Letras de Sangue

Um Círculo De Um Círculo De Sal Sal

Edson Tomaz da Silva

Letras de Sangue

Um Círculo De Sal
“Meu Deus, como eu vou sair dessa agora?” Sentada no chão, tendo à sua volta apenas um círculo feito de sal grosso, Thammires forçava o rosto contra as palmas das mãos, em desespero. E, diga-se de passagem, seu desespero era plenamente justificado pelos acontecimentos daquela noite. Olhou a sua volta pela milésima vez: o pequeno porão, que os donos da casa haviam convertido em despensa, iluminado pela luz de uma velha lâmpada de sessenta watts, não apresentava mais nenhuma saída além da porta que a levaria de volta para o andar térreo da casa. E, naquela casa, ela nunca mais iria pôr os pés. Aliás, se tivesse seguido seu pressentimento inicial, não estaria ali agora. Não estaria naquela situação, agora. E Jared ainda estaria vivo. A lembrança de Jared trouxe lágrimas novamente aos seus olhos, mas ela forçou-se a não chorar. Haveria tempo para isso mais tarde. Chorar agora seria um luxo que ela não podia sustentar. Precisava estar focada em sua sobrevivência. Continuou observando o porão. Não havia janelas. Isso era bom. Não podiam entrar. Mas isso também era péssimo. Ela não podia sair. Mas também, sair iria resolver alguma coisa? Sua última tentativa de deixar a casa havia sido desastrosa. Ela estava encharcada. Enrolou-se em alguns panos de chão que encontrou no porão. Tinha que evitar a hipotermia a todo custo. Fosse devido ao frio ou ao cansaço, não podia dormir, tinha que estar atenta. Sem ter muito mais a fazer, começou a rememorar os fatos, buscando algum detalhe que a ajudasse a sair daquela enrascada. Oh, Jared, meu amado Jared, por que os homens sempre têm de bancar os imbecis? ----xxxx---Um Círculo De Sal Página 2

Letras de Sangue Thammires nasceu no Rio de Janeiro, Jared era americano. A família dele mudou para cá por motivos religiosos, vieram trabalhar em obras da igreja nas comunidades do Rio de Janeiro. Os dois se conheceram e começaram a namorar na época do cursinho e agora estavam fazendo letras na UFRJ. Ela queria ser escritora e tinha um baita talento pra isso. Ele queria dominar a língua portuguesa pra ajudar nas aulas de alfabetização promovidas pela igreja. Naquele ano, Thammires estava determinada a fazer algo diferente nas férias de julho. Estava maluca para conhecer a Serra Gaúcha. Ouvia Jared falar da neve caindo em sua cidade natal e ficava morrendo de curiosidade de saber como era. As previsões meteorológicas indicavam que ia ser o inverno mais frio nos últimos vinte anos. Isso significava neve. Talvez não tanto quanto na cidade natal do Jared, mas o suficiente para ela matar a sua curiosidade. E neve lembrava frio, que lembrava lareira, que lembrava romance e lembrava que finalmente ela e Jared iam ter um pouco de privacidade e poderiam namorar à vontade. Através da internet, encontraram a família Gunther, um casal de velinhos muito simpáticos que possuía uma casa muito bonita e confortável numa região bem isolada da Serra Gaúcha. Apesar de terem achado a casa muito grande apenas para eles, adoraram o isolamento que ela proporcionava. Providenciaram a reserva, as passagens e estavam se divertindo muito em fazer todos os preparativos. No dia da partida, as duas famílias os acompanharam até o aeroporto Santos Dumont, onde iam pegar um vôo até Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. De lá, tomariam um ônibus até Bento Gonçalves, onde pretendiam alugar um carro para o resto do passeio. Ao despedir-se da mãe antes de fazer o check-in, Thammires sentiu uma estranha pontada de tristeza no coração. Uma tristeza tão grande que, por um momento, ela chegou a perder o equilíbrio e só não caiu porque a mãe a segurou. Uma vontade enorme de desistir da viagem passou por sua cabeça nessa hora. - Thammi, você está bem? - Estou ... estou... foi só uma tontura passageira. Acho que eu devia ter caprichado mais no café da manhã. – Thammires bem que tentou disfarçar com um sorrisinho amarelo, mas a mãe não engoliu aquela conversa. Se não Um Círculo De Sal Página 3

