e Secundário, os manuais escolares das disciplinas indicadas pelo Conselho Pedagógico, dos quais, preferencialmente, as fichas de actividades e outros anexos possam ser vendidos em separado do manual escolar. 4. No final do ciclo de estudos os alunos podem optar pela aquisição dos manuais que lhes foram emprestados, mediante o pagamento de 30% (trinta) do valor da venda do manual no momento da aquisição. 5. O desrespeito da obrigatoriedade de manutenção do adequado estado de conservação dos manuais escolares sujeitos a empréstimo podem consubstanciar a violação do dever de preservar e respeitar a propriedade dos bens da comunidade educativa, sujeito a sanção prevista no presente Regulamento Interno. Capítulo X - Disposições finais Art.189º - Disposições finais 1. Deverão ser anexos a este Regulamento os seguintes regulamentos específicos:       Regulamento da Biblioteca; Regulamento dos serviços (papelaria, administrativos, sala de audiovisuais); Regulamento das Visitas de Estudo; Regulamento da Utilização das Instalações Gimnodesportivas; Regulamento da Portaria; Regulamento do P.B.X.; bufete, reprografia, refeitório, serviços

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

84

Regulamento Interno  

Regulamento do Centro de Recursos; Cópia das Fichas de Requisição de Materiais e de Comunicação de Danos ou avarias.

2. O presente Regulamento entrará em vigor nos cinco dias subsequentes ao da sua homologação pelo Director Regional da Educação do Norte. 3. Este Regulamento será divulgado a toda a comunidade educativa, de acordo com a lei. 4. Um exemplar deste Regulamento estará disponível na biblioteca, sala de professores e sala de funcionários de todas as escolas e jardins-de-infância do Agrupamento. 5. É dever de toda a comunidade Escolar cumprir o Regulamento Interno e demais normas anexas. Anexos SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E SASE 1. A Secretaria tem durante o período de actividades lectivas e de avaliação horário contínuo. 2. Durante o período de interrupção das actividades lectivas (final do ano lectivo) encerra no período de almoço. 3. Não é permitida aos Alunos a permanência no átrio de entrada e no acesso à Secretaria, excepto quando tenham de aí tratar de algum assunto. 4. O SASE funciona no mesmo espaço da Secretaria. REGULAMENTO DA PORTARIA E PBX 1. A escola está aberta das 08:00H às 19:00H. 2. Os portões devem manter-se sempre fechados. 3. São responsáveis pela portaria os funcionários designados pelo Director para prestar serviço nesse sector; 4. Só têm livre acesso a este estabelecimento de ensino o pessoal docente, não docente e discente deste agrupamento; 5. Têm acesso condicionado a este estabelecimento de ensino os Pais e Encarregados de Educação dos alunos e qualquer outra pessoa que, por motivo justificado, tenha assuntos do seu interesse a tratar; 6. O funcionário em serviço na portaria solicitará aos visitantes (os consignados no ponto 3) a respectiva identificação, bem como perguntará o assunto a tratar e o local a que se dirigem; 7. A identificação citada no ponto 4 fica cativa e é devolvida ao visitante aquando da sua saída; 8. É entregue ao visitante um cartão identificativo a devolver aquando da sua saída; 9. O funcionário em serviço na portaria deve vedar aos alunos a saída da escola durante o horário lectivo, salvo os casos 8 e 9; 10. Só podem sair da escola ao último tempo da manhã e da tarde, caso não tenham aulas, os alunos cujos pais ou encarregados de educação tenham dado autorização; 11. Podem sair da escola a qualquer tempo da manhã e da tarde os alunos cujos pais ou encarregados de educação os venham buscar à escola ou comuniquem a autorização de saída através da caderneta; 12. O funcionário em serviço na portaria deve solicitar aos alunos o cartão de estudante para verificação de dados; 13. Todas as chamadas telefónicas feitas ao serviço da escola deverão ser registadas em livro próprio;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

85

Regulamento Interno

14. O pessoal docente e não docente não está autorizado a efectuar chamadas telefónicas através do P.B.X. para uso particular; 15. Sempre que o pessoal docente, discente e não docente necessitar de efectuar chamadas telefónicas para uso particular poderá usar o telefone público. No entanto, em caso de urgência justificada, poderão utilizar o telefone do PBX ou o telemóvel; 16. Sempre que o pessoal docente necessitar de efectuar chamadas telefónicas para serviço da escola deve solicitar autorização Director; 17. Sempre que o funcionário da portaria tiver que se ausentar temporariamente, deve fechar o portão à chave. Se o tempo de ausência o justificar deve comunicar ao Coordenador do Pessoal Não Docente para ser substituído; 18. O presente regulamento deve ser escrupulosamente respeitado. REGULAMENTO DA REPROGRAFIA 1. São responsáveis pela reprografia os funcionários designados pelo Director para prestar serviço nesse sector; 2. Os professores podem fazer reproduções de originais desde que sejam destinados a avaliar alunos, formativa ou sumativamente ou desde que os materiais sejam reconhecidamente importantes no processo ensino – aprendizagem; 3. Os originais devem ser entregues neste serviço com 48 horas de antecedência acompanhado de uma requisição onde conste: número de exemplares a reproduzir, disciplina e turma a que se destina , assinatura do requisitante; 4. Os alunos e pessoal não docente podem reproduzir originais mediante o pagamento estipulado pelo Conselho Administrativo, no início do ano lectivo; 5. O pessoal docente pode reproduzir originais mediante o pagamento estipulado pelo Conselho Administrativo, no início do ano lectivo, desde que estes não estejam consignados no ponto 2 deste regulamento; 6. O presente regulamento deve ser escrupulosamente cumprido. PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO 1. O Pavilhão Gimnodesportivo da Escola Básica 2,3 de Rebordosa destina-se preferencialmente à actividade lectiva das aulas da disciplina de Educação Física e/ou outras actividades desportivas desenvolvidas fora do horário escolar, quando destinadas aos Alunos desta instituição e aprovadas em Conselho Pedagógico. Exemplo: Desporto Escolar; Projectos Educativos apoiados pelo Ministério da Educação; férias desportivas e outros. 2. O Pavilhão Gimnodesportivo da escola destina-se igualmente à prática desportiva dos alunos de outros estabelecimentos do agrupamento instituições ou organismos particulares, equipas, grupos de jovens, desenvolvida fora do horário escolar, mas apenas e quando o recinto não tiver qualquer actividade proposta e/ou calendarizada, de acordo com o referido no parágrafo anterior. 3. A gestão e funcionamento do Pavilhão Gimnodesportivo são regulados por um regulamento próprio.

