You are on page 1of 2

Av.

: Alberto Magno 300 Montese


 3491.4000 - www.efivest.com.br
TEMA DISCIPLINA
TEM LÓGICA A LÓGICA DE PLATÃO? FILOSOFIA

2. PLATÃO VS. ARISTÓTELES.


Platão considerou que Heráclito está certo no que diz respeito ao
mundo de nossas sensações, percepções e opiniões: o mundo natural ou material
(mundo sensível) é o devir permanente. Contudo, dizia Platão, esse mundo é uma
aparência, e, nesse ponto, Parmênides é quem tem razão. O mundo verdadeiro é o
das essências imutáveis (mundo inteligível).

Mas como conhecer as essências e abandonar as aparências? Através


de um método do pensamento e da linguagem chamado dialética. (Dialética: é um
debate, uma discussão, um diálogo entre opiniões contrárias e contraditórias para
que o pensamento e a linguagem passem da contradição entre as aparências à
identidade de uma essência).
A dialética platônica consiste na contraposição de uma opinião com a
crítica que dela podemos fazer, ou seja, na afirmação de uma tese qualquer
seguida de uma discussão e negação desta tese, com o objetivo de purificá-la dos
erros e equívocos. A teoria das ideias de Platão representa uma tentativa de
conciliar as duas tendências: a concepção de ser eterno e imutável de Parmênides
e a concepção de ser plural e móvel de Heráclito. Logo, a discussão dialética terá o
“É lógico que ela só pensa nisso!”, “É lógico que ele como político é ladrão!”.
trabalho de revelar o mundo sensível como heraclitiano (a mudança incessante) e
Quando dizemos frases como essas, a expressão “é lógico”, se trata de alguma
o mundo inteligível como parmenidiano (a identidade permanente).
coisa evidente. Então, podemos perceber que a palavra: lógica é usada por nós
para significar:
E aí vem a pergunta:
1) Uma inferência: se conheço x, posso concluir y como conseqüência;
2) Uma exigência de coerência: se x é assim, logo é preciso que y seja TEM LÓGICA A LÓGICA DE PLATÃO?
assim;
3) Uma exigência de que não haja contradição entre o que sabemos de x Considera desnecessário separar realidade e aparência em dois
e a conclusão y a que chegamos; mundos diferentes. Há seres cuja essência é mudar e há seres cuja essência é
4) Uma exigência de que, para entender a conclusão y, precisamos saber imutável.
o suficiente sobre x para conhecer por que se chegou a y. Heráclito errou por supor que as coisas se transformam nos seus
opostos, já que a mudança é a maneira pela qual as coisas realizam todas as
potencialidades contidas em suas essências e esta não é contraditória, mas uma
“palavra, expressão, pensamento, conceito, discurso, razão”. Podemos defini-la identidade que o pensamento pode conhecer. Já Parmênides tinha razão: o
como o estudo dos métodos e princípios da argumentação. Ou, como a pensamento e a linguagem exigem a identidade. Mas Heráclito também tinha
investigação das condições em que a conclusão de um argumento se segue de razão: as coisas mudam. Porém, ambos se enganaram ao supor que identidade e
suas premissas. mudança são contraditórias. E este engano levou Platão à desnecessária divisão
dos mundos.
Aristóteles substituiu a dialética por um conjunto de procedimentos de
1. SURGE A LÓGICA: HERÁCLITO E PARMÊNIDES. demonstração e prova, criando a LÓGICA propriamente dita, que ele chamava de
analítica.
Os primeiros filósofos se preocupavam com a origem, a transformação
e o desaparecimento de todos os seres. Dois grandes filósofos adotaram posições
QUAL A DIFERENÇA ENTRE A DIALÉTICA PLATÔNICA
opostas: Heráclito e Parmênides.
E A LÓGICA (OU ANALÍTICA) ARISTOTÉLICA?
Heráclito afirmava que somente o devir ou a mudança é real. O logos é
A dialética é um modo de conhecer. A lógica (ou analítica) é um
a mudança e a contradição. O ser é a mudança, tudo está em constante
instrumento para o conhecer.
movimento, a estaticidade é uma ilusão.
Também, a dialética é uma atividade intelectual destinada a trabalhar
Para Parmênides, o movimento é que é uma ilusão, pois algo que é
contrários e contradições para superá-los, chegando à identidade da essência.
não pode deixar de ser e algo que não é não pode passar a ser; assim, não há
Depurando e purificando as opiniões contrárias, a dialética chega à verdade. A
mudança.
lógica oferece procedimentos que devem ser empregados naqueles raciocínios que
Surge então um problema: Se Heráclito estiver certo, o mundo será
se referem a todas as coisas das quais possamos ter um conhecimento universal e
uma eterna mudança de pensamento. Mas, se Parmênides tiver razão, o mundo
necessário, e seu ponto de partida não são opiniões contrárias, mas princípios,
em que vivemos é uma ilusão. Como encontrar agora a solução?
regras e leis necessárias e universais do pensamento.

www.efivest.com.br (85) 3491 4000


Acredite no seu sonho, invista em você!
Para Aristóteles, a lógica não era uma ciência (seja teoréticas, práticas
ou produtivas), mas um instrumento para as ciências. Eis por que o conjunto das
por que estudar a lógica?
obras lógicas aristotélicas recebeu o nome de Órganon, palavra grega que significa
A lógica permite-nos: distinguir os argumentos válidos dos inválidos,
instrumento.
compreender por que razão uns são corretos e outros não, e evitar cometer
A lógica se caracteriza como: Instrumental; Propedêutica;
falácias ou sofismas na nossa argumentação.
Normativa; Doutrina da prova; Geral e temporal.
O papel da lógica: procurar argumentos sólidos e relevantes para
defender as idéias, avaliar criticamente os problemas da filosofia, clarificar o nosso
O objeto da lógica é a proposição que exprime, através da linguagem,
pensamento e ajudar-nos a evitar erros de raciocínio.
os juízos formulados pelo pensamento. A proposição é a atribuição de um
predicado a um sujeito. O encadeamento dos juízos constitui o raciocínio e este se
exprime logicamente através da conexão de proposições; essa conexão chama-se QUESTÕES SOBRE LÓGICA:
silogismo.
01. (UFMG-2005) CLASSIFIQUE os argumentos que se seguem em indutivos (I)
O que é um silogismo? É uma regra de inferência que deduz
ou dedutivos (D):
uma proposição categórica – a conclusão – a partir de duas outras, chamadas
premissas. Cada uma das premissas contém um termo comum com a conclusão –
( ) Pedro, Joana, Francisco e Andréia têm ótimas notas em Matemática e
o termo maior e o termo menor, respectivamente; e um termo comum com a outra
são bons jogadores de xadrez. Fernando tem ótimas notas em
premissa – o termo médio.
Matemática. Fernando é bom jogador de xadrez.
( ) Alunos brilhantes nunca estudam aos domingos. Maria sempre estuda
aos domingos. Maria não é uma aluna brilhante.
( ) Se o determinismo é uma doutrina verdadeira, a vontade humana não é
livre. O determinismo é uma doutrina verdadeira. A vontade humana não
é livre.
( ) Insisto em dizer que a infração de que sou acusado se deve a um
engano do guarda de trânsito, já que dirijo há mais de trinta anos e
nunca fui multado.
( ) Deus arrependeu-se de ter criado o homem. Ora, quem se arrepende do
que faz age impensadamente. Portanto Deus age impensadamente.
O silogismo possui três características principais:
É mediato: exige um percurso de pensamento e de linguagem para 02. (UEM – 2008) O silogismo aristotélico é a dedução lógica na qual uma
que se possa chegar a uma conclusão. conclusão é inferida a partir de suas premissas, a premissa maior e a premissa
É dedutivo: é um movimento de pensamento e de linguagem que parte menor, pela mediação do termo médio. O termo médio liga o termo menor
de certas afirmações verdadeiras para chegar a outras também verdadeiras e que (conceito de menor extensão) ao termo maior (conceito de maior extensão) de
dependem necessariamente das primeiras. acordo com o princípio lógico de que duas quantidades idênticas a uma terceira
É necessário: porque é dedutivo (as conseqüências a que se chega na são idênticas entre si. Considere o silogismo a seguir:
conclusão resultam necessariamente da verdade do ponto de partida). “Todos os brasileiros são sul-americanos.
Em sentido lógico, deve distinguir-se a verdade de uma proposição Todos os paranaenses são brasileiros.
(isto é, a concordância entre o que enuncia e os fatos que permitem a sua Logo, todos os paranaenses são sul-americanos”.
verificação) da validade de um raciocínio (a qual respeita apenas à sua estrutura
formal). Identifique, respectivamente, o termo médio, o termo maior e o termo menor.
01) são – todos – logo
Um raciocínio pode ser válido ("verdade formal") e incidir sobre 02) brasileiros – sul-americanos – paranaenses
proposições falsas ("verdade material") ou ser não válido e enunciar proposições 04) sul-americanos – paranaenses – brasileiros
verdadeiras. 08) paranaenses – brasileiros – todos
16) sul-americanos – são – brasileiros
Conclusões:
A questão da validade ou não de um argumento é inteiramente lógica.
A questão da solidez de um argumento é ao mesmo tempo lógica (porque
depende da sua validade) e epistemológica (porque depende de suas
premissas serem verdadeiras).
A questão da força persuasiva de um argumento é uma questão psicológica,
ou psicossocial.

Raciocínio indutivo e Dedutivo


Indução - Raciocínio que consiste em tirar conclusões gerais a partir
de casos particulares considerados como portadores de relações gerais. O
problema do raciocínio indutivo está no fato de que, contrariamente à dedução, a
verdade das premissas não garante a verdade da conclusão.

Dedução - Considera-se que um raciocínio é dedutivo quando, de uma


ou mais premissas, se conclui uma proposição que é conclusão lógica da(s)
premissa(s). A dedução é um raciocínio de tipo mediato, sendo o silogismo uma
das suas formas clássicas.

www.efivest.com.br
2