You are on page 1of 11

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

RELAÇÃO PROFESSOR E ALUNO NO ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES
NO CONTEXTO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO
FÍSICA
Kalline Pereira Aroeira
Francyne Wolkartte Merlo

RESUMO
Analisa as concepções de estudantes de Educação Física sobre a relação professor e
aluno no âmbito de sua formação e identifica qual a importância dessa categoria para o
processo de ensino e aprendizagem. Apresenta discussão teórica sobre as questões: a) a
relação professor e aluno no processo de ensino e aprendizagem; b) a contribuição do
aspecto afetivo para o processo de construção do conhecimento; c) o papel do professor
como mediador da aprendizagem; e d) a importância de o processo educacional ter
como foco a aprendizagem do aluno e não o ensino do professor. Traça diálogo com a
produção teórica da área da Educação e da Educação Física e caracteriza um estudo de
caso realizado com estudantes pertencentes a um curso de formação de professores de
Educação Física. Apresenta, como principais considerações-síntese: a importância de os
professores e os alunos estabelecerem uma relação agradável em sala de aula,
qualificando o processo de ensino e aprendizagem; a necessidade de essa relação estar
baseada nos aspectos afetivos, motivacionais, científicos e morais, visto serem fatores
essenciais para a consignação de um clima favorável nessa relação; e a necessidade de
os professores universitários avaliarem suas práticas pedagógicas, considerando as
concepções apontadas pelos alunos como fatores importantes para essa relação. Destaca
a importância da relação professor e aluno no ensino superior e a relevância dessa
relação para o processo de ensino e aprendizagem, uma vez que, por meio desta, os
professores conhecem melhor os seus alunos, podendo qualificar o processo de ensino
e, os alunos se sentem mais à vontade para debater e questionar durante as aulas,
qualificando o processo de aprendizagem.

Palavras-chave: Relação professor e aluno. Processo de ensino e aprendizagem. Ensino
superior.

INTRODUÇÃO

Em qualquer nível de ensino, a relação que caracteriza o ensinar e o aprender transcorre
a partir de vínculos entre as pessoas. No decorrer do desenvolvimento, os vínculos
afetivos vão se ampliando e a figura do professor surge com grande importância na
relação de ensino e aprendizagem.
Santos (2001) aponta que uma parcela substancial de pesquisas realizadas no ensino
superior tem indicado a importância da relação professor e aluno e afirma que a
interação professor-aluno, dentro e fora da sala de aula, caracteriza um ensino de
qualidade, ajudando os estudantes a atingir os seus objetivos de aprendizagem.

Junqueira&Marin Editores
Livro 2 - p.002636

que atuam como um filtro e podem ser observadas por dois ângulos: Por um lado.. o que os alunos Junqueira&Marin Editores Livro 2 . são indispensáveis. visando a uma melhoria no processo de ensino e aprendizagem. Nessa direção. tal como é entendido por Ponte (1992. XVI ENDIPE . somente conhecendo os interesses e necessidades dos alunos é que os professores podem criar situações de ensino que atendam às características de aprendizagem dos estudantes e garantam a eficácia do seu papel de educador (SANTOS. Nesse sentido.p. propomo- nos responder à seguinte pergunta: quais concepções os estudantes de Educação Física apontam sobre a categoria relação professor e aluno no contexto de sua formação? É importante destacar que o conceito de concepção adotado neste texto apresenta-se. O autor considera as concepções como de natureza essencialmente cognitiva. p. amigo. no sentido de que as concepções se formam “[. Nessa direção. 1992. segundo Furlani (2004). 2001). neste estudo. atuam como elemento bloqueador em relação a novas realidades ou a certos problemas. O mais importante para os alunos nessa relação.002637 . analisar as concepções de estudantes de Educação Física sobre a relação professor e aluno no contexto de sua formação e identificar qual a importância dessa relação no processo de ensino e aprendizagem para os alunos. O interesse pelo tema surgiu devido às vivências e dificuldades identificadas com estudantes do Curso de Educação Física. estudar essas questões nos auxilia a refletir sobre o tema no âmbito da docência universitária. neste trabalho. Apresentamos.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . acessível e humano. a compreensão desse processo é condição para a construção do planejamento de ensino e da organização do currículo. é o contato com o professor. p.2012 2 Ao estudar essas questões durante o processo de formação de professores. ou seja.Campinas . buscamos. pois estruturam o sentido que damos às coisas. consequentemente. pautados principalmente na relação construída entre docente e discente. 1).] num processo simultaneamente individual (como resultado da elaboração sobre a nossa experiência) e social (como resultado do confronto das nossas elaborações com as dos outros)”.UNICAMP . a docência. 1). momento em que avaliamos a necessidade de produzir estudos em relação aos processos formativos. limitando as nossas possibilidades de atuação e compreensão (PONTE. a possibilidade de senti-lo próximo. uma vez que facilita caminhos mais adequados para o processo de ensino e aprendizagem e. a avaliar as práticas pedagógicas. Por outro lado. Compreendemos que a relação entre docentes e discentes se torna imprescindível na ação educativa.. Assim.

Diante disso. inter-relacionados. contribuem para a construção do processo de ensino e aprendizagem. 2004). Dessa forma. que são. como sujeitos dessas relações. p. Essas relações.] a formação do sujeito se dá [.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . com o objetivo de transmissão da cultura e dos conhecimentos construídos historicamente se estabelece uma relação pedagógica. (2005). 2004. é válido lembrar que “[. pois o sentimento de bem-estar nessa relação é importante para a assimilação dos conteúdos. numa relação em que o principal não é o ensino. 2008). 10). Assim. De acordo com Vasconcelos et al. e que essa seleção é baseada nas associações afetivas estabelecidas entre o aprendido e a situação em que se aprendeu (BRAGA. a especificidade da relação professor e aluno precisa ser entendida como aspecto do desenvolvimento de ambos os envolvidos. ninguém sai igual. A RELAÇÃO PROFESSOR E ALUNO: UMA INTERAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM O fenômeno educativo é complexo e abrange diversos aspectos que. o que leva alunos e professores. pois habilidades de relacionamento interpessoal e social são aprendidas no viver junto e. Nesse processo. Também são afetadas pelas representações mútuas. pois envolvem dimensões afetivas e motivacionais. Junqueira&Marin Editores Livro 2 . têm uma preocupação pedagógica e educativa. ao mesmo tempo. Por isso. a extraírem e criarem significados sobre esse mundo e sobre si mesmos (BRUNER apud PLACCO. essas interações não podem ser reduzidas ao processo cognitivo de reconstrução do conhecimento. Se. sabe-se também que. nos valores das pessoas. pessoais/interpessoais e sociais. XVI ENDIPE . alunos e professores deparam-se frente a frente. pode-se pressupor a importância da relação professor-aluno no processo de ensino e aprendizagem.002638 . as interações professor-aluno desempenham um importante papel e são pautadas pelas ações que um dirige ao outro..p.. pelas ideias e pelas relações sociais construídas entre um e o outro. ou seja.] em parceria e em presença do outro” (PLACCO.Campinas . há encontros com os outros e consigo mesmo.2012 3 pensam a respeito da relação professor e aluno e aspectos correlatos a essa discussão em frente ao diálogo com a produção teórica sobre o assunto.UNICAMP .. nessa aprendizagem. nessa relação com o mundo e com os saberes.. nas habilidades. são produzidas mudanças nas atitudes. uma vez que se sabe que a atenção e a memória são seletivas. mas a aprendizagem. na sala de aula.

002639 . Os professores que estão preocupados com os valores de seus alunos estão sempre dispostos a buscar uma boa relação.. um ambiente acadêmico favorável a uma aprendizagem significativa. com os professores. na visão dos alunos. com a instituição). o tempo é o maior vilão que impede o desenvolvimento de relações mais efetivas entre professor e aluno. a prática docente do professor universitário deve estar assentada sobre três pontos principais – o conteúdo da área na qual é um especialista. quando o aluno se sente competente pelas atitudes e métodos de motivação em sala de aula. 2004). então. Diante disso. para refletir sobre a educação e seus rumos.. o aprender se torna mais interessante. assim. relações que são condição para o aprendizado. não poder “perder tempo” (SOUZA. como lembra Furlani (2004). 2008). 1996. p. 2007. é necessário que o educador conheça a sua significação para o educando.. da organização do currículo ou.Campinas . pois os professores. o educador torna-se capaz de interagir de forma satisfatória com o educando (LUCAS. que possibilite a atribuição de significados e sentidos às atividades discentes. propiciando.p.] o professor deve conhecer de perto seus alunos. conhecer o aspecto afetivo torna-se imprescindível na ação educativa. Mas.2012 4 assim como no grau e na amplitude de seu conhecimento. consequentemente. sempre com muito “conteúdo” para ensinar e com um tempo insuficiente. Nesse sentido. ainda. Uma outra necessidade posta ao professor é conhecer melhor seus alunos. 81). “[. 2008). uma vez que facilita caminhos mais adequados para o processo ensino-aprendizagem e. respeitando as limitações de todos os alunos. Assim. RIBEIRO. num âmbito maior. Ao enxergar o aluno como um ser que já entra na escola com uma bagagem emocional considerável.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . favorecendo uma relação baseada no respeito mútuo. 30)..] porque não estabelecer uma “intimidade” entre os saberes curriculares fundamentais aos alunos e a experiência social que eles têm como indivíduos?” (FREIRE. alegam não poder parar para conversar a toda aula. Portanto. ser capaz de organizar a situação de aprendizagem” (CIANFA. a universidade consegue atingir seu papel quando o aluno pode vivenciar relações enriquecedoras (com o conhecimento. Dessa maneira. XVI ENDIPE .UNICAMP . ter condições de promover um ensino mais efetivo. Diante disso. a docência (CALIL. Segundo Santos (2001). estar familiarizado com os processos através dos quais eles raciocinam para. p. a compreensão do indivíduo é condição para a construção do planejamento de ensino. “[. Junqueira&Marin Editores Livro 2 . Nesse contexto.

portanto. ensinar.Campinas . com vistas à aprendizagem. na elaboração e levantamento de hipóteses. e as habilidades e conhecimentos que lhe permitem uma efetiva ação pedagógica em sala de aula. segundo a autora. sucede-se a ação de aprender (PIMENTA. anotar e memorizar o conteúdo exposto para repeti-lo no momento da avaliação.] na ensinagem a ação de ensinar é definida na relação com a ação de aprender.p. Portanto. na busca do novo e na criação de novas respostas a problemas existentes (PIMENTA. Muitos processos de ensino em cursos universitários resumem-se a reuniões com determinado número de pessoas. da ação de ensinar. pois. de ciência e de saber escolar. por meio da mobilização de saberes pedagógicos. o termo ensinar não está sendo utilizado de forma correta. o ensinar reduz-se a expor os conteúdos nas aulas. cabendo ao aluno ouvir. entendendo o seu papel como mediador da aprendizagem de seus alunos. p. mas inclui a necessidade de um resultado positivo do que se pretendia fazer – no caso. Nesse caso. desconsiderando que. pois “[. Para as autoras. porém não necessariamente domina a área educacional e pedagógica. Sendo assim. na prática. portanto. 2002). o que se observa é a existência de uma lacuna no desempenho do docente de ensino superior – o professor se caracteriza como um especialista em seu campo de conhecimento. é preciso superar o conceito de ensino para ensinagem. um bom professor é o que consegue fazer uma boa palestra. torna-se essencial que o professor compreenda adequadamente esse processo. Centrado na ação do professor. Supera-se. O método de ensinar resume-se à capacidade docente de explicar os conceitos e.UNICAMP . a ação de ensinar não se limita à exposição dos conteúdos.2012 5 sua visão de educação. didáticos e específicos.002640 . não se associa ao dinamismo próprio aos processos de pesquisa. e ao aluno resta ouvir com atenção. ANASTASIOU. para além da meta que revela a intencionalidade. XVI ENDIPE . centrados na problematização. 205). Mas. a visão de senso comum da docência associada à aula expositiva como forma única de ensinar. Como lembram Pimenta e Anastasiou (2002.. ANASTASIOU. 2002). Esses procedimentos didáticos revelam uma visão fixa e inquestionável de conhecimento.. o ensino desencadeia necessariamente a ação de aprender”.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . visão que reforçava a ação do professor como palestrante Junqueira&Marin Editores Livro 2 . pois o ato de ensinar está resumido ao momento da aula. de homem e de mundo. nas quais uma delas expõe seus conhecimentos e as outras são simples ouvintes. estabelecendo articulação entre o aluno e o conhecimento. nesse contexto.

segundo Chizzotti (2000). é um método de tratamento e análise de informações colhidas por meio de técnicas de coleta de dados.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . 2008). a partir da ação conjunta de professores e alunos. Mais de 80% dos participantes afirmaram que é necessário. XVI ENDIPE . pois. 2007). Lembramos. que os professores sejam compreensivos e mantenham uma relação agradável com os alunos e com a turma.UNICAMP . visual. que apresenta características de um estudo de caso (GIL. professores e alunos passam a construir conjunta e continuamente o conhecimento. consubstanciadas em um documento. SOBRE A RELAÇÃO PROFESSOR E ALUNO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Para discutirmos sobre as concepções de estudantes de Educação Física sobre a relação professor e aluno na formação de professores. um conteúdo e um tempo determinado. Para a interpretação dos dados. que. PEREIRA. que afirma que essa é condição para uma aprendizagem significativa. o que destaca Müller (2002) sobre a relação professor e aluno. embasados nas teorias e em sua revisão constante nos questionamentos e nas leituras da realidade e do presente histórico (PEREIRA apud PACHANE. consideramos a análise de conteúdos. pois. eles se sentem à vontade para expor suas opiniões e questionar sobre suas dúvidas. assim. nem o ensino como transmissão de um conhecimento pronto e acabado. aplicado a 251 estudantes do 1º ao 8º período.p.002641 . o Junqueira&Marin Editores Livro 2 . além da qualificação docente. a aula não deve ser dada nem assistida. realizamos uma pesquisa de caráter quantitativo e qualitativo. Nessa superação. A técnica se aplica à análise de textos escritos ou de qualquer comunicação (oral. nesse sentido. identificamos que a categoria relação interpessoal entre professor e aluno é um importante fator interveniente no processo de ensino e aprendizagem.Campinas . gestual) reduzida a um texto ou documento. A pesquisa de campo foi realizada por meio de um questionário com perguntas abertas e fechadas. O modelo pelo qual se pautava a organização do ensino superior não dá mais conta da complexidade do momento que vivenciamos e é constantemente impulsionado a mudanças. mas construída. Não podemos mais entender o professor como “detentor do saber”.2012 6 e a do aluno como copista do conteúdo. embora estejam limitados por um programa. pertencentes a uma instituição de ensino superior privada do município de Vila Velha/ES. Com base na análise das falas dos sujeitos. Nesse contexto.

autoridade e as qualidades morais dos professores são aspectos selecionados. Além disso. a possibilidade de senti-lo próximo. os porquês. Essa ideia ancora-se no que afirma Furlani (2004.. Desse modo. p. tornando mais fácil o processo de ensino-aprendizagem e a troca de informações entre eles durante as aulas. como um dos fatores básicos ao processo de aprendizagem (CIANFA. por meio da relação que os alunos estabelecem com o professor”. não podemos pensar que a construção do conhecimento acontece de forma individual. pois sua ausência representa uma queda de qualidade nas tarefas de aprendizagem. torna-se necessário argumentar com os professores sobre a necessidade de se estabelecer uma relação coerente e amistosa com os alunos. interagindo.. é por meio dessa relação que o professor consegue conhecer melhor os alunos e suas dificuldades.7% dos depoentes apontaram — mesmo em conjunto com outra atitude — a relação professor e aluno como condição para que o professor consiga atingir seus objetivos educacionais e para que o aluno fique motivado a estudar a disciplina do professor. a motivação tornou-se uma preocupação na Educação. que é a aprendizagem do educando.Campinas .UNICAMP . De acordo com Ortenzi (2006). amigo. Diante disso.002642 . para os alunos. a disciplina. o mais importante nessa relação é o contato com o professor. Para os sujeitos. Relação essa que.] o acesso ao conhecimento se faz. para a relação professor e aluno. 1996). mas conhecer as razões. É necessário que o professor compreenda o aluno como um ser que já entra na universidade com uma bagagem emocional e cognitiva que precisa ser considerada Junqueira&Marin Editores Livro 2 . principalmente. o domínio de conteúdos.p. apontados por mais de 90% dos respondentes. Já Haydt (2002) afirma que é a motivação interior do aluno que impulsiona e vitaliza o ato de estudar e aprender. acessível e humano. Daí a importância da motivação no processo de ensino e aprendizagem. Outra questão que verificamos nos depoimentos dos estudantes é que a motivação. Isso significa não apenas absorver conteúdos. chegam à finalidade do ensino. facilitará o desenvolvimento do ensino e da aprendizagem. A força do relacionamento com o professor pode ser sintetizada na percepção de o aluno sentir-se parceiro. as possibilidades de suas práticas e de suas realidades. 54): “[. constatamos que 42.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . como relevantes. A autora esclarece que. XVI ENDIPE .2012 7 professor e o aluno. se estabelecida de forma satisfatória aos atores do processo. o fato de conhecer os alunos e preocupar-se com a sua aprendizagem.

002643 . disponibilidade em atendê-los. interesse e preocupação por eles. o professor competente.UNICAMP . diálogo. Para que isso ocorra. saber ouvir os alunos e a troca de aprendizado e de ideias entre ambos. manifestam respeito aos alunos. compromisso e interesse. mas também na vida pessoal de seus alunos. é necessário que haja diálogo entre as partes. orientá-los em decisões profissionais. além de serem competentes em suas áreas de conhecimento. que as características que favorecem ou desfavorecem a relação professor-aluno variam de professor para professor. disponibilidade para ajudar os alunos. liberdade para discussões e debates durante as aulas. Assim. burocrático. bom humor. abrem nossas cabeças para outros campos. é de fundamental importância Junqueira&Marin Editores Livro 2 . nas falas dos participantes. racionalista. bom senso. Como destaca Masetto (2003). outras visões de mundo. resolver-lhes as dúvidas. assim. são aqueles que incentivam a pesquisa. frio. o professor incompetente. outras ciências. coerência entre o discurso de aula e sua ação. criativos. respeito.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . amizade. o professor amoroso da vida e das gentes.Campinas . aconteça um aprendizado mútuo. é tido como referencial de conduta para os seus alunos. enfim. a todo o momento. dinamismo. são descritos os seguintes aspectos: amizade e boa relação interpessoal. ajudam-nos a aprender a ser críticos. compreensão e tolerância. o papel que representa diante do educando e entenda que exerce uma influência não só no âmbito profissional. os professores que nos marcam para o resto de nossas vidas. Sobre as categorias apontadas pelos alunos como características favoráveis ao docente na relação professor-aluno em seu curso. exploradores da imaginação. o professor licencioso. motivação. irresponsável. conhecimento do professor em relação ao aluno. demonstram honestidade intelectual. faz-se necessário que o professor compreenda sua significação. 66) afirma que existem diversos tipos de professor: O professor autoritário. nenhum desses passa pelos alunos sem deixar sua marca. qualidade no processo de ensino e aprendizagem e na metodologia das aulas. Freire (2007. para que. É possível analisar. confiança. qualificação. ética e moral. pois cada um possui características próprias de relacionamento.p. Na direção do que apontam as falas dos alunos. dedicação. pois ele. o perfil do professor universitário não deve se restringir a apenas deter conhecimentos técnicos referentes à sua disciplina. Diante disso.2012 8 durante sua formação. Sendo assim. o professor mal-amado. sempre com raiva do mundo e das pessoas. p. aspectos marcantes relacionados com a convivência humana em aula. sério. XVI ENDIPE . atenção. profissionalismo. humildade.

respeitar as dificuldades de cada um e construir uma relação fundamentada no respeito mútuo. qualificando o processo de aprendizagem. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante da discussão apresentada. proporcionando assim um contexto favorável a uma aprendizagem significativa. 2006).UNICAMP . motivacionais. Disponível em: < http://www. para que assim possam qualificar suas práticas docentes. Junqueira&Marin Editores Livro 2 . CORREIA. em relação à categoria relação professor e aluno: a) a importância de os professores e os alunos estabelecerem uma relação amistosa em sala de aula. para poder. 2008. Por último. verificamos a importância da relação professor e aluno no ensino superior.2012 9 que o docente se perceba como agente transformador. Salientamos que essa relação se faz significante para o processo de ensino e aprendizagem. científicos e morais. uma vez que é por meio dessa relação que os professores conhecem melhor os seus alunos.ebragaconsultoria. como principais concepções apontadas pelos estudantes. A relação professor aluno: por que as mentes são perigosas? 2008. intervir na formação dos alunos sob sua responsabilidade (ROCHA.p. Edner. REFERÊNCIAS BRAGA.profissional. contribuindo para o processo de ensino e aprendizagem. podendo qualificar o processo de ensino e. tomando como base a avaliação das concepções dos estudantes sobre essa questão.002644 . fatores essenciais para a consignação de um clima favorável nessa relação. destacamos que este estudo aponta a relevância de o professor reconhecer a sua importância para os alunos.ws/arquivos/mentes_ perigosas.pdf > Acesso em 19 abr. de forma consciente. Identificamos.Campinas .Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . os alunos se sentem mais à vontade para debater e questionar durante as aulas. c) a necessidade de os professores universitários pautarem suas práticas pedagógicas. b) a consciência de que essa relação esteja baseada nos aspectos afetivos. XVI ENDIPE .

CHIZZOTTI. A importância das relações interpessoais na educação de adultos. A parceria e a aproximação na relação professor- aluno na universidade. XVI ENDIPE . 276-280. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. 130f. 4. ed.2012 10 CALIL.br/pesquisa/prohomine/tcc/artigos/4. A relação professor-aluno: contribuições para o ensino da matemática. RIBEIRO. 2008. 4.Campinas .pdf > Acesso em 25 abr. Anais. 2007. 31. Célia Regina de Lara. A importância da formação didático-pedagógica e a construção de um novo perfil para docentes universitários. Laurinda Ramalho de.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino . MASETTO. Disponível em: < http://www.. PLACCO. 108f. Disponível em: < http:// www. São Paulo.UNICAMP . 2010. Pesquisa em ciências humanas e sociais. A relação professor e aluno como determinante do futuro acadêmico. 51-64. São Paulo: Paz e Terra. Junqueira&Marin Editores Livro 2 . Flavia Aparecida Alvarenga de.unilavras. 2004.. ed. 2002.udlap. Luiza de Souza. Elisabete Monteiro de Aguiar. A interação professor-aluno no processo educativo. São Paulo: Ática. GIL. Porto Alegre. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de ciências sociais aplicadas. Competência pedagógica do professor universitário. Integração. São Paulo. 2006. Vera Maria Nigro de Souza. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação. FURLANI. Curso de didática geral.). 2003. 36. 2006. Marisa dos Santos Jordão. 2008. n. 2008. MÜLLER. Alexandre.002645 . 2007. 2008. 14. 1996.br/prppg/revista/integracao_31.mx/rsu/pdf/3/Importanciadela FormacionDidacticoPedagogica. 1996. Afetividade na sala de aula: sentimentos de professoras em relação aos alunos. Ana Maria Gimenes Corrêa. Graziela Giusti. As relações interpessoais na formação de professores. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO. PACHANE. HAYDT. LUCAS.p. 7. ano VIII. Campinas.usjt. São Paulo: Summus. Loyola.edu. CIANFA.php > Acesso em 20 out. Lúcia Maria Teixeira. PEREIRA. Regina Célia Cazaux. 2. 2008. 2008. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. FREIRE. ed. Porto Alegre: PUCRS. (Org. Universidade Estadual de Campinas. Como elaborar projetos de pesquisa. Disponível em: < http://www. São Paulo: Atlas. p. nov 2002. ORTENZI. São Paulo: Ed. Antonio. Antônio Carlos.ed. 2000. ed. Paulo. São Paulo: Cortez.pdf > Acesso em 28 abr.. In: ALMEIDA. p. Marcos Tarciso.

Ética na docência do ensino superior. Relações interpessoais e universidade: desafios e perspectivas. 8. Revista Educare. XVI ENDIPE . João Pedro da. p. Concepções dos professores de matemática e processos de formação. Vera Lucia Trevisan de. 2004. In: ALMEIDA.br/Cad-pesq/arquivos/v08- 1art07. SOUZA. Loyola. v.ed. PONTE. Alexandra Alves de et al. Selma Garrido. jan/mar 2001. A presença do diálogo na relação professor-aluno. SANTOS.pdf > Acesso em 13 mar.pdf > Acesso em: 25 abr. 2008. Vera Maria Nigro de Souza. 2010. p.ead. 2. Laurinda Ramalho de. O processo de ensino-aprendizagem e a relação professor-aluno: aplicação dos “sete princípios para a boa prática na educação de ensino superior”. As relações interpessoais na formação de professores.p. 2010. VASCONCELOS. Docência no ensino superior. (Org. Carla Beatriz. Montes Claros. PLACCO. 2006.pdf> Acesso em 2 nov.fea. n. São Paulo. 1. Sandra Carvalho dos. Caderno de Pesquisa em Administração. São Paulo: Cortez. Disponível em: < http: //www. PLACCO.br/educare/images/etica-carla-genilce. Vera Maria Nigro de Souza. (Orgs.pdf > Acesso em 22 jul.Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino .educ.ul.usp. p. Loyola. 2008. 2. 1992. Junqueira&Marin Editores Livro 2 . Relações interpessoais em sala de aula e desenvolvimento pessoal de aluno a professor. Laurinda Ramalho de. Vera Maria Nigro de Souza. Souza.UNICAMP . CORREIA. 1-8.paulofreire.Campinas .iseib. 2. 2004. p. As relações interpessoais na formação de professores. 7-19.pt/docentes/jponte/docs-pt/92- Ponte(Ericeira).002646 .ed. São Paulo: Ed. ANASTASIOU. PLACCO.org. v. Genilse C. 2002.). 35-49. Disponível em: < http://www.br/pdf/ comunicacoes_orais/A%20PRESEN%C3%87A%20DO%20DI%C3%81LOGO%20NA %20RELA%C3%87%C3%83O%20PROFESSOR-ALUNO. São Paulo: Ed.com. Disponível em: < http://www. 2005. In: ALMEIDA.2012 11 PIMENTA. Léa das Graças Camargo.). 69-82.fc. ROCHA. Disponível em: < http://www.