CAMPO DE JOGOS 1. O regulamento da sua utilização é da responsabilidade do Director de Instalações de Educação Física. BALNEÁRIOS 1. A abertura e o fecho da porta interior é da responsabilidade dos Professores de Educação Física e do Funcionário do sector.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

86

Regulamento Interno

2. Os Professores de Educação Física e os Alunos devem zelar pelo seu asseio, limpeza e conservação. 3. Deve facultar-se a qualquer elemento da escola o uso dos balneários, devendo os interessados trazer toalha, sabão e calçado apropriado. 4. Após a utilização dos balneários ou das instalações sanitárias, os utentes devem deixálos em boas condições para voltarem a ser utilizados. 5. Qualquer deterioração detectada deve de imediato ser comunicada ao Director. 6. Os Professores de Educação Física dispõem, além destas indicações de âmbito geral, de um regulamento próprio, que deverá ser observado. REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Regras de funcionamento e utilização da Biblioteca. O presente regulamento visa dar a conhecer aos utilizadores orientações e procedimentos a seguir para uma optimização dos recursos disponíveis na Biblioteca, que se situa na Escola E.B. 2/3 de Rebordosa, Largo da Livração nº 65 Rebordosa, e está aberta de segunda a sextafeira das 8h.30m às 12h.30m. e das 13h. 30m às 17h. I – Princípios Gerais

Capítulo I

Artigo 1º (Definição e Localização) A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos do Agrupamento Vertical de Escolas de 1 2 Rebordosa integra a RBE e a RBEP . Destina-se às comunidades educativas e local. É constituída por um espaço amplo no Polivalente da Escola E.B. 2/3 de Rebordosa e encontrase dividida em cinco zonas funcionais de características diferentes: 1 - Zona de Trabalho Técnico/Acolhimento. 2 - Zona de Leitura/Pesquisa: 3 – Zona de Leitura Informal: 4 – Zona Audiovisual/Multimédia: 5 – Zona Internet. Artigo 2º (Objectivos) Desenvolver nos alunos competências e hábitos de trabalho baseados na consulta, tratamento e produção de informação, tais como: seleccionar, analisar, criticar e utilizar documentos; desenvolver um trabalho de pesquisa ou estudo, individualmente ou em grupo, por solicitação do professor ou de sua própria iniciativa; produzir sínteses informativas em diferentes suportes. 1- Preparar os jovens para a frequência das Bibliotecas. 2- Facilitar o acesso dos utilizadores à consulta e leitura de livros, jornais e revistas e outro tipo de documentação, procurando, assim, dar resposta às suas necessidades de pesquisa/informação e lazer. 3Fomentar o gosto pela leitura como instrumento de trabalho, de ocupação de tempos livres e de prazer, contribuindo para o desenvolvimento cultural dos utilizadores;

1 2

Rede de Bibliotecas Escolares Rede de Bibliotecas Escolares do Porto

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

87

Regulamento Interno

4- Promover condições que permitam a reflexão, o debate, a crítica e o convívio entre autores e leitores; 5- Modernizar / actualizar a biblioteca para que se constitua como um Centro de Recursos de informação de diversa índole capaz de estimular o trabalho pedagógico 6- Contribuir activamente para a diversificação de estratégias e métodos educativos de forma a promover o desenvolvimento e a aprendizagem dos jovens; ajudando os professores a planificarem as suas actividades de ensino e a diversificarem situações de aprendizagem; 7- Desenvolver o respeito pelo uso da propriedade comum, incutindo um espírito de cooperação e de partilha; 8- Facilitar o acesso ao livro através da realização de feiras / mostras do livro; 9- Facilitar o acesso a outras fontes de informação; 10- Disponibilizar o acesso a outras fontes de informação; 11- Divulgar o fundo bibliográfico existente na Biblioteca; 12- Promover actividades de animação/formação em articulação com todos os elementos da comunidade educativa e em condições específicas com outros elementos da sociedade. 13- Apoiar, incentivar e dinamizar os projectos existentes no Agrupamento, em particular o PNL. Capítulo II (Da organização dos recursos humanos da Biblioteca) Artigo 3 º (Equipa Responsável) 1- A equipa responsável pela Biblioteca Escolar é constituída por 4 professores, sendo um deles o professor bibliotecário. 2- É da competência da equipa responsável gerir, organizar e dinamizar a Biblioteca Escolar elaborando um Plano de Actividades próprio em articulação com o Projecto Educativo da Escola e o Órgão de Gestão da Escola. 3- É da competência do Professor Bibliotecário a representação desta Estrutura de Orientação Educativa no Conselho Pedagógico. 4- Cabe a esta equipa a gestão / organização e dinamização da BE, nas seguintes modalidades: a) Organização da documentação em todos os suportes; b) Difusão de informação (produção de bibliografias temáticas de suporte às diferentes áreas disciplinares e não disciplinares e projectos em curso, montras de novidades, boletins de informação, e outros.); c) Ensino, em articulação com o trabalho disciplinar e a Área de Projecto, de competências de informação, (metodologia do trabalho de pesquisa, pesquisa bibliográfica nos diversos suportes, manipulação do hardware e do software, apresentação de trabalhos….);

d) Auxílio aos alunos, em ligação com a Área de Estudo Acompanhado, em métodos e técnicas de estudo (recolha de informação em obras de referência, monografias, periódicos, sites e outros suportes, tomada de apontamentos, elaboração de fichas de leitura e de resumos...); e) f) Ajuda na implementação de programas de promoção da leitura previamente definidos pela equipa; Participação no desenvolvimento das actividades de animação pedagógica e culturais constantes do Plano de Actividades da Escola.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

88

Regulamento Interno

Artigo 4º (Nomeação da equipa): 1 - De acordo com a legislação em vigor, os professores que integram a equipa responsável pela BE são designados de entre os docentes do agrupamento/escola que apresentem um dos seguintes requisitos, preferencialmente pela ordem indicada: a) Formação académica na área da gestão da informação/BE; b) Formação especializada em ciências documentais; c) Formação contínua na área das BE; d) Formação em técnico profissional BAD; e) Comprovada experiência na organização e gestão das BE. 2 - Na constituição da equipa responsável pela BE, deverá ser ponderada a titularidade de formação que abranja as diferentes áreas do conhecimento de modo a permitir uma efectiva complementaridade de saberes, preferindo professores do quadro sem serviço lectivo atribuído ou com horário com insuficiência de tempos lectivos. 3 - O mandato do professor - bibliotecário terá uma duração mínima de 4 anos. Artigo 5º (Perfil de Competências do Professor – bibliotecário e dos elementos da equipa coordenadora) 1- Os professores que integrem a equipa responsável pela BE devem apresentar um perfil funcional que se aproxime das seguintes competências: a) Competências na área do planeamento e gestão (planificação de actividades, gestão do fundo documental, organização da informação, serviços de referência e fontes de informação, difusão da informação e marketing, gestão de recursos humanos materiais e financeiros); b) Competências na área das literacias, em particular nas da leitura e da informação; c) Competências no desenvolvimento do trabalho em rede; d) Competências na área da avaliação; e) Competências de trabalho em equipa. Artigo 6º ( Equipa colaboradora) 1- A equipa colaboradora poderá ser constituída por um número variável de professores que, de forma individual ou agrupados (enquanto elementos de clubes ou projectos que interajam com a BE), possam reforçar o trabalho da equipa coordenadora. 2- Cabe a esta equipa o reforço ao trabalho da equipa coordenadora, nas seguintes modalidades: a) Recolha e catalogação de artigos de interesse integrados em publicações periódicas generalistas ou da sua especialidade;

