You are on page 1of 11

ANATOMIA I – RESUMO

SISTEMA ESQUELÉTICO
• osso do quadril: ílio, ísquio e púbis
− Acidentes ósseos: tubérculo púbico
linhas glúteas (posterior, anterior, inferior) tuberosidade ilíaca
EIAS/ EIAI espinha isquiática
EIPS/ EIPI forame obturado
incisura isquiática maior e menor sulco obturatório
túber isquiático linha pectínea
crista ilíaca linha arqueada
acetábulo (face semilunar, limbo e incisura) eminência iliopúbica

− Posição Anatômica: EIAS e Sínfise púbica no mesmo plano coronal; Forame obturado infero-medialmente ao acetábulo

• fêmur
− Acidentes ósseos: epicôndilo medial
cabeça do fêmur tubérculo do adutor
fóvea da cabeça do fêmur fossa intercondilar
colo do fêmur face poplítea
trocanter maior linha supracondilar lateral
trocanter menor linha supracondilar medial
linha intertrocantérica linha áspera (lábio medial e lateral)
côndilo lateral tuberosidade glútea
côndilo medial linha pectínea
epicôndilo lateral linha espiral
crista intertrocantérica

− Posição Anatômica: parte convexa para a anterior; cabeça do fêmur para a superior e medial.

− Ângulo de inclinação (colo-diáfise): ângulo entre o eixo longitudinal da cabeça e do colo do fêmur com o corpo do fêmur,
de aproximadamente 126° nos adultos.
− Ângulo de torção (ou de declinação): na vista superior, é o ângulo formado entre o eixo da cabeça e colo do fêmur e o
eixo transverso dos côndilos do fêmur. A média é de 7° nos homens e 12° nas mulheres.

− Quando o ângulo de inclinação entre o eixo longitudinal do colo do fêmur e o corpo do fêmur se reduz, o distúrbio é
chamado coxa vara; quando o ângulo aumenta denomina-se coxa valga. A coxa vara causa encurtamento leve do membro
inferior e limita a abdução passiva do quadril.

• tíbia
− Acidentes ósseos: face articular fibular
côndilo medial incisura fibular
côndilo lateral maléolo medial
tubérculos intercondilares linha do músculo sóleo
tuberosidade da tíbia forame nutrício

− Ocupa a posição vertical, ao contrário do fêmur;


− Une-se a fíbula pela membrana interóssea;

• fíbula
− Acidentes ósseos:
cabeça
colo
corpo
maléolo lateral

− Não se articula com o fêmur, nem tem função na sustentação do peso;


− Serve principalmente para fixação de músculos;

• ossos do pé
− composto por: 7 ossos tarsais, 5 ossos metatarsais e 14 falanges;
◦ Tarso
▫ tálus, calcâneo, cubóide, navicular e três cuneiformes;
▫ apenas o tálus articula-se com os ossos da perna;
◦ Metatarso
▫ consiste em cinco metatarsais numerados a partir da face medial do pé;
◦ Falanges
▫ hálux (duas falanges [proximal e distal]), demais dedos (três falanges cada [proximal, média e distal])

SISTEMA MUSCULAR
Região Glútea
• Limites:
◦ superior: crista ilíaca;
◦ inferior: fenda infraglútea;
◦ medial: sulco interglúteo;
◦ lateral: m. tensor da fáscia lata;
• Porção SUPERFICIAL
◦ m. glúteo máximo → extensão da coxa e rotação lateral
◦ m. glúteo médio → abdução e rotação medial da coxa
◦ m. glúteo mínimo → abdução e rotação medial da coxa
◦ m. tensor da fáscia lata → tensiona a fáscia lata, manutenção da postura e auxiliador de movimentos.
• Porção PROFUNDA → rotadores laterais da coxa
◦ m. piriforme
◦ m. gêmeo superior
◦ m. obturador interno
◦ m. gêmeo inferior
◦ m. quadrado femoral
◦ m. obturador externo

Coxa
Septo intermuscular ântero-
medial

Comp. anterior

Comp.
medial

Septo intermuscular póstero-


medial Comp. posterior Septo intermuscular
lateral

● Aparelho músculo-ligamentar:
◦ m. glúteo máximo, m. tensor da fáscia-lata, trato ílio tibial e septo intermuscular lateral da coxa.
◦ Função: manutenção do equilíbrio.

• Compartimento ANTERIOR
◦ Limites:
− lateral: septo intermuscular lateral
− medial: septo intermuscular ântero-medial
◦ Quadríceps da coxa:
− m. reto femoral → flexão da coxa e extensão da perna
− m. vasto lateral → extensão da perna
− m. vasto medial → extensão da perna
− m. vasto intermédio → extensão da perna
◦ m. sartório → flexão da coxa e da perna
◦ m. iliopsoas
− m. ilíaco → principal flexor da coxa
− m. psoas maior → principal flexor da coxa

• Compartimento POSTERIOR → extensão da coxa e flexão da perna


◦ Limites:
− lateral: septo intermuscular lateral
− medial: septo intermuscular póstero-medial
◦ mm. do compartimento posterior = mm. do jarrete
◦ m. bíceps femoral
− Origem: porção longa: faceta medial do túber isquiático
porção curta: lábio lateral da linha áspera do fêmur (essa porção fica profundamente à longa)
− Inserção: cabeça da fíbula
− Inervação: porção longa: n. tibial
porção curta: n. fibular comum
◦ m. semitendíneo
− Origem: juntamente com a porção longa do m. bíceps femoral
− Inserção: face medial da tíbia (pata anserina)
− Inervação: n. tibial
◦ m. semimembranáceo
− Origem: faceta lateral do túber isquiático
− Inserção: medialmente na tíbia (ou sulco para inserção do tendão do m. semimembranáceo)
− Inervação: n. tibial
• Compartimento MEDIAL
◦ Limites:
− posterior: septo intermuscular póstero-medial
− anterior: septo intermuscular ântero-medial
◦ m. pectíneo → adução da coxa [considerar do compartimento anterior]
◦ m. adutor longo → adução da coxa
◦ m. adutor curto → adução da coxa
◦ m. adutor magno
− parte adutora → adução da coxa
− parte extensora → contribui para a extensão promovida pelos mm. do jarrete
◦ m. grácil → adução, flexão e rotação medial da coxa

• Trato iliotibial: fáscia lata, tendões do m. tensor da fáscia lata, m. glúteo máximo
• Pata anserina (ou Pata de ganso): formada pela inserção dos tendões de três músculos (“Sargento”) → m. sartório
(anterior), m. grácil (meio) e m. semitendíneo (posterior)
• Trígono femoral:
◦ Limites:
− Lateral: borda medial do m. sartório
− Medial: borda medial do m. adutor longo
− Superior: ligamento inguinal
◦ Conteúdo: nervos e vasos femorais
◦ Assoalho: m. iliopsoas, m. pectíneo, m. adutor longo
◦ Teto: fáscia lata e fáscia crivosa
Perna

Anterior

Diáfise da tíbia Porção profunda do n. fibular Septo intermuscular anterior


comum

superficial
S ep to tran s v ers o d a p er n a profunda
Lateral
Posterior
Ramo superficial do
N. tibial n. fibular comum

Septo intermuscular posterior

● Compartimento ANTERIOR
◦ m. tibial anterior (encostado no osso) → dorsiflexão e inversão do pé
◦ m. extensor longo do hálux → extensão do hálux, auxílio na dorsiflexão/ inversão do pé
◦ m. extensor longo dos dedos → extensão dos dedos, auxílio na dorsiflexão/ eversão do pé
◦ m. fibular terceiro (parte separada do m. extensor longo dos dedos) → dorsiflexão/ eversão do pé
● Compartimento LATERAL
◦ m. fibular longo → eversão do pé
◦ m. fibular curto → eversão do pé
● Compartimento POSTERIOR
◦ Porção SUPERFICIAL
− m. gastrocnêmio → flexão plantar
− m. sóleo → flexão plantar
− m. plantar → insignificante no homem
◦ Porção PROFUNDA
− m. poplíteo → rotação medial da tíbia
− m. tibial posterior → flexão plantar e inversão do pé
− m. flexor longo dos dedos → flexão das falanges distais dos dedos
− m. flexor longo do hálux → flexão da falange distal do hálux

● Quiasma crural: cruzamento do tendão longo dos dedos e do tendão longo do hálux;
● Tríceps sural: m. gastrocnêmio (ventre lateral e ventre medial) e m. sóleo
● Fossa poplítea (área rômbica na região posterior do joelho)
◦ forma de um losango
◦ conteúdo: n. tibial, n. fibular comum, vasos poplíteos, n. cutâneo posterior da coxa, ramo genicular do n. obturatório,
veia safena parva, linfonodos e gordura.
◦ Limites:
− superomedial: m. semimembranáceo e semitendíneo
− superolateral: m. bíceps femoral
− inferomedial: ventre medial do m. gastrocnêmio
− inferolateral: ventre lateral do m. gastrocnêmio e m. plantar
− teto: fáscia poplítea
− assoalho: face poplítea do fêmur e ligamento oblíquo do joelho.


Camadas:
• 1ª camada:
◦ abdutor do hálux
◦ flexor curto dos dedos
◦ abdutor do dedo mínimo
• 2ª camada:
◦ mm. lumbricais
◦ quadrado plantar
• 3ª camada:
◦ flexor curto do hálux
◦ adutor do hálux
◦ flexor do dedo mínimo
• 4ª camada:
◦ interósseas dorsais
◦ interósseas plantares
◦ extensor curto do hálux
◦ extensor curto dos dedos

MM. INTERÓSSEOS: PAD/DAB → Plantares = ADução // Dorsais = ABdução

Compartimentos
• compartimento medial da planta
◦ abdutor do hálux;
◦ flexor curto do hálux;
• compartimento central da planta
◦ flexor curto dos dedos
◦ quadrado plantar, lumbricais
◦ adutor do hálux
• compartimento lateral da planta
• abdutor e flexor curto do dedo mínimo

SISTEMA NERVOSO

INERVAÇÃO SENSORIAL
• Superficial: cutânea, fáscia, tela subcutânea
• Motora: músculos

Região lateral da coxa


• nervo cutâneo femoral lateral (nervo mais importante!)
◦ origem: plexo lombar (L2, L3)
◦ passa (contorna) a fossa ilíaca, posterior ao ligamento inguinal, próximo a EIAS
◦ Síndrome do caminhoneiro: ocorre quando há compressão do n. cutâneo femoral lateral
da coxa, provocando formigamento na parte lateral da coxa.

Região anterior da coxa


• ramos cutâneos anteriores do nervo femoral

Região posterior da coxa


• nervo cutâneo posterior da coxa
◦ origem: plexo sacral (S1, S2, S3)

Perna
medialmente
• n. femoral → ramo = nervo safeno
◦ nervo safeno → inervação sensitiva medial da perna
lateralmente:
• nervo fibular superficial → parte dorsal do pé, inferior da perna,
anterior/posteriormente:
• nervo safeno


• ramo medial do n. fibular profundo → hálux e segundo dedo
• n. fibular superficial → região dorsal
• n. sural → região lateral do pé
INERVAÇÃO MOTORA
• inervação dos músculos, diferente da inervação sensitiva, que inerva a tela subcutânea e a
pele;

Região Glútea:
Nervos do plexo sacral
• nervo glúteo superior (Origem: L4*, L5, S1)
• * ramo ventral do quarto nervo lombar
◦ passa acima do m. piriforme por meio do forame isquiático maior
◦ inerva o m. glúteo médio, m. glúteo mínimo e tensor da fáscia lata.
• nervo glúteo inferior
◦ passa abaixo do m. piriforme
◦ inerva o m. glúteo máximo
• n. pudendo
◦ estrutura mais medial a sair da pelve através do forame isquiático maior, abaixo do m.
piriforme, em direção ao forame isquiático menor.
◦ supre estruturas do períneo.
◦ NÃO É NECESSÁRIO ESTUDÁ-LO PARA A PROVA!

Músculos da porção profunda da parte posterior da coxa: m. piriforme, m. gêmeo superior, m. obturatório interno, m. gêmeo
inferior, m. quadrado femoral.
• n. para o m. piriforme
◦ inerva o m. piriforme
• n. para o m. obturador interno
◦ acompanha o trajeto do n. pudendo
◦ supre o m. gêmeo superior e o m. obturador interno.
• n. para o m. quadrado femoral
◦ inerva os mm. gêmeo inferior e quadrado femoral.

Região posterior da coxa


• nervo isquiático
◦ ramo do plexo sacral (Origem: L4 a S3)
◦ trajeto: passa pelo plexo lombar, forame isquiático maior, depois abaixo do m. piriforme
e em seguida atinge a região posterior da coxa.
◦ divide-se em nervo tibial e nervo fibular comum
▪ nervo tibial → inerva toda a região posterior da coxa (músculos do jarrete), com
exceção da cabeça curta do bíceps femoral.
▪ nervo fibular comum → inerva a cabeça curta do bíceps.

