2010

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.......................................................................................................3 1 EVOLUÇÃO ACADÊMICA .......................................................................................4 2 DEFINIÇÕES ESSENCIAIS .....................................................................................5 3 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO ..........................................................6 3.1 Estrutura................................................................................................................6 3.2 Elementos pré-textuais..........................................................................................7 3.2.1 Modelos dos elementos pré-textuais ................................................................11 3.3 Elementos textuais ..............................................................................................16 4 A PESQUISA CIENTÍFICA.....................................................................................18 4.1 Projeto de pesquisa.............................................................................................18 4.1.1 Tema ................................................................................................................18 4.1.2 Problemática e o problema...............................................................................18 4.1.3 Hipótese ...........................................................................................................19 4.1.4 Justificativa.......................................................................................................19 4.1.5 Objetivos ..........................................................................................................20 4.1.6 Procedimentos metodológicos .........................................................................21 4.1.6.1 Pesquisa qualitativa.......................................................................................21 4.1.6.2 Pesquisa quantitativa ....................................................................................22 4.1.7 Conclusão ........................................................................................................22 4.1.8 Referências ......................................................................................................22 5 REDAÇÃO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO .....................................................23 5.1 Regras para a redação........................................................................................23 5.2 Estilo....................................................................................................................24 5.3 Qualidade de um trabalho acadêmico.................................................................24 6 APRESENTAÇÃO GRÁFICA .................................................................................25 6.1 Tamanho do papel ..............................................................................................25 6.2 Espaçamento ......................................................................................................25 6.3 Fonte...................................................................................................................25 6.4 Numeração das seções.......................................................................................25 6.5 Margem ...............................................................................................................26 6.6 Notas de rodapé..................................................................................................26 6.7 Parágrafos...........................................................................................................26 6.8 Numeração progressiva ......................................................................................26 6.9 Paginação ...........................................................................................................27 6.10 Ilustrações.........................................................................................................27 6.11 Tabelas..............................................................................................................27 7 CITAÇÃO ...............................................................................................................29 7.1 Principais formas de citação................................................................................29 7.1.1 Citação direta ...................................................................................................29 7.1.2 Citação indireta ou paráfrase ...........................................................................29 7.1.3 Citação da citação ............................................................................................30 7.2 Regras gerais para apresentação (NBR-10520, 2002) .......................................30 7.3 Sistemas de chamada .........................................................................................32 7.3.1 Sistema Autor-data...........................................................................................32 8 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ..............................................................................35 8.1 Referências .........................................................................................................35 8.1.1 Definições.........................................................................................................35

8.1.2 Localização ......................................................................................................37 8.1.3 Aspectos gráficos.............................................................................................37 8.1.4 Tipos de referências .........................................................................................38 8.1.5 Modelos de referência......................................................................................40 8.2 Índices.................................................................................................................44 REFERÊNCIAS.........................................................................................................45 APÊNDICES..............................................................................................................46

3

APRESENTAÇÃO

O presente manual tem como propósito atender a solicitação da comunidade acadêmica no que se refere à normalização para os trabalhos acadêmicos (solicitados nas disciplinas que compõem os cursos) e os TCCs Trabalhos de Conclusão de Curso da FAAG - Faculdade de Agudos, estabelecendo assim um padrão de excelência em trabalhos técnicos e científicos. O método e os procedimentos técnicos são elementos indissociáveis em todo o processo de investigação desencadeado com o pesquisar. Pádua (2000) entende o método como a teoria explicativa, abarcando o conjunto dos caminhos percorridos pelas ciências para a produção dos seus conhecimentos. Conforme Lakatos e Marconi (1992), o método se caracteriza por uma abordagem mais ampla, em nível de abstração mais elevado dos fenômenos da natureza e da sociedade. Devemos ter em mente que em uma instituição de ensino superior congregamos docentes oriundos de diferentes formações acadêmicas, que trazem consigo métodos e normas de suas instituições de origem e, muitas vezes, divergem quanto à denominação e/ou aspectos estéticos dos instrumentos de ensino e pesquisa. Daí a necessidade deste manual de normas que servirá para docentes e discentes desta instituição. A padronização adotada na formulação deste material de apoio foi fundamentada nas normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

1 EVOLUÇÃO ACADÊMICA

Os trabalhos acadêmicos, tanto de caráter técnico como de caráter científico, fazem parte de um contexto maior chamado “comunidade acadêmica”. Essa comunidade acadêmica é estruturada seguindo uma hierarquia, partindo do ensino básico (início da formação escolar) findando na Livre Docência, grau máximo de especialização acadêmica.

Ilustração 1 - Hierarquia acadêmica FONTE: VAZZOLER, 2006.

Para cada nível de especialização acadêmica existe um tipo de trabalho exigido. A saber:

Ilustração 2 - Trabalhos de Conclusão acadêmica FONTE: VAZZOLER, 2006.

É importante saber que em todos os níveis acadêmicos, os trabalhos acadêmicos, bem como os artigos científicos também são exigidos, ou seja, em toda a vida acadêmica o “fazer ciência” se faz presente.

2 DEFINIÇÕES ESSENCIAIS

Trabalhos Científicos: documento que expressa o resultado de uma reflexão, agregando valor à área de conhecimento. Faz uso de ferramentas lógicas e metodológicas para que se torne padronizado. Tipos de trabalhos científicos: 1. Relatórios; 2. Resenhas Bibliográficas; 3. Trabalhos Didáticos; 4. Comunicações Científicas; 5. Artigos Científicos; 6. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) 7. Monografia (especialização) 8. Dissertação de mestrado 9. Tese de Doutorado 10. Livre Docência Monografia: estudo sobre um assunto especifico, que faça uso de uma metodologia para seu desenvolvimento. Investiga o assunto proposto não apenas de uma forma fragmentada, mas sim analisando todos os aspectos inerentes a esse assunto. Trabalhos de Conclusão de Curso: trabalho científico realizado ao fim do ultimo semestre, cujo objetivo é engajar o graduando no contexto acadêmico e na iniciação cientifica. Dissertação: trabalho que representa o resultado intelectual de um tema único e delimitado, cujo objetivo é reunir avaliar e interpretar informações. Deve ser orientado por um doutor, visando à obtenção de título de mestre. Tese: trabalho que representa o resultado intelectual de um tema inédito e original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. Deve ser orientado por um doutor, visando a obtenção de título de doutor ou similar.

3 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO 3.1 Estrutura

Os trabalhos acadêmicos deverão apresentar os seguintes elementos nesta ordem:

3.2 Elementos pré-textuais

São aqueles que identificam uma obra: A) CAPA: Elemento obrigatório. Parte externa do trabalho usada como identificação do trabalho científico e como proteção física. Deve reproduzir os elementos mais representativos da folha de rosto (ABNT NBR 14724 – 2002): a) Nome da instituição; b) Nome do autor (no caso, o estudante); c) Título; d) Subtítulo (se houver); e) Número de volume (se houver mais de um, constando em cada capa o respectivo volume); f) Local (cidade) da Instituição onde será apresentado o trabalho; g) Ano de depósito (entrega do material) (NBR-14724, 2002, p.3). B) LOMBADA: Elemento obrigatório (na encadernação). Devem constar as seguintes informações (NBR 12225): a) nome do autor impresso longitudinalmente e legível do alto para o pé da lombada; a) Título do trabalho impresso da mesma forma que o nome do autor; b) Elementos alfanuméricos de identificação, por exemplo: v.2. C) FOLHA DE ROSTO: Elemento obrigatório. Folha que contém as informações completas para a sua identificação na seguinte ordem: a) Nome do autor: responsável intelectual do trabalho; b) Título do trabalho: deve ser claro e preciso; c) Subtítulo: se houver, precedido de dois pontos, evidenciando sua subordinação ao título principal; d) Número de volume: se houver mais de um, constando em cada folha de rosto o respectivo volume; e) Natureza do trabalho: (tese, dissertação, monografia, TCC...), objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição; área de concentração; f) Nome do orientador e, se houver do co-orientador; g) Local (cidade) da instituição onde será apresentado o trabalho;

