You are on page 1of 8

Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

Língua Grega 1 – 1º. semestre de 2016

Profa. Dra. Glória Braga Onelley

APOSTILA 1
ALFABETO GREGO
O alfabeto grego possui 24 letras: 17 consoantes e sete vogais.

Maiúsculas Minúsculas Nome Designação Pronúncia/


(Transcrição Grega classificação e
do nome correspondência
grego) com os
caracteres
latinos
1-   alpha  ā, ǎ (longo,
breve)
2-  bêta  b (oclusiva labial
sonora)
3-   gámma  g (oclusiva
gutural sonora)
4-   délta  d (oclusiva
dental sonora)
5-   épsilon  ĕ (breve)
6-   zêta  z (/dz/ dupla
dental ou /sd/)
7-   êta  ē (longo)
[pronunciado
como /ee/]
8-   thêta  th (oclusiva
dental aspirada)
9-   iôta 
  ī, ĭ (longo ou
breve)
10-   káppa  k, c (oclusiva
gutural surda)
11-   lámbda  l (contínua
líquida dental
sonora)
12-   mŷ  m (contínua
nasal labial
sonora)
13-   nŷ  n (contínua
nasal dental
sonora)
14-   xî  x (/ks/ dupla
gutural)
[pronunciado
como em táxi]
15-   ômicron  ŏ (breve) /ô/
16-   pî  p (oclusiva
labial surda)
17-   rhô  rh (inicial) e r
(medial e final)
(contínua
líquida gutural)
[pronunciado
como em rio,
caro]
18-  inicial e sîgma  s (contínua
medial)final) sibilante surda)
[pronunciado
sempre como
em sino]
19-   taû  t (oclusiva
dental surda)
20-   hýpsilon  y (se for vogal, é
pronunciada
como /ü/
francês); u,
grafada e
pronunciada
como /u/, se for
semivogal)
21-   phî  ph (oclusiva
labial aspirada)
22-   chî, khî  ch ou kh
(oclusiva
gutural aspirada
23-   psî  ps (dupla labial)
[pronunciada
como em
psicólogo]
24-   ômega  ō (longo)
Observações sobre a pronúncia e a ortografia:

1) A consoante quando seguida das consoantes guturais ,


pronuncia-se, por acomodação fonética, como /n/. Assim, pronuncia-
se ng, como em manga, pois o soa como n. Assim: nk;= ng; =
nch ou nkh;nx. Exemplos: ἄγγελος (ángelos), ἄγκυρα (ánkyra),
ἔλεγχος (élenchos), σφίγξ (sphínx).
A nasal ν diante de consoante gutural (γ, κ, χ, ξ) é grafada γ: ἐν+γράφω>
ἐγγράφω (‘escrevo em, grafo’), ἐν+κρύπτω> ἐγκρύπτω (‘escondo; estou
ocultando em), ἔν+ξυλος> ἔγξυλος (‘talhado na madeira; feito de
madeira’), συν+χαίρω> συγχαίρω (‘alegro-me com; agradeço).

2) é usado somente no final de palavras, enquanto é usado nas


outras posições. Jamais se pronuncia como /z/, mesmo entre vogais.

3) São aspiradas as consoantes: q, f, x


ho theós →  (a divindade);
tò phármacon →  (o veneno, a droga);
ho khorós / khorós → o( xoro/j (o coro)
(A consoante aspirada x (ch, kh) tem a pronúncia de k aspirado, como a
de /ch/ alemão, ou a de /j/ espanhol, como em mujer).

4) O r inicial (rh) é sempre aspirado, razão por que é representado, na


transcrição em caracteres latinos, pela letra r, seguida de h, que é a marca
da aspiração. É a única consoante que leva espírito forte, quando no
início de palavras.
ho rhapsōidós → o( r(ayw|do/j ( o rapsodo)

5) O r intervocálico perde a aspiração, a menos que seja duplo.


anorexía → a)noreci/a (falta de apetite)
érreusa →(derramei, verti) forma de aoristo do verbo 
 

Vogais

As vogais gregas variam segundo a quantidade e podem ser breves ou


longas. A quantidade consiste na maior ou na menor duração com que os
fonemas são emitidos. As breves pronunciam-se rapidamente, e as longas
levam o dobro do tempo das breves.

— ε e ο são sempre breves (transcritos e, o)


— η e ω são sempre longas (transcritos ē, ō)
— α, ι, υ podem ser longas ou breves

Quando a quantidade de α, ι, υ for indicada (em um dicionário ou


gramática; em um texto, não se indica a quantidade dessas vogais), usam-se
dois sinais que se colocam sobre a vogal: o mácron (ˉ) indica que a vogal é longa
(ᾱ, ῑ, ῡ), e a braquia (˘) indica que a vogal é breve (ᾰ, ῐ, ῠ).