Letras de Sangue fosse pela proximidade da hora da partida do vôo, com certeza a mãe ia pressioná-la até que ela explicasse o que era aquele mal estar súbito, assim do nada. Ih, será que a mãe achava que ela podia estar grávida? Era bom aproveitar bem a viagem, - pensou Thammires - porque na volta o interrogatório ia ser impiedoso. Com exceção deste incidente, todo o resto da viagem foi absolutamente perfeito. Na chegada à casa que haviam alugado, o casal que fazia as vezes de caseiros deu todas as orientações para que eles pudessem aproveitar bem os quinze dias que passariam ali. A única recomendação digna de nota, porém, foi a de não mexerem no último quarto do segundo andar, que era onde ficavam as coisas do casal de velhinhos donos daquela casa. Já muito idosos, haviam se mudado para Porto Alegre para ficarem mais perto da assistência médica de que precisavam com tanta freqüência, assim a casa ficara para ser alugada, como uma fonte auxiliar de renda. Para Thammires, nem precisava falar nada, porque ela estava pouco ligando para quartos fechados e velhos pertences. Ela queria lareira, chocolate quente, fazer amor bem gostoso e dormir de colherinha. Mas Jared era um fã incondicional de Indiana Jones. E, no terceiro dia em que estavam na casa, Thammires acordou e viu que estava sozinha na cama de casal. Onde Jared se metera? O mistério não demorou a se resolver. Ao abrir a porta do quarto, foi só olhar para a esquerda e pegar Jared no flagra, tentando abrir a velha fechadura com um clipe desentortado. - Jared Winston! – o uso do nome completo indicava o tamanho da irritação dela - O que está fazendo? - Bom dia, amor! – ele fez a inevitável cara de idiota, tão adequada à situação. - Bom dia? Como meu dia pode ser bom, se o homem que diz que me ama está aqui, tentando arrombar uma porta, ao invés de estar acordando ao meu lado? - Curiosidade, Thammi, curiosidade. Você sabe que eu não resisto à uma porta que me disseram para não abrir. Um Círculo De Sal Página 4

Letras de Sangue

- Você devia se ocupar em aprender a abrir o fecho do meu sutiã, onde você sempre se atrapalha, ao invés de abrir portas que não lhe pertencem. O convite velado naquele comentário foi mais forte que a curiosidade. Ele se levantou e foi em direção a ela. - Bom, então vamos começar meu treinamento agora. O que você acha? - Agora você vai ter de se contentar em abrir meu roupão, porque eu não estou usando nada embaixo dele... ----xxxx---Mas Jared era persistente. E, mal caíra aquela noite, o clipe retorcido venceu a resistência da velha fechadura. Com um estalo, a porta abriu. - Bingo! – exclamou Jared, feliz. Enquanto Thammires estava tomando banho, e ela ia demorar pelo menos uma hora nesse processo, Jared tinha total liberdade para bancar o arqueólogo no quarto do casal de Herr e Frau Gunther. O quarto se apresentava impecavelmente arrumado, apenas bastante empoeirado, o que era compreensível, já que ninguém entrava ali. Os caseiros arrumavam todo o resto da casa, mas sequer tinham a chave daquele quarto. Numa agradável escrivaninha de estilo muito antigo, provavelmente da época da Segunda Guerra Mundial, encontravam-se alguns livros e um tipo de caderno com fecho, que Jared presumiu ser um diário. Ao abrir, Jared percebeu que tinha em mãos uma pequena relíquia, de valor inestimável. Era o diário de Herr Gunther onde, em uma letra caprichada e em uma escrita muito meticulosa, ele desvendava interessantes segredos. Sentindo-se agora finalmente justificado por ter escolhido alemão como segunda língua de seu curso de letras, Jared começou a ler o diário. Na verdade, a família não se chamava Gunther e sim Grover. E o motivo para troca de nomes era que o pai de Herr Gunther (ou Herr Grover, como queiram), Herr Joachim Grover, fora tenente da SS e durante dois anos Um Círculo De Sal Página 5