h) Ano de depósito (entrega). ** No verso da folha de rosto deve constar à ficha catalográfica (elemento obrigatório). ** D) ERRATA: Elemento opcional. Elemento que identifica, localiza e aponta correções dos erros de impressão percebidos pelo autor após impressão do texto. E) FOLHA DE APROVAÇÃO (ATA DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO): Elemento obrigatório. Texto com informações relativas a defesa do trabalho acadêmico. Deve apresentar: data (dia, mês e ano) da defesa, título do trabalho apresentado, nome e respectivas assinaturas do concluinte e banca examinadora juntamente com texto explicativo da sequência de ação da apresentação do concluinte. F) DEDICATÓRIA: Elemento opcional. Texto curto no qual o autor presta sua homenagem a alguém. “Serve, também, para expressar uma homenagem a um grupo de pessoas em função de determinadas características” (FURASTÉ, 2003, p. 39). Fica por conta do autor a forma de elaboração desta página, em texto direto, sem a menção do título no alto da página. G) AGRADECIMENTOS: Elemento opcional. Menção dirigida àqueles que prestaram contribuição à elaboração do trabalho. “O agradecimento deve ser breve, porém sincero, indicando, se quiser, o motivo do agradecimento” (FURASTÉ, 2003, p. 39). Deve constar no alto da página a palavra AGRADECIMENTO, grafada em letras maiúsculas e centralizada. H) EPÍGRAFE: Elemento opcional. É uma frase de efeito, um pensamento ou mesmo um poema que se relaciona com o conteúdo do trabalho, seguida de indicação de autoria, em texto direto, sem a menção do título no alto da página. Podem também constar epígrafes nas folhas de abertura das seções primárias. I) RESUMO EM PORTUGUÊS: Elemento obrigatório. É apresentação concisa do conteúdo do trabalho, não devendo ultrapassar 500 palavras, seguido das

palavras-chave e/ou descritores, conforme NBR-6028 (1990). Deve ser escrito em um único parágrafo, em espaço simples. J) RESUMO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Elemento obrigatório. Inglês (Abstract), Espanhol (Resumen) ou Francês (Resume). É a tradução do resumo, seguido das palavras-chave e/ ou descritores. K) LISTA DE ILUSTRAÇÕES: Elemento opcional. Deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, indicando o respectivo número da página onde se encontra. Necessita-se elaborar listas separadas para cada tipo de ilustração (retratos, plantas, quadros, figuras, mapas, entre outros) somente quanto houver número significativo de cada tipo diferente, por exemplo, mais de cinco mapas, criarem uma Lista de Mapas. L) LISTA DE TABELAS: Elemento opcional. Precisa ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado com seu nome específico e o respectivo número da página. M) LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS: Elemento opcional. É a relação alfabética das abreviaturas ou siglas utilizadas no texto, seguida das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. Quando aparecem no texto pela primeira vez, coloca-se seu nome por extenso, acrescentando a sigla/abreviatura, entre parênteses. N) LISTA DE SÍMBOLOS: Elemento opcional. É elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto com o devido significado. O) SUMÁRIO: Elemento obrigatório. Consiste na indicação do conteúdo do documento, enumerando suas divisões e/ou seções. O sumário deve ser elaborado de acordo com a NBR 6027.

Índice
Segundo Houaiss (2001) é uma: “lista, em geral alfabética, que inclui todos ou quase todos os itens (temas, nomes mencionados) que se consideram de maior importância no texto de determinada publicação, e que, junto a cada item, indica o lugar (p.ex. o numero da pagina) onde ele pode ser encontrado na publicação”

É diferente de:

Sumário
Segundo representa Houaiss (2001)

“numa obra, documento: enumeração das principais divisões (com títulos, seções) dentro da mesma ordem que ai a matéria aparece, geralmente acrescida do numero de paginas em que estão respectivamente localizados.

3.2.1 Modelos dos elementos pré-textuais A) CAPA MONOGRAFIA FACULDADE DE AGUDOS – FAAG (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 14)

AUTOR (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 14)

TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 16) (Subtítulo: Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 12)

Agudos SP (Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 14) Ano (Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 14) Obs.: Borda utilizada apenas para ilustrar a página, não deve ser utilizada em trabalhos.

12 B) FOLHA DE ROSTO

AUTOR (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 14)

TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 16) (Subtítulo: Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 12)

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência para obtenção do título de Bacharel (Licenciado) em ___________ pela Faculdade de Agudos. Orientador: Profº. (titulação). Nome. (Times ou Arial, tamanho 12, simples, sem negrito) espaço

Agudos SP (Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 14) Ano (Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 14)

Obs.: Borda utilizada apenas para ilustrar a página, não deve ser utilizada em trabalhos.

13 C) ATA DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ATA DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC), PELO ALUNO RODRIGO BARBOSA DE PAULO DO CURSO DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO. Aos 26 de maio de 2010, às 18:00h, em sessão pública, realizou-se em uma sala de aula da FAAG - Faculdade de Agudos, a apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso, intitulado: “_________________________________ _____________________________________________”, apresentado pelo aluno Rodrigo Barbosa de Paulo. A Banca Examinadora foi constituída pelos professores Wagner Antonio Junior e Eliane Aparecida Zulian Delazari. As atividades iniciaram-se com a apresentação oral do trabalho pelo aluno e em seguida estas foram argüidas pelos membros da banca. Os membros da Banca Examinadora, sem a presença do aluno e platéia, procederam à avaliação das etapas do trabalho: apresentação escrita, apresentação oral e argüição e chegaram a seguintes notas:

Aluno(a): Rodrigo Barbosa de Paulo. Nota:_____________________

Além das notas os membros da Banca Examinadora emitiram o seguinte parecer: ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ _____________________________________________.Encerradas Examinadora. as

atividades, foi lavrada ata que segue assinada pelos membros da Banca

Obs.: Borda utilizada apenas para ilustrar a página, não deve ser utilizada em trabalhos.

14 D) CAPA PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

AUTOR (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 14)

TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 16) (Subtítulo: Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 12)

Trabalho apresentado à disciplina _______ pela Faculdade de Agudos (Times ou Arial, tamanho 12, espaço simples, sem negrito) Professor: (sem negrito, fonte12)

Agudos SP (Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 14) Ano (Times ou Arial, centralizado, negrito, tamanho 14)

Obs.: Borda utilizada apenas para ilustrar a página, não deve ser utilizada em trabalhos.

15 E) FICHA CATALOGRÁFICA (verso da página de rosto)

S---t

Sobrenome, Prenome. (do autor) Título : subtítulo (se houver) / Nome do autor na ordem direta. – Agudos, ano de defesa. --- f. ; 30 cm. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de -----------------------) – Faculdade de Agudos, ano de defesa. Orientador: Nome na ordem direta 1. Assunto. 2. Assunto. 3. Assunto. I. Autor. II. Título. CDD ---

Lazarini, Viviane. L250t Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas ao processo de Inteligência Competitiva Organizacional. / Viviane Lazarini. – Agudos, 2010. 120 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Administração) – Faculdade de Agudos, 2010. Orientador: Dr(a). _____________________ 1. Inteligência Competitiva. 2. Gestão da Informação. 3. Gestão do Conhecimento. I. Lazarini, Viviane CDD 658.4

16 3.3 Elementos textuais

“Parte do trabalho em que se expõem a matéria” (NBR-14724, 2002, p. 2), constituída de três elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. A) INTRODUÇÃO É a apresentação do trabalho, na qual se informa a justificativa, o problema, a hipótese (se houver), os objetivos e a metodologia utilizada. É recomendável descrever o que será apresentado em cada capítulo. A introdução é um texto baseado na justificativa (expor de forma clara e objetiva a razão que o levou a aprofundar-se neste tema e realizar a pesquisa), no problema e/ou problemática (a questão levantada no projeto de pesquisa) e nos objetivos do projeto (aqueles que foram seguidos). Entretanto, não necessariamente nesta ordem. É um estilo diferente de texto com o verbo conjugado no pretérito e terceira pessoa (escreve-se após a realização da pesquisa bibliográfica e de campo). Além disto, apresentam-se os procedimentos metodológicos da pesquisa (tipo de pesquisa e instrumentos utilizados para a coleta de dados).

