You are on page 1of 38

Ômega-3: o que existe de concreto?

Dan L. Waitzberg,
Professor Associado do Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo (FMUSP).
Livre-docente, doutor e mestre em Cirurgia pela FMUSP.
Chefe do Laboratório de Metabologia e Nutrição em Cirurgia (Metanutri), LIM 35, do
Departamento de Gastroenterologia da FMUSP

Introdução aos lipídios

A palavra lipídio é derivada do grego “lipos”, que significa gordura.


Lípides são compostos necessários para funções orgânicas bioquímicas,
estruturais e regulatórias. Os lipídios são moléculas orgânicas, constituídas por
grupos de AG, ácidos carboxílicos com longas cadeias não ramificadas,
formadas por inúmeros pares de átomos de carbono unidos por ligações
simples ou duplas.
Participam da composição da membrana celular e podem modificar a
resposta imune e inflamatória. São rica fonte energética, pois fornecem em
torno de nove quilocalorias (kcal) por grama oxidada pelo processo da beta-
oxidação mitocondrial. Os AG são encontrados como componentes da
membrana ou sob a forma de triglicérides. Estes últimos são compostos de
uma molécula de glicerol esterificado a três moléculas de AG. Veja na Figura 1
o esquema do triglicéride.

Figura 1. Composição básica de um triglicéride: três ácidos graxos unidos por


esqueleto de glicerol (em azul).

1
Os triglicérides são metabolizados no fígado em ácidos graxos (AG) e
glicerol, e ambos produzem energia. Quando não usados para produção de
energia, os triglicérides são reconstituídos e armazenados no tecido adiposo.
As diversas funções desses compostos estão listadas na Tabela 1 .

Tabela 1. Principais funções dos lipídios


Fornecer energia (9,3 kcal/g), ácidos graxos essenciais e vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K)
Funcionar como estoque de combustível energético não-glicídico (95% na forma de
triglicérides), utilizado principalmente no jejum
Prover proteção mecânica (a ossos e órgãos) e manutenção da temperatura corpórea
Participar da síntese de estruturas celulares, como a membrana fosfolipídica celular
Participar da síntese de hormônios
Transportar vitaminas lipossolúveis
Funcionar como mediadores intra e extracelulares da resposta imune
Participar no processo inflamatório e no estresse oxidativo.

Tipos de ácidos graxos

Os AG podem ser classificados de acordo com o tamanho da cadeia


carbônica, o grau de saturação e a posição da primeira dupla ligação de
carbonos. A notação química usada para descrever um ácido graxo informa
seu número de carbonos, o número de duplas ligações e a posição da primeira
dupla ligação em relação ao radical metil da extremidade distal da molécula.
Ácidos graxos de cadeia longa contêm de 14 a 24 carbonos, enquanto
os de cadeia média contêm 6 a 12 carbonos e os de cadeia curta têm 2 a 4
carbonos em cada molécula. A síntese de ATP (a adenosina trifosfato, que é
energia química) por AG percorre vários passos: transporte celular de AG, seu
acoplamento com certas proteínas, sua ativação em acil-coenzima A na
presença de acil-CoA sintetase e a sua passagem pela membrana mitocondrial
interna. Os AG com longa cadeia carbônica necessitam de carnitina para
auxiliar essa passagem. E os AG de cadeia média, embora prescindam da
carnitina para a entrada na mitocôndria, têm sua oxidação dependente da
carnitina.

2
Os AG saturados são os que não possuem dupla ligação em suas
moléculas. Monoinsaturados possuem uma dupla ligação, enquanto duas ou
mais duplas ligações caracterizam os AG poliinsaturados. Quanto mais
insaturado for um ácido graxo, mais susceptível à peroxidação lipídica ele será.
O número de duplas ligações determina o ponto de fusão de um ácido graxo ou
triglicéride. Os AG saturados tendem a ser sólidos (como a manteiga) em
temperatura ambiente, enquanto os poliinsaturados são geralmente líquidos
(como o óleo de soja).

Ácidos graxos são classificados de acordo com:


• O número de átomos na cadeia carbônica:
longa (14-20 átomos de carbono),
média (6-12 átomos de carbono) e
curta (até 6 átomos de carbono);
• O número de duplas ligações:
saturados (sem duplas ligações),
monoinsaturados (uma dupla ligação) e
poliinsaturados (mais de uma dupla ligação);
• A posição da primeira dupla ligação (Figura 2) pode ser indicada
de maneiras distintas no caso de AG insaturados. Identifica-se a
posição da primeira dupla ligação contada a partir de seu radical
metil (representada pela letra grega ômega, ω 1) ou a partir de seu
grupo funcional (representada pela letra delta, ∆).

Figura 2. Exemplo de notação de um AG de cadeia longa poliinsaturado, no


caso a representação do ácido linoléico. A molécula contem dezoito carbonos
na cadeia (C18) e tem duas duplas ligações (2), sendo a primeira dupla ligação
localizada no sexto carbono a partir do radical metil (ômega-6).

Número de duplas ligações

C18 2 ω-6 Localização da primeira dupla ligação

Número de átomos de carbono


1
Os ácidos graxos do tipo ômega-3 e ômega-6 são freqüentemente chamados, na literatura
internacional, de “ácidos graxos n-3” e “n-6”, de “ácidos graxos w-3” e “w-6” ou ainda com o uso
do símbolo da letra grega ômega (ω-3 e ω-6). Todas as formas estão corretas, mas, neste
texto, optamos por escrever sempre “ômega”.

3
Necessidades de ácidos graxos

De acordo com a recomendação da Associação Americana do Coração


(American Heart Association), para um indivíduo saudável, 30% (ou menos) do
total de energia consumida deverá ser proveniente da gordura da dieta, na
seguinte proporção:
- 20 - 23% de AG poliinsaturados e monoinsaturados
- < 10% de AG saturados (para portadores de doenças coronarianas, < 7%)
- < 300 mg colesterol ao dia
As recomendações diárias de lipídios variam de acordo com a idade e
encontram-se descritas na Tabela 2 .

Tabela 2. Recomendações diárias de lipídios, conforme a idade, de acordo


com a literatura internacional e as Dietary Reference Intakes
Faixa etária Lipídios Ômega-6 Ômega-3
Bebê
0-6 meses 31 g 4,4 g 0,5
7-12 meses 30 g 4,6 g 0,5
Prematuro
o
Nascimento-7 dia 0,5-3,6g/kg de peso
o
7 dia-saída da UTI corpóreo
Até 1 ano após saída da UTI 4,5-6,8g/kg de peso
corpóreo
4,4-7,3g/kg de peso
corpóreo
Criança
1-3 anos 30-40% do VCT* 7g 0,7 g
4-10 anos 25-35% do VCT*
4-8 anos 10 g 0,9 g
Grávidas
Até 50 anos 13 g 1,4 g
Lactantes
Até 50 anos 13 g 1,3 g
Adulto
11-18 anos 25-35% do VCT*
19-65 anos 20-35% do VCT*
9-13 anos (homem/mulher) 12/10 g 1,2/1,0 g
14-18 anos (homem/mulher) 16/11 g 1,6/1,1 g
19-50 anos(homem/mulher) 17/12 g 1,6/1,1 g
> 50 anos(homem/mulher) 14/11 g 1,6/1,1 g
Idoso
> 65 anos 20-35% do VCT 14/11 g 1,6/1,1 g

4
*Considera-se o VCT (valor calórico total) pela fórmula de Harris e Benedict; para idosos,
considerar uma redução das necessidades energéticas (2 a 4% por década) em função do
declínio da atividade física e da massa corporal metabolicamente ativa.

Recentemente a ISSFAL (International Society for the Study of Fatty


Acids and Lipids) publicou relatório sobre a ingestão recomendada de AGPI
para adultos saudáveis. Nesta recomendação nota-se a preocupação em
estabelecer quantidade de ingestão de ácidos graxos essenciais (AG linoléico e
linolênico), de ácido eicosapentaenóico (EPA) e de docosahexaenóico (DHA):
1. Ingestão adequada de ácido linoléico (ômega-6): 2% do total de energia;
2. Ingestão saudável de ácido linolênico (ômega-3): 0,7% do total de energia;
3. Para manutenção da saúde cardiovascular, ingestão mínima de EPA e
DHA combinados: 500 mg/dia.

Fontes de ácidos graxos na dieta oral

Os AG essenciais são encontrados em vegetais, em particular o linoléico


no milho, girassol, açafrão, enquanto o linolênico pode ser encontrado na soja,
na semente de colza (rapeseed), borragem e semente de linhaça. EPA e DHA
são encontrados em maior quantidade em óleos de peixes marinhos como
cavala, sardinha, arenque e menhaden. Carne de bovinos e produtos lácteos
contêm linoléico. Veja na Tabela 3 a composição dos principais AG na gordura
da dieta oral e as fontes alimentares e a quantidade dos alimentos a serem
ingeridos nas Tabelas 4 e 5 .

Tabela 3.Tipos de ácidos graxos e principais fontes alimentares


Manteiga, fibras Butírico Acético Cadeia curta
Saturados

propiônico,
Coco, babaçu Cáprico, láurico Capróico, Cadeia média
caprílico
Gordura animal, cacau Esteárico, araquídico Mirístico, Cadeia longa
palmítico
Azeite oliva, óleo canola Oléico CL ômega-9
insaturados

palmitoléico
Mono-

5
Óleo açafrão, óleo soja, gama-linolênico 18:3 Linoléico 18:2 CL ômega-6
Poliinsaturados óleo milho, óleo algodão, araquidônico 20:4
óleo girassol, leite/carne
Óleo peixe, óleo noz, óleo Eicosapentaenóico alfa-linolênico CL ômega-3
canola, óleo soja, linhaça (EPA) 20:5 18:3
Docosahexaenóico
(DHA) 22:6
CL = cadeia longa.

6
Tabela 4. Quantidade de ácidos graxos ômega-3 a ser ingerida diariamente por
homens e mulheres para se alcançar a recomendação de se atingir
aproximadamente 1 g de ácidos eicosapentaenóico e docosahexaenóico por
dia (de acordo com Gebauer et al., 2006)
Homens Mulheres

Fontes de ALA (1,6 g ALA/dia) (1,1 g ALA/dia)


Semente de abóbora 890 g 612 g
Azeite de oliva 211 g 145,5 g
Óleo de soja 17,7 g 12 g
Óleo de nozes 15 g 10,6 g
Linhaça 19,3 g 13,3 g
Nozes (Inglesa) 17,6 g 12,2 g
Óleo de linhaça 3,0 g 2,04 g

Tabela 5. Quantidade de ácidos graxos ômega-3 a ser ingerida diariamente de


frutos do mar por homens e mulheres para se alcançar a recomendação de se
atingir aproximadamente 1 g de ácidos eicosapentaenóico e docosahexaenóico
por dia (de acordo com Kris-Etherton et al., 2002).
Atum light em água 340
Atum fresco 71-340
Sardinha 57-85
Salmão rosa 71
Salmão do Atlântico (cultivado) 42,5-71
Arenque do Atlântico 57
Truta cultivada 85
Truta selvagem 99
Peixe de água salgada 85-213
Linguado 198
Bacalhau do Atlântico 354
Bacalhau do Pacífico 652
Ostras (cultivadas) 227
Lagosta 213-1.205
Camarão 312

A origem e a forma de preparo de alimentos ricos em ômega 3 podem


afetar a biodisponibilidade e o teor deste nutriente nos alimentos. Por exemplo,
peixes de cativeiro têm teor mais baixo de ômega-3 do que os mesmos peixes

7
quando selvagens. De seu lado a semente de linhaça, sofre rápida oxidação e
para não perder a sua quantidade efetiva de ômega-3 precisa ser triturada e
armazenada em recipiente escuro e fechado, e consumida em no máximo 72h.
Estilo de vida e hábitos alimentares da sociedade moderna podem levar a uma
baixa ingesdtão e, por conseqüência, uma deficiência do nutriente, o que pode,
a médio e longo prazo, trazer conseqüências danosas ao organismo.

Ácidos graxos essenciais

Humanos geralmente utilizam os AG obtidos de sua dieta diária, mas,


quando necessário, são capazes de sintetizar AG (saturados e mono-
insaturados) a partir de glicose e aminoácidos por meio de reações enzimáticas
de alongamento (adicionam unidades de dois carbonos) e dessaturação (criação
de novas duplas ligações). A atividade de dessaturação é estimulada pela
insulina e inibida pela glicose, pela adrenalina e pelo glucagon.
No entanto, não possuímos as enzimas dessaturases especificamente
responsáveis por adicionar uma dupla ligação antes do nono carbono a partir
da extremidade metil (distal). As enzimas necessárias para essa finalidade são
as delta-9 e delta -15 dessaturases. Essas enzimas transformam o ácido oléico
(18:1 ômega-9) em ácido linoléico (18:2 ômega-6) e ácido linolênico (18:3
ômega-3), ambos considerados ácidos graxos essenciais (AGE). OS AGE não
são produzidos pela espécie humana, devendo ser adquiridos de fontes
dietéticas. Veja, na Figura 3, na próxima página, os processos de elongamento
de vários lípides a partir dos AG essenciais linoléico e alfa linolênico.
A incorporação de AGE pode determinar alterações estruturais e
funcionais da membrana fosfolipídica influenciando processos biológicos
importantes, como a síntese de mediadores inflamatórios que incluem os
eicosanóides.
AG ômega-3 e ômega-6 são precursores de eicosanóides que regulam a
função imune e inflamatória. Alguns derivativos dos AGE, como o
dihomogamalinolênico e o araquidônico, ambos do tipo ômega-6, e o ácido
eicosapentaenóico (EPA), da série ômega-3, têm especial importância por
serem precursores de mediadores lipídicos envolvidos em muitas funções

8
fisiológicas. A Tabela 6 traz as principais características, funções e
metabolismo dos AGE.

Figura 3. Formação de novos ácidos graxos de cadeia longa poliinsaturados


tipo ômega-6 e ômega-3 derivados dos ácidos graxos essenciais linoléico e
alfa-linolênico.
Séries ômega-6 Séries ômega-3

ácido linoléico ácido alfa-linolênico


C18:2 ômega-6 C18:3 ômega-3

delta-6-
dessaturase
ácido gama- ácido estearidônico
linolênico C18:4 ômega-3
C18:3 ômega-6

elongase
Eicosanóides

ácido dihomogama- C20:4 ômega-3


Séries 1

linoléico
C20:3 ômega-6

delta-5-
dessaturase

Séries 3-5
Eicosanóides
Eicosanóides

ácido araquidônico EPA


Séries 2-4

C20:4 ômega-6 C20:5 ômega-3

elongase

DHA DHA
C22:4 ômega-6 C22:5 ômega-3

delta-4-
dessaturase
DHA DHA
C22:5 ômega-6 C22:6 ômega-3

EPA = ácido eicosapentaenóico


DHA = ácido docosahexaenóico

9
Tabela 6. Principais características dos ácidos graxos essenciais (AGE) e
derivados
AGE e derivados ômega-3: ácido alfa-linolênico, ácido eicosapentaenóico, ácido
docosapentaenóico, ácido docosahexaenóico, eicosanóides (série
ímpar).
ômega-6: ácido linoléico, ácido gama-linolênico, ácido diiomo-
gama-linolênico, ácido araquidônico e eicosanóides (série par).
Metabolismo Sofrem hidrólise pela enzima lipoproteína lípase no tecido adiposo
e muscular.
Os ácidos graxos livres são transportados pelo sangue, ligados à
albumina, ou são captados e reesterificados a triglicérides nos
tecidos adiposo e muscular.
Dependem da carnitina para oxidação na mitocôndria.
São metabolizados no fígado (principalmente) e no tecido adiposo,
de onde são transportados na forma de lipoproteínas de muito
baixa densidade (VLDL).
Toxicidade Ingestão de AGE superior a 15% do valor calórico total.
Alteração do metabolismo dos ácidos graxos de cadeia longa,
influenciando na produção de mediadores como prostaglandinas e
leucotrienos.
Estresse oxidativo, diretamente relacionado ao grau de
insaturação do triglicéride, levando à peroxidação lipídica
(principalmente se houver deficiência de vitamina E- antioxidante).
Imunossupressão (excesso de ômega-6).
Principais funções Componentes celulares (fluidez e funções de membrana) e
fosfolípides plasmáticos.
Precursores de eicosanóides (prostaglandinas e leucotrienos).
Cofatores enzimáticos.
Modulação do sistema imune.
Métodos de avaliação Medidas em: plasma total, frações lipídicas do plasma, célula
sangüínea e em fragmentos de tecidos.

Os AG de cadeia longa mais incorporados às membranas são (em


ordem de maior incorporação): o ácido eicosapentaenóico (EPA) e o
docosahexaenóico (DHA), ambos ômega-3, o ácido araquidônico (ômega-6) e
o ácido oléico (ômega-9). Em adição a seus efeitos na estabilidade e fluidez da
membrana, os AGPI ômega-3 e ômega-6 são também precursores dos
eicosanóides, mediadores inflamatórios lipossolúveis que constituem uma das
principais vias de atuação dos AG.
Os AGE são ainda alvos preferenciais da peroxidação lipídica por
conterem duas ou mais duplas ligações e, portanto, serem mais instáveis que
os AG monoinsaturados (AGMI) ômega-9 ou saturados. Os AGPI ômega-3 são
oxidados mais rapidamente que os AGPI ômega-6 e são mais susceptíveis a
peroxidação lipídica.

10
A oferta de lipídios deve, portanto, prever o aporte de AG essenciais. As
principais características dos diferentes AG essenciais e a recomendação de
proporção entre eles na dieta encontram-se descritas na Tabela 7.
Tabela 7. Composição porcentual de ácidos graxos na gordura da dieta
Óleo 16:0 18:0 18:1 18:2 (n-6) 18:3 (n-3) n-6:n-3
soja 10 4 25 54 7 7.7
açafrão 7 2 14 76 0.5 152
girassol 7 5 19 68 1 68
milho 11 4 24 54 1 54
oliva 13 3 71 10 1 10
canola 4 2 62 22 10 2
palmeira 45 4 40 10 1 10
amendoim 11 2 48 32 -- alta
linhaça 5 4 21 16 54 0.3

Deficiência e excesso de ácidos graxos essenciais

As funções nutricional, estrutural e reguladora dos lipídios têm impacto


significativo nas ações fisiológicas mais importantes, incluindo hemodinâmica e
oxigenação, assim como estado imunológico e metabolismo. A deficiência de
AG essenciais causa disfunção imunológica, dermatite, alopecia,
trombocitopenia e má cicatrização. Na gravidez, a deficiência de DHA pode
estar associada com prejuízo cognitivo e do desenvolvimento visual do feto. Os
principais sintomas e sinais clínicos de deficiência dos AG essenciais ômega-6
e ômega-3 encontram-se na Tabela 8.

Tabela 8. Sintomas e sinais clínicos da deficiência de ácidos graxos


essenciais, tipo ômega-3 e ômega-6
Deficiência de Sinais e sintomas clínicos
Ácidos graxos ômega-6 lesões de pele
anemia
aumento da agregação plaquetária
trombocitopenia
esteatose hepática
retardo da cicatrização
aumento da susceptibilidade a infecções
Ácidos graxos ômega-3 sintomas neurológicos
redução da acuidade visual
lesões de pele

11
retardo do crescimento
diminuição da capacidade de aprendizado
eletroretinograma anormal
Em crianças: retardo do crescimento e diarréia

A oferta em excesso de AGPI ômega-6 poderia comprometer a evolução


clínica de certos pacientes críticos hospitalizados devido ao aumento da
síntese de eicosanóides pró-inflamatórios, intensa peroxidação lipídica e
reduzido clareamento plasmático. Como alternativa para reduzir a oferta
excessiva de AG ômega-6, podem ser utilizadas fontes diferentes de lipídios,
como se vê na Tabela 9. O tipo de ácido graxo ideal para ser ofertado sofre
influência da condição clínica do paciente.

Tabela 9. Fontes alternativas de lipídios, em relação ao óleo de soja para


oferta reduzida de ácidos graxos (AG) poliinsaturados tipo ômega-6
Fonte de lipídios AG Vantagens
Óleo de coco Saturados de Apresentam vantagens metabólicas que incluem
cadeia média clareamento plasmático mais rápido e
independência da ligação plasmática com a
albumina, preservando, dessa maneira, o retículo
endotelial hepático.
Óleo de oliva Monoinsaturados Sofre menor peroxidação e sua oferta para
ômega-9 pessoas saudáveis não alterou funções imunes,
apontando um papel neutro sobre a resposta
imuno inflamatória.
Óleo de peixe Poliinsaturados Tem efeito antiinflamatório sem prejuízo de
ômega -3 funções imunes e, desse modo, pode ser benéfico
em condições inflamatórias. O risco de intensa
peroxidação lipídica pode ser reduzido com uso
de antioxidantes como a vitamina E.

Ácido graxo ômega-3

O ácido graxo poliinsaturado (AGPI) do tipo ômega-3 é classificado


como de cadeia longa por ter 14 a 22 átomos de carbono, como do tipo
poliinsaturado por ter mais de uma dupla ligação e recebe a denominação
ômega-3 por conter a primeira dupla ligação no carbono 3 a partir do radical
metil. O interesse em estudar AGPI ômega 3 começou a partir da observação
epidemiológica de menor incidência de doenças cardiovasculares em
esquimós, relacionada à sua dieta. Descobriu-se, então, que o fator de
proteção eram os AGPI ômega-3 que estão presentes em grande quantidade

12
em alguns peixes de regiões frias, principalmente salmão, atum e truta, muito
consumidos pelos esquimós. Veja novamente, nas Tabelas 4 e 5, as principais
fontes de ácidos graxos ômega-3 vegetais e animais. O consumo dos AGPI
ômega-3 está associado à diminuição de níveis de colesterol total, triglicérides
e, conseqüentemente, aumento dos níveis de lipoproteínas de alta densidade
(HDL). Os esquimós, apesar do alto consumo de dietas ricas em gordura,
apresentavam baixos níveis de colesterol total, triglicérides, lipoproteínas de
densidade muito baixa (VLDL) e níveis maiores de lipoproteínas de alta
densidade (HDL), fatores relacionados a menores índices de doenças
cardiovasculares. Nessa população, essas doenças tinham baixos índices de
mortalidade em relação à população norte-americana (10,3% x 50%).
Simultaneamente às observações positivas para variáveis cardio-
vasculares nos esquimós, foi apontada nessa população baixa incidência de
doenças auto -imunes e inflamatórias, como psoríase, asma, diabetes tipo I e
esclerose múltipla. Em contraste, a dieta consumida no ocidente e em países
industrializados é rica em AGPI do tipo ômega-6 (devido principalmente ao
grande consumo de óleos vegetais e gordura saturada) e contém pouco AGPI
ômega-3 (por redução no consumo de peixes), o que explica a maior
predominância de AGPI ômega-6 sobre os ômega-3 na estrutura das
membranas celulares. As dietas ocidentais têm razão ômega-6/ômega-3
próxima de 10 a 20:1. O aumento no consumo de AGPI ômega-3 substitui
parcialmente os AGPI ômega-6 na membrana celular (exemplo: eritrócitos,
plaquetas, linfócitos, monócitos, células endoteliais e hepatócitos) e está
relacionado a efeito protetor em diversas condições inflamatórias e auto-
imunes. O AGPI ômega-3 pode também aliviar sintomas em pacientes com
artrite reumatóide e doença inflamatória intestinal. Isso tem sido atribuído à
ação inibitória sobre a produção de eicosanóides2 e citocinas3 pró-inflamatórias
nos tecidos periféricos.

Ácidos graxos e inflamação

2
Eicosanóides: substâncias derivadas do ácido araquidônico: prostaglandinas, leucotrienos e
tromboxanos.
3
Citocinas são proteínas semelhantes a hormônios que regulam a intensidade e a duração da resposta
imune e medeiam a comunicação intercelular. Exemplos: interleucina, interferon, linfocinas e fatores de
crescimento.

13
A proteção do organismo contra agentes infecciosos e diferentes
insultos é crucial para a manutenção de sua integridade e equilíbrio. No
decorrer da evolução humana, a natureza selecionou um sistema integrado de
eventos teciduais, bioquímicos e celulares que trabalham orquestradamente no
reconhecimento, contenção e destruição de patógenos e de células infectadas
ou lesadas. O processo inflamatório é parte desse sistema e participa da
resposta imune imediata à infecção ou à lesão. A inflamação é caracterizada
pela presença de rubor, edema, calor, dor e perda de função, que ocorrem em
resposta ao aumento do fluxo sangüíneo e da permeabilidade vascular,
desencadeados por mediadores inflamatórios, como as aminas, os
eicosanóides (mediadores inflamatórios lipídicos) e as citocinas (exemplos:
histamina, bradiquinina, leucotrienos, interleucina-1, fator de necrose tumoral-
alfa e interferon-gama). Apesar de ele constituir um evento normal da resposta
imune, diferentes condições, como trauma e cirurgia, podem induzir a ativação
excessiva do processo inflamatório que, se persistirem, provocam danos a
tecidos e órgãos.
Os AG poliinsaturados (PUFA) e monoinsaturados (MUFA) são capazes
de influenciar a produção de citocinas e a resposta tecidual. De uma maneira
geral, gorduras ricas em AG do tipo ômega 3 (AG ômega-3) e MUFA, ou pobres
em AG do tipo ômega 6 (AG ômega-6) reduzem a resposta inflamatória
sistêmica. Alguns sintomas inflamatórios específicos podem ser suavizados pelo
uso de AG ômega-3 em condições como artrite reumatóide, psoríase, asma,
esclerose múltipla, doença de Crohn e colite ulcerativa. Por outro lado, gorduras
ricas em AG ômega-6 podem exercer efeitos opostos. Todavia, a combinação de
ambos AG (ômega-6 e ômega-3) atenua vários componentes da resposta
imunológica, em particular aqueles que envolvem diretamente os linfócitos.
A ingestão de AGMI ou diferentes tipos de AGPI pode modular a
composição de AG da membrana fosfolipídica de células imunológicas, bem
como de seus tecidos-alvo. Fosfolipases são ativadas durante resposta ao
trauma ou infecção conseqüentemente, prostaglandinas (PG), leucotrienos (LT)
e outros mediadores lipídicos são produzidos. A ingestão de diferentes AG
pode resultar em perfis distintos de PG, LT e outros mediadores lipídicos

14
podem ser formados. A natureza desses mediadores pode determinar a
intensidade da resposta inflamatória.
Ácidos graxos ômega-3 exercem efeito antiinflamatório por pelo menos
três mecanismos. Primeiro, influenciam a composição fosfolipídica da
membrana celular, resultando na síntese de mediadores lipídicos com menor
potencial inflamatório que mediadores derivados dos AG ômega-6. Segundo,
agem como agonistas de PPAR (receptor de ativação de proliferação de
peroxissomas), cuja ativação exerce efeitos antiinflamatórios. Terceiro, os AG
ômega-3 estabilizam o complexo NFkB/IkB, suprimindo a ativação de genes
envolvidos no processo inflamatório.
Estudos clínicos mostram que a nutrição parenteral (NP) enriquecida
com AG ômega-3 exerce efeitos benéficos em pacientes com sepse. Nesse
sentido, Mayer e colaboradores demonstraram o efeito da terapia nutricional
parenteral (NP) enriquecida com AG em 19 pacientes. Desses, nove pacientes
receberam NP enriquecida com AG ômega-3 e 10 pacientes receberam NP
enriquecida com AG ômega-6. Observou-se então que a produção de citocinas
pró-inflamatórias aumentou significativamente no grupo de recebeu NP
enriquecida com AG ômega-6. Ao mesmo tempo, a infusão de NP enriquecida
com AG ômega-3 não só reduziu a capacidade das células mononucleares de
produzir citocinas mas também diminuiu a adesão e migração endotelial de
monócitos.

Eicosanóides

Todas as células dos mamíferos, exceto eritrócitos, produzem


eicosanóides. Estas moléculas são extremamente potentes e causam efeitos
fisiológicos profundos em concentrações muito pequenas. Os eicosanóides
funcionam no mesmo local de sua síntese. Eicosanóides são mediadores
inflamatórios de origem lipídica que modulam a resposta inflamatória do
organismo. Os eicosanóides modulam a resposta inflamatória de forma
desigual. Aqueles provenientes do metabolismo de AGPI tipo ômega-6 são
potentes mediadores inflamatórios e os de AGPI ômega-3 resultam em
resposta inflamatória atenuada. Essas observações apontam para uma

15
capacidade de AG ômega-3 de inibir a resposta inflamatória aguda, induzida ou
agravada por eicosanóides derivados do metabolismo de AG ômega-6. Eles
são sintetizados a partir dos AG ômega-6 ou dos AG ômega-3. Esses AG
competem entre si pelas mesmas vias enzimáticas de síntese, a ciclooxigenase
e a lipooxigenase. A ciclooxigenase e lipooxigenase produzem respectivamente
prostanóides (tromboxanos, prostaglandinas) e leucotrienos e lipoxinas, como
veremos, chamados de séries par e ímpar (Figura 4).

Figura 4. Estrutura de alguns eicosanóides.

Prostaglandina (PGE 2)

Tromboxano (TXA2)

Leucotrieno (LTA4)

Os eicosanóides da classe impar, produzidos pelos AGPI ômega-3 têm


menor poder inflamatório que os da classe par produzido pelos AGPI ômega-6.
Os eicosanóides atuam por meio de receptores ligados a proteínas e
nucleotídeos cíclicos. A PGE 2 inibe a blastogênese linfocitária e potente
imunossupressor. TXA2 e LTB 4 são vasoconstritores poderosos, induzem
agregação plaquetária e causam broncoconstrição. Veja na Figura 5 a síntese
de eicosanóides classe par e classe impar.

16
Figura 5. Produção de eicosanóides a partir de AGPI ômega-3 e ômega-6.

Leucotrienos da série 5 Prostanóides da série 3


LTB5, C5, D5, E5 TXA3, PGE3, PGI3

EPA
H3C3 = C-RCOOH

Via da Via da
lipooxigenase ciclooxigenase

ácido araquidônico
H3C6 = C-RCOOH

LT da série 4 prostanóides da série 2


LTB4, C4, D4 TXA2, PGE2, PGI2

TX – tromboxanos; PG - protaglandinas

Os eicosanóides oriundos do metabolismo do ácido graxo poliinsaturado


ômega-6, particularmente araquidônico, são da série par, e são as
prostaglandinas 2, leucotrienos 4, e tromboxanos A2. Estes são importantes
mediadores bioquímicos envolvidos na infecção, inflamação, lesão tecidual,
modulação do sistema imune e agregação plaquetária, estando diretamente
ligados ao desenvolvimento, crescimento e metástases tumorais, in vitro e in
vivo. De seu lado, o ácido graxo alfa-linolênico (ômega-3) pode ser convertido
em ácido eicosapentaenóico (EPA) e docosahexaenóico (DHA). Estes
competem com o AG araquidônico pelas vias enzimáticas da ciclooxigenase e
lipoxinase e tambem formam eicosanóides. No entanto são eicosanoides da
série impar, como as prostaglandinas da série 3, leucotrienos da série 5, e
tromboxanos A3, que têm menor efeito inflamatório. A Figura 6 mostra a
formação de prostaglandinas e tromboxanos a partir do ômega-3.

17
Figura 6. Síntese de algumas prostaglandinas (PG) e tromboxanos (TX)
clinicamente relevantes a partir do ácido araquidônico. Vários estímulos, entre
eles epinefrina, trombina e bradicinina, ativam a fosfolipase A2 (PLA2), que
hidrolisa o ácido araquidônico dos fosfolípides de membrana. O subscrito 2 em
cada molécula refere-se ao número de dupla ligações presentes. Adaptado do
original de King e colaboradores (1996).
PLA-2 (inibida por esteróides)

Bradicinina

fosfolípides
+ ve
ácido araquidônico +
proteína-G
ciclooxigenase lisofosfolípide

PGG2
peroxidase
(2) GSH

(2) GSSG
síntese de PGH 2
síntese de
prostaciclina
tromboxane

PGE 2 TXA2
PGI2

PGD 2
TXB2
PGF 2α

Veja, na Figura 7, os produtos da via lipooxigenase a partir do ácido


araquidônico. Os leucotrienos LTC 4, LTD 4, LTE 4 e LTF 4 são chamados de
peptidoleucotrienos devido a presença de aminoácidos .

18
Figura 7. Síntese de alguns leucotrienos (LT) clinicamente relevantes a partir
do ácido araquidônico. Vários estímulos, entre eles epinefrina, trombina e
bradicinina, ativam a fosfolipase A2 (PLA2), que hidrolisa o ácido araquidônico
dos fosfolípides de membrana. O subscrito 4 em cada molécula refere-se ao
numero de dupla ligações presentes.

PLA-2 (inibido por esteróides)

Bradicinina

fosfolípides
+ ve
proteína-G ácido araquidônico +
5- lisofosfolípide
lipooxigenase

LTA4
+ glutationa

LTB4 LTC4

- glutamato
+ glutamato - glicina

LTF4 LTE4 LTD4

Considera-se que o AGPI ômega-3 tem papel maior no mecanismo de


defesa do sistema imune, enquanto que o AGPI ômega-6 participa mais do
processo inflamatório. Dessa maneira, a produção de citocinas pró-inflamatórias
é atenuada e outros processos celulares são modulados beneficamente na
presença de EPA e DHA, mas não pelo AGPI ômega-6. A capacidade do AGPI
ômega-3 de antagonizar a produção de eicosanóides derivados do metabolismo
de AGPI ômega-6 constitui um ponto-chave do efeito antiinflamatório atribuído a
ele. No entanto, os AGPI ômega-3 também exercem outros efeitos que parecem
ser independentes da modulação da produção de eicosanóides. Evidências
científicas preliminares indicam que AGPI ômega-3 podem influenciar
diretamente a produção de citocinas, inibindo a produção de fator de necrose
tumoral alfa (TNF-alfa) e de interleucinas IL -1beta e IL-6 por células

19
imunocompetentes, em modelos de cultura celular. A suplementação com
ômega-3 em voluntários saudáveis diminuiu a capacidade dos monócitos de
sintetizar IL-1 e TNF.
Veja, na Figura 7, os produtos da via ciclooxigenase. Vários estímulos,
entre eles epinefrina, trombina e bradicinina, ativam a fosfolipase A2 (PLA2) que
hidrolisa o ácido araquidônico dos fosfolípides de membrana. Na Figura 8,
pode-se acompanhar exemplos das diferentes ações destes eicosanóides.

Figura 8. Algumas propriedades inflamatórias dos eicosanóides derivados do


ácidos araquidônico (ômega-6) e eicosapentaenóico (ômega-3).

Efeitos inflamatórios de eicosanóides

ácido araquidônico neutrófilos ácido eicosapentaenóico

quimiotaxia inflamação
LTB4 ativação PMN LTB5 aderência PMN
FAP permeabilidade reação imune

macrófagos
e endotélio
TXA2 vasoconstrição TXA3 efeito biológico
ativação PMN
trombogênese

PGE2 vasodilatação PGE3 vasodilatação


ativação PMN ativação de PMN

PMN = Leucócitos polimorfonucleares.

Os eicosanóides regulam a produção de várias citocinas implicadas na


inflamação. Assim a prostaglandina 2, oriunda de substratos de AG ômega-6,
inibe a produção de interleucinas (IL-1, IL-2, IL-6), e do fator de necrose
tumoral (TNF). Os leucotrienos da série -4 aumentam a produção de IL -1, IL-2,
e IL-6 e a proliferação linfocitária. Com a oferta de AGPI ômega-3, a síntese de

20
prostaglandinas e leucotrienos da série par é reduzida e, portanto, ocorre
modulação das citocinas inflamatórias, particularmente em humanos.
Em doentes em pós-operatório de câncer esofágico sob nutrição
parenteral a administração de emulsão lipídica rica em AGPI ômega-6 (óleo de
soja) aumentou os níveis de IL -6, enquanto a suplementação com EPA reduziu
a taxa de IL-6 e melhorou a imunidade celular.

Óleo de peixe e gravidez

A suplementação de 500 mg de DHA e 150 mg de EPA, com ou sem


suplementação de ácido fólico (400 microgramas) a partir da 22a semana de
gestação promove aumento do EPA plasmático materno e do DHA materno e
fetal até o parto, o que é considerado protetor para o feto. O trabalho
prospectivo que comprovou essa elevação (de Krauss-Etschmann et al.,
publicado em 2007) foi realizado em três países europeus, envolvendo 220
gestantes.
Recentes evidências científicas suportam o uso de ácidos graxos
ômega-3 na prevenção do parto prematuro: certas prostaglandinas
normalmente produzidas pelo organismo humano, especialmente PGF2 e PGE
2, são parcialmente responsáveis pela iniciação do trabalho de parto. E altos
níveis de metabólitos de ômega-6 e baixos de ômega-3 no sangue da mãe e na
placenta são encontrados em casos de parto prematuro. Os pesquisadores
perceberam que interferindo no equilíbrio das prostaglandinas no corpo,
poderiam prolongar a gestação. A concentração de ácidos graxos ômega-3 na
dieta tem efeito comprovado na duração da gravidez. Um trabalho (Olsen et al.)
mostrou que a suplementação com cápsulas de óleo de peixe diminuiu em 21%
a taxa de partos prematuros (diferença significativa sobre placebo), sendo que
também foi observado prolongamento da gravidez com aumento dietético da
ingestão de ácido graxo ômega-3. Esse efeito pode ser observado mesmo
quando o nutriente é ingerido no último trimestre da gestação, em doses de
cerca de 100 mg de DHA por dia.
Os poucos estudos que não conseguiram demonstrar efeitos na duração
da gestação, peso ao nascer ou outros fatores após aumento da ingestão de

21
ômega-3 tampouco mostraram efeitos adversos da ingestão. Além disso, a falta
de impacto pode ser resultante da falta de aderência. O prolongar da gestação
protege o bebê na medida em que permite maior peso ao nascer e diminuição
da morbidade e mortalidade relacionadas com a prematuridade.
Mães que ingerem alimentos funcionais contendo ômega-3 dão à luz
crianças com melhores habilidades cognitivas aos nove meses de idade. Mais:
pesquisadores da Universidade de Oslo (Helland et al.) realizaram brilhante
estudo em que deram suplementação de óleo de peixe para mais de 300
grávidas a partir da 18a semana da gestação até três meses após o parto (76
das quais amamentaram no peito até os três meses de idade do bebê). As
crianças que nasceram de mães que tomaram o óleo de peixe, e não o óleo de
soja, tiveram escores mais altos em testes de inteligência até os quatro anos
de idade, quando foram reavaliadas. Os autores concluíram que essa
suplementação favorece o desenvolvimento mental, já que o ácido
docosahexanóico e o ácido araquidônico são importantes para o
desenvolvimento do sistema nervoso central em mamíferos, pois se acumula
em grande quantidade no último trimestre, quando a maior parte das células
cerebrais está se formando. O benefício na amamentação foi comprovado por
outro trabalho, que mostrou que lactantes com maior ingestão de ácido
docosahexaenóico tinham filhos com melhor acuidade visual.

Óleo de peixe e a resposta inflamatória do doente grave

Controlar a intensidade da resposta inflamatória no doente crítico e


cirúrgico constitui um ponto fundamental para o sucesso da recuperação do
enfermo. Atualmente, graças às evidências epidemiológicas e experimentais de
que AG poliinsaturados ômega-3 (AGPI ômega-3) podem influenciar
diretamente processos inflamatórios, vem crescendo o interesse em estudar o
uso destes nutrientes funcionais para o tratamento de diversas condições
clínicas.
Com a assimilação desses conceitos e os avanços nos conhecimentos
das propriedades metabólicas e imunomoduladoras dos AGPI ômega-3, foi
possível o desenvolvimento de fórmulas lipídicas adaptadas para

22
suplementação parenteral desses AG. Essas dietas lipídicas representam hoje
uma potente ferramenta para melhorar a evolução das doenças de base
inflamatória, conforme foi observado em estudos clínicos, nos quais a infusão
endovenosa de EL à base de óleo de peixe foi associada com aumento da
produção de eicosanóides da série ímpar (que apresentam menor efeito
inflamatório) e diminuição da liberação de citocinas pró-inflamatórias (TNF-alfa,
IL-1beta, IL -6 e IL -8) em pacientes com sepse. A menor produção de
eicosanóides pró-inflamatórios acompanhada da melhora nas lesões cutâneas
de pacientes com psoríase também foram observadas após a infusão de EL à
base de óleo de peixe. Em outro estudo clínico, a oferta de NP enriquecida com
óleo de peixe em pacientes críticos resultou em menor tempo de internação
hospitalar e em unidade de terapia intensiva, menor uso de antibióticos e
redução da mortalidade.

Uso clínico de AGPI ômega-3

Diversos estudos clínicos têm se proposto a examinar a ação do uso de


AGPI ômega-3 em diferentes doenças inflamatórias. Um resumo desses
achados está no Quadro 1. Em seguida, são apresentados os principais
resultados por condição clínica.

Quadro 1. Efeitos imunológicos observados experimentalmente com o


consumo de óleo de peixe
Diminuição de:
proliferação linfocitária
citotoxicidade mediada por células T
atividade de células tipo “natural killer”
quimiotaxia de monócitos e neutrófilos
expressão de moléculas de superfície MHC classe II
produção de citocinas pró-inflamatórias (interleucinas 1 e 6, fator de necrose tumoral)
expressão de moléculas de adesão

Asma

O papel protetor do AGPI ômega-3 na asma está baseado em três


princípios: 1) a asma é uma doença inflamatória que é potencializada pela
produção excessiva de leucotrienos pró-inflamatórios, 2) a suplementação com

23
óleo de peixe reduz essa produção excessiva, e 3) há uma correlação entre o
consumo de peixe e diminuição do risco de asma e aumento da função
pulmonar. No entanto, a evidência de sua eficácia na prevenção e tratamento
da asma é ainda contraditória.
Em estudo duplo-cego, a suplementação com 1,0 g/dia de EPA/DHA
durante doze meses ocasionou aumento de 23% no volume forçado do
primeiro segundo (VEF 1) no grupo suplementado, e não no grupo controle (p <
0,005). Este estudo, porém, não observou redução no uso de medicamentos. O
acréscimo de óleo de peixe na dieta de pacientes com asma há mais de oito
semanas também não apresentou efeitos benéficos.
Em outro estudo controlado, 29 crianças com asma brônquica e longo
tratamento hospitalar (mais de um ano, sendo 85% do tempo internadas),
receberam cápsulas com óleo de peixe (84 mg EPA e 36 mg DHA) ou cápsulas
controle (óleo de oliva, 300 mg). O escore dos sintomas da asma foi
significativamente menor no grupo óleo de peixe após 6 a 10 meses de
suplementação. Os autores concluem que o AGPI ômega-3 pode ser benéfico
para crianças com asma brônquica, no entanto, enfatizam que os resultados
foram obtidos em ambiente estritamente controlado, com exposição a
alérgenos inaláveis e constituintes da dieta iguais para todos os participantes.
Como medida para prevenção da asma, estudos indicam que a
suplementação durante a gestação de mulheres atópicas diminuiu a produção
de citocinas específicas para alérgenos, assim como a gravidade da dermatite
atópica em seus filhos. Os achados sugerem que uma suplementação ou um
aumento no consumo de alimentos com AGPI ômega-3 podem diminuir a
incidência de doenças alérgicas, como a asma.

Artrite reumatóide

Pacientes com doenças auto-imunes, como a artrite reumatóide,


geralmente respondem à suplementação de EPA e DHA com uma diminuição
dos níveis elevados de citocinas e com isso, sentem melhora nos sintomas.
Catorze estudos randomizados, duplo-cego, placebo-controlados sobre
a suplementação com óleo de peixe em pacientes com artrite reumatóide foram

24
revisados sistematicamente e indicaram efeitos benéficos do EPA + DHA na
rigidez matinal, redução no número de articulações dolorosas ou inchadas,
aumento na resistência à dor aguda e diminuição no uso de drogas
antiinflamatórias não esteroidais, sugerindo desta maneira que uma
suplementação com óleo de peixe deve ser inserida como parte da terapia
padrão para a artrite reumatóide. Kremer e colaboradores encontraram
benefícios semelhantes pelo período mínimo de suplementação de 12
semanas e dosagem mínima de 3 g de EPA e DHA.
Outro estudo demonstrou que EPA e DHA diminuíram a produção de
LTB4 em 33% e fator de ativação plaquetária em 37% nos 12 pacientes que
receberam suplementação por 6 semanas. Efeitos benéficos foram vistos
mesmo após o término da suplementação com óleo de peixe.

Doença inflamatória intestinal

A doença de Crohn e a colite ulcerativa são doenças inflamatórias


intestinais distintas, complexas e envolvem componentes imunológicos,
ambientais e genéticos. Recentes medidas de controle da colite ulcerativa
estão centradas em mediadores inflamatórios solúveis. Os mediadores mais
estudados são os metabólitos do ácido araquidônico, prostaglandinas,
leucotrienos e citocinas.
Pacientes com colite ulcerativa apresentam aumento na quantidade de
LTB4 (via lipooxigenase) e IL -1beta. Stenson e colaboradores, em estudo
duplo-cego, cruzado, sobre a suplementação de óleo de peixe verificaram
aumento da produção de LTB5 e diminuição de LTB4; no entanto, houve
melhora clínica moderada. Belluzzi e colaboradores demonstraram redução na
recidiva em pacientes com doença de Crohn em fase de remissão e
suplementados com 2,7 g de preparado de óleo de peixe contendo ômega-3.
O uso do ômega-3 em pacientes com doença inflamatória intestinal
parece ocasionar melhora clínica significativa e a grande variação nas
respostas ao tratamento pode estar relacionada à heterogeneidade das
diversas doenças inflamatórias intestinais.

25
26
Doença cardiovascular

Como vimos, óleo de peixe é hoje um dos principais constituintes de


uma dieta saudável, e diversos estudos epidemiológicos e trabalhos clínicos
mostraram seus efeitos benéficos na prevenção primária e secundária da
doença coronariana (DC). O consumo de 500 mg/dia de ácidos
eicosapentanóico (EPA) e docosahexanóico (DHA) é recomendado por
diversas agências mundiais de saúde, como a Organização Mundial de Saúde
(OMS), para reduzir o risco de doenças cardiovasculares. Já para pacientes
portadores de doenças cardiovasculares, recomenda-se o consumo de 1 g/dia
desses ácidos graxos. Esses dados suportam as recomendações dietéticas da
American Heart Association de incluir pelo menos duas porções de peixe por
semana na alimentação.
Em trabalhos clínicos randomizados que utilizaram pacientes com DC,
suplementos de AG ômega-3 reduziram o número de eventos
cardiovasculares. Os estudos indicam que AG ômega-3 podem reduzir a
progressão de aterosclerose nesses pacientes. E mesmo em pessoas
saudáveis, livres de qualquer doença, coronariana, inflamatória ou viral, foi
provado recentemente (por estudo populacional realizado por Chrysohoou et al.
na Grécia) que a ingestão de óleo de peixe na dieta está inversamente
associada à duração do intervalo QTc (corrigido para freqüência cardíaca) no
eletrocardiograma: esse intervalo, quando longo, está associado a aumento do
risco de arritmias e de morte súbita.
Recentemente, uma revisão comandada pelo governo nos Estados
Unidos concluiu que os AG ômega-3, especialmente o ácido eicosapentaenóico
(EPA) e o acido docosahe xaenóico (DHA), têm claros efeitos cardioprotetores,
e instituições de saúde e cardiologia iniciaram um apelo para se aumentar a
ingestão de EPA e DHA.

Recomendação da AHA (American Heart Association):


Todos os adultos devem comer peixe pelo menos duas vezes
por semana.

27
Autores norte-americanos mostraram inclusive em estudo recente que o
nível sérico de EPA e DHA é mais baixo em pacientes com DC (29% quando
comparado com controles pareados; p < 0,001) enquanto o nível de gordura
trans não diferiu dos controles. Essa diferença se manteve após ajustes em
análise multivariada; mostrando que níveis séricos de EPA e DHA baixos são
um fator preditivo independente para o risco de doença coronariana.
Vários peixes são rica fonte de AG ômega-3, como mequerel, truta,
hering, sardinhas, albacore atum, e salmão. Possuem tanto EPA como DHA,
ambos com efeitos cardioprotetores. A AHA também recomenda ingestão de
AG ômega-3 derivados de plantas como tofu, soja, nozes e óleo de canola.
Para pacientes com doença cardiovascular, a recomendação é de 1 g de EPA
e DHA (combinadas) por dia. Este montante pode ser obtido através do
consumo de cápsulas de AG ômega-3 ou de peixes, embora a suplementação
por cápsulas deva ser decidida e orientada em conjunto a um médico.

Suplementos de EPA+DHA podem ser úteis para pacientes com


hipertrigliceridemia.

Cerca de 2 a 4 g de ômega-3 ao dia podem diminuir triglicerídeos


séricos em 20% a 40%. Os efeitos positivos na redução da formação de placas
ateroscleróticas são adicionados aos das estatinas prescritas pelos
cardiologistas. Ingestão em altas doses pode causar sangramento excessivo
em algumas pessoas. Suplementação em doses acima de 3 g devem ser
monitoradas por médico.
Deve-se observar com cautela que alguns peixes contêm quantidades
aumentadas de metilmercúrio, bifenil policlorinato (PCBs), dioxinas, e outros
contaminantes. Essas substâncias estão em maior concentração em animais
grandes e predatórios e grandes mamíferos. Os efeitos de metilmercúrio em
DCV ainda são controversos na literatura, com resultados associando estes
dois eventos e outros não apontando para nenhuma relação entre eles.
Enquanto novos estudos não elucidam essa questão, seria importante escolher
uma entre inúmeras espécies de peixes ricos em AG ômega-3 e que não

28
possuem o perfil de carreadores de metilmercírio. Suplementos de AG ômega-
3 não contêm metilmercúrio.
Os efeitos cardiopropetores dos AG ômega-3 podem ser atribuídos a
multiplos efeitos fisiológicos dos lípides, como na pressão sangüínea, na
função vascular e manutenção da eurritmia cardiológica. De uma maneira
esquemática podemos dizer que AG ômega-3 melhoram a função endotelial e
podem reduzir:
• Risco para trombose, que pode levar a infarto e choque,
• Níveis de triglicerídeos e outras lipoproteínas,
• Crescimento da placa aterosclerótica,
• Discretamente a pressão sangüínea,
• Respostas inflamatórias.

Conclusão

A dieta ocidental típica tem uma proporção relativamente alta de ácidos


graxos ômega-6 em relação a ômega-3. Esse desequilíbrio pode contribuir para
processos inflamatórios, fator de risco para doença cardiovascular. Estudos
epidemiológicos observaram que a maior ingestão de peixe (uma a duas
porções por semana) reduz o risco de morte cardíaca súbita, quando
comparada com o consumo de menos de um porção mensal. Nos últimos anos,
extensos estudos foram realizados buscando compreender os mecanismos de
atuação e a repercussão clinica do uso de ácidos graxos poliinsaturados da
família ômega-3. Verifica-se que a modificação da membrana celular para
conter uma razão mais equilibrada de ômega 6 e ômega 3 por meio da
ingestão oral de óleo de peixe ou a infusão endovenosa de emulsões lipídicas
contendo EPA e DHA associou-se a melhora de estados clínicos compatíveis
com condição inflamatória crônica. Os efeitos dos ácidos graxos ômega-3 são
dose-dependentes e podem variar de acordo com a via de administração.
Além disso, estudos randomizados confirmaram as observações
epidemiológicas de que os AG ômega-3 tanto provenientes de peixes marinhos
como de suplementos podem reduzir significativamente a recorrência de
doença cardiovascular em pacientes com doença coronariana anterior. A

29
ingestão de peixes e vegetais contendo AG ômega-3 ajuda na prevenção de
doença coronariana e de arritmias assim como no tratamento da doença
cardiovascular, através de suas ações reduzindo altos níveis séricos de
triglicerídeos e outras lipoproteínas, no crescimento da placa aterosclerótica e
na manutenção da pressão sangüínea.
Em função do estilo de vida moderno e do consumo de uma dieta
desbalanceada e muitas vezes pobre em alimentos-fonte de ômega 3, se torna
cada vez mais importante prestar atenção especial ao consumo de alimentos
e/ou suplementos que forneçam ácidos graxos ômega-3 nas quantidades
necessárias para a prevenção de doenças crônicas e inflamatórias.

30
Bibliografia
Alexander JW. Immunonutrition: the role of omega-3 fatty acids. Nutrition.
1998;14(7-8):627-33.

Andersson A, Nalsen C, Tengblad S, Vessby B. Fatty acid composition of


skeletal muscle reflects dietary fat composition in humans. Am J Clin Nutr.
2002;76(6):1222-9.

Baguma-Nibasheka M, Brenna JT, Nathanielsz PW. Delay of preterm delivery


in sheep by omega-3 long-chain polyunsaturates. Biol Reprod. 1999;60(3):698-
701.

Baillie RA, Takada R, Nakamura M, Clarke SD. Coordinate induction of


peroxisomal acyl-CoA oxidase and UCP-3 by dietary fish oil: a mechanism for
decreased body fat deposition. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids.
1999;60(5-6):351-6.

Belluzzi A, Brignola C, Campieri M, Pera A, Boschi S, Miglioli M. Effect of an


enteric-coated fish-oil preparation on relapses in Crohn’s disease. N Engl J
Med. 1996;334(24):1557-60.

Bolger PM, Schwetz BA. Mercury and health. N Engl J Med.


2002;347(22):1735-6.

Brilla LR, Landerholm TE. Effect of fish oil supplementation and exercise on
serum lipids and aerobic fitness. J Sports Med Phys Fitness. 1990;30(2):173-
80.

Burr ML, Fehily AM, Gilbert JF, et al. Effects of changes in fat, fish, and fibre
intakes on death and myocardial reinfarction: diet and reinfarction trial (DART).
Lancet. 1989;2(8666):757-61.

Calder PC, Grimble RF. Polyunsaturated fatty acids, inflammation and


immunity. Eur J Clin Nutr. 2002;56(Suppl 3):S14-9.

Calder PC, Yaqoob P, Harvey DJ, Watts A, Newsholme EA. Incorporation of


fatty acids by concanavalin A-stimulated lymphocytes and the effect on fatty
acid composition and membrane fluidity. Biochem J. 1994;300(Pt 2):509-18.

Calder PC. Dietary fatty acids and the immune system. Lipids.
1999;34(Suppl):S137-40.

Calder PC. Dietary modification of inflammation with lipids. Proc Nutr Soc.
2002;61(3):345-58.

Calder PC. Lipid and the critically Ill patient. Nutrition and Critical Care. Nestlé
Nutrition Workshop Series Clinical & Performance Program. 2003;8:75-98.
Disponível em:
http://content.karger.com/ProdukteDB/produkte.asp?Aktion=ShowFreePage&Ar

31
tikelNr=72749&Ausgabe=0&ProduktNr=229008&filefp=72749fp.pdf. Acessado
em 2007 (18 mai).

Calder PC. Long-chain n-3 fatty acids and inflammation: potential application in
surgical and trauma patients. Braz J Med Biol Res. 2003;36(4):433-46.

Calder PC. n-3 polyunsaturated fatty acids and cytokine production in health
and disease. Ann Nutr Metab. 1997;41(4):230-34.

Campos FG, Waitzberg DL, Logulo AF, Torrinhas RS, Teixeira WG, Habr-
Gama A. Imunonutrição em colite experimental: efeitos benéficos dos ácidos
graxos ômega-3. [Immunonutrition in experimental colitis: beneficial effects of
omega-3 fatty acids]. Arq Gastroenterol. 2002;39(1):48-54.

Campos FG, Waitzberg DL, Teixeira MG, Mucerino DR, Habr-Gama A, Kiss
DR. Inflammatory bowel diseases: principles of nutritional therapy. Rev Hosp
Clin Fac Med Sao Paulo. 2002;57(4):187-98.

Christophers E. The immunopathology of psoriasis. Int Arch Allergy Immunol.


1996;110(3):199-206.

Contacos C, Barter PJ, Sullivan DR. Effect of pravastatin and omega-3 fatty
acids on plasma lipids and lipoproteins in patients with combined
hyperlipidemia. Arterioscler Thromb. 1993;13(12):1755-62.

Croft KD, Beilin LJ, Vandongen R, Mathews E. Dietary modification of fatty acid
and prostaglandin synthesis in the rat. Effect of variations in the level of dietary
fat. Biochim Biophys Acta. 1984;795(2):196-207.

Curtis CL, Rees SG, Little CB, et al. Pathologic indicators of degradation and
inflammation in human osteoarthritic cartilage are abrogated by exposure to n-3
fatty acids. Arthritis Rheum. 2002;46(6):1544-53.

Das UN. COX-2 inhibitors and metabolism of essential fatty acids. Med Sci
Monit. 2005;11(7):RA233-7.

Das UN. Essential fatty acids, lipid peroxidation and apoptosis. Prostaglandins
Leukot Essent Fatty Acids. 1999;61(3):157-63.

Dry J, Vincent D. Effect of a fish oil diet on asthma: results of a 1-year double-
blind study. Int Arch Allergy Appl Immunol. 1991;95(2-3):156-7.

Dunstan JA, Mori TA, Barden A, et al. Fish oil supplementation in pregnancy
modifies neonatal allergen-specific immune responses and clinical outcomes in
infants at high risk of atopy: a randomized, controlled trial. J Allergy Clin
Immunol. 2003;112(6):1178-84.

32
Ebel JG Jr, Eckerlin RH, Maylin GA, Gutenmann WH, Lisk DJ. Polychlorinated
Biphenyls and p,p’-DDE in Encapsula ted Fish Oil Supplements. Nutr Rept Int.
1987;36:413-7.

Elson CO. Genes, microbes, and T cells--new therapeutic targets in Crohn’s


disease. N Engl J Med. 2002;346(8):614-6.

Endres S, Lorenz R, Loeschke K. Lipid treatment of inflammatory bowel


disease. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 1999;2(2):117-20.

Engler MM, Engler MB. Omega-3 fatty acids: role in cardiovascular health and
disease. J Cardiovasc Nurs. 2006;21(1):17-24, quiz 25-6.

Food and Nutrition Information Center. Dietary Reference Intakes:


Macronutrients. Disponível em:
http://www.iom.edu/Object.File/Master/7/300/0.pdf. Acessado em 28/11/2005.

Gebauer SK, Psota TL, Harris WS, Kris-Etherton PM. n-3 fatty acid dietary
recommendations and food sources to achieve essentiality and cardiovascular
benefits. Am. J. Clin. Nutr. 2006 Jun;83(6 Suppl):1526S-1535S.

Grimminger F, Mayser P, Papavassilis C, et al. A double-blind, randomized,


placebo-controlled trial of n-3 fatty acid based lipid infusion in acute, extended
guttate psoriasis. Rapid improvement of clinical manifestations and changes in
neutrophil leukotriene profile. Clin Investig. 1993;71(8):634-43.

Grimminger F, Mayser P. Lipid mediators, free fatty acids and psoriasis.


Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids. 1995;52(1):1-15.

Grimsgaard S, Bonaa KH, Hansen JB, Nordøy A. Highly purified


eicosapentaenoic acid and docosahexaenoic acid in humans have similar
triacylglycerol-lowering effects but divergent effects on serum fatty acids. Am J
Clin Nutr. 1997;66(3):649-59.

Guallar E, Sanz-Gallardo MI, van’t Veer P, et al. Mercury, fish oils, and the risk
of myocardial infarction. N Engl J Med. 2002;347(22):1747-54.

Guezennec CY, Nadaud JF, Satabin P, Leger F, Lafargue P. Influence of


polyunsaturated fatty acid diet on the hemorrheological response to physical
exercise in hypoxia. Int J Sports Med. 1989;10(4):286-91.

Harris WS, Reid KJ, Sands SA, Spertus JA. Blood omega-3 and trans fatty
acids in middle-aged acute coronary syndrome patients. Am J Cardiol. 2007
15;99(2):154-8.

Harris WS. Are omega-3 fatty acids the most important nutritional modulators of
coronary heart disease risk? Curr Atheroscler Rep. 2004;6(6):447-52.

33
Harris WS. n-3 fatty acids and serum lipoproteins: human studies. Am J Clin
Nutr. 1997;65(5 Suppl):1645S-1654S.

Harris WS, Dujovne CA, Zucker M, Johnson B. Effects of a low saturated fat,
low cholesterol fish oil supplement in hypertriglyceridemic patients. A placebo-
controlled trial. Ann Intern Med. 1988;109(6):465-70.

Hayashi N, Tashiro T, Yamamori H, et al. Effects of intravenous omega-3 and


omega-6 fat emulsion on cytokine production and delayed type hypersensitivity
in burned rats receiving total parenteral nutrition. JPEN J Parenter Enteral Nutr.
1998;22(6):363-7.

Helland IB, Smith L, Saarem K, Saugstad OD, Drevon CA. Maternal


supplementation with very-long-chain n-3 fatty acids during pregnancy and
lactation augments children's IQ at 4 years of age. Pediatrics. 2003;111(1):e39-
44.

Heller AR, Rossler S, Litz RJ, et al. Omega-3 fatty acids improve the diagnosis-
related clinical outcome. Crit Care Med. 2006;34(4):972-9.

James MJ, Gibson RA, Cleland LG. Dietary polyunsaturated fatty acids and
inflammatory mediator production. Am J Clin Nutr. 2000;71(1 Suppl):343S-8S.

Judge MP, Harel O, Lammi-Keefe CJ. Maternal consumption of a


docosahexaenoic acid-containing functional food during pregnancy: benefit for
infant performance on problem-solving but not on recognition memory tasks at
age 9 mo. Am J Clin Nutr. 2007;85(6):1572-7.

Kaiser LL, Allen L; American Dietetic Association. Position of the American Dietetic
Association: nutrition and lifestyle for a healthy pregnancy outcome. J Am Diet Assoc.
2002;102(10):1479-90.

Kinsella JE. Lipids, membrane receptors, and enzymes: effects of dietary fatty
acids. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 1990;14(5 Suppl):200S-217S.

Kirsch CM, Payan DG, Wong MY, et al. Effect of eicosapentaenoic acid in
asthma. Clin Allergy. 1988;18(2):177-87.

Krauss RM, Eckel RH, Howard B, et al. AHA Dietary Guidelines: revision 2000:
A statement for healthcare professionals from the Nutrition Committee of the
American Heart Association. Circulation. 2000;102(18):2284-99.

Kremer JM, Jubiz W, Micha lek A, et al. Fish-oil fatty acid supplementation in
active rheumatoid arthritis. A double-blinded, controlled, crossover study. Ann
Intern Med. 1987;106(4):497-503.

Kremer JM. n-3 fatty acid supplements in rheumatoid arthritis. Am J Clin Nutr.
2000;71(1 Suppl):349S-51S.

34
Kris-Etherton PM, Harris WS, Appel LJ; Nutrition Committee. Fish consumption,
fish oil, omega-3 fatty acids, and cardiovascular disease. Arterioscler Thromb
Vasc Biol. 2003;23(2):e20-30.

Kris-Etherton PM, Harris WS, Appel LJ; AHA Nutrition Committee. American
Heart Association. Omega-3 fatty acids and cardiovascular disease: new
recommendations from the American Heart Association. Arterioscler Thromb
Vasc Biol. 2003;23(2):151-2.

Kris-Etherton PM, Harris WS, Appel LJ; American Heart Association. Nutrition
Committee. Fish consumption, fish oil, omega-3 fatty acids, and cardiovascular
disease. Circulation. 2002;106(21):2747-57.

Lauritzen L, Jørgensen MH, Mikkelsen TB, et al. Maternal fish oil


supplementation in lactation: effect on visual acuity and n-3 fatty acid content of
infant erythrocytes. Lipids. 2004;39(3):195-206.

Leaf A, Weber PC. Cardiovascular effects of n-3 fatty acids. N Engl J Med.
1988;318(9):549-57.

Leaf A. Cardiovascular effects of fish oils. Beyond the platelet. Circulation.


1990;82(2):624-8.

Male D. Migração celular e inflamação. In: Roit I, Brostoff J, Male D.


Imunologia. 5 a ed. São Paulo: Manole; 1999. p. 61-9.

Mascaro C, Acosta E, Ortiz JA, Marrero PF, Hegardt FG, Haro D. Control of
human muscle-type carnitine palmitoyltransferase I gene transcription by
peroxisome proliferator-activated receptor. J Biol Chem. 1998;273(15):8560-3.

Mayer K, Fegbeutel C, Hattar K, et al. Omega-3 vs. omega-6 lipid emulsions


exert differential influence on neutrophils in septic shock patients: impact on
plasma fatty acids and lipid mediator generation. Intensive Care Med.
2003;29(9):1472-81.

Mayer K, Gokorsch S, Fegbeutel C, et al. Parenteral nutrition with fish oil


modulates cytokine response in patients with sepsis. Am J Respir Crit Care
Med. 2003;167(10):1321-8.

Mayser P, Mrowietz U, Arenberger P, et al. Omega-3 fatty acid-based lipid


infusion in patients with chronic plaque psoriasis: results of a double-blind,
randomized, placebo-controlled, multicenter trial. J Am Acad Dermatol.
1998;38(4):539-47.

Melanson SF, Lewandrowski EL, Flood JG, Lewandrowski KB. Measurement of


organochlorines in commercial over-the-counter fish oil preparations:
implications for dietary and therapeutic recommendations for omega-3 fatty
acids and a review of the literature. Arch Pathol Lab Med. 2005;129(1):74-7.

35
Montori VM, Farmer A, Wollan PC, Dinneen SF. Fish oil supplementation in
type 2 diabetes: a quantitative systematic review. Diabetes Care.
2000;23(9):1407-15.

Mozaffarian D, Prineas RJ, Stein PK, Siscovick DS. Dietary fish and n-3 fatty
acid intake and cardiac electrocardiographic parameters in humans. J Am Coll
Cardiol. 2006;48(3):478-84.

Nagakura T, Matsuda S, Shichijyo K, Sugimoto H, Hata K. Dietary


supplementation with fish oil rich in omega-3 polyunsaturated fatty acids in
children with bronchial asthma. Eur Respir J. 2000;16(5):861-5.

Nakamura N, Hamazaki T, Ohta M, et al. Joint effects of HMG-CoA reductase


inhibitors and eicosapentaenoic acids on serum lipid profile and plasma fatty
acid concentrations in patients with hyperlipidemia. Int J Clin Lab Res.
1999;29(1):22-5.

Nordoy A, Bonaa KH, Sandset PM, Hansen JB, Nilsen H. Effect of omega-3
fatty acids and simvastatin on hemostatic risk factors and postprandial
hyperlipemia in patients with combined hyperlipemia. Arterioscler Thromb Vasc
Biol. 2000;20(1):259-65.

Olsen SF, Secher NJ , Tabor A, Weber T, Walker JJ, Gluud C. Randomised


clinical trials of fish oil supplementation in high risk pregnancies. Fish Oil Trials
In Pregnancy (FOTIP) Team. BJOG. 2000;107(3):382-95

Olsen SF, Sørensen JD, Secher NJ , et al. Randomised controlled trial of effect
of fish-oil supplementation on pregnancy duration. Lancet.
1992;339(8800):1003-7

Olsen SF, Hansen HS, Sommer S, et al. Gestational age in relation to marine n-
3 fatty acids in maternal erythrocytes: a study of women in the Faroe Islands
and Denmark. Am J Obstet Gynecol. 1991;164(5 Pt 1):1203-9.

Onwude JL, Lilford RJ, Hjartardottir H, Staines A, Tuffnell D. A randomised


double blind placebo controlled trial of fish oil in high risk pregnancy. Br J
Obstet Gynaecol. 1995;102(2):95-100.

Oostenbrug GS, Mensink RP, Hardeman MR, De Vries T, Brouns F, Hornstra


G. Exercise performance, red blood cell deformability, and lipid peroxidation:
effects of fish oil and vitamin E. J Appl Physiol. 1997;83(3):746-52.

Poynter ME, Daynes RA. Peroxisome proliferator-activated receptor alpha


activation modulates cellular redox status, represses nuclear factor-kappaB
signaling, and reduces inflammatory cytokine production in aging. J Biol Chem.
1998;273(49):32833-41.

Raastad T, Hostmark AT, Stromme SB. Omega-3 fatty acid supplementation


does not improve maximal aerobic power, anaerobic threshold and running

36
performance in well-trained soccer players. Scand J Med Sci Sports.
1997;7(1):25-31.

Reece MS, McGregor JA, Allen KG, Harris MA. Maternal and perinatal long-
chain fatty acids: possible roles in preterm birth. Am J Obstet Gynecol.
1997;176(4):907-14.

Roche HM, Gibney MJ. Postprandial triacylglycerolaemia: the effect of low-fat


dietary treatment with and without fish oil supplementation. Eur J Clin Nutr.
1996;50(9):617-24.

Rode HN, Szamel M, Schneider S, Resch K. Phospholipid metabolism of


stimulated lymphocytes. Preferential incorporation of polyunsaturated fatty acids
into plasma membrane phospholipid upon stimulation with concanavalin A.
Biochim Biophys Acta. 1982;688(1):66-74.

Rodriguez JC, Gil-Gomez G, Hegardt FG, Haro D. Peroxisome proliferator-


activated receptor mediates induction of the mitochondrial 3-hydroxy-3-
methylglutaryl-CoA synthase gene by fatty acids. J Biol Chem.
1994;269(29):18767-72.

Sanders TA, Oakley FR, Miller GJ, Mitropoulos KA, Crook D, Oliver MF.
Influence of n-6 versus n-3 polyunsaturated fatty acids in diets low in saturated
fatty acids on plasma lipoproteins and hemostatic factors. Arterioscler Thromb
Vasc Biol. 1997;17(12):3449-60.

Sanderson P, Calder PC. Dietary fish oil appears to prevent the activation of
phospholipase C-gamma in lymphocytes. Biochim Biophys Acta. 1998;1392(2-
3):300-8.

Schmidt EB, Dyerberg J. Omega-3 fatty acids. Current status in cardiovascular


medicine. Drugs. 1994;47(3):405-24.

Shapiro H. Could n-3 polyunsaturated fatty acids reduce pathological pain by


direct actions on the nervous system? Prostaglandins Leukot Essent Fatty
Acids. 2003;68(3):219-24.

Simopoulos AP. Omega-3 fatty acids in inflammation and autoimmune


diseases. J Am Coll Nutr. 2002;21(6):495-505.

Smuts CM, Huang M, Mundy D, Plasse T, Major S, Carlson SE. A randomized


trial of docosahexaenoic acid supplementation during the third trimester of
pregnancy. Obstet Gynecol. 2003;101(3):469-79.

Sperling RI, Weinblatt M, Robin JL, et al. Effects of dietary supplementation with
marine fish oil on leukocyte lipid mediator generation and function in rheumatoid
arthritis. Arthritis Rheum. 1987;30(9):988-97.

37
Stenson WF, Cort D, Rodgers J, et al. Dietary supplementation with fish oil in
ulcerative colitis. Ann Intern Med. 1992;116(8):609-14.

Stone NJ. Fish consumption, fish oil, lipids, and coronary heart disease.
Circulation. 1996;94(9):2337-40.

Terano T, Hirai A, Hamazaki T, et al. Effect of oral administration of highly


purified eicosapentaenoic acid on platelet function, blood viscosity and red cell
deformability in healthy human subjects. Atherosclerosis. 1983;46(3):321-31.

The National Academy Press. Dietary Reference Intakes for Energy,


Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids
(Macronutrients) (2005). Disponível em:
http://www.nap.edu/books/0309085373/html/1324.html. Acessado em:
09/03/2006.

Wachtler P, Konig W, Senkal M, Kemen M, Koller M. Influence of a total


parenteral nutrition enriched with omega-3 fatty acids on leukotriene synthesis
of peripheral leukocytes and systemic cytokine levels in patients with major
surgery. J Trauma. 1997;42(2):191-8.

Waitzberg DL, Borges VC. Gorduras. In: Waitzberg DL, editor. Nutrição oral,
enteral e parenteral na prática clínica. 3a ed. São Paulo: Atheneu; 2000. p. 55-
78.

Wong KW. Clinical efficacy of n-3 fatty acid supplementation in patients with
asthma. J Am Diet Assoc. 2005;105(1):98-105.

Yoshizawa K, Rimm EB, Morris JS, et al. Mercury and the risk of coronary heart
disease in men. N Engl J Med. 2002;347(22):1755-60.

38