You are on page 1of 15
indices para catdlogo sistematico: 4 Marilda Villela lamamoto : RENOVACAO E CONSERVADORISMO ‘ —_ NOSERVICO SOCIAL Ensaios criticos 4 2? EDICAO SSe Ho monopotista, implica nao sb o agravamento das tensées sociais como a ampliagio do proceso de pauperizagao absoluta e relativa dos trabalhadores e das seqielas dat derivadas. A “rise do milagre” econdmico brasileiro permite 0 reaparecimento, na superficie da cena politica, da presenca fortalecida e reorganizada dos trabalhadores ema seus. movimentos sociais, apesat da assisténcia e da repressio. Esse quadro conjuntural representard, para os Assistentes Sociais, uuma_ampliagéo. crescente de seu campo de trabalho, Paralelamente, diversificard as demandas feites ao meio profissional no sentido de assumir ¢ enfrentar uma série de tarefas ¢ fungOes relativas & imple- mentagio das politicas sociais, dentro da nova racionalidade que 0 modelo politico impée. A iss0’se acrescem os efeitos da burocratize- go crescente produizidos pela modernizacio do aparelho de Estado. Este fato, que também sv reflete no interior das empresas, torna ainda ais nevessdria a existéncia de funcionérios especializados nas tarcfas de interpretagio e encaminhamento para a cbtengdo. dos “beneficios” ‘que se referem aquelas politicas. Assim, obserya-se que o crescimento da demanda e das exigacias postas por essa conjuntura a0 meio pro- fissional nada mais € do que um aspecto da resposta institucional 0 agravamento das condig6es de vida do proletariado. Em outros termos, a ampliagdo do mercado de trabalho ¢ 0 reforgo da legitimidade do Servigo Social diante do poder ¢ expressao da resposta das classes dominantes a0 enfrentamento das novas formas de expressio da questéo social, que tem como pano de fundo a ampliagdo do processo de pauperizagao dos trabalhadores, dentro de uma conjuntura em que sua capacidade de luta encontra-se gravemente afetada pela poli: tica de desorganizagio e repressio as suas entidades de classe. Nesse quadro, a instituigio Servico Social ever capacitarse @ fornecer uma resposta que @ atualize, em face dos novos desafios que Ihe sf0 postos pela conjuntura politico-econdmica, Estes se traduzem numa Feavaliagdo da atuagao profissional, seja numa linha de tecnificagdo pragmatista modernizadora, seja numa busca de questionamento das prOprias bases da legitimidade dessa demanda. © O Servico Social na divisdo do trabatho* [A insergio do Servigo Social na divisdo do trabalho e as novas perspectivas dat decorrentes siio um produto histérico. Dependem, fundamentalmente, do grau de maturago © das formas assumidas pelos embates das’ classes sociais subalternas com 0 bloco do poder hho enfrentamento da “questo social” no capitalismo monopolista; dependem, ainda, do caréter das politicas do Estado, que, articuladas 20 contexto internacional, vao atribuindo especificidades & configura sao do Servigo Social na divisio social do trabalho Assim sendo, a tarefa de doslindar a temética proposta s6 pode ser fruto de um ésforgo coletivo, conjugando as méltiplas contribui- ‘gees que terdo lugar neste encontro, Esta observagdo adquire maior forca diante da situagio de turbuléncia que se verifica na América Central. Um momento de profunda crise econdmico-social que assola todo o continente, agravada pelo embate politico-armado aberto com 1s forgas pré-imperialistas, tem lugar na regio, expressando graus diferenciais de pressio, do estdeio ¢ das formas da luta a que se somam as exigéncias da reconstrucgo nacional mnsideragdes levaram-me a situar 0 tema em um nivel maior Area pe brasileira —, de modo « sugerir alguns elementos teGricometodols- México * Conferéneia pronunciada no [IT Encuentro de Trabajo Social: » América Contra y"Catbe, realizado em Teptcigaipa (Honduras, de 26 50 de agosto de 1985, sobre a temétice principal do evento: "Servigo, Social ¢ Participagio Comunitéria: Novas Perspectivas do Espago Profissional” 87 gicos que possam adensar o debate adeqt distintas realidades nacionais, é-lo ds particularidades das 1, Parametros analiticos © significado sécio-histérico de pritica profissional sé 6 desven- dado a partir de sua inserea0 na sociedade, visto que o Servigo Social s¢ alirma como uma instituicgo peculiar na e a partir da divisao do trabathe, Para apreender o significado social da prética profissional supde inseri-la no conjunto das condicdes ¢ relagées sociais que Ihe atribuem um sentido histérico © nas quais se toma possivel © necessaria, O Servigo Social afizmase como um tipo de especializagao do trabalho coletivo, a0 se constituir em expressio de necessidedes sociais deriv das da prética histGrica das classes socieis no ato de produzir e repro. duzir seus meios de vida © de trabalho de forma socialmente deter. minada, E nevessério, assim, efetuar um esforgo de clucidacio do signi- ficado social da profissio na sociedade capitalista. E nesta direcio que ‘caminha @ presente andlise: situar o Servigo Social nas relagdes entre as classes sociais que conformam o desenvolvimento de sociedade (ten. do 9 caso brasileiro como ponto de referéncia), buscando apreender es plicagses sociopoliticas deste exercicio profissional, inserito na di sto social do trabalho. SupGe indagagées como: o qiie determina socialmente a necessi dade deste profissional? Que interesses coletivos encontramse em jogo ‘na institucionalizagéo ¢ desenvolvimento da profisséo? A quem o Scrvigo Social vem servindo prioritariamente, ao Estado ¢ 3s insti. tigées privadas patronais (que contratam predominantemente 0 pro fissional) ou aqueles a quem se dizige a acao profissional? Qual o peso da organizagao e da mobilizacio popular na configuragéo do Servigo Social e como este se relaciona com as foreas organizadas da sociedade em sua Iuta pela hegemonia? Essa abordagem presenta de imediato as implicagées polfticas da pritica profissional, polatizada por interesses de classes, pelo jogo das foreas sociais tal como se expressa em detetminadas conjuntiras Esta linkia enalitice supée considerar: a) a5 determinagdes histricas da pritica profissional, isto é 4 aluagio profissional como atividade socialmente determineda pelas circunstdncias sociais objetivas que conferem uma ditecdo social & pri fica profissional, 0 que condiciona e/ou ultrapassa a yontade e/ou consciéncia de seus agentes individuals; 88. b) a profissio como realidade vivida © representada ne e pele conscigneia de seus agentes profissionais, expressa pelo discurso ted ricorideol6gico sobre 0 excrefcio profissional. A unidade entre essas duas “dimensdes” € contradit6ria, podendo haver uma defasagem entre condigdes ¢ efeitos da profissdo © as representagdes que legitimam esse fazer. Em outros tetmos: uma defasagem entre intengdes expressas no discurso que ratifica este fazer ¢ 0 exercicio € resultados desse mesino fazer. Desvendar a profissdo supde, pois, inserila no processo social! za sua dupla. dimensdo: da direcio objetiva que assume e da conscién- cia subjetiva da situasio, Deriva daf 0 centro da presente reflexio, que busca privilegiar, articuladamente 48) 0 modo de inseredo da prética profissional nas relagGes sociais capitalistas, tendo como pano de fundo os novos contornos da questo social no capitalismo monopotista © a participacdo popular; ) 0 modo de pensar que informa as respostas dadas pela cate- gotia profissional a8 novas demaclas sociais que se manifestam na conjuntura latino-americana. © clemento unificedor desta andlise ¢ a problematizagio da legi- timidade e crise da profissdo, em suas raizes sociais ¢ tedricas Trata-se, portanto, de um. esforgo de compreender a prétice pro fissional na_sua dimensdo histérica, como, uma_prética em. processo, em, constante, renovacdo, fato este ‘derivado, ‘undamentalmente, das ‘modificacdes ‘Verificadas nas formas de expresso e no aprofunda- mento das contradigdes que peculiarizam o desenvolvimento de nossas sociedades. A medida que novas situagdes hist6ricas se apresentam, a pritica_profissional — enquanto componente destas — é obrigada a se redefinis. As constantes redefinigdes conformam mais uma “pas- sagem de pratica” do que uma prética cristalizada, o que muitas venes € vivido pela categoria como “crise profissional”, Esta “crise” nfo é mais do que a expresso, na consciéneia de seus agentes, da tempo- ralidade dessas préticas, de necessidade de redefinigbas. 1. Ver I. 8. Mating. Captatinmo e Tradcionationo (studo sobre a8 com teagigde de sociedad agriia no Brasi), Sao Paulo, Plonsir, 1975, p. 38 "Por Processo soci, ndo entendemos o sentido infersuietivo das rlaSce scl hms sim quo ar rlagdee sciis sd0 moditvades por condigdes hintérices ¢ ape ce procs sds dinners bj dito c= do seni e diesdo objeivos que assume, Eni, entre exes sujltoe hd uma Tealidadeobjeiva e coma, cujorsigicados podem ser compreendids de Sierentes modo. 5 2: Ver M. V. Iamamoto, Legimilade e Crite do Serigo Soil... op. st 89