b) Colaboração com os núcleos/clubes que porventura funcionem no contexto da biblioteca (clube de leitura, teatro, jornal escolar, entre outros); c) Ensino, em articulação com o trabalho disciplinar e a Área de Projecto, de competências de informação, (metodologia do trabalho de pesquisa, pesquisa bibliográfica nos diversos suportes, manipulação do hardware e do software, apresentação de trabalhos...);

d) Auxílio aos alunos, em ligação com a Área de Estudo Acompanhado, em métodos e técnicas de estudo (recolha de informação em obras de referência, monografias, periódicos, sites e outros suportes, tomada de apontamentos, elaboração de fichas de leitura e de resumos...); e) Ajuda no tratamento estatístico regular dos dados da avaliação do desempenho da BE.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

89

Regulamento Interno

Artigo 7º ( Organização do trabalho) 1- No sentido de se organizar atempada e eficazmente o trabalho da equipa coordenadora da BE /CRE, deverá ser marcado no horário dos professores pelo menos um bloco de 90 minutos semanal. 2- Pelo menos uma vez por período, o coordenador da BE /CRE deverá convocar uma reunião formal. Capítulo III (Da organização dos recursos logísticos da Biblioteca) Artigo 8º (Património) A Biblioteca do AVREB compreende todo o património documental, em qualquer tipo de suporte, que possa ser propriedade das escolas deste agrupamento. Artigo 9º (Sistema de classificação bibliográfica): O sistema de classificação bibliográfica adoptado para as obras em livre acesso é a Decimal Universal (CDU). Artigo 10º (Serviços da Biblioteca) Compete aos serviços da BE do AVREB: 1- Assegurar o funcionamento das várias zonas funcionais, o atendimento aos utilizadores, bem como zelar pelo bom estado de conservação das instalações, equipamentos e espécies bibliográficas; 2- Zelar pela arrumação e conservação das espécies bibliográficas em depósito, nomeadamente os exemplares repetidos. Artigo 11º (Acervo) Constitui o acervo (ou fundo documental) desta BE: 1- Monografias (obras de referência, gerais, obras de carácter reservado); 2- Publicações periódicas e diárias: 3- Material não livro (fotografias, cassetes áudio, cassetes vídeo, cd-roms) com informação relativa ao processo ensino/aprendizagem. Artigo 12º (competências da Biblioteca do AVREB) Compete à Biblioteca: 1- Fornecer a docentes, discentes, funcionários e outros interessados, devidamente autorizados, a informação e documentação necessárias ao ensino/aprendizagem; 2- Proceder ao tratamento documental de toda a documentação adquirida pela biblioteca; 3- Facultar a todos os utilizadores da biblioteca a utilização em livre acesso de todos os seus recursos de informação; 4- Proceder ao estudo e avaliação das necessidades dos seus utilizadores; 5- Cooperar com outras bibliotecas e serviços congéneres, de modo a partilhar os respectivos recursos de informação. Capítulo IV (Dos utilizadores da Biblioteca)

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

90

Regulamento Interno

Artigo 13º (Utilizadores) O AVER tem como utilizadores os docentes, discentes, encarregados de educação e auxiliares da acção educativa das escolas deste agrupamento, assim como todos os membros da comunidade que pretendam usufruir do espaço. Artigo 14º (Direitos dos utilizadores) Constituem direitos dos utilizadores: 1- A solicitação de informação sobre os serviços e normas da BE; 2- A solicitação de consulta dos fundos e a requisição de obras em regime de empréstimo, dentro das normas estabelecidas no presente Regulamento; 3- A consulta das bases de dados existentes; 4- A reprodução de documentos, desde que respeitada a legislação aplicável, nomeadamente o disposto no código de Direito de Autor e dos direitos conexos, e ainda as normas estabelecidas pelo presente Regulamento; 5- A apresentação de sugestões ou reclamações, usando para o efeito formulários próprios, disponíveis nos postos de atendimento. Artigo 15º (Deveres dos utilizadores) Constitui dever dos utilizadores o cumprimento integral do Regulamento da Biblioteca, em todos os aspectos, nomeadamente: 1- A adopção de uma conduta cívica perante os demais utilizadores e os responsáveis pela BE, em todas as situações; 2- O respeito da integridade dos fundos bibliográficos e documentais; 3- A devolução das obras requisitadas dentro do prazo fixado; 4- O respeito da integridade das instalações e equipamentos, evitando infligir-lhes qualquer dano; 5- O cumprimento das regras de utilização dos espaços de leitura e de leitura individual; 6- A apresentação do cartão de estudante, quando tal for solicitado. Capítulo V (Da utilização da BE) Artigo 16º (Modalidades de utilização da Biblioteca) A utilização da Biblioteca do AVER pode assumir as modalidades de leitura presencial e de empréstimo domiciliário. Artigo 17º (Leitura Presencial) 1- A leitura presencial é a que se realiza exclusivamente nos espaços de leitura; 2- Os utilizadores têm acesso directo a toda a documentação que se encontre nas estantes, sem necessidade de a reservar. Artigo 18º (Empréstimo) 1- A cedência de bibliografia, a título de empréstimo, pode ser feita em regime de empréstimo domiciliário. 2- Salvo o disposto no número seguinte, não podem ser objecto de empréstimo:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

91

Regulamento Interno

a) Obras que a BE considere reservadas ou de empréstimo interdito. (identificadas, estas últimas, com um círculo vermelho na lombada); b) Obras raras, ou consideradas de difícil aquisição; c) Obras que se encontrem em mau estado de conservação; d) Obras de grandes dimensões; e) Obra em três ou mais volumes; f) Dissertações de licenciatura, mestrado ou doutoramento em forma poli copiada; g) Publicações periódicas; h) Obras de referência, nomeadamente dicionários, enciclopédias e atlas; i) Disquetes, cassetes áudio e vídeo e discos compactos de qualquer tipo; 3- É proibido ceder a terceiros as publicações cedidas pela Biblioteca em Regime de empréstimo. Artigo 19º (Leitura Presencial) 1- Os utilizadores podem consultar, presencialmente, todas as obras disponíveis do fundo documental. O pedido de informação deve ser dirigido ao auxiliar responsável, que fornecerá a documentação pretendida ou dará o apoio necessário na pesquisa do catálogo Central; 2- Os utilizadores são responsáveis pela integridade física dos documentos que consultam e do equipamento que usem, pelo que devem conferir o seu estado quando estes lhe são confiados. Artigo 20º (Pesquisa em Base de Dados) 1- Os computadores disponíveis para consulta das Bases de Dados e da Internet destinam-se exclusivamente a facultar o acesso à informação on-line, devendo ser entendido como uma extensão ao serviço de consulta documental; 2- A impressão das pesquisas efectuadas deverá ser previamente solicitada ao auxiliar responsável; 3- Os utilizadores não podem ligar ou desligar os computadores; 4- Qualquer avaria observada nos computadores pelos utilizadores do serviço deverá ser comunicada ao auxiliar responsável; 5- Não são permitidos downloads para os discos dos computadores, nem a cópia de documentos para disquetes ou outros dispositivos de armazenamento de dados, trazidos pelos leitores; 6- Não é permitida a instalação e execução de programas nos computadores Artigo 21º (Acesso à Internet) 1A sua utilização é coordenada pelo auxiliar responsável pela BE, sendo obrigatória a inscrição do utilizador na base de dados;

2- O limite de tempo de utilização da Internet não pode exceder os 30 minutos; 3- A BE restringe o acesso a determinados sites. Artigo 22º (Aquisições e Difusão de informação) 1- O utilizador pode propor a aquisição de obras não existentes no fundo documental, devendo para o efeito preencher um formulário próprio, o qual será analisado e devidamente satisfeito, caso se enquadre na política de aquisição definida. Esta divulgará de forma sistemática todas as espécies bibliográficas que forem sendo adquiridas e tratadas, quer sob a forma de Boletins informativos, quer através de

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

92

Regulamento Interno

exposições nos espaços apropriados deste serviço. De acordo com as disponibilidades, a BE organizará exposições temáticas, adequadas às diversas ocorrências que tiverem lugar no Agrupamento; 2- Compete ao coordenador da BE desenvolver a política de aquisições através da selecção das obras a adquirir, de acordo com critérios predefinidos; recolher as propostas de aquisição dos utilizadores, obter autorização de acordo com a viabilidade da sua aquisição; elaborar as respectivas encomendas para os editores e livreiros e registá-las no módulo específico da base de dados; recepcionar as publicações encomendadas, enviar as respectivas facturas para o serviço de contabilidade; difundir sistematicamente todas as publicações entradas, através de exposições temáticas do fundo documental. Artigo 23º (Empréstimo Domiciliário) 1- O empréstimo domiciliário é facultado a todos os utilizadores que sejam detentores de cartão de estudante e mediante apresentação do mesmo. 2- Os utilizadores internos podem requisitar, para empréstimo domiciliário, em simultâneo: a) Um máximo de três obras por um prazo de dez dias úteis, no caso dos docentes, investigadores ou leitores com o estatuto de visitantes devidamente autorizados; b) Um máximo de três obras por um prazo de quinze dias úteis, nos casos de alunos e funcionários das escolas do AVREB. 3- Se não existir qualquer pedido em lista de espera para empréstimo de uma obra, são admitidas renovações do empréstimo, com as seguintes restrições: a) Os utilizadores têm direito a três renovações sucessivas do período de empréstimo aplicável; b) A renovação do empréstimo pode também ser requerida telefonicamente, até ao último dia do prazo do empréstimo em horário a definir pelos serviços da BE; c) O leitor perde o direito à renovação do prazo de empréstimo se a solicitar fora do prazo da devolução da obra: d) O empréstimo é pessoal, não podendo ser cedido a terceiros. 4- Quando o leitor dispuser de uma obra em período de empréstimo renovado e a mesma for requerida por outro leitor, os serviços da BE solicitarão ao primeiro a sua devolução no prazo máximo de três dias. 5- Os leitores podem solicitar a reserva de uma obra que se encontre requisitada, nos termos seguintes: a) Após a comunicação da disponibilidade da obra ao solicitante da reserva, a mesma permanecerá reservada até vinte e quatro horas; b) Se o solicitante não proceder ao levantamento da obra no prazo referido na alínea anterior, a mesma ficará automaticamente disponível para um utilizador que eventualmente se encontre a seguir na lista de reservas e posteriormente será arrumada no seu lugar próprio. 6- No acto de devolução, o leitor tem o direito de exigir, para sua salvaguarda, um talão comprovativo. Capitulo VI (Dos espaços e serviços de apoio) Artigo 24º (Espaço BE /CRE) 1- A BE é um espaço de acolhimento e orientação dos utilizadores, dispondo de 46 lugares e 6 computadores para pesquisa documental dos utilizadores. Aí se situa o balcão de atendimento, onde é possível ser esclarecido sobre o funcionamento da BE, fazer a inscrição como leitor, solicitar apoio para pesquisas bibliográficas, requisitar e ou devolver as obras destinadas a empréstimo domiciliário. É também o espaço onde

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

93

Regulamento Interno

poderá encontrar exposições bibliográficas, painéis informativos bibliográficos que funcionem como sugestões para os utilizadores.

ou

fundos

2- As obras consultadas não devem em caso algum ser repostas nas estantes, devendo sempre ser colocadas no balcão de atendimento. 3- Nos postos de pesquisa informática: a) Só podem ser efectuadas pesquisas de carácter pedagógico ou científico: b) Não é permitido aos utilizadores usar qualquer tipo de suporte magnético (CD, pendrive, zip, ou outro) que não haja sido distribuído e/ou verificado pela Biblioteca. 4- Na BE, os utilizadores não poderão: a) Falar em voz alta, usar telemóvel ou bips ou realizar jogos que não sejam fornecidos pelos serviços da BE. b) Alterar a disposição dos móveis ou equipamentos: c) Abandonar por um período superior a trinta minutos um posto de leitura que ocupem; d) Deixar objectos pessoais abandonados nos postos de leitura; e) Reservar lugares para outros utilizadores; f) Comer ou beber.

Artigo 25º (Outros Serviços) A BE possui, em local próprio, uma fotocopiadora que será usada somente pelo funcionário. Artigo 26º (Reprodução de documentos) 1- O utilizador tem ao seu dispor um serviço de fotocópias, cujo preçário está afixado; 23Este serviço destina-se apenas à reprodução de documentos pertencentes à BE, devendo o leitor preencher uma requisição onde conste a sua identificação; Por imperativos de direitos de degradação progressiva das espécies bibliográficas, não podem ser fornecidas fotocópias de documentos considerados especiais.

Artigo 27º (Outros espaços e equipamentos dos serviços) Todos os espaços e equipamentos dos serviços da Biblioteca, incluindo os dos balcões de atendimento, são de acesso livre aos funcionários, estando vedado aos utilizadores: 1- Ocupar os referidos; 2- Solicitar o depósito nos mesmos de documentos ou objectos pessoais; Capitulo VII (Da defesa da função e do património da Biblioteca) Artigo 28º (Civilidade e ambiente de trabalho) Os comportamentos impróprios com utilizadores ou com membros do pessoal da biblioteca, ou de que algum modo perturbem o ambiente de trabalho serão penalizados com o imediato impedimento de permanência nos espaços de trabalho da Biblioteca e a perda da qualidade de utilizador durante um período que pode variar entre uma semana e três meses. Artigo 29º (Respeito pela integridade do património)

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

94

Regulamento Interno

1- Os actos de desrespeito da integridade do espólio da Biblioteca, em que se incluem, nomeadamente, o extravio de documentos, bem como as acções de sublinhar, rasurar ou mutilar uma obra e ainda as formas de manuseio causadoras de dano, implicam que o utente assumirá os encargos sob uma das seguintes formas: a) Substituição da obra extraviada ou danificada por novo exemplar; b) No caso de obras que já não se encontram no mercado, substituição por outra obra de igual valor ou indemnização pecuniária correspondente.

c) Independentemente do ressarcimento patrimonial referido no número anterior, os actos em causa serão punidos com inibição da condição de utilizador por um por um período que pode variar entre um mês e um ano. 2- O furto total ou parcial de uma obra implica para o utilizador: a) A obrigação de restituir o material furtado; b) A perda automática de condição de utilizador da Biblioteca, por um período que pode variar entre um mês e um ano 3- Os danos deliberados por furto que tenham por objecto o equipamento e o mobiliário da biblioteca serão tratados conforme o disposto para o espólio nos números anteriores do presente artigo. Artigo 30º (Aplicação de sanções) 1- As sanções serão aplicadas pelo coordenador da BE, ou pelo seu substituto legal, directamente ou por delegação; 2- Das sanções de duração superior a uma semana cabe recurso escrito para o Director do Agrupamento, que decidirá em conformidade com o disposto legal. 3- Os casos omissos e duvidosos serão decididos pelo Director do Agrupamento. Artigo 31º (Empréstimo Inter-Bibliotecas) 1- O empréstimo Inter-Bibliotecas está sujeito a um protocolo entre as instituições. O material requerido pode ser enviado temporariamente ou pode ser fornecida uma cópia em sua substituição; 2- A Biblioteca que requisita funciona sempre como única responsável pelas obras emprestadas; 3- Os documentos que tenham que transitar pelo correio para fins de empréstimo interbibliotecas devem ser sempre enviados sob registo, sendo as despesas pagas pelo destinatário. Artigo 32º (Aprovação e Entrada em vigor) Este regulamento foi aprovado em sede de Conselho Pedagógico no dia 17 de Novembro.

REGULAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E INSTALAÇÕES GIMNODESPORTIVAS DA ESCOLA SEDE Artigo 1º Instalações Gimnodesportivas 1. As instalações Gimno-desportivas dispõem de um responsável próprio a designar pela Direcção, ouvindo os respectivos grupos disciplinares. 2. Compete ao responsável: a) Organizar e actualizar os inventários por artigo e por espaço de todo o material didáctico afecto às respectivas instalações;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

95

Regulamento Interno

b) Elaborar as relações de necessidades de apetrechamento; c) Elaborar as relações de material inutilizado ou avariado; d) Investigar e relatar à Direcção o desaparecimento de material; e) Promover a correcta utilização do material didáctico disponível; f) Proceder à distribuição do material pelos diversos espaços e arrecadações de acordo com as necessidades;

g) Entregar, no final do seu mandato, ao seu sucessor ou à Direcção, o material que lhe estava confiado. 3. A utilização das instalações gimno-desportivas obedece a regulamento específico. 4. Constituem as instalações gimno-desportivas: a) Pavilhão gimnodesportivo e respectivos balneários; b) Os campos de jogos exteriores.

Artigo 2º Regulamento de utilização do pavilhão gimnodesportivo e balneários em tempos lectivos ou de Desporto Escolar 1- ALUNOS 1.1 Entrada 1.1.1- O acesso ao pavilhão será feito sempre para os balneários pelas portas laterais, só em situações devidamente justificadas, os alunos poderão utilizar o acesso pelo interior do pavilhão. 1.1.2 - Os alunos deverão entrar nas instalações desportivas (balneários) ao toque, e após a confirmação da presença do professor na escola. 1.1.3- Os alunos deverão equipar-se no local previamente destinados à sua turma. O balneário destina-se única e exclusivamente, a equipar, desequipar e higiene pessoal. 1.1.4- Cinco minutos depois do toque, o funcionário fecha as portas dos balneários que dão acesso ao exterior. 1.1.5- Durante as aulas, as portas dos balneários ficam fechadas à chave e só com o funcionário e/ ou professor se poderá entrar. 1.1.6- Os alunos aguardam nos balneários ou no átrio do pavilhão, autorização do professor para poderem entrar no espaço destinado à prática desportiva. 1.1.7- O acesso ao pavilhão só é permitido a quem use calçado apropriado (sapatilhas/botas desportivas). 1.1.8- Não é permitido o uso de qualquer tipo de calçado que antes tenha sido utilizado no exterior. 1.2 Equipamento 1.2.1- Durante as aulas de Educação Física os alunos deverão utilizar equipamento adequado à prática da actividade física: a) Sapatilhas com sola de borracha; b) Um par de meias de algodão, de preferência brancas; c) Calção; d) Camisola de algodão; e) Uma toalha de banho;

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

96

Regulamento Interno

f) Sabonete; g) Pente ou escova; h) Chinelos de borracha (o acesso à zona de banhos só é permitido com estes). 1.2.2- O uso de fato de treino não é obrigatório, mas poderão utilizá-lo desde que vistam uma camisola e um calção por baixo. Não devem usar camisola interior por baixo da camisola do equipamento. 1.2.3- Todo o equipamento deve vir de casa num saco. No final da aula devem guardá-lo novamente no saco e não voltar a vesti-lo. 1.2.4- Todos os alunos que por motivos de doença ocasional ou dispensados da prática por atestado médico, terão obrigatoriamente de se fazer acompanharem de sapatilhas para entrar no ginásio. 1.3 Faltas De Material 1.3.1- Sempre que o aluno não apresente o material necessário à participação efectiva na aula, aplicar-se-á o disposto no R. I. desta Escola. 1.3.2 - O disposto no número anterior também se aplica aos alunos dispensados da prática da disciplina, com as necessárias adaptações. 1.4 Dispensas Da Componente Prática Da Aula 1.4.1- As dispensas anuais ou temporárias (longa duração) devem ser justificadas pelo médico, devendo este indicar os exercícios interditos, bem como o tempo de restrição da prática dos mesmos. 1.4.2- No caso de impedimento parcial das actividades físicas, o médico deverá discriminar as actividades ou exercícios contra-indicados. 1.4.3- O atestado médico deverá ser entregue ao Director de Turma a quem cabe informar o professor da disciplina fornecendo-lhe um cópia e se possível transmitir algumas informações esclarecedoras acerca do teor do mesmo. 1.4.4- As dispensas diárias e/ou semanais (períodos não superiores a cinco dias úteis) poderão ser concedidas pelo professor de Educação Física mediante a justificação do Encarregado de Educação aposta na Caderneta. Ao verificar-se prolongamento da dispensa após cinco dias úteis, o professor deverá comunicar ao Director de Turma que procederá em conformidade com a situação. 1.5 Utilização Do Material 1.5.1- Só os professores, funcionários e alunos quando autorizados e supervisionados pelo respectivo professor, poderão entrarem na arrecadação do material desportivo. 1.5.2- O material só poderá ser utilizado para os fins a que se destina. Chama-se a atenção para que se evitem as seguintes situações desviantes:  Pontapear bolas que não sejam de futebol ou rugby;  Sentar-se sobre as bolas;  Deitar-se ou sentar-se sobre os colchões;  Sentar-se em cima de bocks ou plintos;  Fazer dos plintos carrinhos, com ou sem colegas em cima;  Pendurar-se em balizas, postes de basquetebol ou cortinas;  Balouçar-se em cordas verticais. 1.5.3- O transporte e manuseamento do material ligeiro e móvel, deverá ser feito pelos alunos em conformidade com as normas a estabelecer pelo respectivo professor. Recordam-se e aconselham-se os procedimentos seguintes:

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

97

Regulamento Interno  Plintos e boques – dois alunos;  Bancos e traves – dois alunos;  Balizas – quatro alunos (mínimo). 1.5.4- O transporte de material pesado ou semifixo, deverá ser feito com a colaboração dos funcionários, nomeadamente:  Deslocamento da tabela de basquetebol;  Montagem das redes de voleibol. 1.5.5- O professor e os alunos da turma serão os responsáveis pelo material que utilizarem. 1.5.6- Os alunos serão responsáveis pelo pagamento de todo o material por eles danificado não acidentalmente. 1.6 Utilização Das Instalações Desportivas 1.6.1- Cada turma usará um balneário masculino e outro feminino, bem como os espaços, designados previamente, em que se deve equipar, ocupando apenas só esse, e o necessário ao número de alunos da turma. Todo o aluno que não utilize o local distribuído à turma, será o primeiro responsável por possíveis ocorrências que se dêem no local em que se encontrar. 1.6.2- Os cabides devem ser utilizados para pendurar a roupa e não as pastas contendo livros e cadernos. 1.6.3- Os alunos só poderão entrar no ginásio se tiverem o equipamento adequado para a aula, incluindo sapatos específicos e exclusivamente destinados para o efeito. É vedada a entrada a quem queira utilizar os sapatos que tem calçados, mesmo que de características técnicas boas (caberá ao funcionário e ao professor zelar pelo cumprimento desta norma). 1.6.4- Os alunos são responsáveis, individual ou colectivamente, por qualquer estrago ou incidente dentro dos balneários. 1.6.5- Não é permitido comer e/ou fumar nas instalações desportivas. 1.6.6- Todos os contactos externos com o professor (alunos ou outras pessoas não equipadas) são feitos no respectivo gabinete, sem prejuízo do bom funcionamento da aula. 1.6.7- Sempre que um professor ou funcionário detecte qualquer anomalia nas instalações deve, tão rápido quanto possível, dar conhecimento ao director de instalações. 1.7 Funcionamento Das Aulas 1.7.1- Os alunos deverão ter sempre presente que as instalações desportivas funcionam como sala de aula, sendo-lhes por isso exigido conduta adequada (salvo em situações justificadas). 1.7.2- Os valores dos alunos são recolhidos pelos delegados e colocados em sacos próprios que serão entregues à guarda do pessoal auxiliar em serviço ou depositados num cacifo (a chave será igualmente entregue ao pessoal auxiliar em serviço). Caso tal não suceda a escola não se responsabiliza pelos valores deixados nos balneários. No final da aula e após o banho, os mesmos alunos procederão à devolução dos valores. 1.7.3- Durante as aulas práticas não é permitido usar relógios, pulseiras, brincos ou outros objectos pessoais que ponham em risco o aluno ou os seus colegas. Da mesma forma o cabelo comprido deve ser preso para não dificultar as actividades práticas. 1.7.4- Cada turma tem um espaço para as suas actividades, pelo que não se permitirá que os alunos invadam o espaço reservado às outras turmas. 1.7.5- Cada espaço, embora polivalente, tem uma vocação prevalecente. O professor quando terminar a sua actividade lectiva, deverá deixá-lo em conformidade com essa vocação, a não ser, que o colega que se lhe segue o prefira como está. 1.7.6- O material de ginástica e/ou outro distribuído pelos espaços deverá, no final da aula, ou período de aulas, ficar arrumado nos respectivos lugares.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

98

Regulamento Interno

1.7.7- Quando não se verificarem requisitos mínimos (falta de água quente, mau tempo, piso impraticável, etc.) e as aulas práticas de Educação Física não se poderem realizar, deverão ser substituídas por outras actividades. 1.7.8- Nas aulas teóricas deverá ser cumprido o disposto para as outras disciplinas. 1.8 Saída 1.8.1- A componente prática da aula de um tempo lectivo termina dez minutos antes do respectivo toque, devendo os alunos tomar banho e vestirem-se de forma a abandonarem os balneários. 1.8.2- A componente prática na aula de dois tempos consecutivos termina quinze minutos antes do respectivo toque, não havendo intervalo, devendo os alunos tomar banho e vestiremse, podendo abandonar o balneário ao toque da saída. 1.8.3- Na saída a porta só poderá ser aberta após o funcionário e professor verificarem não haver qualquer anomalia (estragos, roubos, etc.). 2- PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2.1- Compete ao professor determinar o momento de entrada e saída dos alunos dos locais onde decorre a aula (sala de aula, pavilhão, campo de jogos exterior ou piscina). 2.2- A aula prática inicia-se no momento em que os alunos entram nos balneários, e termina só após a saída dos balneários, é da responsabilidade do professor todo este período. 2.3- Durante as aulas o professor é responsável pela correcta utilização do material. Neste sentido é particularmente importante i considerar os materiais que não deverão ser utilizados no campo de jogos exterior, por se degradaram rapidamente ou serem inadequados para uso exterior. 2.4- Após terminar as aulas o professor é responsável pela entrega e adequada arrumação do material, com o auxilio dos alunos e/ou pessoal auxiliar. 2.5- O material da escola, pertencente à disciplina, só pode ser utilizado nas Actividades Curriculares (aulas de E. F.), Desporto Escolar, Actividades de Complemento Curricular (torneios internos, clubes, 1º ciclo, etc.) e convívios inter-escolas. 2.6- A cedência de instalações ou materiais adstritos à disciplina de Educação Física, por parte da Direcção da escola, deverá ser precedida de consulta aos subcoordenadores de disciplina. Esta norma aplica-se designadamente aos pedidos realizados através da Associação de Estudantes. 2.7- O professor deverá garantir a adequação das tarefas propostas aos vários alunos que constituem a turma controlando o cumprimento pelos mesmos do preceituado no presente regulamento e nas restantes indicações que lhes fornece. 3- PESSOAL AUXILIAR EM APOIO À DISCIPLINA 3.1- O pessoal auxiliar em serviço nas instalações (pavilhão e campo de jogos exterior) é responsável pela abertura, controlo, vigilância e fecho das mesmas dentro do respectivo horário de serviço. 3.2- Compete-lhe igualmente garantir a limpeza das instalações e espaço envolvente (campo de jogos exterior), de acordo com instruções e horário definido. 3.3- Devem estar presentes junto às instalações, só se ausentando das mesmas em serviço, a solicitação dos professores de Educação Física ou Direcção, e informando neste caso os professores em aula ou actividade. 3.4- Verificar e vistoriar o adequado funcionamento das instalações, no início e final da utilização, informando de anomalias os professores e Direcção. 3.5- Colaborar com professores e alunos na preparação, transporte, arrumação e manutenção, quando necessário, do material da disciplina.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

99

Regulamento Interno

3.6- Dar indicação aos alunos do momento de entrada nos balneários e contribuir para o cumprimento dos horários de saída dos mesmos. 3.7- Colaborar activamente na prestação de 1 responsável.
os

socorros, nas instalações de que é

3.8- Guardar e devolver os valores entregues pelos delegados de turma ou outros responsáveis, durante as aulas ou actividades autorizadas. 3.9- Prestar apoio aos professores, a solicitação dos mesmos, desde que dentro do respectivo perfil de funções. 3.10- Apresentar-se adequadamente equipado para o seu desempenho, designadamente com calçado adequado para poder entrar nas áreas de prática do pavilhão gimnodesportivo. 3.11- Impedir que pessoas não autorizadas entrem ou permaneçam em espaços reservados. Só alunos das turmas em aula devem ter acesso e permanecer no pavilhão. 3.12- Relatar factos ou incidentes sucedidos na sua zona de intervenção, professores/subcoordenadores responsáveis e, quando necessário, à Direcção. aos

Artigo 3º Regulamento de utilização do campo de jogos exteriores em tempos lectivos ou de Desporto Escolar 1- O campo de jogos exterior destina-se às aulas de educação física, desporto escolar e actividades de complemento curricular. 2- Os alunos não poderão permanecer no campo de jogos exteriores, quando esteja a decorrer alguma aula. Artigo 4º Regulamento de utilização do pavilhão desportivo e Balneários fora dos tempos lectivos e Desporto Escolar O presente regulamento estabelece as normas e condições de utilização das instalações desportivas da Escola Básica dos 2º e 3º ciclos e Secundário de Rebordosa, a saber: Pavilhão Gimnodesportivo e Campo de Jogos Exterior, nos termos do dispor no artigo 1º do Decreto-Lei n.º 334/91, de 6 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 483/2002 de 24 de Março. 1. ORDEM DE PREFERÊNCIA NA UTILIZAÇÃO 1.1- A partir das 18 horas e 30 minutos, depois do horário lectivo, o pavilhão gimnodesportivo e campo de jogos exterior, pode ser utilizado por grupos da comunidade para a prática de actividades desportivas adequadas ao respectivo equipamento. 1.2- A utilização observa a seguinte ordem de prioridades: a) Actividades Enriquecimento Curricular; b) Desporto no ensino superior; c) Desporto rendimento; d) Actividades desportivas apoiadas pela autarquia; e) Outros utilizadores. 1.3- Para efeito do cumprimento do estipulado no ponto1 do número 1.1.4, a Direcção estabelecerá um protocolo com a Câmara Municipal que preveja condições especiais do uso das instalações desportivas, sem prejuízo das demais normas do presente regulamento. 1.4- No escalonamento das prioridades referentes a actividades escolares será dada preferência às actividades desta escola.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

100

Regulamento Interno

2. CONCESSÃO DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO 2.1- O pedido de utilização regular anual ou pontual das instalações desportivas, bem como a confirmação, alteração ou rectificação do mesmo, deve obedecer ao disposto nos números seguintes: 2.1.2- Utilização regular anual e pontual 2.1.2.1- Para efeitos de planeamento da utilização das instalações os pedidos por requerimento em impresso próprio devem ser apresentados à Direcção até 15 dias antes do início do ano escolar. 2.1.2.2- Se no caso previsto no número anterior o utente pretender deixar de utilizar as instalações antes da data de término estabelecida no requerimento, deverá comunicá-lo por escrito à Direcção até 15 dias antes sob pena de continuarem a ser devidas as respectivas taxas. 2.1.2.3- O pedido de utilização pontual das instalações desportivas deve ser apresentado por requerimento em impresso próprio à Direcção com a antecedência mínima de 5 dias úteis. As cativações para utilização pontual implicam o pagamento das correspondentes taxas, ainda que não se concretize a utilização, salvo se o utente comunicar o facto com, pelo menos 48 horas de antecedência e desde que se verifiquem motivos ponderosos como tal aceites pela Direcção. 2.1.2.4- A autorização dos pedidos de utilização regular anual e de utilização pontual é comunicada por escrito aos interessados, respectivamente até 5 dias úteis antes do início do ano escolar e 3 dias úteis antes da data em que deva produzir efeitos, com especificação das condições de utilização. A confirmação, alteração ou rectificação da autorização concedida deve ser comunicada pela mesma forma até 48 horas ou 24 horas antes da data de produção dos respectivos efeitos, consoante se trate de utilização anual ou pontual, respectivamente. 2.1.2.5- A título excepcional e para o exercício de actividades que não possam, sem graves prejuízo, ter lugar noutra ocasião, pode A Direcção requisitar as instalações desportivas, ainda que com prejuízo dos utentes, mediante comunicação com, pelo menos 72 horas de antecedência. O utente prejudicado deve ser, sempre que possível, compensado com novo tempo de utilização. 2.1.2.6- Constituem motivos justificativos do cancelamento da autorização, designadamente os seguintes: a) Não pagamento das taxas de utilização devidas; b) Danos produzidos nas instalações, balneários ou quaisquer equipamentos nestes integrados no decurso da respectiva utilização; c) Utilização para fins diversos daqueles para que foi concebida a autorização; d) Utilização das instalações por entidades ou pessoas estranhas àquela ou àquelas que foram autorizadas; e) Quando se verifique que a entidade utilizadora, sendo possuidora de instalações próprias, permita a sua utilização a terceiros, no período em que utiliza as do Ministério da Educação. 2.1.2.7- Desde que as características e condições técnicas assim o permitam, e daí não resulte prejuízo para qualquer dos utentes, pode ser autorizada a utilização simultânea por várias entidades. 3. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 3.1-O grupo/entidade licenciada é integralmente responsável pelos danos causados nas instalações durante o período de utilização e desta decorrente. 3.2- Sem prejuízo nos números 1.4 e 2.1.2.5 deste regulamento, a utilização das instalações fora do horário lectivo obedece ao seguinte horário: a) Dias úteis: 18h30 às 23h30; b) Sábados, Domingos e Feriados: 08h30 às 23h30; c) Durante os períodos de paragem de actividades lectivas: 08h30 às 23h30

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

101

Regulamento Interno

3.3- Quando constituídos em grupo, devem os utentes ser acompanhados de um responsável, que tratará com o director de instalações em tudo o que respeita à sua utilização, designadamente, quando necessário, à prévia identificação dos elementos do grupo. 3.4- O acesso às áreas reservadas à prática desportiva só é permitido aos utentes devidamente equipados sem objectos estranhos à actividade. 3.5- É vedado aos utentes e a todos os demais fumar nas instalações desportivas e em todo o recinto escolar. 3.6- É, ainda, vedada a permanência aos utentes e a todos os demais nas instalações escolares à excepção daquelas devidamente autorizadas e dos respectivos acessos. 3.7- Os utentes devem pautar a sua conduta de modo a não perturbar o normal desenvolvimento das actividades que porventura estejam a decorrer. 3.8- A Direcção reserva-se o direito de não autorizar a permanência nas instalações desportivas a utentes que desrespeitem as normas inerentes à sua utilização ou que, de qualquer modo perturbem o normal desenrolar das actividades. 3.9- Os utentes e, bem assim, os grupos/entidades públicas ou privadas através das quais sejam utilizadas as instalações são solidariamente responsáveis por todos os danos nelas causadas (balneários, equipamento ou apetrechamento respectivo). 3.10- A manutenção da ordem pública nas actividades desportivas e/ou espectáculos em instalações desportivas previstas neste regulamento é assegurada nos termos da lei geral em vigor nesta matéria. 4. COBRANÇA DE TAXAS 4.1- Pela utilização das instalações desportivas indicadas no número 1.1 são devidas as taxas constantes da tabela anexa ao presente regulamento. 4.2- Estão isentas de taxas, pagando apenas as despesas com pessoal, acções promovidas por cubes, associações e federações com praticantes de escalões etários inferiores aos 10 anos ou, independentemente da idade, com praticantes portadores de deficiência. 4.3- Pelas acções promovidas por clubes, associações e federações com praticantes em escalões etários dos 10 aos 16 anos, não poderão ser cobradas, para além das despesas com pessoal, e em função do tipo de recinto, instalações ou actividades, taxas de valor superior a 75% dos limites mínimos constantes da tabela anexa ao presente regulamento. 4.4- as taxas constantes da tabela anexa não se aplicam a outras escolas da rede pública em actividades de desporto escolar ou de desporto universitário. 4.5- As taxas referidas na tabela anexa são as máximas praticáveis, podendo a Direcção praticar taxas reduzidas, não de vendo neste caso, e sem prejuízo dos números seguintes, a redução ser superior a 25%. 4.6- Para a redução prevista no número anterior devem ser considerados: a) A especificidade dos utentes, nomeadamente a sua estrutura organizativa; b) O número de utentes; c) O período e duração da utilização. 4.7- Quando ao utente advier benefício económico da utilização das instalações desportivas, designadamente através de organização de espectáculos desportivos pagos, acções de publicidade ou transmissão televisiva, é devido o pagamento das taxas adicionais constantes da tabela anexa. Quando se verificarem filmagens de competições de carácter comercial, será também cobrada uma taxa adicional por cada competição. 4.8- Os utentes/utilizadores podem contribuir para o apetrechamento e manutenção das instalações desportivas, designadamente com cedência gratuita dos materiais ou equipamentos ou através do custeamento, a expensas suas, de obras de conservação ou beneficiação realizadas nas instalações objecto de cedência.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

102

Regulamento Interno

4.9- As contribuições referidas no número anterior serão consideradas para efeito de determinação do preço ou custo da cedência e poderão ser objecto de protocolos especiais celebrados com a Direcção, afastando a aplicação da tabela anexa e fixando condições específicas e equilibradas de contrapartida. 4.10- O disposto no número anterior, aplica-se igualmente no caso de acordos especiais entre a Direcção e outras entidades, que contemplem a organização e desenvolvimento de actividades desportivas extracurriculares, abrangendo a população escolar da área pedagógica deste Agrupamento. 4.11- De todas as importâncias cobradas pela utilização das instalações desportivas no presente regulamento será emitido recibo do modelo anexo. 5. DISPOSIÇÕES FINAIS 5.1- Compete à Direcção zelar pela manutenção, conservação e segurança das instalações desportivas (excepto nas actividades desportivas e/ou espectáculos oficiais, assegurada nos termos da lei geral em vigor nesta matéria), assegurando, designadamente o pessoal indispensável para o efeito, bem como zelar pela observância das normas constantes do presente regulamento. 5.2- Quando por falta de recursos humanos, não possa ser disponibilizado pela escola sede o pessoal indispensável a que se refere o número anterior, poderá o mesmo, no seu todo ou em parte, ser assegurado pelo grupo/entidade utilizadora, mediante acordo a celebrar nos termos do número seguinte. 5.3- O acordo previsto no número anterior revestirá natureza escrita e especificará os direitos e as obrigações de cada uma das partes, bem como o nome da pessoa directamente responsável, perante a Direcção, pela boa utilização e segurança das instalações desportivas. 5.4- As condições do presente regulamento são revistas periodicamente, por decisão da Direcção ou por força da legislação sendo alterado o regulamento.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

103

Regulamento Interno

Anexo ao Regulamento de Utilização das Instalações Desportivas Taxas de Utilização por Hora Diurno Tipo de recinto Actividade Tipo de Instalação Sem balneários Com balneários e duche quente Nocturno Sem balneários Com balneários e duche quente

Actividade de treino, formação ou ensinos desportivos Actividades competitivas sem entradas pagas Actividades competitivas com entradas pagas Actividade de treino, formação ou ensinos desportivos Actividades competitivas sem entradas pagas Descoberto Actividades competitivas com entradas pagas Campo de jogos

Coberto

Pavilhão

Taxa a que se refere o número 4.7 do regulamento, sem prejuízo de valores mais elevados a fixar pela Direcção sempre que as condições concretas acordadas com o utente o permitam.

Agrupamento Vertical de Escolas de Rebordosa

104

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful