You are on page 1of 1

INTRODUÇÃO

A influência africana no processo de formação da cultura brasileira


começou a ser delineada em um dos capítulos mais vergonhosos da historia da
humanidade, o tráfico negreiro. Quando milhões de africanos forçadamente
levados do continente africano ao Brasil como mercadoria para serem
escravizados.

O escravo africano era um elemento de suma importância no campo


econômico do período colonial sendo considerado "as mãos e os pés
dos senhores de engenho porque sem eles no Brasil não é possível
fazer, conservar e aumentar fazenda, nem ter engenho corrente"
(ANTONIL, 1982, p.89).

A contribuição africana no período colonial foi muito além do campo


econômico, uma vez que, os africanos conseguiram manter/reviver suas
origens culturais e recriar novas práticas culturais. É importante salientar que
não houve uma homogeneidade cultural praticada pelos negros africanos, que
apesar de oriundos do continente africano, geralmente os escravos
apresentava uma prática cultural diferenciada em alguns aspectos devido à
região que pertencia, pois a África caracteriza-se em um continente dividido em
países com línguas e culturas diversas.

Além das práticas culturais diferenciadas, os africanos, ainda,


incorporaram algumas práticas europeias e indígenas, além de, influenciá-los
culturalmente. O intercâmbio cultural entre os elementos citados contribuíram
de forma significativa para uma formação cultural brasileira híbrida e bastante
peculiar.

O negro, como grupo étnico integrante da população brasileira, vem


exigindo dos estudiosos tratamento, se não especial, pelo menos
cuidadoso e profundo, dada sua significativa presença desde o inicio
de nossa história. Genética e culturalmente, vem imprimindo no povo
e na cultura brasileira suas marcas, especificidades físicas e traços
culturais, que até hoje persistem como herança formadora da nossa
sociedade. (MARCONI E PESSOTO, 2010, p. 268).

Apesar desse fato incontestável de que somos, em virtude de nossa


formação histórico-social, uma nação multirracial e pluriétnica, de notável
diversidade cultural, a sociedade brasileira ainda não aprendeu a conviver e
lidar com essa realidade e, por conseguinte, não soube como trabalhar essa
temática, gerando inúmeros problemas que afetam toda a nossa sociedade,
mas principalmente os estratos sociais mais pobres, constituídos, na sua
grande maioria, de negros e mestiços.