You are on page 1of 5

www.cers.com.

br 1
CONTINUAÇÃO ORGANIZAÇÃO DO ESTADO

Enunciados importantes!

SÚMULA VINCULANTE 2

É inconstitucional a lei ou ato normativo estadual ou distrital que disponha sobre sistemas de consórcios e sortei-
os, inclusive bingos e loterias.

SÚMULA VINCULANTE 38

É competente o Município para fixar o horário de funcionamento de estabelecimento comercial*.

SÚMULA VINCULANTE 39

Compete privativamente à União legislar sobre vencimentos dos membros das polícias civil e militar e do corpo de
bombeiros militar do Distrito Federal.

SÚMULA VINCULANTE 46

A definição dos crimes de responsabilidade e o estabelecimento das respectivas normas de processo e julgamen-
to são da competência legislativa privativa da União.

SÚMULA VINCULANTE 49

Ofende o princípio da livre concorrência lei municipal que impede a instalação de estabelecimentos comerciais do
mesmo ramo em determinada área.

Ressalva à SV 38:

Existe uma “exceção” à Súmula Vinculante 38:

O horário de funcionamento dos bancos.

Segundo o STF e o STJ, as leis municipais não podem estipular o horário de funcionamento dos bancos.

A competência para definir o horário de funcionamento das instituições financeiras é da União. Isso porque esse
assunto (horário bancário) traz consequências diretas para transações comerciais intermunicipais e interestaduais,
transferências de valores entre pessoas em diferentes partes do país, contratos etc., situações que transcendem
(ultrapassam) o interesse local do Município. Enfim, o horário de funcionamento bancária é um assunto de inte-
resse nacional (STF RE 118363/PR).

“Definição do tempo máximo de espera de clientes em filas de instituições bancárias. Competência do Município
para legislar. Assunto de interesse local. Ratificação da jurisprudência firmada por esta Suprema Corte”.
(RE 610.221 RG, rel. min. Ellen Gracie, j. 29-4-2010, P, DJE de 20-8-2010, Tema 272.)

d) inexistência do direito de secessão (de retirada), pois de acordo com o art. 1º da CF/1988, o vínculo que une os
entes da federação é indissolúvel. Art. 18, δ3° e δ4°.

Art. 18, § 3º Os Estados podem incorporar-se entre si, subdividir-se ou desmembrar-se para se anexarem a ou-
tros, ou formarem novos Estados ou Territórios Federais, mediante aprovação da população diretamente interes-
sada, através de plebiscito, e do Congresso Nacional, por lei complementar.

§ 4º A criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento de Municípios, far-se-ão por lei estadual, dentro do
período determinado por Lei Complementar Federal, e dependerão de consulta prévia, mediante plebiscito, às
populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal, apresentados e
publicados na forma da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 15, de 1996)

www.cers.com.br 2
Art. 96. Ficam convalidados os atos de criação, fusão, incorporação e desmembramento de Municípios, cuja lei
tenha sido publicada até 31 de dezembro de 2006, atendidos os requisitos estabelecidos na legislação do respec-
tivo Estado à época de sua criação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 57, de 2008).

e) existência do bicameralismo no Poder Legislativo central, com um dos órgãos representando a vontade dos
entes federativos na formação das leis centrais. No Brasil, esse papel foi destinado ao Senado Federal na forma
do art. 46;

f) existência de órgão judicial para resolver eventuais litígios entre os entes da federação, sendo do STF essa
função, na forma do art. 102, I, “f”;

Entendimento superveniente firmado pelo Plenário do Supremo Tribunal no sentido da incompetência da Corte
para apreciar conflitos de atribuição entre ministérios públicos (ACO 924/PR, ACO 1.394/RN, Pet 4.706/DF e Pet
4.863/RN). Atribuição definida ao PGR.[ACO 1.567 QO, rel. min. Dias Toffoli, j. 17-8-2016, P, DJE de 1º-8-2017.]

g) existência de um mecanismo de defesa para a proteção do Estado, consistindo na intervenção federal, na for-
ma dos arts. 34 a 36;

INTERVENÇÃO FEDERAL E ESTADUAL

1 - CONCEITO
2 - PRINCÍPIOS
3 - DECRETO INTERVENTIVO. LIMITES
4 - A INTERVENÇÃO NA CRFB/88
5 - MODALIDADES DE INTERVENÇÃO
6 - RI INTERVENTIVA FEDERAL

Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:

I - manter a integridade nacional;


II - repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra;
III - pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;
IV - garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;
V - reorganizar as finanças da unidade da Federação que:

a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de força maior;
b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição, dentro dos prazos estabeleci-
dos em lei;

VI - prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;


VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:

a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;


b) direitos da pessoa humana;
c) autonomia municipal;
d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de trans-
ferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde. (Redação dada
pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)

Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a União nos Municípios localizados em Território Federal,
exceto quando:

I - deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois anos consecutivos, a dívida fundada;
II - não forem prestadas contas devidas, na forma da lei;
III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e
nas ações e serviços públicos de saúde; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)
IV - o Tribunal de Justiça der provimento a representação para assegurar a observância de princípios indicados na
Constituição Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial.

www.cers.com.br 3
Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:

I - no caso do art. 34, IV, de solicitação do Poder Legislativo ou do Poder Executivo coacto ou impedido, ou de
requisição do Supremo Tribunal Federal, se a coação for exercida contra o Poder Judiciário;
II - no caso de desobediência a ordem ou decisão judiciária, de requisição do Supremo Tribunal Federal, do Supe-
rior Tribunal de Justiça ou do Tribunal Superior Eleitoral;
III - de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do Procurador-Geral da República, na hipó-
tese do art. 34, VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
45, de 2004)
IV - (Revogado pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)

§ 1º O decreto de intervenção, que especificará a amplitude, o prazo e as condições de execução e que, se cou-
ber, nomeará o interventor, será submetido à apreciação do Congresso Nacional ou da Assembléia Legislativa do
Estado, no prazo de vinte e quatro horas.
§ 2º Se não estiver funcionando o Congresso Nacional ou a Assembléia Legislativa, far-se-á convocação extraor-
dinária, no mesmo prazo de vinte e quatro horas.
§ 3º Nos casos do art. 34, VI e VII, ou do art. 35, IV, dispensada a apreciação pelo Congresso Nacional ou pela
Assembléia Legislativa, o decreto limitar-se-á a suspender a execução do ato impugnado, se essa medida bastar
ao restabelecimento da normalidade.
§ 4º Cessados os motivos da intervenção, as autoridades afastadas de seus cargos a estes voltarão, salvo impe-
dimento legal.

h) por fim, deve-se recordar que a forma federativa do Estado brasileiro é “cláusula pétrea”, limite material à re-
forma constitucional (art. 60, § 4º, I).

www.cers.com.br 4
www.cers.com.br 5