You are on page 1of 10

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA A aplicação do método filosófico compreende o estabelecimento de um

questionamento, de uma dúvida, não aceitando conceitos


Investiga o surgimento das manifestações da cultura do movimento do preestabelecidos sem antes analisá-los e contrapô-los mediante rigorosa
corpo humano e o crescimento e desenvolvimento destas manifestações argumentação.
em diferentes períodos da história. Interpreta as influências da atividade
física nas diferentes culturas e sociedades. O pensamento filosófico não busca estabelecer uma verdade absoluta,
mas discutir as verdades possíveis a respeito de determinado assunto. A
É um referencial dos acontecimentos da área no passado, que ensina com dialética ampara essa dualidade
as glórias e vivências dos povos antigos, mas também alerta para os erros
cometidos pelos nossos antecessores. A IMPORTÂNCIA DAS HABILIDADES MOTORAS NOS POVOS
ANTIGOS
Essas primeiras formas de organização social deram espaço para o
sedentarismo do homem, ou seja, o processo de fixação em determinada
região a partir da criação de rebanhos e da produção agrária. A divisão dos períodos históricos da humanidade foi feita com base nos
elementos que eram manipulados pelo homem em determinado período.
História não pode ser feita sem documentos escritos.
Durante toda sua jornada evolutiva, o homem teve como atividades de
A história não deve ser apenas um amontoado de fatos, datas e nomes em subsistência a caça e a coleta de raízes, ramos e frutos. Em função dessas
uma sequência cronológica, mas sim um instrumento para a discussão
atividades, o homem teve que desenvolver habilidades físicas específicas,
crítica do passado, comparando e analisando acontecimentos relevantes,
que proporcionem soluções para problemas do presente. como corrida, saltos, natação, escalada, mergulho e o uso e lançamento
de implementos como machado, lança e arco e flecha (SANTOS, 1994).
A FILOSOFIA
A destreza humana para manipular armas, que a princípio eram usadas na
A Filosofia é um método de aquisição do conhecimento que busca, de caça, passou a ser aperfeiçoada com o objetivo de defender os territórios
forma racional, encontrar a verdade ou se aproximar o mais perto possível de inimigos. Surge então o treinamento do físico para a guerra,
dela. A metodologia filosófica usa a discussão, o pensamento e a crítica lançamentos, arco e flecha, marchas e lutas (SANTOS, 1994).
como elementos para a construção do saber.
A ATIVIDADE FÍSICA NAS PRIMEIRAS CIVILIZAÇÕES
Refere-se às organizações feitas pelo homem para estruturar a sociedade, O homem não precisa mais de seu corpo para se locomover, A comida não
a distribuição de papéis, as relações políticas e a simbologia de um povo. tem mais que ser caçada.
Nesse sentido, o termo civilização não se refere a uma escala
As religiões contemporâneas não usam mais o movimento do corpo como
evolutiva tecnológica, pois toda sociedade humana possui seu tipo de
meio de comunicação com Deus. A prática de atividade física foi
civilização. É bastante equivocada a concepção de que existam povos
primitivos e povos civilizados (VICENTINO; DORIGO, 2013). racionalizada, passa por grande análise científica e filosófica.

Atualmente, a civilização corresponde a um elevado desenvolvimento Os jogos e brincadeiras continuam assumindo o papel educacional na vida
tecnológico, que faz com que as forças produtivas sejam contemporânea. Atividades físicas resistem ao tempo passando de
predominantemente automatizadas, não exigindo do homem grande geração para geração como importante ferramenta de socialização entre
esforço físico para sua sobrevivência. os homens.

Nas primeiras civilizações dos povos antigos, a prática de atividade física No entanto, as necessidades fisiológicas e metabólicas do ser humano
humana representava quase toda a energia gasta para sobrevivência, continuam bastante parecidas com as de nossos antepassados caçadores
produção de alimentos e atividade sociais. De forma geral, o homem e lavradores, que usavam, de forma árdua, o esforço físico para garantir a
usava o físico com as seguintes funções e objetivos: sobrevivência.

