You are on page 1of 15

SEMINÁRIO MAIOR ARQUIDIOCESANO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

NOME: Anderson da Costa Alencar
TURMA: 1º Ano de Filosofia
DISCIPLINA: PSICOLOGIA
PROFESSORA: Cladis Voos

PROCESSOS COGNITIVOS E
PERCEPTIVOS

Brasília, 26 de maio de 2017

PROCESSOS COGNITIVOS E PERCEPTIVOS A psicologia cognitiva estuda a cognição. consolida e recupera. examinando questões sobre a memória. Tomar consciência do significado da afirmação e o que ela representa (código semântico) A codificação reporta-se à aprendizagem deliberada. a aprendizagem que exige esforço e no qual o objetivo é memorizar a informação. toda a informação que aprendemos. nos possibilita aprender coisas novas (aumentando assim o nosso conhecimento). sendo um amplo leque de processos mentais. O processamento da informação dá-se em três fases: codificação.Depois de codificada a informação. é um processo adaptativo que envolve a construção de significados. percepção. a mesma vai ser armazenada. transformar e aplicar o conhecimento. Esta área de investigação cobre diversos domínios. a motivação. cerca de 99% da informação que entra no cérebro é posta de parte. Pode-se definir cognição como a capacidade para armazenar. codificados e armazenados. A memória é a função mental que permite reter a informação. a partir do ambiente e criam significado ou reação aos estímulos. etc. os valores e as atitudes. cognitivos. implica a pessoa na sua totalidade (capacidades cognitivas. É um sistema de armazenamento que permite reter a informação aprendida e permite evocar essa mesma informação. Baseia-se na tradução de dados num código. Podemos definir memória como o processo cognitivo que inclui. O processo perceptivo ou processo perceptual é o método pelo qual as pessoas tomar informações. É um sistema aberto em que a informação é adquirida (aquisição e codificação).). criatividade e resolução de problemas. armazenamento e recuperação. Sem memória como já disse é impossível aprender. que pode ser acústico. Uma sequência de sons (código acústico). visual ou semântico. Cabe ao nosso cérebro selecionar a informação importante. podendo depois ser recuperada ou evocada (recordação). A codificação é a primeira fase da memória que prepara as informações sensoriais para serem posteriormente armazenadas no cérebro. é um processo ativo. isto é. Memória A memória é o processo cognitivo que compreende a retenção e a recuperação da informação. o grupo social de pertença e a cultura. As pessoas podem não estar cientes dos passos reais do processo. A percepção é o processo cognitivo pelo qual damos sentido ao mundo. É uma das disciplinas da ciência cognitiva. atenção. Imagine o que seria se você se lembrasse de todas as sensações que recebeu durante o dia… (sensações como as provocadas pelas peças de roupa. aprender. comida. armazenada (retenção). implica categorizar a informação e organizá-la em esquemas perceptivos. A percepção envolve processos fisiológicos. E só o que aprendemos com a memória. . permite lembrar de informação retida anteriormente. temos de dedicar mais atenção às informações que desejamos memorizar o que leva a uma codificação mais profunda. as experiências passadas. porque é automático e instantânea. Processo perceptual é uma função contínua do cérebro. O processo perceptivo é influenciado por muitos fatores como as expectativas. implica processar a informação que nos chega no momento e implica a existência de esquemas preexistentes que orientam todo o processo e que são passíveis de mudança. Pode-se codificar o seu conteúdo como: Uma imagem de sinais que são letras (código visual). O processo perceptivo tem uma série de características: é um processo complexo. raciocínio. fisiológicas e experiências). somos bombardeados com milhões de informações que se traduz em estímulos. ou seja. os processos mentais que estão por detrás do comportamento. Acima de tudo a memória é extremamente importante pois é o que nos dá a continuidade do presente e que nos permite manter uma conversa e dar continuidade ao presente. No nosso dia-a-dia. Gazzaniga. ou seja. mas a sua representação na memória não é uma reprodução fiel. engloba todos os órgãos dos sentidos. interpessoais e socioculturais. Por exemplo: A afirmação «O mar é azul. representação de conhecimento. ou estímulos. Segundo M. chama-se a este processo processamento de informação. para garantir a própria sobrevivência do indivíduo e da espécie. Neste caso. A memória é o que permite a aprendizagem pois é através da memória que os conhecimentos se consolidam. Lembrar implica um processo ativo de reconstrução das informações e estímulos anteriormente adquiridos.».

Parece que tudo está guardado num lugar do cérebro. que se mantendo. Investigações efetuadas vieram mostrar que podemos conservar sete elementos (letras. que irá ser esquecida depois de a teres cumprido o pedido. etc. processo chamado de evocação. Memória imediata: a informação recebida fica retida durante um curto período de tempo (cerca de 30 segundos). provam que quando nos lembramos de algo (como por exemplo a passagem de ano) várias áreas do cérebro são utilizadas. recordamos uma informação. a isto chama-se recuperação. mas que. produz modificações nas redes neuronais. ou seja. Memória sensorial: a memória sensorial é um tipo de memória que tem origem nos órgãos sensitivos. As informações obtidas pelos sentidos são armazenadas por um curtíssimo espaço de tempo (0. Para lembrar da lei da física é necessário seguir estes processos/pistas. Chama-se memória de trabalho à atividade de armazenamento e de utilização . Tipos de memória Existe três tipos de memória: sensorial. O armazenamento de informação consiste no registo de informação sobre algo como por exemplo a última passagem de ano que celebramos. a curto prazo e a longo prazo. O segundo tipo de recuperação. como exemplo. não obstante disso. A recuperação pode ser automática (lembras-te de quando nasceste) ou pode requerer uma maior complexidade para recuperares algo (como por exemplo uma lei da física). Memória de trabalho: neste tipo de memória mantemos a informação enquanto ela nos e útil. evocamos. cada engrama. palavras. permitem que você se recorde do que memorizou. A memória de trabalho reporta-se as atividades mentais em que o objetivo não é a sua memorização. mas não é isso o que acontece. o que comeste. etc). O reconhecimento. já não é tão automático. como que num DVD. Na recuperação. Ao relembrares essa última passagem de ano. Cada informação. novas tecnologias que permitem ver o nosso cérebro em ação. recupera-se uma informação. Na memória a curto prazo pode-se distinguir duas memórias: memória imediata e memória de trabalho. sempre que queira. requer dois momentos: o reconhecimento e a evocação.1 a 2 segundos). variando entre cinco e nove unidades. podendo ser esquecida ou passar para a memória de longo prazo. lembramo-nos. algarismos. Se a informação armazenada não for processada perde-se se for passa para a memória a curto prazo. ou seja. Memória a curto prazo: este tipo de memória retém informação durante um período limitado de tempo. manterás na memória esta informação. é quando tentamos lembrar de aprender lei da física recorrendo ao ano de escolaridade e só depois é que é procurado o conteúdo dessa lei. depois de teres chegado uma hora mais cedo. lembraste das pessoas com quem a celebraste. implicam uma certa memorização para se poderem aplicar de modo eficaz. Este tipo de memória é utilizado por exemplo quando o patrão pede que no dia seguinte cheguemos uma hora mais cedo.

portanto.quando envolve eventos datados. atar os cordões. neste tipo de memória. fatos históricos. o nome dos teus amigos.Abrange a memória do significado das palavras. etc. o aniversário da tua mãe. mas se associar-se a este raciocínio que quem me ensinou a fazer contas foi a minha professora do primário este dado leva-me a usar a memória episódica. A memória semântica é a coparticipação do significado de uma palavra que possibilita às pessoas manterem conversas com significado. Distinguem-se. recordações (rosto de amigos pessoas famosas.de informação ligada especificamente à realização de uma tarefa: refere-se. estará perdida para sempre. É uma memória automática. A memória semântica é. Este tipo de memória reúne tudo o que podemos evocar/declarar por meio de palavras (daí o termo declarativa). É a memória usada para procedimentos e habilidades. (implica a consciência do passado. não está associada a nenhum conhecimento. músicas. Este tipo de memória refere-se ao conhecimento geral sobre o mundo (fórmulas matemáticas. Por exemplo: 1+1 = 2 é um conhecimento em que usas a memória semântica. fatos e pessoas que conhecemos/ aconteceram no passado). É devido a este tipo de memória que consegues descrever as funções das áreas pré- frontais: os heterónimos de Fernando Pessoa. leis da química. etc. Usamos a memória episódica. Neste tipo de memória não há localização no tempo (ao contrário da memória episódica). ação ou fato especifico do passado. lavar os dentes. uma memória pessoal na qual que se manifesta uma relação íntima ente quem recorda e o que se recorda. Qualquer informação que tenha estado na memória a curto prazo e que se perca. portanto. por exemplo. levando a reportarmo-nos a acontecimentos. A memória semântica ocorre quando envolve conceitos atemporais. fatos e experiências pessoais) ou seja relacionado com o tempo. jogar bola. a um tipo de memória que trabalha. Episódica. só se mantendo se passar para a memória de longo prazo. quando lembramos do ataque terrorista em 11 de Setembro ou o primeiro dia de escola. como por exemplo: andar de bicicleta. . A memória não declarativa também pode ser designada por memória implícita ou sem registo. Memória não-declarativa – Difere-se da memória declarativa porque esta não precisa ser declarada (enunciada). Tipos de Memória a Longo Prazo: Memória declarativa e Memória não-declarativa Memória declarativa também pode ser designada por explícita ou memoria com registo. dois subsistemas: a memória episódica e a memória semântica. ler um livro. regras gramaticais. Semântica.

criam condições para novas aprendizagens e para uma superior adaptação ao meio. Segundo esta explicação. . Este tipo de esquecimento é especialmente sentido por pessoas de certa idade e pode dever-se à degenerescência dos tecidos cerebrais. Este esquecimento resulta de um recalcamento. É o que acontece com o esquecimento de situações de medo. mas sim que outro conteúdo mnésico semelhante ao que tentamos recuperar provocou uma confusão entre elementos informativos. tornando-se assim um obstáculo à reatualização da informação pretendida. Neste sentido. Trata-se de um processo normal e positivo cuja função é selecionar materiais inúteis que. Interferência das aprendizagens A interferência é um fenómeno que ocorre quando ao tentarmos recordar algo. o esquecimento motivado significa que esquecemos porque temos razões (estamos motivados) para esquecer. Esquecimento regressivo O esquecimento regressivo ocorre quando surgem dificuldades em reter novos materiais e em recordar conhecimentos. ou seja. o esquecimento não significa que a recordação de algo desapareceu. inconscientemente. nos convém esquecer. ao serem perdidos. é um modo inconsciente de as pessoas se libertarem de recordações perturbadoras. Freud apresentou uma concepção de esquecimento que decorre da sua teoria sobre o psiquismo humano. Acontecendo com todas as pessoas. Esquecimento motivado Como o próprio termo deixa transparecer. segundo a qual nós esquecemos o que. dor ou angústia vividas pelo indivíduo. habitualmente porque uma recordação é desagradável e perturbadora.ESQUECIMENTO A perda da capacidade de recordar ou de reproduzir o que foi aprendido designa-se por esquecimento. uma informação gravada antes (interferência proativa) ou depois (interferência retroativa) da que tentamos recuperar impede o acesso a esta. factos e nomes aprendidos recentemente. o esquecimento é um fenómeno natural.

o recepcionista tinha-lhe dito que C era a sigla de “Cold” (frio). pele. tendo-se. que se tem através de órgãos dos sentidos. pode-se dizer que a sensação tem origem num estímulo ou numa excitação. automaticidade (a repetição da tarefa. leva a que a resposta se automatize e os níveis atencionais deixem de ser tão elevados). Ora. este conhecimento recente foi perturbado por uma aprendizagem anterior que “tomou a dianteira” e. esta é levada pelos nervos sensitivos dos centros nervosos (cérebro). por sua vez.Dois exemplos: .Um turista francês na sua primeira viagem a Nova Iorque prepara-se para tomar uma ducha. cognitiva ou motora. e por fim se dá a sensação propriamente. a condução. para um processamento posterior. é a sigla para designar “chaud”. como é natural. já a atenção seletiva apresenta-se como o nível hierárquico superior dos processos atencionais. 2) ato preparatório para a receção de mais informações. as sensações passam a ser "percebidas" quando uma determinada área sensorial do cérebro (terminal nervoso) é ativada. na qual são selecionados determinados estímulos percetivos. Quando a atenção é atraída por um estímulo no ambiente. motivação (quanto maior a motivação. provocando a impressão. mais precisamente na sua casa de banho. temos dificuldade em relembrar o anterior. SENSAÇÃO Efeito de uma impressão mental. E costuma- . quando se concentra a atividade mental com o objetivo de prestar atenção a um estímulo específico diz estar perante um processamento top-down. e 3) a possibilidade de se receber várias mensagens ao mesmo tempo. maior a atenção na tarefa).) de órgãos sensoriais. ATENÇÃO A atenção é um mecanismo cognitivo através do qual exercemos controlo voluntário a sobre a nossa atividade. interpondo-se. como é óbvio. sai água fria. Este mecanismo é dependente do controlo voluntário e da consciência que se emprega a esses fenómenos enquanto formas de processamento. A atenção é um processo complexo. portanto. ligando-se também a atividades físicas. selecionar a informação e o controlo executivo. O termo designa uma considerável variedade de aspectos e fenômenos psicológicos. Há vários conceitos associados à atenção como o de esforço. Esquematicamente. quase sempre complexa. relevância e seleção. alternância no foco de atenção. focando apenas uma informação e deixando “cair” todas as outras. Contudo. . o processamento é bottom-up. e resistente às condições de cansaço e distração. que atua sobre os receptores (retina. O estado de alerta refere-se a um nível primário dos processos atencionais e constituiu-se como o nível de base para o processamento de informação externa e interna.Fixado um novo número de telefone ou de cartão de crédito. quente). A atenção é um mecanismo cognitivo através do qual exercemos controlo voluntário a sobre a nossa atividade cognitiva e comportamental. de natureza hierárquica e multimodal. etc. compreendendo subprocessos como a seleção do foco de atenção. A atenção pode estar relacionada com 1) o tipo de concentração numa tarefa mental. Existem vários tipos de atenção. Roda a torneira com a letra C e. provocou uma confusão (C em francês e nos hotéis franceses. A atenção tem como funções facilitar a descodificação da informação. ao mesmo tempo que existe uma tentativa de excluir os estímulos interferentes. distribuição da atenção por vários estímulos e inibição de estímulos interferentes. Não se pode falar de sensação sem falar dos sentidos. a atenção sustentada tem a ver com a capacidade de manter o foco de atenção necessário para que a tarefa seja realizada de uma forma continuada. Conforme essa teoria da localização. sendo impossível processar todos os estímulos com os quais nos confrontamos. que permite o processamento de informação sensorial.

O estímulo ambiental 2. imagine que você está fora em uma manhã correr em seu parque local. Percepção 7. há uma grande variedade de estímulos ambientais que podem capturar sua atenção. como os movimentos dos braços e pernas ou a mudança de posição do corpo em relação aos objetos no ambiente. visão. os intestinos e os pulmões) e proprioceptores (que se acham em certos músculos. olfato.se dividir o estudo dos sentidos em dois pontos: percepção (correspondendo à utilização dos sentidos frente a fatos do meio-ambiente ou do próprio indivíduo). por exemplo. portanto. há cinco sentidos humanos: visão. A imagem na retina 4. o órgão está devidamente adaptado e especializado nessa determinada função. A percepção não só cria nossa experiência do mundo ao nosso redor. começaremos por dividir cada passo. para empregar o verbo mais adequado. Através do processo perceptivo. conforme as áreas da pele em que se acham e também conforme a distância entre elas e a superfície da pele. como reconhecer o rosto de um amigo ou detectar um perfume familiar. A percepção inclui os cinco sentidos. O processo perceptivo é uma sequência de etapas que começa com o ambiente e leva à nossa percepção de um estímulo e uma ação em resposta ao estímulo. ao funcionamento desses órgãos). um pato . Como você executar o seu treino. desses conceitos relacionados aos sentidos. no próprio corpo. As células sensoriais podem ser consideradas em categorias diferentes. às posições e a pressões sofridas pelo corpo são notadas por células sensoriais especializadas.a boca. Por exemplo. O estímulo ambiental é tudo em nosso ambiente que tem o potencial de ser percebido. e assim por diante. os ouvidos reagem a variações de vibrações sonoras. Pode também envolver o sentido de propriocepção. tendões. Isso pode incluir qualquer coisa que possa ser vista. tato. provada. daí o nome . O Estímulo Atendido 3. De maneira que.é o que se denomina de sistema sinestésico ou cinestesia. Cada órgão sensorial dispõe de grande capacidade de "registrar". Além. Os passos no processo de percepção: 1. As sutis mudanças na pressão contra a pele que lhe permitem sentir o objeto ocorrem sem um único pensamento. cheirada ou ouvida. ganhamos informações sobre propriedades e elementos do ambiente que são críticos para nossa sobrevivência.sendo ativados por movimentos dessas partes orgânicas). Ação O estímulo ambiental O mundo está cheio de estímulos que podem atrair nossa atenção através de vários sentidos. Transdução 5. o estômago. Para entender completamente como funciona o processo de percepção. a garganta. um conjunto de sentidos envolvendo a capacidade de detectar alterações nas posições e movimentos do corpo. gustação e tacto. interceptores (que recebem estímulos do interior do corpo . Esses sentidos podem ser classificados em três tipos: extroceptores (que recebem estímulos do exterior). audição. tendões e juntas . Reconhecimento 8. Processamento Neural 6. considera-se que as sensações referentes aos movimentos. articulações . paladar. O processo de transformar a luz que cai em suas retinas em uma imagem visual real acontece inconscientemente e automaticamente. PERCEPÇÃO A percepção é a nossa experiência sensorial do mundo que nos rodeia e envolve tanto o reconhecimento de estímulos ambientais e ações em resposta a esses estímulos. para isso. que se acham em músculos. Ele também inclui o que é conhecido como propriocepção. mas você não gasta muito tempo pensando no processo real que ocorre quando você percebe os muitos estímulos que o cercam em qualquer momento. ou. Como é sabida. o esôfago. olfato e audição. tocada. ao passo que os olhos reagem a intensidades ou comprimentos de ondas da luz. e sensação (correspondendo aos estímulos que impressionam os órgãos dos sentidos. nos permite agir dentro do nosso ambiente. Envolve também os processos cognitivos necessários para processar informações. Este processo é contínuo.e. de "sentir" determinado tipo de estímulo.

Percepção Na próxima etapa do processo de percepção. a imagem na retina é realmente de cabeça para baixo a partir da imagem real no ambiente. a fim de determinar a quantidade de luz para deixar entrar. você tem consciência de que há algo no lago para perceber. As hastes e os cones contêm uma molécula chamada retinal. É neste ponto que nos tornamos conscientemente conscientes do estímulo. e a íris do olho controla o tamanho das pupilas. no qual imaginamos que você estava fora para uma corrida de manhã no parque. O caminho seguido por um sinal específico depende do tipo de sinal que é (ou seja. um sinal auditivo ou um sinal visual). Processamento Neural Os sinais elétricos passam então por processamento neural . como o rosto de um amigo em uma multidão de estranhos no café local. Varas são principalmente para ver as coisas em pouca luz. você realmente perceberá os estímulos e tomará consciência de sua presença no ambiente. Através da série de neurônios de interconexão localizados em todo o corpo. Em outros casos. Em muitos casos. o processo visual irá progredir. isso não é terrivelmente importante. Como você já deve estar ciente. sinais elétricos são propagados a partir das células dos receptores para o cérebro. Na próxima etapa do processo perceptivo. a imagem de um pato flutuando na lagoa é recebida como luz sobre a retina. Do nosso exemplo anterior. Durante o próximo passo do processo perceptivo. Transdução A imagem na retina é então transformada em sinais elétricos em um processo conhecido como transdução. A córnea ajuda a focalizar a luz à medida que entra no olho. Na fase de percepção. Agora. o estímulo assistido é formado como uma imagem na retina. que é então transduzida em um sinal elétrico e. classificaremos as informações percebidas em categorias significativas. Na próxima etapa do processo perceptivo. em seguida. A córnea e a lente agem em conjunto para projetar uma imagem invertida sobre a retina. vamos imaginar que durante o seu trabalho da manhã você focar sua atenção no pato flutuando na lagoa próxima. Vamos considerar nosso exemplo anterior. Nesta fase do processo perceptivo. nós realmente percebemos o objeto de estímulo no ambiente. podemos nos concentrar em estímulos que são familiares para nós. Estas células contêm proteínas conhecidas como varas e cones. enquanto cones estão associados com a detecção de cor e formas em níveis de luz normal. O Estímulo Atendido O estímulo assistido é o objeto específico no ambiente em que nossa atenção está focada. A imagem ainda não foi percebida.espirra em uma lagoa próxima. Todas essas coisas representam estímulos ambientais e servem como ponto de partida para o processo perceptivo. . que é responsável para transdução a luz nos sinais visuais que são transmitidos então através dos impulsos do nervo. e essa informação visual será alterada ainda mais dramaticamente na próxima etapa do processo. A imagem na retina Em seguida. e outra muito diferente de realmente tornar- se conscientemente consciente do que percebemos. A primeira parte deste processo envolve a luz realmente passando através da córnea e pupila e para a lente do olho. uma coisa é estar ciente dos estímulos no ambiente. é provável que assistamos a estímulos que têm algum grau de novidade. A retina contém muitas células fotorreceptoras. O pato representa o estímulo assistido. Em nosso exemplo anterior. processada através dos neurônios na rede visual. Isto permite que as mensagens visuais sejam transmitidas ao cérebro para serem interpretadas.

uma vez que nos permite dar sentido ao mundo que nos rodeia. A fase de ação do desenvolvimento perceptivo envolve algum tipo de atividade motora que ocorre em resposta ao estímulo percebido e reconhecido. O estágio de reconhecimento é uma parte essencial da percepção. Enfatiza a importância dos processos mentais no processo de aprendizagem. considera-se que o homem não pode ser considerado um ser passivo. as pessoas aprendem observando outras pessoas no interior do contexto social. as características do sujeito. É um processo dinâmico. Também é necessário que nosso cérebro categorize e interprete o que é que estamos sentindo. Considera que as pessoas podem controlar seu próprio destino. como virar a cabeça para um olhar mais atento ou virar-se para olhar para outra coisa. e  Aprendizagem é vista como algo espontâneo e misterioso. em que temos: INDIVÍDUO → INFORMAÇÃO → CODIFICAÇÃO → RECODIFICAÇÃO → PROCESSAMENTO → APRENDIZAGEM De uma perspectiva humanista existe uma valorização do potencial humano assumindo-o como ponto de partida para a compreensão do processo de aprendizagem.  O reforço é um dos principais motores da aprendizagem. sendo irrelevante condições biológicas. Preocuparam-se em tornar a aprendizagem significativa.Reconhecimento A percepção não envolve apenas conscientizar-se conscientemente dos estímulos. ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS DE APRENDIZAGEM Segundo os behavioristas. centrado nos processos cognitivos. Numa abordagem social. Colocando objetos em categorias significativas. organiza e atribui significados aos objetos e acontecimentos. conhecido como reconhecimento. . estabelecendo uma relação funcional entre Ambiente e Comportamento Apresenta como principais características:  O indivíduo é visto como ativo em todo o processo. como correr em direção a uma pessoa em perigo. na forma como se percebe. ocorridas numa história de contingências. O ser humano nasce como uma 'tábula rasa'. Isso pode envolver uma ação importante. é na fase de reconhecimento do processo perceptivo que você percebe que há um pato flutuando na água. ou algo tão sutil como piscar os olhos em resposta a um sopro de poeira soprando através do ar. possuem liberdade para agir e que o comportamento delas é consequência da escolha humana. seleciona.  A aprendizagem é sinônimo de comportamento adquirido. as suas experiências anteriores e as suas motivações:  O indivíduo é visto como responsável por decidir o que quer aprender. Continuando nosso exemplo. Nessa abordagem a aprendizagem é em função da interação da pessoa com outras pessoas. a aprendizagem é uma aquisição de comportamentos através de relações entre ambiente e comportamento. valorizando a compreensão em detrimento da memorização tendo em conta. sendo moldado pelo contato com a sociedade. Nossa capacidade de interpretar e dar significado ao objeto é o próximo passo. Os princípios que regem tal abordagem são a auto direção e o valor da experiência no processo de aprendizagem. Isso poderia envolver uma variedade de ações. Ação O passo final do processo perceptivo envolve algum tipo de ação em resposta ao estímulo ambiental. somos capazes de entender e reagir ao mundo que nos rodeia.  A aprendizagem é vista como uma modelagem do comportamento Em algumas abordagens cognitivas.

Estes objetos de estudo para a aprendizagem podem ser por exemplo uma alavanca que gera determinado impulso. de forma diversificada em às teorias. em que o reforço gera novas condutas. trata da urgência em formar profissionais. Embora haja discordâncias entre os estudiosos. O que levou ao indivíduo acionar a segunda alavanca. que venham a espelhar a sua própria prática. além da proeminência e da atração da atenção aos objetos em questão. foi a ideia gerada através da associação entre os objetos (alavancas). como o deitar de gases. Exemplo típico. estilo e ritmo. Portanto. ocorre pelo condicionamento. deve haver uma similaridade. é necessária a proximidade do objeto ou ocorrência no espaço e no tempo. a atuação. ou a capacidade que o indivíduo tem para associar um estímulo que antes parecia não ter importância a uma determinada resposta. estará a praticar um processo de estrutura do seu saber. estes defendem que os processos mais importantes da . A dificuldade em decifrar este conhecimento. A é uma proposta para integrar alunos e professores durante a aprendizagem em sala de aula. Porém. Aprendizagem Associativa A associação é um tema que reside na observação de que o indivíduo percebe algo em seu meio pelas sensações.Estilos de aprendizagem Cada indivíduo apresenta um conjunto de estratégias cognitivas que mobilizam o processo de aprendizagem. pois não levaram em conta os processos interiores do indivíduo (há que se diferenciar aprendizagem de condicionamento). que são mais estáticas. A associação ocorre quando o indivíduo em questão acionar outra alavanca similar à primeira esperando o mesmo impulso da outra. tornando a sua prática para muito além dos meios tradicionais de ensino. são exemplos de uma aprendizagem olfativa. estes são quatro categorias representativas dos estilos de aprendizagem:  Visual: aprendizagem centrada na visualização. considerada por alguns autores. Estes afirmam a importância de outros fatores na aprendizagem. muitos profissionais da área educacional contestam a existência de uma validade universal na teoria da associação. na esperança de que a reflexão será um meio de desenvolvimento do pensamento e da ação. as teorias de estímulo e resposta não mostraram os mecanismos da aprendizagem. Na formação de Docentes é necessário ter em conta. estes eram passíveis de observação. o resultado é a consciência de algo no mundo exterior que pode ser definida como ideia. cada pessoa aprende a seu modo. A aprendizagem reflexiva como estratégia para a formação profissional A melhoria da qualidade da prática docente. Atualmente. de modo a possibilitar a construção de conhecimentos por meio das interações. como princípio básico.  Auditiva: centrada na audição. o futuro docente. O princípio da aprendizagem reflexiva. a associação leva às ideias. que ao ser acionada gera o impulso tantas vezes quantas for acionada. são os educadores que seguem a linha gestaltista. frequência de observação. Um grupo liderado pelos pesquisadores Guthrie e Hull sustentava que as associações se davam entre estímulos e respostas. Em outras palavras. reside no facto das ações serem ativas.  Ativa: aprendizagem através do fazer. e para tal. Desta forma.  Olfativa: através do cheiro pode possibilitar conhecimento já adquirido anteriormente. A teoria da aprendizagem associativa. com o intuito de a compreender. ao descrever o conhecimento empregue numa determinada ação.  Leitura/escrita: aprendizagem através de textos. é uma noção que provém da descoberta da possibilidade que é possível reforçar um padrão comportamental através de métodos onde são utilizadas as recompensas ou castigos. facilita o aprendizado de novos modos de ensino e expande estratégias de aprendizagem. Aprendizagem Condicionada O reforçamento.

é gostar de si. é acreditar em si e dar valor a si próprio. sustentam que a aprendizagem de uma língua abrange um número de palavras e locuções muito grande para ser explicado pela teoria associativa. religião e torcida são as tribos modernas. 5. 2. na sua igreja. O ser humano tem a necessidade de ser amado. experiências estéticas e metafísicas. por sua vez. Estes. Nós queremos nos sentir necessários a outras pessoas ou grupos de pessoas. Necessidades de "status" ou de estima O ser humano busca ser competente. Necessidade de auto realização O ser humano busca a sua realização como pessoa. Há dois tipos de estima: a autoestima e a hetero-estima. Necessidades sociais O ser humano precisa amar e pertencer. buscamos por abrigo. com desconforto. . 4. no seu clube ou na sua torcida. Estes sentimentos e emoções nos conduzem à ação na tentativa de diminuí-las ou aliviá-las rapidamente para estabelecer o nosso equilíbrio interno. os educadores que estudam os aspectos psicológicos da linguagem. a imagem. ou mesmo a busca de Deus.aprendizagem envolvem uma reestruturação das relações com o meio e não simplesmente uma associação das mesmas. etc. Outras correntes de pensamento afirmam que as teorias da aprendizagem incluem o papel da motivação além dos estágios da aprendizagem. do esquecimento e da recuperação de informações ou memória. no seu local de trabalho. Na pesquisa sobre a aprendizagem. O ser humano pode buscar conhecimento.). 3. mais físicas (água. Necessidades de segurança No mundo conturbado em que vivemos procuramos fugir dos perigos. doentes. querido por outros. Já a hetero-estima é o reconhecimento e a atenção que se recebe das outras pessoas. ou psicolinguistas. ainda existem os conceitos não passíveis de quantificação. ou a tribo (grupo) atual. Esse agrupamento de pessoas pode ser a antiga tribo. irritação. Todos estes agrupamentos fazem com que tenhamos a sensação de pertencer a um grupo. de uma crença deve ser colocada neste nível da hierarquia. na sua família. obter aprovação e ganhar reconhecimento. alcançar objetivos. as necessidades humanas podem ser agrupadas em cinco níveis: 1. MOTIVAÇÃO – TEORIAS DE MASLOW Segundo a Teoria de Maslow. os processos e a natureza da evocação. sexo. Alguns pesquisadores afirmam que a aprendizagem linguística se baseia numa estrutura básica de organização elemento. Necessidades fisiológicas Estas são as necessidades mais básicas. como os processos cognição/cognitivos. Existem também. estabilidade e continuidade. ou a uma "tribo". a demonstração prática da realização permitida e alavancada pelo seu potencial único. de ser aceito por outros. Política. Quando não temos estas necessidades satisfeitas ficamos mal. proteção. comida. A autoestima é derivada da proficiência e competência em ser a pessoa que se é. a vontade e a consciência/conscientização. Uma vez satisfeitas estas necessidades nós abandonamos estas preocupações e passamos a nos preocupar com outras coisas. medo. ar. segurança. A busca da religião.

Chega a parecer óbvio pelo conhecimento comum dos papéis de reforço e punição na aprendizagem. Sob influência de Pavlov.  Organismo: motivado pela necessidade de estabelecer/manter algum objetivo  Impulso (drive): condição interna que dirige o organismo para a satisfação de necessidades  Necessidade: estado de desequilíbrio fisiológico que muitas vezes causa o despertar de um motivo  Homeostase: estado relativamente constante de equilíbrio orgânico interno que permite sobrevivência e funcionamento celular. bebida. A redução do impulso é definida por operações como saciar a fome. Nos escritos de Sigmund Freud sobre o funcionamento psíquico. como diz a dicionário Priberam da Língua Portuguesa um conjunto de manipulações para obter um resultado. encontram-se os chamados processos primários que são as formas pelas quais a mente humana opera. John Watson considerava os métodos experimentais superiores aos introspectivos. isto é. As recompensas se baseiam na redução desses impulsos. Com o curioso experimento do bebê Albert.MOTIVAÇÃO TEORIAS BEHAVIORISMO De acordo na perspectiva da visão behaviorista. Os behavioristas veem a motivação como combinação de motivos e reforços:  Motivos: Fome. via o comportamento como respostas à estímulos. O despertar do comportamento é relativo ao sistema nervoso autônomo. Woodworth (1869-1962) o motivo ou impulso é “energia que impede o organismo à ação. sobretudo. tudo será relacionada ao condicionamento do indivíduo perante as situações. sexo Os motivos podem ser primários e secundários. Skinner é famoso pelo seu condicionamento operante. Para ele o indivíduo que experimenta o sucesso após um comportamento tende a repetir esse comportamento visando novamente obter sucesso (comportamento recompensado tende a ser repetido). que é de um modo de fazer alguma coisa. Aqui é importante resgatar a ideia da Administração sobre processo. Em oposição. tomou a ideia de que os motivos são aprendidos. onde Watson induziu o medo de rato branco. no âmbito profissional. O resto é influência do meio e adquirido por meio de aprendizagem. Para Robert S. desejo sexual  Reforços: Comida. músculos e glândulas. beber e dormir. sendo observável e previsível. Os únicos traços herdados do comportamento são os reflexos. tendências para alcançar ou evitar objetivos determinados“. Dá importância às necessidades fisiológicas. sede. ou necessidades aprendidas MOTIVAÇÃO NA PSICANÁLISE Na teoria da psicanálise o comportamento é determinado pela motivação inconsciente e pelos impulsos instintivos. Regular funções como comer. um comportamento que leva ao insucesso ou fracasso tende a ser abandonado (comportamento punido tende a ser extinto). Para Clark Hull (1884-1952) todo comportamento é motivado por impulsos de homeostase. necessários a sobrevivência  Secundários: motivos aprendidos.  Primários: inatos e baseados em necessidades biológicas. satisfação sexual e cessação da dor. Lembrando que uma . direta ou indiretamente.

o sofrimento (angústia) e substituído pela satisfação. enquanto que o indivíduo come mais que precisa e com isto acumula gordura. segurança. beber. Quanto se trata da auto realização. Abraham Maslow. pois os mamíferos possuem dois instintos. abrigo. assim como a dúvida de ter um salário no final do mês seguinte. Na Psicanálise o Administrador destes processos é o aparelho psíquico. segurança (garantir a satisfação das necessidades anteriores). etc. esta pulsão que é constante e sempre buscando a descarga. da Missão. a fome é uma necessidade por alimento (energia) para manter o corpo funcionando e apetite é uma associação feita com a necessidade de alimento (instinto) e o prazer de se alimentar. estima (ser reconhecido pelos outros como indivíduo. é o de evitar o desprazer. sociais (relacionamento. é possível perceber que a sua motivação é pela busca do prazer. Baseado nesta reflexão é possível fazer a avaliação da importância motivacional que existe na definição da filosofia organizacional que se faz com o estabelecimento da Visão. etc. define cinco categorias de necessidades humanas. pois a fome (sobrevivência) causa desprazer. É o que se chama normalmente do racional é onde ocorrem decisões lógicas e baseadas em ponderações. A forma desta cultura se manifestar é sempre pela linguagem. encontra- se o lugar das nossas lembranças o nosso arquivo mnêmico. o que pode e o que não pode (regras). o de sobrevivência e o de reprodução. acumula-se aumentando a excitação do sistema nervoso. por exemplo. afeto. pertencer a um grupo. o pré-consciente e o inconsciente. Pode-se afirmar que tudo o que se vive. sociais e estima). Sem entrar no mérito se são ou não hierarquizadas. afetos criatividade e comportamento humano. Ela é contínua e tende sempre a descarga. dos objetivos estratégicos e das metas individuais. Ele (aparelho psíquico) é composto por três instâncias: o consciente. do Negócio organizacional. Fica afastado da consciência. Quando parte desta energia é descarregada. pois eles se alimentam apenas com o necessário para viver. No inconsciente (Ic) está localizada a fonte de toda energia psíquica que é a responsável pelos pensamentos.‘entrada’ (seja ela energia. ela se transforma em comportamentos (ações) e estes estarão baseados no princípio primário que é a busca do prazer e a evitação do desprazer.) sofre uma ‘transformação’ e resulta em uma ‘saída’ diferente da 'entrada'. ou mesmo um profissional reconhecido. A pulsão substitui o instinto. Cada um com suas especialidades. encontram se as seguintes: fisiológicas (comer. não ser simplesmente mais um) e as de auto realização representadas pela efetivação de todo o potencial que o ser humano possui. ao ser impedida por causa do princípio da realidade. pois ser um Administrador competente. Um exemplo é a diferença entre fome e apetite. lê.).). No pré-consciente. percepção. aquele que realiza as manipulações das lembranças e dos impulsos chamados de “processos mentais”. sono. etc. Na natureza não são encontrados mamíferos obesos. mas que com concentração e esforço pode ser recuperado. . um cidadão responsável. sexo. Voltando à Psicanálise. estes instintos são “recobertos” pela cultura na qual está submetido. Ao fazer-se a junção da teoria das pulsões com a Teoria de Maslow é possível perceber que o fator motivacional encontrado nas quatro primeiras necessidades. ou então sentir-se isolado e não reconhecido em seus esforços e em suas características individuais causam sofrimento (angústia). Nesta situação podemos comparar o sofrimento com a sensação de frustração por não possuir a capacidade de atender aquelas necessidades (fisiológicas. estuda e ouve fica arquivado. O consciente (Cs) é chamado de parte executiva da personalidade e seu funcionamento ocorre baseado no princípio da realidade. No ser humano. um dos teóricos da motivação e muito usado nos processos de Qualidade Total (TQC). Na linguagem psicanalítica esta energia é chamada de pulsão.

reprodutor e defensivo. tais como. uma tendência. é um conjunto de impulsos biológicos. O comportamento motivado Os comportamentos motivados são aqueles fundamentais para a sobrevivência do indivíduo ou da espécie.PROCESSO MOTIVACIONAL Os motivos biológicos A concepção do homem como um produto social deixa lugar para os impulsos fisiológicos básicos – que são as exigências mínimas para a sobrevivência biológica. os seus motivos. e. que é mais do que um impulso inato. objetivos. A ação motivada foi. o instinto refere-se tanto ao impulso quanto à atividade adequada para satisfazê-lo. o esgotamento das substâncias alimentares no corpo do animal leva a um estado de inquietação. Por isso dá-se aos impulsos biológicos o papel mínimo que permite a sobrevivência do organismo. Como exemplo: . As origens dos seus motivos estão nas exigências do seu grupo social. O homem aprende as formas de viver da sua cultura ao procurar satisfazer as necessidades básicas. Assim como houve uma seleção natural do processo evolutivo que produziu o ser humano com motivações humanas. os rituais. existe uma causalidade de comportamento. As tendências biológicas inatas eram às vezes chamadas de instintos.O comportamento é motivado. .O comportamento humano é orientado para objetivos pessoais. aprendidas durante o processo de socialização do indivíduo e que dominam a maior parte de seu comportamento diário. nem aleatório. Interioriza os costumes. uma necessidade. O comportamento é causado por estímulos internos ou externos. existiu uma seleção e uma evolução sociais. oxigénio. possivelmente. Subjacente a todo comportamento existe sempre um impulso. os valores da sua sociedade. e a sua estrutura motivacional é formada. O comportamento não é causal. é também concebido como sendo em grande parte conduzido por instintos biológicos. ou seja. . o seu impulso reduz-se. os comportamentos alimentar. Tanto a hereditariedade como o meio ambiente influem decisivamente sobre o comportamento das pessoas. mas sempre orientado e dirigido para algum objetivo . o homem reflete a sua cultura. encontra e come o alimento. há uma finalidade em todo o comportamento humano. Por exemplo. mas a maneira específica pela qual entra no quadro da motivação do indivíduo. afastamento de estímulos dolorosos e outros semelhantes. O homem. acompanhados de alto grau motivacional. assim como um animal biológico. assim como o animal. a necessidade de alimento é satisfeita em todas as sociedades. expressões que servem para designar os motivos do comportamento. nas quais a natureza humana chega a ser tal que as sociedades sobrevivem e realizem as funções da vida grupal. O homem é um animal social. e tudo o mais é concebido como socialmente determinado. de época para época. em grande parte explicada e reduzida apenas aos impulsos não despertados: por exemplo. um desejo. também. Quando o seu corpo está satisfeito. e esses impulsos estão relacionados com as exigências fisiológicas do corpo e a sua sobrevivência: exigência de alimentação. Os motivos sociais Durante o processo emocional. ele age. o homem apresenta certas necessidades sociais. desejos. as suas intenções e tudo isto é o reflexo das necessidades da sociedade. portanto. água.O comportamento humano é causado. fundamentalmente. ou seja. por essas influências sociais. O que se considera realmente básico quanto à motivação. é determinada pela sociedade que varia amplamente de cultura para cultura.

com.fabiosampa.blogspot.blogspot.pt/news/processo-perceptivo/ https://pt.com.pt/2117.br/index.com.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS http://psicologiasolta.org/wiki/Mem%C3%B3ria http://psicologiacop.html http://www.wikipedia.br/Dicionario/S.webartigos.br/artigos/negocios/a-psicanalise-e-a-motivacao-humana-maslow-e-as- necessidades-humanas-ii-parte/56100/ http://rotasfilosoficas.html https://sites.com/site/estudodefilosofia/directory .br/p/memoria.htm https://www.administradores.com.webnode.net/ciencsociaishuman/psicologia/atencao/ http://www.com.html http://knoow.br/2012/02/memoria-e-esquecimento.google.portaldapsique.html http://www.verywell.blogs.com/artigos/a-memoria-e-a-sua-influencia-no-processo-de-aprendizagem/83381/ http://psicologiab-jml.com/2015/11/tipos-de-motivacao-psicologia.com/perception-and-the-perceptual-process-2795839 http://www.php/motivacao/9-motivacao-e-a-piramide-de-maslow http://psicoativo.sapo.com.