Região anterior da coxa


• nervo femoral → inerva todos os músculos da região anterior (m. íliopsoas, quadríceps
femoral, m. sartório, m. pectíneo)
◦ ramo do plexo lombar (Origem L2, L3, L4)
◦ trajeto: passa posteriormente ao ligamento inguinal e lateralmente pela bainha femoral
◦ divide-se em anterior e posteriores
▪ nervo femoral anterior → inerva o m. sartório** e ramos cutâneos anteriores
▪ nervo femoral posterior → outros músculos da região anterior
▪ nervo safeno, também é um ramo do nervo femoral

** caso seja pedido na prova: ramo da divisão anterior do nervo femoral para o músculo sartório.
Região anterior da coxa
• nervo obturatório
◦ ramo do plexo lombar (Origem L3, L4)
◦ trajeto acompanha os vasos obturatórios, forame obturado, então divide-se em ramo
anterior e ramo posterior
▪ ramo anterior do nervo obturatório → passa anteriormente ao m. adutor curto;
inerva os mm.: grácil, adutor longo e adutor curto.
▪ ramo posterior do nervo obturatório → passa posteriormente ao m. adutor curto;
inerva o m. adutor magno
• parte extensora do adutor magno → nervo tibial

Região medial e lateral da perna/ pé


continuação da divisão do nervo isquiático
• nervo isquiático
◦ nervo tibial
▪ nervo plantar medial
▪ nervo plantar lateral
◦ nervo fibular comum (contorna o colo da fíbula, dividindo-se)
▪ r. superficial do n. fibular comum → inerva a Região lateral da perna;
• nervo cutâneo dorsal medial → inervação sensitiva do pé
• nervo cutâneo dorsal intermédio → inervação sensitiva do pé.
◦ Ramos terminais = nervos digitais dorsais (comum e próprio)
▪ r. profundo do n. fibular comum → inerva a Região anterior da perna;
• região medial → inervação sensitiva do pé (parte medial do hálux até a lateral do
2º dedo)
• região lateral → inervação motora
• nervo sural:
◦ união do n. cutâneo sural medial (do n. tibial) e ramo comunicante sural do n. fibular
comum.
Região posterior da perna
• camada superficial (gastrocnêmio, sóleo, plantar) → n. tibial
• camada profunda (poplíteo, tibial posterior, flexor longo do hálux e dos dedos) → n. tibial

Casos clínicos:
• Sinal de Trendelenburg positivo
◦ lesão no nervo glúteo superior, que enfraquece a abdução da coxa pelos glúteos médio/mínimo
◦ quando a pessoa é instruída a ficar de pé sobre uma perna, a pelve desce no lado não-sustentado, indicando que os
glúteos médio e mínimo no lado apoiado são fracos ou inativos.
• Síndrome do Piriforme
◦ a divisão do n. isquiático ocorre na parte superior do músculo, e o nervo fibular comum atravessa o piriforme,
causando a compressão do nervo, e causando dor na nádega
◦ a hipertrofia no m. piriforme, pode também causar a compressão do nervo.

SISTEMA VASCULAR
• AORTA
◦ Ilíaca comum (direita e esquerda)
▪ ilíaca externa
• A. Femoral, a partir do hiato dos adutores → A. poplítea
◦ a. epigástrica superficial → em direção ao umbigo, medialmente
◦ a. circunflexa superficial do ílio → em direção da EIAS
◦ a. pudenda externa superficial
◦ a. pudenda externa profunda
▪ esses quatro primeiros ramos originam-se na face anterior da parte
proximal da a. femoral.
◦ a. femoral profunda
▪ a. circunflexa femoral medial → maior parte do sangue para a cabeça e colo do fêmur
• ramo ascendente → anastomose com a a. glútea superior
• ramo transverso → anastomose cruciforme
• ramo acetabular → anastomose com o ramo acetabular a a. obturatória
▪ a. circunflexa femoral lateral → supre principalmente os mm. da face lateral da coxa
• ramo ascendente → anastomose com a a. glútea superior
• ramo transverso → anastomose cruciforme
• ramo descendente → anastomose genicular
▪ Obturatória → ajuda a a. femoral profunda a irrigar os mm adutores através dos ramos
anteriores e posteriores, que se anastomosam. O ramo posterior emite um ramo acetabular que
irriga a cabeça do fêmur.
▪ aa. perfurantes:
1ª, 2ª, 3ª aa. perfurantes, que continuam na 4ª a. femoral (ramo terminal da própria a. profunda)
aa. perfurantes: se anastomosam entre si, suprindo os mm. do jarrete, passam para a posterior na
aponeurose do adutor curto e adutor magno.
• Artéria genicular descendente
◦ ramo articular
◦ ramo safeno
• Poplítea → aa. superior, média e inferior do joelho p/ as faces medial e lateral do joelho
◦ Tibial anterior (menor ramo terminal da a. poplítea)/ comp. anterior da perna
▪ A. dorsal do pé (continuação da a. tibial anterior) → supre a parte anterior do pé
• divisão: 1ª artéria metatarsal e A. plantar profunda
• a. plantar profunda + a. plantar lateral = arco plantar profundo
◦ Tibial posterior → compartimento posterior da perna e do pé
▪ Fibular (ramo) → emite ramos musculares para o poplíteo e outros músculos no
compartimento posterior e lateral da perna. Dá origem à a. nutrícia da fíbula
▪ a. plantar medial (divisão da tibial posterior)
▪ a. plantar lateral (divisão da tibial posterior)
▪ ilíaca interna
• Glútea superior → anastomosa-se com as aa. glútea inferior e circunflexa femoral medial.
◦ ramo profundo → supre o glúteo médio, mínimo e tensor da fáscia lata.
▪ ramo ascendente (ou superior)
▪ ramo descendente (ou inferior)
◦ ramo superficial → supre o glúteo máximo e a pele sobre a fixação proximal do músculo.
• Glútea inferior → supre os mm. glúteo máximo, obturador interno, quadrado femoral e parte
superiores dos mm. do jarrete
◦ ramo contribuinte pra a anastomose cruciforme
• Pudenda interna → supre a pele, os órgãos genitais externos e os mm. na região do períneo. Não
supre quaisquer estruturas na região glútea ou no compartimento posterior da coxa.