 Subsistência - Atividades voltadas para a caça, a pesca, a fuga, a A obesidade associada ao consumo alimentar inadequado é responsável
defesa e o trabalho braçal agrícola ou urbano. pelo desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT),
que são hoje as maiores responsáveis pelas causas de morte no mundo. A
 Cerimônias sagradas partir da obesidade e do quadro de sedentarismo, aumenta a incidência
de doenças como diabetes mellitus II, hipertensão arterial, dislipidemias
 Preparação guerreira (colesterol e triglicérides), aterosclerose, câncer de mama, câncer de colo
do útero e os casos de morte por mal súbito, infarto agudo do miocárdio.
 Jogos, brincadeiras e educação
O homem contemporâneo, assolado por doenças degenerativas causadas
O SEDENTARISMO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA pelo sedentarismo, pelo estresse e pela alimentação industrializada,
passou a procurar locais para praticar atividades físicas, bem como a
Nas civilizações contemporâneas, a atividade física humana não é mais buscar opções mais saudáveis de alimentação.
uma ferramenta essencial à sobrevivência, pois os meios produtivos
apresentam-se automatizados.
A cultura mundial do fitness é alavancada por dois fatores principais: as vigor, para o trabalho, para a preparação guerreira ou simplesmente como
questões da saúde, de forma preventiva ou remediada, e a estética ditada prática lúdica.
por padrões inatingíveis de corpos construídos e amplamente divulgados
pela mídia. A história egípcia nos mostra que quanto maior a discrepância social e
maior a centralização do poder, menos participativo e criativo é o povo.
Podemos olhar para seus hábitos, suas necessidades e questionar as
capacidades de movimento do corpo humano - Essas condições geraram Faça uma analogia com as formas de poder presentes no mundo
adaptações físicas e metabólicas no corpo humano, deixando um registro contemporâneo e reflita sobre como os exercícios físicos e o esporte são
genético. Os hábitos motores e alimentares do mundo cotidiano são dirigidos em função da concentração de poder.
incompatíveis com a programação genética metabólica que herdamos.
OS EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GRÉCIA ANTIGA
Estamos ficando doentes; somos uma geração de obesos, diabéticos e
hipertensos precoces. Deterioramos nossos corpos com toxinas, resíduos Os filhos dos espartanos eram educados pela pátria a partir dos 7 anos de
e conservantes, antibióticos e hormônios. idade, quando passavam a pertencer à cidade e não mais à sua família. A
rigorosa educação militar se desenvolvia arduamente até os 18 anos de
OS EXERCÍCIOS NO MUNDO ANTIGO idade, quando se iniciava o período de serviço militar. Ao completar 30
anos, o espartano era levado à cidade para se casar e ter filhos, mas
A CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA E OS EXERCÍCIOS FÍSICOS continuava a servir a pátria com suas habilidades militares até completar
60 anos, quando era admitido na Gerúsia, conselho de anciãos, e
No Egito Antigo não se tem registro de jogos coletivos ou disputas de
dispensado do serviço militar. Poucos chegavam a ter esta honra
torneios grandiosos; as práticas visavam à preparação guerreira,
(VICENTINO; DORIGO, 2013).
apresentações individuais e entretenimento (RAMOS, 1982).
FILOSOFIA, CORPO E EXERCÍCIO NA GRÉCIA ANTIGA
Em muitas pinturas antigas egípcias são observados jogos recreativos
infantis, lutas, jogos com bola, jogos com arcos, disputas diversas que Nesse período, os grandes pensadores se debruçaram na temática que
apresentam características lúdicas das crianças e jovens egípcios. colocava o homem como centro do discurso (antropocentrismo). É nesse
meio que as questões do corpo e do exercício passam a ser discutidas a
Estima-se que os egípcios praticavam variadas formas de exercício há mais
fundo por filósofos e seus discípulos.
de 40 séculos a.C. Os exercícios físicos buscavam a aquisição de saúde e
O corpo era um elemento da existência humana bastante valorizado e uma situação de confronto não era tolerado dentro da ética grega antiga.
cultuado na Grécia Antiga. Por diversos fatores e motivos, os gregos Para isso, tanto o corpo quanto o espírito do garoto eram forjados desde
exercitavam o corpo, chegando a venerá-lo. cedo (RUBIO, 2002).

Sócrates (470-399 a.C.) pensava na perspectiva do autoconhecimento. A A visão da beleza como valor moral desejável. Alguém que não cuidasse
consciência do corpo e da alma levava à evolução do ser humano. Seu de seu próprio corpo não era bem-visto na sociedade, não inspirava
pensamento estimulou a assimilação e prescrição da ginástica médica, confiança, sobretudo se fosse adepto dos vícios da bebida, da comida e do
que buscava a saúde do corpo e o equilíbrio do homem como um todo. ócio. O valor moral grego que determinava a virtude da beleza era
denominado kalokagathia e representava a ideia de que “o belo é bom”
Platão (427-347 a.C.) - Platão defendia a alma como entidade perfeita e (RUBIO, 2002).
eterna, ao contrário do corpo, o qual considerava apenas a morada
mundana e imperfeita da alma (CHAUÍ, 2000). A apreciação da beleza do corpo durante os exercícios e competições era
evidenciada pelo hábito de exercitar-se nu. Os gregos apreciavam as
Correntes contemporâneas do pensamento humano defendem a formas corporais executando os gestos de luta, os lançamentos de disco e
perspectiva da unidade corpo-mente-alma, em que não se tem um corpo dardo, as corridas. Em função disso, encontramos inúmeras estátuas
e sim se é um corpo, o corpo sujeito. representando gestos atléticos, nas quais os modelos encontram-se nus. A
estátua mais conhecida nesta categoria é o Discóbolo, de Míron, símbolo
Para homenagear os deuses, os gregos realizavam disputas atléticas,
da Educação Física.
denominadas jogos, onde os mortais tentavam copiar os feitos dos
deuses. Nesses jogos, os campeões recebiam o título de semideuses e Como já foi visto, com os pensamentos de Sócrates, a valorização do
recebiam o status de heróis sobre-humanos. A preparação do físico para a exercício ocorria como forma de promoção da saúde do corpo e
participação nos jogos era uma tradição e envolvia os jovens desde a consequentemente da alma. Portanto, a formação de um corpo forte e
infância (RUBIO, 2002). saudável contribuía para a formação do homem como um todo, pronto
para a vida de cidadão na pólis grega.
Em função das constantes guerras enfrentadas pelos povos gregos, a
cultura helênica cunhou um importante valor moral denominado aretê. O Contudo, percebe-se a estreita relação do grego antigo com o corpo, o
aretê tinha por característica valorizar a coragem e a prontidão do grego que fez surgir uma grande herança cultural associada à prática do
para o combate. Fugir, esconder-se, acovardar-se ou mesmo vacilar em
exercício físico, que acabou por inspirar o desenvolvimento da Educação OS JOGOS NA GRÉCIA ANTIGA
Física moderna.
Foi no âmbito do culto às divindades e aos heróis que surgiram os jogos
A CULTURA DA GRÉCIA ANTIGA E O EXERCÍCIO (GRIFI, 1989).

Outro importante santuário grego era a cidade sagrada de Olímpia, um Inspirados nos heróis, os gregos organizavam grandes festas pan-
conjunto de templos dedicados a Zeus, deus supremo do panteão grego, helênicas, que reuniam gregos vindos de toda a Hélade nos grandes
onde eram realizados, a cada quatro anos, os Jogos Olímpicos da santuários. As festas religiosas contemplavam cerimônias, sacrifícios e
Antiguidade (GODOY, 1996). grandes concursos atléticos, os jogos, realizados em honra aos deuses
(GODOY, 1996).
Devido a este convívio próximo com a guerra, o grego desenvolveu um
espírito de combatividade bastante aguçado. O espírito de enfrentamento A origem dos Jogos Olímpicos está mesclada à mitologia. Acredita-se que
franco e direto, o desejo pelo confronto, era denominado aretê. Esse valor o herói Héracles foi o criador dos jogos realizados em Olímpia em honra
era praticado em jogos e no constante treinamento desenvolvido para de Zeus, seu pai. No entanto, registros históricos apontam o surgimento
forjar o corpo e o espírito agonista. dos jogos a partir de um tratado de paz, o Ekeheiria, firmado em Olímpia
no ano de 884 a.C., entre os reis de Pisa, Elis e Esparta. A realização dos
A regulamentação e sistematização das atividades esportivas modernas, jogos sagrados foi instituída para celebrar a paz (GODOY, 1996).
com o intuito de controlar a violência contida nas ações atléticas, estão
vinculadas ao desenvolvimento da sociedade na forma de Estados São considerados os primeiros Jogos Olímpicos da Grécia Antiga aqueles
Nacionais. A regulamentação das atividades atléticas coibindo o uso da realizados no ano de 776 a.C., pois foi a partir de então que se
violência é uma das características fundamentais do esporte moderno encontraram registros dos nomes dos campeões dos jogos encravados na
(ELIAS; DUNNING, 1992). pedra de fundamentação do templo de Zeus (RAMOS, 1982).

Esparta e Atenas foram as cidades-estados gregas que primeiro A cada quatro anos, embaixadores sagrados eram enviados a todas as
delinearam uma relação de corpo e movimento com critérios partes da Grécia Antiga para anunciar a realização dos Jogos Olímpicos,
pedagógicos. proclamando a trégua sagrada: durante os jogos, as guerras e conflitos
entre as cidades–estados eram suspensos e todos que se dirigiam a
Ginástica significa a arte de exercitar-se nu. Olímpia eram invioláveis.
Os concorrentes chegavam com antecedência e se exercitavam durante Diz a lenda que, certo dia, ao andar por um bosque afastado, Milo teria
dez meses no ginásio de Elis. Em algumas cidades os campeões recebiam avistado uma árvore rachada ao meio por ter sido atingida por um raio.
isenção de impostos, casas, terras, títulos de nobreza e até recompensas Ciente de sua força, Milo teria tentado acabar de quebrar a árvore com as
em dinheiro (GODOY, 1996).
próprias mãos e acabou ficando preso na fissura e, sem ninguém para
Ao final da premiação, os vencedores eram conduzidos para dentro do socorrê-lo, foi devorado por lobos (GODOY, 1996).
templo, onde agradeciam suas graças sob os pés da estátua de Zeus. Esse
momento representava a maior ambição dos atletas, pois, sob a condição A MULHER NA GRÉCIA ANTIGA
de olimpiônicos, eram aproximados dos deuses (GODOY, 1996).
Nos jogos da deusa Hera, cujos primeiros registros datam de 200 a.C.,
Os jogos gregos não podem ser denominados como esporte. O esporte é havia a participação das mulheres, atletas jovens e solteiras em
um fenômeno moderno, surgido na Inglaterra no século XIX. Os jogos competições a cada quatro anos. As mulheres que competiam nos jogos
gregos eram festividades religiosas com disputas atléticas. de Hera não tinham o status de heroínas porque elas não preenchiam os
requisitos dos heróis olímpicos e suas estruturas corporais e suas
MILO DE CROTONA: A HISTÓRIA DE UM HERÓI GREGO
habilidades atléticas não remetiam às façanhas dos heróis. Suas
Milo de Crotona, herói dos jogos gregos antigos. competições eram mais simples e não exigiam o mesmo preparo físico
masculino (MIRAGAYA, 2007).
O treinamento de Milo abrangia exercícios como pesos, luta e o exercício
de carregar diariamente um bezerro durante os quatros anos que Algumas mulheres tinham permissão para assistir. Essas mulheres eram
separavam uma edição e outra dos Jogos Olímpicos. Este hábito jovens e solteiras à procura de um marido. Elas deveriam observar os
corpos fortes e falar com seus irmãos ou pai sobre aquele atleta que
estabeleceu as fundações de um dos principais princípios do treinamento
queriam para marido. Entretanto, mulheres casadas eram proibidas de
de força, o da aplicação da sobrecarga progressiva. assistir às Olimpíadas sob pena de morte. A única mulher casada que
tinha permissão de assistir aos Jogos era a sacerdotisa de Demeter.
A dieta de Milo, que seria capaz de ingerir nove quilos de carne, nove
quilos de pão e oito litros de vinho diariamente. A lenda diz que Milo A primeira mulher do Olimpismo antigo que conseguiu triunfos foi
carregou sua estátua de bronze até o santuário de Olímpia, onde estava o Kyniska, filha do rei Archidamus II, meia-irmã do rei Agis II (427-400 a.C.) e
templo sagrado de Zeus e onde eram realizados os Jogos Olímpicos irmã do rei Agesilaus (400-360 a.C.).