Letras de Sangue trabalhou no campo de concentração de Dachau. Nesse período, ele havia trabalhado em interessantes experimentos no campo. Experimentos científicos, ligados não à ciência tradicional, mas às ciências ocultas. Jared já havia ouvido falar que os nazistas gostavam muito de ocultismo, mas sempre achara que isto era mais para fazer graça nos filmes do Indiana Jones do que uma verdade histórica. Pelos relatos que fazia em seu diário, as pesquisas de Herr Grover haviam sido um sucesso fantástico, por um lado – e um retumbante fracasso, de outro. Numa noite, Herr Joachim Grover, mais quinze funcionários do campo e um grupo de aproximadamente vinte prisioneiros foram até uma área desolada no meio da floresta próxima ao campo e executaram um ritual de magia negra. O objetivo era invocar demônios e tentar mantê-los sob controle. Os prisioneiros destinavam-se a servir de sacrifícios para os demônios invocados. O ritual realmente atraiu os demônios, que destroçaram cruelmente os prisioneiros. O problema foi que, depois dos prisioneiros, os demônios avançaram sobre os funcionários do campo e também os destroçaram sem piedade. Herr Joachim Grover só sobreviveu por ter se precavido e ficado dentro de um círculo de sal grosso durante a execução do ritual. Durante muitos anos, moradores da região comentavam de que haviam espíritos malignos naquelas florestas. Muitas foram as suas vítimas, dizia-se que até hoje ainda pessoas desapareciam por ali, vítimas dos demônios invocados pelos nazistas. Independente do resultado do ritual, a Guerra acabou e Herr Joachim Grover teve de fugir com a família da Alemanha derrotada. Vagou pelas Américas Central e do Sul, até fixar residência entre as colônias alemãs na região da Serra Gaúcha. Abandonou as experiências com ciências ocultas, mas guardou seus apontamentos cuidadosamente, seguindo a tradicional disciplina alemã. Jared ficou intrigado. Será que as notas do velho Grover ainda estavam por ali? Deviam estar... - Eu não acredito que você está aqui dentro! Jared! Francamente! O grito de censura de Thammi quase fez Jared cuspir o coração pela boca. Droga! Ficara lendo o diário do velho e esquecera a passagem do tempo. Um Círculo De Sal Página 6

Letras de Sangue

Só escapou do sermão porque a curiosidade feminina falou mais alto: - O que foi que você encontrou aí? ----xxxx---Na verdade, as notas sobre o ritual estavam muito fáceis de se encontrar. Enquanto contava para Thammires o que havia descoberto, Jared notou um papel dobrado, guardado num bolso na capa do diário. Ao abrir o papel, viu que nele haviam vários símbolos desconhecidos e cinco palavras. - O que está escrito aí, Jared? -Não sei. Isto aqui não é alemão. - E o que é? - Não sei que língua é esta, mas tem uma nota de rodapé, aqui. Parece que é um guia de pronúncia das tais palavras. Um enorme sentimento de tristeza invadiu o coração de Thammires, do mesmo jeito que sentira no aeroporto ao se despedir da mãe. - Jared, não pronuncia essas coisas, não. Por favor, amor! Vamos trancar de volta este quarto e deixar essa história prá lá, por favor! – Ao chegar ao final da frase, Thammires já estava em prantos. - Ei, ei! Calma! Tá bom, meu amor! Vamos deixar isso prá lá, a história acaba aqui. Jared abraçou Thammires e foram em direção a porta, quando ouviram uma voz fantasmagórica, vinda do nada: - Não é necessário pronunciar. A simples mentalização destas palavras já nos trouxe aqui.

Um Círculo De Sal

Página 7

Letras de Sangue Antes que o jovem casal pudesse esboçar alguma reação, o ar dentro do quarto explodiu num violento vendaval. Atirados para fora, Jared bateu violentamente contra a parede e Thammires rolou pela escada abaixo. Apesar da violência do choque, Jared ainda tentava levantar-se e gritou para a namorada: - Thammi, foge! Eu vou segurá-los aqui! - Os anjos do Paraíso não foram capazes de nos segurar. Quem és tu para acreditar que podes fazê-lo? O som daquela voz parecia vir de todos os lugares e de lugar nenhum, ao mesmo tempo. O ar dentro da casa continuava movendo-se com alta velocidade, jogando objetos para todos os lados. Sem nenhuma origem identificável, uma força irresistível levantou Jared do chão. Sem que Thammires pudesse fazer nada, foi obrigada a assistir, imóvel, enquanto o namorado era violentamente estripado e desmembrado. Ouviu seus gritos de dor, ouviu-o gritar seu nome. Mas ela nada pôde fazer para salvá-lo. Quando terminou de destroçar Jared, a voz voltou a pronunciar-se: - É chegada a tua hora, criança humana... A ameaça fez Thammires recuperar o raciocínio e fugir em desabalada carreira até alcançar o porão. Fechou a porta com muito custo atrás de si, pois o vento a fustigava com fúria. Sabia porém que uma barreira física não teria efeitos contra o que quer que fosse aquilo que estava atrás dela. Lembrando-se do que Jared lhe contara dos diários do tal nazista, a resposta veio num lampejo: - Sal, eu preciso de sal! Ao olhar em volta, Thammires deu graças a Deus por estar no Rio Grande do Sul, um estado tão afeiçoado ao churrasco. Nas prateleiras, entre vários outros itens que se encontram em uma despensa, uma grande quantidade de sacos de sal grosso aguardavam pelo próximo churrasco. Rapidamente, a garota desceu a pequena escada do porão e apanhou um saco de sal. Correu de volta até a porta, que parecia estar sendo atacada por Um Círculo De Sal Página 8

Letras de Sangue um touro violento. Rasgou a ponta de um saco de sal com os dentes e espalhou o sal formando uma linha rente à porta. O efeito foi imediato. Pararam de avançar contra a porta. Thammires rapidamente desceu outra vez as escadas e, bem no centro do aposento, espalhou o resto do sal, formando um círculo ao seu redor. Ainda ofegante pelo esforço, apanhou o celular no bolso, apesar de saber que estava fora da área de cobertura. Queria saber as horas. Eram apenas nove da noite. O nascer do sol ainda estava distante. Mortalmente distante. O passar das horas foi aumentando seu desespero. Não poderia ficar ali para sempre. Tinha de tentar fugir. Por volta das duas horas da manhã, o silêncio do outro lado da porta e o medo de ficar encurralada ali para sempre a fizeram arriscar uma tentativa de fuga. Munindo-se de todos os sacos de sal que pode carregar, Thammires decidiu usar a proteção como munição. Encheu os bolsos de sua calça jeans e também os de sua jaqueta com o sal protetor. Ao abrir a porta do porão, a primeira coisa que fez foi atirar um punhado de sal antes de sair. Não houve reação nenhuma. Estranhamente, a casa voltara a seu estado normal. A sala, que deveria estar revirada pela força do vendaval, estava novamente arrumada, como se nada tivesse acontecido. Ao chegar a escada, Thammires viu que o corpo de Jared não estava mais onde havia sido abandonado. Não havia sequer sinais de sangue nas paredes ou no piso. Aquilo ficava cada vez mais estranho... Mas Thammires confiava em si mesma e sabia o que havia visto. Sabia que não estava louca e não ia se deixar enganar.Iria tratar de alcançar o carro que haviam alugado. Estava estacionado perto da porta de entrada, não seria difícil. A chave estava no para-sol. Era chegar até ele e deixar o pesadelo para trás. Lá fora, a noite fria mas estrelada fora substituída por uma chuva torrencial. Até alcançar o carro, Thammires já estava encharcada. Tiritando de frio, entrou no carro e abaixou o para-sol, procurando pelas chaves. Um Círculo De Sal Página 9

Letras de Sangue - É isto que você está procurando, meu amor? - pelo retrovisor, ela viu Jared segurando as chaves. Não havia tempo sequer para gritar. Por puro reflexo, ela abriu a porta e se jogou para fora do carro, correndo em louca disparada. Jared, ou o que quer que fosse aquilo atrás dela, também começou a correr. Próxima a porta de entrada da casa, Thammires percebeu que estava sendo alcançada. Quando sentiu que uma mão tocava seu ombro, apanhou um punhado de sal e voltou-se rapidamente, atirando o sal no rosto de seu perseguidor. O efeito foi fascinante e aterrorizante ao mesmo tempo. A pele do rosto de Jared descolou-se completamente, revelando não os músculos e ossos que se esperariam encontrar ali, mas um imenso e profundo vazio. Vazio de onde brotou um grito de agonia: - Ahhhhhhhh, maldita vadia humana! Ousas me causar dor? Vais sentir a dor que te causarei! Rasgarei tua alma em pedaços! Pouco se importando com as ameaças que lhe faziam, Thammires aproveitou a dianteira que conquistara e correu. Jogou-se para dentro do porão, fechando a porta atrás de si com um estrondo. Sentando-se novamente no centro do círculo de sal, voltou a concentrar-se em ficar acordada, aguardando a vinda da manhã. Durante toda a noite, ouviu a voz de Jared implorando socorro, pedindo para que ela abrisse a porta do porão. Ignorá-lo durante tanto tempo foi o maior suplício que sofreu em toda a sua vida. ----xxxx---Quando finalmente o relógio do celular despertou, avisando que eram sete horas da manhã, Thammires voltou a municiar-se com todo o sal que pôde juntar e dirigiu-se novamente para o carro. Ao contrário da tentativa de fuga anterior, nada a atrapalhou desta vez. A casa voltara ao seu estado de natural arrumação, não havia nenhum sinal de Jared ou de sua morte, absolutamente nada. Um Círculo De Sal Página 10

Letras de Sangue Ao chegar em Bento Gonçalves, Thammires deu continuidade ao seu plano. Apesar do medo, livrou-se do sal que estava carregando. Mais tarde daria um jeito de conseguir mais, mas naquele momento não podia aparecer diante do mundo com aquela absurda quantidade de sal. Não teria como explicar aquilo, e sua vida agora dependia das explicações que daria dali para frente. Ao chegar a delegacia, Thammires deu queixa de que um grupo de ladrões havia invadido a casa. Disse que Jared havia gritado para que ela trancasse a porta do porão, onde havia descido para apanhar ingredientes para um bolo. Trancada no porão, ouviu várias vozes perguntando por dinheiro e objetos de valor. Mas não havia nada realmente valioso na casa, então ela ouviu que os homens iam levar Jared e pedir resgate. Disse que os ladrões haviam tentado arrombar a porta do porão para pegá-la, mas não haviam tido sucesso. A mentira convenceu os policiais. Jared foi considerado vítima de seqüestro. Um grupo de policiais foi até a casa e não encontrou nada que indicasse o paradeiro do rapaz. No dia seguinte, o corpo de Jared foi encontrado, completamente destroçado, em um matagal próximo à casa. O crime causou comoção e chamou a atenção da imprensa. Mas, passado o tempo, o caso acabou sendo fechado e esquecido, pois não foram encontradas pistas que levassem aos assassinos de Jared. Thammires fechou-se em seu silêncio. Não podia contar o que houvera realmente. Foi melhor daquela forma. Embora agora pesasse sobre seus ombros a mentira que fora obrigada a inventar, pelo menos ela lhe permitiria passar o resto da vida fora de uma prisão ou de uma instituição para doentes mentais. Tinha certeza que era para onde seria mandada se tentasse contar a verdade. Passaria de vítima a assassina. Thammires não tem a menor idéia de porque os demônios libertados naquela noite a deixaram partir. Também não entendia como a porta do porão tinha resistido por tanto tempo ao ataque de criaturas tão poderosas. Não sabe também se algum dia pretendem voltar a atormentá-la. Mas agora, todas as noites, antes de dormir, ela desenha um círculo de sal ao redor de sua cama. ----FIM----

Um Círculo De Sal

Página 11

Letras de Sangue

Sobre o Autor Edson Tomaz da Silva nasceu em São Paulo, capital, em 26 de abril de 1971. A paixão pelos gêneros de terror e suspense é antiga, mas o autor só começou a publicar seus textos em 2009 no site Recanto das Letras” Em 2010, criou o site Letras de Sangue, onde publica seus textos, na companhia de outros escritores amadores, também apaixonados por terror e suspense. Para ajudar na divulgação do site, passou a publicar seus textos também no Scribd, criando a Coleção Letras de Sangue.

Licenciamento da Obra A presente obra encontra-se licenciada sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported. Para visualizar uma cópia da licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/ ou mande uma carta para: Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California, 94105, USA.

Um Círculo De Sal

Página 12

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful