You are on page 1of 4

Plano de Aula: Direito de Família

DIREITO CIVIL V - CCJ0111
Título
Direito de Família

Número de Aulas por Semana

Número de Semana de Aula
1

Tema
Direito de Família

Objetivos

1- Apresentar o Plano de Ensino e o mapa conceitual da disciplina.

2- Apresentar as competências e habilidades que se pretendem desenvolver, destacando a necessidade
de constante articulação com outras disciplinas como Estatuto da Criança e do Adolescente e com a
Prática Simulada.

3- Apresentar a metodologia dos casos concretos e a forma como serão cobrados durante o semestre.

4- Comentar e apresentar a bibliografia básica e complementar da disciplina, destacando os textos que
foram encaminhados com o material didático e eventuais livros que estejam à disposição na Bibl ioteca
Virtual da Estácio.

5- Destacar a necessidade de trazer para sala de aula o Código Civil (preferencialmente o que compõe o
material didático).

6- Apresentar as atividades estruturadas que compõem a disciplina e destacar a importância do proces so
de auto-aprendizagem.

7- Apresentar a importância social e jurídica da disciplina Direito Civil V.

8- Desmistificar algumas certezas que os alunos já trazem com relação à disciplina, em especial
advertindo que o conteúdo é muito mais extenso do qu e se imagina.

br/home/mapa_site/mapa_site.-Direito pessoal e patrimonial. Princípio da isonomia entre filhos. .A família como a base da sociedade. Princípio da liberdade quanto ao planejamento familiar.php#indicadores . mapa conceitual. Princípio do melhor interess e do menor. 10. Princípio da Afetividade.Introduzir a família como base da sociedade e sua caracterização na CF/88.A família na Constituição Federal de 1988. .Discorrer sobre os princípios constitucionais de Direito de Família. .Para indicadores sobre a constituição da família brasileira: IBGE. metodologia de ensino e bibliografia.Identificar as espécies de família do ordenamento jurídico brasileiro e as que se apresentam na sociedade brasileira. Conceito de Direito de Família. . afetiva e recomposta.ibeg. Estrutura do Conteúdo 1. Princípio da paternidade responsável.gov. .A evolução do conceito de família até os dias de hoje. Princípio da Intervenção Mínima do Estado. promovendo ao aluno a compreensão de seu significado.As novas entidades fam iliares. Disponível no site: http://www.A importância atual do direito de família. Princípio da Monogamia. A família monoparental. Princípio da Isonomia entre cônjuges. Civil. Princípio da Pluralidade de entidades familiares. Apresentação do Conteúdo: plano de ensino. A família formada pela união pessoas do mesmo sexo. Aplicação Prática Teórica Sites indicados: 1. 11. Localização da matéria no Cód.Os princípios de Direito de Família: Princípio da Dignidade da Pessoa Humana. Princípio da Solidariedade Familiar. .9. Estrutura e objeto do Direito de Família. -As espécies de famílias no ordenamento jurídico: A família através do casamento e da união estável. . 2.

que discordavam parcialmente da redação final sugerida. A dignidade da pessoa humana como valor-fonte do sistema constitucional brasileiro. sendo um paradigmático leading case na temática. Ao deliberar sobre o mérito da questão. restando vencidos apenas os Ministros Dias Toffoli e Marco Aurélio. O texto foi proposto pelo Min. justificando com base na lei em vigor.com. por maioria. 26/09/2016. mantendo -se ambas em determinado caso concreto. A tese é explícita em afirmar a possibilidade de cumulação de uma paternidade socioafetiva concomitantemente com uma paternidade biológica.ufsc. Entidades familiares constitucionalizadas: para além do numerus clausus. a possibilidade da existência jurídica de dois pais.buscalegis. Ao prever expressamente a possibilidade jurídica da pluralidade de vínculos familiares nossa Corte Suprema consagra um importante avanço: o reconhecimento da multiparentalidade.2. Disponível no site: http://www1.jus.conjur. Disponível no site: http://www.br/revistas/index. a possibilidade de pluralidade de vínculos parentais é uma realidade fática que exige uma acomodação jurídica. retirado do http://www. Fernanda.br/doutrina/texto. Relator Luiz Fux. fragmentado e líquido cenário da atualidade. Paulo Luiz Netto. o STF optou por não afirmar nen huma prevalência entre as referidas modalidades de vínculo parental. declarada ou não em registro púb lico. admitindo. Esses noveis conflitos familiares refletem alguns dos desafios que as múltiplas relações interpessoais apresentam aos juristas. conforme os princípios do Direito de Família.Sobre o princípio da dignidade da pessoa humana: SCHAEFER.LÔBO.asp?id=2552 Caso Concreto ?Reflexos da decisão do STF que acolheu a socioafetividade e a multiparentalidade? Às portas da primavera o Supremo Tribunal Federal aprovou uma relevante tese sobre direito de família. O tema de Repercussão Geral 622. apontando para a possibilidade de coexistência de ambas as paternidades.com. de Relatoria do Ministro Luiz Fux.b r/2016-set-25/processo-familiar-reflexos-decisao-stf-acolher-socioafetividade- multiparentalidade) Pergunta-se: Da análise do artigo acima citado. A manifestação do STF contribui para a tradução contemporânea das categorias da filiação e parentesco. Questão objetiva . houve por bem em aprovar uma diretriz que servirá de parâmetro para casos semelhantes. envolvia a análise de uma eventual ?prevalência da paternidade socioafetiva em detrimento da paternidade b iológica? . quais as bases da família que estão sendo valorizadas? Conceitue os referidos princípios citados. A tese aprovada em repercussão geral Ao apreciar a temática subjacente à referida repercussão geral o plenário do Supremo Tribunal Federal. A tese aprovada tem o seguinte teor: ?A paternidade socioafetiva. um dos novíssimos temas do direito de família. tendo sido aprovado por ampla maioria. delineando alguns contornos da parentalidade no atual cenário jurídico brasileiro. não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante b aseado na origem b iológica. com isso. com os efeitos jurídicos próprios". No complexo. (fonte: Site do IBDFAM.php/buscalegis/article/viewFile/32504/31718 3.

possibilitando o casamento entre pessoas do mesmo sexo. b) A dignificação humana reconhecida nas uniões homoafetivas. c) O reconhecimento do casamento como única fonte de família e a união estável como r ealidade periférica. . d) A valorização do afeto e da estabilidade como padrão mínimo para o reconhecimento entidade familiar como modelo eudemônico.São inovações do Direito de Família. exceto: a) A substituição da Família Matrimonial hierarquizada pelo modelo de cogestão que ass egura a isonomia dos cônjuges na sociedade conjugal.