A participação de Kyniska nos jogos não representou uma evolução no


quadro de consideração da mulher na sociedade grega.
Não participavam de modalidades mais violentas ou extenuantes, que OS EXERCÍCIOS FÍSICOS EM ROMA
pudessem colocar em risco a função da maternidade
REPÚBLICA (SÉCULOS VI A.C.-I A.C.)
Em Olímpia, foram promovidas competições oficiais somente para as
mulheres -Jogos Heranos, nome derivado do culto à deusa Hera. A crise da República Romana se agravou, e as pressões sociais motivaram
rebeliões e levantes populares. O Senado passou a oferecer jogos públicos como
A túnica nos Jogos Heranos, recobrindo apenas um seio, era uma alternativa paliativa de contenção das tensões da plebe. Muitos anfiteatros foram
homenagem a guerreiras mitológicas, Amazonas, exímias arqueiras que construídos com capacidade para milhares de pessoas.
amputavam um dos seios para não atrapalhar o retesamento do arco.
Nos jogos, corridas e batalhas sangrentas ocupavam os humores da população
A DECADÊNCIA DOS JOGOS GREGOS cada vez mais pobre e oprimida (RAMOS, 1982).

Os povos estrangeiros que passaram a participar dos jogos estavam interessados O ALTO IMPÉRIO (SÉCULOS I A.C.-III D.C.)
apenas na vitória a qualquer custo, como forma de ganhar prestígio. Com isso, o
rígido código de regras dos jogos caiu em desuso e as disputas passaram a contar Política do Pão e Circo - Para agradar o povo (plebeus), Otávio passou a usar com
com vergonhosos episódios de trapaças e corrupção, além da presença de frequência a oferta de jogos públicos, espetáculos sangrentos e corridas de
quadrigas (carruagens puxadas por quatro cavalos e um auriga condutor) e a
mercenários, com índole duvidosa, que competiam apenas pela recompensa,
doação de alimentos (pães, cotas de trigo, entre outros). A celebração de jogos
deixando a honra muito fora de questão (GODOY, 1996). não respeitava apenas o calendário religioso, mas ocorria de acordo com a
conveniência do imperador.
O amadorismo olímpico moderno perdurou até os Jogos de Barcelona, em 1992,
quando os atletas e equipes profissionais puderam finalmente participar e o OS EXERCÍCIOS FÍSICOS EM ROMA
Comitê Olímpico Internacional se rendeu às forças do capitalismo e do marketing
Eram realizadas, predominantemente, atividades utilitárias de preparação militar:
esportivo (GODOY, 1996).
exercícios equestres, marchas, corridas, esgrima, lutas e natação. Nesse período,
Após o massacre, Teodósio I foi acometido por uma grave enfermidade e recorreu os jogos públicos já eram realizados em dias festivos, porém com um forte vínculo
a Ambrósio pedindo por saúde e paz. O arcebispo o convenceu a converter-se ao com cerimônias religiosas (RAMOS, 1982).
cristianismo. Teodósio assim o fez e foi curado. Convertido, confessou-se culpado
Na fase republicana, os jogos públicos tiveram grande desenvolvimento no
pelo morticínio dos gregos e, atendendo ao pedido de Ambrósio, o imperador
sentido de entreter o povo em momentos de dificuldades internas geradas pelas
Teodósio aboliu todas as manifestações pagãs em 393 d.C., inclusive os Jogos
longas campanhas de conquista territorial.
Olímpicos na Grécia, colocando fim em uma história de mais de 12 séculos
ininterruptos de jogos (RAMOS, 1982).
A prática de atividades físicas entre os romanos tinha caráter estritamente As atividades que envolviam o corpo tiveram um desenvolvimento restrito e
prático, objetivando a formação militar ou a promoção de saúde, no caso das regulado pelos interesses da Igreja da época. As práticas atléticas antigas da
atividades higiênicas desenvolvidas nas inúmeras termas romanas (GRIFI, 1989). Grécia e de Roma foram proibidas e rotuladas como atividades pagãs.

No período imperial, a realização dos jogos públicos atingiu sua fase áurea. O desenvolvimento de atividades atléticas somente foi alavancado, nessa época,
Durante o ano chegava a ocorrer dois dias de jogos e diversões para cada dia de em função da incidência da organização da cavalaria.
trabalho. A população, de forma geral, passou a ter uma função meramente
espectadora. A prática de atividades físicas e rigorosos treinamentos era limitada As atividades atléticas da época desenvolveram-se das rotinas de treinamento
aos soldados do poderoso Exército romano e aos escravos e profissionais que dos cavaleiros. Dessas atividades surgiram competições envolvendo habilidades
disputavam os jogos públicos (RAMOS, 1982). guerreiras, desempenho físico e valores morais e espirituais do cavaleiro (GRIFI,
Houve a degradação das atividades praticadas nas termas, as práticas higiênicas
1989).
decaíram, os cidadãos passaram a ser cada vez mais sedentários e as termas se
limitavam à realização de ritos religiosos, como os festivais feitos a Baco, o deus
Geralmente as atividades esportivas eram praticadas por apenas uma pequena
do vinho. Também se notou uma degeneração geral dos valores atléticos da
população, que se contentava em assistir aos espetáculos cada vez mais parcela da população, representada pela nobreza e pela aristocracia,
sangrentos e cruéis (GRIFI, 1989). determinando o caráter elitista das atividades da época. No âmbito competitivo,
A realização dos jogos públicos foi bastante importante como fator de política destacaram-se o torneio e a justa (RAMOS, 1982).
interna do Império.
Nos numerosos dias de jogos eram distribuídas cotas de pão à população. Assim, O torneio teve duas fases bem definidas. Na primeira, a disputa consistia em uma
a política do pão e circo foi responsável pela estabilidade interna do Império, batalha feroz. A segunda fase do torneio foi caracterizada pela diminuição da
alienando as massas, evitando levantes e insurreições populares (RAMOS, 1982). violência, pelo uso de armas de madeira ou com as lâminas encapadas.

AS DISPUTAS ATLÉTICAS NA IDADE MÉDIA A justa era o combate entre dois cavaleiros montados, armados com lanças,
O processo de desestruturação do Império Romano marcou o início da Idade armaduras e escudos. Consistia no enfrentamento de ambos com o objetivo de
Média, com reestruturação social e de poder. derrubar o adversário de sua montaria (GRIFI, 1989; RAMOS, 1982).

A Idade Média foi um período de mudança de paradigmas em relação à As competições na Idade Média tinham caráter essencialmente amador e
sociedade antiga. Os avanços culturais e artísticos foram mais lentos, mas é um respeitavam uma série de regras e posicionamentos morais.
equívoco acreditar que não existiram.
O RENASCIMENTO CULTURAL E AS PERSPECTIVAS PARA O
OS EXERCÍCIOS FÍSICOS DURANTE A IDADE MÉDIA CORPO E O MOVIMENTO HUMANO
Entre os séculos XIV e XVI, generalizou-se na Europa uma série de movimentos O autor busca, na cultura das sociedades antigas de Grécia e Roma, subsídios para
artísticos e científicos que tinham em comum o rompimento com valores do um desenvolvimento físico higiênico e moral, desprezando o abandono ao qual o
período medieval e a recuperação de ideais e modelos da Grécia e da Roma corpo é deixado durante a Idade Medieval.
Antigas. Esses movimentos receberam o nome de Renascimento. Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) - Foi o mais popular dos filósofos que
A característica mais evidente é a ruptura com a ideologia doutrinária e participaram do Iluminismo, movimento intelectual do século XVIII.
hegemônica da Igreja Católica Apostólica Romana medieval. Destaca importância da prática de exercícios físicos pelos jovens, a necessidade
do esforço, a vida ao ar livre, a alimentação saudável e hábitos higiênicos, como o
Durante o Renascimento, a mudança mais evidente e perene foi a explosão do
uso de roupas leves, o arejamento das residências e o aleitamento materno.
humanismo, do racionalismo e do antropocentrismo nas artes e na produção
Quem quiser ser forte espiritualmente deve cultivar suas forças físicas”; “Cultivai
intelectual.
a inteligência de seu filho, mas, antes de tudo, cultivai o seu físico, porque é ele
Na área da Educação Física existe a retomada gradativa da produção de estudos e que orienta o desenvolvimento mental; é necessário primeiro tornar seu filho são
obras pedagógicas defendendo uma educação mais integral, equilibrando o e forte, para poder vê-lo mais tarde, inteligente e sábio” (apud
desenvolvimento intelectual ao desenvolvimento corporal. RAMOS, 1982, p. 176).

OS PRECURSORES RENASCENTISTAS Girolamo Mercuriale (1530-1606) - professor, médico e humanista, autor de uma
grande obra sobre a prática de exercícios físicos: De arte ginástica, inspirada na
A seguir, alguns relatos de professores e intelectuais que iniciaram a publicação
obra de Galeno e outros gregos antigos.
de obras e a implantação de modelos educacionais voltadas para a prática de Os seis tomos da obra apresentam conhecimentos precisos sobre a prática de
exercícios. exercícios físicos. O autor apresenta uma concepção sistemática e racional, com
ilustrações bastante explicativas.
Vittorino da Feltre (1378-1446) - Vittorino estimulava as atividades em grupo, a
alegria e o alarido próprio dos jovens e crianças e condenava a solidão como François de Salignac de La Mothe-Fénelon (1651-1715) - defende a prática da
desencadeadora de maus hábitos. Buscava o ideal grego de formação integral ginástica feminina como forma de se opor à vida ociosa das meninas.
com a harmonia entre corpo, mente e espírito (RAMOS, 1982).
Johann Heinrich Pestalozzi (1746-1827) - “O hábito do exercício físico não só
desembaraça o corpo da criança, como lhe desenvolve as qualidades intelectuais
Maffeo Veggio (1407-1458) - foi professor dedicado à ginástica e à fisiologia.
e morais”.
Publicou, em 1491, a obra Educação da criança, em que pregava que os exercícios
Reconheceu em seu tempo os males gerados ao corpo pela vida das sociedades
físicos deveriam ser ministrados a partir dos 5 anos de idade
industrializadas, sugerindo a prática do exercício como fator de correção ao
François Rabelais (1494-1553) - defendeu a vida ao ar livre e o desenvolvimento
sedentarismo da vida na sociedade moderna. O autor criou o primeiro método
pleno das capacidades físicas. Defensor da alegria.
moderno de ginástica experimental, no qual se atentava para a postura corporal,
O corpo assume uma dimensão muito importante na obra ao ser utilizado como
para a correção dos movimentos e para as ações articulares, que foi denominado
um ponto de referência na crítica ao comportamento desregrado, glutão e
Ginástica Elementar.
preguiçoso dos pais e do próprio Gargântua antes de começar a ser educado de
acordo com as novas ideias (HEROLD JUNIOR, 2006).
O EXERCÍCIO FÍSICO NAS SOCIEDADES MODERNAS procurou estabelecer rumos científicos para a prática dos exercícios físicos, a fim
de regenerar o povo sueco (RAMOS, 1982; MARINHO, 1980).
A Educação Física moderna sofreu influências dos pensadores iluministas dos
séculos XVII e XVIII. Rousseau afirmava que a criança deveria ser educada livre
das influências negativas dos pais e das instituições da sociedade, sobretudo da
Igreja. Rousseau valorizava, em seus preceitos educativos, a formação moral e
física do jovem. Essa condição abriu espaço para o desenvolvimento da Educação
Física e influenciou um grande número de estudiosos e pedagogos em diversos
países da Europa, culminando com o surgimento das escolas ginásticas
(MARINHO, 1980).

As escolas ginásticas surgiram na Europa no início do século XIX e tiveram


desenvolvimento simultâneo em diversos países, o que favoreceu o intercâmbio
de informações e tendências. Os objetivos gerais do movimento ginástico
europeu estavam voltados ao desenvolvimento pedagógico, higiênico e militar do
homem, buscando preparar os jovens para a vida e para a prestação de serviços à
sociedade.

Na Dinamarca, o pedagogo Franz Nachtegall (1777-1847) é considerado o


idealizador de uma doutrina ginástica altamente pedagógica, sendo o precursor
de diversas escolas e institutos voltados à prática. Grande incentivador da
ginástica patriótica e militar.

Johann Basedow (1723-1790) era um professor alemão que desenvolveu seu


próprio sistema de ensino baseado nas ideias de Rousseau. As crianças deveriam
ser tratadas como crianças, e não como adultos pequenos. Considerado como o
primeiro professor moderno de ginástica.

O MOVIMENTO GINÁSTICO SUECO


A ginástica sueca foi implantada por Per Henrik Ling (1776-1839). exaltando os
benefícios à saúde e o serviço à pátria via ginástica de preparação militar. Ling