You are on page 1of 462

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Ano XIII – nº 36 – Porto Alegre, sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PUBLICAÇÕES JUDICIAIS

SECRETARIA DO PLENÁRIO, CORTE ESPECIAL E SEÇÕES


Boletim

Secretaria dos Órgãos Julgadores

Boletim Nro 0092/2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Secretaria dos Órgãos Julgadores

JULGAMENTOS

1ª, 2ª, 3ª E 4ª TURMAS

00001 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2008.04.00.035461-1/RS


RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
PROCURADOR : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : LUIZ CARLOS RIBAS RIEFFEL
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 1 / 462
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00002 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.015057-8/RS
RELATORA : Des. Federal VÂNIA HACK DE ALMEIDA
AGRAVANTE : JACOB MAESTRI FILHO e outros
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros
: Tiago Gornicki Schneider
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
: Margareth Spier
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
PROCURADOR : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

PROCESSUAL CIVIL. JUROS DE MORA. JUÍZO DE RETRATAÇÃO.


MATÉRIA DE ORDEM CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÃO GERAL.

O Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE 579.431, dirimiu a


controvérsia em torno da questão dos juros, fixando, em sede de repercussão geral, que
incidem os juros da mora no período compreendido entre a data da realização dos cálculos e
a da requisição ou do precatório (Tema 96).

ACÓRDÃO
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 2 / 462
Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3a. Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, dar provimento ao agravo de instrumento para determinar a aplicação de juros de
mora entre a data da confecção dos cálculos e a data da expedição do Precatório/RPV, nos
termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam fazendo parte integrante do
presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00003 APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 2008.72.00.009456-5/SC
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
APELANTE : ANTONIO KLEIN e outros
ADVOGADO : Emmanuel Martins e outro
: Marcio Locks Filho
APELANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
APELANTE : FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA
PROCURADOR : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
APELADO : (Os mesmos)
REMETENTE : JUÍZO FEDERAL DA 4A VF DE FLORIANÓPOLIS

EMENTA

ADMINISTRATIVO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OMISSÃO.


SANEAMENTO QUANTO À CONCESSÃO DE TUTELA ANTECIPADA E
DO BENEFÍCIO DA AJG. PREQUESTIONAMENTO. DESNECECIDADE.

1. São cabíveis embargos de declaração quando houver no acórdão


obscuridade, contradição, erro material, ou ainda, omissão em relação a algum ponto sobre o
qual o Tribunal devia ter se pronunciado e não o fez, art. 1.022, CPC/15.
2. No que toca às omissões alegadas pela FUNASA, a decisão embargada
enfrentou a questão de forma clara e suficientemente fundamentada, expressando o
entendimento desta Turma. Em verdade, pretende-se a rediscussão da matéria, o que se
afigura incabível em sede de embargos de declaração.
3. Acerca dos embargos de declaração da União aduzindo que o acórdão é
omisso ao não apreciar a tese acerca de sua ilegitimidade para figurar no polo passivo da
demanda, de fato, não houve enfrentamento do ponto no voto condutor, como também a
matéria não foi aventada no seu apelo. No entanto, como se trata de matéria de ordem
pública, tenho por bem enfrentá-lo. Não há como se afastar a legitimidade da União, tendo
em vista que um dos objetos da presente ação é o pedido de declaração de nulidade do
acórdão do TCU, órgão sem personalidade jurídica integrante da estrutura da União.
4. Em relação aos embargos da parte autora havendo omissão do julgado no
tocante à majoração dos honorários advocatícios devida pela sucumbência recursal da
apelante, art. 85, §11, do CPC, deve o voto ser integrado no sentido de enfrentar os pedidos
de concessão de tutela antecipada e do benefício da AJG.
5. Reconhecida a probabilidade do direito alegado pela parte autora por este
tribunal em cognição exauriente e permanecendo o perigo da demora do processo, há de ser
ratificada a decisão que concedeu a antecipação da tutela.
6. É cediço que, no entendimento pacificado do STJ e desta Corte, a declaração

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 3 / 462


de hipossufiência prestada pela própria parte ou por seu procurador é suficiente para a
concessão do benefício na forma do art. 98 e seguintes do Novo Código de Processo Civil e
da Lei 1.060/1950.
7. Quanto ao pedido de pré-questionamento, cabe ressaltar que, a teor do artigo
1.025 do Novo Código de Processo Civil, é suficiente a mera suscitação da matéria para se
obter tal desiderato.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar
provimento aos embargos de declaração da autora, dar parcial provimento aos embargos de
declaração da União, e negar provimento aos embargos da FUNASA, nos termos do relatório,
votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.
Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.
00004 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0006836-54.2011.4.04.0000/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO
ALEGRE - UFCSPA
PROCURADOR : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
AGRAVADO : SINDICATO DOS SERVIDORES FEDERAIS DO RIO GRANDE DO SUL - SINDISERF/RS
e outro
: ELISEU BAPTISTA FILHO
ADVOGADO : Jose Luis Wagner e outros
INTERESSADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 4 / 462


Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.
00005 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0003656-93.2012.4.04.0000/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : ALOYSIO FLORIANO DE TOLEDO e outro
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros
AGRAVANTE : ELIZABETH PEREIRA ZERWES
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outro
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00006 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº
0001196-73.2008.4.04.7211/SC
RELATOR : Des. Federal LUÍS ALBERTO D AZEVEDO AURVALLE
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA -
INCRA
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
: Roberto Porto
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
INTERESSADO : NELSON GREGÓRIO
ADVOGADO : Frederico Valdomiro Slomp
INTERESSADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 5 / 462


EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. OMISSÃO NÃO VERIFICADA.


ESCLARECIMENTO.
1. O acórdão embargado manteve a sentença no tocante ao reassentamento,
embora não tenha feito previsão expressa.
2. Embargos de declaração acolhidos para fins de esclarecimentos, sem
alteração do julgado proferido pela Quarta Turma.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, acolher os
embargos de declaração, sem efeitos modificativos, nos termos do relatório, votos e notas de
julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.


00007 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº
0001198-43.2008.4.04.7211/SC
RELATOR : Des. Federal LUÍS ALBERTO D AZEVEDO AURVALLE
EMBARGANTE : FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA -
INCRA
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
: Roberto Porto
INTERESSADO : MARIA ADÉLIA STEIN RODRIGUES e outro
ADVOGADO : Frederico Valdomiro Slomp
REMETENTE : JUÍZO FEDERAL DA 1A VF DE CAÇADOR
INTERESSADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. OMISSÃO NÃO VERIFICADA.


ESCLARECIMENTO.
1. O acórdão embargado manteve a sentença no tocante ao reassentamento,
embora não tenha feito previsão expressa.
2. Embargos de declaração acolhidos para fins de esclarecimentos, sem
alteração do julgado proferido pela Quarta Turma.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 6 / 462


ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, acolher os
embargos de declaração, sem efeitos modificativos, nos termos do relatório, votos e notas de
julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.


00008 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº
0001199-28.2008.4.04.7211/SC
RELATOR : Des. Federal LUÍS ALBERTO D AZEVEDO AURVALLE
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA -
INCRA
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
: Roberto Porto
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI
ADVOGADO : Procuradoria-Regional Federal da 4ª Região
INTERESSADO : LUIZ GREGÓRIO
ADVOGADO : Frederico Valdomiro Slomp
REMETENTE : JUÍZO FEDERAL DA 1A VF DE CAÇADOR
INTERESSADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. OMISSÃO NÃO VERIFICADA.


ESCLARECIMENTO.
1. O acórdão embargado manteve a sentença no tocante ao reassentamento,
embora não tenha feito previsão expressa.
2. Embargos de declaração acolhidos para fins de esclarecimentos, sem
alteração do julgado proferido pela Quarta Turma.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, acolher os
embargos de declaração, sem efeitos modificativos, nos termos do relatório, votos e notas de
julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.


Boletim

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 7 / 462


Secretaria dos Órgãos Julgadores

Boletim Nro 0093/2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Secretaria dos Órgãos Julgadores

JULGAMENTOS

1ª, 2ª, 3ª E 4ª TURMAS

00001 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.041473-9/RS


RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : DINAH OLIVEIRA DE OLIVEIRA e outros
: JACY BILHALVA SARAIVA
: ODILA UBALDINA DOS SANTOS BRUM
ADVOGADO : Francis Campos Bordas e outros
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 8 / 462


Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.
00002 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0023593-60.2010.4.04.0000/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : JURACEMA SOARES DE MORAES e outros
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros
AGRAVANTE : JURACI FRANCISCA MARRONI FERRAZ
: JURACI MORAES CHAVES
: JURACI TEREZINHA FERNANDES
: JUSSARA DE SOUZA
: JUSSARA GONCALVES DOS SANTOS
: JUSSARA MARIA DE OLIVEIRA
: JUSSARA MARLI HAAG
: KENIA MACIEL MIDUGNO
: LACY SILVA DA SILVA
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
PROCURADOR : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00003 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.010775-2/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : PEDRO MAURÍCIO PITA MACHADO ADVOGADOS
AS
ADVOGADO : Pedro Mauricio Pita da Silva Machado e outros
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 9 / 462


EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00004 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.011313-2/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
PROCURADOR : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : CELSO ERNO RICHTER e outros
ADVOGADO : Lauro Wagner Magnago e outros

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 10 / 462


embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00005 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.039917-9/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : EDITE DOS SANTOS MACHADO e outros
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em
síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00006 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 2007.72.00.004492-
2/SC
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
EMBARGANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : RISOLETE OLIVEIRA DE JESUS
ADVOGADO : Jose Darci da Rosa e outro
: Jorge Tadeo Heleno

EMENTA

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OMISSÃO. SUPRIMENTO. PENSÃO


MILITAR. PRESCRIÇÃO DE FUNDO DE DIREITO. INOCORRÊNCIA. ART.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 11 / 462
28 DA LEI 3.765/60. GENITORA DO MILITAR FALECIDO. DEPENDÊNCIA
ECONÔMICA NÃO DEMONSTRADA.

1. São cabíveis embargos de declaração quando houver no acórdão


obscuridade, contradição, erro material, ou ainda, omissão em relação a algum ponto sobre o
qual o Tribunal devia ter se pronunciado e não o fez, art. 1.022, CPC/15. Havendo omissão no
julgado, é medida de ordem a sua integração.
2. Em vista da decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça, devem ser
acolhidos os presentes embargos para examinar a alegada omissão no tocante à tese da
imprescritibilidade do direito à pensão militar embasada no art. 28 da Lei 3.765/90.
3. Consoante disposição do art. 28 da Lei n. 3.765/1960, vigente à época do
óbito do ex-combatente, do instituidor do benefício, a pensão especial pode ser requerida a
qualquer tempo, não ocorrendo a prescrição do fundo do direito.
4. Quanto à concessão da pensão militar, a jurisprudência pátria é firme no
sentido de que a norma aplicável para a concessão da pensão por morte é aquela vigente à
época do óbito de seu instituidor.
5. Tendo o óbito do militar ocorrido em 1995, a legislação aplicável é para a
concessão da pensão militar é aquela disposta no art. 77 da Lei 5774 de 1971, a qual, em sua
alínea "d" é clara ao prever a necessidade de comprovação da dependência econômica da
genitora em relação ao seu filho militar.
6. Não comprovada a dependência econômica, não há direito à pensão.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3a. Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar parcial
provimento aos embargos de declaração, sem lhes atribuir efeitos infringentes, nos termos do
relatório, votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.
Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.
00007 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2008.04.00.004152-9/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : EMMA ROGELIN MIELKE e outros
ADVOGADO : Lauro Wagner Magnago e outros
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

ADMINISTRATIVO. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. JUROS DE MORA.


PERÍODO ENTRE O CÁLCULO INICIAL DE EXECUÇÃO E A DATA DA REQUISIÇÃO OU
DO PRECATÓRIO. JUÍZO DE RETRATAÇÃO.
O Pleno do STF, em sessão realizada na data de 19/04/2017, proferiu
julgamento aprovando a tese de repercussão geral de nº 96, no sentido de que "incidem os
juros de mora no período compreendido entre a data da realização dos cálculos e da

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 12 / 462


requisição ou do precatório".

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3a. Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar parcial
provimento ao agravo de instrumento, em maior extensão, nos termos do relatório, votos e
notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00008 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.002874-8/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : TERESINHA COSTA GOBBI
ADVOGADO : Tiago Gornicki Schneider e outros
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

ADMINISTRATIVO. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. JUROS DE MORA.


PERÍODO ENTRE O CÁLCULO INICIAL DE EXECUÇÃO E A DATA DA REQUISIÇÃO OU
DO PRECATÓRIO. JUÍZO DE RETRATAÇÃO.
O Pleno do STF, em sessão realizada na data de 19/04/2017, proferiu
julgamento aprovando a tese de repercussão geral de nº 96, no sentido de que "incidem os
juros de mora no período compreendido entre a data da realização dos cálculos e da
requisição ou do precatório".

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3a. Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar
provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas
que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00009 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.016110-2/RS
RELATOR : Des. Federal ROGERIO FAVRETO
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : JOÃO SILVA espólio
ADVOGADO : Francis Campos Bordas

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 13 / 462


EMENTA

JUÍZO DE RETRATAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO


DE SENTENÇA. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA ENTRE A DATA DA
CONTA E A REQUISIÇÃO DE PAGAMENTO. TEMA 96 DO STF.

1. Estando os fundamentos do acórdão em desconformidade com o


entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Tema 96, a
modificação da decisão neste aspecto, com fulcro no art. 1.040, II, do CPC, é medida que se
impõe.
2. Agravo de instrumento ao qual se nega provimento para admitir a incidência
de juros de mora entre a data da conta e a de requisição do precatório.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00010 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.004923-5/RS
RELATOR : Des. Federal ROGERIO FAVRETO
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
PROCURADOR : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : VERA ROCHA DE ANDRADE
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira

EMENTA

JUÍZO DE RETRATAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO


DE SENTENÇA. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA ENTRE A DATA DA
CONTA E A REQUISIÇÃO DE PAGAMENTO. TEMA 96 DO STF.

1. Estando os fundamentos do acórdão em desconformidade com o


entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Tema 96, a
modificação da decisão neste aspecto, com fulcro no art. 1.040, II, do CPC, é medida que se
impõe.
2. Agravo de instrumento ao qual se nega provimento para admitir a incidência

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 14 / 462


de juros de mora entre a data da conta e a de requisição do precatório.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00011 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2008.04.00.038923-6/RS
RELATOR : Des. Federal ROGERIO FAVRETO
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : VERBENA DUARTE BRITO DE CARVALHO
ADVOGADO : Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros

EMENTA

JUÍZO DE RETRATAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO


DE SENTENÇA. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA ENTRE A DATA DA
CONTA E A REQUISIÇÃO DE PAGAMENTO. TEMA 96 DO STF.

1. Estando os fundamentos do acórdão em desconformidade com o


entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Tema 96, a
modificação da decisão neste aspecto, com fulcro no art. 1.040, II, do CPC, é medida que se
impõe.
2. Agravo de instrumento ao qual se nega provimento para admitir a incidência
de juros de mora entre a data da conta e a de requisição do precatório.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 15 / 462


00012 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2008.04.00.043937-9/RS
RELATOR : Des. Federal ROGERIO FAVRETO
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : EDMUNDO MACHADO CARDOSO e outros
ADVOGADO : Raquel Paese e outros
: Glenio Luis Ohlweiler Ferreira e outros

EMENTA

JUÍZO DE RETRATAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO


DE SENTENÇA. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA ENTRE A DATA DA
CONTA E A REQUISIÇÃO DE PAGAMENTO. TEMA 96 DO STF.

1. Estando os fundamentos do acórdão em desconformidade com o


entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Tema 96, a
modificação da decisão neste aspecto, com fulcro no art. 1.040, II, do CPC, é medida que se
impõe.
2. Agravo de instrumento ao qual se nega provimento para admitir a incidência
de juros de mora entre a data da conta e a de requisição do precatório.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00013 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0037555-53.2010.4.04.0000/RS
RELATOR : Des. Federal ROGERIO FAVRETO
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : ANTONIO TRINDADE e outros
: LEONCIO TRINDADE
: KELEN AMANDA TRINDADE
: GUILHERME JÚNIOR TRINDADE
ADVOGADO : Lindamar Lemos de Godoy
INTERESSADO : DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM -
DNER
ADVOGADO : Deise Malaguido Ponich
INTERESSADO : CRISTINA ZANATTA
INTERESSADO : CEJEN ENGENHARIA LTDA/

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 16 / 462


ADVOGADO : Deise Malaguido Ponich

EMENTA

JUÍZO DE RETRATAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO


DE SENTENÇA. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA ENTRE A DATA DA
CONTA E A REQUISIÇÃO DE PAGAMENTO. TEMA 96 DO STF.

1. Estando os fundamentos do acórdão em desconformidade com o


entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Tema 96, a
modificação da decisão neste aspecto, com fulcro no art. 1.040, II, do CPC, é medida que se
impõe.
2. Agravo de instrumento ao qual se nega provimento para admitir a incidência
de juros de mora entre a data da conta e a de requisição do precatório.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00014 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0006474-86.2010.4.04.0000/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
AGRAVANTE : NEUSA MARIA FOGO GARCIA e outros
ADVOGADO : Marcelo Lipert e outros
AGRAVADO : UNIÃO FEDERAL
ADVOGADO : Procuradoria-Regional da União

EMENTA

EMBARGOS DECLARATÓRIOS. ARTIGO 1.022 DO NCPC.


CONTRARIEDADE À TESE.

1. A decisão embargada enfrentou a questão de forma clara e suficientemente


fundamentada, expressando o entendimento desta Turma.

2. Há, no caso, contrariedade ao entendimento proferido pela Turma e os


aclaratórios são cabíveis apenas em caso de omissão, obscuridade ou contradição. Em

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 17 / 462


síntese, a contrariedade à tese não enseja efeitos infringentes.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, rejeitar os
embargos de declaração, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00015 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 2009.04.00.013558-9/PR
RELATOR : Des. Federal ROGERIO FAVRETO
AGRAVANTE : UNIÃO FEDERAL
PROCURADOR : Procuradoria-Regional da União
AGRAVADO : FABIANO RODRIGUES e outros
ADVOGADO : Joao Luiz Arzeno da Silva e outro

EMENTA

JUÍZO DE RETRATAÇÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO


DE SENTENÇA. JUROS DE MORA. INCIDÊNCIA ENTRE A DATA DA
CONTA E A REQUISIÇÃO DE PAGAMENTO. TEMA 96 DO STF.

1. Estando os fundamentos do acórdão em desconformidade com o


entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do Tema 96, a
modificação da decisão neste aspecto, com fulcro no art. 1.040, II, do CPC, é medida que se
impõe.
2. Agravo de instrumento ao qual se nega provimento para admitir a incidência
de juros de mora entre a data da conta e a de requisição do precatório.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, em juízo de
retratação, negar provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


Boletim

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 18 / 462


Secretaria dos Órgãos Julgadores

Boletim Nro 0094/2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Secretaria dos Órgãos Julgadores

JULGAMENTOS

1ª, 2ª, 3ª E 4ª TURMAS

00001 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0025468-


65.2010.4.04.0000/SC
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH TESSLER
EMBARGANTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF
ADVOGADO : Salome Menegali e outros
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : FRANCISCO FERRER DE CARVALHO e outro
ADVOGADO : Pedro de Queiroz Cordova Santos

EMENTA

PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DECLARATÓRIOS. JULGAMENTO


ANTERIOR ANULADO PELO STJ. OMISSÃO. OCORRÊNCIA. MULTA
ARTIGO 475-J DO CPC DE 1973. CORREÇÃO MONETÁRIA. DÉBITO A
COMPENSAR. ATRIBUIÇÃO DE EFEITO INFRINGENTE.
1. Julgamento dos embargos declaratórios anulado pelo STJ, em sede de recurso
especial, determinando-se apreciação da alegação formulada pela CEF "de ser incabível o
reforço da penhora, tendo em vista não haverem mais diferenças a serem pagas", e não
apreciada pelo acórdão impugnado.
2. Embargos declaratórios providos para dar parcial provimento ao agravo de
instrumento, para excluir a inclusão da multa, correção monetária a partir de fevereiro de
2004 e desconsideração pelo débito da parte exeqüente, ora agravada, ressalvando, contudo,
a correção monetária dos valores entre a data do ajuizamento da execução (maio de 2006) até
a data da efetivação do depósito (março de 2007).
3. Atribuído efeito infringente aos embargos declaratórios para dar parcial
provimento ao agravo de instrumento.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 19 / 462


ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar
provimento aos embargos declaratórios para, atribuindo-lhes efeito infringente, dar parcial
provimento ao agravo de instrumento, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento
que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00002 APELAÇÃO CÍVEL Nº 2001.71.13.005805-9/RS
RELATORA : Des. Federal MARGA INGE BARTH
TESSLER
APELANTE : MARINO RAIMUNDO SANTAROSA
ADVOGADO : Luciane Santin
APELANTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF
ADVOGADO : Ricardo Goncalez Tavares
APELADO : (Os mesmos)

EMENTA

SFH. REVISIONAL. REEXAME. JUÍZO DE RETRATAÇÃO. TEMAS STJ NºS 53


E 53. TAXA REFERENCIAL. SEGURO. VENDA CASADA.
1. Ainda que o contrato tenha sido firmado antes da Lei n.º 8.177/91, também é
cabível a aplicação da TR, desde que haja previsão contratual de correção monetária pela
taxa básica de remuneração dos depósitos em poupança, sem nenhum outro índice específico.
2. No entanto, ressalto que a sentença afastou a aplicação da TR e o TRF
confirmou a sentença, dessa forma, entendo que não há interesse de agir do autor, em sede de
recurso especial, para requerer a substuição da TR pelo INPC, tendo em vista que tal pedido
já foi deferido.
3. É necessária a contratação do seguro habitacional, no âmbito do SFH.
Contudo, não há obrigatoriedade de que o mutuário contrate o referido seguro diretamente
com o agente financeiro, ou por seguradora indicada por este, exigência esta que configura
"venda casada", vedada pelo art. 39, inciso I, do CDC.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar parcial
provimento à apelação do autor para reconhecer a natureza de venda casada e o direito à
substituição por outro, nos moldes da fundamentação, nos termos do relatório, votos e notas
de julgamento que ficam fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


00003 AGRAVO INTERNO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000210-
09.2017.4.04.0000/PR
RELATOR : Des. Federal LUÍS ALBERTO D AZEVEDO AURVALLE
IMPETRANTE : GUSTAVO RIBEIRO LANGOWISKI

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 20 / 462


ADVOGADO : Noriyassu Kawahara Seto Tokeguma e outro
IMPETRADO : JUIZO DE DIREITO DA 20A VARA CIVEL DA COMARCA DE CURITIBA/PR
: JUIZES FEDERAIS DAS VARAS CÍVEIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE CURITIBA
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ
INTERESSADO : JAQUELINE DE PAULA MULLER e outro
: OSMARIO ACHILLES MULLER
ADVOGADO : Jose Valter Rodrigues
INTERESSADO : CHRISTIANE MARIA RAMOS GIANNINI e outros
: ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DA CIDADANIA
: INSTITUTO DE ESTRATEGIAS EMPRESARIAIS
ADVOGADO : Noriyassu Kawahara Seto Tokeguma e outro
AGRAVADA : DECISÃO DE FOLHAS

EMENTA

MANDADO DE SEGURANÇA. DECISÃO PROFERIDA POR JUIZ


ESTADUAL NÃO INVESTIDO DE JURISDIÇÃO FEDERAL.

1. Tribunal Regional Federal não é competente para julgar recurso de decisão


proferida por Juiz Estadual não investido de Jurisdição Federal (STJ, Súmula, v. 55).
2. Declarada a incompetência do Tribunal Regional Federal da Quarta Região
para conhecer da demanda. Remessa dos autos ao Tribunal de Justiça do Estado do Paraná.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, negar
provimento ao agravo interno, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 06 de dezembro de 2017.


00004 APELAÇÃO CÍVEL Nº 2004.71.00.046510-9/RS
RELATOR : Des. Federal LUÍS ALBERTO D AZEVEDO AURVALLE
APELANTE : GLAUCIA MAGDALENA SIGARAN
ADVOGADO : Roberto Becker da Silveira
APELADO : BRADESCO SUL S/A - CRÉDITO IMOBILIÁRIO
ADVOGADO : Osiris Antinolfi Filho e outros
APELADO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF
ADVOGADO : Rogerio Spanhe da Silva e outros

EMENTA

ADMINISTRATIVO. APELAÇÃO CÍVEL. SFH. CONTRATO DE GAVETA


FIRMADO APÓS 25/10/1996. ILEGITIMIDADE ATIVA DO CESSIONÁRIO.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 21 / 462


É necessária a anuência da instituição financeira, em contratos de cessão de
direitos de imóveis financiados no âmbito do SFH, com cobertura do FCVS, quando firmados
após 25.10.1996, para configurar a legitimidade ativa do cessionário para pleitear a revisão
das cláusulas contratuais do financiamento.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 4a. Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, negar
provimento à apelação, nos termos do relatório, votos e notas de julgamento que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.


00005 APELAÇÃO CÍVEL Nº 0003099-09.2017.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALEXANDRE ROSSATO DA SILVA ÁVILA
APELANTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF
ADVOGADO : Clovis Konflanz e outros
APELADO : CELSO ROSSI
ADVOGADO : Marcelo Rugeri Grazziotin e outro
APELADO : TRANSPORTADORA VHB LTDA/ e outro

EMENTA

TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. FUNDO DE GARANTIA POR TEMPO


DE SERVIÇO (FGTS). PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA.

1. O Plenário do Supremo Tribunal Federal, em sessão de 13/11/2014, ao julgar


o Recurso Extraordinário em Agravo (ARE) 709212, com repercussão geral, relativo ao prazo
prescricional aplicável à cobrança dos valores devidos ao Fundo de Garantia por Tempo de
Serviço, decidiu "...declarar a inconstitucionalidade do art. 23, § 5º, da Lei nº 8.036/1990, e
do art. 55 do Decreto nº 99.684/1990, na parte em que ressalvam o "privilégio do FGTS à
prescrição trintenária", haja vista violarem o disposto no art. 7º, XXIX, da Carta de 1988.
Quanto à modulação, o Tribunal, por maioria, atribuiu à decisão efeitos ex nunc, nos termos
do voto do relator, ministro Gilmar Mendes."
2. Os efeitos da decisão restaram modulados, atribuindo-se o efeito ex nunc, no
sentido de que se aplica o prazo de cinco anos para os casos onde o termo inicial da
prescrição ocorra após o julgamento do REXT, e, para as prescrições em curso, o que ocorrer
primeiro: 30 anos, contados do termo inicial, ou 5 anos a partir da referida decisão.
3. A exceção de pré-executividade, nos termos da Súmula 393 do STJ, é
"admissível na execução fiscal relativamente às matérias conhecíveis de ofício que não
demandem dilação probatória".
4. Acolhimento da exceção de pré-executividade. Prescrição afastada.

ACÓRDÃO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 22 / 462


Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar
provimento à apelação, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam
fazendo parte integrante do presente julgado.
Porto Alegre, 01 de dezembro de 2017.
00006 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 2006.71.00.004072-
7/RS
RELATORA : Des. Federal VÂNIA HACK DE ALMEIDA
EMBARGANTE : MARLENE ZEPKA FIGUEIREDO
ADVOGADO : Adilson Machado
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF
ADVOGADO : Ricardo Goncalez Tavares e outros
: Rogerio Spanhe da Silva
: Fernando Antonio Sa de Azambuja
: Evandro Garczynski
: Clovis Konflanz

EMENTA

PROCESSO CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OMISSÃO,


OBSCURIDADE, CONTRADIÇÃO, ERRO. INEXISTÊNCIA.
PREQUESTIONAMENTO.

1. Considerando que o julgamento do recurso ocorreu em data anterior ao


advento da Lei nº 13.105/2015, a análise e julgamento dos embargos de declaração deverão
observar o anterior regramento do Código de Processo Civil (Lei nº 5.869/1973), em respeito
ao direito subjetivo já incorporado ao seu recurso.
2. Ausente contradição, obscuridade ou omissão, são rejeitados os embargos
declaratórios, que não servem à rediscussão do julgado.
3. A mera desconformidade do embargante com a rejeição da tese que entende
cabível não caracteriza omissão, devendo ser atacada pelo meio processual idôneo, e não
pela via estreita dos embargos de declaração.
4. Cabíveis os embargos de declaração para acrescer fundamentação ao voto,
bem como com propósito de prequestionamento, de acordo com as Súmulas 282 e 356 do
Excelso STF e 98 do Egrégio STJ.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a
Egrégia 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar parcial
provimento aos embargos de declaração para acrescer fundamentação e dar por
prequestionada a matéria e/ou os dispositivos suscitados, sem, contudo, ensejar alteração do
julgado, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte
integrante do presente julgado.

Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 23 / 462
Porto Alegre, 30 de janeiro de 2018.
Expediente

Secretaria dos Órgãos Julgadores

Expediente SPLE Nro 027/2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Secretaria dos Órgãos Julgadores

AUTOS COM DESPACHO


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0011019-44.2011.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : ELOI LUIZ MACHADO PAIVA
ADVOGADO : Paulo Andre Fernandes Solano
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 24 / 462
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 25 / 462


661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0010750-68.2012.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ADEMIR SPIDULA
ADVOGADO : Imilia de Souza e outro
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Cuida-se de apelações interpostas pelo Instituto Nacional de Seguro Social e


pelo autor contra sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a
validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo legal.
A parte autora, em sua apelação, requer o reconhecimento do tempo de serviço
especial já postulado na inicial.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), submetido ao rito da repercussão geral, na sessão de 27/10/2016,
acórdão publicado no DJe-221, Divulg. 27/09/2017, Public. 28/09/2017, definindo que "No
âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar benefício e vantagens
previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à "desaposentação", sendo
constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 26 / 462


Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator (a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora, e julgo prejudicado o exame do tempo de serviço especial.
Dos honorários advocatícios:
Diante da improcedência do pedido de desaposentação, fixo os honorários
advocatícios a cargo da parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 19 de janeiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0020916-28.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : ALCIDES VERONESE
ADVOGADO : Fabiano Cesar Siqueira
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 27 / 462


(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 28 / 462
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0021343-25.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : OZI ALVES DA SILVEIRA
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 29 / 462


(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 30 / 462
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0023718-96.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : JOSÉ DILCIO NOIA DA ROSA
ADVOGADO : Teodoro Matos Tomaz e outro
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 31 / 462


autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 32 / 462
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0003707-12.2014.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : MARLENE RESE SEVERO
ADVOGADO : Mauro Sergio Murussi
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 33 / 462


Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.
Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 34 / 462
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0019016-73.2014.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : JOAO EZIDRO CARVALHO
ADVOGADO : Paulo Andre Fernandes Solano
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 35 / 462


Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.
Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 36 / 462
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0019021-95.2014.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : NILTA MARIA GARCIA NUNES
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 37 / 462


1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,
interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 38 / 462
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0007050-79.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : LUIZ FERNANDO FRAMIL FERNANDES
ADVOGADO : Wagner Vidal e outro
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 39 / 462


1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,
interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 40 / 462
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009352-81.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GEMA RADAELLI
ADVOGADO : Thais Casaril Vian
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença que julgou
improcedente o seu pedido para reconhecer a validade jurídica do instituto da
desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie de
aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original.
Em suas razões, a parte autora postula pela reforma da sentença e requer o
reconhecimento do tempo de serviço especial.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), submetido ao rito da repercussão geral, na sessão de 27/10/2016,
acórdão publicado no DJe-221, Divulg. 27/09/2017, Public. 28/09/2017, definindo que "No
âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar benefício e vantagens
previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à "desaposentação", sendo
constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 41 / 462


pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator (a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora, e julgo prejudicado o exame do tempo de serviço especial.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 17 de janeiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009354-51.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : VALDIR DE POTTER
ADVOGADO : Thais Casaril Vian
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 42 / 462


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 43 / 462
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009360-58.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : TELVI VANZETTA
ADVOGADO : Thiago Casaril Vian
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 44 / 462


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 45 / 462
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009638-59.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : IVO JOSE DE ALMEIDA
ADVOGADO : Thais Casaril Vian
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 46 / 462


8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 47 / 462


advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0013520-29.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : ANGELO LUIZ COLUSSI
ADVOGADO : Laudir Gulden
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 48 / 462
3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do
Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 49 / 462


da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014111-88.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : ANDRE HUFF
ADVOGADO : Vilmar Lourenco
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 50 / 462


3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do
Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 51 / 462


inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014488-59.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : RENE JOSE MUGNOL
ADVOGADO : Laudir Gulden
: Aline dos Santos Maurer
: Juliana Godoi
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 52 / 462


3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do
Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 53 / 462


inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0016284-85.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : RUBENS CARLOS PEDRETTI
ADVOGADO : Natalia Radaelli
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 54 / 462


3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do
Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 55 / 462
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0016344-58.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : ERNESTO TORRIANI
ADVOGADO : Darjela Calvi
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 56 / 462


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 57 / 462
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0017576-08.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : MARIO LUIZ CORNELLI
ADVOGADO : Marco Aurélio Schuh
: Emauel Luis Calvi Radaelli
: Eveline Radaelli Buffon
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 58 / 462


3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do
Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 59 / 462


inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0018612-85.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : PAULO RICARDO LUCAS
ADVOGADO : Gustavo Hentges Redecker
: Grasiele Cofferri
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 60 / 462


3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do
Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 61 / 462


inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0019978-62.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : CLAIMAR LUIZ CONCI
ADVOGADO : Gustavo Mezzomo
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 62 / 462


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade de custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 63 / 462
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0020019-29.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : AROLDO AREZI
ADVOGADO : Michele Rudiger
: Marcio Arcari
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 64 / 462


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 65 / 462
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009001-74.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIA JOSE APARECIDA DE AZEVEDO
ADVOGADO : Paulo Andre Fernandes Solano e outro
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Cuida-se de apelações interpostas pela parte autora e pelo Instituto Nacional de


Seguro Social contra sentença que julgou procedente o pedido da parte autora para
reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria
permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela
renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à
primeira jubilação.
Em suas razões, a parte autora sustenta, em síntese, que deve ser reformada
parcialmente a sentença quanto aos consectários legais e à verba honorária.
O Instituto Nacional de Seguro Social apela sustentando, em síntese, que o
pedido de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Dos honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 66 / 462


parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0012042-49.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : OTACÍLIO EUCLIDES TESTOLIN
ADVOGADO : Laudir Gulden e outro
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Cuida-se de apelação oposta pela parte autora contra sentença que julgou
improcedente o seu pedido para reconhecer a validade jurídica do instituto da
desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie de
aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo das
contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, o autor sustenta, em síntese, que o seu pedido de
desaposentação merece ser deferido, devendo-se considerar uma melhor interpretação dos
dispositivos legais e constitucionais aplicáveis à espécie.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, Ata de Julgamento nº 35, publicada no
DJE nº 237, divulgada em 07/11/2016, o qual foi submetido ao rito da repercussão geral,
fixando tese para não reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, nos
seguintes termos:
"No âmbito do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode
criar benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 67 / 462


direito à 'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91".
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236, Divulg. 30-11-2012, Public. 03-12-2012).
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014197-25.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARINO SCHOLLES
ADVOGADO : Morgana Andreas Silveira Closs
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Cuida-se de apelações interpostas pela parte autora e pelo Instituto Nacional de


Seguro Social contra sentença que julgou parcialmente procedente o pedido da parte autora

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 68 / 462


para reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria
permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela
renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à
primeira jubilação, desde que devolvido todos os valores recebidos na aposentadoria atual.
Em suas razões, a parte autora sustenta, em síntese, que deve ser reformada
parcialmente a sentença do juízo a quo no que diz respeito à desnecessidade da devolução
dos proventos já recebidos e que o termo inicial da nova aposentadoria ocorra desde a data
do requerimento administrativo. Além disso, postula a fixação dos honorários advocatícios
de acordo com os termos da Súmula nº 76 do TRF4.
O Instituto Nacional de Seguro Social apela sustentando, em síntese, que o
pedido de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à
revisão postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Dos honorários advocatícios:
Diante da improcedência do pedido de desaposentação, fixo os honorários
advocatícios a cargo da parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 05 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014587-92.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : AMANDIA OLIVEIRA DA SILVA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 69 / 462


ADVOGADO : Morgana Andreas Silveira Closs
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Cuida-se de apelações interpostas pela parte autora e pelo Instituto Nacional de


Seguro Social contra sentença que julgou parcialmente procedente o pedido da parte autora
para reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria
permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela
renúncia ao benefício original, desde que efetuada a restituição prévia e integral ao INSS de
todos os valores percebidos no benefício anterior pela parte.
A parte autora, em sua apelação, postula pela reforma parcial da sentença no
ponto que determina a devolução dos valores recebidos da autarquia previdenciária a título
de benefício em sua primeira jubilação, bem como a modificação da data do termo inicial da
nova aposentadoria e ainda, a fixação de honorários advocatícios de acordo com a súmula nº
76 do TRF4.

O Instituto Nacional de Seguro Social apela sustentando, em síntese, que o


pedido de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), submetido ao rito da repercussão geral, na sessão de 27/10/2016,
acórdão publicado no DJe-221, Divulg. 27/09/2017, Public. 28/09/2017, definindo que "No
âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar benefício e vantagens
previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à "desaposentação", sendo
constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator (a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Dos honorários advocatícios:
Diante da improcedência do pedido de desaposentação, fixo os honorários
advocatícios a cargo da parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 70 / 462


art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014709-08.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELANTE : JOSE ANTONIO LIMA DE LACERDA
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Cuida-se de apelações interpostas pelo Instituto Nacional de Seguro Social e


pela parte autora contra sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para
reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria
permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela
renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à
primeira jubilação, bem como o reconhecimento de atividade especial exercida pelo autor.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.
A parte autora, em sua apelação, requer a reforma da sentença, a fim de ter
reconhecida a especialidade das atividades exercidas de 01/09/2009 a 04/07/2011.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 71 / 462


Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora, e julgo prejudicado o exame do tempo de serviço especial.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 05 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0016837-98.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ALICE BRAUN ARNECKE
ADVOGADO : Rodrigo Fernando Schoeler Spier e outro
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Cuida-se de apelações interpostas pela parte autora e pelo Instituto Nacional de


Seguro Social contra sentença que julgou parcialmente procedente o pedido da parte autora
para reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria
permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela
renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à
primeira jubilação, desde que devolvido todos os valores recebidos na aposentadoria atual.
Em suas razões, a parte autora sustenta, em síntese, que deve ser reformada a
sentença do juízo a quo que entendeu inadmissível a renúncia ao benefício sem que a
apelante fosse dispensada de restituir ao INSS os valores já recebidos através do benefício
em vigor.
O Instituto Nacional de Seguro Social apela sustentando, em síntese, que o
pedido de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à
revisão postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 72 / 462


decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 05 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0001519-41.2017.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELANTE : PAULO DOS SANTOS
ADVOGADO : Paulo Andre Fernandes Solano e outro
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 73 / 462


Cuida-se de apelações interpostas pelo Instituto Nacional de Seguro Social e
pela parte autora contra sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para
reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria
permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela
renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à
primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.

A parte autora, em sua apelação, postula pela reforma da sentença para afastar a
TR como critério de correção monetária.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.

Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da


parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento à apelação da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 74 / 462


Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0001918-70.2017.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELANTE : VITOR INACIO RODRIGUES
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
APELADO : (Os mesmos)
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE SAPUCAIA DO
SUL/RS

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.
A parte autora, por meio de recurso adesivo, postula a reforma da sentença em
relação aos consectários legais e à concessão da aposentadoria especial desde a DER.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora e julgo prejudicado o exame do tempo de serviço especial.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 75 / 462


arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, nego provimento ao recurso adesivo da parte autora e dou
provimento à apelação do INSS e à remessa necessária.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 05 de fevereiro de 2018.
Expediente

Secretaria dos Órgãos Julgadores

Expediente SPLE Nro 028/2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Secretaria dos Órgãos Julgadores

AUTOS COM DESPACHO


MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000622-37.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
IMPETRANTE : RENATO ROTHE
ADVOGADO : Vilmar Lourenco
: Imilia de Souza
IMPETRADO : JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE TRÊS
COROAS/RS
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 76 / 462


DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 50-56), opostos pela parte impetrante


contra a decisão das fls. 45-47, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0002726-75.2017.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : MANSUETO STANGHERLIN
ADVOGADO : Avelino Beltrame e outro
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE SÃO JOSÉ DO
OURO/RS

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 77 / 462


Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrário à pretensão da
parte autora.
Dos honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS e à remessa necessária.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000654-
42.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 78 / 462


EMBARGANTE : JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE TRÊS
COROAS/RS
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : ELISABETE FATIMA STANGA
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
: Imilia de Souza
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 44-50), opostos pela parte impetrante


contra a decisão das fls. 39-41, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0012849-69.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : MARCOS DIONISIO DO NASCIMENTO COSTA
ADVOGADO : Arcemildo Bamberg e outros
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 2A VARA DA COMARCA DE TRÊS
PASSOS/RS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 79 / 462


DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à revisão
postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrário à pretensão da
parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 80 / 462


Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS e à remessa necessária.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000662-
19.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
EMBARGANTE : JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE TRÊS
COROAS/RS
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : VITOR TOME CARVALHO
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
: Imilia de Souza
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 82-88), opostos pela parte impetrante


contra a decisão das fls. 77-79, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 81 / 462


Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000686-47.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
IMPETRANTE : LEMON COSTA BATISTA DE SOUZA
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
: Imilia de Souza
IMPETRADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE TRÊS
COROAS
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 59-65), opostos pela parte impetrante


contra a decisão das fls. 54-56, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000687-
32.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
EMBARGANTE : TEREZINHA DE FATIMA DE SOUZA LEITE sucessão
ADVOGADO : Vilmar Lourenco
: Imilia de Souza

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 82 / 462


INTERESSADO : JUIZO DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE TRÊS
COROAS
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS

DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 54-60), opostos pela parte impetrante


contra a decisão das fls. 49-51, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000753-
12.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
EMBARGANTE : JUIZO DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE
IGREJINHA/RS
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : PAULO CELIRIO PACHECO GEWEHR
ADVOGADO : Imilia de Souza e outro
: Vilmar Lourenco
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 83 / 462


DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 55-61), opostos pela parte impetrante


contra a decisão das fls. 51-52, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 0000756-
64.2017.4.04.0000/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
EMBARGANTE : JUIZO DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE TRÊS
COROAS/RS
EMBARGADO : ACÓRDÃO DE FOLHAS
INTERESSADO : SANDRA MARA ADLER
ADVOGADO : Imilia de Souza e outro
: Vilmar Lourenco
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de embargos de declaração (fls. 50-56), opostos pela parte impetrante

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 84 / 462


contra a decisão das fls. 46-47, que indeferiu a inicial.
A parte impetrante alega, em síntese, que: a) ao contrário do alegado na decisão
embargada, não caberia apelação no caso, por tratar-se de decisão interlocutória; b) outro
julgador deste Tribunal teria decidido caso similar de forma diversa.
Brevemente relatado, decido.
Não merecem acolhida os embargos de declaração, face à inexistência de
obscuridade, contradição, omissão ou erro material na decisão embargada.
O Código de Processo Civil de 2015 alterou de forma significativa a sistemática
recursal, de forma que nem todas as decisões possam ser revisadas de forma imediata, através
de agravo de instrumento, havendo hipóteses em que a insurgência contra a decisão deve ser
manifestada em momento posterior, em recurso de apelação. A presente hipótese se enquadra
nessa segunda situação. Não é cabível utilizar o mandado de segurança, por via transversa,
para alterar a sistemática recursal prevista pelo Novo CPC. Observe-se, ainda, que essa
espécie de sistemática sempre existiu no processo trabalhista, não sendo novidade no sistema
recursal pátrio.
Portanto, no presente caso, o recurso cabível é a apelação a ser apresentada ao
Juízo onde o feito for processado, onde haverá, em algum momento, sentença recorrível, a
qual poderá ser objeto de apelação em que tratada a questão da competência posta neste
mandado de segurança, ocasião em que, aí sim, a decisão em questão poderá ser reexaminada
pelo TRF4, conforme a sistemática atualmente prevista na legislação processual civil, desde a
entrada em vigor do novo CPC.
Por fim, é de se notar que os embargos de declaração do art. 1.022 do CPC
dizem respeito a omissão, obscuridade ou contradição intrínsecas à própria decisão, não
sendo a via adequada para sanar eventual divergência em relação a decisões proferidas por
outros julgadores, ainda que do mesmo Tribunal.
Ante o exposto, com fulcro no art. 1.022 do NCPC, rejeito os embargos de
declaração.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0005348-69.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : ARI PEREIRA
ADVOGADO : Laudir Gulden
: Aline dos Santos Maurer
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 85 / 462


É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 86 / 462
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 0000282-11.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : TEREZINHA MARQUES FLOR
ADVOGADO : Paulo Andre Fernandes Solano
: Luiz Marcelo Tassinari
PARTE RE' : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DA
PATRULHA/RS

DECISÃO

Cuida-se de reexame necessário de sentença que julgou procedente o pedido da


parte autora, para reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do
qual seria permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa,
pela renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente
à primeira jubilação.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 87 / 462


A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à remessa necessária.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0011271-76.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : VALTE JOSE SABEDOT
ADVOGADO : Laudir Gulden e outro
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 88 / 462


O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 89 / 462
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 0005637-65.2014.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : AGENOR ALVES MACIEL
ADVOGADO : Franciele Pedroso Ferreira e outros
PARTE RE' : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 2A VARA DA COMARCA DE VACARIA/RS

DECISÃO

Cuida-se de remessa necessária de sentença que julgou procedente o pedido da


parte autora, para reconhecer a validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do
qual seria permitida a conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa,
pela renúncia ao benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente
à primeira jubilação.
É o sucinto relatório.
Decido.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 90 / 462


A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à remessa necessária.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0013076-64.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : NILTON LANIS
ADVOGADO : Nara Rejane Barbosa Leite
: Tatiana Fernandes Pereira
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 91 / 462


benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 92 / 462
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0023719-81.2013.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : VANDELINO NUNES DA SILVA
ADVOGADO : Lediane Benfica e outros
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 93 / 462


jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 94 / 462
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0005812-25.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : IGNES ALVES DE OLIVEIRA
ADVOGADO : Cari Aline Niemeyer
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 95 / 462


prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 96 / 462
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008418-26.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : BRAULINO VIEIRA DA SILVA
ADVOGADO : Vilmar Lourenco
: Imilia de Souza
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 97 / 462


prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 98 / 462
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0011325-71.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Des. Federal JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA
APELANTE : DARCI ALCIDES WIEDERKEHR
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DESPACHO

Diante da informação trazida aos presentes autos pela parte autora, à fl. 312, de
que até o presente momento não foi cumprida a parte do acórdão que determinou a
implantação do benefício (fls. 294-305), por força da tutela específica deferida, intime-se o
INSS para que implante o benefício de aposentadoria especial, com efeitos financeiros a
partir da data determinada no acórdão, devendo ser comprovada a efetivação da medida, no
prazo de cinco dias.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 99 / 462


Após, voltem conclusos.

Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014489-44.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : MARIJANE SIRONI
ADVOGADO : Laudir Gulden
: Aline dos Santos Maurer
: Juliana Godoi
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação interposta pela parte autora contra sentença de


improcedência, em ação previdenciária em que discutida a possibilidade de reconhecimento
da validade jurídica do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a
conversão de uma espécie de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao
benefício original e o cômputo das contribuições recolhidas posteriormente à primeira
jubilação.
O processo foi sobrestado para aguardar a definição da questão constitucional
prejudicial ao seu julgamento (Tema 503) que teve reconhecimento de Repercussão Geral
pelo Supremo Tribunal Federal.
É o relatório.
Decido
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar o Recurso Extraordinário nº 661.256/SC
(Tema 503), submetido à sistemática da repercussão geral, decidiu a questão constitucional
que envolvia a possibilidade de desaposentação, fixando tese contrária à pretensão da parte
autora, em acórdão que restou assim ementado:

Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2º do art. 18 da Lei 8.213/91. desaposentação.


Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de
serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção
de benefício mais vantajoso. Julgamento em conjunto dos RE nºs 661.256/SC (em que
reconhecida a repercussão geral) e 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

1. Nos RE nºs 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso,


interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de
origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para,
aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS,
obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e


distributivo. inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, §2º, da Lei nº
8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa
retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-
família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE nº 661.256/SC: "No âmbito do


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 100 / 462


Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e
vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8213/91".

4. Providos ambos os recursos extraordinários. (RE nºs 661.256/SC e 827.833/SC).

(STF, RE nº 661.256/SC, Tribunal Pleno, Rel. Min. Roberto Barroso, Rel. p/ acórdão Min.
Dias Tofolli, DJe 28-09-2017 ).

No caso concreto, o julgamento do pedido dependia de análise da


inconstitucionalidade da norma previdenciária defendida pelo INSS, no sentido de
impossibilitar a validade jurídica do instituto da desaposentação, questão apreciada pelo STF
no precedente acima, por isso plenamente aplicável a ratio decidendi aos processos que
discutem a mesma matéria, como na presente hipótese. Pretendeu-se, aqui, o reconhecimento
do direito à desaposentação, consistente na renúncia a benefício de aposentadoria, com a
utilização dos tempos ou contribuições que justificaram prestação previdenciária originária,
para a obtenção de benefício mais vantajoso em nova aposentadoria, computando-se também
tempo posterior à concessão desse benefício originário.
O Supremo Tribunal Federal, ao apreciar a questão, fixou a seguinte tese
jurídica: "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, somente lei pode criar
benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2º, da Lei nº 8.213/91.".
Portanto, concluiu a Corte Suprema pela constitucionalidade da limitação prevista no art. 18,
§ 2º, da Lei nº 8.213/91 e que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito à
desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Assim, impõe-se o reconhecimento da improcedência do pedido, inclusive
quando a possibilidade de desaposentação tenha sido cogitada diante de eventual devolução,
como contrapartida, dos valores pagos pelo INSS por conta do benefício originário. A
definição desta condição resulta prejudicada frente à inexistência, no atual contexto
normativo, do direito à desaposentação para novo benefício.
Outrossim, não se cogita da aplicação da tese firmada no julgamento, pelo
Superior Tribunal de Justiça, do recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC - Tema 563
(renúncia à aposentadoria sem devolução dos valores já recebidos), uma vez que o referido
recurso especial restou sobrestado exatamente por conta do recurso extraordinário nº
661.256.
Disso se infere que também o recurso especial repetitivo nº 1.334.488/SC está
subordinado à tese fixada no recurso extraordinário com repercussão geral nº 661.256, na
forma do artigo 927, inciso III, do Código de Processo Civil. Ainda, compete ao STF, em sede
de recurso extraordinário, a apreciação de decisão colegiada contraria à dispositivo
constitucional ou que declare a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, conforme art.
102, inciso III, da CF/88.
Assim, a apelação deve ser desprovida, mantendo-se a condenação da parte
autora nos ônus sucumbenciais e a suspensão da exigibilidade ds custas e honorários
advocatícios enquanto perdurar o benefício da gratuidade judiciária.
Considerando que a sentença recorrida foi publicada antes de 18/03/2016, data
da entrada em vigor do NCPC, as novas disposições acerca da verba honorária são
inaplicáveis ao caso em tela, de forma que não se determinará a majoração em razão da
interposição de recurso (art. 85, §11º, do CPC/2015).
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 101 / 462
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, nego provimento à
apelação.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0008751-75.2015.4.04.9999/SC
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : FRANCISCO DIAS DE SOUZA SOBRINHO
ADVOGADO : Marisa Salette da Silva Corralo
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE LEBON
REGIS/SC

DECISÃO

Trata-se de apelação contra sentença prolatada pelo Juízo Estadual da Comarca


de Lebon Regis/SC, que julgou procedente a ação e concedeu ao autor o benefício de auxílio-
doença, a contar da data do requerimento administrativo (08/11/2011), convertendo-se em
aposentadoria por invalidez a contar da data do laudo médico pericial (05/11/2013), em
decorrência de acidente de trabalho.

Em 22/11/2016, esta Turma, por unanimidade, solveu questão de ordem para


declinar da competência ao Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, prejudicado o
exame recursal (fl. 156).

Remetido os autos ao TJSC, em julgamento datado de 15/08/2017, aquela Corte


não conheceu do recurso de apelação, tampouco do reexame necessário devido ao não
reconhecimento de sua competência. Foi determinado o retorno a esta Corte (fl. 166).

Ocorre que a decisão final acerca da competência para o processamento do feito


compete à Instância Superior.

Diante disso, remeta-se o processo ao TJSC, a quem compete, se for o caso,


suscitar conflito negativo de competência.

Cumpra-se.

Porto Alegre, 06 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0016238-96.2015.4.04.9999/RS
RELATOR : Des. Federal JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA
APELANTE : ANYR SIMONI MENEGHETTI sucessão
ADVOGADO : Giovani Oneda
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DESPACHO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 102 / 462


A questão relativa à incidência do acréscimo de 25% para benefícios distintos
da aposentadoria por invalidez encontra-se sub judice através do Incidente de Resolução de
Demandas Repetitivas n.º 5026813-68.2016.4.04.0000, Relator Des. Rogério Favreto. O
citado incidente foi admitido em 15/12/2016 e, em 16/01/2017, o eminente Relator
determinou a suspensão de todos os processos acerca da matéria.

Assim, nos termos do inciso I e § 1º do art. 982 do NCPC, inclusive


considerando a ordem já exarada no incidente, determino a suspensão do presente feito.
Intimem-se.

Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0017029-65.2015.4.04.9999/SC
RELATOR : Des. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ
APELANTE : RIVELINO SCHNEIDER
ADVOGADO : Jeferson Ferrazza Pereira
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DESPACHO

Cuida-se de ação que discute o reconhecimento do período de tempo especial


quando utilizado equipamento de proteção individual - EPI.

Contudo, diante da recente admissão do Incidente de Resolução de Demandas


Repetitivas (IRDR 15) nº 5054341-77.2016.4.04.0000/SC, que versa sobre a questão,
determino o sobrestamento do processo, conforme art. 982, I, do NCPC.

Intimem-se.

Florianópolis, 07 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0014607-83.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : ELIETE MARIA MUNEROL
ADVOGADO : Karina Carla Girardi
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE
MARAU/RS

DECISÃO

Trata-se de promoção do Ministério Público Federal apresentada nas fls. 127-


129, onde aponta falha na representação processual da parte autora, sob o fundamento de que
na época do ajuizamento a autora não possuía capacidade civil para a outorga de procuração.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 103 / 462


Manifesta-se pela suspensão do processo, de modo a ser providenciada a interdição judicial
da apelada.

Com vista dos autos, a procuradora da parte autora manifestou-se pelo regular
prosseguimento do feito, referindo que o laudo pericial apenas refere a incapacidade laboral
da apelada, não havendo menção sobre possível incapacidade civil da parte (fls. 135-137).

O Código Civil, em seu art. 1.767 (com redação dada pela Lei nº 13.146/2015),
assim regula sobre a curatela:

Art. 1.767. Estão sujeitos a curatela:

I - aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade;

II - (Revogado);

III - os ébrios habituais e os viciados em tóxico;

IV - (Revogado);

V - os pródigos.

Portanto, além das hipóteses dos incisos III e V, estão sujeitos à Curatela as
pessoas que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade.

No laudo pericial, apesar de a conclusão referir que a parte evidencia sinais de


psicose depressiva severa, também refere, na fl. 67, que a periciada comparece ao exame
sozinha, bem como que, no exame das funções psíquicas, apresenta lúcida, inteligência
clinicamente dentro do termo médio, afeto hipertímico.

Nada há referindo sobre incapacidade civil, nem que a parte não tenha
capacidade de exprimir sua vontade.

Por sua vez, o Código de Processo Civil, a respeito da interdição, prescreve o


seguinte em seus arts. 747 e 748:

Art. 747. A interdição pode ser promovida:

I - pelo cônjuge ou companheiro;

II - pelos parentes ou tutores;

III - pelo representante da entidade em que se encontra abrigado o interditando;

IV - pelo Ministério Público.

Parágrafo único. A legitimidade deverá ser comprovada por documentação que


acompanhe a petição inicial.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 104 / 462


Art. 748. O Ministério Público só promoverá interdição em caso de doença mental grave:

I - se as pessoas designadas nos incisos I, II e III do art. 747 não existirem ou não
promoverem a interdição;

II - se, existindo, forem incapazes as pessoas mencionadas nos incisos I e II do art. 747.

Logo, tem-se que o Ministério Público possui legitimidade para promover a


interdição, caso as pessoas designadas nos incisos I a III, do art. 747, não a promovam.

Conforme consta na fl. 51 e verso, com vista dos autos, o Ministério Público
Estadual declinou da intervenção.

Diante do exposto, por ora, determino o regular prosseguimento do feito,


devendo ser oficiado ao Ministério Público da Comarca de Marau/RS, com cópia do laudo
das fls. 65-69, bem como da manifestação do MPF das fls. 127-129, de modo que, caso
entenda necessário, promova a interdição.

Publique-se e intimem-se.

Porto Alegre, 07 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0018716-77.2015.4.04.9999/SC
RELATOR : Des. Federal JORGE ANTONIO MAURIQUE
APELANTE : NATALINO NUNES
ADVOGADO : Liziany Niero Veran e outros
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

DECISÃO

Consabido é o entendimento de que as ações acidentárias relativas à concessão,


restabelecimento e/ou revisão dos respectivos benefícios são da competência da Justiça
Estadual, conforme dispõe o inciso I do art. 109 da Constituição Federal de 1988:

"Art. 109. Aos juízes federais compete processar e julgar:

I - as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem


interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência,
as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho;"

Nesse sentido é a jurisprudência das Cortes Superiores, como se pode ver das
ementas a seguir colacionadas:

PREVIDENCIÁRIO. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. AÇÃO AJUIZADA CONTRA O INSS


OBJETIVANDO A REVISÃO DE BENEFÍCIO DECORRENTE DE ACIDENTE DE

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 105 / 462


OBJETIVANDO A REVISÃO DE BENEFÍCIO DECORRENTE DE ACIDENTE DE
TRABALHO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ESTADUAL. ART. 109, I DA CF.

SÚMULAS 15/STJ E 501/STF. PARECER DO MPF PELA COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA


ESTADUAL. CONFLITO CONHECIDO PARA DETERMINAR A COMPETÊNCIA DA
JUSTIÇA ESTADUAL PARA PROCESSAR E JULGAR A PRESENTE DEMANDA.

1. A jurisprudência deste Tribunal Superior é assente quanto à competência da Justiça


Estadual para processar e julgar ação relativa a acidente de trabalho, estando abrangida
nesse contexto tanto a lide que tem por objeto a concessão de benefício como também as
relações daí decorrentes (restabelecimento, reajuste, cumulação), uma vez que o art. 109,
I da CF não fez qualquer ressalva a este respeito.

2. No presente caso, contudo, os autos foram remetidos do Juízo de Direito da 1a. Vara
Cível de Jaú/SP para a Justiça Federal, em face da criação de Vara Federal em Jaú/SP.

3. Tendo o Juízo Federal da 1a. Vara de Jaú SJ/SP concordado com o recebimento dos
autos, processado e julgado a demanda, tendo, inclusive, proferido sentença nos
embargos à execução e determinado a expedição de precatório, impõe-se reconhecer que
tal situação atraiu a competência do Tribunal Regional Federal da 3a. Região para
conhecer e julgar eventuais recursos interpostos.

4. Assim, não há que se falar que o Tribunal Regional Federal da 3a. Região não detinha
competência para o julgamento da Ação Rescisória proposta pelo INSS e que culminou
com a anulação da sentença exequenda e, consequentemente, dos atos executórios que se
seguiram a ela.

5. Diante dessa situação, e considerando que, em face da citada decisão da Ação


Rescisória, deverá ser proferida nova sentença ainda na fase de conhecimento, entendo
que deve a lide ser, agora, processada e julgada pelo juízo de fato competente, qual seja,
o Juízo Estadual, conforme antes explanado.

6. Conflito de competência conhecido para declarar a competência para processar e


julgar a presente demanda do Juízo de Direito da 1a. Vara Cível de Jaú/SP, o suscitante,
conforme o parecer do MPF.

(CC 102459/SP, Rel. Min. NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, Terceira Seção, DJe 10-09-
2009)

PREVIDENCIÁRIO. COMPETÊNCIA. CONFLITO NEGATIVO. REVISÃO DE BENEFÍCIO


DE ÍNDOLE ACIDENTÁRIA. ART. 109, I, e § 3º, DA CONSTITUIÇÃO. VERBETES
SUMULARES 501/STF E 15/STJ.

1. O objetivo da regra do art. 109, I, da Constituição é aproximar o julgador dos fatos


inerentes à matéria que lhe está sendo submetida a julgamento.

2. As ações propostas contra a autarquia previdenciária objetivando a concessão e


revisão de benefícios de índole acidentária são de competência da Justiça Estadual.
Precedentes. Verbetes sumulares 501/STF e 15/STJ.

3. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito da Vara de


Acidentes do Trabalho de Porto Alegre/RS, o suscitante.

(CC 89.174/RS, Rel. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA, Terceira Seção, DJ 01-02-2008)

AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL E


PREVIDENCIÁRIO. ACIDENTE DE TRABALHO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM
ESTADUAL PARA PROCESSAR E JULGAR A CAUSA. PRECEDENTES. INCIDÊNCIA DA
SÚMULA 501 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. AGRAVO REGIMENTAL AO QUAL
SE NEGA PROVIMENTO.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 106 / 462


(RE 540970 AgR, Rel. Min. CÁRMEN LÚCIA, Primeira Turma, DJe 20-11-2009 )

AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO. ACIDENTE DO TRABALHO.


AÇÃO ACIDENTÁRIA AJUIZADA CONTRA O INSS. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA
COMUM ESTADUAL. INCISO I E § 3O DO ARTIGO 109 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.
SÚMULA 501 DO STF.

A teor do § 3o c/c inciso I do artigo 109 da Constituição Republicana, compete à Justiça


comum dos Estados apreciar e julgar as ações acidentárias, que são aquelas propostas
pelo segurado contra o Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, visando ao benefício e
aos serviços previdenciários correspondentes ao acidente do trabalho. Incidência da
Súmula 501 do STF. Agravo regimental desprovido.

(RE 478472 AgR, Rel. Min. CARLOS BRITTO, Primeira Turma, DJe 01-06-2007)

Os precedentes desta Corte são no mesmo sentido da orientação dos tribunais


superiores:

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSO CIVIL. ACIDENTE DO TRABALHO. REVISÃO DE


BENEFÍCIO DE NATUREZA ACIDENTÁRIA. ESPÉCIE 94. COMPETÊNCIA ABSOLUTA.
SÚMULA 15 DO STJ. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETENCIA PERANTE O STJ. 1. O
inciso I do artigo 109 da Constituição Federal estabelece a competência da Justiça
Federal para processar e julgar "as causas em que a União, entidade autárquica ou
empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou
oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça
Eleitoral e à Justiça do Trabalho". 2. Por força da exceção constitucional, e nos termos
da Súmula 15 do STJ, a competência para processar e julgar os litígios decorrentes de
acidente do trabalho é da Justiça Estadual. 3. Na esteira do entendimento firmado pelo
STF e STJ, a competência da Justiça Estadual, prevista no § 3º do art. 109 da CF/88, é
mantida até mesmo nos casos de reajuste ou revisão de benefício acidentário. O fato de se
tratar de ação que persegue o reajuste de benefício oriundo de acidente do trabalho não
tem o condão de elidir a competência constitucional da Justiça Estadual. 4. Como a
matéria colocada para julgamento não está inserida na competência delegada do § 3º do
art. 109 da CF/88, já que expressamente excepcionada pelo inciso I -, não incide a regra
de competência recursal prevista no § 4º do mesmo dispositivo constitucional. 5. Cabe ao
STJ dirimir o conflito de competência, nos termos do art. 105, inciso I, alínea "d", da
Constituição Federal.

(AC 0005345-22.2010.404.9999, Sexta Turma, Rel. Des. Federal Luís Alberto D"Azevedo
Aurvalle, D.E. 09-06-2010)

CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. PROCESSO CIVIL E CONSTITUCIONAL.


AÇÃO ACIDENTÁRIA. - Compete à Justiça Estadual, ex vi do art. 109, I, da Constituição
Federal, processar e julgar as demandas fundadas em acidente de trabalho. Conflito
remetido ao STJ (art. 105, I, "d", da CF/88).

(CC 2004.04.01.005117-4, Terceira Seção, Rel. Des. Federal Celso Kipper, DJ 05-01-
2005)

PREVIDENCIÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. AÇÃO RELACIONADA A


BENEFÍCIO DECORRENTE DE DOENÇA PROFISSIONAL.

1. Segundo firme jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, compete à Justiça Comum


Estadual processar e julgar as causas relacionadas a acidente do trabalho, inclusive
aquelas que dizem respeito à revisão de benefícios acidentários.

2. A doença profissional e a doença do trabalho estão compreendidas no conceito de


acidente de trabalho (Lei nº 8.213/91, art. 20) e, nesses casos, a competência para o

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 107 / 462


acidente de trabalho (Lei nº 8.213/91, art. 20) e, nesses casos, a competência para o
julgamento da lide tem sido reconhecida em favor da justiça estadual.

(Questão de ordem na AC nº 2009.72.99.001266-7/SC, Rel. Des. Federal Ricardo Teixeira


do Valle Pereira, D.E. de 14-07-2009)

Ante o exposto, declino da competência para o Egrégio Tribunal de Justiça do


Estado de Santa Catarina.
Intimem-se.
Florianópolis, 08 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0009545-62.2016.4.04.9999/RS
RELATORA : Juíza Federal GISELE LEMKE
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : VILMAR VIEIRA DA SILVA
ADVOGADO : Cícero Gehlen Dapper e outros
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE
MONTENEGRO/RS

DECISÃO

O demandante peticionou nas fls. 179-180, requerendo restabelecimento liminar


de auxílio-doença. Informa que esse benefício, cuja implantação fora determinada no curso
do processo, foi cessado pelo INSS.
Intimado, o INSS alegou somente que o benefício foi cessado em razão de o
segurado não ter requerido sua prorrogação.
O auxílio-doença foi deferido na decisão das fls. 41-43, datada de 08/01/2008,
sendo implantado desde 29/01/2008 (fl. 49). A sentença de procedência, datada de
24/11/2015 (fls. 162-166) foi proferida com base no laudo pericial datado de 10/07/2013 (fls.
133-137). Conforme informa o INSS, o benefício foi cessado em abril de 2017, "porque o
autor não requereu sua prorrogação" (fls. 191-193).
Não se desconhecem os termos da MP n.º 739/2016 (convertida na Lei
13.547/2017), plenamente aplicável tanto aos processos administrativos como aos judiciais,
que introduziu, no art. 60 da Lei 8.213/1991, os parágrafo 8º a 11, com a seguinte redação:
"O segurado que não concordar com o resultado da avaliação da qual dispõe o § 10
deste artigo poderá apresentar, no prazo máximo de trinta dias, recurso da decisão da
administração perante o Conselho de Recursos do Seguro Social, cuja análise médica
pericial, se necessária, será feita pelo assistente técnico médico da junta de recursos do
seguro social, perito diverso daquele que indeferiu o benefício."
§ 8º Sempre que possível, o ato de concessão ou de reativação de auxílio-doença, judicial
ou administrativo, deverá fixar o prazo estimado para a duração do benefício.
§ 9º Na ausência de fixação do prazo de que trata o § 8o deste artigo, o benefício cessará
após o prazo de cento e vinte dias, contado da data de concessão ou de reativação do
auxílio-doença, exceto se o segurado requerer a sua prorrogação perante o INSS, na
forma do regulamento, observado o disposto no art. 62 desta Lei.
§ 10 O segurado em gozo de auxílio-doença, concedido judicial ou administrativamente,
poderá ser convocado a qualquer momento para avaliação das condições que ensejaram
sua concessão ou manutenção, observado o disposto no art. 101 desta Lei.
§ 11 O segurado que não concordar com o resultado da avaliação da qual dispõe o § 10
deste artigo poderá apresentar, no prazo máximo de trinta dias, recurso da decisão da
administração perante o Conselho de Recursos do Seguro Social, cuja análise médica
pericial, se necessária, será feita pelo assistente técnico médico da junta de recursos do
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 108 / 462
seguro social, perito diverso daquele que indeferiu o benefício."
No entanto, a alteração legislativa trazida pela referida Medida Provisória não
contempla especificamente casos como o presente, onde o laudo não prevê prazo final para a
recuperação da capacidade laborativa e todo o trâmite processual é anterior ao advento da
MP n.º 739/2016. Via de regra, em casos como o presente, o INSS toma a iniciativa de intimar
o segurado para comparecer a uma avaliação médica periódica, procedimento totalmente
regular, tendo em conta o caráter precário do auxílio-doença. A partir do resultado dessa
avaliação, o benefício é cessado ou continuado. No entanto, no presente caso, o auxílio-
doença foi cessado, sem que tenha sido realizada nova avaliação médica pelo INSS.
Conforme consulta ao PLENUS, a última avaliação pelo perito da Autarquia teria sido feita
no ano de 2008.
Tendo em conta esse longo lapso temporal, e a circunstância de que a análise de
todo pedido de concessão de benefício por incapacidade - judicial ou administrativamente - é
embasada em laudo pericial, o INSS não poderia ter cessado o benefício antes de reavaliar o
segurado, de forma a constatar se a alegada incapacidade persiste.
Ante o exposto, defiro o pedido, determinando ao INSS que restabeleça, em até
30 dias, o auxílio-doença titulado pelo demandante (NB 5080117555), até que nova perícia
médica administrativa seja realizada, incumbindo ao representante judicial da autarquia que
for intimado desta decisão dar ciência à autoridade administrativa competente e tomar as
demais providências necessárias ao cumprimento da ordem.
Intimem-se.
Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0019817-52.2015.4.04.9999/SC
RELATOR : Des. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ
APELANTE : NICANOR DE OLIVEIRA
ADVOGADO : Jeferson Ferrazza Pereira
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DESPACHO

Cuida-se de ação que discute o reconhecimento do período de tempo especial


quando utilizado equipamento de proteção individual - EPI.

Contudo, diante da recente admissão do Incidente de Resolução de Demandas


Repetitivas (IRDR 15) nº 5054341-77.2016.4.04.0000/SC, que versa sobre a questão,
determino o sobrestamento do processo, conforme art. 982, I, do NCPC.

Intimem-se.

Florianópolis, 08 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0002091-31.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ARTUR CÉSAR DE SOUZA
APELANTE : SEBASTIAO MEYER BARBOSA
ADVOGADO : Vilmar Lourenco
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 109 / 462


ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DESPACHO

Peticiona a parte autora, postulando o cumprimento da decisão judicial que


deferiu tutela específica, nos termos dos artigos 497 do CPC, determinando a revisão da RMI
de benefício de aposentadoria por tempo de contribuição.

Portanto, intime-se o INSS para que cumpra a determinação judicial de revisão


da RMI do benefício, no prazo de 10 dias, sob pena de multa diária de R$ 100,00 (cem reais)
em caso de descumprimento.

Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0005838-86.2016.4.04.9999/RS
RELATORA : Juíza Federal TAÍS SCHILLING FERRAZ
APELANTE : TEREZINHA RICHTER CORACINI
ADVOGADO : Iracildo Binicheski e outros
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

DECISÃO

Trata-se de apelação contra sentença que confirmou os efeitos da tutela


antecipada e julgou procedente o pedido referido na inicial, para conceder à parte autora o
benefício de auxílio-doença, com o pagamento das parcelas vencidas desde 26-09-2013,
acrescidas de correção monetária pela TR e de juros de mora. Condenou o INSS ainda ao
pagamento de honorários advocatícios, fixados em 10% sobre o valor da condenação,
excluídas as parcelas a vencer (Súmula 111 do STJ e Súmula 76 TRF4), bem como a
eventuais despesas processuais, consignando isento do pagamento das custas.
A parte autora interpôs recurso de apelação (fls. 127-133), pugnando seja
fixado o INPC como índice de correção monetária dos valores em atraso.
Sem contrarrazões, vieram os autos a este Tribunal para julgamento.
É o relatório. Decido.
A controvérsia no plano recursal restringe-se aos critérios de correção
monetária.
Nos termos do artigo 14 do novo CPC, "a norma processual não retroagirá e
será aplicável imediatamente aos processos em curso, respeitados os atos processuais
praticados e as situações jurídicas consolidadas sob a vigência da norma revogada".
O intuito do legislador foi salvaguardar os atos já praticados, perfeitos e
acabados, aplicando-se a nova lei processual com efeitos prospectivos.
Nesse sentido, as sentenças sob a égide do CPC de 1973 sujeitavam-se a
reexame obrigatório se condenassem a Fazenda Pública ou assegurassem ao autor direito
equivalente ao valor de sessenta salários mínimos ou mais.
A superveniência dos novos parâmetros (NCPC, art. 496, § 3º), aumentando o
limite para reexame obrigatório da sentença, traz a indagação quanto à lei aplicável às
sentenças publicadas anteriormente e ainda não reexaminadas. Uma das interpretações
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 110 / 462
possíveis seria a de que, em tendo havido fato superveniente à remessa - novo CPC - a
suprimir o interesse da Fazenda Pública em ver reexaminadas sentenças que a houvessem
condenado ou garantido proveito econômico à outra parte em valores correspondentes a até
mil salários mínimos, não seria caso de se julgar a remessa. Inexistindo o interesse, por força
da sobrevinda dos novos parâmetros, não haveria condição (interesse) para o seu
conhecimento.
No entanto, em precedente repetido em julgamentos sucessivos, o STJ assentou
que a lei vigente à época da prolação da decisão recorrida é a que rege o cabimento da
remessa oficial (REsp 642.838/SP, rel. Min. Teori Zavascki).
Nesses termos, em atenção ao precedente citado, o conhecimento da remessa
necessária das sentenças anteriores à mudança processual observará os parâmetros do CPC
de 1973, aplicando-se o novo CPC às sentenças posteriores.
Registro que no caso dos autos, não se pode invocar o preceito da Súmula 490
do STJ, segundo a qual, a dispensa de reexame necessário quando o valor da condenação ou
do direito controvertido for inferior a sessenta salários mínimos, não se aplica a sentenças
ilíquidas.
É que no caso concreto, o valor do proveito econômico, ainda que não
registrado na sentença, é mensurável por cálculos meramente aritméticos.
A Sentença condenou o INSS a conceder a parte autora o benefício de auxílio
doença, desde a data de 26-09-2013.
O número de meses decorrido entre esta data e a data da sentença (06-10-2015)
multiplicada pelo valor da renda mensal e acrescida de correção monetária e de juros de mora
nas condições estabelecidas na sentença, resulta em condenação manifestadamente inferior a
sessenta salários-mínimos. Trata-se, como visto, de valor facilmente estimável, o que atribui
liquidez ao julgado.
Se a sentença sujeita a reexame necessário é a que condena a Fazenda Pública
em valor superior ou igual a sessenta salários mínimos, impõe-se aferir o montante da
condenação na data em que proferida, pois é neste momento que é feita a avaliação quanto à
obrigatoriedade da remessa. Valores sujeitos a vencimento futuro não podem ser
considerados para este efeito, pois não é possível estimar por quanto tempo o benefício será
mantido. Não por outra razão é que se toma o valor das parcelas vencidas até a data da
decisão de procedência, para fins de aferição do montante da condenação sobre o qual
incidirão os honorários advocatícios, nos termos da Súmula 111 do STJ. Não se aplicam à
hipótese, as regras de estimativa do valor da causa. Trata-se, no momento, de condenação.
Assim, sendo a condenação do INSS fixada em valor inferior a sessenta salários
mínimos, a sentença não está sujeita ao reexame obrigatório, de forma que a remessa não
deve ser conhecida nesta Corte.
Correção monetária
A correção monetária, segundo o entendimento consolidado na 3ª Seção deste
TRF4, incidirá a contar do vencimento de cada prestação e será calculada pelos seguintes
índices oficiais:
- IGP-DI de 05/96 a 03/2006, art. 10 da Lei n.º 9.711/98, combinado com o art.
20, §§5º e 6º, da Lei n.º 8.880/94;
- INPC de 04/2006 a 29/06/2009, conforme o art. 31 da Lei n.º 10.741/03,
combinado com a Lei n.º 11.430/06, precedida da MP n.º 316, de 11/08/2006, que
acrescentou o art. 41-A à Lei n.º 8.213/91.
- IPCA-E a partir de 30/06/2009.
A incidência da TR como índice de correção monetária dos débitos judiciais da
Fazenda Pública foi afastada pelo STF, no julgamento do RE 870947, com repercussão geral,
tendo-se determinado a utilização do IPCA-E, como já havia sido determinado para o período
subsequente à inscrição em precatório, por meio das ADIs 4.357 e 4.425.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 111 / 462
subsequente à inscrição em precatório, por meio das ADIs 4.357 e 4.425.
Assim, embora o IPCA-E não tenha sido o fator de atualização requerido no
apelo, deve ser afastada a TR, provendo-se e parte o recurso para adequar-se a decisão ao
critério de correção monetária adotado pelo STF em precedente vinculante.
Ante o exposto, com base no art. 932, IV, b, do NCPC, não conheço da remessa
necessária e dou parcial provimento à apelação da parte autora.
Porto Alegre, 07 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0013266-22.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : VALMOR ROQUE FLECK
ADVOGADO : Decio Luis Fachini

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à revisão
postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.

Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrário à pretensão da


parte autora.
Honorários advocatícios

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 112 / 462


Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Assim, condeno a parte autora ao pagamento das custas processuais e dos
honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no
art. 20, § 4º, do CPC/73, vigente na data da prolação da sentença. Esta obrigação fica
suspensa no caso de a parte autora ser beneficiária da gratuidade de justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0012431-34.2016.4.04.9999/RS
RELATORA : Juíza Federal TAÍS SCHILLING FERRAZ
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : IVONI TERESA BAIRROS
ADVOGADO : Imilia de Souza
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE SAPUCAIA DO
SUL/RS

DESPACHO

Peticiona a parte autora (fl. 112) postulando o imediato cumprimento da


sentença que determinou a implantação do benefício de aposentadoria por híbrida por idade.

Em consulta ao PLENUS, sistema informatizado do INSS, não há registro da


implantação do benefício.

Portanto, intime-se o INSS para que cumpra a determinação judicial de


implantação do benefício, no prazo de 05 dias, sob pena de multa diária de R$ 100,00 (cem
reais) em caso de descumprimento.

Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014774-03.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : ANTONIO TASSINARI SOBRINHO
ADVOGADO : Vilmar Lourenco e outro

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 113 / 462
sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à revisão
postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora e julgo prejudicado o exame do tempo de serviço especial.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 114 / 462
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0015891-29.2016.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : NELSON DENTEE
ADVOGADO : Gustavo Hentges Redecker
: Grasiele Cofferri

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à revisão
postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.

Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da


parte autora.
Honorários advocatícios

Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da


parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 115 / 462


arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.

Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.


APELAÇÃO CÍVEL Nº 0000370-10.2017.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : LOIVA TERESINHA VILLA
ADVOGADO : Thais Casaril Vian e outros

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.
Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo na legislação vigente.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 116 / 462


impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrária a pretensão da
parte autora.
Honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 01 de fevereiro de 2018.
APELAÇÃO CÍVEL Nº 0000901-96.2017.4.04.9999/RS
RELATOR : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : JULEIDE TERESINHA FACHINI
ADVOGADO : Wagner Vidal
: Joao Fernando Vidal

DECISÃO

Cuida-se de apelação interposta pelo Instituto Nacional de Seguro Social contra


sentença que julgou procedente o pedido da parte autora, para reconhecer a validade jurídica
do instituto da desaposentação, por meio do qual seria permitida a conversão de uma espécie
de aposentadoria em outra, mais vantajosa, pela renúncia ao benefício original e o cômputo
das contribuições recolhidas posteriormente à primeira jubilação.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 117 / 462


Em suas razões, a Autarquia Previdenciária sustenta, em síntese, que o pedido
de desaposentação não encontra respaldo legal e que o autor decaiu do direito à revisão
postulada, nos termos do art. 103, da Lei nº 8.213/91.
É o sucinto relatório.
Decido.
A matéria não comporta mais discussão.
A questão restou decidida pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE
661.256/DF (Tema 503), na sessão de 27/10/2016, submetido ao rito da repercussão geral,
decidindo que "No âmbito do Regime Geral de Previdência Social, somente lei pode criar
benefício e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à
"desaposentação", sendo constitucional a regra do art. 18, §2º, da Lei nº 8.213/91."
Concluiu o STF que a Constituição, apesar de não vedar expressamente o direito
à desaposentação, não o previu especificamente, remetendo à legislação ordinária a definição
das circunstâncias em que as contribuições vertidas ao sistema previdenciário seriam
aproveitadas. Não tendo a lei instituído a possibilidade da desaposentação, concluiu-se pela
impossibilidade de acolhimento do pedido respectivo, solução integralmente aplicável ao
caso dos autos, cujos elementos de fato e de direito identificam-se às que foram decididas no
precedente.
Cumpre referir que a ausência de trânsito em julgado do precedente firmado
pelo Tribunal Pleno não impede a produção imediata de seus efeitos (ARE 686607 ED,
Relator(a): Min. DIAS TOFFOLI, Primeira Turma, julgado em 30/10/2012, Processo
Eletrônico DJe-236 Divulg. 30-11-2012 Public. 03-12-2012).
Os eventuais embargos de declaração não terão efeito suspensivo e, por
natureza, não são voltados à rediscussão do julgado.
Aplico, portanto, a tese firmada pelo Tribunal Pleno, contrário à pretensão da
parte autora.
Dos honorários advocatícios
Diante da improcedência do pedido, fixo os honorários advocatícios, a cargo da
parte autora.
Para fins de definição dos honorários sucumbenciais considero que o
arbitramento em 10% sobre o valor da causa, resultaria em um percentual desproporcional a
ações desta natureza.
Isso porque o autor responderia sobre risco de honorários substancialmente
maior, em caso de improcedência, em comparação ao risco do réu, em caso de julgamento
procedente. Tal dicotomia fere a isonomia, a proporcionalidade, ao tempo em que mitiga o
direito de ação da parte autora, pois lhe impõe um risco ou ônus em caso de derrota
infinitamente desproporcional em comparação à parte ré.
Portanto, como meio de preservar os princípios referidos e restabelecer o
equilíbrio entre as partes, condeno a parte autora ao pagamento das custas e dos honorários
advocatícios que fixo no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), observado o disposto no art. 85, §
8º, do CPC/2015, vigente na data da prolação da sentença, verba cuja exigibilidade fica
suspensa no caso de a parte ser beneficiária de gratuidade da justiça.
Dispositivo:
Ante o exposto, dou provimento à apelação do INSS.
Intimem-se.
Nada sendo requerido, certifique-se o trânsito em julgado e, após, com as
devidas cautelas, dê-se baixa na distribuição.
Porto Alegre, 31 de janeiro de 2018.
APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 0016292-28.2016.4.04.9999/SC
RELATOR : Des. Federal PAULO AFONSO BRUM VAZ

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 118 / 462


APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : LINDONOR CAETANO
ADVOGADO : Francisco Vital Pereira e outros
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 2A VARA DA COMARCA DE
CANOINHAS/SC

DESPACHO

Cuida-se de ação que discute o reconhecimento do período de tempo especial


quando utilizado equipamento de proteção individual - EPI.

Contudo, diante da recente admissão do Incidente de Resolução de Demandas


Repetitivas (IRDR 15) nº 5054341-77.2016.4.04.0000/SC, que versa sobre a questão,
determino o sobrestamento do processo, conforme art. 982, I, do NCPC.

Intimem-se.

Florianópolis, 07 de fevereiro de 2018.


Expediente

Secretaria dos Órgãos Julgadores

Expediente SPLE Nro 29/2018

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

Secretaria dos Órgãos Julgadores

AUTOS COM DESPACHO


APELAÇÃO CRIMINAL Nº 2003.71.12.008769-2/RS
RELATOR : Des. Federal MÁRCIO ANTONIO ROCHA
APELANTE : OSORIO VICTOR BIAZUS
: NESTOR JOSE BIAZUS
ADVOGADO : Francis Rafael Beck
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

DESPACHO
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 119 / 462
Trata-se de apelações de OSÓRIO VICTOR BIAZUS e NESTOR JOSÉ BIAZUS
em face da sentença que os condenou pela prática do delito tipificado no artigo 1º, incisos I e
II, combinado com o artigo 12, ambos da Lei nº 8.137/90, na forma do art.71, caput, do
Código Penal.

Estando os autos incluídos na pauta de julgamentos de 20.02.2018 (certidão de


fl. 1497) a defesa do apelante NESTOR JOSÉ BIAZUS peticiona requerendo: (a) a juntada de
"documentos novos relacionados à instrução de caso idêntico (embora competências
distintas) em relação ao mesmo acusado..., em tramitação na 11ª Vara Federal de Porto
Alegre (Processo nº 5063168-88.2014.4.04.7100)" e (b) a retirada do processo da pauta de
julgamentos, visto que é o único advogado habilitado e pretende realizar sustentação oral e,
todavia, está impossibilitado de comparecer à sessão aprazada tendo em vista audiência de
instrução designada para a mesma data em processo que tramita na citada 11ª Vara Federal de
Porto Alegre e no qual também atua como único defensor das partes (petição de fls.
1499/1523 e documentos de fls. 1524/1537).

Decido.

O pedido de adiamento para fins de sustentação oral é cabível e não há risco de


prescrição da pretensão punitiva. Comprova-se, ademais, que a audiência junto ao Juízo da
11ª Vara Federal foi designada em 09.10.2017 (fl. 1537), momento anterior à inclusão dos
presentes autos na pauta de julgamentos em 26.01.2018 (fl. 1535), bem assim que o defensor
ora requerente é o único advogado constituído pelos apelantes (fl. 1492).

Defiro o requerimento. Retire-se a presente apelação criminal da pauta de


julgamentos da Sétima Turma do dia 20.02.2018.

Intime-se.

Após, dê-se vista ao Ministério Público Federal acerca da petição e documentos


juntados.

Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.


AÇÃO PENAL Nº 2004.04.01.005062-5/SC
RELATORA : Des. Federal CLAUDIA CRISTINA
CRISTOFANI
AUTOR : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
REU : CLAUDIO PEDRO UTZIG
ADVOGADO : Claudio Pedro Utzig
REU : ELOI TREVISAN
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : JOAO RODRIGUES
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outro
: Marlon Charles Bertol
REU : LUIZ HENTZ
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : LUIZ FERNANDO DE OLIVEIRA GUEDES
ADVOGADO : Luiz Antonio Costa e outro

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 120 / 462


DESPACHO

JOÃO RODRIGUES, deputado federal, foi condenado às penas de 03 (três)


anos, 01 (um) mês e 15 (quinze) dias de detenção (art. 89, Lei 8.666/93) e de 02 (dois) anos,
01 (um) mês e (quinze) dias de detenção (art. 90, Lei 8.666/93), afora multa. Totalizou a
sanção privativa de liberdade, em razão do concurso material, em 05 (cinco) anos e 03 (três)
meses de detenção, em regime inicial semiaberto.
Neste contexto, considerando-se a decisão do Egrégio Supremo Tribunal
Federal (RE 696.533/SC) determinando a imediata execução da pena do condenado, expeça-
se guia de recolhimento provisória e providencie a Secretaria a sua remessa ao órgão
jurisdicional competente, conforme local de recolhimento / cumprimento da pena.
Cumpra-se, com urgência.
Intimem-se.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
AÇÃO PENAL Nº 2004.04.01.005062-5/SC
RELATORA : Des. Federal CLAUDIA CRISTINA
CRISTOFANI
AUTOR : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
REU : CLAUDIO PEDRO UTZIG
ADVOGADO : Claudio Pedro Utzig
REU : ELOI TREVISAN
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : JOAO RODRIGUES
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outro
: Marlon Charles Bertol
REU : LUIZ HENTZ
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : LUIZ FERNANDO DE OLIVEIRA GUEDES
ADVOGADO : Luiz Antonio Costa e outro

DESPACHO

Tendo em vista a informação de que o apenado JOÃO RODRIGUES, preso na


data de hoje por força de mandado de prisão expedido pelo Egrégio Supremo Tribunal
Federal (RE 696.533/SC), está sendo transferido para essa cidade de Porto Alegre à
disposição deste Tribunal, determino:
a) encaminhe-se a guia de recolhimento ao MM. Juízo da 2ª Vara de Execuções
Penais Criminais de Porto Alegre/RS, na forma do art. 192 da Lei de Execuções Penais e da
Sumula 192 do STJ, para a devida inserção do apenado no regime da condenação;
b) comunique-se à Policia Federal para que mantenha o preso à disposição do
MM. Juiz de Direito das Execuções Penais;
Cumpra-se, com urgência.
Porto Alegre, 08 de fevereiro de 2018.
AÇÃO PENAL Nº 2004.04.01.005062-5/SC
RELATORA : Des. Federal CLAUDIA CRISTINA
CRISTOFANI
AUTOR : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 121 / 462


REU : CLAUDIO PEDRO UTZIG
ADVOGADO : Claudio Pedro Utzig
REU : ELOI TREVISAN
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : JOAO RODRIGUES
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outro
: Marlon Charles Bertol
REU : LUIZ HENTZ
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : LUIZ FERNANDO DE OLIVEIRA GUEDES
ADVOGADO : Luiz Antonio Costa e outro

DESPACHO

1. Considerando o início da execução provisória da pena do condenado JOÃO


RODRIGUES, em 08/02/2018, por força de mandado de prisão expedido pelo Egrégio
Supremo Tribunal Federal (RE 696.533/SC), determino:

a) encaminhe a Secretaria os autos ao Setor de Contadoria desta Corte, a fim de


que proceda a atualização dos cálculos referentes à multa fixada em R$ 2.365,00 (dois mil,
trezentos e sessenta e cinco reais), pelos índices oficiais de correção monetária, na forma do
art. 49, §2º, do Código Penal;

b) cumprida a determinação, encaminhe-se cópia da guia de recolhimento (ficha


individual) ao MM. Juízo da 11ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Porto Alegre/RS, na
forma do art. 164 da Lei de Execuções Penais, para que seja intimado o apenando a efetuar o
pagamento da multa.

2. Saliente-se que há determinação para que a multa seja revertida à Fazenda


Municipal de Pinhalzinho/SC. No entanto, considerando a provisoriedade da medida, deverão
os valores permanecerem acautelados em conta vinculada ao Juízo da 11ª Vara Federal da
Subseção Judiciária de Porto Alegre/RS até o trânsito em julgado.

3. Satisfeitas as determinações, comunique-se a este Gabinete.

Porto Alegre, 09 de fevereiro de 2018.


AÇÃO PENAL Nº 2004.04.01.005062-5/SC
RELATORA : Des. Federal CLAUDIA CRISTINA
CRISTOFANI
AUTOR : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
REU : CLAUDIO PEDRO UTZIG
ADVOGADO : Claudio Pedro Utzig
REU : ELOI TREVISAN
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : JOAO RODRIGUES
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outro

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 122 / 462


: Marlon Charles Bertol
REU : LUIZ HENTZ
ADVOGADO : Gelson Joel Simon e outros
REU : LUIZ FERNANDO DE OLIVEIRA GUEDES
ADVOGADO : Luiz Antonio Costa e outro

DESPACHO

1. Considerando a manifestação da defesa de João Rodrigues nestes autos,


solicitem-se informações à Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, vinculada ao
Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, facultado o contato telefônico.
2. Após, dê-se vista ao Ministério Público Federal.
3. Retornem os autos.
Porto Alegre, 14 de fevereiro de 2018.

SECRETARIA DA 2ª TURMA
Pauta

2ª TURMA

PAUTA DE JULGAMENTOS - ADITAMENTO

Determino a inclusão dos processos abaixo relacionados na Pauta de Julgamentos ORDINÁRIA do dia 27 de fevereiro de
2018, terça-feira, às 14:30, podendo, entretanto, nessa mesma Sessão ou Sessões subseqüentes, ser julgados os processos
adiados ou constantes de Pautas já publicadas.

0000625 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5026807-27.2017.4.04.0000/PR


RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL SEBASTIÃO OGÊ MUNIZ
AGRAVANTE: IGUACU-ADMINISTRACAO E CORRETAGEM DE SEGUROS LTDA -
EPP
ADVOGADO: FERNANDO GRUBER
AGRAVADO: UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

Publique-se e Registre-se.
Porto Alegre, 15 de fevereiro de 2018.
Desembargadora Federal LUCIANE AMARAL CORRÊA MÜNCH
Presidente

SECRETARIA DA 5ª TURMA
Pauta

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 123 / 462


5ª Turma

PAUTA DE JULGAMENTOS

Determino a inclusão dos processos abaixo relacionados na Pauta de Julgamentos


ORDINÁRIA do dia 06 de março de 2018, terça-feira, às 13:30, podendo, entretanto, nessa
mesma Sessão ou Sessões subseqüentes, ser julgados os processos adiados ou constantes de
Pautas já publicadas.

0000001 APELAÇÃO CÍVEL 0020010-67.2015.404.9999 - 00032418920138210058/RS


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : DILVANA SCALCO ACCO
ADVOGADO : Avelino Beltrame
ADVOGADO : Dirceu Vendramin Lovison
ADVOGADO : Thamara Pasolin Beltrame
ADVOGADO : Volnei Peruzzo

0000002 APELAÇÃO CÍVEL 0002282-76.2016.404.9999 - 00030574420148210044/RS


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SILVANA PATUSSI LUCCA
ADVOGADO : Thiago Casaril Vian
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

0000003 APELAÇÃO CÍVEL 0014431-41.2015.404.9999 - 00003791020148210124/RS


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DELMAR ANTONIO SCHNEIDER
ADVOGADO : Neusa Ledur Kuhn
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

0000004 APELAÇÃO CÍVEL 0014837-28.2016.404.9999 - 00002011220168210150/RS


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : IRDES KNASEL MALIKOWSKI GRETSCHMANN
ADVOGADO : Vanise Inês Mentges Lunkes

0000005 APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO 0011044-81.2016.404.9999 -


00010729020148210092/RS
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : ALCIDES MAIER
ADVOGADO : Edison Claudinei Kuster
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE CONSTANTINA/RS

0000006 APELAÇÃO CÍVEL 0009122-39.2015.404.9999 - 00087853020138210035/RS


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 124 / 462


APELANTE : ELISABETE DIAS
ADVOGADO : Imilia de Souza
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : (Os mesmos)

0000007 APELAÇÃO CÍVEL 0010292-80.2014.404.9999 - 00042196820118210080/RS


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : Antonio de Freitas Vicente
ADVOGADO : Renato Von Muhlen

0000008 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 0007115-40.2016.404.9999 -


00001924520158210163/RS
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : NELSONIR BREHM
ADVOGADO : Giovani Pacheco Trajano
PARTE RE' : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE TERRA DE AREIA/RS

0000009 APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO 0013801-48.2016.404.9999 -


00046513520108210044/RS
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : VALDIR PEDERIVA
ADVOGADO : Juliane Demartini
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE ENCANTADO/RS

0000010 APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO 0019221-68.2015.404.9999 -


00022801820148210090/RS
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
APELADO : RICIERI CERATTO
ADVOGADO : Rafael Plentz Gonçalves
ADVOGADO : Mauricio Ferron
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE CASCA/RS

0000011 APELAÇÃO CÍVEL 0001063-28.2016.404.9999 - 00335016620098210034/RS


INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JORGE ARTEMIO DE MATTOS
ADVOGADO : Luis Roger Vieira Azzolin
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS

0000012 APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO 0000722-65.2017.404.9999 -


00037687720148210164/RS
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : VALDIR OLIVEIRA MARQUES

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 125 / 462


ADVOGADO : Silvio Cesar Carrion Merladete
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
ADVOGADO : Procuradoria Regional da PFE-INSS
REMETENTE : JUIZO DE DIREITO DA 1A VARA DA COMARCA DE TRÊS COROAS/RS

0000013 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5055526-92.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VERA LUCIA GORNIAK BRAATZ
ADVOGADO : VIVIANE BEHRENZ DA SILVA

0000014 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5053079-68.2016.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSE CARLOS FERREIRA DA SILVA FILHO
ADVOGADO : JOSÉ VICENTE FERREIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000015 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5052643-75.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CELINA DA SILVA SANTOS
ADVOGADO : ANA DILENE WILHELM BERWANGER

0000016 APELAÇÃO CÍVEL 5052072-07.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CLARINDA MACHADO DA SILVA
ADVOGADO : FABIANA BEMFICA DE LIMAS

0000017 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5051215-58.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ZENI CUNHA DA CRUZ
ADVOGADO : LEANDRO DA SILVA GARCIA

0000018 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5050546-05.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ILDA SALETE DOS SANTOS
ADVOGADO : MARLOVE BENEDETTI PIMENTEL

0000019 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5048846-91.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : TEREZINHA SUELI HAEFLIEGER
ADVOGADO : ANTONIO LEANDRO TOPPER

0000020 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5029792-42.2017.404.9999 (Processo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 126 / 462


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DELMA MARIA LIMA
ADVOGADO : DARCISIO ANTONIO MULLER

0000021 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5022051-48.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ALAIDES KRAUZE HOLTZ
ADVOGADO : EDUARDO FIGUEIRA GUIMARÃES

0000022 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5017486-41.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ORLANDA MARIA DOS SANTOS
ADVOGADO : SÉRGIO ANTONIO NUNES STÉDILE

0000023 APELAÇÃO CÍVEL 5065703-18.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIA TERESA OLIVEIRA CORREA
ADVOGADO : MAURO ANTONIO WOLKMER

0000024 APELAÇÃO CÍVEL 5061272-38.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VALDIR TEWS BERFT
ADVOGADO : IRACILDO BINICHESKI

0000025 APELAÇÃO CÍVEL 5060653-11.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LUIZ ALBERTO FERREIRA
ADVOGADO : EDUARDO DE PELEGRIN VIEIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000026 APELAÇÃO CÍVEL 5053751-42.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JARLEI FERRAZ DE OLIVEIRA
ADVOGADO : DOUGLAS VOLKMER PORTELA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000027 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5050954-93.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FRANCISCO VERDI
ADVOGADO : ANTONIO SURIS SIMOES PIRES

0000028 APELAÇÃO CÍVEL 5050931-50.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 127 / 462


APELADO : LEOVERAL GONCALVES CAVALHEIRO
ADVOGADO : MARCIO ROGERIO MOTTA TRATSCH
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000029 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5038162-10.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EZEQUIEL AMADOR DOS REIS
ADVOGADO : CAROLINA COLOMBO DE ATHAYDE

0000030 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5036632-68.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CLAUDETE DA SILVA FIGUEIRA
ADVOGADO : AMANDA MEYER ORO
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000031 APELAÇÃO CÍVEL 5032687-73.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : UILIAM ANTONIO RUBBO
ADVOGADO : PEDRO TREVISAN CARMANIN

0000032 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5027498-17.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LUIZA DE OLIVEIRA SMANIOTTO
ADVOGADO : ANA PAULA LONGO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000033 APELAÇÃO CÍVEL 5025822-34.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JOAO BATISTA MARQUES NETO
ADVOGADO : MAURO ANTONIO WOLKMER
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000034 APELAÇÃO CÍVEL 5020092-42.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : GISELDA DE BRITO
ADVOGADO : JORGE LUIZ POHLMANN
ADVOGADO : DEBORA ELOIZA TODENDI

0000035 APELAÇÃO CÍVEL 5007422-58.2016.404.7104 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DIVINO VOLPATTO
ADVOGADO : CASSIANA ALVINA CARVALHO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000036 APELAÇÃO CÍVEL 5090385-09.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 128 / 462


APELANTE : JOSE RICARDO DE CARVALHO LEVY
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
APELADO : OS MESMOS

0000037 APELAÇÃO CÍVEL 5070901-37.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DIVAIR RICARDO PAGLIARINI
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000038 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5063038-29.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ERI DA SILVA
ADVOGADO : VILMAR LOURENÇO
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
0000039 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5042657-40.2012.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : GILBERTO LUIZ BRENDLER DA SILVA
ADVOGADO : CRISTIANO OHLWEILER FERREIRA

0000040 APELAÇÃO CÍVEL 5034062-12.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : IRTON MATTHES
ADVOGADO : RUBEM JOSE ZANELLA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000041 APELAÇÃO CÍVEL 5024666-85.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CESAR AUGUSTO PIRES
ADVOGADO : LUANA ELTZ
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000042 APELAÇÃO CÍVEL 5023717-84.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ADAO HAGAPIO
ADVOGADO : ALDA CRISTINA DE SOUZA FREITAS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000043 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5011429-76.2014.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSE LUIS TEIXEIRA DE FREITAS
ADVOGADO : MARINALVA DE PAULA NASCIMENTO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 129 / 462


ADVOGADO : VIRGINIA DE BORTOLI KELLER
ADVOGADO : ANGELITA PIAMOLINI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000044 APELAÇÃO CÍVEL 5010195-57.2013.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GERSMO LUIZ GARCIA DA ROSA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : Mariana de Medeiros Flores Nunes
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000045 APELAÇÃO CÍVEL 5009672-61.2016.404.7202 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADEMIR ACACIO CAMILO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : DÉBORA CASTELLI MONTEMEZZO

0000046 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5007277-47.2012.404.7102 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOSE LUIZ BATISTA DE CASTRO
ADVOGADO : VAGNER STOFFELS CLAUDINO
APELADO : OS MESMOS

0000047 APELAÇÃO CÍVEL 5003956-10.2017.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MAURO PACHECO
ADVOGADO : LUANA ELTZ

0000048 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003364-68.2014.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CLAUDIO GILBERTO DOYLE DINECH
ADVOGADO : VAGNER STOFFELS CLAUDINO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000049 APELAÇÃO CÍVEL 5003200-02.2015.404.7001 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUIZ CARLOS SAONCELA
ADVOGADO : ANDRE BENEDETTI DE OLIVEIRA

0000050 APELAÇÃO CÍVEL 5003100-78.2010.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : SILVIO LUIS FONTOURA STURZBECHER
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 130 / 462


ADVOGADO : CAMILA MARIA MACIEL
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
APELADO : OS MESMOS

0000051 Apelação Cível 5002350-71.2013.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : OSVALDO BORGES DOS SANTOS
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : Daniela das Chagas Oliveira Gijsen
APELADO : OS MESMOS

0000052 APELAÇÃO CÍVEL 5001720-19.2011.404.7101 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VILMAR DOS SANTOS PEREIRA
ADVOGADO : FERNANDA ALMEIDA VALIATTI

0000053 APELAÇÃO CÍVEL 5001460-27.2016.404.7113 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : NORBERTO VICENTE LICKS
ADVOGADO : ANA ISABEL DAL PAI TOMASETTO
ADVOGADO : EVELYN DA SILVA MOROSO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000054 APELAÇÃO CÍVEL 5063758-93.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : HELENA GARCIA DOS SANTOS
ADVOGADO : FRANCISCO ORTOLAN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000055 APELAÇÃO CÍVEL 5062262-29.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SILVANA JOSE FRANCISCO
ADVOGADO : MARLOS TOMÉ ZELICHMANN
ADVOGADO : Alceu Molinari DallAgnol
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000056 APELAÇÃO CÍVEL 5060537-05.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SELEIDE POLETTO
ADVOGADO : Caroline Bozzetto
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000057 APELAÇÃO CÍVEL 5056119-24.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARISA SELBACH TAVARES
ADVOGADO : ROGERIO VICENTE HAHN

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 131 / 462


0000058 APELAÇÃO CÍVEL 5056107-10.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : GRAZIELE KLIPPEL
ADVOGADO : PAULO FERNANDO DE OLIVEIRA

0000059 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5054575-98.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : KERLIN JOCASTA LUGAREZI
ADVOGADO : MARIA ELISABETE SCARAVONATTO

0000060 APELAÇÃO CÍVEL 5054475-46.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : WILMA MULLER BRUDNA
ADVOGADO : pedro fernando wachholz
ADVOGADO : RICIERI GUILHERME FRITSCH MENEGAT
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000061 APELAÇÃO CÍVEL 5053165-05.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ALINE CONSTANT DA SILVA
ADVOGADO : Marco Antônio Ramos Grazziotin

0000062 APELAÇÃO CÍVEL 5051596-66.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CLAUDETE BICA DE ALMEIDA (Cônjuge, pai, mãe, tutor, curador ou herdeiro necessário)
ADVOGADO : CRISTIANE BOHN
APELADO : GRAZIELE DE ALMEIDA GARIBALDI (Civilmente Incapaz - Art. 110, 8.213/91)
ADVOGADO : CRISTIANE BOHN
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000063 APELAÇÃO CÍVEL 5046745-81.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUIS ANDRE CASTILHOS DIAS
ADVOGADO : DAVID TERRA VIEIRA
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000064 APELAÇÃO CÍVEL 5046121-32.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARCIA CRISTIANE DA SILVA GOMES
ADVOGADO : IVAN SÉRGIO FELONIUK
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000065 APELAÇÃO CÍVEL 5042759-22.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LUIS MIGUEL DALL IGNA POERSCHKE (Absolutamente Incapaz (Art. 3º CC))
ADVOGADO : FLAVIO COMUNELLO
APELANTE : ANDREIA DALL IGNA (Pais)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 132 / 462


ADVOGADO : FLAVIO COMUNELLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000066 APELAÇÃO CÍVEL 5039132-10.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : BRUNO LOPES PORTAL (Absolutamente Incapaz (Art. 3º CC))
ADVOGADO : MARCO AURELIO ZANOTTO
ADVOGADO : FLAVIO ZANI BEATRICCI
APELADO : DANIELA DE BRITO LOPES (Pais)
ADVOGADO : MARCO AURELIO ZANOTTO
ADVOGADO : FLAVIO ZANI BEATRICCI
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000067 APELAÇÃO CÍVEL 5038530-19.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : VERA LUCIA DOS SANTOS
ADVOGADO : MARCO AURELIO ZANOTTO
ADVOGADO : FLAVIO ZANI BEATRICCI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000068 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5035366-46.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANERCON MADEIRA
ADVOGADO : CESAR ROGERIO BARROS DOS SANTOS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000069 APELAÇÃO CÍVEL 5023157-45.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DARCI MACHADO DOS SANTOS
ADVOGADO : ANTONIO LEANDRO TOPPER
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000070 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5019047-03.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUANA DA ROSA BOMBARDI
ADVOGADO : RENATA RAULINO DESENGRINI
APELADO : VIVIANE BRAGE DA ROSA
ADVOGADO : RENATA RAULINO DESENGRINI
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000071 APELAÇÃO CÍVEL 5094264-24.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JEFERSON LUIS DOS REIS SANTOS
ADVOGADO : JOAO DANIEL POTTHOFF JUNIOR
APELANTE : ELAINE REIS DOS SANTOS
ADVOGADO : JOAO DANIEL POTTHOFF JUNIOR

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 133 / 462


APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000072 APELAÇÃO CÍVEL 5080441-80.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ERICK RODRIGO ESCOTO
ADVOGADO : LIGIA PEREIRA DA COSTA LOPES DA FONTOURA
ADVOGADO : MARCOS LONGARAY
ADVOGADO : DIONI SILVEIRA DA LUZ
APELANTE : GLAUCIA TRAPPS ESCOTO
ADVOGADO : LIGIA PEREIRA DA COSTA LOPES DA FONTOURA
ADVOGADO : MARCOS LONGARAY
ADVOGADO : DIONI SILVEIRA DA LUZ
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000073 APELAÇÃO CÍVEL 5067747-79.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADELIA DA SILVA NASCIMENTO
ADVOGADO : UBIRATAN DIAS DA SILVA
APELADO : CARMEN LUCIA DE AVILA
ADVOGADO : UBIRATAN DIAS DA SILVA
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000074 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5067300-22.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ELVINO ARAUJO PINHEIRO
ADVOGADO : ANA CRISTINA GULARTE KRAUSE

0000075 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5064563-27.2014.404.7000 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ENIO OLIVEIRA DA ROSA
ADVOGADO : TAYSSA HERMONT OZON
ADVOGADO : THALYTA DANTAS PRADO
ADVOGADO : MARILUCIA FLENIK
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : MARIA THEREZINHA SANDANO CHERUBIM
ADVOGADO : NORBERTO LUCIO DE SOUZA
APELADO : OS MESMOS

0000076 APELAÇÃO CÍVEL 5061055-35.2012.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : AUREA VARGAS SILVA (Pais)
ADVOGADO : MÁRCIA RÚBIA RIGOL
APELANTE : ELIAS VARGAS DE OLIVEIRA (Relativamente Incapaz (Art. 4º CC))
ADVOGADO : MÁRCIA RÚBIA RIGOL
APELADO : ELLEN SANTOS DE OLIVEIRA
ADVOGADO : LUIZ GUSTAVO FERREIRA RAMOS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 134 / 462


0000077 APELAÇÃO CÍVEL 5058506-12.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : IRACI VANZELLA
ADVOGADO : MARIA ELISABETE SCARAVONATTO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000078 APELAÇÃO CÍVEL 5058010-80.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ALFREDO UBALDO DAMASIO
ADVOGADO : Décio Luis Fachini
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000079 APELAÇÃO CÍVEL 5056891-84.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIVONE DE OLIVEIRA PRUSSIANO
ADVOGADO : CLEONICE APARECIDA RIBAS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000080 APELAÇÃO CÍVEL 5053580-22.2016.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : APARECIDA DA SILVA SALES
ADVOGADO : BADRYED DA SILVA

0000081 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5051647-77.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DENACIR PEREIRA DE OLIVEIRA
ADVOGADO : TOBIAS FRANCISCON

0000082 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5048068-24.2017.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ALINE KLAGENBERG
ADVOGADO : JOHN CARLOS SIPPERT

0000083 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5041893-48.2016.404.9999 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIA MONTEIRO
ADVOGADO : FABERSON RICARDO DADA

0000084 APELAÇÃO CÍVEL 5037971-62.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : MARINES DE MOURA ROCHA
ADVOGADO : Joel Anselmini
APELADO : OS MESMOS
APELADO : SABRINA BACKES DE SOUZA (Curador)
APELADO : TAINA ANDRIELI SILVA SILVEIRA
APELADO : YASMIN DE MOURA SILVEIRA (Absolutamente Incapaz (Art. 3º CC))

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 135 / 462


PROCURADOR : ALEIXO FERNANDES MARTINS (DPU) DPU048
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000085 APELAÇÃO CÍVEL 5028309-75.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : REJANE LINEI WACELESKI
ADVOGADO : CRISTIANO LAUTERT JACOBSEN
APELANTE : VINICÍUS WACELESKI GOULART
ADVOGADO : CRISTIANO LAUTERT JACOBSEN
APELANTE : CESAR LUIS DA SILVA GOULART (Espólio)
ADVOGADO : CRISTIANO LAUTERT JACOBSEN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000086 APELAÇÃO CÍVEL 5019824-23.2015.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : IVANIR MARQUES
ADVOGADO : TATIANA DE SOUZA OLIVEIRA
APELANTE : ALEX ROGERIO MARQUES DA SILVA
ADVOGADO : TATIANA DE SOUZA OLIVEIRA
APELANTE : ALEXSANDRO MARQUES DA SILVA
ADVOGADO : TATIANA DE SOUZA OLIVEIRA
APELANTE : ANA CRISTINA MARQUES DA SILVA
ADVOGADO : TATIANA DE SOUZA OLIVEIRA
APELANTE : CAROLINE MARQUES DA SILVA
ADVOGADO : TATIANA DE SOUZA OLIVEIRA
APELANTE : JULIANA MARQUES DA SILVA (Civilmente Incapaz - Art. 110, 8.213/91)
ADVOGADO : TATIANA DE SOUZA OLIVEIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000087 APELAÇÃO CÍVEL 5014610-27.2015.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ROSELI MARIA KERN
ADVOGADO : AIRTOM PACHECO PAIM JUNIOR
ADVOGADO : CÉSAR ROMEU NAZÁRIO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : RACILBA HELENA DE ARJONAS FERRINO
ADVOGADO : Ana Carolina Alves Henriques

0000088 APELAÇÃO CÍVEL 5012282-83.2013.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DENIS LEAO LONGONI
ADVOGADO : EDUARDO PEREIRA GOMES
ADVOGADO : JOSIAS DOS SANTOS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000089 APELAÇÃO CÍVEL 5009317-03.2015.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARCELO FERREIRA BRANDAO (Civilmente Incapaz - Art. 110, 8.213/91)
ADVOGADO : CIBELE KOHLMANN PULZ
APELANTE : LIGIA FERREIRA BRANDAO (Cônjuge, pai, mãe, tutor, curador ou herdeiro necessário)
ADVOGADO : CIBELE KOHLMANN PULZ

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 136 / 462


APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000090 APELAÇÃO CÍVEL 5008965-21.2015.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GUSTAVO LUIS LORINI (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, I CC))
ADVOGADO : Pedro Demétrio Júnior
APELANTE : CANDIDO LUIZ LORINI
ADVOGADO : Pedro Demétrio Júnior
APELANTE : TANIA BEATRIZ DA SILVA (Pais)
ADVOGADO : Pedro Demétrio Júnior
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000091 APELAÇÃO CÍVEL 5007447-84.2015.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : NILVA MARIA DE SOUZA
ADVOGADO : PAULO ROBERTO HARRES
APELANTE : BRUNO DE SOUZA GRAVINS
ADVOGADO : PAULO ROBERTO HARRES
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
INTERESSADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000092 APELAÇÃO CÍVEL 5005843-23.2016.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : TEREZA LITENSKI HASKEL
ADVOGADO : gisiele schmitz loch

0000093 APELAÇÃO CÍVEL 5005437-16.2014.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FABIANO MARCOS PEDRON
ADVOGADO : MARIBEL LANNES SILVA VEZZOSI
APELADO : DOZOLINA PEDRON
ADVOGADO : MARIBEL LANNES SILVA VEZZOSI
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000094 APELAÇÃO CÍVEL 5004328-11.2016.404.7102 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ERONI DINARTE DOS SANTOS
ADVOGADO : ANNA LUCIA NOSCHANG DA SILVA
ADVOGADO : CAMILA DA SILVA DALL AGNOL
ADVOGADO : DERLY CLEOCIR FERNANDES DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000095 APELAÇÃO CÍVEL 5003181-86.2016.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CLEUZA DE JESUS ROMUALDO
ADVOGADO : RENATA POSSENTI MERESSIANO
APELADO : ANDERSON DE JESUS ROMUALDO
APELADO : VANDERSON DE JESUS ROMUALDO
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 137 / 462


0000096 APELAÇÃO CÍVEL 5002679-36.2015.404.7105 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : RONEI TEIXEIRA DE MORAES (Representado - art. 10, Lei 10.259/2001)
ADVOGADO : REGIS DIEL
APELADO : GISLAINE TEIXEIRA DE MORAES (Representante)
ADVOGADO : REGIS DIEL
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000097 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002675-64.2014.404.7127 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANDRE LUIZ MOURA BRANDAO (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, I CC))
ADVOGADO : MARCELO CIGANA
APELADO : NOEL VIEIRA BRANDAO (Tutor)
ADVOGADO : MARCELO CIGANA
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000098 APELAÇÃO CÍVEL 5002483-54.2015.404.7109 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : NANDERSON DOS SANTOS BALDEZ (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, I CC))
ADVOGADO : LUCEL JUSSARA ARAUJO BRUM BETIOLLO
APELANTE : JULIANA DOS SANTOS (Pais)
ADVOGADO : LUCEL JUSSARA ARAUJO BRUM BETIOLLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANGELA BEATRIZ MACHADO ALMEIDA DA ROSA
ADVOGADO : SIRLEY ABERO SOARES NOBLE
ADVOGADO : MARCELO LOPES VIEIRA
ADVOGADO : CAROLINA PADOIN
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000099 APELAÇÃO CÍVEL 5002085-71.2015.404.7121 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ROSANGELA PEREIRA PALMA
ADVOGADO : CRISTIE MARIA BENFICA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000100 APELAÇÃO CÍVEL 5001203-90.2016.404.7116 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LUIZ CARLOS COLERAUX
ADVOGADO : MÁRCIA ZUFFO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000101 APELAÇÃO CÍVEL 5000620-60.2016.404.7131 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LEA JANDREY DA SILVEIRA
ADVOGADO : CARINA RUAS BALESTRERI

0000102 APELAÇÃO CÍVEL 5000375-89.2015.404.7129 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : RITA TEREZINHA DA SILVA
ADVOGADO : BRUNO FINGER VIECELLI

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 138 / 462


APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000103 APELAÇÃO CÍVEL 5066357-05.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ANTONIA ILSE CARDOZO FONSECA (Cônjuge, pai, mãe, tutor, curador ou herdeiro
necessário)
ADVOGADO : SERGIO LUIS DA SILVA
APELANTE : LUIZ NELSON DA SILVA FONSECA (Civilmente Incapaz - Art. 110, 8.213/91)
ADVOGADO : SERGIO LUIS DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APENSO(S) : 0004249-09.2014.821.0142

0000104 APELAÇÃO CÍVEL 5066198-62.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : PEDRO JOAO GENUINO
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000105 APELAÇÃO CÍVEL 5064313-13.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIA BERNADETE DA SILVA
ADVOGADO : MARIA GORET KNAPP
APENSO(S) : 0004151-52.2014.821.0068

0000106 APELAÇÃO CÍVEL 5064302-81.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GELSON NERONI PEREIRA DOS SANTOS
ADVOGADO : JULIANO BOSSONI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000107 APELAÇÃO CÍVEL 5063840-27.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : PEDROLINA DA ROSA ESPINDOLA
ADVOGADO : OLIR MARINO SAVARIS
APELADO : OS MESMOS
APENSO(S) : 0000399-37.2011.824.0022

0000108 APELAÇÃO CÍVEL 5060953-70.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JULIO DE SOUZA MACHADO
ADVOGADO : VILMAR LOURENÇO
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APENSO(S) : 0000879-24.2012.821.0164, 0003226-25.2015.821.0164

0000109 APELAÇÃO CÍVEL 5055364-69.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GILBERTO LUIZ CORREA DA SILVA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000110 APELAÇÃO CÍVEL 5042758-08.2015.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 139 / 462


APELADO : RICARDO SCHMIDTKE
ADVOGADO : Luiz Carlos da Silva
ADVOGADO : FABIO VIANA BARROS
ADVOGADO : Luciano Bezerra Pomblum

0000111 APELAÇÃO CÍVEL 5041252-94.2015.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JOEL BORBOLATO
ADVOGADO : ANDRE BENEDETTI DE OLIVEIRA

0000112 APELAÇÃO CÍVEL 5037749-32.2015.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LEOPOLDO OLIVEIRA DA SILVA
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA

0000113 APELAÇÃO CÍVEL 5035800-35.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SIDNEI TOGNI
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APENSO(S) : 0007111-10.2015.821.0047

0000114 APELAÇÃO CÍVEL 5031616-36.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CLARICE GOLLMANN
ADVOGADO : NELSON CLECIO STÖHR
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS
APENSO(S) : 0005473-85.2011.821.0077

0000115 APELAÇÃO CÍVEL 5015831-20.2011.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ICLEIA NORATTO BUENO
ADVOGADO : WILLYAN ROWER SOARES
ADVOGADO : ANA CAROLINA SILVA DINIZ
ADVOGADO : CAMILA CIBELE PEREIRA MARCHESI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000116 APELAÇÃO CÍVEL 5014650-46.2014.404.7204 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : HELGA WEINRICH KINDERMANN
ADVOGADO : ANDRÉ ALEXANDRINI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000117 APELAÇÃO CÍVEL 5012527-67.2012.404.7003 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GETULIO MINCOFF
ADVOGADO : IVAN CARLOS ROBERTO REIS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000118 APELAÇÃO CÍVEL 5007404-82.2016.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SANTA GENI DOS SANTOS
ADVOGADO : MONICA MARIA PEREIRA BICHARA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 140 / 462


ADVOGADO : ANDRÉ LUÍS PEREIRA BICHARA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000119 APELAÇÃO CÍVEL 5006749-52.2013.404.7207 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADIMIR SOUZA DE FARIAS (Sucessão)
ADVOGADO : FABIANO FRETTA DA ROSA
APELADO : GECIONI BLAZIUS ONOFRE (Sucessor)
ADVOGADO : Fabricio Faustina

0000120 APELAÇÃO CÍVEL 5002459-10.2016.404.7200 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : IVONE DOS SANTOS TOMAZ
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK
APELADO : OS MESMOS

0000121 APELAÇÃO CÍVEL 5000805-59.2018.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANTONIO RIBEIRO DE MELO
ADVOGADO : EVANDRO CESAR MELLO DE OLIVEIRA

0000122 APELAÇÃO CÍVEL 5080776-31.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OTTO ENGEL FILHO
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000123 APELAÇÃO CÍVEL 5080337-20.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JOAO GILBERTO CORREA DA SILVA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000124 Apelação Cível 5079203-89.2015.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARLENE SCHEIBE DE CASTILHO
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000125 Apelação Cível 5078925-54.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : HELIO ANTONIO ARENHART
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000126 Apelação Cível 5078851-97.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADALBERTO SOARES BARCELLOS
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000127 Apelação Cível 5074756-24.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 141 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : WALDOMIRO BERTOLA MARTIN
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000128 Apelação Cível 5074684-37.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : BEATRIZ AMELIA CARDOSO DE CARDOSO
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000129 Apelação Cível 5074353-55.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIA BEATRIZ BICCA SCHOSSLER
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000130 Apelação Cível 5072343-38.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : NASSON REMEDI DE SOUZA
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000131 Apelação Cível 5071515-42.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ELISABETH ALONSO FONSECA
ADVOGADO : GUSTAVO ANTONIO COPPINI
ADVOGADO : ADRIANO PETRY

0000132 Apelação Cível 5061996-43.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIA HELENA BATISTA CARDOSO
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000133 Apelação Cível 5058189-15.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LISSIGLIO ALBERTO LONGO
ADVOGADO : RAPHAEL AUGUSTO PEREIRA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000134 Apelação Cível 5055903-64.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARCO ANTONIO KRAEMER
ADVOGADO : PAULO JERONIMO CARVALHO DE SOUZA

0000135 Apelação Cível 5055053-10.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANTONIO ALBERTO TALAVERA NUSSBAUM
ADVOGADO : LUIZ FERNANDO DA SILVEIRA
ADVOGADO : ELVIO JAIR WARPECHOWSKI

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 142 / 462


0000136 Apelação Cível 5054532-65.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LENINE BRANDALISE ZANINI
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000137 APELAÇÃO CÍVEL 5051762-02.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : PAULO AFFONSO FLORES DA SILVEIRA
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO

0000138 APELAÇÃO CÍVEL 5048145-34.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JORGE PACHECO SEABRA
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO

0000139 Apelação Cível 5047922-52.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LAURILLO SCHUH
ADVOGADO : IDELI MENDES DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000140 APELAÇÃO CÍVEL 5047239-44.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ODILA MONTALDO KRAS BORGES
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000141 APELAÇÃO CÍVEL 5047234-22.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OLAVIO ADALBERTO LAGUNA
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000142 APELAÇÃO CÍVEL 5045622-49.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EDWINO BRUNO BRACKMANN
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000143 Apelação Cível 5045133-12.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIO THOFEHRN
ADVOGADO : TÚLIO DE SOUSA MEDEIROS
ADVOGADO : MARCOS BRUNATO RODRIGUES
ADVOGADO : Ana Paula Oliveira Lopes
ADVOGADO : Gleberson Kazanowski
ADVOGADO : SEZEFREDO JOSE GUTERRES LOPES
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000144 Apelação Cível 5041634-20.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 143 / 462


APELADO : BELGA CARDOZO OLIVEIRA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000145 Apelação Cível 5039746-16.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FRANCISCO SANTAREM COSTA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000146 Apelação Cível 5038465-25.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ROBERTO POLIDORI
ADVOGADO : João Ricardo Fahrion Nüske
ADVOGADO : MARIA ELIZABETH FAHRION NÜSKE

0000147 Apelação Cível 5038327-58.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : AVANY SCARTON TONIAL
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000148 Apelação Cível 5034023-16.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DANTE JOSE CAPAVERDE DA CUNHA
ADVOGADO : RAFAEL BERED
ADVOGADO : Pedro Hebert Outeiral
ADVOGADO : FELIPE HEBERT OUTEIRAL

0000149 Apelação Cível 5033589-36.2016.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EDERCLAITON OGG RIBEIRO
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
ADVOGADO : LUIZ GUSTAVO MORAES KOJARSKI

0000150 Apelação Cível 5032628-52.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CORINTHO BORGES DE BEM E CANTO
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000151 Apelação Cível 5028572-73.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ZENO ARLEI CORREA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000152 Apelação Cível 5024428-56.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : GRAECI AGUIAR KINGESKI
ADVOGADO : EMANUELLE SILVEIRA DOS SANTOS BOSCARDIN

0000153 Apelação Cível 5022660-08.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 144 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANA RITA FAGUNDES TELLECHEA
ADVOGADO : Luiz Gustavo Bittencourt Marinoni

0000154 Apelação Cível 5019587-18.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JORGE ALBERTO WALLAU
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000155 Apelação Cível 5019443-44.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : BRENNO LINCK ROCHA
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000156 Apelação Cível 5018172-10.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : REME OSCAR BLOS
ADVOGADO : MARIA ANGÉLICA ORSI
ADVOGADO : MARIA ANGÉLICA ORSI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000157 Apelação Cível 5017805-83.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CARLOS ROBERTO LICHTLER
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000158 Apelação Cível 5017714-90.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ROQUE WEBER
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000159 Apelação Cível 5017207-32.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELONI FRANKE MAURER
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000160 Apelação Cível 5017195-18.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSÉ ADOLFO SELBACH
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000161 Apelação Cível 5017133-75.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ADALBERTO ALEXANDRE SNEL
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000162 Apelação Cível 5017096-48.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 145 / 462


APELANTE : ROBERTO RIGON
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000163 Apelação Cível 5016631-39.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : RAUL GUIDALI
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000164 Apelação Cível 5016465-07.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GLADIS HELGA KAROHL
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000165 Apelação Cível 5014670-66.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : BRUNO ALESSIO BEDIN
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000166 Apelação Cível 5014648-08.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ENOR NATAL SOPRANA
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000167 Apelação Cível 5013733-43.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ELEONOR MARIA DA CONCEICAO PAPALEO CINEL
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000168 Apelação Cível 5013275-39.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ESTER GHIRALDO MANICA
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000169 Apelação Cível 5012881-19.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUIZ ANDRE DE SOUZA NUNES
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000170 Apelação Cível 5012633-53.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUIZ CARLOS FERRARI
ADVOGADO : MARIO KRIEGER NETO

0000171 Apelação Cível 5011989-41.2016.404.7102 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : AURA DE AZEVEDO GUIDO
ADVOGADO : EMANUELLE SILVEIRA DOS SANTOS BOSCARDIN

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 146 / 462


APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000172 APELAÇÃO CÍVEL 5011671-43.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : NELSON DELFINO CAUDURO
ADVOGADO : RAFAEL BERED
ADVOGADO : TÚLIO LAMPERT DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000173 Apelação Cível 5010947-30.2016.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : FERNANDA FONSECA RODRIGUES
ADVOGADO : CLÁUDIA FREIBERG
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000174 Apelação Cível 5010930-87.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LIDIA BATISTA TRINDADE
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO

0000175 Apelação Cível 5010475-38.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DARCY JOSE TOIGO
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000176 Apelação Cível 5009149-43.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MOACIR ADAMSKI
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
ADVOGADO : RAFAEL DUTRA DE MENDONÇA

0000177 Apelação Cível 5009089-85.2016.404.7102 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ALFREDO BERLEZE
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
ADVOGADO : FABIANO PADOIN VIEIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000178 Apelação Cível 5009037-65.2016.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GILMAR BERMUDES CORREA
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
ADVOGADO : RAFAEL HANRIQUE DA SILVA SILVA
ADVOGADO : EDUARDO DA SILVA GOULART
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000179 Apelação Cível 5009034-13.2016.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : NELSON DUARTE MEDEIROS
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
ADVOGADO : RAFAEL HANRIQUE DA SILVA SILVA
ADVOGADO : EDUARDO DA SILVA GOULART

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 147 / 462


APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000180 Apelação Cível 5009032-43.2016.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELIZA LESSA DA ROSA
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
ADVOGADO : RAFAEL HANRIQUE DA SILVA SILVA
ADVOGADO : EDUARDO DA SILVA GOULART
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000181 Apelação Cível 5008651-29.2016.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ADAO JOSE MUROWANIECK
ADVOGADO : CLÁUDIA FREIBERG
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000182 Apelação Cível 5007008-69.2016.404.7101 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ADAO MANOEL JESUS DA SILVA
ADVOGADO : EMANUELLE SILVEIRA DOS SANTOS BOSCARDIN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000183 Apelação Cível 5006850-14.2016.404.7101 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OSVALDO ALVES DE MORAES
ADVOGADO : ALEXANDRE DORNELLES MARCOLIN

0000184 Apelação Cível 5005886-57.2017.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ONDINA COI HUCKEMBECK
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000185 Apelação Cível 5005843-53.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : HARRY RAUL BOENING
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000186 Apelação Cível 5005164-45.2016.404.7114 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JOSE ANTONIO FERRI
ADVOGADO : THIAGO VIAN
ADVOGADO : GIOVANI ONEDA

0000187 Apelação/Remessa Necessária 5004941-05.2014.404.7101 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : LUIZ HENRIQUE MARQUES ROCHA
ADVOGADO : MAURICIO WORTMANN MARQUES
APELADO : OS MESMOS

0000188 Apelação Cível 5004874-18.2016.404.7118 (Processo Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 148 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : BRANCA LOURDES DA CUNHA ROTTA
ADVOGADO : CLÁUDIA FREIBERG

0000189 Apelação Cível 5004867-26.2016.404.7118 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LORITA ALGAYER GIACOMINI
ADVOGADO : CLÁUDIA FREIBERG

0000190 Apelação Cível 5004260-97.2017.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ODILO DOPKE
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000191 Apelação Cível 5004260-64.2016.404.7101 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CARLOS ELOY XAVIER
ADVOGADO : EMANUELLE SILVEIRA DOS SANTOS BOSCARDIN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000192 Apelação Cível 5003143-72.2016.404.7122 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FLAVIO XAVIER BOSQUE
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000193 Apelação Cível 5003110-55.2015.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : SERGIO GOMES DE FREITAS
ADVOGADO : Gisele Tres Fior
APELADO : OS MESMOS

0000194 Apelação Cível 5002959-09.2017.404.7114 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DIVA MACHADO DA SILVA
ADVOGADO : CAMILA DORS GASPAROTTO

0000195 Apelação Cível 5002056-71.2017.404.7114 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FIORINDO FROZZA
ADVOGADO : GIOVANI ONEDA
ADVOGADO : JOSE AUGUSTO BALBINOT

0000196 Apelação Cível 5001857-91.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADAO CORREA DA SILVA
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000197 Apelação Cível 5001831-93.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 149 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LELITA TRAUNIG ALT
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000198 Apelação Cível 5001717-82.2016.404.7103 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELENA MARIA SEVERO PAES
ADVOGADO : DANIELA PADÃO MAGRINI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000199 Apelação Cível 5001382-38.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIA ISABEL MARTINS RODRIGUES
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000200 Apelação Cível 5001358-10.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANTONIO JOSE TRINDADE (Civilmente Incapaz - Art. 110, 8.213/91)
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
APELADO : ANTONIA VICALE TRINDADE (Cônjuge, pai, mãe, tutor, curador ou herdeiro necessário)
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000201 Apelação Cível 5001322-84.2016.404.7105 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MILTON VALENTIN
ADVOGADO : VITOR LINDOLFO GRESSLER

0000202 Apelação Cível 5000406-10.2017.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : IGNES ANGELINA VANIN RIZZON
ADVOGADO : GIOVANI ONEDA
ADVOGADO : JOSE AUGUSTO BALBINOT

0000203 APELAÇÃO CÍVEL 5000277-81.2017.404.7114 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : IARA RAMBO
ADVOGADO : EDUARDO KOETZ
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000204 APELAÇÃO CÍVEL 5071467-82.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ARISTIDES PIRES DOS SANTOS
ADVOGADO : MONICA MARIA PEREIRA BICHARA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000205 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002112-59.2011.404.7003 (Processo


Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Questão de Ordem
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELIZA GARBUGIO BATALINI
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 150 / 462
APELANTE : ELIZA GARBUGIO BATALINI
ADVOGADO : CARLOS FABRICIO PERTILE
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000206 APELAÇÃO CÍVEL 5081215-13.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOVINO MENDES DA SILVA
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : LIANDRA FRACALOSSI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000207 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5070613-65.2011.404.7100 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : VALNACIR DE OLVEIRA
ADVOGADO : ROSARIA DE FATIMA DA SILVA BARCELLOS
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000208 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5070212-32.2012.404.7100 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : MARISA TERESINHA SCOTTA WILHELM
ADVOGADO : MAURICIO ROSADO XAVIER
ADVOGADO : Vivian de Almeida Sieben Rocha
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000209 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5069436-95.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LOECI ROCHA FERREIRA
ADVOGADO : Marcelo Martins da Silva
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000210 APELAÇÃO CÍVEL 5068692-66.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LUIZ CARLOS MARCOS
ADVOGADO : FERNANDO BUZZATTI MACHADO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000211 APELAÇÃO CÍVEL 5067905-37.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : PETRONIO DUARTE SCHULER
ADVOGADO : SAYLES RODRIGO SCHÜTZ
ADVOGADO : CLEITON MACHADO
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK

0000212 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5066039-28.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 151 / 462


APELADO : HUMBERTO CARDOSO
ADVOGADO : SILVIA BEATRIZ SCHNEIDER WOLF
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000213 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5064898-71.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OSVALDINA MOURA DOS SANTOS
ADVOGADO : FABIO DE OLIVEIRA ROSSOL

0000214 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5064295-32.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JOSE RAMOS DOS REIS
ADVOGADO : MARILUCE CARDOSO DOS REIS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000215 APELAÇÃO CÍVEL 5063481-20.2012.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : DANIEL MARTINS LOPES
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
APELADO : DAIANE MARTINS LOPES
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
APELADO : DOUGLAS MARTINS LOPES
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
APELADO : EDILEIA DE MOURA FERREIRA
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
APELADO : GILUA MOURA DA SILVA
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS

0000216 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5062898-35.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EDSON OLIMPIO SILVA DE OLIVEIRA
ADVOGADO : EDUARDO CUNHA DE OLIVEIRA

0000217 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5060125-17.2012.404.7100 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : IOLANDA EDUARDO FIGUEIRA
ADVOGADO : MANOEL FERMINO DA SILVEIRA SKREBSKY
ADVOGADO : CRISTINA WERNER DAVILA
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000218 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5057990-95.2013.404.7100 (Processo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 152 / 462


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : PAULO BERTOL
ADVOGADO : MARLON DA ROCHA SILVA

0000219 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5057878-29.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ROGERIO DE LEMOS MAZIN
ADVOGADO : ROBSTER DE ARAUJO VASCONCELLOS
ADVOGADO : PEDRO LUCIANO DE OLIVEIRA DORNELLES
ADVOGADO : LUIZ EDUARDO MAZULLO CERNICCHIARO
ADVOGADO : MARINILDA RODRIGUES PRADELLA
ADVOGADO : VILSON TRAPP LANZARINI

0000220 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5056335-25.2012.404.7100 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : ANDREIA MACIEL VEIGA (Pais)
ADVOGADO : NEUSA PERES SWENSSON
PARTE AUTORA : NAYARA MACIEL DA SILVA (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, II e III CC))
ADVOGADO : NEUSA PERES SWENSSON
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000221 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5054043-67.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : SERGIO LUIS CARDOSO DA SILVA
ADVOGADO : ALESSANDRA CARDONA CONDE
APELADO : OS MESMOS

0000222 APELAÇÃO CÍVEL 5050167-36.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIO SCHROEDER
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA

0000223 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5049971-66.2014.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CANDIDO AUGUSTO DORNELLES
ADVOGADO : IDELI MENDES DA SILVA

0000224 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5048586-54.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EDSON DORNELES TELES
ADVOGADO : RENATO GUIDOLIN

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 153 / 462


0000225 APELAÇÃO CÍVEL 5048087-02.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ALCINO FARIAS DA SILVA
ADVOGADO : IDELI MENDES DA SILVA

0000226 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5047807-02.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : MARIA MATOS DE SOUZA
ADVOGADO : LUIZ FERNANDO BARBOZA
APELADO : JANIA LUIZA BITENCOURT VALENTIM
ADVOGADO : MARCIA ELIZABETE MACHADO

0000227 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5047064-89.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CARLOS ALBERTO FRANKEN
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000228 APELAÇÃO CÍVEL 5046667-59.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ODILON BRASIL VIEIRA
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000229 APELAÇÃO CÍVEL 5046618-18.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : REINALDO DALLEGRAVE RUARO
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN

0000230 APELAÇÃO CÍVEL 5046584-43.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : HUGO FARIA LANGE
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA

0000231 APELAÇÃO CÍVEL 5046564-52.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SUSI REIS WESTPHAL
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000232 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5046441-59.2011.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 154 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOSE LUIS SILVA DE MESQUITA
ADVOGADO : CRISTINA WERNER DAVILA
ADVOGADO : MANOEL FERMINO DA SILVEIRA SKREBSKY
APELADO : OS MESMOS

0000233 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5046385-21.2014.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ELEONOR RITA BALBINO DOS REIS
ADVOGADO : ALEX SANDRO MEDEIROS DA SILVA

0000234 APELAÇÃO CÍVEL 5046092-51.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JEANETE MARLY DE AMORIM
ADVOGADO : IDELI MENDES DA SILVA

0000235 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5044458-54.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : BEATRIZ RAMOS SO
ADVOGADO : CRISTIANO OHLWEILER FERREIRA

0000236 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5042922-08.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LENI AVILA DE SOUZA
ADVOGADO : RODRIGO SOUZA BALDINO
ADVOGADO : JONAS FELIPE SCOTTÁ

0000237 APELAÇÃO CÍVEL 5040183-96.2012.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIA LEONILDE DALL AGNOL
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : SANDRA MENDONÇA SUELLO DA SILVA
ADVOGADO : LIANDRA FRACALOSSI
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000238 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5039113-10.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : LUIZ ANTONIO ESPINDOLA PAZIM
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
APELADO : OS MESMOS

0000239 APELAÇÃO CÍVEL 5036578-50.2014.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SALETE MARIA MEMLAK

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 155 / 462


ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000240 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5036023-33.2014.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ELGA ILDGARD HAAG
ADVOGADO : Karen Ostermann dos Santos
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000241 APELAÇÃO CÍVEL 5035836-49.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARCO AURELIO FIGUEIREDO VIEIRA
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : LIANDRA FRACALOSSI
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000242 APELAÇÃO CÍVEL 5035746-41.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : LUIZ CARLOS TAVARES VALE
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000243 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5035729-05.2014.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : RUY COSTA RIBEIRO
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
APELADO : OS MESMOS

0000244 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5035500-16.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ROBERTO CARLOS DUTRA DE SOUZA
ADVOGADO : CRISTINA WERNER DAVILA
ADVOGADO : MANOEL FERMINO DA SILVEIRA SKREBSKY

0000245 APELAÇÃO CÍVEL 5035311-67.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : MARIA MARGARIDA DOS REIS ALMEIDA
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA
APELADO : OS MESMOS

0000246 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5034007-67.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VALMOR ANTONIO DA SILVA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 156 / 462


ADVOGADO : SILVIA BEATRIZ SCHNEIDER WOLF

0000247 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5033855-58.2014.404.7108 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : CECILIA BEATRIZ GUSEN MONACO (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, II e III CC))
ADVOGADO : FABIO LUIS SCHENKEL
ADVOGADO : GUSTAVO KREMER
PARTE AUTORA : VANESSA MONACO (Curador)
ADVOGADO : FABIO LUIS SCHENKEL
ADVOGADO : GUSTAVO KREMER
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
INTERESSADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000248 APELAÇÃO CÍVEL 5032260-48.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELIANE MOSMANN
ADVOGADO : WALDIR FRANCESCHETO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000249 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5029558-71.2010.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : PAULO ROBERTO SCOTO MACHADO
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
ADVOGADO : ALINE REFFIEL SERDEIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000250 APELAÇÃO CÍVEL 5029468-24.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUIZ ALBERTO MORETTI
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000251 APELAÇÃO CÍVEL 5029334-31.2013.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOSE ANTONIO JOU RUBIES
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA
APELADO : OS MESMOS

0000252 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5026112-31.2013.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : RENE DA SILVA BRAZ
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
APELADO : OS MESMOS

0000253 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5025839-76.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CARLOS HENRIQUE CRUZ DE PAULA
ADVOGADO : WAGNER NUNES DOS SANTOS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 157 / 462


ADVOGADO : JANE DE SOUZA DA SILVA

0000254 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5025817-57.2014.404.7108 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : DANIELA FONSECA DE ALMEIDA - HABILITADA
ADVOGADO : FABRICIO LEAO
PARTE AUTORA : DIONE ÁVILA DA FONSECA - HABILITADA
ADVOGADO : FABRICIO LEAO
PARTE AUTORA : GRASIELA ÁVILA FONSECA - HABILITADA
ADVOGADO : FABRICIO LEAO
PARTE AUTORA : TIAGO ÁVILA DA FONSECA - HABILITADO
ADVOGADO : FABRICIO LEAO
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000255 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5025804-19.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARCO ANTONIO DOS ANJOS GOMES
ADVOGADO : NARA ISABEL MALTA DA SILVA

0000256 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5024335-35.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSÉ FRANCISCO ROSA DE PINTO
ADVOGADO : ANA MARIA NEVES DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000257 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5023977-46.2013.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MARIO PINHEIRO DE AVILA
ADVOGADO : MARA MEDIANEIRA MACHADO

0000258 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5023039-85.2012.404.7108 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : HUBERTO NORNBERG
ADVOGADO : ELIZABETE KOHLRAUSCH
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000259 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5020669-60.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JAIME SILVA MACHADO
ADVOGADO : VALERIA GRIEBELER AZAMBUJA
APELADO : OS MESMOS

0000260 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5019464-35.2013.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 158 / 462


APELANTE : WELINGTON ALBERTO MACHADO JUNIOR (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, II e III CC))
ADVOGADO : IVANA MATTES PEDROSO
APELANTE : NAIR REGINA DA SILVA OLIVEIRA (Curador)
ADVOGADO : IVANA MATTES PEDROSO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000261 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5019403-04.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FERNANDO ROBERTO RENNER
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE

0000262 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5018399-63.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SELMA SILVA DE MATTOS
ADVOGADO : EVERSON DA SILVA CAMARGO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000263 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5018003-28.2013.404.7108 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : SAULO DE SOUZA
ADVOGADO : DIEGO LUIS DOS SANTOS
ADVOGADO : MARCIO DOS SANTOS
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000264 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5017763-63.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : VILMA MUNCIO COMPAGNONI
ADVOGADO : IRACI MARIA DALLA VECCHIA
APELADO : OS MESMOS

0000265 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5017215-17.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DONIZETTI FERNANDES DA SILVA
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000266 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5016992-22.2012.404.7100 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : SUSANA DOS SANTOS JARDIM
ADVOGADO : LAURA NORMELIA FEIJÓ
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000267 APELAÇÃO CÍVEL 5016670-31.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 159 / 462


APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADAO DE LIMA FIGUEIRO
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA

0000268 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5016590-80.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARCO ANTONIO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : EZEQUIEL MILICICH SEIBEL
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000269 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5016284-48.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : VILMAR GARCIA DE OLIVEIRA
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO
APELADO : OS MESMOS

0000270 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5015986-43.2013.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADEMIR CARLOS DOS SANTOS
ADVOGADO : ALEX SANDRO MEDEIROS DA SILVA

0000271 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5015643-86.2014.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : BRAYN EMANUEL MARINS (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, I CC))
ADVOGADO : PAULO EDEMILSON VAUCHER BANDEIRA
APELANTE : BREDY GABRIEL MARINS
ADVOGADO : PAULO EDEMILSON VAUCHER BANDEIRA
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : MARCIA DOS SANTOS (Pais)
ADVOGADO : PAULO EDEMILSON VAUCHER BANDEIRA
APELADO : OS MESMOS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000272 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5015321-40.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : VANDERLEI RODRIGUES STUART
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000273 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014701-49.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ARNALDO FELIPE PEREIRA DE LIMA
ADVOGADO : ANA MARIA NEVES DA SILVA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 160 / 462


APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000274 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014692-87.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OLINDA SADOVSKI DOS SANTOS
ADVOGADO : MARLENE DE OLIVEIRA ERNEST

0000275 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014637-18.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : FRANSIEL FRIGOTTO
ADVOGADO : João Francisco Zanotelli
ADVOGADO : KARINE FALKENBACH FERREIRA
ADVOGADO : PEDRO TREVISAN CARMANIN
ADVOGADO : João Francisco Zanotelli
ADVOGADO : TIAGO LEONARDO LUCERO

0000276 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5014564-43.2012.404.7108 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : ELISEU DE VARGAS
ADVOGADO : KELLY MENEGAS FONSECA
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000277 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014527-53.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSE CARLOS DOS SANTOS
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000278 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014400-18.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOAO CARLOS BASEI
ADVOGADO : LUIZ GUSTAVO CAPITANI E SILVA REIMANN
ADVOGADO : LUIZ GUSTAVO CAPITANI E SILVA REIMANN
ADVOGADO : INGRID EMILIANO
ADVOGADO : CARLOS ALEXANDRE DOS SANTOS DE LIMA
APELADO : OS MESMOS

0000279 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014218-95.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CARLOS ALBERTO BONAFE
ADVOGADO : CÉSAR AUGUSTO PETUCO
ADVOGADO : RODRIGO DAL FORNO DE CAMARGO
ADVOGADO : CARLOS AUGUSTO GIOVANELI PEREIRA JÚNIOR

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 161 / 462


0000280 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5014191-34.2011.404.7112 (Processo Eletrônico
- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : JOSE ALMIRO BARBOSA GUTERRES
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000281 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5014115-25.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : AILSON MARCOS KLOSS
ADVOGADO : SANDRA HELENA BETIOLLO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000282 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5013844-13.2011.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOSE RENATO SCHORN
ADVOGADO : MARIA SILESIA PEREIRA
APELADO : OS MESMOS

0000283 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5013839-71.2014.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : GETULIO CABRAL DEL MESTRE FILHO
ADVOGADO : NARA REGINA RODRIGUES AZEVEDO
ADVOGADO : LIZIANE AZEVEDO BARROS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000284 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5013756-75.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LAURINDO FERREIRA DA ROSA
ADVOGADO : JÚLIA MARLI CARNEIRO DOS SANTOS
ADVOGADO : DENISE DA SILVA MINOSSO

0000285 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5013477-74.2011.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JONHLER DA LUZ SOARES (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, I CC))
ADVOGADO : LISIANE BEATRIZ WOLF PIMENTEL
APELANTE : MARIA GORETE DA LUZ (Pais)
ADVOGADO : LISIANE BEATRIZ WOLF PIMENTEL
APELADO : OS MESMOS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000286 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5013415-36.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 162 / 462


APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : MARIANGELA MACCARI LOPES
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : MIRELE MULLER
APELADO : OS MESMOS

0000287 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5013402-13.2012.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : RICARDO KEHL
ADVOGADO : AIRTOM PACHECO PAIM JUNIOR
ADVOGADO : CÉSAR ROMEU NAZÁRIO
APELADO : OS MESMOS

0000288 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012993-25.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : SILVIO LUIZ DOS REIS
ADVOGADO : DEBORA JOANDRIA DORNELLES HESSEL
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000289 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012893-70.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VALDIR ALIEVI
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : MIRELE MULLER

0000290 APELAÇÃO CÍVEL 5012717-72.2013.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELENITA MENEGOTTO FRISON
ADVOGADO : LEANDRO GUILHERME SIGNORINI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000291 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012546-37.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : SERGIO ROBERTO RECH
ADVOGADO : DIRCEU ROQUE VENDRAMINI

0000292 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012536-08.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DALICE NOEMIA KIEKOW SCHNEIDER
ADVOGADO : ANGELITA HENNEMANN SCHUH
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 163 / 462


APELADO : OS MESMOS

0000293 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012442-60.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : FRANCISCO ANTONIO RECH
ADVOGADO : VERA GYPTIS ROSSAROLLA ANDREAZZA
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000294 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012272-45.2013.404.7110 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ELIANA ALVES PEREIRA
ADVOGADO : THIAGO SEIDEL

0000295 APELAÇÃO CÍVEL 5012269-50.2014.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MANOEL VESPUCIO CARDIAS
ADVOGADO : CRISTIANE BOHN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000296 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5012046-68.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JUSSARA DE VARGAS AZEREDO
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : MIRELE MULLER
APELADO : OS MESMOS

0000297 APELAÇÃO CÍVEL 5011689-69.2013.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : RUBERT SAVARIS MATTANA
ADVOGADO : DOUGLAS SEBASTIAO ESPINDULA MATTOS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000298 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5011475-78.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : FRANCISCO BOEIRA
ADVOGADO : JERUSA ZANANDREA FORMOLO SLOMP
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000299 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5011251-66.2011.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : NAIR FERREIRA BECHER
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 164 / 462
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000300 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5011222-12.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ALVAIR DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000301 APELAÇÃO CÍVEL 5011190-85.2013.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JANIR IGNES PATERNOSTER
ADVOGADO : DOUGLAS SEBASTIAO ESPINDULA MATTOS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000302 APELAÇÃO CÍVEL 5010953-51.2013.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : IVAN CAMPAGNOLO
ADVOGADO : LEANDRO GUILHERME SIGNORINI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000303 APELAÇÃO CÍVEL 5010932-94.2012.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ALZERINO MARIA DA SILVA
ADVOGADO : Sheila Reis
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000304 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5010931-75.2013.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : AFONSO DERLEI DA SILVA RODRIGUES
ADVOGADO : VALÉRIA TSCHEIKA

0000305 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5010878-27.2013.404.7102 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JIONE ARLETE SPODE STELLO (Espólio)
ADVOGADO : JOAO LUCAS CEZAR DE VARGAS
APELADO : EDUARDO SPODE STELLO (Sucessor)
ADVOGADO : JOAO LUCAS CEZAR DE VARGAS
APELADO : SABRINA SPODE STELLO (Sucessor)
ADVOGADO : JOAO LUCAS CEZAR DE VARGAS
APELADO : VILMAR WAGNER SPODE STELLO (Sucessor)
ADVOGADO : JOAO LUCAS CEZAR DE VARGAS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000306 APELAÇÃO CÍVEL 5010869-41.2013.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 165 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SELMA WIEGAND KNAPP
ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO
ADVOGADO : ROBERT VEIGA GLASS
ADVOGADO : GETÚLIO JAQUES JÚNIOR
ADVOGADO : GABRIEL MATOS DA FONSECA
ADVOGADO : JULIANO FURTADO FERREIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000307 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5010667-36.2014.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSE LAURI SCHMITZ
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000308 APELAÇÃO CÍVEL 5010479-37.2014.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : FLÁVIA RETZLAFF
ADVOGADO : GETÚLIO JAQUES JÚNIOR
ADVOGADO : ROBERT VEIGA GLASS
ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO
ADVOGADO : GABRIEL MATOS DA FONSECA
ADVOGADO : JULIANO FURTADO FERREIRA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000309 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5010064-23.2011.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : RENATO LUIS DA SILVA MARTINS
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA

0000310 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5009844-21.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : LUIZ VANDERLEI DA SILVA MOTA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000311 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5009363-10.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOAO LONGO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 166 / 462


ADVOGADO : SOILENE INEZ ARGENTA CERON
APELADO : OS MESMOS

0000312 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5009338-91.2011.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ROGERIO ADAIR FAUTH
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000313 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5009226-32.2014.404.7104 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CARLOS RIBEIRO PAZ
ADVOGADO : DARIELE LETICIA DA SILVA
ADVOGADO : DIANDRA SANGALLI TRONCO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000314 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5009166-84.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DIRCEU CARLOS FIORIO
ADVOGADO : SANDRA HELENA BETIOLLO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000315 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5009016-40.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : IRENE BUCZKOSKI
ADVOGADO : CIANE MENEGUZZI

0000316 APELAÇÃO CÍVEL 5008843-66.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VERA MARIA NEHME
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : SANDRA MENDONÇA SUELLO DA SILVA
ADVOGADO : LIANDRA FRACALOSSI
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN

0000317 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5008574-11.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : VALDOMIRO VALDIR LOLATTO
ADVOGADO : EDUARDO SIMIONATO
APELADO : OS MESMOS

0000318 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5008186-63.2011.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 167 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JORGE BATISTA DOS SANTOS
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000319 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5008133-48.2012.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELUSA HELENA SOUZA DA ROSA
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000320 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5007323-84.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EVANDRO SOARES CHAVES
ADVOGADO : JÚLIA MARLI CARNEIRO DOS SANTOS
ADVOGADO : DENISE DA SILVA MINOSSO

0000321 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5007268-36.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ADAO VALDECI LOPES
ADVOGADO : EDUARDO SIMIONATO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000322 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5007208-60.2013.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ARMIRO RODRIGUES COELHO
ADVOGADO : FABIANA OLIVEIRA SILVEIRA DUTRA
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000323 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5007188-43.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JAIRO LUIZ POLONI
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO

0000324 APELAÇÃO CÍVEL 5007072-02.2014.404.7117 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JULIO PAULO MODTKOWSKI
ADVOGADO : LUIZ GUSTAVO FERREIRA RAMOS
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 168 / 462


0000325 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5006881-89.2011.404.7107 (Processo
Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VILMOR DA SILVA
ADVOGADO : EDUARDO SIMIONATO

0000326 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5006793-02.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ROSANGELA LETTIERI
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : TAINA TAITINE PINTO COMPARSI
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : MIRELE MULLER

0000327 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5006659-66.2012.404.7114 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : PEDRO BATTISTI
ADVOGADO : ROSÂNGELA SCHEID
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000328 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5006416-94.2013.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CLAUDIO BRANDÃO
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000329 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5006400-21.2014.404.7108 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : NEUZA REGINATTO
ADVOGADO : MARCIO ZAMBELLI DA SILVA
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000330 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5006131-87.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VALMOR ANTONIO FORSTER
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO

0000331 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5006059-21.2012.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 169 / 462


APELADO : LOIR MACHADO PEREIRA
ADVOGADO : ADEMIR JOSÉ FRÖHLICH

0000332 APELAÇÃO CÍVEL 5006015-35.2012.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OSVALDO DA SILVA MORAES
ADVOGADO : TATIANE CANDIDA DOS SANTOS MENEZES
ADVOGADO : EDU CARLOS LOUREIRO MENEZES

0000333 APELAÇÃO CÍVEL 5005865-29.2013.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : PAULO FRANCISCO MORAIS DOS SANTOS
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000334 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5005497-32.2013.404.7104 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : ANTONIO CARLOS BORGES
ADVOGADO : TÂNIA MARA MIOTTO
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000335 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5005231-45.2013.404.7104 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JOÃO DALTRO SPILMANN
ADVOGADO : FRANCIELE BIANCHINI DALL AGNOL
ADVOGADO : JELSON CARLOS ACCADROLLI

0000336 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5005108-57.2012.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JORGE CARVALHO DA SILVA
ADVOGADO : ZILA RODRIGUES DE SOUZA

0000337 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5004953-84.2012.404.7102 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : DANIELA DA SILVA CABRAL
ADVOGADO : carlos djalma silva da rosa
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000338 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004915-08.2013.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSE ATILIO DOS SANTOS
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 170 / 462


0000339 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004898-72.2013.404.7111 (Processo
Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : JACOB BRAUN
ADVOGADO : JEFERSON KESSLER

0000340 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004890-62.2013.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : WINO DRAWANZ
ADVOGADO : LUIZ AUGUSTO PINHEIRO MARIN

0000341 APELAÇÃO CÍVEL 5004886-07.2012.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : EVERTON LUIS RECH
ADVOGADO : TIAGO SANGIOGO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000342 APELAÇÃO CÍVEL 5004785-84.2014.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : HILARIO GOLLMANN
ADVOGADO : XAVIER VALDIR PANKE

0000343 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004525-44.2013.404.7110 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSÉ ADEMAR DE PAULA
ADVOGADO : JOSÉ ADEMAR DE PAULA
ADVOGADO : MARCO DOUGLAS DE PAULA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000344 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004491-67.2012.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ANTONIO LOPES PEREIRA
ADVOGADO : ELTON MINOTTO AVILA

0000345 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004183-85.2012.404.7104 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ALBERI REO MIORANDO
ADVOGADO : ÍTALO GENESIO POTRICH

0000346 APELAÇÃO CÍVEL 5004171-28.2013.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : VALDIR MACHADO
ADVOGADO : EDUARDO SIMIONATO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000347 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004072-46.2013.404.7111 (Processo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 171 / 462


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VILMAR DA SILVEIRA
ADVOGADO : LUIZ EDUARDO MAZULLO CERNICCHIARO
ADVOGADO : VILSON TRAPP LANZARINI
ADVOGADO : PEDRO LUCIANO DE OLIVEIRA DORNELLES
ADVOGADO : MARINILDA RODRIGUES PRADELLA
ADVOGADO : ROBSTER DE ARAUJO VASCONCELLOS

0000348 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5004005-51.2012.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : VALDENIR DE SOUZA
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000349 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003919-04.2013.404.7114 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EDSON BATISTA MATES
ADVOGADO : ALENCAR WISSMANN ALVES
ADVOGADO : Ana Carolina Alves
ADVOGADO : Ana Raquel Alves

0000350 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003765-59.2013.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OSMAR GORRIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS
ADVOGADO : FABIANO GREGIS

0000351 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003569-10.2013.404.7116 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : CARLOS WALDIR DA COSTA IDALGO
ADVOGADO : SAYLES RODRIGO SCHÜTZ
ADVOGADO : CLEITON MACHADO
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK

0000352 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003468-15.2013.404.7102 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : VALDERI FLORES
ADVOGADO : RICARDO SCHÜTZ ARAUJO

0000353 APELAÇÃO CÍVEL 5003465-90.2014.404.7113 (Processo Eletrônico - TRF)


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 172 / 462
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : RONALDO RENATO SIMONI
ADVOGADO : EDUARDA GROFF TRENTIN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000354 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5003393-67.2013.404.7104 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : IDAIR POSSEBON
ADVOGADO : ÍGOR LOSS DA SILVA
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000355 APELAÇÃO CÍVEL 5003378-77.2013.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ILZA PIGNONES COELHO
ADVOGADO : Adriane Borba Karsburg
ADVOGADO : AUGUSTINHO GERVASIO GOTTEMS TELOKEN

0000356 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003219-58.2013.404.7104 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CENI DOS SANTOS OLIVEIRA
ADVOGADO : HENRIQUE OLTRAMARI
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000357 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003218-95.2012.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : SERGIO PAULO SCHUCK
ADVOGADO : VAGNER STOFFELS CLAUDINO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000358 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5003162-21.2010.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOAO ALBERTO DE BRITO JOSE
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000359 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002868-58.2013.404.7113 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : VILSON BIASI
ADVOGADO : EDUARDA GROFF TRENTIN
APELADO : OS MESMOS

0000360 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002748-53.2010.404.7102 (Processo


Eletrônico - TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 173 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JOÃO DILMAR STONA
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : LIANDRA FRACALOSSI
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : SANDRA MENDONÇA SUELLO DA SILVA
APELADO : OS MESMOS

0000361 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002716-44.2012.404.7113 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ANTONIO SALVADOR DA COSTA GONCALVES
ADVOGADO : WAGNER SEGALA
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000362 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002688-60.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JONES ROBERTO SCHWARTZHAUPT
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO
APELADO : OS MESMOS

0000363 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002626-53.2014.404.7117 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : AUGUSTO DOS SANTOS
ADVOGADO : SIDNEI ANTONIO MESACASA
ADVOGADO : VIVIANE MARIA GIACOMINI

0000364 APELAÇÃO CÍVEL 5002597-07.2013.404.7127 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : IVONE MARIA ALESSIO BUENO
ADVOGADO : SAMIR JOSÉ MENEGATT
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000365 APELAÇÃO CÍVEL 5002533-49.2012.404.7121 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOSE PEDRO LAGES MACIEL
ADVOGADO : MARIA DILVA RIBEIRO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000366 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002436-62.2010.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : INACIA DO CARMO ANTUNES RECH
ADVOGADO : GENEZIO FARINA JUNIOR
ADVOGADO : DANIELA MENEGAT BIONDO

0000367 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002373-41.2013.404.7104 (Processo


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 174 / 462
Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : JUAREZ MELEGO DREHER
ADVOGADO : Marco Antonio Chiaradia
APELADO : OS MESMOS

0000368 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5002247-69.2010.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ADILSON BITTENCOURT
ADVOGADO : MARLISE SEVERO

0000369 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001982-82.2010.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : PAULO CEZAR BATISTA
ADVOGADO : JELSON CARLOS ACCADROLLI
APELADO : OS MESMOS

0000370 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001953-87.2014.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIA BERNADETE LAHM
ADVOGADO : VAGNER STOFFELS CLAUDINO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000371 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5001770-53.2014.404.7129 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : MARLI LUCIA RAMPANELLI
ADVOGADO : JEFFERSON PICOLI
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000372 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001769-47.2013.404.7115 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INEZ CAPPELLARI GRINGS
ADVOGADO : JOICEMAR PAULO VAN DER SAND
ADVOGADO : JANE LUCIA WILHELM BERWANGER
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000373 APELAÇÃO CÍVEL 5001734-08.2013.404.7109 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : QUELMA MARIA FAGUNDES FREITAS
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
APELADO : OS MESMOS

0000374 APELAÇÃO CÍVEL 5001663-96.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 175 / 462


APELADO : JACÓ GARCIA MACHADO
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA

0000375 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001663-43.2013.404.7129 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : LUIZ PAULO ZILLI MENDES
ADVOGADO : LUIS GUIDO ERTEL
APELADO : OS MESMOS

0000376 APELAÇÃO CÍVEL 5001483-80.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : NEUSA MARIA ROSA NEGRIS
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA
APELADO : OS MESMOS

0000377 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001421-38.2014.404.7133 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : EDEVIR WEBER
ADVOGADO : SAYLES RODRIGO SCHÜTZ
ADVOGADO : CLEITON MACHADO
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK
ADVOGADO : CARLOS BERKENBROCK

0000378 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001380-73.2014.404.7100 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : LUIZA HELENA DA SILVA FURTADO
ADVOGADO : MANOEL FERMINO DA SILVEIRA SKREBSKY
ADVOGADO : CRISTINA WERNER DAVILA

0000379 APELAÇÃO CÍVEL 5001342-18.2011.404.7116 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : TEODORO JAIR DESSBESELL
ADVOGADO : MÁRCIA ZUFFO
APELADO : OS MESMOS

0000380 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001314-57.2014.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ROMECILDO JANIO DA SILVA
ADVOGADO : MARINILDA RODRIGUES PRADELLA
ADVOGADO : PEDRO LUCIANO DE OLIVEIRA DORNELLES
ADVOGADO : LUIZ EDUARDO MAZULLO CERNICCHIARO
ADVOGADO : ROBSTER DE ARAUJO VASCONCELLOS
ADVOGADO : VILSON TRAPP LANZARINI
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000381 APELAÇÃO CÍVEL 5001259-15.2014.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 176 / 462
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : JOãO CARLOS NICHEL
ADVOGADO : IMELDA MARTINI
ADVOGADO : LUANA MARTINI CENTENO
ADVOGADO : ESTELA FAGÚNDEZ ROJA
ADVOGADO : LUANA MARTINI CENTENO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000382 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001253-85.2012.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : PARICE TENEDINI
ADVOGADO : ALDO BELUSSO

0000383 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001187-61.2010.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : EDUARDO ARAUJO SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : MIRELE MULLER
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000384 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5001129-41.2013.404.7116 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : MARIA LÚCIA DA SILVA
ADVOGADO : BARBARA ALCÂNTARA VIEIRA BURTET
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000385 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5001050-95.2013.404.7105 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : HELENA IRIS ADAM (Absolutamente Incapaz (Art. 3º, II e III CC))
ADVOGADO : MIRKO ROQUE FRANTZ
PARTE AUTORA : ALCIDES ALBINO ADAM (Curador)
ADVOGADO : MIRKO ROQUE FRANTZ
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000386 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001037-80.2010.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ARTÊMIO ALAIR FERNANDES DE SIQUEIRA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 177 / 462


0000387 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5001005-77.2012.404.7121 (Processo
Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ENIO JOSE DA ROSA
ADVOGADO : JONHSON HIPPEN
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000388 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000975-06.2011.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELMERON AIMAY DA ROSA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : CAMILA MARIA MACIEL
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000389 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000963-33.2013.404.7108 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : CICERO FARIAS DA SILVA
ADVOGADO : VAGNER STOFFELS CLAUDINO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000390 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5000850-31.2012.404.7103 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : OSCAR FERNANDES
ADVOGADO : AUGUSTINHO GERVASIO GOTTEMS TELOKEN
ADVOGADO : Adriane Borba Karsburg
ADVOGADO : Najara Wartchow
ADVOGADO : LAURA VAZ BITENCOURT
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000391 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000826-10.2011.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : ELVIO AMADAL TAVARES DO CARMO
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000392 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000790-02.2010.404.7112 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIO SOLIS DUARTE MACHADO
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 178 / 462


ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : MIRELE MULLER
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000393 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000777-23.2012.404.7115 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : ROQUE BOLFE DE FREITAS
ADVOGADO : VINÍCIUS LUIS HERMEL

0000394 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000663-63.2012.404.7122 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : DORIVAL INACIO DALLA COSTA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000395 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5000660-43.2014.404.7121 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : MAELI DA ROSA
ADVOGADO : JONHSON HIPPEN
ADVOGADO : EVELYN MOTTA HIPPEN
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000396 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000582-96.2011.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : IDEMAR MENON
ADVOGADO : GILVANIA HOFFMANN STORMOVSKI TROES

0000397 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000380-15.2013.404.7119 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : IVO GOMES LISBOA SOBRINHO
ADVOGADO : GABRIEL DORNELLES MARCOLIN

0000398 APELAÇÃO CÍVEL 5000259-87.2013.404.7118 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : BENEDITO GONCHOROWSKI
ADVOGADO : JULIANO BOSSONI
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000399 REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5000221-38.2014.404.7119 (Processo Eletrônico


- TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
PARTE AUTORA : EVA IZABEL OLIVEIRA MARQUES

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 179 / 462


ADVOGADO : ALEXANDRE DORNELLES MARCOLIN
PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000400 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000165-36.2013.404.7120 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : MAURI GOTHARDO MAURER
ADVOGADO : ANDERSON MARTINS MEDINA

0000401 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000155-50.2013.404.7133 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELANTE : VALDIR CAMARGO SOZIO
ADVOGADO : PAULO CESAR JASKULSKI
APELADO : OS MESMOS

0000402 APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA 5000120-71.2013.404.7107 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : EDISON ANTONIO VIEIRA MACIEL
ADVOGADO : HENRIQUE OLTRAMARI
APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
APELADO : OS MESMOS

0000403 APELAÇÃO CÍVEL 5000052-58.2013.404.7128 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : MARIA EVANILDA MENDES DE SOUZA
ADVOGADO : VILSON LAUDELINO PEDROSA
ADVOGADO : ALESSANDRO MATOS RODRIGUES
ADVOGADO : CLAUDENIZE NEVES VARELA
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000404 APELAÇÃO CÍVEL 5000048-59.2014.404.7104 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
APELANTE : BOLIVAR DOS SANTOS
ADVOGADO : IVAN JOSÉ DAMETTO
APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000405 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5063440-37.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : OSMAR DA SILVA UFLARKER
ADVOGADO : HENRIQUE JÚDICE MAGALHÃES
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000406 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5068072-09.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : RENATO ANTONIO BRANDALISE
ADVOGADO : FÁBIO DE PIERI NANDI
ADVOGADO : RENY TITO HEINZEN

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 180 / 462


0000407 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5033877-95.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -
TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : JOÃO CARLOS ALVES FUNARI
ADVOGADO : LOUISE SILVELLO GOULART
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000408 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5062563-97.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : HELENA SIVERISKRAMER
ADVOGADO : ADRIANO JOSE OST

0000409 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5070866-03.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : OLGA DA SILVA OBADOWSKI
ADVOGADO : JERUSA PRESTES
ADVOGADO : JONES IZOLAN TRETER
ADVOGADO : SINARA LAZZAROTO
ADVOGADO : DAIANA IZOLAN TRETER FERRAZ
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000410 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5055757-46.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : GERALDO SZALANSKI
ADVOGADO : NEUSA LEDUR KUHN

0000411 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5064981-08.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : JOAO DE SOUZA BRANDAO
ADVOGADO : EDWARD NUNES MACHRY

0000412 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5054940-79.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARCELO CHARQUE
ADVOGADO : EUNICE CRISTIANE GARCIA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000413 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5059122-11.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : NEI CARLOS ROMANZINI
ADVOGADO : JUCILENE OLMI
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000414 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5064199-98.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 181 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : SERGIO LUIZ NUNES DA CRUZ
ADVOGADO : Miriam Matias de Souza
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000415 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5064490-98.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : NEUDIR COMUNELLO
ADVOGADO : TOMAS MORESCO TODESCHINI
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000416 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5063622-23.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : JONAS ROMUALDO DORNELES DUARTE
ADVOGADO : ALEX SANDRO MEDEIROS DA SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000417 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5045846-10.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : CEDELINA NUNES DOS SANTOS
ADVOGADO : JOSIANE BORGHETTI ANTONELO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000418 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5055944-54.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ANA TERESINHA LAMB AMBOS
ADVOGADO : ALEX SANDRO MEDEIROS DA SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000419 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5000034-08.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : TEREZINHA DAL PISOL MAPELI
ADVOGADO : ALINE LUCCA LOTTKE

0000420 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5057307-76.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : VLADIMIR VIEIRA DE JESUS
ADVOGADO : ISABEL CRISTINA TRAPP FERREIRA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000421 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5070285-85.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : DALTRO LUIZ EUZEBIO DE BRITO
ADVOGADO : ESTEVAO TOME
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000422 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5037878-26.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 182 / 462


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : EDITE PICH OSAIDA
ADVOGADO : HENRIQUE JÚDICE MAGALHÃES
AGRAVANTE : HENRIQUE JÚDICE MAGALHÃES
ADVOGADO : HENRIQUE JÚDICE MAGALHÃES
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000423 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5003903-76.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : JOSE VALTOIR DE MELLO VIEGAS
ADVOGADO : JOÃO PEDRO FERREIRA DA SILVA FILHO
ADVOGADO : LEONARDO SANTOS FRANCO
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000424 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5069697-78.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : JULIO ANTONIO MARQUES DE BORBA
ADVOGADO : SISSY MALVA MOLLENHAUER SOTO

0000425 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5066068-96.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : CLAUDETE PEREIRA SANTOS
ADVOGADO : ANDRÉ LUÍS PEREIRA BICHARA
ADVOGADO : PAULO PEREIRA BICHARA
ADVOGADO : MONICA MARIA PEREIRA BICHARA

0000426 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5071082-61.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : LINDOLFO PEREIRA QUADRADO
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA

0000427 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5053488-34.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : LUIZ IRAMIR ZANCAN
ADVOGADO : DIOGO TASSINARI BOLZAN
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000428 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5059352-53.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : EDUARDO AUGUSTO PINTO KOEPPE (Sucessão)
ADVOGADO : JOÃO MORAES AZZI JUNIOR
AGRAVADO : ELIZETE CORREA KOEPPE (Sucessor)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 183 / 462


ADVOGADO : JOÃO MORAES AZZI JUNIOR

0000429 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5047744-58.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ANTÔNIO CARLOS DE LIMA RODRIGUES
ADVOGADO : ANTONIO LUIS WUTTKE
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000430 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5066611-02.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : JAIR HENSEL
ADVOGADO : PEDRO JORGE PIOVENSAN

0000431 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5001826-94.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : MARIA ELIZA DE OLIVEIRA SCHWOCHOW
ADVOGADO : ANTONIO JOSE DOS SANTOS

0000432 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5067163-64.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : NOELI CATARINA DA SILVA MILITZ
ADVOGADO : TÚLIO DE SOUSA MEDEIROS
ADVOGADO : MARCOS BRUNATO RODRIGUES
ADVOGADO : ANDREIA CRISTINA MASSARO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000433 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5062772-66.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : VICENTE DE PAULO TAVARES
ADVOGADO : IVAN CARLOS ROBERTO REIS

0000434 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5041252-50.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : HARRI MUSSKOPF
ADVOGADO : MARCIA MARIA PIEROZAN

0000435 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5054517-22.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : CLARINDA DOS SANTOS BONAPAZ
ADVOGADO : NEUSA LEDUR KUHN
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000436 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5054948-56.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 184 / 462
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : ALICE RAYMUNDO DO NASCIMENTO
ADVOGADO : RENATA MOÇO

0000437 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5057283-48.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARLO AGORETI FERREIRA DA SILVA
ADVOGADO : AMILTON PAULO BONALDO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000438 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5003293-11.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : LUIZ WANDERLEY MOROS
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000439 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5053666-80.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARCO AURÉLIO FREITAS RODRIGUES
ADVOGADO : ANGELA VON MUHLEN
ADVOGADO : LIANDRA FRACALOSSI
ADVOGADO : RENATO VON MUHLEN
ADVOGADO : SANDRA MENDONÇA SUELLO DA SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000440 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5043567-51.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : JOSUE MENNA BORGES
ADVOGADO : JULIANO FURTADO FERREIRA
ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO
ADVOGADO : ROBERT VEIGA GLASS
ADVOGADO : GETÚLIO JAQUES JÚNIOR
ADVOGADO : GABRIEL MATOS DA FONSECA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000441 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5035732-12.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ABRELINA VASQUES RODRIGUES
ADVOGADO : GETÚLIO JAQUES JÚNIOR
ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO
ADVOGADO : ROBERT VEIGA GLASS
ADVOGADO : GABRIEL MATOS DA FONSECA
ADVOGADO : JULIANO FURTADO FERREIRA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000442 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5061876-23.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 185 / 462
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : NAIRA MACHADO BARROS
ADVOGADO : ROGÉRIO GUERISOLI ANTUNES
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000443 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5064265-78.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : TEREZINHA DE JESUS CARDOSO
ADVOGADO : MONICA MARIA PEREIRA BICHARA

0000444 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5070354-20.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ERALDO JOSE CRESCENCIO
ADVOGADO : REJANE MAYER DE FIGUEIREDO E SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000445 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5051020-97.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : JUAREZ FERREIRA PEDROSO
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000446 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5069539-23.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : VALDIR COMAR
ADVOGADO : ANTONIO JOSE DOS SANTOS

0000447 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5065335-33.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ELCIO DO NASCIMENTO
ADVOGADO : NATANAEL GORTE CAMARGO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000448 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5060917-52.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : ANTONIO ITAMAR RAMOS
ADVOGADO : WAGNER TOREZAN
ADVOGADO : NATANAEL GORTE CAMARGO

0000449 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5071413-43.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ANTONIO SERGIO RODRIGUES DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 186 / 462


ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000450 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5067220-82.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : MOACIR MELERE
ADVOGADO : EDUARDA GROFF TRENTIN

0000451 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5065516-34.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : EDSON KOETZ
ADVOGADO : MILTON MESTER
ADVOGADO : CARLO ROSITO DA SILVA

0000452 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5054982-31.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : MAURICIO ZENSHIN SAKIYAMA
ADVOGADO : Eduardo Chamecki

0000453 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5000042-82.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ALTAIR GONCALVES DA SILVA
ADVOGADO : RODRIGO LUIS BROLEZE
ADVOGADO : Thiago Buchweitz Zilio
ADVOGADO : José Emilio Bogoni
ADVOGADO : RODRIGO LUIS BROLEZE
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000454 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5055269-91.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ELIANE TERESA DA SILVA
ADVOGADO : ORLI CARLOS MARMITT
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000455 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5059504-04.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : PASQUALOTTO ADVOGADOS ASSOCIADOS
ADVOGADO : ISAC CIPRIANO PASQUALOTTO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000456 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5069188-50.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : JOAO OSCAR RIBEIRO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 187 / 462


ADVOGADO : EDILBERTO SPRICIGO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000457 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5054817-81.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ALDOINO PRESSI
ADVOGADO : RINALDO CRISTIANO SALLA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000458 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5061705-66.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : IRALDO BEHLING
ADVOGADO : ROBERT VEIGA GLASS
ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO
ADVOGADO : GETÚLIO JAQUES JÚNIOR
ADVOGADO : JULIANO FURTADO FERREIRA
ADVOGADO : GABRIEL MATOS DA FONSECA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000459 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5061498-67.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ALMIR RONALDO RAMPININI
ADVOGADO : SILVANA LEITE RODRIGUES
ADVOGADO : CAROLINE DE SOUZA
ADVOGADO : RENATA ALVES MARINI
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000460 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5050431-08.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : LIANE HOFMANN
ADVOGADO : CARLOS AUGUSTO VON MUHLEN SEIXAS
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000461 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5001006-75.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : ILSON DE FARIAS
ADVOGADO : ALAN RODRIGO PUPIN

0000462 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5001111-52.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : JOAQUIM SILVERIO PIMENTA
ADVOGADO : GUILHERME PONTARA PALAZZIO

0000463 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5064014-60.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 188 / 462


AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : NIVALDO NOGARINE GROSSO
ADVOGADO : ROBSON FERNANDO SEBOLD

0000464 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5062444-39.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : EDMUNDO JOSE STEFANELLO
ADVOGADO : SONIA MARIA BELLATO PALIN
ADVOGADO : CIBELE CRISTIANE RUIZ DE AZEVEDO
ADVOGADO : ANDRÉA ROLDÃO DOS SANTOS MUNHOZ

0000465 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5055240-41.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARLICE MARIA MORAES SIEB
ADVOGADO : ORLI CARLOS MARMITT
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000466 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5054515-52.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : LEO HERMETO FROELICH
ADVOGADO : ORLI CARLOS MARMITT
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000467 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5000040-15.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ELTON LUIS LUDWIG
ADVOGADO : SAMUEL CZERMANSKI DA SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000468 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5063078-35.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARLI RIBEIRO
ADVOGADO : JUAREZ ANTONIO DA SILVA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000469 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5070468-56.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : PAULO CESAR ALMEIDA CARDOZO
ADVOGADO : MARLISE SEVERO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000470 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5068627-26.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : VARDERLEI AIRTON PES
ADVOGADO : JEDISON PINTO NEUMANN
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 189 / 462


0000471 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5067726-58.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -
TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARISA MACHADO BORGES
ADVOGADO : GEREMIAS BUENO DO ROSÁRIO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000472 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5071591-89.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : HILDA BOESING BAUM
ADVOGADO : REGIS LUIS WITCAK
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000473 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5069934-15.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : MARIA LEDA CANTELLI HARTMANN
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000474 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5001646-78.2018.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : NATALINA DA ROSA
ADVOGADO : NICÉIA IVANOWSKI
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000475 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5072163-45.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ADAIL EWERTON PEREIRA
ADVOGADO : ELSA FERNANDA REIMBRECHT GARCIA
ADVOGADO : claudia jaqueline menezes di gesu
ADVOGADO : Gabriele de Souza Domingues
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000476 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5071733-93.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ELINTON VIEIRA OYARZABAL
ADVOGADO : ELSA FERNANDA REIMBRECHT GARCIA
ADVOGADO : claudia jaqueline menezes di gesu
ADVOGADO : Gabriele de Souza Domingues
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000477 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5072197-20.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : NILDA BOTTIN CARDOSO
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 190 / 462


0000478 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5070049-36.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -
TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ISAURA FRAGA SARMENTO
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000479 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5066195-34.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : DELCI HELENA SCHWENDLER FUHR
ADVOGADO : EVERSON BAMBERG

0000480 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5057652-42.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : TERESINHA GELCI SCHOHNTS
ADVOGADO : EUNICE CRISTIANE GARCIA

0000481 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5072905-70.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
AGRAVADO : SILVANA FOLETTO SCHAEFER
ADVOGADO : LUCIANE MAINARDI

0000482 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5068067-84.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ALEXANDRE DA SILVA
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVANTE : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVANTE : EVANDRO CESAR MELLO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVANTE : HELDER MASQUETE CALIXTI
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000483 AGRAVO DE INSTRUMENTO 5066936-74.2017.404.0000 (Processo Eletrônico -


TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
AGRAVANTE : ALEXANDRE DA SILVA
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVANTE : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVANTE : EVANDRO CESAR MELLO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA
AGRAVANTE : HELDER MASQUETE CALIXTI
ADVOGADO : BRUNO ANDRÉ SOARES BETAZZA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 191 / 462


AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000484 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5046680-


86.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : MARIA NEUZA FORTI DALBERTO (Cônjuge, pai, mãe, tutor, curador ou herdeiro
necessário)
ADVOGADO : DANIEL ANGELO PASSAIA
ADVOGADO : JANDIR PASSAIA
INTERESSADO : MARINEZ FORTI (Civilmente Incapaz - Art. 110, 8.213/91)
ADVOGADO : DANIEL ANGELO PASSAIA
ADVOGADO : JANDIR PASSAIA
MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000485 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5024337-


96.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ANTONIA SILVA DE BARROS
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
APENSO(S) : 0005655-75.2015.821.0095

0000486 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5007892-


02.2015.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : JOAO CARLOS BAPTISTA
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA

0000487 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5006847-


60.2015.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : SERLI DA SILVA
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
0000488 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5001606-92.2012.404.7118 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : NAIR SILVEIRA DA SILVA
ADVOGADO : IVAN JOSÉ DAMETTO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 192 / 462


0000489 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5000614-
41.2015.404.7114 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : FATIMA TERESINHA SENTER
ADVOGADO : DANIEL ANGELO PASSAIA

0000490 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5013383-


26.2015.404.7003 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ZULMIRA BARBOSA ARAUJO
ADVOGADO : IVAN CARLOS ROBERTO REIS

0000491 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5029964-


81.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : IEDA TERESINHA DA ROSA MOREIRA
ADVOGADO : FELIPE FORMAGINI
ADVOGADO : HENRIQUE OLTRAMARI
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
0000492 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5031579-09.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : IVANE MARAFON FERRO
ADVOGADO : FELIPE FORMAGINI
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000493 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5013459-


68.2011.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : LEOCIDIO GRACIANO
ADVOGADO : PAULA DA SILVA BUFFON

0000494 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5012880-


03.2014.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGANTE : MARLI ZAGENA
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 193 / 462


EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : OS MESMOS

0000495 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5062419-


03.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : NEUSA MARIA TONI
ADVOGADO : ANDIARA MACIEL PEREIRA

0000496 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5000633-


80.2016.404.7124 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ROBERTO SPOHN
ADVOGADO : ALESSANDRA GASPARIN GUARNIERI

0000497 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5000733-


02.2015.404.7211 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : EDERSON SATURNINO DE MATOS
ADVOGADO : EDERSON SATURNINO DE MATOS
0000498 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5000539-79.2013.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : JOSE LUIZ COSTA DA SILVA
ADVOGADO : ZILÁ MARIA DOS SANTOS SILVEIRA
0000499 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5023534-90.2016.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : VALDIR BASILIO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : MATHEUS ENDRES DE OLIVEIRA

0000500 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5042931-


33.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : MARIO ROBERTO ALVES LOPES
ADVOGADO : FATIMA JAQUELINE MARQUES MERIB

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 194 / 462


INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000501 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA


5085973-35.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ANDRE DE SOUZA CONTER
ADVOGADO : LUCIANA ALVARES DE CASTRO E SOUSA
ADVOGADO : TIAGO BECK KIDRICKI
ADVOGADO : TIAGO BECK KIDRICKI
ADVOGADO : LUCIANA ALVARES DE CASTRO E SOUSA

0000502 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5029332-


61.2013.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : JORGE GREGORIO BAIERLE
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : MIRELE MULLER
ADVOGADO : Mariana de Medeiros Flores Nunes

0000503 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5027711-


23.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGANTE : EUNICE REGINA SOARES
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA

0000504 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5020434-


86.2014.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ANDRE JOCELITO COSTA DE SOUZA
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL

0000505 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5004545-


63.2012.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGANTE : ADEGILDO PIACESKI VIANA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 195 / 462


ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
EMBARGADO : ACÓRDÃO

0000506 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL 5061821-


48.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADA : DECISÃO
INTERESSADO : SEBASTIAO CAETANO DE GODOI
ADVOGADO : MARCELO MARTINS DE SOUZA

0000507 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5038258-


65.2012.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : PAULO RENATO DE QUADROS PAIVA
ADVOGADO : ALEXANDRA LONGONI PFEIL
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : ELISANGELA LEITE AGUIAR
ADVOGADO : Mariana de Medeiros Flores Nunes
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

0000508 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5003742-


30.2014.404.7203 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : LUIZ CARLOS MOTTA (Sucessão)
ADVOGADO : FRANCISCO ASSIS DE LIMA
ADVOGADO : MORGAN FRANCIS DE LIMA
INTERESSADO : ELIZA MOTTA
ADVOGADO : FRANCISCO ASSIS DE LIMA
ADVOGADO : MORGAN FRANCIS DE LIMA
INTERESSADO : LUCIANA CRUBER
ADVOGADO : FRANCISCO ASSIS DE LIMA
ADVOGADO : MORGAN FRANCIS DE LIMA
INTERESSADO : NAIR MOTTA (Sucessor)
ADVOGADO : FRANCISCO ASSIS DE LIMA
ADVOGADO : MORGAN FRANCIS DE LIMA
INTERESSADO : NEIDE MOTTA
ADVOGADO : FRANCISCO ASSIS DE LIMA
ADVOGADO : MORGAN FRANCIS DE LIMA
INTERESSADO : NEILOR MOTTA
ADVOGADO : FRANCISCO ASSIS DE LIMA
ADVOGADO : MORGAN FRANCIS DE LIMA

0000509 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5034535-


95.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 196 / 462


RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : HELOISA FERNANDES PEREIRA
ADVOGADO : LORENI TEREZINHA WOLKMER
ADVOGADO : MAURO ANTONIO WOLKMER

0000510 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5005036-


34.2016.404.7111 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : NEWTON BASTOS MARTINS
ADVOGADO : ALEX TRINDADE GONCALVES
ADVOGADO : AUGUSTINHO GERVASIO GOTTEMS TELOKEN
ADVOGADO : DOUGLAS RAFAEL GOETZE

0000511 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5003736-


04.2016.404.7122 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : JOSE ALIPIO NUNES
ADVOGADO : ANILDO IVO DA SILVA
ADVOGADO : JULIA CAROLINA LONGHI KOSCIUK

0000512 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5002114-


94.2014.404.7012 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : TERESINHA COZZATTI ZOLET
ADVOGADO : VOLNEY SEBASTIÃO SPRICIGO

0000513 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5000376-


54.2017.404.7113 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : RENY ANTONIA DE BONA ORTOLAN
ADVOGADO : LUCIANO SALVAGNI
0000514 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5002545-71.2013.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ADI DONDI

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 197 / 462


ADVOGADO : ROCHELE MARINEI DOS REIS LOCATELLI

0000515 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5003749-


55.2010.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : SONIA MARIA BARCKFELD
ADVOGADO : AUGUSTINHO GERVASIO GOTTEMS TELOKEN
ADVOGADO : Najara Wartchow
ADVOGADO : Adriane Borba Karsburg
0000516 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5011165-23.2014.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : PLINIO ARCE GARCIA
ADVOGADO : IMILIA DE SOUZA
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
0000517 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5020597-11.2014.404.7001 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : LUIZ CARLOS RODRIGUES
ADVOGADO : ANDRE BENEDETTI DE OLIVEIRA

0000518 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5000681-


45.2016.404.7122 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : FRANCISCO MIGUEL GUAZINA MARQUES
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO

0000519 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5006353-


64.2016.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ELISABETE TERESINHA CARDOSO
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO

0000520 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5006714-


87.2016.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 198 / 462


EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : NEUSA JUSSARA NOGUEIRA ALVES
ADVOGADO : MAURICIO WORTMANN MARQUES
ADVOGADO : ADRIANA DIAS DA SILVA PAIXAO

0000521 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5012919-


44.2016.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : LUIZ ANTONIASSI NETO
ADVOGADO : CAMILA DORS GASPAROTTO

0000522 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5025904-


66.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : OLIMPIO ZARDO
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000523 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5045389-


52.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ITIBIRICA SILVA MACHADO
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO

0000524 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5045981-


96.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ERICO ERVINO RABEL
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO

0000525 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5049685-


20.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : IVONE SANCHEZ GODOY
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO

0000526 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5049952-


89.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 199 / 462


EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : CLAUDIO ROBERTO ENDLER
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO DURANTE BUSSOLO

0000527 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5054788-


08.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : MARIA HELENA FONTOURA RAMOS
ADVOGADO : MURILO JOSÉ BORGONOVO

0000528 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5055345-


92.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : LEO LUIZ RICHINITE DE MELLO
ADVOGADO : ALEXANDRE DORNELLES MARCOLIN

0000529 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5056407-


70.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ARMINDO ANTONINI
ADVOGADO : RAFAEL BERED
ADVOGADO : Pedro Hebert Outeiral
ADVOGADO : FELIPE HEBERT OUTEIRAL

0000530 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5063310-


24.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ZULEMA CARARA DA SILVA
ADVOGADO : Aldronei Nessi Braga

0000531 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5070630-


28.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ADEMAR BROCHET PEREIRA NUNES
ADVOGADO : PAULO JERONIMO CARVALHO DE SOUZA

0000532 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5073852-


04.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 200 / 462
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : JURACY FAYETTE
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000533 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5084049-


18.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : VALMIR JOSÉ ALEXANDRE
ADVOGADO : DILNEY MICHELS
ADVOGADO : PEDRO MAGRI GUTERRES
0000534 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5006653-50.2016.404.7104 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : RUY UBIRAJARA PERES DOS SANTOS
ADVOGADO : MAURICIO DE MELLO CASTELLANO

0000535 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5011070-


24.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : EZIDIO SANTINI
ADVOGADO : MÁRIO ANTÔNIO ZART

0000536 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5082939-


81.2016.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : HERO ARANCHIPE
ADVOGADO : MARION SILVEIRA REGO

0000537 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5001246-


81.2016.404.7001 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ELIZABETE POLONI DOS SANTOS
ADVOGADO : VIVIANE EMI HAYASHI
0000538 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 201 / 462


5039596-34.2017.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : MARIVANE GASPARIN MURARO
ADVOGADO : ANDRÉ BERVIAN CRESTANI
ADVOGADO : WILLIAN SILVEIRA BATISTA
0000539 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5046810-13.2016.404.9999 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : ROSELI DA SILVA
ADVOGADO : GEONIR EDVARD FONSECA VINCENSI
0000540 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA
5002577-56.2011.404.7104 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : IVAL FRANCISCO DE BRITTO
ADVOGADO : HENRIQUE OLTRAMARI

0000541 EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL 5085164-


45.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)
INCIDENTE : Embargos de Declaração
RELATOR(A) : Juiz Federal ALTAIR ANTONIO GREGORIO
EMBARGANTE : LUIS RONALDO NUNES
ADVOGADO : CHALA SINOE SILVA
EMBARGADO : ACÓRDÃO
INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

Publique-se e Registre-se.
Porto Alegre/RS, 14 de fevereiro de 2018.

Des. Federal LUIZ CARLOS CANALLI


Presidente da 5ª Turma

SECRETARIA DA 7ª TURMA
Pauta

7ª Turma

PAUTA DE JULGAMENTOS - ADITAMENTO


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 202 / 462
Determino a inclusão dos processos abaixo relacionados na Pauta de Julgamentos
ORDINÁRIA do dia 06 de março de 2018, terça-feira, às 13:30, podendo, entretanto, nessa
mesma Sessão ou Sessões subseqüentes, ser julgados os processos adiados ou constantes de
Pautas já publicadas.

0000034 APELAÇÃO CRIMINAL 5017483-20.2012.404.7200 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal SALISE MONTEIRO SANCHOTENE
APELANTE : FRANCISCO ROHLING
ADVOGADO : FRANCO ANDREI DA SILVA
APELANTE : JOAO ARNO DELITSCH
ADVOGADO : André Mello Filho
ADVOGADO : RICARDO FAGUNDES
ADVOGADO : MARCELO LUCIANO VIEIRA DE MELLO
APELANTE : LUIZ HENRIQUE LIMA
ADVOGADO : LUIZ HENRIQUE LIMA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000035 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5003322-29.2017.404.7103


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal SALISE MONTEIRO SANCHOTENE
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : GILMAR EDOR WIEDENHOFT
ADVOGADO : GILMAR EDOR WIEDENHOFT
RECORRIDO : LUIS DANIEL DE ALMEIDA REZENDE
PROCURADOR : FABRÍCIO VON MENGDEN CAMPEZATTO (DPU) DPU074
RECORRIDO : MARIANE DE FIGUEIREDO FERREIRA
PROCURADOR : FABRÍCIO VON MENGDEN CAMPEZATTO (DPU) DPU074
RECORRIDO : MELQUISEDEQUE PIRES AGUIAR
ADVOGADO : MELQUISEDEQUE PIRES AGUIAR

0000036 AGRAVO DE EXECUÇÃO PENAL 5000359-14.2018.404.7200 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal SALISE MONTEIRO SANCHOTENE
AGRAVANTE : GUILHERME VITORIO MACHADO
ADVOGADO : BIANCA VITORIO MACHADO
AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Publique-se e Registre-se.
Porto Alegre, 15 de fevereiro de 2018.

Des. Federal SALISE MONTEIRO SANCHOTENE


Presidente da 7ª Turma

SECRETARIA DA 8ª TURMA
Pauta

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 203 / 462


8ª Turma

PAUTA DE JULGAMENTOS

Determino a inclusão dos processos abaixo relacionados na Pauta de Julgamentos


ORDINÁRIA do dia 07 de março de 2018, quarta-feira, às 13:30, podendo, entretanto, nessa
mesma Sessão ou Sessões subseqüentes, ser julgados os processos adiados ou constantes de
Pautas já publicadas.

0000001 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5005144-59.2017.404.7101


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : MARCEL DO AMARAL DIAS
ADVOGADO : MARCOS ALEXANDRE PASSOS RODRIGUES
ADVOGADO : CRISTINA FERNANDES CARVALHO

0000002 APELAÇÃO CRIMINAL 5001979-90.2016.404.7213 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : CELINE PASQUAL
ADVOGADO : CASSIO VIECELI
APELADO : EWERTON LUIZ ROBERTO
ADVOGADO : RUI CESAR VOLTOLINI
APELADO : ADEMIR LOCKS
ADVOGADO : WERNER BACKES

0000003 APELAÇÃO CRIMINAL 5002753-16.2017.404.7204 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : JOACI LUMERTZ
ADVOGADO : Giovani Pacheco Trajano

0000004 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5004204-76.2017.404.7010


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
RECORRENTE : JOAQUIM ANTONIO DE LIMA
ADVOGADO : VALDEIR JOSE DOS SANTOS
RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000005 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5009195-95.2017.404.7204


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : MATEUS PIAZZA TEIXEIRA
ADVOGADO : ERALDO BENITO CANDIDO

0000006 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5000095-49.2018.404.7118


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : ANDRE LUIS SENNA CORTE
ADVOGADO : RENATO PRADO DE ALMEIDA

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 204 / 462


0000007 APELAÇÃO CRIMINAL 5014717-36.2017.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : ELIANE CAMARGO
PROCURADOR : HENRIQUE GUIMARAES DE AZEVEDO (DPU) DPU129
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000008 APELAÇÃO CRIMINAL 5020027-14.2017.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : IGOR JESUS DOS SANTOS
PROCURADOR : ALEXANDRE VARGAS AGUIAR (DPU) DPU251
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000009 APELAÇÃO CRIMINAL 5002522-57.2015.404.7010 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : ANGELA MARIA GRACCIOTIN DE CARVALHO
ADVOGADO : Eloi Silva
APELADO : NEUDSON DE CARVALHO SOARES
ADVOGADO : Eloi Silva

0000010 APELAÇÃO CRIMINAL 5001178-92.2016.404.7014 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : JOSE DOS PASSOS ALVES TRINDADE
ADVOGADO : KELLI GONCALVES DA SILVA MACHADO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000011 APELAÇÃO CRIMINAL 5001262-90.2016.404.7015 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : ERASMO CARLOS MACHADO
ADVOGADO : ANTONIO JOAO DE MELO
ADVOGADO : THIAGO ANTONIO MARAFON DE MELO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000012 APELAÇÃO CRIMINAL 5001775-25.2015.404.7005 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : ARILDO APARECIDO QUINOR
ADVOGADO : joão paulo de mello
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000013 APELAÇÃO CRIMINAL 5003756-64.2016.404.7002 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : LAURO GEHLEN DE LARA
ADVOGADO : RICARDO PINTO FEISTLER
ADVOGADO : LUCIANA BERTI GUIMARAES
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000014 APELAÇÃO CRIMINAL 5016092-06.2016.404.7001 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 205 / 462


APELANTE : CARLOS EDUARDO FLORENCE
PROCURADOR : ALEXANDRE VARGAS AGUIAR (DPU) DPU251CHEFE
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000015 APELAÇÃO CRIMINAL 5007889-18.2013.404.7112 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : RAFAEL DA SILVA QUADROS
ADVOGADO : FERNANDO DE MELLO
ADVOGADO : RAFAEL DE ARAUJO GUERRA
PROCURADOR : RICARDO HENRIQUE ALVES GIULIANI (DPU) DPU109
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000016 APELAÇÃO CRIMINAL 5005912-04.2016.404.7009 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : MARIA ALVES SANTOS
PROCURADOR : RICARDO HENRIQUE ALVES GIULIANI (DPU) DPU109

0000017 APELAÇÃO CRIMINAL 5001707-41.2016.404.7005 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : CESAR AUGUSTO LUDKE
ADVOGADO : LUCIANO MEDEIROS PASA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000018 APELAÇÃO CRIMINAL 5002662-98.2014.404.7116 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : ROSINEI TEIXEIRA DA SILVA
ADVOGADO : SANDRO PAULO PRAGER
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000019 APELAÇÃO CRIMINAL 5002722-45.2016.404.7005 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : JORGE GIOVANI RODRIGUES
PROCURADOR : EDUARDO TERGOLINA TEIXEIRA (DPU) DPU212
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000020 APELAÇÃO CRIMINAL 5008221-25.2016.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : JANES TOPANOTTI DOS SANTOS
ADVOGADO : PEDRO ZILLI NETO
ADVOGADO : OCIMAR MARAGNO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000021 APELAÇÃO CRIMINAL 5003246-57.2016.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : CELMA DA SILVA
ADVOGADO : DIMITRY DA SILVA OPPA
ADVOGADO : Fernanda Eliza da Silva Oppa

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 206 / 462


APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000022 APELAÇÃO CRIMINAL 5001281-32.2016.404.7004 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : EVANDRO WASICKI DE SOUZA
ADVOGADO : EZEQUIEL MESSIAS RODRIGUES
APELANTE : RENATO AUGUSTO LUZ DA SILVA
ADVOGADO : MARIANE MARTINS SERRA
ADVOGADO : ALESSANDRA TREVISAN FERREIRA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000023 APELAÇÃO CRIMINAL 5000898-70.2015.404.7204 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : DOUGLAS CARDOSO MACEDO
PROCURADOR : RICARDO HENRIQUE ALVES GIULIANI (DPU) DPU109
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000024 APELAÇÃO CRIMINAL 5028697-21.2015.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
REVISOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : ODENIR DE OLIVEIRA SOUZA
ADVOGADO : RONALDO GIMENEZ MONTEIRO
ADVOGADO : FLAVIO FAGUNDES FERREIRA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000025 APELAÇÃO CRIMINAL 5038166-23.2017.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : AEGEAN PETROLEO LTDA
ADVOGADO : RICARDO CARVALHO BRAGA DOS SANTOS
ADVOGADO : PEDRO CALMON MONIZ DE BITTENCOURT NETO
ADVOGADO : Fabianne Candeo
ADVOGADO : ANDREA GONCALVES FERRY
ADVOGADO : THIAGO LUIZ DOS SANTOS SGARBI
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000026 APELAÇÃO CRIMINAL 5033794-65.2016.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
APELANTE : JORGE LUIZ ZELADA
ADVOGADO : Alexandre Lopes de Oliveira
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000027 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5048145-09.2017.404.7000


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
RECORRENTE : SERGIO RAIMUNDO TOURINHO DANTAS
ADVOGADO : CAIO FORTES DE MATHEUS
RECORRENTE : TIAGO CEDRAZ LEITE OLIVEIRA
ADVOGADO : EDUARDO DE VILHENA TOLEDO
ADVOGADO : José Francisco Fischinger Moura de Souza
ADVOGADO : RODRIGO MOLINA RESENDE SILVA
RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000028 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5016989-67.2017.404.7205

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 207 / 462


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : CRISTIANO MORAES
ADVOGADO : ALEXANDRE BRESLER CUNHA

0000029 APELAÇÃO CRIMINAL 5002745-90.2013.404.7103 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : ALSIO DE JESUS GARCIA GONCALVES
ADVOGADO : GUILHERME FRANZEN RIZZO
ADVOGADO : TIAGO BRITTO SPONTON
ADVOGADO : Giuliano Deboni
ADVOGADO : VITORIA CRISTINA KRAUSE NORONHA
APELANTE : INDUSTRIA DE MADEIRAS TOZZO S.A
ADVOGADO : Giuliano Deboni
ADVOGADO : GUILHERME FRANZEN RIZZO
ADVOGADO : TIAGO BRITTO SPONTON
ADVOGADO : VITORIA CRISTINA KRAUSE NORONHA
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : OS MESMOS

0000030 APELAÇÃO CRIMINAL 5024508-98.2014.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : INES TERESINHA PREZZI
ADVOGADO : JORGE MACHADO BALDEZ
ADVOGADO : ANGELA REGIMA HOLZBACH
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : OS MESMOS

0000031 APELAÇÃO CRIMINAL 5003938-48.2015.404.7208 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : ALEXANDRE KALABAIDE VAZ
ADVOGADO : Nicoli Moré Bertotti
ADVOGADO : ALEXANDRE KALABAIDE VAZ
ADVOGADO : claúdio gastão da Rosa Filho
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : HALEN DAYANA PREDEBON CHECHI
ADVOGADO : Nicoli Moré Bertotti
ADVOGADO : ALEXANDRE KALABAIDE VAZ

0000032 APELAÇÃO CRIMINAL 5008297-43.2016.404.7002 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : JOSE APARECIDO DIAS
PROCURADOR : EDUARDO TERGOLINA TEIXEIRA (DPU) DPU212
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : OS MESMOS

0000033 APELAÇÃO CRIMINAL 5003381-70.2015.404.7108 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 208 / 462


APELANTE : LUIZ ANTONIO REIS LOUREIRO
ADVOGADO : TADEU HENRIQUE DUTRA WEINERT
ADVOGADO : ELY FELIPE URDAPILLETA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000034 APELAÇÃO CRIMINAL 5029443-54.2013.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : NABIH ROBERTO AWADA
ADVOGADO : WILLIAM ESPERIDIAO DAVID
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000035 APELAÇÃO CRIMINAL 5003392-31.2013.404.7121 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : DIOMAR KUBIAKI RODRIGUES
ADVOGADO : CASSIO HENRIQUE FALLER
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : JULIO CESAR VANDAM FEIJO
ADVOGADO : AUGUSTO REIS BALLARDIM

0000036 APELAÇÃO CRIMINAL 5001162-84.2015.404.7011 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : MARCIO BORELLI
ADVOGADO : MILLER HORST SCHOSSLER
ADVOGADO : Leandro Edilson Chibiaqui
ADVOGADO : PAULO HENRIQUE KRONBAUER
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : JORGE BERNARDINO FARIAS
INTERESSADO : SEBASTIAO ROCHA NOVAES

0000037 APELAÇÃO CRIMINAL 5004144-52.2016.404.7006 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : TAUAN FELIPE FERREIRA DE CARVALHO
ADVOGADO : ANA CLAUDIA HOFMANN
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

0000038 APELAÇÃO CRIMINAL 5003984-41.2014.404.7121 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : TANIA MARIA DA SILVA CURTINOVE
ADVOGADO : FERNANDO OTÁVIO XAVIER COUTO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000039 APELAÇÃO CRIMINAL 5000920-34.2015.404.7106 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : NADIM NUNES SALIM
ADVOGADO : LIZANDRA TARABAL RODRIGUES
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : GUALBERTO DANIEL ZEBALLOS PINTOS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 209 / 462


ADVOGADO : RENATO RITA CAON
ADVOGADO : LIANE MARTINS CAON

0000040 APELAÇÃO CRIMINAL 5055121-37.2014.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : ROGERIO WEBER MENDES
ADVOGADO : OSCAR MASSIMILIANO MAZUCO GODOY
APELANTE : MARCIA DIVINA ROCHA DA SILVA
ADVOGADO : ETIENNE DA SILVA
ADVOGADO : FLAVIA RENATA VIANNA ALESSIO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000041 APELAÇÃO CRIMINAL 5014614-65.2013.404.7001 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : ALEXANDRE NOGUEIRA DOS SANTOS
ADVOGADO : BRENO HENRIQUE TEOBALDO ARALI
APELANTE : ALEXANDRO FOGATTI DA COSTA
ADVOGADO : CLÓVIS RIBEIRO DA SILVA
APELANTE : ANDERSON FERNANDES FERREIRA DO NASCIMENTO
ADVOGADO : SIDNEY HARUHIKO NODA
APELANTE : FERNANDO LUIZ DOS SANTOS
ADVOGADO : BRENO HENRIQUE TEOBALDO ARALI
APELANTE : JOSÉ LUIZ DE SOUZA
ADVOGADO : BRENO HENRIQUE TEOBALDO ARALI
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000042 APELAÇÃO CRIMINAL 5005872-69.2014.404.7210 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : MARCOS DOS SANTOS SOARES
ADVOGADO : ANDERSON GUSTAVO DOS SANTOS
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000043 APELAÇÃO CRIMINAL 5001752-97.2011.404.7012 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : WILSON LUIZ PAGLIOSA
ADVOGADO : VALDEMAR MORAS
ADVOGADO : DEIZY CHRISTINA VAZ

0000044 APELAÇÃO CRIMINAL 5003529-34.2013.404.7211 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : ANTONIO CLEONI DA SILVA
ADVOGADO : ALEXANDRE TRAICZUK
APELANTE : CLAUDIO ANITO BUSATO
ADVOGADO : SAMUEL CARLOS LIMA
ADVOGADO : Hélio Gaidzinski Pereira Junior
ADVOGADO : VINICIUS DADALD
APELANTE : LAURO LUCINDO
ADVOGADO : Vicente Luiz Schaitz

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 210 / 462


APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000045 APELAÇÃO CRIMINAL 5029260-31.2014.404.7200 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal JOÃO PEDRO GEBRAN NETO
REVISOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : CLAUDENIR CAETANO
PROCURADOR : HENRIQUE GUIMARAES DE AZEVEDO (DPU) DPU129

0000046 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5021374-91.2017.404.7000


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : ANTONIO JOSE GOMES
ADVOGADO : RENATO ANTUNES VILLANOVA
ADVOGADO : JOÃO LUIZ ARZENO DA SILVA
ADVOGADO : CAROLINA ANTUNES VILLANOVA SCOPEL
ADVOGADO : FLÁVIO JOSÉ SOUZA DA SILVA
ADVOGADO : MARCELO TRINDADE DE ALMEIDA
ADVOGADO : ANA PAULA BRANDT MIELKE
RECORRIDO : UANDERSON BRASILEIRO
ADVOGADO : José do Carmo Badaró
ADVOGADO : THOMIRES ELIZABETH PAULIV BADARO DE LIMA
ADVOGADO : ILZE REGINA APARECIDA PINTO

0000047 APELAÇÃO CRIMINAL 5000091-28.2016.404.7103 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : CARMEM FERNANDA RIBEIRO DA CRUZ
PROCURADOR : RICARDO HENRIQUE ALVES GIULIANI (DPU) DPU109
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000048 RECURSO CRIMINAL EM SENTIDO ESTRITO 5050533-70.2017.404.7100


(Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
RECORRIDO : VERA LUCIA NELCY DA CUNHA
ADVOGADO : ALEXANDRE REZENDE MELANI
ADVOGADO : guilherme botelho de oliveira

0000049 APELAÇÃO CRIMINAL 5022432-53.2013.404.7200 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
APELANTE : PR IMOVEIS LTDA
ADVOGADO : iran wosgrau
APELANTE : PEDRO RODRIGUES RITA
ADVOGADO : iran wosgrau
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : MARIA TEREZINHA DE SOUZA RITA
ADVOGADO : DANILO PUCCINI LEMOS

0000050 AGRAVO DE EXECUÇÃO PENAL 5002231-65.2017.404.7211 (Processo


Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
AGRAVANTE : DIMAS SONEGO
ADVOGADO : Roberto Bittencourt Olinger

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 211 / 462


AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000051 APELAÇÃO CRIMINAL 5010234-32.2014.404.7205 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : LEONARDO MATUCHAKI
ADVOGADO : ANDERSON NATANAEL KLABUNDE
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
INTERESSADO : IRISETE MATUCHAKI
ADVOGADO : ANDERSON NATANAEL KLABUNDE
INTERESSADO : LIDIA FORTUNATO

0000052 APELAÇÃO CRIMINAL 5010386-89.2014.404.7202 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : FLAVIO ROBERTO NORA
ADVOGADO : MÁRCIO PIETA RONCONI
ADVOGADO : MILENA COMACHIO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000053 APELAÇÃO CRIMINAL 5093741-12.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : ALEXANDRE PRELELUE DA ROSA
ADVOGADO : DIEGO SANTOS FRANCELINO
ADVOGADO : MANUELA FIGUEIREDO DE ASSIS
APELANTE : CLEBER CRISTIANO DE JESUS ARAUJO
ADVOGADO : SIDIMAR LAZZAROTTO
APELANTE : DOUGLAS FERNANDO PONCIO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : DARCI ANTONIO SARAIVA FLORES
ADVOGADO : JORGE LUIZ FONSECA
APELANTE : JUAN ANTONIO MELGAREJO
ADVOGADO : JOSE GABRIEL SILVEIRA LAGRANHA
APELANTE : LUIS FERNANDO DA SILVA SOARES JUNIOR
ADVOGADO : FERNANDA TRAJANO DE CRISTO
ADVOGADO : THIAGO BANDEIRA MACHADO
ADVOGADO : PEDRO HENRIQUE PAVANATTO DE FREITAS
APELANTE : MARCOS ROGERIO DOS SANTOS GUEDES
ADVOGADO : roni meneses da silva
ADVOGADO : Paula Samurio Schuster
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELANTE : PIERRE ESPEZIM FLORES
ADVOGADO : FERNANDA TRAJANO DE CRISTO
ADVOGADO : THIAGO BANDEIRA MACHADO
ADVOGADO : PEDRO HENRIQUE PAVANATTO DE FREITAS
APELANTE : ROBERSON MACHADO RAMIREZ
ADVOGADO : FERNANDA TRAJANO DE CRISTO
ADVOGADO : THIAGO BANDEIRA MACHADO
ADVOGADO : PEDRO HENRIQUE PAVANATTO DE FREITAS
APELANTE : VALDECIR BENTO RAMOS
ADVOGADO : ALINE DO AMARAL
APELADO : DJALMA NUNES DA SILVA
ADVOGADO : Carlos Luciano Flores

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 212 / 462


APELADO : EVERTON AUGUSTO DE MOURA OLIVEIRA
APELADO : LISIANE CABRAL VIVIAN
ADVOGADO : FERNANDA TRAJANO DE CRISTO
ADVOGADO : THIAGO BANDEIRA MACHADO
ADVOGADO : PEDRO HENRIQUE PAVANATTO DE FREITAS
APELADO : LUIZ FERNANDO DUARTE FERREIRA DE SOUZA
ADVOGADO : ANDERSON REMBOWSKI
APELADO : MAYCON SILVEIRA PACHECO
ADVOGADO : Carlos Luciano Flores
ADVOGADO : AMARILDO ROBERTO HORVATH
ADVOGADO : CIRO LARGO JUNIOR
APELADO : OS MESMOS
APELADO : SILVIA LUIZA FERNANDES DOS SANTOS
ADVOGADO : ANDRÉA GARCIA LOBATO
APELADO : VALDEMAR DA SILVA JUNIOR
ADVOGADO : JOSSIMAR IORIS
ADVOGADO : sandra aparecida de araujo

0000054 APELAÇÃO CRIMINAL 5002158-51.2016.404.7204 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : AGENOR ANGELO MONERETTO
ADVOGADO : JEFFERSON DAMIN MONTEIRO
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000055 APELAÇÃO CRIMINAL 5004591-09.2017.404.7005 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : FABRICIO DE OLIVEIRA
ADVOGADO : CAREN REGINA JAROSZUK
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000056 APELAÇÃO CRIMINAL 5029681-30.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELANTE : ZUHER SAID ZUHDI YUSUF ABBOUD
ADVOGADO : JOAO CARLOS ROCHA ALMEIDA
APELADO : OS MESMOS

0000057 APELAÇÃO CRIMINAL 5011498-78.2014.404.7110 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : NEIVALDO GOUVEA SODRE
ADVOGADO : MATEUS FETTER DE ALMEIDA
ADVOGADO : RAFAEL KURZ PERES

0000058 APELAÇÃO CRIMINAL 5017453-65.2015.404.7107 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : CLAUDIO MURARO
ADVOGADO : Marcio Frezza Sgarioni
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 213 / 462


APELADO : OS MESMOS

0000059 APELAÇÃO CRIMINAL 5006167-02.2015.404.7201 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : WALDEMAR BISCAIA DALAMA
ADVOGADO : JEFFERSON AIRES EBERHARDT
ADVOGADO : KARINE GOMES DE OLIVEIRA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000060 APELAÇÃO CRIMINAL 5032058-71.2014.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : JOSE ALEXANDRE GUILARDI DE FREITAS
ADVOGADO : LEONEL ANNES KEUNECKE
ADVOGADO : PAULO OLIMPIO GOMES DE SOUZA
ADVOGADO : FELIPE DREYER DE AVILA POZZEBON
ADVOGADO : MICHELE DE ÁVILA RIVAROLLY LIMA
APELADO : CARLOS LEANDRO DA SILVA
PROCURADOR : ALEXANDRE VARGAS AGUIAR (DPU) DPU251
APELADO : JOÃO BATISTA URRUTIA JUNG
ADVOGADO : Leonardo Vesoloski
ADVOGADO : GABRIEL PINTAUDE
ADVOGADO : SÉRGIO LUÍS WETZEL DE MATTOS
ADVOGADO : DANILO KNIJNIK
ADVOGADO : VINICIUS BONATO
APELADO : JOAO QUIRINO MEDEIROS GONCALVES
ADVOGADO : EDUARDO DAVOGLIO DE SOUZA

0000061 APELAÇÃO CRIMINAL 5034850-32.2013.404.7100 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : CLAUDEMIR JOSE FOCCHESATO
ADVOGADO : Luiz Carlos Branco da Silva
ADVOGADO : LEO EVANDRO FIGUEIREDO DOS SANTOS
ADVOGADO : Rosiquel Simone Bonato
APELANTE : SELVINA RECH FOCHESATTO
ADVOGADO : RICARDO LEANDRO DOS SANTOS
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000062 APELAÇÃO CRIMINAL 5001732-23.2013.404.7017 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : TIAGO SANCHES DA SILVA
PROCURADOR : EDUARDO TERGOLINA TEIXEIRA (DPU) DPU212

0000063 APELAÇÃO CRIMINAL 5002706-46.2016.404.7214 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : RAQUEL ALVES DE SOUZA
ADVOGADO : GEISON CARLO FUCHS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 214 / 462


0000064 APELAÇÃO CRIMINAL 5036728-35.2012.404.7000 (Processo Eletrônico - TRF)
RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : JOSE CARLOS DA SILVA
ADVOGADO : RODRIGO LUIZ POERSCHKE
APELANTE : MARIO CESAR TEIXEIRA LEMOS
ADVOGADO : LINNEU DE SOUZA LEMOS
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000065 APELAÇÃO CRIMINAL 5002662-32.2017.404.7007 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : WANDERLEY PEREIRA DOS REIS
ADVOGADO : SERGIO BOND REIS
ADVOGADO : JACIR DA SILVA DIAS
ADVOGADO : KATIELE LAIS SILVEIRA SEEVALDT
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000066 APELAÇÃO CRIMINAL 5005187-95.2014.404.7102 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : MARCO ANTONIO PEDRAZZI
ADVOGADO : ERIC RAFAEL JACQUES DE MATTOS
APELADO : ROBERTO CARLOS DA COSTA DA ROSA
ADVOGADO : ERIC RAFAEL JACQUES DE MATTOS

0000067 APELAÇÃO CRIMINAL 5014067-56.2012.404.7002 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : GILBERTO RIGOTI DE SOUZA
ADVOGADO : anelice de sampaio
ADVOGADO : Ian Anderson Staffa Maluf de Souza
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

0000068 APELAÇÃO CRIMINAL 5007677-66.2014.404.7207 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
APELADO : PATRICK STAPAZZOL
ADVOGADO : THOBIAS KARPINSKI
ADVOGADO : Conceição Aparecida Antunes dos Santos Fogaça

0000069 APELAÇÃO CRIMINAL 5021072-83.2013.404.7200 (Processo Eletrônico - TRF)


RELATOR(A) : Des. Federal LEANDRO PAULSEN
REVISOR(A) : Juiz Federal NIVALDO BRUNONI
APELANTE : PAULO MARCOS ALVES
ADVOGADO : MARCOS ANTONIO SANTOS DE OLIVEIRA
APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Publique-se e Registre-se.
Porto Alegre, 15 de fevereiro de 2018.

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 215 / 462


Des. Federal LEANDRO PAULSEN
Presidente da 8ª Turma

SECRETARIA DE REGISTROS E INFORMACOES PROCESSUAIS


Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006296-47.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00020778620168160167/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : JOSE FERRAZ DOS SANTOS

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006692-48.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00001462820148210119/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

AGRAVANTE : IOLANDA DA VEIGA MARTINS

ADVOGADO : André Luís Anschau Mielke

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 216 / 462
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006298-17.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00022553520168160167/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : RENATO NOBRE VIEIRA

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006297-32.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03016667920158240070/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : ALBERTINA SENEM ODORIZZI

ADVOGADO : Ricardo Tadeu Gerent

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 217 / 462
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006299-02.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03003178520168240044/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : CARLOS REGUEIRA GARCIA

ADVOGADO : Valmor Josué Dorigon Bianco

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006698-55.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00022813520028160034/PR)
RELATOR : LUCIANE AMARAL CORRÊA MÜNCH

AGRAVANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

AGRAVADO : BS COLWAY PNEUS LTDA

ADVOGADO : Marcos Wengerkiewicz

AGRAVADO : BS COLWAY PNEUS LTDA

ADVOGADO : Juliano Arlindo Clivatti

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 218 / 462
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006300-84.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00009976820178160162/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA CECILIA DE ALBUQUERQUE ASSIS

ADVOGADO : Valcir Aparecido De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006293-92.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03011717920168240044/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : CLENIR MARIA LOURENCO

ADVOGADO : Valmor Josué Dorigon Bianco

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 219 / 462
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006671-72.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00008490320188210059/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

AGRAVANTE : SEBASTIAO BITTENCOURT MIRANDA

ADVOGADO-TITULAR : Teodoro Matos Tomaz

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006295-62.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00025350620168160167/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : IVONE APARECIDA CORTEZ

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 220 / 462
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006284-33.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00016939420148160167/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : CLAUDOMIRO JOSE DA SILVA

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006286-03.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00004276720178160167/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : DIRCE DA SILVA MAFRA FERRARI

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 221 / 462
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006287-85.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03000680320178240044/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : GELSON MACHADO

ADVOGADO : Enrico Bastos Bianco

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006289-55.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00008225920178160167/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : ICLEIA GOES

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 222 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006302-54.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00029733220168160167/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : NATALINO LEITE RIBEIRO

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006265-27.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00001548820178160070/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : CICERO SIRILO GOMES

ADVOGADO : Ligia Maria Fagundes

APELANTE : CICERO SIRILO GOMES

ADVOGADO : Luiz Fernando Fagundes Milani

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 223 / 462
APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006266-12.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
03003457220168240070/SC)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

APELANTE : WALDEVINO GONCALVES

ADVOGADO : Carla Letícia Ern

APELANTE : PEDRO JAIRO GONCALVES

ADVOGADO : Carla Letícia Ern

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5006267-94.2018.4.04.9999/RS (originário: processo


nº 00012851420158160153/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

PARTE RÉ : OS MESMOS

PARTE AUTORA : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : MARIA JOSE FARIAS

ADVOGADO : Guilherme Ress Barboza

PARTE AUTORA : MARIA JOSE FARIAS

ADVOGADO : Rafael Fernandes Da Silva

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 224 / 462


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006269-64.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00007158320158160070/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : JOSE ANTONIO DA SILVA

ADVOGADO : Paulo Vitor Polzin De Andrade

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5006270-49.2018.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00016853320168160140/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA ANTONIA WIECZORKOWSKI

ADVOGADO : Stelamari Tureta

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 225 / 462
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006272-19.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00009518220178160161/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : ARGENTINA DE SOUZA OLIVEIRA

ADVOGADO : Daniel Pereira Fonte Boa

APELADO : ARGENTINA DE SOUZA OLIVEIRA

ADVOGADO : Daniel Santos Mendes

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006642-22.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00463011820098210070/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

AGRAVANTE : JOSE ALDAIR FERREIRA

ADVOGADO : Marcio Dos Santos

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 226 / 462
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006278-26.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00020399720088160153/PR)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : JORGE MARQUES DA SILVA

ADVOGADO : Marcelo Martins De Souza

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006274-86.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00010600920158240076/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : ESTEVAO DE ESTEFANI

ADVOGADO : Cristiana Dagostin Recco

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 227 / 462
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006280-93.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00032508220158160167/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : VALDELICE MARIA DOS SANTOS

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006283-48.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00031136620168160167/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARGARIDA DIAS DA SILVA SANTOS

ADVOGADO : Diego Fernando Monteiro Da Silva

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 228 / 462
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006250-58.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00014018220168160121/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : EDILSON MATEUS

ADVOGADO : Reinalvo Francisco Dos Santos

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006252-28.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00006504120168160042/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : JURACY GABRIEL DA SILVA

ADVOGADO : Neide Aparecida Da Silva Alves

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 229 / 462
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006253-13.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00046666220118160123/PR)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : CLEUSA LUIZ DOS SANTOS

ADVOGADO : Alberto Knolseisen

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006254-95.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00047721320138160104/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : CLEUZA ORNEL DE AMARAL

ADVOGADO : Ana Gracieli Antoniazzi Terlecki

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 230 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006255-80.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00023534920158160104/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : SINVAL DE PAULA MACHADO

ADVOGADO : Gisele Aparecida Spancerski

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006256-65.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00017908920148160104/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : AVELINO DE ALMEIDA WOLFF

ADVOGADO : Gisele Aparecida Spancerski

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 231 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006257-50.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00016741520168160104/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : ARTUR CAPRINI

ADVOGADO : Daiana Aparecida Pavlak Bodanese

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006259-20.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00030962520168160104/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : ANA ROSA FERRAZ DE LIMA

ADVOGADO : Anderson Jose Bittencourt

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006260-05.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 232 / 462


00010986920138160090/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : ANTONIO MARION

ADVOGADO : Thiago Ribeiro Vieira

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006261-87.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00008892820158160156/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : CLEIDE MARIA DE CASTRO

ADVOGADO : Paulo Pereira Bichara

APELANTE : CLEIDE MARIA DE CASTRO

ADVOGADO : André Luís Pereira Bichara

APELANTE : CLEIDE MARIA DE CASTRO

ADVOGADO : Monica Maria Pereira Bichara

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 233 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006262-72.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00015149220168160070/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA ADEMIS DA SILVA

ADVOGADO : Paulo Vitor Polzin De Andrade

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006263-57.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00019087820158160153/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : ANA PAULA CANDIDO DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Andre Oliveira Fogaça

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 234 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006242-81.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00016658520128160171/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : ANTONIO ANACLETO DA CRUZ

ADVOGADO : Marcia Cristina Avelino Benedetti Idalgo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5006243-66.2018.4.04.9999/RS (originário: processo


nº 03004065020148240086/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : ARMINDA HAVERROTH DE SOUSA

ADVOGADO : Alexandre Campos Farias

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 235 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006245-36.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00017722020168160162/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : TEREZINHA ALVES DE MELLO

ADVOGADO : Wolney Cesar Rubin

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5006246-21.2018.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00028954220168160101/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA APARECIDA MARQUES DOS SANTOS

ADVOGADO : Lúcia Aparecida Hashimoto Pugliese

APELADO : MARIA APARECIDA MARQUES DOS SANTOS

ADVOGADO : Caio Henrique Hashimoto Pugliesi

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 236 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006249-73.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00019990520168160099/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : JACIRA PEREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO : Joao Severo De Carvalho Junior

APELANTE : JACIRA PEREIRA DOS SANTOS

ADVOGADO : Rodrigo Nobre Da Costa

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006247-06.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03010238720168240070/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : ROSIMERI ALTHOFF

ADVOGADO : Marco Vinicius Pereira De Carvalho

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 237 / 462


AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006388-49.2018.4.04.0000/RS (originário: processo
nº 00000618820188210123/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

AGRAVADO : NOEMI BUENO DOS SANTOS

ADVOGADO : Eunice Cristiane Garcia

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068031-18.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00039471320118210068/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

APELANTE : MARIA ROSANE MOTTA

ADVOGADO : Oneide Smit

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 238 / 462


APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068190-58.2017.4.04.9999/RS (originário:
processo nº 00055335220138210024/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA DA GRACA OLIVEIRA DA SILVA

ADVOGADO : Cleber Air Mota Silveira

APELADO : MARIA DA GRACA OLIVEIRA DA SILVA

ADVOGADO : Eugenio Carlos Mota De Almeida

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068232-10.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00007077520158210100/RS)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

PROCURADOR : Carlos Augusto Da Silva Cazarré

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : IZABEL ALVES DO SANTOS NETA

ADVOGADO : Jones Izolan Treter

APELADO : GABRIEL SANTOS GONCALVES DA LUZ

ADVOGADO : Jones Izolan Treter

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 239 / 462


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068157-68.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00041212620138210044/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : JAIR ALTEVOGT

ADVOGADO : Gilmar Francisco Piccinini

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068195-80.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00146538620138210035/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : SANDRO MATIAS

ADVOGADO : Vilmar Lourenço

APELANTE : SANDRO MATIAS

ADVOGADO : Imilia De Souza

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 240 / 462


ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068005-20.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00024799820138210082/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : GEMANIR DA SILVA TONIOLO

ADVOGADO : Jonas Calvi

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068193-13.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00092115420128240080/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : JANDIRA NORBERTO DE LIMA

ADVOGADO : Claudiomir Giaretton

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 241 / 462


Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,
ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5067950-69.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00040215420138210082/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

APELANTE : WALTER NUNES GOMES

ADVOGADO : Jonas Calvi

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5067871-90.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00046348620168210044/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : LUIS ANTONIO BONET

ADVOGADO : Camila Brunetto

APELANTE : LUIS ANTONIO BONET

ADVOGADO : Gustavo André Mattje

APELANTE : LUIS ANTONIO BONET

ADVOGADO : Juliane Demartini

APELANTE : LUIS ANTONIO BONET

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 242 / 462


ADVOGADO : Maria Vitória Ullmann De Moura

APELANTE : LUIS ANTONIO BONET

ADVOGADO : Adriano Scaravonatti

APELANTE : LUIS ANTONIO BONET

ADVOGADO : Daniel Natal Brunetto

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068331-77.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00076055420138240080/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : MARIA SUAMIR DEBIASI SCHIRMER

ADVOGADO : Paulo Zelain Alberici

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5006145-81.2018.4.04.9999/RS (originário: processo


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 243 / 462
nº 03003143520148240066/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : JOSE JACIR DE MENEZES

ADVOGADO : Luiz Henrique Maseto Zanovello

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006146-66.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00036038320168160104/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : ANTONIO DOS SANTOS

ADVOGADO : Gisele Aparecida Spancerski

APELANTE : ANTONIO DOS SANTOS

ADVOGADO : Gabriel Antonio Menegon

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 244 / 462


REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5005986-41.2018.4.04.9999/RS (originário: processo
nº 03004537920178240066/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : CLARINEZ RIBEIRO DA SILVA

ADVOGADO : Anoar Antonio De Moraes

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006148-36.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03008449020158240070/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : VALCIR BUCCI

ADVOGADO : José Enéas Kovalczuk Filho

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5006150-06.2018.4.04.9999/RS (originário: processo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 245 / 462


nº 03005351320178240066/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : GENI WALENDORFF DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Jose Adelir Rodrigues Da Veiga

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006151-88.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00019034520178160134/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : EDILAINE DO BELEM MONTEIRO

ADVOGADO : Denilson Jose De Oliveira Junior

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5006152-73.2018.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 03008025320158240066/SC)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 246 / 462


RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : CELIA MARIA NARESSI

ADVOGADO : Gilberto Veraldo Schiavini

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006153-58.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03014766320168240044/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : MARLENE MORAIS ZEFERINO RODEN

ADVOGADO : Andiara Pickler Cunha

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006154-43.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00016827620168160076/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 247 / 462


APELANTE : MARIVETE ROSSETTO LORENZETTI

ADVOGADO : Paulo Roberto Richardi

APELANTE : MARIVETE ROSSETTO LORENZETTI

ADVOGADO : Diogo Marcolina

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006156-13.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00008443720148160066/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : JOSE ANTONIO DE CASTRO

ADVOGADO : Thalita Medeiros Amorim

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5006155-28.2018.4.04.9999/RS (originário: processo


nº 03011252420168240066/SC)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 248 / 462


RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : ALBERTO KUMER

ADVOGADO : Anoar Antonio De Moraes

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006157-95.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00017087420168160076/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : JOSE VILMAR CASTANHA

ADVOGADO : Valacir Antunes Ramos

APELADO : JOSE VILMAR CASTANHA

ADVOGADO : Sonivalter Pedro Castanha

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5006159-65.2018.4.04.9999/RS (originário:

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 249 / 462


processo nº 00025243020168160117/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : IDA VOLPATO CONTI

ADVOGADO : Vitor Eduardo Frosi

APELADO : IDA VOLPATO CONTI

ADVOGADO : Paulo Vitor Frosi

APELADO : IDA VOLPATO CONTI

ADVOGADO : Anderson Alex Vanoni

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006158-80.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03002918420178240066/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : PAULO ROBERTO VEXANI

ADVOGADO : Cesar Reiter

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 250 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006160-50.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00012396220158160076/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : EVALDO LUCIO DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Paulo Roberto Richardi

APELANTE : EVALDO LUCIO DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Diogo Marcolina

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006405-85.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00008385420178160121/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

AGRAVANTE : CICERO TERTO FERREIRA

ADVOGADO : Antônio Carlos São João

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 251 / 462


eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006162-20.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00006656820178160076/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : NILSI INES HANAMER

ADVOGADO : Paulo Roberto Richardi

APELADO : NILSI INES HANAMER

ADVOGADO : Diogo Marcolina

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006163-05.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03001248920168240070/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : NOELI BRUM DE CAMARGO

ADVOGADO : Luis Augusto Brandt Marzollo

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 252 / 462
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006408-40.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00117407520168210052/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

AGRAVANTE : ELIANI BURKE

ADVOGADO : Alex Sandro Medeiros Da Silva

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006164-87.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00026146420168160076/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : LAURINDA LUIZA CANELES

ADVOGADO : Geonir Edvard Fonseca Vincensi

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 253 / 462
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006165-72.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00016878420178160134/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : MARIA EUNICE CALDAS

ADVOGADO : Vera Diana Tomacheski

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006413-62.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00054585820108240113/SC)
RELATOR : SEBASTIÃO OGÊ MUNIZ

AGRAVANTE : SERRCA COMERCIO E SERVICOS LTDA - ME

ADVOGADO : Jackson Pacheco Jaques

AGRAVADO : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 254 / 462
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006414-47.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00006622720118160108/PR)
RELATOR : LUCIANE AMARAL CORRÊA MÜNCH

AGRAVANTE : IPANEMA PRAIA CLUBE LTDA

ADVOGADO : Carlos José Dal Piva

AGRAVADO : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006169-12.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00008160320158160109/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : DONIZETE APARECIDO FIGUEIREDO

ADVOGADO : Robison Cavalcanti Gondaski

APELADO : DONIZETE APARECIDO FIGUEIREDO

ADVOGADO : Natalia Nadalini Castro

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 255 / 462
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006167-42.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03000481720158240065/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : ROQUE MAYER

ADVOGADO : Ivan Bernardi

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006170-94.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00023183620168160175/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : ZULMIRA MOREIRA DOS REIS

ADVOGADO : Thais Takahashi

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 256 / 462
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006172-64.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00040238820168160104/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OLGA DO BELEM FERREIRA

ADVOGADO : Anderson Jose Bittencourt

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006174-34.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00011485120048240070/SC)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : LAURO CAETANO SOBRINHO

ADVOGADO : Giovani Galvan

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 257 / 462


AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006423-09.2018.4.04.0000/RS (originário: processo
nº 00001547220118160111/PR)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

AGRAVANTE : JOSE KEKES

ADVOGADO : Renata Possenti Meressiano

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006434-38.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00134786420178210052/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

AGRAVANTE : IVANHOE NUNES RODRIGUES DE ALMEIDA

ADVOGADO : Alex Sandro Medeiros Da Silva

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 258 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006177-86.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
03008497820168240070/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARLETE BRIDAROLLI SEILER

ADVOGADO : Aline Gehrke

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006441-30.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00001429020178210052/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

AGRAVANTE : CARLOS HEITOR VALLES DE SOUZA

ADVOGADO : Alex Sandro Medeiros Da Silva

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 259 / 462


AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006442-15.2018.4.04.0000/RS (originário: processo
nº 00006759120188210059/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

AGRAVANTE : RONI DOS SANTOS LOPES

ADVOGADO-TITULAR : Teodoro Matos Tomaz

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006443-97.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00019993820168210140/RS)
RELATOR : ALEXANDRE ROSSATO DA SILVA ÁVILA

AGRAVANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

AGRAVADO : JULIO CESAR FIGUEIRA FEIJO

ADVOGADO : Caroline Oliveira Rocha

AGRAVADO : JOAO ALZIDIO FIGUEIRA FEIJO

ADVOGADO : Eduardo Gomes Tedesco

AGRAVADO : LUIZ RIBEIRO FEIJO

ADVOGADO : Eduardo Gomes Tedesco

AGRAVADO : JULIO CESAR FIGUEIRA FEIJO

ADVOGADO : Karine Lüderitz Feijó

AGRAVADO : JOAO ALZIDIO FIGUEIRA FEIJO

ADVOGADO : Caroline Oliveira Rocha

AGRAVADO : LUIZ RIBEIRO FEIJO

ADVOGADO : Caroline Oliveira Rocha

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 260 / 462


AGRAVADO : CELIA MARIA DE ALBUQUERQUE FEIJO

ADVOGADO : Eduardo Gomes Tedesco

AGRAVADO : JOAO ALZIDIO FIGUEIRA FEIJO

ADVOGADO : Karine Lüderitz Feijó

AGRAVADO : LUIZ RIBEIRO FEIJO

ADVOGADO : Karine Lüderitz Feijó

AGRAVADO : CELIA MARIA DE ALBUQUERQUE FEIJO

ADVOGADO : Caroline Oliveira Rocha

AGRAVADO : JULIO CESAR FIGUEIRA FEIJO

ADVOGADO : Eduardo Gomes Tedesco

AGRAVADO : CELIA MARIA DE ALBUQUERQUE FEIJO

ADVOGADO : Karine Lüderitz Feijó

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006180-41.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00041033620158160056/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : VILANI ALVES DO AMARAL

ADVOGADO : Odair Aparecido De Moraes Junior

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 261 / 462
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006181-26.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00015093820178160134/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : AMALIA MARIA MARCELO

ADVOGADO : Denilson Jose De Oliveira Junior

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006184-78.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00008679220168160104/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : LOURDES ZANELLA GIACOMINI

ADVOGADO : Saviano Cericato

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 262 / 462
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5068114-34.2017.4.04.9999/RS (originário: processo


nº 00000169020148210134/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : TERESINHA SALETE DALAZEN

ADVOGADO : Debora Eloiza Todendi

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068131-70.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00011863220128210146/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : JOSE CLAUDIO MULLER

ADVOGADO : Silvana Afonso Dutra

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 263 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068254-68.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00029932820148210143/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

APELANTE : ELVIRA BLEIL

ADVOGADO : Katiucia Rech

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068233-92.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00005155720168210117/RS)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

APELANTE : NELI DA SILVA LEAL

ADVOGADO : Fernando Da Silva Goulart

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 264 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068229-55.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00014416620168210140/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : CATARINA KORPALISKI

ADVOGADO : Daniel Ryzewski

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068107-42.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00023390320168210133/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : AVELINO DA SILVA FLORES

ADVOGADO : Clauto João De Oliveira

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 265 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068149-91.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00006215620148210095/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

APELANTE : ROZANE ROMEIRO AMES

ADVOGADO : Amanda Fernandes Da Conceicao Endres

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068147-24.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00030333720158210058/RS)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

APELANTE : MIGUEL LUIS DA SILVA RIBEIRO

ADVOGADO : Avelino Beltrame

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 266 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068226-03.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00031305320138210140/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : MARCIA SIMONE MACIEL

ADVOGADO : Daniel Ryzewski

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068106-57.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00041556720148210043/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

APELANTE : DELIRIA RODRIGUES

ADVOGADO : Bruna Backes Meotti

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006186-48.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 267 / 462


00003466220178160121/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : JAQUELINE APARECIDA OLIVEIRA DE ARAGAO

ADVOGADO : Claudio Marcio De Araujo

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006187-33.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00042905920168160072/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : MARIA RAIMUNDA SANTOS

ADVOGADO : Camila Maria Trevisan De Oliveira

APELANTE : MARIA RAIMUNDA SANTOS

ADVOGADO : Danilo Cristino De Oliveira

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 268 / 462


AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006464-73.2018.4.04.0000/RS (originário: processo
nº 00022087420178210074/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

AGRAVANTE : PAULO LUIS FOLLMANN

ADVOGADO : Bruna Katiane Boeno

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006191-70.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00009984320068160193/PR)
RELATOR : MARCELO DE NARDI

APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

APELADO : MINI MERCADO MJ LTDA - ME

ADVOGADO : Katia Zanoni

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006467-28.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 269 / 462
nº 00092711420148160069/PR)
RELATOR : SEBASTIÃO OGÊ MUNIZ

AGRAVANTE : MRM EMBALAGENS PLASTICAS LTDA - EPP

ADVOGADO : Juarez Casagrande

AGRAVADO : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006182-11.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03006197620158240068/SC)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELANTE : FERNANDA RAMOS DA LUZ

ADVOGADO : Rogerio Casarotto Kraemer

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 270 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006195-10.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00005746320168160156/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : MARIA ALICE MENDES CARDOZO DOS SANTOS

ADVOGADO : André Luís Pereira Bichara

APELANTE : MARIA ALICE MENDES CARDOZO DOS SANTOS

ADVOGADO : Monica Maria Pereira Bichara

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006194-25.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03010705220168240073/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : VALERIA FROEHLICH

ADVOGADO : Dionei Schimanski

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 271 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006199-47.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
03020422220168240073/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : EDEMILSON COSTA

ADVOGADO : Raquel Zanolla De Oliveira

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006200-32.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00018741320148160162/PR)
RELATOR : RÔMULO PIZZOLATTI

APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

APELADO : JOSE FRANCISCO POCAS

APELADO : MANOEL BATISTA POCAS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 272 / 462


APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006201-17.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº
00001569620148160156/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : SEBASTIAO FREZ

ADVOGADO : Marcia Cristina Dos Santos

APELANTE : SEBASTIAO FREZ

ADVOGADO : Ana Paula Dario Vendrametto

APELANTE : SEBASTIAO FREZ

ADVOGADO : Pedro Henrique Waldrich Nicastro

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006203-84.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00016538820088160049/PR)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : SILVANA APARECIDA VICENTE

ADVOGADO : Eldberto Marques

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 273 / 462
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068218-26.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00021426020168210032/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : AILTON ALEXANDRE QUINTANA HUFF

ADVOGADO : Vilmar Lourenço

APELANTE : AILTON ALEXANDRE QUINTANA HUFF

ADVOGADO : Imilia De Souza

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068175-89.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00038409120138240010/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : VERONICA SOETHE JACINTO

ADVOGADO : Evandro Alberton Ascari

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 274 / 462
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068296-20.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00015517220138240080/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : LEINE LUCI PASINATO

ADVOGADO : Marilia De Menezes

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068337-84.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00008540920128240073/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA LURDES ROHDE SANDRI

ADVOGADO : Carla Reichel Brandes

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 275 / 462
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068346-46.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00022022420138240042/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : IRACI MADALENA TODERKE RODRIGUES

ADVOGADO : Fernando Ernesto Tiesca Pereira

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068342-09.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00053225820138240080/SC)
RELATOR : JORGE ANTONIO MAURIQUE

APELANTE : ANILDO MULLER

ADVOGADO : Claudiomir Giaretton

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 276 / 462


as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068116-04.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00014442820158210052/RS)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : HELENA BRAULE SILVEIRA

ADVOGADO : Alex Sandro Medeiros Da Silva

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068325-70.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00042088420138240080/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : VILSON MONSON PEREIRA

ADVOGADO : Jonatas Matana Pacheco

APELANTE : VILSON MONSON PEREIRA

ADVOGADO : Paulo Roberto Correa Pacheco

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 277 / 462
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068113-49.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00024715020168210104/RS)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

APELANTE : LEONILDA DOS SANTOS SPANIOL

ADVOGADO : Regis Luis Witcak

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5067848-47.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00006898920138210014/RS)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : VOLMIR DISEGNA

ADVOGADO : Renata Da Veiga Lima

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 278 / 462
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006500-18.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00052881620138160045/PR)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

AGRAVANTE : EDELCIO PREMOLI

ADVOGADO : Pedro Henrique Waldrich Nicastro

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068304-94.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00069751620118210059/RS)
RELATOR : MARCELO DE NARDI

APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL

PROCURADOR : Rafael Dias Degani

APELADO : SABOR ENERGIA INDUSTRIA ,COMERCIO, E DISTRIBUICAO DE PRODUTOS ALIMENTICIOS


LTDA - ME

APELADO : MARIA HELENA DIEHL

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 279 / 462


as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068160-23.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00006980720168210124/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : MARIA IRENE MALLMANN FISCHER

ADVOGADO : Gelci Renate Nyland Pilla

APELANTE : MARIA IRENE MALLMANN FISCHER

ADVOGADO : Gerusa Do Rosario Lucas

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068172-37.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00017802820158210118/RS)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : LORI DE MOURA DOMINGUES

ADVOGADO : Juarez Machado De Farias

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 280 / 462
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068201-87.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00091268920128210003/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : ELIAS SOUSA ROLIM

ADVOGADO : Vilmar Lourenço

APELANTE : ELIAS SOUSA ROLIM

ADVOGADO : Imilia De Souza

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068212-19.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00051882020118210101/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : ROGERIO GALLE

ADVOGADO : Juliana Favero Bazzan

APELANTE : ROGERIO GALLE

ADVOGADO : Daniel Tician

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 281 / 462


Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,
ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068163-75.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00007051720168210118/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

APELANTE : RONI PINHEIRO SOARES

ADVOGADO : Fernando Da Silva Goulart

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068209-64.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00003320920168210078/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : ISETE TONELLO

ADVOGADO : Samuel Anzolin

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 282 / 462


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068126-48.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00005241020158210099/RS)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

APELANTE : SILVIO SCHUTZ

ADVOGADO : Cristiane Bohn

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068105-72.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00035123220138210080/RS)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : CARLOS ROGERIO KERKHOFF

ADVOGADO : Marcelo Barden

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 283 / 462


passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006512-32.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00058141320178210074/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

AGRAVANTE : MARA LINA LENCINA SOARES

ADVOGADO : Nicéia Ivanowski

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006518-39.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00007209320088160121/PR)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

AGRAVANTE : ALBERTINA JOSE MARINHO CORREIA

ADVOGADO : Reinalvo Francisco Dos Santos

AGRAVADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 284 / 462
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068228-70.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00036073920158210065/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : SUELI BITTENCOURT DOS SANTOS

ADVOGADO : Antonio Valdenir Lorenço De Barcelos

APELADO : SUELI BITTENCOURT DOS SANTOS

ADVOGADO : Marcélie Barcelos

APELADO : SUELI BITTENCOURT DOS SANTOS

ADVOGADO : Janaína Barcelos Markowski

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5068386-28.2017.4.04.9999/RS (originário: processo


nº 00013881320158210143/RS)
RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : MAGNOLIA RADDATZ FLESCH

ADVOGADO : Fernanda Lazzari De Oliveira

PARTE AUTORA : MAGNOLIA RADDATZ FLESCH

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 285 / 462


ADVOGADO : Giovanni Lazzari De Oliveira

PARTE AUTORA : MAGNOLIA RADDATZ FLESCH

ADVOGADO : Jose Eli De Oliveira

PARTE AUTORA : MAGNOLIA RADDATZ FLESCH

ADVOGADO : Jeciel Westphal Goncalves

PARTE AUTORA : MAGNOLIA RADDATZ FLESCH

ADVOGADO : Fernando Lazzari De Oliveira

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA Nº 5068262-45.2017.4.04.9999/RS (originário:


processo nº 00018838420168210058/RS)
RELATOR : TAIS SCHILLING FERRAZ

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : LAONE LUCHINI

ADVOGADO : Avelino Beltrame

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5068188-88.2017.4.04.9999/RS (originário: processo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 286 / 462


nº 00039037120138240025/SC)
RELATOR : PAULO AFONSO BRUM VAZ

PARTE RÉ : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

PARTE AUTORA : PATRICIA CLAUDIA TORRES

ADVOGADO : Marcelo Spengler

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068305-79.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00100008220168210052/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

APELANTE : FLAVIO DA SILVA VICENTE

ADVOGADO : Alex Sandro Medeiros Da Silva

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068294-50.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00028772220148210143/RS)

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 287 / 462


RELATOR : LUIZ CARLOS CANALLI

APELANTE : THEOLINA HULA HENCHEN

ADVOGADO : Katiucia Rech

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068602-86.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00038586620148210138/RS)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

APELANTE : ROSIMARA SALES

ADVOGADO : Diego Carlos Perusso

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068600-19.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00013675220158210138/RS)
RELATOR : GISELE LEMKE

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 288 / 462


APELANTE : NELCI DA LUZ

ADVOGADO : Diogo Feliciano Prates Thorstenberg

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006207-24.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


03031471320168240080/SC)
RELATOR : CELSO KIPPER

APELANTE : TERESINHA ANTONIA TICZ

ADVOGADO : Claudiomir Giaretton

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados que
eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico
da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento, na forma
do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas as
intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006209-91.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00002615020178160162/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 289 / 462


PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : SONIA MARIA TEIXEIRA DE JESUS

ADVOGADO : Fernanda Shimomura

APELADO : SONIA MARIA TEIXEIRA DE JESUS

ADVOGADO : Marcia Leiko Da Silva

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006210-76.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00012181320168160186/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : RODRIGO BIZARRO ALIEVI

ADVOGADO : Jaqueline Zanon Turoni

APELANTE : VALDES JORGE ALIEVI

ADVOGADO : Jaqueline Zanon Turoni

APELANTE : RODRIGO BIZARRO ALIEVI

ADVOGADO : Suzana Gaspar

APELANTE : VALDES JORGE ALIEVI

ADVOGADO : Suzana Gaspar

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELANTE : MARCOS BIZARRO ALIEVI

ADVOGADO : Jaqueline Zanon Turoni

APELANTE : MARCOS BIZARRO ALIEVI

ADVOGADO : Suzana Gaspar

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 290 / 462


Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam
as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006212-46.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00020496120168160186/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : MICHELE RAYZEL DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Geonir Edvard Fonseca Vincensi

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : OS MESMOS

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006213-31.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00010342320178160186/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : SERGIO ROBERTO TURATTI

ADVOGADO : Neimar José Pompermaier

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 291 / 462


Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam
as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006216-83.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00010009420158160161/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : VALDOMIRO DA SILVA

ADVOGADO : Daniel Santos Mendes

APELADO : VALDOMIRO DA SILVA

ADVOGADO : Daniel Pereira Fonte Boa

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006217-68.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00013839420158160186/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : MARIA JANDIRA SCHESCA

ADVOGADO : Anderson Carlos Dal'agnol

APELANTE : MARIA JANDIRA SCHESCA

ADVOGADO : éderson Lanzarini Maran

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 292 / 462


ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5068202-72.2017.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00329015920108210018/RS)
RELATOR : ARTUR CÉSAR DE SOUZA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : MARIA INES BRAND

ADVOGADO : Luciano Alflen

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 20, de 21 de março de 2017 - TRF4,


ficam as partes e advogados, do processo acima indicado, intimadas de que o feito
passará a tramitar eletronicamente, neste Tribunal, no sistema eproc. Os advogados
que eventualmente não estiverem cadastrados junto ao sistema de processo
eletrônico da Justiça Federal da 4ª Região deverão providenciar seu cadastramento,
na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010, tendo em vista que doravante todas
as intimações serão realizadas por meio eletrônico.
Ato Ordinatório

REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL Nº 5006218-53.2018.4.04.9999/RS (originário: processo


nº 00001800820158160151/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

PARTE RÉ : VIRGINIA DE FREITAS

ADVOGADO : Raquel Mattos Gil

PARTE AUTORA : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 293 / 462


ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006219-38.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00006532620098160176/PR)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

APELANTE : ELIANE APARECIDA DA SILVA DO PRADO

ADVOGADO : Marcelo Martins De Souza

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006220-23.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00040037420168160047/PR)
RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : SEBASTIAO VENANCIO DE CARVALHO

ADVOGADO : Alexandre Teixeira

ATO ORDINATÓRIO

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 294 / 462


Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam
as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006222-90.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00004347820158160151/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : LUZIA DO CARMO GARCIA

ADVOGADO : Arieni Bigotto

APELANTE : LUZIA DO CARMO GARCIA

ADVOGADO : Igor Sanches Caniatti Biudes

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006546-07.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00055847920128160075/PR)
RELATOR : GISELE LEMKE

AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

AGRAVADO : LUIZA FERREIRA DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Marcelo Doná Magrinelli

ATO ORDINATÓRIO
DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 295 / 462
Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação
dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006551-29.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00070496020118160075/PR)
RELATOR : ALTAIR ANTONIO GREGORIO

AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

AGRAVADO : GESO PEREIRA

ADVOGADO : Thais Takahashi

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006223-75.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00007895420168160151/PR)
RELATOR : AMAURY CHAVES DE ATHAYDE

APELANTE : TEREZINHA DE SOUZA LOPES DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Inis Dias Martins

APELANTE : TEREZINHA DE SOUZA LOPES DE OLIVEIRA

ADVOGADO : Antonio Victorio Roma

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 296 / 462


ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006224-60.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00037176920168160153/PR)
RELATOR : LUIZ FERNANDO WOWK PENTEADO

APELANTE : RONALDO DOMINGUES DA SILVA

ADVOGADO : Marcelo Martins De Souza

APELADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5006558-21.2018.4.04.0000/RS (originário: processo


nº 00025583920138160075/PR)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

AGRAVADO : CLEONI APARECIDO SOARES

ADVOGADO : Marcelo Senefontes Moura

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 4ª REGIÃO 297 / 462


ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos §§ 6º e 7º do artigo 49-A da Resolução n. 17/2010, com a redação


dada pela Resolução n. 124 de 04 de dezembro de 2015, ficam as partes e
advogados, do processo acima, intimadas de que o feito foi distribuído neste
Tribunal no sistema e-Proc e que os advogados que eventualmente não estiverem
cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão
providenciar seu cadastramento, na forma do art. 9º, IV da Resolução nº 17/2010,
tendo em vista que doravante todas as intimações serão realizadas por meio
eletrônico.
Ato Ordinatório

APELAÇÃO CÍVEL Nº 5006225-45.2018.4.04.9999/RS (originário: processo nº


00027919820108160153/PR)
RELATOR : JOÃO BATISTA PINTO SILVEIRA

APELANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

PROCURADOR : Sergio Augusto Da Rosa Montardo

APELADO : IGNES RODRIGUES LHAMAS

ADVOGADO : Marcelo Martins De Souza

ATO ORDINATÓRIO

Nos termos dos artigos 1º e 3º da Resolução n. 128, de 06 de outubro de 2014, ficam


as partes e advogados do processo acima intimadas de que o feito passará a tramitar
neste Tribunal no sistema e-proc e que os advogados que eventualmente não
estiverem cadastrados junto ao sistema de processo eletrônico da 4ª Região deverão