Vogais

Breves Longas Comuns

Εε Ηη Α α (Ᾱ ᾱ, Ᾰ ᾰ)
Οο Ωω Ι ι (Ῑ ῑ, Ῐ ῐ)
Υ υ (Ῡ ῡ, Ῠ ῠ)

Obs.: A vogal (hýpsilon) é pronunciada como o /u/ francês. É representada,


em caracteres latinos, pela letra y; é transcrita u, quando semivogal.

O espírito é sempre forte no  inicial.

y (vogal)

u (semivogal)

Exemplos:
 (vogal) → hýmnos → u#mnoj (hino)
(semivogal) → u → naûtai → nau~~tai (marinheiros)

Os ditongos

Em grego, os ditongos são sempre de tipo decrescente


(vogal+semivogal). Os ditongos são próprios (pronunciam-se os dois fonemas
vocálicos, a vogal e a semivogal) ou impróprios (pronuncia-se apenas a vogal, e
a semivogal - um ι (iôta) - não é pronunciada).
Nos ditongos impróprios, temos sempre as vogais longas ᾱ, η, ω com um
ι; quando a vogal do ditongo é minúscula, a semivogal (ι) escreve-se sob a vogal
e chama-se iôta subscrito (ᾳ, ῃ, ῳ) e não se pronuncia, só aparecendo grafada
por tradição gramatical; quando a vogal do ditongo está com inicial maiúscula,
a semivogal (ι) escreve-se ao lado da vogal e chama-se iōta adscrito (Αι, Ηι, Ωι;
ΑΙ, ΗΙ, ΩΙ).
Ditongos

Próprios Impróprios

Αι (Ᾰι) αι, Αυ αυ, Ει ει, Ευ ευ, Οι οι, Ου Αι (Ᾱι) ᾳ, Ηι ῃ, Ωι ῳ

ου (pronuncia-se u), Υι υι, Ηυ ηυ, Ωυ ωυ

Obs.: O ditongo ou () pronuncia-se como /u/


ho poûs →  (o pé)
akoúō →  (eu ouço; estou ouvindo)

Os espíritos

Os espíritos são sinais ortográficos que se colocam sobre as vogais


iniciais minúsculas (ao lado, se maiúsculas) ou sobre a semivogal dos ditongos
(próprios) iniciais de uma palavra, para indicar a presença ou não de aspiração.
A aspiração, representada na transcrição pela letra “h”, consiste num leve sopro
que acompanha a emissão do fonema. Os espíritos são dois: fraco, doce ou
suave (); forte, rude ou áspero ( ( ).

O espírito fraco é grafado com o sinal ) e indica que a vogal e o ditongo


no início da palavra não possuem aspiração. Logo, a sua pronúncia não se
altera:

— ἀ (a), ἐ (e), ἠ (ē), ἰ (i), ὀ (o), ὠ (ō), αἰ (ai) αὐ (au), εἰ (ei), εὐ (eu), οἰ (oi), οὐ
(ou= som de /u/), ηὐ (ēu), ωὐ (ōu)

O espírito forte é grafado com o sinal ( e indica que a vogal, o ditongo e a


consoante ρ no início da palavra possuem aspiração, como no inglês have, help,
his etc. Na transcrição para os caracteres latinos, a letra h antecede as vogais
iniciais, e pospõe-se ao r (rhô) inicial, para indicar a presença da aspiração.

— ἁ (ha), ἑ (he), ἡ (hē), ἱ (hi), ὁ (ho), ὑ (hy), ὡ (hō), αἱ (hai), αὑ (hau), εἱ (hei= ),
εὑ (heu), οἱ (hoi), οὑ (hou= som /hu/), ηὑ (hēu), ωὑ (hōu), υἱ (hyi);
ῥ (rh)

. No ditongo próprio (são pronunciados os dois elementos vocálicos, vogal e


semivogal) inicial, o espírito é colocado sobre a semivogal: αἰ, αὐ, εἰ, εὐ, οἰ, οὐ
(Αἰ, Αὐ, Εἰ, Εὐ, Οἰ, Οὐ).
. Quando a vogal inicial é maiúscula, o espírito (como também o acento, se o
fonema vocálico inicial for o tônico) vem antes dela (e não sobre ela): Ἀλήθεια
(Alétheia –verdade ), Ἄνδρες (Ándres – varões; homens).

. O υ e o ρ iniciais levam sempre espírito forte:


ὕβρις (Ὕβρις)= hýbris (Hýbris) – insolência; violência
ῥίζα (Ῥίζα)= rhíza (Rhíza) - raiz

A pontuação

Sinal Português Grego


ponto . .
vírgula , ,
ponto e vírgula ou dois pontos ; ou : Ponto no alto da letra ·
ponto de interrogação ? ;

Os acentos

Em grego, há três acentos:

1. acento agudo (΄): βλέπει (blépei)


2. acento grave: (`): τὸ πλοῖον (tò ploîon)
3. acento circunflexo (~ ): τὸ πλοῖον (tò ploîon)

Regras Gerais de Acentuação

1. Acento agudo — o acento agudo pode cair em qualquer das três últimas
sílabas de uma palavra, seja a sílaba breve seja longa. No entanto, o acento
agudo só pode cair na antepenúltima sílaba se a última for breve. Assim, com o
acento agudo, há palavras proparoxítonas, paroxítonas e oxítonas:

→ proparoxítonas: ἄνθρωπος , φάρμακον, βλέπουσῐν (homem; veneno/droga;


olham)
→ paroxítonas: κυβερνήτης, ψόφος, βλέπει (capitão; ruído; olha)
→ oxítonas: καλός, οὐδέν, ἀλλά (belo – nada – mas)

- Nas palavras paroxítonas, a quantidade das duas últimas sílabas pode


combinar-se de três modos:

a) breve-breve: λόγος
b) longa-longa : ἀνθρώπου
c) breve-longa : λόγῳ
Palavras em que as duas últimas sílabas são, respectivamente, uma longa (ˉ) e
uma breve (longa-breve) são obrigatoriamente properispômenas : δῶρον (dádiva;
dom; presente)

2. Acento circunflexo — o acento circunflexo só se usa em uma sílaba longa


(sílaba com vogal longa ou com ditongo); ele pode cair nas duas últimas sílabas
de uma palavra. Quando ele cai sobre a penúltima sílaba (caso em que a última
sílaba deve ser breve), a palavra é chamada properispômena. Quando ele cai na
última sílaba, a palavra é chamada perispômena:

→ properispômena: πλοῖον, τὸν Παρθενῶνᾰ, ὁρῶσῐν, ὁρᾶτε, δεῦρο, δῶρον


(embarcação, o Pártenon; veem, vedes, aqui; dom)
→ perispômena: ὁρᾷ, ἡμεῖς, κακῶς, ποιεῖ (vê, nós, de modo ruim, faz)

- As palavras do tipo longa-breve são obrigatoriamente properispômenas :


δῶρον.

3. Acento grave — o acento grave é empregado apenas para substituir o acento


agudo das palavras oxítonas que se encontram diante de uma outra palavra
acentuada. As palavras que recebem o acento grave são chamadas barítonas:

→ barítonas: τὸ πλοῖον (e não τό πλοῖον), τὸ μὲν οὖν πλοῖον πλεῖ (e não τό


μέν οὖν), ὁ ῥαψῳδὸς εἰσβαίνει (e não ὁ ῥαψῳδός εἰσβαίνει), ἐγὼ γὰρ τὴν
ἀκρόπολιν ὁρῶ (e não ἐγώ γάρ τήν ἀκρόπολιν ὁρῶ).

Posição dos espíritos com relação aos acentos agudo ( ´ ), grave ( ` ) e


circunflexo (~)

a) Os espíritos colocam-se antes dos acentos agudo e grave se a vogal inicial for
a tônica.
Exemplos:  -  -  (homem – hino – nome)

 (O rapaz que vejo é belo).

b) O espírito coloca-se sob o acento circunflexo se a vogal inicial for a tônica (ou
o ditongo inicial).
Exemplos: (prêmio dos jogos atléticos, recompensa)
caráter, costume
   (eram, estavam)
 (sangue)
encontrei, encontraram
   (vinho)  

REFERÊNCIAS
APRENDENDO GREGO. GRAMÁTICA E EXERCÍCIOS /READING GREEK/.
The Joint Association of Classical Teachers’Greek Course. Tradução Luiz A.
Machado Cabral; Cecília Bartalotti. São Paulo: Odysseus Editora, 2010.
HORTA, Guida Nedda Barata Parreiras. Os gregos e seu idioma. 3a. ed. Rio de
Janeiro: J. Di Giorgio, 1983. Vol. 1.
RAGON, Elói. Gramática Grega /Grammaire Grecque/. Tradução de Cecília
Bartalotti. São Paulo: Odysseus Editora, 2012.