• Anastomose cruciforme
◦ formato de “cruz”
◦ em torno do colo do fêmur
◦ importância para a continuidade do suprimento sanguíneo através da circulação colateral
Quando ocorre uma obstrução, em uma anastomose, as artérias distais invertem seu fluxo para criar uma circulação colateral.

ibu

glú
tea
ntr

inf
int

eri
co

da

or
a.
r.

per
me

ant
Pri

fur
ira
art
éri
a

e
r. transverso da a. circunflexa r. transverso da a. circunflexa
femoral medial femoral lateral
ARTICULAÇÕES
JUNTURA DO QUADRIL
• formada pela cabeça do fêmur e pela fossa do acetábulo, no osso coxal
• tipo sinovial e esferóide (permite circundução)

Ligamentos capsulares:
• ísquiofemoral (posteriormente)
• íliofemoral (anteriormente)
• pubofemoral (inferiormente)
• transverso do acetábulo (fecha a incisura do acetábulo)
Ligamento intracapsular:
• da fóvea da cabeça do fêmur
Ligamentos extracapsulares
• inguinal (EIAS ligada ao tubérculo púbico)
• sacroespinhal (fecha a incisura isquiática maior, formando o forame isquiático maior)
• sacrotuberal
os dois ligamentos sacroespinhal e sacrotuberal fecham a incisura isquiática menor, formando o forame isquiático menor

JUNTURA DO JOELHO
• formada entre os côndilos do fêmur e os da tíbia
• tipo sinovial e gínglimo (condilar) (permite flexão e extensão)

Ligamentos capsulares:
• patelar
• poplíteo oblíquo
• poplíteo arqueado
Ligamentos intracapsulares:
• coronário
• cruzado anterior
• cruzado posterior
• menisco femoral
• transverso do joelho
Ligamentos extracapsulares:
• colateral fibular (ou colateral lateral)
• colateral tibial (ou colateral medial)

Anexos:
• Meniscos: discos circulares formados por fibrocartilagem, que se localizam entre os
côndilos, e são responsáveis por absorver impactos.
◦ menisco medial → mais fino, em forma de c
◦ menisco lateral → abertura menor, mais grosso, em forma de u
• Bolsas sinoviais: com líquido sinovial, servem para deslizamentos e para absorver impactos.
• Coxins gordurosos (adiposos): absorver impactos
• Retináculos
◦ medial: espessamento da fáscia lata + aponeurose do m. vasto medial
◦ lateral: espessamento da fáscia lata + aponeurose do m. vasto lateral

JUNTURA TIBIOFIBULAR PROXIMAL


• entre a cabeça da fíbula com a parte superior posterior da tíbia
• juntura do tipo fibrosa, sindesmose, não permitindo movimentos
Ligamento capsular:
• tibiofibular anterior
• tibiofibular posterior

ARTICULAÇÃO TALOCRURAL (do TORNOZELO)


• entre a tíbia e a fíbula e a tróclea do tálus
• juntura sinovial, condilar (gínglimo)

Ligamento capsular:
• deltóide
◦ tíbiotalar anterior
◦ tíbiotalar posterior
◦ tíbionavicular
◦ tíbiocalcanear

• Retináculos: extensores, flexores e fibulares


◦ são um espessamento da fáscia, responsáveis por manter os tendões nos lugares