B) DESENVOLVIMENTO A parte principal do texto, dividido em capítulos ou seções e subseções em função da abordagem do tema e do método. Contém a descrição pormenorizada do assunto, fundamentação teórica, os resultados e respectivas discussões relacionando-os aos trabalhos analisados na revisão de literatura. A análise interpretativa deve apoiar-se em três aspectos fundamentais: a) Nos resultados alcançados nos estudo (respostas aos instrumentos, idéias dos documentos etc.); b) Na fundamentação teórica (manejo dos conceitos-chave das teorias e de outros pontos de vista); c) Na experiência pessoal do investigador.

17 C) CONCLUSÃO Este momento caracteriza-se como o “fechamento” do trabalho. O pesquisador discorre sobre o que alcançou com a pesquisa. Nesta última parte, pode ser feita a sinalização pretendida nos objetivos, inclusive deixar abertura para novos questionamentos que originarão da própria pesquisa. É importante expressar o ponto de vista do autor do trabalho, incluindo o alcance dos resultados, sugestões para novas pesquisas e as dificuldades encontradas na sua elaboração. O que alcançou com a pesquisa:

Sua pesquisa resolve e/ou amplia a compreensão, descobre outros problemas em relação ao problema originalmente escolhido? Os objetivos gerais e específicos previamente definidos foram

alcançados? A pesquisa bibliográfica foi suficiente para a consecução de seus propósitos? Houve a necessidade de adotar outras técnicas? A bibliografia previamente selecionada correspondeu às suas

expectativas? Qual é sua postura ao final da pesquisa com relação à leitura, análise, comparação e síntese de diferentes autores sobre o mesmo tema? “Aproveite este momento para o seu primeiro exercício de autonomia intelectual, pois na conclusão você pode anunciar o seu próprio ponto de vista com a certeza de que ele possui uma fundamentação teórica e científica [...]” (CERVO; BERVIAN, 2002, p. 147).

18 4 A PESQUISA CIENTÍFICA

4.1 Projeto de pesquisa

 Tema  Problema  Hipótese  Justificativa  Objetivos  Procedimentos Metodológicos  Conclusão  Referências

4.1.1 Tema

Questão: Qual é o assunto da pesquisa? O assunto que deseja desenvolver é o ponto inicial de toda a pesquisa. Assunto que representa alguma contribuição social de certa forma ligada à atualidade. A escolha do tema deve ser baseada em observações da vida profissional, situações pessoais, experiência científica etc.

4.1.2 Problemática e o problema

Pergunta-se: O que se quer resolver? Problema é uma dificuldade teórica ou prática no conhecimento de algo que possua real importância para qual se deve encontrar solução. Um problema de pesquisa científica é uma questão, uma sentença em forma interrogativa. A resposta à questão é procurada na pesquisa. A pergunta deve gerar a possibilidade de resposta

19

pela pesquisa. Muitas vezes propõe-se as possíveis respostas (são as certezas provisórias). A formulação de um problema requer conhecimento prévio e uma imaginação criadora. Deve-se cuidar para não incluir na formulação do problema a justificativa. Antes de formular o problema de pesquisa é interessante investigar os trabalhos já realizados em torno do tópico. O problema é algo que incomoda. Um problema de pesquisa não é um problema que se pode "resolver" pela intuição, pela tradição, pelo senso comum ou até pela simples especulação. Um problema de pesquisa supõe que informações suplementares devem ser obtidas a fim de cercá-lo, compreendê-lo, resolvê-lo ou eventualmente contribuir para a sua resolução.

4.1.3 Hipótese

O ponto básico do tema individualizado e especificado na formulação do problema, sendo uma dificuldade sentida compreendida e definida, necessita de uma resposta “provável, suposta e provisória”: Esta resposta é uma hipótese. (LAKATOS, 2006, p.104) Toda hipótese é uma afirmação. Há diferentes formas de hipóteses, entre elas: As que afirmam, em dada situação, a presença ou ausência de certos fenômenos; As que se referem à natureza ou características de dados fenômenos em uma situação especifica; As que apontam à existência ou não de determinadas relações entre fenômenos; As que prevêem variação concomitante, direta ou inversa, entre certos fenômenos. 4.1.4 Justificativa

Questão: Por que desejo investigar “este” tema?

20

A Justificativa consiste na exposição completa das razões de ordem teórica e dos motivos de ordem prática que tornam importante a realização da pesquisa. Pode incluir a experiência relacionada ao tema, observações (suas), citações de autores e afirmações que manifestam a importância da pesquisa na área. Neste tópico devese apontar as possibilidades de modificações no âmbito da realidade abarcada pelo tema proposto e mostrar a originalidade do tema tratado. A justificativa exige do pesquisador criatividade e capacidade de convencer na redação. A justificativa é a defesa que você faz do seu projeto. Nela você apresenta argumentos que convençam as pessoas que aquele trabalho é digno de interesse. Qual a importância daquele tema escolhido? Qual sua relevância para a sociedade? Ele pode contribuir de algum modo para o aperfeiçoamento da sociedade em que está inserido? Estas são perguntas que o pesquisador deve responder.

4.1.5 Objetivos

Questão: Para que? Trata-se de definir o que se visa com a pesquisa. São os resultados a que se pretende chegar. É o ponto de chegada, a meta final. É a contribuição que o projeto (a pesquisa) quer dar ao conhecimento daquele tema. A decisão fundamental é sempre sobre os objetivos. A formulação dos objetivos fica mais precisa, utilizando-se um verbo (no infinitivo) que descreve a ação, assim eliminam-se interpretações vagas e ambíguas. Os objetivos podem ser divididos em gerais e específicos: Objetivos gerais: Caracterizam-se por apresentarem enunciados mais amplos, que expressam uma filosofia de ação (referem-se ao problema como todo); Os verbos possíveis de muitas interpretações podem ser usados em objetivos gerais (sentido aberto). Exemplos: compreender, conhecer, desenvolver, demonstrar, entender, saber, comprovar etc.

21 Objetivos Específicos: São alcançáveis em menor tempo e explicitam desempenhos observáveis; São definidos mais restritamente; Permitem atingir o objetivo geral e aplicá-lo a situações concretas; São verbos com menos interpretações (sentido fechado). Exemplos: adquirir, aplicar, apontar, classificar, comparar, conceituar, caracterizar, enumerar, reconhecer, formular, enunciar, diferenciar, mobilizar, coletar, descrever, identificar, analisar, relacionar, generalizar, sinalizar, avaliar (propor saídas).

4.1.6 Procedimentos metodológicos

Responde à pergunta: Como? Com o que? Onde? Quando? Os procedimentos metodológicos devem apresentar inicialmente qual o tipo de pesquisa que o pesquisador/estudante optou. Falar sobre o tipo de pesquisa para que o leitor saiba do que se trata e de que forma foi elaborada a metodologia de pesquisa. A metodologia pode ser qualitativa, quantitativa ou quali-quantitativa e detalha as ações que serão realizadas na pesquisa de campo.

4.1.6.1 Pesquisa qualitativa

Segundo Oliveira (1999, p.117) as pesquisas qualitativas:
[...] possuem a facilidade de poder descrever a complexidade de uma determinada hipótese ou problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos experimentados por grupos sociais, apresentar contribuições no processo de mudança, criação ou formação de opiniões de determinado grupo e permitir, em maior grau de profundidade, a interpretação das particularidades dos comportamentos ou atitudes dos indivíduos.

Além de descrever os fatos ou fenômenos, a pesquisa do tipo qualitativa procura captar sua essência “[...] procurando explicar sua origem, suas

22

relações, mudanças” (TRIVIÑOS, 1987, p.129). De acordo com o autor a pesquisa qualitativa se preocupa com o processo e não simplesmente com os resultados obtidos.

4.1.6.2 Pesquisa quantitativa

A pesquisa quantitativa é um método de pesquisa social que utiliza técnicas estatísticas. Geralmente é utilizado em pesquisas nas áreas de Ciências Exatas e afins. As pesquisas quantitativas são mais adequadas para apurar opiniões e atitudes explícitas e conscientes dos entrevistados, pois utilizam instrumentos padronizados (questionários). São utilizadas quando se sabe exatamente o que deve ser perguntado para atingir os objetivos da pesquisa. Permitem que se realizem projeções para a população representada. Elas testam, de forma precisa, as hipóteses levantadas para a pesquisa e fornecem índices que podem ser comparados com outros.

4.1.7 Conclusão

Este momento caracteriza-se como o “fechamento” do trabalho. O pesquisador discorre sobre o que alcançou com a pesquisa. As conclusões devem: “Evidenciar as conquistas alcançadas com o estudo; Indicar as limitações e as reconsiderações; Apontar a relação entre os fatos verificados e a teoria.” (Trujillho Ferrari, 1982 apud Lakatos, 2006).

4.1.8 Referências

São todas as bibliografias utilizadas e citadas no corpo do trabalho. Devem aparecer em ordem alfabética, com espaçamento simples e alinhado à esquerda. Obedecendo a NBR 6023.

23 5 REDAÇÃO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO

A redação de um trabalho de graduação consiste na expressão, por escrito, do resultado de uma investigação. Trata-se de uma expressão bem fundamentada do material pesquisado, estruturado, analisado e elaborado de forma objetiva, clara e precisa. O trabalho acadêmico utiliza uma linguagem didática, cuja finalidade é transmitir conhecimentos. Requer uma atenção especial em relação às regras gramaticais, evitando não só o vocabulário popular, vulgar, mas também o pomposo, devendo ter caráter impessoal.

5.1 Regras para a redação

A redação de um trabalho de graduação requer a observação das seguintes normas: a) Saber o que vai escrever e para quê; b) Escrever sobre o que conhece; c) Expor as idéias e informar de maneira lógica; d) Respeitar as regras gramaticais; e) Evitar argumentação demasiadamente abstrata; f) Usar vocabulário técnico quando estritamente necessário; g) Evitar repetições de detalhes supérfluos; h) Manter a unidade e o equilíbrio das partes; i) Rever o que escrever.

24 5.2 Estilo

Embora cada pessoa tenha um estilo próprio, deve-se observar os seguintes aspectos na redação de um trabalho acadêmico: a) Clareza; b) Linguagem direta, precisa e acessível; c) Frases curtas e concisas; d) Simplicidade, evitando estilo prolixo e retórico; e) Vocabulário adequado; f) Impessoalidade.

5.3 Qualidade de um trabalho acadêmico

Na apresentação dos trabalhos em quaisquer disciplinas, devem constar: Introdução, Desenvolvimento, Conclusão e Referências. 1) Introdução: apresenta ao leitor o assunto que será tratado no trabalho, sua origem e etapas que foram desenvolvidas. 2) Desenvolvimento: é o corpo principal, contêm todos os dados solicitados pelo professor, o problema que está sendo discutindo e os resultados que foram alcançados. 3) Conclusão: descreve como o aluno (autor) entendeu o assunto que foi desenvolvido. O que ele conclui da pesquisa realizada. 4) Referência(s): apresenta a bibliografia que tenha sido utilizada. Esta referência pode ser de diversas naturezas: vídeo, artigos de jornais ou revistas, capítulos de livros e textos em geral.

25 6 APRESENTAÇÃO GRÁFICA

6.1 Tamanho do papel

O trabalho acadêmico deve ser apresentado em papel branco, tamanho A-4 (21 cm x 29,7 cm), digitado na cor preta.

6.2 Espaçamento

Em todo o texto deve-se usar o espaço entre linhas de 1,5 cm, com as seguintes exceções: Nas citações longas (mais de três linhas), notas de rodapé, referências, capa, folha de rosto, sumário, as legendas das ilustrações e tabelas, a ficha catalográfica, a natureza do trabalho, o objetivo, o nome da instituição a que é submetida, a área de concentração e resumos, tanto em português quanto em língua estrangeira, usa-se espaço simples. As referências, ao final do trabalho, além de utilizarem espaço simples entre linhas, devem ser separadas entre si por dois espaços simples entre uma referência e outra, com alinhamento à esquerda. Títulos das subseções: são separados do texto que os precede e os sucede por dois espaços de 1,5 (ABNT NBR 14724:2005).

6.3 Fonte

Usar a fonte Arial e tamanho da fonte 12 para títulos, texto e referências. Os títulos deverão ser em caixa alta e negrito. Usar tamanho menor (10) para as citações longas, as notas de rodapé, a paginação e as legendas das ilustrações e tabelas. 6.4 Numeração das seções

26

Indicativo numérico das seções: precede seu título alinhado à esquerda, separado por um espaço de caractere. Títulos sem indicativo numérico: Errata, Agradecimentos, Listas, Resumos, Sumário, Referências, Glossário, Apêndice, Anexo e Índice devem ser centralizados (ABNT NBR 6024).

6.5 Margem

As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de três centímetros (3 cm), direita e inferior de dois centímetros (2 cm).

6.6 Notas de rodapé

As notas de rodapé são digitadas dentro das margens indicadas, devendo ficar separadas do texto por um filete de três centímetros (3 cm) a partir da margem esquerda e tamanho de fonte 10.

6.7 Parágrafos

Os parágrafos são iniciados a 2,5 cm da margem esquerda. Na folha de rosto e na folha de aprovação, a natureza do trabalho, o objetivo, o nome da instituição a que é submetida e a área de concentração são alinhados no meio da página para a margem direita, com espaço simples no módulo justificado.

6.8 Numeração progressiva

Usa-se a numeração progressiva para as seções do texto. Os títulos

27 das seções primárias, por serem as principais divisões de um texto, devem iniciar em folha distinta. Destacam-se gradativamente os títulos das seções, utilizando-se os recursos de negrito, itálico e caixa alta.

6.9 Paginação

Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, são contadas sequencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada somente a partir da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito, a dois centímetros (2 cm) da borda superior. As referências, os apêndices e os anexos seguem a numeração da parte textual.

6.10 Ilustrações

Qualquer que seja o seu tipo (quadros, gráficos, lâminas, plantas, fotografias, mapas, fluxogramas, organogramas, esquemas, desenhos e outros) sua identificação aparece na parte inferior, precedida da palavra Ilustração, seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto em algarismos arábicos e do respectivo título, da fonte, e legenda explicativa, quando for o acaso. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do texto a que se refere e de forma centralizada e sem a necessidade de inserir bordas ao redor da ilustração. Exemplo:
Ilustração 3: Foto da fachada da Faculdade de Agudos realizada pelos alunos do curso XXX em 28 de fevereiro de 2004 por ocasião do início das aulas.

6.11 Tabelas

Número: As tabelas devem ter um número em algarismo arábico, seqüencial, inscrito em seu topo à esquerda da página, precedida da palavra Tabela. Exemplo: Tabela 5.1

28 Título: devem conter um título por extenso, inscrito no topo da tabela, para indicar a natureza e abrangência do seu conteúdo. Fonte: a fonte é colocada imediatamente abaixo da tabela em letra maiúsculo-minúscula para indicar a autoria dos dados e/ou informações da tabela, precedida da palavra Fonte. Exemplo: Tabela 1.3 Conceitos parciais no espaço físico Aspectos a serem avaliados Instalações para o acervo Pesos 40

Instalações para estudos individuais 30 Instalações para estudos em grupo 30

Fonte: Manual das Condições de Ensino para o curso de Administração.

29 7 CITAÇÃO

A apresentação das citações em documentos segue a normalização NBR 10520, de agosto de 2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Citação é “a menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte” (NBR10520, 2002, p.1).

7.1 Principais formas de citação

Direta, Indireta e Citação de Citação. 7.1.1 Citação direta

É a transcrição ou cópia de um parágrafo, uma frase ou uma expressão, usando EXATAMENTE as mesmas palavras empregadas pelo autor do trabalho consultado. Nesse caso, repete-se palavra por palavra, e estas devem vir seguidas da indicação da fonte consultada. Nas citações diretas, a indicação será feita pela chamada, seguida de vírgula, ano, vírgula e página da citação. Usa-se a abreviação de p. para página. Exemplo: “Não se mova, faça de conta que está morta.”(CRALAC; BONNIN, 1985, p. 72) .

7.1.2 Citação indireta ou paráfrase

É a transcrição das idéias de um autor usando suas próprias palavras. Ao contrário da citação direta, a citação indireta é encorajada, pois é a maneira que o pesquisador tem de ler, compreender e gerar conhecimento a partir do conhecimento de outros autores. (ALVES; ARRUDA, 2002). Nas citações indiretas é facultativo o uso da página.

30 7.1.3 Citação da citação

É a citação de um texto que tivemos acesso a partir de outro documento. A expressão apud – citado por, conforme, segundo – pode, também, ser usada no texto. Exemplo: Segundo Silva (1983 apud ABREU, 1999, p. 3) diz ser [...] Rodapé: É opcional fazer referência do autor citado. Referencial bibliográfico: faz-se a referência do documento consultado, conforme a NBR 6023 (2002). 7.2 Regras gerais para apresentação (NBR-10520, 2002)

a) Nas citações, as chamadas são feitas pelo sobrenome do autor, ou pela instituição responsável ou pelo título incluído na sentença. b) As chamadas, quando presentes no texto, são apresentadas em maiúscula quando estiverem dentro do parêntese e minúscula quando fora do parêntese. Exemplos: - A ironia seria, assim, uma forma implícita de heterogeneidade mostrada conforme a classificação proposta por Authier-Reiriz (1982). - “Apesar das aparências, a desconstrução do logocentrismo não é uma psicanálise da filosofia [...]” (DERRIDA, 1967, p. 293). c) Citações, com até três linhas, devem ser inseridas entre “aspas duplas” no texto. As aspas simples são utilizadas para indicar citação dentro de citação. Exemplos: Segundo Sá (1995 p. 27): “[...] por meio da mesma ‘arte de conversação’ que abrange tão extensa e significativa parte da nossa existência cotidiana [...]” d) Citações com mais de três linhas: devem ser destacadas com recuo de quatro centímetros (4cm) ou 28 toques da margem esquerda com um tipo de letra menor do que a utilizada no texto, letra tamanho10, sem as aspas e com espaçamento simples. (NBR 14724, 2002, p. 5).

31

Exemplo:
A teleconferência permite ao indivíduo participar de um encontro nacional ou regional sem a necessidade de deixar seu locar de origem. Tipos comuns de teleconferência incluem o uso da televisão, telefone, e computador. Através de áudio-conferência, utilizando a companhia local de telefone, um sinal de áudio pode ser emitido em um salão de qualquer dimensão. (NICHOLS, 1993, p. 181).

e) Nas citações não se usa itálico ou negrito. f) Devem ser indicadas as supressões, interpolações, comentários, ênfase ou destaques, do seguinte modo: Supressões: indicam interrupção ou omissão da citação sem alterar o sentido do texto. São indicadas pelo uso de reticências entre colchetes, no início, meio ou final da citação. [...] Interpolações: acréscimos ou comentários inseridos em citações são indicados entre colchetes. [ ].

Incorreções e incoerências no texto são indicadas pela expressão [sic], imediatamente após a sua ocorrência. A expressão sic significa, assim mesmo, isto é, conforme o original. Ênfase: para dar ênfase (indicar espanto, admiração), usa-se ponto de exclamação entre colchetes, após o que se deseja enfatizar. [!] Dúvidas: para indicar dúvida, usa-se ponto de interrogação entre colchetes, após o que se deseja questionar. [?] As palavras ou expressões destacadas no texto, devem ser seguidas de uma das expressões: grifo nosso, grifo do autor. Exemplos: “[...] para que não tenha lunar a produção de degenerados, quer physicos quer Moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (SOUTO, 1916, p. 46, grifo nosso).

32 “[...] desejo de criar uma literatura independente, diversa, de vez que, aparecendo o classicismo como manifestação de passado colonial [...]” (CANDIDO, 1993, v. 2, p. 12, grifo do autor). Tradução: quando o texto citado for traduzido pelo autor, faz-se uma citação indireta, seguido da expressão: tradução nossa (entre parênteses). Exemplo: “Ao fazê-lo pode estar envolto em culpa, perversão, ódio de si mesmo [...] pode julgar-se pecador e identificar-se com seu pecado.” (RAHNER, 1962, v. 4, p. 463, tradução nossa).

7.3 Sistemas de chamada

7.3.1 Sistema Autor-data

A) Quando o(s) nome(s) do(s) autor(es), instituição(ões) responsável(eis) estiverem incluídos na sentença, indica-se a data, entre parênteses, para citação indireta. Para citações diretas inclui-se a indicação de página. Exemplos: No texto: A chamada “pandectística havia sido a forma particular pela qual o direito romano fora integrado no século XIX na Alemanha em particular.” (LOPES, 2000, p. 225). Na lista de referência: LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. São Paulo: Max Limonad, 2000. B) Quando houver coincidência de sobrenomes de autores, acrescentam-se as iniciais de seus prenomes; se mesmo assim existir coincidência, colocam-se os prenomes por extenso. Exemplos: (BARBOSA, C., 1958) (BARBOSA, Cássio, 1965) (BARBOSA, O., 1959) (BARBOSA, Celso, 1969)

33

C) As citações de diversos documentos de um mesmo autor, publicados num mesmo ano, são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas, em ordem alfabética, após a data e sem espaçamento, conforme a lista de referências. Exemplos: De acordo com Reeside (1927a) (REESIDE, 1927b) D) As citações indiretas de diversos documentos da mesma autoria, publicados em anos diferentes e mencionados simultaneamente, têm as suas datas separadas por vírgula. Exemplos: (DREYFUSS, 1989, 1991, 1995) (CRUZ; CORREA; COSTA, 1998, 1999, 2000) E) As citações indiretas de diversos documentos de vários autores, mencionados simultaneamente, devem ser separadas por ponto-e-vírgula, em ordem alfabética. Exemplo: Ela polariza e encaminha, sob a forma de “demanda coletiva”, as necessidades de todos (FONSECA, 1997; PAIVA, 1997; SILVA, 1997).

F) Pela primeira palavra do título seguida de reticências, no caso das obras sem indicação de autoria ou responsabilidade, seguida da data de publicação do documento e da(s) página(s) da citação, no caso de citação direta, separados por vírgula e entre parênteses; Exemplo: No texto: “As IES implementarão mecanismos democráticos, legítimos e transparentes de avaliação sistemática das suas atividades, levando em conta seus objetivos institucionais e seus compromissos para com a sociedade.” (ANTEPROJETO..., 1987, p. 55). Na lista de referências: ANTEPROJETO de lei. Estudos e Debates, Brasília, DF, n. 13, p.51-60, jan. 1987.

G) Se o título iniciar por artigo (definido ou indefinido), ou monossilábico, este deve ser incluído na indicação da fonte. Exemplo: No texto:

34

E eles disseram “globalização”, e soubemos que era assim que chamavam a ordem absurda em que dinheiro é a única pátria à qual se serve e as fronteiras se diluem, não pela fraternidade, mas pelo sangramento que engorda poderosos sem nacionalidade. (A FLOR..., 1995, p. 4). Na lista de referências: A FLOR Prometida. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. 4, 2 abr. 1995.

35 8 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Elementos que sucedem o texto. Referências: constitui uma lista ordenada dos documentos efetivamente citados no texto, elaborados de acordo com a NBR 6023. Glossário: consiste de uma lista em ordem alfabética de palavras ou expressões técnicas usadas no texto, acompanhada das respectivas definições. Apêndices: texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar o texto principal. Anexos: texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação ou ilustração, tais como leis, questionários, estatísticas, relação de itens a observar na pesquisa. Nota: Os apêndices e os anexos são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e respectivos títulos. Exemplo: APÊNDICE A - Experiência com o Ensino Superior Índices: consiste de listas em ordem alfabética de palavras ou expressões importantes usadas no texto, acompanhada das respectivas páginas onde figuram.

8.1 Referências

8.1.1 Definições

Autor(es): Pessoa (s) física (s) responsável (eis) pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de um documento. Autor(es) entidade(es): instituição(ões), organização(ões), empresa(s), comitê(s),

36

comissão(ões), evento(s), entre outros, responsável(eis) por publicações em que não se distingue autoria pessoal. Documento: qualquer suporte que contenha informação registrada, formando uma unidade, que possa servir para consulta, estudo ou prova. Inclui impressos, manuscritos, registros audiovisuais, sonoros, magnéticos e eletrônicos, entre outros. Edição: todos os exemplares produzidos a partir de um original ou matriz. Pertencem à mesma edição de uma obra todas as suas impressões, reimpressões, tiragens etc, produzidas diretamente ou por outros métodos, sem modificações, independentemente do período decorrido desde a primeira publicação. Editora: casa publicadora, pessoa (s) ou instituição responsável pela produção, editorial. Conforme o suporte documental, outras denominações são utilizadas: produtora (para imagens em movimento), gravadora (para registros sonoros), entre outras. Nota: não confundir com designação do editor, utilizada para indicar o responsável intelectual ou científico que atua na reunião de artigos para uma revista, jornal etc. ou que coordena ou organiza a preparação de coletâneas. Publicação periódica: publicação em qualquer tipo de suporte, editada em unidades físicas sucessivas, com designações numéricas e/ou cronológicas e destinada a ser continuada indefinidamente. Referência: conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual. Subtítulo: informações apresentadas em seguida ao título, visando esclarecê-lo ou complementá-lo, de acordo com o conteúdo do documento. Título: palavra, expressão ou frase que designa o assunto ou o conteúdo de um documento.

37 8.1.2 Localização

As referências podem vir: - Em listas após o texto, antecedendo os anexos; - No rodapé; - No fim do capítulo; - Antecedendo resumos, resenhas e recensões (listas).

8.1.3 Aspectos gráficos

Espaçamento: as referências devem ser digitadas, usando espaço simples entre as linhas e dois espaços para separá-las. Alinhamento: as referências são alinhadas somente à margem esquerda. Pontuação: Usa-se ponto após o nome do autor/autores, após o título, edição e no final da referência; Os dois pontos são usados antes do subtítulo, antes da editora e depois do termo In:; A vírgula é usada após o sobrenome dos autores, após a editora, entre o volume e o número, páginas da revista e após o título da revista; O ponto e vírgula, seguido de espaço, é usado para separar os autores; O hífen é utilizado entre páginas (ex: 10-15) e entre datas de fascículos seqüenciais (ex: 1998-1999); A barra transversal é usada entre números e datas de fascículos não seqüenciais (ex: 7/9, 1979/1981); O colchete é usado para indicar os elementos de referência, que não aparecem na obra referenciada, porém são conhecidos (ex: [1991]); Os parênteses são usados para indicar série, grau (nas monografias de conclusão de curso e especialização, teses e dissertações) e para o título que caracteriza a função e/ou responsabilidade, de forma abreviada. (Coord.,

38

Org., Comp.). As reticências são usadas para indicar supressão de títulos. Maiúsculas: usam-se maiúsculas ou caixa alta para:  Sobrenome de autor;  Primeira palavra do título quando este iniciar a referência;  Entidades coletivas (na entrada direta);  Nomes geográficos (quando anteceder um órgão governamental da administração: Ex: BRASIL. Ministério da Educação);  Títulos de eventos (congressos, seminários, etc.) Grifo: usa-se sublinhado, itálico ou negrito para:  Título das obras que não iniciam a referência;  Título dos periódicos;  Nomes científicos, conforme norma própria. Abreviaturas: devem ser conforme a NBR10522. Meses: Janeiro – jan. Julho – jul. Abril – abr. Outubro – out.

Fevereiro – fev. Agosto – ago Março – mar. 8.1.4 Tipos de referências

Maio – maio Novembro – nov.

Setembro – set. Junho – jun. Dezembro – dez.

Autor- pessoal Nota: "Indicar o sobrenome, em caixa alta, seguido do prenome, abreviado ou não desde que haja padronização neste procedimento, separados entre si por ponto e vírgula seguidos de espaço" (NBR 6023). Um autor SCHÜTZ, Edgar. Reengenharia mental: reeducação de hábitos e programação de metas. Florianópolis: Insular, 1997. 104 p. Dois autores SÓDERSTEN, Bo; GEOFREY, Reed. International economics. 3. ed. London:

39

MacMillan, 1994. 714 p. Três autores NORTON, Peter; AITKEN, Peter; WILTON, Richard. Peter Norton: a bíblia do programador. Tradução: Geraldo Costa Filho. Rio de Janeiro: Campos, 1994. 640 Mais de três autores BRITO, Edson Vianna, et al. Imposto de renda das pessoas físicas: livro prático de consulta diária. 6. ed. atual. São Paulo: Frase Editora, 1996. 288 p. Nota: Quando houver mais de três autores, indicar apenas o primeiro, acrescentando-se a expressão et al. (ou et alli) Em casos específicos tais como projetos de pesquisa científica nos quais a menção dos nomes for indispensável para certificar autoria, é facultado indicar todos os nomes. Quando houver indicação explícita de responsabilidade pelo conjunto da obra, em coletâneas de vários autores, a entrada deve ser feita pelo nome do responsável, seguida da abreviação, no singular, do tipo de participação (organizador, compilador, editor, coordenador etc.), entre parênteses.

Exemplo: FERREIRA, Léslie Piccolotto (Org.) O fonoaudiólogo e a escola. São Paulo: Summus, 1991. Autor desconhecido Nota: Em caso de autoria desconhecida, a entrada é feita pelo título. O termo anônimo não deve ser usado em substituição ao nome do autor desconhecido. Exemplo: DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1993. 64 p. Organizadores, compiladores, editores, adaptadores, etc. Nota: Quando a responsabilidade intelectual de uma obra for atribuída a um organizador, editor, coordenador, etc., a entrada da obra é feita pelo sobrenome, seguido das abreviaturas correspondentes entre parênteses. Quando houver mais de um organizador ou compilador, deve-se adotar as mesmas regras para autoria (itens: 5.1.4.1 a 5.1..4.5)

40 BOSI, Alfredo (Org.). O conto brasileiro contemporâneo. 3. ed. São Paulo: Cultrix, 1978. 293 p. Autor entidade coletiva (Associações, Empresas, Instituições). Nota: Obras de cunho administrativo ou legal de entidades independentes, entrar diretamente pelo nome da entidade, em caixa alta, por extenso, considerando a subordinação hierárquica, quando houver. Exemplo: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Instituto Astronômico e Geográfico. Anuário astronômico. São Paulo,1998. Órgãos governamentais Nota: Quando se tratar de órgãos governamentais da administração (Ministérios, Secretarias e outros) entrar pelo nome geográfico em caixa alta (país, estado ou município), considerando a subordinação hierárquica, quando houver. Exemplo: BRASIL. Ministério do Trabalho. Secretaria de Formação e Desenvolvimento Profissional. Educação profissional: um projeto para o desenvolvimento sustentado. Brasília: SEFOR, 1995. 24 p.

8.1.5 Modelos de referência

Dissertações e teses: AUTOR. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas ou volumes. Categoria (Grau e área de concentração) - Instituição, local.

Exemplo: RODRIGUES, M. V. Qualidade de vida no trabalho. 1989. 180f.. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Referências legislativas: A) Constituições

41

PAÍS, ESTADO ou MUNICÍPIO. Constituição (data de promulgação). Título. Local: Editor, Ano de Publicação. Número de páginas ou volumes. Notas.

Exemplo: BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Juarez de Oliveira. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990. 168 p. (Série Legislação Brasileira). B) Leis e decretos PAÍS, ESTADO ou MUNICÍPIO. Lei ou Decreto número, data (dia, mês e ano). Ementa. Dados da Publicação que publicou a lei ou decreto.

Exemplo: BRASIL. Decreto n. despacho de aeronave em serviço internacional. Lex: Coletânea de Legislação e Jurisprudência, São Paulo, v. 48, p. 3-4, jan./mar.,1. trim. 1984. Legislação Federal e marginália.89.271, de 4 de janeiro de 1984. Partes de documentos: A) Capítulos de livros NOGUEIRA, D. P. Fadiga. In: FUNDACENTRO. Curso de médicos do trabalho. São Paulo, 1974. v.3, p. 807-813. B) Trabalhos apresentados em congressos, conferências, workshops, jornadas, encontros e outros eventos científicos. simpósios,

AUTOR. Título do trabalho. In: NOME DO CONGRESSO, número, ano, cidade onde se realizou o congresso. Título (Anais ou Proceedings ou Resumos…). Local de publicação: Editora, data de publicação. Total de páginas ou volumes. Páginas inicial e final do trabalho. Exemplo: RODRIGUES, M. V. Uma investigação na qualidade de vida no trabalho. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 13., Belo Horizonte, 1989. Anais… Belo Horizonte: ANPAD, 1989. 500 p. p. 455-468.

42 Publicação periódica1 como um todo: Os elementos essenciais são: título, local de publicação, datas de início e de encerramento da publicação, se houver. A) Revistas Exemplo: REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. Rio de Janeiro: IBGE, 1939B) Coleções TITULO DO PERIÓDICO. Local de publicação (cidade): Editora, ano do primeiro e último Volume. Periodicidade. ISSN (Quando houver).

Exemplo: TRANSINFORMAÇÃO. Campinas: PUCCAMP. 1989-1997. Quadrimestral. ISSN: 0103-3786. C) Fascículos TÍTULO DO PERIÓDICO. Local de publicação (cidade): Editora, volume, número, mês e ano.

Exemplo: VEJA. São Paulo: Editora Abril, v. 31, n. 1, jan. 1998. D) Fascículos com título próprio TÍTULO DO PERIÓDICO. Titulo do fascículo. Local de publicação (cidade): Editora, volume, número, mês e ano. Notas

Exemplos: GAZETA MERCANTIL. Balanço anual 1997. São Paulo, n. 21, 1997. Suplemento. EXAME. Melhores e maiores: as 500 maiores empresas do Brasil, São Paulo: Abril. jul. 1997. Suplemento. Parte de Publicação periódica2 :
1 2

Artigos científicos de revistas, editoriais, matérias jornalísticas, seções, reportagens etc. Inclui volume, fascículo, números especiais e suplementos, entre outros, sem título próprio.

43

A) Artigo de revista AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título da Revista, (abreviado ou não) Local de Publicação, Número do Volume, Número do Fascículo, Páginas inicial-final, mês e ano.

Exemplo: ESPOSITO, I. et al. Repercussões da fadiga psíquica no trabalho e na empresa. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo, v. 8, n. 32, p. 37-45, out./dez. 1979. B) Artigo de jornal AUTOR DO ARTIGO. Título do artigo. Título do Jornal, Local de Publicação, dia,mês e ano. Número ou título do caderno,seção ou suplemento e páginas inicial e final do artigo. Nota: Os meses devem ser abreviados de acordo com o idioma da publicação, conforme modelo apresentado no 2.3.6. Quando não houver seção, caderno ou parte, a paginação do artigo precede a data. Exemplos: OLIVEIRA, W. P. de. Judô: Educação física e moral. O Estado de Minas, Belo Horizonte, 17 mar. 1981. Caderno de esporte, p. 7. SUA safra, seu dinheiro. Folha de São Paulo. São Paulo, 17 ago. 1995. 2. cad. C) Artigo e/ou matéria de revista, boletim etc. em meio eletrônico As referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de revista, boletim, etc., acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, online etc.). Exemplo: VIEIRA, Cássio Leite; LOPES, Marcelo. A queda do cometa. Neo Interativa. Rio de Janeiro, n. 2, inverno 1994. 1 CD-ROM. Monografias consideradas no todo (On-line): AUTOR. Título. Local (cidade): editora, data. Disponível em: < endereço>. Acesso em: data.

44

Exemplo: ESTADO DE SÃO PAULO. Manual de redação e estilo. São Paulo, 1997. Disponível em: http://www1.estado.com.br/redac/manual.html>. Acesso em: 19 maio 1998. Publicações periódicas consideradas no todo (On-line): TÍTULO DA PUBLICAÇÃO. LOCAL (cidade): Editora, volume, número, mês, ano. Disponível em: <endereço>. Acesso em: data. Exemplo: CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, Brasília, v. 26. n.3, <http://www.ibict.br/cionline>. Acesso em: 19 maio 1998. Partes de publicação periódicas (On-line): AUTOR. Título do artigo. Título da publicação seriada, local, volume, número, mês, ano.. Paginação ou indicação de tamanho. Disponível em: <Endereço.>. Acesso em: data. Exemplos: MALOFF, Joel. A internet e o valor da "internetização". Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 3, 1997. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/>. Acesso em: 18 maio 1998. WINDOWS 98: o melhor caminho para atualização. PC World, São Paulo, n. 75, set. 1998. Disponível em: <http://www.idg.com.br/abre.htm>. Acesso em: 10 set. 1998. 1997. Disponível em:

8.2 Índices

Para facilitar a busca de palavras ou expressões importantes sobre o assunto tratado, pode-se construir um ou mais índices temáticos. Apresenta-se uma listagem de palavras em ordem alfabética e as várias páginas onde ela aparece no texto, separando cada número de páginas por vírgula. Exemplo: Deficiência mental: p. 03, 35, 36, 39, 47 e 54 Fordismo: p. 12,19 e 27 Guia de Turismo: p. 34 e 49

45 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação – citações em documentos - Apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002. CERVON, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 4. ed. São Paulo: MAKRON Books, 1996. 242p. ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 14. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998. 174p.

GONÇALVES, Elisa Pereira. Escolhendo o percurso metodológico. In: __________. Conversas sobre iniciação à pesquisa. São Paulo: Alínea, 2001. p. 63-73. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de A. Metodologia do trabalho científico. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1992. p. 214. OLIVEIRA, S. Tratado de metodologia cientifica: projetos de pesquisa, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira, 1999. 320 p. ORTIZ, Hilda B. D. (Org.). Cadernos metodológicos: diretrizes de metodologia científica. Chapecó: Grifos, 1999. 84p. PÁDUA, Elisabete M. Marchesini de. Metodologia da pesquisa: abordagem teóricoprática. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2000. 120 p. RAMPAZZO, Lino. Ética e metodologia científica. Revista de ciências da educação. São José dos Campos, n 3, p. 149-164, nov./2000. SANTOS, Antonio Raimundo dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2000. 144p. TRIVINOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1990. 171p.

46

APÊNDICES

47 APÊNDICE 01 Dúvidas mais comuns sobre citações 1) Quando há mais de um autor para a obra, como proceder? Até três autores, pode-se citar todos, separando-os com ponto e vírgula, na ordem em que aparecem na publicação (algumas publicações colocam os mais titulados antes, outras seguem ordem alfabética do sobrenome, e outras ainda seguem por idade, sendo os mais velhos primeiro). Ex.: SANTOS, Carlos SANTOS, Alberto Antônio BARRETO, Maria Cristina Como há dois sobrenomes iguais, optamos por colocar em ordem alfabética dos nomes, assim: BARRETO, Maria Cristina; SANTOS, Alberto Antônio; SANTOS, Carlos. Com mais de três autores, usa-se somente o primeiro seguido da expressão et alli (ou et al. que é sua abreviação) Exemplo: SANTOS, Fernando et al. 2) Quando o trecho que eu quero citar começa em uma página e termina em outra, como faço para indicar a página? Indique a página inicial e final, podendo-se abreviar o número quando se tratar de centenas ou mesmo dezenas, mas nada impede de registrar o número todo. Exemplos: (BARRETO, 2002, p. 129-131) - indica que começou na página 129 e terminou na 131. (BARRETO, 2002, p. 129-31) - indica o mesmo que o exemplo anterior. (SANTOS, 1999, p.123-124) - indica que começou na página 123 e terminou na 124. (SANTOS, 1999, p. 123-4) - indica o mesmo que o exemplo anterior. 3) Quando o livro que estou usando cita outro autor e eu quero justamente esta parte? Esta é a citação da citação, que em regra deve ser evitada, ou seja, busque a obra no original, mas nem sempre isso é possível, assim temos segundo a NBR 10520 de agosto de 2002 em seu item 7.1.3 afirma que a expressão apud (que significa citado por, conforme ou segundo) pode ser usada no texto. Podem ser usados os termos

48

em português. Exemplos 3.1 (forma indireta) Segundo Silva (1983 apud ABREU, 1999, p.3) diz ser [...] Segundo Silva (1983 citado por ABREU, 1999, p.3) diz ser [...] Segundo Silva (1983 conforme ABREU, 1999, p.3) diz ser [...] 3.2 (forma direta) "[...] o viés organicista da burocracia estatal e o antiliberalismo da cultura política de 1937, [...]"(VIANNA, 1986, p.172 apud SEGATTO, 1995, p.214-215). 4) Quando não há autor, como faço a citação? Usa-se o título da obra como se fosse o autor, com a primeira palavra toda em maiúsculas seguida de reticências: Exemplo: No texto (forma indireta): "E eles disseram "globalização", e soubemos que era assim que chamavam a ordem absurda em que dinheiro é a única pátria à qual se serve [...]" (A FLOR..., 1995, p.4) IMPORTANTE: Na lista de referências deve aparecer assim: A FLOR Prometida. Folha de S. Paulo, São Paulo, p.4, 2 abr. 1995. 5) Quando uso obras consultadas online (internet)? Também são essenciais as informações sobre o endereço eletrônico. Como não há regra definida ainda, usaremos a seguinte forma: Indique o nome do site ou portal como autor e a data de acesso como ano, seguindo as mesmas regras de um livro: Exemplos: 5.1 (forma direta) Conforme apresentado no site da Chevrolet do Brasil: chevrolet.com.br (23 jul. 2004) "alguns modelos dos veículos Chevrolet podem ser adquiridos via internet." 5.2 (forma indireta) Somente os modelos básicos e populares da Chevrolet estão disponíveis para comercialização via internet (CHEVROLET.COM.BR, 23 jul. 2004) 6) Como faço para citar algo que anotei de uma palestra?

49

Quando a citação se tratar de dados obtidos por informação verbal (palestras, debates, comunicações, etc.), indicar, entre parênteses, a expressão – informação verbal -, mencionando os dados disponíveis, em nota de rodapé. Exemplo: No texto: O novo medicamento estará disponível até o final deste semestre (informação
1

verbal) . No rodapé da página: ______________
1

Notícia fornecida por John A. Smith no Congresso Internacional de Engenharia Genética, em Londres, em outubro de 2001.

Quaisquer interferências no texto devem adotar o mesmo sistema acima, como por exemplo, entrevistas, programas de rádio de etc. Para mais detalhes, consulte a norma NBR 10520 de agosto de 2002, publicada pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. 7) Como referenciar autores e títulos iguais? Se desejar, o autor e o título poderão ser substituídos por um traço sublinear (equivalente a 6 espaços) e ponto. Exemplos: CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionário de dificuldades da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1996. ______. Novíssima gramática da língua portuguesa. 17. ed. São Paulo: Nacional, 1977. ______. ______. 9. ed. São Paulo: Nacional, 1968.

50 APÊNDICE 02 NORMAS PARA A ENCADERNAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS A padronização tanto da capa como do trabalho no todo está na NORMA 14724/2002, explicando detalhadamente toda a estrutura do trabalho bem como quais as informações que devem constar em cada página. Para a capa, os elementos são os descritos abaixo, nesta seqüência: 1 - Nome da Instituição: opcional (o aluno indica se quiser, não é obrigatório) 2 – Nome do autor do trabalho (obrigatório) 3 – Título do trabalho (obrigatório) 4 – Local (cidade) (obrigatório) 5 – Ano
MODELO DE CAPA:
3 cm FACULDADE DE AGUDOS – FAAG (Times ou Arial, centralizado, negrito, maiúsculo, tamanho 14)

AUTOR

3 cm TÍTULO DO TRABALHO:

2 cm

Agudos 2010
3 cm

51
Obs: O projeto gráfico é de responsabilidade do autor (geralmente usa-se um tamanho maior para o título (fonte 14) ou em caixa alta) mas é o autor quem decide a melhor forma de destaque. Somente lembrar que a norma recomenda o negrito, itálico ou sublinhado para destaque. Para a lombada, os elementos são os descritos abaixo, escritos longitudinalmente do alto para o pé da lombada:

LOMBADA: 1 – Autor do trabalho (SOBRENOME, Nome Prenome). Ex: PAULO, R. B. 2 – TITULO, maiúsculo, se muito extenso e não couber na lombada, indicar com o sinal [...], que existe continuação. 3 – nº de volumes, para trabalhos com mais de um volume.

Deixar 5 cm de rodapé livre para a etiqueta

CORES DOS CURSOS: Pedagogia: Verde Petróleo Administração: Monografia = Azul Marinho Relatório de Estágio = Azul Royal Turismo: Bordo Direito empresarial e bancário: Vermelho Engenharia de Produção: Azul Riviera As letras devem estar escritas em DOURADO

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful